Você está na página 1de 9

17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

Página 1

DOSSIER TRANSDISCIPLINARITY ROMÂNTICA 2

O obscuro objeto de

transdisciplinaridade

Adorno no formulário de ensaio

Antonia Birnbaum
Texto original em Inglês:
homogenizing operations is simply astounding.

Sugira uma tradução melhor

Qualquer tentativa de conceituar a transdisciplinaridadeAsé operações de homogeneização são simplesmente espantosas. este
obrigado a experimentar limites disciplinares. continuidade entre a configuração acadêmica de
E essa experimentação não pode simplesmente ser realizadaconhecimento e sua função reguladora, controle
aos critérios de estudo acadêmico. Deve ser de fato em capital é ainda mais poderoso no inglês-
problematizar os limites entre o estudo acadêmico mundo falante, onde grandes partes do "conhecimento
e formas ou instâncias de pensamento que ocorrem economia "são diretamente privados.
fora dessa bolsa de estudos. No entanto, estes distúrbios Em uma sequência histórica bem diferente, a de
As práticas práticas tornaram-se cada vez mais difíceis Alemanha do pós-guerra, Theodor W. Adorno assumiu o
devido à integração institucional em curso O problema da forma é crucial para a prática
dos seus impulsos. O seu modus operandi irregular de filosofia. Em 'The Essay as Form', ele mostrou
é reduzido através da "formatação" perpétua e como a forma pode subverter o compartimento institucional
'rebranding' de práticas inovadoras na academia mentalização do conhecimento. O seguinte inquérito
em novas "disciplinas", como estudos de gênero, mídia prevê a conceptualização específica desenvolvida
Estudos e Estudos visuais. Assim, a instituição nesse ensaio, tentando recuperar alguns dos seus conhecimentos
sustenta-se precisamente ao destruir transdis- na "novidade do novo" que desaparecem de
práticas ciplinárias e transformá-las em infladas As considerações posteriores de Adorno. Espero que possa trazer
itens disciplinares. algumas características que podemos usar
Esta lógica predatória opera misturando seus situação atual da filosofia hoje. No entanto, eles
avaliação e sua mercantilização. Claro, só pode ser relevante em seu toque anacrônico.
esses dois momentos nunca foram separados em
agregações de práticas sociais e acadêmicas Que na Alemanha o ensaio seja condenado como um
híbrido,
de conhecimento. Mas agora eles constantemente engrenam dentroque a forma não tem tradição convincente,
que suas exigências enfáticas são atendidas apenas intermitentes
Determinidades dinâmicas: mercados da academia tentemente - tudo isso foi dito, e censurado, muitas vezes
através de classificações mundiais que personalizam suas suficiente. 1

fluidez e adaptação profissional de todos os elementos exteriores


de pensamento. Qualquer processo subversivo de conscientização
Que o sujeito do verbo da primeira frase de
acontecer fora da universidade são imediatamente 'The Essay as Form' é uma frase subordinada que indica
reconciliado com a reflexão acadêmica. Já não faz um tipo de agitação conceptual. Este ensaio, que
A "rigidez" da universidade se opõe ao "mundo da vida". leva o ensaio na sua forma como objeto de reflexão,
Muito pelo contrário, a rapidez com que todos os objetos foi descrito como o "discurso do método" de Adorno.
e os procedimentos estão incluídos dentro do seu sintetico,
Escrito entre 1954 e 1958, a sua reflexão contém

Os artigos deste dossiê completam as publicações da seção "Transdisciplinaridade Romântica" do projeto financiado pela AHRC 'Trans-
disciplinaridade e Humanidades: Problemas, Métodos, Histórias, Conceitos '(AH / 1004378/1), localizado no Centro de Pesquisa em
Filosofia européia moderna (CRMEP), Universidade de Kingston, Londres, 2011-2013. A primeira parte deste dossiê apareceu na
196 (março
Filosofia / abril 2016), pp. 6-38.
Radical
Para detalhes do projeto como um todo: fass.kingston.ac.uk/research/crmep/projects/transdisciplinarity.

RadicaL PhiLosoPhy 198 (juLy / auG 2016) 15

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

Página 2

numerosos pensamentos que reaparecerão mais tarde, em Nega- Que forma a filosofia pode demorar hoje, pergunta Adorno,
dialética . Em certo sentido, é um quasi-rascunho de e não em toda a eternidade, quando é decididamente não mais
o livro. No entanto, há um tom diferente nessa a "rainha das ciências" e quando se diferencia
ensaio, um tom sobre o qual vou insistir. Em 1966, o ano da arte pelo seu apelo à conceitualidade, não querendo
Seu "grande livro do conceito" foi publicado, Adorno rechaçar-se na aparência de um "artista-
parece ter concluído que a única possibilidade filosofia ", atendendo a" necessidade socialmente pré-formada de
Para a filosofia é praticar o desconhecido, em sentido inverso
uma clientela '? A este respeito, o ensaio não é tanto
da lógica identificativa do conceito, para destacar o que Adorno propõe, pois é a forma que primeiro
são aspectos não idênticos. A construção de um desperta sua curiosidade por causa de sua desqualificação
inteligibilidade que carrega o não-idêntico além por diferentes discursos dominantes. A primeira parte de
o princípio da identidade - uma inteligibilidade relacionada
O texto
a retraça os motivos dessa exclusão múltipla.
o novo - já não é possível para a filosofia. o sions. Questiona a existência do ensaio entre
O novo, em certo sentido, tornou-se uma reserva para a O arte.
folheto - o nome alemão do jornal
É saliente que em 'The Essay as Form' Adorno seção reservada para artigos reflexivos - e a "sci-
concede plenamente a filosofia a capacidade de se relacionar
acadêmico
com a"entista" da universidade. Seu diagnóstico
novo em sua "novidade", precisamente através do desvio restringe-se
de à paisagem específica do discurso discursivo
Formato. O texto é confiante. Dar credibilidade total produção na Alemanha, como é sublinhado empathi-
Para essa postura, vou relatar o problema de philo- cally na primeira frase. Adorno faz o que ele diz:
linguagem sofical exposta por Adorno. Primeiro, eu vouEle descreve as coordenadas precisas e conjecturadas de
preste atenção à forma do ensaio em sua exterioridade uma prática singular de filosofia, em dívida com
- como a escrita pela qual a filosofia existe. Segundo, "quando?", "onde?" e quem?'
Passarei a conceitual e, surpreendentemente, por A primeira descrição do ensaio é emprestada de
Adorno, à sua malha transdisciplinar com "com- aqueles que invalidam isso. Julgado como um "híbrido" por sua
procedimentos municacionais ". Juntos, retóricos e opositores, o ensaio não está em lugar algum;
processos conceituais constroem a imanência do não está em conformidade com a categoria de ciência nem
objetos no formulário. ao do art. Este é o ensaio, como já existe,
Os laços íntimos deste ensaio com a dis- o ensaio como pré-formado. O termo "híbrido" será
O curso é sugerido pelo próprio texto, que interpreta transformado na reflexão de Adorno e requalificado
o ensaio como um "desafio gentil" do ideal do até o final do texto como herético. O ensaio torna-se
percepção clara e distinta . Este desafio ganha em uma heresia presumida, de natureza crítica.
Momento e intensidade. Sem fazer muito Sua heterogeneidade implica uma dimensão ignorada por
ruído, sem um programa alternativo, esse pequeno, O que Adorno chama de filosofia tradicional. Através
ensaio encapsulado, pouco a pouco, descarrilha o pedidoseu caráter efêmero, sua exposição ao fracasso, a
Lógica da racionalidade discursiva. Desviando-se de ensaio relocaliza sua relação com a verdade dentro do histórico -
posições filosóficas determinadas em prioridade por ity, e não contra isso. Como afirmou Adorno, é apenas
estruturas argumentativas, ontológicas, metafísicas, a priori é constituído por a posteriori . 'A redação,
É preciso outra estrada. Esta estrada enfaticamente associa
no entanto, não tenta buscar o eterno no tran-
conceitua com o problema de con- Sente e destilie-o; ele tenta renderizar o transiente
estruturando um formulário para elucidar um objeto. Este eterno.'
objeto Esta inversão é aumentada se um
2

não deve ser fundado no pensamento, nem ser deduzidolembra que, em "The Essay as Form", o ensaio é ambos
da razão. É um "objeto encontrado", já pré-formado, o objeto em questão e o formulário que elucida.
existente no campo artificial da cultura. O que é verdadeiro para o objeto também deve ser o formulário.
Se existe, portanto, para Adorno um método de não- Assim, o índice histórico de sua relevância não
Metódico construído por forma, então é porque Descansar sobre a tradição do ensaio, mesmo que Adorno
o método nunca existe separadamente do objeto, evoca citando Montaigne. Na perspectiva de Adorno,
porque é refletido através do contato com isso A forma do ensaio está intimamente ligada à
objeto. O ensaio leva a lógica hegeliana na sua palavra, objeto. Este anexo inflexível é considerado capaz
mesmo contra a determinação regular da dialética de construir uma inteligibilidade descentrada, um universal
como um método. Intrinsecamente já é uma repetição - lucidez
uma intrinsecamente em conflito com o regular e
segunda, terceira, quarta tomada - cada ensaio consideralógicas
uma verificáveis de racionalidade dominante.
objeto mediado de novo. É retido para reinventar seu método E quanto a essa disposição crítica da forma? Dentro
dentro do processo de se entender. o texto, o ensaio com todas as suas qualidades quase parece

16

Página 3

para ter o status de uma pessoa. Adorno fala sobre isso qualquer ênfase artística particular sobre o conteúdo, assegura
como se fala sobre um amigo precioso. Isso é peculiar o primado do objeto na arte ". 4

torção - que reproduzo aqui - é motivada por No ensaio, a forma conecta o princípio do prazer
começando a terminar por um impulso que raramente é com afirmado
o objeto histórico que explora. Suas características
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

de maneira direta por Adorno: o mimético, ou são retratados através de uma "imagem" imobilizada de
somático, impulso de felicidade, que se recusa a integraro campo de força inerente à sua configuração. o
ranger o "princípio da realidade" como princípio do pensamento.
ensaio desencadeia seu ímpeto crítico de sua recusa de
o preconceito da seriedade do conhecimento. Mais
Consciência científica, que se opõe a todos os antropólogos
radicalmente, o princípio do prazer sustenta todos os
concepções pomorfas, sempre foi aliada à
princípio da realidade e, como o último, antagonista procedimentos do ensaio. Ironicamente derivado da
felicidade. Embora a felicidade seja sempre suposto Princípio freudiano do prazer, prazer como o lógico
O motor do pensamento é introduzido como a unidade de reprodução
seja o objetivo de toda dominação da natureza, é sempre
imaginado como uma regressão à mera natureza. Istoque é informa todos os seus esforços:
evidente até ao máximo das filosofias mais elevadas,
mesmo os de Kant e Hegel. Essas filosofias Em vez de realizar algo científico
têm seus pathos na idéia absoluta da razão, ou criando algo artisticamente, seus esforços
mas, ao mesmo tempo, sempre denigram como reflete o lazer de uma pessoa infantil que tem
insolente e desrespeitoso quando relativiza ac- nenhum reprovado em se inspirar no que
valores aceitáveis. Em oposição a esta tendência, a outros já fizeram antes dele. O ensaio reflete
Ensaio recupera um momento de sofisma. A hostilidadeO que é amado e odiado em vez de apresentar o
a felicidade no pensamento crítico oficial é especialmentemente como criação ex nihilo no modelo de um não-
marcado na dialética transcendental de Kant, que Ética de trabalho restrita. A sorte e o jogo são essenciais
quer imortalizar a linha entre sub- para isso. Começa não com Adão e Eva, mas com
de pé e especulação e evita o pensamento sobre o que quer falar; diz o que ocorre
de "vagar em mundos inteligíveis", como o naquele contexto e pára quando se sente terminado
A metáfora característica o expressa. Considerando queem vez de quando não há nada a dizer. Por isso,
A razão autocrítica deve, de acordo com Kant, ter é classificado como um empreendimento trivial.
5

ambos os pés firmemente no chão, deve aterrar


em si, tende a se selar de forma inerente
Essas observações não dão argumentos a quem
Tudo novo e também da curiosidade, os argumentos -
ure princípio do pensamento, algo existencial condenar o ensaio como uma empresa puramente subjetivista,
exibindo um interesse arbitrário arbitrariamente
A ontologia vilipiene também. O que Kant viu, em termos
de conteúdo, como objetivo da razão, a criação de objeto escolhido? Tal atitude poderia na mesma
humanidade, utopia, é dificultada pela forma de sua mais adequado para uma prática narrativa, mas parece
pensamento, epistemologia. Não permite motivos para contrariamente a todos os requisitos do conceito. Estes
ir além do domínio da experiência, que, no
As objeções podem ser dissipadas se a pessoa prossegue
mecanismo de mero material e invariante catego-
Irregular para o que já existiu. uma analogia com a compreensão de Adorno sobre a meditação
O objeto do ensaio, no entanto, é o novo em sua Ação de extremos na arte: construção e expressão.
novidade, não como algo que possa ser traduzido Aqui, no formulário de ensaio, a expressão seria relativa
volte para os antigos formulários existentes. Ao refletir
ao oimpulso da felicidade, enquanto a construção
objeto sem violência, por assim dizer, o ensaio mutelyseria relativo à decifração conceitual de
lamenta o fato de que a verdade traiu a felicidade a historicidade do objeto, sua segunda natureza.
e em si, juntamente com isso, e essa lamenta provoca
A raiva dirigida contra o ensaio.
3
Para Adorno, a expressão não é precisamente, nem mesmo
na arte, a suposta criatividade gratuita de um sujeito como
Embora o formulário de ensaio não seja propriamenteoposição
uma arteà objetividade. Esta abordagem binária apenas
forma, seu pathos pode, no entanto, ser confrontado comreflete a teoria burguesa, para a qual existe uma
A reflexão de Adorno sobre a relação entre forma e Assunto de artistas estrangeiros, como o Deus monoteísta mal
Conteúdo no art. Na verdade, a forma na arte não é umacatecismo.
determinação.
Longe de ser identificado com este falsamente
que se impõe a uma questão "determinável" figura espiritual, pontos de mimesis expressivos ou divertidos
uma vez que o que é formado - o conteúdo - nunca é uma uma racionalidade envolvida com um impulso somático, uma
objeto fora da forma. O formulário remete para o corpo em excesso que se separa de si mesmo, torna-se
impulsos miméticos que entram nela, que são vetores um objeto separado, fragmentado. O lógico e
da sua construção. Esta concepção é resumida em Antenidades cronológicas deste impulso somático
A famosa frase de Adorno: 'form that befalls content is nunca coincidem. Na arte, é sempre o objeto destacado,
próprio conteúdo sedimentado; isso, e não regressão para o próprio trabalho, que cristaliza a expressão.

17

Página 4

A experiência assim representada, tanto na obra de arte


Ele se aventura na dimensão reificada do objeto,
e no ensaio como forma, está polarizado entre o quanto mais tiver uma chance de revelar seu utópico
extremos de expressão e construção. E expressão excesso, um excesso que ignora a partição entre
A sion não expressa uma subjetividade interior idêntica o efêmero e o eterno.
consigo mesmo, mas um conjunto de tensões, uma relaçãoAconflituosa
lógica pode ser brincalhão, mas é, no entanto,
entre o impulso somático do jogo e o que altamente ambicioso. Para Adorno, o ensaio como forma
já foi "jogado fora", o que aconteceu obriga a uma inversão da ordem convencional
Formato. Exprime a tensão entre o desejo de entre a primeira filosofia e filosofia derivada
a felicidade e a repressão dentro do objeto. Até objetos. Hoje, pode parecer-se que é costume-
embora tenha se afastado do corpo, migrou sofisticado "bom gosto" para incriminar o subjetivismo
no objeto, o impulso continua a aderir a herdado do idealismo. No entanto, as conclusões
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

esse objeto. Do mesmo modo, o silêncio adere à desenhado por Adorno aqui é mais incomum do que isso.
forma de ensaio, cujos conceitos são incapazes de explicar
Somente a filosofia dos artefatos e a elucidação
o impulso que os impulsiona e os desenvolve. portanto de sua reificação, apenas a decifração envolvida em
Toda expressividade é sempre constituída fora de si mesma;
uma variedade de objetos, sem nenhum philo-
sua gênese subjetiva ocorre no campo objetivo de dignidade sofical, é capaz de "explodir a massa de meramente
sociedade. No entanto, esse aspecto objetivado "desempenhado"
realidade existente ". Ou, nas palavras de Adorno atrasado:
7

é precisamente o que pode ser jogado ou reproduzido.


Isto é o que atrai Adorno para o lazer de Os menores traços intramundanos seriam de
jogo infantil. A criança repete, mas ele ou ela não relevância para o absoluto, para o micrologico
ver rachaduras a casca do que, medida pelo
repete como um adulto, que o livra ou a si mesmo
conceito de capa subsumida, está desamparadamente isolado
de experiências relatando-os. A criança repete e explode sua identidade, a ilusão que é apenas uma
ao reproduzir, começando de novo desde o início, espécime. Existe uma solidariedade entre tais pensamentos -
mais uma vez, centenas de vezes mais. Além disso, uma criança
ing e metafísica no momento da sua queda. 8

no jogo não sabe a diferença entre o


urgência epistemológica de experimentação e Em particular : a filosofia da cultura, nas dobras de sua
progresso fundamentado de suas capacidades. objetos, em 'detalhes sobre o que muda', explica o
Adorno sempre sublinhou o paradoxal inver- enigma de uma metafísica que não apagaria o tempo
A expressão de expressão e construção no art. A maioriada verdade, isso realmente explicaria a exteri-
As obras de arte expressivas são aquelas que radicalizamoração
as dos fenômenos. Este turnabout também fornece o
ao extremo. Ele faz o mesmo pelo formulário chave para a importância da arte na filosofia de Adorno.
do ensaio. A filosofia da cultura neste sentido enfático tem
nada a ver com os diferentes "estudos" empíricos
O relacionamento com a experiência - e o ensaio que vieram substituí-lo.
investe experiência com tanta substância quanto
A teoria tradicional faz meras categorias - é a Até este ponto, confiei na afinidade
relação com toda a história. Simplesmente individualentre a forma do ensaio e a forma de arte. este
A aproximação tem seus limites, desde Adorno fortemente
experiência, que consciência toma como ponto de partida
de partida, uma vez que é o que está mais próximo disso, é em sua distinção. A forma do ensaio
insiste
mediada pela experiência global de difere através de sua construção média e conceitual.
humanidade histórica. A noção de que o último é ção. Para obter a especificidade deste formulário, o texto
mediada e a própria experiência não mediada é
mero auto-engano por parte de um indivíduo começa por localizá-lo dentro das divisões de instituições
sociedade e ideologia. Daí o ensaio desafia discursos repartidos. Na Alemanha, o ensaio não
a noção de que o que foi produzido histori- beneficiar do prestígio que tem nos países que têm
cally não é um objeto adequado para a teoria. A distinção
experiente les Lumières , países onde o homem
entre uma filosofia prima , uma primeira filosofia, de letras é uma figura altamente respeitada. Na Alemanha,
e uma mera filosofia de cultura que os elogios dirigidos à escrita teórica
pressupõe uma primeira filosofia e construa sobre ela - a
de ensaios servem primeiro e acima de tudo para excluir seus
distinção utilizada como racionalização teórica para
o tabu do ensaio - não pode ser recuperado. 6
autores da universidade. Da mesma forma, os ensatises
que renunciam ao rigor conceitual se dedicam à narrativa
Quanto mais o ensaio confia-se ao imme- ou devastação psicológica, assim como os ensaios tardios de
carácter histórico histórico do objeto, mais Stefan Zweig. Esta atitude apenas confirma a crítica.
trata a segunda natureza como sendo a primeira. Em resumo,
cismosquanto
expressos
maispela academia. Principalmente, no entanto, ensaios

18

Página 5

atender aos critérios de mercado sobre os quais repousa suficientemente independente para afirmar essa qualidade em
publicação, nomeadamente aos critérios do folheto todas as suas conseqüências. Consequentemente, o ensaísta é
nos jornais alemães. Isso representa uma divisão que nãonem um criador nem um estudioso, apenas um crítico. o
existe mais hoje. Os ensaios derivaram paradoxalmente O "mestre insuperável" dessa escrita diletante é de
lucidez de sua inadequação, tanto para os critérios de Claro, Walter Benjamin.
"teoria do jornal" e da "teoria acadêmica". A matriz social do ensaio lança um particular
A posição do ensaísta é altamente instável. luz bruta sobre a partição de discursos entre arte
Em primeiro lugar, é economicamente tangencial, porque e ciência.
ele ou Claro, para Adorno é impossível
ela deve manter a qualidade das produções enquanto simplesmente ignore sua separação irreversível. Mas mais
gerenciando ao mesmo tempo vendê-los. Há sim Ao ponto, ele mostra como as categorias de 'arte' e
portanto, um perigo permanente de ceder a 'ciência' se deslocou entre o mercado cultural e
oportunismo. De certa forma, cada ensaio que realmentea honra
seriedade da universidade volta ao mito
Seu objeto escapou dessa armadilha. Sendo uma mercadoria- isto é, na racionalidade irracional da ideologia.
de forma mais direta do que o discurso da universidade, o Na universidade, o conceito de ciência tem
ensaio deve dialecticar a contradição entre há muito tempo confiscou seu rigor, que foi vinculado a
existência como uma mercadoria e sua condição crítica.a ambição de produzir um contínuo, fundado,
Fora de algumas raras exceções, muito poucos ensaios -ordem racional do mundo, como uma alternativa crítica
Estes usam essa instabilidade para sua vantagem. Adorno's
ao dogma da ordem divina (em Descartes, Leibniz,
O argumento é que os ensaístas às vezes produzem ensaiosSpinoza, e até Hegel). Quando esta ordem divina
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

e às vezes não. Zweig era um ensaísta e foi derrotado, a conceitualidade "pura" reivindicou a ordem
tornou-se um escritor comercial; Lukács era um ensaístatanto do real quanto do racional. Por isso veio para
que se tornou um ideólogo do partido. Outros alternaramjustificar a realidade como já existe, trair a uni-
entre universidade e ensaio (por exemplo, Kracauer liberdade versal em que se baseou anteriormente. Nisso
e Simmel). Escrever um ensaio de forma alguma Texto, Adorno não confronta o conceito marxista
garante as condições ou a capacidade de escrever o da Ciência.
o próximo. O ensaísta é um diletante em um enfático A categoria de ciência nascida do sistema phi-
sentido, e poucos ensaístas são suficientemente modestos
Losophies
ou se tornou rígido em formas acadêmicas que são

19

Página 6

Eles nunca foram problematizados, que apenas parodem o mesa. Na realidade, todos os conceitos já estão implícitos -
requisitos antigos de tal ordem. Na verdade, eles importamconcretizaram-se através da linguagem em que
algo bem diferente, um quadro pré-crítico de ref ficar de pé. O ensaio começa com significados e, sendo
essencialmente linguagem em si, os leva mais longe; isto
é idêntico a uma lógica de definição. Eles repro-
quer ajudar a linguagem em relação a conceitos,
duce e confirme a coincidência entre social para tomá-los em reflexão como eles foram nomeados
racionalidade e seu caráter supostamente objetivo. irrefletido na linguagem. O fenomenológico
O acadêmico transformou a antiga ambição em método de análise interpretativa incorpora um sentido
conceitos de construção tabula rasa , inteiramente distintodisto,
de mas fetiza o relacionamento de con-
a dimensão equívoca da linguagem comum e histórica a linguagem. O ensaio é cético sobre isso
pois é cético sobre a definição de conceitos.
dentro de uma "metodologia" que pretende definir
Desapologaticamente, ele se abre para o objetivo
O que procura antes de encontrá-lo. Além disso, isso que não se sabe com certeza de como é um
A metodologia postula um conteúdo que é considerado como parasendo
entender seus conceitos. Pois entende que
indiferente à sua apresentação. Para Adorno, o positivismoa demanda por definição rigorosa serviu há muito tempo
e a filosofia analítica são as principais figuras desta para eliminar - através de manipulação estipulada
servidão. Mas não só. Dentro desse quadro acadêmico, dos significados dos conceitos - o irritante e
aspectos perigosos das coisas que vivem no
trabalho, nada se opõe a uma escrita que "faz acreditar"
conceitos. 9
com a arte, como a ontologia fundamental de Heidegger:
fabrica poesia a partir de Parmênides e No ensaio, abrir caminho para a verdade exige uma
Jungnickel. Ou, em outra veia, existem americanos problematização das relações entre conceitos
campi que ensinam "escrita criativa" e outros e a linguagem comum em que eles cristalizam.
práticas profissionais do primitivo, como finger- Essas relações colocam os conceitos fora de
pintura e modelagem de argila. eles próprios e reintroduzir o exterior do conceito
Se alguém mais prestar atenção, como Adorno faz emAliança - os diferentes conhecimentos sociais desqualificados por
este ensaio, à superfície discursiva que organiza ciência, práticas irregulares da linguagem - dentro
A categoria de ciência, parece que a ciência não pode isto. Assim como é impossível não distinguir o que é
elimine completamente a questão levantada pelo ensaio.próprio do conceito, é impossível formular
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 5/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

O
queensaio trazlocaliza
Adorno uma questão tãoseqüência
em uma antiga quanto a filosofia essa
restrita. distinção
pontos de para
de torção outraomaneira queda
diferencial deexperiência
forma inadequada. este
filosófica
Pois assim que a filosofia supõe um certo rience, à necessidade de haver mais de um
poder do pensamento, ele sempre decide sobre um certoescrevendo isso. Coloca o conceito sob o signo de
relação entre os conceitos "próprio" para a filosofia o encontro com objetos, em vez de sob o signo
e a linguagem comum em que esses conceitos da sua coerência racional interna.
desdobrar. Uma vez que subtrai o aspecto sistemático, o ensaio
No momento moderno, como mencionado acima, issodispõe apenas das relações que ele constrói através
A relação primeiro toma forma desafiando o racional a exploração do objeto. Ele exibe e organiza
ordem do divino associado ao dogma. O "con- A tensão entre linguagem e conceito requerido
A pureza ceptual "assim extraída torna-se cúmplice compor tal exploração. Isso será chamado de 'forma'
uma racionalidade identificada como a necessidade da do ensaio. Os objetos podem ser outras teorias, surre-
ordem. Compromete-se a justificar essa ordem. Para Adorno, alism, uma obra de arte (Beckett's Endgame ), pontuação
A racionalidade conceitual só pode reviver o excesso desinais, afeta ("Opinião, loucura, sociedade"). Mas como é
racionalidade sobre o real se tiver contato O próprio Adorno pratica tal desestabilização neste
O que desorganiza essa cumplicidade, que historicamente redação? Ao reunir em pensamento, em toda liberdade, o que é
foi nomeado "ciência" ou "pureza científica". o unidos sob as regras cartesianas do método, por filtração-
ensaio disputas a "pureza" do auto-suficiente através de sua própria experiência intelectual. Dentro
ordem conceitual. É conduzido por um sistema anti-sistemático
o "desafio gentil" para o claro e o distinto, o
impulso. A gentileza é de grande importância. O ensaio não
No entanto, esse impulso não tem nada programático,invalidar o método cartesiano. Insere auxiliares
pois já habita a liberdade do conceito, de modo que considerações que desfazem a ordem de sua cadeia, garble
na medida em que o conceito é sempre impuro. seus desenvolvimentos. Perturbando a primeira regra, o todo
A ciência precisa da noção do conceito como tabula do objeto vem à mente mais rapidamente do que a sua
rasa para consolidar sua reivindicação de autoridade,decomposição em elementos simples; estes não estão em
sua reivindicação
para ser o único poder de ocupar a cabeça do elementos de fato, mas momentos de mediação. O objeto

20

Página 7

é uma mônada e não é. Isso induz uma sensação de vertigem.


mas conceitua um objeto pré-dado. No entanto, tais
Perceptio confusio interfere, misturando distinções. um desvio predicativo pode valer a pena, dado o
Através do inquérito próximo sobre o objeto, dissocia- importância da linguagem na redação. Este desvio pode
A situação encontra-se confrontada com a sua vida, nãoser é coerente.
chamado de "ensaio como uma forma de falta de arte".
. A terceira regra - para começar por objetos simples e O que isto significa? Essa falta pode ser alta,
progresso para os mais complexos - é atropelado pelo iluminado observando o impulso anti-sistemático de
Atitude do estudante de filosofia que só quer o ensaio, ou, mais precisamente, sua posição anti-hegeliana.
o mais difícil, e não vê por que ele deveria Embora Schelling nunca seja nomeado no texto, Adorno's
Comece do simples, já que a complexidade já é A reflexão sobre linguagem e conceito é amplamente endivida
lá, e o momento do confronto não deveria às suas críticas a Hegel. Como é sabido, o
seja adiado. O aluno está interessado pelo que O sistema hegeliano é uma ciência viva, na qual o conhecimento
não entra na idéia de um mundo lógico, pelo não pode ser estacionário, nem simplesmente uma soma de coerente
aspectos incongruentes do objeto, pelo que ele não faz proposições, uma vez que apenas a geometria poderia ser o sistema em
aperto. Finalmente, em relação à quarta regra - ao númeroesse sentido. O sistema sintetiza toda a determinação
a série em uma preocupação por exaustão - o conceito de verdade através da sua conexão. Somente é
no ensaio, muito se aproxima quando A totalidade organiza os momentos. Esse movimento total -
encontra obstáculos, imobiliza um contraditório ment resorbs the exteriority of phenomena in the
momento, bloqueia-se em seus extremos. Isso avança reflexivity of the concept, within which truth seizes
hesitantemente, começa de novo, varia suas abordagens.em Resta
si. To paraphrase Althusser, 'the concept is its
provisório em vez de ser definitivo. own scene, it is next to no one since it is the totality,
Em uma resposta dissidente ao conselho de Descartes, since it alone possesses being'. The Hegelian concept
Adorno insinua práticas misturadas entre as regras proceeds through an integral interiorization of its
que se destinam a unificar. No texto, os quatro preceitosoutside, or through the coincidence of the outside
estão separados um do outro e retornaram a um with an inside that is self, the intimacy with itself of
série, colocados na proximidade desses aspectos objetivosan absolute truth. This interiorization occurs in time,
ignorados pela sua estrutura argumentativa. A redação but the temporal alienation is only the immediacy of
reafirma os quatro preceitos dentro de uma pequena rapsódia.
existence
istooutside of spirit. Its negation brings about
transforma seus imperativos em temas que se misturam the return to itself. Temporality is always dialectically
com outros através da improvisação, fora de qualquer differentiated. There is thus no call for distinguishing
partição anterior. Um desafio gentil, então. Adorno the conceptual logical from the temporal logic, since
não anula ou abandona o método; ele distorce sua the first one subsumes the second. To paraphrase
transições, reescreva conexões cruzadas que incluem Benjamin: for Hegel the course of time is not mother
para o que essas regras são estranhas. Nas suas própriasofpalavras,
the dialectic,
ele but only the means through which
aborda o ensaio através da "lógica da música", que dialectic appears to itself.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 6/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

Arte rigorosa e ainda aconceptual de transição, em The circularity of the 'memory of self' proper to
ordem apropriada para linguagem verbal algo the concept only knows its exteriority as what awaits
perdida sob o domínio da lógica discursiva ". 10 subsumption. The system's task, then, is to produce
'O ensaio como formulário'. Parece quase um genérico the identity of coherence and presentation, in the
syntagm, um sintagma que poderia ser predicado em diferentes
absolute. This means its task is to eliminate the
maneiras diferentes. O ensaio como forma transcendental,problem
o ensaio
of the presentation of the absolute. Its own
como forma de arte, o ensaio filosófico como forma crítica,
determination absolves it of conceiving a form proper
o ensaio como forma filosófica, e assim por diante. A redação
to its endeavour, since what is proper to it is precisely
Como a forma transcendental faz sentido. O predicado to reduce all exteriority by negation.
sublinha como a variabilidade da forma toma o lugar The forgetfulness inherent in this system is noted
de categorias fixas e sua esquematização. o by Schelling in a most remarkable way. It is precisely
11

ensaio não esquematiza por temporização de conceitos; this forgetfulness that the Adornian essay struggles
Ele historiza a forma temporal de esquematização with and brings to the fore. The memory of the
que Kant posou como prioritário . Ainda assim, isso nãoconcept
é suficiente;
has a linguistic stratification, which does
apenas afirma que o ensaio requalifica o transcen- not unfold out of its rationality, but out of which
dental, sem realmente mostrar como. O ensaio como arte its rationality proceeds. And in so far as the essay
forma: isso contradiz o próprio suporte de Adorno, já que
repeats
ele concepts, its repetition necessarily confronts
enfatiza que o ensaio não produz um artefato, this stratum, which crops up at every turn. No

21

Página 8

repetition of the elements of theory that have migrated in their dimension of 'second nature': for example,
into the object, the memory of the concept displays as just shown, with the Cartesian rules of method.
itself as an element of language. The concept itself In this respect, says Adorno, the real theme of the
can then become an experience, the experience that essay is the relation between nature and culture. o
the object produces a discrepancy between expres- essay is indifferent towards the seemingly 'unsolv-
sion and concept. The repetition unearths a memory, able' problem of the priority of facts over theory. isto
the memory of the non-conceptual knowledge that freely chooses its objects, because no object is deemed
adheres to the concept. This memory unravels the closer or further from origin. The second nature
subordination of language to ratio . While it is both of objects need not be returned to their originary
of language and of concept, memory is of language dimension, for in our socialized world the originarity
before being of concept. of a truth located beyond history has become the
This dimension is exacerbated by the fact that lie attached to the viewpoint of the spirit. Adorno
the essay concerns itself with a preformed artefact, unceasingly insists on this point. Modern philosophy
that it tries to seize the universal as something that does not proceed out of a forgetfulness of being; isto
has become, rather than as existing naturally or as forgets, again and again, the historicity in which it
essentially spiritual. This orientation towards what is itself inscribed.
has 'become' relates the concepts not to their reflex- This lie clings to spirit, just as the theoretical
ivity, but to the problem of the form given to their moments that have migrated into the object consti-
historical objectivation. The specific task of the essay tute the environment of the essay. But how can the
can be outlined as follows. It becomes effective by essay still relate to truth if even the contradiction of
uncompleting its concepts, by reconfiguring them truth with social conformity is homogeneous with
through contact with the opacities of the object. that conformity? If truth posited as being outside
The essay operates with fault lines; it openly of society is really one of the most prized fetishes of
displays the gaps between the exteriority and the socially dominant rationality, how can this rational-
coherence of the object, through the leaps of its ity be turned against itself? Some cunning, or ruse,
own procedures, in the non-conceptual connections is called for: to enter into fetishism backwards. este
on which the concepts hinge. Its form is precisely moment, if it is to be taken at its word, takes Adorno
not philosophical in so far as this would mean that beyond his own hesitations. For it implies that criti-
philosophy possesses a form of its own. Its form is cism of ideology no longer functions as the revelation
philosophical exactly 'there' and 'when' it appears of an untruth, since such a process still operates
as lacking in synthesis. 'There' and 'when' it is not inside the realm of the identity principle, by turning
identical with an art form. What I am trying to against it negatively. The essay attuned to the 'blind'
underscore here is that the philosophical essay resorts aspect of the object crosses that line. It touches upon
to art only so as to depart from the interiority which its own ignorance, upon an 'element of blank' (Emily
is identified with the logic of the universal system. isto Dickinson): it reveals the non-dialectical difference
resorts to art to reformulate and render unrecogniz- that animates contradiction.
able conceptual universality, not to identify with the
[The essay] wants to use concepts to pry open the
autonomy of the art work. aspect of its objects that cannot be accommodated
The process of such a lack, the inverted relation by concepts, the aspect that reveals, through the
of the object to the concept that translates it, desta- contradictions in which concepts become entan-
bilizes both, undoes their regularity. This 'gentle gled, that the net of their objectivity is a merely
subjective arrangement. 12

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 7/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

challenge' to the invariants


concept produces an excess,that
be link the object
it minimal, to a
of thought The essay works by ruse. It immerses itself in the
over the rational discourse that purports to organize artefacts as if they were there, as if they had authority.
isto. The essay, then, is a form of lacking in art. Porque This gives it a ground, be it dubious, without having
it is, by virtue of that lack, a critical form, or, as to posit, deduce or find what is first. Conceptualiza-
Adorno puts it, a 'heretical' one. tion can only make out the truth of second nature
by treating it as a first nature. Its immersion again
The rhetorical transdisciplinarity of philosophy summons the play drive, this time concentrating on
To conclude this reflection on the essay, I will take the mimetic aspect. The most concise and enigmatic
up Adorno's observations on the rhetorical quali- formulation of this mimetic gesture is to be found in
ties of its form. The essay takes as objects artefacts the introduction of Negative Dialectics :

22

Página 9

The un-naïve thinker knows how far he remains The essay retains, precisely in the autonomy of its
from the object of his thinking, and yet he must presentation, which distinguishes it from scientific
always talk as if he had it entirely. This brings him and scholarly information, traces of the commu-
to the point of clowning. He must not deny his nicative element such information dispenses with.
clownish traits, least of all since they alone can In the essay the satisfactions that rhetoric tries to
give him hope for what is denied him. Filosofia provide for the listener are sublimated into the idea
is the most serious of things, but then again it is of a happiness in freedom vis à vis the object, a
not all that serious. A thing that aims at what it is freedom that gives the object more of what belongs
not a priori and is not authorized to control – such to it than if it were mercilessly incorporated into
a thing, according to its own concept, is simulta- the order of ideas. 14

neously part of a sphere beyond control, a sphere


tabooed by conceptuality. To represent the mimesis It is of course well known that for Adorno the
it supplanted, the concept has no other way than concept can only play with the object – borrow its
to adopt something mimetic in its own conduct, features, explore its temporality – if it turns against
without abandoning itself. 13 its own identifying logic. But in 'The Essay as Form'
the break-out of identity operates just as much
In 'The Essay as Form', Adorno does something
by proliferation as by negation or renouncement.
unusual for him: he presents this 'clowning' as a
The essay borrows from the rhetorical dynamics of
rhetorical mobility of the concept, which takes into
ambivalence, of irony and humour, even of pathos.
account its communicative unfolding. The trans-
This does not mean it simply opposes the logical,
disciplinarity of philosophy implies a transformation
discursive element. It means that the concept resorts
of the persuasive logic of rhetoric that addresses
to all the stylistic intricacies of language. The essay
opinion, and that the 'pure' logic of philosophical
resonates with all the equivocations that history has
ratio intended to eliminate, since it obstructed the
let persist in the object. It frees the object from the
coherence required of the concept. In the essay, this
rigid hold of invariant categories, stresses its utopic
persuasive function shifts towards the encounter of
aspect, releases the latent force in it. Concepts make
the concept with the object:
themselves into tropes; the tropes are configured
by the intensity of the essay's reflection; a
object is returned to its fragmentary existence,
to its discrepancy with the present. Second
nature no longer points to a first one, but
relocates even the first one within historicity.
Conceptual clowning widens the gaps that
opens the object to the unknown, thus think-
ing it anew, 'against the time, in favour of a
time to come'.
This rhetorical aspect of communicability
between the object and the concept neces-
sarily poses the question of the reader to
whom the essay is addressed. For the reader
can only discover the new encapsulated in the
object, the possibility that it be other than it
is, if he or she carries out the equivocations
of the essay for him- or herself, if the object
is displaced. This is probably what motivates
the confidence of 'The Essay as Form' in the
novelty of its object. It is also a confidence in
the reader, an invitation that he or she in turn
become a dilettante, experience the concepts,
as if speaking a foreign language.
The way the essay appropriates concepts can
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 8/9
17/03/2018 O obscuro objeto da transdisciplinaridade

best be compared to the behaviour of someone


in a foreign country who is forced to speak its
language instead of piecing it together out of

23

Página 10

its elements according to rules learned in school. transdisciplinarity, or that it is reducible to normali-
Such a person will read without a dictionary. E se zation. Sociology was born out of philosophy and
he sees the same word thirty times in continually became a separate discipline in a certain historical
changing contexts, he will have ascertained its
sequence, with good reason. But it does mean that
meaning better than if he had looked up all the
meanings listed, which are usually too narrow in the experimental character of transdisciplinary prac-
relation to the changes that occur with changing tices coincides neither with a collaboration between
contexts and too vague in relation to the case. este disciplines nor with the positing of new ones. o
kind of learning remains vulnerable to error, as force of transdisciplinarity, if it is to be 'replayed',
does the essay as form; it has to pay for its affinity lies precisely in the impossibility of its institutional
with open intellectual experience with a lack of
formalization. For instead of answering to a stand-
security that the norm of established thought fears
like death. It is not so much that the essay neglects ardized procedure that can be evaluated, instead of
indubitable certainty as that it abrogates it as an accepting a predefined matter assigned to it, it rather
ideal. The essay becomes true in its progress, which does without, for the sake of the obscure lure of the
drives it beyond itself, not in a treasure-hunting objeto.
obsession with foundations. Its concepts receive
their light from a terminus ad quem hidden from Notas
the essay itself, not from any obvious terminus a
quo , and in this the method expresses its utopian This article is an output from the AHRC‑funded project
'Transdisciplinarity and the Humanities: Problems,
intenção. 15 Methods, Histories, Concepts' (AH/1004378/1), 2011–2013,
located within the Centre for Research in Modern
European Philosophy (CRMEP), Kingston University
That, in the essay, the rhetorical transdiscipli- Londres
narity of philosophy finally turns into the problem 1. 'The Essay as Form', in Theodor W. Adorno, Notes to
of learning a foreign language in a foreign country Literature , vol. 1, ed. Rolf Tiedemann, trans. Shierry Weber
Nicholsen, Columbia University Press, New York, 1991, p. 3.
should not astonish us. It allows for a few concluding 2. Ibid., p. 11.
remarks concerning today's transdisciplinary prac- 3. Ibid., p. 21.
tices. The first remark may seem self-evident, but 4. Theodor W. Adorno, Aesthetic Theory , trans. Robert
Hullot‑Kentor, University of Minnesota Press, Minneapolis,
self-evident truths can sometimes be worth repeat- 1997, pp. 144–5; Ästhetische Theorie , Gesammelte Schriften 7,
ing. The heterogeneity harboured in the difference Suhrkamp, Frankfurt‑am‑Main, 1996, p. 217.
5. Adorno, 'The Essay as Form', p. 4.
of languages is one of the hardest to integrate and 6. Ibid., p. 10.
normalize in a 'knowledge economy' organized by 7. Theodor W. Adorno, 'The Actuality of Philosophy'
(1931), Telos 31, March 1977, p. 133; Gesammelte Schriften 1,
fast-changing trends. The apprenticeship of more
Suhrkamp, Frankfurt‑am‑Main, 1996, p. 344.
than one language, the simple practice of translation, 8. Theodor W. Adorno, Negative Dialectics , trans. HB
continues to be crucial to any conceptualization of Ashton, Routledge, London, 1973, pp. 408; Negativo
the humanities. It is of course no coincidence that Dialektik , Gesammelte Schriften 6, Suhrkamp, Frankfurt‑am‑
Main, 1996, p. 400.
the practice of translation, in philosophy, is one of 9. Adorno, 'The Essay as Form', p. 12.
10. Ibid., p. 22.
the worst-paid scholarly activities.
11. This criticism is mainly to be found in Schelling's introduc‑
The second remark concerns the necessity of tory pages of the 1811 version of The Ages of the World ,
transdisciplinarity. In Adorno's essay, this necessity, where, explicitly attacking Hegel's ambition to effectively
transform philosophy into science, Schellling insists upon
of crossing the limits of philosophy, of distorting the the narrative moment of recollection as being both
historically imposed logic of conceptuality, appears irreducible to the concept and essential to dialectics.
Schelling already exposed this moment of recollection in
within the practice of the concept itself. Transdisci- his System of Transcendental Idealism as the break between
plinarity proceeds out of the immanent disruptions the 'monument' represented by the philosophy of nature,
of a discipline, at its limits, as the non-dialectic dif- accessible only through memory, and the transcendental
determination of consciousness as freedom, accessible in a
ference that drives dialectical thought. It cannot,
self‑relation. This moment has been neglected; the focus is
then, be organized from outside or be identified with always on Hegel's criticism of Schelling's intellectual intui‑
the institutional branding of 'disciplines' and 'turns' ção. Hegel refers to Ages of the World in his 1828 lectures
on Aesthetics.
that almost vanish more quickly than they appear. 12. Adorno, 'The Essay as Form', p. 23.
This does not mean, of course, that the re- 13. Negative Dialectics , p. 14; Negative Dialektik , p. 26.
14. Adorno, 'The Essay as Form', pp. 20–21.
distribution of disciplines has no bearing on 15. Ibid., p. 13.

24

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 9/9