Você está na página 1de 26

Ministério de Música e Artes – RCC DF

OFICINA DE VIOLÃO
- Módulo Básico -

ELABORAÇÃO: Frank Tagino MMA-RCC-DF


REVISÃO: Nilton Vilhena SETOR XII - MMA-RCC-DF

1
Ministério de Música e Artes – RCC DF

HISTÓRIA DO INSTRUMENTO
Antes de começarmos a abordar nossos assuntos referente ao violão, vamos dar
um pequeno espaço para falarmos sobre a história dele. Bom o violão é um
instrumento musical de cordas, que são tangidas com os dedos ou com palhetas.
Tem um corpo plano e entalhado com uma abertura no meio e um braço com
trastes transversais. As cordas são presas, de um lado, a um cravelhal, e de outro,
a um cavalete. Abrange uma extensão de três oitavas e uma quinta.

O instrumento existe desde tempos antigos, mas a primeira referência escrita data
do século VII na Espanha e em meados do século XVIII assumiu sua forma
moderna e até hoje os melhores instrumentos são fabricados na Espanha. O grande
responsável pelo desenvolvimento do violão foi um carpinteiro chamado San
Sebastian de Almeida(1817-1892).

Conhecido como Torres, ele foi sem dúvida a figura mais importante na história do
violão, e muitos instrumentos da atualidade são fabricados com base nos
instrumentos de Torres.

Ao contrário do que muitos pensam, o acústico é muito mais difícil de ser tocado do
que o elétrico (guitarra, teclado, etc..) pois não conta com a ajuda e efeitos que só a
eletrônica possui, a maior parte do "show" que você vê em um concerto de rock é
pura eletrônica e é claro com algumas técnicas

Já o acústico, todos arranjos e efeitos são executados pelo talento do músico, mas
você poderá usar um pouquinho da eletrônica para dar um brilho na música, usando
um pedal ou um efeito, nada de exagero, só para dar um brilho especial na música!

CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO INSTRUMENTO

O violão pode ser:

Violão nylon - é aquele que usa cordas de nylon, possue um número reduzido de
modelos e é usado em estilos leves como toda MPB e as músicas Clássicas.

Violão aço - é aquele que usa cordas de aço, possue um universo de modelos, o
mais versátil é o folk, pois ele aceita ser tocado em vários estilos principalmente o
POP e ROCK, além de podermos executar vários arranjos de baixo e guitarra, como
já foi dito antes, e ainda podemos usar palheta de guitarra para toca-lo, que
particularmente não sobrevivo sem as palhetas pois elas dão um som mais brilhante
que ser tocado pelos dedos, alem de proporcionarem uma grande velocidade nos
solos, como se fosse uma guitarra.
2
Ministério de Música e Artes – RCC DF

CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO ESTILO

Violão harmonia - faz apenas o fundo da música para dar um brilho, nelas são
valorizadas as 3as e 5as arpejando as cordas e acordes.

Violão Melodia - é o método em que seguimos a música, tocamos todos os acordes


valorizando as notas reais da música. Violão Solo é o estilo onde tocamos apenas as
notas principais da melodia.

Violão Base - É o estilo que dá mais peso à música, ele é tocado com palhetas e
batidas.

Música - É a arte de combinar sons de uma maneira agradável.

Melodia - Combinação de sons sucessivos;

Harmonia - Combinação de sons simultâneos;

Ritmo - Uma combinação de valores das notas dispostas no tempo em que são
executadas;

Existem maneiras diferentes de tocar o violão onde temos:

Violão Cifrado - O mais usado pelos violonistas onde o instrumento é usado para
acompanhar seu canto, dispondo de acordes ou posições embutidos em um ritmo.

Violão Solado - Um método mais aprofundado onde o intérprete executa a melodia da


música sem cantar. Muito usado em música erudita onde os violonistas realizam
verdadeiras "acrobacias" com o instrumento.

3
Ministério de Música e Artes – RCC DF

PARTES DO VIOLÃO

O BRAÇO DO VIOLÃO

Cada uma das seis cordas do violão possui uma afinação diferente e são nomeadas
conforme essa afinação.
Podemos ainda identificar cada corda por uma numeração. Elas são contadas de baixo
para cima.
As casas, espaço onde digitamos as notas, são contadas da mão até a boca do violão.

6ª corda

5ª corda

4ª corda

3ª corda

2ª corda

1ª corda 4
Ministério de Música e Artes – RCC DF

DEFINIÇÕES BÁSICAS

ESCALA = é uma série de sons ascendentes ou descendentes na qual o último som


será a repetição do primeiro.
INTERVALO = é a distância entre dois sons.
SEMITOM (ou 1/2 tom)= é o menor intervalo entre dois sons
TOM = é o intervalo formado por dois semitons.
SUSTENIDO (#) = eleva o som em um semitom.
BEMOL (b) = abaixa o som em um semitom.
MÚSICA = é uma arte cuja a matéria fundamental é o som, que através dele formamos
a melodia, harmonia e o ritmo.
SOM = é o choque entre dois objetos sonoros, possui quatro qualidade básicas: altura,
intensidade, timbre e duração.
ALTURA = é a propriedade que podemos distinguir os sons graves, médios e agudos.
INTENSIDADE = é a força empregada na execução dos sons. As músicas poderão ser
tocadas forte, fraco etc.
TIMBRE = é a qualidade pela qual podemos distinguir o corpo sonoro (instrumentos).
DURAÇÃO = é a qualidade pela qual podemos distinguir o prolongamento das notas.

MÃOS

Dedos da mão esquerda

Indicador - 1
Médio - 2
Anular - 3
Mínimo - 4

Dedos da mão direita


A M
Polegar - P I

Indicador - I P
Médio - M
Anular - A

5
Ministério de Música e Artes – RCC DF

O NOME DAS NOTAS

As sete notas musicais que usamos são:


DÓ - RÉ - MI - FÁ - SOL - LÁ - SI

As notas DÓ - RÉ - MI - FÁ - SOL - LÁ - SI, formam a escala de tom maior.


As notas da escala também podem ser chamadas de graus.

DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI
I II III IV V VI VII

No Brasil, usamos as letras do alfabeto também para denominar as cifras, ou seja, os


acordes.

CIFRAS

As cifras são um padrão usado para escrever as notas musicais usando letras. É
fundamental aprender a notação musical, ou seja a representação de cada nota.

DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI

C D E F G A B

TONS MAIORES E TONS MENORES

Para diferenciarmos a notação musical entre tons maiores e tons menores, usamos a
letra m (caixa baixa) para os tons menores.

NOTAS DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI

TONS MAIORES C D E F G A B

TONS MENORES Cm Dm Em Fm Gm Am Bm

OBS: O melhor é que as cifras sejam decoradas. Para isso pratique muito cada acorde
para conhecê-lo melhor e dessa maneira ficar mais fácil lembrar.

6
Ministério de Música e Artes – RCC DF

ACIDENTES MUSICAIS

Existem dois acidentes: BEMOL (b) e o SUSTENIDO (#).

SUSTENIDO (#): Eleva a altura da nota em ½ tom


BEMOL (b): Abaixa a altura da nota em ½ tom

Atente para a regrinha:

Baixando ½ Tom - BEMOL ( b )


Subindo ½ Tom - SUSTENIDO ( # )

Obs.: As notas MI e SI não admitem SUSTENIDOS.


As notas FÁ e DÓ não admitem BEMOL.

TABELA DE NOTAS E SEUS ACIDENTES


Escala Cromática

Ascendente = SUSTENIDO

DÓ# RÉ# FÁ# SOL# LÁ#


DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI DO
RÉb MIb SOLb LÁb SIb

Descendente = BEMOL

As notas em Bemol ou Sustenidos podem emitir o mesmo som, mas recebem dois
nomes diferentes. Observe a disposição das notas no braço do instrumento.

Note que há uma igualdade no som de algumas notas:

Dó# = Réb
Ré# = Mib
Fá# = Solb
Sol# = Láb
Lá# = Sib

7
Ministério de Música e Artes – RCC DF

As únicas notas que não são separadas por meio tom são:

Mi e Fá
Si e Dó

Ou seja, não se costuma chamar de Mi# ou Fáb, ou ainda, Dób ou Si#.

TOM E SEMITOM

1 Tom = semitom (meio tom (½)) + semitom (meio tom (½))

Exemplo:
A distância entre C e D é de 1 tom (dois semitons)

C C# D
(½) tom (½) tom
1 tom

De C até C#, meio tom.


De C# até D mais meio tom
Então a distância de C até D é de 1 tom

NOTAS NO BRAÇO DO VIOLÃO

ESCALAS

Antes de começarmos a formação dos acordes, é necessário saber quais notas irão
fazer parte na formação destes acordes.
8
Ministério de Música e Artes – RCC DF

Este conjunto de notas que irão fazer parte da formação dos acordes chamamos de
Escala. Note que sobre cada nota usaremos uma numeração romana para
representarmos o grau que esta nota representa dentro dessa escala.

Por exemplo, a escala de dó.

I II III IV V VI VII VIII


Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó

Neste conjunto de notas iremos formar os acordes da tonalidade de Dó maior.

ESCALA MAIOR

A escala maior é formada por:

Escalda de Dó maior:

I II III IV V VI VII VIII


Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó

Fórmula básica da escala maior:

T T ST T T T ST

ESCALA MENOR

A escala menor é formada por:

Escala de Lá menor:

I II III IV V VI VII VIII


Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol Lá

Fórmula básica da escala menor:

T ST T T ST T T

9
Ministério de Música e Artes – RCC DF

FORMAÇÃO DE ACORDES

Cifras

É um processo utilizado para representar os acordes, para isso utilizam-se as letras do


alfabeto.

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó língua latina

C D E F G A B C língua saxônica

Acorde

Acorde é um conjunto de notas, tocadas juntas ou arpejadas (tocando uma nota após a
outra), seguindo alguns princípios para a sua formação.

ACORDE OU TRÍADE MAIOR

Tomando com exemplo a escala de C:

Temos:

I II III IV V VI VII VIII


C D E F G A B C

Um acorde maior, no caso, Dó maior, tomamos as seguintes notas:

A nota fundamental do acorde que também leva o nome do acorde no caso (C);
Uma terça maior (E)
Uma quinta justa (G)

Então a tríade maior fica assim: 1a 3a 5a ou C E G

Não importando a ordem das notas, esta combinação de três notas resulta no acorde
de Dó Maior.

10
Ministério de Música e Artes – RCC DF

DIAGRAMA DE ACORDES

No nosso estudo o acorde será representado por um gráfico que representa uma
reprodução do braço do violão, veja abaixo:

As linhas horizontais representam os trastes e as verticais são as cordas.


As letras e números representam as cordas do instrumento.

MONTAGEM DE ACORDE

No exemplo do acorde de Dó maior teremos o seguinte posicionamento:

MÃO ESQUERDA

Indicador (dedo 1) - corda 2, casa 1


Médio (dedo 2) - corda 4, casa 2
Anular (dedo 3) - corda 5, casa 3
11
Ministério de Música e Artes – RCC DF

O polegar é colocado na parte de trás do braço e os demais dedos sobre as cordas na


parte da frente. Observe a Fig. 2. A mão deve ser posicionada de tal forma que o
polegar não ultrapasse o braço do violão, deixando a mão livre para percorrer o braço
do instrumento.

Na formação de um acorde mantenha os dedos na posição mais vertical possível, isto


evita um abafamento indesejado nas outras cordas. Veja Fig. 3.

MÃO DIREITA

A mão direita deverá cair sobre o tampo do violão fazendo uma espécie de concha. É
importante coloca a mão de maneira espontânea sem forçar e sem retesar os nervos.

O polegar deve sempre ficar a frente dos demais dedos num ângulo aproximado de
noventa graus em relação ao dedo indicador.

12
Ministério de Música e Artes – RCC DF

Nesta posição o polegar ao tocar a corda 4 não atrapalha o dedo indicador posicionado
na corda 3. Observe a Fig. 1.

POSTURA

Para o violão popular não há uma posição padrão como há no violão clássico. Sentado
o violinista apoia o violão sobre a perna esquerda, que devera estar apoiada em
banquinho de mais ou menos vinte centímetros.

O dedo polegar da mão esquerda deve permanecer sempre que possível no centro
posterior do braço do violão Mas devemos observar algumas coisas necessárias a um
melhor desempenho futuro.

Se por acaso você quiser tocar de pé, será necessário que você adquira uma correia,
que você poderá comprar em qualquer casa de venda de instrumentos musicais, esta
correia deve ser bem larga para evitar que tenhamos dificuldades em permanecer
durante um tempo muito longo com o instrumento pendurado devido a dores no ombro.

Segure o instrumento de forma que sua coluna permaneça reta, ou seja, evite curvar-
se para ver as casas no braço do violão, e se você ainda vai realizar compra de um
violão, observe que em alguns violões os botões ficam na parte superior do braço
justamente para que você localize as casas sem ter que olhar diretamente para as
casas.

Quando tocar sentado evite se apoiar sob o violão, permaneça com a coluna reta
sempre evitando olhar para o braço do violão.

13
Ministério de Música e Artes – RCC DF

RITMO E DEDILHADOS

Vamos executar agora alguns exercícios de dedilhado

MÃO DIREITA:

P = Baixo
I = Indicador
M = Médio
A = Anular

1º Exercício:
Para praticar este dedilhado vamos treinar no acorde de Dó maior.

PIMIAIMIP

2º Exercício
Ritmo de Valsa. Para praticar este exercício vamos usar os acordes de Ré e Lá maior.
P IMA IMA P IMA IMA

3º Exercício
Batida. Ritmo Balada

P I IMA I P I IMA I P
↓ ↑ ↓ ↑ ↓ ↑ ↓ ↑ ↓

14
Ministério de Música e Artes – RCC DF

Agora vamos praticar exercícios de dedilhados juntamente com montagem de


sequência de acordes. Assim exercitamos as duas mãos.

Para você praticar esses dedilhados, utilize essa seqüência de acordes (mão
esquerda) assim como mostrado nas figuras. Primeiro G (Sol maior), depoisC (Dó
maior) e por fim D (Ré maior):

Lembre-se: Primeiro toque o dedo “P” onde esta marcando o “X”, no diagrama de
acorde. Depois siga a seqüência indicada em cada exemplo. Como há três divisórias
nas figuras abaixo, cada divisão corresponde a um acorde. 1ª divisão G, 2ª
divisão C e na 3ª divisão D. Treine bastante!!

15
Ministério de Música e Artes – RCC DF

Obs.: Essas figuras correspondem as cordas do violão. As cordas mais


grossas (bordões) estão na parte inferior. As cordas mais finas (primas) estão na
parte superior.

16
Ministério de Música e Artes – RCC DF

PRIMEIRAS SEQÜÊNCIAS PARA SE ESTUDAR

| C | Am | Dm | G :||

| C | Em | F | G :||

| C | C7 | F | G | C Am | Dm | G7 :||

| D | F#m | G | A :||

| D | Bm | G | Em | A :||

| D D7| G | A | D Bm | Em | A :||

| Em | G | D | C :||

| Em | C | D :||

| Em | Am | D | G :||

| F | Dm | Bb | C :||

| F | C | Dm | Am | Bb :||

| G | Bm | C | D :||

| G | D | Em | Bm | C :||

| E | A | B :||

| E | C#m | A | F#m | B7 :||

| E | E7| A | B | E | C#m | F#m | B :||

17
Ministério de Música e Artes – RCC DF

ACORDES MAIORES

18
Ministério de Música e Artes – RCC DF

ACORDES MENORES

19
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA EM C (DÓ MAIOR)

20
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA DE D (RÉ MAIOR)

21
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA EM E (MI MAIOR)

22
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA EM F (FÁ MAIOR)

23
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA EM G (SOL MAIOR)

24
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQÜÊNCIA HARMÔNICA EM A (LÁ MAIOR)

25
Ministério de Música e Artes – RCC DF

SEQUÊNCIA HARMÔNICA EM B (SI MAIOR)

26