Você está na página 1de 4

Figuras Rítmicas

NOME SÍMBOLO “NOME”

Semibreve  1

Mínima   2

Semínima     4

Colcheia         8

Semicolcheia                 16

Acima está uma tabela que mostra a relação de duração entre as várias figuras rítmicas. Quanto maior o
rectângulo, mais longa é a figura. A relação entre as figuras é sempre de metade/dobro.

Se definirmos que a Colcheia tem a duração de 1 pulsação, a Semínima dura 2, a Mínima 4, a Semibreve
8 e a Semicolcheia meio segundo. Contudo, o mais frequente é ser a Semínima a valer uma pulsação.

Uma pulsação pode durar o tempo que se quiser.

Podemos imaginar a escrita musical como uma construção de legos. Existe um determinado espaço a ser
preenchido (compasso), que tem um número certo de m2 (tempos).

1º tempo 2º tempo 3º tempo 4º tempo


____________________________________________________________________

   

O compasso acima possuí 4 tempos e a figura que vale 1 tempo (uma pulsação) é a Semínima, então a
colocarmos uma Semínima no compasso, esta ocupa imediatamente um tempo completo. De seguida
foi colocada uma Colcheia, como esta figura apenas vai valer meio tempo, torna-se necessário
completar o resto do tempo com outra figura (neste caso foi uma outra colcheia, mas podiam ter sido,
por exemplo, duas Semicolcheias). Como a Mínima possuí a duração de 2 tempos, ocupa logo os tempos
que faltavam. As figuras com “bandeira” podem ser agrupadas quando ocupam o mesmo “tempo”.

= =
Nota: Os compassos não têm de ser preenchidos “tempo a tempo” (como aliás se viu no caso da
Mínima), uma figura pode transitar de um tempo para outro, o que não pode acontecer é haver um
excesso de figuras (tempos) no compasso.

Outros exemplos de preenchimento:

1º tempo 2º tempo 3º tempo 4º tempo


____________________________________________________________________

   

1º tempo 2º tempo 3º tempo 4º tempo


____________________________________________________________________

           

Como saber quantos tempos e qual a figura que vale um tempo tem um determinado compasso.

Um compasso é definido por dois números, com o nome de numerador (superior) e denominador
(inferior). Como os próprios nomes indicam, o numerador numera (“quantos”) e o denominador dá
nome (“de quê”) (daí, na primeira tabela, existir o campo “NOME”, este não nos indica apenas a
quantidade de figuras nessa linha, mas sim o número a ser usado no lugar de denominador).

Estes números indicam-nos que cada compasso terá 4 tempos (pulsações) e que a figura que valerá
1 tempo é a que tem o “nome” 4, ou seja, a Semínima. Este foi o tipo de compasso usado nos exemplos
anteriores.

Dois tempos em cada compasso, é a Semínima que vale 1 tempo (unidade de tempo).
Mais comuns

Três tempos em cada compasso, é a Semínima a unidade de tempo.

Quatro tempos em cada compasso, é a Semínima a unidade de tempo.

Dois tempos em cada compasso, é a Semibreve a unidade de tempo.

Três tempos em cada compasso, é a Mínima a unidade de tempo.

Quatro tempos em cada compasso, é a Colcheia a unidade de tempo.

Há outros tipos de compasso que não vale a pena abordar agora.


Leitura de notas

Uma pauta por si só, não é o suficiente para começar a escrever notas. Necessitamos de um outro
símbolo chamado CLAVE.

Neste caso temos a Clave de SOL, que está “colocada” sobre a 2ª linha da pauta (de baixo para cima).
Como tal, a nota colocada na 2ª linha da pauta será a nota SOL.

Existem mais claves, mas não abordarei agora quais, nem o porque de existirem.

LÁ SI DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI DÓ RÉ MI

Como se pode ver, quando a pauta “acaba” é necessário desenhar “linhas suplementares” (inferiores ou
superiores) para continuar a desenhar as notas pretendidas.

No violino/bandolim as cordas soltas são as seguintes:

SOL RÉ LÁ MI

Nota específica: quando na peça Mary had a little mandolin, aparecer a indicação de primeiro dedo (o
algarismo 1 por cima duma nota), este é para ser sempre colocado na 2ª “casa” (2º espaço a contar da
pestana), em cima da corda solta mais próxima abaixo da nota com digitação.

Isaura, espero que este mini-nano-micro guia te seja útil. Penso ter incluído todas as informações
necessárias para que possas auxiliar a Maria no estudo.

Bom trabalho!
Luís