Você está na página 1de 145

SUMÁRIO

Sumário
CAPÍTULO 1: FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA ....................................................................................... 7

1.1 DEFINIÇÃO............................................................................................................................................................ 7
1.2 O QUE É UM COMPUTADOR?.................................................................................................................................... 8
1.2.1 Entrada........................................................................................................................................................10
1.2.2 Processamento........................................................................................................................................... 10
1.2.3 Saída............................................................................................................................................................11
1.2.4 Armazenamento.........................................................................................................................................11
1.3 HARDWARE......................................................................................................................................................... 15
1.3.1 Processador................................................................................................................................................ 15
1.3.2 Placa Mãe....................................................................................................................................................15
1.3.3 Memória.....................................................................................................................................................16
1.3.4 Periféricos...................................................................................................................................................17
1.3.5 Portas de Comunicação..............................................................................................................................18
1.3.6 Outros itens de hardware...........................................................................................................................19
1.4 SOFTWARE.......................................................................................................................................................... 20
1.4.1 Software Básico...........................................................................................................................................20
1.4.2 Software Aplicativo.....................................................................................................................................20
CAPÍTULO 2: SISTEMAS OPERACIONAIS .................................................................................................. 22

2.1 UM POUCO DE TEORIA ACERCA DE SISTEMAS OPERACIONAIS......................................................................................... 22


2.2 VISÃO GERAL....................................................................................................................................................... 23
2.3 PRINCIPAIS FUNÇÕES............................................................................................................................................. 24
2.4 SISTEMAS OPERACIONAIS....................................................................................................................................... 24
2.4.1 Divisão de Mercado de Sistemas Operacionais de Computadores ............................................................25
2.4.2 Windows.....................................................................................................................................................25
2.4.3 MAC OS X....................................................................................................................................................26
2.4.4 Linux............................................................................................................................................................27
2.4.5 Ubuntu........................................................................................................................................................28
2.5 SOFTWARE LIVRE X SOFTWARE PROPRIETÁRIO............................................................................................................ 29
2.5.1 Software Livre.............................................................................................................................................30
2.5.2 Todo software livre é gratuito?...................................................................................................................30
2.5.3 Software proprietário.................................................................................................................................31
CAPÍTULO 3: LIBREOFFICE ...................................................................................................................... 32

3.1 VISÃO GERAL....................................................................................................................................................... 32


3.2 WRITER.............................................................................................................................................................. 33
3.3 CALC.................................................................................................................................................................. 33
3.4 IMPRESS............................................................................................................................................................. 34
3.5 DRAW................................................................................................................................................................ 34
3.6 MATH................................................................................................................................................................ 34
3.7 BASE.................................................................................................................................................................. 35

CAPÍTULO 4: LIBREOFFICE WRITER ......................................................................................................... 36

4.1 CONHECENDO O WRITER....................................................................................................................................... 36

3
4.1.1 Inicializando o Editor de Texto....................................................................................................................36
4.1.2 A barra de título..........................................................................................................................................37
4.1.3 A barra de Menus.......................................................................................................................................37
4.1.4 As barras de Ferramentas...........................................................................................................................38
4.2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS............................................................................................................................... 38
4.2.1 Criando um novo documento.....................................................................................................................38
4.2.2 Editando arquivos já criados.......................................................................................................................38
4.2.3 Salvando o documento...............................................................................................................................39
4.2.4 Exportando para PDF..................................................................................................................................39
4.3 EDITANDO O DOCUMENTO...................................................................................................................................... 40
4.3.1 Desfazendo e refazendo ações...................................................................................................................40
4.3.2 Copiando e colando textos e figuras...........................................................................................................40
4.3.3 Colar Especial..............................................................................................................................................41
4.3.4 Selecionando tudo......................................................................................................................................41
4.3.5 Localizando uma palavra no arquivo..........................................................................................................41
4.4 CONFIGURANDO A EXIBIÇÃO................................................................................................................................... 42
4.4.1 Layout de impressão...................................................................................................................................42
4.4.2 Layout da Web............................................................................................................................................42
4.4.3 Barras de ferramentas................................................................................................................................42
4.4.4 Barra de status............................................................................................................................................43
4.4.5 Régua.......................................................................................................................................................... 44
4.4.6 Limites do texto..........................................................................................................................................44
4.5 INSERINDO ELEMENTOS NO DOCUMENTO.................................................................................................................. 44
4.5.1 Campos....................................................................................................................................................... 44
4.5.2 Cabeçalho................................................................................................................................................... 45
4.5.3 Rodapé........................................................................................................................................................46
4.5.4 Figura.......................................................................................................................................................... 46
4.6 FORMATANDO O DOCUMENTO................................................................................................................................ 47
4.6.1 Formatação de Caracteres..........................................................................................................................47
4.6.2 Formatar Parágrafo.....................................................................................................................................48
4.6.3 Marcadores e Numeração..........................................................................................................................50
4.6.4 Página..........................................................................................................................................................51
4.6.5 Colunas....................................................................................................................................................... 54
4.6.6 Estilos e Formatação...................................................................................................................................54
4.6.7 Autocorreção.............................................................................................................................................. 55
4.6.8 Âncora.........................................................................................................................................................55
4.6.9 Alinhamento............................................................................................................................................... 55
4.7 TRABALHANDO COM TABELAS................................................................................................................................. 56
4.7.1 Inserir tabela...............................................................................................................................................56
4.7.2 Mesclar células........................................................................................................................................... 57
4.7.3 Autoformatar.............................................................................................................................................. 57
4.7.4 Autoajustar................................................................................................................................................. 57
4.7.5 Propriedades da tabela...............................................................................................................................58
CAPÍTULO 5: LIBREOFFICE CALC ............................................................................................................. 59

5.1 O QUE É O CALC?................................................................................................................................................. 59


5.2 APRESENTANDO O CALC......................................................................................................................................... 59
5.2.1 Como iniciar Calc no Linux..........................................................................................................................59
5.2.2 Navegando dentro das planilhas................................................................................................................63
5.2.3 Selecionando itens em uma folha ou planilha ............................................................................................68
5.2.4 Trabalhando com colunas e linhas..............................................................................................................72
5.2.5 Trabalhando com folhas..............................................................................................................................74
5.2.6 Opções de visualização no Calc..................................................................................................................76
4
5.3 ENTRADA DE DADOS............................................................................................................................................. 78
5.3.1 Entrando com texto.................................................................................................................................... 78
5.3.2 Entrando números como texto...................................................................................................................78
5.3.3 Entrando com datas e horários...................................................................................................................78
5.3.4 Autoentrada................................................................................................................................................78
5.3.5 Conversão automática de data................................................................................................................... 79
5.3.6 Aumentando a velocidade da entrada de dados........................................................................................79
5.3.7 Copiando e colando....................................................................................................................................79
5.3.8 Utilizando a ferramenta de preenchimento nas células.............................................................................80
5.3.9 Utilizando listas de seleção.........................................................................................................................81
5.4 EDITANDO DADOS................................................................................................................................................. 81
5.4.1 Removendo dados de uma célula...............................................................................................................81
5.4.2 Substituindo todos os dados de uma célula...............................................................................................82
5.5 FORMATANDO DADOS............................................................................................................................................ 83
5.5.1 Mesclando várias células............................................................................................................................83
5.5.2 Ferramenta pincel de estilo........................................................................................................................83
5.5.3 Inserir uma anotação (comentário)............................................................................................................83
5.5.4 Encolhendo o texto para caber na célula................................................................................................... 84
5.5.5 Formatando a largura ideal da coluna para exibir todo o conteúdo da célula ...........................................84
5.5.6 Formatando números.................................................................................................................................84
5.5.7 Formatando a fonte....................................................................................................................................85
5.5.8 Formatando as bordas das células..............................................................................................................86
5.5.9 Formatando plano de fundo da célula........................................................................................................86
5.6 RELEMBRANDO.................................................................................................................................................... 88
5.7 DOCUMENTOS QUE PODEM SER FEITOS EM UMA PLANILHA........................................................................................... 89
5.8 FÓRMULAS.......................................................................................................................................................... 89
5.8.1 Sintaxe Universal de uma Planilha..............................................................................................................91
5.9 FUNÇÕES............................................................................................................................................................ 94
5.9.1 Funções I.....................................................................................................................................................95
5.9.2 Funções II....................................................................................................................................................96
5.9.3 Funções III...................................................................................................................................................97
5.9.4 Curiosidade de funções no Calc................................................................................................................100
5.10 GERANDO GRÁFICOS NO CALC............................................................................................................................ 100
5.11 MODELOS DE PLANILHAS E DE OUTROS DOCUMENTOS............................................................................................. 103
5.12 DIFERENÇAS ENTRE O LIBREOFFICE CALC E O MICROSOFT EXCEL................................................................................ 105

CAPÍTULO 6: LIBREOFFICE IMPRESS ...................................................................................................... 107

6.1 CONHECENDO O IMPRESS..................................................................................................................................... 107


6.1.1 Inicializando o Software de Apresentação................................................................................................107
6.1.2 Barras de: Título, Menu, Padrão...............................................................................................................108
6.1.3 Painel de Slides.........................................................................................................................................109
6.1.4 Modo de Exibição.....................................................................................................................................109
6.1.5 Painel de Tarefas.......................................................................................................................................110
6.1.6 Barra de Desenho.....................................................................................................................................111
6.1.7 Área de Trabalho.......................................................................................................................................111
6.2 CRIAÇÃO DE SLIDES............................................................................................................................................. 112
6.2.1 Criando Nova Apresentação.....................................................................................................................112
6.2.2 Definindo Layout.......................................................................................................................................113
6.2.3 Página Mestre...........................................................................................................................................114
6.2.4 Animação Personalizada...........................................................................................................................115
6.2.5 Transição de Slides....................................................................................................................................117
CAPÍTULO 7: INTERNET ........................................................................................................................ 119

5
7.1 O SURGIMENTO DA INTERNET ............................................................................................................................... 119
7.2 CUIDADOS AO NAVEGAR...................................................................................................................................... 119
7.3 INTRODUÇÃO AO MOZILLA FIREFOX........................................................................................................................ 120
7.3.1 Área de Trabalho.......................................................................................................................................120
7.3.2 Arquivo......................................................................................................................................................122
7.3.3 Editar.........................................................................................................................................................127
7.3.4 Exibir.........................................................................................................................................................127
7.3.5 Histórico....................................................................................................................................................130
7.3.6 Favoritos....................................................................................................................................................131
7.3.7 Ferramentas..............................................................................................................................................133
7.3.8 Ajuda.........................................................................................................................................................134
7.3.9 Começando a pesquisar na Internet.........................................................................................................135
7.4 CONHECENDO O GOOGLE..................................................................................................................................... 135
7.4.1 A utilidade de cada link.............................................................................................................................136
7.4.2 Começando uma pesquisa no Google......................................................................................................136
7.4.3 Buscando imagens no Google...................................................................................................................138
7.4.4 Salvando uma imagem..............................................................................................................................140
7.5 E-MAIL............................................................................................................................................................. 141
7.5.1 Criando uma conta de e-mail....................................................................................................................141
7.5.2 Começando a usar o Gmail.......................................................................................................................143
7.5.3 Enviando um e-mail..................................................................................................................................144
7.5.4 Acessando o e-mail...................................................................................................................................145
7.6 GOOGLE MAPS.................................................................................................................................................. 145
7.6.1 Barra de buscas.........................................................................................................................................146
7.6.2 Tipos de mapas e outras informações......................................................................................................146
7.6.3 Zoom e Movimentação.............................................................................................................................147
7.6.4 Funções dos links acima do mapa............................................................................................................147
7.6.5 A diferença entre os diferentes tipos de visualização..............................................................................148
7.6.6 Curiosidades no Google Maps..................................................................................................................149
7.7 CONHECENDO O YOUTUBE................................................................................................................................... 149
7.7.1 Acessando o YouTube...............................................................................................................................149
7.7.2 Controles...................................................................................................................................................152

6
CAPÍTULO 1: FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA

1.1 DEFINIÇÃO

A Informática é comumente definida como a ciência que estuda o tratamento


automático e racional da informação. Para tanto, pressupõe o uso de computadores ou
dispositivos eletrônicos no trato com a informação (VELLOSO, 2004).
O termo, segundo (LANCHARRO et al., 1991), foi criado na França em 1962 e
provém da contração das palavras Information automatique (Informacão automática).
A informática está presente em inúmeros aspectos de nossas vidas:
• No comércio, indústria e manufatura;
• Na área educacional;
• Nos eletrodomésticos;
• No controle do tráfego aéreo, de metrôs e semáforos;
• Nos sistemas de vigilância;
• Na produção e distribuição de energia;
• Nos caixas eletrônicos;
• Na medicina;
• Na pesquisa científica;
• Na produção e divulgação de filmes, músicas e jogos;
• Etc.
As operações que se apoiam na informática são comumente designadas como
operações de processamento de dados. O objetivo destas operações é transformar
dados brutos em dados úteis, isto é, em informação. Embora sejam frequentemente
tratados como sinônimos, estes dois conceitos diferem em seus significados:

Dados: ideias ou fatos em sua forma bruta, que por si só não conduzem a
compreensão de determinada situação (FEDELI et. al., 2010).
Ex: as notas parciais 7.0 e 4.0 de um aluno.
Informação: dados que foram transformados, manipulados e organizados e
que tem valor para a tomada de decisões.
Ex: o aluno está reprovado por não ter atingido a média 6.0.

As atividades de processamento de dados em si independem do uso do


computador: quando realizamos um cálculo, conferimos um troco ou verificamos

7
quando tempo falta para um compromisso, estamos processando dados. Para
(VELLOSO, 2004), atividades de processamento de dados são as atividades que, a
partir de dados conhecidos, através de processamento, conduzem a resultados
procurados, com ou sem o emprego de qualquer equipamento auxiliar.
As atividades de processamento de dados sempre envolvem as seguintes
etapas (Fig.1):

Figura 1: Etapas do processamento de dados.

Observe que estes três processos podem ser executados tanto por uma pessoa
quanto por um computador de grande porte ou mesmo por uma calculadora eletrônica
de bolso. Entretanto, muitas tarefas de processamento de dados são demasiadamente
mecânicas e repetitivas para o ser humano, de modo que podem ser realizadas mais
rapidamente e de forma mais precisa por máquinas. Aliás, esse sempre foi o objetivo
da informática, desde seus primórdios: auxiliar o homem nas tarefas rotineiras e
repetitivas de processamento de dados.
Além da grande velocidade e confiabilidade na execução das etapas acima, os
computadores também são capazes de armazenar tanto os dados de entrada quanto
os resultados do processamento para uso posterior. Isto é, além dos processos de
entrada, processamento e saída, os computadores executam atividades de
armazenamento.

1.2 O QUE É UM COMPUTADOR?

“Sempre que o intelecto humano e a tecnologia se encontram, o computador


está presente.” (NORTON, 1996).

Não há uma forma única de responder a esta pergunta, visto que os


computadores estão cada vez menores e mais onipresentes nos mais diversos
ambientes e com as mais distintas finalidades. Quando falamos em computador,
podemos estar nos referindo ao computador de bordo de um veículo, a um dispositivo
de mão (como uma agenda eletrônica), a um notebook, a uma máquina que controla a
temperatura de uma caldeira em uma indústria ou até mesmo a um supercomputador,
com milhares de processadores, destinado a processar dados de pesquisas espaciais.
Dada esta diversidade, vamos definir o computador como uma máquina capaz
de realizar uma grande gama de tarefas, com alta velocidade e precisão, desde
que receba as instruções adequadas de um programa.

8
Ou seja, diferentemente de um refrigerador ou de um forno de micro-ondas, que
possuem um propósito bem definido, um computador pode ser utilizado para uma
grande variedade de tarefas (digitar um texto, navegar na Internet, ouvir música, ver
filmes, acompanhar investimentos, projetar edificações, publicar notícias, etc.), de
acordo com os programas que são colocados em execução.
Um sistema informatizado e formado por três elementos fundamentais:

• Hardware:

Parte física do sistema informatizado, formada por um conjunto de componentes


elétricos, eletrônicos, eletromecânicos (placas e demais dispositivos periféricos).

• Software:

Conjunto de instruções que comandam o funcionamento do hardware, também


chamado simplesmente de “programa”. É o software que transforma o hardware em um
algo útil para nós, usuários. O software é dito um elemento lógico, pois é algo
intangível, que só existe na memória do computador. Isto é, não possui existência
física.

• Peopleware:

São as pessoas envolvidas no desenvolvimento e utilização do sistema


informatizado.

Resumindo:

HARDWARE→ Elemento físico (equipamento)


SOFTWARE → Elemento lógico (programas)
PEOPLEWARE → Elemento humano (usuários)

Sob a direção e controle dos programas, os computadores, independentemente


do tamanho e do serviço executado, executam quatro operações básicas: entrada,
processamento, saída e armazenamento (Figura 2 e Figura 3).

9
Figura 2: Etapas do processamento de dados em um computador.

Figura 3: Ilustração de alguns dispositivos associados às 4 operações básicas de um


computador.

1.2.1 Entrada

As operações de entrada são realizadas através dos periféricos de entrada e


consistem na aceitação dos dados para processamento. Como exemplo, temos a
entrada de texto pelo teclado, de comandos pelo mouse e de som pelo microfone.

1.2.2 Processamento

10
Consiste na execução de operações sobre os dados recebidos. Esta tarefa e
realizada pelo processador, também conhecido como Unidade Central de
Processamento (Central Processing Unit – CPU). O processador executa as instruções
contidas nos programas e controla o acesso aos dados na memória.

1.2.3 Saída

As operações de saída são realizadas através dos periféricos de saída, os quais


transformam os resultados do processamento que estão na memória para um formato
compreensível ou acessível pelos usuários. Podemos citar a saída pelo monitor, que
mostra os resultados das operações de processamento na tela, pelos alto-falantes, que
permitem ouvir os resultados do processamento de som e a impressora, que gera a
saída em papel.

1.2.4 Armazenamento

Operações de armazenamento dos dados, durante o processamento ou para


uso posterior. Os dados de entrada e os que estão sendo processados são
armazenados primeiramente na memória principal (RAM). E na memória RAM que o
processador busca os dados para processar e armazena os resultados de suas
operações. O sistema operacional e os programas que estão abertos num dado
momento também ficam na memória RAM, até que sejam fechados ou que o
computador seja desligado. Quando for necessário armazenar dados para uso
posterior, podemos salvá-los (gravá-los) em dispositivos de memória secundária, como
o disco rígido (HD), pen drives, CDs e DVDs.
Adiante, no tópico 1.4, veremos os itens de hardware associados a cada
operação de forma mais detalhada.

11
1.3 HARDWARE

Como vimos, o hardware compreende a parte física do computador, isto é, suas


peças. Seus componentes fundamentais são (Figura 5):

Figura 5: Componentes fundamentais do hardware e suas relações com as operações


ilustradas na Figura 3.

• O processador (ou microprocessador), responsável pelo tratamento das


informações armazenadas na memória (programas e dados);
• A memória, responsável pelo armazenamento dos programas e dos dados;
• Periféricos, que são dispositivos responsáveis pelas entradas e saídas de
dados do computador, ou seja, pelas interações entre o computador e o mundo
exterior;
• Barramentos, canais de comunicação que interligam todos os componentes e
por onde circulam todos os dados tratados pelo computador.

1.3.1 Processador

O processador, também chamado de CPU (Central Processing Unit, ou Unidade


Central de Processamento), é considerado o “cérebro” do computador: é ele quem
executa programas, faz cálculos e controla o fluxo de funcionamento de toda a
máquina, de acordo com as instruções dos programas armazenados na memória.

1.3.2 Placa Mãe

A placa mãe é responsável por interconectar todas as peças que formam o


computador (Figura 6).
Figura 6: Ilustração de uma placa mãe e suas principais conexões.

12
Ela possui um soquete onde é encaixado o processador, além de encaixes
denominados slots para os módulos de memória RAM e placas de expansão (de vídeo,
de som, de rede, etc.). Também possui encaixes para os cabos que conectam o HD e
os drives de CD/DVD, além de diversas portas para conexão de dispositivos externos
(mouse, teclado, impressora).
Na placa mãe também ficam os barramentos (que são os canais por onde os
dados circulam entre os diferentes componentes de hardware).

1.3.3 Memória

São dispositivos eletrônicos, magnéticos ou óticos capazes de reter informações


que foram ou que ainda serão processadas. Existem quatro tipos de memória:

a) Memória RAM

A memória principal ou RAM (Random-Access Memory, memória de acesso


aleatório) armazena temporariamente as informações, mantendo o sistema operacional
e os programas que estiverem em uso, além dos dados de processamento necessários
a cada momento (VELLOSO, 2004). Quando um trabalho é concluído e arquivado e o
respectivo programa é encerrado, a porção de memória RAM ocupada por eles é
liberada.

13
b) Memória ROM

A memória ROM (Read-Only Memory) é uma memória somente de leitura e não


volátil que fica em um chip, localizado na placa mãe (veja a Figura 6). Traz gravado de
fábrica um conjunto de programas que gerenciam as rotinas de inicialização do
computador e não podem ser apagados.

c) Memória Cache

É uma memória de acesso aleatório consideravelmente mais rápida que a


memória RAM.

d) Memória Secundária

Dentro desta categoria estão os dispositivos de armazenamento não volátil, ou


seja, aqueles em que o conteúdo não se perde quando o computador e desligado.
Nestes dispositivos, as informações são armazenadas na forma de arquivos.
Quando criamos um arquivo e o “salvamos”, estamos na verdade copiando-o da
memória RAM para um desses dispositivos.
Os principais dispositivos de memória secundaria são:
• Disco rígido (HD)
• Mídias óticas (CD e DVD)
• Pen drive
• Cartão de memória

1.3.4 Periféricos

São dispositivos que permitem a interação e a comunicação entre a CPU e o


mundo externo, possibilitando a entrada e a saída de dados. São assim chamados por
se situarem fora da CPU, isto e, em sua “periferia”.

São classificados em:

• Periféricos de ENTRADA:
Exemplos: Teclado, Mouse, Drive de CD-ROM, Drive de DVD-ROM, Microfone,
Scanner, Webcam.

• Periféricos de SAIDA:

14
Exemplos: Monitor, Impressora, Placa de vídeo, Placa de som, Caixa de som.

• Periféricos de ENTRADA e SAIDA:


Exemplos: Drive de CD-R, CD-RW, DVD-R e DVD-RW, Modem, Placa de rede,
Monitor sensível ao toque (touchscreen).

1.3.5 Portas de Comunicação

São conectores que possibilitam a ligação dos periféricos a placa mãe. Podem
ser de entrada e/ou saída de dados e geralmente se localizam na parte de trás do
gabinete (ou nas laterais, no caso de computadores portáteis). As portas podem ser do
tipo:

• Serial: usada nos mouses mais antigos, transmite os bits um a um. Pode ser
de 9 ou 25 pinos.

• Paralela: transfere 8 bits (1 byte) de cada vez. Utilizada em impressoras e


scanners mais antigos, possui 25 pinos (Figura 9).

Figura 9: Visão de uma placa mãe mostrando as principais portas de comunicação.

• DIN: atualmente em desuso, era utilizada em teclados mais antigos.

• PS/2 ou mini-DIN: é utilizada em alguns modelos de teclado e mouse.

• USB (Universal Serial Bus): permite conectar periféricos sem a necessidade


de instalação de placas dentro do gabinete. Usa o padrão Plug and Play (plugue e
use), isto é, um novo dispositivo pode ser instalado e configurado
instantaneamente, sem reiniciar o sistema operacional. Permite a ligação de até 127
15
dispositivos em série e pode conectar praticamente qualquer periférico: webcams,
teclados, impressoras, pen drives, mouses, etc.

• Infravermelho: transmite dados sem o uso de cabos a uma distância máxima


de 1 metro. Os dispositivos devem estar apontados um para o outro.

• Bluetooth: transmite dados sem fio entre dispositivos situados em um raio de


10 metros. Os dispositivos não necessitam apontar um para o outro. Um dispositivo
que possui esta tecnologia possui o símbolo de identificação.

• Firewire: bastante parecida com a USB, porém, mais rápida.

1.3.6 Outros itens de hardware

Os itens abaixo relacionados não são considerados periféricos, mas também são
importantes para o funcionamento do computador:

• Fonte de alimentação: responsável por distribuir energia elétrica a todos os


componentes do computador;

• Filtro de linha: filtra ruídos na corrente elétrica. Frequências acima de 60Hz


(com certa tolerância) são eliminadas, Figura 10;

• Estabilizador de voltagem: normaliza picos de energia alta ou baixa, como


aqueles provocados quando outro eletrodoméstico e ligado na mesma rede;

• Nobreak: bateria que mantém o computador ligado na ocorrência de uma


queda de energia, impedindo assim a interrupção abrupta do processamento.

Figura 10: Da esquerda para a direita: uma fonte de energia, um filtro de linha, um
estabilizador e um nobreak.

16
1.4 SOFTWARE

A maioria dos computadores são máquinas de uso geral, que podem realizar as
mais variadas tarefas. Quem dá ao computador a capacidade de realizar uma
determinada tarefa é o software. Segundo (NORTON, 1996), software são instruções
eletrônicas que em geral residem em um meio de armazenamento (memória). Um
conjunto específico destas instruções é chamado de programa e informa aos
componentes físicos da máquina o que eles devem fazer.
Podemos classificar o software em básico e aplicativo.

1.4.1 Software Básico

Como o nome já diz, o software básico é essencial para o funcionamento do


computador. Seu principal representante é o Sistema Operacional.
O sistema operacional é um programa ou conjunto de programas que
gerencia todos os recursos do computador, além de realizar a interface com o
usuário. Como exemplo, temos o Windows, as várias distribuições Linux (Ubuntu,
Fedora, Slackware, SuSe, Debian, etc.), o MacOS, o FreeBSD e até mesmo os
sistemas operacionais para dispositivos móveis, como o Android e o Symbian.
Quando ligamos o computador, ele passa por várias etapas até estar pronto para
utilização. Inicialmente, os programas que residem na memória ROM são executados.
Nesta etapa, “o computador identifica os dispositivos que estão conectados a ele, conta
a quantidade de memória disponível e faz uma verificação rápida para ver se a
memória está funcionando corretamente” (NORTON, 1996).
Após estas verificações, se tudo estiver funcionando, o computador irá procurar
e carregar o sistema operacional para a memória RAM, onde ele permanecerá
enquanto o computador estiver ligado. Após completar o carregamento do sistema
operacional, o computador estará pronto para receber comandos dos dispositivos de
entrada (NORTON, 1996).
Esse processo de inicialização do computador é conhecido como bootstrap ou
simplesmente boot.

1.4.2 Software Aplicativo

São os programas criados para auxiliar o usuário a realizar suas tarefas.


Diferentemente do sistema operacional, que é voltado para o gerenciamento dos
recursos da máquina, os aplicativos são voltados às necessidades dos usuários.
Subdividem-se em:

17
• Aplicativos de propósito geral: são programas desenvolvidos para tarefas
comuns, de rotina. Como por exemplo:
o Processador de textos (Word, Writer)
o Planilha eletrônica (Excel, Calc)
o Gerador de apresentações (Power Point, Impress)
o Banco de dados (Access, MySQL, Oracle, PostgreSQL)
o Desktop Publishing - editoração eletrônica (Page Maker)
o Gráficos (Photoshop, Corel Draw, Gimp)
o Navegador (Internet Explorer, Firefox, Chrome)

• Aplicativos de uso específico: são construídos para automatizar tarefas em


situações mais específicas. Muitas vezes são desenvolvidos sob encomenda para
uma empresa ou instituição, envolvendo o trabalho de analistas de sistemas e
programadores. Veja alguns exemplos:
o Administrativos: faturamento, contas a pagar, folha de pagamento, controle
de estoque, controle da produção, contabilidade, controle de projetos;
o Técnico-científicos: problemas de engenharia, CAD, simulação matemática,
medicina, pesquisa operacional, desenvolvimento de projetos, biologia,
genética, astronomia, geologia;
o Automação Industrial: controle de processos, telemetria, controle de
fabricação, CAM;
o Automação Comercial: reserva de passagens, bancos, pontos de venda;
o Educacional: assistência a instrução, ensino auxiliado pelo computador,
educação a distância;
o Lazer: jogos, música, desenho e pintura, cinema, etc.;
o Especiais: teleprocessamento, comunicações, militares, pesquisas espaciais,
previsões meteorológicas e outros.

• Utilitários: são softwares de apoio à solução de problemas e que complementam


as funções básicas do sistema operacional. Programas para backup, compactação
de arquivos, restauração do sistema, antivírus, desfragmentador de disco, entre
outros são exemplos de utilitários.

18
CAPÍTULO 2: SISTEMAS OPERACIONAIS

2.1 UM POUCO DE TEORIA ACERCA DE SISTEMAS OPERACIONAIS

Um Sistema Operacional faz o intermédio entre a parte física do


computador (hardware) e a parte lógica (software). Também pode ser visto como o
“meio de campo” entre a máquina e o usuário, isto é, para que o usuário possa operar
todo o software aplicativo instalado no hardware, precisa ter antes de tudo um software
básico instalado, ou seja, o sistema operacional.
A sigla usual para designar esta classe de programas é SO (do português
Sistema Operacional) ou OS (do inglês Operating System).
O SO tem várias funções. É ele o responsável por controlar dispositivos de
entrada e saída (que também são hardware), gerenciar e manter o sistema de arquivos
e também fornecer suporte aos programas (software) que serão executados.
Quando há interação do usuário com o computador, esta se dá através da
manipulação de dispositivos de entrada como teclado e mouse. O sistema operacional
é quem identifica as teclas que são pressionadas e também o posicionamento do
mouse. Ele percebe que esses dispositivos foram manipulados, por isso se faz
necessário gerenciar o hardware.
Também é o SO que gerencia todas as operações relacionadas ao
armazenamento, manutenção e deleção das informações que o usuário manipula
através de arquivos por algum tempo determinado. Após o desligamento de um
computador, as informações previamente salvas ficam armazenadas em algum
dispositivo de memória permanente que pode ser um disco rígido, um pendrive, um CD
ou DVD. Antes do armazenamento permanente, a informação é armazenada de forma
temporária pela memória RAM. Pois gerenciar dispositivos de armazenamento, sejam
eles temporários ou permanentes, é mais um papel do sistema operacional.

Qualquer programa de computador, um editor de textos, um navegador de


Internet, um programa de contabilidade, um jogo de computador, um player de música,
etc., ao ser carregado na memória RAM para poder executar dentro do processador
recebe um nome especial: processo. Processo é, portanto, um programa que está em
execução. O usuário em um sistema operacional multiprocesso acaba utilizando vários
programas ao mesmo tempo.
Quem organiza este vasto número de programas (processos) rodando em um
único processador ao mesmo tempo também é o sistema operacional. A ilusão de que
um único processador rode vários programas ao mesmo tempo é fornecida pelo SO. A
possibilidade de carregar dois ou mais programas na memória RAM chama-se
multiprogramação enquanto que o nome desse rodízio entre os vários programas para
ocupar o processador (bem como entre os vários usuários, executando diferentes
19
processos em um único computador de grande porte) chama-se compartilhamento de
tempo.
Um dos desafios do sistema operacional é organizar a memória RAM para que
ela armazene todos os processos solicitados pelo usuário. Assim que o computador é
ligado, o sistema operacional é carregado na memória RAM. Neste momento existe
uma boa parte da RAM livre para que o usuário possa ocupá-la com seus processos
(programas executando).
Na medida em que os processos vão sendo carregados e encerrados, novos
espaços são liberados na RAM para serem reutilizados. Novamente o SO aparece
como gerente, pois ele contabiliza informações sobre os espaços livres e ocupados da
memória e é ele também que não permite que um processo ocupe a área de outro que
ainda está em execução. Lembre-se que um único programa normalmente tem vários
processos executando.
O sistema operacional não nega a inicialização de novos processos, mesmo
quando a memória RAM está completamente utilizada. Para conseguir isso, ele
estende esse mapa da memória RAM para uma área dentro do disco rígido.

Cada sistema operacional tem seu modo de tratar o conjunto de arquivos e


possui estruturas de diretórios diferentes para organizar e fornecer informações sobre
os arquivos armazenados no sistema. Esta porção do sistema operacional recebe o
nome de sistema de arquivos.
Arquivo é o nome dado a um conjunto de dados eletrônicos que fazem
sentido para o usuário. Por exemplo, uma fotografia é um conjunto de bits que
marcam pontos de cores diferentes, enquanto que uma música é um conjunto de bits
que representam as ondas de áudio que devem ser geradas pelo dispositivo de som.
Para melhorar a organização dos arquivos é possível classificá-los por extensão e
agrupá-los em pastas ou diretórios conforme a finalidade de cada grupo. As extensões
“.txt”, “.mp3”, “.jpg” se referem, por exemplo respectivamente a arquivos de texto,
música e imagem.
Somente o sistema operacional pode manipular um sistema de arquivos. Ele
deve intermediar todos os momentos em que um aplicativo deseja carregar ou gravar
dados no dispositivo de armazenamento. Toda vez que um usuário precisa criar uma
nova pasta ou novo arquivo, modificar nomes, apagar pastas ou arquivos, quem lhe
prove estas ações e o sistema operacional.

2.2 VISÃO GERAL

Podemos então resumir dizendo que: um Sistema Operacional é um


programa ou um conjunto de programas cuja função é gerenciar os recursos do
sistema (definir qual programa recebe atenção do processador, gerenciar memória,
criar um sistema de arquivos, etc.), fornecendo uma interface entre o usuário e o
computador.

20
2.3 PRINCIPAIS FUNÇÕES

Um sistema operacional possui as seguintes funções:


1. Gerenciamento de processos:
O sistema operacional multitarefa é preparado para dar ao usuário a ilusão que
o número de processos em execução simultânea no computador é maior que o número
de processadores instalados. Cada processo recebe uma fatia do tempo e a
alternância entre vários processos é tão rápida que o usuário pensa que sua execução
é simultânea.
2. Gerenciamento de memória:
O sistema operacional tem acesso completo à memória do sistema e deve
permitir que os processos dos usuários tenham acesso seguro à memória quando o
requisitam.
3. Sistema de arquivos:
A memória principal do computador é volátil, e seu tamanho é limitado pelo custo
do hardware. Assim, os usuários necessitam de algum método para armazenar e
recuperar informações de modo permanente.
4. Entrada e saída de dados:
Reconhecimento e controle dos dispositivos ligados ao computador, desde um
pendrive até uma impressora.

2.4 SISTEMAS OPERACIONAIS

21
Existem diversos sistemas operacionais. Entre eles, os mais utilizados no dia a
dia em computadores domésticos são Windows, Linux e Mac OS X.

2.4.1 Divisão de Mercado de Sistemas Operacionais de Computadores

Sistema Operacional Divisão do Mercado Total


Windows 90.84%
Mac OS 7.68%
Linux 1.48%

Dados de fevereiro de 2014.

2.4.2 Windows

O Windows é desenvolvido pela Microsoft. É o líder de mercado e o mais


conhecido, apesar de grande número de cópias ilegais, erros e falhas frequentes. Sua
primeira versão, Windows 1.0, foi lançada em 1985 com o propósito de ser um
ambiente gráfico para o sistema operacional MS-DOS. Essa função foi usada até a
versão NT, que usava uma nova tecnologia. A versão Windows 3.0 e seus sucessores
Windows 3.1 e Windows for Workgroups foram as primeiras a terem o uso disseminado
no mercado, já se tornando líder no mercado a partir dessa geração. Seguiu-se o
Windows 95, em 32 bits, que introduziu um novo conceito para a inicialização de
programas e gerenciamento de tarefas e passou a ser vendida em conjunto com o MS-
DOS.

22
O Windows XP foi a primeira versão a ser efetivamente um sistema operacional,
e tornou-se a versão do Windows que mais tempo permaneceu como líder do mercado,
embora em declínio, mesmo após o lançamento de seu sucessor, o Windows Vista.
A versão mais recente é o Windows 8.1, uma versão otimizada para tablets, mas
podendo ser usada em Desktops, mudando totalmente o conceito para uma tela com
tiles (pequenos quadrados que tomaram o lugar dos ícones) que redefiniu alguns
elementos de interface, passando a agrupar as atividades por aplicativo, e não mais
por janela.

2.4.3 MAC OS X

O OS X é desenvolvido pela Apple para seus computadores de mesa e laptops


(os iMacs e Macbooks).
Baseado no núcleo Unix, o mesmo do Linux, é desenvolvido, fabricado e
vendido pela empresa americana Apple Inc., destinado exclusivamente aos
computadores Mac. A última versão do OS X possui certificação UNIX. Foi
desenvolvido em substituição ao antigo sistema operacional Mac OS e foi lançado no
mercado como uma "décima versão" desse sistema, haja vista que última versão do
Mac OS era a versão 9, de forma que até hoje é chamado comercialmente de "Mac OS
X". Apesar disso, a base de código é totalmente diferente e não há compatibilidade
entre os dois sistemas.
A ideia do sistema está mais voltada para a simplicidade das tarefas e para uma
visão minimalista. A combinação da interface amigável e o poder do núcleo de código
aberto Darwin/BSD tornaram o Mac OS X o ambiente Unix mais bem vendido até hoje
em número de computadores vendidos. É tido por muitos como o mais fácil sistema
operacional para uso geral. Muito utilizado nas áreas de editoração e produção gráfica.
Atualmente se encontra num distante segundo lugar no mercado, atrás do
Windows.

23
2.4.4 Linux

Linux é um núcleo derivado do Unix que foi desenvolvido por Linus Torvalds
inspirado no sistema MINIX, que por sua vez é uma versão simplificada do Unix. O
Linux é um dos mais preeminentes exemplos de desenvolvimento com código aberto e
de software livre. O seu código fonte está disponível sob licença GPL para qualquer
pessoa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente.
Existem centenas de sistemas operacionais para computadores pessoais
construídos sobre o Linux, sendo atualmente o Ubuntu o mais usado de todos. Outros
sistemas baseados em Linux incluem Linux Mint, Fedora, OpenSuSE, Debian, Arch
Linux, entre outros.
Inicialmente desenvolvido e utilizado por nichos de entusiastas em
computadores pessoais, o sistema Linux passou a ter a colaboração de grandes
empresas, como IBM, Sun Microsystems, Hewlett-Packard (HP), Red Hat, Novell,
Oracle, Google, Mandriva e Canonical, ascendendo como principal sistema operacional
para servidores — oito dos dez serviços de hospedagem mais confiáveis da Internet
utilizam o sistema Linux em seus servidores web.
Um sistema Linux é capaz de funcionar em um grande número de arquiteturas
computacionais. É utilizado em supercomputadores, computadores pessoais e até em
aparelhos celulares (Android).
O Linux é na verdade o núcleo dos sistemas operacionais Linux, de forma que
todo sistema operacional que tem o núcleo Linux como base, é chamado
genericamente de Linux.

2.4.6 Ubuntu

Ubuntu é um sistema operacional de código aberto, construído a partir do núcleo


Linux, baseado no Debian. É patrocinado pela Canonical Ltd.
O Ubuntu diferencia-se do Debian por ter versões lançadas semestralmente, por
disponibilizar suporte técnico nos 9 meses seguintes ao lançamento de cada versão (as

24
versões LTS – Long Term Support – recebem 5 anos de suporte), e pela filosofia em
torno de sua concepção.
A proposta do Ubuntu é oferecer um sistema que qualquer pessoa possa
utilizar sem dificuldades, independentemente de nacionalidade, nível de
conhecimento ou limitações físicas. O sistema deve ser constituído principalmente
por software livre. Deve também ser isento de qualquer taxa.
Em 8 de julho de 2005, Mark Shuttleworth e a Canonical Ltd anunciaram a
criação da Fundação Ubuntu e providenciaram um suporte inicial de US$ 10 milhões.
Novas versões do Ubuntu são lançadas duas vezes ao ano, uma no mês de
Abril e outra no mês de Outubro.
Qualquer versão até a 12.04 ocupa apenas um CD (até 700 MB); a partir da
versão 12.10, passou a ser necessário um DVD ou um pendrive, pelo fato da nova
versão ultrapassar o limite de 700 MB. A atualização e instalação de mais programas
poderá ser realizada via Internet, num processo fácil e em ambiente gráfico. Para quem
pretende experimentar o Ubuntu sem o instalar no disco rígido, o sistema funciona em
um Live CD, diretamente do CD, sem necessidade de ser instalado. Pode-se executá-
lo a partir de um pendrive também. Estes modos são mais lentos e destinam-se
essencialmente a proporcionar um primeiro contato com o Ubuntu, seus programas
incluídos e saber quais programas podem ser eventualmente instalados; além de ser
útil para manutenção de hardware.

2.5 SOFTWARE LIVRE X SOFTWARE PROPRIETÁRIO

2.5.1 Software Livre


A licença de software livre, permite que ele seja usado, copiado, estudado,
modificado e redistribuído sem nenhuma restrição. Normalmente esse tipo de software
é distribuído com seu código fonte.
Um software é considerado livre quando atende aos quatro tipos de liberdade
para os usuários, definidos pela Free Software Foundation.
1. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas
necessidades;
2. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade;

25
3. A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu
próximo;
4. A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de
modo que toda a comunidade se beneficie;

Exemplos de softwares livres: Diversas distribuições Linux, LibreOffice, GIMP,


Inkscape, Firefox e Chromium.

2.5.2 Todo software livre é gratuito?

Você já sabe que o software livre consiste na ideia de que você possa utilizar,
distribuir, estudar o código-fonte e até modificá-lo, sem necessidade de pedir
autorização ao seu desenvolvedor. Softwares nestas condições geralmente não
requerem pagamento, mas isso não é regra: um programa pode ser livre, mas não
necessariamente gratuito.
Uma pessoa pode pagar para receber um software livre ou cobrar para distribuir
um programa nesta condição, por exemplo, desde que esta ação não entre em conflito
com as liberdades apontadas pela Free Software Foundation.
Como exemplo, um programador pode desenvolver um aplicativo, disponibilizá-
lo como software livre e vendê-lo em seu site, desde que não impeça o comprador de
acessar o código-fonte, fazer alterações, redistribuir e assim por diante.
Perceba que esta é mais uma diferença entre software livre e um software
meramente gratuito.

2.5.3 Software proprietário

Ao contrário do software livre, o software proprietário é aquele cuja cópia,


redistribuição ou modificação são proibidas pelo seu criador ou distribuidor.
Normalmente, a fim de que se possa utilizar, copiar ou redistribuir, deve-se solicitar
autorização ao proprietário ou pagar para poder fazê-lo: será necessário, portanto,
adquirir uma licença.
As empresas que produzem estes softwares proprietários normalmente
costumam descontinuar as correções das versões antigas – as versões novas nunca
são compatíveis com os formatos anteriores – e com essas medidas aumenta-se o
número de vendas de seu novo lançamento, obrigando seu utilizador a ter gastos com
a atualização. A Microsoft está tentando mudar o esquema das licenças de software
para evitar a utilização do software ilegal. Ao contrário de vender as licenças e
atualizações, esta empresa pensa já em introduzir o aluguel de software.

26
Exemplos de softwares proprietários: Microsoft Windows, Adobe Photoshop,
Microsoft Office.

CAPÍTULO 3: LIBREOFFICE

O LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com as principais suítes


de escritório do mercado. Oferece todas as funções esperadas de uma suíte
profissional: editor de textos, planilha, apresentação de slides, editor de desenhos e
banco de dados.

3.1 VISÃO GERAL

LibreOffice é uma suíte de aplicativos para escritório livre disponível para


Windows, Unix, Solaris, Linux e Mac OS X. O LibreOffice é destinado tanto à utilização
pessoal quanto profissional.
A suíte utiliza o formato OpenDocument (ODF) e é também compatível com os
formatos do Microsoft Office, além de outros formatos legados. Alguns formatos
legados que não mais suportados pelas versões mais recentes do Microsoft Office
ainda podem ser abertos pelo LibreOffice.
O LibreOffice surgiu como uma ramificação do projeto original OpenOffice.org,
que, por sua vez, é oriundo do StarOffice 5.1, adquirido pela Sun Microsystems ao
adquirir a Star Division em agosto de 1999. O código fonte do suíte foi liberado para
que fosse possível a participação de contribuintes para desenvolvê-lo, dando início ao
projeto de desenvolvimento de um software de código aberto em 13 de outubro de
2000, o OpenOffice.org. O principal objetivo era fornecer uma alternativa ao pacote
Office da Microsoft, de baixo custo, de alta qualidade e de código aberto. O LibreOffice
surgiu a partir da versão 3.3 trazendo todas as características presentes no
OpenOffice.org 3.3, além de outras tantas exclusivas do projeto LibreOffice.
Também está disponível para as plataformas móveis Android (Tablet e
Smartphone), iOS (iPad, iPhone) e para Web Online.
É composto dos seguintes aplicativos:

27
 Writer – Editor de Texto
 Calc – Planilhas e Gráficos
 Impress – Apresentação de Slides
 Draw – Editor de Desenho Vetorial
 Math – Editor de Fórmulas
 Base – Banco de Dados

3.2 WRITER

O LibreOffice Writer é o processador de textos da suíte, semelhante ao Word,


presente na suíte de escritório Microsoft Office, ao WordPerfect, da Corel, e ao Pages,
disponível no iWork. Assim como os demais programas semelhantes, utiliza o sistema
WYSIWYG - visualizar exatamente o que vai ser impresso - para a elaboração de
textos complexos, com imagens e diversas opções de formatação. Utiliza a extensão
ODT, mas é também compatível com as extensões DOC e DOCX utilizadas pelo
Microsoft Word.

3.3 CALC

O LibreOffice Calc é um programa de planilha eletrônica e assemelha-se ao


Lotus 1-2-3, da IBM, e ao Excel, da Microsoft. O Calc é destinado à criação de
planilhas e tabelas, permitindo ao usuário a inserção de equações matemáticas e
auxiliando na elaboração de gráficos de acordo com os dados presentes na planilha.

28
Utiliza a extensão ODS, mas é também compatível com as extensões XLS e XLSX
utilizadas pelo Microsoft Excel.

3.4 IMPRESS

O LibreOffice Impress é um programa de apresentação de slides similar ao


Keynote, presente no iWork, e ao PowerPoint, encontrado na suíte da Microsoft, e
destina-se a criar e a apresentar slides, sendo possível inserir plano de fundo, títulos,
marcadores, imagens, vídeos, efeitos de transição de slides, dentre outras opções.
Utiliza a extensão ODP, mas é também compatível com as extensões PPT e PPTX
utilizadas pelo Microsoft PowerPoint.

3.5 DRAW

O LibreOffice Draw é um programa de editoração eletrônica e construção de


desenhos vetoriais, semelhante ao CorelDRAW, da Corel. Utiliza a extensão ODG.

29
3.6 MATH

O LibreOffice Math é um programa que auxilia na formatação de fórmulas


científicas e matemáticas de maneira equivalente ao Equation Editor, ferramenta
presente na suíte da Microsoft. Utiliza a extensão ODF.

3.7 BASE

O LibreOffice Base é um gerenciador de banco de dados, semelhante ao


Access, disponível no Microsoft Office, e destina-se à criação e gerenciamento de
bancos de dados, tendo suporte para a criação e modificação de tabelas, consultas,
macros, relatórios e formulários. Utiliza a extensão ODB.

30
CAPÍTULO 4: LIBREOFFICE WRITER

Dentre os programas aplicativos, alguns são de grande utilidade e muito


difundidos desde o início da era dos computadores pessoais, tais como o editor de
texto, a planilha eletrônica e o software de apresentação. Neste capítulo, vamos tratar
do editor de texto, utilizando como software o Writer, que faz parte da suíte LibreOffice,
atualmente, na sua versão 3.5.
Certamente, o software mais popular é o Microsoft Word, entretanto, é
necessário pagar uma licença de uso.
O Writer é um programa freeware e gratuito que faz parte do LibreOffice e
possibilita a criação e edição de textos e, também, a criação de páginas para serem
visualizadas na Internet. Com ele, podemos realizar desde tarefas simples, como
digitar e imprimir uma carta, até tarefas mais complexas como a criação de
documentos mais sofisticados, como uma monografia ou um livro.

4.1 CONHECENDO O WRITER

4.1.1 Inicializando o Editor de Texto

Para iniciar o editor de textos do LibreOffice, denominado Writer, pode-se fazê-


lo a partir do ícone do programa presente no lançador.
A seguinte janela (figura abaixo) aparecerá quando for inicializado o LibreOffice
Writer:

31
4.1.2 A barra de título

É preciso dar um título ao documento; isto poderá ser feito quando o mesmo for
salvo pela primeira vez. O nome do documento aparece na barra de título, localizada
na parte superior da tela. Enquanto não salvarmos o documento, ele é denominado
como “Sem título” e um número sequencial do documento sem título. Isto vale para
todos os documentos do LibreOffice.
Observe na figura abaixo, o nome “Sem título 1”.

4.1.3 A barra de Menus

Através da barra de Menus tem-se acesso aos recursos disponíveis no Writer.


Os comandos estão distribuídos de acordo com o que se deseja fazer, assim, por
exemplo, os comandos relacionados ao arquivo, estão na opção Arquivo, os
relacionados a formatação do documento, na opção Formatar e assim por diante,
como pode ser visto na figura que segue.

32
4.1.4 As barras de Ferramentas

A barra de ferramentas é uma maneira rápida de acesso às funcionalidades que


um aplicativo oferece, através de um agrupamento de ícones, de acordo com a sua
utilização, por exemplo, na barra de ferramentas Tabela estão agrupados os ícones
relacionados à criação, edição e formatação de uma tabela, enquanto que na barra
Formatação, temos acesso aos comandos relacionados à formatação de texto. Desta
forma, o Writer dispõe de uma série de barras de ferramentas (que serão apresentados
na seção 3.3.3).
Algumas barras são apresentadas conforme a ocorrência de eventos, por
exemplo, se selecionarmos uma tabela (ou uma parte de uma), a barra de ferramentas
Tabela é apresentada, da mesma maneira, a barra Figura torna-se visível quando uma
figura, inserida no texto, é selecionada.

4.2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS

Ao clicar-se na opção Arquivo na barra de Menus


do Writer, uma janela aparecerá (figura ao lado), com os
comandos associados a arquivos.

4.2.1 Criando um novo documento

Se já está trabalhando com o LibreOffice aberto e se


quer criar um novo documento, a opção Novo, no menu
Arquivo traz as opções conforme a figura abaixo.

As opções são semelhantes as que


foram vistas na seção 3.1.1. Inicializando o
editor de textos.

4.2.2 Editando arquivos já criados

Se desejarmos abrir um arquivo já existente, para ler ou editar, é preciso abrir


este arquivo primeiramente, o que pode ser feito através da opção Abrir no menu
33
Arquivo. O LibreOffice abre o arquivo com o aplicativo correspondente, ou seja, se
você escolher um arquivo do tipo texto, então o Writer será aberto (caso esteja
fechado), caso seja uma planilha, neste caso o Calc será aberto.
Se já se tem um arquivo aberto no Writer, por exemplo, abrir outro arquivo irá
fazer o programa abrir outra janela e você poderá trabalhar com mais de um arquivo
simultaneamente.
Escolhendo-se a opção Abrir aparecera uma janela para escolha do local e
nome do arquivo, semelhante a do gerenciador de arquivos.
Junto com a opção Abrir, tem-se a opção Documentos Recentes, que traz os
últimos arquivos de textos abertos.

4.2.3 Salvando o documento

É preciso salvar o documento criado. Para salvar um documento existem várias


maneiras:

1. A partir da opção Salvar no menu Arquivo;


2. Usando combinação de teclas (Ctrl + S);
3. Usando o ícone na barra de ferramentas Padrão .

Observar que quando se salva o documento, o ícone fica transparente ,

indicando que a opção salvar está desativada, já que até que ocorra outra alteração no
arquivo, não há nada para ser salvo.
A extensão padrão do Writer e do tipo .ODT, que significa “Open Document
Text”.
Abaixo da opção Salvar, aparece a de Salvar como…, que permite a escolha
do formato do arquivo a ser salvo. Pode-se querer, por exemplo, salvar o arquivo como
formato do Word, para abri-lo em outro computador com o editor da Microsoft, ou
mesmo num formato de texto puro, para se abrir no bloco de notas.

4.2.4 Exportando para PDF

Para transformar o documento ODT em um documento PDF (Portable


Documentlo Format). Um arquivo em formato PDF aparecerá da mesma maneira, sem
desconfigurar em qualquer plataforma na qual ele estiver sendo lido ou impresso. Basta
que se tenha um programa compatível com arquivos PDF (por exemplo, o Acrobat
Reader).

34
Para salvar um documento no formato PDF, utiliza-se a opção Exportar como
PDF, no menu Arquivo, ou utilizando-se o ícone .

4.3 EDITANDO O DOCUMENTO

O Writer dispõe de uma variedade bastante grande de recursos para a edição de


documentos. Vamos ver algumas opções que estão disponíveis em Editar, na barra de
menus, conforme mostra a figura abaixo.

4.3.1 Desfazendo e refazendo ações

Desfazer: Para desfazer, ou seja, desconsiderar a última coisa que foi feita,
utiliza-se a opção Desfazer do menu Editar, ou a tecla de atalho Ctrl + Z, ou a seta
para a esquerda que está na barra de ferramentas Padrão .

Uma vez que há a utilização da opção Desfazer, é ativada a opção Refazer ,

que uma vez selecionada, faz retornar a situação anterior à seleção de Desfazer. A
tecla de atalho para refazer é Ctrl + Y.

4.3.2 Copiando e colando textos e figuras

Para copiar de outros arquivos, textos e figuras, ou


mesmo do próprio arquivo em que se está trabalhando,
de um lugar para outro, utiliza-se as opções Copiar/Colar
ou Cortar/Colar do menu Editar (ver figura ao lado).
Na tarefa de copiar e colar é utilizada a área de
transferência do sistema operacional, que é uma área na
memória do computador onde fica guardado o texto ou
figura que se quer copiar de um arquivo para outro, ou de
um ponto para outro no mesmo documento.
Note-se que estas opções correspondem às seguintes combinações de teclas:
• Cortar: Ctrl + X, o que está selecionado (texto ou figura) é eliminado do arquivo e
enviado para a área de transferência;

35
• Copiar: Ctrl + C, o que está selecionado é enviado para a área de transferência,
sem alteração no arquivo;
• Colar: Ctrl + V, insere no arquivo, o que foi enviado para a área de transferência.

4.3.3 Colar Especial

A opção Colar Especial do menu Editar, permite colar no texto o conteúdo da


área de transferência do sistema operacional, alterando o formato do conteúdo
copiado. A opção Colar especial que pode ser efetuada com a combinação Ctrl + Shift
+ V.
Se a área de transferência contiver uma figura, por exemplo, ao clicar-se em
Colar especial, três opções são oferecidas:

Imagem do Paintbrush: é um aplicativo que permite editar imagens. Vem com o


sistema operacional Windows. Pode-se colar uma imagem qualquer no Paintbrush e
recortar uma parte dela para colar em um arquivo.

Meta-arquivo GDI: é uma imagem definida através de uma sequência de comandos


que são definidos para expressões matemáticas de formas geométricas. GDI significa
Graphic Device Interface, ou seja, interface para um dispositivo gráfico. Este formato é
muito utilizado na confecção de logotipos e desenhos com alta resolução e que não
perdem as suas formas quando o seu tamanho é alterado. As imagens geradas por
esta forma são chamadas de imagens vetoriais.

Bitmap: Bitmap significa mapa de bits. É também denominado de Raster ou Imagem


Rasterizada. É uma imagem determinada pelos pixels que a compõem. Cada pixel de
um bitmap contém informação quanto a sua cor. Se um bitmap for ampliado cada vez
mais ele irá perdendo resolução.

4.3.4 Selecionando tudo

Para selecionar todo o conteúdo de um arquivo usa-se a opção Selecionar tudo


ou Ctrl + A. Usa-se, por exemplo, quando temos dois arquivos e queremos juntá-los
num único arquivo. Se há vários capítulos escritos em arquivos diferentes, pode-se
juntá-los e compor um único arquivo contendo todo o trabalho.

4.3.5 Localizando uma palavra no arquivo

36
Pode-se localizar qualquer palavra no arquivo, a partir da opção Localizar do
menu Editar, ou utilizando as combinações de teclas Ctrl + F, ou indo diretamente à
caixa Localizar na barra de ferramentas Pesquisar.

4.4 CONFIGURANDO A EXIBIÇÃO

As configurações de exibição no Writer estão


disponíveis a partir do menu Exibir na barra de menus,
conforme mostra a figura ao lado:

4.4.1 Layout de impressão

A primeira opção do submenu Exibir é Layout de


impressão, que exibirá a forma que terá o documento
quando ele for impresso.

4.4.2 Layout da Web

A opção Layout da Web permite a visualização do texto na forma que ele ficará
em um navegador da Web. Pode-se salvar o documento com a extensão html e abri-lo
com um navegador da Internet.

4.4.3 Barras de ferramentas

Esta opção mostra as barras de ferramentas disponíveis no Writer. Ao clicar-se


em Barras de ferramentas, aparecerá uma janela semelhante à figura abaixo:

37
4.4.4 Barra de status

A barra de status situa-se na parte inferior da área de trabalho e nela são


mostradas as seguintes informações:

a) Número da página;
b) Estilo da página atual;
c) Especificação do idioma;
d) Modo de inserção;
e) Modo de seleção;
f) Aviso sobre modificação do documento;
g) Exibição combinada e Zoom.

38
4.4.5 Régua

As réguas mostram as dimensões horizontal e vertical da página, entre as suas


margens. Pode-se utilizar a régua para tabular parágrafos, recuos para texto e tabular
colunas. Pode-se também alterar, utilizando a régua, as dimensões verticais e
horizontais de figuras e caixas de texto.

4.4.6 Limites do texto

São linhas demarcadoras dos limites do texto que está sendo exibido, ou seja,
as suas margens podem ser visíveis na tela, ou se o usuário preferir, pode ocultá-las.
Estas linhas indicativas dos limites do texto não são impressas. Pode ser ativada
através da opção Limites do texto, no menu Exibir.

4.5 INSERINDO ELEMENTOS NO DOCUMENTO

O Writer possibilita a inserção de vários elementos em um documento, tais como


campos, cabeçalhos e rodapés, tabelas e figuras, o que permite se criar documentos
com muitos recursos e não somente um texto puro.
Estes recursos podem ser acessados pela opção Inserir, na barra de menus. Os
mais utilizados serão vistos a seguir e o acesso pode ser feito também a partir da barra
de ferramentas Inserir.

4.5.1 Campos

Permite inserir algumas informações sobre o documento


atual. Selecionando a opção Campos, no menu Inserir, abre-se
um submenu semelhante à da figura abaixo. Da mesma forma
que na opção Quebra manual, o campo é inserido na posição
atual do cursor, assim, se quisermos, por exemplo, inserir o
número da página no cabeçalho, primeiro devemos ter o
cabeçalho ativado e então escolher a opção inserir campos.

Data: insere a data atual no documento, que é automaticamente


atualizada.

39
Hora: insere a hora atual no documento (obtida do sistema operacional). Ela não é
atualizada.
Número da página: se este campo for incluído no cabeçalho ou no rodapé, será
mostrado o número sequencial da página.
Total de páginas: insere o número total de páginas do documento, que será atualizado
conforme a inserção de novas páginas ou exclusão de partes do texto já existentes.
Assunto: insere um campo com o assunto especificado nas propriedades do
documento, que pode ser visualizado em menu Arquivo, opções Propriedades, aba
Descrição.
Título: insere um campo com o título especificado nas propriedades do documento
(mesmo caminho anterior).
Autor: insere um campo com o nome do autor do documento (visível em menu
Ferramentas, Opções ..., LibreOffice, Dados do usuário).
Outros: abre a janela Campos, com uma vasta relação de campos possíveis de serem
adicionados, em 6 abas, conforme mostra a figura anterior. Na aba Banco de dados,
pode-se adicionar um campo de uma tabela de banco de dados, inclusive a bibliografia.

4.5.2 Cabeçalho

No cabeçalho de página normalmente insere-se conteúdos padronizados para


todas as páginas do documento, como uma numeração de página, o nome do
documento ou um logotipo.
O cabeçalho é uma estrutura que depende da aplicação de estilos de página ao
documento, assim ao inserir um cabeçalho no menu Inserir, opção Cabeçalho,
aparecem os estilos de páginas disponíveis no documento e ao selecionar-se um
deles, por exemplo, estilo de página Padrão, significa que todas as páginas com o
estilo Padrão irão receber cabeçalho, entretanto, se houver uma troca de estilo do
documento, para Paisagem, por exemplo, o cabeçalho não irá aparecer até que se
insira o cabeçalho para este estilo.
Uma das inovações da edição 3.5 do LibreOffice é a edição do cabeçalho de
forma mais intuitiva, bastando, após inserir o cabeçalho, clicar em um ponto qualquer
dentro da área do cabeçalho e inserir novos campos ou editar os existentes, ou ainda
clicar na seta a direita da linha de referência do cabeçalho e escolher uma das opções
disponíveis, conforme mostra afigura a seguir:

40
Observar que o estilo de página definido para este cabeçalho é o Padrão e que
o número da página está inserido, formatado com fonte vermelha e alinhado à direita.

4.5.3 Rodapé

A inserção de rodapé ocorre de maneira idêntica à do cabeçalho, e tudo o que


foi descrito vale também para o rodapé. A diferença é somente a posição na página.

4.5.4 Figura

Uma das opções mais utilizadas no menu Inserir é a Figuras..., que tem duas
opções no submenu: De um arquivo... ou Digitalizar. Na primeira opção, tem-se a figura
salva num arquivo já existente, enquanto que na segunda, deseja-se escanear a figura
para inseri-la no documento.
No caso de inserção de uma figura de um arquivo, a janela Inserir imagem é
apresentada, então é necessário encontrar o endereço do arquivo, selecioná-lo e
confirmar no botão Abrir. Lembrar que a figura é inserida na posição atual do cursor.
Quando se clica sobre uma figura inserida no documento, ela é selecionada, o que
pode ser observado pela existência de marcadores, que são pequenos quadrados
verdes em suas bordas. Pode-se redimensionar a figura, bastando clicar sobre um
destes marcadores e arrastá-lo na direção desejada.

4.6 FORMATANDO O DOCUMENTO

Formatar significa dar forma. Ao editar um texto,


pode-se fazer uso de vários recursos de formatação, cujo
objetivo é destacar alguma informação útil ou tornar a
leitura do documento mais organizada e agradável. Pode-
se formatar características das fontes, dos parágrafos, das
páginas, das figuras, etc., como será visto na sequência.
Através do menu Formatar, na barra de Menus,
pode-se realizar todo o tipo de formatação desejada no
Writer. A figura a seguir apresenta as opções do menu
Formatar.
As formatações mais utilizadas estão presentes
também na barra de ferramentas Formatação (lembre-se
que as barras de ferramentas podem ser personalizadas,
habilitando ou desabilitando os ícones, o que pode ser feito clicando na seta à direita
da barra), apresentada na figura abaixo:

41
4.6.1 Formatação de Caracteres

Na formatação de um caractere ou um conjunto de caracteres, há uma séria de


opções relacionadas à fonte a ser utilizada, efeitos e posição nos caracteres, inclusão
de um hyperlink e escolha do plano de fundo; através das abas apresentadas na janela
Caractere, disponível quando da escolha da opção Caractere ... no menu Formatar.
A escolha da opção de formatação de caractere é devida a uma formatação
específica de um caractere (ou de um grupo bem pequeno de caracteres), como por
exemplo, quando precisamos apresentar um símbolo matemático ou estatístico. É bem
sabido que o desvio-padrão é uma medida estatística de dispersão, cujo símbolo é a
letra grega sigma, ou s. Para representá-lo, pode-se formatar o caractere, o que neste
caso é a letra 's', utilizando a fonte Symbol.
Observar, na janela da figura que segue, que o caractere selecionado aparece
na formatação escolhida, na linha na caixa inferior da janela.

Na aba Fonte, além da escolha da fonte, tem-se a configuração do tipo do


caractere e seu tamanho.
Na aba Efeitos de fonte as opções são a cor da fonte, efeitos e relevo, bem
como a inclusão de sobrelinha, tachado ou sublinhado.
Na aba Posição, o caractere poderá ser formatado em relação à sua posição,
tal como sobrescrito, subscrito ou normal, além rotação e espaçamento entre
caracteres.

42
Na penúltima aba, Hyperlink é possível adicionar um hyperlink ao caractere. Isto
é bem interessante quando se quer num artigo, por exemplo, referenciar uma citação
ou uma tabela, de maneira que se pode ter acesso rápido à fonte da citação (uma vez
que tenha sido inserido o hyperlink), digamos na internet, ou a localização da tabela, no
próprio texto, clicando sobre o caractere selecionado.
Na última aba, Plano de Fundo, pode-se escolher a cor do plano de fundo do
caractere selecionado.
Na barra de ferramentas Formatação (ver a segunda figura do item 3.6), as
opções para formatar caractere são: para escolher o Nome da Fonte (3), para o
Tamanho da Fonte (4), para formatação de tipo: Negrito (5), Itálico (6) e Sublinhado (7),
formatação da posição: Sobrescrito (8) e Subscrito (9), para Cor da Fonte (18), Realçar
a cor de fundo do caractere/ texto selecionado (19). A janela Caractere é aberta por
meio do ícone 21.

4.6.2 Formatar Parágrafo

Um parágrafo pode ser formatado através da opção Parágrafo..., no menu


Formatar. Na edição de um texto acadêmico é comum o uso de citações de outros
autores, o que implica numa formatação diferente do parágrafo, com recuos,
espaçamentos e tamanho de fonte diferente do corpo do texto normal. Nesta situação,
por exemplo, a formatação de parágrafos é realmente útil.
Na figura abaixo, é apresentado um exemplo de parágrafos previamente
formatados:

Quando selecionada a opção Parágrafo..., a janela Parágrafo é exibida,


composta por oito abas. A primeira aba é a de Recuos e espaçamentos, que traz as
opções de Recuos, Espaçamentos e Espaçamentos de linhas. Em Recuos, pode-se
configurar o recuo antes do texto, após o texto e também o espaçamento da primeira
linha. Em Espaçamentos, pode-se definir o espaçamento antes a após o parágrafo e
em Espaçamentos de Linhas, entre os tipos de espaçamentos, tais como: Simples, 1,5
Linhas e Duplo.
43
Na aba seguinte, Alinhamento, pode-se escolher entre as opções de
alinhamento: Esquerda, Direita, Centro e Justificado, bem como definição para a última
linha do parágrafo.
A terceira aba traz as opções de Fluxo de Texto, que são: Hifenização, Quebras
e outras opções.
Na quarta aba, são apresentadas as opções de Estrutura de tópicos e
numeração, enquanto que na próxima aba, tem-se as opções de Tabulações. Pode-
se definir várias posições de tabulação, bem como escolher o tipo da tabulação (à
esquerda, à direita, centralizada e decimal) e utilização de caractere de preenchimento.
Na próxima aba, Capitulares, pode-se formatar os primeiros caracteres de um
capítulo com um formato distinto do resto do texto.
Na aba Bordas, as
formatações de bordas para o
parágrafo selecionado são
apresentadas, incluindo as
configurações de disposição de
linhas, estilo e espessuras das
linhas, espaçamento do conteúdo e
estilo de sombra, conforme mostra
a figura acima.
Em Plano de fundo, última
aba desta janela, pode-se escolher
entre uma cor de fundo ou uma
figura.
Da mesma maneira que na
formatação de caractere, a barra de
ferramentas Formatação apresenta
os ícones para: Alinhamento à esquerda (10), Alinhamento centralizado (11),
Alinhamento à direita (12), Alinhamento justificado (13), para Aumentar recuo (16)
e Reduzir recuo (17); que permitem acesso mais rápido a estes recursos.

4.6.3 Marcadores e Numeração

Durante a edição de textos, comumente é necessária a criação de listas de


tópicos, as quais podem ser numeradas ou não. Para a formatação destas listas, pode-
se utilizar da opção Marcadores e Numeração, do menu Formatar.
A janela homônima apresenta as seguintes abas:
• Marcadores: oferece uma lista de marcadores para listas sem numeração;
• Tipo de numeração: opções para listas numeradas. A numeração pode ser em
algarismos arábicos, letras ou números romanos;
• Estrutura de tópicos: permite definir a combinação de numeração de acordo com o
nível do parágrafo;
44
• Figuras: lista de figuras como marcadores;
• Posição: define o formato do parágrafo após a numeração, com recuos e
alinhamentos;
• Opções: a seleção de tipo de numeração, a inclusão de caracteres antes e após o
número, o formato do caractere, a definição do subnível onde é valido e o valor inicial
da numeração.

Esta lista, apresentando as abas é um exemplo da utilização de marcadores. A


mesma poderia ser apresentada de forma numerada, da seguinte maneira:

1. Marcadores;
2. Tipo de numeração;
3. Estrutura de tópicos, e assim por diante, até chegar à última aba, de Opções.

4.6.4 Página

Além da formatação do texto, através de parágrafos e caracteres, pode-se


formatar também as páginas, de forma que permitam atender características
desejadas, tanto na apresentação em tela, como no formato impresso. A configuração
dos diversos formatos desejados para uma página é denominada estilo da página,
assim você pode definir todas as características desejadas para a sua página e salvar
este estilo ou utilizar os estilos pré-definidos.
Suponha, por exemplo, que você deseje imprimir um arquivo, e para economizar
papel, utilize a opção de imprimir nos dois lados da folha. Nesta condição, é
recomendável utilizar a combinação de estilos página esquerda e página direita, ao
invés do estilo padrão, de maneira que, ao imprimir, as margens esquerdas dos dois
estilos são diferentes, o que facilita a leitura, mesmo que o trabalho seja grampeado.
Outras situações aplicáveis são a formatação da primeira página (para que não
45
apareça o número da página) e a utilização de uma página em formato paisagem, num
arquivo em formato retrato.
Existem atualmente, no Writer, os seguintes estilos de página:
a) Padrão;
b) HTML;
c) Primeira página;
d) Índice;
e) Página esquerda;
f) Página direita;
g) Envelope;
h) Nota de rodapé;
i) Nota de fim;
j) Paisagem.
Outros estilos podem ser criados conforme descrito na seção 4.6.6.
A formatação de páginas
pode ser acessada através da
opção Página, do menu Formatar,
por meio da janela Estilo da
Página, que possui oito abas,
como pode ser visto na figura ao
lado. A aba Organizador traz o
nome do estilo utilizado, e o nome
do próximo estilo (o que vai ser
utilizado na próxima página).
Na aba Página, estão as
características mais utilizadas na
formatação das páginas, que são:
o Formato do papel, é apresentada
uma lista de papel de tamanhos predefinidos, mas também permite que o usuário
possa definir um tamanho de papel personalizado, conforme mostra a figura que
segue. O tamanho de papel refere-se ao tamanho da folha de papel para impressão.
Utiliza-se geralmente a opção A4 ou Carta (a escolha do formato automaticamente
define a largura e a altura da página).
A direção do texto na página, se retrato ou paisagem;
na caixa Bandeja de Papel, pode-se selecionar a origem
do papel na impressora, se esta permitir; as margens
esquerda e direita, bem como a superior e inferior podem
ser definidas; bem como as definições de layout de página
e de numeração.
A terceira aba, trata do Plano de fundo a ser
utilizado, que pode ser uma cor, a qual deve ser
selecionada, ou então uma figura, a qual deve ser

46
adicionada e posicionada. Para a inserção de uma figura, é necessário escolher a

opção figura na caixa Como (ver figura abaixo).

As abas seguintes, Cabeçalho e Rodapé, possuem as mesmas opções e


permitem ativar o cabeçalho e/ou o rodapé, definindo margens e espaçamento.

Para inserir cabeçalhos nas páginas do texto que está sendo digitado, basta
clicar em Ativar cabeçalho. Pode-se, então, definir o tamanho das margens esquerda
e direita do cabeçalho, bem como a sua altura. É possível também aplicar uma cor no

47
cabeçalho bem como sombras, clicando no botão Mais. Pode-se então configurar as
bordas e o plano de fundo do cabeçalho.
A aba Bordas apresenta as opções para a inserção e formatação de bordas na
página, com os mesmos recursos descritos na formatação de parágrafos. Pode-se
estabelecer bordas em todos os lados da página ou somente em alguns.
Na aba Colunas, pode-se formatar o texto com mais de uma coluna. As opções
desta aba são as mesmas que as da opção Colunas, do menu Formatar e serão vistas
adiante.
Nota de rodapé é a última aba, possibilitando a configuração da área que a nota
pode usar e a utilização de linha separadora, com o seu estilo, cor e espessura da
linha.

4.6.5 Colunas

A opção Colunas no menu


Formatar permite a edição de
texto com um número definido de
colunas. Assim, conforme mostra
a figura, pode-se formatar o texto
com mais de uma coluna (como
um jornal ou mesmo em alguns
artigos) e definir o número
desejado de colunas (num
máximo de 49!) e também a
largura de cada coluna (ou
escolher a opção de largura automática) e o espaçamento entre elas, bem como a
utilização de linhas separadoras entre as colunas e cores para estas linhas.

4.6.6 Estilos e Formatação

A opção Estilos e Formatação, pode ser acessada


através do menu Formatar, por meio da tecla de atalho
F11 ou pelo ícone de mesmo nome na barra de
ferramentas Formatação.
A janela Estilos e Formatação possibilita definir
estilos para Parágrafos, Caracteres, Quadros, Páginas e
Listas. Para cada uma destas categorias há uma série de
opções de formatação, que podem ser também alteradas,
através do modo Pincel de Formato ou ainda criar um
novo estilo baseado num existente.

48
Para aplicar um estilo, basta selecionar o texto, clicar na janela Estilos e
Formatação, escolher a categoria desejada e também sobre o estilo desejado (com um
duplo clique).
A figura acima apresenta, como exemplo, a janela Estilos e Formatação, para a
formatação de Páginas.

4.6.7 Autocorreção

A autocorreção é um recurso que permite a correção ortográfica durante a


digitação do texto, comparando a palavra digitada com uma relação de palavras
disponíveis para a autocorreção. Nesta relação estão os erros ortográficos mais
comuns que ocorrem em função da digitação propriamente dita (por exemplo: 'nõa' ao
invés de 'não') ou mesmo por erro de grafia ('esseção' por 'exceção').
Ela pode ser selecionada através do menu Formatar, opção Autocorreção.

4.6.8 Âncora

Quando se insere um objeto (por exemplo, uma figura ou um gráfico) num


arquivo de texto é importante conseguir definir a posição onde este objeto deve estar
no texto. A opção Âncora do menu Formatar permite fixar o ponto de inserção de um
objeto, de forma que se o texto for modificado nas páginas e parágrafos anteriores ao
ponto de fixação, o objeto é automaticamente reposicionado no texto, conforme a
alternativa escolhida para o ancoramento.
As alternativas são:
• Na página: o objeto selecionado é fixado na página atual;
• No parágrafo: o objeto selecionado é fixado no parágrafo, acompanhando a sua
movimentação;
• No caractere: o objeto selecionado é fixado após o caractere escolhido;
• Como caractere: o objeto selecionado é fixado como um caractere;
• No quadro: se o objeto selecionado for um quadro, então é possível fixá-lo dentro do
quadro.

4.6.9 Alinhamento

A opção Alinhamento, no menu Formatar, pode ser utilizada para alinhar texto
ou objetos (se existentes).
Se a seleção for aplicada a um texto (parágrafo, páginas ou o todo o
documento), o alinhamento é horizontal e as opções apresentadas são:
49
• À esquerda (promove o alinhamento da borda esquerda do
texto),
• Centralizado (centraliza cada linha, deixando espaços iguais à
esquerda e à direita do texto),
• À direita (alinha o texto pela borda à direita) e
• Justificado (faz o alinhamento nas duas bordas, aumentando o
espaçamento entre as palavras na linha).
Se for um objeto selecionado, então as opções são para formatar o alinhamento
vertical e as opções disponíveis serão: Em cima, No meio, Embaixo (observar que na
figura anterior estas opções não estão ativas). A formatação dependerá de qual o ponto
de ancoragem do objeto (se na página ou no parágrafo ...). Por exemplo, se a âncora
estiver na página, a escolha da opção Em cima fará o alinhamento da borda superior
do objeto à margem superior da página.

4.7 TRABALHANDO COM TABELAS

É comum a utilização de tabelas em textos, uma vez que ela


organiza as informações através de colunas, facilitando a
leitura e a memorização dos conteúdos. No Writer, a inserção
de tabelas pode ser feita através do menu Inserir, opção
Tabela, bem como da opção Inserir no menu Tabela, além da
tecla de atalho Ctrl + F12 e ainda pelo ícone Tabela na
barra de ferramentas Padrão. As opções do menu Tabela
estão mostradas na figura ao lado.

4.7.1 Inserir tabela

A escolha da opção Inserir, no menu Tabela, ativa a janela


Inserir tabela, onde pode-se definir o número de linhas e
colunas. Estão disponíveis também as alternativas para título
e borda. Se uma célula de uma tabela (ou um conjunto de
células) estiver selecionada, as opções de inserir Linha ... e
inserir Coluna ... serão ativadas, as quais fornecem as
opções de quantidade de linhas ou colunas a serem
inseridas na tabela selecionada e também a posição onde elas deverão ser inseridas.
A segunda opção no menu Tabela é a de Excluir, que só terá alternativas ativas
se houver uma célula, um conjunto de células, ou uma tabela inteira selecionado. Nesta
situação tem-se as opções de Excluir Tabela, Excluir Linha e Excluir Coluna.
Na terceira opção, Selecionar, é oferecida uma maneira fácil para selecionar
uma tabela inteira, ou uma linha inteira, ou uma coluna inteira ou mesmo uma só

50
célula, bastando para isto selecionar uma só célula. Neste caso, a linha inteira será a
da célula selecionada ou a coluna inteira será aquela onde a célula foi selecionada.
Quando o cursor estiver posicionado sobre uma tabela, a barra de ferramentas
Tabela torna-se visível, e a partir dela pode-se ter acesso às principais funcionalidades
destinadas à manipulação de tabelas, tais como as citadas anteriormente.

4.7.2 Mesclar células

Em Mesclar células é possível juntar mais de uma célula como se fosse uma só,
o que é bastante utilizado em tabelas que apresentam categorias e subcategorias. Em
Dividir células, pode-se dividir uma célula em mais de uma, bastando então definir o
número e, também escolhendo a direção dessa divisão, se horizontal ou vertical.
A opção de Mesclar tabela pode ser utilizada para tornar duas tabelas em uma
só, mas para isso elas devem estar posicionadas lado a lado. Já na opção de Dividir
tabela, tem-se o oposto da opção anterior, onde se pode dividir uma tabela em duas, a
partir da posição do cursor.
Estas opções também estão disponíveis na barra de ferramentas Tabela.

4.7.3 Autoformatar

Uma opção que traz bastante comodidade na formatação de tabelas é a


Autoformatar. Nela pode-se selecionar um formato pré-definido, ou mesmo criar um
formato desejado, alterando algumas opções como fonte, borda e alinhamento.
Observe que alguns formatos, tais como ABNT, não fazem parte dos formatos
padrões do Writer e foram adicionados, bastando para tanto, formatar uma tabela
conforme as características de fontes, cores de fontes e de fundos, bem como as
bordas, então selecione esta tabela, escolha a opção Autoformatar e clique no botão
Adicionar, onde é solicitado um nome para este formato. Na próxima tabela que você
quiser usar este formato, basta selecioná-la, escolher a opção de Autoformatar e clicar
no botão OK.

4.7.4 Autoajustar

Outra opção que gera comodidade é a Autoajustar, no menu Tabela, a qual


permite selecionar, de uma forma rápida, um ajuste para a largura das colunas e/ou
para a altura das linhas. Pode-se definir uma largura fixa, a largura ideal (que se ajusta
ao conteúdo das células) ou distribuir uniformemente a largura das colunas. O mesmo
tipo de opções estão disponíveis para o ajuste das alturas das linhas.

51
Na opção Repetir linha de título, tem-se uma alternativa para que, no caso de
uma tabela ocupar mais de uma página, o editor insira em cada página o cabeçalho da
tabela, que deve ser selecionado.

4.7.5 Propriedades da tabela

A última opção do menu Tabela é a de Propriedades da tabela... que ativa a


janela Formato da tabela (figura a seguir). Esta janela apresenta cinco abas.

Tabela é a primeira aba, permitindo definir o nome da tabela, o espaçamento e o


alinhamento.
A segunda aba é a Fluxo de texto e traz as configurações dos parâmetros de
fluxo de texto e alinhamento vertical.
Em Colunas, pode-se definir a largura de cada coluna.
Talvez a mais usada, a aba Bordas, permite a formatação das bordas através de
alguns padrões já existentes ou ainda permitindo que o usuário selecione que bordas
internas ou externas, horizontais ou verticais devem estar visíveis na tabela. Além
disso, o estilo e a cor da linha, bem como o espaçamento de conteúdo e características
de sombra também podem ser definidas.
Plano de fundo é a última aba, onde pode-se definir como plano de fundo uma
figura ou escolher uma cor, para uma célula ou uma linha ou para a tabela.

52
CAPÍTULO 5: LIBREOFFICE CALC

5.1 O QUE É O CALC?

O Calc é um componente do LibreOffice utilizado para trabalhar com planilhas


eletrônicas. Você pode fornecer dados (em geral, numéricos) em uma planilha e
manipulá-los para tomada de decisões que são esperadas de uma avançada
ferramenta de planilha eletrônica.

Alternativamente é possível alterar alguns dados no Calc e observar as


modificações feitas por ele sem precisar redigitar a planilha inteira (modo “E se...”).

Outras funcionalidades oferecidas pelo Calc:

 Funções, que podem ser utilizadas para criar fórmulas para executar cálculos
complexos
 Funções de banco de dados, para organizar, armazenas e filtrar dados
 Gráficos dinâmicos; um grande número de opções de gráficos em 2D e 3D
 Macros, para a gravação e execução de tarefas repetitivas
 Capacidade de abrir, editar e salvar planilhas no formato Microsoft Excel
 Importação e exportação de planilhas em vários formatos, incluindo HTML, CSV,
PDF e PostScript.

5.2 APRESENTANDO O CALC

5.2.1 Como iniciar Calc no Linux

1. Clique no Ubuntu
2. Digite CALC
3. Clique no CALC

Planilha é o arquivo completo, com todas as suas abas ou folhas de cálculo; na


primeira aba podemos ter o cálculo de despesas do seu escritório, na segunda aba as
receitas e na terceira aba um gráfico demonstrativo, isso tudo é uma planilha, e não
cada aba ou folha individualmente.
Cada planilha contém colunas que são dispostas lado a lado, e linhas que correm de
cima a baixo, assim, são traçadas as linhas de grade da planilha. As colunas são
53
rotuladas com letras e as linhas são numeradas. Cada planilha possui 1.048.576 linhas
e as colunas vão até AMJ.

Valores: Um valor pode representar um dado numérico ou textual entrado pelo


usuário ou pode ser resultado de uma fórmula ou função.

Fórmulas: A fórmula é uma expressão matemática dada ao computador (o


usuário tem que montar a fórmula) para calcular um resultado, é a parte inteligente da
planilha; sem as fórmulas a planilha seria um amontoado de textos e números.

Funções: São fórmulas pré-definidas para pouparem tempo e trabalho na


criação de uma equação.

Veja a figura abaixo e analise os componentes do Calc:

Figura 1: Apresentando as partes principais do Calc.

Barra de título

A barra de título, localizada no alto da tela, mostra o nome da planilha atual.


Quando a planilha for recém criada, seu nome é Sem título X, onde X é um número.
Quando a planilha é salva pela primeira vez, você é solicitado a dar um nome a sua
escolha.

54
Barra de menu

Abaixo da barra de título, está a Barra de menu. Quando você escolhe um dos
menus, um submenu aparece com outras opções. Você pode personalizar a Barra de
menu conforme as suas necessidades, para isso, vá em Ferramentas →
Personalizar... e vá na guia Menu.

Barra de ferramentas

Três barras de ferramentas estão localizadas abaixo da Barra de menus, por


padrão: A Barra de ferramentas padrão, a Barra de ferramentas de formatação, e a
Barra de fórmulas.

Na Barra de ferramentas padrão estão várias opções tais como, gráficos,


impressão, ajuda, salvar, outros.
Na Barra de ferramentas de formatação existem opções para alinhamento,
numeração, recuo, cor da fonte e outros.
A Barra de fórmulas será explicada detalhadamente na próxima seção.

Barra de fórmulas

Figura 2: Apresentando a barra de fórmulas.

À direita da Caixa de nome estão os botões do Assistente de Funções, de


Soma, e de Função.

Clicando no botão do Assistente de Funções abre-se uma caixa de diálogo


onde pode-se pesquisar em uma lista de funções disponíveis em várias categorias
como data e hora, matemática, financeira, dados, texto e outras. Isso pode ser muito
útil porque também mostra como as funções são formatadas.
55
Clicando no botão Soma insere-se uma fórmula na célula selecionada que soma
os valores numéricos das células acima dela. Se não houver números acima da célula
selecionada, a soma será feita pelos valores das células à esquerda.

Clicando no botão Função insere-se um sinal de igual (=) na célula selecionada


e na Linha de Entrada de dados, ativando a célula para aceitar fórmulas.

Quando você digita novos dados numa célula, os botões de Soma e de Função
mudam para os botões Cancelar e Aceitar.

O conteúdo da célula selecionada (dados, fórmula, ou função) são exibidos na


Linha de Entrada de Dados, que é um lembrete da Barra de Fórmulas. Você pode
editar o seu conteúdo na própria

Linha de Entrada de Dados. Para editá-la, clique na Linha de Entrada de


Dados e digite suas alterações. Para editar dentro da célula selecionada, clique duas
vezes nela.

Células individuais

A seção principal da tela exibe as células na forma de uma tabela, onde cada
célula fica na interseção de uma coluna com uma linha. É nela que colocaremos
valores, referências e formatos.

No alto de cada coluna, e à esquerda de cada linha, há uma célula cinza,


contendo letras (colunas) e números (linhas). Esses são os cabeçalhos das colunas e
linhas. As colunas começam em A e seguem para a direita, e as linhas começam em 1
e seguem para baixo.

Os cabeçalhos das colunas e linhas formam a referência da célula que aparece


na Caixa de Nome na Barra de Fórmulas. Você pode desligar esses cabeçalhos em
Exibir → Cabeçalhos de Linhas e Colunas.

Abas de folhas

Abaixo da tabela com as células estão as abas das folhas. Essas abas permitem

56
que você acesse cada folha da planilha individualmente, com a folha visível (ativa)
estando na cor branca. Você pode escolher cores diferentes para cada folha.

Clicando em outra aba de folha exibe-se outra folha e sua aba fica branca. Você
também pode selecionar várias folhas de uma só vez, pressionando a tecla Ctrl ao
mesmo tempo que clica nas abas.

Barra de estado

Na parte inferior da janela do Calc está a barra de estado, que mostra


informações sobre a planilha e maneiras convenientes de alterar algumas das suas
funcionalidades. A maioria dos campos é semelhante aos outros componentes do
LibreOffice.

Figura 3: Apresentando o lado esquerdo da barra de estado.

Figura 4: Apresentando o lado direito da barra de estado.

Pratique:
Clique em cada divisão da barra de estado e veja as alterações.

5.2.2 Navegando dentro das planilhas

O Calc oferece várias maneiras para navegar dentro de uma planilha de uma
57
célula para outra, e de uma folha para outra. Você pode utilizar a maneira que preferir.

Indo para uma célula específica

Utilizando o mouse: posicione o ponteiro do mouse sobre a célula e clique.

Utilizando uma referência de célula: clique no pequeno triângulo preto


invertido na Caixa de nome. A referência da célula selecionada ficará destacada. Digite
a referência da célula que desejar e pressione a tecla Enter. Ou, clique na Caixa de
nome, pressione a tecla Backspace para apagar a referência da célula selecionada.
Digite a referência de célula que desejar e pressione Enter.

Movendo-se de uma célula para outra

Em uma planilha, normalmente, uma célula possui uma borda preta. Essa borda
preta indica onde o foco está. Se um grupo de células estiver selecionado, elas são
destacadas com a cor azul, enquanto a célula que possui o foco terá uma borda preta.

Utilizando o mouse: para mover o foco utilizando o mouse, simplesmente


coloque o ponteiro dele sobre a célula que deseja e clique com o botão esquerdo. Isso
muda o foco para a nova célula. Esse método é mais útil quando duas células estão
distantes uma da outra.

Comportamento das teclas Convencionais / Especiais

As teclas TAB, Enter e Setas de Cursor, quando utilizadas em edição de


dados, apresentam comportamento um pouco diferente do convencional. TAB, por
exemplo, confirma a edição atual e avança lateralmente para a próxima célula. Neste
caso, pode-se pensar na próxima célula como o próximo campo, que e o
comportamento natural de TAB, além da possibilidade de utilizá-la como tabuladora,
claro.

Vemos abaixo uma pequena compilação do comportamento destas teclas:

58
Figura 5: Comportamento das Teclas

Utilizando as teclas de Tabulação e Enter

 Pressionando Enter ou Shift + Enter move-se o foco para baixo ou para cima,
respectivamente.
 Pressionando Tab ou Shift + Tab move-se o foco para a esquerda ou para a
direita, respectivamente.

Utilizando as teclas de seta

Pressionando as teclas de seta do teclado move-se o foco na direção das teclas.

Utilizando as teclas Home, End, Page Up e Page Down

 A tecla Home move o foco para o início de uma linha.


 A tecla End move o foco para a última célula à direita que contenha
dados.

59
 A tecla Page Down move uma tela completa para baixo e a tecla Page Up
move uma tela completa para cima.

Combinações da tecla Ctrl e da tecla Alt com as teclas Home, End, Page Down,
Page Up, e as teclas de seta movem o foco da célula selecionada de outras maneiras.

DICA
Utilize uma das quatro combinações do Alt + Tecla de seta para esquerda ou
direita para redimensionar uma célula

Personalizando a tecla Enter

Você pode personalizar a direção para onde a tecla Enter move o foco,
selecionando Ferramentas → Opções → LibreOffice Calc → Geral.

As quatro opções de direção da tecla Enter são exibidas na figura a seguir. Elas
podem mover o foco para baixo, para a direita, para a esquerda, ou para cima.
Dependendo do arquivo utilizado, ou do tipo de dados que são digitados. Configurar
uma direção diferente pode ser útil. A tecla Enter também pode ser utilizada para entrar
e sair do modo de edição.

Figura 6: Personalizando o efeito da tecla Enter.

Localização e substituição de dados

60
Este recurso é muito útil quando há a necessidade de serem localizados e
substituídos dados em planilhas.

Para localizar e substituir escolha o menu Editar → Localizar e substituir ou


pressione Ctrl + H; Você pode somente localizar, ou localizar e substituir;

Figura 7: Localizar e substituir.

Movendo-se de uma folha para outra

Cada folha de uma planilha é independente das outras, ainda que seja possível
fazer referências de uma para outra. Há três maneiras de navegar entre diferentes
folhas numa planilha.

Utilizando o Navegador: quando o navegador estiver aberto, clicar duas vezes


em qualquer uma das folhas listadas seleciona a folha.

Utilizando o teclado: pressionando as teclas Ctrl + Page Down move-se a folha


para a direita, e Ctrl + Page Up move-se a folha para a esquerda.

Utilizando o mouse: clicando em uma das abas das folhas na parte de baixo da
planilha, seleciona a folha.

Se você tiver muitas folhas, algumas delas podem estar escondidas atrás da
barra de rolagem horizontal na parte de baixo da tela. Se for o caso, os quatro botões à
esquerda das abas das folhas podem colocar as folhas à vista. Veja a figura a seguir.

61
Figura 8: Abas das folhas e funcionalidades.

5.2.3 Selecionando itens em uma folha ou planilha

Selecionando células

As células podem ser selecionadas de várias maneiras e combinações.

Célula única: clique com o botão esquerdo do mouse sobre a célula. Você pode
confirmar sua seleção na Caixa de nome.

Figura 9: Célula selecionada.

Grupo de células contíguas: você pode selecionar um grupo de células


contíguas utilizando o teclado ou o mouse.

Para selecionar um grupo de células arrastando o mouse:


1. Clique em uma célula.
2. Pressione e segure o botão esquerdo do mouse.
3. Mova o mouse através da tela.
4. Uma vez selecionado o bloco de células desejado, solte o botão do mouse.
62
Para selecionar um grupo de células sem arrastar o mouse:
1. Clique na célula que será um dos cantos do grupo a ser selecionado.
2. Mova o mouse para o canto oposto do grupo a ser selecionado.
3. Pressione e mantenha a tecla Shift e clique.

Para selecionar um grupo de células sem utilizar o mouse:


1. Selecione a célula que será um dos cantos do grupo a ser selecionado.
2. Enquanto segura a tecla Shift, utilize as teclas de seta para selecionar o restante do
grupo.

Figura 10: Grupo de células selecionadas.

Você também pode selecionar um grupo de células diretamente utilizando a


Caixa de nomes. Para isso, entre com a referência da célula do canto superior
esquerdo, seguida por dois pontos (:), e da referência da célula do canto inferior direito.
Por exemplo, para selecionar um grupo que vai da célula A3 à célula C6, você digitaria
A3:C6.

Grupo de células não contíguas

1. Selecione a célula, ou grupo de células utilizando um dos métodos acima.


2. Mova o ponteiro do mouse para o início do próximo grupo de células, ou célula
única.
3.
4. Pressione e segura a tecla Ctrl clique ou clique e arraste para selecionar um grupo
63
de células.
5. Repita, caso necessário.

Selecionando colunas e linhas

Colunas e linhas inteiras podem ser selecionadas de maneira muito rápida no


LibreOffice.

Coluna ou Linha única

Para selecionar uma única coluna, clique na letra do identificador da coluna, por
exemplo, para selecionar a coluna D, clique sobre a letra D no cabeçalho de colunas.

Para selecionar uma única linha, clique no identificador do número da linha, por
exemplo, para selecionar a linha 1, clique sobre o número 1 no cabeçalho de linhas.

Múltiplas colunas ou linhas

Para selecionar múltiplas colunas ou linhas contíguas:


1. Clique na primeira coluna ou linha do grupo.
2. Pressione e segure a tecla Shift.
3. Clique na última coluna ou linha do grupo.

Para selecionar múltiplas colunas ou linhas não contíguas:


1. Clique na primeira coluna ou linha do grupo.
2. Pressione e segure a tecla Ctrl.
3. Clique em todas as colunas ou linhas subsequentes, enquanto segura a tecla
Ctrl.

Folha inteira

64
Para selecionar uma folha inteira, clique na pequena caixa entre a o identificador
da coluna A e o identificador da linha 1.

Figura 11: Selecionando toda a folha.

Você também pode pressionar Ctrl + A para selecionar folhas inteiras ou indo em
Editar → Selecionar tudo.

Selecionando folhas

Você pode selecionar uma ou várias folhas. Pode ser vantajoso selecionar várias
folhas quando precisar fazer alterações em várias folhas de uma vez.

Folha única: Clique na aba da folha que deseja selecionar. A folha ativa fica na
cor branca.

Múltiplas folhas contíguas:

1. Clique na aba da primeira folha desejada.


2. Mova o ponteiro do mouse para a aba da última folha desejada.
3. Pressione e segure a tecla Shift e clique na aba da folha.

Todas as abas entre as duas folhas ficarão na cor branca. Qualquer ação que
você faça agora afetará todas as planilhas selecionadas.

Múltiplas folhas não contíguas:

1. Clique na aba da primeira folha.


2. Mova o ponteiro do mouse para a aba da segunda folha.
3. Pressione e segure a tecla Ctrl e clique na aba da folha.
4. Repita, se necessário.

65
As abas folhas selecionadas ficarão na cor branca. Qualquer ação que você faça
agora afetará todas as planilhas selecionadas.

Todas as folhas: clique com o botão direito do mouse em qualquer uma das
abas das folhas e clique em Selecionar todas as planilhas no menu de contexto.

5.2.4 Trabalhando com colunas e linhas

1 – Inserindo colunas e linhas

Você pode inserir colunas e linhas individualmente ou em grupos.

Quando inserimos uma única coluna nova, ela é colocada à esquerda da coluna
selecionada. Quando inserimos uma única linha, ela é colocada acima da linha
selecionada. As células nas novas linhas e colunas são formatadas de acordo com a
formatação das células da linha acima ou da coluna à esquerda da nova linha ou
coluna.

Coluna ou linha única

Utilizando o menu Inserir:


1. Selecione a célula, coluna ou linha onde você quer inserir a nova coluna ou linha.
2. Clique em Inserir → Colunas ou Inserir → Linhas.

Utilizando o mouse:
1. Selecione a célula, coluna ou linha onde você quer inserir a nova coluna ou linha.
2. Clique com o botão direito do mouse no cabeçalho da coluna ou da linha.
3. Clique em Inserir Linhas ou Inserir Colunas.

Múltiplas colunas ou linhas

Você pode inserir várias colunas ou linhas de uma só vez, ao invés de inseri-las
uma por uma.

1. Selecione o número de colunas ou de linhas pressionando e segurando o botão


esquerdo do mouse na primeira e arraste o número necessário de identificadores.
2. Proceda da mesma forma, como fosse inserir uma única linha ou coluna, descrito
acima.

66
Figura 12: Inserindo 3 linhas abaixo da linha 1.

2 – Apagando colunas e linhas

Colunas e linhas podem ser apagadas individualmente ou em grupos

Coluna ou linha única

Uma única coluna ou linha pode ser apagada utilizando-se o mouse:


1. Selecione a coluna ou linha a ser apagada.
2. Clique com o botão direito do mouse no identificador da coluna ou linha.
3. Selecione Excluir Colunas ou Excluir Linhas no menu de contexto.

Múltiplas colunas e linhas

Você pode apagar várias colunas ou linhas de uma vez ao invés de apagá-las uma por
uma.

1. Selecione as colunas que deseja apagar, pressionando o botão esquerdo do mouse


na primeira e arraste o número necessário de identificadores.
2. Proceda como fosse apagar uma única coluna ou linha acima.

67
Figura 13: Excluir 3 linhas abaixo da linha 1.

5.2.5 Trabalhando com folhas

Como qualquer outro elemento do Calc, as folhas podem ser inseridas,


apagadas ou renomeadas.

Inserindo novas folhas

Há várias maneiras de inserir uma folha. A mais rápida, é clicar com o botão
Adicionar folha. Isso insere uma nova folha naquele ponto, sem abrir a caixa de diálogo
de Inserir planilha. Utilize um dos outros métodos para inserir mais de uma planilha,
para renomeá-las de uma só vez, ou para inserir a folha em outro lugar da sequência.
O primeiro passo para esses métodos é selecionar a folha, próxima da qual, a nova
folha será inserida. Depois, utilize as seguintes opções.

1. Clique em Inserir → Planilha na Barra de menu.


2. Clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Inserir Planilha no
menu de contexto.
3. Clique em um espaço vazio no final da fila de abas de folhas.

Figura 14: Criando uma nova planilha.

Veja na imagem a seguir, a caixa de diálogo Inserir Planilha. Nela você pode
escolher se as novas folhas serão inseridas antes ou depois da folha selecionada, e
quantas folhas quer inserir. Se você for inserir apenas uma folha, existe a opção de
68
dar-lhe um nome.

Figura 15: Caixa de diálogo Inserir Planilha.

Apagando folhas

As folhas podem ser apagadas individualmente ou em grupos.

Folha única: clique com o botão direito na aba da folha que quer apagar e
clique em Excluir Planilha no menu de contexto, ou clique em Editar → Planilha →
Excluir na barra de menu.

Múltiplas folhas: selecione-as como descrito anteriormente, e clique com o


botão direito do mouse sobre uma das abas e escolha a opção Excluir Planilha no
menu de contexto, ou clique em Editar → Planilha → Excluir na barra de menu.

Renomeando folhas

O nome padrão para uma folha nova é PlanilhaX, onde X é um número. Apesar
disso funcionar para pequenas planilhas com poucas folhas, pode tornar-se complicado
quando temos muitas folhas.

Para colocar um nome mais conveniente a uma folha, você pode:

 Digitar o nome na caixa Nome, quando você criar a folha, ou

69
 Clicar com o botão direito do mouse e escolher a opção Renomear Planilha
no menu de contexto e trocar o nome atual por um de sua escolha.
 Clicar duas vezes na aba da folha para abrir a caixa de diálogo Renomear
Planilha.

Os nomes das folhas devem começar com uma letra ou com um número. Fora o
primeiro caractere do nome da folha, os caracteres permitidos são letras, números,
espaços e o caractere de sublinhado (underline). Tentar renomear uma planilha com
um nome inválido produzirá uma mensagem de erro.

Pratique:
Renomeie a planilha atual para “exemplo”.

5.2.6 Opções de visualização no Calc

Utilizando o zoom

Utilize a função de zoom para alterar a visualização e exibir mais ou mais células
na janela. Você pode diminuir ou aumentar o zoom através dos botões no canto inferior
direito.

Para mais configurações, vá em Menu Exibir → Zoom....

Congelando linhas e colunas

O congelamento trava um certo número de linhas no alto, ou de colunas à


esquerda de uma planilha, ou ambos. Assim, quando se mover pela planilha, qualquer
linha ou coluna congelada permanecerá à vista.

A Figura abaixo mostra algumas linhas e colunas congeladas. A linha horizontal


mais forte entre as linhas 1 e 3 e entre as colunas A e E, denotam áreas congeladas.
As linhas de 4 a 6 foram roladas para fora da página. As três primeiras linhas e colunas
permaneceram porque estão congeladas.

70
Figura 16: Congelando células.

Congelando uma única coluna ou linha

1. Clique no cabeçalho da linha abaixo, ou da coluna à esquerda da qual quer


congelar.
2. Clique em Janela → Congelar.

Uma linha escura aparece, indicando onde o ponto de congelamento foi colocado.

Congelando uma coluna ou linha

1. Clique em uma célula que esteja imediatamente abaixo da linha, ou na coluna


imediatamente à direita da coluna que quer congelar.
2. Clique em Janela → Congelar.

Duas linhas aparecem na tela, uma horizontal sobre essa célula e outra vertical
à esquerda dela. Agora, quando você rolar a tela, tudo o que estiver acima, ou à
esquerda dessas linhas, permanecerá à vista.

Descongelando

Para descongelar as linhas ou colunas, clique em Janela → Congelar. A marca


de verificação da opção Congelar desaparecerá.

Pratique:
Congele a planilha com foco na célula D5. Certifique que entendeu a mudança
feita e em seguida descongele.

71
5.3 ENTRADA DE DADOS

5.3.1 Entrando com texto

Clique na célula e digite o texto. O texto é alinhado à esquerda por padrão.

5.3.2 Entrando números como texto

Um número pode ser digitado como se fosse texto, para preservar os zeros à
esquerda, colocando-se um apóstrofo antes do número, assim: '01481.

O dado agora é tratado como texto pelo Calc e será exibido exatamente como
digitado. Tipicamente, as fórmulas tratarão a entrada como zero e as funções a
ignorarão. Tome cuidado para que a célula contendo um número não seja utilizada em
uma fórmula.

Se “aspas inteligentes” forem utilizadas como apóstrofos, o apóstrofo fica visível


na célula. Para escolher o tipo de apóstrofo, clique em Ferramentas → Opções da
autocorreção → Opções do local. A seleção do tipo de apóstrofo afeta tanto o Calc,
quanto o Writer.

5.3.3 Entrando com datas e horários

Selecione a célula e digite a data ou a hora. Você pode separar os elementos


com uma barra (/) ou com um (-), ou utilize um texto como 15 Out 10. O Calc
reconhece vários formatos de data. Você pode separar os elementos do horário com
dois pontos, assim: 10:43:45.

5.3.4 Autoentrada

Quando você digita em uma célula, o Calc automaticamente sugere entradas


que já existem na mesma coluna. Para ligar ou desligar a Autoentrada, ajuste ou
remova a marca de verificação na frente de Ferramentas → Conteúdo da célula →
Autoentrada.

72
5.3.5 Conversão automática de data

O Calc converte automaticamente certos tipos de entradas para o formato de


datas. Para assegurar que uma entrada, que se pareça com uma data, seja
interpretada como texto, digite um apóstrofo no início da entrada. O apóstrofo não será
exibido na célula.

5.3.6 Aumentando a velocidade da entrada de dados

Digitar dados em uma planilha pode ser um uma tarefa bem intensa, mas o Calc
oferece várias ferramentas para poupar um pouco do trabalho.

A habilidade mais básica é arrastar e soltar o conteúdo de uma célula para outra
com o mouse. O Calc também inclui várias outras ferramentas de autoformatação de
entradas de dados, especialmente de dados repetitivos. Elas incluem a ferramenta de
Preenchimento, listas de seleção, e a capacidade de entrar com informações em
múltiplas folhas do mesmo documento.

5.3.7 Copiando e colando

É possível copiar uma ou mais células selecionando-se as células a que você


deseja copiar e clicar com o botão direito e escolher copiar, ou pressionar as teclas Ctrl
+ C. Em seguida, selecione a célula a qual você deseja transportar os dados, clique
com o botão direito e selecione a opção colar ou pressione as teclas Ctrl + V.

Colar especial

Esta opção permite que você copie apenas partes de uma célula como textos,
números, fórmulas, formatos, ou tudo como no tópico anterior. Ainda é possível colar
deslocando as células, adicionar operações matemáticas para adicionar, subtrair,
multiplicar e dividir células para aplicar uma dessas operações a uma conjunto de
células de uma única vez.

Para usá-la, selecione e copie a (s) célula (s) que você deseja transportar, selecione a
(s) célula (s) para onde serão transportadas, clique com o botão direito e selecione
colar especial. Surgirá a tela a seguir.

73
Figura 17: Caixa de diálogo colar especial

5.3.8 Utilizando a ferramenta de preenchimento nas células

Da maneira mais simples, a ferramenta de Preenchimento é uma maneira de


duplicar conteúdos já existentes. Comece selecionando a célula que será copiada,
depois arraste o mouse em qualquer direção (ou pressione e segure a tecla Shift e
clique na última célula que queira preencher), e clique em Editar → Preencher e
escolha a direção para a qual queira copiar: Para cima, Para baixo, Para a esquerda ou
Para a direita.

CUIDADO
As opções não disponíveis ficam na cor cinza, mas você ainda pode escolher
a oposta da que você deseja, o que pode ocasionar a substituição do
conteúdo das células acidentalmente.

Um atalho para preencher células é segurar um quadrado preto, no canto


inferior direito da célula e arrastá-lo na direção desejada. Se a célula conter
um número, os números serão preenchido sequencialmente. Se a célula
conter texto, o mesmo texto será preenchido na direção escolhida.

Pratique:
Na célula A1 digite: PREENCHER. Utilize a técnica de preenchimento
copiando até a célula A10.
74
5.3.9 Utilizando listas de seleção

Listas de seleção estão disponíveis somente para texto, e estão limitadas à


utilização apenas com texto que já existe na mesma coluna.

Para utilizar uma lista de seleção, selecione uma célula vazia e clique com o
botão direito do mouse, selecionando a opção Lista de seleção. Uma lista de opções
aparece com o conteúdo de todas as células na mesma coluna que contenha, pelo
menos, um caractere, ou cujo formato esteja definido como Texto. Clique na entrada
que desejar.

DICA
Você pode também utilizar o atalho Alt + Seta para Baixo.

5.4 EDITANDO DADOS

A edição de dados é feita de maneira bem parecida com a entrada de dados. O


primeiro passo é selecionar a célula que contém os dados a serem editados.

5.4.1 Removendo dados de uma célula

Os dados de uma célula podem ser removidos (apagados) de várias maneiras.

Removendo apenas os dados

Apenas os dados podem ser removidos da célula, sem remover sua formatação.
Clique na célula para selecioná-la e pressione a tecla Delete.

Removendo dados e formatação

Os dados, e a formatação, podem ser removidos de uma célula, de uma só vez.


Pressione a tecla Backspace (ou clique com o botão direito do mouse e escolha a
opção Excluir conteúdo, ou clique em Editar → Excluir conteúdo) para abrir a caixa
de diálogo Excluir conteúdo. Nessa caixa de diálogo, os vários aspectos da célula
75
podem ser apagados. Para excluir tudo de uma célula (conteúdo e formatação),
marque a opção Excluir tudo.

Figura 18: Caixa de diálogo Excluir conteúdo.

5.4.2 Substituindo todos os dados de uma célula

Para remover os dados e inserir novos dados, simplesmente digite-os por cima
dos dados antigos. Os novos dados manterão a formatação original.
Alterando parte dos dados de uma célula

Algumas vezes, é necessário alterar o conteúdo da célula, sem remover seu


conteúdo, por exemplo, se a frase “Vendas no 2 Qdr.” estiver na célula e precisar ser
substituída por “Vendas da Rosa no 2 Qdr.” É mais fácil fazer isso sem apagar o
conteúdo antigo primeiro.

O processo é parecido com o descrito acima, mas é preciso posicionar o cursor


dentro da célula. Você pode fazer isso de duas maneiras.

Utilizando o teclado: depois de selecionar a célula, pressione a tecla F2 e o


cursor será posicionado no final da célula. Utilize as teclas de seta no teclado para
movê-lo através do texto da célula.

Utilizando o mouse: tanto pode-se clicar duas vezes na célula (para selecioná-
la e posicionar o cursor dentro dela para a edição), ou clicar uma vez para selecioná-la
e, depois, mover o apontador do mouse para a linha de entrada de dados e clicar nela
para posicionar o cursor para a edição.

76
5.5 FORMATANDO DADOS

Os dados no Calc podem ser formatados de várias maneiras. Eles tanto podem
ser editados como parte do estilo da célula, e assim a formatação é aplicada
automaticamente, quanto podem ser aplicados manualmente à célula. Algumas
formatações manuais podem ser aplicadas utilizando-se os ícones da barra de
ferramentas. Para um controle maior e opções extras, selecione a célula e clique com o
botão direito sobre ela, e selecione Formatar células. Todas as opções de formatação
serão tratadas abaixo.

5.5.1 Mesclando várias células

Um recurso útil do Calc é a possibilidade de mesclar várias células contíguas


para formar um título de uma folha de planilha, por exemplo. Para isso selecione as
células contíguas a serem mescladas e vá em Formatar → Mesclar células →
Mesclar ou Formatar → Mesclar células → Mesclar e centralizar células, para
centralizar e mesclar.

5.5.2 Ferramenta pincel de estilo

Serve para copiar a formatação para outras células da mesma planilha ou para
outras planilhas.

Para copiar o estilo de uma célula clique uma ou duas vezes no ícone . E

clique na célula a ser formatada em seguida.

5.5.3 Inserir uma anotação (comentário)

As células podem conter observações de outros usuários ou lembretes que


ficam ocultos, isto é, não são impressos. Uma célula contendo uma anotação
apresenta um pequeno triângulo vermelho no canto superior direito.
Para inserir uma anotação clique com o botão direito do mouse na célula que conterá a
anotação e selecione a opção Inserir anotação ou pressione Ctrl + Alt + C. Em
seguida digite o texto e clique fora da caixa de texto quando tiver terminado.

77
Para visualizar a anotação, basta posicionar o ponteiro do mouse em cima do
triângulo vermelho. Você pode ainda clicar com o botão direito sobre a célula que
possui a anotação e clicar em Mostrar anotação para deixá-la sempre a amostra ou
clicar em Excluir anotação para excluí-la.

5.5.4 Encolhendo o texto para caber na célula

O tamanho da fonte pode ser ajustado automaticamente para caber na célula.


Para isso, clique com o botão direito na célula a ser formatada e clique em Formatar
Células → na aba Alinhamento marque o campo Reduzir para caber na célula.

5.5.5 Formatando a largura ideal da coluna para exibir todo o conteúdo da célula

A largura da coluna pode ser ajustada automaticamente para que consigamos


visualizar todo o conteúdo da célula. Para isso, clique duas vezes com o botão
esquerdo do mouse entre as colunas que esta digitado o texto, logo ficará a Largura
ideal da coluna e aceite clicando em OK.

Figura 19: Resultado da figura anterior.

5.5.6 Formatando números

Vários formatos diferentes de números podem ser aplicados às células através


dos ícones da Barra de ferramentas de formatação. Selecione a célula, e clique no
ícone desejado.

Figura 20: Ícones de formatação numérica. Da esquerda para a direita: moeda,


porcentagem, data, exponencial, padrão, adiciona casa decimal, exclui casa decimal.

Para um controle melhor ou para selecionar outros formatos numéricos, utilize a

78
aba Números da caixa de diálogo Formatar Células:

 Aplique qualquer um dos tipos de dados na lista Categoria aos dados.


 Controle o número de casas decimais e de zeros à esquerda.
 Entre um formato numérico personalizado.

A configuração do Idioma controla as configurações de local para diversos


formatos como a ordenação da data e o identificador monetário.

Figura 21: Formatar Células → Números.

5.5.7 Formatando a fonte

Para escolher rapidamente a fonte a ser utilizada na célula, selecione a célula, e


clique na seta próxima à caixa Nome da Fonte na Barra de Ferramentas de
Formatação e escolha uma fonte da lista.

Para exibir as fontes pelo seu nome em texto simples ou pela sua aparência, vá
para Ferramentas → Opções → LibreOffice → Exibir e selecione ou desmarque a
opção Mostrar visualização das fontes na seção Listas de fontes.

Para escolher o tamanho da fonte, clique na seta, ao lado da caixa Tamanho da


Fonte, na Barra de Ferramentas de Formatação. Para outras formatações, você
pode utilizar os ícones de Negrito, Itálico, ou Sublinhado.
79
Para escolher a cor da fonte, clique na seta ao lado do ícone Cor da fonte para
exibir a paleta de cores. Clique na cor desejada. (Para definir cores personalizadas, vá
em Ferramentas → Opções → LibreOffice → Cores.)

Para especificar um idioma para a célula (útil, pois permite que diferentes
idiomas possam compartilhar o mesmo documento e ser verificados ortograficamente
de maneira correta), utilize a aba Fonte da caixa de diálogo Formatar Células. Utilize a
aba Efeitos da Fonte para ajustar outras características.

5.5.8 Formatando as bordas das células

Para adicionar uma borda a uma célula (ou grupo de células selecionadas),
clique no ícone de Bordas na Barra de ferramentas de formatação, e selecione
uma das opções de bordas mostradas na paleta.

Para escolher rapidamente um estilo de linha para a borda da célula, clique na


pequena seta próxima aos ícones de Estilo da Linha e Cor da Linha, na Barra de
ferramentas de formatação. Nos dois casos, uma paleta de opções será exibida.

Para mais controles, incluindo o espaçamento entre as bordas das células e o


texto, utilize a aba Bordas na caixa de diálogo Formatar Células. Lá, também é possível
definir uma sombra.

As propriedades da borda aplicam-se à célula, e somente podem ser alteradas


se você editar aquela célula. Por exemplo, se a célula C3 tem uma borda superior (que
seria visualmente equivalente a uma borda inferior na célula C2), aquela borda somente
pode ser removida selecionando-se a célula C2. Ela não pode ser removida na C3.

5.5.9 Formatando plano de fundo da célula

Para escolher rapidamente uma cor para o plano de fundo da célula, clique na
pequena seta ao lado do ícone Cor do plano de fundo na Barra de ferramentas de
formatação. Uma paleta de opções de cores, semelhante à paleta de Cores da fonte, é
exibida. (Para definir cores personalizadas, utilize Ferramentas → Opções →
LibreOffice → Cores.) É possível, também utilizar a aba Plano de fundo da caixa de
diálogo Formatar Células.

Exercícios:
Faça os exercícios 1 e 2 a seguir:
80
Exercício 1 – Leia as dicas abaixo e em seguida insira no LibreOffice Calc os seguintes
dados:

Figura 22: Controle de vendas

Veja que os nomes dos meses aparecem com a primeira letra capitalizada
(maiúsculo), pode ser que a sequência esteja da seguinte maneira:

Figura 23: Sequência meses

Use a ferramenta que altera uma caixa iniciando uma frase com letra
maiúscula.

Exercício 2 – Formate as células utilizando as configurações abaixo:

 Cor de preenchimento de célula: Amarelo 2 e Verde claro


81
 Cor da fonte: Azul claro
 Negrito
 Bordas
 Formato de Moedas e alinhadas à esquerda

5.6 RELEMBRANDO...

Uma planilha eletrônica e basicamente um conjunto de células, células estas


formadas por uma combinação de colunas e linhas. Chamaremos de célula a
interseção, ao encontro entre um endereço de uma coluna versus o endereço de uma
linha. A célula pode conter um valor e ou uma fórmula. O valor desta mesma célula
pode abrigar outras propriedades, como cores, tipo de fonte, tamanho da fonte, etc.
Uma fórmula, que nas planilhas atuais começa por um sinal de atribuição de igualdade
(“=”), pode referenciar outras células, uma operação aritmética simples, uma função
matemática, um endereço (“link”) na internet, etc. Observe na imagem abaixo como a
Barra de Endereços descreve “C2” como endereço atual. Além do mais, os cabeçalhos
da Linha 2 e da Coluna C estão com destaque, para orientar o usuário sobre a
interseção atual (C2).

O algoritmo das planilhas não mudou substancialmente, e sim o número de


funções agregadas conforme a evolução destas. Em qualquer planilha, se o endereço
C3 contiver o valor 11 e a célula D3 contiver, por exemplo, 45,08 e utilizarmos a célula
E3 para calcular o produto destes dois endereços, a fórmula alocada em E3 será, em
qualquer planilha, “=C3 * D3” e E3 exibirá o resultado (495,88). Após calculado, o
usuário poderá formatar adequadamente E3 como moeda, número geral, etc.
82
5.7 DOCUMENTOS QUE PODEM SER FEITOS EM UMA PLANILHA

O leque de documentos que podem ser feitos em uma planilha eletrônica inclui:

 Cálculo orçamentário (tanto o da sua empresa como o seu controle pessoal)


 Cálculo orçamentário de obras civis
 Folha de pagamento da empresa
 Acompanhamento da quitação do seu imóvel (mês a mês)
 Controle de vacinação do gado (bovino, suíno, etc.)
 Banco de dados rudimentar (mesmo que a planilha moderna contenha
funções especificas de BD, a implementação de uma planilha em funções de BD
deve ser sempre criteriosa)
 Controle estatístico (em várias áreas profissionais).

É evidente que a lista acima não esgota as possibilidades de uso de uma planilha
eletrônica; e no dia-a-dia que acharemos outras utilizações para a versátil planilha
eletrônica.

5.8 FÓRMULAS

Usamos fórmulas quando desejamos que o conteúdo de alguma célula mostre o


resultado de alguma operação matemática.

A fórmula pode ser pensada como uma instrução dada ao computador para
calcular um resultado tendo como critério células, faixa de células, resultados
aritméticos, referência a outras planilhas, etc. A fórmula é a parte inteligente da
planilha; sem as fórmulas a planilha se torna um amontoado de texto e números, sem
que o software possa resolver qualquer solução ou algoritmo sobre estes dados.
Normalmente, para vermos a fórmula de determinada célula e não o seu resultado é
necessário que a célula em questão tenha o foco. Veremos, deste modo, o seu
83
“algoritmo” na Barra de Fórmulas e o seu conteúdo na própria célula. A fórmula “=B2 &
@meusitio.com.br” anexaria o resultado de B2 ao conteúdo fixo @meusitio.com.br;
imagine que a coluna B contenha nomes de pessoas. Vê-se que a fórmula não só
calcula como concatena texto, se assim instruído.

Toda vez que em uma célula você desejar o resultado de alguma operação, a
primeira coisa a se colocar é o sinal de = (igualdade). Caso desejar forçar a aceitação de
um número como texto, deve- se primeiramente digitar o símbolo ‘ (aspas simples) e
depois o texto/número. Isso é necessário, por exemplo, quando se quer digitar o
mês/ano (“01/06”) não como data, mas como texto.

Devemos tomar um cuidado especial quando estivermos com mais de uma


operação a ser realizada. Por exemplo:

Figura 24: Demonstração do uso de uma operação na tabela

Observe que a Barra de Fórmulas exibe a fórmula usada: =A1+A2*B2, mas se


observarmos bem temos um erro: 100(A1) + 10(A2) X 3(B2)=330 e não 130..., isto
ocorre porque na matemática é calculado primeiro a multiplicação, depois a divisão,
depois soma e por último a subtração. Neste caso teremos que colocar a soma entre
parênteses ficando assim: = (A1+A2)*B2. Com isto, será calculado primeiro o que
estiver dentro dos parênteses.

Digite a tabela a seguir:


Figura 25: Tabela de Preços 1

84
Na célula B8 calcule a soma do intervalo B3 até B7. E na célula C8, calcule a soma de
C3 até C7. O Total será obtido multiplicando a Quantidade pelo Valor.

5.8.1 Sintaxe Universal de uma Planilha

Observe a seguinte fórmula para efeito de exemplos de sintaxe:

=B2*(SE(SOMA(C2:C6)>=3;$H$1;SOMA(A3^A5)*5));

Repare que há parênteses, sinais de Operadores de Comparação (>, = <, etc.), além
de ponto e vírgula e dois pontos. Mesmo sendo possível o uso de fórmulas sofisticadas
em planilhas, virtualmente qualquer tipo de planilha pode ser implementada utilizando-
se das quatro operações básicas, por exemplo, seu orçamento mensal (receitas x
despesas). As quatro operações básicas são:

Somar ( + ), Subtrair ( - ); Multiplicar ( * ), Dividir ( / ).


Índice de Referenciação Absoluto ( $ )
Para exponenciação utiliza-se o circunflexo (^).

As tabelas abaixo representam de forma sucinta, a função de cada letra / símbolo /


instrução para uma compreensão básica do significado destes.

Operadores Aritméticos

85
Figura 26: Operadores Aritméticos

Operadores de Comparação

Figura 27: Operadores de Comparação 1

Comandos / Instruções

Figura 28: Operadores de Comparação 2

Pratique

86
1. Crie uma planilha contendo seguintes campos: Descrição, Quantidade, Valor por
Item, Valor total. Na descrição, coloque cinco (5) itens quaisquer e jogue valores
aleatórios para os campos Quantidade e Valor por Item. Faça o cálculo do valor
total usando apenas funções.
2. Crie a seguinte tabela:

Figura 29: Tabela 1 - Empresa Chás & Cafés - Exercício 2

Considere a tabela acima. Pretende calcular a quantidade de cada produto


vendido bem como o total de café vendido de cada um dos produtos e o volume de
vendas de todos os produtos. Acrescente à tabela a coluna quantidade e valor,
conforme se apresenta na figura seguinte:

Figura 30: Tabela 2 - Empresa Chás & Cafés - Exercício 2

O valor de cada produto é obtido multiplicando a quantidade pelo preço. O total


do volume de vendas é o somatório do volume de vendas obtido para cada produto.

Deverá obter o seguinte resultado:

87
Figura 31: Tabela 3 - Empresa Chás & Cafés - Exercício 2

5.9 FUNÇÕES

As funções agregam muitos recursos ao software de planilhas. Um software


como o LibreOffice Calc contém muitas funções nativas e o usuário é livre para
implementar as suas próprias funções, há de se imaginar como sendo quase ilimitado o
poder do usuário em estender a funcionalidade da planilha eletrônica. Exemplo de
função nativa é a função SE, que contém a seguinte sintaxe: =SE(“Condição a Ser
Testada”; Valor_Então; Valor_Senão). Decodificando, se a “Condição a Ser Testada” for
verdadeira, aloque na célula atual o primeiro valor (Valor_Então); caso contrário, aloque
o segundo valor da função (Valor_Senão).

Na figura a seguir vemos o ícone do Assistente de Funções. O ícone do


Assistente de Funções tem duas finalidades: a primeira é facilitar a entrada de funções
por categoria; se você deseja entrar uma função lógica na célula A20, por exemplo,
você pode digitá-la diretamente ou pode colocar o cursor na célula desejada e clicar no
Assistente de Funções, escolhendo-a, como se disse, por categoria. A segunda e
menos obvia função é auxiliar na sintaxe das funções, pois o Assistente mostra, em
tempo de digitação, os argumentos da Função (na Barra de Fórmulas também e
mostrado, por padrão, o leque de argumentos / parâmetros das funções pré-
programadas do software.

88
Figura 32: Assistente de Funções

5.9.1 Funções I

Funções são na verdade uma maneira mais rápida de obter resultados em


células. Imagine você ter que somar todos os valores das peças de um veículo
dispostos um abaixo do outro...

A1+B1+C1+D1+E1+F1...

Existem vários tipos de funções, que vão desde as mais simples até mais
complexas. Iremos mostrar as mais comuns. Basicamente, todas elas oferecem o
mesmo “molde”:

=Nome da Função (primeira célula a ser calculada: última célula a ser calculada)

Veja a figura a seguir e depois explicaremos o que está sendo feito:

89
Figura 33: Tabela de Preços 2

Primeiro foi digitado =soma(), depois foi pressionado e arrastado sobre as


células que farão parte da soma (B3:B7). Não há a necessidade de fechar o parêntese,
pois o Calc fará automaticamente este procedimento, mas é aconselhável que você
sempre faça isto, pois haverá funções que se não fechar dará erro.

 Após selecionar as células, basta pressionar a tecla Enter.


 Agora vá para a célula D3. Digite =B3*C3. Pressione a tecla Enter, que no caso
você já sabe que irá calcular as células.
 Selecione novamente a célula e observe que no canto inferior esquerdo da célula
há um pequeno quadrado preto. Este é a Alça de Preenchimento. Coloque o
cursor sobre o mesmo, o cursor irá mudar para uma pequena cruz. Pressione e
arraste para baixo até a célula D7. Veja a figura mais adiante.
 Para checar se as fórmulas calcularam corretamente, basta selecionar uma célula
que contenha o resultado e pressionar a tecla F2. Isto é bastante útil quando se
quer conhecer as células que originaram o resultado.

5.9.2 Funções II

Vamos ver agora mais funções, bastando usar o molde abaixo e não
esquecendo de colocar os acentos nos nomes das funções.

=Nome da Função (primeira célula a ser calculada: última célula a ser calculada)

Média
Máxima
Mínima

90
Figura 34: Tabela de Preços 3

5.9.3 Funções III

Usaremos agora a função SE. Como o nome já diz, a função SE será usada
quando se deseja checar algo em uma célula. Acompanhe o molde desta função:
=SE(Teste; Valor_Então; Valor_Senão); ou se outra forma: =se (eu for de carro;
então vou; senão... não vou)

Na célula E3 é para descontar R$ 2,00 para produtos com a Quantidade maior


que 20. Vamos juntar as informações para resolver esta função:

Nome da função: SE
Condição: Quantidade > 20
Valor Verdadeiro: Se a condição for verdadeira, o que deverá ser descontado R$ 2,00
Valor Falso: Se a condição for falsa, não deverá receber desconto.

Então a nossa função deverá ficar assim:


=SE(B3>20;D3-2;D3)

Ou seja: Se a Quantidade for maior que 20, então desconte R$ 2,00, senão
mostre o valor sem desconto.

91
Figura 35: Tabela Demonstrativa

Pratique

1) Crie uma planilha contendo os seguintes campos: Aluno, “Nota 1”, “Nota 2”, “Nota
3”, Participação e Média. No campo “Media”, calcule a média dos quatro
campos anteriores.

Figura 36: Figura ilustrativa do Exercício

2) Numa dada empresa de construção de automóveis, é feita uma amostragem dos


veículos fabricados em cada dia e registrada a informação sobre os problemas
encontrados. Calcule, copiando sempre que possível:

Figura 37: Exercício

1. Total de Veículos defeituosos (C7) e analisados (C9)


2. Porcentagem de veículos defeituosos e funcionais (D7:D8)
3. Peso de cada peça no total de veículos defeituosos (D2:D5).

1) Abra o Calc e digite na célula A1 a seguinte sequência de texto: “ Descrição”; em


92
B1, digite: “Valor”; em C1, digite “Custo”. Com isso, criamos um cabeçalho para a
nossa planilha.

Em A2 entre: “MP3 Player 2GB”; em B2 entre: “89,00”;


Em A3 entre: “Fone de Ouvido Estéreo”; em B3 entre: ”4,90”;
Em A4 entre: “Placa de Vídeo PCI-E 256MB”; em B4 entre: “96,00”;
Em A5 entre: “Pendrive 4GB com função Backup”; em B5 entre: “118,12”.

Nossa planilha-teste está completa. A coluna C ficou reservada para nosso


primeiro teste com o Assistente de Funções. Coloque o cursor na célula C2. Dê um
duplo clique no limite entre as colunas A e B – isto fará o ajuste automático da largura
da coluna A. Clique com o botão de atalho do mouse na coluna a ser ajustada e
escolha no menu suspenso, a opção “Largura Ideal da Coluna” tem o mesmo efeito. O
duplo clique, claro, e mais prático.

Selecione o intervalo B2:B5. Escolha a formatação “Moeda” para estas células,


no menu Formatar → Células ou utilizando o atalho “Formato Numérico: Moeda”.
Salve a planilha com o nome “teste funções.ods”.

Coloque o cursor na célula C2, onde criaremos a nossa primeira fórmula


utilizando o Assistente de Funções. Não precisaremos criar manualmente as fórmulas
no intervalo C3:C5; apenas copiaremos, com o mouse ou colando nas células de
destino. Clique no ícone do Assistente de Funções...

Na categoria das funções, “Lógicas” escolheremos a função logica SE. Observe


que o Assistente de Funções apresenta a sintaxe da função a um simples clique sobre
elas, facilitando o trabalho do operador, que tem que se concentrar no resultado, e não
no algoritmo da função. Dê um duplo clique na função SE; o Assistente apresenta três
Caixas de combinação, pois esta função tem três parâmetros, que são: a condição a
ser verificada (o Assistente a chama de Teste), o Valor_Então, que é o resultado
exibido caso a condição em Teste seja verdadeira, e o Valor_Senão, que é o resultado
exibido caso a condição na cláusula Teste seja falsa. Podemos digitar diretamente nas
Caixas de Combinação ou na Caixa de Texto da Fórmula. Entraremos em Teste com a
condição “B2>=90”, ou seja, teremos, como critério da nossa função SE a condição de
teste “se B2 maior ou igual a noventa”; entraremos em Valor_Então “Caro”; entraremos
em Valor_Senão “Acessível”.

Na Caixa de Texto “Resultado” o Assistente de Função já nos exibe “Acessível”,


pois este é o resultado lógico em B2 (valor menor que noventa). Veja que o Assistente
delimita Teste, Valor_Então e Valor_Senão por ponto e vírgula (;).

Lembre-se: com mais prática, você poderá entrar manualmente as fórmulas,

93
com ou sem o Assistente de Funções. Agora copie as fórmulas para as células
restantes. Clique novamente em C2, onde está a nossa primeira fórmula criada com o
nosso Assistente de Funções. Observe que existe, no canto inferior da célula, um sinal
de cruz. É neste pequeno sinal ou alça que clicaremos e arrastaremos o mouse até a
célula C5. Solte o botão do mouse. Observe como todo o intervalo C2:C5 contém as
fórmulas respectivas aos endereços para cálculo, como se tivéssemos digitando-as.

O arrastar e Soltar é mais prático, neste caso, do que o Copiar / Colar, mesmo
que ambos tragam os mesmos resultados.

5.9.4 Curiosidade de funções no Calc

O Calc tem uma verdadeira profusão de funções pré-programadas, ou nativas,


além das funções que o usuário pode criar ou estender. São mais de 300 funções
nativas. As funções podem ser classificadas como: de texto, matemáticas, de planilha,
financeiras, lógicas, matriciais, etc. Funções como maior, media, soma e muitas outras
presentes no Excel estão presentes também no Calc, com basicamente a mesma
sintaxe. Isso facilita bastante a migração para o software gratuito e livre, sem dúvida.

5.10 GERANDO GRÁFICOS NO CALC

No Calc, e fácil gerar gráficos a partir de qualquer planilha. Pode-se chamar o


assistente de gráficos a partir do seu ícone ou do menu Inserir... gráfico. Os gráficos no
Calc estão muito fáceis e intuitivos e prometem ainda muitas melhorias para este
recurso. Invocando o comando Inserir Gráfico, tem-se uma tela como a seguir (previsão
do gráfico e seu assistente):

Logo na Etapa 1 você terá vários tipos e subtipos de gráficos a escolher: barras,
pizza, rede, dispersão, etc.
Etapa 2 – Intervalo de Dados – aqui se informa ao Calc a área a ser computada e
plotada.
Etapa 3 – Série de Dados – Aqui se definem nomes e rótulos para as series dos dados.
Etapa 4 – É nesta etapa que se fazem as legendas do gráfico.
A seguir, vemos um gráfico de Pizza gerado no LibreOffice.org Calc:

94
Figura 38: Gerando Gráficos no Calc

Figura 39: Gráfico de Pizza gerado no Calc

Para fazer qualquer modificação, inclusive da modalidade do gráfico, basta um


duplo clique neste e estaremos no modo de edição do gráfico. Neste modo podem ser
mudados quaisquer dados, inclusive as escalas dos gráficos. Pode-se interromper a
qualquer momento a confecção do gráfico via assistente pressionando Esc.

95
Figura 40: Tabela Ganhos do Escritório de Advocacia Trujillo & Irmãos

Utilizando a planilha acima, veremos um gráfico gerado com o assistente. Como dito
anteriormente, os gráficos são dinâmicos. Mudando o conteúdo de suas fontes estes
passam a refletir estas mudanças imediatamente. Veja a próxima figura:

Figura 41: Gráfico da Tabela de Ganhos do Escritório de Advocacia Trujillo & Irmãos

Pratique

1) Crie uma tabela com uma área destinada as suas despesas e outra destinada as
receitas e em um campo da planilha repercuta o total líquido. Faça um gráfico
demonstrativo desta planilha, refletindo as despesas e as receitas.

2) Uma fábrica de automóveis de uma determinada marca realizou a seguinte venda


nos últimos meses:

Em junho o faturamento em vendas foi de R$ 4.234.567,12


96
Em julho o faturamento em vendas foi de R$ 6.842.524,45
Em agosto o faturamento em vendas foi de R$ 7.356.349,56
Em setembro o faturamento em vendas foi de R$ 7.642.333,87

Construa um gráfico que represente adequadamente estes dados para apresentar em


uma reunião que irá analisar as vendas nos últimos meses.

3) Uma pesquisa feita pela empresa Fictícia S/A sobre a escolaridade dos usuários de
internet no Brasil e Estados Unidos apresentou os seguintes resultados:

Brasil EUA
Alfabetizados 06% 01%
Colegial incompleto 06% 14%
Colegial completo 20% 25%
Universitários 24% 15%
Formados 33% 32%
Pós-graduados 11% 9%

Com estes dados em mãos, construa o gráfico que melhor representa-os.

5.11 MODELOS DE PLANILHAS E DE OUTROS DOCUMENTOS

Como acontece com qualquer suíte de aplicativos, o LibreOffice traz uma série
de modelos prontos de documentos (modelos de planilhas, inclusive financeiras,
apresentações, bancos de dados, etc.).
Claro que, além disso, você pode acrescer esta utilíssima coleção, tanto
buscando modelos para seus documentos via Internet como gravando as suas tarefas
mais corriqueiras como modelos. Você pode informar ao LibreOffice.org que aquele
modelo em particular será o seu documento default, o que “forçará” a sua aplicação a
abrir, por padrão, aquele modelo indicado por você. Um ofício, por exemplo, que
contém, via de regra, um cabeçalho indicativo da entidade, com logomarca desta; uma
saudação cordial; uma área destinada ao desenvolvimento do assunto (corpo do texto)
e o local destinado a identificação da autoridade, pode e deve ser sempre recuperado
como modelo.

97
Figura 42: Abrindo novo documento

Para abrir um modelo pronto de uma planilha, por exemplo, basta apontar para
Arquivo → Novo → Modelos e Documentos e escolher o seu modelo apropriado
para a sua tarefa, no caso planilha. Para abrir um novo modelo para a aplicação
corrente basta digitar Ctrl + N. Se estivermos no Calc, o LibreOffice.org abrir uma nova
planilha; se estivermos utilizando o Writer, uma nova folha de texto, etc. Podemos clicar
sobre o ícone “Novo Arquivo” e ele abrirá um novo documento da aplicação corrente.
Observe que o ícone mostrado na figura tem uma pequena Caixa de Combinação, a
qual permite que se escolha um novo documento diferente da aplicação atual.

Figura 43: Modelos e documentos

98
Para salvar o documento atual como modelo, abra a Caixa de Diálogo “Salvar
Como” ou pressione “Ctrl + Shift + S” e informe os parâmetros Nome do Arquivo, Local
e Extensão, escolhendo na Caixa de Combinação Tipo de Arquivo o tipo de arquivo
apropriado. Se se deseja salvar como um modelo de planilha, por exemplo, escolhe-se
“Modelo de Planilha ODF”.
Observe ainda que existe a opção “Extensão Automática do Nome do Arquivo”.
Esta opção deve estar sempre marcada, verificada, a não ser que queiramos ter
alguma dor de cabeça. É bastante comum o usuário desmarcá-la e não salvar o
arquivo informando uma extensão e consequentemente não abrir o arquivo com a sua
aplicação default. O que esta opção faz é atribuir automaticamente a extensão do

nome do arquivo de acordo com a aplicação. Verifique a figura a seguir:


Figura 44: Salvando

5.12 DIFERENÇAS ENTRE O LIBREOFFICE CALC E O MICROSOFT EXCEL

Se você vai somente fazer aquele acompanhamento orçamentário para uso


pessoal, uma pequena planilha para sua empresa, etc., isto não tem a menor
relevância. Porém, se você for precisar utilizar uma planilha para uma missão
considerada crítica, então é interessante saber as diferenças entre as duas planilhas
eletrônicas. Na maioria das situações, o que pode impactar a utilização do Calc e tão-
somente a curva de aprendizagem, pois com relação a fórmulas, funções, macros, etc.,
ambas as planilhas eletrônicas têm desempenho semelhante. A tabela abaixo mostra,
de forma bem sucinta, as diferenças pontuais entre estes dois aplicativos:

99
Figura 45: Tabela de diferenças entre o MS-Excel e o Calc

100
CAPÍTULO 6: LIBREOFFICE IMPRESS

Neste capítulo, vamos estudar sobre o software de apresentação pertencente a


suíte LibreOffice. Se formos fazer uma associação a softwares pagos, o Impress
equivale ao Microsoft Power Point.
O Impress é um programa gratuito e open-Source, mantido pela LibreOffice
Foundation. Por ser livre e gratuito, não deixa a desejar em relação aos software
pagos, pois com ele podemos fazer desde simples apresentações com fotos até
complexas apresentações com vídeos, efeitos animados, transições personalizadas e
carregamento de imagens 3d.
Salva os seus arquivos com a extensão .ODP – Open Document Presentation.
Esta por sua vez faz parte da ODF – Open Document Format, que são nada mais que
documentos licenciados livres.

6.1 CONHECENDO O IMPRESS


6.1.1 Inicializando o Software de Apresentação

Para iniciar o software de apresentação do LibreOffice, basta você clicar no


ícone do LibreOffice Impress presente no lançador.
Você verá a seguinte janela:

No decorrer da apostila, você verá que algumas ações podem ser executadas
ou ser acessados por várias maneiras, por isso aconselho você a conhecer todas e a

101
procurar qual a maneira que você achar melhor.

6.1.2 Barras de: Título, Menu, Padrão

Você já sabe quais são as barras de título, menu e ferramentas padrão, pois as
mesmas já foram vistas nas ferramentas anteriores do LibreOffice. Neste caso irei
apenas explicar as funções extras presente nas mesmas, bem como as barras
pertencente ao LibreOffice Impress que não foram vistas nas ferramentas anteriores.
Barra de Menu – Na barra de Menu, acrescentou-se a função de Apresentação
de Slides.

Com ela você pode configurar os seus slides e iniciar uma apresentação dos
slides em que você está trabalhando.

Barra Padrão – Na barra padrão, acrescentou-se a função de gráfico.

Com ela você pode adicionar gráficos dos mais variados tipos, sendo eles 2D ou
3D. Uma outra função adicionada a Barra Padrão foi a de exibir grades:

Esta função divide o seus slides em linhas e colunas usando linhas pontilhadas.

Barra de Apresentação – Ao lado da barra padrão foi se acrescido a barra de


apresentação, onde muitas pessoas se confundem pensando que a mesma faz parte
da barra padrão.

A barra de apresentação traz consigo três funcionalidades padronizadas, senda


elas:
Slide – Onde podemos adicionar um novo slide, bem como definir seu layout
antes da adição.

102
Layouts de Slide – Aqui podemos redefinir o layout do slide selecionado.

Modelos de Slide – Onde são carregados todos os modelos de slides instalado


no seu computado, para que se possa aplicar nos slides atual.

Apresentação de Slides – Aqui se pode visualizar a apresentação dos slides,


esta ação também pode ser realizado pelo atalho F5.
Barra de Linha e Preenchimento – Onde você pode aplicar formatação de
linhas, como cor e transparência da mesma.

6.1.3 Painel de Slides

Um recurso muito importante do LibreOffice Impress é o Painel de Slides, onde é


nele que exibido todos os slides presente na sua apresentação. Confira:

6.1.4 Modo de Exibição

O modo de exibição permite que você possa visualizar a sua apresentação nos
seguintes modos: Normal, Estrutura de Tópicos, Notas, Folhetos e Classificador de
Slides, sendo que o mais utilizado é o modo Normal.

103
1) Normal – Exibição de modo Normal, permite a edição dos slides de forma
geral;
2) Estrutura de Tópicos – Permite organizar o conteúdo;
3) Notas – Permite visualizar e editar notas;
4) Folheto – Permite a produção de documento baseado em material;
5) Classificador de Slides – Permite visão em miniatura do slide para fácil
localização.
Veja:

6.1.5 Painel de Tarefas

Outro recurso que você vai usar muito no Impress é o Painel de Tarefas, este
painel permite que você insira outros slides, modifique o layout dos slides, carregue
modelos de tabelas, aplique animações personalizadas, configure transições de slides,
entre outros. Aqui está:

104
6.1.6 Barra de Desenho

Esta barra permite que você insira e manipule linhas e formas, selecione
conteúdo no slide em edição, adicione textos e carregue imagens diretamente do
computador para uso nos slides.

6.1.7 Área de Trabalho

A área de trabalho é a área onde são carregados os slides para edição e onde
se é possível também fazer uma breve visualização da apresentação. Veja:

105
6.2 CRIAÇÃO DE SLIDES

6.2.1 Criando Nova Apresentação

Para se criar uma nova apresentação de slides, você deve ir em: Arquivo →
Novo → Apresentação, ou usar as teclas de atalho Ctrl + N.

106
Note que ao ser criada a apresentação nova, automaticamente se é inserido um
slide, onde o mesmo fica visível no painel de slides. O Impress carrega um layout
padrão para o novo slide, mas você poderá modificá-lo de acordo com a sua vontade.
Lembre-se que para adicionar um novo slide você pode usa o botão Slide da
barra de apresentação ou pode apenas clicar com o botão direito do mouse no painel
de slides e depois clicar em Novo Slide.
E caso você queira apagar um slide, deve clicar com o direito em cima do slide
que quer apagar e depois clicar em Excluir Slide. Ou clicar uma vez com o esquerdo
do mouse em cima do slide que quer excluir e depois teclar Delete no teclado.
Caso queira alterar a posição do slide na apresentação deve clicar com o
esquerdo do mouse e segurar em cima do slide que se quer mover e arrastar para a
posição em que se deseja.

6.2.2 Definindo Layout

Para que você possa definir um layout para os seus slides, você deve ir no
Painel de Tarefas e clicar na guia Layouts. Um layout é nada mais, nada menos a
forma de como seu conteúdo (texto, imagem, vídeo, etc. …) será organizado nos
slides. Também temos a opção de ir em: Formatar → Layout de Slide. Este modo
apenas ativará a guia Layouts no Painel de Tarefas, caso a guia Layouts não esteja
aberta. Se a guia Layouts já estiver aberta então não se notará diferença. A figura
abaixo mostra a guia Layouts aberta, bem como o efeito aplicado a área de trabalho.

Você também pode aplicar mais de um layout na sua apresentação, ou seja, se


você quiser cada slide da sua apresentação pode ter um layout diferente. Mas não
engane-se um slide só pode conter apenas um layout.

107
6.2.3 Página Mestre

A página mestre é o slide que os outros slides da sua apresentação irá segui-lo,
assim: se você definir um slide como página mestre, aplicar uma determinada fonte
sobre o slide mestre, todos os outros slides irão aplicar aquela fonte automaticamente
ao ser criado. Isto é válido para fonte, fundo e tudo aquilo que tem a ver com
formatação e que todos os slides deverão ter. Esse recurso disponibilizado pelo
Impress simplifica todo o trabalho de criação de uma apresentação e é ai que
ganhamos tempo. Para você configurar uma página mestre na sua apresentação vá
em: Exibir → Mestre → Slide Mestre.
Uma outra maneira de ter acesso ao slide mestre é por meio do painel de
Tarefas, você ativa a guia Páginas Mestre e você verá uma subdivisão de páginas
mestre, porém o que lhe interessa no momento é o que se encontra em Utilizadas
nesta apresentação, depois você clica com o direito do mouse e seleciona Editar
Slide Mestre.

Irá aparecer um slide com vários textos pré-formatados e você poderá mexer na
formatação do slide a seu gosto. Saiba que também se é possível criar mais de um
slide mestre. Isso é importante porque caso você aplique uma formatação e não queira
formatá-lo ou não se lembra qual formatação usava para deixar como estava antes,
você poderá excluir o slide mestre atual e criar um novo. E você também pode querer
criar mais de um slide mestre para a sua apresentação para que possam ser aplicadas
a alguns slides Abaixo um demonstrativo da página mestre:

108
Note que ao aparecer o slide mestre, é exibido também uma barra que é a
Exibição Mestre, ela lhe permite: Criar um novo slide mestre, Deletar um slide mestre
e Renomear um slide mestre.

6.2.4 Animação Personalizada

Animação Personalizada é um efeito aplicado a um objeto no slide que será


executada durante a apresentação.
Para se aplicar um efeito a um objeto, deve primeiro seleciona-lo clicando em
cima do mesmo, depois no painel de Tarefas, ativar a guia animações personalizadas.
Note que ao tirar a seleção do objeto o botão adicionar fica desativado e ao seleciona-
lo novamente o adicionar se ativa. Ao clicar em adicionar é aberto uma tela com efeitos
personalizados e divididos por guias de acordo com a necessidade do momento, pois
há efeitos de Entrada, de Saída, de Movimento e de dar Ênfase ao objeto. Dentro
destas guias os efeitos ainda são subdivididos em Básico, Estimulante, Moderado e
Especial. Onde o Básico é o mais básico como o próprio nome diz e o Estimulante é o
mais extravagante.
Uma outra maneira de chegar a animação personalizada, é selecionando o
objeto e clicando com o direito em cima da borda do objeto selecionado e depois
clicando em Animação Personalizada.
Abaixo uma imagem:

109
Note também que é possível regular a
velocidade do efeito e ativar ou desativar a
visualização automática. Depois de aplicado o efeito a
guia animações personalizadas oferece algumas configurações em relação ao mesmo.
Confira:

Bom, o botão Adicionar você já sabe que adiciona um efeito ao objeto


selecionado. O Alterar permite que você altere o efeito do objeto, o Remover remove o
efeito do objeto e remove a seleção do objeto anterior. Perceba que quando você
escolhe o efeito, o Impress traz a possibilidade de configurar as propriedades do efeito.
Com exceção das Opções do Efeito [...] ao lado da opção Direção, as outras
explicações passam uma ideia de como e quando o efeito é executado. A parte
selecionada em azul (Slide 1), representa o efeito aplicado ao objeto.
Ao abrir as Opções do Efeito ao lado da opção de Direção, é exibido a seguinte
janela:

110
As opções do efeito é exibido em três guias:
1) Efeito – Permite configurar mais detalhadamente o efeito aplicado,
permitindo você adicionar som, bem como o comportamento do objeto
após a animação;
2) Cronometragem – Permite que você possa cronometrar o efeito do objeto,
até configurar o início automático
3) Animação de Texto – Permite controlar animação de texto.

6.2.5 Transição de Slides

Na Transição de Slides, você pode configurar a forma como os slides farão a


mudança de um slide para o outo, aplicando efeitos animados, automatizando a
passagem de um slide para outro e até definir um fundo musical para a sua
apresentação.
Para ter acesso a essa função, você deve ir no Painel de Tarefas e clicar na guia
Transição de Slides, uma outra forma de acessa-lo seria no menu: Apresentação de
Slides → Transição de Slides …, uma outra forma também muito usada é clicando
com o direito do mouse em cima dos slides de sua apresentação e depois clicar em
Transição de Slides. Abaixo uma imagem da guia aberta no painel de tarefas:

111
Note que inicialmente os efeitos só serão aplicados aos slides selecionados,
mas depois você poderá aplicar a todos os slides de sua apresentação, se desejar. A
caixa que tem a escrita Sem Transição selecionada é a justamente onde se encontra
os efeitos de transição que você irá aplicar aos seus slides. Na subdivisão Modificar
Transição, você poderá configurar a velocidade da transição e carregar um som para o
slide que está sendo selecionado no momento ou para todos se desejar.
Na subdivisão Avançar Slide lhe é permitido configurar se deseja que o slide
transite com sua intervenção ou automaticamente. No botão reproduzir temos a
condição de visualizarmos o efeito aplicado somente ao slide atual, mas no botão de
Apresentação de Slides podemos iniciar nossa, para conferir como nossos slides estão
se comportando quando formos apresentar, a opção de Visualização Automática, nos
permite visualizar o efeito sendo executado quando o aplicamos ao slide, porém se
esta opção estiver desmarcada só poderá conferir a execução do efeito se clicarmos no
botão Reproduzir.

112
CAPÍTULO 7: INTERNET

7.1 O SURGIMENTO DA INTERNET

A internet foi criada em plena guerra fria, no ano de 1969 nos Estados Unidos,
pois na época era necessário descentralizar os dados, para que caso o pentágono
fosse destruído por um ataque nuclear, a comunicação entre as bases militares não
fosse afetada, por isso os cientistas criaram uma rede que continuasse funcionando
mesmo que se acaso alguns pontos da rede fossem destruídos por bombardeiros a
rede continuasse funcionando.
Com o término da guerra fria, a ARPAnet nome dado a rede naquela época,
tornou-se inútil aos militares, que ai passou a ser restrita ao ambiente acadêmico e
cientifico, até que em torno de 1987 pela primeira vez ela foi liberada para o uso
comercial, mas com tudo apenas em 1992 a rede ganhou maior popularidade assim
como adeptos.

Concluindo, a Internet é um conjunto de redes de computadores interligadas que


tem em comum um conjunto de protocolos e serviços, de uma forma que os usuários
conectados possam usufruir de serviços de informação e comunicação de alcance
mundial.

7.2 CUIDADOS AO NAVEGAR

Nunca é demais lembrar que são precisos cuidados para se navegar na internet
hoje em dia. Pois pessoas maliciosas estão o tempo todo criando novas ameaças
virtuais que dão muitas dores de cabeça a nós usuários. A dica é tomar cuidado, com
suas ações na internet e desconfiar de tudo o que parece chamativo demais, pois
muitas vezes é usada a curiosidade do navegante para que o mesmo execute ações
que muitas vezes são falsas.

A seguir vocês vão conferir algumas dicas para ter uma navegação mais segura:

Cuidado com e-mails ou página da internet do tipo: “Seu CPF possui uma
restrição”, “Você recebeu um cartão virtual de alguém especial”, “Você recebeu um
Web torpedo do número xxxx- xxxx”, “Você foi o ganhador e tem o direito a receber
uma quantia xxxx na promoção”, “acerte o alvo e concorra a um iPhone 3G” ou quando
em seu navegador aparece uma janela semelhante a do Live Messenger (MSN) com
alguém que você nunca viu querendo sua atenção. Esse tipo de mensagem levará
você a instalar arquivos maliciosos em seu computador.
113
Exemplo de perigo na internet:

Desconfie de sites de lojas desconhecidas que oferecem promoções


mirabolantes com preços muito abaixo dos utilizados no mercado, principalmente
artigos eletrônicos e eletrodomésticos;

Sites pornográficos muitas vezes estão carregados de vírus e spywares


(programas que tem por finalidade pegar dados dos usuários sem autorização dos
mesmos);

Sites que oferecem downloads gratuitos de filmes, séries, desenhos, músicas,


vídeos e principalmente jogos em geral também costumam ser enganosos e são
armadilhas para os navegantes pois vários desses arquivos podem estar infectados
com cavalos de troia e outros vírus, spywares e malwares;

Cuidado ao abrir e-mails com arquivos anexados. Só faça isso se tiver certeza
absoluta de que é seguro. Muitas vezes alguém de nossa lista de contato nos envia
uma mensagem com um vírus anexado, mesmo sem saber, isso porque o computador
dela foi infectado e espalhou a praga pela lista. Se estiver na dúvida, primeiro mande
uma mensagem a pessoa da sua lista que te mandou o arquivo, perguntando do que
se trata.

7.3 INTRODUÇÃO AO MOZILLA FIREFOX

O Mozilla Firefox é um software (programa) de browser gratuito, e baseado em


software livre. Este software oferece todas as atribuições dos softwares de browser,
conhecidos no mercado, tem um bom nível de segurança contra vírus e de fácil
utilização.

7.3.1 Área de Trabalho

114
1 – Abrir o Mozilla Firefox
Para abrir o Mozilla Firefox clique no ícone presente no lançador.
Será a aberta a tela do Mozilla Firefox com a página solicitada ou com a padrão aberta.

2 – Área de trabalho do Firefox


Esta é a área de trabalho Mozilla Firefox:

1 2 3 4

1. Barra de Menus: onde exibe os menus.


2. Abas de navegação: aba com uma página em exibição.
3. Barra de navegação: exibe os recursos de navegação.
4. Área da página: área onde é exibida a página HTML.

3 – Barra de navegação
Esta é a barra onde são exibidos os recursos que possibilitam fazer a
navegação entre as páginas da Internet.

Esta barra é composta pelos seguintes recursos:

Página anterior – exibe a página anteriormente visualizada.


115
Próxima página – exibe a página seguinte em relação a página que estiver aberta.
Atualizar a página – atualiza a página que estiver aberta.
Parar – interrompe a abertura de uma nova página.
Página inicial – exibe a página inicial ou então como é chamada Home Page.
Favoritos – salva o endereço da página que está aberta.
Browser – é o local onde deve ser digitado o endereço da página a ser exibida.

Exemplo:

Após digitar o endereço da página pressione a tecla Enter, ou clique em ir.

7.3.2 Arquivo

1 – Nova janela
Abre uma nova janela do navegador da Internet.

2 – Nova Aba
Abre várias páginas dentro da mesma janela.

3 – Abrir endereço
Automaticamente o cursor se posiciona na
barra do browser, selecionando o endereço.

4 – Abrir arquivo
Abre um arquivo (HTML, imagem, etc.), pelo Mozilla Firefox, para abrir o arquivo
primeiro selecione ele depois clique em abrir ou aperte Enter.

116
5 – Fechar janela
Fecha a janela que estiver em aberto no Mozilla Firefox.

6 – Fechar aba
Fecha a aba que estiver em aberto no Mozilla Firefox.

7 – Salvar como...
Salva a página como um documento HTML. Ao selecionar este recurso será
aberta esta tela:

Nesta tela o usuário poderá selecionar o nome do arquivo e o diretório onde ele
será arquivado.

8 – Enviar Endereço
117
Envia um endereço da Internet através de um e-mail.

9 – Configurar Página
Configura a página para impressão, redefinindo a posição (retrato ou paisagem),
margens e etc.

10 – Visualizar Impressão
Exibe uma pré-visualização da página.

118
11 – Imprimir...
Imprime a página da Internet. Ao clicar neste recurso será exibida esta tela:

Nesta tela selecione a impressora, a quantidade de cópias, etc. e clique em OK


para imprimir.

12 – Importar
Permite a importação dos favoritos, históricos, opções e senhas que foram
anteriormente utilizados no perfil do usuário.

119
Selecione o navegador, depois dê um clique em avançar, para ir ao próximo passo.

Selecione quais itens deseja importar, clique e avançar para dar início a importação.
Basta clicar em concluir para que seja finalizado o processo de importação.

13 – Navegar off-line
Inicia a navegação sem estar conectado à internet.

120
14 – Sair
Sai do Mozilla Firefox.
7.3.3 Editar

1 – Desfazer, Refazer
Desfazer ou refazer uma última ação. (Este item só fica ativo
depois da realização de uma ação).

2 – Recortar, Copiar, Colar


O item Recortar possibilita recortar uma área selecionada do
texto e a transfere para a área de transferência do MS-
Windows. O item Copiar copia uma área para a área de
transferência do MS- Windows e o item Colar possibilita colar o
conteúdo da área de transferência. Os recursos de Recortar e
de Copiar, porém, não ficam ativos no Mozilla Firefox.

3 – Excluir
Exclui uma área selecionada (não está disponível).

4 – Selecionar tudo
Faz uma seleção do texto de toda a página.

5 – Localizar na página
Localiza um texto (palavra) dentro da página.

6 – Localizar próxima
Localiza o próximo texto (palavra) na página.

7.3.4 Exibir

121
1 – Barras de ferramentas
Possibilita exibir/ocultar uma ou mais das barras de
ferramentas do Mozilla Firefox.

2 – Barra de status
Habilita/desabilita a visualização da barra de status da página
em exibição.

3 – Painel
Abre um painel com as páginas favoritas (que são mais utilizados) e com um histórico
do que foi utilizado. Ao clicar em Favoritos será exibida esta tela:

Nesta tela pode-se ver nos favoritos a relação das


páginas mais visitadas.
Para fechar clique no botão “x”.

Ao clicar em Histórico será exibida esta tela:

Nesta tela pode-se ver o histórico das páginas


visitadas. Para fechar clique no botão “x”.

122
4 – Parar
Interrompe a abertura de uma nova página.

5 – Recarregar
Recarrega a página padrão do Mozilla Firefox.

6 – Zoom
Exibe o texto da página de três formas: aumentado, diminuir e normal.

7 – Estilos de página
Exibe a página de duas formas: sem nenhum estilo e com estilo base.

8 – Codificação
Possibilita identificar e exibir, automaticamente, páginas com caracteres de outros

alfabetos (tais como o chinês, japonês, hebraico, russo, etc.). Exemplo:

9 – Código fonte
Exibe o código fonte (programação) da página que estiver aberta. Exemplo:

123
10 – Tela inteira
Exibe a página em tela inteira.

7.3.5 Histórico

1 – Voltar
Volta para uma página anteriormente aberta.

2 – Avançar
Avança para uma página anteriormente
aberta.

3 – Página Inicial
Exibe a página inicial do Mozilla Firefox

4 – Exibir todo o histórico


Exibe o histórico de páginas abertas. Exemplo:

124
5 – Reabrir aba
Este recurso permite recuperar uma aba que foi fechada.

6 – Reabrir janela
Este recurso permite recuperar uma janela que foi fechada.

7.3.6 Favoritos

1 – Adicionar página...
Os favoritos (marcadores) são atalhos criados
para facilitar a navegação, indo diretamente a uma
página pré-determinada.
Para criar um favorito, abra a página que você
deseja que seja adicionada como um favorito, e
depois clique em Favoritos > Adicionar página.
Nesta tela será mostrado o nome da página
selecionada.

125
Depois clique em concluir para adicionar a página aos favoritos.

2 – Adicionar todas as abas...


Para adicionar mais de uma aba, abra mais de uma aba para exibição, e depois clique
em Favoritos
Adicionar todas as abas.

Dê um nome depois clique em OK.

3 – Organizar favoritos...
Organiza os favoritos incluídos no Mozilla Firefox.

4 – Barra de favoritos
Exibe a pasta da barra de favoritos.

5 – Favoritos recentes
Exibe os últimos sites marcados como favoritos que foram visualizados.

6 – Marcadores recentes
Exibe os últimos sites definidos como marcadores que foram visualizados.

7 – Pesquisas com palavra-chave


Este item possibilita abrir pesquisa com palavras-chave previamente definidas.

126
8 – Recomendados
Exibe a lista de pastas com os favoritos recomendados.

9 – Mozilla Firefox
Exibe uma lista de links relacionados ao Mozilla.

7.3.7 Ferramentas

1 – Pesquisar na Web
Abre automaticamente a página de busca do
Mozilla
Firefox.

2 – Downloads
Possibilita ao usuário visualizar os downloads
feitos dos arquivos. Durante o processo de
download também aparece esta mesma tela e
enquanto acontece o download ele mostra a
porcentagem de conclusão e o tempo restante.

3 – Complementos
Extensões são pequenos “add-ons” que adicionam novas funcionalidades para o
Mozilla Firefox. Eles podem adicionar botões nas barras, e até novos atributos ao
navegador. Permitem o navegador ser customizado, para ser ajustado se houverem
novos atributos adicionais. Basta Clicar no botão Localizar atualizações e o Mozilla
Firefox verifica se há novas extensões a serem inseridas. Observação importante: Esta
tela poderá ser visualizada de forma diferente conforme a customização feita pelo
usuário.

4 – Console de erros
Abre o console do Java Script para refazer ou alterar uma configuração.

5 – Propriedades da página
Utilizado para a verificação das propriedades da página que está sendo exibida. Exibe
itens gerais, de formulários, links, mídia e segurança.

127
6 – Iniciar navegação privativa
Este recurso faz uma navegação sem o registro das informações sobre a utilização de
sites e gravação de logs, onde não serão registrados os dados referentes a visitação
das páginas, inclusive o histórico.

7 – Limpar histórico recente


Abre uma tela onde é possível escolher a forma como deverá ser feita a limpeza do
histórico do Firefox (período e tipo de limpeza) Para fazer a limpeza clique em Limpar
agora.

8 – Opções...
Possibilita ao usuário alterar algumas das configurações do Mozilla Firefox. Ao clicar
neste recurso será aberta uma tela com várias opções de configuração.

7.3.8 Ajuda

1 – Conteúdo da ajuda
Exibe o conteúdo da ajuda.

2 – Para usuários do Internet Explorer


Nesta são ilustradas as diferenças existentes entre o
Internet Explorer e o Mozilla Firefox.

3 – Notas da versão
Informa os recursos da nova versão do Mozilla Firefox.

4 – Reportar site como incompatível


Permite ao usuário enviar informações a Mozilla Foundation sobre sites que não
abrem, ou que apresentam problemas na sua abertura pelo Mozilla Firefox.

5 – Denunciar este site como falso


Este recurso permite informar a Mozilla Foundation sobre um site que é uma fraude,
aumentando assim a confiabilidade e segurança do Browser. Depois o site será
informado como de procedência duvidosa.

6 – Verificar atualizações
128
Verifica as últimas atualizações do Mozilla Firefox.

7 – Sobre o Mozilla Firefox


Exibe os direitos de uso sobre o Mozilla Firefox.

7.3.9 Começando a pesquisar na Internet

Seja para fins acadêmicos ou profissionais, é importante aprendermos como


fazer pesquisas na Internet, porque é uma fonte inesgotável de informação, importante
para praticamente todas as áreas. Para fazer pesquisas é necessário usar motores de
buscas (sites próprios para busca) que Permite utilizar palavras-chave para pesquisar
o assunto que deseja investigar em milhares de páginas contidas na internet. O mais
utilizado é o Google, que domina o mercado dos motores de busca.

7.4 CONHECENDO O GOOGLE

Na sua barra de endereços digite www.google.com.br

Lembrando: O botão Ir é aquela seta verde localizada na lateral da barra de


endereços. Após ter feito isso aparecera esta tela.

129
No topo da tela destacado em azul temos alguns links, eles são atalhos que nos
levam a outros serviços disponibilizados pelo Google.

7.4.1 A utilidade de cada link

WEB
Procura o texto digitado em toda a web (internet).

IMAGENS
Destinado a procura apenas de imagem, procura a página da internet que contem a
imagem relacionada ao texto digitado.

VIDEOS
Abre a página do Google Vídeos uma página web de vídeos que permite encontrar
quaisquer vídeos alojados, não somente no Google Vídeo, mas também no YouTube e
outros websites de vídeos.

MAPAS
Abre a página do Google Maps que é um serviço de pesquisa e visualização de mapas
com fotos de satélite.

NOTICIAS
Um serviço do Google que permite a visualização e a busca de notícias na internet.

ORKUT
Abre a página inicial do Orkut, um site de relacionamentos.

GMAIL
Abre a página do Gmail, um serviço de correio eletrônico.

MAIS
Exibe mais alguns links de serviços disponibilizados pelo Google.

7.4.2 Começando uma pesquisa no Google

130
No centro da página do Google, tem uma caixa de texto, lá que deve ser
digitado a palavra-chave a ser procurada, como exemplo foi usada a palavra Mozilla
Firefox.

Vale apena lembrar que quando mais especifica for a palavra-chave, o retorno
da pesquisa será melhor, exemplo: se você procura por times de futebol brasileiros e
informar apenas times de futebol na pesquisa, o Google lhe trará como resultado todos
os times de futebol do mundo, já substituindo a palavra times de futebol por times de
futebol brasileiros o Google apresentara como resultado apenas times brasileiros.
Em seguida aparecera uma página semelhante a essa, em azul estão os links
(atalhos para outros sites) palavras que caso você clique em cima te levarão a um site,
em verde está o endereço real do site que você entrará caso clique em algum link, em
preto está a parte do texto que tem fragmentos da palavra chave que você digitou,
repare que as palavras estão em negrito também estão contidas no texto informado
como palavra-chave.

Que mostrou esse resultado, como exemplo foi acessado primeiro link.

131
Que levou a esta página.

7.4.3 Buscando imagens no Google

132
Na página inicial do Google contém vários links, no topo da tela clique em cima
do link imagens, após isso surgirá esta página, o Google imagens busca por princípio
imagens contidas em diversos sites, como exemplo a imagem a ser buscada será
Mozilla Firefox, então teclamos Enter ou clicamos em cima do botão pesquisar
imagens contida ao lado da caixa de texto.

O resultado será este, como pode se ver o Google mostrou diversas imagens
que tem relação a palavra a que foi buscada clicando em qualquer uma delas você
será direcionado ao site que contém essa imagem.

Como exemplo foi escolhida a primeira imagem então o Google entrou neste
site, se observar bem verá que a imagem mostrada no Google será exatamente a que
está neste site.
133
7.4.4 Salvando uma imagem

Para salvar uma imagem, basta posicionar o cursor em cima da imagem, depois
de um clique com o botão direito, e então surgirá um menu semelhante ao
demonstrado na imagem abaixo, selecione salvar como, e escolha o diretório em que a
imagem será salva e respectivamente seu nome.

134
7.5 E-MAIL

Enviar mensagens pessoais, é um dos recursos mais usados da internet, com


uma conta de e-mail é possível enviar mensagens para qualquer outro usuário da
rede, em questão de segundos, sendo que as mensagens podem conter imagens,
documentos entre outros anexos, sendo de extrema necessidade hoje em dia, até
porque o usuário não precisa estar conectado no momento em que ele recebe a
mensagem, pois ela fica armazenada em uma espécie de caixa postal eletrônica,
depois que o usuário a recebe é possível reponde-la, imprimi-la ou enviar cópias para
outros usuários.

7.5.1 Criando uma conta de e-mail

Para criar um e-mail será utilizado o Gmail, o serviço de correio eletrônico do


Google, para isso basta acessar a página inicial do Google como demonstrado
anteriormente, e ir no link Gmail no topo da
tela, destacado em azul, feito isso abrirá a
tela inicial do Gmail, na parte lateral direita
se localiza a opção criar uma conta, clique
nela, após ter feito isso o Gmail te mandará
para esta página na qual você terá que
preencher todos os campos com seus
dados pessoais.

135
Após ter preenchido todos os campos, clique em Aceito. Criar minha conta, a
página será redirecionada para esta que está logo abaixo. Aqui se deve seleciona o
pais no qual está localizado, e informar o número do seu celular com o DDD exemplo:
045 XXXX-XXXX, após ter informado o número, clique em Enviar o código de
verificação para o meu telefone celular.

136
A página será redirecionada para esta, na qual será necessário informar o
código que foi enviado por mensagem SMS para o celular, após isso clique em
verificar.

Pronto seu e-mail já está completo.

7.5.2 Começando a usar o Gmail

Quando é aberto o seu e-mail a página inicial dele será esta.

137
Na parte lateral terá esta aba, que tem as seguintes funções.

Escrever um e-mail
Abre uma página para escrever um e-mail.
Entrada
Mostra a sua caixa de entrada, todas os e-mails que foram
recebidos. Para ler um e-mail que está na caixa de entrada basta
clicar em cima dele.
Com estrela
Mostra todos os e-mails marcados com estrela. A estrela serve
para facilitar a localização dos e-mails.
Enviados
Mostra todos os e-mails enviados.
Rascunhos
Mostra todos os e-mails salvos como rascunho.
Contatos
Exibe todos os seus contatos.
Tarefas
Adiciona tarefas, as quais podem ser visualizadas mais tarde.

7.5.3 Enviando um e-mail

Para enviar um e-mail clique em escrever e-mail, na aba lateral anteriormente


apresentada, após ter feito isso surgirá esta tela.

Primeiro é preciso se familiarizar com os seguintes campos.

138
Para
Deve ser adicionado o e-mail para quem irá recebe-lo.
Assunto
Deve conter o nome do assunto do e-mail.
Anexar arquivos
Anexa arquivos junto ao e-mail como documentos de texto, planilhas, apresentações,
fotos, imagens, e qualquer outro documento, desde que não ultrapasse o tamanho
limite. Escrevendo o e-mail
A caixa em branco é o local na qual deve ser escrito o e-mail, logo em cima dela se
localiza as opções de formatações que o texto pode conter.
Enviando o e-mail
Para mandar o e-mail, basta informar o contato o qual receberá a mensagem, colocar
um assunto, inserir um texto, ou anexo (opcional), após isso clique em enviar que o e-
mail será enviado, ou salvar agora para salvá-lo com rascunho.

7.5.4 Acessando o e-mail

Sempre na hora de acessar o e-mail você deverá informar seu Nome de usuário
ou seja seu e-mail e sua senha nesta caixa. Que estará sempre na página inicial do
Gmail.

7.6 GOOGLE MAPS

O Google Maps é um serviço que disponibiliza pesquisa e visualização de


mapas com fotos por satélite, além de permitir buscas de lugares em especial,
empresas, serviços e outras informações das mesmas. Para acessar o Google Maps
basta entrar na página inicial do Google. No topo da página terá um link com o nome
de mapa basta clicar nele que a página será redirecionada a página inicial do Google
Maps.

139
7.6.1 Barra de buscas

Na barra de busca, é possível buscar por países, estados, cidades, bairros,


ruas, locais públicos empresas especificas entre outras construções e espaços. Para
isso, basta informar o local a ser buscado, na caixa de texto e selecionar pesquisar no
mapa. Quando o lugar a ser buscado for muito comum provavelmente haverá mais do
que um resultado, então eles serão exibidos ao lado do mapa na parte esquerda da
página, através de uma legenda que indicara um lugar no mapa, para ir ao local basta
clicar sobre o link.

7.6.2 Tipos de mapas e outras informações

Mais...
Exibe informações e imagens do local.
Mapa
Exibe as ruas em forma de um mapa comum, mostrando os nomes das ruas quando
tiver um zoom razoável.
Satélite

140
Exibe fotografias tiradas via satélite. Este, sem dúvida, é o mais interessante modo
para quem deseja ver imagens de lugares ao redor do mundo, ou então a vista de sua
cidade, de seu bairro, de sua rua, como um satélite. Este modo é bem mais pesado e
países como o Brasil possuem sua visualização máxima não tão próxima do solo.
Terreno
Exibe apenas terrenos e tem menor aproximação máxima se comparado ao Mapa.
Este tipo de exibição é interessante para uma visualização melhor de quadras, bairros,
cidades, etc.
Transito
Dependendo do local ou cidade além das quatro opções mostradas acima tem a opção
Transito que informa a velocidade do trafego em determinadas vias.

7.6.3 Zoom e Movimentação

Movimentação
Ferramenta para a movimentação no mapa, a movimentação do mapa também
pode ser clicando em uma área dentro do mapa com o botão esquerdo
apertado e arrastado até o local desejado.
Zoom
Para facilitar a visualização, com esta ferramenta que está localizada na lateral
esquerda do mapa é possível aumentar e diminuir o zoom dos mapas, pode ser
utilizado o scroll do mouse como atalho ao zoom.

7.6.4 Funções dos links acima do mapa

Imprimir
Possibilita a impressão do mapa que está sendo visualizado no momento.
Enviar
141
Envia o link do mapa visualizado por e-mail.
Link
Gera um link do mapa que está sendo visualizado no momento que direciona direto ao
mapa em que o link foi gerado.

7.6.5 A diferença entre os diferentes tipos de visualização

Visualização do mapa em modo mapa

Visualização do mapa em modo satélite

Visualização do mapa em modo terreno

142
7.6.6 Curiosidades no Google Maps
Uma coisa bem interessante no Google Maps, é a possibilidade de achar a
localização da sua casa ou procurar a casa de amigos, assim como eventos e outros
locais conhecidos. Podendo usá-lo para traçar trajetos ou apenas para conhece-los
virtualmente.

Como exemplo disso, aqui está o Campus da Universidade de Cascavel.

7.7 CONHECENDO O YOUTUBE

YouTube é um site que permite que seus usuários carreguem e compartilhem


vídeos em formato digital. Hospeda uma grande variedade de filmes, videoclipes e
materiais caseiros. O material encontrado no YouTube pode ser disponibilizado em
blogs e sites pessoais através de mecanismos (APIs) desenvolvidos pelo site.

7.7.1 Acessando o YouTube

143
Para acessar o YouTube digite na barra de endereços o seguinte site:
www.youtube.com, o resultado será este mostrado na figura abaixo.

No topo da tela tem outra caixa de texto é lá onde se deve informar o nome do
vídeo a ser buscado, após informado se deve apertar Enter ou dar um clique em
pesquisar. Como exemplo foi informado Mozilla Firefox, que nos retornou o seguinte
resultado.

144
Todas essas imagens no canto direito da tela representam os vídeos, para
assisti-los é só clicar em cima deles. Como exemplo foi escolhido o ultimo vídeo, o
resultado foi esse.

O vídeo foi aberto.

145
7.7.2 Controles

Para melhor aproveitamento na hora de assistir os vídeos, o YouTube


disponibiliza alguns botões que tem as seguintes funções.

Maximiza a janela (exibe o vídeo em tela cheia) para sair do modo tela cheia
pressione Esc.

HQ (High Quality) ou HD (High Definition) exibe o vídeo em alta definição.

Pausa o vídeo.

Gerencia o volume do vídeo.

Exibe a linha do tempo do vídeo.

146
147