Você está na página 1de 4

Como criar o seu próprio Deus

Publicado 17 de fevereiro de 2019

“O Homem foi criado à ideia e à semelhança de Deus”, assim dizem os religiosos. Mas
aqueles que detém o poder da criação não só podem como também devem criar seu próprio
Deus, ou quem sabe um panteão inteiro.

Atenção: não continue lendo se você é um


beato
A ideia de que Deus está acima de tudo e de todos e de que precisa ser adorado a todo
instante acaba por criar uma barreira nas mentes mais religiosas. Para os beatos, é um
sacrilégio não tratar Deus como o único criador.
O que não faz o menor sentido, se você considerar a criatividade inata de cada ser humano.
Também somos excelentes inventores, nos aventurando nas densas e coloridas águas da
imaginação.
Por isso mesmo podemos criar nossos próprios deuses, e analisar como se espalham,
modificam a cultura e são adorados de formas que não podemos controlar.

As características do seu Deus


Seu Deus (Ou Deusa, ou ser sem identidade definida) pode ser baseado num sonho distante,
numa filosofia de vida. Pode até mesmo ser o sincretismo de vários outros diversos deuses.
Seja como for, você precisa ter todas de forma muito evidente na sua mente.
Você pode criar o seu Deus sozinho ou com a ajuda de outras pessoas. Apenas tenha
cuidado com a energia envolvida no processo de criação. Suponho que a divindade do seu
Deus é muito importante para você, então não prejudique isso com energias perniciosas.
Você pode pensar num Deus com características animais, humanas, ou até mesmo
cósmicas, assim como Lovecraft. Faça desenhos, esculturas ou até mesmo use ferramentas
de avatares que auxiliem na criação física deste Deus.
Se ele for apenas um conceito abstrato e filosófico, descreva bastante exatamente o que ele
significa, de maneira clara, ainda que utilize parábolas ou metáforas.

Cosmogonia
Como este Deus surgiu? Mesmo que tenha sido apenas de você, dos seus sonhos, da sua
criação, é importante que você descreva uma analogia. Pegue os elementos que realmente
importam e que simbolizem o nascimento deste Deus.
O ambiente
Todo Deus, mesmo que seja apenas um conceito, precisa viver em algum tipo de ambiente.
Caso não seja o seu caso, então descreva-o apenas como “O Vazio” ou alguma outra
metáfora que seja inteligível para a mente humana.
Tenha em mente a morada deste Deus e seja capaz de descrevê-la com certa perfeição. Crie
situações e parábolas a respeito do seu Deus. Como ele se comporta perante os outros Deus
e as forma-pensamento? No que ele se difere?
O Culto
O que difere um Deus de outras formas-pensamento é que Deuses são adorados. Por isso, é
essencial que você monte um pequeno culto para seu Deus.
Se haverá altar, como deve ser montado? Quais são as ferramentas mágicas que agradam
este Deus? Quais são os símbolos e as oferendas que agradam este Deus?

Como ele será difundido


Deuses nascem quando passam a ser reconhecidos pela mente coletiva. Desta forma, você
precisa de uma forma para difundir a palavra.
Para isso, você pode usar a técnica do hipersigilo. Uma boa dica é começar a cultuar o seu
próprio Deus por si mesmo ou por um grupo confiável de amigos, publicando os resultados
nas redes sociais.

A mente coletiva
Tenha em consideração: uma vez que seu Deus for apresentado para o público, logo suas
características sofrerão algumas mudanças importantes. Isto acontece porque, assim que seu
Deus é compartilhado, ele fará parte de uma egrégora e se tornará o resultado da mente
coletiva.

Quem você é perante este Deus?


Será você apenas um profeta ou alguém que semeou este conceito? Você está à frente do
culto ou apenas observando como o culto continua?
É importante, desde o princípio, que você saiba exatamente quem você é e se firme neste
papel. Você não será capaz de controlar completamente tudo que acontece a respeito do seu
Deus, mas será a parte mais atuante, o que é de suma importância.

A seguir: Dando vida ao seu Deus e alimentando a egrégora


Dando vida ao seu Deus e
alimentando a egrégora
Publicado 24 de fevereiro de 2019

No episódio anterior, conversamos sobre como criar o seu deus. Agora iremos nos focar na
parte prática: sobre como dar vida à deidade.

Forma de nascimento
A sua deidade nascererá primeiro na sua imaginação, portanto, os elementos que você criou
fazem a diferença no momento de começar o ritual. Pegue tudo que representa a divindade e
coloque na sua frente. Isto é: desenho, velas coloridas, essências, ervas, até mesmo
estatuetas que você mesmo pode produzir.

1. Faça um banimento
2. Abra um círculo
3. Consagre todos os elementos que você tem a sua frente
4. Entre em estado de gnose
5. Imagine o momento de nascimento da sua divindade: pode ser de um ovo cósmico tirado do
seu terceiro olho, pode ser nascendo do seu dedo etc. Aqui eu vou dar uma opção que eu
adoro: a fenda cósmica.
6. Com seu dedo indicador e o dedo do meio, imagine-se abrindo uma “fenda cósmica” de
cima para baixo, que rasgue o tempo e o espaço. Desta fenda cósmica sua divindade foi
criada do jeito que você imaginou.
7. Dê boas-vindas à sua divindade e a consagre em seu nome
8. Diga o nome completo da divindade e palavras de poder relacionadas a ela. Aqui entra
também sua imaginação! Pode ser algo como: “vá e viva!”
9. Faça um banimento para desfazer o círculo e acabar com o ritual

Você sendo o primeiro a cultuá-lo


Se você criou a sua divindade sozinho, você obviamente é o primeiro a cultuá-lo. Para que
ele se transforme de fato numa deidade, é preciso que você faça com que mais pessoas
participem do culto de modo a criar uma egrégora.
Mas não se intimide, para aumentar a egrégora, basta tornar público suas práticas. Poste a
respeito da sua experiência com a deidade, quais são os benefícios de se trabalhar com ela e
quais foram os resultados.

É importante que você deixe bem evidente como devem trabalhar com a deidade, para que
todas as pessoas compreendam melhor os coiceitos e as correspondências.

Culto público
De fato, é mais rápido e prático começar com um pequeno grupo que possa alimentar a
deidade com as suas rezas e práticas diárias relacionadas.

É importante que você, sendo o criador e porta-voz da deidade, organize melhor este culto.
Escreva as preces, os símbolos, os sigilos, até mesmo o livro sagrado. Caso queira, escreva
as diretrizes que as pessoas do culto devem seguir.

De preferência, torne algumas práticas públicas para atrair mais seguidores e ofereça outras
mais secretas para os membros mais assíduos. Esta é uma forma de manter o culto mais
interessante e misterioso.

À medida que a egrégora aumentar, seu deus ficará mais poderoso e mais vivo.

Interesses relacionados