Você está na página 1de 5
Mestrado em Ensino de Música Ano Lectivo 2013/2014 Keith Swanwick Nasceu em Inglaterra na década
Mestrado em Ensino de Música Ano Lectivo 2013/2014 Keith Swanwick Nasceu em Inglaterra na década
Mestrado em Ensino de Música Ano Lectivo 2013/2014 Keith Swanwick Nasceu em Inglaterra na década

Mestrado em Ensino de Música Ano Lectivo 2013/2014

Keith Swanwick

em Ensino de Música Ano Lectivo 2013/2014 Keith Swanwick Nasceu em Inglaterra na década de 30,

Nasceu em Inglaterra na década de 30, professor de Educação Musical no Instituto de Educação da Universidade de Londres, é um dos mais importantes e destacados investigadores da actualidade, no âmbito da Educação Musical. Seu trabalho desenvolve-se no sentido de alargar o âmbito científico e pedagógico do ensino da música aplicando nele os resultados das investigações feitas nos domínios da psicologia, da sociologia e da estética. Desta forma, Keith Swanwick, debruçou-se sobre a questão do desenvolvimento musical no ser humano, tentando solucionar questões curriculares nos cursos oficiais de música ingleses. Seu trabalho não é pioneiro, mas vem acrescentar às teorias de desenvolvimento clássicas, ideias originais, elaboradas a partir de constatações fundamentadas na sua prática docente e nas suas pesquisas.

Suas investigações

Com o intuito de verificar cuidadosamente a prática musical curricular, Swanwick (1988) realizou um estudo em 60 escolas, entre 1985 e 1987. Tal estudo permitiu detectar uma grande variedade de actividades nas salas de aula, as quais pareciam ser determinadas pelos princípios teóricos e pedagógicos de cada professor. Não existia, portanto, continuidade e sistematização na prática curricular do ensino de música nas instituições de ensino.

Fundamentos da Didáctica da Música: Keith Swanwick – Docente António Pacheco, Novembro 2013.

1

A partir da diversidade de propostas de aprendizagem realizadas nas aulas de música, Swanwick (1988) verificou que tais actividades poderiam ser classificadas em:

«tradicional» ou centrada na matéria, «progressista» ou centrada na criança e a «multicultural». A teoria tradicional de educação caracteriza-se pelo predomínio do ensino dirigido, onde o professor transmite ao aluno informações, referentes a determinados assuntos, os quais devem ser memorizados. É da responsabilidade do professor a selecção do que, como e quando o aluno vai aprender, bem como a selecção do material pedagógico. Não se questiona o porquê de tal aprendizagem. Contrapondo-se à teoria tradicional, a «progressista» valoriza a auto-educação, preocupando-se mais com os processos mentais e habilidades cognitivas do que com a organização racional dos conteúdos (Libâneo, 1987). O ensino é centrado no aluno e no grupo, ressaltando-se o desenvolvimento das aptidões individuais. Volta-se para a compreensão da natureza psicológica da criança, pois suas necessidades e interesses são importantes para que ela se adapte com facilidade ao meio. O professor agora tem o papel de auxiliar o desenvolvimento livre e espontâneo da criança, atentando também para manter um relacionamento positivo com o aluno. A terceira teoria da educação musical citada e identificada por Swanwick (1988) é a teoria multicultural. Esta teoria está relacionada com a diversidade cultural encontrada nas sociedades, do crescimento da migração e imigração das mais diversas culturas e do desenvolvimento dos meios de comunicação. Não há dúvida de que as preferências

musicais são sinais culturais, e os processos de rotular a música e de colocá-la dentro de um contexto de aprovação social são universais e podem ser encontrados dentro de qualquer categoria de tradições ocidentais clássicas ou folclóricas. Consequentemente, a fusão da música com a cultura e o estilo de vida em geral dá-se de acordo com os costumes culturais óbvios, ou seja, costumes e práticas religiosas, políticas ou de qualquer outra categoria (Swanwick, 1988). De acordo com esta linha de pensamento multicultural, o papel da educação é evitar, ou pelo menos reduzir, a rotulação e a estereotipação cultural através de um maior contacto com diferentes manifestações musicais, fazendo com que os alunos vivenciem experiências construídas a partir de elementos independentes de vinculação cultural. A principal tarefa do professor refere-se à escolha do repertório. Conforme Swanwick (1988), o educador tem a responsabilidade de tornar familiares aos estudantes as diferentes convenções estruturais presentes nos diversos idiomas musicais, ou seja,

2

Fundamentos da Didáctica da Música: Keith Swanwick – Docente António Pacheco, Novembro 2013.

mostrar como as ideias musicais podem ser estabelecidas e transformadas através dos diversos modos de repetição e contraste.

Elaboração da sua teoria

Tendo como premissa a convicção de que a aprendizagem musical, assim como qualquer outro ramo do conhecimento, deve obedecer a etapas sucessivas (Piaget - o conhecimento dá-se por etapas sucessivas e é construído pelo indivíduo), consoantes com o nível de amadurecimento psicológico do indivíduo, Swanwick fez um mapa do progresso desse conhecimento, estudando um grupo de estudantes na faixa entre os 3 e os 14 anos. Essas crianças, todas alunas de três escolas em Londres, eram oriundas de diversos grupos étnicos e culturais – crianças de origens asiáticas, das Antilhas, africanas e sul e norte da Europa. Durante quatro anos, Swanwick fez gravações de

composições feitas por estas crianças, num total de 745 composições de um universo de

48 estudantes. Este estudo foi feito dentro do conceito de «oficinas de música», dando

prioridade a uma visão apelidada pelos seus defensores de linha «criativa» do ensino musical. Dentro desta óptica, encontram-se John Paynter e Murray Schafer. O professor

deve preocupar-se em desenvolver a criatividade e a improvisação, utilizando para isso todo e qualquer material sonoro disponível. A partir do seu estudo, Swanwick elaborou a sua «Teoria Espiral de Desenvolvimento Musical». Para representá-la, elaborou um gráfico em forma de espiral. Através deste, Swanwick mostrou os níveis de desenvolvimento, relacionados com a idade das crianças «compositoras» envolvidas no estudo. Enfoque em quatro territórios:

1º - o material: dividiu em dois níveis - o sensorial e o manipulativo e diz respeito às

crianças de 0 a 4 anos;

2º - a expressão: compreende crianças na faixa dos 5 aos 9 anos;

3º- a forma: dividiu em – especulativo e idiomático, e diz respeito às crianças de 10 a

15 anos; 4º - o valor: dividiu em - simbólico e sistemático, crianças com 15 anos ou mais.

A partir desta teoria, Swanwick propôs um processo de aprendizagem baseado num

modelo ao qual chamou de «C.L.A.S.P.». O modelo consiste em trabalhar os conteúdos de maneira vinculada, para justamente favorecer o desenvolvimento cognitivo de forma integral e não fragmentada.

3

Fundamentos da Didáctica da Música: Keith Swanwick – Docente António Pacheco, Novembro 2013.

Bases da sua metodologia e pedagogia

Swanwick tem uma abordagem expressionista dos objectivos da sua pedagogia. Segundo a sua perspectiva, a música é uma forma de cada um manifestar os seus sentimentos. A sua preocupação centra-se no desenvolvimento de uma educação estética capaz de privilegiar o relacionamento humano e que contribua para um crescimento harmonioso de todos. De acordo com os seus estudos desenvolvidos, Swanwick adoptou uma metodologia baseada em três tipos de actividades: composição, audição e interpretação/execução, - Composition, Audition, Performance (C A P) -, acrescentando mais dois parâmetros:

estudos literários – Literature Studies (L) e aquisição de competências – Skill Acquisition (S). Composição: qualquer forma de invenção musical, desde que implique a junção de sons de uma maneira expressiva, incluindo a improvisação; Audição: consiste em assistir à apresentação de uma música sentindo-se membro de uma «audiência» e não apenas como simples ouvinte, ou seja, concentrar toda a atenção no que se ouve, seja na rua, numa discoteca ou através da rádio, tornando-se um ouvinte empenhado; Interpretação/Execução: envolve capacidade técnica, dependente de preparação anterior geralmente, o sentimento do risco de que não se chegue a manifestar a característica especial daquela música, e a sensação de se ter uma audiência, por mais pequena e informal que possa ser. Estudos literários: de partituras, registos de acontecimentos musicais, literatura de carácter histórico e crítico sobre música e literatura musicológica. Aquisição de competências: de percepção auditiva, de fluência na escrita e na leitura, de controlo técnico, de execução em conjunto. A composição, audição e desempenho pertencem à categoria de actividades de avaliação estética; a literatura musical e a aquisição de competências são actividades que cimentam as anteriores. Neste sentido são 5 parâmetros desenvolvidos por Swanwick: C L A S P (Amado, 1999). Para Swanwick todo e qualquer conceito a ensinar deve passar pela realização de actividades de composição, audição e desempenho, sendo estas apoiadas pelos estudos literários sobre o conceito e aptidões relacionadas com o conceito. A improvisação deve estar sempre presente no ensino da música para proporcionar aos alunos experiências ricas e criativas que lhes desenvolvam o sentido estético.

Fundamentos da Didáctica da Música: Keith Swanwick – Docente António Pacheco, Novembro 2013.

4

Bibliografia

SWANWICK, Keith. (1979). A Basis for Music Education. Londres: Routledge.

SWANWICK, Keith. (1988). Music, Mind and Education. Londres: Routledge.

SWANWICK, Keith. (1994). Musical Knowledge: Intituion Analysis and Music Education. Londres: Routledge.

EDIÇÕES MAIS RECENTES

SWANWICK, Keith. (1990). Music, Mind and Education. Londres e Nova York:

Routledge.

SWANWICK, Keith. (1992). A Basis for Music Education. Londres: Routledge.

Bibliografia de Apoio

AMADO, M. L. (1999). O Prazer de Ouvir Música – Sugestões pedagógicas de audições para crianças. Lisboa: Caminho.

MATEIRO, T. de A. N. (S/D). Educação Musical nas Escolas Brasileiras:

Retrospectiva Histórica e Tendências Pedagógicas Atuais. Retirado em Outubro, 05, 2008, http://www.ceart.udesc.br/Revista_Arte_Online/Volume/artteresa.htm

LIBÂNEO, José Carlos. (1987). Democratização da escola Pública: A Pedagogia Crítico-Social dos Conteúdos. 5ª ed. São Paulo: Loyola.

O desenvolvimento musical segundo Swanwick (2000, 28 de Fevereiro). Retirado em Outubro, 05, 2008, cafemusic.com.br.

www.scribd.com/doc/6314884/Correntes-Pedagogicas-Contemporaneas-I-Text

consultado em Abril, 04, 2009.

Fundamentos da Didáctica da Música: Keith Swanwick – Docente António Pacheco, Novembro 2013.

5