Você está na página 1de 42

Manassés era o filho mais velho do piedoso Ezequias.

Ele subiu ao trono aos


doze anos de idade e cinquenta e cinco anos reinou em Jerusalém, mas não seguiu os
bons exemplos deixados por seu pai. Manassés fez o que era mau perante o Senhor
mais do que qualquer rei de Judá e Israel, e até pior que as nações que o Senhor Deus
expulsou de suas possessões diante dos filhos de Israel.
Seus pecados. Manassés tornou a edificar os altos que seu pai Ezequias tinha
derribado, levantou altares aos baalins, fez postes-ídolos e se prostrou diante de todo o
exército dos céus e os serviu. Edificou altares na Casa de Deus, da qual o Senhor tinha
dito: “Em Jerusalém porei o meu nome para sempre”. Também edificou altares a todo
exército dos céus nos átrios da Casa do Senhor. E como se isso não bastasse, queimou
em sacrifício seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom. Esse vale se
transformaria, mais tarde, no aterro sanitário de Jerusalém.
Manassés se tornou agoureiro, pois adivinhava pelas nuvens, praticava
feitiçarias, tratava com necromantes (os espíritas da época) e feiticeiros. A Bíblia diz
que ele prosseguiu em fazer o que era mau perante o Senhor para provocá-lo à ira. E
mais:
Também pôs a imagem de escultura do ídolo que tinha feito na Casa de Deus,
de que Deus dissera a Davi e a Salomão, seu filho: Nesta casa e em Jerusalém, que
escolhi de todas as tribos de Israel, porei o meu nome para sempre e não removerei
mais o pé de Israel da terra que destinei a seus pais, contanto que tenham cuidado de
fazer tudo o que lhes tenho mandado, toda a lei, os estatutos e os juízos dados por
intermédio de Moisés. Manassés fez errar a Judá e os moradores de Jerusalém, de
maneira que fizeram pior do que as nações que o SENHOR tinha destruído de diante
dos filhos de Israel.
Além disso, Manassés derramou muitíssimo sangue inocente, até encher
Jerusalém de um ao outro extremo, afora o seu pecado, com que fez pecar a Judá,
praticando o que era mau perante o SENHOR.
Seu castigo. O castigo de Deus sobre Manassés e Jerusalém não veio sem
que antes o Senhor enviasse seus profetas a fim de que o rei e seu povo se
arrependessem de seus pecados. Deus não castiga sem que primeiro dê várias
oportunidades para mudança de mente e atitudes. Contudo, Manassés e o povo não
deram ouvidos ao Senhor. Algo semelhante encontramos no último capítulo das
Crônicas (2Cr 36.15,16) e no livro do profeta Jeremias: “Desde o dia em que
vossos pais saíram da terra do Egito até hoje, enviei-vos todos os meus servos, os
profetas, todos os dias; começando de madrugada, eu os enviei. Mas não me destes
ouvidos, nem me atendestes; endurecestes a cerviz e fizestes pior do que vossos pais”
(Jr 7.25,26).
Consequentemente, o Senhor trouxe contra eles o exército da Assíria.
Manassés foi preso com ganchos, amarrado com cadeias e levado à Babilônia. O fato
de o rei ser levado à Babilônia e não para a Assíria, como era de se esperar, é porque
naqueles dias a terra dos caldeus estava sob o domínio de Esaradom, rei da Assíria.
O cativeiro de Manassés foi uma prévia do que aguardava o povo caso ele não
se arrependesse de seus pecados. Na verdade, a primeira referência de que Judá seria
levado para o cativeiro babilônico é feita no governo de Manassés (cf. 2Rs 21.10-15).
No livro do profeta Jeremias está escrito: “Entregá-los-ei para que sejam um espetáculo
horrendo para todos os reinos da terra; por causa de Manassés, filho de Ezequias, rei
de Judá, por tudo quanto fez em Jerusalém” (Jr 15.4).
Sua conversão. A mudança de vida de Manassés aparece somente no livro
das Crônicas. Por uma questão de propósito e objetivo ela é omitida no livro dos
Reis. Manassés ilustra um dos temas centrais de Crônicas, de que Deus pode cumprir
sua promessa de restauração ao arrependido (cf. 2Cr 7.12-16), mesmo nas
circunstâncias mais extremas. A oração de Manassés é uma das mais tremendas da
Bíblia. Ele, angustiado, suplicou deveras ao SENHOR, seu Deus, e muito se humilhou
perante o Deus de seus pais; fez-lhe oração, e Deus se tornou favorável para com ele,
atendeu-lhe a súplica e o fez voltar para Jerusalém, ao seu reino; então, reconheceu
Manassés que o SENHOR era Deus.
Se comparada com Joás, Amazias e Uzias, a vida de Manassés muda de
direção não para pior mas para melhor. Somente Manassés se converte de seus
pecados. O modelo alternante de infidelidade e obediência, também seguido por seus
antecessores, é rompido com seu arrependimento. Os resultados da conversão de
Manassés foram extraordinários. Depois disto, edificou o muro de fora da Cidade de
Davi, ao ocidente de Giom, no vale, e à entrada da Porta do Peixe, abrangendo Ofel, e
o levantou mui alto; também pôs chefes militares em todas as cidades fortificadas de
Judá. Tirou da casa do SENHOR os deuses estranhos e o ídolo, como também todos
os altares que edificara no monte da Casa do SENHOR e em Jerusalém, e os lançou
fora da cidade. Restaurou o altar do SENHOR, sacrificou sobre ele ofertas pacíficas e
de ações de graças e ordenou a Judá que servisse ao SENHOR, Deus de Israel.
Contudo, o povo ainda sacrificava nos altos, mas somente ao SENHOR, seu
Deus. Uma mudança radical que lembra as conversões de Paulo no caminho de
Damasco (At 9.1-9) e dos tessalonicenses em 1Ts 1.
A mudança de coração de Manassés representa uma oportunidade para um
fim prematuro ou mesmo uma reversão do Juízo de Deus, se tão somente a geração
final de Judá tivesse se humilhado (cf. 2Cr 36.12-16).
Arrependimento tardio

Os amorreus, que antes tinham possuído a terra de Canaã, eram um povo extremamente
corrupto. Tão perverso, de fato, que Deus os tinha tirado da terra para dá-la ao seu próprio
povo, a nação de Israel. Mas agora, uns quinhentos anos mais tarde, sob a influência de um
homem, o reino do sul em Israel (Judá) tornou-se ainda mais corrupto do que os amorreus
jamais tinham sido. Quem foi este homem que teve uma influência tão terrível em Judá? Foi o
rei Manassés.

Manassés tinha 12 anos de idade quando se tornou rei de Judá, e seu reinado durou 55 anos.
Foi dito que ele fez o que era mau à vista do Senhor, de acordo com as abominações das
nações que o Senhor tinha desapossado diante dos filhos de Israel (2 Reis 21:2). A lista dos
seus pecados é repulsiva, até mesmo para aqueles que não se preocupam muito com Deus.
Ele se envolveu em todos os tipos de adoração idólatra, incluindo a de sacrifício humano. Ele
até fez passar pelo fogo alguns dos seus próprios filhos “como oferta no vale do filho de
Hinom” (2 Crônicas 33:6). Ainda mais, ele “derramou muitíssimo sangue inocente, até
encher Jerusalém de um ao outro extremo” (2 Reis 21:16). Em conseqüência dos seus
pecados, Deus fez com que Manassés fosse levado embora com ganchos, amarrado com
cadeias, para o cativeiro assírio (2 Crônicas 33:11).

Então Manassés se arrependeu! Sim, creia ou não, no cativeiro ele realmente se humilhou
grandemente diante de Jeová e pediu a misericórdia de Deus (2 Crônicas 33:12-13). Tão
genuíno foi seu arrependimento que Deus realmente permitiu-lhe retornar a Jerusalém para
terminar seu reinado. E quando voltou para Jerusalém, ele completou seu arrependimento
removendo todos os ídolos, restaurando a verdadeira adoração de Deus e ordenando à nação
que servisse a Jeová novamente (2 Crônicas 33:14-16).

Mas, tristemente, o arrependimento do próprio Manassés não afetou o coração de seu filho,
nem mudou o coração da nação em geral. Os muitos anos de sua perversa influência
simplesmente tinham sido demasiadamente fortes para se agarrarem ao p

ovo. A evidência disto é muito clara: quando Manassés morreu, foi dito que “Amom, seu filho,
reinou em seu lugar... Fez o que era mau perante o SENHOR, como fizera Manassés, seu
pai” (2 Crônicas 33:20-22). Ainda que o próprio Manassés tivesse uma mudança de coração,
seu arrependimento tardio na vida não pôde desfazer todo o terrível dano já causado pelo seu
envolvimento anterior com depravada impiedade.

Não há, nisto tudo, uma lição para nós? Há, com toda certeza! Quando decidirmos passar uma
boa porção da nossa vida perseguindo ativamente feitos perversos e licenciosos, não fiquemos
surpresos se isso afetar tragicamente outros em volta de nós. Nossa recusa a fazer o bem
influenciará outros, incluindo nossa própria família! E ainda que possamos nos arrepender
tardiamente na vida, não poderemos desfazer o dano que já causamos! Sim, alguém poderá
seguir nossos passos e afastar-se de seus pecados também. Mas centenas de outros jamais
sequer saberão de nosso arrependimento e quase certamente nunca mudarão. E, quão partido
nosso coração estará, se algumas das perdas forem de membros de nossa família, talvez até
nossos próprios filhos! Agora é hora de pôr ponto final em qualquer má influência que
possamos ter sobre outros. Tardio na vida pode ser tarde demais!

–por Rick Liggin

AS TRISTES ENTREGAS DO REI MANASSÉS


2Cr33.1,2 Tinha Manassés doze anos quando começou a reinar, e reinou
cinquenta e cinco anos em Jerusalém. E fez o que era mau aos olhos do Senhor,
conforme as abominações dos povos que o Senhor lançara fora de diante dos
filhos de Israel.

Int. Manassés, em hebraico significa: "Quem te faz esquecer". Filho do rei


Ezequias e Hefzbá, começou seu reinado em Jerusalém ainda muito cedo, com
apenas 12 anos de idade, e reinou por longos 55 anos. 2Rs 21.1 Manassés tinha
doze anos quando começou a reinar, e reinou cinquenta e cinco anos em
Jerusalém. O nome de sua mãe era Hefzibá. O seu reino, apesar de longo,
experimentou um dos períodos de maior retrocesso religioso que se tem
conhecimento em toda a história de Judá e Jerusalém.

Por um lado Manassés teve de conviver com os constantes ataques que os


assírios imprimiam sobre seu reino, por outro, havia o fascínio que este mesmo
rei nutria por coisas ligadas ao espiritismo e ocultismo. 2Rs 21. 9. ...Manassés
de tal modo os fez errar, que fizeram pior do que as nações que o Senhor tinha
destruído de diante dos filhos de Israel.
A soma de tudo isto fez do reino do de Manassés um reino longo e sanguinário,
sendo considerado ele um dos piores reis em ações abomináveis ao Senhor.
2Rs 21.16. Além disso, Manassés derramou muitíssimo sangue inocente, até
que encheu Jerusalém de um a outro extremo, afora o seu pecado com que fez
Judá pecar fazendo o que era mau aos olhos do Senhor.

"Serão as escolhas que fizermos hoje que determinarão nosso destino amanhã"
O rei Manassés teve toda oportunidade do mundo para viver uma história
brilhante e de muito sucesso, ele teve todas as condições necessárias para ser
um monarca feliz e bem sucedido. Mais escolheu viver sua vida da pior maneira
e, como diz o ditado: "Quando a cabeça não pensa, o corpo padece".

I. MANASSÉS SE ENTREGOU A UMA IDOLATRIA DESMEDIDA E


DETESTÁVEL.
2Rs 21.3. Porque tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai tinha destruído,
e levantou altares a Baal, e fez uma Asera como a que fizera Acabe rei de Israel,
e adorou a todo o exército do céu, e os serviu.
Manassés escolheu o seu próprio caminho, ele definiu sua preferência quando
seguiu em direção oposta a tudo quanto seu pai Ezequias havia lhe ensinado e
deixado como exemplo.
Seu pai, fora um homem de bem, um servo obediente ao Senhor e o rei que
restaurou o culto a Deus num tempo em que o povo havia se distanciado
completamente do templo e da adoração. A Bíblia diz que Ezequias... se apegou
ao Senhor; não se apartou de o seguir... 2Rs 18.6. Manassés, no entanto, não
seguiu nem de longe o exemplo do seu pai Ezequias, diz a Bíblia Confiou no
Senhor Deus de Israel, de modo que depois dele não houve seu semelhante
entre todos os reis de Judá, nem entre os que foram antes dele. 2Rs 18.5

Mas Manassés não, ele escolheu outros caminhos, ainda muito jovem começou
a se envolver em práticas esquisitas e perigosas de envolvimento pagão. 2Rs
21.6"... e usou de augúrios e de encantamentos, e instituiu adivinhos e feiticeiros;
fez muito mal aos olhos do Senhor, provocando-o à ira”. Manassés chegou a
entregar seu próprio filho a uma espécie de culto satânico, onde sacrifícios
humanos eram praticados sem nenhum respeito pela vida. “... até fez passar seu
filho pelo fogo...”.
1. MANASSÉS EDIFICOU ALTARES.
“... Porque tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai tinha destruído...”.
Manassés iludido por uma espécie de religiosidade satânica resolve reformar os
diversos altares pagãos que fora destruídos por seu pai. Ao reconstruir estes
altares, Manassés institui adoração cultual a deuses como Baal e Asera. Além
disso, Manassés também se envereda por práticas de adivinhação pela
astrologia com consultas aos astros e a adoraração a planetas, estrelas e coisas
do gênero. 2Cr 33.5. Edificou altares a todo o exército do céu, nos dois átrios da
casa do Senhor. Como se tudo isto ainda fosse pouco, o rei ainda colocou uma
imagem da deusa Asera, dentro do templo de Deus, profanando assim o nome
do Senhor Deus de Israel. 2Cr 33.7. Também a imagem esculpida do ídolo que
tinha feito, ele a colocou na casa de Deus, da qual Deus tinha dito a Davi e a
Salomão, seu filho: Nesta casa, e em Jerusalém, que escolhi de todas as tribos
de Israel, porei eu o meu nome para sempre. Deus nunca tolerou este tipo de
atitude. A idolatria sempre foi um ato abominável ao Senhor. 1Co 6.9 Não sabeis
que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os
devassos, nem os idólatras... herdarão o Reino de Deus.

Moisés avisou muitas vezes:


 Lv 19.31 Não vos voltareis para os que consultam os mortos nem para
os feiticeiros; não os busqueis para não ficardes contaminados por eles. Eu sou
o Senhor vosso Deus.
 Lv 20.6 Quanto àquele que se voltar para os que consultam os mortos e
para os feiticeiros, prostituindo-se após eles, porei o meu rosto contra aquele
homem, e o extirparei do meio do seu povo.

O profeta Jeremias, não poucas vezes, alertou o povo quanto ao perigo do


envolvimento em práticas idólatras como estas.
 Jr 10.3,4,5 pois os costumes dos povos são vaidade; corta-se do bosque
um madeiro e se lavra com machado pelas mãos do artífice. Com prata e com
ouro o enfeitam, com pregos e com martelos o firmam, para que não se mova.
São como o espantalho num pepinal, e não podem falar; necessitam de quem
os leve, porquanto não podem andar. Não tenhais receio deles, pois não
podem fazer o mal, nem tampouco têm poder de fazer o bem.

II. MANASSÉS SE ENTREGOU A PRÁTICAS ABOMINÁVEIS QUE O


AFASTOU CADA VEZ MAIS DO DEUS DE SEU PAI EZEQUIAS.
2Cr 33.6. Além disso queimou seus filhos como sacrifício no vale do filho de
Hinom; e usou de augúrios e de encantamentos, e dava-se a artes mágicas, e
instituiu adivinhos e feiticeiros; sim, fez muito mal aos olhos do Senhor, para o
provocar à ira.

Se não bastasse toda prática idólatra aderida pelo rei, um abismo chama outro
abismo, e não demorou muito para que Manassés se afundasse ainda mais em
práticas ainda piores.
Diz o texto de Crônicas que Manassés fazia adivinhações, praticava magia,
feitiçarias e consultava adivinhos e médiuns. Ele pecou muito contra Deus: ...fez
muito mal aos olhos do Senhor, para o provocar à ira. Manassés praticava
exatamente aquelas coisas que aos olhos de Deus eram abomináveis, e que
tinham sido a causa pela qual tantas nações haviam sido destituídas de suas
terras pelo próprio Deus. Dt 18.10,11. Não se achará no meio de ti quem faça
passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador,
nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem que consulte um espírito
adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos.

Foram exatamente estas as práticas que o rei Manassés se envolveu. Todas


aquelas coisas que a Bíblia diz que são detestáveis aos olhos de Deus. Seu
envolvimento nestas práticas foi tão grande que, como vimos, foi capaz de
sacrificar seu próprio filho aos demônios. "...Além disso queimou seus filhos
como sacrifício no vale do filho de Hinon" O conselho bíblico não deixa confusão,
é muito claro. Lv 19.26 ...não usareis de encantamentos, nem agouros.

O Salmos 106. 35-39 ao mostrar todo desagrado de Deus com práticas deste
tipo, faz uma descrição detalhada da queda fatal que se segue a pessoas que
se envolvem com elas: Antes se misturaram com as nações, e aprenderam as
suas obras. Serviram aos seus ídolos, que vieram a ser-lhes um laço;
sacrificaram seus filhos e suas filhas aos demônios; e derramaram sangue
inocente, o sangue de seus filhos e de suas filhas, que eles sacrificaram aos
ídolos de Canaã; e a terra foi manchada com sangue. Assim se contaminaram
com as suas obras, e se prostituíram pelos seus feitos.

III. MANASSÉS ENTREGOU-SE A UMA REBELDE RECUSA DE OUVIR A


VOZ DO SENHOR DEUS DE ISRAEL.
2Cr 33.10. Falou o Senhor a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos
Mesmo sabendo toda a consequência pelas escolhas erradas do rei Manassés,
o maior pecado do rei,talvez nem tenha sido todo seu envolvimento idólatra. O
maior pecado do rei foi o de recusar-se terminantemente ouvir a voz do Senhor,
o Deus de Israel.
Por diversas vezes Deus tentou avisar a este mau rei qual seria seu final caso
não parasse com o mal que estava promovendo. Sl 115.8 "Quem faz essas
imagens e quem adora esses falsos deuses vai acabar sendo tão tolo quanto
eles" Tudo isto para Manassés era em vão, ele não estava disposto ouvir o
Senhor. Nem ele, nem o povo que ele governava. 2Cr 33.10 Tanto Manassés
como seu povo não deram atenção aos avisos do Senhor.

RESULTADO.
Manassés tanto se aprofundou nestas práticas nojentas que sem perceber
chegou ao "Fundo do poço" 2Cr 33.11 Por isso Deus mandou os exércitos
assírios, e eles o prenderam (Manassés) com ganchos e o amarraram com
correntes de bronze e o levaram para a Babilônia. Preso com ganchos, amarrado
com cadeias. Triste fim para um homem que ainda criança teve todas as
condições de ser um homem de sucesso.

IV. NA ANGUSTIA MANASSÉS FINALMENTE ENTREGOU SUA VIDA AO


SENHOR O DEUS DE SEU POVO ISRAEL E DE SEU PAI EZEQUIAS. 2Cr
33.12Cheio de pavor e aflito, Manassés orou humildemente ao Senhor Deus,
pedindo socorro.

Manassés, agora um miserável príncipe condenado à escuridão de um gelado e


úmido cárcere, percebe todo o excesso de seus pecados. Percebe também tudo
o quanto perdeu fruto das suas escolhas erradas. Manassés passou a maior
parte da sua vida jogando fora toda oportunidade que a vida lhe dera. Agora,
tudo estava acabado. Manassés é preso, acorrentado, envergonhado diante do
seu povo e da sua família. Ele perdeu tudo, exatamente tudo aquilo que
conquistara ao longo de sua vida. Se bem que todas as suas conquistas, já
haviam sido desprezadas há muito tempo. Mas, o que diz o texto? v.12. Cheio
de pavor e aflito, Manassés orou humildemente ao Senhor Deus, pedindo
socorro.

O apavoramento, em olhar em sua volta e ver a que estava reduzido todo seu
reino, aflito, Manassés se lembra do Deus de seu pai Ezequias. Talvez, no
cárcere, numa úmida e fria cela de prisão, sem mais nenhuma expectativa para
vida ele ora, talvez como orasse enquanto pequenino ainda sob cuidado de seus
pais. Talvez tenha começado a se lembrar de tudo aquilo que ainda criança havia
visto no reino de seu pai Ezequias.

No fundo do poço Manassés recorreu a Deus, e rogou-lhe por compaixão...

O mais lindo de toda essa história, é a resposta de Deus, que nunca despreza
um coração arrependido e contrito, diz a Bíblia: v.13. E quando fez assim, o
Senhor ouviu, teve misericórdia dele, e respondeu ao seu pedido, levando-o de
volta a Jerusalém e ao seu reino! Manassés reconheceu então finalmente que o
Senhor era realmente Deus! A sequência histórica é quase inacreditável. Tudo
começou com a oração de um coração arrependido. Is 57.15 Porque assim diz
o Alto e o Excelso, que habita na eternidade e cujo nome é santo: Num alto e
santo lugar habito, e também com o contrito e humilde de espírito, para vivificar
o espírito dos humildes, e para vivificar o coração dos contritos.
Uma oração que foi ouvida, e a resposta: A QUILO QUE PARECIA IMPOSSÍVEL
rei voltou vitorioso e livre para Jerusalém. Do lugar onde só restava esperar pela
morte, Manassés encontra a verdadeira vida. Do lugar onde foi deixado para ser
esquecido, ele experimenta uma mudança radical em sua vida e reconhece o
Deus de seu pai como Senhor Todo Poderoso. "...Manassés reconheceu então
finalmente que o Senhor era realmente Deus!"
Conversão fora sincera, é tudo o que se pode dizer da história deste rei. Agora,
Seu único pensamento agora era destruir toda a memória das suas ações
passadas, e empregou todos os seus esforços em restaurar o culto ao Deus que
lhe restituirá o reino. 2Cr 33.15,16 Também retirou os deuses estranhos e a
imagem que ele tinha dentro do templo, e fez em pedaços os altares que ele
havia construído na montanha onde estava o templo, e os altares que estavam
em Jerusalém. Jogou tudo para fora da cidade. Manassés consagrou novamente
o Templo, mandou reconstruir o altar e purificou toda a cidade. "...Depois,
reconstruiu o altar do Senhor e ofereceu sacrifícios sobre ele sacrifícios de paz
e ofertas de ações de graça. Exigiu que o povo de Judá adorasse ao Senhor
Deus de Israel" Por gratidão a Deus por ter sido liberto da escravidão, Manassés
empregou o resto de sua vida em tornar-se agradável aos olhos do
Senhor. Assim, por um proceder contrário ao anterior, levou os súditos a imitá-lo
no arrependimento tal como o haviam imitado em seus pecados, que tantos
males atraíram sobre eles

Mensagem pregada na Missão Vale das Bençãos em Jardim Guapimirim


Dia 10/08/2014
O jovem bruxo
Manassés começa a reinar em Jerusalém aos doze anos de idade, torna-se um bruxo
malvado, mas, depois de um grande sofrimento, arrepende-se e reconhece que o
Senhor é Deus.
II Reis 21:1-18; II Crônicas 33:11-20

Depois que o rei Ezequias morreu, o seu filho Manassés, aos doze anos de idade,
começou a reinar em Jerusalém. Ao contrário de seu pai, Manassés não agradou ao
Senhor no seu reinado, antes fez de tudo para irritar o Senhor e corromper o povo de
Judá com idolatria e feitiçarias.

O rei Manassés tornou-se também um bruxo, pois, conforme faziam as nações que
habitavam a terra de Canaã antes dos israelitas, envolveu-se com feitiçarias,
adivinhações, encantamentos e agouros.

Quando os israelitas haviam entrado na terra prometida, o Senhor ordenou-lhes que


lançassem fora da terra os cananeus assim como as suas práticas de adivinhações,
feitiçarias e até de sacrifícios humanos. Manassés, porém, tanto fez o povo errar, que o
levou a fazer coisas até piores do que as nações pagãs que o Senhor ordenou manter
distância.

No reinado de Manassés, a idolatria alastrou-se de tal forma que era como se Deus não
existisse mais em Judá. Manassés dedicou-se a reedificar os altares de idolatria que
Ezequias seu pai havia destruído, levantou mais altares para o deus Baal, cultuou os
astros e, para irritar mais ainda o Senhor, construiu ídolos e altares no próprio templo
de Deus.

Manassés também ficou conhecido na Bíblia como um rei perverso. Além de derramar
muitíssimo sangue inocente, ele fez o próprio filho passar pelo fogo, conforme os rituais
pagãos de sacrifícios humanos, que eram práticas abominadas e proibidas por Deus.

Vendo o Senhor Deus que a sua terra e o seu povo estavam cada vez mais
contaminados pela idolatria e pelo pecado, começou a avisar, através dos profetas, a
Manassés e ao povo para que se arrependessem dos horrores que estavam fazendo.
Deus disse-lhes que, se eles não corrigissem os seus caminhos, viria um tão grande
mal sobre eles, que aquele que ouvisse falar ficaria com as orelhas em pé.
Mesmo sendo avisados várias vezes das conseqüências dos caminhos errados que
estavam seguindo, Manassés e o povo não deram ouvidos às palavras do Senhor. E,
não havendo outro jeito de Judá se concertar dos seus erros, o Senhor entregou
Manassés e o povo de Judá nas mãos do exército da Assíria. Manassés foi então levado
preso em ganchos e amarrado com cadeias para a Babilônia.

Com o sofrimento, o rei Manassés tomou consciência do caminho errado que seguiu e
se humilhou diante do Senhor. Muito angustiado, ele orou com toda sinceridade ao
Senhor e rogou alívio para seu sofrimento. Deus ouviu a oração de Manassés e o trouxe
de volta para Judá, devolvendo-lhe o reino. Manassés então reconheceu que o Senhor
era Deus e tornou-se um novo homem.

O rei Manassés tirou da casa do Senhor os ídolos e derrubou todos os altares de


idolatria. Para homenagear o Senhor, ele ofereceu não sacrifícios humanos, mas sim
sacrifícios de louvor e de paz ao Senhor seu Deus. Agora, como um novo rei, Manassés
ordenou ao povo de Judá que servisse e adorasse somente ao Senhor.

Deus permitiu Manassés passar por um cativeiro porque de um grande sofrimento viria
uma grande mudança. Assim, a história do rei Manassés, cujo nome significa “faz
esquecer”, é um exemplo de que as pessoas, por piores que tenham sido, ainda assim,
podem se concertar e recomeçar uma nova vida para a glória de Deus.

Para pensar

O rei Manassés foi um rei perverso que fez muitas maldades. Uma das crueldades
atribuídas ao rei Manassés foi ter serrado o profeta Isaías ao meio. Nos dias de hoje,
existem muitas pessoas cruéis como Manassés que matam de forma hedionda sem
demonstração de qualquer arrependimento. Você acha que essas pessoas deveriam
ser punidas com a pena de morte? De acordo com a história do rei Manassés, essas
pessoas são recuperáveis?

Leituras sugeridas

 Salmos 106:34-46 - Como o povo de Deus entrou em laço por não terem
expulsado da terra prometida os povos pagãos, o cativeiro e a misericórdia de
Deus. (Vale a pena ler!!!)
 II Re 21:1-18 - A história do rei Manassés
 II Cr 33:11-20 - O arrependimento do rei Manassés

A conversão do pior homem do


mundo
2 de July de 2007 by Pr. Hernandes in Sermões5 1779 0

INTRODUÇÃO

1. A história está eivada de homens maus


Os anais da história estão repletos de homens que deixaram um rastro sombrio na
nossa lembrança: Homens facínoras, assassinos, feiticeiros, monstros bestiais,
pervertidos celerados e déspotas sanguinários. Homens incendiários como Nero.
Homens traidores como Judas. Homens perversos como Hitler. Homens
truculentos como Mao Tse Tung.

Mas, talvez, nenhum homem tenha excedido em perversidade a Manassés. Esse


rei foi o décimo terceiro rei de Judá. Reinou 55 anos, de 697 a 642 a.C. Seu nome
significa “Aquele que esquece” e ele esqueceu-se de Deus.

2. Poderia a graça de Deus alcançar aqueles que descem até às profundezas da


degradação?

Normalmente achamos que há pessoas irrecuperáveis. Que há pecadores que


estão fora do alcance da graça. A história de Manassés vai nos mostrar que não há
poço tão fundo que a graça de Deus não possa ser mais profunda. A graça é maior
do que o pecado. Onde abundou o pecado superabundou a graça.

I. OS PRIVILÉGIOS DE MANASSÉS

1. Ele era filho de um pai piedoso

Ele cresceu bebendo o leite da verdade e sugando o néctar da piedade. Ele


cresceu num lar onde Deus era conhecido e amado. Mas a piedade dos pais não é
garantia que os filhos seguirão o mesmo caminho. Manassés tinha exemplo. Tinha
modelo dentro de casa. Seu pai promoveu uma grande reforma espiritual em Judá
depois do desastrado reinado de Acaz. Ele limpou a casa de Deus.

2. Ele assumiu o trono ainda jovem – v. 1

Manassés nasceu num berço de ouro e começou e assumiu o trono de Jerusalém


com doze anos de idade. Ele só teve privilégios na vida. Ele esbanjou suas
oportunidades. Ele desperdiçou todas as coisas boas que Deus estava lhe dando
desde cedo na vida.

3. Ele teve o reinado mais longo de Judá – v. 1

Ele teve muito tempo para andar com Deus, para fazer o que era certo e para
arrepender-se dos seus pecados. Ele governou 55 anos e nesse tempo ele fez o
que era mau perante o Senhor. Ele entupiu Jerusalém e a Casa de Deus de
idolatria e se prostrou em altares de estranhos deuses, provocando o Senhor à
ira.

4. Ele teve a advertência de Deus – v. 10

Deus não o deixou errar sem advertência. Deus o alertou, o corrigiu. Enviou-lhe
profetas, mas ele e o povo não quiseram ouvir a voz de Deus. Fecharam o
coração. Endureceram a cerviz. Taparam os ouvidos à Palavra e à voz da
consciência.

II. OS PECADOS DE MANASSÉS

1. Ele liderou o povo a pecar contra Deus v. 2,9

Manassés foi um líder mau. Ele usou sua influência para desviar as pessoas de
Deus. Ele levou sua nação a fazer coisas piores do que as nações pagãs (v. 9). Ele
tornou a edificar os altos, liderou o povo na adoração de Baal. Ele se prostrou
diante de todo o exército dos céus (v. 3). Ele adorava as estrelas. Ele tornou-se
um viciado em astrologia. Ele tornou-se um místico inveterado. Tornou-se um
apóstata, um náufrago na fé.

2. Manassés profanou a Casa de Deus – v. 4,5,7

Ele fez pior que Acaz que fechou a casa de Deus. Ele introduziu ídolos
abomináveis dentro da Casa de Deus. Ele profanou a Casa de Deus. Ele insultou a
santidade de Deus e do culto.

3. Ele se tornou um feiticeiro inveterado – v. 6

A feitiçaria de Manassés chegou a ponto dele sacrificar seus próprios filhos a


Moloque. Ele era adivinho. Era agoureiro. Praticava feitiçaria. Tratava com
necromantes. Ele consultava os mortos. Ele era feiticeiro, espírita, pai de santo.
Ele provocava o Senhor à ira.

Há muitas pessoas mergulhadas até o pescoço com feitiçaria, com espiritismo,


com astrologia, com consulta aos mortos, com misticismo pagão.

4. Ele derramou muito sangue inocente – 2 Rs 21.16

Ele matou seus próprios filhos. Matou filhos de outras pessoas. Ele mandou cerrar
ao meio o profeta Isaías. Flávio Josefo diz que todos os dias se sacrificavam
pessoas em Jerusalém a mando de Manassés. Ele era um homem mau, virulento,
truculento, assassino e sanguinário.

III. O JUÍZO DE DEUS SOBRE MANASSÉS

1. A prisão de Manassés – v. 11

Quem não escuta a voz da Palavra, escuta a voz da chibata. Quem não atende a
voz do amor, é arrastado pela dor. O rei da Assíria prende Manassés com ganchos,
amarra-o com cadeias e o leva cativo para a Babilônia.

2. A humilhação de Manassés – v. 11,12


Manassés desceu ao fundo do poço. Ele é arrancado do trono, de Jerusalém. É
levado como um bicho, com canga no pescoço, em anzóis em sua boca e jogado
numa prisão. Ele é levado para a Babilônia, o centro da feitiçaria do mundo. Os
ídolos da Babilônia que ele adorava não puderam livrá-lo.

3. A angústia de Manassés – v. 12

O pecado não compensa. Quem zomba do pecado é louco. O homem será


apanhado pelas próprias cordas do seu pecado. Manassés está cativo, algemado,
angustiado. Quem não escuta a voz, escuta a vara.

IV. A CONVERSÃO DE MANASSÉS

1. A infinita graça de Deus – v. 13

Quando lemos essa história temos a vontade de dizer: agora bem feito! Ele deve
pagar por todas as suas atrocidades. Mas, este homem clama a Deus e o Senhor o
salva. Deus é rico em perdoar. Ele tem prazer na misericórdia. Não causa perdida
para ele.

Deus mandou Manassés para a prisão, para não mandá-lo para o inferno. É um
acidente, uma doença, uma tragédia familiar. Deus está pronto a mover o céu e a
terra para que você não pereça.

2. A humilhação de Manassés – v. 12

A conversão começa com o arrependimento, com a tristeza pelo pecado, com a


consciência de que temos feito o que é mau perante o Senhor. Manassés muito se
humilhou perante Deus. Ele caiu em si. Ele reconheceu seu erro. Ele não se
justificou, nem endureceu seu coração. Ele se curvou, se humilhou. Se
arrependeu.

3. A oração de Manassés – v. 12

Manassés vivera toda a sua vida invocando os mortos, adorando os ídolos,


levantando altares aos deuses pagãos. Mas, agora, na hora do aperto, ele ora ao
Deus do céu e este atende ao seu clamor. Clame por Deus. Grite por socorro.
Levante a sua voz. Ainda há esperança para a sua alma.

4. A salvação de Manassés – v. 13

Quando Manassés voltou-se para Deus, Deus voltou-se para ele. Restaurou sua
vida, seu reino, sua alma. Manassés, então reconheceu que o Senhor é Deus. Deus
o aceitou. Deus o restaurou. Deus o levantou. Deus restituiu o seu reino.

5. As provas do arrependimento de Manassés – v. 13-16


a) Aceitação – (v. 13) – Os ouvidos de Deus estão abertos, suas mãos estão
estendidas para você. O Pai está pronto a receber o pródigo de volta e fazer uma
festa. Não importa quão longe você tenha ido e quando profundo o poço que você
tenha caído, Deus está pronto a perdoar você e aceitar você de volta para ele.

b) Iluminação – (v. 13) – “Então reconheceu Manassés que o Senhor era Deus”.
Deus pode abrir os olhos da sua alma nesta noite. Ele pode abrir seu coração para
crer. Ele pode tirar a cortina dos seus olhos. Ele pode dar a você entendimento
espiritual. Ele pode revelar a você a glória do seu Filho Jesus Cristo.

c) Reforma – (v. 15) – Manassés fez uma faxina na Casa de Deus e na sua vida. Ele
tirou toda a abominação que ele mesmo tinha colocado na Casa de Deus.
Arrependimento implica em mudança.

d) Consagração – (v. 16) – Manassés não apenas tirou o que estava errado, mas
restaurou o altar do Senhor. Ele começou a buscar a Deus novamente. Ele se
voltou para Deus de todo o seu coração. Ele foi convertido a Deus e passou a
consagrar-se a Deus, liderando sua nação a voltar-se para o Senhor.

CONCLUSÃO

Vamos ver algumas lições:

1) A piedade dos pais não é garantia que os filhos vão andar com Deus;
2) A vida longa não é segurança do favor de Deus;
3) Não há grau de impiedade que esteja além do alcance da graça de Deus e do
perdão de Deus;
4) Não espere uma tragédia em sua vida para você voltar-se para Deus.
5) O pecado é algo que Deus abomina e jamais ficará sem julgamento;
6) Hoje é o dia de você voltar-se para Deus de todo o seu coração;
7) Se você voltar-se para ele nesta noite, agora mesmo, ele ouvirá seu clamor e
restaurará a sua alma, dando-lhe a salvação!

O Grande Favor de Deus em Resposta ao


26/10/2014
Arrependimento do Homem
II Cron. 33.1-3; 11-13

Int.: O capítulo trinta e três de II Crônicas relata o grande favor de Deus em resposta ao
arrependimento do homem.
Neste capítulo conta a história do Rei Manassés de Judá, que começou a reinar com
doze anos de idade e reinou cinquenta e cinco anos em Jerusalém.
Naqueles dias o reinado era passado de pai para filho. Ezequias seu pai reinou durante
vinte e nove anos em Jerusalém sobre Judá. Ezequias era um rei que temia ao Senhor; diz
a Bíblia: E fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo quanto fizera Davi, seu
pai.
A primeira coisa que Ezequias fez, no primeiro ano, no primeiro mês do seu reinado: Ele
abriu as portas da Casa do Senhor e as reparou e mandou que purificassem o templo.
- Ezequias trouxe os sacerdotes e os levitas que estavam dispersos, e os pediu para se
santificarem, para exercerem o sacerdócio.
- A segunda coisa que Ezequias fez foi restabelecer o Culto a Deus, que estava esquecido.
- Ezequias tirou os altos, e quebrou as estátuas e fez em pedaços a serpente de metal que
Moisés fizera e que os filhos de Israel idolatraram, e que queimavam incenso e lhe
chamavam Nestã.
- E quando o Rei Senaqueribe, Rei da Assíria, invadiu Judá com o seu grande exército de
Cento e oitenta e cinco mil soldados, Ezequias foi a Casa do Senhor para lhe pedir socorro.
E diz a Bíblia que Deus enviou o Seu Anjo e numa noite destruiu os Cento e oitenta e
cinco mil soldados de Senaqueribe.
- Esse Ezequias é aquele que adoeceu de uma doença mortal e orou ao Senhor e Deus
enviou o profeta Isaías, que orou por ele e Deus lhe deu mais quinze anos de vida.
- Essas são bênçãos para aqueles que são fieis a Deus.
- Deus abençoou o rei Ezequias por causa do seu compromisso com Deus.
- Deus livrou Ezequias e a nação de Judá do exército da Assíria, porque Ezequias servia
Deus e o buscou na hora da angústia.
- Ezequias foi um Rei que deixou sua marca na história dos reis de Judá, por causa do seu
temor a Deus.
I- O Reinado de Manassés Sucessor de Ezequias.
A Bíblia aqui fala que Manassés filho de Ezequias tinha doze anos de idade, quando
começou a reinar, e que reinou cinquenta e cinco anos em Jerusalém.
- Manassés foi o 15º Rei de Judá.
V. 2: E fez o que era mal aos olhos do Senhor, conforme as abominações dos gentios que
o Senhor lançara de diante dos filhos de Israel.
V. 3: Porque tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai, tinha derribado, e levantou
altares a baalins, e fez bosques, e prostrou-se diante de todo o exército dos céus, e os
serviu.
- Manassés foi um Rei idólatra.
- Manassés profanou a Casa do Senhor, ele edificou altares na Casa do Senhor; colocou
imagens e adorou a outros deuses na Casa do Senhor.
V.5: Edificou altares a todo o exército dos céus, em ambos os pátios da Casa do Senhor.
- No V. 6 diz: Fez ele também passar os seus filhos pelo fogo no vale do Filho de Hinom.
- Quer dizer: Manassés sacrificou seus filhos como oferta a Moloque.
- Que perversidade, que tremenda maldade cometeu esse rei.
- A Bíblia fala que ele usou de agouros, de feitiçarias, e consultou adivinhos
e encantandores.
- Manassés foi o mais perverso dos reis de Judá.
- Alguém pode perguntar: Como pode um homem que era filho de um Rei temente a Deus,
que foi tremendamente abençoado por Deus, como Ezequias, se tornar no mais devasso,
no mais pecador, no pior rei da história da nação de Judá?
1- O seu pai o Rei Ezequias morreu quando ele tinha apenas 12 anos, era muito novo, não
deu tempo para o seu pai lhe influenciar muito.
2- As pessoas que rodeavam o Rei Manassés eram pessoas de más influências.
- Pessoas que levaram ele ao mundanismo, a se afastar de Deus.
- Aquele velho ditado: “Me digas com quem tu andas e eu direi quem tu és”.
Pv. 13.20: Anda com os sábios e serás sábio, mas o companheiro dos tolos será afligido.
- Nós escolhemos os nossos amigos e a quem queremos ouvir.
III- Consequências dos Pecados do Rei Manassés.
V. 9: E Manassés tanto fez errar a Judá e aos moradores de Jerusalém, que fizeram pior
do que as nações que o Senhor tinha destruído de diante dos filhos de Israel.
- O povo de Judá cometeu piores pecados do que as nações ímpias que Deus havia
destruído.
- Manassés induziu outros a cometerem pecados.
V. 10: E falou o Senhor a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos.
- A pior coisa para o ser humano, ou seja, para o desviado: É não ouvir a Deus.
- Deus levantou profetas para falar a Manassés e ao povo, mas não deram ouvidos a Deus.
Ap. 3.13: Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.
- Tudo o que o homem faz tem consequências: ou boas, ou más.
Gl. 6.7: Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear,
isso também ceifará.
- Nós colhemos aquilo que nós plantamos.
- A Bíblia diz no V. 11: Pelo que o Senhor trouxe sobre eles os príncipes do exército do rei
da Assíria, os quais prenderam Manassés entre os espinhais, e o amarraram com cadeias,
e o levaram à Babilônia.
- Os pecados de Manassés e do povo estavam agora sendo tratados.
- O exército da Assíria invadiu Jerusalém e levou cativo Manassés.
- Aqui diz a Bíblia: Que prenderam Manassés entre os espinhais.
- Provavelmente Manassés tentou fugir e foi encurralado e preso entre os espinhais.
- O Rei Manassés antes todo pomposo e vaidoso; agora sai acorrentado e levado cativo
para a Babilônia.
- Que humilhação tremenda ele agora passa.
Rm. 6.23: Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida
eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor.
- A prática do pecado leva a pessoa a destruição.
- A pessoa que vive na prática do pecado vai afundando num abismo, cada vez mais fundo.
- Foi o que aconteceu com Manassés, ele esqueceu do ensinamento do seu pai.
Pv. 22.6: Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não
se desviará dele.
IV- Arrependimento e Conversão de Manassés.
V. 12: E ele, angustiado, orou deveras ao Senhor, seu Deus, e humilhou-se muito perante
o Deus de seus pais.
- Amados, depois da humilhação, quando estava sofrendo no cativeiro, Manassés se lembra
do Deus de seus pais.
- A ficha caiu, as consequências dos seus pecados fizeram Manassés acordar.
- Manassés se lembrou que existe um Deus no Céu.
V. 13: E lhe fez oração, e Deus se aplacou para com ele, e ouviu a sua súplica, e o tornou
a trazer a Jerusalém, ao seu reino; então, reconheceu Manassés que o Senhor é Deus.
- Olha o tamanho da misericórdia de Deus para com o homem pecador.
- Para mim e para você: Manassés não teria salvação e nenhuma chance; uma pessoa que
praticou a idolatria, a feitiçaria, que sacrificou os seus filhos a Moloque.
- Mas eu quero te anunciar que o nosso Deus, é um Deus grande em misericórdia.
- Que o nosso Deus é um Deus que ama o pecador.
Lm. 3.22: As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos; porque as
suas misericórdias não tem fim.
- Amados, Deus teve misericórdia de Manassés e mudou o seu cativeiro.
- Talvez você pergunta: Por que?
- Porque Manassés se arrependeu dos seus pecados.
At. 3.19: Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos
pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor.
- A Bíblia diz: Que depois que Manassés chegou em Jerusalém:
1- Ele reconstruiu os muros de Jerusalém.
2- Fortificou as cidades de Judá.
3- Tirou da Casa do Senhor os deuses estranhos.
4- Reparou o altar do Senhor e ofereceu ofertas de louvor ao Senhor.

Conclusão: Se Deus perdoou e transformou o pior rei de Judá e fez dele uma nova pessoa,
quanto mais você Deus te perdoará e te transformará, e fará de você uma nova criatura.

Pr. Silvano Doblinski


Presidente da Igreja
Assembleia de Deus
do Jabaquara em São Paulo -
Brasil
MANASSÉS: DO INFERNO AOS
PORTAIS ETERNOS DO CÉU
1 Tinha Manassés doze anos de idade quando começou a reinar e cinqüenta e cinco anos reinou
em Jerusalém.
2 Fez o que era mau perante o SENHOR, segundo as abominações dos gentios que o SENHOR
expulsara de suas possessões, de diante dos filhos de Israel.
3 Pois tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai, havia derribado, levantou altares aos
baalins, e fez postes-ídolos, e se prostrou diante de todo o exército dos céus, e o serviu.
4 Edificou altares na Casa do SENHOR, da qual o SENHOR tinha dito: Em Jerusalém, porei o
meu nome para sempre.
5 Também edificou altares a todo o exército dos céus nos dois átrios da Casa do SENHOR,
6 queimou seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom, adivinhava pelas nuvens, era
agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e prosseguiu em fazer o
que era mau perante o SENHOR, para o provocar à ira.
7 Também pôs a imagem de escultura do ídolo que tinha feito na Casa de Deus, de que Deus
dissera a Davi e a Salomão, seu filho: Nesta casa e em Jerusalém, que escolhi de todas as tribos
de Israel, porei o meu nome para sempre
8 e não removerei mais o pé de Israel da terra que destinei a seus pais, contanto que tenham
cuidado de fazer tudo o que lhes tenho mandado, toda a lei, os estatutos e os juízos dados por
intermédio de Moisés.
9 Manassés fez errar a Judá e os moradores de Jerusalém, de maneira que fizeram pior do que
as nações que o SENHOR tinha destruído de diante dos filhos de Israel.
10 Falou o SENHOR a Manassés e ao seu povo, porém não lhe deram ouvidos.
11 Pelo que o SENHOR trouxe sobre eles os príncipes do exército do rei da Assíria, os quais
prenderam Manassés com ganchos, amarraram-no com cadeias e o levaram à Babilônia.
12 Ele, angustiado, suplicou deveras ao SENHOR, seu Deus, e muito se humilhou perante o
Deus de seus pais;
13 fez-lhe oração, e Deus se tornou favorável para com ele, atendeu-lhe a súplica e o fez voltar
para Jerusalém, ao seu reino; então, reconheceu Manassés que o SENHOR era Deus.
14 Depois disto, edificou o muro de fora da Cidade de Davi, ao ocidente de Giom, no vale, e à
entrada da Porta do Peixe, abrangendo Ofel, e o levantou mui alto; também pôs chefes militares
em todas as cidades fortificadas de Judá.
15 Tirou da Casa do SENHOR os deuses estranhos e o ídolo, como também todos os altares
que edificara no monte da Casa do SENHOR e em Jerusalém, e os lançou fora da cidade.
16 Restaurou o altar do SENHOR, sacrificou sobre ele ofertas pacíficas e de ações de graças e
ordenou a Judá que servisse ao SENHOR, Deus de Israel.
17 Contudo, o povo ainda sacrificava nos altos, mas somente ao SENHOR, seu Deus.
18 Quanto aos mais atos de Manassés, e à sua oração ao seu Deus, e às palavras dos videntes
que lhe falaram no nome do SENHOR, Deus de Israel, eis que estão escritos na História dos
Reis de Israel.
19 A sua oração e como Deus se tornou favorável para com ele, todo o seu pecado, a sua
transgressão e os lugares onde edificou altos e colocou postes-ídolos e imagens de escultura,
antes que se humilhasse, eis que tudo está na História dos Videntes (2 Cr 33.1-19).

Introdução
A história do Rei Manassés nos mostra a longanimidade de Deus, a grandeza
de seu amor, a sua terna compaixão e a severidade de sua correção. Esta
história nos mostra que Deus jamais desiste de uma ovelha desgarrada de seu
rebanho. Mostra-nos que por mais profundo que seja o abismo em que
estejamos caído ainda há esperança.
As dificuldades e as decepções que passamos geram circunstâncias adversas
em nossa vida e trazem sentimentos adversos ao nosso coração, como dúvidas,
incertezas, desânimo e um forte desejo de desistir.
Não sei como está a tua vida neste momento. Talvez, você esteja passando por
uma dificuldade tal e tenha tido tamanha decepção que esteja pensando que
acabou a vida e a razão de viver, porque não tem mais jeito, não tem mais
solução. Talvez você até esteja de malas prontas, preparado para a saída,
preparado para desistir porque não existe mais nenhuma perspectiva.
Talvez, você esteja passando por um momento de afastamento de Deus, de
abandono da fé, da comunhão e da igreja. Talvez tenha desistido ou encontra
dificuldade de prosseguir devido ter falhado, ter pisado na bola.
Talvez esteja em conflito interior, porque parece que quanto mais você quer fazer
a vontade de Deus mais erra o alvo, quanto mais quer andar limpinho, mais se
suja, quanto mais luta para ter pensamentos puros mais pensamentos negros te
rodeia.
Talvez tenha desistido do seu casamento, de sua família, de seu trabalho. Talvez
tenha desistido de lutar pelos seus sonhos, pois tem encontrado somente portas
fechadas.
Este estudo vai te mostrar que ainda há esperança, vai te mostrar o caminho da
volta, vai te mostrar que vale a pena perseverar e vai te incentivar a manter os
olhos voltados para cima.
Quando olhamos para as páginas da Bíblia, para a história do rei Manassés, um
homem que poderíamos chamar de caso perdido, sem conserto, sem solução,
podemos ver claramente como que Deus não desiste de uma ovelha sua.
Portanto, por pior que tenha sido a nossa queda, por maior e desonroso que
tenha sido o nosso pisar na bola, Deus não desiste de nós. Deus não desiste de
nos amar.

1 – AS ABOMINAÇÕES DE MANASSÉS

Manassés começou a reinar com doze anos, e reinou durante cinquenta e cinco
anos em Judá. A trajetória de vida deste homem foi marcada por coisas que
aborreciam a Deus, que causavam a ira do Senhor. Preste atenção no currículo
deste homem, no seu caráter, nas inspirações dele e no desastre que foi a sua
vida e o seu reinado: Ele fez tudo o que era abominável diante do Senhor. Ele
tornou a edificar os altares que seu pai havia destruído. Ele ofereceu seus filhos
em sacrifícios. Ele praticou feitiçaria e consultou médiuns. Ele fez um ídolo e
colocou no templo. Ele fez o povo se desviar dos caminhos do Senhor. E ele
endureceu o seu coração não dando ouvidos à voz de Deus. Veja os pecados
deste homem:

A – A desobediência
2 Fez o que era mau perante o SENHOR, segundo as abominações dos gentios que o
SENHOR expulsara de suas possessões, de diante dos filhos de Israel.
Manassés não quis saber de obedecer a Deus e seguir os seus estatutos como
o fez seu pai Ezequias, antes preferiu calcar o caminho da desobediência, da
rebeldia, fazendo coisas erradas e tendo atitudes que desonrava a Deus. Em
nada ele se distinguia dos homens que viviam naquela terra e que, por causa de
seus maus caminhos, foram expulsos por Deus através do povo de Israel.

B – A idolatria
3 Pois tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai, havia derribado, levantou altares
aos baalins, e fez postes-ídolos, e se prostrou diante de todo o exército dos céus, e o serviu.

O rei Ezequias havia terminado com a idolatria em Judá. Manassés tinha tão
somente que permanecer nos caminhos de seu pai para ter um reinado
abençoado por Deus, mas este homem preferiu trazer de volta tudo que seu pai
havia destruído. Este homem se prostrou diante de ídolos e se recusou a adorar
ao Senhor Deus de seus pais.

C – A profanação
4 Edificou altares na Casa do SENHOR, da qual o SENHOR tinha dito: Em Jerusalém, porei
o meu nome para sempre.
5 Também edificou altares a todo o exército dos céus nos dois átrios da Casa do SENHOR,
7 Também pôs a imagem de escultura do ídolo que tinha feito na Casa de Deus, de que
Deus dissera a Davi e a Salomão, seu filho: Nesta casa e em Jerusalém, que escolhi de todas
as tribos de Israel, porei o meu nome para sempre

A ousadia deste homem não teve limites. Ele nem ao menos honrou o Templo,
lugar da habitação de Deus entre o povo. Faltou temor de Deus no coração deste
homem. Além dele se prostrar diante de ídolos, se recusando a se submeter à
Soberania de Deus, ainda coloca estes ídolos dentro da casa de Deus.

D – A feitiçaria
6 queimou seus filhos como oferta no vale do filho de Hinom, adivinhava pelas nuvens, era
agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e prosseguiu em
fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocar à ira.

Ele ofereceu seus próprios filhos em sacrifício aos seus deuses. Os degraus de
degeneração deste homem desciam em abismo profundo. Este homem era um
feiticeiro, coisa que Deus abominava e havia proibido em Israel. Manassés era
desobediente e a Bíblia diz que um abismo chama outro abismo, ou seja, o
pecado gera mais pecado.

E – Induziu o povo ao erro


9 Manassés fez errar a Judá e os moradores de Jerusalém, de maneira que fizeram pior do
que as nações que o SENHOR tinha destruído de diante dos filhos de Israel.

Judá se desviou dos caminhos de Deus, consequência de um rei indelinquente.


Seu pai havia colocado o povo de volta aos caminhos de Deus, mas Manassés
conduz o povo de volta ao pecado da idolatria.

F – A dureza de coração
10 Falou o SENHOR a Manassés e ao seu povo, porém não lhe deram ouvidos.
Deus não desistiu de chamar a atenção deste homem e do seu povo, enviando
profetas para lhes dizerem de seus erros e para lhes mostrarem o caminho de
volta, mas eles preferiram não ouvir a voz de Deus.
Manassés é a figura, o tipo perfeito daqueles que não estão nem aí para o que
Deus pensa e diz. Quantos de nós que de alguma forma terminamos fazendo
coisas semelhantes as que fizeram Manassés, porque não somos melhores do
que ele em nada, pois somos feitos da mesma massa, ou seja, de barro!

2 – A RESPOSTA DE DEUS À DESOBEDIÊNCIA DE MANASSÉS

Deus não poderia permanecer calado diante de tantas abominações. Por amor,
Ele corrige o seu povo e àquele responsável pela rebeldia do povo. Deus faz
exatamente aquilo que Ele disse que faria nos casos de desobediência.

A – Deus levanta inimigos contra Judá


11 Pelo que o SENHOR trouxe sobre eles os príncipes do exército do rei da Assíria...

Deus havia dito para o povo de Israel antes de entrarem na terra prometida:
14 Não te desviarás de todas as palavras que hoje te ordeno, nem para a direita nem para a
esquerda, seguindo outros deuses, para os servires.
15 Será, porém, que, se não deres ouvidos à voz do SENHOR, teu Deus, não cuidando em
cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos que, hoje, te ordeno, então, virão
todas estas maldições sobre ti e te alcançarão:
49 O SENHOR levantará contra ti uma nação de longe, da extremidade da terra virá, como o
vôo impetuoso da águia, nação cuja língua não entenderás (Dt 28.14, 15, 49).

Salomão não enfrentou guerra e nem resistência de seus inimigos enquanto foi
obediente a Deus, mas quando desobedeceu, Deus levantou contra ele
adversários:
9 Pelo que o SENHOR se indignou contra Salomão, pois desviara o seu coração do SENHOR,
Deus de Israel, que duas vezes lhe aparecera.
10 E acerca disso lhe tinha ordenado que não seguisse a outros deuses. Ele, porém, não
guardou o que o SENHOR lhe ordenara.
14 Levantou o SENHOR contra Salomão um adversário, Hadade, o edomita; este era da
linhagem real de Edom.
23 Também Deus levantou a Salomão outro adversário, Rezom, filho de Eliada, que havia
fugido de seu senhor Hadadezer, rei de Zobá.
25 Este foi adversário de Israel por todos os dias de Salomão, fez-lhe mal como Hadade,
detestava a Israel e reinava sobre a Síria (1 Rs 11.9-10,14,23,25).

B- Deus entrega a Manassés nas mãos de seus inimigos


11 ... os quais prenderam Manassés com ganchos, amarraram-no com cadeias e o levaram à
Babilônia.

Entre as maldições que se acometeriam contra o povo pela desobediência está


ainda:
25 O SENHOR te fará cair diante dos teus inimigos; por um caminho, sairás contra eles, e,
por sete caminhos, fugirás diante deles, e serás motivo de horror para todos os reinos da terra.
23 Os teus céus sobre a tua cabeça serão de bronze; e a terra debaixo de ti será de ferro (Dt
28.23, 25).
Manassés provocou a ira de Deus o quanto pôde! Deus ficou tão irado com ele
que o entregou nas mãos de seus inimigos. Eles colocaram um gancho no nariz
dele, colocaram algemas de bronze em suas mãos, e o arrastaram até a
Babilônia.

3 – O ARREPENDIMENTO DE MANASSÉS

Manassés em meio ao seu desespero existencial reconhece que a salvação só


estava em Deus, mas o que fazer se ele tinha pisado feio, se ele tinha vacilado,
se ele tinha dado de ombros para Deus? Ele fez aquilo que mais toca o coração
de Deus: arrependimento. Ele se arrependeu! Ele reconheceu que fez tudo
errado e começa a trilhar o caminho de volta para Deus.

A – Ele suplicou ao Senhor


12 Ele, angustiado, suplicou deveras ao SENHOR, seu Deus ...

Este é o primeiro passo de quem realmente quer acertar a sua vida: buscar ao
único que pode consertar todas as coisas, ao único que pode refazer tudo
novamente.

B – Ele se humilhou perante o Senhor


12 Ele ... muito se humilhou perante o Deus de seus pais;

Segundo passo importante: esvaziar-se diante de Deus. Não chegar diante de


Deus com orgulho, com soberba, com altivez, mas humilhar-se diante dele.

C – Ele reconheceu a Soberania Deus


13 ... então, reconheceu Manassés que o SENHOR era Deus.

Arrependimento é reconhecer que estava indo na direção errada.


Arrependimento é reconhecer que está indo contra o que Deus estipulou. É
reconhecer que estava indo na contra mão da via expressa de Deus. Manassés
reconhece isso e se volta para Deus.
Na sua angústia e total desespero, numa terra que não era a sua, com uma
consciência pesada, com imensos sentimentos de culpa, humanamente e
psicologicamente destruído, Manassés reconhece que o Senhor é Deus e que
brincar com Ele é brincar com fogo, uma hora se queima!
Deus corrige a todo filho que ama. Quando aceitamos a correção de Deus o fruto
que brota no coração é o arrependimento, mas quando recusamos a correção
de Deus, nasce em nós uma grande revolta.

4 – A RESTAURAÇÃO DE MANASSÉS
13 fez-lhe oração, e Deus se tornou favorável para com ele, atendeu-lhe a súplica e o fez voltar
para Jerusalém, ao seu reino ...

Deus ao ver que Manassés se arrependeu e que se humilhou, mudou de idéia


com relação a ele, e o livrou de seus inimigos e o fez voltar para a sua terra, e
devolveu-lhe o reino. Em resposta, Manassés mudou de vida.
14 Depois disto, edificou o muro de fora da Cidade de Davi, ao ocidente de Giom, no vale, e à
entrada da Porta do Peixe, abrangendo Ofel, e o levantou mui alto; também pôs chefes militares
em todas as cidades fortificadas de Judá.
15 Tirou da Casa do SENHOR os deuses estranhos e o ídolo, como também todos os altares
que edificara no monte da Casa do SENHOR e em Jerusalém, e os lançou fora da cidade.
16 Restaurou o altar do SENHOR, sacrificou sobre ele ofertas pacíficas e de ações de graças e
ordenou a Judá que servisse ao SENHOR, Deus de Israel.

5 – APLICAÇÕES PRÁTICAS PARA NOSSA VIDA

Se você caiu faça como Manassés, suplica ao Senhor e peça perdão. Levante-
se e siga em frente consciente de que Deus lhe ama e com amor incondicional.
18 Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade e te esqueces da
transgressão do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre,
porque tem prazer na misericórdia.
19 Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniqüidades e lançará todos
os nossos pecados nas profundezas do mar (Mq 7.18-19).

Em nossa caminhada, muitas vezes as quedas fazem parte de uma vida em


busca da santidade. Deus nunca desprezará um coração sincero. Se você caiu,
independente de onde foi, do que foi e em que área foi, Deus sabe que você
precisa de sua misericórdia.

A – Deus nunca desiste de você

Deus não desiste de nós. Ele está disposto a começar o processo todo outra
vez. O vaso caiu da mão do oleiro, mas ele o pegou e começou o processo
novamente. Assim acontece conosco. O Grande Oleiro não desiste de nós, Ele
restaura e começa tudo novamente.
Quando Deus criou o homem, Ele sabia que Adão e Eva poderiam cair em
tentação e encher o mundo de malefícios. E foi o que realmente aconteceu
quando eles pecaram, mas Deus não deixou de amá-los, pois Ele matou o
primeiro animal para cobrir a nudez deles e dar um jeito em suas vergonhas.
Esse é um ato de amor, um ato de um Deus que ama seus filhos, mesmo quando
estes são infiéis a Ele.
Assim como Deus não desistiu de Manassés, não desistiu de Pedro quando
negou a Jesus por três vezes, não desistiu dos discípulos quando,
amedrontados, fugiram e voltaram as suas vidas normais, Ele não desiste de
você, por mais que você queira se convencer de que não há jeito.
Você se sente imprestável, incorrigível, impuro, carnal, a pior das criaturas?
Saiba que esta é a mais pura verdade! Mas mesmo assim Deus não desiste de
você!
Ainda que seu esposo ou sua esposa o tenha feito, Deus não desiste de você.
Ainda que seus pais tenham desistido de você, Deus não desiste de você. Ainda
que aqueles em quem você mais esperava que não o fizessem, e o fizeram,
Deus não desiste de você.
Deus continua sempre apostando em nós, apesar de já termos tentado desistir
inúmeras vezes. Ele nos diz: “Não desista! Eu ainda não acabei”. E quando
penso que Deus não desiste de mim, encontro forças para viver, para lutar, para
seguir em frente, e para voltar a sonhar. Quando penso que Deus não desiste
de mim eu passo a vislumbrar um final feliz para a minha história.
B – Não importa qual seja o seu pecado, Deus te oferece o perdão pelo
arrependimento

Davi, o rei de Israel, também vacilou, também errou. Ele que tinha uma vida
abençoada, de repente pisou na bola e entrou em uma trama de pecado.
Adulterou, tramou e levou a cabo a morte de um de seus soldados. Davi mentiu
para salvar a pele. Davi fez coisas que talvez ninguém mais desse crédito a ele.
Mas ele se arrependeu, reconheceu que com Deus estava o perdão, percebeu
que os seus pecados não poderiam ser maiores do que o perdão e a misericórdia
de Deus. Ele sentiu que Deus não desistia dele e voltou-se para Deus, foi
perdoado, teve outra oportunidade e teve a sua vida mudada.
Quando caímos a primeira coisa que acontece é um levante do inferno para nos
acusar. O inimigo começa a falar coisas em nosso ouvido para baixar nossa auto
estima, mentiras como: Deus não me ama mais, Deus não me ouve mais, Deus
já desistiu de mim. São todas afirmações mentirosas. Deus é amor e tudo que
Ele quer saber é se você esta disposto a confessar para Ele o que você fez e
como se sente por causa disso. A Bíblia diz:
9 Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos
purificar de toda injustiça (1 Jo 1.9).

Confesse a Deus o que você fez e no que você pecou. Ele vai te perdoar porque
Ele te ama. Arrependa-se, ou seja, não queira mais fazer isso. Arrependimento
não é chorar somente. Arrependimento é dizer a Deus com todo seu coração, de
modo verdadeiro e decidido que não quer mais e não vai mais pecar nesta área
em sua vida, que não vai mais cometer este tipo de pecado. Se você tomar esta
decisão, com certeza Deus te perdoará, te abençoará e te fará ainda mais forte.
Deus é especialista em fazer de pessoas fracas em grandes vencedores da Fé.
Confesse a Jesus Cristo que Ele é o seu Senhor, que Ele é o dono de sua vida.
Que sem Ele sua vida não tem sentido, diga o quanto o ama e quanto precisa
Dele. Jesus não está bravo e nem de birra com você porque você pecou, ao
contrário, Jesus está esperando você conversar com Ele. Ele sente falta de sua
ovelha desgarrada. O Pai está com saudades esperando a volta do filho pródigo.
Jesus espera por você!
Nunca se esqueça de que seus erros, seus enganos, não são maiores do que o
perdão e o amor de Deus. Não existe circunstância ou situação que Deus não
possa reverter. O profeta Isaias diz:
18 Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a
escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o
carmesim, se tornarão como a lã (Is 1.18).

C – Não rejeites as oportunidades que Deus lhe oferece

As pessoas estão fragilizadas por um mundo doente, cheio de sujeira, onde o


pecado domina e muitas vezes o cristão, devido a pressão das lutas, sofre uma
queda em que muitas vezes não se pode levantar tão facilmente.
Jesus sabe que o homem é um ser que depende totalmente de Deus. Ele sabe
que o homem não é nada, que é menos que o pó. Mas Jesus fala: creia em mim
e tenha paz. Jesus sabe o que você esta passando, sabe que você tem grandes
lutas, por isso não desista, pois você pode vencer. Não desista, pois Jesus te
dará a vitória.
Lembram de Pedro? O que ele fez? Negou a Jesus por três vezes. O que fez
Jesus? Foi em busca de Pedro, dando-lhe uma segunda chance. Lembram da
história do filho prodigo? O que fez o pai? Recebeu o filho arrependido de volta
com festa. O Deus de toda graça não desiste de você. Ele está te dando uma
nova oportunidade, não a rejeite.
Talvez ninguém perdoe você pelo que fez. Talvez seus pais não, talvez sua
esposa não, o marido também não. Talvez seu patrão jamais o fará. Talvez,
humanamente falando, não haja perdão para o que você fez, mas se você se
voltar para Deus como fez Manassés, o Senhor lhe ama, e ama muito e vai te
perdoar como perdoou a Manassés, e vai te dar outra oportunidade para
recomeçar como teve Manassés.
Talvez você ache que Deus se esqueceu de você, e está querendo desistir de
tudo, debandar, deixar tudo para trás. Provavelmente achando que por causa de
suas ações Deus jamais vai lhe perdoar e que não há mais esperanças para
você. Se isso acontece hoje com você, seja qual for o motivo, lembre-se de
Manassés, de como ele pisou na bola, mas se arrependeu e foi restaurado.
Hoje, Deus está de braços abertos esperando seu retorno, esperando seu
arrependimento, esperando que você dê a Ele a oportunidade de demonstrar o
quanto lhe ama, e passar uma borracha no seu passado.

Conclusão

Há momentos na vida difíceis de serem suportados, em que a única vontade que


sentimos é de chorar, pois parecem arruinar para sempre a nossa vida. Quando
um destes momentos chegarem lembre-se que ainda não chegou o fim, que a
sua história ainda não acabou e que ainda há esperança. Corrie Ten Boom disse:
"não há abismo tão profundo que o amor de Deus não seja ainda mais profundo".
Se Deus não desiste de você, se Deus lhe oferece o perdão, não perca a
oportunidade de mudar de vida. Na vida muitas vezes as pessoas desistem delas
mesmas cometendo suicídio, atirando-se ao mar, ou de um edifício, ou
enforcando-se, ou com o disparo de uma arma ou tomando veneno. Desistem
de lutar. Desistem de continuar. Desistem de buscarem uma nova oportunidade.
Manassés teve outra oportunidade, teve um final abençoado e você também
pode ter.
Deus quer mudar a sua história de vida, Deus quer intervir em sua jornada
existencial dando-lhe outra oportunidade, dando-lhe um glorioso futuro. Não
desista! Não retroceda! Não deixe de acreditar no amor que Deus tem por você!
Deus não desistiu de Pedro quando O negou. Não desistiu de Davi quando
adulterou. Não desistiu de Jacó quando enganou. Não desistiu de seu povo
quando se desviou. Não desistiu de Manassés apesar de todas as suas
abominações. E não desistirá de você enquanto não terminar a obra que
começou em ti, pois o que Deus começa, Ele termina! Que este Deus lhe
abençoe! Amém!
A história dos 40 Reis que reinaram em Israel e Judá
21:01

Tiago Lucas

1
O REINO UNIDO - 1.100 a. C

Até a morte do rei Salomão, era um só Reino, O Reino Unido. Após sua morte, houve contenda

entre seu filho Roboão, I Reis 11.43 e Jeroboão filho de Nebate I Reis 11.26 e o Reino foi dividido.

Jeroboão e toda a Congregação de Israel vieram até Roboão, pedindo que ele aliviasse o jugo da

dura servidão da qual o rei Davi submetia o povo - I Reis 12.4

Roboão pediu conselho aos anciãos, que o aconselhou o seguinte:

Se hoje fores servo deste povo, e o servires, e, respondendo-lhe falares boas palavras, todos os

dias serão teus servos. I Reis 12.7 . Roboão recusou este conselho e foi em busca do conselho dos

jovens que haviam crescido com ele. I Reis 12.8

Os jovens o aconselharam que ele deveria dizer assim: Se meu pai vos carregou de um jugo

pesado, ainda eu aumentarei o vosso jugo; meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos

castigarei com escorpiões - I Reis 12.11. Roboão seguiu o conselho dos jovens, provocando nas 10

tribos uma revolta, causando assim a divisão do Reino.

A ameaça de Roboão a respeito do trabalho dobrado causou uma rebelião e dividiu a nação.

Assim se desligaram os israelitas da casa de Davi até ao dia hoje - I Reis 12.19.

Roboão governou o Reino Sul e Jeroboão governou o reino Norte.

Ficando duas tribos, com o Reino Sul: Judá e Benjamim. E dez tribos Com o Reino Norte: Rubem,

Simeão, Dã, Naftali, Gade, Aser, Issacar, Zebulom, Manassés e Efraim.

ANTES DA DIVISÃO, O REINO ERA UNIDO


A HISTÓRIA DE ISRAEL

Deus chamou Israel para ser seu povo escolhido. Ele os desviou da adoração de ídolos e lhes

mostrou a verdade. Os israelitas experimentaram muitos altos e baixos como povo. Foram

forçados à escravidão no Egito, mas Deus os resgatou. Foi uma nação bem sucedida sob o

comando do Rei Davi, mas quando os reis subseqüentes desobedeceram as leis de Deus, toda a

nação foi punida. O povo de Israel foi conquistado por muitos grupos de pessoas, incluindo

assírios, babilônios, persas e romanos. Entretanto, mesmo quando Deus permitiu que Israel fosse

conquistado por essas outras nações, nunca os esqueceu e foi sempre misericordioso para com

eles.

O REINO DIVIDIDO - APÓS A MORTE DE SALOMÃO - REINO NORTE - ISRAEL - 10

TRIBOS

Rubem - Simeão - Dã - Naftali - Gade - Aser - Issacar - Zebulom - Efraim e Manasses

REIS QUE REINARAM EM ISRAEL- REINO NORTE - ISRAEL

01 - JEROBOÃO I - Reinou 22 anos - I Reis 14.20

• Filho de Nebate - I Reis 11.26 • Jeroboão intercede pelo povo ao rei Roboão - I Rs.12.12.

• As dez tribos seguem Jeroboão - I Rs.12.16-25

• Fez dois bezerros de ouro, para Israel adorar, colocou um em Dã e outro em Betel - I Reis 12.

28-30.

• A idolatria de Jeroboão - I Reis 12.26-33

• Um profeta prediz contra o altar - I Rs.13

• O profeta Aias prediz a ruína da casa de Jeroboão, I Rs.14.1-20

• Houve guerra entre Roboão e Jeroboão todos os dias I Reis 15.6

02 - NADABE - Reinou 2 anos - I Reis 15.25

• Filho de Jeroboão I - I Reis 14:20

• Fez o que parecia mal aos olhos do Senhor I Reis 15.26-31

03 - BAASA - Reinou 24 anos - I Reis 15.33

• Filho de Aías - I Reis 15.33-34

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor - I Reis 15.34


• Jeú profetiza contra Baasa - I Reis 16.1-7

04 – ELÁ - Reinou 2 anos I Reis 16.8

• Filho de Baasa I - Reis 16: 6

• Zinri mata Elá - Assim destruiu Zinri toda a casa de Baasa, conforme a palavra do Senhor que

falara pelo ministério do profeta Jeú, sobre Baasa. E por todos os pecados de Baasa, e os pecados

de Ela, seu filho, com que pecaram e com que fizeram pecar a Israel, irritando ao Senhor, Deus de

Israel com as suas vaidades. I Reis 16.9-14

05 - ZINRI - Reinou apenas 7 dias - I Reis 16.15

• Servo de Elá - I Reis 16.9-10

• Zinri assassino de Ela - I Reis 16.10

• Zinri conspirou contra Ela - I Reis 16.8-20 - Assim destruiu Zinri toda a casa de Baasa, conforme

a palavra do Senhor que falara pelo ministério do profeta Jeú, sobre Baasa. E por todos os

pecados de Baasa, e os 3 pecados de Ela, seu filho, com que pecaram e com que fizeram pecar a

Israel, irritando ao Senhor, Deus de Israel com as suas vaidades. Zinri refugiou-se na parte

interior do palácio, pôs-lhe fogo, e pereceu nas chamas. I Reis 16.18

• Fez mal aos olhos do Senhor, fazendo pecar a Israel- I Reis 16.19.

06 – ONRI - Reinou 12 anos - I Reis 16.23

• Pai de Acabe I Reis 16. 28

• O povo o fez rei sobre Israel - I Reis 16.16-17

• Onri comprou de Semer o Monte de Samaria edificou a cidade e a chamou de Samaria - I Reis

16.24.

• E fez Onri o que era mal aos olhos do Senhor; e fez pior do que todos quantos foram antes dele

- I Reis 16.21-28

07 - TIBNI - Não diz o tempo

• Filho de Ginate - I Reis 16.21-22 08 - ACABE - Reinou 22 anos I Reis 16.29

• Filho de Onri - I Reis 16.28-30

• Fez o que era mal aos olhos do senhor, mais do que todos que foram antes dele - I Reis 16.30

• Casou-se com Jezabel, mulher idólatra, filha de Etbaal, rei dos sidônios, edificou altar ao deus

Baal e o serviu. I Reis 16.30.33

• Você pode ler toda a história do rei Acabe, e de sua mulher Jezabel, como eles foram maus,

perversos e idólatras, em: I Reis capítulos 17 ao cap. 21. Cap. 22.1-40 II Crônicas 18.1-34.
09 - ACAZIAS - Reinou 2 anos - I Reis 22.52

• Filho de Acabe - I Reis 22.40 - II Reis 1. 1-18

• E fez o que era mau aos olhos do SENHOR; porque andou nos caminhos de seu pai, como

também nos caminhos de sua mãe, e nos caminhos de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a

Israel. E serviu a Baal, e se inclinou diante dele, e indignou ao SENHOR, Deus de Israel, conforme

tudo quanto fizera seu pai. I Reis 22.52-54

• Acazias caiu pelas grades de um quarto alto, buscou socorro em Baal-Zebute, adoeceu e morreu

- II Reis 1.2-18.

10 - JORÃO - Reinou 12 anos - II Reis 3.1 - II Reis 1.17

• Irmão de Acazias e também filho de Acabe - II Reis 3.1 - II Reis 8.16 - II Reis 8.25-29

• E fez o que era mau aos olhos do senhor; porém não como seu pai, nem como sua mãe; porque

tirou a estátua de Baal, que seu pai fizera. Contudo, aderiu aos pecados de Jeroboão, filho de

Nebate- que fizera pecar a Israel; não se apartou deles - II Reis 3. 2-3

• Pediu ao rei de Judá Josafá para ir com ele à guerra contra os moabitas - II Reis 3.5-27

• Jeú mata Jorão - II Reis 9.14-25 4

11 – JEÚ - Reinou 28 anos - II Reis 10.36

• Filho de Josafá - II Reis 9.2

• Ungido rei por Eliseu - II Reis 9,1-6

• Jeú extermina a casa do rei Acabe - II Reis 10.1-14

• Jeú encontra a Jonadabe e mata os servos de Baal - II Reis 10.15-30

• Jeú não se apartou de seguir os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel, a

saber, dos bezerros de ouro, que estavam em Betel e em Dã. Não teve cuidado de andar com todo

o coração na lei do Senhor, Deus de Israel, nem se apartou dos pecados de Jeroboão que fez

pecar a Israel - II Reis 10 29- 31.

12 - JEOACAZ - Reinou 17 anos - II Reis 13.1

• Filho de Jeú - II Reis 13.1 - II Reis 10.35

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; porque seguiu os pecados de Jeroboão, filho de

Nebate, que fez pecar a Israel; não se apartou deles. Pelo que a ira do Senhor se acendeu contra

Israel, o qual os deu na mão de Hazael, rei da Síria, e na mão de Ben-Hadade, filho de Hazael,

todos aqueles dias - II Reis 13.2-9

• Jeoacaz suplicou diante da face do senhor, e o Senhor o ouviu; pois viu a opressão de Israel,

porque os oprimia o rei da Síria - II Reis 13.4


13 - JEOÁS - Reinou 16 anos - II Reis 13.10

• Filho de Jeoacaz - II Reis 13.9

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; não se apartou de nenhum dos pecados de Jeroboão,

filho de Nebate, que fez pecar a Israel, porém andou neles - II Reis 13.11

• Morte de Jeoás - II Reis 13.13

14 – JEROBOÃO - Reinou 41 anos II Reis 14.23

• Filho de Jeoás - II Reis 14.23 - E fez o que era mal aos olhos do Senhor; nunca se apartou de

nenhum dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel. II Reis 14.24

• Jeroboão pelejou e reconquistou Damasco e Hamate, pertencentes a Judá - II Reis 14.25-29

15 - ZACARIAS - Reinou 6 meses - II Reis 15.8

• Filho de Jeroboão II - II Reis 14:29; II Reis 15.8

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor, como tinham feito seus pais; nunca se apartou dos

pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel - II Reis 15.9

• Salum, filho de Jabes, conspirou contra ele, e o feriu diante do povo, e o matou, e reinou em seu

lugar - II Reis 15.10-11.

16- SALUM - Reinou um mês inteiro - II Reis 15.13

• Filho de Jabes - II Reis 15.10 e 13 5

• Menaém, filho de Gadi, subiu de Tirza, e veio a Samaria, e feriu a Salum, filho de Jabes, em

Samaria, e o matou, e reinou em seu lugar - II Reis 15.14-15

17 – MENAÉM - Reinou 10 anos - II Reis 15.17

• Filho de Gadi - II Reis 15.14,17 - Então, Menaem feriu a Tifsa e todos os que nela havia, como

também seus termos desde Tirza, porque não lha tinham aberto; e os feriu, pois, e todas as

mulheres grávidas fendeu pelo meio- II Reis 15.16 –

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; todos os seus dias se não apartou dos pecados de

Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel - II Reis 15.18 –

• Menaém tirou de Israel mil talentos de prata ( 3 toneladas e 272 kilos) e deu a Pul, rei da Assíria

para unir-e ao rei - II Reis 15.19-20

• Morte de Menaém - II Reis 15.21-22

18 – PECAÍAS - Reinou 2 anos - II Reis 15.23 • Filho de Menaém - II Reis 15.23 –

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; nunca se apartou dos pecados de Jeroboão, filho e
Nebate, que fez pecar a Israel - II Reis 15.24

• E Peca, filho de Remalias, seu capitão, conspirou contra ele e o feriu em Samaria, no paço da

casa do rei, juntamente com Argobe e com Arié; e com ele estavam cinqüenta homens dos filhos

dos gileaditas e o matou e reinou em seu lugar - II Reis 15.25-26.

19 – PECA - Reinou 20 anos - II Reis 15.27 • Filho de Remalias - II Reis 15.25 - Isaías 7.1,4

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; nunca se apartou dos pecados de Jeroboão, filho e

Nebate, que fez pecar a Israel - II Reis 15.28-29

• Nos dias de Peca, rei de Israel, veio Tiglate-Pileser, rei da Assíria, e tomou a Ijom, e

AbelBeteMaaca, e a Janoa, e a Quedes, e a Hazor, e a Gileade, e à Galiléia, e à toda a terra de

Naftali, e os levou para a Assíria - II Reis 15.29

• E Oséias, filho de Elá, conspirou contra Peca, filho de Remalias, e o feriu,e o matou, e reinou em

seu lugar, no vigésimo ano de Jotão, filho de Uzias - II Reis 15.30-31

• Ora, o mais dos atos de Peca e tudo quanto fez, eis que estão escritos no livro das Crônicas dos

Reis de Israel - II Reis 15.31.

20 – OSEÍAS - Reinou 9 anos - II Reis 17.1

• Filho de Elá - II Reis 15.30 - II Reis 17.1

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor; contudo, não como os reis de Israel que foram antes

dele. II Reis 17.2

• Depois de reinar 9 anos, Assíria levou Israel para o Cativeiro - No ano nono de Oséias, o rei da

Assíria tomou a Samaria, e transportou a Israel para a Assíria, e fê-los habitar em Hala e em

Habor, junto ao rio Gozã, e nas cidades dos medos. E sucedeu assim por os filhos de Israel

pecarem contra o SENHOR, 6 seu Deus, que os fizera subir da terra do Egito, de debaixo da mão

de Faraó, rei do Egito; e temeram a outros deuses - II Reis 17.15-23

A QUEDA DE SAMARIA - REINO NORTE - ISRAEL SE DEU EM 722 a. C.

O Reino Norte é derrotado e levado cativo para Assíria, por Salmaneser, rei da Assíria em 722 a.C

II Rs.17.3-6 - II Rs.18.9-12 - Aproximadamente 208 anos após a divisão do Reino Unido.

136 anos após a queda de Samaria , Reino Norte - Judá, o Reino Sul foi derrotado e levado cativo

para Babilônia por Nabucodonosor 586 a.C (aproximadamente 344 anos após a divisão do Reino)

Relato em II Rei 24.1-20 - II Reis 25.1-22 - II Crônicas 36.5-21

Comentário do Dicionário John D. Davis - Assim o reino Norte foi para o cativeiro, não foi

pelas iniqüidades de Oséias; o copo das iniqüidades de Israel vinha-se enchendo havia séculos. Os

pecados de Oséias foram a última gota que fez transbordar.


Após este estudo, devemos refletir:

De quem e quais os conselhos estamos seguindo? Estamos tirando as imundícias da Casa do

Senhor, ou fingindo que não estamos vendo? Diante dos “ídolos Asera”, “Baal” e tantos outros,

como estamos procedendo? Por eles estarem no meio de nossa família, vamos aceitá-lo ou

destruí-lo? Qual a biografia que estamos deixando escrita, referente aos nossos atos, perante

Deus, a Igreja e a família? Será que estamos sendo fiéis com o ministério que o Senhor Jesus

colocou em nossas mãos? Aqueles talentos preciosos que o Senhor Jesus confiou a nós, o que

estamos fazendo? Enterrando-os? Ou multplicando-os?

• O rei Salomão, introduziu o culto idólatra em Israel - I Reis 11.1-3

• Jeroboão induziu Israel a praticar a Idolatria, construindo dois altares, cultuando dois bezerros

de ouro, um em Dã e outro em Betel - I Reis 12.26-30 - Resultado, Israel foi para o cativeiro, e lá

permaneceu por 70 anos.

• O rei Asa aboliu a idolatria, renovou o pacto do Senhor e destruiu o horrível ídolo Asera que sua

mãe ou avó adorava - Asera - I Reis 15.13

• O rei Ezequias mandou purificar o templo, estabeleceu o culto de Deus, celebrou a Páscoa e

organizou as turmas dos sacerdotes e levitas. II Reis 18

O REINO DIVIDIDO – APÓS A MORTE DE SALOMÃO em 930 a.C

REINO SUL - JUDÁ E BENJAMIM

01 – ROBOÃO - Reinou 17 anos - I Reis 14.21

• Filho de Salomão - I Reis 14.21

• Roboão causa separação entre as 12 tribos - I Reis 12.1-23 - II Crônicas 10.1-19

• A impiedade de Roboão - I Reis 14.21-30

• Deus proíbe fazer guerra contra as dez tribos - II Crônicas 11.1-12 7

• Deus castiga Roboão por causa da idolatria - II Crônicas 12.1-15

• Morte de Roboão - I Reis 14.31 - II Crônicas 12.16.

02 – ABIAS - Reinou 3 anos - II Crônicas 13.2 - I Reis 15.1-2

• Filho de Roboão - I Reis 14.31- II Crônicas 12.16

• Abias imita a impiedade de Roboão seu pai - I Reis 15.1-7

• Abias reina e peleja contra Jeroboão - II Crônicas 13.1-22

• Morte de Abias - II Crônicas 14.1 - I Reis 15.8 - Andou em todos os pecados que seu pai tinha

cometido antes dele; e seu coração não foi perfeito para com Deus,como o coração de Davi seu

pai - I Reis 15.3.


03 – ASA - Reinou 41 anos - I Reis 15.9-10 - II Crônicas 16.13

• Filho de Abias - I Reis 15.8-II - Crônicas 14.1

• Asa reina e vence a Zerá, o etíope - II Crônicas 14.1-15

• Asa é bom rei sobre Israel - I Reis 15.1-23 • Asa e o rei da Síria pelejam contra Baasa - II

Crônicas 16.1-11

• Destruiu o ídolo Asera que Maaca, sua mãe ou avó adorava – I Reis 15.9-13

• Asa abole a idolatria e renova o pacto do Senhor - II Crônicas 15.1-19 - Fez o que era reto aos

olhos do Senhor, como Davi seu pai - I Reis 15.11

• Asa adoeceu e não buscou a Deus na sua enfermidade - II Crônicas 16.12 - Morte de Asa - II

Crônicas 16.13-14 - I Reis 15.24

• Geração do rei Asa - Abraão, Isaque, Jacó, Judá - Perez - Esrom - Arão (não é o irmão de

Moisés) Aminadabe, Naasom, Salmom, Boaz, Obede, Jessé, Davi, Salomão, Roboão, Abias, e Asa -

a 17ª geração depois de Abrão.

04 – JOSAFÁ - Reinou 25 anos - I Rs. 22.42 - II Cr. 20.31

• Filho de Asa - II Cr.16.13-14 - II Cr.17.1 - I Rs.15.24 - I Rs. 22.41

• Acabe, rei de Israel, faz aliança com o rei Josafá - I Reis 22.1-40 - II Crônicas 18.1-27 • Josafá e

o seu cuidado em instruir o povo - II Crônicas 17.1-19

• A guerra contra Ramote-Gileade e morte de Acabe - II Cr. 18.28-34.

• O profeta Jeú repreende a Josafá - II Crônicas 19.1-11

• Deus concede a Josafá vitória sobre os seus inimigos II Crônicas 20.1-37

• E andou em todos os caminhos de Asa, seu pai, não se desviou deles, fazendo o que era reto

aos olhos do Senhor - I Reis 22.43 - II Crônicas 20.32

• O reinado de Josafá e a sua morte - I Reis 22.41-52 II Crônicas 21.1.

05 – JEORÃO OU JORÃO- Reinou 8 anos - II Crônicas 21.5,20 - II Reis 8.17

• Filho de Josafá II Reis 8.16 - II Crônicas 21.1 Em I Reis 22.51 - lê-se Jorão

• O reinado de Jeorão - II Reis 8.16-23

• Impiedade de Jeorão - II Crônicas 21.1-17 8

• O Senhor o feriu com uma enfermidade incurável. Morreu sem deixar de si saudades - II

Crônicas 21.18- 20.

• Morte de Jeorão II Reis 8.24

• Jeorão foi mal: matou todos os seus irmãos a espada, como também alguns dos príncipes de
Israel II Crônicas 21.4

• Ele também fez altos nos montes de Judá, e fez com que se corrompessem os moradores de

Jerusalém, e até a Judá impeliu a isso II Crônicas 21.11

• E andou nos caminhos dos reis de Israel, como fazia a casa de Acabe; porque tinha a filha de

Acabe por mulher e fazia o que era mau aos olhos do Senhor. II Crônicas 21.6

06 – ACAZIAS - Reinou um ano - II Reis 8.26 - II Crônicas 22.2

• Filho de Jeorão - II Crônicas 22.1 - II Reis.8.24-25

• Acazias rei de Judá - II Reis 9.29

• E os moradores de Jerusalém fizeram rei a Acazias, seu filho mais moço, em seu lugar, (de

Jeorão), porque a tropa que viera com os arábios ao arraial tinha matado a todos os mais velhos;

e assim reinou Acazias, filho mais novo de Jeorão rei de Judá. Também andou nos caminhos da

casa de Acabe, porque sua mãe era sua conselheira, para proceder impiamente.

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor, como a casa de Acabe, porque eles eram seus

conselheiros depois da morte de seu pai (Jeorão) para sua perdição- II Crônicas 22.1,3-4

• O Reinado de Acazias - II Reis. 8.25-29 - Acazias reina e é morto por Jeú - II Cr. 22.1-10 II Reis

9.16-28.

07 – ATALIA - Reinou 6 anos - II Reis 11.3 - II Crônicas 22.12

• Mãe do rei Acazias - II Reis 11.1 - II Crônicas 22.10

• A rainha Atalia manda matar a família real - II Crônicas 22.10-12

• Morte de Atália - II Reis 11.1-21 - II Crônicas 23.12-15 - II Crônicas 23.21

• Foi uma rainha má e vingativa - Destruiu toda a descendência real - II Reis 11.15-18

• Após a morte de Atália, o povo da terra entrou na casa de Baal, e a derribaram, como também

os seus altares e as suas imagens totalmente quebraram, e a Matã, sacerdote de Baal, mataram

perante os altares; então o sacerdote pôs oficiais sobre a Casa do senhor. II Crônicas 23.17-19

• Atalia foi uma mulher idólatra - Porque, sendo Atalia ímpia, seus filhos arruinaram a Casa de

Deus e até todas as coisas sagradas da Casa do Senhor empregaram em baalins (plural de Baal) -

II Crônicas 24.7

08 – JOÁS - Reinou 40 anos II Crônicas 24.1 - II Reis 12.1

• Filho de Acazias - II Reis 11.2 - II Reis 13.1 II Crônicas 22.11

• Joás começou a reinar com sete anos - II Crônicas 24.2 - II Reis 11.21

• Joás escapou de ser morto por Atália, porque Jeoseba, filha do rei Jeorão o escondeu - II Reis

11.2 - II Crônicas 22.11

• Joás manda reparar o templo - II Reis 12.1-21 - II Crônicas 24.1-16 - II Crônicas 24.17-22
• Juízo de Deus sobre Joás - II Crônicas 24.23-27 9

• E fez Joás o que era reto aos olhos do Senhor, todos os dias do sacerdote Joiada - II crônicas

24.2

• A idolatria de Joás - II Crônicas 24.17-22 • O juízo de Deus sobre Joás - II Crônicas 24.23-27

09 -AMAZIAS - Reinou 29 anos - II Reis 14.2 - II Crônicas 25.1

• Filho de Joás - II Reis 12.21 - II Reis 14.1 II Crônicas 24.27

• E fez o que era reto aos olhos do Senhor, porém não com coração inteiro. Sucedeu, pois que,

sendo-lhe o reino já confirmado, matou a seus servos que feriram o rei seu pai - II Crônicas 25.2-

• Amazias mata os matadores de seu pai - II Reis 14.5-18

• Amazias vence os edomitas - II Crônicas 25.5-13

• Deus castiga Amazias por causa da idolatria - II Crônicas 25.14-26

• Morte de Amazias - II Crônicas 25.27-28 - Morte de Amazias - II Reis 14.19-20.

10 – UZIAS OU AZARIAS - Reinou 52 anos - II Reis 15.1-2

• Em II Crônicas 26.3, diz que ele reinou 55 anos

• Filho de Amazias - II Reis 14.21-22 - II Reis 15.1 - II Crônicas 26.1

• É chamado de Azarias - II Reis 15.1-7 - Uzias o mesmo Azarias- Confira pelo nome da mãe, é a

mesma pessoa, portanto é o mesmo rei - II Crônicas 26.3

• Era Uzias da idade de dezesseis anos quando começou a reinar e cinqüenta e cinco anos reinou

em Jerusalém; e era o nome de sua mãe Jecolias, de Jerusalém - II Reis 15.1-2 - No ano vinte e

sete de Jeroboão, rei de Israel, começou a reinar Azarias, filho de Amazias, rei de Judá. Tinha

dezesseis anos quando começou a reinar e cinqüenta e dois anos reinou em Jerusalém; e era o

nome de sua mãe Jecolias, de Jerusalém. Uzias ou Azarias reina e prospera - II Crônicas 26.1-15

• Azarias ou Uzias- fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo o que fizera Amazias

seu pai, porém morreu leproso - Uzias é atacado de lepra - II Crônicas 26.16-23 - II Reis 15. 1-7 -

E fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo que fizera Amazias seu pai. Porque deu-

se a buscar a Deus nos dias de Zacarias, sábio nas visões de Deus; e, nos dias em que buscou o

Senhor, Deus o fez prosperar. II Crônias 26.4-5 - Uzias morreu leproso, porque exaltou-se o seu

coração, até se corromper. Entrou no templo para queimar incenso no altar do incenso. Isto não

era para ele fazer, e sim os sacerdotes. II Crônicas 26.16-23.

11 - JOTÃO - Reinou 16 anos - II Reis 15.32-33 - II Crônicas 27.1,8

• Filho de Uzias - II Crônicas 26.23 - II Reis 15.5-7 –


• I Reis 15.32 - Jotão reina bem e vence os amonitas.

• II Crônicas 27.1-5 - E fez o que era reto aos olhos do Senhor, fez conforme tudo quanto fizera

Uzias, seu pai.

• II Reis 15.34 - Assim se fortificou Jotão, porque dirigiu os seus caminhos na presença do

Senhor, seu Deus - II Crônicas 27.6

• Morte de Jotão – II Crônicas 27.7-9 - II Reis 15.38 10

12 – ACAZ - Reinou 16 anos - II Reis 16.1-2 - II Crônicas 28.1

• Filho de Jotão - II Reis 15.38 - II Crônicas 27.9

• Tinha Acaz vinte anos de idade quando começou a reinar, e reinou dezesseis anos em

Jerusalém, e não fez o que era reto aos olhos do SENHOR, seu Deus, como Davi, seu pai. Porque

andou no caminho dos reis de Israel e até a seu filho fez passar pelo fogo, segundo as

abominações dos gentios, que o SENHOR lançara fora de diante dos filhos de Israel. Também

sacrificou e queimou incenso nos altos e nos outeiros, como também debaixo de todo arvoredo II

Reis 16.2-4

• Acaz submeteu-se ao domínio do rei da Assíria, dizendo: Eu sou teu servo, tomou o ouro e a

prata na Casa do senhor e mandou de presente ao rei da Assíria. II Reis 16.7-9

• Acaz copiou o altar de Damasco e mandou o modelo para o sacerdote Urias fazer, tirou o altar

de cobre que estava perante o Senhor - II Reis 16.10-19

• Acaz é ímpio, e os siros afligem-no - II Crônicas 28.1-15

• Acaz busca o socorro dos reis da Assíria e não o acha - II Crônicas 28.16-26

• E ajuntou Acaz os utensílios da Casa de Deus, e os fez em pedaços, e fechou as portas da Casa

do SENHOR, e fez para si altares em todos os cantos de Jerusalém. II Crônicas 28.24 - II Reis

16.10-19 • Morte de Acaz- II Reis 16.20 - II Crônicas 28.27.

13- EZEQUIAS - Reinou 29 anos- II Crônicas 29.1

• Filho de Acaz - II Crônicas 28.27 - II Reis 16.20

• E fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo quanto fizera Davi, seu pai II Crônicas

29.2 • Ezequias estabelece o culto do Senhor - II Reis 18.1-12

• No reinado de Ezequias, o rei da Assíria invade Judá - II Reis 18.13-37

• Ezequias ora na Casa do Senhor - II Reis 19.1-19

• Ezequias manda purificar o templo II Crônicas 29.1-11

• Os levitas purificam o Templo - II Crônicas 29.12-19

• Ezequias manda purificar o templo, fala aos levitas: Santificai-vos agora, santificai a Casa do

Senhor e tirai do santuário a imundícia - II Crônicas 29.5 - II Crônicas 30.1-27

• Ezequias restabelece o culto de Deus II Crônicas 29.20-36 - II Reis 18.1-12


• Ezequias convida o povo a vir a Jerusalém para celebrar a páscoa - II Crônicas 30.1-27

• Ezequias ora na Casa do Senhor - II Reis 19.1-19

• O profeta Isaías conforta o rei Ezequias - II Reis 19.20-34

• Deus fere os assírios e livra Judá - II Reis 19.35-37

• Ezequias adoece II Reis 20.1-11 - Isaías 38.1-5

• O orgulho de Ezequias - Isaías 39.1-8

• A embaixada do rei de Babilônia II Reis 20.12-20

• Ezequias regula as turmas dos sacerdotes e levitas - II Crônicas 31.2-21

• Senaqueribe invade Judá, e Deus destrói o seu exército - II Crônicas 32.1-23

• Doença e morte de Ezequias - II Crônicas 32.24-33 • Morte de Ezequias - II Reis 20-.21. 11

14 – MANASSÉS - Reinou 55 anos - II Crônicas 33.1 - II Reis 21.1

• Filho de Ezequias II Crônicas 32.33 - II Reis 20.21

• A impiedade de Manasses e as ameaças de Deus - II Reis 21.1-17

• Morte de Manasses - II Reis 21.18 • A idolatria de Manasses - II Crônicas 33.1-10

• O cativeiro de Manasses, sua oração e morte - II Crônicas 33.11-20

15 – AMOM - Reinou 2 anos - II Crônicas 33:21- II Reis 21.19

• Filho de Manassés - II Reis 21.18 - II Crônicas 33.20

• Este não é o Amom descendente dos moabitas - Amom é um mau rei, e os seus servos o matam

- II Reis 21.19-26

• O reinado de Amom e a sua impiedade - II Crônicas 33.21-25 - E fez o que era mal aos olhos do

Senhor, como havia feito Manasses, seu pai, porque Amom sacrificou a todas as imagens de

escultura que Manasses seu pai, tinha feito e as serviu. Mas não se humilhou perante o Senhor,

como Manasses seu pai, se humilhara; antes, multiplicou Amom os seus delitos. II Crônicas

33.22-23

16 – JOSIAS - Reinou 31 anos – II Reis 22.1 - II Crônicas 34.1

• Começou a reinar com 8 anos de idade II Crônicas 34.1 - II Reis 22.1

• Filho de Amom - II Reis 21.26 - II Crônicas 33.25

• Josias repara o templo - II Reis 22.1-7 Josias repara o templo, Hilquias acha o livro da Lei - II

Crônicas 34.8-2

• Hulda, a profetisa prediz a ruína de Jerusalém - II Crônicas 34.22-28

• Josias convoca o povo à Casa do Senhor - II Crônicas 34.29-33

• Josias ajunta todo o povo e renova o pacto do Senhor - II Reis 23.1-14 • O altar de Betel é

profanado e derribado - II Reis 23.15-20


• Josias abole a idolatria - II Crônicas 34.1-7

• A celebração da Páscoa - II Reis 23.21-28 - II Crônicas 35.1-19

• Josias provoca o rei do Egito e é morto - II Crônicas 35.20-27

• Morte de Josias - II Reis 23.29-30

17 – JOACAZ - Reinou 3 meses em Jerusalém - Reis 23.31- II Crônicas 36.2

• Filho de Josias - II Reis 23.30 II Crônicas 36.1

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor, conforme tudo o que fizeram seus pais - II Reis 23.32

• Porém Faraó Neco o mandou prender em Ribla, em terra de Hamate, para que não reinasse em

Jerusalém; e à terra impôs a pena de cem talentos de prata (340 kg) e um talento de ouro

(34,272 kg) - II Reis 23.33

• Também Faraó Neco estabeleceu rei a Eliaquim, filho de Josias, em lugar de Josias, seu pai, e

lhe mudou o nome em Jeoaquim; Porém a Joacaz tomou consigo, e veio ao Egito e morreu ali - II

Reis 23.34

• Joacaz é levado cativo para o Egito - II Crônicas 36.1-4 12

18 – JEOAQUIM - Reinou 11 anos - II Crônicas 36.5 - II Reis 23.36

• Filho de Josias - II Reis 23.34

• Irmão de Joacaz II Crônicas 36.4

• Seu 1º nome foi Eliaquim - II Reis 23.34 - II Crônicas 36.4

• E fez o que era mal aos olhos do Senhor, conforme tudo quanto fizeram seus pais - II Reis 24.37

• Nabucodonosor o amarrou em cadeias e o levou cativo para Babilônia, também alguns utensílios

da casa do Senhor, levou Nabucodonosor. II Crônicas 36.6-7 - II Reis 24.1-5

• Final do reinado de Jeoaquim - II Crônicas 36.8 • Morte de Jeoaquim - II Reis 24.6

19- JOAQUIM - Reinou 3 meses - II Reis 24.8 - II Crônicas 36.9

• Filho de Jeoaquim - II Reis 24.6 - II Crônicas 36.8

• Durante o reinado de Joaquim, o rei de Babilônia o levou cativo, transportou os utensílios da

Casa do Senhor, os príncipes e os homens valorosos, e todos os carpinteiros e ferreiros; ninguém

ficou, senão o povo pobre da terra. - Ler II Reis 24.8-17

• E, no decurso de um ano, o rei Nabucodonosor mandou que o levassem à Babilônia, como

também os mais preciosos utensílios da Casa do Senhor, e pôs a Zedequias, seu irmão, rei sobre

Judá e Jerusalém II Crônicas 36.10

• E o rei de Babilônia estabeleceu rei, em lugar de Joaquim, ao tio deste, Matanias, e lhe mudou o

nome para Zedequias - II Reis 24.17.


20 – ZEDEQUIAS (MATANIAS) - Reinou 11 anos em Jerusalém - II Reis 24.18 - II Crônicas

36.11 • Último rei de Judá – O rei de Babilônia mudou o seu nome para Zedequias - era tio de

Joaquim II Reis 24.17 • E fez o que era mau aos olhos do Senhor, seu Deus; nem se humilhou

perante o profeta Jeremias, que falava da parte do Senhor - II Crônicas 36.12

• Zedequias reina e é levado, com o seu povo,cativo para babilônia - II Reis 25.1-22 - II Crônicas

36.10-21

• No 9º ano do reinado de Zedequias, Nabucodonosor rei de Babilônia, veio contra Jerusalém, e a

cidade foi sitiada, arrombada, e Zedequias foi levado cativo para Babilônia. Seus filhos foram

degolados, os olhos de Zedequias vazados, e ele foi atado com duas cadeias de bronze. Leia tudo

isto e mais, em - II Reis 25 - II Crônicas 36.13-21

QUEDA DE JERUSALÉM - (587-586)

Israel e Judá tiveram muitas oportunidades para se consertarem, mas permaneceram na

desobediência.

Assim, o Reino Norte - Israel, foi levado cativo para Assíria por Salmaneser, rei da Assíria em 722

a.C. Judá, o Reino Sul, levado para o cativeiro em Babilônia, pelo rei Nabucodonosor em 587 a.C -

permanecendo lá 70 anos, conforme profetizou o profeta Jeremias

• Jeremias 25,12 - Acontecerá, porém, que, quando se cumprirem os setenta anos, visitarei o rei

da Babilônia, e esta nação, diz o SENHOR, castigando a sua iniqüidade, e a da terra dos caldeus;

farei deles um deserto perpétuo.

• Jeremias 29.10 - Porque assim diz o SENHOR: Certamente que, passados setenta anos na

Babilônia, vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tornando-vos a trazer a este

lugar. • Daniel 9.2 - no ano primeiro do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número

de anos, de que falou o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de acabar as assolações de

Jerusalém, era de setenta anos.

Isto é o resultado da desobediência. CATIVEIRO

Deus usou o profeta Ezequiel, para falar ao vale de ossos secos, que Ele Deus, ia restaurar Israel

e Judá e unir novamente, após o cativeiro Ezequiel, capítulo 37.19-23

Fonte: http://www.betania.org.br/
SEMINÁRIO TEOLÓGICO ESCOLA DE PASTORES

Curso de Imersão Bíblica

Disciplina: Panorama do Antigo Testamento

Professor: Alexsander de Carvalho

Manassés ( /məˈnæsə/; em hebraico: ‫ ְמנ ֶַּׁשה‬Mənaššeh; em acádia: Menašši (written me-na-si-i);

em grego: Μανασσῆς; em latim: Manasses), filho de Ezequias e de Hefzibá, foi o 14º rei de Judá,

governando de 686 (aprox.) a 642 a.C. A principal fonte de informação sobre ele são as escrituras

sagradas, estando a sua história registrada nos livros de II Reis 21:1-18 e II Crônicas 33:1-20.

Manassés nas fontes bíblicas[editar | editar código-fonte]

Segundo a Bíblia, Manassés iniciou seu reinado aos 12 anos e, por 55 anos, governou

em Jerusalém.

Os textos bíblicos informam que Manassés não exerceu a devida liderança religiosa que

desempenhou seu pai. Promoveu a idolatria a Baal, reconstruindo os altares destruídos por seu

pai. Promoveu práticas de magia e adivinhação e introduziu até mesmo nos pátios do templo ritos

e altares indevidos. Um dos extremos dessa chamada idolatria foi o sacrifício humano, tendo

incluído os seus próprios filhos.

Fez ele também passar os seus filhos pelo fogo no vale do Filho de Hinom, e usou de

adivinhações, e de agouros, e de feitiçarias, e consultou adivinhos e encantadores, e fez

muitíssimo mal aos olhos de JEOVÁ, para o provocar à ira. (II Crônicas 33:6)

As Escrituras diz também que Manassés não ouviu os profetas, e a tradição judaica menciona que

ordenou a morte de Isaías, serrando-o em pedaços.

- A situação política[editar | editar código-fonte]

A Assíria era a potência dominante naquela época e algumas décadas antes havia devastado o

reino de Israel, bem como invadido Judá, quando o seu pai ainda governava, mas não obteve

sucesso em invadir Jerusalém.

Os reis assírios Assurbanípal e Assaradão listavam Manassés como rei tributário, e inclusive, a

mesma Assíria levara Manassés cativo, por certo tempo.


De acordo com o livro de II Crônicas, a prisão de Manassés teria se dado por uma repreensão

divina pelo fato do povo não ter dado ouvidos para se arrependerem de seus pecados:

E falou JEOVÁ a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos. Pelo que JEOVÁ trouxe sobre

eles os príncipes do exército do rei da Assíria, os quais prenderam Manassés entre os espinhais, e

o amarraram com cadeias, e o levaram à Babilônia. (II Cr 33:10-11)

- Mudança de atitude do rei e atos finais[editar | editar código-fonte]

Após ser preso pelos assírios, ainda no cativeiro, Manassés arrependeu-se amargamente de seu

proceder, fez uma sincera oração a Deus e resolveu mudar de atitude.

E ele angustiado, orou deveras a JEOVÁ seu Deus, e humilhou-se muito perante o Deus de seus

pais, e lhe fez oração e Deus se aplacou para com ele e ouviu a sua súplica, e o tornou a trazer a

Jerusalém, ao seu reino; então reconheceu Manassés que JEOVÁ é Deus. (II Cr 33:12-13)

Foi então liberto por Deus, voltou a Jerusalém e removeu os altares de idolatria que havia

construído. Passou a incentivar as mitzvot e a oferecer os devidos sacrifícios, retirando do templo

os objetos de profanação.

Manassés ainda construiu uma muralha externa para defender sua cidade.

Reconstrução de Judá[editar | editar código-fonte]

Após a desastrosa revolta de Ezequias contra a Assíria, Manassés herdou de seu pai um reino

devastado, reduzido territorialmente e gravado com um pesado tributo a ser mandado,

anualmente, para Nínive. Recuperar o reino desse desastre, exigiu longos anos de esforço

concentrado, conduzido pelo rei e seus assessores.

A primeira providência de Manassés consistiu em garantir que Judá pudesse trabalhar em paz.

Para isso, ele cultivou a benevolência da Assíria, mostrando-se um vassalo fiel e prestativo. Um

documento da época de Assaradão, sucessor de Senaqueribe no trono assírio, menciona Manassés

fornecendo abundante material de construção para um projeto real em Nínive. O rei seguinte,

Assurbanípal, lista o judeu entre os soberanos que lhe enviaram presentes e o ajudaram a

conquistar o Egito. O sucesso dessa política pode ser atestado no fato de Manassés ter conseguido

reduzir o valor do tributo imposto ao seu reino. Um texto do século VII a.C. mostra que esse

tributo tornou-se menor do que o cobrado de Amon e Moab, reinos vizinhos de Judá. Quanto ao

relato (2Crônicas 33,11) sobre a prisão de Manassés pelos assírios na Babilônia, sua credibilidade

histórica é bastante discutível.

Perdida a fértil região de Shephelah, restou a Manassés intensificar a produção agrícola nas terras

ao sul de Jerusalém, valendo-se do crescimento populacional dessa área, para onde se dirigiram
os que escaparam da investida assíria. Com investimentos públicos e o esforço concentrado da

população, essas terras, originalmente áridas, passaram a suprir cerca de 1/4 das necessidades de

grãos do reino.

Mas o principal êxito de Manassés, em seu projeto de reconstrução de Judá, consistiu em integrar

seu reino à economia internacional da Assíria, sobretudo ao comércio de produtos exóticos que

fluía da Arábia. Algumas das importantes rotas de caravanas atravessavam territórios ainda

controlados pelo reino judaico, circunstância que Manassés soube explorar em seu favor.

Escavações arqueológicas descobriram dois grandes fortes construídos nessa época, no interior do

deserto, para proteger os mercadores. Além disso, inscrições encontradas em diversos sítios em

Judá evidenciam suas conexões comerciais com a Arábia. È também possível que o casamento de

Manassés com Mesulemete (de provável procedência árabe) tenha resultado dos interesses

econômicos do rei judaico.

No texto bíblico, Manassés é execrado como o monarca mais pecaminoso do Reino de Judá (2Reis

21,3-7), por ter reintroduzido a idolatria, permitindo a reconstrução de altares destruídos por seu

pai. Ele chega a ser responsabilizado pela futura destruição de Jerusalém pelos babilônios, fato

que somente ocorreria no século seguinte. Provavelmente, para obter a cooperação dos anciãos

das aldeias e dos clãs, ao seu projeto de reconstrução econômica do reino, o monarca permitiu a

retomada dos cultos populares a Baal, aos postes sagrados (Asherat) e aos astros do céu. Essas

práticas religiosas, executadas em altares ao ar livre, sempre existiram nas áreas rurais do país,

independente do culto oficial a IHWH, centrado no Templo de Jerusalém.

O Reino de Judá jamais se recuperou plenamente do desastre causado pela expedição punitiva de

Senaqueribe. Mas quando Menassés morreu, o país havia restaurado parte de seu vigor

econômico, apresentando uma situação bem mais confortável do que o cenário de desolação

deixado por Ezequias.

Ver também[editar | editar código-fonte]

 Oração de Manassés

 II Crônicas

 Bíblia on-line: II Crônicas, 33

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

 Sucessão: Bíblia, II Reis 20:21

 Nome da mãe: Bíblia, II Reis 21:1


Manassés – Idolatria e reforma

A Manassés se credita o mais longo reinado da história de Judá (2 Rs 21.1-17; 2 Cr 33.1-20);


incluindo a década da co-regência com Ezequias, foi rei por um dilatado período de cinqüenta
e cinco anos (696-642 a.C.). mas o governo foi a antítese do de seu pai. Desde o pináculo do
fervor religioso, o Reino do Sul foi lançado a mais negra idolatria que se conheceu sob o
mando de Manassés. Em caráter e na prática, se parecia com seu avô, Acaz, ainda que este
último tivesse morrido antes do nascimento de Manassés. Muito provavelmente, Manassés
não começasse a revirar a política de seu pai até depois de sua morte.

Voltando a construir os "lugares altos", erigindo altares a Baal e construindo aserins, Manassés
assumiu a imposição de uma tremenda idolatria, tal e como Acabe e Jezabel tinham praticado
no Reino do Norte. Mediante ritos religiosos e cerimônias, se instituiu o culto às estrelas e aos
planetas. Inclusive a deidade amonita Moloque foi reconhecida pelo rei hebraico, no sacrifício
de crianças no vale de Hinom, nos arredores de Jerusalém. Os sacrifícios humanos eram um
dos mais abomináveis rituais da prática do paganismo cananeu, e foi associado pelo salmista
com o culto ao demônio (Salmo 106.36-37). A astrologia, a adivinhação e o ocultismo foram
oficialmente sancionados como práticas comuns. Em aberto desafio ao verdadeiro Deus, os
altares para o culto das hostes celestiais foram colocados nos átrios do templo, com imagens
entalhadas de Asera, a esposa de Baal, e também introduzidas no templo. Além disso,
Manassés derramou muito sangue inocente. Parece razoável inferir que muitas das vozes de
protesto diante de semelhante monstruosa idolatria fossem afogadas em sangue (2 Rs 21.16).
Já que a última menção do grande profeta Isaias está associada com Ezequias no relato bíblico,
é correto supor que seja verdade o martírio de Isaias pelo malvado rei Manassés. A moral e as
condições religiosas em Judá foram piores que as daquelas nações que tinham sido
exterminadas ou expulsadas de Canaã. Manassés, deste modo, representa o ponto mais baixo
da perversidade na longa lista dos reis da dinastia de Davi. Os juízos preditos por Isaias eram
coisa segura para chegar.

Os relatos históricos não indicam a extensão do que Manassés pôde ter sido influenciado pela
Assíria em sua conduta e política idólatra. Assíria alcançou o pináculo da riqueza e prestígio
sob Esar-Hadom e Assurbanipal. Sem discussão, Manassés obteve o favor político da Assíria
mediante a vassalagem, enquanto Esar-Hadom (681-669 a.C.) estendeu seu controle até o
Egito. Em contraste com Senaqueribe, Esar-Hadom adotou uma política conciliatória e
reconstruiu Babilônia. No 678 subjugou Tiro, embora o populacho escapou às fortalezas
próximas das ilhas. Mênfis foi ocupada no 673 e poucos anos mais tarde Tiraca, o último rei da
XXV Dinastia, foi capturado. Em sua lista de vinte e dois reis desde a nação hetéia, Esar-Hadom
menciona a Manassés, rei de Judá, entre aqueles que fizeram uma obrigada visita a Nínive no
678 a.C. embora a Babilônia tinha sido reconstruída por aquela época, nem resulta para nada
seguro que fosse tomada por Esar-Hadom [1]. Com a destruição de Tebas no 663 a.C.,
Assurbanipal estendeu o poder assírio a 805 km ao longo do Nilo, até o Alto Egito. Uma
sangrenta guerra civil estremeceu todo o império assírio (652) na rebelião de Samasumukim.
Com o tempo, a insurreição chegou a seu clímax com a conquista da Babilônia no 648, e outras
rebeliões tinham explodido na Síria e na Palestina. Judá pôde ter participado, unindo-se a
Edom e Moabe, que estão mencionadas nas inscrições assírias [2]. A autonomia de Moabe
terminou naquele tempo e o rei de Judá, Manassés, foi feito prisioneiro e levado para a
Babilônia, e depois libertado (2 Cr 33.10-13).

Apesar de não termos uma definitiva informação cronológica para datar o tempo exato do
cativeiro de Manassés e sua libertação, o relato bíblico está a favor da última década de seu
reinado. Se tiver sido capturado no 648 e inclusive devolvido a Jerusalém como rei vassalo no
mesmo ano, teve relativamente pouco tempo para desfazer as práticas religiosas que tinha
sustentado e favorecido durante tantos anos. contudo, se arrependeu no cativeiro e então
reconheceu a Deus. numa reforma que começou em Jerusalém, deu exemplo do temor de
Deus e ordenou ao povo de Judá servir ao Senhor Deus de Israel. Resulta duvidoso que esta
reforma fosse efetiva, dado que aqueles que tinham servido sob Ezequias e rendido o
verdadeiro culto, tinham sido anteriormente expulsados ou executados.

[1] Ver Unger, "Archaeology and the Otd Testament", pp. 280-281. Ele identifica este cativeiro
com 2 Cr 33.11

[2] Ver Albright, op. cit., p. 44.

Fonte: Samuel J. Schultz - A História de Israel no AT