Você está na página 1de 6

Ficha de trabalho 13

Educação Literária

Nome ____________________________________________ Ano ___________ Turma__________ N.o _________

Unidade 2 – Contos – «Sempre é uma Companhia», de Manuel da Fonseca

Lê o seguinte excerto do conto e responde às questões.

Sempre é uma companhia

António Barrasquinho, o Batola, é um tipo bem achado. Não faz nada, levanta-se quando calha, e
ainda vem dormindo lá dos fundos da casa. É a mulher quem abre a venda e avia aquela meia dúzia de
fregueses de todas as manhãzinhas. Feito isto, volta à lida da casa. Muito alta, grave, um rosto ossudo
e um sossego de maneiras que se vê logo que é ela quem ali põe e dispõe.
5 Que pessoas tão diferentes! Ele quase lhe não chega ao ombro, atarracado, as pernas arqueadas. De
chapeirão caído para a nuca, lenço vermelho amarrado ao pescoço, vem tropeçando nos caixotes até
que lá consegue encostar-se ao umbral da porta. Os olhos, semicerrados, abrem-se-lhe um pouco mais
para os campos. Mas fecha-os logo, diante daquela monotonia desolada.
Tais momentos de ira são pedaços de revolta passiva contra a mulher. É uma longa luta, esta. A
10 raiva do Batola demora muito, cresce com o tempo, dura anos. Ela, silenciosa e distante, como se em
nada reparasse, vai-lhe trocando as voltas. Desfaz compras, encomendas, negócios. Tudo vem a fazer-
-se como ela entende que deve ser feito. E assim tem governado a casa.
Batola vai ruminando a revolta sentado pelos caixotes. Chegam ocasiões em que nem pode encará-
-la. De olhos baixos, põe-se a beber de manhã à noite, solitário como um desgraçado. O fim daquelas
15 crises tem dado que falar: já muitas vezes, de há trinta anos para cá, aconteceu a gente da aldeia ouvir
gritos aflitivos para os lados da venda. Era o Batola, bêbado, a espancar a mulher.
Tirando isto, a vida do Batola é uma sonolência pegada.
[…]
E o Batola por mais que não queira, tem de olhar todos os dias a mesmo: aí umas quinze casinhas
desgarradas e nuas; algumas só mostram o telhado escuro, de sumidas que estão no fundo dos
20 córregos. Depois disso, para qualquer parte que volte os olhos, estende-se a solidão dos campos. E o
silêncio. Um silêncio que caiu, estiraçado por vales e cabeços, e que dorme profundamente. Oh, que
despropósito de plainos sem fim, todos de roda da aldeia e desertos!
Carregado de tristeza, o entardecer demora anos.
[…]
É sempre o mesmo. Os homens chegam com a noitinha, cansados da faina. Vão direito a casa e daí
25 a pouco toda a aldeia dorme. E António Barrasquinho, o Batola, não tem ninguém para conversar, não
tem nada que fazer. Está preso e apagado no silêncio que o cerca.
[…]
Os olhos da mulher trespassam-no. Volta o rosto pálido para o vendedor de telefonias, torna a
voltar-se para o marido. Por momentos, parece alheada de tudo quanto a cerca. Vagarosa, no tom de
quem acaba de tomar uma resolução inabalável, apruma-se, muito alta, dominadora, e diz:
30 – António, se isso aqui ficar eu saio hoje mesmo de casa. Escolhe.
Toda a gente da aldeia que enche a venda sabe que ela fará o que acaba de dizer. Até o vendedor
pressente que assim será. Mas, nessa tarde, vieram todos à venda, onde entraram com um olhar
admirado. Uma voz forte, rápida, dava notícias da guerra. Só de lá saíram depois de a voz se calar.
Cearam à pressa, e voltaram. Era já alta noite quando recolheram a casa, discutindo ainda, pelas
35 portas, numa grande animação.
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano 179
Um sopro de vida paira agora sobre a aldeia. Todos sabem o que acontece fora dali. E sentem que
não estão já tão distantes as suas pobres casas. Até as mulheres vêm para a venda depois da ceia. Há
assuntos de sobra para conversar. E grandes silêncios quando aquela voz poderosa fala de cidades
conquistadas, divisões vencidas, bombardeamentos, ofensivas. Também silêncio para ouvir as
40 melodias que vêm de longe até à aldeia, e que são tão bonitas!...
Acontece até que, certa noite, se arma uma festa na venda do Batola. Até as velhas dançaram ao
som da telefonia. Nos intervalos, os homens bebiam um copo, junto ao balcão, os pares namoravam-
-se, pelos cantos. Por fim, mudou-se de posto para ouvir as notícias do mundo. Todos se quedaram,
atentos.
45 E os dias passam agora rápidos para António Barrasquinho, o Batola.
– António – murmura ela, adiantando-se até ao meio da venda. – Eu queria pedir-te uma coisa...
Suspenso, o homem aguarda. Então, ela desabafa, inclinando o rosto ossudo, onde os olhos negros
brilham com uma quase expressão de ternura:
– Olha... Se tu quisesses, a gente ficava com o aparelho. Sempre é uma companhia neste deserto.
Manuel da Fonseca, «Sempre é uma companhia»,
in O fogo e as cinzas, 23.ª ed., Alfragide, Editorial Caminho, 2011, pp. 149-160.

1. António Barrasquinho e a mulher são duas personagens centrais neste conto.


1.1 Caracteriza-as, sustentando a tua resposta com elementos do texto.
2. Descreve a relação existente entre estas duas personagens, tendo em conta a globalidade do
excerto.

3. Localiza a ação no espaço, sustentando a tua resposta com elementos do texto.

4. Explicita a importância que o rádio adquire para aquela comunidade, tendo em conta a frase final
do conto.

5. Refere-te à importância do aparelho para a relação entre as personagens principais.

180 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano


Ficha de trabalho 14
Educação Literária

Nome ____________________________________________ Ano ___________ Turma__________ N.o _________

Unidade 2 – Contos: «George», de Maria Judite de Carvalho

Lê o seguinte excerto do conto «George», de Maria Judite de Carvalho, e responde às questões.

George

O rosto da jovem que se aproxima é vago e sem contornos, uma pincelada clara, e quando os tiver,
a esses contornos, ele será o rosto de uma fotografia que tem corrido mundo numa mala qualquer, que
tem morado no fundo de muitas gavetas, o único fetiche de George. As suas feições ainda são incertas,
salpicando a mancha pálida, como acontece com o rosto das pessoas mortas. Mas, tal como essas
5 pessoas, tem, vai ter, uma voz muito real e viva, uma voz que a cal e as pás de terra, e a pedra e o
tempo, e ainda a distância e a confusão da vida de George, não prejudicaram. Quando falar não criará
espanto, um simples mal-estar.
Agora estão mais perto e ela encontra, ainda sem os ver, dois olhos largos, semicerrados, uma boca
fina, cabelos escuros, lisos, sobre um pescoço alto de Modigliani. […]
10 Já não sabe, não quer saber, quando saiu da vila e partiu à descoberta da cidade grande, onde, dizia-
-se lá em casa, as mulheres se perdem. Mais tarde partiu por além terra, por além mar. […]
[…] Agora está – estava −, até quando? em Amesterdão.
Depois de ter deixado a vila, viveu sempre em quartos alugados mais ou menos modestos, depois
em casas mobiladas mais ou menos agradáveis. […]
15 Uma casa mobilada, sempre pensou, é a certeza de uma porta aberta de par em par, de mãos livres,
de rua nova à espera dos seus pés. […]
Queria estar sempre pronta para partir sem que os objetos a envolvessem, a segurassem, a
obrigassem a demorar-se mais um dia que fosse. Disponível, pensava. Senhora de si. Para partir, para
chegar. […]
20 Tão jovem, Gi. A rapariguinha frágil, um vime, que ela tem levado a vida inteira a pintar, primeiro
à maneira de Modigliani, depois à sua própria maneira, à de George, pintora já com nome nos
marchands das grandes cidades da Europa. Gi com um pregador de oiro que um dia ficou, por tuta e
meia, num penhorista qualquer de Lisboa. Em tempos tão difíceis. […]
[…] Gi fá-la por fazer e sorri o seu lindo sorriso branco de 18 anos. Depois ambas dão um beijo
25 rápido, breve, no ar, não se tocam, […] começam a mover-se ao mesmo tempo, devagar, como quem
anda na água ou contra o vento. Vão ficando longe, mais longe. E nenhuma delas olha para trás. O
esquecimento desceu sobre ambas.
Agora está à janela a ver o comboio fugir de dantes, perder para todo o sempre árvores e casas da
sua juventude, perder mesmo a mulher gorda, da passagem de nível, será a mesma ou uma filha ou
30 uma neta igual a ela? Árvores, casas e mulher acabam agora mesmo de morrer, deram o último
suspiro, adeus. […]
A figura vai-se formando aos poucos como um puzzle gasoso, inquieto, informe. Vê-se um pedacinho
bem nítido e colorido mas que logo se esvai para aparecer daí a pouco, mais nítido ainda, mais
esfumado. George fecha os olhos com a força possível, tem sono, volta a abri-los com dificuldade, olhos
35 de pupilas escuras, semicirculares, boiando nu material qualquer, esbranquiçado e oleoso.
À sua frente uma senhora de idade, primeiro esboçada, finalmente completa, olha-a atentamente.
De idade não, George detesta eufemismos, mesmo só pensados, a mulher velha. Tem as mãos
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano 181
enrugadas sobre uma carteira preta, cara, talvez italiana, italiana, sim, tem a certeza. A velha sorri de si
para consigo, ou então partiu para qualquer lugar e deixou o sorriso como quem deixa um guarda-
40 -chuva esquecido numa sala de espera. O seu sorriso não tem nada a ver com o de Gi – porque havia
de ter? –, são como o dia e a noite. Uma velha de cabelos pintados de acaju, de rosto pintado de vários
tons de rosa, é certo que discretamente mas sem grande perfeição. A boca, por exemplo, está um
bocado esborratada. Sem voz e sem perder o sorriso diz:
− Verá que há de passar, tudo passa. Amanhã é sempre outro dia. Só há uma coisa, um crime, que
45 ninguém nos perdoa, nada a fazer. Mas isso ainda está longe, muito longe, para quê pensar nisso?
Ainda ninguém a acusa, ainda ninguém a condena. […]
− Também tenho muitos encontros, eu. Não quero tê-los mas sou obrigada a isso, vivo tão só.
Cheguei à ignomínia de pedir a pessoas conhecidas retratos da minha família. […] . Porque... o tal
crime de que lhe falei, o único sem perdão, a velhice... Um dia vai acordar na sua casa mobilada...
[…]
50 George fecha os olhos com força e deixa-se embalar por pensamentos mais agradáveis, bem-
-vindos: a exposição que vai fazer, aquele quadro que vendeu muito bem o mês passado, a próxima
viagem aos Estados Unidos, o dinheiro que pôs no banco. O dinheiro no banco, nos bancos, é uma das
suas últimas paixões. Ela pensa – sabe? – que com dinheiro ninguém está totalmente só, ninguém é
totalmente abandonado. A velha Georgina já o deve ter esquecido. A velhice também traz consigo,
55 deve trazer, um certo esquecimento das coisas essenciais, pensa. […]
O calor de há pouco foi desaparecendo e agora já não há vestígios daquela aragem de forno aberto.
O ar está muito levemente morno e quase agradável. George suspira, tranquilizada. Amanhã estará em
Amesterdão na bela casa mobilada onde, durante quanto tempo?, vai morar com o último dos seus
amores.
Maria Judite de Carvalho, «George», in Maria Isabel Rocheta & Serafina Martins (coord.), Conto Português
(Séculos XIX-XXI) 3. Antologia Crítica, Porto, Caixotim, 2011, pp. 115-120.

1. Apoiando-te em elementos textuais, caracteriza a personagem George.

2. Explica o seu distanciamento físico e emocional da terra que deixou há mais de vinte anos.

3. Atenta agora nas outras duas «personagens» femininas:


3.1 Refere-te ao simbolismo dos seus nomes e à sua relação com George.
3.2 Refere-te ao visualismo das suas descrições.

4. Explica o sentido das palavras finais, considerando a globalidade do conto: «Amanhã estará em
Amesterdão na bela casa mobilada onde, durante quanto tempo?, vai morar com o último dos
seus amores» (ll. 57-59).

182 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano


Ficha de trabalho 15
Educação Literária

Nome ____________________________________________ Ano ___________ Turma__________ N.o _________

Unidade 2 – Contos: «Famílias desavindas», de Mário de Carvalho

Lê o seguinte excerto do conto «Famílias desavindas» e responde às questões.

Famílias desavindas

Por uma dessas alongadas ruas do Porto, que sobe que sobe e não se acaba, há de encontrar-se um
cruzamento alto, de esquinas de azulejo, janelas de guilhotina telhados de ardósia em escama. Faltam
razões para flanar por esta rua, banal e comprida, a não ser a curiosidade por um insólito dispositivo
conhecido de poucos: os únicos semáforos do mundo movidos a pedal, sobreviventes a outros que
5 ainda funcionavam na Guatemala, no início dos anos setenta.
[…]
Durante anos e anos o bom do Ramon pedalou e comutou. Por alturas da segunda Grande Guerra
foi substituído pelo seu filho Ximenez, pouco depois da revolução de Abril pelo neto Asdrúbal, e, um
dia destes, pelo bisneto Paco. A administração continua a pagar um vencimento modesto, equivalente
ao de jardineiro. Mas não é pelo ordenado que aquela família dá ao pedal. É pelo amor à profissão.
10 Altas horas da madrugada, avô, neto e bisneto foram vistos de ferramenta em riste a afeiçoar
pormenores. Fizeram questão de preservar a roda de trás e opuseram-se quase com selvajaria a um
jovem engenheiro que considerou a roda dispensável, sugerindo que o carreto bastasse.
[…]
Acontece que, mesmo à esquina, um primeiro andar vem sendo habitado por uma família de
médicos que dali faz consultório. Pouco antes da instalação dos semáforos a pedal, veio morar o
15 Doutor João Pedro Bekett, pai de filhos e médico singular. Chegou de Coimbra com boa fama mas
transbordava de espírito de missão. […] E nesta ânsia de convencer atravessava muitas vezes a rua. O
semáforo complicava. Aproximou-se do Ramon e bradou, severo: «A mim, ninguém me diz quando
devo atravessar uma rua. Sou um cidadão livre e desimpedido.» Ramon entristeceu. Não gostava que
interferissem com o seu trabalho e, daí por diante, passou a dificultar a passagem ao doutor. Era caso
20 para inimizade. E eis duas famílias desavindas. Felizmente, nunca coincidiram descendentes
casadoiros. Piora sempre os resultados.
Ao Dr. Pedro sucedeu o filho João, médico muito modesto. Informava sempre que o seu
diagnóstico era provavelmente errado. […] Herdou o ódio ao semáforo e passava grande parte do
tempo à janela, a encandear Ximenez com um espelho colorido.
25 Já entre o jovem médico Paulo e Asdrúbal quase se chegou a vias de facto. […] Uma tarde,
Asdrúbal levantou mesmo a mão e o doutor encurvou-se e enrijou o passo.
[…]
Há dias, vinha do almoço o Dr. Paulo com uma trouxa de ovos na mão, e já trazia entredentes o
«arrenego!» com que insultaria o semaforeiro, quando aconteceu o acidente. Ao proceder a um roubo
por esticão, um jovem que vinha de mota teve uns instantes de desequilíbrio, raspou por Paco e
30 deixou-o estendido no asfalto. Era grave. O Dr. Paulo largou ódios velhos, não quis saber de mais
nada e dobrou-se para o sinistrado.
[…]
Enganar-se-ia quem dissesse que o semáforo ficou abandonado. Uma figura de bata branca está todos
os dias naquela rua, do nascer ao pôr do sol, a acionar o dispositivo, pedalando, pedalando, até à exaustão.
É o Dr. Paulo cheio de remorsos, que quer penitenciar-se, ser útil, enquanto o Paco não regressa.
Mário de Carvalho, in Contos Vagabundos, Lisboa, Editorial Caminho, 2000.
Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano 183
1. Relaciona a descrição inicial da rua com a do dispositivo colocado no cruzamento.

2. Atenta nas duas famílias.


2.1 Caracteriza a família dos semaforeiros e a família dos médicos.
2.2 Põe em evidência o que une estas duas famílias e o que as separa, explicando o que as torna
«desavindas».
3. Identifica no texto marcas de temporalidade que nos indicam a passagem do tempo,
relacionando-as com as sucessivas gerações em conflito.
4. Explica o emprego das formas verbais «Enganar-se-ia» (l. 32) e em «pedalando» (l. 33).

184 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 12.o ano