Você está na página 1de 86

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL


CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO DA PROBABILIDADE DE
RUPTURA DE UMA ESTRUTURA DE
CONTENÇÃO EM GABIÕES, LOCALIZADO
EM GOIÂNIA - GOIÁS

RODRIGO JABER

GOIÂNIA
2011
I

RODRIGO JABER

ESTUDO DA PROBABILIDADE DE
RUPTURA DE UMA ESTRUTURA DE
CONTENÇÃO EM GABIÕES, LOCALIZADO
EM GOIÂNIA - GOIÁS

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de


Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás para
obtenção do título de Engenheiro Civil.
Orientador: Prof. Dr. Carlos A. Lauro Vargas

GOIÂNIA
2011

R. Jaber
II

RODRIGO JABER

ESTUDO DA PROBABILIDADE DE RUPTURA DE UMA ESTRUTURA DE


CONTENÇÃO EM GABIÕES, LOCALIZADO EM GOIÂNIA - GOIÁS

Monografia apresentada ao Curso de Engenharia Civil da


Universidade Federal de Goiás para obtenção do título de
Engenheiro Civil.

Aprovada em: ______ / ______ / ______.

__________________________________________________________
Prof. Dr. Carlos Alberto Lauro Vargas (Orientador)

__________________________________________________________
Prof. Dr. Maurício Martines Sales (Examinador)

__________________________________________________________
Prof. Dr. Gilson de Farias Neves Gitirana Júnior (Examinador)

Atesto que as revisões solicitadas foram feitas:


______________________________________
Orientador
Em: _____ / ______/ _____

R. Jaber
III

Dedico aos meus pais pelos esforços despendidos por todos esses anos.

R. Jaber
IV

RESUMO

Os muros de gravidade constituídos por bloco de gabiões são uma alternativa de


solução de contenção com um custo-benefício bastante atrativo. É uma solução usada
em larga escala, porém as investigações geotécnicas mais completas não são feitas e
conseqüentemente não é possível a elaboração de estudos mais detalhados. Este trabalho
apresenta o caso de uma estrutura de contenção em gabiões localizado em Goiânia onde,
a partir de parâmetros estimados com tabelas e correlações elaborou-se um estudo de
probabilidade da estabilidade dos gabiões. O estudo de probabilidade considera um
índice que indica uma estabilidade relativa de um talude. Comparando o estudo de
probabilidade com uma análise determinística, observou-se que a última não considera a
variabilidade dos parâmetros podendo fornecer um fator de segurança alto. Em
contrapartida o estudo probabilístico considera a variabilidade dos parâmetros e a
probabilidade de ruptura com isso alertando para casos críticos.

Palavras-chaves: probabilidade de ruptura, gabiões, estabilidade de contenções

R. Jaber
V

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Representação básica de um muro de contenção à gravidade em gabiões ...... 8


Figura 2 - Atuação do empuxo ativo em estruturas de contenção. ................................. 11
Figura 3 - Exemplos de atuação do empuxo passivo...................................................... 11
Figura 4 - Equação e diagrama do empuxo ativo ........................................................... 12
Figura 5 - Equação e o diagrama do empuxo passivo .................................................... 12
Figura 6 - Forças que agem no caso de empuxo ativo.................................................... 13
Figura 7 - Forças que agem no caso de empuxo passivo................................................ 14
Figura 8 - Método do equilíbrio limite ........................................................................... 16
Figura 9 - Tipos de ruptura de muro de gabiões ............................................................. 17
Figura 10 - Verificação quanto ao tombamento ............................................................. 18
Figura 11 - Verificação quanto ao deslizamento ............................................................ 19
Figura 12 - Método de Bishop - superfície de ruptura cilíndrica .................................. 20
Figura 13 – Início da Escavação..............................................................................24
Figura 14 – Montagem do gabiãoFigura.........................................................................25
Figura 15 – Gabaritos sendo instalados e filtro geotêxtil à mostra................................26
Figura 16 – Trecho já com reaterro ................................................................................ 24
Figura 17 – Locais das seções analisadas ....................................................................... 27
Figura 18 – Seção Tipo – Trecho H, SPT 06 ................................................................. 27
Figura 19 – Seção tipo – Trecho H, SPT 10 ................................................................... 28
Figura 20 – Inserindo novo trabalho .............................................................................. 31
Figura 21 - Seleção das normas ...................................................................................... 32
Figura 22 – Listagem das normas ................................................................................... 32
Figura 23 – Tela de trabalho MacStars ........................................................................... 33
Figura 24 – Exemplo de talude já modelado .................................................................. 33
Figuras 25 – Escolha da Opção de Propriedades do Solo .............................................. 34
Figura 26 – Inserindo Propriedades do solo ................................................................... 34
Figura 28 – Geometria das camadas ............................................................................... 36

R. Jaber
VI

Figura 29 – Configurando a Supefície Piezométrica ...................................................... 37


Figura 30 – Tela inicial de Inserção de blocos ............................................................... 37
Figuras 31 – Inserção dos Blocos ................................................................................... 38
Figura 32 – Análise de Estabilidade Global................................................................38
Figura 33 – Método de cálculo para Estabilidade Global ............................................ 399
Figura 34 – Cálculo da Estabilidade Global ................................................................... 42
Figura 35 – Análise da Estabilidade Interna ................................................................... 42
Figura 36 – Exemplo de Verificação como Muro ......................................................... 44
Figura 37 – Análise da estabilidade global Trecho H, SP 06 ......................................... 47
Figura 38 – Análise da estabilidade global Trecho F, SP 10 .......................................... 47
Figura 39 –Análise da estabilidade global do corte do Trecho H, SP 06 ................. 48
Figura 40 – Análise da estabilidade global do corte do Trecho F, SP 10 ....................... 48
Figura 41 – Análise da Estabilidade Global do Trecho H – SP 06 ................................ 49
Figura 42 – Análise da Estabilidade Global do Trecho F – SP 10 ................................ 50
Figura 43 – Análise da estabilidade interna do corte do Trecho H, SP 06 ..................... 51
Figura 44 – Análise da estabilidade interna do corte do Trecho F, SP 10...................... 51
Figura 45 – Verficações para o muro do Trecho H, SP 06............................................. 52
Figura 46 – Verficações para o muro do Trecho H, SP 06............................................. 53
Figura 47 – Histograma F.S Ruptura Global – SP 06 Trecho H .................................... 54
Figura 48 – Histograma F.S Ruptura Global – SP 10 Trecho F ..................................... 55
Figura 49 – Histograma F.S Ruptura Interna – SP 06 Trecho H .................................... 56
Figura 50 – Histograma F.S Ruptura Interna – SP 10 Trecho F .................................... 57
Figura 51 – Histograma F.S contra Tombamento – SP 06 ............................................. 58
Figura 52 – Histograma F.S contra Tombamento – SP 10 ............................................. 59
Figura 53 – Histograma F.S contra Deslizamento – SP 06 ............................................ 60
Figura 67 – Histograma F.S contra Deslizamento – SP 10 ............................................ 61

R. Jaber
VII

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Relatório Tabela de Parâmetros Médios do Solo (Joppet, 2007) ................. 29


Tabela 2 - Parâmetros médios trecho SP 06 ................................................................... 46
Tabela 3 - Parâmetros médios trecho SP 06 ................................................................... 46
Tabela 4 – Resumo dos F.S para a Análise Determinística ....................................... 54
Tabela 5 – Resumo dos F.S obtidos no Estudo Probabilístico................................... 62

R. Jaber
VIII

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 1

1.1 OBJETIVOS .......................................................................................................... 2

1.1.1. Objetivo geral .................................................................................................... 2

1.1.2. Objetivos Específicos ........................................................................................ 2

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ................................................................................. 3

2.1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................... 3

2.2 SONDAGEM SPT (STANDARD PENETRATION TEST) ..................................... 3

2.2.3 Princípio .................................................................................................................. 3

2.2.4 Descrição sumária dos elementos ............................................................................ 4

2.2.5 Procedimento ........................................................................................................... 5

2.2.6 Amostragem e SPT .................................................................................................. 7

2.3 MUROS DE GRAVIDADE ....................................................................................... 8

2.3.1 Muro de Gabiões ..................................................................................................... 8

2.3.2 Empuxo de Terra ................................................................................................... 10

2.4 MÉTODO DO EQUILÍBRIO LIMITE .................................................................... 15

2.4.1 Análise de estabilidade de taludes ......................................................................... 16

3. METODOLOGIA................................................................................................... 23

3.1 Descrição da Obra .................................................................................................... 23

3.2 Sondagem ................................................................................................................. 26

3.4 Análise Computacional............................................................................................. 31

3.4.1 Interface do Programa ........................................................................................... 31

3.4.2 Inserindo dados ...................................................................................................... 31

3.4.3 Tela de Trabalho .................................................................................................... 33

3.4.4 Modelagem do Talude ........................................................................................... 33

3.4.5 Propriedades do Solo ............................................................................................. 34

R. Jaber
IX

3.4.6 Geometria das Camadas ........................................................................................ 35

3.4.7 Superfície Piezométrica ......................................................................................... 36

3.4.8 Blocos .................................................................................................................... 37

3.4.9 Estabilidade Global ............................................................................................... 39

3.4.10 Estabilidade Interna ............................................................................................. 42

3.4.11 Verificação contra Tombamento e Deslizamento ............................................... 43

4.1.1 Verificação da Estabilidade Global do talude natural e com corte........................ 47

4.1.2 Verificação da Estabilidade Interna do talude reforçado....................................... 50

4.1.3 Verificação contra Tombamento e Deslizamento do reforço ................................ 52

5. CONCLUSÃO................................................................................................62

6. BIBLIOGRAFIA.............................................................................................64

7. ANEXO A.......................................................................................................66
8. APÊNDICE B.................................................................................................70

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 1

1. INTRODUÇÃO

Atualmente existem várias soluções para a construção de uma estrutura de


contenção, tais como os muros de arrimo, as cortinas de estacas prancha e as paredes
diafragma. Apesar de serem utilizados diferentes tipos de material, o objetivo são os
mesmos: conter a possível ruptura do maciço, suportando as pressões laterais exercidas
por ele. A partir do tipo do material utilizado, é possível subdividi-las em Estruturas
Rígidas e Estruturas Flexíveis.

Com o veloz desenvolvimento urbano, há a necessidade de aliar alto


desempenho de trabalho à simplicidade construtiva e ainda apresentar baixo custo. Em
seu livro, Almeida Barros (2005) diz que a escolha do tipo de contenção ideal é um
processo criterioso e individualizado, em função de diferentes fatores:
a) Físicos: altura da estrutura, espaço disponível para sua implantação,
dificuldade de acesso, sobrecargas, etc;
b) Geotécnicos: tipo de solo a conter, presença de lençol freático, capacidade de
suporte do solo de apoio.
c) Econômicos: disponibilidade de materiais e de mão-de-obra qualificada para
a construção da estrutura, tempo de execução, clima local, custo final da
estrutura etc.

Com origem italiana e utilizada pela primeira vez no final do século XIX, as
estruturas de gabião já são um tradicional sistema de contenção. No Brasil sua utilização
começou no início dos anos 70 e hoje em dia é altamente utilizada em todo país. São
constituídos por elementos metálicos confeccionados com tela de malha hexagonal de
dupla torção, preenchidos com pedras. Essas estruturas possuem, no ponto de vista
técnico e econômico, um diferencial em suas características com relação a outros tipos
de estruturas.

Em Goiânia o gabião já possui uma larga utilização em muro de contenções e


canalizações. Para que se expanda a Marginal Botafogo a partir da Avenida 136 até a
Avenida 2ª Radial, localizada no Setor Pedro Ludovico, será construída uma estrutura
de contenção e de proteção à margem do Córrego Botafogo. A estrutura será um muro

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 2

de gravidade, flexível e em gabião. Serão mais de 300 m de construção ao longo do


córrego com alturas variando de 2 m a 3 m.

Este trabalho pretende analisar o comportamento de estabilidade de dois pontos


de uma estrutura de muro de gravidade em gabião com análises computacionais e
comparar o resultado com estudos determinísticos e probabilísticos.

1.1 OBJETIVOS

1.1.1. Objetivo geral

Estudar o comportamento de estabilidade e análise probabilística do fator de


segurança de uma estrutura de contenção em Gabiões para canalização de um córrego
em Goiânia, utilizando ferramentas numéricas 2D e propriedades do solo obtidas através
de correlações com sondagens em campo.

1.1.2. Objetivos Específicos

Como objetivos específicos pode-se citar:

a) Caracterização e determinação dos parâmetros de deformação (E, v) e


resistência (c. φ) do solo natural e compactado a partir de correlações com
sondagens obtidas em campo;

b) Análise de Estabilidade do muro de gravidade em gabiões, considerando a


estabilidade global em superfícies de deslizamento passando no contato solo
gabiões, entre outras;

c) Elaborar uma análise probabilística do fator de segurança, dentro de uma faixa


de valores dos parâmetros do solo (c. φ).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 3

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 INTRODUÇÃO

Para um correto estudo de estabilidade de taludes, há a necessidade de se fazer


ensaios específicos de caracterização do solo. Contudo, para obras de menores portes há
a possibilidade de correlacionar dados obtidos através de sondagens, amplamente
usados em obras no geral.

O atual trabalho focaliza na análise de estabilidade um muro de contenção de


gravidade feito em gabião partindo inicialmente de correlações obtidas através de
sondagens e utilizando-as em ferramentas numéricas.

2.2 SONDAGEM SPT (STANDARD PENETRATION TEST)

É também conhecido como sondagem à percussão, ou sondagem de simples


reconhecimento. O “Teste de Penetração Padrão” ou Standard Penetration Test é um
processo de exploração e reconhecimento do subsolo. Por ser um ensaio simples e de
custo reduzido, é usado em larga escala na engenharia civil.

O ensaio consiste na cravação no sentido vertical do solo, através de um cilindro


amostrador padrão através de golpes de um martelo padronizado. Os golpes necessários
para a cravação do amostrador em três trechos consecutivos de 15 cm é anotado, sendo
que o valor da resistência à penetração (NSPT) consiste no número de golpes aplicados
nos 30 cm finais.

2.2.3 Princípio

De acordo com a NBR 6484 (ABNT, 2001), trata-se de uma perfuração e


cravação dinâmica de amostrador-padrão, a cada metro, resultando na determinação do
tipo de solo e de um índice de resistência, bem como da observação do nível do lençol
freático.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 4

2.2.4 Descrição sumária dos elementos

Ainda de acordo com a NBR 6484 (ABNT, 2001), pode-se organizar os


elementos constituintes do SPT como:

a) Torre: A torre pode ter, opcionalmente, guincho motorizado ou sarilho, para


auxílio nas manobras com hastes ou tubos de revestimentos. A roldana da torre
deve estar sempre suficientemente lubrificada para reduzir ao máximo o atrito;

b) Tubos de revestimento: Os tubos de revestimento devem ser de aço, com


diâmetro nominal interno 63,5 (Dext = 76,1 mm ± 5 mm e Dint = 68,8 mm ± 5
mm), podendo ser emendados por luvas, com comprimentos de 1,00m e/ou
2,00m;

c) Composição de perfuração;

d) Trado-concha: O trado-concha deve ter diâmetro de (100 ± 10) mm;

e) Trado helicoidal: A diferença entre o diâmetro do trado helicoidal (diâmetro


mínimo de 56 mm) e o diâmetro interno do tubo de revestimento deve estar
compreendida entre 5 mm e 7 mm;

f) Trépano ou peça de lavagem: O trépano ou peça de lavagem deve ser constituído


por peça de aço, com diâmetro nominal 25, terminada em bisel e dotada de duas
saídas laterais para água;

g) Amostrador-padrão: O amostrador-padrão, de diâmetro externo de 50,8 mm ± 2


mm e diâmetro interno de 34,9 mm ± 2 mm, deve ter a forma e dimensões,
estando descritas a seguir as partes que o compõem:
1) cabeça, devendo ter dois orifícios laterais para saída da água e do ar, bem
como devendo conter interiormente uma válvula constituída por esfera de
aço recoberta de material inoxidável;
2) corpo, devendo ser perfeitamente retilíneo, isento de amassamentos,
ondulações, denteamentos, estriamentos, rebordos ou qualquer
deformação que altere a seção e rugosidade superficial, podendo ou não
ser bipartido longitudinalmente;

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 5

3) sapata ou bico, devendo ser de aço temperado e estar isenta de trincas,


massamentos, ondulações, denteações, rebordos ou qualquer tipo de
deformação que altere a seção.

h) Cabeça de bater: deve ser constituída por tarugo de aço de (83 ± 5) mm de


diâmetro, (90 ± 5) mm de altura e massa nominal entre 3,5 kg e 4,5 kg.

i) Martelo padronizado: O martelo padronizado, para cravação dos tubos de


revestimento e da composição de hastes com amostrador, deve consistir em uma
massa de ferro de forma prismática ou cilíndrica, tendo encaixado, na parte
inferior, um coxim de madeira dura (peroba rosa ou equivalente), perfazendo um
total de 65 kg.
O martelo pode ser maciço ou vazado, conforme descrito a seguir:
1) o martelo maciço deve ter uma haste-guia de 1,20 m de comprimento
fixada à sua face inferior, no mesmo eixo de simetria longitudinal, a fim
de assegurar a centralização do impacto na queda; esta haste-guia deve
ter uma marca visível distando de 0,75 m da base do coxim de madeira;
2) o martelo vazado deve ter um furo central de 44 mm de diâmetro, sendo
que, neste caso, a cabeça de bater deve ser dotada, na sua parte superior,
de uma haste-guia de 33,4 mm de diâmetro e 1,20 m de comprimento, na
qual deve haver uma marca distando 0,75 m do topo da cabeça de bater;

3) a haste-guia do martelo deve ser sempre retilínea e perpendicular à


superfície que vai receber o impacto do martelo.

2.2.5 Procedimento

Segundo a NBR 6484 (ABNT, 2001), a sondagem deve ser iniciada com
emprego do trado-concha ou cavadeira manual até a profundidade de 1 m, seguindo-se a
instalação até essa profundidade, do primeiro segmento do tubo de revestimento dotado
de sapata cortante.

Nas operações subseqüentes de perfuração, intercaladas às de ensaio e


amostragem, deve ser utilizado trado helicoidal até se atingir o nível d’água freático.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 6

Não é permitido que, nas operações com trado, o mesmo seja cravado dinamicamente
com golpes do martelo ou por impulsão da composição de perfuração.

Quando o avanço da perfuração com emprego do trado helicoidal for inferior a


50 mm após 10 min de operação ou no caso de solo não aderente ao trado, passa-se ao
método de perfuração por circulação de água, também chamado de lavagem.

A operação de perfuração por circulação de água é realizada utilizando-se o


trépano de lavagem como ferramenta de escavação. O material escavado é removido por
meio de circulação de água, realizada pela bomba d’água motorizada, através da
composição de perfuração. A operação em si, consiste na elevação da composição de
perfuração em cerca de 30 cm do fundo do furo e na sua queda, que deve ser
acompanhada de movimentos de rotação alternados (vai-e-vem), aplicados
manualmente pelo operador.

Quando se atingir a cota de ensaio e amostragem, a composição de perfuração


deve ser suspensa a uma altura de 0,20 m do fundo do furo, mantendo-se a circulação de
água por tempo suficiente, até que todos os detritos da perfuração tenham sido
removidos do interior do furo.

Toda a vez que for descida a composição de perfuração com o trépano ou


instalado novo segmento de tubo de revestimento, os mesmos devem ser medidos com
erro máximo de 10 mm. Durante as operações de perfuração, caso a parede do furo se
mostre instável, é obrigatória, para ensaios e amostragens subseqüentes, a descida de
tubo de revestimento até onde se fizer necessário, alternadamente com a operação de
perfuração.

O tubo de revestimento deve ficar a uma distância de no mínimo 50 cm do fundo


do furo, quando da operação de ensaio e amostragem. Somente em casos de fluência do
solo para o interior do furo, deve ser admitido deixá-lo à mesma profundidade do fundo

Durante a operação de perfuração, devem ser anotadas as profundidades das


transições de camadas detectadas por exame tátil-visual e da mudança de coloração de
materiais trazidos à boca do furo pelo trado helicoidal ou pela água de circulação.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 7

Antes de se retirar a composição de perfuração, com o trado helicoidal ou o


trépano de lavagem apoiado no fundo do furo, deve ser feita uma marca na haste à
altura da boca do revestimento, para que seja medida, com erro máximo de 10 mm, a
profundidade em que se irá apoiar o amostrador na operação subseqüente de ensaio e
amostragem.

2.2.6 Amostragem e SPT

A NBR 6484 (ABNT, 2001) diz que deve ser coletada, para exame posterior,
uma parte representativa do solo colhido pelo trado-concha durante a perfuração, até 1
m de profundidade.

A cada metro de perfuração, a partir de 1 m de profundidade, devem ser


colhidas amostras dos solos por meio do amostrador-padrão, com execução de SPT.

O amostrador-padrão, conectado à composição de cravação, deve descer


livremente no furo de sondagem até ser apoiado suavemente no fundo, devendo-se
cotejar a profundidade correspondente com a que foi medida na operação anterior.

Se por acaso houver uma diferença entre as duas medidas, a composição deve
ser retirada, repetindo-se a operação de limpeza do furo.

Após o posicionamento do amostrador-padrão conectado à composição de


cravação, coloca-se a cabeça de bater e, utilizando-se o tubo de revestimento como
referência, marca-se na haste, com giz, um segmento de 45 cm dividido em três trechos
iguais de 15 cm. Em seguida, o martelo deve ser apoiado suavemente sobre a cabeça de
bater, anotando-se eventual penetração do amostrador no solo.

Não tendo ocorrido penetração igual ou maior do que 45 cm, , prossegue-se a


cravação do amostrador-padrão até completar os 45 cm de penetração por meio de
impactos sucessivos do martelo padronizado caindo livremente de uma altura de 75 cm,
anotando-se, separadamente, o número de golpes necessários à cravação de cada
segmento de 15 cm do amostrador-padrão.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 8

2.3 MUROS DE GRAVIDADE

Muros de Gravidade são estruturas corridas que se opõem aos empuxos


horizontais pelo peso próprio. Geralmente, são utilizadas para conter desníveis
pequenos ou médios, inferiores a cerca de 5m.

Ao contrário de estruturas como estacas e paredes diafragma, as estruturas de


gravidade utilizam o seu peso próprio e geralmente o peso de uma parte do bloco de
solo incorporado a ela para sua estabilidade. Sua estabilidade frente ao empuxo exercido
pelo bloco de solo contido é provida por seu peso próprio.

2.3.1 Muro de Gabiões

São muros de gravidade construídos pela superposição de “gabiões” de malhas


de arame galvanizado cheios com pedras cujos diâmetros mínimos devem ser superiores
à abertura de malha das gaiolas. São empregados para faixas de alturas similares ao
muro de gravidade. A Figura 1 abaixo ilustra um muro de contenção em gabiões.

Figura 1 - Representação básica de um muro de contenção à gravidade em gabiões (Almeida Barros,


2005)

Todas as unidades são firmemente unidas entre si através de costuras com


arames de mesmas características daqueles da malha das gaiolas, de modo a formar uma
estrutura monolítica. Sua montagem segue as recomendações indicadas na Figura A1
localizada nos Anexos.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 9

Como já mencionado a construção de uma estrutura em gabião é extremamente


simples, porém a estrutura final apresentará características técnicas muito importantes,
tais como:

• Monolíticas: Os elementos que forma as estruturas são unidos entre si através de


amarrações executadas ao longo de todas as arestas em contato. O resultado é
um bloco homogêneo que tem as mesmas características de resistência em
qualquer ponto da estrutura.

• Resistentes: As telas utilizadas são em malha hexagonal de dupla torção


proporcionando uma distribuição mais uniforme dos esforços a que são
submetidas.

• Duráveis: Para que as malhas dos gabiões garantam que a deterioração da


estrutura seja extremamente lenta e com efeitos não mais graves do que se
registra em qualquer outro tipo de solução, são revestidas por uma liga composta
por Zinco, Alumínio e Terras Raras. Caso esteja em um ambiente quimicamente
agressivo, é necessária a adoção de um revestimento suplementar em material
plástico.

• Armadas: Resistem a solicitações de tração e corte. A armadura metálica não


tem somente a função de conter as pedras, mas de também suportar e distribuir
os esforços de tração oriundos daqueles que agem sobre a estrutura, mesmo
quando tais esforços são conseqüência de assentamentos ou recalques
localizados e não previstos em cálculo.

• Flexíveis: Se adaptam a acomodações e movimentos do terreno sem perder sua


estabilidade e eficiência. Tal característica permite a estrutura se deformar muito
antes do colapso, permitindo detectar antecipadamente o problema.

• Permeáveis: Pelas características dos materiais que as compões, são totalmente


permeáveis e autodrenantes, aliviando por completo o empuxo hidrostático
sobre a estrutura.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 10

2.3.2 Empuxo de Terra

Empuxo de terra é a resultante das pressões laterais exercidas pelo solo sobre
uma estrutura de arrimo ou de fundação. Estas pressões podem ser devido ao peso
próprio do solo ou a sobrecargas aplicadas sobre ele.

O valor do empuxo sobre uma estrutura depende fundamentalmente da


deformação que esta sofre sob a ação deste empuxo. Pode-se visualizar esta interação
efetuando-se um experimento que utiliza um anteparo vertical móvel.

A seqüência básica consiste em calcular primeiramente o empuxo-força


(resultante), que é normalmente aceito como estaticamente determinado por teoria de
equilíbrio-limite para as condições de ruptura do solo e, subsequentemente, estimar a
distribuição das tensões respectivas.

É convencionado ser adequadamente determinável o empuxo-força mínimo


(ativo) ou máximo (passivo), para a hipótese-limite de ruptura, segundo superfície
crítica a pesquisar, incorporando ruptura principalmente por cisalhamento e eventual
trinca de tração. Na hipótese de corpo rígido está implícito o desenvolvimento
simultâneo das tensões e deformações de ruptura ao longo de toda a superfície, hipótese
esta aceitável em maciços homogêneos de dimensões módicas e de comportamento
tensão-deformação plástico, não friável.

Nas condições de deslocamentos insuficientes para a ruptura potencial do solo,


os empuxos são majorados (quando ativos) ou reduzidos (quando passivos), podendo
ser avaliados em função de estimativas associadas à experiência, embora parca e
dispersa, relativa à magnitude dos deslocamentos. Estes empuxos assumem valores
denominados Repouso-Ativo (majorado) ou Repouso-Passivo (minorado).

Segundo Almeida Barros (2005), os muros de arrimo de gravidade, em geral, e


em particular os flexíveis, caso dos construídos com gabiões, permitem a deformação
do solo arrimado suficiente para que sua resistência seja totalmente mobilizada. Assim,
devem ser dimensionados sob a ação do empuxo ativo.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 11

As Figuras 2 e 3 ilustram de modo simplificado os empuxos ativos e passivos:

Figura 2 - Atuação do empuxo ativo em estruturas de contenção (MOLITERNO, 1980).

Figura 3 - Exemplos de atuação do empuxo passivo (MOLITERNO, 1980).

As teorias clássicas sobre empuxo de terra foram formuladas por Coulomb e


Rankine, tendo sido desenvolvidas por Poncelet, Culmann, Rebhann, Krey e, mais
posteriormente, estudadas e criticadas por Caquot, Ohde, Terzaghi, Brinch Hansen e
outros autores.

2.3.2.1 Teoria de Rankine

Em sua hipótese, Rankine considerou o estado plástico do solo usando a equação


de ruptura de Mohr. Admitiu então a necessidade de pequenas deformações para
mobilizar o empuxo ativo e passivo. Além disso, considerou os solos sem coesão e
propôs distribuição das pressões.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 12

Ao contrário de Coulomb, Rankine não considerou o atrito solo-muro e também


não propôs uma solução para o caso de cargas concentradas.

Exemplificando, conforme a teoria de Rankine, tem-se as seguintes equações do


empuxo ativo e passivo, representadas nas Figuras 4 e 5, respectivamente.

Figura 4 - Equação e diagrama do empuxo ativo (CAPUTO, 1974)

Onde: ‫ܭ‬௔ = ‫݊ܽݐ‬²(45 − ∅ൗ2)

Figura 5 - Equação e o diagrama do empuxo passivo (CAPUTO, 1974)

Onde: ‫ܭ‬௣ = ‫݊ܽݐ‬²(45 + ∅ൗ2)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 13

2.3.2.2 Teoria de Coulomb

Além de Rankine, Coulomb propôs outra maneira de se quantificar o empuxo


ativo e o passivo sobre uma estrutura de arrimo, como pode ser observado nas Figuras 6
e 7. Admite-se que no instante da mobilização total da resistência do solo formam-se
superfícies de deslizamento ou de ruptura no interior do maciço. Estas superfícies
delimitariam então uma parcela do maciço que se movimentaria em relação ao restante
do solo no sentido do deslocamento da estrutura. Considerando esta parcela do solo
como um corpo rígido, o empuxo pode então ser determinado do equilíbrio das forças
atuantes sobre este corpo rígido.

O método de Coulomb admite que tais superfícies de ruptura são planas e o


empuxo é aquele que age sobre a mais crítica das superfícies de ruptura planas.

Diferentemente de Rankine, este método possui uma vantagem pelo fato de que
se pode considerar a ocorrência de atrito entre a estrutura de arrimo e o solo, além de
possibilitar a análise de estrutura com o paramento não vertical.

Figura 6 - Forças que agem no caso de empuxo ativo (ALMEIDA BARROS, 2005)

Onde: Ea = 1/2 γ h2 Ka

sen 2 (α + φ )
Ka = 2
2
 sen (φ + δ ) ⋅ sen (φ − β ) 
sen α ⋅ sen (α − δ ) 1 + 
 sen (α − δ ) ⋅ sen (α + β ) 

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 14

Figura 7 - Forças que agem no caso de empuxo passivo (ALMEIDA BARROS, 2005)

Onde: Ep = 1/2 γ h2 Kp

sen 2 (α − φ )
Kp = 2
2
 sen (φ + δ ) ⋅ sen (φ + β ) 
sen α ⋅ sen (α + δ ) 1 − 
 sen (α + δ ) ⋅ sen (α + β ) 

2.3.2.3 Influência da Água

Conforme Ranzini e Negro (1998), a influência da água é marcante na


estabilidade de uma estrutura de arrimo, basta dizer que o acúmulo de água, por
deficiência de drenagem, pode chegar a duplicar o empuxo atuante.

O efeito da água pode ser direto, resultante do acúmulo de água junto ao tardoz
interno do arrimo e do encharcamento do terrapleno, ou indireto, produzindo uma
redução da resistência ao cisalhamento do maciço em decorrência do acréscimo das
pressões intersticiais.

O efeito direto é o de maior intensidade, podendo ser eliminado ou bastante


atenuado por um sistema eficaz de drenagem.

Todo cuidado, portanto, deve ser dispensado ao projeto do sistema de drenagem


para dar escoamento a precipitações excepcionais, com folga, e para que a escolha do

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 15

material drenante seja feita de tal modo a impedir qualquer possibilidade de colmatação
ou entupimento futuro.

Segundo Houaiss e Villar (2001), colmatar v. 1 td. fazer, realizar colmatagem


(em aterros); atulhar, aterrar 2 td. p. ext. tapar fendas, brechas etc..

2.4 MÉTODO DO EQUILÍBRIO LIMITE

Sendo o solo coesivo ou a superfície do maciço não seja plana, não há como
aplicar diretamente a teoria de Coulomb. Em casos como este pode-se adotar um
método de análise semelhante ao de Coulomb, mas voltado ao problema específico em
questão.

Conforme descrito por Massad (2003), os métodos para a análise de taludes,


atualmente em uso, baseiam-se na hipótese de haver equilíbrio numa massa de solo,
tomada como corpo rígido-plástico, na iminência de entrar em um processo de
escorregamento. Daí a denominação geral de “métodos de equilíbrio limite” (Figura
13).

Como a superfície do maciço não possui uma inclinação “i” constante, não é
possível se utilizar as expressões de Rankine e Coulomb para determinar o empuxo.
Neste caso, pode-se fazer uma análise por tentativas. São consideradas várias posições
para a superfície de ruptura e para cada uma delas determina-se o valor do empuxo pelo
equilíbrio de forças. Estes valores são colocados em função da superfície de ruptura que
lhes deu origem e assim pode-se estimar a variação correspondente. Pode-se então
determinar a posição mais crítica da superfície de ruptura e o empuxo correspondente.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 16

Figura 8 - Método do equilíbrio limite (ALMEIDA BARROS, 2005)

A observação dos escorregamentos na natureza levou as análises a considerar a


massa de solo com um todo (Método do Círculo de Atrito), ou subdividida em lamelas
(Método Sueco), ou em cunhas (Método das Cunhas).

O Método Sueco apresenta muitas variantes, como por exemplo o método de


Fellenius, de Bishop Simplificado, de Morgenstern-Price e outros mais.

A partir de 1916, os suecos desenvolveram os métodos de análise baseados no


conceito de “equilíbrio limite”, tal como foi definido acima. Constataram que as linhas
de ruptura eram aproximadamente circulares e que o escorregamento ocorria de tal
modo que a massa de solo instabilizada se fragmentava em fatias ou lamelas, com faces
verticais. O conceito de “círculo de atrito” e a divisão da massa de solo em “lamelas”
(ou fatias) já eram praticadas naquele tempo, e o que Fellenius fez, na década de 1930,
foi estender a análise para levar em conta também a coesão na resistência ao
cisalhamento do solo.

Atualmente, graças aos recursos disponíveis de computação eletrônica é possível


conhecer a posição da linha de ruptura ou do “círculo crítico”.

2.4.1 Análise de estabilidade de taludes

Existem diversos tipos de ruptura que são necessárias serem verificadas para que
não ocorram. No caso de muros de arrimo de gabiões, os tipos principais de ruptura que
podem ocorrer estão mostrados na Figura 9.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 17

Figura 9 - Tipos de ruptura de muro de gabiões (ALMEIDA BARROS, 2005)

2.4.1.1 Verificação da estabilidade contra o tombamento

Segundo Almeida Barros (2005), o tombamento da estrutura de arrimo pode


ocorrer quando o valor do momento do empuxo ativo em relação a um ponto “A”
situado no pé do muro (figura 10) supera o valor do momento do peso próprio da
estrutura, somado ao momento do empuxo passivo. O ponto “A” é denominado fulcro
de tombamento.

O coeficiente de segurança contra o tombamento é dado pela Equação 2:

ெ೛ ାெಶ೛
‫ܨ‬௧ = ெಶೌ
(2)

Outra forma de se definir o coeficiente de segurança contra o tombamento é se


considerar que apenas a componente horizontal do empuxo ativo “Eah” contribui com o
momento de tombamento, enquanto sua componente vertical “Eav” contribui com o
momento resistente. Assim o coeficiente de segurança “Ft” ficaria conforme Equação 3:

ெ೛ ାெಶ೛ ା ெಶೌೡ
‫ܨ‬௧ = (3)
ெಶೌ

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 18

Figura 10 - Verificação quanto ao tombamento (ALMEIDA BARROS, 2005)

2.4.1.2 Verificação da estabilidade contra o deslizamento

O deslizamento da estrutura ocorre quando a resistência contra o deslizamento


ao longo da base do muro de arrimo, somada ao empuxo passivo disponível à sua frente,
não é suficiente para se contrapor ao empuxo ativo.

Pode-se definir um coeficiente de segurança contra o deslizamento segundo a


Equação 4:

்೏ ାா೛೏
‫ܨ‬ௗ = (4)
ாೌ೏

onde “Ead” e “Epd” são as componentes dos empuxos ativo e passivo na direção do
escorregamento (Figura 11).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 19

Figura 11 - Verificação quanto ao deslizamento (Almeida Barros, 2005)

2.4.1.3 Verificação da estabilidade contra a ruptura global

O maciço pode, além das formas de ruptura citadas nos itens anteriores, sofrer
uma ruptura global ao longo de uma superfície de ruptura que contorna a estrutura de
arrimo sem tocá-la. Este tipo de ruptura ocorre principalmente quando há camadas ou
zonas de solos menos resistentes abaixo da fundação do muro de arrimo.

Os métodos de análise mais empregados são os que analisam a parte do maciço


sujeita ao deslizamento como blocos rígidos e os métodos que o analisam como um
bloco único dividido em fatias, também chamadas lamelas.

A grande vantagem dos métodos que subdividem o material potencialmente


instável em lamelas é a possibilidade de se considerar um grande número de diferentes
situações tais como camadas de solos diferentes, pressões neutras, lençol freático,
sobrecargas, etc. Além disso, a consideração de superfície de ruptura cilíndrica é mais
realista por se aproximar melhor das rupturas observadas. Entre esses métodos o mais
utilizado é o método de Bishop simplificado. Os programas GawacWin e o MacStars
fazem este tipo de análise pelo método de Bishop (Figura 12), e emprega o algoritmo
Simplex para determinar a superfície de ruptura mais crítica.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 20

Figura 12 - Método de Bishop - superfície de ruptura cilíndrica (ALMEIDA BARROS, 2005)

2.4.1.4 Verificação da estabilidade contra a ruptura interna

A estrutura de arrimo pode vir a sofrer esforços internos excessivos provocados


pelo carregamento externo do empuxo e sobrecargas aplicadas diretamente sobre ela.
Portanto deve-se também ser verificada a possibilidade de ruptura interna da estrutura
de arrimo.

Em muro de gabiões, deve-se verificar a segurança contra o deslizamento dos


blocos de gabiões superiores sobre os inferiores. Para cada nível de blocos de gabiões
executa-se a análise de deslizamento considerando-se para o cálculo do empuxo a altura
total da estrutura a partir do tipo até aquele nível e considerando o atrito entro os blocos
como a resistência ao longo da base. Os programas GawacWin e Macstars também
fazem essa análise.

Almeida Barros (2005) demonstra que a tensão normal admissível entre os


gabiões é:

ߪ௔ௗ௠ = 0,30. ߛ௚ − 30 ሾ‫݂ݐ‬/݉³ሿ (5)

Onde:

ߛ௚ = peso específico dos gabiões (tf/m³)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 21

2.5 ESTUDO DE PROBABILIDADE

Geralmente a análise de estabilidade de taludes é feita com base em análises


determinísticas que não envolvem o estudo da variabilidade dos parâmetros do solo no
calculo dos fatores de segurança e, por conseguinte o estudo de probabilidade do fator
de segurança calculado é importante. Ao utilizar este estudo, há um auxílio no projeto
escolhendo assim uma seção mais segura e com índices de confiabilidade maior. Com
isto pode-se projetar utilizando parâmetros mais confiáveis e com um nível de
segurança adequado ao tipo de obra a ser executado.

Como o solo é um material formado pela decomposição de rochas ao longo dos


anos, suas propriedades físicas variam de ponto a ponto.

Resultados de laboratório em solos naturais mostram que a maioria das


propriedades dos solos pode ser tratada como uma variável aleatória. Ao variar os
parâmetros do solo como, por exemplo, a coesão e o ângulo de atrito obtêm-se diversos
valores de Fatores de Segurança. Esses parâmetros são utilizados seguindo a função de
distribuição normal.

2.5.1 Função de Distribuição Normal

Para descrever variabilidade dos dados de entrada a distribuição normal ou de


Gauss é a função mais utilizada em análises probabilísticas (Harr, 1987). É representada
matematicamente como:

( x −µ )2
1 −
2.σ 2
f ( x) = .e
2.π .σ (6)

Onde:
f(x) = freqüência relativa
σ = desvio padrão

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 22

µ = valor médio

Possuindo grande uso na estatística inferencial, é inteiramente descrita por seus


parâmetros de média e desvio padrão, ou seja, conhecendo-se estes se consegue
determinar qualquer probabilidade em uma distribuição normal.

2.5.2 Métodos Probabilísticos

Existem diversos métodos probabilísticos, como o método de Monte Carlo, por


exemplo. Este um método estatístico utilizado em simulações estocásticas. É um
procedimento de cálculo versátil, o qual é muito bem aplicado aos computadores. Este
método envolve a geração de observações de uma distribuição de probabilidades e o uso
da amostra obtida para aproximar à função de interesse.

Nesse estudo foi considerado a distribuição uniforme das variáveis (c, φ) e foi
feito um estudo com valores pontuais da variabilidade dos parâmetros (c, φ). Com os
Fatores de Segurança obtidos foi elaborado uma distribuição de freqüência (histograma)
da probabilidade do F.S. ser menor que 1,0 (indicando a ruptura).

2.5.3 Probabilidade da ruptura e Índice de Confiabilidade

O fator de segurança é um índice que indica uma estabilidade relativa de um


talude. Tal índice não leva em conta o nível de risco de um talude devido a variabilidade
dos dados de entrada. Através da análise probabilística surgem dois índices para
quantificar a estabilidade ou o nível de risco de um talude.

Se o fator de segurança for menor que 1,0 então há a certeza de falha. Para se
calcular essa probabilidade, integra-se a área abaixo da função de densidade
probabilística. Segundo Mostyn and Li (1993), esse índice pode ser interpretado como a
probabilidade do talude se romper se fosse construído várias vezes ou como o índice de
confiança que pode ser adotado em um projeto.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 23

O Índice de Confiabilidade descreve a estabilidade do talude pelo número de


desvios padrão que separam o fator de segurança médio do fator de segurança definido
de 1,0. Também pode ser considerado uma forma de normalização do fator de
segurança em relação a sua incerteza.

O índice de confiabilidade (β) é definido em função da média (µ), desvio padrão


(σ) das simulações do fator de segurança, segundo Christian, Ladd e Beacher (1994):

( µ − 1.0)
β=
σ (7)

Avaliando a análise de estabilidade de taludes dessa forma, os resultados obtidos


se aproximam mais da realidade e se tornam mais confiáveis e seguros.

3. METODOLOGIA

A metodologia empregada neste trabalho objetiva o estudo probabilístico dos


fatores de segurança da estabilidade de um muro de gabião a partir da variabilidade dos
parâmetros geotécnicos obtidos por meio de correlações com as sondagens (SPT). E a
comparação do estudo probabilístico com o dimensionamento determinístico
tradicional.

3.1 Descrição da Obra

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 24

Trata-se de uma canalização do Córrego Botafogo em Goiânia – GO. Serão


220 m de canalização em gabião/concreto e 380 m de muro de arrimo em conreto.

Para a revitalização da marginal, o Governo Federal por meio do Ministério da


Integração Nacional, liberou cerca de 56 milhões para ser investido na construção do
viaduto da Marginal Botafogo, no cruzamento com a Avenida 136.

A avenida será alongada do cruzamento com a Avenida 136, no setor Pedro


Ludovico, até a 2ª Radial, na divisa com a Vila Redenção, num total de 1 km e 200
metros.

As Figuras 13 a 16 apresentam a obra em diferentes fases de execução.

Figura 13 – Início da Escavação

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 25

Figura 14 – Montagem do gabião

Figura 15 – Gabaritos sendo instalados e filtro geotêxtil à mostra

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 26

Figura 16 – Trecho já com reaterro

3.2 Sondagem

A sondagem consistiu em perfurar o terreno do trecho da Av. 136 e Av. 2ª


Radial, no Setor Pedro Ludovico, em Goiânia – GO com auxílio de percussão, com
circulação de água, utilizando-se um revestimento de “63,5mm” de diâmetro nominal.
Foram executados 12 furos de sondagem, num total de 99,60 metros perfurados.

Foram consideradas duas seções, os furos “SP 06” e “SP 10” (Figuras 17, 18 e
19), cujo Relatório de Sondagem SPT se encontra no Anexo.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 27

Av 136

Trecho F
Trecho H SP 10
SP 06
Av.2ª Radial
Figura 17 – Locais das seções analisadas

Figura 18 – Seção Tipo – Trecho H, SPT 06

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 28

Figura 19 – Seção tipo – Trecho H, SPT 10

3.3 Parâmetros do Solo

São necessários estudos em laboratório como cisalhamento direto e compressão


triaxial para definições de parâmetros de resistência como coesão, ângulo de atrito e
peso específico. Assim é possível obter uma confiabilidade maior em relação aos dados.
Porém, para um caso de estudo preliminar, de verificação, em que só se tenha resultados
de ensaios de SPT, há a possibilidade do uso de correlações com SPT ou tabelas e
fórmulas já conhecidas.

Segundo DÉCOURT (2002), os ensaios brasileiros executados rigorosamente


dentro das especificações da norma, atingem eficiência de 72%, porém na pratica do
dia-a-dia esses valores variam de 40% à 80%. Para uma correta interpretação dos
resultados, deve-se aplicar a correção de valores de “N” do ensaio de interesse para os
correspondentes a uma eficiência de 60% (N60), assim pode-se aproximar:

Para um ensaio Ni com eficiência Ei tem-se: N60=NiEi/N60, para valores de Ni


entre 50% e 80%.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 29

Com o valor do N60 obtido, foi utilizada a Tabela 5 obtenção dos dados.

Tabela 1 – Relatório Tabela de Parâmetros Médios do Solo (Joppet, 2007)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 30

A tensão admissível para solos coesivos foram adotadas de acordo com a Tabela
2.9 do livro Ensaios de Campo e suas aplicações à Engenharia de Fundações, Schnaid
(2000).

Gibbs e Holtz (1957) propuseram a seguinte equação para obter a densidade


relativa:

ࡰ࢘ = ඥ(ࡺࡿࡼࢀ/(૙, ૛૜ ∗ ࣌ࢂ࢕ + ૚૟) (8)

Skemptom em 1986 propôs a seguinte alteração na equação de Gibbs e Holtz:

ࡰ࢘ = ඥ(ࡺࡿࡼࢀ/(૙, ૛ૡ ∗ ࣌ࢂ࢕ + ૛ૠ) (9)

Neste estudo foi considerada a média entre os dois valores.

Para o cálculo do ângulo de atrito, foi utilizada a equação proposta por de Mello
(1971):

(૚, ૝ૢ − ∆ࡰ࢘ ) ‫∅ ܖ܉ܜ‬ᇱ = ૙, ૠ૚૛ (10)

Onde ∆ ࡰ࢘ é média das densidades relativas propostas por Gibbs e Holtz (1957) e
Skemptom (1986).

Os valores do coeficiente de Poisson foram adotados a partir de Massad (2005)


como esta a seguir:

• Solos coesivos: ν = 0,3;

• Solos granulares: ν = 0,25

O valor do ângulo é dado pela equação:


઼= ૜
φ (11)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 31

3.4 Análise Computacional

O programa MACSTARS® 2000 foi desenvolvido pela equipe do departamento


técnico da Maccaferri para verificação de estabilidade de solos reforçados, isto é,
estruturas que conferem estabilidade de taludes usando unidades de reforço capazes de
absorver as tensões de tração.

O programa permite conduzir as verificações de estabilidade usando o Método


do Equilíbrio Limite (Bishop e Janbu) também considerando taludes não reforçados.

Para uma primeira análise foram utilizados valores pontuais e determinados a


partir das médias dos parâmetros das camadas.

3.4.1 Interface do Programa

O ambiente utilizado pelo MacStars 2000 é um ambiente Windows, amigável e


de fácil manuseio, onde apresenta um menu principal similar aos programas do Office
(Word, Excel, PowerPoint, etc.) que dará as opções de partida ao usuário.

3.4.2 Inserindo dados

No menu ARQUIVO escolha a opção NOVO para começar um novo trabalho


(Figura 20).

Figura 20 – Inserindo novo trabalho

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 32

Sempre que um novo trabalho for iniciado será aberta uma janela onde será
mostrada uma lista para SELECÃO DAS NORMAS. Essa opção permite ao usuário
escolher uma das opções de norma prevista na base de dados do MacStars 2000, entre
elas a British Standard 8006 que é a principal norma conhecida para análise de
estruturas em solo reforçado.

Ao escolher uma norma (Figuras 21 e 22), deve-se estar ciente que as mesmas
são regidas por fatores de segurança parciais, ou seja, para cada parâmetro de entrada,
como solo, reforço, carga, haverá um fator multiplicador que reduzirá o valor desses
parâmetros. Por esse motivo aconselha-se que ao optar por trabalhar com uma dessas
normas, esteja com a mesma em mãos, pois também será pedido ao usuário o nível de
servicibilidade ou categoria que a estrutura deverá ser enquadrada.

Figura 21 - Seleção das normas

Figura 22 – Listagem das normas

A categoria mais comum é a opção NENHUM, que fará com que a estrutura
analisada esteja submetida apenas aos carregamentos impostos a ela pelo usuário. Dessa
forma será feita uma análise de equilíbrio limite, segundo o método escolhido pelo

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 33

usuário e o fator de segurança obtido será a relação entre as forças estabilizantes e as


instabilizantes as quais a estrutura estará submetida.

3.4.3 Tela de Trabalho

A tela inicial do programa MacStars é apresentada pela Figura 23.

Figura 23 – Tela de trabalho MacStars

3.4.4 Modelagem do Talude

O seguinte trabalho será modelado, via coordenadas (Figura 24), verificando


quanto à sua estabilidade frente às cargas aplicadas.

Verificações para o Muro


SFde = 6.172 FSto = 6.105 FSpf = 9.309 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
FREÁTICA
18

16

14

12

10

8
[m] 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24

Mac StARS 2000 N o m e d o P r o j e t o : T CC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S eç ã o t r a ns v e rs a l : Trecho H - h=2,00 - CORTE
Pasta: L oc a l : Marginal Córrego Botafogo A rq u i vo : TCC - Trecho H - muro

Figura 24 – Exemplo de talude já modelado

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 34

3.4.5 Propriedades do Solo

O primeiro passo para a modelagem de uma estrutura, é a inserção das


propriedades e camadas de solo existentes. Ao clicar em DADOS DE ENTRADA,
PROPRIEDADES DOS SOLOS (Figura 25), a seguinte janela surgirá na tela da Figura
26:

Figuras 25 – Escolha da Opção de Propriedades do Solo

Figura 2627 – Inserindo Propriedades do solo

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 35

Onde:

• Nome: código mostrado na legenda para identificar o solo;


• Descrição: texto que descreve o solo analisado; (opcional)
• Parâmetros necessários para o cálculo dos assentamentos: esta opção
permite abrir uma nova janela, onde o usuário deve descrever os parâmetros
de deformação do solo;
• Cor: essa opção permite selecionar a cor que será usada na representação
gráfica do solo;
• Coesão: valor da coesão em kPa; (tensão)
• Ângulo de atrito: valor do ângulo de atrito interno do solo expresso em
graus (°);
• Ru: constante de poropressão;
• Fator multiplicador para o ângulo de atrito: permite selecionar no menu de
rolagem a classe do multiplicador que será utilizada pelo ângulo de atrito;
(Apenas se houver uma Norma)
• Peso específico: permite escrever o peso específico em condições naturais
(acima do nível d’água) ou em condições de completa saturação (abaixo do
nível d’água);
• Fator multiplicador (para o peso específico): permite selecionar no menu de
rolagem a classe do multiplicador que será utilizada pelo peso específico;
(Apenas se houver uma Norma)

3.4.6 Geometria das Camadas

Após definidas as características de solo, devem ser definidas então a geometria


das camadas existentes. Ao clicar em DADOS DE ENTRADA, GEOMETRIA DAS
CAMADAS, a seguinte janela surgirá na tela da Figura 28:

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 36

Figura 28 – Geometria das camadas

Onde:

• Camada: código mostrado no relatório para identificar o solo;


• Descrição: texto que descreve a geometria; (opcional)
• Horizonte de rocha: quando esta opção for selecionada, significa que a
geometria inserida é um horizonte de rocha;
• Solo: código de indicação do solo da geometria inserida;

Tabela das coordenadas:


• X: valor da abscissa;
• Y: valor da ordenada;

3.4.7 Superfície Piezométrica

Pode também ser considerada a presença de água no solo, através da


consideração da superfície piezométrica (Figura 29).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 37

Figura 29 – Configurando a Supefície Piezométrica

3.4.8 Blocos

Após toda a modelagem do terreno, é inserido então os blocos do muro de


gravidade (Figuras 30 e 31):

Figura 30 – Tela inicial de Inserção de blocos

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 38

Figuras 31 – Inserção dos Blocos

Onde:

• Bloco: código mostrado no relatório para identificar o bloco;


• Fabricante: o nome da companhia que fabrica o tipo de unidade de reforço;
• Família de produtos: tipo de unidade de reforço (dado a ser selecionado da
lista disponível, dependendo do fabricante selecionado);
• Produto: nome da unidade de reforço (dado a ser selecionado da lista
disponível, dependendo do tipo de fabricante e família selecionados);
• Comprimento do reforço: comprimento total da unidade de reforço expresso
em metros (m);
• Espaçamento: intervalo vertical entre as unidades de reforço expresso em
metros (m); para alguns modelos este dado será preenchido
automaticamente
• Comprimento da ancoragem superior: é o comprimento da dobra sobre a
unidade de reforço expresso em metros (m);

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 39

• Posicionado sobre o bloco: este é o campo onde o usuário tem a


identificação do bloco sobre o qual poderá instalar o bloco atual;
• Inclinação do paramento: valor em graus do ângulo entre a vertical e a face
frontal do bloco; (um valor igual a zero identifica um bloco com face
vertical) ;
• Lado do talude: indica se o aterro do bloco será colocado a direita ou a
esquerda da respectiva face do bloco;
• Origem do bloco: abscissa e ordenada do canto inferior esquerdo do bloco
(quando orientado para a direita), ou direito bloco (quando orientado para a
esquerda);
• Comprimento base: o usuário deverá entrar com a largura do bloco (ao
longo do eixo das abscissas);
• Altura: o usuário deverá entrar com a altura do bloco (ao longo do eixo das
ordenadas);

3.4.9 Estabilidade Global

Com a estrutura já modelada é possível verificar a estabilidade global. As telas


das figuras 32 e 33 mostram a tela para escolha do método de cálculo:

Figura 32 – Análise de Estabilidade Global

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 40

Figura 33 – Método de cálculo para Estabilidade Global

Para a realização da verificação da estrutura quanto à estabilidade global, devem


ser selecionadas as seguintes opções:

• Tipo de Superfície: Circular


• Metodologia de cálculo: Bishop
• Intervalo para os pontos de início das superfícies
- Primeira abscissa (0)
- Segunda abscissa (50)
• Intervalo para os pontos de fim das superfícies
- Primeira abscissa (55)
- Segunda abscissa (90)
• Comprimento dos segmentos (1)
• Numero de superfícies a analisar (1000)
• Ângulo limite à esquerda (0)
• Ângulo limite à direita (0)
• Numero de pontos iniciais (100)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 41

Onde:

• Método de cálculo: Esta seleção fornece o comportamento das unidades de


reforços; rígido ou deformável
• Superfície: define o tipo de superfície; (circular ou poligonal randômica)
• Janbu ou Bishop: este botão ativa o método de cálculo selecionado; (a
opção Bishop pode ser selecionada apenas no caso de superfície circular)
• Intervalo para os pontos de início das superfícies: Par de coordenadas X
que definem a seção geométrica onde as superfícies potenciais de
deslizamento iniciaram;
• Intervalo para os pontos de término das superfícies: Par de coordenadas X
que definem a seção geométrica onde as superfícies potenciais de
deslizamento terminaram;
• Comprimento dos segmentos: comprimento dos segmentos que formam a
superfície de deslizamento;
• Ângulo limite a esquerda: é o ângulo (sempre positivo) que subentende a
parte superior da linha horizontal imaginária que parte do ponto inicial do
primeiro segmento da superfície de deslizamento; o programa considerará
um valor de 5 graus se ambos os ângulos forem zero
• Ângulo limite a direita: é o ângulo (positivo ou negativo) que subentende a
parte inferior da linha horizontal imaginária que parte do ponto inicial do
primeiro segmento da superfície de deslizamento; o programa considerará
um valor de -45 graus se ambos os ângulos forem zero;
• Número de superfícies a analisar: número de superfícies de tentativas
geradas;
• Número de pontos iniciais: número de pontos iniciais (eqüidistantes no
segmento inicial) das superfícies.

Depois de selecionada a modalidade a ser analisada, deve-se então realizar o


cálculo (Figura 34).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 42

Figura 34 – Cálculo da Estabilidade Global

3.4.10 Estabilidade Interna

Primeiramente, para a realização de um novo cálculo, deve ser realizada a


inserção de uma nova janela. Clicando sobre o menu Janelas, em seguida sobre a opção
Nova janela.

Quando o usuário inserir uma nova janela, ele deverá alterar a escala do desenho
para a mesma escala da janela anterior, utilizando o botão de teclas rápidas Escala.

Com a janela aberta e após solicitar a Análise da estabilidade interna, tem-se a


tela da figura 35.

Figura 35 – Análise da Estabilidade Interna

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 43

Onde:

• Método de cálculo: Esta seleção fornece o comportamento das unidades de


reforços; rígido ou deformável
• Superfície: define o tipo de superfície; (circular ou poligonal randômica)
• Janbu ou Bishop: este botão ativa o método de cálculo selecionado; (a
opção Bishop pode ser selecionada apenas no caso de superfície circular)
• Bloco: bloco a ser analisado;
• Intervalo para os pontos de término das superfícies: Par de coordenadas X
que definem a seção geométrica onde as superfícies potenciais de
deslizamento terminaram;
• Comprimento dos segmentos: comprimento dos segmentos que formam a
superfície de deslizamento;
• Ângulo limite a esquerda: é o ângulo (sempre positivo) que subentende a
parte superior da linha horizontal imaginária que parte do ponto inicial do
primeiro segmento da superfície de deslizamento; o programa considerará
um valor de 5 graus se ambos os ângulos forem zero
• Ângulo limite a direita: é o ângulo (positivo ou negativo) que subentende a
parte inferior da linha horizontal imaginária que parte do ponto inicial do
primeiro segmento da superfície de deslizamento; o programa considerará
um valor de -45 graus se ambos os ângulos forem zero
• Número de superfícies a analisar: número de superfícies de tentativas
geradas;

3.4.11 Verificação contra Tombamento e Deslizamento

A verificação é simples. Basta selecionar o bloco a ser analisado e inserir o valor


da pressão limite na fundação.

Onde:

• Bloco: o usuário deve selecionar o bloco que será analisado; (o muro


incluirá todos os blocos sobrepostos ao bloco selecionado)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 44

• Pressão limite na fundação: valor da pressão última (pressão de ruptura) na


base do bloco analisado; um valor nulo para este parâmetro,
automaticamente rodará o cálculo da capacidade de suporte da fundação
sem solicitar dados adicionais (Figura 36).
Verificações para o Muro
SFde = 1.612 FSto = 1.230 FSpf = 0.562 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18
LENÇOL

16

14

12

10

6
[m] 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30

Mac StARS 2000 N o m e d o P r o j e t o : TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S e ç ão t ra n sv e r sa l : Trecho H - h=2,00 - PERFIL NAT URAL
Pasta: L o c al : Marginal Córrego Botafogo A r qu i vo : TCC - T recho F - Muro

Figura 36 – Exemplo de Verificação como Muro

3.5 Estudo de Probabilidade

Para realizar o estudo de probabilidade foi considerado a distribuição uniforme


das variáveis (c, φ) e foi feito um estudo com valores pontuais da variação dos mesmos
parâmetros (c, φ). Para o trecho H os valores de coesão considerados foram 0, 1, 2 e 3
kPa, e o ângulo de atrito foram 30, 31, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 38, 39, 40, 41 e 42. Para o
Trecho F os valores de coesão considerados foram 0, 1 e 2 kPa, e o ângulo de atrito
foram 30, 31, 32 e 33. Com tudo isto foram calculadas 52 situações para cada análise de
estabilidade para o trecho H e 12 situações para cada análise de estabilidade para o
trecho F. Os fatores de segurança obtidos constam nas Tabelas B3 a B10 no Apêndice.

Com os fatores de segurança obtidos foram elaboradas as distribuição de


freqüência (histograma) dos FS, e a partir da distribuição de probabilidade normal (que
mais se ajustou ao histograma), foi obtida a probabilidade do FS ser menor que 1,0.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 45

Como referência na tabela em anexo, Harr (1987) propõe uma “Variação normal
padronizada”. Segundo Harr (1987), a partir do valor “h” tabelado é possível achar a
área do gráfico para uma distribuição normal (Tabela A1 no Anexo).

( x − x)
h=
σ ( x) (12)

Que é a mesma Equação (7) utilizada índice de confiabilidade (β) proposto por
Christian, Ladd e Beacher (1944). Substituindo o valor de “x” por 1,0 resulta justamente
na probabilidade, em porcentagem do FS ser menor que 1,0.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 46

4. RESULTADOS

4.1 Análises Determinísticas

Para uma primeira análise, foi considerada uma média dos parâmetros das
camadas das duas seções em questão. Os valores obtidos foram adotados no programa
Macstars.

Os parâmetros adotados para duas camadas do Trecho H de sondagem nº 06 e do


Trecho F de sondagem nº 10 do relatório foram os valores das Tabelas 2 e 3:

Tabela 2 - Parâmetros médios trecho SP 06

γ φ' c E δ
(kN/m³) (graus) (tf/m²) (Mpa) (⅔φ)

18,05 32° 1 22,79 22°

20,27 39° 3 145,20 26°

Tabela 3 - Parâmetros médios trecho SP 06

γ φ' c E δ
(kN/m³) (graus) (tf/m²) (Mpa) (⅔φ)

18,25 32° 1 20,09 21°

19,29 32° 2 32,45 21°

Sendo que a primeira linha se refere aos primeiros 5m de profundidade do perfil,


e a segunda camada as camadas seguintes.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 47

4.1.1 Verificação da Estabilidade Global do talude natural e com corte

Além da análise das seções com os muros já construídos, foram estudadas a


estabilidade global das seções com o seu perfil natural e o de corte. Com a modelagem
dos perfis, adotaram-se os parâmetros médios e foram obtidos os seguintes resultados
para o perfil natural (mostradas nas Figuras 37 e 38) e para o corte (Figuras 39 e 40):

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.811 Legenda
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
FREÁTICA
12

-4

[m] 16 20 24 28 32 36 40 44

Mac StARS 2000 No me d o Pr oj et o: TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S e ç ã o t r a n s v e r s a l : Trecho H - h=2,00 - PERFIL NAT URAL
Pasta: L o c a l : Marginal Córrego Botafogo A r q u i v o : T CC - T recho H - Perfil Natural 2

Figura 37 – Análise da estabilidade global Trecho H, SP 06

Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop


Fator de Segurança Calculado : 1.811

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.361 Legenda
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
24 LENÇOL

20

16

12

[m] 8 12 16 20 24 28 32

Mac StARS 2000 N ome do Pro jet o: T CC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S e ç ão tr a n sv e rs a l : Trecho H - h=2,00 - PERFIL NAT URAL
Pasta: L o c al : Marginal Córrego Botafogo A r q ui v o: TCC - Trecho F - Perfil Natural

Figura 38 – Análise da estabilidade global Trecho F, SP 10

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 48

Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop


Fator de Segurança Calculado : 1.361

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.377 Legenda
20
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
FREÁTICA

18

16

14

12

10

[m] 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26

Mac StARS 2000 N o m e d o P r oj e t o : TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 Se ção tr ansv er sal : T recho H - h=2,00 - CORT E
Pasta: Lo cal : Marginal Córrego Botafogo Arq uiv o: T CC - Trecho H - Corte

Figura 39 –Análise da estabilidade global do corte do Trecho H, SP 06

Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop


Fator de Segurança Calculado : 1.377

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.102 Legenda
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
24 LENÇOL

20

16

12

[m] 8 12 16 20 24 28 32

Mac StARS 2000 N o m e d o P r o j e t o : TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S eçã o tra ns ver sa l: T recho H - h=2,00 - PERFIL NATURAL
Pasta: L oca l: Marginal Córrego Botafogo Ar qu ivo : TCC - Trecho F - Corte

Figura 40 – Análise da estabilidade global do corte do Trecho F, SP 10

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 49

Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop


Fator de Segurança Calculado : 1.102

Com os valores de F.S obtidos conclui-se, como esperado, que o talude em seu
perfil natural é estável. Já no caso dos cortes, esse valor sofre um decréscimo justamente
pela inclinação elevada para a construção do gabião. No caso do trecho SP 10 obteve-se
um valor baixo de 1,102. Apesar de ser uma situação provisória, deve-se atentar para
esse trecho e para sua estabilidade.

4.1.2 Verificação da Estabilidade Global do talude reforçado

Assim como na análise para o perfil natural do solo e o corte, foi verificada a
estabilidade global da estrutura das seções do trecho H (Figuras 41 e 42) e do trecho F
(Figuras 43 e 44).

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.625 Legenda
20
GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18 FREÁTICA

16

14

12

10

[m] 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26

Mac StARS 2000 N o m e d o P r o j e t o : TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S eç ão t r an sv er sa l : Trecho H - h=2,00 - CORTE
Pasta: L oc al : Marginal Córrego Botafogo Ar qu iv o : TCC - Trecho H - muro

Figura 41 – Análise da Estabilidade Global do Trecho H – SP 06

Força atuante nos Reforços de acordo com o Método Rígido


Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop
Fator de Segurança Calculado : 1.625

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 50

Análise da estabilidade global (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.247 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18
LENÇOL

16

14

12

10

6
[m] 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30

Mac StARS 2000 Nom e d o Pro jet o: TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 Seç ão tra nsv ers al: Trecho H - h=2,00 - PERFIL NATURAL
Pasta: Loc al: Marginal Córrego Botafogo A rqu ivo : T CC - Trecho F - Muro

Figura 42 – Análise da Estabilidade Global do Trecho F – SP 10

Força atuante nos Reforços de acordo com o Método Rígido


Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop
Fator de Segurança Calculado : 1.247

Usualmente em projetos utiliza-se como critério um F.S mínimo de 1,5 para a


estabilidade global da contenção. Na seção SP 06 foi encontrado um valor acima do
usual, enquanto na seção SP 10 esse valor foi abaixo de 1,5. Apesar de não ser um F.S
usualmente adotado para projetos, o valor de F.S igual a 1,247 é suficiente para a
estabilidade teórica da estrutura.

4.1.2 Verificação da Estabilidade Interna do talude reforçado

Para a verificação de estabilidade interna do muro de gravidade, foi verificado


apenas para bloco mais próximo da fundação por este receber a força atuante mais
crítica (Figuras 43 e 44).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 51

Análise da estabilidade interna (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.465 Legenda
20
GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18 FREÁTICA

16

14

12

10

[m] 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26

Mac StARS 2000 No m e d o Pr o j et o : T CC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 Se ç ão tr a ns v er s al : T recho H - h=2,00 - CORT E
Pasta: Lo c al : Marginal Córrego Botafogo A r qu i vo : T CC - Trecho H - muro

Figura 43 – Análise da estabilidade interna do corte do Trecho H, SP 06

Força atuante nos Reforços de acordo com o Método Rígido


Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop
Fator de Segurança Calculado : 1.465

Análise da estabilidade interna (Método de cálculo: Rígido)


SF = 1.257 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18
LENÇOL

16

14

12

10

6
[m] 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30

Mac StARS 2000 N o m e d o P r o j e t o : TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 S e ç ão t ra n sv e r sa l : Trecho H - h=2,00 - PERFIL NAT URAL
Pasta: L o c al : Marginal Córrego Botafogo A r qu i vo : TCC - T recho F - Muro

Figura 44 – Análise da estabilidade interna do corte do Trecho F, SP 10

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 52

Força atuante nos Reforços de acordo com o Método Rígido


Análise de estabilidade com superfícies circulares de acordo com o Método de Bishop
Fator de Segurança Calculado : 1.257

Novamente na seção do SP 10 resultou em um fator de segurança menor que 1,5


para a estabilidade interna. Somente seria aceitável se fosse uma obra provisória. Para
valores como esse, necessita-se um estudo geotécnico mais detalhado do local.

4.1.3 Verificação contra Tombamento e Deslizamento do reforço

A verificação contra o tombamento e deslizamento são apresentadas em


conjunto como apresentado nas Figuras 45 e 46.

Verificações para o Muro


SFde = 6.172 FSto = 6.105 FSpf = 9.309 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
FREÁTICA
18

16

14

12

10

8
[m] 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24

Mac StARS 2000 Nom e d o Pro jet o: TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 Seç ão tra nsv ers al: Trecho H - h=2,00 - CORT E
Pasta: Loc al: Marginal Córrego Botafogo A rqu ivo : T CC - Trecho H - muro

Figura 45 – Verficações para o muro do Trecho H, SP 06

Bloco Considerado : GAB1


Pressão disponível na Fundação [kN/m²] : 250.00
Força Horizontal Máx [kN/m] : 7.53
Fator de Segurança contra o Deslizamento : 6.172
Momento Máx. de tombamento [kN*m/m] : 6.53
Fator de segurança contra o tombamento : 6.105

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 53

Pressão Máx. na fundação [kN/m²] : 40.28

Verificações para o Muro


SFde = 1.612 FSto = 1.230 FSpf = 0.562 Legenda
20 GABIÃO
REATERRO
SOLO 1 A 5M
SOLO 5 A 8
18
LENÇOL

16

14

12

10

6
[m] 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30

Mac StARS 2000 No me d o Pr oj et o: TCC - Rodrigo Jaber


Maccaferri
Stability Analysis
of Reinforced Slopes
Data: 27/03/2011 Se çã o t ra ns v er sa l: T recho H - h=2,00 - PERFIL NATURAL
Pasta: Lo ca l : Marginal Córrego Botafogo A rq u iv o: T CC - T recho F - Muro

Figura 46 – Verficações para o muro do Trecho H, SP 06

Bloco Considerado: GAB1


Pressão disponível na Fundação [kN/m²] : 150.00
Força Horizontal Máx [kN/m] : 56.57
Fator de Segurança contra o Deslizamento : 1.612
Momento Máx. de tombamento [kN*m/m] : 158.06
Fator de segurança contra o tombamento : 1.230
Pressão Máx. na fundação [kN/m²] : 267.13

Nesta análise de tombamento e deslizamento a pressão máxima na fundação é


maior que a disponível. Nesse caso recomenda-se um reforço na base para que não haja
uma deformação excessiva. Além disso, o fator de segurança encontrado contra o
deslizamento foi menor que 1,5. Esse valor não é aceitável para obras permanentes. Há
então a necessidade de um estudo mais detalhado da seção e reverificação da
estabilidade.

Abaixo, a Tabela 4 apresenta os resultados da análise determinística:

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 54

Tabela 4 – Resumo dos F.S para a Análise Determinística


Ruptura
Ruptura Global Tombamento Deslizamento
Interna
Seção
Perfil
Corte Muro Muro Muro Muro
Natural
H– SP 06 1,811 1,377 1,625 1,465 6,105 6,172

F – SP 10 1,361 1,102 1,247 1,267 1,230 1,612

4.2 Estudo de Probabilidade

A partir dos parâmetros do solo obtido através de correlações, foram obtidos


valores para coesão e ângulo de atrito diferentes em cada camada. Variando os
parâmetros de coesão e ângulo de atrito com o valor máximo e mínimo encontrados
(como mencionado na metodologia), foi feita um histograma dos valores do F. S.
observando-se uma distribuição normal da frequência.

4.2.1 Verificação da Estabilidade Global

Os histogramas dos fatores de segurança estão nas Figuras 47 e 48:

9
8
7
6
Frequência

5
4
3
2
1
0
1 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9
Fator de Segurança

Figura 47 – Histograma F.S Ruptura Global – SP 06 Trecho H

Onde:

Desvio Padrão:

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 55

σ = 0,1946

Média:
ഥ = 1,476

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr (1987)


obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 0,64%

2.5

2
Frequência

1.5

0.5

0
1 1.02 1.04 1.06 1.1 1.14 1.16 1.18 1.2 1.22 1.24 1.28
Fator de Segurança

Figura 48 – Histograma F.S Ruptura Global – SP 10 Trecho F

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 0,07552
Média:
ഥ = 1,1467

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr


(1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 2,639%

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 56

Apesar da média dos F.S serem abaixo dos 1,5, os índices de confiabilidade
encontrados são aceitáveis pois demonstram uma probabilidade baixa de ruptura.

4.2.2 Verificação da Estabilidade Interna

Os histogramas dos fatores de segurança estão nas Figuras 49 e 50:

5
Frequência

0
1.13 1.20 1.26 1.33 1.39 1.45 1.52 1.58 1.65 1.71 1.78
Fator de Segurança

Figura 49 – Histograma F.S Ruptura Interna – SP 06 Trecho H

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 0,162
Média:
ഥ = 1,4439

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr


(1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 0,31%

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 57

2.5

2
Frequência

1.5

0.5

0
1.12 1.14 1.16 1.18 1.2 1.22 1.24 1.26 1.3
Fator de Segurança

Figura 50 – Histograma F.S Ruptura Interna – SP 10 Trecho F

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 0,0526
Média:
ഥ = 1,1933

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr


(1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 0,02%

Novamente as médias dos F.S apresentaram valores abaixo do aceitável. Porém


o índice de confiabilidade indica uma probabilidade baixa de ruptura, o que a torna
aceitável.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 58

4.2.3 Verificação contra Tombamento

Para a verificação contra tombamento, obteve-se os histogramas apresentados


nas figuras 51 e 52.

16
14
12
Frequência

10
8
6
4
2
0
1
6
11
16
21
26
31
36
41
46
51
56
61
66
71
76
81
86
91
96
101
106
Fator de Segurança

Figura 51 – Histograma F.S contra Tombamento – SP 06

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 15,731
Média:
ഥ = 4,974

A distribuição do FS não corresponde a uma distribuição normal devido


provavelmente a influência da coesão nula para um ângulo de terrapleno maior que o
ângulo de atrito, mesmo assim para ter uma idéia e utilizando a equação da
confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr (1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 40,13%

O índice de confiabilidade foi baixo devido ao tombamento ser influenciado


diretamente e de forma significativa pela coesão. Assim sendo, para valores de coesão
baixos, o terrapleno se torna instável.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 59

4
Frequência

0
0 1.1 1.15 1.25 1.35 1.45 1.6
Fator de Segurança

Figura 52 – Histograma F.S contra Tombamento – SP 10

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 0,669
Média:
ഥ = 0,7425

A distribuição do FS não corresponde a uma distribuição normal devido


provavelmente a influencia da coesão nula para um ângulo de terrapleno ser maior que o
ângulo de atrito, mesmo assim para ter uma idéia e utilizando a equação da
confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr (1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 64,80%

O índice de confiabilidade novamente foi baixo devido ao tombamento ser


influenciado diretamente e de forma significativa pela coesão. A freqüência de Fatores
de Segurança nulos se deve à instabilidade real que existe para valores de coesão
baixos.

4.2.4 Verificação contra Deslizamento

Para a verificação contra deslizamento, foram obtidos os resultados apresentados


nas Figuras 53 e 54:

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 60

12

10

8
Frequência

0
0.8 1.2 1.6 2.0 2.3 2.7 3.1 3.4 3.8 4.2 5.3 6.4 8.2
Fator de Segurança

Figura 53 – Histograma F.S contra Deslizamento – SP 06

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 1,450
Média:
ഥ = 2,103

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr


(1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 21,77%

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 61

3.5

3
Frequência 2.5

1.5

0.5

0
0.5 0.6 1 1.3 1.4 1.5 1.6 1.8
Fator de Segurança

Figura 54 – Histograma F.S contra Deslizamento – SP 10

Onde:

Desvio Padrão:
σ = 0,507
Média:
ഥ = 1,152

Utilizando a equação da confiabilidade e usando a tabela proposta por Harr


(1987) obteve-se:

Para F.S < 1,0 = 38,59%*

Os valores do índice de confiabilidade foram baixos devido à coesão e geometria


da seção. Novamente percebe-se a influência da coesão na estabilidade de seções com
terraplenos inclinados.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 62

A Tabela 4 a seguir resume os fatores de segurança obtidos através do estudo


probabilístico:

Tabela 5 – Resumo dos F.S obtidos no Estudo Probabilístico

Desvio
Média Mínimo Máximo FS<1 (%) FS<1,5(%)
Padrão
Ruptura Global – 1,47 0,19 1,09 1,87 0,64 81,59
Trecho H – SP 06
Ruptura Global – 1,14 0,07 1,01 1,27 2,63 75,8
Trecho F – SP 10
Ruptura Interna– 1,44 0,16 1,13 1,77 0,31 55,17
Trecho H – SP 06
Ruptura Interna – 1,19 0,05 1,1 1,28 0,02 94,77
Trecho F – SP 10
Tombamento – 4,97 15,73 0 107,07 40,13 41,91
Trecho H – SP 06
Tombamento – 0,74 0,67 0 1,57 64,8 75,17
Trecho F – SP 10
Deslizamento – 2,1 1,4 0,84 8,2 21,76 23,49
Trecho H – SP 06
Deslizamento – 1,15 0,5 0,49 1,95 38,59 85,85
Trecho F – SP 10

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 63

5. CONCLUSÃO

Primeiramente, com o estudo realizado com base em relações analíticas,


propostas por diversos autores, procurou-se correlacionar resultados de sondagens tipo
SPT (NSpt) com os parâmetros de resistência do solo, isto sempre considerando o
estudo como preliminar, recomendando-se sempre a realização de ensaios de laboratório
específicos.

Por utilizar valores médios, o estudo determinístico resulta em valores pontuais


do fator de segurança, além disso, não representam a variabilidade dos parâmetros do
solo e nem a necessidade de atenção para situações críticas. Em uma situação
corriqueira, um fator de segurança que se aproxime de 1,5 pode ser considerada
aceitável e na verdade pode não representar uma certeza de sucesso.

Com o estudo probabilístico, pode-se observar que a variabilidade de parâmetros


pode mostrar situações de risco que necessitam de uma prevenção e análise cuidadosa.
No estudo apresentado o grande exemplo foi a variação da coesão (c) principalmente na
seção de terrapleno mais inclinado (Trecho F – SP 10). Quando o solo é considerado
sem coesão, no trecho onde o terrapleno é bastante íngreme e sendo a inclinação maior
que o ângulo de atrito (Ø) e dessa forma não há estabilidade na estrutura. A inclinação
do terrapleno em solos arenosos ou não coesivos não pode ser maior que o ângulo de
atrito do solo.

Outro ponto observado foi que o solo da fundação na seção de muro de 3 metros
de altura não suporta a pressão máxima na fundação. Neste caso recomenda-se um
reforço da fundação utilizando lastro de rachão para aumentar a capacidade de suporte
de cargas.

O valor mínimo do FS para a análise determinística foi de 1,1 e o valor mínimo


do FS para a análise probabilística foi de 0,74 mostrando uma redução significativa e
um valor abaixo de 1,0 indicando a ruptura da contenção e, por conseguinte, a
importância do estudo da variabilidade dos parâmetros do solo. Além disso o estudo
probabilístico fornece para o valor de FS mínimo de 0,74 uma probabilidade de ruptura
(FS <1,0) de 64,89%, o que significa mais um alerta para este tipo de análise de

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 64

tombamento com relação às demais análises como mostrado nas probabilidades baixas
encontradas.

Este estudo é apenas preliminar quando considerando uma distribuição normal,


sendo que algumas análises apresentaram distribuição diferente da normal (log-normal).

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 65

6. BIBLIOGRAFIA

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6484 (EB


1980). Solo - Sondagens de simples reconhecimento com SPT - Método de ensaio.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10514 (EB


1804). Redes de aço com malha hexagonal de dupla torção, para confecção de gabiões.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 11682 (NB


1315). Estabilidade de taludes.

ALMEIDA BARROS, P. L. Obras de Contenção. Publicação editada pelo departamento


técnico, 2005.

CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos solos e suas aplicações – Rio de Janeiro,
Livros Técnicos e Científicos, 1974.

JOPPERT JR, Ivan. Fundações e Contenções de Edifícios – São Paulo: Editora PINI,
2007.

HARR, M. E. Reliability- Based Design in Civil Engineering – United States of


America, 1987.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S..Dicionário Houaiss da Lingua Portuguesa / Antônio


Houaiss e Mauro de Salles Villar, elaborado no Instituto Antônio Houaiss de
Lexicografia e Banco de Dados da Lingua Portuguesa S/C Ltda. – Rio de Janeiro:
Objetiva, 2001.

MACCAFERRI. Gabiões Maccaferri. Publicação editada pelo departamento técnico

MASSAD, Faiçal. Obras de Terra: Curso Básico de Geotecnia / Faiçal Massad – São
Paulo: Oficina de Textos, 2003.

MOLITERMO, Antônio. Caderno de Muros de Arrimo /Antônio Molitermo – 1927.


Editora Edgard Blücher Ltda. São Paulo, SP, 1980.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 66

RANZINI, S.M.T.; NEGRO, A.J.; Obras de contenção: tipos, métodos construtivos,


dificuldades exectivas. Fundações: Teoria e prática. São Paulo: PINI, 1998, p.497-515,
cap. 13.

SCHNAID, Fernando. Ensaios de Campo e suas aplicações à Engenharia de Fundações


– São Paulo: Oficina de Textos, 2000.

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 67

7. ANEXOS - A

Figura A1 – Como montar Gabião Caixa (Maccaferri)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 68

Figura A2 – Relatório de Sondagem SPT 06 (SETE Serviços Técnicos de Engenharia LTDA, 2010)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 69

Figura A-3 – Relatório de Sondagem SPT 10 (SETE Serviços Técnicos de Engenharia LTDA, 2010)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 70

Tabela A1 – Standardized Normal Variate (Harr, 1987)

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 71

8. APÊNDICE – B

Tabela B1 – Parâmetros Médios do Trecho H, SPT nº 06

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 72

Tabela B2 – Parâmetros Médios do Trecho H, SPT nº 10

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 73

Tabela B3 – SP 06 – F.S Ruptura Global

SPT 06 - Distribuição Normal - F.S. para Ruptura Global

φ'
(graus)
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42
c
(tf/m²)

0 1,099 1,143 1,188 1,233 1,28 1,328 1,378 1,428 1,48 1,533 1,589 1,645

1 1,181 1,224 1,269 1,315 1,362 1,41 1,459 1,51 1,562 1,615 1,67 1,727

2 1,252 1,297 1,342 1,389 1,436 1,485 1,535 1,586 1,639 1,693 1,748 1,806

3 1,316 1,362 1,408 1,455 1,503 1,553 1,603 1,655 1,708 1,762 1,819 1,876

Tabela B4 – SP 06 – F.S Ruptura Interna

SPT 06 - Distribuição Normal - F.S. para Ruptura Interna (crítica)

φ'
(graus)
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42
c
(tf/m²)

0 1,131 1,168 1,205 1,244 1,283 1,324 1,365 1,407 1,45 1,494 1,539 1,586

1 1,195 1,233 1,27 1,309 1,348 1,388 1,429 1,471 1,514 1,558 1,604 1,651

2 1,251 1,29 1,329 1,37 1,411 1,451 1,493 1,535 1,578 1,622 1,668 1,715

3 1,307 1,346 1,386 1,426 1,467 1,51 1,553 1,597 1,641 1,685 1,731 1,778

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 74

Tabela B5 – SP 06 – F.S Tombamento

SPT 06 - Distribuição Normal - F.S. para Tombamento

φ'
(graus)
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42
c
(tf/m²)

0 0 0 0 0 0 0 0 1,044 1,125 1,542 1,661 1,798

1 0 0 0 0 1,16 1,259 1,376 1,515 2,203 2,174 2,338 2,525

2 1,217 1,341 1,467 1,618 1,801 2,028 2,56 2,787 3,055 3,87 4,341 4,934

3 2,084 2,376 2,757 3,277 3,807 4,747 5,468 6,432 7,789 9,839 30,39 107,07

Tabela B6– SP 06 – F.S Deslizamento

SPT 06 - Distribuição Normal - F.S. para Deslizamento

φ'
(graus)
31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42
c
(tf/m²)

0 0,849 0,892 0,939 0,99 1,046 1,108 1,176 1,253 1,34 1,438 1,55 1,681

1 1.022 1,08 1,144 1,215 1,294 1,383 1,483 1,597 1,73 1,884 2,067 2,287

2 1,284 1,369 1,465 1,573 1,696 1,839 2,005 2,203 2,44 2,732 3,1 3,577

3 1,727 1,869 2,034 2,229 2,461 2,744 3,096 3,546 4,142 4,969 6,197 8,208

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 75

Tabela B7 – SP 10 – F.S Ruptura Global

SPT 10 - Distribuição Normal - F.S. para Ruptura


Global
φ' (graus)
30 31 32 33
c (tf/m²)

0 1,017 1,057 1,099 1,141

1 1,085 1,126 1,167 1,209

2 1,153 1,194 1,235 1,277

Tabela B8 – SP 10 – F.S Ruptura Interna

SPT 10 - Distribuição Normal - F.S. para Ruptura


Interna
φ' (graus)
30 31 32 33
c (tf/m²)

0 1,103 1,132 1,162 1,192

1 1,148 1,179 1,208 1,238

2 1,194 1,224 1,255 1,285

R. Jaber
Estudo da Probabilidade de Ruptura de uma estrutura de contenção em gabiões... 76

Tabela B9– SP 10 – F.S Tombamento

SPT 10 - Distribuição Normal - F.S. para


Tombamento
φ' (graus)
30 31 32 33
c (tf/m²)

0 0 0 0 0

1 0 1,04 1,116 1,203

2 1,219 1,32 1,437 1,575

Tabela B10 – SP 10 – F.S Deslizamento

SPT 10 - Distribuição Normal - F.S. para


Deslizamento
φ' (graus)
30 31 32 33
c (tf/m²)

0 0,496 0,526 0,561 0,6

1 0,565 0,604 0,648 0,698

2 0,657 0,708 0,767 0,836

R. Jaber