Você está na página 1de 28

DIREITO DO TRABALHO

Professor André
Professorandre.luiz@uol.com.br

CLT – É um conjunto híbrido de leis destinadas a regular a relação de


emprego.
• Híbrido porque está incluso no direito material e direito formal no
mesmo diploma.

“LOOK OUT” – Greve do empregador


• A atual Lei de greve 7.783/89 proibe o look out no Brasil.

TRABALHO – É todo esforço intelectual ou físico destinado a produção. Posso


ter trabalho sem emprego. Ex. Pintor.
• “Legalmente falando, toda relação de emprego contem uma
relação de trabalho”.

EMPREGO: É o trabalho com requisitos do artigo 3 da CLT.

TIPOS DE TRABALHADORES

A) AUTÔNOMO – É o trabalhador, pessoalidade, habitualidade, onerosidade.


Não pode ser subordinado.
• Emite a cada serviço um documento denominado RPA (recibo de
pagamento autônomo), devendo se inscrito no órgão de classe e
recolher a contribuição obrigatória ao INSS.

• Caso de conflito resultante do trabalho – Competência para o


julgamento pertence à Justiça do Trabalho (art. 114, I, CF)

B) EVENTUAL – É o trabalhador que presta serviços de natureza urbana ou


rural, não tem habitualidade, geralmente é contratado para trabalhar em
certa ocasião, logo, ele não tem expectativa de retorno ao trabalho. Ex.
Pintor, eletricista, pedreiro, é uma relação bilateral.

• Caso de conflito resultante do trabalho – Competência para o


julgamento pertence à Justiça do Trabalho (art. 114, I, CF)

C) AVULSO – É o trabalhador portuário, cujos serviços eram prestados com a


intermediação dos sindicatos até a Lei 8630/93.
• Com a Lei criou-se a figura do Órgão de Gestão de Mão de Obra
(OGMO) do trabalho portuário.
• Recebem por serviço prestado, através da entidade sindical ou
OGMO.

1
• A CF assegurou direitos idênticos dos Empregados – art. 7, XXXIV –
mesmo não sendo empregados.
D) ESTAGIÁRIO – Não é empregado, não tem onerosidade, tem bolsa auxílio,
requisitos cumulativos:
• A atividade do estágio tem que ser equivalente aquela cursada.
• Seguro de vida
• Contrato expresso de estágio homologado pela Instituição de Ensino.
• Lei. 6494/77 – Estágio – nova lei inclui bolsa auxílio, férias e jornada
de trabalho.
• Caso de conflito resultante do trabalho – Competência para o
julgamento pertence à Justiça do Trabalho (art. 114, I, CF)

E) APRENDIZ – é Empregado, pode fazer contrato de aprendiz quando estiver


fazendo curso técnico.
• Idade: 14 aos 24
• Hoje 18 aos 24 Lei 11.180/05, alterou os arts. 428 e 433,
CLT

F) DOMÉSTICO – lei 5859/72 – É aquele que presta serviços de natureza


contínua e de finalidade não lucrativa. (Doméstico não pode trabalhar em
local que tenha a intenção de lucro). Hot! hot!

Requisitos
• Ausência de lucro para o empregador

• Trabalha para pessoa ou família no âmbito residencial.

• OBS.: O TST entende que se o doméstico trabalhar uma só vez por


semana, ainda que em dia certo, ele não é empregado.

• Lei 11.324/06 concedeu ao doméstico férias de 30 dias corridos e


pode se ausentar nos feriados

• Garantia de Emprego da Gestante Doméstica


o ADCT, art. 10, II alínea “b”, complementou o art. 7, I CF
o DESDE a confirmação de gravidez até 5 meses após o parto –
NÃO PODE SER DESPEDIDA.
o Licença gestante – 120d.

o Jurisprudência: Demitiu gestante doméstica – Nem o


Empregador, nem a empregada sabiam que a mesma estava
grávida, não confirmou o fato mas quando descobriu a
gravidez, pode retornar, tem garantia de emprego.

“O desconhecimento do estado gravídico pelo Empregador


não obsta a garantia de Emprego”.

2
• Institutos que o doméstico não tem direito:
o Horas Extras
o Insalubridade periculosidade
o FGTS é facultativo.
o Jornada de trabalho – 8h/dia ou 44 sem
o Seguro desemprego
o Adicionais noturnos
o Salário-flia

G) EMPREGADO

Características que definem a figura do empregado:


A) PESSOA FÍSICA – É o ser humano, não existe empregado pessoa
jurídica.
B) PESSOALIDADE NA RELAÇÃO DE EMPREGO – Se caracteriza pelo
empregado não se fazer substituir. O empregador pode substituir o
empregado.
C) HABITUALIDADE – NÃO EVENTUAL é HABITUAL – É a expectativa
que o empregador tem do retorno do empregado ao trabalho.
D) DEPENDENCIA - é o requisito da SUBORDINAÇÃO – Estar sobre a
ordem de alguém. 03 tipos:
• Subordinação hierárquica – É a relação de comando que o
empregador tem com seu empregado, para que o empregado
cumpra ordens. Ex. Controle de horário.
• Subordinação técnica – É a supervisão técnica do trabalho já
concluído, pronto.
• Subordinação econômica – Não é a dependência de salário, mas sim
da estrutura econômica gerada pelo empregador.

E) Salário Onerosidade – Não existe vínculo de emprego gratuito, os


requisitos são cumulativos, tem que demonstrar todos.

H) RURAL – Direitos elencados na Lei 5889/73

I) TEMPORÁRIO - (Lei nr. 6019/74)

J) COOPERADO – É a espécie de trabalhador que, agrupado a outros, forma


uma sociedade civil sem fins lucrativos (Lei nr. 5764/71).

K) TERCEIRIZADO – A realização de certos serviços especializados pode ser


transferida a uma empresa, desde que possa ser considerada como de
“meio”e não de “fim”.

L) SERVIDORES PÚBLICOS – São trabalhadores admitidos por Empresas


Públicas ou o Poder Público, segundo o regime da CLT. Pode ser
estatutário ou celetista, haverá a necessidade de concurso público.

3
M) REPRESENTANTE COMERCIAL – É espécie de trabalhador autônomo
que presta serviços não subordinados na intermediação ou venda de
produtos dos contratantes, segundo os moldes da Lei nr. 4886/65

CONTRATOS

CARACTERÍSTICAS:

A) Consensual: Via de regra não há forma definida


B) Sinalgmático: É aplicado bilateralmente, são prestações recíprocas.
C) Trato sucessivo:
D) Subordinação:
E) Intuito personae:

CLASSIFICAÇÃO DOS CONTRATOS DE TRABALHO

Quanto a FORMA
Art. 442 e 443, CLT – O CT não exige forma solene para que tenha
existência legal, salvo as exceções legais:

Atletas profissionais, artistas, contratos de aprendizagem e contratos a


prazo determinado – EXIGE CT ESCRITO

Quanto ao PRAZO
DETERMINADO INDETERMINADO
• Prazo Indeterminado – é a regra
É aquele em que as partes, já na É aquele que não houve nenhum
admissão, fixam o seu termo final. tipo de ajuste (em relação ao
Art. 443, 1, CLT prazo).
• Não tem aviso prévio Nos contratos a termo, é ADMITIDA
• Multa de 50% do FGTS não é apenas uma PRORROGAÇÃO,
aplicada ao empregador mas dentro do prazo estipulado
• Não há estabilidade pela lei
Art. 443, parágrafo 2, alíneas a,b e c
são as únicas hipóteses do contrato • Serviço transitório – 2 anos
determinado. • C.Experiência – 90 dias

Serviço cuja natureza ou Ambos admitem uma única


transitoriedade justifique a pré- prorrogação.
determinação do prazo

ATIVIDADES EMPRESARIAIS DE CARATER TRANSITÓRIO ou ESPÉCIES


DE CONTRATO A TERMO.

4
• Contrato de experiência – hot! hot! - teste – prazo max. 90 dias
 Extinção do contrato antes do prazo pactuado pelo empregador:
“Caso o empregador rescinda o contrato antes da data ajustada,
deverá ao empregado uma indenização equivalente a metade do que
este deveria receber até o final do contrato, em caso inverso o
empregado também deverá ao empregador uma indenização até o
limite a que teria direito a condições idênticas, mas somente se ficar
comprovado o prejuízo. Art. 479 e 480, CLT.

 Hoje se o empregador comprovar prejuízo o empregado terá que


ressarcir até o limite de prejuízos, se não tiver prejuízos não paga
nada.

o O contrato por prazo determinado, exceto o de experiência podem


ser pactuados por 2 anos.

• Contrato temporário – Lei 6019/74 – Só pode ser pactuado em duas


situações:
o A) Acréscimo de serviço
o B) Necessidade transitória de substituição de pessoal.

Validade deste contrato: 03 meses + prorrogado 3 meses= 6 meses.

CONTRATO CONTRATO
EXPERIÊNCIA TEMPORÁRIO
É relação trilateral –
É relação bilateral - A x B A x B x C - Tomador de serviço

Observação:
A) A lei 6019/74 – art. 16 da Lei de temporários em caso de falência.
o Em caso de falência da locadora, a tomadora de serviço se
responsabiliza solidariamente para com os créditos trabalhistas
dos empregados.
B) Terceirização – Súmula 331 TST – relação trilateral
I) A terceirização não compreende CONTRATAÇÃO DE PESSOAL
DE SERVIÇO.
II) A terceirização deve compreender contratação de atividade
MEIO, nunca de atividade FIM.
III) Na terceirização há responsabilidade subsidiária sempre.

ALTERAÇÕES DO CONTRATO DE TRABALHO


• A CLT, ART. 468 faz restrições nos contratos individuais de trabalho, são
elas:
o Mútuo consentimento
o Inexistência de prejuízo ao Empregador

5
Princípio Legal da Imodificabilidade dos Contratos
• Vem consagrado no art. 468, CLT, de maneira que nenhuma condição
de trabalho pode ser alterada unilateralmente, sem a anuência da parte
contrária.

Do Jus Variandi – exceção


• Ë o direito do empregador de alterar de modo unilateral as condições
não essenciais do CT.

INTERRUPÇÃO E SUSPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

Interrupção Suspensão
CLT CLT
Suspensão parcial Suspensão total
(terminologia da doutrina) (terminologia da doutrina)
Não há trabalho Não há trabalho
Há SALÁRIO NÃO HÁ SALÁRIO
Ex. Férias Licença Remunerada
Caso de doença e acidente de A partir do 16 dia
trabalho nos primeiros 15 dias
NÃO conta o tempo do
afastamento como tempo de
serviços para a aposentadoria,
tem que ter recolhimento do INSS
Tempo computado para
aposentadoria Exceção computa como tempo de
serviço:
a) SERVIÇO MILITAR
OBRIGATÓRIO
b) AFASTAMENTO POR
ACIDENTE DE TRABALHO
(16 dia)

SALÁRIO E REMUNERAÇÃO

• SALÁRIO - É a importância fixada no ato da contratação e reajustada


por ocasião da data-base, destinada ao empregado, quem paga é o
empregador.

• REMUNERAÇÃO (Soma do salário + gorjeta) – É o total dos proventos


percebidos pelo empregado em função do contrato de trabalho.
o Serve de base para o cálculo das férias anuais, do 13 sal,
recolhimento do FGTS, incidência INSS e IRRF, além do
pagamento de indenizações.

6
Obs.: as gorjetas espontâneas integram o salário. (adicional de 10% que
vem na nota)

INSTITUTOS QUE NÃO INTEGRAM A REMUNERAÇÃO

A) GRATIFICAÇÕES – É a liberalidade do empregador, dá e tira quando


quiser. Se estiver no contrato integra a remuneração, do contrário não
tem previsão legal. Ex. vale-refeição.

B) VALE TRANSPORTE – é obrigatório, o empregado pode recusar se o


empregador for descontar os 6% que tem direito.
.
C) PLR – PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS – É facultativo
e mesmo quando for dado não integram.

D) DIÁRIAS - que não excedem 50% do salário, não integram a


remuneração. É uma importância fixa dada para o empregado.

MEIO DE PAGAMENTO DO SALÁRIO

1) O salário tem que ser pago em moeda corrente, pois pago de outra
forma é considerado não pago. Tem que ser em dinheiro, art. 463, CLT.

2) Em cheque ou depósito bancário (Portaria 3281/84 do Ministério do


Trabalho, regula o pagamento em cheque).
o A referida portaria autoriza as empresas situadas em perímetro
urbano com o consentimento do empregado a fazer o pagamento de
salários através de conta bancária aberta para este fim ou em
cheque emitido diretamente pelo empregador em favor do
empregado, salvo se este for analfabeto.

o O pagamento feito com uma inobservância desta portaria também se


considera como não feito.

o Cheque de terceiro NÃO PAGA SALÁRIO

3) Salário Utilidade – “in natura” – É o salário pago através de bens


econômicos. Ex. Empresa compra um carro e dá para empregado e
desconta no salário.

• Para ter característica salarial a utilidade deve ser dada pelo trabalho
e não para o trabalho.

7
13 SALÁRIO – Lei 4090/62
• É devida a todo e qualquer tipo de empregado, pode ser pago em
duas vezes.
• A primeira parcela – de fevereiro a novembro
• A segunda parcela – até 20 de dezembro

• O 13sal tem como base o SALÁRIO DE DEZEMBRO


o Empregado recebe fixo – art. 466, CLT
o Empregado recebe variável – média anual

14 SALÁRIO – seria o PLR


• “O empregado contratado (demitido sem justa causa) ou ainda
quando comunica sua dispensa terá direito ao 13sal de maneira
proporcional, na base de 1/12 para cada m6es trabalhado,
considerando como mês integral aquilo que o empregado
trabalhar 15 dias ou mais dentro do mês. – Lei 4090.

EQUIPARAÇÃO SALARIAL – requisitos 461, CLT.

• Paradigma é o ponto de partida da equiparação.

REQUISITOS ENTRE O REQUERENTE E O PARADIGMA – HOT!HOT!


a) Sendo idêntica a função
Cargo – É um posto em que se encontra um empregado.
Função – É serviço exercido por ele.

b) Trabalho de igual valor – art. 461, parágrafo primeiro CLT.


É o trabalho feito com a mesma produtividade (quantidade) e
idêntica perfeição técnica (qualidade).
Devem ser observadas as mesmas condições de trabalho.

c) Não superior a 2 anos –


Súmula 6, II – TST - Esta diferença deve ser contada na função.

d) Mesmo empregador – ambos devem ter o mesmo empregador

e) Na mesma localidade – Ambos empregados trabalhem mesma


localidade não é mesmo estabelecimento comercial, é o mesmo
município ou mesma região metropolitana.

Todos estes requisitos são cumulativos, a falta de um deles


descaracteriza a equiparação salarial.

AVISO PRÉVIO – art. 487, CLT


• O AP é de no mínimo 30 dias. Art.487,II, CLT

8
• Só cabe AP quando tem rescisão do contrato de trabalho.
• O AP sempre conta como tempo de serviço.

NÃO CABE AP:


• Nos contratos com prazo determinado
• Nas demissões por justa causa
• Inciso I, do art. 487 foi REVOGADO pelo art. 7, XXI, CF

O AP é concedido pelo empregador quando rescinde o contrato de trabalho


SEM JUSTA CAUSA.

o AP trabalhado, pode o empregado trabalhar 2hs a menos por dia ou sai do


emprego 01 semana a menos (488, parágrafo único) – É opção do
empregado

o Princípio da Irredutibilidade do empregado


 Exceção 276, TST – “a lei do rural diz que tem que trabalhar um dia a
menos por semana”.

 Súmula do TST, 276 – Pode o empregado renunciar o restante do


aviso prévio desde que comprovada a obtenção de novo emprego.

 Súmula do TST, 230 – É vedado substituir a jornada reduzida no AP


por HE. Neste caso caracteriza a nulidade do aviso, gerando um
novo a ser indenizado pelo empregador.

O AP é concedido pelo empregado, quando este pede demissão.


o O empregado comunica sua dispensa e dá o AP trabalhado, neste
caso não pode reduzir a carga horária, trabalha normal.

o Ou, o empregado indeniza o AP, paga através de desconto nas


verbas rescisórias.

• Súmula do TST,348 – É inválida a concessão do AP na fluência da garantia


de emprego ante a incompatibilidade dos 2 institutos.

ESTABILIDADE – ART. 492, CLT

• Estabilidade decenal não existe mais, desde 1988.

• A) Dos dirigentes sindicais -

• B) Dos membros da CIPA – Comissão Interna de Prevenção de


Acidentes
• Obrigatório em empresas com mais de 50 empregados

9
• Composição do CIPA tem que ser paritária, tem que ter
representantes dos empregados e do empregador.

• O representante do empregador não tem estabilidade só dos


empregados.

 A e B, ambos tem estabilidade de registro de sua candidatura


e seu eleito é de até 1 ano após o final do mandato. Titulares
e suplentes

• C) Das gestantes – Da confirmação da gravidez até 5 meses após


o parto.

• Lei 9029/95 – Proíbe pedir o teste de gravidez à


empregada, sob pena de multa de 10 vezes, o maior
salário da empresa.

• Entendimento do TST – Súmula 244 – O desconhecimento


do estado gravídico pelo empregador não tira do emprego
o direito de sua estabilidade.

INSALUBRIDADE – ART. 189, CLT

Súmula 47, TST – Ainda que o empregado trabalhe parte do dia em


atividade insalubre terá um adicional.

Portaria 3214/78 – Aqui estão todas as atividades insalubres.

Súmula 248, TST – A retirada dos ..... de qualquer atividade insalubre


torna indevido o adicional.
• EPI – Equipamento proteção individual
• EPC - Equipamento proteção coletiva

Súmula 80 , TST – O EPI que elimina o agente insalubre torna indevido


o adicional.

Súmula 289, TST – a mera entrega do EPI não satisfaz o adicional


sendo indispensável a fiscalização de seu uso.

Art. 158, parágrafo único, alínea B – a recusa do uso do EPI configura


falta grave.
• É injustificado, poderá ser demitido por justa causa.

Percentual sobre o salário mínimo, mas se tiver piso salarial recebe


sobre o piso. A perícia é indispensável
10
• 10% - grau mínimo
• 20% - grau médio
• 40% - grau máximo

• Súmula 17, TST - O empregado que recebe salário adicional terá


piso de insalubridade calculado sobre este e não sobre o salário
mínimo.

Na insalubridade não há presunção de veracidade ainda que sob revelia


a perícia é obrigatória.

• Súmula 293, TST – A JT pode condenar a reclamatória por


agente diverso do apontado na inicial.

O menor não pode trabalhar em atividade insalubre


O aprendiz – dos 18 aos 24 pode.

PERICULOSIDADE – ART. 193, CLT

• A PERICULOSIDADE visa compensar o risco a sua integridade


física. Não precisa ser risco de vida.

• Adicional
• Explosivos
• Inflamáveis

• A Lei 7369/85 concede aos eletricitários

• REGRA: 30% sobre o salário do empregado e não remuneração.

• Art. 193, parágrafo II – O empregado tem que optar pela


insalubridade ou periculosidade.

FÉRIAS – ART. 129 e ss..

• Todos tem 30 dias de férias, o empregado recebe o salário e mais


o adicional de 1/3.

• Quando o empregado, falta sem justificativa tem prejuízo nas


férias.

• Art. 130, CLT – Período de Férias


o 30 dias até 5 faltas
o 24 dias de 6 a 14 faltas
o 18 dias de 15 a 23 faltas

11
o 12 dias de 24 a 32 faltas

• Parágrafo PRIMEIRO – É vedado descontar, compensar as faltas


nas férias

• Período aquisitivo – São os 12 meses iniciais em que o


empregado adquire direito a suas férias.

• Período Concessivo – São os 12 meses subseqüentes em que o


empregado deverá gozar as suas férias. É o empregador que fixa
o período de férias do empregado.

Exceção:
• A) O empregado estudante e menor de 18 anos deve conciliar
as férias escolares com as férias do trabalho.

• B) Os membros de uma mesma família que trabalham na


mesma empresa podem gozar as férias juntos se isso não
resultar prejuízo ao empregador (parágrafo 1 e 2 do art. 136,
CLT).

• As férias devem ser gozadas em um único período corridos 30


dias, Apenas em casos excepcionais podem ser divididas em 02
períodos, um dos quais não pode ser inferior a 10 dias corridos,
salvo para os menores de 18 e maiores de 50 anos que deveram
obrigatoriamente gozá-las em um só período.

• Férias em dobro + 1/3 – As férias devem ser pagas em dobro


mais 1/3 se vencidas (cumuladas duas férias por ex.)

• Art. 143, CLT ABONO PECULIAR (venda de férias) – o


EMPREGADO PODERÁ VENDER 10 DIAS de férias, e o
empregador caso o empregado queira vender é obrigado a
comprar.

• O empregado deve avisar o empregador da sua intenção de


vender as férias com até 15 dias de antecedência do término do
período aquisitivo.

• As férias deverão ser pagas até 2 dias antes da saída de férias do


empregado.

JORNADA DE TRABALHO

São 8 horas diárias e 44 semanais – Se ultrapassar as horas suplementares


deverão ser pagas com adicional de 50%.

12
a) Bancários – art. 224, caput, CLT – 6hs
• Cargo de chefia – Parágrafo 2 - Tem gratificação de função, que
não seja inferior a 1/3 do salário.

b) Telefonistas – Jornada de 6hs de empregada que não explora telefonia,


ler art. 227.
• OJ 273 – STI - Operador de telemarketing não aplica esta jornada
porque ele é vendedor, é a sua ferramenta de trabalho.

c) Trabalhadores em turnos ininterruptos de revezamento são aqueles que


trabalham em empresas que funcionam 24 horas por dia.
• Turno ininterrupto, art. 7, Inc. XIV, CF – O normal é 6hs, mas
devido ao revezamento não tem horário fixo, SALVO Acordo
ou convenção Coletiva de Trabalho

Excluídos da jornada de trabalho e sem direito a hora extra.


• Domésticos
• Gerentes (salário de 40% a mais que seus subordinados)
• Trabalhadores externos.
o Qualquer um dos 3, se forem submetidos a controle de horário
passam a ter direito a horas extras.

Art. 59, CLT


o No máximo o empregado pode fazer 2 horas por dia com ADICIONAL DE
50% (parágrafo 3)

o Acordo Compensação – art. 59, parágrafo segundo


 Compensa quando o empregado quiser no prazo máximo de 01 ano.

o Súmula 85, TST – A nova redação admite a relação de acordo individual.


 Tem que ser expresso. (regra)

ADICIONAL NOTURNO ART. 73 CLT EQUIVALE


Entra Sai
URBANO 22h 05h 52’30”
RURAL
a) Agricultura 21 05h 25
b) Pecuária 20 05h 25

• A hora do rural é cheia, não tem jornada reduzida

• Considera-se com horários mistos aqueles que ingressam no período


noturno, ou seja,

13
• Se o empregado inicia a sua jornada às 20 horas no âmbito urbano
trabalhando até meia noite, receberá das 20 às 22 horas de maneira
simples

• Das 22 a 24 de maneira noturna.

• No entanto, se a jornada tem início às 3 horas e término as 8 horas o


empregado receberá de forma integralmente noturna durante todo
período (parágrafo IV e V – art. 73, CLT.

Observação
ACORDO COMPENSAÇÃO SEMANAL
• Exige acordo escrito, e pode ser individual entre Empregado e
Empregador.
• O EXCESSO de horas em 01 dia seja compensado.
ACORDO COMPENSAÇÃO – TST – BANCO DE HORAS
• Exige que o acordo seja formalizado no Sindicato, tem que ser
escrito e coletivo.

INTERVALOS / JORNADAS

Intra jornada – feito dentro da mesma jornada de trabalho (almoço, janta) , art.
71, CLT.

o Até 4hs dia = .x.


o 4 a 6h trabalhadas = 15 minutos
o 6 a 8h trabalhadas = no min 1 e no Max 2 horas

o Esses intervalos não contam com tempo de serviço.

o A cada 90 min de trabalho descansa 10 minutos e contam com hora


tempo de serviço.

Inter jornada – art. 66 – CLT – É entre jornadas, é o intervalo que o empregado


tem para dormir.

• O intervalo deve ser 11horas consecutivas


• Todo intervalo trabalhado tem adicional de 50%. Ex. Trabalho 8hs
direto, sem intervalo, tenho adicional de 50% no salário

REPOUSO SEMANAL REMUNERADO – ART. 67, CLT


• 24 horas consecutivas
• Domingo (folga) regra

14
• Se o empregado falta injustificadamente durante a semana
perderá a remuneração do descanso.

• Se o empregado trabalha no descanso semanal remunerado, por


ex. no domingo, recebe 100% adicional.

JUSTA CAUSA – FORMA DE DEMISSÃO

Comprar Livro: Direito do Trabalho – 4 edição - Ribel editora

JUSTA CAUSA FALTA GRAVE


É a forma de demissão É a conduta irregular do empregado que
por uma ou várias vezes leva a demissão
por justa causa.

• Empregado estável vai a Justiça do Trabalho para postular a


REINTERAÇÃO – Único caso.

• Penalidade:

Verbas rescisórias da Justa causa


• Saldo de salário
• Férias vencidas se houver

Reversão da Justa Causa

Dois Princípios da Justa Causa

• Princípio da imetiatividade – A ação do empregador com relação a falta


DEVE se imediata.
o Se não fizer perdão tácito.
o A imeditividade nem sempre da falta cometida mas da ciência do
empregador com relação a falta.

• Princípio da Isonomia de Trabalho – Se tenho vários envolvidos na falta,


todos devem ter punição idêntica.
o Ex. Funcionário jogando truco à dinheiro no horário de trabalho.
 Não posso dar a rescisão por Justa causa
 Primeiro tem que dar a advertência
 Repetiu a falta – dá a segunda advertência
 Após... pode dar a conta por JC

Espécies de JC – art. 482, CLT

15
Ato de improbidade – hot! hot!
o Qualquer ato do empregado que atente ao patrimônio do
empregador é ato de improbidade.

o Ex1. Destruir material da empresa. Atestado falso.

o Cuidado !!! É o que mais reverte na JT

o Ex2. Empregador flagra funcionário furtando e grava em vídeo –


Manda embora por justa causa. Tem mandar embora no ato
(princípio da imediatividade) como neste caso foi aberto um IP se
esperar o resultado – PERDÃO TÁCITO.

o Furto, roubo, apropriação indébita.

Incontinência de Conduta ou mau procedimento

• Incontinência de Conduta – Desvios ou abuso da sexualidade,


obscenos ou libitinosos configuram a incontinência de conduta, se
praticados no local de trabalho.

• Mau procedimento –– hot! hot! Qualquer conduta que não puder ser
tipificada enquadra aqui.

• “Não consigo incutir noutra ALÍNEA, jogo no mau procedimento.”

Negociação habitual – O legislador diz que para dar falta grave tem que ter
mais do que uma FALTA GRAVE, tem que ter HABITUALIDADE.

“o EMPREGADO PODE TER 2 EMPREGOS, O QUE NÃO PODE


ACONTECER: O EMPREGADO NÃO PODE CONCORRER COM O
EMPREGADOR”. – Configura JC

Condenação Criminal - Ë preciso dois requisitos cumulativos:


o Trânsito em julgado da decisão penal, se condenado.
o Reclusão do empregado. Ex. O empregado fica impossibilitado de
ir até o emprego.

Desídia – O sujeito desidioso é o sujeito preguiçoso, faz corpo mole, vive


dormindo.
o A empregada que vende produto da Natura, disvirtua o
empregado do seu objeto, logo é desídea – configura JC.

16
Embriaguez habitual ou em embriaguez em serviço – rever!!!!não entendi

Embriaguez habitual É doença NÃO CONFIGURA JC – é o estado entorpecido


(alcoólico ou tóxico). Afasta o empregado da empresa, será encaminhado para
o INSS, este terá assistência.

o Tem que ser mais de 4 ...5 vezes .... a FG


o Hot! Hot! Se cair uma questão Cespe:
É JC? CUIDADO, verificar o enunciado!!!! Porque a CLT dá JC e
a nova corrente jurisprudencial NÃO.

Embriaguez em serviço – Uma FG em horário de serviço da JC sim. Esta


continua valendo.

Violação de segredo de empresa – Divulgação do empregado de segredos


da empresa. Hot! Hot!

Indisciplina ou insubordinação – Ambas caracterizam pelo descumprimento


de ordens. Hot! Hot!

• Indisciplina – caracteriza se as ordens forem gerais


• Insubordinação – Ordem específica do serviço.

Abandono de Emprego – Anuncío nos jornais.


o Habitualidade – Expectativa de retorno do empregado no
trabalho. Se quebrar esta expectativa – JC

o Hot! hot! Súmula 32 – prazo de 30 dias consecutivos – na prática


ninguém espera porque este prazo (jurisprudencial) é muito
longo.

o Hoje não se anuncia mais para que volte ao trabalho. Não existe
mais publicação de abandono de emprego.

o Porém, tem que comunicar via TELEGRAMA, CARTA com AR...


tem que notificar.... é uma forma de provar...

Ato lesivo a honra e a boa fama bem como ofensas (lesivas) físicas
o Agressões verbais (calúnia, difamação e injúria);

o A ofensa física para da JC basta a tentativa.

17
o Caracterizada: Tem que ser em horário de serviço ou no Âmbito da
empresa.

o Atos praticados por qualquer pessoa, colega, cliente... EXCETO


contra EMPREGADOR OU SUPERIOR HIERÁRQUICO

Idem contra Empregador ou Superior hierárquico


o Em qualquer horário, em qualquer lugar dá JC SALVO LEGÍTIMA
DEFESA.

Prática constante de jogos de azar


o Tem que haver repetição da prática. Hot!hot!

o 03 requisitos cumulativos para a FG


o Tem que ser em horário de serviço ou no âmbito da empresa
o Jogo tem que estar ligado a dinheiro
o Jogo tem que ser ilegal

Parágrafo Único: ATOS ATENTATÓRIOS A SEGURANÇA NACIONAL

FALTAS GRAVES FORA DO 482 DA CLT


A) Artigo 508, CLT – Empregado bancário devedor contumaz de dívidas
legalmente exigíveis. Mandado embora por JC

B) Dec-Lei 95247/87 – regulariza o Vale transporte.


o no parágrafo 3 deste decreto traz uma FG – “a declaração
fraudulenta de itinerário configura FG”

C) Lei 783/89 – Lei de greve, é direito constitucional mas tem limites.


o A greve do metroviários TRT considerou a greve abusiva, porque
teve gravame sério para a sociedade. TODOS podem ser
demitidos.

o Greve Ilegítima – JC
o Adesão a greve é voluntária
o Piquete é proibido e caracteriza a greve ilegítima.

ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO

São 03 órgãos:
• Varas do Trabalho – EC 24/99 – 1 Instância

18
• Tribunais Regionais do Trabalho – Art. 112, CF
• Tribunal Superior do Trabalho

Para se instituir um TRT precisa pelo menos 07 Juízes, os tribunais são


compostos por turmas e cada turma constitui 5 juízes.
o A idéia é que tenha duas turmas
o Desses 5 juízes só 3 atuam em cada processo
o Presidente só vota em caso de empate.

O TST voltou a ser composto por 27 ministros (togados)


o TST é composto por 03 órgãos, mas um deles não julga processos,
apenas é administrativo chamado de PLENO, faz súmulas.

o Os outros 02 são órgãos julgadores, o processo chega e será sorteado


para ver qual turma irá julgar.

o Seriam uma espécie de 02 instâncias dentro do TST, chamados de SDI


e SDC, atua em competência de 4, 3, 2 e 1 instância.

Dissídios Individuais e Coletivos

o A diferença do DI para o DC não diz respeito ao número de


reclamantes, mas sim ao pleito.

o O pedido do DI é PESSOAL, enquanto que, no DC o pedido diz respeito


a uma categoria.

o No sumaríssimo 02 testemunhas em audiência, tanto faz simples ou


plúrimo.

o No ordinário acima de 40 sm são 03 testemunhas

o Hot! hot! CESPE – Rito sumaríssimo 02 para cada parte, não importa
quantos reclamantes são

DISSIDIOS INDIVIDUAIS – 03 tIpos.


• Simples – Ocorre quando tem só um reclamante.
• Plúrimo – Pluralidade de reclamantes
• Especial

Dissídio Individual Especial – Inquérito Policial

o “Caso o empregado estável cometa alguma falta grave ensejada da


ruptura contratual por justa causa não poderá haver demissão imediata,
desde que ele tenha adquirido sua estabilidade em virtude de ser

19
dirigente sindical ou decenal. Neste caso o empregador deverá
suspender o empregado e, dentro de 30 dias (PRAZO DECADENCIAL)
O INQUÉRITO DEVERÁ ser proposto” hot! hot

o Cada parte, em audiência, poderá contar com a oitiva de até 6


testemunhas.

o 30 dias da suspensão do empregado e não da FALTA GRAVE.

o Todos os dissídios – COMPETENCIA ORIGINÁRIA DAS VARAS DE


TRABALHO.

o Exceção: Quando extravasar a competência de 01 TRT, a


competência originária dos dissídios coletivos passa a ser do
TST. Hot!hot!

Se perder Irá para TRT 2 instância


RECURSO
Se perder de Irá para TST 3 instancia -
novo TURMAS
Se perder de Irá para SDI 4 instancia
novo (dentro do
TST)

Competência Material da JT – Art. 114, CF e EC 45/2004

o Toda a relação de Trabalho é de competência da JT

o Nas seguintes relações de trabalho:


o Funcionário Público estatutário – JUSTIÇA FEDERAL, MAS NÃO
SÃO DE COMPETENCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO, DEVIDO
ADIN 3395.

o Funcionário Público celetista – JUSTIÇA DO TRABALHO.

Acidente de Trabalho
o As ações de dano moral ou material, decorrentes do acidente de
trabalho são de competência da JUSTIÇA DO TRABALHO.

o Art. 643, 2, CLT – Foi DERROGADO, porque PARA CONFIGURAR se é


ou não acidente de trabalho a competência será da JUSTIÇA COMUM

o Depois de configurado é JUSTIÇA DO TRABALHO, porque a ação é


contra o empregador.

20
Sindicatos
o As demandas entre sindicatos e empregados; sindicatos e
empregadores e entre sindicatos são de competência da JT.

o Convenção de 1987 – sindicato sobrevive de contribuições.

o A Contribuição sindical é obrigatória, compulsória, tem q pagar.

Audiências

o Ë obrigatória no Processo do Trabalho, devido ao Princípio da


Conciliação.

o Audiência UNA – sempre única, devido ao Princípio da Concentração.

o A presença das partes na audiência é obrigatória.

o O Prazo para preparar a defesa na JT (leu art. 841, CLT) tem que
receber a notificação 5 dias antes da audiência.

o Porém, na prática os Juízes dividem a AUDIENCIA UNA em:


o Inicial – Ocorre a tentativa de conciliação, e não havendo o
reclamado entrega a DEFESA.

o Instrução – Onde há o colhimento de todas as provas, as partes


saem ciente da próxima sentença.

o Julgamento – Juiz prolata a sentença.

Reclamante ausente na PRIMEIRA AUDIENCIA


Arquivamento do processo (ainda sem o exame de mérito),
cabe RECURSO ORDINÁRIO – RO
o Pode propor 2 ação. (mas, se o reclamante não for de novo?)
o Pode propor 3 ação, somente após 6 meses – art. 731 e 732, CLT
o Agora se na 3 reclamação não comparecer – NOVO ARQUIVAMENTO
– Há a PEREMPÇÃO da ação

Reclamado ausente na PRIMEIRA AUDIENCIA


o Caracteriza REVELIA e PENA DE CONFISSÃO quanto a matéria de
fato.

Revelia – Fatos todos como verdadeiros, mas não há presunção de


veracidade na periculosidade.

21
Atenção: “Caso o reclamante ou o reclamado não compareça a audiência de
Instrução ficam condicionados à pena de confissão quanto a matéria de fato”.

RECURSOS

o Todos os recursos regulados na CLT temo prazo de 8 dias.

o Apenas os Embargos de Declaração são 5 dias – CPC.

o Os recursos trabalhistas são recebidos no efeito devolutivo.


Recurso Ordinário

É um meio de impugnar decisões definitivas proferidas


RO pelas VARAS DE TRABALHO e da decisão dos TRIBUNAIS
REGIONAIS, quando este atuar em 1 instância.
o TRT processos de sua competência originária
dissídios individuais, dissídios coletivos, Ação
Rescisórias, mandado de Segurança e Habeas
Corpus, cumprindo, portanto, a função de
assegurar o duplo grau de jurisdição.
Previsão ART. 895, CLT
legal
a) Contra sentenças, decisões terminativas e
definitivas (extinguem o processo com ou sem
julgamento do mérito).
Cabimento b) Contra decisões de competência originária - ação
rescisória, dissídios individuais, coletivos, hábeas
corpus, mandado de segurança e medidas
cautelares. Ex. Ajuizou AR no TRT, cabe RO para o
TST.
c) Quando é apresentado EXCEÇÃO DE COMPETENCIA
RELATIVA (que é acolhida) que os Autos foram
remetidos para Tribunal diverso.
Prazo 08 dias.
Forma Petição dirigida ao...
Razões
Preparo Autor – ACOLHE - Se a sentença ACOLHE todos os
Custas e Depósito pedidos postulados pelo autor NÃO precisa pagar nada,
recursal, pago no porém se...
ato da
interposição do - REJEITA / IMPROCEDENTE TODOS OS PEDIDOS –
recurso, pois terão Mesmo que dentre 50 pedidos um seja rejeitado
que ser deverá recolher as CUSTAS de 2% sob o valor dado
comprovados. a causa arbitrado pelo juiz, DESDE que não esteja
litigando sob o benefício da AJG.

22
Ausência preparo Réu - Para que o réu possa recorra é necessário os
implica na recolhimento de 2% do valor das custas arbitrados
deserção do pelo juiz e do depósito recursal.
recurso, ou seja,
seu não
conhecimento
TODOS os recursos trabalhistas tem efeitos DEVOLUTIVOS
Efeitos (não existe efeito suspensivo no ProcTr).
• Os recursos trabalhistas NÃO POSSUEM efeito
SUSPENSIVO, salvo o RO obtido através de MEDIDA
CAUTELAR INOMINADA EM DISSÍDIO COLETIVO.
É a análise que o juiz “a quo” (que proferiu a decisão do RO,
verificando os pressupostos extrínsecos ou objetivos –
cabimento, tempestividade, preparo, previsão legal e
representação).
Juízo
de
Preenchido os requisitos, intima parte contrária para querendo
admissibilid responder o recurso no prazo de 8 dias. Fazenda Pública prazo
ade em dobro.
É feito o juízo de admissibilidade pelo juiz de 1º grau como de
2º grau
• Ex. Ajuizou AR no TRT, cabe recurso para o TST, desafiando
para o TST, 1º Juízo de admissibilidade Presidente TST
2º Juízo de Admissibilidade Ministro Relator do TST
Recurso de Revista
É o recurso que cabe contra decisões proferidas em
RR sede de RO pelo TRT.
o Tem como fundamento análise de matéria de
direito.
o É óbvio que cabe ED
Previsão legal Art. 896, e 896 A CLT
Cabe RR para a Turma do TST
- Das decisões proferidas em grau de recurso
Cabimento ordinário, em dissídio individual, pelo TRT.

Cabe contra decisão do TRT que julga o


recurso ordinário, pois a parte inconformada
com a decisão interpõe RR que será julgado
no TST.

• Ex. Parte interpõe RO, o juiz de 1º grau


denega seguimento, a parte interpõe AI
(julgado no TRT), contra a decisão do AI NÃO
CABE recurso de revista.
Prazo 08 dias.
RR É dirigida a petição do recurso para o Presidente
do TRT e as Razões para a Turma do TST.

O RR é interposto no Tribunal que proferiu a decisão

23
originária, neste mesmo Tribunal é feito o Juízo de
Forma admissibilidade, e desta decisão do tribunal que não
recebe o RR cabe AI dirigido ao Presidente do TRT
para que este remeta ao TST.

O Presidente do TST não pode negar seguimento ao


AI. Se provido o AI julga o recurso que havia sido
trancado
Julgado pelo TST
RR é dotado de efeito DEVOLUTIVO, será
apresentado ao Presidente do Tribunal recorrido, que
Julgado poderá receber ou denegar, com decisão
fundamentada.
- Não vai direto para o TST tem que percorrer
todas as vias recursais.
Preparo Tem custas e depósito recursal, se ainda existir.
Efeito Recebido no efeito devolutivo
Intrínsecos ou Específicos:
a) Violação a CF – A violação tem que ser direta, não se
admite a ofensa de maneira oblíqua ou reflexa.
b) Violação a lei – Violação a qualquer fonte normativa.
Pressupostos c) Divergência jurisprudência – tem que demonstrar que um
tribunal está julgando a mesma matéria de forma diferente
que outro (tem que ser tribunal divergente)
Ex. TRT 9ª região com outro Tribunal regional

Extrínsecos ou genéricos
- Preparo (custas e depósito recursal)
- Tempestividade
- Capacidade postulatória
Comprovação É necessário que o recorrente junte cópia ou
da certidão autenticada do acórdão paradigma ou cite
divergência a fonte oficial.
justificadora Transcreva nas razões recursais as emendas e/ou
do RR trechos dos acórdãos trazidos à configuração do
dissídio demonstrando o conflito de teses....–
Súmula TST 337.
Interpõe das decisões proferidas em grau de recurso
ordinário, em dissídio individual, pelo TRT - RR
encaminhado ao Presidente do TRT que fará o Juízo
de admissibilidade prévio (pressupostos genéricos e
específicos ) - encaminha para o TST que fará o 2º
juízo de admissibilidade. Quando citar o acórdão
paradigma tem que individualizar de forma
Procedimento completa - Se a decisão do TST foi reformada,
deixou de existir no mundo jurídico (não serve de
paradigma para outra)

Cabe contra decisão do TRT que julga o recurso


ordinário, pois a parte inconformada com a decisão

24
interpõe RR que será julgado no TST.

O RR é interposto no Tribunal que proferiu a decisão


originária, neste mesmo Tribunal é feito o Juízo de
admissibilidade, e desta decisão do tribunal que não
recebe o RR cabe AI.
Previsto no art. 896-A, CLT
Transcendência
no RR O TST examina a questão de TRANSCENDENCIA
como mais um pressuposto de admissibilidade do
recurso, discute-se a relevância com relação aos
aspectos políticos, econômicos, sociais ou jurídicos é
mais um dispositivo legal para limitar a quantidade
de recursos nos tribunais.

- O TST através deste requisito escolhe o que julgar,


julga de forma que possa refletir numa comunidade
...vai além das partes.

Agravo de instrumento

Cabimento Só cabe AI da decisão que denega seguimento a


recurso.
Prazo 8 dias
Efeito Devolutivo
Observação O AI é totalmente diferente do Processo Civil, no
Processo do Trabalho só pode Mandado de
Segurança para ... não entendi

Embargos no TST - art. 894, CLT

Tem a finalidade de unificação da interpretação


Embargos jurisprudencial de suas TURMAS, ou de DECISÕES NÃO
UNÂNIMES em processos de competência originária do
TST
Previsão Art. 894, CLT
legal
Cabimento Das decisões proferidas pelas turmas do TST
cabem embargos do TST para SDI ou SDC deste
tribunal Julgar.
Prazo 08 dias.
Forma

25
Preparo Depósito recursal no valor de R$ 9.356,25, caso
não tenha sido atingido o limite total da
condenação com os depósitos anteriore
Intrínsecos ou Específicos:
d) Violação a CF – A violação tem que ser direta, não
se admite a ofensa de maneira oblíqua ou
reflexa.
e) Violação a lei – Violação a qualquer fonte
Requisitos normativa.
f) Divergência jurisprudência – tem que demonstrar
que um tribunal está julgando a mesma matéria
de forma diferente que outro (tem que ser
tribunal divergente)
Ex. TRT 9ª região com outro Tribunal regional

Extrínsecos ou genéricos
- Preparo (custas e depósito recursal)
- Tempestividade
- Capacidade postulatória
Efeito Devolutivo
Juízo Também é duplo, a diferença é que fica no
De próprio TST, analisa-se os pressupostos
admissibilidade objetivos e subjetivos
- Presidente do TST
- Ministro Relator do STF
Pré- Nestes embargos faz-se necessário o pré-
questionamento questionamento
- Súmula 297, TST

Recurso Extraordinário

Cabimento Das decisões proferidas pela última instância trabalhista


(SDI ou SDC) do TST, se contrária a CF cabe Rextr para
o STF julgar.
Prazo 15 dias
Efeito Devolutivo

EXECUÇÃO

1) Juiz despacha – exeqüente apresenta os cálculos


2) Juiz despacha – Executado, contesta, impugna os cálculos do
exeqüente
3) Se houver muita divergência nos cálculos o juiz nomeia um perito

26
4) O laudo apresentado pelo PERITO,

Se o juiz optar por abrir vistas às partes (que tem obrigação de se


manifestar, pena de PRECLUSÃO.
5) Homologar os cálculos – o juiz os julga devidos

o Se o exeqüente não concorda com os cálculos homologados –


ele tem que apresentar IMPUGNAÇÃO.

o Se o executado não concorda como os cálculos homologados –


é cabível – EMBARGOS DE EXECUÇÃO

o Ambos os instrumentos tem 5 dias, não são recursos porque


quem julga é o próprio Juiz da Vara, acaba aqui a sua jurisdição.

o Desta sentença cabe RECURSO PRÓPRIO que é o AGRAVO


DE PETIÇÃO.

o “Da sentença proferida na impugnação do exeqüente ou nos


embargos de execução do executado, cabe AGRAVO DE
PETIÇÃO para o TRT julgar, e desta decisão, se contrária a CF,
cabe RECURSO DE REVISTA para o TST julgar”.

QUADRO

VT TRT TST
RO - AI RO - AI E TST
TRT TST SDC
RR – AI E TST RE
TST SDI STF
E TST RE
SDI SDE
RE RE
STF STF

Execução
VT
AP
TRT
RR (CF)
TST

.X.X..XX.
EMPREGADOR: Conceito art. 2, CLT

• Art. 2, parágrafo 2, CLT – hot! hot! Grupo Econômico.

27
GRUPO ECONÔMICO: Um OU mais empregadores com personalidade
jurídica própria mas sob controle e administração de uma organização.

Solidariedade passiva: Resulta da existência de grupo econômico

• Ex. : Empregado da empresa “C” não recebe suas verbas


rescisórias, entra com uma Reclamatória Trabalhista contra
“C” e também contra “A” e “B” empresas que fazem parte do
grupo econômico.

Pode ter solidariedade PASSIVA e ativa?


• Sim, a prestadora de serviços de um empregado de um grupo
econômico na mesma jornada, não acarreta a outra relação de
emprego.
• Ex. Um empregado da Empresa “C”, presta serviços para a
Empresa “A” e “B”.

28