Você está na página 1de 20

ANHANGUERA EDUCACIONAL

SOROCABA

ENGENHARIAS CIVIL, PRODUÇÃO E MECÂNICA

ALBERTO MOTA DE OLIVEIRA

DANIELA APARECIDA RIBEIRO

DOUGLAS WILLIAN PEREIRA CAMARGO

MANUTENÇÃO NUM ELEVADOR

SOROCABA

2018
ALBERTO MOTA DE OLIVEIRA

DANIELA APARECIDA RIBEIRO

DOUGLAS WILLIAN PEREIRA CAMARGO

MANUTENÇÃO NUM ELEVADOR

Trabalho de conclusão dos 3º e 4º semestre


apresentado aos cursos de Engenharias Civil,
Produção e Mecânica da Anhanguera
Educacional requisito parcial à obtenção do
titulo de Bacharel em Formação.

Orientador: Júlio Nogueira

SOROCABA

2018

2
ALBERTO MOTA DE OLIVEIRA

DANIELA APARECIDA RIBEIRO

DOUGLAS WILLIAN PEREIRA CAMARGO

MANUTENÇÃO NUM ELEVADOR

Trabalho de conclusão dos 3º e 4º semestre


apresentado aos cursos de Engenharias Civil,
Produção e Mecânica da Anhanguera
Educacional requisito parcial à obtenção do
titulo de Bacharel em Formação.

Sorocaba, 30 de Novembro de 2018

____________________________________
Orientador: Professor Muller
Anhanguera Educacional
Tutor Presencial

_____________________________________
Examinador: Professor Júlio Nogueira
Anhanguera Educacional
Tutor Online

3
RESUMO

Diante de uma ocorrência, de uma dificuldade, sempre se propor a melhorias e


contramedidas com finalidade de sanar o problema. Uma falha mecânica em um
elevador, ferramenta útil para a vida humana, porém de alto risco de vida se não
executar atividades constantes como as corretivas e preventivas. Temos um desafio
de corrigir o problema, através de desenho técnico, calculo, física e princípios da
eletricidade e do magnetismo com uma fundamentação teórica, com as medidas
utilizadas para busca de resultados.
Palavra-Chave: Dificuldades, Contramedidas, Desafio, Resultados.

4
ABSTRACT
Faced with an occurrence, a difficulty, always propose to improvements and
countermeasures in order to remedy the problem. A mechanical flaw in an
elevator, useful tool for human life, but high risk of life if not performing constant
activities such as corrective and preventive. We have a challenge to correct the
problem, through technical design, calculus, physics and principles of electricity and
magnetism with a theoretical foundation, with the measures used to search for results.

Key word: Difficulties, countermeasures, challenge, results.

5
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 - Desenho da Peça..................................................................................11

Figura 2 - Diagrama representativo de um indutor solenoide................................18

Quadro 1 - Ferramentas e Comandos do Autocad...............................................12

6
LISTA DE TABELAS

Tabela 1 -................................................................................................................14

Tabela 2 - ...............................................................................................................14

7
SUMARIO

OBJETIVOS...............................................................................................................9
1. INTRODUÇÃO .....................................................................................................10
2. DESENHO TECNICO..........................................................................................12
3. DESENHO TECNICO AUXILIADO POR COMPUTADOR.................................13
3.1 AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO AUTOCAD....................................20
3.1.1 Vantagens.......................................................................................................20
3.1.2 Desvantagens.................................................................................................20
4. CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III........................................................22
5. PRINCIPIOS DA ELETRICIDADE E DO MAGNETISMO ..................................24
6. FISICA GERAL E EXPERIMENTAL: ENERGIA ……………………...................25
7. CONCLUSÃO......................................................................................................27
REFERÊNCIAS.......................................................................................................29

8
OBJETIVOS

Estabelecer o funcionamento do Elevador sem perigo de risco a vida e humana e


qualidade no atendimento ao cliente. Com estudos avançados da engenharia, será
identificado através do desenho técnico da peça com estudos de cálculos e físicas
para corrigir o problema e colocar em funcionamento o elevador.

9
1 INTRODUÇÃO

O trabalho busca solução inteligentes que precisam solucionar uma falha


mecânica num determinado elevador, quais operações e atividades serão necessários
para alterar o sistema e verificar as modificações a ser realizadas.
Após um processo investigativo com a finalidade de identificar a causa raiz do
problema em questão do componente que apresentou falha, a polia, e com o objetivo
de verificar se a mesma é adequada para o sistema, para que o motor em questão
entre em funcionamento e consiga permitir o movimento do elevador, é necessário
que seja gerado internamente a ele um determinado fluxo magnético e o estator do
motor, onde é gerado o campo magnético que permite a sua rotação, pode ser
modelado de forma simplificada como um indutor.
A polia para o elevador é uma peça produzida em ferro fundido, sendo um
importante componente de segurança de elevadores, pois existem diferentes tipos de
polia para elevador, como a polia de tração, que serve para apoiar os cabos
movimentados pela máquina de tração e a polia do regulador de velocidade, que é um
componente fundamental do sistema de segurança do elevador, sendo acionada no
momento em que a velocidade ultrapassa um limite pré-estabelecido.
É realizado uma contramedida através da engenharia para colocar o
equipamento em perfeito funcionamento e evitar possíveis e futuros problemas.

“O papel do engenheiro dentro de uma sociedade mais justa e


moderna é fundamental. Um profissional criativo, empreendedor e
voltado para os desafios científico-tecnológicos, deve contribuir
muito para a qualidade de vida dos cidadãos. Para o setor produtivo
industrial, também, o grande desafio atual recai sobre o engenheiro,
pois, nesta era de evolução tecnológica, antes de tudo, os melhores
produtos são as boas idéias.” ( BAZZO, 1997 )

Conhecendo o problema a ser resolvido e as leis físicas que o regem, o


engenheiro usa de inventiva e criatividade. Com os recursos e as ferramentas que
possui, ele passa à solução do problema, de maneira correta e eficiente, ou seja,
dentro de custos realistas. É incontestável que a engenharia moderna depende sim,
cada vez mais, dos conhecimentos científicos e dos desenvolvimentos tecnológicos,
porém jamais vai prescindir do empirismo e principalmente de uma característica
altamente desejável para um bom desempenho profissional: a criatividade.

10
2 DESENHO TECNICO

11
3 DESENHO TECNICO AUXILIADO POR COMPUTADOR

Desenho assistido por computador ou CAD (do inglês: computer aided design)
é o nome dado a sistemas computacionais (software) utilizados pela engenharia,
geologia, geografia, arquitetura e design para facilitar o projeto e desenho
técnicos.Ferramentas utilizadas para efetuar desenhos auxiliados por um computador

QUADRO 1 – Ferramentas e Comandos do Autocad

FERRAMENTAS UTILIDADES COMANDO


LINE DESENHAR LINHAS L-ENTER
CADA NOVA LINHA
POLYLINE COMPOE UM NOVO PL-ENTER
OBJETO
APAGAR UM EXCESSO
TRIM EXISTENTE ENTRE A ENTER-ENTER
INTERSEÇÃO DE PELO
MENOS DUAS LINHAS
PROLONGA UMA LINHA
EXTEND SE EXISTIR UM PONTO EX-ENTER-ENTER
DE PARADA
CRIAR UMA LINHA OU
OFFSET POLINHA DO MESMO O-ENTER
COMPRIMENTO E
INDICAÇÃO
UNIR DUAS LINHAS
INCLINADAS, SENDO
CHANFER NECESSARIO UM CHA-ENTER
PROLONGAMNETO OU
ENCURTAMENTO
FORMA SUAVE COM
FILLET PRESENÇA DE UM F-ENTER
ARCO

12
DESENHAR
RECTANGE RETANGULOS REC-ENTER

3.1 AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DO AUTOCAD

3.1.1 Vantagens

As vantagens são a diminuição no tempo para realizar uma analise de um


projeto, pois realiza de forma rápida e descomplicada, melhora a produtividade dos
profissionais, restringe as possibilidades de erros, pois possui recursos que examina
e revisa os projetos, reduz os gastos, e diminui o prazo para a sua finalização, possui
um sistema que calcula com exatidão os custos de criação.

Apresenta uma padronização de procedimentos, e nos detalhamentos,


melhores desenhos, propicia documentar o projeto, contribui para avaliar de que modo
esse projeto irá trabalhar por ele próprio, possibilita a modificação caso necessário, o
projeto fica digitalizado na memória do computador proporcionando que um projeto
finalizado seja modificado, mantendo, contudo as versões anteriores, o sistema CAD
é capaz de armazenar todas as informações e dados do projeto, em apenas um
servidor de computador, por consequência as informações do projeto podem ser
acessadas pela internet, por pessoas que se encontram envolvidas no projeto, utiliza
um sistema de parâmetros geométricos para produzir uma imagem, elabora modelos
tridimensionais que podem ser observados seja qual for o ângulo e também podem
ser rodado em qualquer eixo.

Possibilita melhor desempenho, permite que decisões sejam tomadas


enquanto o projeto está em desenvolvimento, garantido sua qualidade, precisão,
rapidez desse modo sua perfeição.

3.1.2 Desvantagens

As desvantagens são o alto preço para á aquisição do software, pois cada


software tem uma aplicação específica para cada tipo de produto, custo na aquisição
de hardware, requerendo o mais avançado, as atualizações precisam ser constantes,
gastos nas renovações da licença alugadas, o preço alto para a formação de
profissionais.

13
9.

Exemplos de programas de desenho técnico auxiliado por computador

 Sketchup é um software, que demostra com detalhamento o projeto,


apresenta de forma realista, volumes tridimensionais, elevações simples, viabiliza a
criação de maquetes em 3D, com precisão, possibilita a visualização dos estágios do
projeto, e que de maneira ficara ao final.

 Solidworks é um software que possui ferramentas para solucionar


problemas mais complexos, contém gerenciamento de dados com todas as
informações do projeto, possuindo um fluxo de trabalho de montagem mais
simplificado, o software tem funções para migração de projetos 2D para 3D ,possibilita
a interação com outros software disponíveis .

 BIM é um software que permite a inclusão de informações e


detalhamento sobre o projeto, representação em 2D e 3D,possibilita o
armazenamento e compartilhamento de informações do projeto em modelo único
,viabilizando o seu acesso e alteração em qualquer momento por integrantes do
projeto , permitindo está sempre melhorado e atualizado
O software a ser utilizado seria o BIM, a justificativa é por possui ferramentas
de informação necessárias para o desenvolvimento de um projeto, que são
fundamentais para a sua execução, deste planejamento prazo orçamento, matérias
até especificações técnicas.

14
4 CALCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III

15
5 PRINCIPIOS DA ELETRICIDADE E DO MAGNETISMO

Figura 2 – Diagrama representativo de um indutor solenoide

Dado um determinado sentido de corrente atravessando o fio que compõe o


solenoide, podemos utilizar a regra da mão direita para descobrir o sentido do campo
magnético, que se comporta como um fluxo magnético que atravessa seu interior.
O campo magnético que atravessa qualquer ponto no interior de um solenoide
ideal depende do número de espiras, do comprimento e da corrente elétrica que o
atravessa, N é o número total de espiras no solenoide. O resultado independe da
geometria do solenoide, ou seja, é válido para espiras circulares, quadradas ou com
outro formato qualquer.
Podemos também calcular o fluxo magnético no solenoide, bastando para isso
conhecer sua área interna A, uma vez que o campo magnético é aproximadamente
constante.

Peso = massa x gravitação

P = 500 x 10 P = 5000 N

A força equivale a 5000N, uma para baixo e outra para cima, tração do cabo, o que
resulta numa aceleração de 2 m / s².

Forca resultante = massa x aceleração

(Forca tracão - peso) = 500 x 2 (T - 5000) = 1000 T = 6000 N

16
O campo magnético no interior do solenoide é diretamente proporcional à
corrente elétrica que o atravessa e ao número de voltas em seu enrolamento, mas
inversamente proporcional ao seu comprimento

17
6 FISICA GERAL E EXPERIMENTAL: ENERGIA

18
7 CONCLUSÃO

19
REFERENCIAS

BASSANEZI, R.C. Modelagem Matemática: Teoria e Prática. São Paulo: Contexto,


2015. (Disponível na Biblioteca Digital)

BASSANEZI, R.C. Ensino-Aprendizagem com Modelagem Matemática: Uma Nova


Estratégia. São Paulo: Contexto, 2014. (Disponível na Biblioteca Digital)

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática.


São Paulo: Ed. Contexto, 2004. 389 páginas.

SILVA, M.A. Modelatem Matemática: Equações Diferenciais em Cursos de


Graduação. 2014. Trabalho de Conclusão do Curso Superior de Licenciatura em
Matemática. IFSP. São Paulo.

SPERANDIO, D., MENDES, J.T., SILVA, L.H.M. Cálculo Numérico. São Paulo:
Pearson Education. 2014. (Disponível na Biblioteca Digital) VARGAS, J.V.C., ARAKI,
L.K. Cálculo Numérico Aplicado. São Paulo: Manole. 2017. (Disponível na Biblioteca
Digital)

http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/15/artigos/01_064.pdf

https://ead.avaeduc.com.br/

https://ead.avaeduc.com.br/mod/url/view.php?id=70649

20