Você está na página 1de 11

ESTUDO DE ÁREAS CLASSIFICADAS

É uma mistura de substâncias inflamáveis na forma de gases, vapores, poeiras ou

fibras com ar (ou Oxigênio) e quando sob condições atmosfericas, na presença de

uma fonte de ignição, a combustão se propaga provocando a explosão.

Todo local sujeito à probabilidade da existência ou formação de uma atmosfera explosiva

O desenvolvimento de um trabalho de classificação de áreas de uma unidade industrial começa com a

análise da “probabilidade” da existência ou aparição de atmosferas explosivas nos diferentes locais da

unidade, que serão posteriormente definidas como Zonas 0, 1 ou 2. Portanto, é necessário que existam

produtos que possam gerar essas atmosferas explosivas podendo ser gases inflamáveis, líquidos

inflamáveis ou ainda poeiras/fibras combustíveis que podem ser liberados para o ambiente pelos

equipamentos de processo que representam fontes potenciais de áreas classificadas.

Em geral, parte dos equipamentos do processo, tais como tampas, tomadas de amostras, bocas de visita,

drenos, vents, respiros, flanges, etc. são considerados “fontes de risco” pela possibilidade de vazamento

de produtos para os ambientes onde estão instalados.

Estas fontes de risco são classificadas em “graus”, dependendo da duração e frequência das atmosferas

explosivas geradas por elas.

São conhecidas como de grau contínuo aquelas fontes que geram risco de forma contínua ou durante

longos períodos.

São conhecidas como de grau primário aquelas fontes que geram risco de forma periódica ou ocasional

durante condições normais de operação e

São conhecidas como de grau secundário aquelas que geram risco somente em condições anormais de

operação e quando isto acontece é por curtos períodos.

Deve-se entender como condições “normais de operação” aquelas encontradas nos equipamentos

operando dentro dos seus parâmetros de projeto. Como exemplo de fonte de risco de grau contínuo

podemos citar o interno de um tanque de armazenamento de inflamáveis do tipo atmosférico, onde

teremos permanentemente a presença da mistura explosiva enquanto houver produto no tanque.

Já no mesmo tanque, uma fonte de risco de grau primário será o respiro dele, por termos a saída de

vapores do produto toda vez que o nível do mesmo aumentar (isto não acontece permanentemente, mas

apenas quando o nível sobe).

Na mesma situação anterior do tanque de armazenamento de inflamáveis, poderemos ter fontes de risco

de grau secundário representadas por exemplo por flanges (que por envelhecimento da junta ou

desaperto de parafusos podem vazar) ou também por perda do controle de nível (que provocará o

derramamento de líquido na bacia). Estas duas situações representam condições anormais, não sendo

portanto frequentes nem de longa duração.

Zona 0 Local onde a ocorrência de mistrura inflamável/explosiva por gases ou vapores é continua ou

existe por longos periodos.

Zona 1 - É um local onde a atmosfera explosiva está presente em forma ocasional e em condições

normais de operação, sendo normalmente geradas por fontes de risco de grau primário.

Zona 2 - É um local onde a atmosfera explosiva está presente somente em condições anormais de

operação e persiste somente por curtos períodos de tempo, sendo geradas normalmente por fontes de

risco de grau secundário.

Zona 20 - É um local em que a atmosfera explosiva, em forma de nuvem de poeira, está presente de

forma permanente, por longos períodos ou ainda frequentemente (estas zonas, igual que gases e

vapores, são geradas por fontes de risco de grau contínuo).

Zona 21 - É um local em que a atmosfera explosiva em forma de nuvem de pó está presente em forma

ocasional, em condições normais de operação da unidade (estas zonas, igual que gases e vapores, são

geradas por fontes de risco de grau primário).

Zona 22 - É um local onde a atmosfera explosiva em forma de nuvem de pó existirá somente em

condições anormais de operação e se existir será somente por curto período de tempo (estas zonas, igual

que gases e vapores, são geradas por fontes de risco de grau secundário)

É o documento que deve mostrar as áreas classificadas existentes na unidade, seus graus de risco

(Zonas) e suas extensões em metros, não apenas em planta,mas também em elevação, já que não se

trata de áreas, mas de “volumes de risco”. Ainda, segundo a norma, devem ser identificadas neste

documento todas as fontes geradoras de risco, os produtos que geram o risco e suas condições de

processo.

O desenho de classificação de áreas é um documento que serve principalmente para definir os tipos de

equipamentos elétricos a serem instalados nesses locais. Por isto é necessário delimitar as diversas

áreas classificadas existentes na unidade, assim o desenho deve mostrar as diferentes Zonas (0, 1 ou 2)

e suas extensões em metros.

Para atender às exigências da NR-10, todas estas áreas devem também ser “sinalizadas” em campo.

O desenho de classificação de áreas deve mostrar pontualmente as fontes geradoras de risco de explosão, sua

extensão e graus (Zonas 0, 1 e 2), definindo sua extensão em metros, conforme mostrado no desenho ao lado :

As normas que regulamentam os assuntos Ex para gases e vapores são as seguintes :

OBJETIVO

NORMA NBR IEC

Para Classificação de Áreas

60079-10 e 10.1

Para instalações em atmosferas explosivas

60079-14

Sistemas "à prova de explosão" Ex-d

60079-1

Sistemas "de segurança aumentada" Ex-e

60079-7

Sistemas "de segurança intrinseca" Ex-i

60079-11

Sistemas "pressurizados" Ex-p

60079-2

Sistemas "imersos em óleo" Ex-o

60079-6

Sistemas "encapsulados" Ex-m

60079-18

Sistemas "imersos em areia" Ex-q

60079-5

Sistemas "não acendíveis" Ex-n

60079-15

Inspeção e Manutenção em atmosferas explosivas

60079-17

Recuperação e Reparos em atmosferas explosivas

60079-19

Além das normas citadas ao lado, existe uma relação para poeiras/fibras combustíveis:

EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS PARA UTILIZAÇÃO EM POEIRAS COMBUSTÍVEIS

Requisitos Gerais

61241-0

Seleção e Instalação

61241-14

Para Classificação de Áreas

60079-10.2

NR 10 E ATMOSFERAS EXPLOSIVAS

A NR-10, publicada em Dez. 2004 detalha no parágrafo inicial 10.1 - OBJETIVOE CAMPO DE

APLICAÇÃO os propósitos que esta norma pretende alcançar. Como dito, embora resumidamente, a

Norma define neste ponto o que ela pretende, que é

“ a implementação de medidas de controle e de

sistemas preventivos, para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores, que direta ou

indiretamente, interajam em instalações elétricas e em serviços com eletricidade”.

Explicita a continuação “onde esta NR se aplica”, o que aparece definido no ponto 10.1.2 que “inclue

todas as fases, desde a geração, a transmissão, a distribuição e o consumo, incluindo as etapas de

projeto, construção, montagem, operação e manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos

realizados nas suas proximidades, devendo observar-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos

órgãos competentes e, na ausência ou omissão técnicas destas, as normas internacionais cabíveis”. Logo

a seguir detalha ponto a ponto todas as medidas que devem ser tomadas para conseguir os objetivos

definidos em 10.1, começando com as Medidas de Controle (10.2); a Segurança em Projetos (10.3); a

Segurança na Construção, na montagem, na Operação e na Manutenção (10.4) etc; terminando no ponto

10.14 que corresponde a Disposições Finais, onde pontualiza que “o não cumprimento desta norma,

levará a autoridade competente a adotar as providências estabelecidas na NR-3 (10.14.3) que

correspondem a Embargo ou Interdição da obra”.

Á luz destas disposições da NR-10 e no que tange ao nosso interesse, que corresponde a “sistemas

elétricos em áreas classificadas”, detalhamos a seguir as consequências da aplicação dos diferentes itens

da norma às empresas sujeitas a riscos de explosão pela presença de gases, vapores, poeiras ou fibras.

Neste contexto se encontram todas as empresas químicas, petroquímicas, do petróleo, de alimentos, etc.

10.2.1 Fala-se de medidas preventivasdo risco de explosões •

Será necessário ter que definir esses riscos por meio de um trabalho de classificação de áreas que

permitirá “definí-los e tratá-los”.

10.2.4 Fala-se do Prontuário de Instalações elétricas, que deverá incluir:

a. O conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde

implantadas

Será necessário detalhar as áreas classificadas,assim como também as medidas de controle existentes

para a segurança dessas áreas.

b. A especificação do ferramental aplicável

As ferramentas e instrumentos deverão ser adequados ao risco de explosões.

c. Adocumentação comprovatória da qualificação,habilitação, capacitação e autorizaçãodos

trabalhadores

Será necessário fornecer um treinamento específico em áreas classificadas com os devidos documentos.

d. As certificações dos equipamentos emateriais elétricos

Será necessáriopossuir cópia destes documentos.

e. Relatório Técnico das inspeções

Será necessário possuir a cópia destes documentos.

(Neste caso, o trabalho se refere à “verificação da integridade dos equipamentos elétricos Ex”, que com o

tempo ou pelas manutenções podem terse perdidos).

10.2.6 Fala do Prontuário de Instalações Elétricas (que inclui o desenho das áreas classificadas)

Deve permanecer a disposição de todos os envolvidos.

10.2.7 Fala dos documentos do Prontuário

Que devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado, previamente qualificado e com registro

no competente Conselho de Classe.

10.2.8.1 Devem ser previstas e adotadas prioritariamente medidas de proteção de forma a garantir a

segurança e a saúde dos trabalhadores

Obriga a emissão do documento conhecido como Permissão de Trabalho em áreas classificadas, sendo

necessário ainda, verificar a ausência de risco de explosividade para a execução de tarefas.

10.2.8.3 O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme regulamentação

Particularmente onde este é básico para a proteção dos sistemas elétricos, como na presença de

Barreiras Zener.

10.2.9.2 As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades.

Recomenda-se a utilização de roupas anti-estáticas

10.3.8 O projeto elétrico deve atender a:

1. O que dispõem as NR;

2. As regulamentações técnicas estabelecidas e

3. Ser assinado por profissional legalmente habilitado. Para ambientes Ex, as regulamentações técnicas

oficiais são as normas editadas pelas diversas Comissões Técnicas do CT-31 do COBEI/ABNT e

quedizem relação com Classificação de Áreas e com todos os tipos de proteção aceitos (Ex-d; e; i ;p; etc)

10.3.9

O memorial descritivo do projeto deve conter, no mínimo os seguintes itens de segurança:

Recomendações de restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos componentes das

instalações. Isto

também inclue as áreas classificadas.

10.4.1 As instalações elétricas devem ser projetadas, construídas, operadas reformadas, ampliadas,

reparadas e

inspecionadas de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhos e dos usuários

na etapa de

Obriga a definir

projeto a existência de áreas classificadas, sua localização, extensão e grau para poder especificar os

materiais e equipamentos elétricos em função desses graus de risco (Zona 0, 1 ou 2).

10.4.2 Nos trabalhos e nas atividades referidas, devem ser adotadas medidas preventivas destinadas ao

controle dos

riscos adicionais. Refere-se às áreas classificadas e às responsabilidades que os departamentos e

serviços da segurança industrial têm em relação a isto.

10.4.4 As instalações elétricas devem ser mantidas em condições seguras de funcionamento, devendo

ser inspecionadas e controladas periodicamente

Determina

a necessidade da verificação da integridade

dos equipamentos e instalações Ex periodicamente, de acordo à norma de inspeção.

10.4.6 Os ensaios e testes comissionamento, somente podem ser realizados por trabalhadores

treinados.Determina a necessidade de se utilizar profissionais Ex na existência de áreas classificadas.

As definições dadas pelos ítens 10.8.1; 10.8.2 e 10.8.3 são complementadas pelo item 10.8.8.4 que diz

que

“os trabalhos em áreas classificadas devem ser precedidos de treinamento específico, de acordo

com o risco envolvido. Define a necessidade de participar de programas de treinamento nos diferentes

níveis, de acordo com a responsabilidade de cada um deles (capacitado, qualificado ou habilitado)

10.9.1.

Obriga a tratar das áreas classificadas com equipamentos elétricos Ex.

10.9.2

Obriga a utilizar “equipamentos certificados” conforme Portaria INMETRO 176/00

10.9.3.

Determina a necessidade de utilizar equipamentos anti-estáticos e de prover os sistemas elétricos

com

componentes que impeçam o acúmulo destas cargas eletrostáticas.

10.9.5. Obriga a obtenção da “Autorização ou Permissão” formalizada para trabalhar nas áreas

classificadas.

10.10.1 Nas instalações

(em

áreas classificadas) deve ser adotada sinalização adequada, destinada a

advertência e a identificação. Para facilitar os trabalhos de inspeção de sistemas Ex.

10.11.3 e 10.11.4 definem que ante a presença de áreas classificadas.

Será necessário a adoção de medidas específicas para garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores

(ordens de serviço específicas, procedimentos de trabalho e treinamento).

10.11.7 Antes de iniciar os trabalhos.

Se os locais de trabalho incluem áreas classificadas, “realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as

atividades e

ações para atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança.

10.13.1 As responsabilidades são solidárias a contratantes e contratados envolvidos. Responsabilidades

civis e criminais por ação ou omissão.

10.13.2 É de responsablidades dos contratantes manter os trabalhadores informados sobre os riscos a

que estão expostos instruindo-os. Obriga mais uma vez ao treinamento dos profissionais envolvidos com

os trabalhos em ambientes Ex.

10.14.1 Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito de recusa quando

constatarem a evidência de riscos graves e iminentes. Por exemplo, pela utilização de equipamentos

inadequados em ambientes Ex.

10.14.1 As empresas devem promover ações de controle de risco originados por outrem em suas

instalações. Por exemplo, pela presença de unidades sujeitas a riscos de explosão ou

derramamentos/vazamentos de produto inflamável na sua vizinhança.

10.14.3 Na ocorrência do não cumprimento das normas o MTE adotará as providências estabelecidas na

NR-3. Embargo ou interdição.

10.14.4 A documentação prevista nesta NR, deve estar permanentemente a disposição dos

trabalhadores. Em áreas classificadas, os desenhos de classificação de áreas, certificados de

conformidade, etc.

10.14.5 Adocumentação prevista nesta NR deve estar permanentemente a disposição das autoridades

competentes. Em áreas classificadas, os desenhos de classificação de áreas, certificados de

conformidade, etc.

de áreas, certificados de conformidade, etc. O SISTEMA ELÉTRICO EM ÁREAS CLASSIFICADAS A segurança e

A segurança e conformidade do sistema elétrico de uma unidade industrial sujeita a riscos de explosões

inclue, na ordem :

1. A definição das áreas classificadas por gases, vapores, poeiras ou fibras, por meio de documentos de

classificação de áreas.

2. O tratamento que essas areas devem ter pela utilização de materiais e equipamentos Ex certificados.

3. A seleção dos equipamentos em função dos Zoneamentos, Grupos, Classes de Temperatura e Graus

de Proteção.

5.

A manutenção dos equipamentos Ex,

6. O treinamento dos profissionais que lidam com áreas classificadas.

Os equipamentos elétricos instalados em áreas classificadas constituem possíveis fontes de ignição

devido à arcos e faíscas provocadas pela abertura e fechamento de contatos, ou por super aquecimento

em caso de falhas. Assim, estes equipamentos devem ser fabricados de maneira à impedir que a

atmosfera explosiva entre em contato com as partes que possam gerar esses riscos. Por isso, esses

equipamentos, conhecidos como equipamentos Ex, são construídos baseados em 3 soluções diferentes:

1. Confinam as fontes de ignição (da atmosfera explosiva)

2. Segregam as fontes de ignição (da atmosfera explosiva)

3. Suprimem ou reduzem os níveis de energia do circuito a valores abaixo da energia necessária para

inflamar a mistura presente no ambiente. Assim, as soluções normalmente empregadas na fabricação de

equipamentos Ex estão baseadas no princípio do confinamento, da segregação ou ainda da supressão.

Considerando que todos os produtos inflamáveis tem características e graus de periculosidade diferentes,

os equipamentos elétricos para áreas classificadas na sua fabricação foram divididos em dois grandes

Grupos: Grupo I - São aqueles equipamentos fabricados para operar em minas subterrâneas, e Grupo II -

São os equipamentos fabricados para operar em indústrias de superfície. Considerando as substâncias

inflamáveis presentes neste tipo de indústrias, este grupo foi subdividido em subgrupos: IIA, IIB e IIC.

Os equipamentos elétricos presentes numa área classificada podem se converter em fontes de ignição

também por super aquecimento provocado por uma condição de falha. Portanto, a classe de temperatura

do equipamento é uma informação fornecida pelo fabricante e confirmada pela Certificadora de que este

equipamento, mesmo em condição de falha, não atingirá na sua superfície um valor acima da marcação.

Grau de Proteção ou Indice de Proteção (IP) de um equipamento é uma informação fornecida pelo

fabricante e confirmada pela Certificadora de que o equipamento em questão foi projetado para impedir a

entrada de sólidos e líquidos no seu interior.

Esta informação é constituida por dois dígitos (de 0 à 8), sendo que o primeiro dígito se refere às medidas

que foram tomadas para impedir a entrada de sólidos e o segundo dígito às medidas que foram tomadas

para impedir a entrada de líquidos no seu interior.

Esta é uma informação importante para equipamentos Ex, especialmente quando se trata de

equipamentos tipo Ex-d e Ex-e.