Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE DE AVEIRO | DeCA Olinda Martins João Santos e Pedro Amado — v3, 2010-04-23 1|7

DESIGN | Tipografia 2009-2010


ESAP | Tipografia 2009-2010

Projecto Tipográfico
What if Joanna had been designed by W.A. Dwiggins, instead of Eric Gill?
What if Mozart had been a punchcutter — rather than a composer?
Kent Lew

O Projecto Tipográfico (PT) é uma proposta de trabalho que tem por objectivo o desenvolvimento em grupo
de fontes digitais novas, bem como o desenvolvimento de competências tipográficas por parte dos alunos
da disciplina. Irá desenvolver-se nas últimas oito aulas da Unidade Curricular de Tipografia da ESAP
(http://tipografiaesap.wordpress.com/) e decorrerá em paralelo com a disciplina do DeCA
(http://tipografia.blogs.ua.sapo.pt/) leccionada pela Prof. Olinda Martins.

O lançamento do PT irá ser feito na primeira aula e será acompanhado presencialmente pelo Prof. Pedro
Amado em quatro sessões e, de uma forma contínua à distância, através das plataformas online propostas.

Espera-se que os alunos expandam o leque de conhecimentos explorados na disciplina, que adquiram
competências de desenho micro e macro tipográfico, bem como o desenvolvimento das competências de
avaliação critica de material tipográfico existente.

CRONOGRAMA RESUMIDO DAS SESSÕES


Nº DATA ORIENTADORES

1 27 DE ABRIL Introdução ao desenho tipográfico e ao método SCAMPER JOÃO SANTOS E


13:00-15:00 PEDRO AMADO
Apresentação da Proposta de trabalho PT
Trabalho autónomo — ADN da fonte.
Publicação até 03 de Maio (Segunda-feira);
2 04 DE MAIO Acompanhamento do trabalho autónomo. JOÃO SANTOS
13:00—15:00
Avaliação e comentário até 10 de Maio (Segunda-feira)
3 11 DE MAIO Sistema Tipográfico JOÃO SANTOS E
13:00—15:00 PEDRO AMADO
Apresentação e introdução ao Fontstruct
Trabalho autónomo — HAMBURGERFONTSIV.
Publicação até 17 de Maio (Segunda-feira)
4 18 DE MAIO Acompanhamento do projecto JOÃO SANTOS
13:00—15:00
Trabalho autónomo.
Avaliação e comentário até 24 de Maio (Segunda-feira)
5 25 DE MAIO Acompanhamento do projecto. JOÃO SANTOS E
13:00—15:00 PEDRO AMADO
Trabalho autónomo — Desenvolvimento de uma solução de Lettering.
Entrega e publicação até 31 de Maio (Segunda-feira);
6 01 DE JUNHO Acompanhamento do projecto. JOÃO SANTOS
13:00—15:00

7 08 DE JUNHO Acompanhamento do projecto. JOÃO SANTOS


13:00—15:00
Trabalho autónomo — preparação dos especímenes e fontes digitais
8 15 DE JUNHO Entrega do(s) exemplares físicos, publicação e apresentação final do espécimen e JOÃO SANTOS
13:00—15:00
da fonte do Projecto Tipográfico.
UNIVERSIDADE DE AVEIRO | DeCA Olinda Martins João Santos e Pedro Amado — v3, 2010-04-23 2|7
DESIGN | Tipografia 2009-2010
ESAP | Tipografia 2009-2010

Projecto Tipográfico
AULA 1, 27 DE ABRIL, 13:00—15:00
APRESENTAÇÃO DO GUIÃO DA PROPOSTA DE TRABALHO E PRINCIPAIS FASES DE DESENVOLVIMENTO

INTRODUÇÃO AO DESENHO TIPOGRÁFICO


Irão ser abordadas, ou relembradas as questões de anatomia e classificação tipográfica utilizando uma versão
adaptada da classificação de Lupton1 (ver tabela 1). Os alunos serão introduzidos à Teoria da Face 2 de Gerrit
Noordzij com a exposição teórica e com a demonstração e realização de exercícios de caligrafia com papel e
lápis.

TABELA 1 — EXEMPLOS DA CLASSIFICAÇÃO ADAPATADA DE LUPTON

EXEMPLO ESPÉCIMEN NOME CLASSIFICAÇÃO ADPATADA DE LUPTON


HELVETICA 3 TANSITIONAL SANS SERIF (TSS)
1958, MAX MIEDINGER
(NEUE HAAS GROTESK)

GILL SANS4 HUMANIST SANS SERIF (HSS)


1935, ERIC GILL

FUTURA 5 GEOMETRIC SANS SERIF (GSS)


1927, PAUL RENNER

NEW ALPHABET6, HÍBRIDO (H) 7


1967, WIM CROUWEL

GARAMOND8 HUMANIST, OU OLD STYLE (HS, OU OS


1534?, CLAUDE GARAMOND
1542?, ROBERT GRANJON

BASKERVILLE TRANSITIONAL (TS)


1757, JOHN BASKERVILLE
1996, 2002 ZUZANNA LICKO
(MRS. EAVES9)

BODONI10 MODERN (M)


1798, GIAMBATISTA BODONI

1 http://www.papress.com/other/thinkingwithtype/letter/classification.htm
2 http://www.letterror.com/noordzij/streek/index.html
3 Malsy, V; Müller, L — Helvetica forever: Story of a Typeface. Baden: Lars Müller Publishers, 2009. ISBN 978-3037781210. P.92
4 Jong, C; Purvis, A; Tholenaar, J — Type: A visual history of Typefaces and graphic styles. Volume I 1628—1900. London: Taschen, 2009. ISBN 978-3-8365-1101-8. -P.33
5 Burke, C — Paul Renner: The art of Typography.London: Hyphen Press, 2008. ISBN 978-0-907259-12-1. P101
6
Plano, S.; Vetta, P. — ABC of 20th-cenctury graphics. Milano: Electa Architexture, 2002. ISBN 1-904313-24-8. P. 190, 198.
7
Na classificação original de Lupton, esta categoria designa-se por Slab Serif ou Egípcias. Optámos por colocar a designação “Híbrido” para agrupar todos os tipos, sistemas e
estilos que abrangem os mecânicos, digitais, e scripts que não seguem as estruturas restantes, ou que pertencem a várias ao mesmo tempo.
8
ADOBE — Gramond Premier Pró: A contemporary Adaptation.San Francisco: Watermark Graphics, 2005. P.2
9 EMIGRE — The Emigre Type Catalog Volume I.S.ll. 2006. P. 32
10 Lawson, A —Anatomy of a Typeface. New Hampshire: Godine, 2002. ISBN 0-87923-333-8. P.197
UNIVERSIDADE DE AVEIRO | DeCA Olinda Martins João Santos e Pedro Amado — v3, 2010-04-23 3|7
DESIGN | Tipografia 2009-2010
ESAP | Tipografia 2009-2010

INTRODUÇÃO DO MÉTODO SCAMPER


SCAMPER é um acrónimo para a lista de palavras-chave que podem ser aplicados como estímulos para
desenvolver ideias diferentes sobre a problemática em questão11 . É um método para aplicar um conjunto de
diferentes técnicas criativas geralmente atribuído a Alex Osborn e Bob Eberle. Consiste nas seguintes sete
acções: Substituir; Combinar; Adaptar; Modificar; Pôr noutro contexto de uso; Eliminar; Recombinar.

TABELA 2 — MÉTODOS E TÉCNICAS SCAMPER

ACÇÃO DESCRIÇÃO
SUBSTITUTE WHAT CAN YOU SUBSTITUTE? WHAT CAN BE USED INSTEAD? WHO ELSE INSTEAD? WHAT OTHER INGREDIENTS? OTHER MATERIAL?
OTHER PROCESS? OTHER POWER? OTHER PLACE? OTHER APPROACH? OTHER SOUNDS? OTHER FORCES?
INSTEAD OF ... I CAN ...
COMBINE WHAT CAN YOU COMBINE OR BRING TOGETHER SOMEHOW? HOW ABOUT A BLEND, AN ALLOY, AN ASSORTMENT, AN ENSEMBLE?
COMBINE UNITS? COMBINE PURPOSES? COMBINE APPEALS? COMBINE IDEAS?
I CAN BRING TOGETHER ... AND ... TO ...
ADAPT WHAT CAN YOU ADAPT FOR USE AS A SOLUTION? WHAT ELSE IS LIKE THIS? WHAT OTHER IDEA DOES THIS SUGGEST? DOES PAST OFFER
A PARALLEL? WHAT COULD I COPY? WHO COULD I EMULATE?
I CAN ADAPT ... IN THIS WAY ... TO ...
MODIFY CAN YOU CHANGE THE ITEM IN SOME WAY? CHANGE MEANING, COLOUR, MOTION, SOUND, SMELL, FORM, SHAPE? OTHER CHANGES?
ALSO: MAGNIFY: WHAT CAN YOU ADD? MORE TIME? GREATER FREQUENCY? STRONGER? HIGHER? LONGER? THICKER? EXTRA VALUE? PLUS
INGREDIENT? DUPLICATE? MULTIPLY? EXAGGERATE?
AND: 'MINIFY': WHAT CAN YOU REMOVE? SMALLER? CONDENSED? MINIATURE? LOWER? SHORTER? LIGHTER? OMIT? STREAMLINE? SPLIT
UP? UNDERSTATE?
I CAN CHANGE ... IN THIS WAY ... TO ...
PUT TO OTHER USES HOW CAN YOU PUT THE THING TO DIFFERENT OR OTHER USES? NEW WAYS TO USE AS IS? OTHER USES IF IT IS MODIFIED?
I CAN RE-USE ... IN THIS WAY ... BY ...
ELIMINATE WHAT CAN YOU ELIMINATE? REMOVE SOMETHING? ELIMINATE WASTE? REDUCE TIME? REDUCE EFFORT? CUT COSTS?
I CAN ELIMINATE ... BY ...

REARRANGE WHAT CAN BE REARRANGED IN SOME WAY? INTERCHANGE COMPONENTS? OTHER PATTERN? OTHER LAYOUT? OTHER SEQUENCE?
TRANSPOSE CAUSE AND EFFECT? CHANGE PACE? CHANGE SCHEDULE?
I CAN REARRANGE ... LIKE THIS ... SUCH THAT ...

EXERCÍCIOS DE DESENHO EM AULA.


Os alunos devem formar grupos de 4, ou 5 elementos e fornecer a lista dos nomes e números
mecanográficos aos docentes. A cada grupo será atribuído um espécimen tipográfico e um método
SCAMPER. Durante a aula e como trabalho autónomo, o grupo deve decidir como interpretar a acção do
método SCAMPER e que transformações aplicar ao espécimen.

Material necessário para esta sessão:


• 2 Lápis HB;
• 2 elásticos de borracha;
• 10 ou mais folhas de Papel branco A3;
• Computadores com ligação à Internet;

TRABALHO AUTÓNOMO
• Finalizar a definição de transformações a aplicar ao desenho. Esta lista (brief) deverá ser a definição
do conceito a aplicar a desenho e deve tomar a forma de um elevator pitch12 13 .
• Aplicando o conceito definido em grupo, cada aluno deve desenhar, individualmente, 3 caracteres
que definam o “ADN da fonte”. Um de características triangulares, outro circulares e outro de
características quadradas.
• O grupo deve reunir os exemplares desenhados numa única imagem e publicar no Blog da
disciplina 14 o conjunto de caracteres SCAMPER desenhados até 03 de Maio. As informações a
conter por ordem são:
1. Título do post deve consistir na identificação do grupo através do conceito = espécimen +
acção. Por exemplo: “Fudoni = Futura + Combine”;
2. Imagem do desenho dos caracteres do grupo, identificando o trabalho de cada um. Consultar a
imagem de referencia e instruções no Blog da UC;
3. Nomes e Números Mecanográficos e site pessoal (se possível) de cada elemento do grupo;
4. Definição do conceito num parágrafo (elevator pitch);
5. Descrição do processo de trabalho num parágrafo;
6. Lista de links ou referencias utilizadas;

11
http://creatingminds.org/tools/scamper.htm
12
http://en.wikipedia.org/wiki/Elevator_pitch
13 SAFFER, D — Designing for Interaction. Berkley: New Riders, 2010. P. 64
14 http://tipografiaesap.wordpress.com/
UNIVERSIDADE DE AVEIRO | DeCA Olinda Martins João Santos e Pedro Amado — v3, 2010-04-23 4|7
DESIGN | Tipografia 2009-2010
ESAP | Tipografia 2009-2010

Projecto Tipográfico
AULA 2, 04 DE MAIO, 13:00—15:00
ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO AUTONOMO
Irá ser acompanhado o desenvolvimento dos três caracteres individualmente, ou de todos os caracteres
desenvolvidos pelo grupo.

TRABALHO AUTÓNOMO
Cada grupo deve reunir-se e publicar um comentário com uma pequena crítica construtiva até 10 de Maio.

Devem avaliar o conceito desenvolvido e os caracteres SCAMPER do grupo seguinte. O comentário deve
aparecer na respectiva entrada do grupo a comentar.

O grupo A comenta o post SCAMPER do grupo B. O grupo B comenta o C e assim em diante. Os comentários
devem conter:
• O que acham da aplicação da acção ao espécimen;
• O que podiam ter explorado mais no desenho;
• No que acham que o espécimen se transformou (comparando com outra fonte existente e
fornecendo o link para o novo exemplar.
• (identificar o grupo que comenta)

Todos os grupos devem continuar a desenvolver o conceito ou os desenhos da fonte.