Você está na página 1de 29

AÇOS

1
AÇO

 O QUE É?

2
PRINCIPAIS IMPUREZAS

 Si, Mn, P, S, Al (formam geralmente inclusões não-


metálicas)
 Elementos fragilizantes?

3
4
5
MATERIAIS METÁLICOS

FERROSOS NÃO FERROSOS


Ligas Al
Ferros fundidos
Ligas Ti
•Sem liga Ligas leves
Ligas Fe-C •Baixa liga Ligas Mg
Aços
•HSLA
Ligas Be
•Ligados
Bronzes
•Ferríticos
Fe-Cr •Austeníticos Ligas Cu Latões
•Martensíticos
(-Ni) Cu-Ni
•Duplex Ligas Ni
(INOX)
•PH
Outras Fe Fe-Ni Ligas Tm
(MARAGING)
Fe-C-Mn Ligas Tm
(HADFIELD) (REFRACTÁRIOS)
6

Fonte: Prof. Arlindo Silva IST- Portugal


LIGAS FERRO-CARBONO

0<%C<2 2<%C<4

AÇOS FERROS FUNDIDOS


Se não contiver
Sem liga ou nenhum elemento de
Aço-carbono liga em quantidade
superior aos mínimos
indicados

Teores máximos de alguns


Aço ligado elementos nos aços sem liga:
Aço de Se nenhum elemento • Al – 0,10% • Ni – 0,30
de liga atingir um • Bi – 0,10 • Nb – 0,06
baixa
teor de 5% • B – 0,0008 • Pb – 0,40
liga • Cr – 0,30 • Se – 0,10
Aço de Se pelo menos um el. • Co – 0,10 • Si – 0,50
alta liga de liga ultrapassar • Cu – 0,05
7
• Ti – 0,05
um teor de 5% • Mn – 1,65 • W – 0,01
• Mo – 0,08 • V – 0,10
CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

QUANTO

 Composição química
 Estrutura
 Propriedades ou Aplicação

8
CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

QUANTO A COMPOSIÇÃO
 Aço-Carbono  - sem elemento de liga
(elementos residuais: Si, Mn, P, S)
Alto, baixo e médio teor de carbono

 Aço-Liga baixa liga (máximo 3-3,5%)


média liga
alta liga (teor total mínimo de 10-12%)
9
PROPRIEDADES DOS AÇOS-CARBONO

 A resistência aumenta com o teor de Carbono


 A ductilidade diminui com o teor de Carbono
 São aços de relativa baixa dureza
 Oxidam-se facilmente
 Suas propriedades deterioram-se a baixas e altas temperaturas
 São os mais usados e de mais baixo custo

10
PROPIEDADES DOS AÇOS
BAIXO CARBONO
AÇO BAIXO CARBONO < 0,35% C

 Estrutura é usualmente ferrítica e perlítica


 São fáceis de conformar e soldar
 São aços de baixa dureza e alta ductilidade

11
MICROESTRUTURA DOS AÇOS
BAIXO TEOR DE CARBONO

Ferrita Perlita
12
APLICAÇÕES TÍPICAS DOS
AÇOS BAIXO CARBONO
 Entre as suas aplicações típicas estão as chapas
automobilística, perfis estruturais e placas utilizadas na
fabricação de tubos, construção civil, pontes e latas de
folhas-de-flandres.

13
PROPIEDADES DOS AÇOS MÉDIO
CARBONO RESFRIADOS LENTAMENTE

AÇO MÉDIO CARBONO  0,3-0,6% C

 São aços de boa temperabilidade em água


 Apresentam a melhor combinação de
tenacidade e ductilidade e resistência
mecânica e dureza
 São os aços mais comuns, tendo inúmeras
aplicações em construção : rodas e
equipamentos ferroviários, engrenagens,
virabrequins e outras peças de máquinas que
necessitam de elevadas resistências mecânica e ao
desgaste tenacidade.
14
MICROESTRUTURA DOS AÇOS MÉDIO
TEOR DE CARBONO RESFRIADOS
LENTAMENTE

Ferrita Perlita
15
PROPIEDADES DOS AÇOS ALTO
CARBONO
AÇO ALTO CARBONO  > 0,6% C

 Apresentam baixa conformabilidade e tenacidade


 Apresentam alta dureza e elevada resistência ao
desgaste
 Quando temperados são frágeis

16
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DOS
AÇOS
AISI-SAE XXXX
1XXX  Aço-carbono
10XX  Aço-carbono comum
11XX  teores diferenciados de S
12XX  teores diferenciados de S e P
13XX  alto teor de Mn (1,6-1,9%)

17
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO
DOS AÇOS
2XXX  Aço ao Níquel
3XXX  Aço ao Níquel e Cromo
4XXX  Aço ao Molibidênio
40XX  Mo 0,15-0,3%
41XX  Mo, Cr
43XX  Mo, Cr, Ni
5XXX  Aço ao Cromo
6XXX  Aço ao Cromo e Vanádio
8XXX  Aço ao Níquel, Cromo e Molibidênio
9XXX  Outros

18
CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS
ALTO TEOR DE LIGA

 Aços inoxidáveis
 Aços refratários (resistentes ao calor)
 Aços para ferramentas

São classificados de maneira diferente

19
CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

QUANTO A ESTRUTURA
 Perlíticos
 Martensíticos
 Austeníticos
 Ferríticos
 Carbídicos

20
TRATAMENTOS SUPERFICIAIS

Dentes de engrenagem temperadas por


21

indução
TRATAMENTOS SUPERFICIAIS

OBJETIVO

Endurecimento superficial do aço



visando

aumentar a resistência ao desgaste e à
22

abrasão da superfície
TIPOS DE ENDURECIMENTO

 TEMPERA SUPERFICIAL
 TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS

23
TÊMPERA SUPERFICIAL
Uso da chama para tratamento de engrenagem

Fonte:www.cimm.com.br
A profundidade de endurecimento pode ser aumentada pelo
prolongamento do tempo de aquecimento. Podem ser atingidas
profundidades de até 6,3 mm. O processo é uma alternativa
24

de tratamento para peças muito grandes, que não caibam em fornos


Na têmpera por indução, a peça é colocada no interior de uma bobina submetida à passagem de corrente
alternada. O campo energiza a peça, provocando seu aquecimento. Dependendo da freqüência e da corrente, a taxa
e a profundidade de aquecimento podem ser controladas.
Devido a estas características, o processo é indicado para tratamento térmico de superfície. Os detalhes de
tratamento são similares ao endurecimento por chama.

Fonte:www.cimm.com.br
25
TÊMPERA POR LASER
O processo é muito preciso em impor aquecimento seletivo sobre áreas bem específicas.
Além disto o processo pode ser feito em alta velocidade, produzindo pouca distorção.

Uso do laser em peça cilíndrica (esq.) e aplicação localizada (dir.)

26
Fonte:www.cimm.com.br
O endurecimento por feixe de elétrons é similar ao endurecimento por laser. A fonte de
energia é um feixe de elétrons de alta energia. O feixe é manipulado com o uso de espiras eletromagnéticas.
O processo pode ser automatizado, mas deve ser conduzido sob condições de vácuo, visto que os feixes de elétrons
dissipam-se facillmente no ar.
Como no caso do laser, a superfície pode ser endurecida com muita precisão, tanto na profundidade como na posição.

TÊMPERA POR FEIXE ELETRÔNICO

Uso do feixe mostrando equipamento ( esq.) e detalhe peça e fonte (dir.)


27
Fonte:www.cimm.com.br
2- TRATAMENTOS TERMOQUÍMICOS
DA SUPERFÍCIE

 CEMENTAÇÃO
 NITRETAÇÃO
 CIANETAÇÃO
 CARBO-NITRETAÇÃO
 BORETAÇÃO

28
CARBONITRE-
NITRETAÇÃO CIANETAÇÃO
TAÇÃO

CEMENTAÇÃO BORETAÇÃO

ADIÇÃO DE ADIÇÃO DE
ADIÇÃO DE C ADIÇÃO DE N ADIÇÃO DE B
CEN CEN

Sólida Líquida
Líquida Gasosa Sólida
Líquida Gasosa
Gasosa Plasma
Plasma

T proc.= abaixo
T proc.= acima T proc.=
da temp. crítica
da temp. crítica (900 C)
(500-600C) T proc.= 650- T proc.=
(850-950 C Dureza:
Dureza:~1000- 850 C (700-900 C)
ou mais) ~700-2000HV
1100HV Camada: de 0,1
Dureza:~65HRC 29 Camada: 4 h
Camada: até a 0,3 mm Camada: ~7 mm
Camada: até produz
1 mm
10 mm 100 mícrons