Você está na página 1de 21

Sabugueiro

Sabugueiro

O sabugueiro (Sambucus nigra), pertence à família das Caprifoliáceas.

Encontra-se quase sempre na forma de arbusto ou árvore pequena, de três a seis


metros de altura.

O tronco possui uma casca parda e acinzentada, quebradiça, nodosa, de odor


desagradável. As ramas, redondas, aos pares, uma em frente da outra, estão cheias
de uma polpa espessa e branca.

Os frutos são bagas de cor negra, violeta, redondas; contêm suco negro violeta ou
vermelho, duas ou três sementes ovais e pardas.

Os cimos cortam-se à tesoura e colocam-se em cestos, estendendo-se depois numa


só camada, no chão de um desvão ventilado e sombrio para secarem. Isto não se
deve fazer muito devagar, se se quiser evitar o descolorido, sempre indesejável.
Depois de bem secas, as flores apresentam um tom de marfim e desprendem um
forte aroma. Separam-se então dos talos. Deve-se guardar as flores em recipientes
isolados do ar, porque absorvem com facilidade a umidade e apodrecem.

Cortam-se todos os cimos com as bagas maduras, à tesoura, e separam-se as bagas


em casa com um garfo. Se não se consumirem frescas, deixá-las secar, durante
alguns dias, numa única camada expondo-as depois ao calor artificial (mas não a
um forno muito quente).

As bagas secas guardam-se em saquinhos dependurados ao ar ou em latas


fechadas.

Colhem-se as folhinhas dos talos, evitando toda a pressão. Estendem-se numa


única camada para secar, num lugar bem ventilado. Guardam-se em saquinhos.

Deve-se colher só o que for necessário para o consumo.

Composição

Nas folhas, encontra-se na proporção de até 0, 1 % o glicósido samburigina-


amigdalina (e emulsina), o qual dá lugar a glicose, óleo de amêndoas amargas
(benzaldeído) e ácido cianídrico (HCN). As flores têm, além disso, pequenas
quantidades de amigdalina, saponinas, um óleo essencial e éter. Na casca encontra-
se uma resina de efeito drástico e nas bagas pretas tirosinas com abundância de
vitaminas A, D e C. São mais ricas em vitaminas B do que qualquer outra
variedade.

As bagas contêm, além disso, ácidos málico tartárico, valeriânico, tânico, óleo
essencial, simburigrina-amigdalina, solina, resinas, hidratos de carbono, glicose e
um pouco de albumina.
Usos Terapêuticos

Como planta curativa, já de há muito se sabe que o sabugueiro fomenta a


formação-de urina, suor e leite, o que se deve à presença do óleo essencial.
Também se recomenda para resfriamentos, rouquidão, tosse, espirros, catarros do
peito e bronquial, dores dos molares, nevralgias, dores de ouvidos e de cabeça e
inflamação da laringe e da garganta.

Um cozimento de folhas, raízes e cascas frescas e verdes que se encontram debaixo


da casca exterior, atua energicamente na expulsão de água e melhora
extraordinariamente a secreção de sucos gástricos, embora provoque facilmente,
se se tomar em grandes doses, vômitos, pelo que temos de estar precavidos. Só se
deve consumir uma xícara diária (com uma colher das de sopa cheia de infusão)
no caso de catarro gástrico crônico, doenças de urina e hidropisia.

Pelas suas características depurativas de sangue, hematopoética, diurética e


sudorífera, as bagas tornam-se valiosas e o seu xarope é próprio para fazer uma
cura de limpeza do sangue. Também limpará todos os restantes órgãos. Por causa
do elevado conteúdo de vitamina B, não há que ficar surpreendido com o êxito dos
seus sucos nas inflamações do sistema nervoso.

As bagas secas são um remédio excelente contra a diarreia: mastigar dez bagas,
três vezes por dia.

O efeito sudorífero das flores de sabugueiro fica reforçado se lhe juntarmos uma
metade de flor de tília e se acrescentarmos à infusão duas colherinhas de suco de
limão. Quando se deseja uma positiva transpiração, como em casos de gripe,
pneumonias incipientes, bronquite, reumatismo articular febril, etc., tomar a
infusão várias vezes por dia.
Usos Alimentares

Como alimento, o sabugueiro é muito apropriado para sobremesas e compotas e


pode conservar-se como suco, geleia e seco.

Nome Cientifico: Sambucus nigra

Nome Popular: Sabugueiro, sabugueirinho, elder tree (Inglês)

Principais Substâncias: Vitamina P, sambunigrina, Canferol, Quercetina, ácido


linoleico.

A Planta

Planta herbácea europeia de 3 a 4 metros de elevação.

Tronco de casca pardacento-acinzentada, verrugosa.

Folhas opostas, compostas, imparipenadas, de 5 a 7 folíolos curtamente


peciolados, oval-lanceolados, acuminados, serreados. Inflorescência em umbelas.

As flores hermafroditas, branco-amareladas estão agrupadas em cimeiras


terminais.

Os frutos são drupas negras e brilhantes.

Origem

É nativa da Europa (S.ebulus L), oeste da Ásia e norte da África e disseminou-se


facilmente pelo mundo todo
Partes usadas

Flores, folhas e parte interna do caule lenhoso, sempre secos anteriormente; a


planta fresca pode ser tóxica.

Lendas e Mitos

Dizia-se que de sua madeira foi feita a Cruz do Calvário, e por esse motivo,
acreditava-se que dava azar cortar um tronco de sabugueiro.

Características

É uma planta medicinal e ornamental, muito usada em quebra-ventos e cercas-


vivas. Apresenta-se como um arbusto de brilhantes folhas ovais, que produz
delicadas flores brancas muito perfumadas, e frutos escuros e redondos.

Grande arbusto cultivado em diversas regiões do Brasil, de folhas ovais e muito


aromática. Flores pequenas, brancas ou amareladas, fruto globoso de cor rósea-
escura, com três caroços.

O chá das flores secas do sabugueiro é utilizado contra resfriados, gripes, anginas
e nas enfermidades eruptivas, como sarampo, rubéola, varíola e escarlatina, por
provocarem rapidamente a transpiração. O chá das cascas, raízes e folhas é
indicado para combater a retenção de urina (efeito diurético) e o reumatismo. Além
disso, o chá da frutinha purifica o sangue e limpa os rins.

As propriedades do sabugueiro são admiradas desde os tempos de Hipócrates


(século 5 a.C.), considerado o maior médico da antiguidade.

Características e Cultivo

Nome de vários arbustos de origem eurásica, de 2 a 6 metros, ramos lenhosos com


casca pardacenta e verrucosa., reto e rijo, com flores emparipenadas, que podem
ser um pouco avermelhadas ou brancas em corimbos planos, com cheiro de
amêndoas amargas.

Os bagos são comestíveis, de cor negra quando maduros. Folhas verde escuras,
com 5 a 7 folíolos ovais, pontiagudos e de margens serrilhadas. Própria de clima
temperado. Terras férteis, um pouco argilosas, húmidas sem encharcar, vai bem
em beiras de córregos. Podar no inverno. Propaga melhor de outubro a novembro.

Propriedades

Medicinal Princípios ativos: Tanino, alcaloides ( sambucina), flavonoides,


glicosídeos e sais minerais (potássio).Diurético, combate gripes, tosses e
bronquite. Recomendada para reumatismo, artrite, gota e dor da ciática. Bom
laxante intestinal. Muito usado pela população no Brasil para combater catapora,
sarampo e escarlatina. Medula deste arbusto é aproveitada na técnica microscópica
e em experiências de física eletrostática.

Infuso: 10 gramas de erva jogando por cima 100 ml de água fervida. Deixar
descansar tampado 10 minutos. Tomar 3 vezes ao dia.
Banho de imersão (uso externo): Dobrar a quantidade de erva do procedimento
anterior, e misturar na água de banho.

Em casos de otite e otalgias, e também sinusites, recomendada a inalação de


vapores da infusão de sabugueiro.

Cosmética

A infusão de sabugueiro é usada para clarear e amaciar a pele, em cremes contra


rugas, loções tônicas e loções para os olhos.
Receita creme de proteção para trabalhos pesados:

4 Colheres de sopa de vaselina e dois punhados de flores frescas de sabugueiro.


Derreter a vaselina em fogo brando e juntar-lhe as flores de sabugueiro.

Deixar macerar durante 45 minutos, derretendo a vaselina sempre que esta se


solidificar. Aquecer e coar com uma peneira passando para um frasco com tampa
de rosca. Deixar esfriar e fechar.

Utilização

Uso caseiro: Já se empregou sua madeira na confeção de instrumentos musicais.


É muito usado no Brasil contra sarampo e catapora em banhos e infusos, mas não
há referências experimentais ou científicas que confirmem ou excluam esse fato.
Muito utilizada para arranjos de flores secas para formar buquês.
Uso culinário: Com os frutos se faz uma bebida alcoólica e certos fabricantes
usam flores para dar gosto de moscatel ao vinho comum. Bagas combinam também
com preparação de maçãs, guisados, pastéis, tortas e xaropes. Aromatizador de
compotas de frutas, saladas, pudins gelatinosos.
Uso mágico: Acreditava-se que mantinha as bruxas a distância.
Efeitos colaterais

O sabugueiro só deve ser usado seco, pois a erva fresca pode ser tóxica.

A utilização do sabugueiro (sambucus nigra) para fins medicinais, culinários e


cosméticos era já conhecida dos povos pré-históricos e muito popular entre os
gregos e os romanos.

O sabugueiro é uma árvore com propriedades reconhecidamente medicinais,


podendo utilizar-se tanto as flores frescas como secas (mais saborosas quando
secas), as bagas e até mesmo as folhas, sendo estas as menos utilizadas.

As flores são anti-inflamatórias e diaforéticas, muito úteis em infusões para reduzir


a febre, promovendo a sudação, aliviando a tosse e várias afeções do tórax. Ao
estimularem a excreção de urina, ajudam assim a eliminar toxinas do organismo,
sendo portanto úteis em casos de arterite, reumático e gota, são também muito
eficazes em casos de sinusite aguda, muito utilizada em conjunto com outras
plantas no combate a gripes e constipações – junta-se por exemplo ao milefólio e
à hortelã-pimenta em partes iguais para obter um excelente chá de Inverno. As
flores do sabugueiro são ricas em óleos essenciais que contêm ácido lanoleico e do
nariz e mucilagem, esteroides, flavonoides, rutina, açúcar e pectina; protegem as
mucosas da garganta, aumentando assim a resistência às infeções, ajudando
mesmo em casos de dores de ouvidos associadas a constipações. Os bioflavonoides
ajudam a melhorar a circulação.

A infusão das flores em vinagre, pode ser utilizada em gargarejos contra dores de
garganta e amigdalites.

Externamente, a infusão das flores pode ser utilizada em compressas para tratar
conjuntivites e aftas. As flores são ainda utilizadas na conservação das maçãs,
quando colocadas em camadas alternadas com as maçãs e fechadas numa caixa de
cartão.

As flores fritas que já mencionei são um verdadeiro acepipe, estas podem ainda
juntar-se a receitas várias de gelados e doces e até mesmo arroz-doce, quando
aquecidas juntas com o leite e depois coadas (não convém deixar ferver). Existe
um sem número de receitas que se podem fazer com estas flores fantásticas, mas
infelizmente não cabem nos limites desta página.

Em relação às bagas ou frutos que surgem logo após a floração e são de um


roxo escuro, quase preto: contêm açúcar, ácidos de fruta, vitaminas A e C e
bioflavonoides. As suas propriedades, são ligeiramente laxantes, mas também anti-
diarreica, faz-se com elas um xarope ou concentrado que ajuda a combater tosses
e constipações e constituem uma saborosa bebida, rica em vitaminas. É importante
ter em conta que as bagas cruas, especialmente se não estiverem bem maduras
podem causar náuseas e ser um pouco indigestas, o mais seguro é mesmo cozinhá-
las, em deliciosas tartes ou compotas da mesma forma que usaria a amora,
framboesa, mirtilo, etc.; pode mesmo misturá-las na confeção de doces e geleias.

Na culinária como vê, existem inúmeras receitas com as flores e as bagas do


sabugueiro, uma das mais comuns, é um xarope confecionado com as flores
frescas, de preferência colhidas num dia de sol. Podem colher-se de árvores
diferentes para que os sabores se misturem, os mais doces com os menos doces;
em seguida separe bem todas as flores dos respetivos pedúnculos verdes, junte 1
Kg de açúcar para cada trinta flores, dois litros de água previamente fervida, duas
laranjas às fatias com casca, um limão também às fatias e com casca e 50g de ácido
tartárico. Misture o açúcar com o ácido tartárico, junte a água e verta por cima das
flores, junte o limão e a laranja, tape com um pano e vá mexendo sempre que por
ali passar, durante 24 horas; coar e guardar no frigorífico. Obterá assim um
concentrado que quando diluído em água constituirá uma deliciosa e refrescante
bebida para os dias quentes de Verão. Existe também champanhe e vinho de flores
de sabugueiro que poderá encontrar à venda nalguns pubs ingleses.

Aviso

Não confundir o sabugueiro (sambucus nigra), com o ébulo (sambucus ébulus)


muito semelhante mas que não passa de uma planta herbácia alta, muito utilizada
na tinturaria. As bagas desta planta são bastante tóxicas quando ingeridas.

Na tinturaria, também o sabugueiro (sambucus nigra) é ainda hoje bastante


utilizado, obtendo-se com as bagas uma cor violeta e com as folhas um verde
amarelado.

Na cosmética, as flores do sabugueiro, são muito utilizadas no fabrico de


sabonetes, cremes e loções para peles sensíveis, sendo a água de flores de
sabugueiro um apreciado after-shave.

A utilização do sabugueiro para fins medicinais, culinários e cosméticos, era já


conhecida dos povos pré-históricos. Se ainda não reparou nestas árvores, preste
atenção; elas crescem à beira dos caminhos e estradas, em bosques sombrios, ou à
beira de algum ribeiro, são árvores lindas e em latim chamam-se sambucus nigra
e em inglês elder tree.
Na Europa é comum encontrá-las perto dos povoados, pois antigamente
acreditavam que o sabugueiro atraía os espíritos do bem e eram por isso aí
plantadas.

Diz-se que nas noites quentes de Verão, estas são as árvores favoritas das fadas.
Será talvez devido à grande luminosidade das suas flores.

A partir do mês de Março começam a desabrochar grandes inflorescências


umbelíferas, e toda a árvore se vai enchendo destas flores cor de pérola, exalando
um perfume leve e doce.

Um sabugueiro de grande porte, pode chegar a atingir dez metros de altura e é uma
das árvores mais associadas ao folclore e à magia, existindo acerca dela várias
lendas e superstições.

A sua madeira é muito oca e quebradiça e portanto fácil de talhar, era muito usada
no fabrico de caixões e cruzes para decorar sepulturas, mas jamais era utilizado no
fabrico de berços, em muitas aldeias é comum as crianças fazerem apitos de
sabugueiro.

No Norte da Europa está associado à deusa Holda que é a deusa da morte e da


fertilidade e à sua volta se praticam vários rituais de origem pagã.

Nome cinetífico: Sambucus nigra L.


O Sabugueiro é uma planta arbustiva de porte médio, atinge aproximadamente 5
metros de altura, às vezes mais. Pode ser encontrada desde o sul da Escandinávia
até o norte da África, e também na região sul do Brasil. Suas flores são bem
pequenas e numerosas, agrupadas em inflorescências, de cor branca, exalam
perfume agradável.

O Sabugueiro produz pequenos frutos de cor violeta escuro, comestíveis, porém,


o sabor é mais aceito após cozimento.

USO MEDICINAL

Esse maravilhoso arbusto ajuda nas inflamações, é anti diarreico, ótimo para
crianças com doenças como o sarampo e a catapora, pois abaixa a temperatura do
corpo e é anti febrífugo, é indicado para tratamentos com os órgãos femininos, pois
é um auxiliar maravilhoso para a artemísia.

Também atua nos reumatismos, na purificação dos rins, e provoca o suor.

Indicações

Geralmente, utiliza-se flores de Sabugueiro para fins terapêuticos. Indicado para


afecções pulmonares, catapora, bronquite, dor de garganta e como expetorante.
Também utilizado para inflamações nos olhos, purificador do sangue.

No passado, a loção feita com flores de Sabugueiro era muito utilizada pelas
mulheres para deixar a pele mais branca, suave e livre de manchas. É muito
comum, até nos dias de hoje, colocar flores de Sabugueiro na água da banheira,
para relaxamento e pele cansada.

USO ENERGÉTICO
O sabugueiro é indicado para pessoas que estão sempre temendo perder o controlo
das situações. Para quem tem movimentos involuntários de origem nervosa.

O sabugueiro reconstitui o EU, traz confiança, e amplia os sentidos. É ótimo para


pessoas que se sentem embotadas, sem conseguir agir, vendo toda sua vida através
de um esquema nebuloso.

É indicado para mulheres, juntamente com a Artemísia e a tanchagem, pois atua


na reconstituição da auto estima, do respeito próximo e ajuda a colocar limites.

Tem uma atuação perfeita para as mulheres que se queixam que fizeram a opção
errada, que estão presas dentro de suas casas com seus filhos, mas não sabem muito
bem como resolver sua angústia.

Ajuda a posicionar o que está fora e o que está dentro de nós. O que vale a pena
ser mexido, e o que nós temos que nos conformar e trabalhar para amenizar.

USO CULINÁRIO

As flores de sabugueiro são as coisas mais lindas e perfumadas que existem.


Servem para enfeitar saladas, doces, sempre usadas cruas e frescas.

PROPRIEDADES MEDICINAIS

As flores são eméticas, catárticas.


Secas, no entanto, perdem suas propriedades.
Empregam-se, em infusão, contra os resfriados, as anginas, as gripes, etc.
A casca, a raiz e as folhas são indicadas na retenção da urina, na hidropisia, no
reumatismo. Os banhos, com cozimentos das folhas são indicadas para os
reumáticos.
A infusão das folhas e cascas, em fomentações, é utilizada nas inflamações
superficiais da pele, furúnculos, erisipela, queimaduras, etc.
Em banhos, as folhas são boas no tratamento das hemorroidas.
Nas enfermidades como sarampo, rubéola, escarlatina, varíola, etc., o chá das
flores provoca rapidamente a transpiração.
A frutinha purifica o sangue e limpa os rins.

Utilidades

Depurativo do sangue, diurético. Usado como purgante e no combate á febre,


sarampo, ácido úrico, adenite, albuminúria, angina, artritismo, ascite, catapora,
erisipela, escarlatina, furúnculo, gota, gripe, íngua, nevralgia, pneumonia, pus,
queimaduras, resfriado, reumatismo, rubéola, tinha, varíola.

Forma de Uso: Chás, inalação, tinturas.

Geleia de Ervas e Sabugueiro:

2 K de maçãs ácidas, preparadas conforme foi ensinado na geleia de rosas.


1 ramo de flores de sabugueiro, 1 galhinho de alecrim, galhinhos de Melissa, 1
galho de manjericão, pétalas de rosa branca.
Cozinhe as maçãs e forme um creme conforme o indicado.
Coloque o creme novamente na panela com o buquê de ervas previamente
lavadas. Deixe cozinhar por mais 20 min, e coe novamente.
Acrescente, para cada quilo de creme, 5oo g de açúcar mascavo ou mel a gosto,
recoloque na panela e deixe dar ponto com uma pitada de cravo e canela em pó.

Bebida de Flores de Sabugueiro:

2 L de água
500 g de açúcar.
Sumo e raspa de um limão
Ferva a água com o açúcar, deixe esfriar, coloque o sumo e as raspas de limão e
as flores de sabugueiro.
Deixe descansar por 24 h, coberto com um pano de linho ou uma fralda.
Coloque em um vidro de 3 l de boca larga, ou um recipiente que possa ser
hermeticamente fechado.
Acrescente 1 l de vinho branco ou cidra e deixe descansar por duas semanas.
Essa bebida mágica pode ser servida como suco, e inclusive misturada com frutas
e água

OUTROS USOS

Não existe nada mais maravilhoso que um banho de imersão com flores
de sabugueiro.

Seu período menstrual se aproxima e com ele as cólicas? Faça banhos de assento
com flores e folhas de sabugueiro.

O sabugueiro pode ser encontrado em tintura mãe.

O chá de flores de sabugueiro é do outro mundo, no sentido literal e figurado, pois


limpa a aura e prepara para coisas novas e criativas.

Os antigos achavam que dentro de cada sabugueiro morava uma curandeira que
tinha sido morta na inquisição de forma injusta.
Descrição

Da família das Caprifoliáceas, arbusto ou árvore vivaz que chega a alcançar de 1


a 1,5 metros de altura, verrugosa e com medula branca esponjosa. Cada folha
apresenta de 5 a 7 folíolos, oposta, ímpares, terminando com um maior e mais
comprido que os laterias. São pecioladas, em forma de lança, com a base
arredondada, o ápice pontiagudo, de bordas desigualmente dentadas. Apresenta
nervuras bem salientes na parte inferior.

Quando esmagadas possuem um odor intenso e desagradável. Floresce em buques,


formando por pequenas flores, que partem de diferentes alturas do caule e atingem
o mesmo nível na parte superior, de cor branca ou rosada, de sabor mucilaginosos
e fracamente amargo e com odor semelhante ao de amêndoa amargas.

O fruto é uma baga de cor escura, matizada de púrpura, com polpa vermelho-
escuro, envolvendo de 3 a 5 sementes.

O plantio é feito por estacas de galhos ou por sementes, em solo fértil e clima
temperado quente.

A entrecasca deve ser coletada antes que a planta retorne ao novo estado vegetativo
e as flores são colhidas quando de seu florescimento, na estação fria, de
preferência, no dia comemorativo de São João ou na véspera, à noite, desse dia.
Também pode ser colhida entre os dias comemorativos de São João e de São Pedro.
O fruto é retirado quando do seu amadurecimento.

Origem

Europa, Ásia e África no Norte.

Modo de conservar
As entrecascas ou cascas medianas do caule e as flores sem os pendúcolos são
secas à sombra, em local ventilado e sem umidade. Armazenar em separado, em
sacos de papel ou de pano ao abrigo da luz solar.

Plantio

Multiplicação: Por sementes ou estaquia da raiz ou galho


Cultivo: Não exige clima e sim solos secos, profundos e fofos. Plantio deve ser
em covas adubadas com húmus. Planta-se de preferência na primavera
Colheita: Cascas, raízes, flores, folhas e frutos.

Propriedades

Sudoríficas, diuréticas, depurativas, anti-inflamatórias, tonificante e laxante.

Indicações

Utilizado em resfriados e gripes para provocar sudação abundante e uma ação


depurativa e descongestionante. É muito utilizada em casos de sarampo, rubéola e
escarlatina. Combate também afeções da garganta e conjuntivites.

Princípios Ativos: Glicosídeos, flavonoides e ácidos orgânicos.

Modo de usar: 10 gramas ou 3 xícaras de café de flores secas por litro de água.
Tomar 1 xícara de chá 3 a 4 veze ao dia. Compressa -a plicar a mesma infusão
sobre a pele irritada várias vezes ao dia, para queimaduras.

Toxicologia: Não comer grandes quantidades de bagas (frutos) de sabugueiro,


pois podem provocar náuseas e intolerância digestiva.

Partes Utilizadas

Frutos, flores e entrecasca do tronco e ramos.


Diurético; reumatismo; artrite e gora; nefrite; cálculos renais: coloque 1
colher de chá de entrecascas picadas em 1 xícara de chá de água em fervura. Deixe
ferver por 5 minutos. Desligue o fogo, abafe por 10 minutos e coe. Tome 1 xícara
d, de 3 a 4 vezes o dia, sendo a última dose antes das 17:00 horas.

Dermatoses, erisipela, erupções cutâneas, pruridos, eczemas e reações


alérgicas: coloque 2 colheres de sopa de flores picadas em 1 litro de água em
fervura.

Deixe ferver por 5 minutos, coe e espere amornar. Aplique na parte afetada, com
uma gaze ou pano, em forma de compressas.

Febres; analgésicos para as dores em geral; estimulante da sudorese;


sarampo; catapora; varicela: em 1 xícara de chá, coloque 1 colher de sobremesa
de flores picadas e adicione água fervente. Abafe por 10 minutos, coe e espere
amornar. Tome 1 xícara de chá, de 1 a 2 vezes ao dia, ainda morno, ficando em
repouso.

Queimaduras que não provocam bolhas e que provocam bolhas: em um pilão,


coloque 1 colher de chá de entrecascas picadas e adicione 1 xícara de café de óleo
de cozinha. Amasse bem e leve ao fogo, em banho-maria, por 3 horas ou deixe em
local bem ensolarado. Coe em uma peneira. Aplique nos locais afetados, com um
chumaço de algodão ou gaze, de 2 a 3 vezes ao dia.
Sabugueiro

O Sabugueiro é uma árvore espontânea que os agricultores plantam para fazer


sebes e à volta das vinhas ou junto às linhas de água, mas cujas bagas depois de
apanhadas e secas, são exportadas para Alemanha, Japão, Holanda, etc., a fim de
serem transformadas e servirem de corantes para as pastelarias, bem como para
produtos farmacêuticos.

O fruto também se utiliza como aditivo ao vinho, para lhe dar, especialmente, cor.

A baga do Sabugueiro é uma das fontes de riqueza para os agricultores nos países
em que é aproveitada agrícola e industrialmente.

Como exemplo podemos dizer que foi graças a esta árvore e ao riquíssimo
património plantado no concelho de Tarouca, que foi criada uma associação, com
ela um Rancho folclórico com o objetivo de preservar a cultura popular,
nomeadamente os trajes, danças, cantigas, usos e costumes do povo do Vale do
Varosa, além da ocupação dos tempos livres dos jovens, retirando-os dos meios
alienatórios que os podem levar à destruição.

Uso Medicinal
As propriedades do sabugueiro são admiradas desde os tempos de Hipócrates
(século 5 a.C.), considerado o maior médico da antiguidade.

Esse arbusto ajuda nas inflamações, é anti diarreico, ótimo para crianças com
doenças como o sarampo e a catapora, pois baixa a temperatura do corpo e é anti
febrífugo. É indicado para tratamentos com os órgãos femininos, pois é um auxiliar
maravilhoso para a artemísia.

A fruta quando seca e tostada, moída e preparada como café, é excelente para
interromper a diarreia.

As folhas machucadas podem ser aplicadas nos casos de queimaduras, retirando


rapidamente a dor.

O chá das flores secas do sabugueiro é utilizado contra resfriados, gripes, anginas
e nas enfermidades eruptivas, como sarampo, rubéola, varíola e escarlatina, por
provocarem rapidamente a transpiração.

O chá das cascas, raízes e folhas é indicado para combater a retenção de urina
(efeito diurético) e o reumatismo. Além disso, o chá da frutinha purifica o sangue
e limpa os rins.

Uso Energético

Não existe nada mais maravilhoso que um banho de imersão com flores
de sabugueiro.

O sabugueiro é indicado para pessoas que estão sempre temendo perder o controlo
das situações. Para quem tem movimentos involuntários de origem nervosa.

Diz-se que limpa a aura e prepara para coisas novas e criativas

Crenças!
Não vão longe os tempos em que eram colocadas nas portas e janelas das casas
para impedir a entrada de males ou ainda nas tumbas para proteger os defuntos das
bruxas e espíritos maléficos.

Dizia-se que de sua madeira foi feita a Cruz do Calvário, e por esse motivo,
acreditava-se que dava azar cortar um tronco de sabugueiro.

Nome popular: Sabugueiro.

Coloração: branca.

Sabugueiro

Esta essência é para o medo. Medo do descontrole sobre as atividades do corpo


físico, como no caso de tremores, tiques nervosos, enurese noturna, pesadelo,
gagueira e roer unhas.

Útil nos casos de estados obsessivos, na agressividade verbal e física, na agitação


corporal e sempre que houver desorganização nas atividades do corpo físico.

A essência Sambucus ajuda a pessoa a recuperar o controlo sobre as atividades do


corpo e a enfrentar o medo de falhar e perder o controlo.