Você está na página 1de 1

-1-

A maravilhosa alegria da Escuridão Acausal

Em essência, a Tradição Sinistra está interessada em mudanças pessoais e supra-pessoais, em evolução para formas
superiores, na criação de um novo tipo de ser humano.
Para isso, precisamos de visão, precisamos sentir o espírito satânico de desafio e de alegria – a Escuridão Acausal dentro
de nós. Precisamos de desafios, precisamos de provas, temos de aceitar e tornar-nos a Força da Natureza, do próprio
Cosmos, que seleciona através da extirpação os mundanos: aqueles de boa vontade, cujo espírito é inerte, ao invés de
Prometheano.
A verdade é que a Tradição Sinistra representa o caos que é Acausal, a gênese de evolução para formas superiores e uma
maior existência, enquanto que os outros – os mundanos – representam e são uma estúpida normalidade massiva da
causalidade, são e representam uma involução.
A dura realidade acausal é que os mundanos ou são dispensáveis, ou estão em sua melhor matéria prima para se motivarem
a uma mudança. Apresentamos a ambos a possibilidade de mudança – para uma maior e sinistra existência – e com a prática
do caos, terror e heresia que serve para lembrá-los de quem realmente são. Pois, como já foi escrito:
“É de fundamental importância – para evoluir tanto individualmente como de outra maneira - que o que é obscuro, sinistro
ou satânico é realizado de modo prático, diversas vezes. Ou seja, aquilo que é perigoso, impressionante, numinoso, trágico,
mortal, terrível, aterrador e além do poder de mortais comuns, leis ou governos de controle, é manifestado. Com efeito, não
iniciados (e mesmo iniciados) precisam constantemente lembrar que tais coisas ainda existem, e que precisam
constantemente ser trazidas á tona, contactar aquilo que é, ou parece ser, inexplicável, incontrolável, potente e “mal”. Eles
precisam lembrar-se de sua própria mortalidade, dos inexplicáveis e imprevisíveis Poderes do Destino e da poderosa Força
da Natureza.
Se isso significa matança, guerras, sofrimento, sacrifício, terror, doença, tragédia e perturbações, então essas coisas devem
ser um dos deveres de um iniciado satânico para que se presencie a Escuridão, e preparar o caminho da mudança e
evolução resultantes de tais coisas. Coisas assim são, e sempre serão, devido à maioria das pessoas permanecerem inertes
e sub humanas, a não ser que mudem. A maioria é assim e sempre serão, até que evoluam para se tornar algo mais –
matérias primas a serem utilizadas, moldadas, cortadas e adaptadas para criar o que deverão se tornar. Não existe algo como
uma pessoa inocente porque todo mundo que existe é parte do Todo, da mudança, da evolução, da presença da própria
vida, que está além deles, e sua vida só tem sentido através da mudança, do desenvolvimento e da evolução da vida. A sua
importância é o que eles podem tornar-se ou o que pode ser alcançado através de sua morte, dramas e vivência – a
importância não reside na sua felicidade ou desejos individuais, etc.
O próprio Cosmos é a mudança, um fluxo do causal e acausal. Nossa mudança – como seres humanos no momento
presente de nossa história, e geralmente vinculados á causalidade – está prestes a deixar nosso lar da infância, este
planeta, e expandir externamente, explorar as estrelas e planetas de nossa galáxia, para descobrir e preparar-nos para
encontrar desafios grandes o suficiente para mudança e superação, pois esse é o objetivo: um crescimento maduro – assim
criando terreno para uma espécie humana nova e maior.
É esta visão - de tal mudança, tais desafios, uma nova espécie humana – que é difundida pela ONA, é sua Mágicka interna
Aeônica, seus Mitos, seus Nexions, seus camaradas, e aqueles indivíduos intrépidos inspirados por tudo isso.
E a falta dessa visão – a falta de Escuridão Acausal interior, a falta de caráter satânico – que distingue a Velha Ordem
vinculada a este planeta, destinada a satisfazer os desejos de lei e segurança que os mundanos, os normais, imploram em
sua simiesca existência.
Tudo o que permite a realização de nossa grandiosa visão obscura é conveniente em utilizar o valor da causalidade,
enquanto que tudo o que vai contra a nossa visão cósmica sinistra – o nosso Mito motivador, a nossa ética esotérica – é
para ser desprezado, contrariado e vencido.
Para mudar, para evoluir, para sermos a escuridão acausal através da gênese de mudança tanto individual como para
outrem, nós precisamos ser, de modo prático e pessoal, nas palavras de um Adepto Sinistro: “A escuridão que é necessária
e sem a qual é impossível a evolução e a sabedoria...”. Também precisamos ser nossa própria antítese, o perigo entre e além
dele – precisamos ser as formas causais do Bem e do Mal, Luz e Trevas, e em seguida tratar essas formas como impostoras,
ilusórias, deixá-las longe de nós, após termos aprendido com elas, tendo crescido a partir delas.
Então, e só então ter tomado o primeiro passo – para além do abismal desconhecido – em direção á gênese, a cria de uma
nova e superior espécie humana.

Anton Long