Você está na página 1de 4

1

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO


NOME DO CURSO

NOME(S) DO(S) ALUNO(S)

TÍTULO
SUBTÍTULO

CIDADE - ESTADO
2018
2

NOME(S) DO(S) ALUNO(S)

TÍTULO
SUBTÍTULO

Trabalho do curso apresentado à UNOPAR, como


requisito parcial para a obtenção de média nas disciplinas
de ....

Orientador: Professores

CIDADE - ESTADO
2018
3

Precisa desse portfólio?


Entre em contato pelo Whatsapp (49) 9 91930-5437 ou pelo E-mail:
unoparportfolios@gmail.com.

A proposta de Produção Textual Interdisciplinar em Grupo (PTG) terá como


temática o “Direito à educação”. Escolhemos esta temática para possibilitar a
aprendizagem interdisciplinar dos conteúdos desenvolvidos nas disciplinas desse
semestre.
Por meio de todas as discussões ofertadas neste semestre vocês irão observar
que as pessoas devem ter o acesso à escola e ao conhecimento científico. Nesta
ótica, o professor deve compreender como se estrutura a organização social e política
da sociedade, visto que a escola encontra-se inserida neste contexto. Entender o
funcionamento educacional, o modo como se configura o desenvolvimento e
aprendizagem dos indivíduos e como deve se estruturar as práticas pedagógicas é
fundamental para que vocês reflitam sobre a futura atuação na escola como docentes.
Este momento é relevante para vocês pensarem sobre estas questões e
articularem os principais conhecimentos que permeiam este semestre, ampliando
ainda mais seus saberes.

Situação-problema:
Um aluno sentiu-se incomodado com os raios solares que refletiam na sua
carteira, levantou-se e fechou a cortina. Um dos colegas, reclamando que tinha ficado
escuro, reagiu: “deixe esta cortina aberta, seu negro da vila”. O aluno respondeu: “vou
te pegar no final da aula”. De fato, a briga aconteceu e o diretor puniu o menino afro-
brasileiro por agredir o colega. A agressão física representava um problema grave de
disciplina de acordo com o Regimento da escola. Mas a agressão moral sofrida pelo
aluno com o uso do estereótipo pejorativo, que foi o fator desencadeador do conflito,
não foi considerada. Pareceu algo “normal”, que uma criança fosse estigmatizada e
identificada como “negro da vila” entre os colegas (FLEURI, 2009).
Nós, docentes, precisamos estar atentos ao aumento do racismo institucional
e dos seus efeitos para os jovens negros, na medida em que práticas que transgridem
leis e violam direitos humanos tem passado desapercebidas, parecem não causar
indignação. Não se trata de vitimar o negro, mas de reconhecer a existência de
práticas discriminatórias e das implicações da representação da imagem do jovem
4

negro nas escolas.