Você está na página 1de 2

CUSTO COMPARADO

Parede-diafragma Apesar de mais cara, solução de


grampeamento do solo permitiu ganho
de área e redução no tempo de execução

atirantada x solo grampeado

DIVULGAÇÃO
Nas obras da nova unidade do Hos-
pital Beneficência Portuguesa, na ca-
pital paulista, o sistema adotado na
contenção das paredes verticais, com
13,5 m, foi o solo grampeado. A ou-
tra proposta apresentada na licitação
previa a execução de muros de arri-
mos com paredes-diafragmas atiran-
tadas. Embora a proposta de solo
grampeado fosse mais cara, o projeto
geotécnico elaborado pelo professor
Luciano Décourt ofereceu soluções
técnicas habilitadas a gerar uma eco-
nomia considerável de recursos na
Descrição: Centro Médico-hospitalar
obra. Beneficência Portuguesa-SP, com 13 andares
A opção pelo solo grampeado, ape- Área útil: 23 mil m²
sar de mais cara, permitiu um custo fi- Área do terreno: 7,5 mil m²
nal, pelo menos, 38% mais baixo do que Área total construída: 24 mil m²
Início da obra: maio de 2000
a parede-diafragma. A execução de-

28 Construção Mercado no 11 junho 2002


DIVULGAÇÃO
Solo grampeado
Quantidade Custo unitário (R$) Custo total (R$)
Aço para chumbador 20.654 kg 1,53 31.600,62
Cimento (para concreto e injeção) 3.545 sacos 13,90 49.275,50
Fibra para concreto 8.482 kg 1,70 14.419,40
Areia 290 m³ 27,30 7.917,00
Pedrisco 185 m³ 29,30 5.420,50
Mão-de-obra e equipamentos 1.996 m² 198,60 396.405,60
Total 505.038,62

Parede-diafragma atirantada
Quantidade Custo unitário (R$) Custo total (R$)
Concreto dosado em central 798 m³ 110,00 87.780,00
Aço CA-50A 60.130 kg 1,53 91.998,90
Mão-de-obra e equipamentos 1.996 m² 108,50 216.566,00
Tirantes (materiais e mão-de-obra) 3.420 kg 125,00 427.500,00
Total 823.844,90
Muro de arrimo de 1.996 m²

mandou um mês a menos e resultou em custos futuros”, explica Alberto ser executado em maciços cuja geo-
um ganho de área de 83,20 m² para cada Zirlis, engenheiro da Solotrat (empre- metria resultante do corte não é está-
pavimento de garagem, devido à espes- sa que realizou a contenção). vel ou em taludes sem estabilidade
sura da cortina: 8 cm, contra os 40 cm Segundo Alberto Zirlis, a atuação satisfatória ou rompidos. Em parale-
que seriam exigidos por outras soluções. conjunta com o projetista, que efe- lo aos trabalhos, são executados os
As paredes têm alturas variáveis e tuou visitas de acompanhamento, aná- drenos profundos de paramento e as
abrangem 1.996 m² de área. lise de boletins de injeção dos canaletas ou descidas d’água, de acor-
Outra fase geradora de economia chumbadores e dos movimentos da do com o projeto. O concreto, proje-
foi a das fundações, feita com sapa- contenção e das construções antigas tado por via seca, deve ter a espessu-
tas. A proposta de solução com esta- em volta do local, foi fundamental ra controlada instalando-se marcos a
cas-barrete feita por outros licitantes para a obtenção do baixo nível de de- cada 4 m², em conformidade com as
custaria cerca de quatro vezes e meia formações. normas brasileiras.
a mais do que custou a solução pro- Para contenção dos taludes, pri-
posta por Décourt (325 mil reais foi o meiramente são executados os chum- redação: Renata Carvalho
apoio de engenharia: Regiane Pessarello
custo das sapatas, contra 1,450 mil badores, depois é feita a projeção do
reais, valor estimado para a funda- concreto e sistema de drenagem. Os
ção com estacas-barrete). “Por isso, chumbadores são responsáveis pela Ficha técnica
é importante contratar um bom con- estabilização do maciço, o concreto execução da parede de solo grampeado: Solotrat;
sultor. Às vezes, os gastos imediatos projetado dá estabilidade local ao pa- execução das sapatas: Toda; projeto de contenção e
fundação: Luciano Décourt; concreto e cimento
de projeto são maiores, mas propor- ramento e a drenagem atua nas duas para calda de injeção: Votoran; fibras de aço para
cionam uma redução relevante nos frentes. O grampeamento de solo pode concreto: Sheikan Ancor-Jet

Consulte fornecedores de fundações com perfuração prévia na seção de Cotações, classificação Pini 02 Canteiro de Obras

Esta seção mostra ao leitor os estudos feitos pelas construtoras das obras apresentadas para comparação de custos entre dois ou mais sistemas. As
projeções valem apenas para as obras citadas. O sistema apontado como mais competitivo pode mostrar-se inviável em obras com outras
características e dimensões. Tratam-se de casos específicos, e nenhum deve ser tomado como padrão. Construtores que quiserem enviar estudos
comparativos para a seção Custo Comparado podem entrar em contato com a redação pelo telefone (11) 3224-8811, ramal 230 ou enviar e-mail
para construcao@pini.com.br

Construção Mercado no 11 junho 2002 29