Você está na página 1de 3

Da Cor a Cor Inexistente

Autor: Israel Pedrosa


Aluna: Milena Martins Siqueira

p. 143
3°§ “Desde a Antiguidade Clássica procura-se estabelecer paralelos entre a
pintura e a música, entre a cor e som.”
4°§ “O que retardou o aparecimento da teoria da cor foi a dificuldade em explicar
o que era a cor, [...] que só se tornou convincente quando se pôde definir a luz”
5°§ “[...] residiu até o século XVII a dificuldade para o estabelecimento e
aceitação de uma teoria: as múltiplas e contraditórias possibilidades de arranjo
da infinita gama de cores. A essa dificuldade acrescia a da obrigatoriedade do
respeito aos códigos cromáticos”
7°§ “Desde suas origens grega e latina, o termo harmonia foi bastante impreciso,
significando proporção, ajustamento e arranjo. Só bem mais tarde ganharia um
sentido definido: disposição bem ordenada das partes de um todo.”
8°§ “Ao afirmar que um cor e sua complementar produzem o branco, Newton
criou o elemento básico do acorde cromático, definindo a disposição das partes
em relação ao todo”
p.144
3°§ “A maioria dos termos uados pelos musicólogos são igualmente utilizados
pelos teóricos da cor”
4°§ “[...] têm surgido ao longo da História inúmero trabalhos de caráter
experimental que procuram equivalências físicas ou fisiológicas entre os sons e
as cores.”
6°§ “Vários artistas têm procurado demonstrar a analogia de certas cores com
determinados sons”
8°§ “Do ponto de vista estritamente objetivo, as experiências não confirmam as
várias tentativas de relacionamento entre cor e som, tomada por base a
emoção.”
11°§ “O som e a cor são como dois rios que nascem na mesma montanha, porém
em condições muito diferente, e correm em direção contrária, de maneira que
não oferecem nenhum ponto da analogia em seus cursos.”
p. 145
2°§ “Tano a escala de valores como a de tons obedecem a certas leis gerais de
harmonização”
5°§ “Para o trabalho de harmonização empregam-se comumente as cores-
pigmento de uso corrente entre os pintores e decoradores.”
8°§ “A organização racional de vários índices de luminosidade das imagens
coloridas ou incolores denomina-se escala de valores”
9°§ “[...] a harmonia é revelada pelo equilíbrio de três pontos referenciais:
máxima luminosidade, máxima obscuridade e luminosidade intermediária”
10°§ “[...] as cores saturadas degradam-se no sentido do branco e rebaixam-se
no sentido do preto. Por isto, as que têm afinidade com o branco [...] são mais
belas quando se degradam ou se dessaturam com o branco [...]. No entanto, as
cores que guardam afinidade com o preto [...] são mais belas rebaixadas pelo
preto [...]. Assim como as core claras turvam-se e descaracterizam-se ao serem
rebaixadas pelo preto, as escuras aniquilam-se e perdem consistência ao serem
degradadas pelo branco.”
p.146
1°§ “[...] não é fácil dominar superiormente todas as possibilidades de
combinação das escalas de tons e de valores.”
3°§ “Tomemos como exemplo o acorde dissonante vermelho-verde. A mistura
de ambos produzirá um cinza-neutro que será a cor intermediária com
ressonância da cor dominante verde.”
4°§ A eliminação de um dos polos da contradição é o caminho mais fácil para o
equilíbrio do acorde complementar. Basta rebaixar com preto a cor fria, ou
degradar com branco a cor quente.”
5°§ “Para o enriquecimento da pintura feita à base de valores é indispensável a
utilização dos cinzas-coloridos.”
7°§ “O cinza colorido é o cinza misturado em proporções variáveis a uma cor
qualquer. [...] a) pela mistura do branco e do preto; b) pela mistura das três cores
primárias, ou de cores complementares. Este último cinza é muito mais belo que
o primeiro”
8°§ “Num esquema cromático rígido, de reminiscência acadêmica, afirma-se que
quando rês cores estão em presença uma da outra uma delas deve ser levada
ao máximo de intensidade, a segunda ser diminuída e a terceira levemente
sugerida.”
p.150
2°§ “Quando vários cinzas-neutros estão uns ao lado dos outros, influenciam-se
mutuamente, fazendo com que o mais claro deles pareça ainda mais claro e que
o escuro pareça mais escuro ainda. [...] os cinzas-coloridos são extremamente
sensíveis ao contraste simultâneo, podendo um cinza levemente azulado
parecer tingido de forte azul, quando colocado ao lado de um laranja saturado.
7°§ “Quando se adiciona qualquer quantidade de cor primária à sua
complementar, ou da complementar á primária, desde que não atinja o equilíbrio
óptico, produz-se a ruptura do tom”
11°§ “O que valoriza os cinzas-neutros e os tons-rompidos é a capacidade que
têm de substituir os tons intermediários nas harmonias mistas, sem rebaixar
demasiadamente o valor cromático da escala.”
As composições cromáticas são relacionadas às nomenclaturas de
composições sonoras. Para se ter harmonia das cores são utilizados diversos
recursos como alteração de tons, valores e saturação, para que se torne uma
composição agradável aos olhos e valorizando as cores nela.