Você está na página 1de 3

2948 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.

o 138 — 18-6-1997

b) Enfermeiros provenientes de serviços prestado- às possibilidades dos formadores e às condições do mer-


res de cuidados de outros ministérios — 10 %; cado de oferta formativa, sem prejuízo da qualidade,
c) Outros enfermeiros — 10 %; a necessidade de assegurar coerência às disposições tran-
d) Enfermeiros de instituições com quem a escola sitórias e à filosofia de certificação e, por outro lado,
estabeleça protocolos de formação — 20 %. a experiência entretanto adquirida pela aplicação do
II Quadro Comunitário de Apoio e a própria evolução
2 — As vagas eventualmente não utilizadas num dos dos conceitos e da prática formativa aconselham a revi-
contingentes revertem, se necessário, para qualquer são parcial do Decreto Regulamentar n.o 66/94.
outro contingente, de acordo com regras a fixar pelo O presente diploma foi discutido e mereceu a con-
órgão competente da Escola e a divulgar através do cordância da Comissão Permanente de Concertação
edital a que se refere o n.o 9.o da Portaria n.o 239/94. Social, do Conselho Económico e Social.
3 — É criado um contingente especial, nos termos Assim:
do n.o 7.o da Portaria n.o 239/94, de 16 de Abril.» Ao abrigo do disposto nos artigos 10.o do Decreto-Lei
n. 401/91, de 16 de Outubro, e 13.o e 17.o do Decre-
o
Ministérios da Educação e da Saúde. to-Lei n.o 405/91, da mesma data, e nos termos da alí-
nea c) do artigo 202.o da Constituição, o Governo
Assinada em 17 de Abril de 1997. decreta o seguinte:
Pelo Ministro da Educação, Alfredo Jorge Silva, Secre- Artigo 1.o
tário de Estado do Ensino Superior. — A Ministra da
Saúde, Maria de Belém Roseira Martins Coelho Henri- Os artigos 2.o a 4.o, 6.o a 10.o e 13.o do Decreto Regu-
ques de Pina. lamentar n.o 66/94, de 18 de Novembro, passam a ter
a redacção seguinte:
«Artigo 2.o
MINISTÉRIO PARA A QUALIFICAÇÃO Conceito de formador
E O EMPREGO
1— ..........................................
o
2 — O formador deve reunir o domínio técnico actua-
Decreto Regulamentar n. 26/97 lizado relativo à área de formação em que é especialista,
de 18 de Junho o domínio dos métodos e das técnicas pedagógicas ade-
quados ao tipo e ao nível de formação que desenvolve,
Com o Decreto Regulamentar n.o 66/94, de 18 de bem como competências na área da comunicação que
Novembro, e de acordo com estabelecido nos Decre- proporcionem ambiente facilitador do processo de
tos-Leis n.os 401/91 e 405/91, ambos de 16 de Outubro, ensino/aprendizagem.
procurou-se regulamentar o exercício da actividade de
Artigo 3.o
formador no âmbito da formação inserida no mercado
de emprego, sabendo-se que a qualidade da formação Tipos de formadores
deve ser alicerçada na consolidação e dignificação da
função de formador. 1— ..........................................
Naquele decreto regulamentar procurou-se precisar 2— ..........................................
os conceitos que traduzem quer a realidade conhecida 3 — Relativamente ao vínculo, os formadores podem
no domínio da formação de formadores no plano nacio- ser internos, quando tenham vínculo laboral com a enti-
nal quer as orientações que prevalecem na evolução dade formadora ou beneficiária, ou externos, nos demais
observável no espaço comunitário. Neste sentido, defi- casos.
niram-se requisitos para o exercício da actividade de Artigo 4.o
formador, deixando a definição de perfis profissionais
específicos de cada tipo de actividade à actuação regu- Requisitos
lamentadora da Comissão Permanente de Certificação.
Atribuiu-se também ao Instituto do Emprego e For- 1— ..........................................
mação Profissional, como serviço público executor das a) Preparação psicossocial, que envolve, designa-
políticas de formação profissional, a competência para damente, o espírito de cooperação e a capa-
proceder à certificação dos formadores, bem como orga- cidade de comunicação, relacionamento e ade-
nizar bolsas de formadores, a serem colocadas ao dispor quação às características do público alvo, por
dos interessados, o que permitirá assegurar uma maior forma a prosseguir com eficácia a função cul-
transparência no mercado da formação. tural, social e económica da formação;
Entretanto foi publicado o Decreto Regulamentar b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
n.o 68/94, de 26 de Novembro, que veio estabelecer o c) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
regime jurídico da certificação profissional baseada quer
na formação inserida no mercado de emprego quer na 2— ..........................................
experiência profissional, quer em certificados ou títulos
afins emitidos noutros países. a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A publicação deste diploma, a aprovação pela Comis- b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
são Permanente de Certificação do perfil de formador, c) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
as características específicas dos formadores em con-
texto real de trabalho exigindo regulamentação diferen- 3 — Para efeitos do disposto na alínea c) do n.o 1
ciada, a necessidade de permitir condições de renovação é exigível a frequência, com aproveitamento, de curso
dos certificados de aptidão mais flexíveis e adequadas de formação pedagógica homologado pela entidade
N.o 138 — 18-6-1997 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B 2949

referida na alínea a) do artigo 8.o do Decreto-Lei d) Participar na concepção técnica e pedagógica


n.o 95/92, de 23 de Maio, nos termos a estabelecer em da acção, adequando os seus conhecimentos téc-
normas específicas a aprovar pela Comissão Permanente nicos e pedagógicos ao contexto em que se
de Certificação e a homologar por portaria do Ministro desenvolve o processo formativo;
para a Qualificação e o Emprego. e) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
f) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
g) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Artigo 6.o h) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Regime excepcional i) Avaliar cada acção de formação e, globalmente,
cada processo formativo, em função dos objec-
1 — A título excepcional, e quando justificado por tivos fixados e do nível de adequação con-
razões de natureza pedagógica ou técnica das acções seguido.
de formação, podem ser autorizados, pela entidade cer-
tificadora, mediante decisão fundamentada, a intervir 2 — O formador, enquanto elemento determinante
na formação os profissionais que, não satisfazendo para o êxito da acção formativa, é submetido a avaliação,
algum ou alguns dos requisitos exigidos no artigo 4.o tanto no âmbito da sua competência técnico-profissional
do presente diploma, possuam especial qualificação aca- como no seu contributo para a criação de um clima
démica e ou profissional ou detenham formação não de confiança e compreensão mútuas entre os interve-
disponível no mercado. nientes no processo formativo.
2 — Os formadores referidos no número anterior
ficam investidos nos direitos e deveres estabelecidos nos
artigos 7.o e 8.o do presente diploma, relativamente à Artigo 9.o
formação para que foram autorizados a intervir. Emissão de certificados de aptidão

1 — Desde que verificados os requisitos exigidos para


Artigo 7.o
o exercício da respectiva actividade, o certificado de
Direitos do formador aptidão de formador é requerido pelo interessado ou
pela entidade formadora ou beneficiária à entidade refe-
1— .......................................... rida na alínea a) do artigo 8.o do Decreto-Lei n.o 95/92,
de 23 de Maio, sendo válido pelo período de cinco anos
a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . se outro período de validade não for estabelecido em
b) Obter documento comprovativo, emitido pela norma específica de certificação.
entidade formadora ou beneficiária da forma- 2— ..........................................
ção, da sua actividade enquanto formador em
acções por ela desenvolvidas, do qual conste a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
especificamente o domínio, a duração e a qua- b) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
lidade da sua intervenção. c) Qualificações e competências por área e nível
c) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de formação;
d) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
2— .......................................... e) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
f) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
g) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Artigo 8.o
Deveres do formador 3 — O certificado de aptidão de formador pode ser
renovado por períodos sucessivos de cinco anos, se outro
1 — São, em especial, deveres do formador: período não for estabelecido em norma específica de
certificação, a requerimento, devidamente instruído, do
a) Fixar os objectivos da sua prestação e a meto-
interessado ou da entidade a que esteja vinculado.
dologia pedagógica a utilizar, tendo em con-
4 — A renovação do certificado de aptidão de for-
sideração o diagnóstico de partida, os objectivos
mador só pode ser concedida desde que se verifiquem,
da acção e os destinatários da mesma, com
cumulativamente, durante o período de validade do
observância das orientações da entidade forma-
anterior certificado, os seguintes requisitos, em relação
dora ou beneficiária;
ao formador:
b) Cooperar com a entidade formadora, bem como
com os outros intervenientes no processo for- a) Actualização científica e técnica na área de for-
mativo, no sentido de assegurar a eficácia da mação em que é especialista, a verificar nomea-
acção de formação; damente através de currículo profissional e ou
c) Preparar de forma adequada e prévia cada acção de formação específica;
de formação, tendo em conta os objectivos da b) Desenvolvimento de um processo contínuo de
acção, os seus destinatários, a metodologia ajustamento pedagógico aos objectivos, às temá-
pedagógica mais ajustada, a estruturação do ticas e aos destinatários, nomeadamente através
programa, a preparação de documentação e de da frequência de formação pedagógica;
suportes pedagógicos de apoio, o plano de ses- c) Actuação comprovada na área de formação por
são e os instrumentos de avaliação, bem como tipo de intervenção, com referência específica
os pontos de situação intercalares que deter- ao número de horas enquanto formador, às enti-
minem eventuais reajustamentos no desenvol- dades, à avaliação da sua prestação e dos resul-
vimento da acção; tados obtidos.
2950 DIÁRIO DA REPÚBLICA — I SÉRIE-B N.o 138 — 18-6-1997

5 — Os requisitos, referidos no número anterior, para b) Terem frequentado, com aproveitamento, pelo
a renovação dos certificados de aptidão de formador menos, sessenta horas de formação pedagógica
serão objecto de normas específicas de certificação, a considerada relevante pela entidade certifica-
aprovar pela Comissão Permanente de Certificação e dora.»
a homologar por portaria do Ministro para a Quali-
ficação e o Emprego.
6 — A certificação de aptidão de formador em con- Artigo 2.o
texto real de trabalho/tutor será objecto de regulamen-
tação própria, dada a especificidade da sua actividade. O disposto no presente diploma não se aplica ao exer-
cício da actividade de formador no âmbito dos sistemas
de formação contínua e especializada de docentes e de
Artigo 10.o
responsáveis da administração educacional e das acti-
Bolsas de formadores vidades de formação avançada para o Sistema Científico
e Tecnológico, designadamente as realizadas por ins-
1 — Será constituída, no âmbito do Instituto do tituições de ensino superior, laboratórios do Estado e
Emprego e Formação Profissional, nos termos do
outras instituições de investigação científica e de desen-
artigo 13.o do Decreto-Lei n.o 405/91, de 16 de Outubro,
uma bolsa nacional de formadores, integrando a nível volvimento experimental.
nacional todos os formadores para os quais foram emi-
tidos certificados de aptidão de formador. Artigo 3.o
2 — A bolsa nacional de formadores será organizada
de forma a possibilitar a constituição de bolsas regionais O presente diploma produz efeitos a partir de 1 de
e sectoriais, por áreas de formação, as quais deverão Janeiro de 1997.
conter elementos actualizados dos formadores por
região e sector. Presidência do Conselho de Ministros, 17 de Abril
3 — Compete ao Instituto do Emprego e Formação de 1997.
Profissional a organização, gestão e divulgação das bol-
sas de formadores, às quais terão acesso permanente António Manuel de Oliveira Guterres — Eduardo Car-
todas as entidades gestoras, formadoras e beneficiárias rega Marçal Grilo — Maria João Fernandes Rodri-
de formação. gues — José Mariano Rebelo Pires Gago.
Artigo 13.o
Promulgado em 22 de Maio de 1997.
Disposições transitórias
Publique-se.
1 — O certificado de aptidão de formador é exigido
para o exercício da respectiva actividade a partir de O Presidente da República, JORGE SAMPAIO.
1 de Janeiro de 1998.
2 — Podem obter certificado de aptidão de formador Referendado em 27 de Maio de 1997.
os profissionais que, satisfazendo os requisitos de com-
petência técnica estabelecidos na alínea b) do n.o 1 e O Primeiro-Ministro, em exercício, António Manuel de
no n.o 2 do artigo 4.o, satisfaçam uma das seguintes Carvalho Ferreira Vitorino.
condições relativamente à sua competência pedagógica:
a) Terem frequentado, com aproveitamento, até
1 de Janeiro de 1998, curso de formação peda-
gógica, com a duração mínima de sessenta horas, MINISTÉRIO DO AMBIENTE
considerado adequado pela entidade certifica-
dora; Decreto Regulamentar n.o 27/97
b) Possuírem experiência formativa comprovada,
no domínio técnico em que é especialista, de de 18 de Junho
pelo menos cento e oitenta horas, obtida no
período compreendido entre 1 de Janeiro de Prevê o n.o 1 do artigo 4.o do Decreto-Lei n.o 247/87,
1990 e 1 de Janeiro de 1998. de 17 de Junho, que a criação de carreiras ou categorias
específicas da administração local se faz mediante
3 — A validade dos certificados de aptidão de for- decreto regulamentar do Ministro do Planeamento e
mador concedidos ao abrigo da alínea b) do número da Administração do Território e do membro do
anterior é de dois anos, no termo dos quais o formador Governo que tiver a seu cargo a função pública.
deverá preencher os requisitos exigidos para a sua Competindo, nos termos da Lei n.o 24/96, de 31 de
renovação. Julho, às autarquias locais a protecção e defesa dos
4 — A primeira renovação dos certificados de que consumidores;
trata o número anterior só pode ser concedida desde Considerando que nos últimos 10 anos foram abertos,
que os formadores, no período de tempo de validade por protocolo entre as câmaras municipais e o Instituto
daqueles, satisfaçam cumulativamente os seguintes
do Consumidor, cerca de 40 centros de informação
requisitos:
autárquicos ao consumidor (CIAC) ou postos munici-
a) Terem desenvolvido, pelo menos, cento e vinte pais de informação ao consumidor (PMIC);
horas de formação na área de formação res- Sendo manifesta a vontade por parte dos municípios
pectiva; de proceder à abertura de novos CIAC;