Você está na página 1de 163

Parte II – Teoria da Firma

Monopólio

Roberto Guena de Oliveira

USP

6 de junho de 2014

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 1 / 44


Sumário

1 Preliminares

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 2 / 44


Preliminares

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 3 / 44


Preliminares

Dois tipos de monopolistas

Um monopolista é uma empresa que é a única vendedora de


seu produto. Os monopólios podem ser classificados em dois
grupos:

Monopolistas não discriminador


Diz-se que um monopolista não discrimina preços quando ele
vende todas as unidades de seu produto ao mesmo preço.

Monopolista discriminador
Diz-se que um monopolista é discriminador de preços caso
ele pratique preços diferenciados (de acordo com grupo
comprador, com quantidade vendida, etc.) para diferentes
unidades vendidas de seu produto.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 4 / 44


Max. lucro

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 5 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.
O custo será c(y), de tal sorte que o lucro do monopolista
será dado por

π = p min(x(p), y) − c(y)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.
O custo será c(y), de tal sorte que o lucro do monopolista
será dado por

π = p min(x(p), y) − c(y)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.
O custo será c(y), de tal sorte que o lucro do monopolista
será dado por

π = p min(x(p), y) − c(y)

Caso x(p) > y, haverá espaço para aumentar o preço sem


comprometer as vendas.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.
O custo será c(y), de tal sorte que o lucro do monopolista
será dado por

π = p min(x(p), y) − c(y)

Caso x(p) > y, haverá espaço para aumentar o preço sem


comprometer as vendas.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

O problema do monopolista

O monopolista deve simultaneamente escolher o preço p


de seu produto e a quantidade produzida y.
A quantidade vendida do produto será x(p) caso x(p) ≤ y,
ou y, caso x(p) ≥ y.
O custo será c(y), de tal sorte que o lucro do monopolista
será dado por

π = p min(x(p), y) − c(y)

Caso x(p) > y, haverá espaço para aumentar o preço sem


comprometer as vendas.
Caso x(p) < y, será possível reduzir produção e,
conseqüentemente, custo sem reduzir receita.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 6 / 44


Max. lucro

Exemplo
p
C. Dem.
Ponto A
Há excesso de produção. Vale
a pena reduzir a produção
para x(p0 ), reduzindo custos e
aumentando lucro.
A

pA
b

x(pA ) yA x, y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 7 / 44


Max. lucro

Exemplo
p
C. Dem.
Ponto A
Há excesso de produção. Vale
a pena reduzir a produção
para x(p0 ), reduzindo custos e
aumentando lucro.
A

pA
b

x(pA ) yA x, y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 7 / 44


Max. lucro

Exemplo
p
C. Dem.
Ponto A

pB p(xB )
Há excesso de produção. Vale
a pena reduzir a produção
B
para x(p0 ), reduzindo custos e b

aumentando lucro.
A

pA
b

Ponto B
Há excesso de demanda. Vale
a pena aumentar o preço para
p(x1 ), aumentando receita e
lucro. xB x(pA ) yA x, y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 7 / 44


Max. lucro

Exemplo
p
C. Dem.
Ponto A

pB p(xB )
Há excesso de produção. Vale
a pena reduzir a produção
B
para x(p0 ), reduzindo custos e b

aumentando lucro.
A

pA
b

Ponto B
Há excesso de demanda. Vale
a pena aumentar o preço para
p(x1 ), aumentando receita e
lucro. xB x(pA ) yA x, y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 7 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I

max pd (y) y − c(y)


y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I Versão II

max pd (y) y − c(y) max p x(p) − c(x(p))


y p

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I Versão II

max pd (y) y − c(y) max p x(p) − c(x(p))


y p

Condições de máximo – versão I


1ªordem
d d
(p(y) y) = c(y)
dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I Versão II

max pd (y) y − c(y) max p x(p) − c(x(p))


y p

Condições de máximo – versão I


1ªordem
d d
(p(y) y) = c(y)
dy dy

d d
RT(y) = c(y)
dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I Versão II

max pd (y) y − c(y) max p x(p) − c(x(p))


y p

Condições de máximo – versão I


1ªordem 2ªordem
d d d2 d2
(p(y) y) = c(y) (p(y) y) < c(y)
dy dy dy 2 dy2

d d
RT(y) = c(y)
dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Maximização de lucro

O problema
Versão I Versão II

max pd (y) y − c(y) max p x(p) − c(x(p))


y p

Condições de máximo – versão I


1ªordem 2ªordem
d d d2 d2
(p(y) y) = c(y) (p(y) y) < c(y)
dy dy dy 2 dy2

d d d2 d2
RT(y) = c(y) RT(y) < c(y)
dy dy dy2 dy2

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 8 / 44


Max. lucro

Receita marginal RMg.

Definição
d RT(y)
RMg(y) =
dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 9 / 44


Max. lucro

Receita marginal RMg.

Definição
d RT(y) d
RMg(y) = = [y p(y)]
dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 9 / 44


Max. lucro

Receita marginal RMg.

Definição
d RT(y) d d p(y)
RMg(y) = = [y p(y)] = p(y) + y
dy dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 9 / 44


Max. lucro

Receita marginal RMg.

Definição
d RT(y) d d p(y)
RMg(y) = = [y p(y)] = p(y) + y
dy dy dy

Recolocação das condições de máximo


Condição de 1ª ordem:

RMg(y) = CMg(y)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 9 / 44


Max. lucro

Receita marginal RMg.

Definição
d RT(y) d d p(y)
RMg(y) = = [y p(y)] = p(y) + y
dy dy dy

Recolocação das condições de máximo


Condição de 1ª ordem:

RMg(y) = CMg(y)

Condição de 2ª ordem:

d RMg(y) d CMg(y)

dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 9 / 44


Max. lucro

Receita Marginal – interpretação gráfica

p∗

p(y)
y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 10 / 44


Max. lucro

Receita Marginal – interpretação gráfica

dp
p∗

dy
p(y)
y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 10 / 44


Max. lucro

Receita Marginal – interpretação gráfica

p
dRT = dp y∗

dp
p∗

dy
p(y)
y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 10 / 44


Max. lucro

Receita Marginal – interpretação gráfica

p
dRT = dp y∗ + dy p∗

dp
p∗

dy
p(y)
y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 10 / 44


Max. lucro

Receita Marginal – interpretação gráfica

p
dRT = dp y∗ + dy p∗

dRT dp
= p∗ + y ∗
dy dy

dp
p∗

dy
p(y)
y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 10 / 44


Max. lucro

Exemplo: demanda linear e receita marginal.

p = a − by

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 11 / 44


Max. lucro

Exemplo: demanda linear e receita marginal.

p = a − by
RT = p y = ay − by2

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 11 / 44


Max. lucro

Exemplo: demanda linear e receita marginal.

p = a − by
RT = p y = ay − by2
p = a − by

a y
b

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 11 / 44


Max. lucro

Exemplo: demanda linear e receita marginal.

p = a − by
RT = p y = ay − by2
dRT p = a − by
RMg = = a − 2by
dy

a y
b

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 11 / 44


Max. lucro

Exemplo: demanda linear e receita marginal.

p = a − by
RT = p y = ay − by2 RMg = a − 2by
dRT p = a − by
RMg = = a − 2by
dy

a a y
2b b

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 11 / 44


Max. lucro

Exemplo: monopólio com demanda linear e


custo marginal constante.
p

p = a − by
a

p = a − by
y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 12 / 44


Max. lucro

Exemplo: monopólio com demanda linear e


custo marginal constante.
p

p = a − by
c(y) = γy + k a

p = a − by
y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 12 / 44


Max. lucro

Exemplo: monopólio com demanda linear e


custo marginal constante.
p

p = a − by
c(y) = γy + k a
RMg = a − 2by

RMg p = a − by
y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 12 / 44


Max. lucro

Exemplo: monopólio com demanda linear e


custo marginal constante.
p

p = a − by
c(y) = γy + k a
RMg = a − 2by
CMg = γ

γ CMg

RMg p = a − by
a−γ y
b

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 12 / 44


Max. lucro

Exemplo: monopólio com demanda linear e


custo marginal constante.
p

p = a − by
c(y) = γy + k a
RMg = a − 2by
CMg = γ a+ γ
2
A condição de equilíbrio
CMg = RMg implica
a− γ γ
m
y = CMg
2b
a +γ RMg p = a − by
pm = a−γ a−γ y
2 2b b

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 12 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
d
RMg = py
dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
d dp
RMg = py = p + y
dy dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
1
= p 1 + 
dy p
dp y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
 
1 1
= p 1 + dy p  = p 1 +
ε
dp y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Preço e elasticidade da demanda

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Preço e elasticidade da demanda

CMg = RMg

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Preço e elasticidade da demanda


 
1
CMg = RMg ⇒ CMg = p 1 −
|ε|

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44


Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Preço e elasticidade da demanda


 
1
CMg = RMg ⇒ CMg = p 1 −
|ε|
Markup sobre CMg

1
p = CMg 1
1− |ε|
Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44
Max. lucro

Preço e elasticidade
Receita Marginal e elasticidade preço:
 
d dp y dp
RMg = py = p + y =p 1+
dy dy p dy
 
   
1 1 1
= p 1 + dy p  = p 1 + =p 1−
ε |ε|
dp y

Preço e elasticidade da demanda


 
1
CMg = RMg ⇒ CMg = p 1 −
|ε|
Markup sobre CMg Regra do inverso de ε
1 p − CMg 1
p = CMg 1 =
1− |ε| p |ε|
Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 13 / 44
Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0


|ε| = ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1
1− |ε|

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1
1− |ε|
γ
pm = 1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1
1− |ε|
γ
pm = 1
1− ϵ
!−ϵ
γ
ym = α 1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0 p x = γp−ϵ


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1
1− |ε|
γ γ
pm = CMg
1
1− ϵ
!−ϵ
γ y, x
ym = α 1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0 p x = γp−ϵ


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1
1− |ε|
γ γ
pm = CMg
1
1− ϵ RMg
!−ϵ
γ y, x
ym = α 1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0 p x = γp−ϵ


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1
pm = CMg 1 pm
1− |ε|
γ γ
pm = CMg
1
1− ϵ RMg
!−ϵ
γ y, x
ym = α ym
1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: elasticidade preço e custo marginal


constantes.

x(p) = αp−ϵ , α, ϵ > 0 p x = γp−ϵ


|ε| = ϵ
c(y) = γy ⇒ CMg = γ
Markup sobre o CMg:
1 γ
pm = CMg 1 pm 1− 1
1− |ε|
ϵ

γ γ
pm = CMg
1
1− ϵ RMg
!−ϵ
γ y, x
ym = α ym
1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 14 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 1

Função de demanda:

p = a − by

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 15 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 1

Função de demanda:

p = a − by

Função de custo:

c(y) = γy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 15 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 1

Função de demanda: Preço sem imposto:

p = a − by a+γ
pm
0
=
2
Função de custo:

c(y) = γy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 15 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 1

Função de demanda: Preço sem imposto:

p = a − by a+γ
pm
0
=
2
Função de custo:
Preço com imposto:
c(y) = γy
a+γ+t
pm
1
=
2

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 15 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 1

Função de demanda: Preço sem imposto:

p = a − by a+γ
pm
0
=
2
Função de custo:
Preço com imposto:
c(y) = γy
a+γ+t
pm
1
=
2
Valor repassado:

t
pm
1
− pm
0
=
2

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 15 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda:

yd = αp−ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda:

yd = αp−ϵ

Função de custo:

c(y) = γy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda: Preço sem imposto:

yd = αp−ϵ 1
pm
0
=γ 1
1−
Função de custo: ϵ

c(y) = γy

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda: Preço sem imposto:

yd = αp−ϵ 1
pm
0
=γ 1
1−
Função de custo: ϵ

Preço com imposto:


c(y) = γy
1
pm
1
= (γ + t) 1
1− ϵ

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44


Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda: Preço sem imposto:

yd = αp−ϵ 1
pm
0
=γ 1
1−
Função de custo: ϵ

Preço com imposto:


c(y) = γy
1
pm
1
= (γ + t) 1
1− ϵ

Valor repassado:

1
pm
1
− pm
0
=t 1
1− ϵ
Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44
Max. lucro

Exemplo: introdução de um imposto unitário t –


caso 2
Função de demanda: Preço sem imposto:

yd = αp−ϵ 1
pm
0
=γ 1
1−
Função de custo: ϵ

Preço com imposto:


c(y) = γy
1
pm
1
= (γ + t) 1
1− ϵ

Valor repassado:

1
pm
1
− pm
0
=t 1
>t
1− ϵ
Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 16 / 44
Barreiras à entrada

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 17 / 44


Barreiras à entrada

Barreiras à entrada

Patentes.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 18 / 44


Barreiras à entrada

Barreiras à entrada

Patentes.
Acesso exclusivo a um fator de produção.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 18 / 44


Barreiras à entrada

Barreiras à entrada

Patentes.
Acesso exclusivo a um fator de produção.
Segredo industrial.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 18 / 44


Barreiras à entrada

Barreiras à entrada

Patentes.
Acesso exclusivo a um fator de produção.
Segredo industrial.
Barreiras de escala.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 18 / 44


Barreiras à entrada

Estrutura de mercado e escala eficiente mínima

Demanda

Seja ŷ a escala eficiente


mínima.
Caso x(CM(ŷ))/ ŷ seja
grande, há espaço para CM(y)
muitas empresas no
mercado. CM(ŷ)

ŷ y, x
x(CM(ŷ))

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 19 / 44


Barreiras à entrada

Estrutura de mercado e escala eficiente mínima

Demanda
Caso x(CM(ŷ))/ ŷ seja
pequeno, há espaço para
poucas empresas no
mercado.
Se houver espaço para
apenas uma empresa, CM(y)
dizemos que se trata de CM(ŷ)
um monopólio natural.
y, x
x(CM(ŷ))

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 20 / 44


Barreiras à entrada

Monopólio Natural
Há pelo menos três definições para o termo monopólio
natural:
1 Uma indústria é um monopólio natural caso seu produto
total (no intervalo relevante de produção) seja obtido a
um menor custo médio quando o número de empresas é
1.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 21 / 44


Barreiras à entrada

Monopólio Natural
Há pelo menos três definições para o termo monopólio
natural:
1 Uma indústria é um monopólio natural caso seu produto
total (no intervalo relevante de produção) seja obtido a
um menor custo médio quando o número de empresas é
1.
2 Uma indústria é um monopólio natural caso, quando
composta por uma única empresa, esta consiga operar
com lucros não negativos e, quando composta por mais
de uma empresa, não seja possível que todas operem
com lucro não negativo.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 21 / 44


Barreiras à entrada

Monopólio Natural
Há pelo menos três definições para o termo monopólio
natural:
1 Uma indústria é um monopólio natural caso seu produto
total (no intervalo relevante de produção) seja obtido a
um menor custo médio quando o número de empresas é
1.
2 Uma indústria é um monopólio natural caso, quando
composta por uma única empresa, esta consiga operar
com lucros não negativos e, quando composta por mais
de uma empresa, não seja possível que todas operem
com lucro não negativo.
3 Um monopólio natural ocorre quando a curva de demanda
cruza a curva de custo médio em seu ramo descendente
(Varian).

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 21 / 44


Barreiras à entrada

Monopólio Natural – def. 3


p

Demanda

CMg
CM(ŷ)

CM(y)

x(CM(ŷ)) ŷ y, x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 22 / 44


Ineficiência do monopólio

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 23 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

CMg

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

CMg

RMg

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

CMg
pm

RMg

ym y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

Exced.
consumidor

CMg
pm

RMg

ym y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

Exced.
consumidor

CMg
pm
Exced.
produtor

RMg

ym y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio

Perda de peso morto do monopólio


p yd (p)

Exced.
consumidor
Perda de peso
morto

CMg
pm
Exced.
produtor

RMg

ym y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 24 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg

RMg

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg
pm

RMg

ym y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg
pm

RMg

ym y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg
pm
pmax

RMg

ym y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços.
p yd (p)

CMg
pm
pmax

RMg

ym y∗ y

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 25 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Questão 14 – ANPEC 2012

Uma empresa é a única distribuidora de produtos alimentícios


num mercado cuja demanda é dada pela função P = 41 − Q,
sendo P o preço e Q a quantidade demandada. Os custos da
empresa 1 seguem a função C1 = Q21 + 2Q1 + 6. Se o governo
fixa neste mercado um preço máximo de 30 unidades
monetárias, identifique o valor da perda irrecuperável de
eficiência.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 26 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Questão 14 – ANPEC 2012

Uma empresa é a única distribuidora de produtos alimentícios


num mercado cuja demanda é dada pela função P = 41 − Q,
sendo P o preço e Q a quantidade demandada. Os custos da
empresa 1 seguem a função C1 = Q21 + 2Q1 + 6. Se o governo
fixa neste mercado um preço máximo de 30 unidades
monetárias, identifique o valor da perda irrecuperável de
eficiência.
Resposta: 6

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 26 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços e monopólio natural

p
Caso seja fixado um preço
máximo p∗ , para produzir
y∗ , o monopólista terá
prejuízo correspondente à
área s.
Demanda

CMg

CM(y)
p∗
y∗ y, x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 27 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços e monopólio natural

p
Caso seja fixado um preço
máximo p∗ , para produzir
y∗ , o monopólista terá
prejuízo correspondente à
área s.
Demanda

CMg

CM(y)
p∗
s

y∗ y, x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 27 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços e monopólio natural

p
Caso seja fixado um preço
máximo p∗ , para produzir
y∗ , o monopólista terá
prejuízo correspondente à
área s.
Demanda
Política ótima: preço
máximo = p∗ e subsídio CMg
= s.
CM(y)
p∗
s

y∗ y, x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 27 / 44


Ineficiência do monopólio Controle de preços

Controle de preços e monopólio natural

p
Caso seja fixado um preço
máximo p∗ , para produzir
y∗ , o monopólista terá
prejuízo correspondente à
área s.
Demanda
Política ótima: preço
máximo = p∗ e subsídio CMg
= s.
Política de segundo p̄ CM(y)
p∗
s
melhor (caso subsídio não
seja viável): preço y∗ y, x
máximo = p̄

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 27 / 44


Demanda por fatores de produção

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 28 / 44


Demanda por fatores de produção

Demanda de fatores para um monopólio

A condição de lucro máximo é


 
1
CMg = RMg = p 1 −
|ε|

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 29 / 44


Demanda por fatores de produção

Demanda de fatores para um monopólio

A condição de lucro máximo é


 
1
CMg = RMg = p 1 −
|ε|

Caso o monopolista opte por contratar uma quantidade


ωi
positiva do insumo i, devemos ter, CMg = PMg .
i

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 29 / 44


Demanda por fatores de produção

Demanda de fatores para um monopólio

A condição de lucro máximo é


 
1
CMg = RMg = p 1 −
|ε|

Caso o monopolista opte por contratar uma quantidade


ωi
positiva do insumo i, devemos ter, CMg = PMg . Assim,
i

ωi = RMg PMgi =

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 29 / 44


Demanda por fatores de produção

Demanda de fatores para um monopólio

A condição de lucro máximo é


 
1
CMg = RMg = p 1 −
|ε|

Caso o monopolista opte por contratar uma quantidade


ωi
positiva do insumo i, devemos ter, CMg = PMg . Assim,
i

 
1
ωi = RMg PMgi = p PMg 1 − < p PMg
|ε|

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 29 / 44


Demanda por fatores de produção

Demanda de fatores para um monopólio

A condição de lucro máximo é


 
1
CMg = RMg = p 1 −
|ε|

Caso o monopolista opte por contratar uma quantidade


ωi
positiva do insumo i, devemos ter, CMg = PMg . Assim,
i

 
1
ωi = RMg PMgi = p PMg 1 − < p PMg
|ε|

PMgi RMg é chamado receita do produto marginal ou produto


da receita marginal.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 29 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Solução
A demanda de x deve satisfazer PMg RMg = ω.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Solução
A demanda de x deve satisfazer
p PMg RMg = ω. Como
RMg = 10 − 2y = 10 − 4 x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Solução
A demanda de x deve satisfazer
p PMg RMg = ω. Como
1
RMg = 10 − 2y = 10 − 4 x e o produto marginal é f ′ (x) = p ,
x
essa condição é

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Solução
A demanda de x deve satisfazer
p PMg RMg = ω. Como
1
RMg = 10 − 2y = 10 − 4 x e o produto marginal é f ′ (x) = p ,
x
essa condição é
p
10 − 4 x
p =ω
x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Exemplo

Qual deve ser a demanda pelo único fator de produção


p de um
monopolista que tem a função de produção f (x) = 2 x e cuja
demanda inversa pelo produto é p = 10 − y?

Solução
A demanda de x deve satisfazer
p PMg RMg = ω. Como
1
RMg = 10 − 2y = 10 − 4 x e o produto marginal é f ′ (x) = p ,
x
essa condição é
p
10 − 4 x 100
p =ω⇒x=
x (4 + ω)2

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 30 / 44


Demanda por fatores de produção

Ilustração

pPMg
RMg PMg
x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 31 / 44


Demanda por fatores de produção

Ilustração

ω
pPMg
RMg PMg
x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 31 / 44


Demanda por fatores de produção

Ilustração

$
Quant. empregada
pelo monopolista

ω b

pPMg
RMg PMg
b
x x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 31 / 44


Demanda por fatores de produção

Ilustração

$
Quant. empregada
pelo monopolista

Emprego ótimo

ω b b

pPMg
RMg PMg
b
x x∗ x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 31 / 44


Monopsônio

Sumário

1 Preliminares
2 Maximização de lucro sem discriminação
3 Barreiras à entrada
4 Ineficiência do monopólio
Controle de preços
5 Demanda por fatores de produção
6 Monopsônio
Equilíbrio do monopsônio
Ineficiência do monopsônio
Exercícios

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 32 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Um modelo de monopsônio

Um monopsônio é um agente que é o único demandante de


um produto em determinado mercado.
Suponha uma empresa que seja monopsonista no mercado de
um fator de produção e considere a notação abaixo:

x : quantidade empregada do insumo.


f (x) : função de produção do monopsônio.
ω(x) : função de oferta inversa.
p : preço do produto do monopsônio.

Suporemos, por simplicidade, que o monopsônio é tomador


de preços no mercado de seu produto.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 33 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Um modelo de monopsônio

O problema do monopsônio
O monopsônio deve escolher x de modo a maximizar

pf (x) − x ω(x)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 34 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Um modelo de monopsônio

O problema do monopsônio
O monopsônio deve escolher x de modo a maximizar

pf (x) − x ω(x)

Condição de lucro máximo


pf ′ (x) = ω(x) + x ω′ (x)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 34 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Um modelo de monopsônio

O problema do monopsônio
O monopsônio deve escolher x de modo a maximizar

pf (x) − x ω(x)

Condição de lucro máximo


pf ′ (x) = ω(x) + x ω′ (x)
À esquerda, temos o valor do produto marginal do insumo

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 34 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Um modelo de monopsônio

O problema do monopsônio
O monopsônio deve escolher x de modo a maximizar

pf (x) − x ω(x)

Condição de lucro máximo


pf ′ (x) = ω(x) + x ω′ (x)
À esquerda, temos o valor do produto marginal do insumo e, à
direita o custo marginal de contratação (CMgx ) desse insumo.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 34 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

CMgx = ω(x) − x ω′ (x)

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

 

dω x
CMgx = ω(x) − x ω (x) = ω 1 +
dx ω

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

 

dω x
CMgx = ω(x) − x ω (x) = ω 1 +
dx ω
!
1
=ω 1+ dx ω
dω x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

 

dω x
CMgx = ω(x) − x ω (x) = ω 1 +
dx ω
!  
1 1
=ω 1+ dx ω
=ω 1+
η
dω x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

 

dω x
CMgx = ω(x) − x ω (x) = ω 1 +
dx ω
!  
1 1
=ω 1+ dx ω
=ω 1+
η
dω x

Preço do contratação do monopsônio


1
ω = p PMgx 1
1+ η

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Preço do fator e elasticidade preço da oferta η

O custo marginal em função de η

 

dω x
CMgx = ω(x) − x ω (x) = ω 1 +
dx ω
!  
1 1
=ω 1+ dx ω
=ω 1+
η
dω x

Preço do contratação do monopsônio


1 p PMgx − ω 1
ω = p PMgx 1 =
1+ η ω η

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 35 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Exemplo gráfico

CMgx
ω(x)
$

p PMgx
p PMgx
ω

x x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 36 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Exemplo

Uma empresa é a única demandante de seu único fator de


produção. A função de produção dessa empresa é dada por
y = γx na qual y é a produção da empresa, x é a quantidade
empregada do fator de produção e γ é uma constante
positiva. A função de oferta do fator de produção é dada por
ω = a + bx na qual ω é o preço do fator de produção e a e b
são constantes positivas. Se o preço do produto da empresa é
p, quantas unidades do fator de produção ela deve contratar?
Que preço ela deverá pagar?

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 37 / 44


Monopsônio Equilíbrio

Exemplo

Uma empresa é a única demandante de seu único fator de


produção. A função de produção dessa empresa é dada por
y = γx na qual y é a produção da empresa, x é a quantidade
empregada do fator de produção e γ é uma constante
positiva. A função de oferta do fator de produção é dada por
x = a ωb na qual ω é o preço do fator de produção e a e b são
constantes positivas. Se o preço do produto da empresa é p,
quantas unidades do fator de produção ela deve contratar?
Que preço ela deverá pagar?

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 38 / 44


Monopsônio Ineficiência

Ineficiência do monopsônio

Se p PMgx > ω, então a contratação de uma unidade


adicional desse fator irá gerar um excedente dado por
p PMgx − ω. Tal excedente poderia, em tese, se distribuído
entre o ofertante da unidade adicional e a empresa que a
contrata, gerando ganho para as duas partes.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 39 / 44


Monopsônio Ineficiência

Ineficiência do monopsônio

Se p PMgx > ω, então a contratação de uma unidade


adicional desse fator irá gerar um excedente dado por
p PMgx − ω. Tal excedente poderia, em tese, se distribuído
entre o ofertante da unidade adicional e a empresa que a
contrata, gerando ganho para as duas partes.
Portanto, sempre que o fator de produção for contratado
em níveis para os quais p PMgx > ω, o volume de
contratação será ineficiente.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 39 / 44


Monopsônio Ineficiência

Ineficiência do monopsônio

Se p PMgx > ω, então a contratação de uma unidade


adicional desse fator irá gerar um excedente dado por
p PMgx − ω. Tal excedente poderia, em tese, se distribuído
entre o ofertante da unidade adicional e a empresa que a
contrata, gerando ganho para as duas partes.
Portanto, sempre que o fator de produção for contratado
em níveis para os quais p PMgx > ω, o volume de
contratação será ineficiente.
Como a solução de maximização de lucro do monopsônio
implica p PMgx > ω, conclui-se que o monopsônio é
ineficiente.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 39 / 44


Monopsônio Ineficiência

Perda de peso morto do monopsônio


CMgx
ω(x)
$

p PMgx
ω

x x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 40 / 44


Monopsônio Ineficiência

Perda de peso morto do monopsônio


CMgx
ω(x)
$

Emprego ótimo do
fator de produção

p PMgx
ω

x x∗ x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 40 / 44


Monopsônio Ineficiência

Perda de peso morto do monopsônio


CMgx
ω(x)
$

Emprego ótimo do
fator de produção

p PMgx
ω

x x∗ x
g Excedente do monopsônio

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 40 / 44


Monopsônio Ineficiência

Perda de peso morto do monopsônio


CMgx
ω(x)
$

Emprego ótimo do
fator de produção

p PMgx
ω

x x∗ x
g Excedente do monopsônio
g Excedente dos proprietários do fator

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 40 / 44


Monopsônio Ineficiência

Perda de peso morto do monopsônio


CMgx
ω(x)
$

Emprego ótimo do
fator de produção

p PMgx
ω

x x∗ x
g Excedente do monopsônio
g Excedente dos proprietários do fator
g Perda de peso morto
Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 40 / 44
Monopsônio Ineficiência

Induzindo a eficiência com um preço mínimo

CMgx
ω(x)
$

p PMgx
ω

x x∗ x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 41 / 44


Monopsônio Ineficiência

Induzindo a eficiência com um preço mínimo

CMgx
ω(x)
$

ωmin
p PMgx
ω

x x∗ x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 41 / 44


Monopsônio Ineficiência

Induzindo a eficiência com um preço mínimo

CMgx
ω(x)
$

ωmin
p PMgx
ω

x x∗ x

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 41 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor. V

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor. V
1 A curva de oferta de trabalho pode apresentar um trecho
com inclinação negativa se o efeito renda associado a
uma remuneração mais elevada for maior que o efeito
substituição.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor. V
1 A curva de oferta de trabalho pode apresentar um trecho
com inclinação negativa se o efeito renda associado a
uma remuneração mais elevada for maior que o efeito
substituição. V

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor. V
1 A curva de oferta de trabalho pode apresentar um trecho
com inclinação negativa se o efeito renda associado a
uma remuneração mais elevada for maior que o efeito
substituição. V
2 Quando o comprador de um insumo tem poder de
monopsônio, a curva de despesa marginal se situa abaixo
da curva de despesa média.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
0 A demanda de um setor por determinado insumo é a
soma horizontal das demandas desse insumo por todas as
empresas do setor. V
1 A curva de oferta de trabalho pode apresentar um trecho
com inclinação negativa se o efeito renda associado a
uma remuneração mais elevada for maior que o efeito
substituição. V
2 Quando o comprador de um insumo tem poder de
monopsônio, a curva de despesa marginal se situa abaixo
da curva de despesa média. F

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 42 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013 (continuação)

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
3 Para um monopolista o produto da recita marginal será
sempre menor do que o valor do produto marginal.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 43 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013 (continuação)

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
3 Para um monopolista o produto da recita marginal será
sempre menor do que o valor do produto marginal. V

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 43 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013 (continuação)

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
3 Para um monopolista o produto da recita marginal será
sempre menor do que o valor do produto marginal. V
4 Se um monopolista upstream vender um fator de
produção para um monopolista downstream, o preço final
do produto será afetado por um mark-up duplo.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 43 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 10 — ANPEC 2013 (continuação)

Com relação ao mercado de fatores, indique quais das


afirmações abaixo são verdadeiras e quais são falsa:
3 Para um monopolista o produto da recita marginal será
sempre menor do que o valor do produto marginal. V
4 Se um monopolista upstream vender um fator de
produção para um monopolista downstream, o preço final
do produto será afetado por um mark-up duplo. V

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 43 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 12 – ANPEC 2007

A função de produção de uma firma é dada por y = f (L) = 11L,


em que L é a quantidade de trabalho. O bem y é vendido em
um mercado competitivo ao preço de 5. A firma, por sua vez,
tem poder de monopsônio no mercado de fatores e se depara
com uma curva de oferta inversa de trabalho igual a
w(L) = 1 + 2L2 , sendo w o salário. Encontre o custo total da
firma, no equilíbrio.

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 44 / 44


Monopsônio Exercícios

Questão 12 – ANPEC 2007

A função de produção de uma firma é dada por y = f (L) = 11L,


em que L é a quantidade de trabalho. O bem y é vendido em
um mercado competitivo ao preço de 5. A firma, por sua vez,
tem poder de monopsônio no mercado de fatores e se depara
com uma curva de oferta inversa de trabalho igual a
w(L) = 1 + 2L2 , sendo w o salário. Encontre o custo total da
firma, no equilíbrio. 57

Roberto Guena de Oliveira (USP) Produção 6 de junho de 2014 44 / 44