Você está na página 1de 32

Eletrônica Eletrônica básica - Prática

Amplificador em
emissor comum
Amplificador em emissor comum

Amplificador em emissor comum

© SENAI-SP, 2003

Trabalho editorado pela Gerência de Educação da Diretoria Técnica do SENAI-SP, a partir dos
conteúdos extraídos da apostila homônima, Amplificador em Emissor Comum - Prática, SENAI - DN,
RJ, 1986

Capa Gilvan Lima da Silva


Digitalização UNICOM - Terceirização de Serviços Ltda

SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial


Departamento Regional de São Paulo - SP
Av. Paulista, 1313 – Cerqueira Cesar
São Paulo – SP
CEP 01311-923

Telefone (0XX11) 3146-7000


Telefax (0XX11) 3146-7230
SENAI on-line 0800-55-1000

E-mail Senai@sp.senai.br
Home page http://www.sp.senai.br

2 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Sumário

Prática 5
Amplificação em emissor comum 11
Resumo 23
Referências bibliográficas 29

SENAI-SP - INTRANET 3
Amplificador em emissor comum

4 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Prática

Exercício 1

1. O que são “sinais elétricos”?

2. O que é “amplificação”?

3. O que é ganho de um “estágio” amplificador?

4. Qual é a equação que define o ganho de um estágio amplificador?

5. Como é possível determinar, na prática, o ganho de um estágio amplificador?

SENAI-SP - INTRANET 5
Amplificador em emissor comum

6. que é “ganho total” de um amplificador?

Exercício 2

1. Por que os estágios amplificadores em emissor comum são os mais utilizados?

As questões 2 e 3 referem-se ao circuito colocado a seguir.

2. O que acontece com a tensão de saída do estágio:


a. se for colocado um sinal positivo na entrada:

b. se for colocado um sinal negativo na entrada:

6 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

3. O que se pode dizer sobre a relação de fase entre a corrente de coletor e a tensão
de saída base no sinal de entrada, nos amplificadores de emissor comum.

4. Complete os gráficos abaixo com base no sinal de entrada.

SENAI-SP - INTRANET 7
Amplificador em emissor comum

5. Projete na curva característica apresentada as variações de IC e VCE conforme o


sinal de entrada.

Exercício 3

1. Como se pode eliminar um nível de tensão ou corrente contínua que acompanha


um sinal, a fim de amplificá-lo?

2. Identifique, no circuito abaixo, os elementos polarizados e os acopladores.

8 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

3. Qual a vantagem e a desvantagem da inclusão de um resistor de emissor em um


estágio amplificador?

4. Qual é a finalidade do capacitor de desacoplamento?

5. Desenhe um estágio amplificador completo (com capacitor de desacoplamento e


transistor PNP).

6. Classifique, em termos genéricos, as características de um estágio amplificador em


emissor comum:

Ai = __________________

Av = _________________

Zi = __________________

Zo = _________________

SENAI-SP - INTRANET 9
Amplificador em emissor comum

10 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Amplificação em emissor
comum

Objetivos
• Determinar, por processo prático, o ganho de um estágio amplificador em emissor
comum.
• Verificar relações de fase entre os sinais.
• Verificar a influência do resistor de emissor e do desacoplamento sobre o ganho do
estágio.
• Determinar experimentalmente as impedâncias de entrada e saída do estágio
amplificador.

Equipamentos
• Fonte de CC - 12V;
• Osciloscópio duplo traço;
• Gerador de funções;
• Multímetro.

Listas de Materiais
• Semi condutores
- T1 - Transistor de sinal, NPN
ICM > 20mA PC > 100mW
VCEO > 20V 100 < β < 300

• Resistores
- R1 - 1kΩ 5% 1/4W
- RB - a ser calculado no ensaio
- R2 - 10kΩ 5% 1/4W
- R3 - 100Ω 5% 1/4W
- R4 - 100kΩ 5% 1/4W
- R5 - 15kΩ 5% 1/4W
- R6 - 5,6kΩ 5% 1/4W
- R7 - 1kΩ 5% 1/4W

SENAI-SP - INTRANET 11
Amplificador em emissor comum

• Capacitores
- C1 - 10µF x 16V
- C2 - 47µF x 16V

• Diversos
- S1 - chave liga-desliga
- P1 - potenciômetro linear de 4,7kΩ
- P2 - potenciômetro linear de 10kΩ

12 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Ponto de operação

1. Monte o circuito da figura a seguir.

2. Calcule o resistor de base para que o ponto de operação seja: VCEQ = 6V IC = 6mA.
Considere um transistor com β = 200.

VCC − VBE
RB =
IB

3. Conecte o resistor RB ao circuito.

4. Ajuste a fonte e conecte ao circuito.

5. Meça o valor de VCEQ e verifique se está no valor desejado (tolerância de ± 0,5V).

Observação
Caso o VCEQ desejado não seja obtido faça a correção necessária para obtê-lo.

6. Anote a seguir, os dados do ponto de operação.

VCEQ = _______________ V
VRCQ = _______________ V
ICQ = _________________ V

SENAI-SP - INTRANET 13
Amplificador em emissor comum

Amplificação

1. Acrescente o divisor de tensão e o gerador de funções ao circuito, conforme mostra


a figura a seguir.

Observação:
O divisor de tensão (10kΩ - 100Ω) receberá o sinal do gerador e entregará apenas
1/100 do sinal na entrada do gerador.

2. Ligue o gerador de funções e ajuste para 1kHZ, senoidal, 1Vpp.


Qual é a tensão de pico a pico do sinal aplicado à entrada do amplificador?

3. Conecte o canal 1 do osciloscópio na saída do circuito e meça o sinal de pico a


pico (com máxima precisão possível).
VSAÍDA pico a pico =_________________V

4. Determine o ganho do estágio amplificador.

VSAÍDApp
AV = = AV = _______________
VENTpp

14 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Verificação da relação de fase entre saída e entrada

1. Ligue o segundo canal do osciloscópio.

2. Ajuste os controles do osciloscópio listado a seguir.

Canal 1 Canal 2
Vertical - 0,5V/div Vertical - 1V/div
Modo - AC Modo - AC

Sincronismo Horizontal
Fonte: Canal 1 Base de tempo: 0,2ms/div
Modo: Automático Ajuste fino: CAL

3. Posicione a senóide presente na tela (sinal de saída) de modo que ocupe a parte
superior da tela.

4. Conecte o canal 2 do osciloscópio à saída do gerador de sinais (sinal de entrada).

5. Posicione o sinal de entrada de modo que não haja sobreposição com o sinal de
saída.

6. Desenhe, na tela abaixo, as figuras observadas no osciloscópio.

É possível observar que o sinal de saída (parte superior da tela) é uma versão
amplificada e invertida do sinal de entrada?

SENAI-SP - INTRANET 15
Amplificador em emissor comum

Qual é a relação de fase entre o sinal de saída e o sinal de entrada em um estágio


amplificador em emissor comum?

7. Mude o seletor de forma de onda do gerador de funções para onda quadrada e


observe o osciloscópio.
A relação de fase depende do tipo de sinal amplificado?

8. Desligue a fonte e gerador de funções.

Atuação do Desacoplamento de Emissor

1. Monte o circuito apresentado na figura a seguir.

2. Posicione a chave S1 para desligada.

3. Ligue a fonte.

16 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

4. Meça os valores do ponto de operação.

VB = VR5 = _______________ V
VE = VR7 = _______________ V
VCE = ___________________ V
VSAÍDA = _________________ V

5. Ligue a chave S1, ligando o desacoplamento do emissor.

6. Meça novamente os valores do ponto de operação.

VB = ____________________ V
VE = ____________________ V
VCE = ___________________ V
VSAÍDA = _________________ V

7. Compare os valores do item 4 e 6


A ligação do capacitor de desacoplamento interfere nas tensões de polarização?
Por quê?

8. Desligue a chave S1.

9. Ajuste o gerador de funções para senoidal, 1kHZ, 3Vpp e conecte ao circuito.


Qual é a tensão pico a pico do sinal aplicada ao circuito?

VENTRADApp _______________mV

10. Meça o sinal de saída do circuito. Use o canal 1 do osciloscópio com a chave
seletora de ganho vertical posicionada em 50mV/div.

SENAI-SP - INTRANET 17
Amplificador em emissor comum

11. Determine o ganho do circuito.

VSAÍDApp
AV = AV =
VENTRADApp

12. Passe a chave seletora de ganho vertical para 1V/div.

13. Ligue o capacitor de desacoplamento, observando o que acontece com o sinal de


saída.
O que acontece com o sinal de saída quando o emissor é desacoplado?

Que conclusão se pode tirar sobre o ganho do estágio com e sem


desacoplamento?

14. Determine o ganho do estágio com o emissor desacoplado.


AV = _________________

15. Desligue a fonte e o gerador de funções.

Determinação da impedância de entrada

1. Desligue o divisor de tensão (R2 - R3) da entrada do circuito. Confira se a chave S1


está fechada.

2. Remonte a entrada do circuito conforme mostra a figura a seguir.

18 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

3. Ajuste o potenciômetro P1 para a mínima resistência.

4. Ligue a fonte e ajuste o gerador de funções de forma a obter o máximo sinal sem
distorção na saída do amplificador.

5. Meça a tensão pico a pico do sinal no ponto A.


VA = _________________ Vpp

6. Passe o osciloscópio para o ponto B.

7. Ajuste o potenciômetro de forma que o sinal presente no ponto B tenha a metade


da amplitude encontrada no ponto A.

8. Desligue a fonte e desconecte o potenciômetro do circuito, tomando cuidado para


não alterar a posição do cursor.

9. Determine a impedância de entrada do estágio, medindo a resistência do


potenciômetro.

Zi = _________________ Ω

10. Desligue a chave S1 e repita os itens 2 a 9.

Zi = _________________ Ω

O que se pode afirmar comparando os valores de Zi do estágio com emissor


acoplado e desacoplado?

Em qual dos casos Zi é maior?

11. Desligue a alimentação e o gerador de funções.

SENAI-SP - INTRANET 19
Amplificador em emissor comum

Determinação da impedância de saída

1. Retire o potenciômetro P1 da entrada, conectando C1 diretamente ao circuito e ligue


a chave S1.

2. Ligue a fonte e o gerador de sinais.

3. Ajuste o nível do sinal de entrada de forma a obter o maior sinal de saída possível
sem distorção.

4. Meça a tensão pico a pico do sinal de saída (após o capacitor C3).


VSAÍDA = ______________ Vpp

5. Desligue a fonte e conecte o potenciômetro P2 à saída do circuito conforme mostra


a figura a seguir.

6. Ajuste o potenciômetro P2 para a máxima resistência.

7. Ligue a fonte de alimentação.

8. Ajuste o potenciômetro P2 de forma que o sinal no ponto A tenha a metade da


amplitude encontrada no item 4.

20 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

9. Desligue a fonte, retire o potenciômetro e determine a impedância de saída do


estágio.
Zo = _________________ Ω

Se a saída deste estágio amplificador tivesse que ser ligada à entrada de outro
circuito, qual deveria ser a impedância de entrada deste outro circuito para obter a
máxima transparência de potência?

SENAI-SP - INTRANET 21
Amplificador em emissor comum

22 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Resumo

Amplificação de sinais elétricos

Sinal elétrico é toda variação de corrente ou tensão que conduz uma informação. Os
sinais podem ser puros ou sobre um nível de tensão contínua.

Sinal puro Sinal sobre um nível de CC

Em muitas ocasiões é necessário amplificar os sinais elétricos. A amplificação é um


processo que visa aumentar a intensidade de um sinal elétrico.

Os estágios amplificadores propiciam um ganho ao sinal, que corresponde a relação


entre o sinal obtido na saída e o sinal aplicado à entrada.

Sinal de Saída
G=
Sinal de Entrada

SENAI-SP - INTRANET 23
Amplificador em emissor comum

Os estágios amplificadores podem ser ligados um após o outro, propiciando um ganho


total que corresponde ao produto dos ganhos individuais.

GT = G1 x G2 x ... x Gn

Estágio amplificador em emissor comum

É um tipo de circuito que proporciona alto ganho de tensão e de corrente.

O princípio de funcionamento baseia-se na mudança do ponto de operação causada


pelo sinal aplicado a entrada.

Quando o sinal de entrada é positivo a corrente de sinal se soma a de polarização.


Isso faz com que IB e IC aumentem, enquanto VCE ( ou VSAÍDA) diminua, acompanhando
a forma do sinal de entrada.

24 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Quando o sinal de entrada é negativo a corrente de sinal é subtraída da corrente de


polarização. Isto resulta em que IB e IC diminuam, enquanto que VCE (ou VSAÍDA)
aumenta, obedecendo a forma do sinal de entrada.

Os valores de tensão e corrente podem ser encontrados a partir da curva característica


e da reta de carga.

SENAI-SP - INTRANET 25
Amplificador em emissor comum

As características importantes do estágio amplificador em emissor comum são:


• Ganho de corrente = alto (dezenas de vezes).
• Ganho de tensão = alto (dezenas de vezes).
• Impedância de entrada = média (centenas de Ohms).
• Impedância de saída = alta ( antenas até milhares de Ohms).

Acoplamento do Sinal e Desacoplamento do Emissor

Para que os estágios amplificadores possam ser ligados um após o outro sem que as
tensões de polarização individuais interfiram nos pontos de operação utilizam-se os
elementos de acoplamento.

Os capacitores ou transformadores são usados como acopladores, porque transferem


o sinal mas bloqueiam as tensões contínuas de polarização.

Além dos elementos acopladores costuma-se acrescentar um resistor de emissor ao


estágio amplificador.

26 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

A colocação do resistor melhora a estabilidade térmica do circuito, mas reduz


sensivelmente o seu ganho.

Por esta razão o resistor de emissor é desacoplado através de um capacitor que


possibilita obter um estágio de alto ganho mas estável termicamente.

Propriedades do estágio amplificador em emissor comum

O quadro a seguir apresenta um resumo das propriedades típicas dos estágios


amplificadores em emissor comum.

Características Classificação genérica


Estágio Ai Alto - dezenas de vezes
amplificador Av Alto - dezenas de vezes
em emissor Zi Média - centenas de ohms
comum Zo Alta - centenas ou milhares de ohms

SENAI-SP - INTRANET 27
Amplificador em emissor comum

28 SENAI-SP - INTRANET
Amplificador em emissor comum

Referências bibliográficas

SENAI/DN. Amplificador em emissor comum, prática. Rio de Janeiro, Divisão de


Ensino e Treinamento, 1986. (Série Eletrônica Básica).

SENAI-SP - INTRANET 29
Amplificador em emissor comum

30 SENAI-SP - INTRANET
Eletrônica básica

Teoria 46.15.11.752-8 Teoria 46.15.12.760-4


Prática: 46.15.11.736-4 Prática: 46.15.12.744-1
1. Tensão elétrica 41. Diodo semi condutor
2. Corrente e resistência elétrica 42. Retificação de meia onda
3. Circuitos elétricos 43. Retificação de onda completa
4. Resistores 44. Filtros em fontes de alimentação
5. Associação de resistores 45. Comparação entre circuitos retificadores
6. Fonte de CC 46. Diodo emissor de luz
7. Lei de Ohm 47. Circuito impresso - Processo manual
8. Potência elétrica em CC 48. Instrução para montagem da fonte de CC
9. Lei de Kirchhoff 49. Multímetro digital
10. Transferência de potência 50. Diodo zener
11. Divisor de tensão 51. O diodo zener como regulador de tensão
12. Resistores ajustáveis e potenciômetros 52. Transistor bipolar - Estrutura básica e testes
13. Circuitos ponte balanceada 53. Transistor bipolar - Princípio de funcionamento
14. Análise de defeitos em malhas resistivas 54. Relação entre os parâmetros IB, IC e VCE
15. Tensão elétrica alternada 55. Dissipação de potência e correntes de fuga no transistor
16. Medida de corrente em CA 56. Transistor bipolar - Ponto de operação
17. Introdução ao osciloscópio 57. Polarização de base por corrente constante
18. Medida de tensão CC com osciloscópio 58. Polarização de base por divisor de tensão
19. Medida de tensão CA com osciloscópio 59. Regulador de tensão a transistor
20. Erros de medição 60. O transistor como comparador
21. Gerador de funções 61. Fonte regulada com comparador
22. Medida de freqüência com osciloscópio 62. Montagem da fonte de CC
23. Capacitores 63. Amplificador em emissor comum
24. Representação vetorial de parâmetros elétricos CA 64. Amplificador em base comum
25. Capacitores em CA 65. Amplificador em coletor comum
26. Medida de ângulo de fase com osciloscópio 66. Amplificadores em cascata
27. Circuito RC série em CA 67. Transistor de efeito de campo
28. Circuito RC paralelo em CA 68. Amplificação com FET
29. Introdução ao magnetismo e eletromagnetismo 69. Amplificador operacional
30. Indutores 70. Circuito lineares com amplificador operacional
31. Circuito RL série em CA 71. Constante de tempo RC
32. Circuito RL paralelo em CA 72. Circuito integrador e diferenciador
33. Ponte balanceada em CA 73. Multivibrador biestável
34. Circuito RLC série em CA 74. Multivibrador monoestável
35. Circuito RLC paralelo em CA 75. Multivibrador astável
36. Comparação entre circuitos RLC série e paralelo em CA 76. Disparador Schmitt
37. Malhas RLC como seletoras de freqüências 77. Sensores
38. Soldagem e dessoldagem de dispositivos elétricos
39. Montagem de filtro para caixa de som
40. Transformadores

Todos os títulos são encontrados nas duas formas: Teoria e Prática