Você está na página 1de 13

Universidade Federal do Rio de Janeiro | Instituto de Física

Física III | 2014/2

Cap. 2 - Lei de Gauss
Prof. Elvis Soares

Nesse capítulo, descreveremos a Lei de Gauss e um procedimento alternativo para cálculo de
campos elétricos a partir dessa lei.

1

Fluxo Elétrico

O fluxo do campo elétrico é proporcional ao número de linhas de campo que passam por uma
dada superfície.

Consideremos uma superfície qualquer divida em um número muito grande de elementos de
área que são suficientemente pequenos, de área dA, onde o campo elétrico é uniforme uma
vez que o elemento de superfície é suficientemente pequeno. Desta forma, o fluxo elétrico dΦE
através desse elemento de área é
dΦE = EdA
Se a superfície em consideração não é perpendicular ao campo, o fluxo através dela pode mudar.
É fácil entender pela figura a seguir, onde a normal à superfície dA2 faz um ângulo θ com o
campo elétrico, enquanto a normal à superfície dA1 é paralela a ele.
Porém, o número de linhas de campo que atravessam a superfície dA1 é o mesmo que atravessam
a superfície dA2 , uma vez que dA1 = dA2 cos θ é a projeção da superfície dA2 , nesse caso. Então,
o fluxo elétrico sobre as duas superfícies é igual nesse caso a

o fluxo elétrico se reduz a integral Z ΦE = ~ · dA ~ E (1) que é uma integral feita sobre a superfície desejada. Elvis Soares Fluxo Elétrico ~ ·n ~ ·n ~ · dA ~ dΦE = E ˆ 1 dA1 = E ˆ 2 dA2 ≡ E Se quisermos calcular o fluxo elétrico sobre uma superfície. conforme a figura. ela depende do campo elétrico e da forma da superfície em questão.1 Prof. ou seja. devemos calcular a soma do fluxo de cada elemento de superfície infinitesimal. 2 . Sendo assim.

como mostra a figura. de modo que o fluxo sobre 2 E Na face . ~ daquelas não numeradas é zero pois E é per~ nessas faces. no3 4 e tamos que o fluxo através das faces . pendicular a dA 1 e 2 é O fluxo através das faces Z Z ~ ~ ~ · dA ~ ΦE = E · dA + E 1 2 ~ é constante e tem a direção oposta ao vetor dA ~ 1 . Primeiramente. Elvis Soares Exemplo: Fluxo através do Cubo ~ orientado ao longo da direção x positivo. essa face é Z Z Z ~ · dA ~ = (E x E ˆ) · (ˆ xdA2 ) = E dA2 = El2 2 2 2 Portanto. de modo que o fluxo sobre essa 1 E Na face .1 Fluxo Elétrico Prof. o fluxo total sobre a superfície do cubo é ΦE = −El2 + El2 + 0 + 0 + 0 + 0 ΦE = 0 3 . face é Z Z Z ~ · dA ~ = (E x ˆ) · (−ˆ xdA1 ) = −E dA1 = −El2 E 1 1 1 ~ é constante e tem a mesma direção do vetor dA ~ 2 . O fluxo total é a soma dos fluxos através de todas superfícies do cubo. Vamos Consideremos um campo elétrico uniforme E calcular o fluxo elétrico total através da superfície de um cubo de arestas l.

conforme a figura. o produto da área pelo campo elétrico independe do raio R. Então. podemos escrever o fluxo através da esfera como ΦE = q 0 Notamos que o fluxo total através da superfície da esfera é proporcional a carga interna.2 Prof. Pelo exemplo anterior. mas as superfícies A2 e A3 não são. como mostra a figura. o campo elétrico é proporcional a 1/R2 . o fluxo que passa através da superfície A1 é q/0 . A superfície A1 é esférica. O fluxo é independente do raio R porque a área da superfície da esfera é proporcional a R2 e. E da figura vemos que o número de linhas que passam através de A1 é igual ao 4 . o fluxo é proporcional ao número de linhas de campo elétrico que passam através da superfície. O fluxo total através da superfície da esfera deve ser calculado como I ~ · dA ~ ΦE = E + ~ = rˆdA. Como discutido anteriormente. Elvis Soares Lei de Gauss Exemplo: Fluxo através da Esfera devido a uma Carga Consideremos uma carga puntiforme positiva q localizada no centro de uma esfera de raio R. onde o elemento de área da esfera é dA de modo que o fluxo através da esfera é I  q  q k 2 rˆ · (ˆ ΦE = r dA) = k 2 (4πR2 ) R R Lembrando que k = 1/4π0 . 2 Lei de Gauss Vamos considerar algumas superfícies fechadas em volta de uma carga q.

Isso é. Agora. Elvis Soares número de linhas que passam pelas superfícies não-esféricas A2 e A3 . concluímos que o fluxo total através de uma superfície fechada que não engloba nenhuma carga é zero. estabelece que o fluxo total sobre qualquer superfície fechada é 5 . A superfície S 0 engloba as cargas q2 e q3 . a Lei de Gauss. e q4 fora dela é zero pois cadas linha de campo que entra em S num ponto sai da superfície por outro ponto. que é a generalização do que descrevemos aqui. Portanto.2 Lei de Gauss Prof. o fluxo total através de S 00 é zero pois não há nenhuma carga no interior da superfície. A superfície S engloba somente uma carga. assim. Notemos que a carga q4 não contribui para o fluxo em nenhuma superfície porque ela está fora de todas as superfícies. todas as linhas de campo que entram em S 00 por um ponto saem dela em outros pontos. O número de linhas de campo entrando na superfície é igual ao número deixando a superfície. E finalmente. assim. o fluxo total através dela é (q2 + q3 )/0 . q1 . conforme a figura. o fluxo total através de S é q1 /0 . qualquer linha de campo que entra na superfície sai da mesma por outro ponto. q3 . Assim. Portanto. Consideremos agora o sistema de cargas e superfícies conforme a figura a seguir. vamos considerar uma carga localizada fora de uma superfície de forma arbitrária. Como podemos ver. concluímos que o fluxo total através de qualquer superfície fechada envolta de uma carga q é dado por q/0 e é independente da forma dessa superfície. O fluxo através de S devido às cargas q2 .

O campo pode ser zero sobre a superfície. A idéia é escolher uma superfície gaussiana que satisfaz uma ou mais condições a seguir: 1. enquanto E ~ · dA ~ é 2. 3 Aplicações da Lei de Gauss A lei de Gauss é útil para determinar campos elétricos de distribuições de cargas com alto grau de simetria. ±EdA pois E 3.3 Prof. Elvis Soares I ΦE = Aplicações da Lei de Gauss ~ · dA ~ = Qint E 0 (2) ~ representa o campo elétrico em onde Qint representa a carga total no interior da superfície e E qualquer ponto na superfície. 6 . O valor do campo elétrico pode ser constante sobre a superfície devido à simetria. ~ · dA ~ é zero porque E ~ e dA ~ são perpencilares. Essas condições serão usadas nos exemplos a seguir. O produto escalar E ~ e dA ~ são paralelos.

mas não haveria simetria suficiente para determinar o campo elétrico. a lei de Gauss permaneceria válida. podemos escrever o fluxo do campo elétrico como I I q ~ ~ ΦE = E · dA = E(r)dA = 0 onde usamos o fato que o campo elétrico é normal à superfície gaussiana. Com isso. Além disso.3 Aplicações da Lei de Gauss Prof. devido à distância ser a mesma em todos os pontos. de forma que escrevemos + ~ = E(r)ˆ E r Escolheremos uma superfície gaussiana que satisfaça algumas das propriedades listadas acima. de modo que I I q E(r)dA = E(r) dA = E(r)(4πr2 ) = 0 e assim E(r) = q q =k 2 2 4π0 r r Obs: Se a carga não estivesse no centro da esfera. o campo elétrico possui a mesma intensidade em todos os pontos da superfície esférica. Elvis Soares Exemplo: Campo Elétrico de uma Carga Puntiforme Vamos determinar o campo elétrico de uma carga puntiforme q a partir da Lei de Gauss. 7 . conforme figura. Como o espaço em volta da carga tem simetria esférica. e a melhor opção parece ser uma superfície gaussiana esférica de raio r centrada na carga puntiforme. essa simetria nos diz que o campo elétrico deve ser radial apenas. pois a intensidade do campo elétrico iria variar ao longo da superfície gaussiana.

nesse caso. No caso em que r > a. o fluxo do campo elétrico deve ser I I Qint ΦE = E(r)dA = E(r) dA = E(r)(4πr2 ) = 0 porém. Elvis Soares Aplicações da Lei de Gauss Exemplo: Campo Elétrico de uma Esfera Carregada Uniformemente Vamos determinar o campo elétrico de uma esfera isolante de raio a e carregada uniformemnte com uma carga Q. conforme as figuras abaixo.3 Prof. conforme figura (a) e do exemplo anterior. sabemos que o campo deve ser radial para fora ~ = E(r)ˆ E r e que a superfície gaussiana deve ser uma superfície esférica. Como a distribuição de cargas é esfericamente simétrica. a carga interna à superfície gaussiana é dada a partir da densidade de carga da esfera ρ = Q/ 43 πa3 na forma   4 3 r3 Qint = ρ πr = Q 3 3 a que juntos resultam em E(r < a) = k 8 Q r a3 . conforme figura (b). sabemos que I I Q ΦE = E(r)dA = E(r) dA = E(r)(4πr2 ) = 0 cujo resultado é E(r > a) = k Q r2 No caso em que r < a.

o campo elétrico dentro e fora da esfera tem formas diferentes e podemos analisálos na forma de um gráfico. no capítulo anterior.3 Aplicações da Lei de Gauss Prof. 9 . conforme a figura (a). não poderíamos afirmar que na borda desse fio o campo teria a forma ~ = E(s)ˆ E s. o campo elétrico de uma distribuição de cargas com simetria cilíndrica cai com 1/r enquanto que o de uma distribuição com simetria esférica cai com 1/r2 . + + + Usando a Lei de Gauss. Na verdade. no limite em que o fio é infinito. sabemos que o campo deve ser radial cilíndrico para fora. sabemos que o fluxo do campo elétrico através da superfície gaussiana é proporcional à carga interna à gaussiana I ΦE = ~ · dA ~ = E(s) E Z dA = E(s)(2πsl) = λl 0 ~ é peronde usamos o fato que o campo elétrico E ~ nas superfícies da tampa pendicular aos vetores dA e do fundo do cilindro. apareceriam componentes do campo que são parelelas ao fio. + + + Como a distribuição de cargas é cilindricamente simétrica. de modo que o resultado é E(s) = λ 2π0 s Assim. conforme a figura (b) ~ = E(s)ˆ E s e que a superfície gaussiana deve ser uma superfície cilíndrica. Tal campo foi encontrado no exemplo do fio carregado. ( k aQ3 r se r < a E(r) = se r > a k rQ2 Exemplo: Campo Elétrico de um Fio Infinito Carregado Uniformemente Vamos determinar o campo elétrico de um fio delgado infinito e isolante carregado uniformemente com uma densidade de carga linear λ. Elvis Soares Sendo assim. Obs: Se o fio fosse finito.

a densidade de carga σ é maior onde menor for o raio de curvatura da superfície. O campo elétrico no exterior muito próximo do condutor é perpendicular à superfície e de módulo σ/0 . 10 . no limite em que o disco é infinito. de modo que o resultado é E(n) = σ 20 Assim. Quando não há nenhum movimento Um condutor em equilíbrio eletrostático tem as seguintes propriedades: 1. 4 Cargas em Condutores Como vimos no capítulo anterior.4 Prof. Elvis Soares Cargas em Condutores Exemplo: Campo Elétrico de um Plano Infinito Carregado Uniformemente Vamos determinar o campo elétrico de um plano delgado infinito e isolante carregado uniformemente com uma densidade de carga superficial σ. Tal campo foi encontrado no exemplo do disco carregado. Usando a Lei de Gauss. no capítulo anterior. 3. sua carga reside na superfície. sabemos que o fluxo do campo elétrico através da superfície gaussiana é proporcional à carga interna à gaussiana I Z ~ · dA ~ = E(n) dA = 2E(n)A = σA ΦE = E 0 ~ é perpendicular aos vetores dA ~ na lateral do cilindro onde usamos o fato que o campo elétrico E e somente há fluxo nas tampas do cilindro. Num condutor de forma irregular. + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + Como a distribuição de cargas tem simetria planar. Se um condutor isolado está carregado. sabemos que o campo deve ser perpendicular à superfície ~ = E(n)ˆ E n e que a superfície gaussiana pode ser uma superfície cilíndrica. O campo elétrico é zero em qualquer lugar no interior do condutor. ou seja. conforme a figura. simetria na forma de um plano. 4. o campo elétrico de uma distribuição de cargas plana infinita independe da distância ao plano. um bom condutor elétrico contem cargas (elétrons) que não estão ligados aos átomos e portanto estão livres para se moverem dentro do material. 2.

+ + + + + + + + Assim. contudo. elétrons livres que se o campo elétrico E sofrerão força e estarão postos a se mover ao longo da superfície. o vetor E + + + + + + + + + + + + + ++ + + + + + Vamos usar uma gaussiana na forma de um cilindro tão pequeno quanto quisermos. os elétrons livres experimentariam uma força elétrica e iriam acelerar devido a essa força. Primeira propriedade: Vamos considerar uma chapa condutora imersa num campo elétrico ~ externo E. – – – – – – – – O campo elétrico dentro do condutor deve ser zero sobre a hipótese que estamos em equilíbrio eletrostático. cujas faces planas são paralelas à superfície do condutor. o que no caso de equilíbrio ~ deve ter apenas componente normal à superfície. E pela Lei de Gauss. o campo elétrico deve ser nulo em todos os pontos da gaussiana. a existência do equilíbrio eletrostático é consistente apenas com o campo zero no condutor. Elvis Soares Vamos verificar as primeiras três propriedades a seguir.4 Cargas em Condutores Prof. Como já mostramos. Terceira propriedade: Vamos usar a lei de Gauss para mostrar essa propriedade. Portanto. Então. o campo elétrico no interior do condutor deve ser nulo quando está em equilíbrio eletrostático. e na superfície dentro do condutor é zero pois o campo é zero naquela região. e a quarta propriedade é apresentada aqui apenas para completar a lista de propriedades de um condutor em equilíbrio eletrostático. Segunda propriedade: Vamos considerar um condutor de forma arbitrária. enstando parte do cilindro fora do condutor e parte dentro. Notamos ~ tiver componente paralela à superfície do condutor. eletrostático é proibido. pois o campo é paralelo à superfície. O fluxo sobre a superfície lateral do cilindro é zero. Se o campo não fosse zero. Assim. mas será verificada apenas no capítulo seguinte. de modo que o fluxo total sobre essa superfície deve ser nulo. significaria que o condutor não está em equilíbrio eletrostática. Uma superfície gaussiana é desenhada dentro do condutor e pode estar próxima da superfície do condutor o quanto quisermos. 11 . concluímos que a carga total no interior da gaussiana é zero. como a carga total dentro do condutor deve ser nula. a carga total no condutor reside na sua superfície. Esse movimento dos elétrons.

Como a distribuição de cargas tem simetria esférica. E(r < a) = 0. E(a < r < b) = k 12 . Região 2: Nessa região. consideremos uma gaussiana esférica de raio r onde a < r < b e notemos que a carga no interior dessa superfície é +2Q (a carga da esfera sólida). usando a Lei de Gauss e simetria. consideremos uma superfície gaussiana de raio r < a. então E(b < r < c) = 0. então. o campo elétrico deve ser zero pois a casca esférica é também um condutor em equilíbrio. de modo que pela Lei de Gauss E(4πr2 ) = 2Q 0 e assim 2Q r2 Região 3: Nessa região. Elvis Soares Cargas em Condutores Então. Exemplo: Esfera dentro de uma Casca Esférica Condutores Vamos determinar o campo elétrico de um plano delgado infinito e isolante carregado uniformemente com uma densidade de carga superficial σ. Devido à simetria esférica.4 Prof. o fluxo na gaussiana é apenas I ΦE = EdA = EA = Qint σA = 0 0 de modo que o campo na superfície do condutor deve ter módulo igual a E= σ 0 tendo a direção perpendicular à superfície do condutor. o campo elétrico deve ser radial. Como a carga total dentro de um condutor em equilíbrio eletrostático é zero. a direção do campo elétrico deve ser radial de tal forma que ~ = E(r)ˆ E r Região 1: Para encontrar o campo dentro da esfera sólida. Qint = 0 .

E(r > c) = k  0    k 2Q r2 E(r) =  0    Q k r2 se se se se r<a a<r<b b<r<c r>c 13 .4 Cargas em Condutores Prof. Elvis Soares Região 4: Usando uma gaussiana esférica de raio r onde r > c e notando que a carga interna a essa superfície é Qint = +2Q + (−Q) = Q. o campo elétrico dessa distribuição de cargas pode ser escrito e representado num gráfico como a seguir. temos Q r2 Desta forma.