PRÁTICA DE APRESENTAÇÃO EM PÚBLICO

JOSÉ SERGIO KOMATSU

SÃO CARLOS
2.007

APRESENTAÇÃO
A finalidade principal deste treinamento, proposto como “Prática de Apresentação
em Público”, é auxiliar os participantes a enfrentar as dificuldades de se apresentar em
público.
Neste texto procura-se chamar a atenção para aspectos importantes que devem
ser levados em conta ao planejar, preparar e praticar uma apresentação. Além disso, são
abordados diversos recursos que o apresentador pode utilizar para melhorar sua maneira
de se comunicar.
Pretende-se não discutir a parte técnica do conteúdo da apresentação e, sim, as
formas de transmitir as mensagens procurando-se eliminar, principalmente, o receio de
falar em público.
Espera-se que cada participante identifique suas dificuldades, tenha uma atitude no
sentido de superá-las, faça bom proveito das oportunidades de falar em público e melhore
continuamente seu desempenho.
Agradeço aos que me enviarem sugestões e/ou críticas.
Prof. Komatsu
e-mail: jkomatsu@power.ufscar.br

SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO................................................................................................ 3
2 A APRESENTAÇÃO........................................................................................ 4
2.1 Planejamento........................................................................................ 4
2.2 Preparação............................................................................................. 5
2.2.1 Abertura....................................................................................... 5
2.2.2 Desenvolvimento do conteúdo................................................. 7
2.2.3 Encerramento.............................................................................. 7
2.3 Prática.................................................................................................... 8
3 O APRESENTADOR........................................................................................ 8
3.1 Recursos de comunicação.................................................................... 8
3.2 Controlando os nervos......................................................................... 10
4 RECURSOS MATERIAIS................................................................................. 10

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

1 INTRODUÇÃO
Desde a época de estudante ao exercício da profissão, nos deparamos muitas vezes
com a necessidade de fazer apresentação (seminário, projeto, relatório, pesquisa, estágio,
palestra, congresso, iniciação científica, exame de qualificação, defesa de dissertação de mestrado, defesa de tese de doutorado, etc.).
Toda apresentação tem uma finalidade a cumprir. A mensagem transmitida torna-se
de alguma forma útil às pessoas, desde que seja entendida e produza uma atitude favorável
no sentido de praticar o que foi aprendido.
Tanto o apresentador, que tem a função de transmitir as mensagens, quanto o público
que recebe as mensagens, são pessoas sensíveis que reagem a determinados estímulos e se
influenciam reciprocamente.
Ao se comunicar com o público, o apresentador deve superar diversas barreiras. Em
geral, o medo de falar em público é o principal obstáculo de um principiante, deixando-o
nervoso, inseguro, mãos suando, pernas tremendo, batimeto cardíaco acelerado, voz que
não sai, palavras que faltam, pouca coordenação das idéias, e tantas outras consequências.
É comum a pessoa ficar frustrada e pensar em desistir da apresentação imaginando que
não conseguirá transmitir mensagem alguma ao público. Porém, o mais indicado é trabalhar
na identificação destas barreiras estruturando a melhor maneira de enfrentá-las e superá-las.
Planejar, preparar e praticar uma apresentação é fundamental para o apresentador
vencer a inibição e ansiedade inicial, prender a atenção do público controlando adequadamente a comunicação verbal e não verbal, eliminar ou minimizar os improvisos e, atingir os
objetivos desejados de modo satisfatório.
Investigar o perfil do público com o propósito de ajustar o conteúdo quanto ao nível
e a quantidade de idéias a serem transmitidas. Além disso, ter clareza dos objetivos a serem
atingidos e praticar o suficiente a fim de evitar insegurança ao fazer a apresentação.
Apesar de se exigir criatividade ao planejar, preparar e fazer uma apresentação, idéias e
formas de comunicação de outras pessoas podem ser copiadas. No entanto, o apresentador
deve preservar suas características pessoais prevalecendo sua personalidade e, jamais imitar
outro apresentador sob pena de perder a naturalidade e parecer falso perante o público.
O sucesso de qualquer apresentação depende, fundamentalmente, de um apresentador
bem preparado e de um público interessado.
Pode ocorrer que os objetivos da apresentação não sejam atingidos em decorrência
de participantes predispostos, mesmo que o apresentador tenha se preparado devidamente.
Assim, todo esforço e cobrança por uma boa apresentação devem ficar na parte que compete
ao apresentador. Por outro lado, um público interessado pode compensar eventuais falhas
do apresentador.
Espera-se que as orientações contidas neste texto não sejam transformadas em regras
rígidas impossibilitando adaptações muitas vezes necessárias em determinadas circunstâncias
e, nem em metas que devam ser perseguidas obsessivamente.
3

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

2 A APRESENTAÇÃO
Planejamento, preparação e prática de uma apresentação são etapas, que devidamente
realizadas, propiciam segurança e tranquilidade ao apresentador, possibilitando eliminar ou
diminuir os problemas de comunicação.

2.1 Planejamento
É importante planejar bem uma apresentação pois, assim, é possível:
a) Enfrentar as dificuldades de modo organizado e sem improvisos;
b) Definir claramente os objetivos a serem alcançados;
c) Ajustar o conteúdo ao nível e interesse do público;
d) Explorar com eficiência os recursos e os meios disponíveis;
e) Evitar insegurança, indecisão, desordem e perda de tempo;
f) Demonstrar respeito ao público;
g) Não exceder o tempo pré-determinado.
No planejamento de uma apresentação é necessário responder as questões a seguir.
Que conhecimento deve ser transmitido?

São definidos tema e conteúdo da apresentação, possibilitando organizar os argumentos
a utilizar: dados estatísticos, resultados experimentais, pesquisas, teses, comparações, estudos
técnicos e científicos, exemplos práticos, dedução de equações, etc.
Qual a finalidade da apresentação e por quê é necessária?

São estabelecidos os objetivos desejados, que podem ser: resolver um problema, transmitir
novas informações, novas técnicas, avanços tecnológicos, novos materiais, resultados de uma
pesquisa, etc.
A quem transmitir o conteúdo da apresentação?

Escolhe-se o público alvo identificando aspectos que permitam adequar a apresentação
ao nível e interesse desse público.
Onde? Quando? Quanto tempo?

São definidos local, data, horário e duração, compatíveis com o público e o tipo de
apresentação. Ao definir a data deve-se levar em conta o tempo que o apresentador precisa
para se preparar devidamente.
Como transmitir o conteúdo da apresentação?

Escolhe-se a forma de conduzir a apresentação definindo os recursos e meios mais
adequados. Conforme o tipo de apresentação observar a disposição das cadeiras e posicionamento dos recursos audiovisuais.
4

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

2.2 Preparação
Dividir a apresentação em pelo menos três partes: abertura, desenvolvimento do conteúdo
e encerramento.
Na abertura procura-se dar uma idéia do que será abordado e preparar o espírito das
pessoas a fim de conseguir a concentração necessária para as etapas seguintes.
O desenvolvimento do conteúdo é a etapa em que as idéias e propostas devem ser discutidas de modo detalhado com argumentos que demonstrem a importância do assunto.
No encerramento, deixar uma reflexão que estimule o público mudar seu comportamento na direção das propostas apresentadas.
Como estimativa, dividir o tempo de apresentação em torno de dez por cento para
a abertura, oitenta por cento para o desenvolvimento do conteúdo e os dez por cento restante
para o encerramento.

2.2.1 Abertura
Conseguir a concentração do público desde o início é fundamental para criar um
ambiente favorável à que se estabeleça uma adequada comunicação entre apresentador e
público.
É o momento das saudações iniciais, expor de modo resumido o conteúdo do tema,
falar dos objetivos a serem atingidos e informar o tempo de apresentação, mesmo que
aproximadamente.
Saudações iniciais

Cumprimentar as pessoas demonstrando alegria em estar com elas.
Bom dia a todos. Boa tarde, senhoras e senhores. Boa noite, é um prazer estar aqui para...;
Professora Zoraide, obrigado pelo convite. Para mim, é uma satisfação muito grande estar com
vocês para...;
Agradeço o convite do Engenheiro José Carlos para esta apresentação. É uma oportunidade
que tenho para falar sobre...;
Caso seja necessário ou conveniente, faça uma breve identificação pessoal:
Eu sou a Engenheira Carolina Gomes da Silva, formada em Engenharia..., com especialização
em ..., e sou diretora de... na Empresa...;
Sou o Professor Antônio Barros de Almeida, formado em Engenharia..., com Mestrado em
..., Doutorado em..., e Professor na Universidade... na qual leciono a(s) disciplina(s)... e trabalho
com as seguintes linhas de pesquisa....
Tema e objetivos

Deixar claro os objetivos da apresentação ressaltando os benefícios que podem ser
conseguidos ao aprender o assunto do tema proposto. Buscar meios de estimular os partici5

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

pantes a pensar e, de alguma forma, se interessar pelo assunto desde o início. Para auxiliar
nessa tarefa, citar exemplos, fazer analogias, contar histórias ou piadas que sejam adequadas
e pertinentes, utilizar metáforas, introduzir um elemento surpresa, etc.
O tema da apresentação é sobre...;
Vou expor um assunto de interesse para...;
O assunto a ser apresentado é muito interessante, pois propicia...;
Quero falar de um assunto que vai interessar a...;
Peço a atenção de todos para falar a respeito de....
Resumo do conteúdo

Comentar a seqüência dos tópicos a ser utilizada no desenvolvimento do conteúdo,
a fim de que as pessoas tenham uma idéia do que acontecerá a seguir, preparando-se para
receber as informações e transformá-las em aprendizado.
Primeiramente, vou falar de..., em seguida sobre... e, para finalizar, exemplos ilustrando...;
No primeiro tópico, vou mostrar..., o segundo trata de..., por último, vou analisar...;
Em primeiro lugar..., a seguir..., e finalmente...;
Esta apresentação está dividida em três partes: a primeira trata de..., a segunda sobre..., e a
terceira mostra a....
Tempo de apresentação

Esta informação prepara a disposição das pessoas, favorecendo a concentração no
decorrer da apresentação.
Esta apresentação durará em torno de trinta minutos...;
Vou expor este assunto por quarenta minutos...;
Para esta apresentação, está previsto um tempo de....

2.2.2 Desenvolvimento do conteúdo
É o momento de expor e discutir as idéias principais com os devidos argumentos, de
modo organizado e buscando sempre atingir os objetivos desejados.
O conteúdo da apresentação deve ser preparado procurando-se facilitar o entendimento das mensagens a serem transmitidas. Além das informações do público, conseguidas
no planejamento, são importantes os itens relacionados a seguir.
a) Identificar as idéias principais a serem trabalhadas estruturando-as em uma seqüência
lógica e coerente;
b) Eliminar ou minimizar idéias e conceitos secundários ou desnecessários;
c) Interligar as idéias relevantes e diversificar os estímulos;
d) Utilizar linguagem clara, precisa, correta e acessível, evitando gírias e termos vulgares;
e) Avaliar a complexidade de novas idéias evitando questões de nível muito elevado
6

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

ou muito baixo, que possam estimular o desinteresse do público;
f) Avaliar a quantidade de novas idéias adequando-se, sempre que possível, à capacidade de absorção do público,
g) Preparar o conteúdo de modo a não exceder o tempo previsto para a apresentação,
levando em conta a utilização, ou não, de recursos audiovisuais;
h) Estruturar toda a argumentação procurando explorar da melhor forma: exemplos,
analogias, estudos técnicos e científicos, dados estatísticos, resultados de pesquisas, etc.

2.2.3 Encerramento
Nesta parte, as idéias principais são recapituladas anunciando o término da apresentação.
Convoque os participantes a uma mudança de atitude para agir, ou pelo menos pensar, na
direção das propostas que foram apresentadas.
Faça as considerações finais e encerre a apresentação. Caso se lembre de algum detalhe
que não comentou durante a apresentação, não é conveniente retomar a discussão.
Nesta apresentação vimos que: a) ...., b) .... Assim, gostaria que refletissem sobre a seguinte
questão: .... Obrigado.
Vamos fazer um resumo da apresentação: a) ..., b) .... Chamo a atenção para.... Muito
Obrigado.
Gostaria de encerrar esta apresentação destacando: a) ..., b) .... Espero ter contribuido para
... Agradeço a atenção.

2.3 Prática
Dar uma lida no texto não é suficiente para garantir um bom desempenho. Portanto,
pratique o máximo que puder procurando sincronizar gestos, voz e movimentação, além de
controlar o ritmo e tempo de apresentação.
Pode-se praticar sozinho em frente a um espelho ou na presença de amigos. Sempre
que possível, treinar no local onde será feita a apresentação a fim de se acostumar com o
ambiente.
Em conteúdo complexo ou extenso é conveniente ter em mãos um roteiro de apoio
com frases curtas orientando as idéias principais e seqüência da apresentação. Anotar também
datas, nomes, dados relevantes.
Não esquecer de numerar todas as páginas e, durante a apresentação, não hesite em
utilizar as anotações.
7

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

3 O APRESENTADOR
É a pessoa que tem a responsabilidade de manter a concentração e interesse do público
na transmissão da mensagem. Por isso, deve ocupar uma posição de destaque qualquer que
seja a natureza da apresentação e os recursos materiais utilizados.

3.1 Recursos de comunicação
Olhos

Logo no início da apresentação, olhar calmamente para os participantes como se
estivesse convidando-os a se envolverem com o assunto a ser desenvolvido.
É muito comum o apresentador falar olhando apenas para a lousa ou a tela, como se
o público não estivesse presente.
Manter contato visual com o público pelo máximo de tempo possível. Além de ser
uma forma de demonstrar atenção às pessoas, possibilita observar a reação de cada um ao
que está sendo apresentado.
Voz

Ajustar tom de voz e ritmo de apresentação de modo que todas as pessoas possam
ouvir e entender bem as mensagens. Além disso, dicção e respiração devem ser observadas
pois podem prejudicar o entendimento das palavras que o apresentador está dizendo.
A dicção pode ser melhorada lendo um texto em voz alta com os dentes cerrados
ou um obstáculo na boca (dedo, lápis, caneta,...) pronunciando as palavras da melhor forma
possível e realçando cada letra.
Variar tom de voz e ritmo de apresentação espanta a monotonia. Ficar em silêncio
por alguns instantes ou falar vagarosamente e com maior ênfase, são formas de chamar a
atenção do público para partes importantes da apresentação.
Gestos

A maneira de gesticular com os braços, cabeça e mãos deve ser simples, sem exageros
e apropriada ao contexto da apresentação e do público.
Os gestos devem estar em sintonia com o discurso. Falta de gestos pode prejudicar a
comunicação e o excesso tirar a concentração do público.
Aumentar o tom da voz ajuda destacar um aspecto importante ou separar partes da
apresentação.
8

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

Movimentação

Deve ser moderada e natural. O simples fato de caminhar próximo aos participantes
torna-os mais atentos e ajuda a quebrar a monotonia da apresentação, porém, o excesso de
movimentação prejudica a concentração do público.
Postura

Ficar de pé, ereto e com os pés ligeiramente afastados distribuindo o peso do corpo
entre eles, é uma posição em que gestos, respiração, pronúncia e movimentação são facilitados.
Apresentar-se de cabeça baixa e olhando para baixo, além de não ser ouvido satisfatoriamente, pode passar a impressão de estar intimidado pelo público ou de excesso de humildade.
Por outro lado, cabeça muito erguida olhando por cima das pessoas pode passar a impressão
de prepotência.
Ficar sentado é uma posição que impede a movimentação e limita os gestos. Ao ficar
sentado, o apresentador deve verificar se os participantes estão ouvindo e entendendo bem
as mensagens.
Expressão facial

Mesmo nas situações mais adversas o apresentador deve procurar manter a fisionomia
serena a fim de transmitir calma e tranqüilidade aos participantes.
A expressão facial deve ser coerente com a mensagem transmitida. Não falar de
aspectos positivos demonstrando tristeza e, vice-versa.
Manifestar entusiamo pelo tema em dose adequada a fim de contagiar positivamente
o público. Evitar expressões faciais de mau humor e aborrecimento.
Vícios de linguagem

São palavras desnecessárias que utilizadas excessivamente tiram a concentração do
público. Por exemplo: né?, ok?, tá?, entendeu?, percebe?, está claro?, certo?, sabe?, tipo
assim, veja bem, ããã, ééé, etc.
Cacoetes

São manias que as pessoas repetem a todo momento prejudicando a concentração do
público. Por exemplo: arrumar o cabelo, coçar parte do corpo, ajeitar a gravata, mexer no
chaveiro ou caneta, etc.
9

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

3.2 Controlando os nervos
A melhor maneira de enfrentar os problemas é manter a calma. Porém, o nervosismo
é uma ocorrência involuntária que intefere no desempenho do apresentador e, conseqüentemente, na transmissão das mensagens. De qualquer forma, é necessário controlar os nervos
a fim de garantir uma comunicação satisfatória.
As pessoas ficam nervosas por vários motivos. Um deles é o receio de que alguma
coisa não dê certo durante a apresentação. Nesse caso, é interessante que se verifique todos
os itens que possam causar problemas.
Nervosismo causado por timidez e medo de falar em público pode ser enfrentado
assumindo uma atitude de plena confiança na capacidade fazer a apresentação.
A preocupação exagerada com a possibilidade de esquecer alguma parte da explicação
pode ser controlada fazendo um roteiro de apoio.
Muitos motivos de nervosismo são eliminados ou amenizados executando um bom
trabalho ao planejar, preparar e praticar a apresentação; fazendo exercícios físicos de relaxamento e procurando pensar positivamente.

4 RECURSOS MATERIAIS
Devem ser posicionados de modo a preservar um espaço de destaque para o apresentador. A seguir, alguns itens que devem ser observados e/ou providenciados.
Lousa

1. Apagador e giz branco ou colorido;
2. Numerar todo material escrito em folha de papel;
3. Apagar toda a lousa antes da apresentação;
4. Planejar a utilização da lousa, fazendo divisões com linhas verticais;
5. Apagar os erros com o apagador e nunca com as mãos.
Retroprojetor

1. Voltagem, posição da tomada e necessidade de extensão;
2. Posição do retroprojetor e tela no local da apresentação; se estão funcionando e
como utilizá-los adequadamente;
3. Numerar as transparências na seqüência a ser utilizada durante a apresentação.
10

Prof. Komatsu

Prática de Apresentação em Público

Projetor multimídia

Computador, projetor e tela em posições pré-definidas:
1. Verificar se estão funcionando e como utilizá-los adequadamente;
2. Testar a apresentação gravada em disquete, cd ou pen-drive; projetar na tela e
observar se ocorrem problemas;
3. Numerar todo material escrito em folha de papel.
Computador, projetor e tela montados no local antes do início da apresentação:
1. Voltagem, posição da tomada e necessidade de extensão;
2. Posição do computador, projetor e tela no local da apresentação; se estão funcionando
e como utilizá-los adequadamente;
3. Testar a apresentação gravada em disquete, cd ou pen-drive; projetar na tela e
observar se ocorrem problemas;
4. Numerar todo material escrito em folha de papel.
Preparação de transparências ou slides

1. Elaborar um roteiro com os principais tópicos a serem discutidos, mostrando-o
várias vezes em apresentação de longa duração;
2. Utilizar frases curtas com letras legíveis e tamanho adequados a uma leitura sem
dificuldades;
3. Não incluir informações em excesso no mesmo slide ou transparência;
4. Preparar transparências ou slides em número compatível com o tempo de apresentação e que permita explicá-los com calma e sem pressa;
5. Utilizar sem exageros: tabelas, figuras e gráficos;
6. Projetar o conteúdo de cada slide ou transparência por etapas acompanhando a
explicação;
7. Evitar animação em que a frase é montada letra a letra e inclusão de som.
Outros recursos materiais

Identificar, analisar e providenciar cada item com a devida antecedência.

11

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful