Você está na página 1de 22

PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE

DEFINIÇÃO: QUANTIDADE MÁXIMA DE PRODUTOS E


SERVIÇOS QUE PODEM SER PRODUZIDOS NUMA UNIDADE
PRODUTIVA, NUM DADO INTERVALO DE TEMPO.

UNIDADE PRODUTIVA:

►FÁBRICA
►DEPARTAMENTO
►ARMAZEM
►LOJA, POSTO DE ATENDIMENTO MÉDICO,UMA
SIMPLES MÁQUINA OU POSTO DE TRABALHO.

EXEMPLO: DEPARTAMENTO DE MONTAGEM COM 5


EMPREGADOS,CADA QUAL TRABALHANDO 8 HORAS
DIÁRIAS, REALIZANDOA MONTAGEM DE UM
COMPONENTE À RAZÃO DE 20 MONTAGENS POR HORA E
POR EMPREGADO. QUAL SERÁ A CAPACIDADE DO
DEPARTAMENTO, EXPRESSA EM NÚMERO DE MONTAGENS
POR DIA?

5 empregados x 8 horas x 20 montagens = 800 montagens


dia hora x empregado dia

TOTAL
CAPACIDADE EX: LOJA CAPACITADA A
ATENDER 200 E ATENDE 120
PARCIAL
FATORES MAIS IMPORTANTES INFLUENTES NA
CAPACIDADE :

INSTALAÇÕES

TAMANHO DA UNIDADE PRODUTIVA - IMPORTANTE


-PORQUE?
►EXPANSÕES FUTURAS ECONOMIA DE ESCALA

CUSTO FIXO- CF -CUSTO FIXO DA UNIDADE (CUSTOS QUE


NÃO DEPENDEM DA QUANTIDADE PRODUZIDA OU DO
VOLUME DE SERVIÇOS PRESTADOS).

CUSTO VARIÁVEL UNITÁRIO- CVu - CUSTO DE CADA


UNIDADE PRODUTO PRODUZIDA OU CADA SERVIÇO
PRESTADO.

CUSTO TOTAL = CT = CF + q.CVu

custo total associado a uma dada unidade


produtiva
q= QUANTIDADE PRODUZIDA OU VOLUME DE SERVIÇOS
PRESTADOS,SE ESSA EXPRESSÃO FOR DIVIDIDA POR q ,

TEMOS: CT/q = CF/q + CVu


COMPOSIÇÃO DOS PRODUTOS OU SERVIÇOS

GERAL DIVERSIDADE REDUZ CAPACIDADE

PRODUTOS UNIFORMES (relativamente padronizados)

PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS E MATERIAIS

REDUZ TEMPOS DE OPERAÇÃO E


AUMENTAM A CAPACIDADE.

FAST FOOD - UNIFORMIZAÇÃO DE


PRODUTOS
EXEMPLOS
PADRONIZAÇÃO
AUTOMAÇÃO BANCÁRIA

O PROJETO DO PROCESSO

►MANUAIS
PROCESSOS
DE
►SEMI-AUTOMÁTICOS
PRODUÇÃO
►AUTOMÁTICOS

--------- INSTALAÇÃO PEQUENA


CUSTO

--------------------- INSTALAÇÃO MÉDIA


UNITÁRIO
-----------------------------------INSTALAÇÃO GRANDE
$
VOLUME DE PRODUÇÃO
FATORES HUMANOS

COMO O FATOR HUMANO PODE AUMENTAR A


CAPACIDADE DE PRODUZIR?
►► HABILIDADE
"CAPITAL HUMANO DA ORGANIZAÇÃO"

CORPO DE FUNCIONÁRIOS

COMO MELHORAR O CAPITAL HUMANO DA


ORGANIZAÇÃO?
►►QUESTÃO DO PROVÃO - 98 DINÂMICA DE GRUPO

Sr. Evandro, proprietário da empresa Xisto Ltda., está enfrentando


a situação relatada baixo:
Há três anos, ao identificar problemas de desempenho de pessoal, o
Sr. Evandro decidiu implementar uma política de treinamento e
desenvolvimento (T&D), acreditando ser esta a grande solução.
Assim agindo, a função de Recursos Humanos resumiu-se ao T&D,
sendo que o Recrutamento e a Seleção, e a Avaliação de Potencial
foram centralizados na pessoa do sr. Evandro.
Observou-se que, após o processo, os funcionários passaram a
demonstrar uma competência maior na execução das tarefas,
embora com um aumento significativo da rotatividade de
pessoal.Noventa e cinco por cento do pessoal que deixou a empresa
no ano passado colocaram como motivo do desligamento os baixos
salários e a falta de perspectivas profissionais, embora gostassem
muito de trabalhar na empresa.
O Sr.Evandro passou a centrar suas críticas na área de T&D,
alegando que os investimentos feitos em treinamento estavam
redundando em custo,pois os prováveis benefícios dele advindos
eram, na realidade, usufruídos por outras empresas.
DIANTE DA SITUAÇÃO EXPOSTA, VOCÊ , COMO
CONSULTOR CONTRATADO PELA EMPRESA XISTO LTDA. ,
O QUE RECOMENDARIA AO SR. EVANDRO?
FATORES OPERACIONAIS

PODEM SER ORGANIZADOS DE FORMA A CONDUZIR A


CAPACIDADES MAIORES OU MENORES, OU PELO MENOS
DE MANEIRA A FACILITAR OU DIFICULTAR O
APROVEITAMENTO DA CAPACIDADE EXISTENTE EM
POTENCIAL.

EXEMPLO DE FATORES OPERACIONAIS:

►CAPACIDADES DOS PRÓPRIOS EQUIPAMENTOS


►PROBLEMAS NA IMPORTAÇÃO DE MÁQUINAS E
INSUMOS.

FATORES EXTERNOS

PADRÕES DE QUALIDADE E DESEMPENHO EXIGIDOS


PELOS CLIENTES. BARREIRA AO AUMENTO DA
CAPACIDADE.

MEDIDA DA CAPACIDADE

EXISTEM DUAS FORMAS DE SE MEDIR A CAPACIDADE DE


UMA UNIDADE PRODUTIVA:

►ATRAVÉS DA PRODUÇÃO
►ATRAVÉS DOS INSUMOS
MEDIDA ATRAVÉS DA PRODUÇÃO

UNIDADES DE MEDIDA
DEVEM SER COMUNS AO TIPO DE PRODUTO PRODUZIDO.

EXEMPLOS:
►USINA DE ALCOOL- CAPACIDADE PODE SER MEDIDA EM
LITROS/MÊS(OU POR DIA,SEMANA, ETC.)
►CAPACIDADE DE MONTAGEM DE RÁDIO E TELEVISÃO EM
UMA FÁBRICA DE PRODUTOS ELETRÔNICOS.

MEDIDA ATRAVÉS DOS INSUMOS

FREQUENTEMENTE MAIS USADO EM ORGANIZAÇÕES DE


SERVIÇOS, DEVIDO A DIFICULDADE, EM MUITOS CASOS,
DE SE IDENTIFICAR O QUE SEJA A PRODUÇÃO E
CONSEQUENTEMENTE DE MEDI-LA.
EXEMPLO:HOSPITAL - DIFICULDADE DEVIDO A GRANDE
VARIEDADE DE SERVIÇOS MÉDICOS QUE AÍ SÃO
PRESTADOS.
QUADRO DE ALGUMAS MEDIDAS DE CAPACIDADE

USANDO MEDIDAS DE PRODUÇÃO

SIDERÚRGICA TONELADAS DE
AÇO/MÊS

REFINARIA DE PETROLÉO LITROS DE


GASOLINA /DIA

MONTADORA DE AUTOMÓVEIS NÚMERO DE


CARROS/MÊS
COMPANHIA DE PAPEL TONELADAS DE
PAPEL/SEM.

COMPANHIA DE ELETRICIDADE MEGAWATTS/HORA

FAZENDA TONELADAS DE GRÃOS


/ANO

USANDO MEDIDAS DE INSUMOS

COMPANHIA AÉREA NÚMERO DE ASSENTOS/VOO

RESTAURANTE NÚMERO DE REFEIÇÕES/DIA

TEATRO(OU CINEMA) NÚMERO DE ASSENTOS

HOTEL NÚMERO DE
QUARTOS(HÓSPEDES)

HOSPITAL NÚMERO DE LEITOS

ESCOLA NÚMERO DE VAGAS

EXPANSÃO DA CAPACIDADE
MANEIRAS DE SE AUMENTAR A CAPACIDADE :
1) UTILIZANDO A CAPACIDADE OCIOSA DOS
EQUIPAMENTOS, OU SUBSTITUI-LOS POR OUTROS MAIS
MODERNOS E DE MAIOR CAPACIDADE, EMBORA SEM
OCUPAR PROPORCIONALMENTE O MESMO ESPAÇO.
2) UTILIZAR TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE
DA PRODUÇÃO OU DAS OPERAÇÕES QUE POSSAM,
SEM GRANDES ALTERAÇÕES NOS EQUIPAMENTOS E NO
ARRANJO FÍSICO, AUMENTAR A PRODUÇÃO;
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE ALTERNATIVAS DE
CAPACIDADE

TÉCNICA A SER UTILIZADA: ANÁLISE CUSTO VOLUME OU


ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO.

ANÁLISE DO PONTO DE EQULÍBRIO:

ESTABELECE UMA RELAÇÃO ENTRE RECEITAS,


CUSTOS E VOLUME DE PRODUÇÃO(QUANTIDADE
PRODUZIDA)

OBJETIVO FUNDAMENTAL DA ANÁLISE:

VERIFICAR COMO SE COMPORTAM OS


CUSTOS E A RECEITA( E CONSEQUENTEMENTE OS
LUCROS)SOB DIFERENTES ALTERNATIVAS DE
VOLUME DE PRODUÇÃO ( OU DE CAPACIDADE
PRODUTIVA).
CUSTOS FIXOS - SÃO AQUELES QUE PERMANECEM
CONSTANTES, QUALQUER QUE SEJA A
QUANTIDADE PRODUZIDA.
EXEMPLOS: ALUGUEL,IMPOSTOS PREDIAIS, CUSTOS
DE DEPRECIAÇÃO DE MÁQUINAS E
INSTALAÇÕES(SALVO SOB CONDIÇÕES ESPECIAIS
DE DEPRECIAÇÃO ACELERADA), DESPESAS
ADMINISTRATIVAS, MÃO DE OBRA INDIRETA DE
FÁBRICA, MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES, ETC.
CUSTOS VARIÁVEIS: SÃO AQUELES QUE VARIAM
DIRETAMENTE COM O VOLUME DE PRODUÇÃO, TAIS
COMO MATÉRIA PRIMA, MÃO DE OBRA DIRETA.

DEMONSTRAÇÕES
SEJAM:
CT= CUSTO TOTAL ASSOCIADO À PRODUÇÃO DE q
unidades do produto;
CF = CUSTO FIXO TOTAL(INDEPENDENTE DE q );
CVu= CUSTO VARIÁVEL (DIRETO) UNITÁRIO,OU
SEJA, O CUSTO PARA SE FAZER UMA
UNIDADE,LEVANDO EM CONTA APENAS OS CUSTOS
DIRETOS SOBRE O PRODUTO.

TENDO EM VISTA AS DEFINIÇÕES ACIMA, PODE-SE


ESCREVER QUE :
CT = CF + q CVu equação 1
por outro lado, seja R a receita total associada à
produção e venda de q unidades do produto ou do
serviço. supondo que PV designe o preço de venda
unitário, pode-se escrever que:

R = q PV equação 2

PONTO DE EQUILÍBRIO

Chamamos de ponto de equilíbrio ao valor q da


produção tal que exista a igualdade entre custos
totais e receita total, ou seja, a produção para o qual
o lucro é zero. Para se determinar quanto vale essa
produção q em função dos custos e do preço unitário
de venda, basta igualar as equações 1 e 2.

CT = CF + q CVu = R = q PV
ou CF = q PV - q CVu
CF = q( PV - CVu ) q= CF equação 3
PV - CVu
Custos, Receitas e Ponto de Equilíbrio

custos custo Total R


R
Custo Variável

Custo Fixo
quantidade produzida quant.Produzida
R CT
custos
e
receitas
q Qde.Prod.
EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO
UMA PLANTA INDUSTRIAL APRESENTA CUSTOS
FIXOS DE R$100 MILHÕES MENSAIS E CUSTOS
DIRETOS MÉDIOS DE PRODUÇÃO DA ORDEM DE
R$15.000,00 POR UNIDADE PRODUZIDA. O CUSTO
MÉDIO REFERE-SE A UMA LINHA DE PRODUTOS
SEMELHANTES,CUJA COMPOSIÇÃO DEVERÁ
PERMANECER APROXIMADAMENTE CONSTANTE. O
PPREÇO MÉDIO DE VENDA DO PRODUTO PODE SER
ASSUMIDO COMO R$19.000,00 A UNIDADE.
DETERMINAR:
a) O PONTO DE EQUILÍBRIO PARA A PLANTA;
b) A PRODUÇÃO NECESSÁRIA PARA PROPICIAR UM
LUCRO MENSAL DE R$16 milhões.

SOLUÇÃO
a) PONTO DE EQUILÍBRIO
TEMOS: CF = 100.000.000; CVu =15.000; PV =19.000
APLICANDO A EQUAÇÃO DO PONTODE EQUILÍBRIO,
TEMOS:
q = CF/ PV - CVu =100.000.000/19.000-15.000=25.000u
b) Produção necessária para alcançar o lucro:

q=L+CF/PV-CVu=16.000.000+100.000.000/(19-15)1000

q=29.000 unidades

PLANEJAMENTO DE EQUIPAMENTO E
DE MÃO DE OBRA

NECESSIDADES DE EQUIPAMENTOS: PRODUTOS


MANUFATURADOS
PARA SE FAZER UMA ESTIMATIVA DE
EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS,QUE ANÁLISE DEVE
SER FEITA?
►CADA UM DOS ITENS QUE SERÃO PRODUZIDOS.
► OPERAÇÕESENVOLVIDAS.
►ESTIMATIVA DO TEMPO DE PROCESSAMENTO
PARA CADA OPERAÇÃO(ESTIMATIVA DA EFICIÊNCIA
DO EQUIPAMENTO) FRAÇÃO DO TEMPO
QUE SE ESPERA QUE ELE ESTEJA OPERANDO.
EXEMPLO: SUPOR QUE UMA DADA OPERAÇÃO QUE
FAÇA PARTE DO PROCESSAMENTO DE UM CERTO
PRODUTO DEVA SER REPETIDA N VEZES AO DIA,
DURANTE O QUAL A MÁQUINA ESTARÁ EM
PRINCÍPIO DISPONÍVEL POR h HORAS, TEMPO ESSE
QUE DEPENDE DIRETAMENTE DO Nº DE TURNOS DE
TRABALHO.
ESTANDO O TEMPO t EXPRESSO EM MINUTOS, O
NÚMERO m DE MÁQUINAS NECESSÁRIAS PARA
ACOMODAR TODAS AS OPERAÇÕES SERÁ:

m = t . N = t (min/oper.) . N ( nº de oper.)
60.h.e 60 (min./hora). h (horas /máquina).e (efic.)
m= nº de máquinas necessárias para cumprir certa operação
EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO
associada a um produto bem definido.
UMA PEÇA DEVE PASSAR POR TRÊSDIFERENTES
OPERAÇÕES O1, O2 E O3 A SEREM PROCESSADAS
EM TRÊS MÁQUINAS M1,M2 E M3, COM OS
SEGUINTES TEMPOS:

OPERAÇÃO MÁQUINA DURAÇÃO(min.)


o1 M1 0,48
o2 M2 0,10
o3 M3 0,24

As máquinas estão disponíveis para utilização


durante um turno de 8 horas. Existe por outro lado a
necessidade de se processar 5.000 peças por dia.
Determinar o número de máquinas de cada tipo deve
ser alocado, às operações, assumindo que essas
máquinas estarão paradas 10% do tempo para
reparos e manutenção.

SOLUÇÃO: NÚMERO DE MÁQUINAS M1:

m1= t1 . N / 60he = 0,48.5000/60.8.0,90 = 5,6


logo, serão necessárias 6 máquinas M1 embora com
alguma ociosidade .
NÚMERO DE MÁQUINAS m2
m2 = t2.N /60he = 0,10.5000/60.8.0,90 = 1,2
NÚMERO DE MÁQUINAS M3
m3 = t3 .N/ 60he = 0,24.5000/60.8.0,90=2,8
PLANEJAMENTO DE PESSOAL EM POSTOS DE
ATENDIMENTO

PLANEJAMENTO DE PESSOAL:
 UM DOS PRINCIPAIS ASPECTOS DO
PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE.

 EXEMPLO: PLANEJAMENTO PARA O CASO DE


POSTOS DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO.
 CARACTERÍSTICAS:
EXISTEM K ATIVIDADES, CADA UMA DAS QUAIS PODE SER FEITA
POR QUALQUER ATENDENTE .
 Ni é a demanda diária para a atividade i, ou seja, o número de vezes
que a atividade é cumprida.
 ti é a duração média da atividade i ( em minutos);

 e é a eficiência média do pessoal, ou seja, a fração de tempo útil


dedicada às atividades ;
 T é a duração do dia de trabalho.( em horas ).
CONSIDERANDO-SE ENTÃO TODAS AS k ATIVIDADES, O
NÚMERO TOTAL n de atendentes
necessários serão:
n = Σ ti Ni / 60 T e (i = 1,2,3...,k)
Nota: Se cada diferente atividade requerer seus próprios atendentes, que
não podem então por qualquer motivo se deslocar para outras atividades,o
número de atendentes ni que se precisa para a atividade i será :

n = ti Ni / 60 Te
EXEMPLO DE APLICAÇÃO:

UM POSTO DE ATENDIMENTO MÉDICOAPRESENTA


TRÊS DIFERENTES ATIVIDADES LIGADAS AO PRÉ
EXAME DE MULHERES EM ESTADO DE GRAVIDEZ: O
PREENCHIMENTO DE UMA FICHA (atividade A1), QUE
DEMORA EM MÉDIA 8MINUTOS; UMA ENTREVISTA
( atividade A2), QUE TOMA CERCA DE 10 MINUTOS E,
POR ÚLTIMO, A PESAGEM E MEDIDA DA PRESSÃO
ARTERIAL QUE, JUNTAS (como atividade A3),
CONSOMEM APROXIMADAMENTE 5 MINUTOS. O
POSTO ATENDE A CERCA DE 100 MULHERES POR
DIA DE 6 HORAS DE TRABALHO. SUPONDO QUE 20%
DO TEMPO DE TRABALHO DOS ATENDENTES SERÁ
DEDICADO A MOMENTOS DE DESCANSO, A
NECESSIDADES PESSOAIS E A OUTRAS ATIVIDADES
MENORES, DETERMINAR O NÚMERO DE
ATENDENTES, SUPONDO QUE CADA UM DELES PODE
DESEMPENHAR AS TRÊS ATIVIDADES. HAVERÁ
ALGUMA ALTERAÇÃO NESSE NÚMERO SE FOR FEITA
A RESTRIÇÃO DE QUE CADA UM DOS ATENDENTES
DEVE LIGAR-SE A APENAS UMA DAS ATIVIDADES ?
SOLUÇÃO: IREMOS CALCULAR O Nº DE
ATENDENTES,SUPONDO-OS INTERCAMBIÁVEIS EM
RELAÇÃO ÀS TRÊS ATIVIDADES. SENDO ASSIM,
TEREMOS:

n = Σti N/ 60 Te = t1.N/60 Te + t2.N/60 Te + t3N/60 Te

t1,t2,t3 = são os tempos de cada atividade A1,A2,A3


respectivamente.

T = duração em horas do dia de trabalho

e = eficiência ( 1-0,2 = 0,8)

N = nº de mulheres que devem ser atendidas a cada


dia. logo:

n=8x100/60x6x0,8+10x100/60x6x0,8+5x100/60x6x0,8

n= 2,78+3,47+1,74 = 7,99 ( 8 atendentes).

OBS: Considerando agora que cada grupo de


atendentes só deverá ser alocado a uma atividade,
os arredondamentos devem ser feitos
separadamente, embora isso conduza a uma
ociosidade maior (a ociosidade praticamente não
existe se todos os atendentes puderem assistir às
três atividades).

Ficaremos portanto com:

 3 atendentes para a atividade A1


 4 atendentes para a atividade A2 9

 2 atendentes para a atividade A3 atendentes

Nota: A restrição de se ter funcionários exclusivos


para cada atividade leva portanto, a um
aproveitamento do tempo de 8/9 x100=89% .

PROBLEMAS SOBRE PLANEJAMENTO DA


CAPACIDADE .

1) Na manufatura de dois produtos A e B existe certa


operação de prensagem. Para o produto A, a
operação toma 8 minutos, enquanto para o produto B
toma apenas 2 minutos. Estima-se que a demanda
mensal seja de 500 unidades para o produto A e 1000
unidades para o produto B. Determinar a capacidade
produtiva (da prensa ) que está sendo usada,
supondo um mês de 22 dias úteis de 8 horas diárias.
Supor que a prensa é usada apenas com os dois
produtos A e B e descontar do tempo disponível uma
folga para manutenção e reparos no valor de 10%
desse tempo disponível.

solução:

A capacidade produtiva bruta da prensa, sem


descontar o tempo parado para manutenção e
reparos, é de:

22(dias/mês) x 8 (horas/dia) = 176horas / mês


Descontando 10% desse tempo ara manutenção e
reparo, a capacidade líquida será:

176-176x0,1 = 158,4 horas/mês; transformando em


minutos :

158,4 horas/mês x 60 minutos / hora =


9504minutos/mês.

Vamos calcular agora qual tempo exigido para a


prensagem dos dois produtos A e B, o que pode ser
feito com o auxilio da tabela abaixo:

produto tempo de demanda tempo total


prensagem mensal para o
produto

A 8 min. 500 unid. 4000


min/mês

B 2 min. 1000 unid. 2000


min/mês

total geral 6000 min/mês

Logo, a capacidade da prensa, que está sendo


utilizada para os dois produtos é de :

Capacidade usada (%) = 6000/ 9504 x 100 = 63,13%


2) Um supermercado deseja determinar o número de
atendentes de máquina registradora (caixas) que
deve ser dimensionado para tender à demanda
prevista de 800clientes por dia de 8 horas. Estima-se
que cada cliente demora em média 5 minutos para
passar pelo caixa.Considerar que 20% do tempo dos
caixas é dedicado a descanso e refeições.

Solução: Para o cálculo do número ni de atendentes


numa dada atividade i , temos a equação:

ni= ti Ni / 60 Te = 5 x 800 / 60 .8.0,8 = 10,4 caixas.

portanto 11 caixas.

Portanto 11 caixas serão necessárias, com alguma


ociosidade. trabalho útil 10,4/11 = 95%.

3) Uma metalúrgica produz apenas 3 produtos,com


os seguintes custos diretos de fabricação:

produto quantidade custo direto


produzida por por unidade
ano

I 10000 R$6000
unidades

II 5000 20000

III 20000 15000


Os custos fixos sobem a R$150milhões por ano.
Supondo que seja invariável a proporção na qual a
demanda ocorra (dada pela tabela acima), pede-se:

a) definir um custo variável (direto)médio usando as


quantidades produzidas e os custos diretos unitários;

b) definir um preço médio de venda sabendo-se que,


para cada produto, esse preço é o dobro do custo
direto por unidade;

c) Se a empresa estivesse operando com um lucro


anual de R$ de 200 milhões, qual seria a demanda
agregada?e a demanda de cada produto
individualmente?( Nota: trabalhar com o custo direto
e o preço médio).

solução:

a) custo variável médio

Temos que fazer a média ponderada dos custos


variáveis unitários tomando como peso de
ponderação as respectivas demandas. Temos então:

CVu = 6000(10000) + 20000(5000) + 15000(20000)

10000+5000+20000

CVu = R$ 13.143,00 por unidade agregada.

( o termo unidade agregada refere-se sempre a


valores médios).
b) preço médio de venda

Seja PV esse preço. Podemos encontrá-lo da maneira


idêntica ao que fizemos com CVu através da média
ponderada dos preços de venda dos três produtos.
Entretanto, como para todos eles, o preço de vendas
é o dobro do custo unitário, o cálculo resume-se em
multiplicar o custo unitário CVu por 2:

PV = 2 CVu = 2 x 13143 = R$ 26286,00por unidade


agregada.

c) demanda agregada e individual para um lucro de


200 milhões.

q = L + CF / PV - CVu = 200000000+150000000

26286 - 13143

q = 26630 unidades agregadas

Devemos agora repartir essas 26630 unidades


individuais para os três produtos. Lembrando que as
demandas estão numa proporção invariável, temos
que a fração de cada produto na demanda agregada
será o quociente da sua demanda pela demanda
total.