Você está na página 1de 341

Í N DICE

JUAZEIRO
PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO DO NORTE - CEARÁ

Guarda Civil Metropolitana

112MR-19
EDITAL Nº 001/2019
Í N DICE

Língua Portugues
Interpretação e compreensão de texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Tipos e gêneros textuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
Fonética: Encontros consonantais e vocálicos, sílaba (divisão e classificação). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Ortografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Morfologia: Classes de palavras, processo de formação das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Análise sintática dos períodos simples e composto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Semântica: Sinonímia, antonímia e paronímia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Tipos de linguagem: Verbal, não-verbal, denotativa, conotativa, coloquial, formal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Funções da linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Linguagem e sentido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Ambiguidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Figuras de linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Coesão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Coerência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Referenciação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Matemática
Números relativos inteiros e fracionários: operações e suas propriedades (adição, subtração, multiplicação, divisão e potenciação). . . . 01
Múltiplos e divisores: máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Frações ordinárias e decimais. Números decimais: propriedades e operações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Expressões numéricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Equações do 1º e 2º graus. Problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Sistemas de medida de tempo. Sistema métrico decimal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Sistema monetário brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Problemas, números e grandezas proporcionais: razões e proporções. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Divisão em partes proporcionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Regra de três simples e composta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Porcentagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Juro simples: juros, capital, tempo, taxas e montantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Fundamentos da Teoria dos Conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Conjuntos Numéricos: Números Naturais e Inteiros (divisibilidade, números primos, fatoração, máximo divisor comum, mínimo múl-
tiplo comum). Números Racionais e Irracionais (reta numérica, valor absoluto, representação decimal). Números Reais (relação de
ordem e intervalos). Operações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Funções: Estudo das Relações, definição da função, funções definidas por fórmulas: domínio, imagem e contradomínio, gráficos,
função injetora, sobrejetora e bijetora, funções par e ímpar, funções crescentes e decrescentes, função inversa, função composta,
função polinomial do 1º Grau, quadrática, modular, exponencial e logarítmica, resoluções de equações, inequações e sistemas. 48
Sequência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Geometria Plana. Ângulos: definição, classificação, unidades e operações, feixes de paralelas cortadas por transversais, Teorema de
Tales e aplicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Geometria Espacial: retas e planos no espaço (paralelismo e perpendicularismo), poliedros regulares, pirâmides, prismas, cilindro,
cone e esfera (elementos e equações). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Polígonos: elementos e classificação, Diagonais, soma dos ângulos externos e internos, estudo dos quadriláteros e triângulos, con-
gruências e semelhanças, relações métricas dos triângulos. Área: polígonos e suas partes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Álgebra: análise combinatória. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Í N DICE

Atualidades e Convivência Societária


Evolução histórica, geográfica, econômica, política e cultural do município de Juazeiro do Norte. Acontecimentos e fatos relevantes e
atuais do contexto internacional, nacional, estadual e do município de Juazeiro do Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Diversidade cultural, conflitos e vida em sociedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Formas de organização social, movimentos sociais, pensamento político e ação do Estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Os domínios naturais e a relação do ser humano com o ambiente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
A relação homem natureza, a apropriação dos recursos naturais pelas sociedades ao longo do tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Recursos minerais e energéticos: exploração e impactos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Recursos hídricos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Bacias hidrográficas e seus aproveitamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
As questões ambientais contemporâneas: mudança climática, ilhas de calor, efeito estufa, chuva ácida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
A destruição da camada de ozônio e impacto ambiental das atividades econômicas no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Origem e evolução do conceito de sustentabilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Ética profissional e social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Ética, moral e cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

Conhecimentos Específicos
Guarda Civil Metropolitana
Noções sobre segurança pública: definição e componentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Forças armadas e forças auxiliares. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Diferenças e atribuições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Competência municipal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Noções sobre segurança patrimonial: definições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Atribuições das empresas que realizam segurança patrimonial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
O município e a sua segurança patrimonial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Lei Orgânica do município: o município e seus símbolos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
O município e sua divisão administrativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Competência privativa, comum e complementar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Conceito de administração pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Fundamentos da ética na administração pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Legislação de trânsito: Código de trânsito brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Mecânica básica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Direção defensiva e prevenção de acidentes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Procedimento em caso de assalto (antes, durante e depois). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Noções de Segurança do Trabalho: acidentes do trabalho - conceito, causas e prevenção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Normas de segurança: conceito de proteção e equipamentos de proteção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Normas básicas de higiene: pessoal, ambiental, de utensílios e equipamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Noções de Primeiros Socorros: papel do socorrista, parada cardiorrespiratória, hemorragias, ferimentos, entorses, luxações, fratura,
distúrbios causados pelo calor, choque elétrico, mordidas e picadas de animais, transporte de pessoas acidentadas, corpos estranhos
no organismo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Estatuto da Criança e do Adolescente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Estatuto do Idoso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Noções de Direito Administrativo: Estado, Governo e Administração Pública: conceitos, elementos, poderes, natureza, fins e
princípios; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Ato Administrativo: Conceito, requisitos, atributos, classificação e espécies; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Invalidação, anulação e revogação; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Prescrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Noções de Direito Constitucional: Dos Princípios Fundamentais (Art. 1º ao 4º); . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Dos Direitos e Garantias Fundamentais (Art. 5º ao 11); . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
Da Organização do Estado (Art. 18 a 31; 37 a 41); . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Da Segurança Pública (Art. 144). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Í N DICE

Os artigos em referência são da Constituição Federal de 1988. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142


Noções de Direito Penal: Dos Crimes contra a Pessoa e contra o Patrimônio (Art. 121 ao 183); . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Dos Crimes contra a Administração Pública (Art. 312 ao 337-A). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
Código de Trânsito Brasileiro: Lei Nº 9.503 de 23/09/1997, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Lei Nº 9602 de 21/01/1998, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Decreto nº 2.327. de 1997, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Lei nº 13.281. de 2016, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Lei nº 13.103. de 2015. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
CTB - Anexo II Sinalização - Resoluções do CONTRAN. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
Ética profissional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
Relações humanas no trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
Ética, moral e cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Interpretação e compreensão de texto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Tipos e gêneros textuais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
Fonética: Encontros consonantais e vocálicos, sílaba (divisão e classificação). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Ortografia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Morfologia: Classes de palavras, processo de formação das palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Análise sintática dos períodos simples e composto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Regência verbal e nominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Semântica: Sinonímia, antonímia e paronímia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Tipos de linguagem: Verbal, não-verbal, denotativa, conotativa, coloquial, formal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Funções da linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Colocação pronominal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Linguagem e sentido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Ambiguidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Figuras de linguagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Coesão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Coerência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Referenciação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
L Í N GU A PO RTU GU E SA

I N T ER P R ET A Ç Ã O E CO M P R EEN SÃ O D E T EX T O .

L EI T U R A , CO M P R EEN SÃ O E I N T ER P R ET A Ç Ã O D E T EX T O S

L eitura

A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mobilizar seus
conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, quer de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo novos significados. Esse
leitor parte do já sabido/conhecido, mas, superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos significados a seu universo de conheci-
mento para melhor entender a realidade em que vive.

Compreensão

A compreensão de um texto é a análise e decodificação do que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. A compreen-
são de texto significa decodificá-lo para entender o que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e ideias presentes no texto.
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de leitura: informativa e de reconhecimento.
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias seletas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela ideia central,
argumentação/desenvolvimento e a conclusão do texto.
uando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o assunto.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo deve ser
capaz de desvendar o significado das construções textuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensagem, consequentemente não há a correta compreensão da mesma.

I nterpretaç ão

Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultânea ou conse-
cutiva, entre duas pessoas ou entidades.
A importância dada às questões de interpretação de textos deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a competência de ler
texto interfere decididamente no aprendizado em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante nos chega por meio da linguagem
escrita. A maior herança que a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus
significados.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das partes, mas da sua
articulação. Assim, a apreensão do significado global resulta de várias leituras acompanhadas de várias hipóteses interpretativas, levantadas a
partir da compreensão de dados e informações inscritos no texto lido e do nosso conhecimento do mundo.
A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e a realidade. São as
conclusões que podemos tirar com base nas ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resultado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na compreensão de
situações do dia-a-dia.
Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para interpretar e com-
preender corretamente um texto é ter o domínio da língua.
E mesmo dominando a língua é muito importante ter um dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado de todas as pala-
vras e é muito difícil interpretar um texto desconhecendo certos termos.

D i c as p ara um a b oa i nterp retaç ã o d e tex to:

- Leia todo o texto pausadamente


- Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o significado
- Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
- Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o seu resumo
- Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
- uestione a forma usada para escrever
- Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as ideias do autor.

Lembre-se que para saber compreender e interpretar muito bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito. uanto mais se
lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concurso, vestibular, até a leitura de
um anú ncio na rua.

1
L Í N GU A PO RTU GU E SA

R esumindo:

Compreensão I nterpretaç ão
O q ue é É a análise do que está escrito no texto, a compre- É o que podemos concluir sobre o que está escrito
ensão das frases e ideias presentes. no texto. É o modo como interpretamos o conte-
ú do.
I nf ormaç ão A informação está presente no texto. A informação está fora do texto, mas tem conexão
com ele.
A ná lise Trabalha com a objetividadem, com as frases e pa- Trabalha com a subjetividade, com o que você en-
lavras que estão escritas no texto. tendeu sobre o texto.

Q U EST Õ ES

0 1 . SP P arcerias - A nalista T é cnic - 2 0 1 8 - F CC

U ma compreensão da H istó ria

Eu entendo a istória num sentido sincrônico, isto é, em que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que procura o ro-
mancista - ao menos é o que eu tento fazer - é esboçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela do tempo. Sei que esses
fatos se deram em tempos distintos, mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata de escapar do presente. Para mim,
tudo o que aconteceu está a acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano Benede o Croce, ao escrever: Toda a istória
é istória contemporânea . Se tivesse que escolher um sinal que marcasse meu norte de vida, seria essa frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 256)
José Saramago entende que sua função como romancista é
A) estudar e imaginar a istória em seus movimentos sincrônicos predominantes.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para mantê-los vivos em seu passado.
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos dispersos em tempos distintos.
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive sobre o tempo em que se viveu.
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de modo a valorizá-las em si mesmas.

0 2 . P ref . de Chapecó – SC – Engenheiro de T râ nsito – 2 0 1 6 - I O B V

Por Jonas Valente*, especial para este blog.

A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Cibernéticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Nele, apre-
senta proposta de diversos projetos de lei com a justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo dessas proposições é explosivo
e pode mudar a Internet como a conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura na web, ampliando a repressão ao acesso
a filmes, séries e outros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e transformando redes sociais e outros aplicativos em
máquinas de vigilância.
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da Internet. Como
há dificuldades de se apurar crimes na rede, as soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a navegação em algo con-
trolado, violando o princípio da presunção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos crimes contra a honra, a solução
adotada pode ter um impacto trágico para o debate democrático nas redes sociais atualmente tão importante quanto aquele realizado
nas ruas e outros locais da vida o line. Além disso, as propostas mutilam o Marco Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate
na sociedade e que é referência internacional.
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016)

Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla sobre
crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em todos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está querendo cercear
o direito à plena execução deste marco.
III. á o temor que o acesso a filmes, séries, informações em geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura com a nova
lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados.
IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem votadas
no Congresso Nacional.
V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jornalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo perversa
e manipuladora.

2
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas. PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba-
A) I, II, III. nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/
B) II, III, IV. brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbanização.
C) II, III, V. htm. Acesso em 14 de abril de 2016.
D) II, IV, V. A estruturação do texto é feita do seguinte modo:
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urbanos
0 3 . P ref . de São G onç alo – R J – A nalista de Contabilidade – e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas;
2 0 1 7 - B IO -R IO B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e expli-
cação de um deles, visto como o mais importante;
Édipo-rei C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici-
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe- D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur-
lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de eus. blema;
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013) E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.
O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças trá-
gicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de organi- M E écnico do Ministério blico dministrativa
zação discursiva. O elemento abaixo que N O está presente nessa – 2 0 1 6 - F G V
descrição é:
A) a localização da cena descrita. O f uturo da medicina
B) a identificação dos personagens presentes.
C) a distribuição espacial dos personagens. O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro-
D) o processo descritivo das partes para o todo. fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor-
E) a descrição de base visual. nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui
0 4 . M P E- R J – A nalista do M inisté rio P úblico - P rocessual – é o de médico. Até aqui. A crer no médico e gee Eric Topol, au-
2 0 1 6 - F G V tor de The Patient ill See ou Now (o paciente vai vê-lo agora),
está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão,
P roblemas Sociais U rbanos
mas que terá impactos positivos para os pacientes.
Brasil escola
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo-
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas
Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível,
questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um
no espaço das cidades e da falta de planejamento público que vise
à promoção de políticas de controle ao crescimento desordenado algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der-
das cidades. A especulação imobiliária favorece o encarecimen- matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o
to dos locais mais próximos dos grandes centros, tornando-os que exige medidas adicionais.
inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à medida Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o
que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas e de fácil celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan-
acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que a grande do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é
maioria da população pobre busque por moradias em regiões ain- possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o
da mais distantes. smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti-
Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais cos ainda mais sofisticados.
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo
contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam eleva- que desde ipócrates assombra a medicina.
dos índices de violência. Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
A especulação imobiliária também acentua um problema mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população as previsões, The Patient... é uma excelente leitura para os inte-
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir ressados nas transformações da medicina.
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos 17/01/2016.
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato
alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue. Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;

3
L Í N GU A PO RTU GU E SA

B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia; G ê nero L iterá rio os textos abordados são apenas os literá-
C) levará à extinção da profissão de médico; rios, diferente do gênero textual, que abrange todo tipo de texto. O
D) independerá completamente dos médicos; gênero literário é classificado de acordo com a sua forma, podendo
E) estará limitado aos meios eletrônicos. ser do gênero líricos, dramático, épico, narrativo e etc.
T ipo tex tual forma como o texto se apresenta, podendo ser clas-
R ESP O ST A S sificado como narrativo, argumentativo, dissertativo, descritivo, infor-
mativo ou injuntivo. Cada uma dessas classificações varia de acordo
como o texto se apresenta e com a finalidade para o qual foi escrito.
0 1 C
uando pensamos nos diversos tipos e gêneros textuais, de-
0 2 C vemos pensar também na linguagem adequada a ser adotada em
0 3 D cada um deles. Por isso existem a linguagem literária e a lingua-
gem não literária. Diferentemente do que acontece com os textos
0 4 B literários, nos quais há uma preocupação com o objeto linguístico
0 5 B e também com o estilo, os textos não literários apresentam carac-
terísticas bem delimitadas para que possam cumprir sua principal
missão, que é, na maioria das vezes, a de informar.
T I P O S E G Ê N ER O S T EX T U A I S. uando pensamos em informação, alguns elementos devem
ser elencados, como a objetividade, a transparência e o compro-
misso com uma linguagem não literária, afastando assim possíveis
equívocos na interpretação de um texto.
G ê neros T ex tuais
Os gêneros textuais são fenômenos históricos, profunda-
mente vinculados à vida cultural e social, portanto, são entidades
São textos encontrados no nosso dia-a-dia e apresentam carac-
sócio discursivas e formas de ação social em qualquer situação
terísticas sócio comunicativas (carta pessoal ou comercial, diários, comunicativa.
agendas, e-mail, faceboo , lista de compras, cardápio entre outros). Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis
É impossível se comunicar verbalmente a não ser por um tex- e dinâmicos.
to e obriga-nos a compreender tanto as características estruturais Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas fun-
(como ele é feito) como as condições sociais (como ele funciona na ções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por suas
sociedade). peculiaridades linguísticas e estruturais.
Os gêneros são tipos relativamente estáveis de enunciados
elaborados pelas mais diversas esferas da atividade humana. Por T ipos de G ê neros T ex tuais
essa relatividade a que se refere o autor, pode-se entender que o
gênero permite certa flexibilidade quanto à sua composição, favo- Existem inúmeros gêneros textuais dentro das categorias ti-
recendo uma categorização no próprio gênero, isto é, a criação de pológicas de texto, e cada texto possuiu uma linguagem e estru-
um subgênero. tura. Em outras palavras, gêneros textuais são estruturas textuais
Os gêneros textuais são fenômenos históricos, profundamente peculiares que surgem dos tipos de textos: narrativo, descritivo,
vinculados à vida cultural e social, portanto, são entidades sócio dissertativo-argumentativo, expositivo e injuntivo.
discursivas e formas de ação social em qualquer situação comuni-
cativa. Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleáveis e to arrativo apresentam ações de personagens no tem-
po e no espaço. A estrutura da narração é dividida em: apresenta-
e dinâmicos.
ção, desenvolvimento, clímax e desfecho.
Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas fun-
ções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por suas pe- Exemplos de gêneros textuais narrativos:
culiaridades linguísticas e estruturais. Romance
Os textos, tanto orais quanto escritos, que têm o objetivo de Novela
estabelecer algum tipo de comunicação, possuem algumas carac- Crônica
terísticas básicas que fazem com que possamos saber em qual gê- Contos de Fada
nero textual o texto se encaixa. Algumas dessas características são: Fábula
o tipo de assunto abordado, quem está falando, para quem está L endas
falando, qual a finalidade do texto, qual o tipo do texto (narrativo,
argumentativo, instrucional, etc.). e to escritivo se ocupam de relatar e expor determinada
É essencial saber distinguir o que é gênero textual, gênero pessoa, objeto, lugar, acontecimento. São textos cheios de adjeti-
literário e tipo textual. Cada uma dessas classificações é referente vos, que descrevem ou apresentam imagens a partir das percep-
aos textos, porém é preciso ter atenção, cada uma possui um ções sensoriais do locutor (emissor).
significado totalmente diferente da outra.
Gêneros textuais cada um deles possui o seu próprio estilo Exemplos de gêneros textuais descritivos:
de escrita e de estrutura. Desta forma fica mais fácil compreender Diário
as diferenças entre cada um deles e poder classifica-los de acordo Relatos (viagens, históricos, etc.)
Biografia e autobiografia
com suas características.

4
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Notícia 0 2 . SED U C- CE - P rof essor - L í ngua P ortuguesa – 2 0 1 8 - U ECE-


Currículo - CEV
L ista de compras
Cardápio R eceita do amor
Anúncios de classificados
Ingredientes:
e to issertativo Ar umentativo encarregados de expor 4 xícaras de carinho
um tema ou assunto por meio de argumentações. São marcados 2 xícaras de atenção
pela defesa de um ponto de vista, ao mesmo tempo que tentam 2 colheres de suspiros
persuadir o leitor. Sua estrutura textual é dividida em três partes: • 8 pedaços de saudades
tese (apresentação), antítese (desenvolvimento), nova tese (con- 3 colheres de respeito
clusão). Amor, sorrisos bobos, pimenta e ciúmes a gosto

Exemplos de gêneros textuais dissertativos: Modo de preparo:


Editorial Jornalístico Misture 8 pedaços de saudade com 2 xícaras de atenção em
Carta de opinião uma panela até virar uma mistura onde qualquer momento seja
Resenha especial. Acrescente sorrisos bobos até ficar homogêneo;
Artigo Junte todo o carinho na forma e caramelize com suspiros de
Ensaio paixão, ao sentir o cheiro de sonhos se espalhando no ambiente
Monografia, dissertação de mestrado e tese de doutorado retire do fogo e acrescente uma pitada de pimenta para sentirmos
a intensidade dentro de nós sempre que provarmos;
e to E positivo possuem a função de expor determinada Misture bem todos os ingredientes anteriores;
ideia, por meio de recursos como: definição, conceituação, infor- Para não virar rotina, acrescente muito amor e uma colher
de ciúmes. Para dar um pequeno sabor de dedicação, adicione
mação, descrição e comparação.
3 colheres de respeito. (Caso erre na medida de ciúmes coloque
Exemplos de gêneros textuais expositivos:
respeito a gosto).
Seminários
(...)
Palestras
Conferências Rendimento: Duas porções
Entrevistas Dica de acompanhamento: Aprecie com abraços e músicas.
Trabalhos acadêmicos Diêgo Cabó
Enciclopédia Fonte:https://www.pensador.com/frase/MTgyMjExMg/.
Verbetes de dicionários Acesso em 08/09/2018.

e to n untivo também chamado de texto instrucional, indi- O critério que impera na determinação interpretativa do gê-
ca uma ordem, de modo que o locutor (emissor) objetiva orientar nero apresentado é
e persuadir o interlocutor (receptor). Apresentam, na maioria dos A) o suporte.
casos, verbos no imperativo. B) o contexto.
C) a forma.
Exemplos de gêneros textuais injuntivos: D) a função.
Propaganda
Receita culinária C EME Oficial dministrativo rea dministrativa
Bula de remédio – 2 0 1 6 – F CC
Manual de instruções
Regulamento Outro dia, em busca de determinada informação, caiu-me
Textos prescritivos às mãos um calendário de 1866. Por força do hábito, examinei-o
pelo avesso e descobri um panorama encantador. Como todos an-
Q U EST Õ ES tes dele, foi um ano cheio de domingos. Nasceu e morreu gente.
Declararam-se guerras e fizeram-se as pazes, não necessariamen-
0 1 . SED U C- CE - P rof essor - L í ngua P ortuguesa – 2 0 1 8 - U ECE- te nessa ordem. O barco a vapor, o telégrafo e a fotografia eram
- CEV as grandes novidades, e já havia no ar um xodó pela tecnologia.
Mas não adiantava: aquele mundo de 150 anos atrás continuava
Considerando que os gêneros estão agrupados em cinco mo-
predominantemente literário.
dalidades retóricas correspondentes aos tipos textuais, assinale a
Eram tempos em que, flanando pelas grandes cidades, os
opção em que a correspondência dos exemplos e as respectivas mortais podiam cruzar com os escritores nas ruas poetas,
modalidades está correta. romancistas, pensadores , segui-los até seus cafés, sentar-se
A) ARGUMENTAR: novela fantástica, texto de opinião, debate à mesa do lado, ouvir o que eles diziam e, quem sabe, puxá-los
regrado. pela manga e oferecer-lhes fogo. Talvez em nenhuma outra época
B) E POR: seminário, conferência, entrevista de especialista. tantos gênios morassem nas mesmas cidades, quem sabe até em
C) NARRAR: fábula, curriculum vitae, lenda. bairros vizinhos. E todos em idade madura, no auge de suas vidas
D) DESCREVER: regulamento, regras de jogo, carta do leitor. ativas e criativas.

5
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Na Paris de 1866, por exemplo, roçavam cotovelos Alexandre na escola tenham três vezes mais , diz a professora de Inglês Lucia
Dumas, Victor ugo, Baudelaire. Em Lisboa, Antero de uental, Razeira, de 30 anos, mãe de Vitor, de 7, e Clara, de 10.
Camilo Castelo Branco, Eça de ueiroz. E, no Rio, bastava um pu- [ ...]
linho à rua do Ouvidor para se estar diante de Machado de Assis Disponível em:http://revistaepoca.glo-
e José de Alencar. bo.com/Revista/Epoca/0,,EMI58402-15228,00-
ue viagem, a 1866. EU+QUERO+EU+QUERO+EU+QUERO.html>.Acesso em: 07 fev.
(Adaptado de: CASTRO, Ruy. Viagem a 1866. Disponível em: 2017.
www.folha.uol.com.br)
Uma característica do gênero crônica que pode ser observa- Considerando as características predominantes, o gênero
da no texto é a presença de uma linguagem textual
A) imparcial, que se evidencia em: Talvez em nenhuma outra A) é seguramente uma reportagem em que se observam
época tantos gênios morassem nas mesmas cidades... argumentos do autor.
B) formal, que se evidencia em: ... já havia no ar um xodó pela B) se enquadra no tipo narrativo, uma vez que há predomínio
tecnologia. de sequências descritivas.
C) arcaica, que se evidencia em: ue viagem, a 1866. C) foi totalmente explicitado no recorte apresentado, já que
D) coloquial, que se evidencia em: ... foi um ano cheio de do- diz respeito a um artigo de opinião.
mingos D) é uma notícia, já que narra um fato verídico, com
informações sobre a necessidade de se ensinar os limites do
E) argumentativa, que se evidencia em: Nasceu e morreu
consumo.
gente.
E) é delimitado pela esfera do campo opinativo, uma vez que
C EME Oficial dministrativo rea dministrativa defende o ponto de vista de que é preciso haver limites para o
2 0 1 6 – F CC consumo, por meio de três argumentos básicos.
O Dia do Médico, celebrado em 18 de outubro, foi a data
escolhida pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São R ESP O ST A S
Paulo (Cremesp) para o lançamento de uma campanha pela hu-
manização da Medicina. Com o mote O calor humano também
0 1 B
cura , a ação pretende enaltecer a vocação humanitária do médi-
co e fortalecer a relação entre esses profissionais e seus pacien- 0 2 D
tes, um dos pilares da Medicina. 0 3 D
As peças da campanha ressaltam, por meio de filmes, anún-
cios e banners, que o médico é especialista em pessoas e que o 0 4 A
toque, o olhar e a conversa são tão essenciais para a Medicina 0 5 E
quanto a evolução tecnológica.
(No Dia do Médico, Cremesp lança campanha pela humaniza-
ção da Medicina. Disponível em: www.cremesp.org.br) ON IC : ENCON O CON ON N I E OC I
CO , DI I O E C I IC O
Levando em conta a linguagem, o formato e a finalidade do
texto, conclui-se que se trata de
A) uma notícia. F O N É T I CA E F O N O L O G I A : L ET R A E F O N EM A
B) um artigo de opinião.
onética
C) uma carta comercial.
D) uma reportagem.
A Fonética ocupa-se em analisar os sons produzidos pelo apa-
E) um editorial. relho fonador e a articulação desses sons de forma isolada. Ela
descreve e analisa os sons em suas propriedades físicas.
ref de Macei écnico dministrativo Os sons produzidos na linguagem humana são chamados fo-
CO P EVE- U F A L nes ou segmentos e podem ser classificados em três grupos:
[ ...] C onsoantes classificadas em: modos de articulação, lugar
de articulação, vozeamento, nasalidade/oralidade.
N ada de ex ageros o ais altura da língua, anterioridade/posterioridade da
língua, arredondamento dos lábios, nasalidade/oralidade.
Consumir dentro do limite das próprias economias é um bom Semivo ais - são as vogais i e u (orais ou nasais) quando
exemplo para as crianças. Endividar-se para consumir não está assilábicas, as quais acompanham a vogal nos encontros vocálicos.
certo , afirma a advogada Noemi Fris e Momberger, autora do
livro A publicidade dirigida a crianças e adolescentes, regulamen- F onologia
tos e restrições. Isso vale tanto para as crianças como para os pais.
É preciso dar exemplo. Não adianta inventar regras apenas para É o campo da Linguística que se ocupa dos estudos sonoros
quem tem menos de 1 metro e meio. É preciso ajudar as crianças do idioma, estudando o modo como os sons se organizam dentro
da língua é possível classificá-los em unidades significativas, cha-
a entender o que cabe no orçamento familiar. Explico para meus
madas de fonemas.
filhos que não podemos ter algumas coisas, mesmo que muitos

6
L Í N GU A PO RTU GU E SA

L etra uadro de o ais e Semivo ais

Letra é a representação gráfica dos sons. Exemplos: mandio-


ca (tem 8 letras); amor (tem 4 letras).

F onema

Trata-se do menor elemento sonoro com habilidade de es-


tabelecer uma separação de significado entre palavras. Vejamos
exemplo de fonemas que marcam a distinção entre os pares de
palavras: sal mal, sela sala.

É muito importante saber a diferença entre os fonemas e as


letras. Fonema é um elemento acústico e a letra é um sinal gráfico
que representa o fonema. Nem sempre o número de fonemas de
uma palavra corresponde ao número de letras que usamos para C onsoantes: fonemas onde a corrente de ar, emitida para
escrevê-la. sua produção, tem que forçar passagem na boca. Estes fonemas
Exemplos: só podem ser produzidos com a ajuda de uma vogal. Exemplos:
coçar 5 letras m ato, c ena.
/ / /o/ /s/ /a/ /r/ 5 fonemas
Encontros Vocá licos
máximo 6 letras
/m/ /á/ /s/ /i/ /m/ /o/ 6 fonemas iton os encontro de uma vogal e uma semivogal na mesma
sílaba. Exemplos: cai (vogal semivogal ditongo decrescente a
acesso 6 letras vogal vem antes da semivogal); armári o (semivogal vogal di-
/a/ /c/ /e/ /s/ /o/ 5 fonemas tongo crescente a vogal vem depois da semivogal).

chute 5 letras riton os encontro de semivogal vogal semivogal na


/x/ /u/ /t/ /e/ 4 fonemas mesma sílaba. Exemplo: Paraguai.

Os fonemas são classificados em vogais, semivogais e con- H i atos: sequência de duas vogais na mesma palavra, mas que
soantes. são de sílabas diferentes, pois nunca haverá mais que uma vogal
o ais fonemas que vieram das vibrações das cordas vocais na sílaba. Exemplos: co- e-lho, sa- í -da, pa- í s.
onde a produção a corrente de ar passa livremente na cavidade
bucal. As vogais podem ser orais e nasais. Encontro Consonantal
Orais: a corrente de ar passa apenas pela cavidade bucal.
São: a, é, ê, i, ó, ô, u. Exemplos: pé, ali , pó, dor. Acontece quando há um grupo de consoantes sem vogal in-
Nasais: a corrente de ar passa pela cavidade bucal e nasal. termediária. Exemplos: ped ra, p l anície, p sicanálise, ritm o.
A nasalidade pode ser indicada pelo til ( ) ou pelas letras n e m.
Exemplos: mãe, li ndo, pom ba.
D í graf os
As vogais podem também ser tô ni c as ou átonas, dependen-
do da intensidade com que são pronunciadas. A vogal tônica é Dígrafos são duas letras representadas por um só fonema.
pronunciada com mais intensidade: café, jogo. A vogal átona é São dígrafos: ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc ; incluem-se também am,
pronunciada com menor intensidade: café, jogo. an, em, en, im, in, om, on, um, un (que representam vogais na-
sais), gu e qu antes de e e i e também ha, he, hi, ho, hu e, em
Semivo ais: temos as letras e , i , o , u , representadas palavras estrangeiras, th, ph, nn, dd, ck, oo etc.
pelos fonemas /e/, / /, /o/, /w/, quando formam sílaba com uma
vogal. Exemplo: memória a sílaba ria apresenta a vogal a e Os dígrafos podem ser:
a semivogal i . - Consonantais: Encontro de duas letras que representam um
fonema consonantal. Os principais são: ch, lh, nh, rr, ss, sc, sç, xc,
gu e qu.
Exemplos: chave, chefe, olho, ilha, unha, dinheiro, arranhar,
arrumação.

- Vocálicos: Encontro de uma vogal seguida das letras m ou n,


que resulta num fonema vocálico. Eles são: am, an; em, en; im, in;
om, on e um, un. Vale lembrar que nessa situação, as letras m e n
não são consoantes; elas servem para nasalizar as vogais.

7
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Exemplos: amplo, anta, temperatura, semente, empecilho, Marginalzinho: a socialização de uma elite vazia e covarde
tinta.
Parada em um sinal de trânsito, uma cena capturou minha
Atenção: nos dígrafos, as duas letras representam um só fo- atenção e me fez pensar como, ao longo da vida, a segregação da
nema; nos encontros consonantais, cada letra representa um fo- sociedade brasileira nos bestializa
nema.
01 Era a largada de duas escolas que estavam situadas uma
Q U EST Õ ES do lado da outra, separadas por um muro altíssimo de uma
0 1 . P ref . de Cruz eiro/ SP – I nstrutor de D esenho T é cnico e 02 delas. Da escola pública saíam crianças correndo, brin-
Mec nico Instituto E cel ncia cando e falando alto. A maioria estava desacompanhada
Sobre fonologia e fonética, observe as afirmativas a seguir: e dirigia-se
I - A fonética se diferencia da Fonologia por considerar os 03 ao ponto de ônibus da grande avenida, que terminaria nas
sons independentes das oposições paradigmáticas e combinações periferias. Era uma massa escura, especialmente quando
sintagmáticas.
04 contrastada com a massa mais clara que saía da escola par-
II - A fonética estuda os sons como entidades físico articulató-
ticular do lado: crianças brancas, de mãos dadas com os
rias associadas. É a parte da Gramática que estuda de forma geral
os fonemas, ou seja, os sons que as letras emitem. 05 pais, babás ou seguranças, caminhando duramente em di-
III - fonologia cabe estudar as diferenças fônicas intencio- reção à fila de caminhonetes. Lado a lado, os dois grupos
nais, distintivas, isto é, que se unem a diferenças de significação; não
estabelecer a relação entre os elementos de diferenciação e quais 06 se misturavam. Cada um sabia exatamente seu lugar. Des-
as condições em que se combinam uns com os outros para formar de muito pequenas, aquelas crianças tinham literalmente
morfemas, palavras e frases.
07 incorporado a segregação à brasileira, que se caracteriza
Assinale a alternativa CORRETA: pela mistura única entre o sistema de apartheid racial e
A) As afirmativas I e II estão corretas. o de
B) As afirmativas II e III estão corretas. 08 castas de classes. Os corpos domesticados revelavam o
C) As afirmativas I e III estão corretas. triste processo de socialização ao desprezo, que tende a só
D) Nenhuma das alternativas. 09 piorar na vida adulta. ...
PINHEIRO-MACHADO, Rosana. In http://www.cartacapital.
0 2 . P ref . de Caucaia/ CE – A gente de Suporte a F iscaliz aç ão
com.br/sociedade/marginalzinho-a-socializacao-de-uma-elite-
– 2 0 1 6 - CET R ED E
-vazia-e-covarde- 3514.html (acesso em 07/03/16).
Assinale a opção em que o x de todos os vocábulos não tem
o som de / s/.
O sistema fonológico da língua portuguesa falada no Brasil
A) tóxico axila táxi.
apresenta alguns embaraços (sobretudo para os alunos) quando
B) táxi êxtase exame.
se estão estudando as regras de ortografia. Nesse caso, a palavra
C) exportar prolixo nexo.
desprezo (l. 09) pode ser considerado exemplo desse tipo de
D) tóxico prolixo nexo.
dificuldade para o discente, porque:
E) exército êxodo exportar.
A) o fonema z em posição intervocálica pode ser represen-
tado pelos grafemas S ou .
0 3 . P ref . de Chapecó / SC - Engenheiro de T râ nsito – 2 0 1 6 - I O B V
B) os fonemas s e z são intercambiáveis quando se situam
Diga qual destas definições é a que cabe para dígrafo?
na sílaba tônica.
a) É a menor unidade sonora distintiva da palavra.
C) a sibilante sonora z se ensurdece quando está entre duas
b) É o fonema vocálico que se agrupa com a vogal, numa sílaba.
vogais.
c) É a letra que representa dois fonemas ao mesmo tempo.
D) o fonema s em posição mediossilábica tende a dessono-
d) É o conjunto de duas letras que representam um único fo-
rizar-se.
nema.
0 6 . C EM M T écnico de enfermagem M
0 4 . P ref . de Cruz eiro/ SP - I nstrutor de D esenho T é cnico e
CO N CU R SO S
Mec nico Instituto E cel ncia
Assinale a alternativa em que todas as palavras são exemplos
A s algas
de dígrafos:
a) uente; Sequência; Cegueira
As algas
b) Aguentar; Carro; Ninho
das águas salgadas
c) Assar; Banho; uerido.
são mais amadas,
d) Nenhuma das alternativas
são mais amargas
0 5 . P ref . de F ortalez a/ CE L í ngua P ortuguesa – 2 0 1 6 - P ref .
As algas marinhas
de F ortalez a- CE

8
L Í N GU A PO RTU GU E SA

não andam sozinhas, A centuaç ão tô nica


de um reino maravilhoso Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas
são as rainhas. das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentuada
é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos intensida-
As algas muito amigas de, são denominadas de átonas.
inventam cantigas De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com
pra embalar mais de uma sílaba classificam-se em:
os habitantes do mar. Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es-
critor, maracujá.
As algas tão sábias Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa, lá-
são cheias de lábias pis, montanha, imensidade.
se jogam sem medo Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima:
e descobrem árvore, quilômetro, México.
o segredo
mais profundo centuação gráfica
que há bem no fundo
do mar. - Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, bélico).
- Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em a , e , o ,
As algas em seus verdores em , seguidas ou não do plural (s): (Paraná fé jiló (s)).
são plantas e são flores. - Também acentuamos nos casos abaixo:
Um pouco de tudo: de bichos, de gente, de flores, de Elias - Monossílabos tônicos terminados em a , e , o , seguidos
José. São Paulo: Paulinas, 1982. p. 17. ou não de s : (pá pé dó)
- Formas verbais terminadas em a , e , o tônicos seguidas
Considerando as palavras mencionadas em cada alternativa, de lo, la, los, las: (recebê-lo compô-lo)
escolha aquela em que há correspondência entre o número de - Paroxítonas: Acentuam-se as palavras paroxítonas termi-
fonemas e o de letras. nadas em: i, is (táxi júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps
A) há ; de . (cadáver tórax fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã órgãos).
B) bem ; mar . - Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de
C) fundo ; algas . s : (mágoa jóquei)
D) que ; são .
R egras especiais:
R ESP O ST A S
- Ditongos de pronúncia aberta ei , oi , perderam o acento
com o Novo Acordo.
0 1 C
0 2 E Antes a ora
0 3 D Assembléia Assembleia
0 4 C Idéia Ideia
0 5 A Geléia Geleia
0 6 B Jibóia Jiboia
Apóia (verbo) A poia
Paranóico Paranoico
CEN O IC
- i e u tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acom-
panhados ou não de s , desde que não sejam seguidos por -nh ,
A CEN T U A Ç Ã O haverá acento: (saída baú país).

A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que, - Não serão mais acentuados i e u tônicos formando hiato
sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras quando vierem depois de ditongo:
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação
aberta ou fechada das vogais. Antes a ora
Esses são elementos essenciais para estabelecer organizada-
mente, por meio de regras, a intensidade das palavras das sílabas Bocaiúva Bocaiuva
portuguesas. Feiú ra Feiura
Sauípe Sauipe

9
L Í N GU A PO RTU GU E SA

- Acento pertencente aos hiatos oo e ee foi abolido. - É usada na contração da preposição a com as formas femi-
ninas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a a), às (de
Antes a ora a as).

crêem creem - A crase é usada também na contração da preposição a


vôo voo com os pronomes demonstrativos:
àquele(s)
- Vogais i e u dos hiatos se vierem precedidas de vogal àquela(s)
idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba). àquilo
- averá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra de àqueloutro(s)
acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos: (se- àqueloutra (s)
-ri-ís-si-mo)
- Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o U so do T rema
acento tônico na raiz com u tônico precedido de g ou q e
seguido de e ou i . - Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios.
M ller de m lleriano
Antes a ora
Q U EST Õ ES
averigúe (averiguar) averigue
argúi (arguir) argui 01. ref Natal N gente dministrativo C M
erviço
- 3 pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres-
e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.) tem sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A ex-
acento. posição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moderna
para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75 obras
de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre eles ex-
Sin ular p l ural
poentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne,
ele tem eles têm Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos do Musée
ele vem eles vêm d Orsa e do Musée de l Orangerie, ambos de Paris.
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam os
ele obtém eles obtêm pintores que sucederam o movimento impressionista e recebe-
ram do crítico inglês Roger Fr a designação de pósimpressionis-
Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme- tas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem ser
lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções,
vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas de Mi-
como:
chel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com pontos.
A forma verbal pôde (3 pessoa do singular - pretérito perfei-
Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard
to do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de pode
marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis-
(3 pessoa do singular - presente do indicativo). Também o verbo
terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjunto
pôr para diferenciá-lo da preposição por.
está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em um
fundo de uma passagem com penhascos que formam um precipí-
Alguns homógrafos:
cio estreito. As formas são simplificadas, em um contorno grosso
pera (substantivo) - pera (preposição antiga)
para (verbo) - para (preposição) e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do artista so-
pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar) bre a cena.
O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das
Aten o, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu-
não são acentuadas lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mos-
tra também reúne obras de Félix Vallo on e Aristide Maillol. No
Exemplos: autorretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação
Facilmente - de fácil de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas
abilmente - de hábil criando uma imagem de forte expressão.
Ingenuamente de ingênuo O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros da
Somente - de só última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade, que
Unicamente - de único tem como marca justamente a inspiração que artistas como Gau-
Dinamicamente - de dinâmico guin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pintura é
Espontaneamente - de espontâneo um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos na primei-
ra temporada que o artista passou na ilha do Pacífico, onde duas
U so da Crase mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-esmeralda, que
lembra o oceano.

10
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca. 0 6 . I F - B A - A dministrador – 2 0 1 6 - F U N R I O


http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/ Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita intei-
mostra-otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressio- ramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vigentes.
nismo-para-sp Acesso em: 29/05/2016. A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecológica
responsável.
As palavras módulos e última , presentes no texto, B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da
são _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ acentuadas por serem _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ e cultura inglêsa.
, respectivamente . C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas e
As palavras que preenchem correta e respectivamente as la- de estudar ética.
cunas do enunciado acima são: D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco e
A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona o expressionismo
B) igualmente / paroxítona / paroxítona E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu-
C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona teos, adutores e tendões.
D) diferentemente / paroxítona / oxítona
R ESP O ST A S
0 2 . P ref . D e Caucaia/ CE – A gente de Suporte e F iscaliz aç ão 0 1 C
- 2 0 1 7 - CET R ED E
Indique a alternativa em que todas as palavras devem receber 0 2 A
acento. 0 3 CER T O
A) virus, torax, ma. 0 4 C
B) caju, paleto, miosotis .
C) refem, rainha, orgão. 0 5 C
D) papeis, ideia, latex. 0 6 A
E) lotus, juiz, virus.

M E C romotor de ustiça M E C
Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegadores O R T O G R A F IA .
europeus reconheceram a importância dos portos de São Francis-
co, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as estações da aguada
de suas embarcações. época, os navios eram impulsionados a O R T O G R A F IA
vela, com pequeno calado e autonomia de navegação limitada. As-
sim, esses portos eram de grande importância, especialmente para A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras
os navegadores que se dirigiam para o Rio da Prata ou para o Pací- de uma língua. Do grego ortho , que quer dizer correto e grafo ,
fico, através do Estreito de Magalhães. por sua vez, que significa escrita.
(Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de San- É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras. Além
ta Catarina. Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.) disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mesma lín-
gua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos acor-
No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pacífi- dos ortográficos.
co, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas.
( ) Certo ( ) Errado A lf abeto
O alfabeto é formado por 26 letras
ref De Nova eneza C sic logo E E Vogais: a, e, i, o, u, , w.
Analise atentamente a presença ou a ausência de acento gráfi- Consoantes: b,c,d,f,g,h,j, ,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z.
co nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não há erro: Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j, ,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x, ,z.
A) ruím - termômetro - táxi talvez.
egras Ortográficas
B) flôres - econômia - biquíni - globo.
C) bambu - através - sozinho - juiz
U so d o x / c h
D) econômico - gíz - juízes - cajú.
E) portuguêses - princesa - faísca. O x é utilizado:
- Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe.
IN I O CID DE ssistente dministrativo II - Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano.
2 0 1 7 - CO N F ER E - Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar.
Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas por - Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada.
obedecerem à regras distintas: - Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se
A) Catástrofes climáticas. com ch.
B) Combustíveis fósseis.
C) Está país.
Escreve se com Escreve se com ch
D) Difícil nível.

11
L Í N GU A PO RTU GU E SA

bexiga bochecha Escreve se com Escreve se com


bruxa boliche estrangeiro berinjela
caxumba broche gengibre cafajeste
elixir cachaça geringonça gorjeta
faxina chuchu gíria jiboia
graxa colcha ligeiro jiló
lagartixa fachada tangerina sarjeta
U so d o h Parô ni m os e H om ô ni m os

O h é utilizado: á diferentes formas de escrita que existem, mas cujo signi-


- No final de interjeições: Ah!, Oh! ficado é diferente.
- Por etimologia: hoje, homem.
- Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã. Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia,
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem. mas têm significados diferentes.
- Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente geo-
gráfico baía é escrito sem h. Exemplos:

U so d o s/ z cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado)


O s é utilizado: descrição (descrever) discrição (de discreto)
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país)
grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa.
- Nos sufixo -ê s, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro- Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas significa-
fissão: marquês, portuguesa, poetisa. dos diferentes.
- Depois de ditongos: coisa, pousa. Exemplos:
- Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram.

O z é utiliz ado: cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos)


ruço (pardo claro) russo (da Rússia)
- Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de tachar (censurar) taxar (fixar taxa)
adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza.
- No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi- C onsoantes d ob rad as
talizar.
- Só se duplicam as consoantes C, R , S.
Escreve se com s Escreve se com - Escreve-se com CC ou C quando as duas consoantes soam
Alisar amizade distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc.
- Duplicam-se o R e o S em dois casos: uando, intervocáli-
atrás azar cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respectiva-
através azia mente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. uando há um elemen-
to de composição terminado em vogal a seguir, sem interposição
gás giz
do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado, correlação,
groselha prazer pressupor, etc.
invés rodízio
U so do hí f en
so do
Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a escri-
O g é utilizado: ta de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de dúvidas
- Palavras que terminem em -ágio, -é gio, -í gio, -ó gio, -úgio: para diversos falantes.
pedá gio, reló gio, ref úgio.
- Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem. alavras com hí en
segunda-feira (e não segunda feira);
O j é utiliz ado: bem-vindo (e não benvindo);
- Palavras com origem indígena: pajé, canjica. mal-humorado (e não mal humorado);
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço. micro-ondas (e não microondas);
bem-te-vi (e não bem te vi).

12
L Í N GU A PO RTU GU E SA

alavras sem hí en
dia a dia (e não dia-a-dia);
fim de semana (e não fim-de-semana);
à toa (e não à-toa);
autoestima (e não auto-estima);
antirrugas (e não anti-rugas).

Q U EST Õ ES

0 1 . SEA P - M G - A gente de Seguranç a P enitenciá rio – 2 0 1 8 -


IB F C

A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras (Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015.
de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in- Adaptado)
fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri- da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectivamen-
sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/ te, preenchidas por:
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter A) mal ... por que ... intuíto
a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unidades B) mau ... por que ... intuito
prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, como C) mau ... porque ... intuíto
escolta armada para audiências judiciais, transferência de presos D) mal ... porque ... intuito
E) mal ... por quê ... intuito
etc. Desempenham serviços de natureza policial como aprensões
de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitantes, revista em
tivos nalista ur dico I
veículos que adentram as unidades prisionais, controle de rebe- Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
liões e ronda externa na área do perímetro de segurança ao redor das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à
da unidade prisional. Garantem a segurança no trabalho de resso- sistematização do emprego de hífen ou de acentuação.
sialização dos internos promovido pelos pisicólogos, pedagogos e A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca.
assistentes sociais. Estão subordinados às Secretarias de Estado B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas.
de Administração Penitenciária - SEAP, secretarias de justiças ou C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaéreo.
defesa social, dependendo da nomenclatura adotada em cada Es- D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, inábil.
tado.
Fonte: i ipedia com alterações M E O u iliar dministrativo M E O
ortográficas. Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do
período abaixo.
Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, retira-
das do texto, com equívocos em sua ortografia. Agora que há uma câmera de . isto provavelmente
A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham. não acontecerá, mas vezes em que, no meio de uma
B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos. noite , o poeta levantava de seu banco ...
C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham.
D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos. A) investigassâo mas ouve chuvosa
E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências. B) investigassâo mais houve chuvoza
C) investigação mais houve chuvosa
0 2 . EL ET T R O B R A S – L EI T U R I ST A – 2 0 1 5 – I A D ES D) investigação mas houve chuvosa
Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa E) investigação mais ouve chuvoza
em que a palavra está grafada corretamente.
A) Dimencionar. R ESP O ST A S
B) Assosciação. 0 1 B
C) Capassitores.
0 2 E
D) oque.
E) Conversão. 0 3 D
0 4 C
0 3 . M P E SP – A N A L I ST A D E P R O M O T O R I A – 2 0 1 5 - VU N ESP
0 5 C

13
L Í N GU A PO RTU GU E SA

III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e


P O N T U A Ç Ã O . o não profissional;
IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de
criação nacional.
P O N T U A Ç Ã O - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: en- D ois- P ontos ( : )
tonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados no Usamos para:
texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a compreen- - iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
são e entendimento do texto. dade, meu filho.
- antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
P onto ( . ) sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
Usamos para: Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao shopping - antes de citação: Como dizia minha mãe: Você não é todo
hoje. mundo.
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela.
- abreviaturas: Av.; V. Ex. P onto de I nterrogaç ão ( ? )
Usamos para:
Ví rgula ( , ) - perguntas diretas: Onde você mora?
Usamos para: - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: uem
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os termos você ama? Você. Eu?!
separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não for-
mam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, ace- P onto de Ex clamaç ão ( ! )
nou para seus amigos. Usamos:
- Após vocativo: Volte, João!
Não se separam por vírgula: - Após imperativo: Aprenda!
- predicado de sujeito; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- objeto de verbo; - Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- adjunto adnominal de nome; Poxa!
- complemento nominal de nome;
- predicativo do objeto; etic ncias
- oração principal da subordinada substantiva (desde que Usamos para:
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa). - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
devo... melhor não falar.
A vírgula também é utilizada para: - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
- separar o vocativo: João, conte a novidade. pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou a merece...
refeição. - indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita: uan-
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- do ela começou a falar, não parou mais... terminou uma hora de-
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas. pois.
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães,
tortas e sonho. A spas ( “ ” )
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca Usamos para:
mais deu notícias. - isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta:
- isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25 gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex-
de Setembro de 2017. pressões populares.
- marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo): Ele - indicar uma citação textual.
prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
P arê nteses ( ( ) )
P onto- e- Ví rgula ( ; ) Usamos para:
Usamos para:
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo e
- separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma petição,
datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais quen-
de uma sequência, etc.:
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for- te do ano.
mais e não formais, como direito de cada um, observados: - podem substituir a vírgula ou o travessão.
I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento; ravessão
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio- Usamos para:
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do - dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: Ma-
desporto de alto rendimento; ria, como faz esse doce?

14
L Í N GU A PO RTU GU E SA

- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. Mãe, você Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos
me busca? Não se preocupe, chegarei logo. por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos anti-
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- gos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos;
pressões ou frases explicativas: Pelé o rei do futebol está mui- e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa verme-
to doente. lha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão
sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam
Colchetes ( [ ] ) com suas roupas de chita multicor.
Usamos para: Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lança-
- linguagem científica. do ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
A sterisco ( * ) efêmera.
Usamos para: (MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)

Q U EST Õ ES ...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda


circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a
0 1 . CL I N – A ux iliar de Enf ermagem do T rabalho – 2 0 1 5 - CO - primavera que chega (1º )
SEA C
No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
rimavera A) marcar termo adverbial intercalado.
B) isolar oração adjetiva explicativa.
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re- D) separar termo em função de aposto.
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam C CE Escrivão da olicia Civil de classe
VU N ESP
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima-
Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, consi-
vera que chega.
derando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da ter-
A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
ra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis acorda-
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de-
rão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das
morado.
flores.
B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
á bosques de rododendros que eram verdes e já estão to-
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
dos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de pas- morado
sarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
- e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende. morado.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver- D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo de-
e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. morado.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar que
árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos, demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de-
sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos morado.
bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se
esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua
perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez,
os homens terão a primavera que desejarem, no momento em
que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste
movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos
e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os ouvirem não te-
rão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
para o ar azul.

15
L Í N GU A PO RTU GU E SA

I C E rocurador revidenciário I IDEC N R ESP O ST A S


0 1 D
0 2 B
0 3 A
0 4 A
0 5 A

M O R F O L O G I A : CL A SSES D E P A L A VR A S, P R O CESSO D E
F O R M A Ç Ã O D A S P A L A VR A S.

CL A SSE G R A M A T I CA I S

A R T IG O

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos, com


a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero e nú-
mero.
Os artigos podem ser:
- definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de forma
Em Júnior, hoje jantaremos fora! , a presença da vírgula é particular).
obrigatória porque serve para: - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substanti-
A) Isolar o vocativo. vos de forma inespecífica).
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado.
Ex emplos:
C) Separar orações coordenadas.
Comprei o carro. (Um carro específico)
D) Intercalar expressões explicativas.
Comprei um carro. (Um carro qualquer)
0 4 . - I F - M T - D ireito – 2 0 1 8 - I F - M T
Arti o efinido
O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada de
Indica um substantivo específico, determinado. Dependendo
forma inadequada em:
da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, as.
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, con-
forme a Constituição Federal. Observe as poss veis variaç es de g nero e n mero:
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é
inseguro. O professor me repreendia.
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de uma A professora me repreendia.
série de comodidades, salientou o pesquisador. O s professores me repreendiam.
D) Eu sei, mas não devia (Marina Colasanti).
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o Arti o ndefinido
horário avançado, a reunião foi encerrada.
Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
0 5 . EM A T ER CE - A gente de A T ER - Ciê ncias Contá beis – 2 0 1 8 pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas
– CET R ED E um, uma, uns, umas.
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade.
I. arla comeu um doce e sua irmã também. Observe as poss veis variaç es de g nero e n mero, usando
II. Mataram a vaca da sua tia. o mesmo ex emplo anterior:

Marque a opção CORRETA. U m professor me repreendia.


A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vírgula. U ma professora me repreendia.
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de prono- U ns professores me repreendiam.
me.
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. Além das formas simples, os artigos apresentam formas com-
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. binadas com preposições. O artigo definido combina-se com as
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as formas
ao, do, nas, pelos, etc.

16
L Í N GU A PO RTU GU E SA

uando o artigo definido feminino (a, as) aparece combinado G ê nero


com a preposição a, temos um caso que merece destaque espe-
cial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen- De acordo com o gênero (feminino e masculino) das palavras
tada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de crase. substantiva, são classificadas em:

Exemplo: Su stantivos i ormes apresentam duas formas, uma para


Eles lançaram um alerta à nação. (à preposição a artigo o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
definido a) namorado e namorada.

O artigo indefinido combina-se com as preposições em e de, Su stantivos ni ormes somente um termo especifica os
originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc. dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
- Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e refe-
SU B ST A N T I VO re-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
- Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como palavra e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
variável, apresenta flexões de gênero, número e grau. nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gêne-
Classificação ros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo que o
acompanha, por exemplo: o dentista e a dentista .
Su stantivo Comum Designa os seres de uma espécie de for-
ma genérica: casa, f elicidade, mesa, crianç a, etc. N úmero

Su stantivo r prio Designa um ser específico, determina- São classificados em:


do, como: R ecif e, M ariana, B rasil, etc.
Sin ular palavra que designa uma única coisa, pessoa ou um
Su stantivo Concreto Designa seres propriamente ditos grupo, por exemplo: cama, homem.
(pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existência Pl ural : palavra que designa várias coisas, pessoas ou grupos,
real. Assim sendo, são exemplos: f ada, saci, mesa, cinema, etc. por exemplo: camas, homens.

Su stantivo A strato Designa ações qualidades, ou estados, G rau


tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, que
são resultado de uma abstração. É o caso de f elicidade, pobrez a, São classificados em aumentativo e diminutivo:
caridade, etc..
Aumentativo Indica o aumento do tamanho de algum ser ou
alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indica
orma o dos su stantivos grandeza, por exemplo: menino grande.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador
Su stantivo rimitivo erve de base para a formação de ou- de aumento, por exemplo: meninão.
tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc. iminutivo Indica a diminuição do tamanho de algum ser ou
alguma coisa. Divide-se em:
ubstantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo - Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que in-
primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc. dica pequenez, por exemplo: menino pequeno.
ubstantivo imples: formado por um s radical, como: - Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador
janela, livro, trem, etc. de diminuição, por exemplo: menininho.

ubstantivo Composto: formado por mais de um radical, A D J ET I VO


como em: arco- í ris, arranha- cé u, etc.
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo-
ubstantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular -lhe um estado, qualidade ou característica.
que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
- buq uê de flores Classificação
- alcateia de lobos
- elenco de artistas S i m p l es - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
- legião de soldados C om p osto - formado por mais de um radical. Exemplo: latino-
-americano.
rimitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, grande.
erivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: tolerante
(vem de tolerar).

17
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Pá tri o - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. Exem- N U M ER A L


plo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos, um
ocu o Ad etiva número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma só. Classificação
Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma preposi-
ç ão e um substantivo, ou uma preposiç ão e um advérbio. C ard i nai s: Forma básica dos números, indicam contagem,
Exemplos: medida. Exemplo, um, dois, três
- dente de cão ( canino)
- água de chuva ( pluvial) O rd i nai s: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
- pneus de trás ( traseiro) ro, segundo, terceiro

F lex ão F rac i oná ri os: Indicam a diminuição das proporções numéri-


cas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo, meio,
G ê neros terço, quarto, quinto

- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (femini- Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
no e masculino). Exemplo: alegre. meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e fe-
minino). Exemplo: dengoso, dengosa. Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto de
seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de 10),
N ú m ero centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bimestre
(conjunto de 2).
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é O rd i nal C ard i nal O rd i nal C ard i nal
parecida à dos substantivos.
U m Primeiro Vinte Vigésimo
G rau Dois Segundo Trinta Trigésimo
Três Terceiro Cinquenta uinquagésimo
São classificados em:
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
- Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades. Cinco Quinto O itenta O ctogésimo
Comparativo de Igualdade Chocolate é tão bom q uanto pizza. Seis Sexto Cem Centésimo
Comparativo de Superioridade Rui é mais esforçado q ue Marcos. Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Comparativo de Inferioridade Mariana é menos feliz q ue Paula. O ito Oitavo Setecentos Setingentésimo
- Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.
Nove N ono Novecentos N oningentésimo
Superlativo Absoluto: Dez Décimo Mil Milésimo
Analítico - A casa é ex tremamente luxuosa. P R O N O M E
Sintético - Larissa é organiz adí ssima.
Superlativo Relativo de: Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o substan-
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região. tivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do es- mesmo situando-o no espaço e no tempo.
critório.
P ronomes P essoais
Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superiori-
dade sintético. Veja-os: R etos têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós, vós,
eles.
bom melhor lí uos têm função de complemento do verbo (objeto dire-
mau pior to / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (eleprono-
grande maior me reto / vaiverbo / conosco complemento nominal).
pequeno menor - tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consigo,
alto superior conosco, convosco;
baixo inferior - átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos,
os,pronome oblíquo)

18
L Í N GU A PO RTU GU E SA

P ronomes de T ratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante em
relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me bem
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, aq uele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- R el aç ã o ao esp aç o
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) reis, imperadores; Vossa Santidade Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
(V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3 pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daq uele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) ronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3 pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompanham
o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
ronomes ossessivo

Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a ideia Classifica o ronomes ndefinidos
de posse, por exemplo: Esse carro é seu?
algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
Pessoas V erb ai s ronomes ossessivos muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
1 pessoa do singular meu, minha (singular); meus, outro, outra, outros, outras, certo, certa,
ariáveis
(eu) minhas (plural) certos, certas, vário, vária, vários, várias,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
2 pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas quanta, quantos, quantas, qualquer,
(tu, você) (plural) quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas.
3 pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
(ele/ela) (plural) quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.
1 pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos, ronomes elativos
(nós) nossas (plural)
Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito an-
2 pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos, teriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e invariáveis.
(vós, vocês) vossas (plural) Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Viajei para
uma cidade que é muito pequena. ercebese que o pronome rela-
3 pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas tivo q ue, substitui na 2 oração, a cidade, por isso a palavra que é
(eles/elas) (plural) um pronome relativo.
São divididos em:
ronomes Demonstrativos ariáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja,
cujas, quanto, quantos;
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo. nvariáveis: que, quem, quando, como, onde.
Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aquela)
e invariáveis (isso, isto, aquilo). ronomes Interrogativos

R el aç ã o ao tem p o São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formular


Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação perguntas diretas e indiretas.
ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
antes da prova.
Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. uando esse dia chegar, estarei satisfeito.

19
L Í N GU A PO RTU GU E SA

ndicativo Mostra o fato de maneira real, certa, positiva. Ex.:


Pronom es Eu falo alemão.
Classifica o E x em p l os
nterro ativos Su untivo Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinheiro,
qual, quais, Q uanto custa? compraria um carro.
ariáveis quanto, quantos, Q uais sapatos mperativo Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
quanta, quantas. você prefere? canse bastante nestas férias.

Q uem estragou F ormas nominais


meu vestido?
Invariáveis quem, que.
Q ue problema Temos três formas nominais: Infinitivo, ger ndio e partic -
ocorreu? pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se-
VER B O rem capazes de expressar os modos e tempos verbais.

Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da na- nfinitivo


tureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjugação
é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo, modo, Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado nas
voz e aspeto. 1 e 3 pessoas do singular e flexionadas nas demais:
Estudar (eu) não flexionado
Os verbos estão agrupados em três conjugações: Estudares (tu) flexionado
con u a o ar: amar, caçar, começar. Estudar(ele) não flexionado
con u a o er: comer, derreter, beber. Estudarmos (nós) flexionado
con u a o ir: curtir, assumir, abrir. Estudardes (voz) flexionado
Estudarem (eles) flexionado
O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor,
impor) pertencem a 2 conjugação devido à sua origem latina poer. Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada é
P essoas: 1 , 2 e 3 pessoa, em 2 situações: singular e plural. boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo)
1 pessoa do singular eu; ex.: eu viajo
2 pessoa do singular tu; ex.: tu viajas G erú nd i o
3 pessoa do singular ele; ex.: ele viaja
1 pessoa do plural nó s; ex.: nós viajamos Caracteriza-se pela terminação - ndo. O verbo não se flexiona
2 pessoa do plural v s; ex.: vós viajais e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
3 pessoa do plural eles; ex.: eles viajam
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.
T empos do Verbo
articípio
Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
Preté ri to: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou Pode ser regular e irregular.
F uturo: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
O preté rito subdivide-se em:
- Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala. Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim.
- Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias. Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo.
- Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias Exemplo: Purê se faz com batata coz ida.
pequenas.
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classifica-
O f uturo subdivide-se em: do como verbo abundante. É importante lembrar que nem todos
- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo. os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto, cober-
Ex.: articiparei do grupo. to, escrever).
- Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se a
uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria ao T empos Simples e T empos Compostos
show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de assu-
mir esse compromisso. T em p os si m p l es: formados apenas pelo verbo principal.

M odos Verbais Indicativo:


Presente - canto, vendo, parto, etc.

20
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. vão e a maior parte dos que terminam em -mente: calmamente,
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc. tristemente, propositadamente, pacientemente, amorosamente,
Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc. docemente, escandalosamente, bondosamente, generosamente.
Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
I ntensi d ad e: Muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso,
Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incerta, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão, tanto,
imprecisa, duvidosa ou eventual. assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de todo,
Presente - cante, venda, parta, etc. de muito, por completo, bem (quando aplicado a propriedades
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc. graduáveis).
Futuro - cantar, vender, partir.
u ar Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás,
Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato verbal além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon-
pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as for- de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
mas do imperativo: alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
- Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti- a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquerda,
vo): N ão abram a porta. ao lado, em volta.
- Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjuntivo,
com exceção da 2 pessoas do singular e do plural, que são retira- T em p o: oje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, amanhã,
das do presente do indicativo sem o s . Ex: Anda Ande Ande- cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravante, nun-
mos Andai Andem: A bram a porta. ca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, amiúde,
breve, constantemente, entrementes, imediatamente, primei-
O bs. : O imperativo não possui a 1 pessoa do singular, pois ramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à tarde, à
não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo. noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de quando em
quando, a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve,
T em p os c om p ostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver. hoje em dia.

Infinitivo: e a o Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-


Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc. ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres)
vendido. D vida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,
Gerúndio pretérito composto tendo falado, tendo vendido. quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.

Indicativo: Afirma o Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-


Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendido, mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
etc. mente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc. E x c l usã o: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido, simplesmente, só, unicamente.
etc. I nc l usã o: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido, etc. nterro a o porque? (causa), quanto? (preço e intensida-
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que?
Subjuntivo: (finalidade).
Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendido,
etc. O rd em : Depois, primeiramente, ultimamente.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
vesse vendido, etc. esi na o Eis
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.
F lex ão
A D VÉ R B I O
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão
São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou- de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); en-
tro advérbio tretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo.

Classificação dos dvérbios Grau Comparativo O advérbio pode caracterizar relações de


igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse grau
M od o: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa, utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. Pode ser:
acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa, à - de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa - de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você.

21
L Í N GU A PO RTU GU E SA

- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você. - Combinação: A preposição não sofre alteração.
preposição a artigos definidos o, os
Grau Superlativo A circunstância aparecerá intensificada. a o ao
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de su- preposição a advérbio onde
fixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o grau a onde aonde
superlativo).
- Contração: uando a preposição sofre alteração.
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. Ex.: Preposição Artigos
Este conteúdo é f ací limo. De o(s) do(s)
- superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad- De a(s) da(s)
vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil. De um dum
De uns duns
Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em – De uma duma
mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez De umas dumas
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente. Em o(s) no(s)
Em a(s) na(s)
P R EP O SI Ç Ã O Em um num
Em uma numa
Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa rela- Em uns nuns
ção de subordinação donde, geralmente, o segundo termo subor- Em umas numas
dina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão textual e A à(s) à(s)
possuem valores semânticos indispensáveis para a compreensão Por o pelo(s)
do texto. Por a pela(s)

T i p os d e Prep osi ç ã o - Prep osi ç ã o + Pronom es


De ele(s) dele(s)
Lugar: O voo veio de São Francisco. De ela(s) dela(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De este(s) deste(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De esta(s) desta(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De esse(s) desse(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De essa(s) dessa(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De aquele(s) daquele(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De aquela(s) daquela(s)
De isto disto
Classifica o De isso disso
De aquilo daquilo
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De aqui daqui
- Preposições Essenciais palavras que só funcionam como
De aí daí
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde,
De ali dali
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.
De outro doutro(s)
- Preposições Acidentais palavras de outras classes grama-
De outra doutra(s)
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora,
Em este(s) neste(s)
como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos,
Em esta(s) nesta(s)
salvo, segundo, visto etc.
Em esse(s) nesse(s)
Em aquele(s) naquele(s)
ocu es prepositivas são formadas por duas ou mais pa-
lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma Em aquela(s) naquela(s)
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao lado Em isto nisto
de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de, em Em isso nisso
frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por causa Em aquilo naquilo
de, por cima de, por trás de. A aquele(s) àquele(s)
A aquela(s) àquela(s)
A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa- A aquilo àquilo
lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número. Ex.:
por o pelo; por a pela. I N T ER J EI Ç Ã O
Essa concordância não é característica da preposição e sim
das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de uma É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois pro- guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados de
cessos: espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação (!).

22
L Í N GU A PO RTU GU E SA

As interjeições são consideradas palavras-frases na medida Exemplo: João não lê nem escreve.
em que representam frases-resumidas, formadas por sons vocá-
licos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por um -Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste,
grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções interjetivas compensação de pensamentos: mas, poré m, contudo, entretan-
(Meu Deus! Ora bolas!). to, no entanto, todavia

ipos de Interjeiç es Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro.

Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a -Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen-
mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações di- tos: ou. . . ou, já . . . já , ora. . . ora, q uer. . . q uer, seja. . . seja.
ferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classificadas
em: Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta.

Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, Deva- Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensamen-
gar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui! to: logo, por isso, pois uando vem depois do verbo , portanto,
Afugentamento: Fora!, Toca!, ô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre- por conseguinte, assim.
da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
Muito obrigada!, Valeu! Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!, ue bom!
Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem! -Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: q ue, por-
 nimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!, ue, assim, pois uando vem antes do verbo , por uanto, por
Bora! conseguinte.
Apelo: Socorro!, Ei!, !, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh!
Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, Pa-
rabéns!, Boa!
Con un es Su ordinativas L igam orações dependentes
Chamamento: Alô!, Olá , ei , Psiu , ô , oi , psiu
uma da outra.
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!,
Tá!, ã-hã!
-Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Contrariedade: Droga!, Credo!
com função substantiva: q ue, se.
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal!
Desejo: Oxalá!, Tomara!, ueira Deus!, uem me dera! Exemplo: uero que sejas muito feliz.
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã!
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Dúvida: um?, hem?, hã?, Ué! dão ideia de causa: ue, por ue, como, pois, visto ue, já ue,
Espanto: Oh!, Puxa!, uê!, Nossa!, Caramba!, i!, Meu Deus!, uma vez ue
Crê em Deus pai! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Estímulo: Â nimo , Coragem!, Vamos!, Firme!, Força!
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, ue -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
medo!, Jesus! das que dão ideia de comparação: q ue, do q ue, como.
Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom! Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.
Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, uieto!, Bico -Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que
fechado! exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ain-
da q ue, mesmo q ue, se bem q ue, posto q ue, apesar de q ue, por
CO N J U N Ç Ã O mais q ue, por melhor q ue.
É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinhei-
mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordenação
ro.
ou subordinação) entre eles.
-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que
Classificação
exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração prin-
cipal se realize ou não: caso, contanto ue, salvo se, desde ue,
Con un es Coordenativas L igam duas orações independen-
a não ser q ue.
tes.

-Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensamen- Exemplo: Se não chover, irei à festa.
tos: e, nem, não só . . . mas també m, não só . . . como també m.

23
L Í N GU A PO RTU GU E SA

-Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: segundo,
como, conf orme.

Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

-Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração prin-
cipal: q ue, de f orma q ue, de modo q ue, de maneira q ue.

Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para olhar.

-Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que dão ideia de tempo: logo q ue, antes q ue, q uando, assim q ue, sempre q ue.

Exemplo: uando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que exprimem uma finalidade: a fim de ue, para ue

Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à proporção
que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

Q U EST Õ ES

0 1 . I F - A P – A ux iliar em A dministraç ão – 2 0 1 6 - F U N I VER SA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) guerra , o , a e por que .
b) mundo , a , o e lá .
c) quando , por que , e e lá .
d) por que , não , a e quando .
e) guerra , quando , a e não .

0 2 . M E Oficial de romotoria I NE

J apão irá aux iliar M inas G erais com a ex periê ncia no enf rentamento de tragé dias
Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. Minas irá
buscar experiência e tecnologias para superar a tragédia em Mariana
A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para tentar
superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da Agência de
Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia comunitária, espe-
lhada no modelo japonês oban.

24
L Í N GU A PO RTU GU E SA

O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa bu Dhabi constr i cidade do futuro, com tudo movido a
nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e de- energia solar
saparecidos, e prejuízos que quase chegaram a US 200 bilhões,
foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extremo.
últimos anos. Menos de um ano depois da catástrofe, no entanto, Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente por
o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma das
vai buscar para lidar com a tragédia ocorrida em Mariana. maiores usinas de energia solar do mundo.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas
Adaptado) renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e
No trecho B ombeiros mineiros deverão receber poluir menos. Uma aposta no futuro.
treinamento... (1o parágrafo), a expressão em destaque A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa-
é formada por substantivo adjetivo, nessa ordem. Essa relação pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado
também se verifica na expressão destacada em: está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros
Parte superior do formulário de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem estrei-
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos. tas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito para o
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a direção
c) A lguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião? dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa.
d) Trata-se de um lutador bastante f orte e preparado. (Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos. tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cidade-
0 3 . CI ME écnico dministrativo E -do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html)

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- Considere as seguintes passagens do texto:
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda a solar do mundo. (1º parágrafo)
pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a con- II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
dições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
o desemprego . III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de
fora. (3º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça sombra
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que no outro. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. O termo que é pronome e pode ser substituído por o qual
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. APENAS em
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. Parte superior do formulário
c) trabalho, ter, direito, desemprego. a) I e II.
d) espírito, seres, nascer, livre. b) II e III.
c) I, II e IV.
refeitura de arra de uabiraba E N vel undamen- d) I e IV.
tal Completo – 2 0 1 6 - I D H T EC e) III e IV.
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por ex-
tenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase: ref de Ita uitinga E ssistente dministrativo
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem 2 0 1 7 - I D H T EC
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
Papa Pio . (DÉCIMA) Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 ( UATRO- culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bianchi afirma que a
CENTAS E UMA) verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos medo de
c) A 22 edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a falar. Um piloto não vai dizer nada se existir uma câmera, mas
sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA) quando não existem câmeras, todos até mim e me
d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, dizem. Jules Bianchi bateu com seu carro em um trator duran-
em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, me- te um GP, aquaplanou e não conseguiu para evitar o
diante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO) choque.
e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do século (http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos-
. (SÉCULO DUCENTÉSIMO) -da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de-
-bianchi)
0 5 . EL ET R O B R A S- EL ET R O SU L - T é cnico de Seguranç a do T ra-
balho – 2 0 1 6 - F CC

25
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Complete com a sequência de verbos que está no tempo, 0 8 . Ceron/ R O - D ireito – 2 0 1 6 - EX A T U S


modo e pessoa corretos:
a) Tem tem vem - freiar A liç ão do f ogo
b) Tem tiveram vieram - frear
c) Teve tinham vinham frenar 1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava ser-
d) Teve tem veem freiar viços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar de
e) Teve têm vêm frear suas atividades.
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu vi-
0 7 . ( U N I F ESP - T é cnico em Seguranç a do T rabalho – VU - sitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem em
N ESP / 2 0 1 6 ) casa sozinho, sentado diante lareira, onde ardia um fogo
brilhante e acolhedor.
É permitido sonhar 3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin-
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou
Os bastidores do vestibular são cheios de histórias curiosas, quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no lo-
estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns cal indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se forma-
segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas ra, apenas contemplava a dança das chamas em torno das achas
existem outras figuras capazes de chamar a atenção. da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder exa-
Ta eshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda- minou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecionou
de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11 uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a
anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car- lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silencioso e imó-
reira médica. vel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Aos
Nada surpreendente, não fosse a idade do Ta eshi: ele tem poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até que houve um
80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez.
até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar 4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz
nova vida. E o faz tranquilo: Cuidei de meus pais, cuidei dos meus agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão
filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância . recoberto uma espessa camada de fuligem acinzentada.
Não faltará quem critique Ta eshi Nojima: ele está tirando o Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar cum-
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que primento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se preparar
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. á pais que para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são -o de volta ao meio do fogo. uase que imediatamente ele tornou
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- a incandescer, alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando em torno dele. uando o líder alcançou a porta para partir, seu
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou anfitrião disse:
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em 5º Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
si a carga afetiva de uma existência inteira. voltando ao convívio do grupo.
Não sei se Ta eshi Nojima passou no vestibular; a notícia que RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de todos
li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te- os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas
de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem do texto:
desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam a) a ao por.
em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de
b) da para o de.
abandonar a luta, pensem em Ta eshi Nojima, pensem na força
c) à no a.
de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever.
d) a de em.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não che-
gar, 1996. Adaptado)
0 9 . I F - P E - T é cnico em Enf ermagem – 2 0 1 7 - I F - P E
Observe as passagens:
e agora quer começar uma carreira médica. (2 parágrafo); Crô nica da cidade do R io de J aneiro
ele tem 80 anos. I sto mesmo, 80. (3 parágrafo);
alvez a expectativa de vida não permita (4 parágrafo). No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
As expressões destacadas expressam, respectivamente, sen- tos dos escravos encontram amparo.
tido de Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando
a) lugar, modo e causa. seu fulgor, diz, muito tristemente:
b) tempo, afirmação e dúvida. - Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
c) afirmação, afirmação e dúvida. Ele daí.
d) tempo, modo e afirmação. - Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
e) modo, dúvida e intensidade. cupe: Ele volta.

26
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na


cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques, N I E IN IC DO E ODO
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos. SI M P L ES E CO M P O ST O .
Cristo sozinho não basta.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM
Pocket, 2009.)
IN E: N I E IN IC , E, O O E E ODO
Na construção A polícia mata muitos, e mais ainda mata
a economia , a conjunção em destaque estabelece, entre as Sintax e
orações,
Parte superior do formulário A Sintaxe constitui seu foco de análise na sentença, ou seja,
a) uma relação de adição. estuda a função dos vocábulos dentro de uma frase.
b) uma relação de oposição. A Gramática Tradicional trabalha a Sintaxe sob a forma de
c) uma relação de conclusão. análise sintática que, consiste em classificar os vocábulos em
d) uma relação de explicação. sujeito, predicado ou outros termos acessórios da oração (ad-
e) uma relação de consequência. junto adverbial, adnominal, aposto).
Parte inferior do formulário
nálise intática
1 0 . ( I F - P E - A ux iliar em A dministraç ão – I F - P E/ 2 0 1 6 )
Examina a estrutura do período, divide e classifica as orações
A f ome/ 2 que o constituem e reconhece a função sintática dos termos de
cada oração.
Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O
próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é F rase
um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma
coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá A construção da fala é feita a partir da articulação de uni-
de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome de dades comunicativas. Essas unidades exprimem ideias, emoções,
abraços. ordens, apelos, enfim, transmitem comunicação. São chamadas
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM frases
Pocket, 2009, p. 81.)
Exemplos:
No trecho O sistema, que não dá de comer, tampouco dá Espantoso!
de amar , a conjunção destacada estabelece, entre as orações, a Aonde vai com tanta pressa?
relação de O bicho, meu Deus, era um homem. (Manuel Bandeira)
a) conclusão.
b) adversidade. A frase pode ou não se organizar ao redor de um verbo. Na
c) adição. língua falada, a frase é caracterizada pela entonação.
d) explicação.
e) alternância. T ipos de f rases

R ESP O ST A S A intencionalidade do discurso é manifestada através dos di-


ferentes tipos de frases. Para tanto, os sinais de pontuação que
0 1 E
as acompanham auxiliam para expressar o sentido de cada uma
0 2 E delas.
0 3 A
rases e clamativas são empregadas quando o emissor quer
0 4 C
manifestar emoção. São sinalizadas com ponto de exclamação:
0 5 B
0 6 E Puxa!
Até que enfim!
0 7 B
0 8 B rases declarativas representam a constatação de um fato
pelo emissor. Levam ponto final e podem ser afirmativas ou ne-
0 9 B
gativas.
1 0 C
- Declarativas afirmativas:
Gosto de comida apimentada.
As matrículas começam hoje.
- Declarativas negativas:

27
L Í N GU A PO RTU GU E SA

N ão gosto de comida apimentada. T erm os E ssenc i ai s d a O raç ã o: sujeito e predicado.


As matrículas não começam hoje.
Sujeito: aquele que estabelece concordância com o núcleo
rases imperativas são utilizadas para emissão de ordens, do predicado. Quando se trata de predicado verbal, o núcleo é
conselhos e pedidos. Levam ponto final ou ponto de exclamação. sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sem-
pre um nome. Então têm por características básicas:
- Imperativas afirmativas: - ter concordância com o núcleo do predicado;
Vá por ali. - ser elemento determinante em relação ao predicado;
Siga-me! - ser formado por um substantivo, ou pronome substantivo
- Imperativas negativas: ou, uma palavra substantivada.
Não vá por ali.
Não me siga! T i p os d e suj ei to:

rases interro ativas ocorrem quando o emissor faz uma - Simples: um só núcleo: O menino estudou.
pergunta na mensagem. Podem ser diretas ou indiretas. - Composto: mais de um núcleo: O menino e a menina es-
As interrogativas diretas devem ser sinalizadas com ponto de tudaram.
interrogação, enquanto as interrogativas indiretas, ponto final. - Expresso: está explícito, enunciado: Ela ligará para você.
- Oculto (elíptico): está implícito (não está expresso), mas se
- Interrogativas diretas: deduz do contexto: Chegarei amanhã. (sujeito: eu, que se deduz
Escreveu o discurso? da desinência do verbo);
O prazo terminou? - Agente: ação expressa pelo verbo da voz ativa: O Everest é
- Interrogativas indiretas: quase invencível.
uero saber se o discurso está feito. - Paciente: sofre ou recebe os efeitos da ação marcada pelo
Precisava saber se o prazo terminou. verbo passivo: O prédio foi construído.
- Agente e Paciente: o sujeito realiza a ação expressa por um
rases optativas expressam um desejo e são sinalizadas com verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou recebe os efeitos dessa
ação: João cortou-se com aquela faca.
ponto de exclamação:
- Indeterminado: não se indica o agente da ação verbal: Feri-
ram aquele cachorro com uma pedra.
ue Deus te abençoe!
- Sem Sujeito: enunciação pura de um fato, através do predi-
uita sorte para a nova etapa!
cado. São formadas com os verbos impessoais, na 3 pessoa do
singular: Choveu durante a noite.
O raç ão
P redicado: segmento linguístico que estabelece concordân-
É o enunciado que se organiza em torno de um verbo ou de cia com outro termo essencial da oração, o sujeito, sendo este
uma locução verbal. As orações podem ou não ter sentido com- o termo determinante (ou subordinado) e o predicado o termo
pleto. determinado (ou principal). Têm por características básicas:
As orações são a base para a construção dos períodos, e são apresentar-se como elemento determinado em relação ao
formadas por vários termos. Alguns termos estão presentes em sujeito; apontar um atributo ou acrescentar nova informação ao
todas ou na maioria das orações. É o caso do sujeito e predicado. sujeito.
Outros termos não tão frequentes, ou têm um uso situacional,
como os complementos e adjuntos. T i p os d e p red i c ad o:
Exemplo: - predicado nominal: seu núcleo é um nome, substantivo, ad-
A mulher trancou toda a casa. jetivo, pronome, ligado ao sujeito por um verbo de ligação. O nú-
A mulher sujeito cleo do predicado nominal chama-se predicativo do su eito, pois
trancou toda a casa predicado atribui ao sujeito uma qualidade ou característica.
- predicado verbal: seu núcleo é um verbo, seguido, ou não,
Amanheceu logo em seguida. (toda a oração é predicado) de complemento(s) ou termos acessórios).
- predicado verbo-nominal: tem dois núcleos significativos:
Sujeito é aquele ou aquilo de que(m) se fala. Já o predicado um verbo e um nome
é a informação dada sobre o sujeito. N úcleo de um termo é a pa-
lavra principal (geralmente um substantivo, pronome ou verbo). redica o ver al é o modo pelo qual o verbo forma o pre-
dicado.
O s termos da oraç ão são divididos em três níveis: Alguns verbos que, tem sentido completo, sendo apenas eles
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e Predicado. o predicado. São denominados intransitivos. Exemplo: As folhas
- Termos Integrantes da Oração: Complemento Nominal e caem.
Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto indireto e Agente Outros, para fazerem parte do predicado precisam de outros
da Passiva). termos: Chamados transitivos. Exemplos: José comprou o carro.
- Termos Acessórios da Oração: Adjunto Adnominal, Adjunto (Sem os seus complementos, o verbo comprou, não transmitiria
Adverbial, Vocativo e Aposto. uma informação completa: comprou o quê?)

28
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Os verbos de predicação completa denominam-se intransiti- A ente da assiva: complemento de um verbo na voz pas-
vos e os de predicação incompleta, transitivos. Os verbos transiti- siva. Representa o ser que pratica a ação expressa pelo verbo
vos subdividem-se em: transitivos diretos, transitivos indiretos e passivo. Vem regido comumente pela preposição por, e menos
transitivos diretos e indiretos (bitransitivos). frequentemente pela preposição de.
Além dos verbos transitivos e intransitivos, existem os verbos
de ligaç ão que entram na formação do predicado nominal, rela- T ermos A cessó rios da O raç ão
cionando o predicativo com o sujeito.
São os que desempenham na oração uma função secundária,
- Transitivos Diretos: pedem um objeto direto, isto é, um qual seja a de caracterizar um ser, determinar os substantivos,
complemento sem preposição. Exemplo: Comprei um terreno e exprimir alguma circunstância. São eles:
construí a loja.
- Transitivos Indiretos: pedem um complemento regido de Ad unto adnominal termo que caracteriza ou determina os
preposição, chamado objeto indireto. Exemplo: Não se perdoa ao substantivos. Pode ser expresso: Pelos adjetivos: animal f eroz ; Pe-
político que rouba aos montes. los artigos: o mundo; Pelos pronomes adjetivos: muitos países.
- Transitivos Diretos e Indiretos: se usam com dois objetos:
direto e indireto, concomitantemente. Exemplo: Maria dava ali- Ad unto adver ial termo que exprime uma circunstância (de
mento aos pobres. tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras palavras, que modifica o
- de Ligação: ligam ao sujeito uma palavra ou expressão cha- sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio. É expresso: Pelos ad-
mada predicativo. Esses verbos entram na formação do predica- vérbios: Cheguei cedo; Pelas locuções ou expressões adverbiais:
do nominal. Exemplo: A Bahia é quente. Saí com meu pai.
redicativo: Existe o predicativo do sujeito e o predicativo do Aposto palavra ou expressão que explica ou esclarece, de-
objeto. senvolve ou resume outro termo da oração. Exemplos: David,
que foi um excelente aluno, passou no vestibular.
redicativo do Su eito: termo que exprime um atributo, um
estado ou modo de ser do sujeito, ao qual se prende por um ver- O núcleo do aposto é um substantivo ou um pronome subs-
bo de ligação, no predicado nominal. Exemplos: A bandeira é o tantivo: O aposto não pode ser formado por adjetivos. Os apos-
sí mbolo da naç ão.
tos, em geral, destacam-se por pausas, indicadas, na escrita, por
redicativo do eto termo que se refere ao objeto de um
vírgulas, dois pontos ou travessões.
verbo transitivo. Exemplo: O juiz declarou o réu culpado.
ocativo termo usado para chamar ou interpelar a pessoa,
T ermos I ntegrantes da O raç ão
o animal ou a coisa personificada a que nos dirigimos. Exemplo:
Vamos à escola, meus filhos!
São os termos que completam a significação transitiva dos
O vocativo não pertence à estrutura da oração, por isso não
verbos e nomes. Integram o sentido da oração, sendo assim indis-
se anexa ao sujeito nem ao predicado.
pensável à compreensão do enunciado. São eles:
- Complemento Verbal (Objeto Direto e Objeto Indireto);
- Complemento Nominal; P erí odo
- Agente da Passiva.
O período pode ser caracterizado pela presença de uma ou
O b j eto D i reto: complemento dos verbos de predicação in- de mais orações, por isso, pode ser simples ou composto.
completa, não regido, normalmente, de preposição. Exemplo: As
plantas purificaram o ar. eríodo Simples - apresenta apenas uma oração, a qual é
chamada de oração absoluta. Exemplo: Já chegamos.
Tem as seguintes características:
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; P erí odo Composto - apresenta duas ou mais orações. Exem-
- Geralmente, não vem regido de preposição; plo: Conversamos quando eu voltar. O nú mero de orações de-
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por um pende do número de verbos presentes num enunciado.
verbo ativo.
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva. Classificação do er odo Composto

O b j eto I nd i reto: complemento verbal regido de preposição eríodo Composto por Coordena o - as orações são
necessária e sem valor circunstancial. Representa, o ser a que se independentes entre si, ou seja, cada uma delas têm sentido
destina ou se refere à ação verbal. É sempre regido de preposição, completo.
expressa ou implícita. Exemplo: Entrou na loja e comprou vários sapatos.
C om p l em ento N om i nal : termo complementar reclamado eríodo Composto por Su ordina o - as orações relacionam-
pela significação transitiva, incompleta, de certos substantivos, se entre si.
adjetivos e advérbios. Vem sempre regido de preposição. Exem- Exemplo: Espero terminar meu trabalho antes do meu pa-
plo: Assistência às aulas. trão voltar de viagem.

29
L Í N GU A PO RTU GU E SA

eríodo Composto por Coordena o e Su ordina o - há a CI ME dvogado E


presença de orações coordenadas e subordinadas.
Exemplo: Enquanto eles f alarem, nós vamos escutar. O assassino era o escriba
Paulo Leminsky
Oraç es Coordenadas
Meu professor de análise sintática era o tipo do
Podem ser sindéticas ou assindéticas, respectivamente, con- sujeito inexistente.
forme são utilizadas ou não conjunções Exemplos: Ora f ala, ora Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida,
não f ala. (oração coordenada sindética, marcada pelo uso da regular como um paradigma da 1ª conjugação.
conjunção ora...ora ). As aulas começ aram, os deveres começ a- Entre uma oração subordinada e um adjunto
ram e a preguiça deu lugar à determinação. (orações coordena- adverbial,
das assindéticas: As aulas começaram, os deveres começaram , ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
oração coordenada sindética: e a preguiça deu lugar à determi-
assindético de nos torturar com um aposto.
nação .)
Casou com uma regência.
As orações coordenadas sindéticas podem ser: Foi infeliz.
- Aditivas: quando as orações expressam soma. Exemplo: Era possessivo como um pronome.
Gosto de salgado, mas també m gosto de doce. E ela era bitransitiva.
- Adversativas: quando as orações expressam adversidade. Tentou ir para os EUA.
Exemplo: Gostava do moço, poré m não queria se casar. Não deu.
- Alternativas: quando as orações expressam alternativa. Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.
Exemplo: Fica ele ou fico eu. A interjeição do bigode declinava partículas
- Conclusivas: quando as orações expressam conclusão. expletivas,
Exemplo: Estão de acordo, então vamos. conectivos e agentes da passiva, o tempo todo.
- Explicativas: quando as orações expressam explicação. Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.
Exemplo: Fizemos a tarefa hoje porq ue tivemos tempo.
Na frase Entre uma oração subordinada e um adjunto ad-
Oraç es ubordinadas
verbial , o autor faz referência à oração subordinada. Assinale a
A s orações subordinadas podem ser substantivas, adjetivas alternativa que N O corresponde corretamente à compreensão
ou adverbiais, conforme a sua função. da relação entre orações:
- Substantivas: quando as orações têm função de substantivo. Parte superior do formulário
Exemplo: Espero que eles consigam. a) Oração subordinada é o nome que se dá ao tipo de oração
- Adjetivas: quando as orações têm função de adjetivo. Exem- que é indispensável para a compreensão da oração principal.
plo: Os concorrentes que se preparam mais têm um desempenho b) Diferentemente da coordenada, a oração subordinada é a
melhor. que complementa o sentido da oração principal, não sendo possí-
- Adverbiais: quando as orações têm função de advérbio. vel compreender individualmente nenhuma das orações, pois há
Exemplo: medida que crescem, aumentam os gastos. uma relação de dependência do sentido.
c) Subordinação refere-se a estar ordenado sob , sendo indi-
Q U EST Õ ES ferente a classificação de uma oração coordenada ou subordina-
0 1 . P ref . D e Caucaia/ CE – A gente de Suporte e F iscaliz aç ão
da, pois as duas têm a mesma validade.
– 2 0 1 6 - CET R ED E
d) A oração principal é aquela rege a oração subordinada, não
D os rituais sendo possível seu entendimento sem o complemento.

No primeiro contato com os selvagens, que medo nos dá de EM E u iliar Operacional de erviços erais
infringir os rituais, de violar um tabu! 2 0 1 7 – F U N CA B
É todo um meticuloso cerimonial, cuja infração eles não nos
perdoam. A carta de amor
Eu estava falando nos selvagens? Mas com os civilizados é o
mesmo. O u pior até. No momento em que Malvina ia por a frigideira no fogo,
uando você estiver metido entre grã-finos, é preciso ter entrou a cozinheira com um envelope na mão. Isso bastou para
muito, muito cuidado: eles são tão primitivos! que ela se tornasse nervosa. Seu coração pôs-se a bater precipi-
Mário Quintana tadamente e seu rosto se afogueou. Abriu-o com gesto decisivo e
Em relação à oração eles são tão primitivos! , assinale o item extraiu um papel verde-mar, sobre o qual se liam, em caracteres
INCORRETO.
energéticos, masculinos, estas palavras: Você será amada... .
a) Refere-se a grã-finos.
Malvina empalideceu, apesar de já conhecer o conteúdo
b) O sujeito é indeterminado.
dessa carta verde-mar, que recebia todos os dias, havia já uma
c) O predicado é nominal.
d) Tem verbo de ligação semana. Malvina estava apaixonada por um ente invisível, por um
e) Apresenta predicativo do sujeito. papel verde-mar, por três palavras e três pontos de reticências:
Você será amada... . á uma semana que vivia como ébria.

30
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Olhava para a rua e qualquer olhar de homem que se cru- Todas manhãs ele passava nos bairros dos brancos carregan-
zasse com o seu, lhe fazia palpitar tumultuosamente o coração. do suas enormes gaiolas. Ele mesmo fabricava aquelas jaulas,
Se o telefone tilintava, seu pensamento corria célere: talvez fos- de tão leve material que nem pareciam servir de prisão. Parecia
se ele . Se não conhecesse a causa desse transtorno, por certo eram gaiolas aladas, voláteis. Dentro delas, os pássaros esvoavam
Malvina já teria ido consultar um médico de doenças nervosas. suas cores repentinas. volta do vendedeiro, era uma nuvem de
Mandara examinar por um grafólogo a letra dessa carta. Fora em pios, tantos que faziam mexer as janelas:
todas as papelarias à procura desse papel verde-mar e, incons- - Mãe, olha o homem dos passarinheiros!
cientemente, fora até o correio ver se descobria o remetente no E os meninos inundavam as ruas. As alegrias se intercambia-
ato de atirar o envelope na caixa. vam: a gritaria das aves e o chilreio das crianças. O homem puxava
Tudo em vão. uem escrevia conseguia manter-se incógnito. de uma mus a e harmonicava sonâmbulas melodias. O mundo
Malvina teria feito tudo quanto ele quisesse. Nenhum empecilho inteiro se fabulava.
para com o desconhecido. Mas para que ela pudesse realizar o Por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abu-
seu sonho, era preciso que ele se tornasse homem de carne e sos. Ensinavam suspeitas aos seus pequenos filhos - aquele preto
osso. Malvina imaginava-o alto, moreno, com grandes olhos ne- quem era? Alguém conhecia recomendações dele? uem autori-
gros, forte e espadaúdo. zara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não e não. O
O seu cérebro trabalhava: seria ele casado? Não, não o era. negro que voltasse ao seu devido lugar. Contudo, os pássaros tão
Seria pobre? Não podia ser. Seria um grande industrial? uem encantantes que são - insistiam os meninos. Os pais se agrava-
sabe? vam: estava dito.
As cartas de amor, verde-mar, haviam surgido na vida de Mal- Mas aquela ordem pouco seria desempenhada. ...
vina como o dilúvio, transformando-lhe o cérebro. O homem então se decidia a sair, juntar as suas raivas com os
Afinal, no décimo dia, chegou a explicação do enigma. Foi demais colonos. No clube, eles todos se aclamavam: era preciso
uma coisa tão dramática, tão original, tão crível, que Malvina não acabar com as visitas do passarinheiro. ue a medida não podia
teve nem um ataque de histerismo, nem uma crise de cólera. Fi- ser de morte matada, nem coisa que ofendesse a vista das senho-
cou apenas petrificada. ras e seus filhos. 6 remédio, enfim, se haveria de pensar.
Você será amada... se usar, pela manhã, o creme de beleza No dia seguinte, o vendedor repetiu a sua alegre invasão. Afi-
Lua Cheia. O creme Lua Cheia é vendido em todas as farmácias e nal, os colonos ainda que hesitaram: aquele negro trazia aves de
drogarias. Ninguém resistirá a você, se usar o creme Lua Cheia. belezas jamais vistas. Ninguém podia resistir às suas cores, seus
chilreios. Nem aquilo parecia coisa deste verídico mundo. O ven-
Era o que continha o papel verde-mar, escrito em enérgicos
dedor se anonimava, em humilde desaparecimento de si:
caracteres masculinos.
- Esses são pássaros muito excelentes, desses com as asas
Ao voltar a si, Malvina arrastou-se até o telefone:
todas de fora.
-Alô! É Jorge quem está falando? Já pensei e resolvi casar-me
Os portugueses se interrogavam: onde desencantava ele tão
com você. Sim, Jorge, amo-o! Ora, que pergunta! Pode vir. maravilhosas criaturas? onde, se eles tinham já desbravado os
A voz de Jorge estava rouca de felicidade! mais extensos matos?
E nunca soube a que devia tanta sorte! O vendedor se segredava, respondendo um riso. Os senhores
André Sinoldi receavam as suas próprias suspeições - teria aquele negro direito
a ingressar num mundo onde eles careciam de acesso? Mas logo
Se a oração escrita na carta estivesse completa, como em se aprontavam a diminuir-lhe os méritos: o tipo dormia nas ár-
Você será amada POR MIM , o termo destacado funcionaria vores, em plena passarada. Eles se igualam aos bichos silvestres,
como: concluíam.
a) complemento nominal. Fosse por desdenho dos grandes ou por glória dos pequenos,
b) objeto direto. a verdade é que, aos pouco-poucos, o passarinheiro foi virando
c) agente da passiva. assunto no bairro do cimento. Sua presença foi enchendo dura-
d) objeto indireto. ções, insuspeitos vazios. Conforme dele se comprava, as casas
e) adjunto nominal. mais se repletavam de doces cantos. Aquela música se estranha-
va nos moradores, mostrando que aquele bairro não pertencia
0 4 . EM SER H – Enf ermeiro – 2 0 1 7 – F U N CA B àquela terra. Afinal, os pássaros desautenticavam os residentes,
Assinale a alternativa correspondente ao período onde há estrangeirando-lhes? ... O comerciante devia saber que seus
predicativo do sujeito: passos descalços não cabiam naquelas ruas. Os brancos se inquie-
tavam com aquela desobediência, acusando o tempo. ...
O embondeiro ue sonhava pássaros As crianças emigravam de sua condição, desdobrando-se em
outras felizes existências. E todos se familiavam, parentes aparen-
Esse homem sempre vai ficar de sombra: nenhuma memória tes. [ ...]
será bastante para lhe salvar do escuro. Em verdade, seu astro Os pais lhes queriam fechar o sonho, sua pequena e infinita
não era o Sol. Nem seu país não era a vida. Talvez, por razão disso, alma. Surgiu o mando: a rua vos está proibida, vocês não saem
ele habitasse com cautela de um estranho. O vendedor de pás- mais. Correram-se as cortinas, as casas fecharam suas pálpebras.
COUTO, Mia. Cada homem é uma raça: contos/ Mia Couto
saros não tinha sequer o abrigo de um nome. Chamavam-lhe o
- 1ª ed. - São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p.63 - 71. (Frag-
passarinheiro.
mento).

31
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Sobre os elementos destacados do fragmento Em verdade, d) A solução para muitos é a reconversão em técnico ...
seu astro não era o Sol. Nem seu país não era a vida. , leia as afir- e) ... que depende das qualidades pessoais de seus membros.
mativas.
I. A expressão EM VERDADE pode ser substituída, sem altera- 0 6 . M P E/ P B - T é cnico ministerial - diligê ncias e apoio admi-
ção de sentido por COM EFEITO. nistrativo CC
II. ERA O SOL formam o predicado verbal da primeira oração.
III. NEM, no contexto, é uma conjunção coordenativa. O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha
Está correto apenas o que se afirma em: aldeia
a) I e III. Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
b) III.
c) I e II. O Tejo tem grandes navios
d) I. E navega nele ainda,
e) II e III. Para aqueles que veem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.
0 5 . T R E/ R R - T é cnico J udiciá rio - O peraç ão de Computadores
– 2 0 1 5 - F CC O Tejo desce de Espanha
indiscut vel ue no mundo contempor neo o ambiente E o Tejo entra no mar em Portugal
do futebol é dos mais intensos do ponto de vista psicol gico. Toda a gente sabe isso.
N os está dios a concentraç ão é total. ive se ali situação de Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
incessante dialé tica entre o metaf ó rico e o literal, entre o lúdico E para onde ele vai
e o real. O ue varia conforme o indiv duo considerado é a E donde ele vem
passagem de uma condiç ão a outra. P assagem rá pida no caso E por isso, porque pertence a menos gente,
do torcedor, cuja regressão psí q uica do lúdico dura algumas É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
horas e funciona como escape para as press es do cotidiano.
assagem lenta no caso do futebolista profissional, ue vive Pelo Tejo vai-se para o Mundo
uinze ou vinte anos em ambiente de fantasia, ue geralmente Para além do Tejo há a América
torna difícil a inserção na realidade global quando termina a car- E a fortuna daqueles que a encontram
reira. A solução para muitos é a reconversão em técnico, que os Ninguém nunca pensou no que há para além
mantém sob holofote. Lothar Ma h us, por exemplo, recordista Do rio da minha aldeia.
de partidas em Copas do Mundo, com a seleção alemã, Ballon
d Or de 1990, tornou-se técnico porque na verdade, para mim, o O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
futebol é mais importante do que a família . ... uem está ao pé dele está só ao pé dele.
Sendo esporte coletivo, o futebol tem implicações e significa- (Alberto Caeiro)
ções psicológicas coletivas, porém calcadas, pelo menos em par-
te, nas individualidades que o compõem. O jogo é coletivo, como E o Tejo entra no mar em Portugal
a vida social, porém num e noutra a atuação de um só indivíduo
pode repercutir sobre o todo. Como em qualquer sociedade, na O elemento que exerce a mesma função sintática que o subli-
do futebol vive-se o tempo inteiro em equilíbrio precário entre o nhado acima encontra-se em
indivíduo e o grupo. O jogador busca o sucesso pessoal, para o a) a fortuna. (4a estrofe)
qual depende em grande parte dos companheiros; há um senti- b) A memória das naus. (2a estrofe)
mento de equipe, que depende das qualidades pessoais de seus c) grandes navios. (2a estrofe)
membros. O torcedor lúcido busca o prazer do jogo preservando d) menos gente. (3a estrofe)
sua individualidade; todavia, a própria condição de torcedor aca- e) a América. (4a estrofe)
ba por diluí-lo na massa.
(JÚNIOR, Hilário Franco. A dança dos deuses: futebol, cultura, 0 7 . egião nalista udiciário rea dministra-
sociedade. São Paulo: Companhia das letras, 2007, p. 303-304, tiva CC
com adaptações) O museu é considerado um instrumento de neutralização e
talvez o seja de fato. Os objetos que nele se encontram reunidos
Ballon d Or 1990 - prêmio de melhor jogador do ano trazem o testemunho de disputas sociais, de conflitos políticos
e religiosos. Muitas obras antigas celebram vitórias militares e
O jogador busca o sucesso pessoal ... conquistas: a maior parte presta homenagem às potências domi-
nantes, suas financiadoras. As obras modernas são, mais gene-
A mesma relação sintática entre verbo e complemento, subli- ricamente, animadas pelo espírito crítico: elas protestam contra
nhados acima, está em: os fatos da realidade, os poderes, o estado das coisas. O museu
a) É indiscutível que no mundo contemporâneo... reúne todas essas manifestações de sentido oposto. Expõe tudo
b) ... o futebol tem implicações e significações psicológicas junto em nome de um valor que se presume partilhado por elas: a
coletivas ... qualidade artística. Suas diferenças funcionais, suas divergências
c) ... e funciona como escape para as pressões do cotidiano. políticas são apagadas.

32
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A violência de que participavam, ou que combatiam, é es- < h t t p : / / w w w . a n a c . g o v. b r / N o t i c i a . a s p x ? t t C D _


quecida. O museu parece assim desempenhar um papel de pa- CHAVE=1957&slCD_ ORIGEM=29>. Acesso em: 13/12/2015 (com
cificação social. A guerra das imagens extingue-se na pacificação adaptações).
dos museus. a) Prejudica a correção gramatical do período, pois provoca
Todos os objetos reunidos ali têm como princípio o fato de truncamento sintático.
terem sido retirados de seu contexto. Desde então, dois pontos b) Transforma o aposto em oração subordinada adjetiva ex-
de vista concorrentes são possíveis. De acordo com o primeiro, o plicativa.
museu é por excelência o lugar de advento da Arte enquanto tal, c) Altera a oração subordinada explicativa para oração res-
separada de seus pretextos, libertada de suas sujeições. Para o se- tritiva.
gundo, e pela mesma razão, é um depósito de despojos . Por um d) Transforma o segmento grifado em oração principal do pe-
lado, o museu facilita o acesso das obras a um status estético que ríodo.
as exalta. Por outro, as reduz a um destino igualmente estético, e) Corrige erro de estrutura sintática inserido no período.
mas, desta vez, concebido como um estado letárgico.
A colocação em museu foi descrita e denunciada frequente- R ESP O ST A S
mente como uma desvitalização do simbólico, e a musealização 0 1 B
progressiva dos objetos de uso como outros tantos escândalos
sucessivos. Ainda seria preciso perguntar sobre a razão do es- 0 2 C
cândalo . Para que haja escândalo, é necessário que tenha havido 0 3 C
atentado ao sagrado. Diante de cada crítica escandalizada dirigida
0 4 A
ao museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente
sacralizado. A Religião? A Arte? A singularidade absoluta da obra? 0 5 B
A Revolta? A Vida autêntica? A integridade do Contexto original? 0 6 B
Estranha inversão de perspectiva. Porque, simultaneamente, a
crítica mais comum contra o museu apresenta-o como sendo, ele 0 7 C
próprio, um órgão de sacralização. O museu, por retirar as obras 0 8 B
de sua origem, é realmente o lugar simbólico onde o trabalho
de abstração assume seu caráter mais violento e mais ultrajan-
te . Porém, esse trabalho de abstração e esse efeito de alienação
operam em toda parte. É a ação do tempo, conjugada com nossa CO N CO R D Â N CI A N O M I N A L E VER B A L .
ilusão da presença mantida e da arte conservada.
(Adaptado de: GALARD, Jean. Beleza Exorbitante. São Paulo,
Fap.-Unifesp, 2012, p. 68-71)
CO N CO R D Â N CI A N O M I N A L VER B A L
Na frase Diante de cada crítica escandalizada dirigida ao
museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente Segundo Ma oso câmara Jr., dá-se o nome de concordância à
sacralizado (3 parágrafo), a oração sublinhada complementa o circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de acor-
sentido de do com o substantivo a que se refere (concordância nominal) e
a) um substantivo, e pode ser considerada como interrogati- à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com o seu
va indireta. sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que exis-
b) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa di- tem dúvidas.
reta.
c) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa in- Concordâ ncia N ominal
direta.
d) um substantivo, e pode ser considerada como interroga- O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome ad-
tiva direta. jetivo) concordam em gênero e número com o nome a que se
e) um advérbio, e pode ser considerada como interrogativa referem.
indireta.
Ad etivos e um su stantivo uando houver mais de um ad-
N C nalista dministrativo E jetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gênero e
Assinale a opção que apresenta explicação correta para a in- número com o substantivo.
serção de que é antes do segmento grifado no texto.
Amava suco gelado e doce.
A Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
divulgou recentemente a pesquisa O Brasil que voa Perfil dos Su stantivos e um ad etivo uando há mais do que um
Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, o mais completo levan- substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
tamento sobre transporte aéreo de passageiros do País. Mais de
150 mil passageiros, ouvidos durante 2014 nos 65 aeroportos res- Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo
ponsáveis por 98 da movimentação aérea do País, revelaram um deve concordar com o substantivo mais próximo.
perfil inédito do setor.

33
L Í N GU A PO RTU GU E SA

L indo pai e filho. apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3. pessoa do sin-
gular:
- Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjetivo Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando tem-
deve concordar com o substantivo mais próximo ou também com po decorrido)
todos os substantivos.
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o ob-
Comida e bebida perfeita. jeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo estabe-
Comida e bebida perfeitas. lece concordância em número com o objeto direto:

- alavras adver iais palavras ad etivas há palavras que Vende-se ovo.


têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo. Vendem-se ovos.
uando advérbio, são invariáveis: á b astante comida.
uando adjetivo, concordam com o nome a que se referem: - Concordância verbal com a partícula de indeterminação do
á b astantes motivos para não gostar dele. sujeito se: uando atua como indeterminadora do sujeito, o ver-
Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba- bo fica sempre conjugado na 3. pessoa do singular:
rato, caro, meio, longe, etc. Precisa-se de vendedor.
Precisa-se de vendedores.
- E press es ane o e o ri ado tratam-se de palavras ad-
jetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
de,...: o verbo fica conjugado na 3. pessoa do singular. Porém, já
Seguem anex as as avalia es. se considera aceitável o uso da 3. pessoa do plural:
Seguem anex os os c onteú d os.
Muito o ri ado, disse el e. A maioria dos meninos vai
Muito o ri ada, disse el a. A maior parte dos meninos vai
A maioria dos meninos vão
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite, leso, A maior parte dos meninos vão
mesmo e próprio.
- Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
Concordâ ncia Verbal concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:

A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona Fui eu que contei o segredo.
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é feita Foi ele que contou o segredo.
em número (singular ou plural) e em pessoa (1. , 2. ou 3. pes- Fomos nós que contamos o segredo.
soa).
- Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
Su eito composto antes do ver o O sujeito é composto e concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural. ou fica conjugado na 3. pessoa do singular:

João e Paulo conversaram pelo telefone. Fui eu quem contei o segredo.


Fomos nós quem contamos o segredo
Su eito composto depois do ver o O sujeito composto vem Fui eu quem contou o segredo.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concordar Fomos nós quem contou o segredo.
com o sujeito mais próximo.
- Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
Brincaram Pedro e Vítor. flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
Brincou Pedro e Vítor. segunda oração é diferente da primeira:

Su eito ormado por pessoas ramaticais di erentes O su- Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
que, a nível gramatical, tem prioridade. não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposiciona-
1. pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2. (tu, vós) dos:
e a 2. tem prioridade em relação à 3. (ele, eles).
Foram impedidos de entender a razão.
Nós, vós e eles vamos à igreja.
- Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
Casos específicos de concord ncia ver al número é estabelecida com o predicativo do sujeito:

- Concordância verbal com verbos impessoais: como não Isto é verdade!

34
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Isto são verdades! E) Na frase A maioria das pessoas não frequentam o museu ,
o verbo encontra-se no plural por concordar com pessoas , ainda
- Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre que pudesse, no singular, concordar com maioria .
na 3. pessoa do plural:
M E Oficial de romotoria I NE
Um dos que foram
Um dos que podem F ora do jogo

Q U EST Õ ES uando a economia muda de direção, há variáveis que logo


se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga-
ref de Nova eneza C sic logo E E mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais
A alternativa que está coerente com as regras da concordân- lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências nega-
cia nominal é: tivas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam ser
A) Ternos marrons-claros. duradouras.
B) Tratados lusos-brasileiros. Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da As-
C) Aulas teórico-práticas. sociação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empresas
D) Sapatos azul-marinhos. do setor de crédito e financiamento.
E) Camisas verdes-escuras. Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
0 2 . SA A EB – Engenheiro de Seguranç a do T rabalho – 2 0 1 6 em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
- F A F IP A dois meses.
Indique a alternativa que N O apresenta erro de concordân- Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
cia nominal. consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de empre-
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina e go, que tem forte correlação com a capacidade de pagamento das
a espanhola. famílias.
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem a
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram só. perder investimentos em treinamento e incorrer em custos traba-
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. lhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém, jogaram
a toalha.
0 3 . CI ME dvogado E O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imediato.
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas tam-
ternativa cuja frase N O realiza a concordância de acordo com a bém enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos, pois
norma padrão da Língua Portuguesa: não possui carteira de trabalho assinada.
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. década o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus mercado de trabalho e a alta do desemprego.
objetivos. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais distan-
te o alvo, maior a dedicação. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que se A) A mudança de direção da economia fazem com que se al-
quer. tere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
egião nalista udiciário rea dministrativa enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
– 2 0 1 7 - F CC C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
A) Em A aquisição de novas obras devem trazer benefícios cionários.
a todos os frequentadores , a concordância está correta por se D) São as dívidas que faz com que grande número dos consu-
tratar de expressão partitiva. midores não estejam em dia com suas obrigações.
B) Em Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus ,
E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Crédi-
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é
to mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter novos
cerca .
créditos.
C) Na frase ão de se garantir as condições necessárias à
conservação das obras de arte , o verbo haver deveria estar no
0 6 . CO E Contador J únior NC
singular, uma vez que é impessoal.
Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
D) Em Acredita-se que 25 da população frequentem am-
corretamente flexionados quanto à concordância verbal
bientes culturais , a concordância está correta, uma vez que a
A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recente-
porcentagem é o núcleo do segmento nominal.
mente a nova edição do relatório Smo e-free movies (Filmes sem

35
L Í N GU A PO RTU GU E SA

cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem imagens amigo de - amor a, de, para com, por ansioso de, para,
de pessoas fumando deveria receber classificação indicativa para por - apto a, para - assíduo a, em - atenção a - atento a,
adultos. em - atencioso com, para com - benéfico a - benefício a
B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí- bom para - capacidade de, para - capaz de, para cego a
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo ale- - certeza de - comum de - conforme a, com - consulta a -
mães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fumando contente com, de, em, por - cuidadoso com curioso de, por
em filmes classificados para menores de 18 anos. descontente com - desfavorável a desrespeito a - diferente
C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a telona de - dificuldade com, de, em, para digno de - dúvida acerca
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensagens de, em, sobre entendido em essencial para fácil a, de,
subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas em diver- para - facilidade de, em, para - fiel a - feliz de, com, em, por
sos países passou a restringir a publicidade do tabaco. - grato a - horror a, de, por - idêntico a - impaciência com
D) E 90 dos filmes argentinos também exibiu imagens de incapaz de, para influência sobre - insensível a - intolerante
fumo em filmes para jovens. com - junto a, de - leal a - lento em liberal com - maior
E) Os especialistas da organização citam estudos que mos- de manifestação contra - medo de, a menor de mo-
tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois de rador em - natural de - necessário a - obediente a - ódio
ver atores famosos dando suas pitadas nos filmes. a, contra - orgulhoso de, com - paixão de, por parecido a,
com - referência a, por propício a - próximo a, de - pronto
para, em - propensão para - relação a, com, de, por, para com
R ESP O ST A S - relacionado com - rente a, de, com - responsável por - rico
0 1 C de, em satisfeito com, de, em, por - semelhante a - suspeito
a, de - tentativa contra, de, para, para com único em - vazio
0 2 D de visível a - vizinho a, de, com zelo a, de, por .
0 3 A
e ência de Adv r ios são importantes os advérbios: longe
0 4 E
de , perto de e proximamente a, de . Todos os advérbios termi-
0 5 C nados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposição dos
0 6 C adjetivos: Compatível com ; compativelmente com . Relativo
a ; relativamente a

R EG Ê N CI A VER B A L E N O M I N A L . R egê ncia Verbal

É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos


e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
R EG Ê N CI A N O M I N A L E VER B A L verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e in-
direto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um podem ser:
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabe- - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para que
lecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos; Transi-
expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas tivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
e claras. - Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que preci-
sam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para darem
R egê ncia N ominal um sentido completo para a frase.

á nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos, E emplos de re ência ver al n o preposicionada


e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Leu o jornal.
de um complemento (complemento nominal) para completar seu Comeu o chocolate.
sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Ex- Bebeu o vinho.
pedito (compl. Nominal). Ouviu a música.
Estudou a matéria.
O substantivo devoto rege um complemento nominal prece- Fez o jantar
dido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular entre o
nome e complemento, está sempre marcada por uma preposição. E emplos de re ência ver al preposicionada
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Procedeu à leitura do livro.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Pagou ao fornecedor.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Desobedeceu aos mandamentos.
Apoiou-se na mesa.
Acessível a, para - acostumado a, com - adequado a - Apaixonou-se por sua melhor amiga.
admiração a, por - alheio a, de - aliado a, com - amante de Meditou sobre a possibilidade.

36
L Í N GU A PO RTU GU E SA

uando a re ência ver al eita atrav s de uma preposi No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso
o as mais utili adas s o a de com em para por so re gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
agradar a;
obedecer a; Assinale a opção que indica a frase em que a preposição a
assistir a; introduz um adjunto e não um complemento.
visar a; A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc.
lembrar-se de; B) É preciso passar o Brasil a limpo.
simpatizar com; C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, mas
comparecer em; para proteger quem o escreve.
convocar para; D) uem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que o
trocar por; carregue.
alertar sobre. E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para
promover os miseráveis a pobres e, às vezes, vice-versa.
Q U EST Õ ES 0 3 . P ref . de F lorianó polis/ SC – A ux iliar de Sala – 2 0 1 6 - F E-
P ESE
0 1 . M P E- G O - Secretá rio A ux iliar – G oiá s – 2 0 1 8 – M P E- G O
linguagem poética
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para verbos Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo de restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
transgressão não ocorre. a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
A) Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de mneumotécnica ( técnica de memorizar); os textos narrativos, lí-
toda a política externa brasileira. (Clóvis Rossi) ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen-
B) Educador é todo aquele que confere e convive com esses te, e os versos repetição de um mesmo número de sílabas ou
conhecimentos. (J. Carlos de Sousa) de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é de uma mesma sonoridade (rima) facilitavam a memorização.
um brasileiro. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é
aspira. rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com
simultaneamente. as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo.
( )
0 2 . CO D EB A – A nalista P ortuá rio – A dministrador – 2 0 1 6 - Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
F G V exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver-
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem licenças poé-
R elató rios ticas .
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, são indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de-
lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação de suso ou novos; seja criando novas palavras.
que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como leitores Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização
preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica-
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem pres- ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente
supor que compartilham com seus leitores um conhecimento faz espontaneamente apelo a comparações razoáveis (pertinen-
geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer um tes) do tipo a terra é redonda como uma laranja (a redondeza
texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessidade é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja),
de apresentar informações prévias. ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. tais como: Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em consideração (João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: A terra é
o fato de terem como interlocutores pessoas que se interessam azul como uma laranja (Paul É luard).
pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhecimento so- Francis Vanoye
bre ele. No momento de elaborar o relatório, será preciso levar
esse fato em consideração e introduzir, no texto, todas as infor- Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
mações necessárias para garantir que os leitores possam acom- A) Chamaram Jean de poeta.
panhar os dados apresentados, a análise feita e a conclusão de- B) Não obedeço a rima das estrofes , disse o poeta.
corrente dessa análise. C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de muito.
perfil bem específico”. E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.

37
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Escrevente écnico udiciário NE E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu-


me de informações que nela circulam.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista
Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência R ESP O ST A S
nominal e à pontuação.
0 1 D
A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais 0 2 B
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em 0 3 A
outros.
B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente, 0 4 E
seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais 0 5 B
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
outros.
C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamente SEM Â N T I CA : SI N O N Í M I A , A N T O N Í M I A E P A R O N Í M I A .
seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais I O DE IN EM: E ,N O E , DENO
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em ou- T I VA , CO N O T A T I VA , CO L O Q U I A L , F O R M A L .
tros.
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais SI G N I F I CA Ç Ã O D A S P A L A VR A S
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em ou-
tros. A Significação das palavras é estudada pela semântica, que
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as pa-
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais lavras estabelecem entre si.
notável em alguns países o Brasil é um exemplo do que em
outros. Sinô nimos e antô nimos

M E E nalista Ministerial rea uditoria Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.


F CC Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório

ara onde vão as palavras Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O fato
linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, palavra
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada que também designa o emprego de sinônimos.
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um Antônimos: palavras de sentido oposto.
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a iniciantes Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no entanto, Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada e ilustrada.
A imprensa, principal veículo da esfera pública no século I as- A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
sim como em boa parte do século , dificilmente será capaz de oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regredir,
manter sua posição no século I. ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da litera-
tura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pessi- H omô nimos
mistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o livro
impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas exce- Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
ções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos compêndios (som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som
de informação etc., os queridinhos da internet. igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas (som
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São diferente, escrita igual, significado diferente).
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.) O contexto é quem vai determinar a significação dos homôni-
mos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considerada
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de uma deficiência dos idiomas.
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte frase:
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de Homônimos
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. rio (curso de água) e rio (verbo rir);
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
espectador, há palavras que encantam um leitor.
C) uando há num livro imagens excessivas, que (contaminar) Homófonos
um texto, as palavras saem desvalorizadas. cem (número) e sem (indica falta)
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro infan- senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
til atrai também um leitor adulto.

38
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Homógrafos saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante


colher (talher) e colher (apanhar); três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços
acerto (correção) e acerto (verbo acertar); esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la-
nhos, escaras e escalavros a vitória tão longamente apetecida
P arô nimos decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era,
com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de forma de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento
parecida, mas que apresentam significados diferentes. daquela caqueirada humana do mesmo passo angulhenta e si-
infligir (aplicar) e infringir (transgredir), nistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder), longo enxurro de carcaças e molambos...
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, di- Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma
vergir, adiar), arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu-
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir), lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve-
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei-
(congestionado: rosto vultuoso). radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos
encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi-
P olissemia lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de
crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em que cambaleante.
ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.: (CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edi-
Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan- ção Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó. Em qual das alternativas abaixo N O há um par de sinôni-
mos?
D enotaç ão e conotaç ão A) Armistício destruição
B) Claudicante manco
Denotação indica a capacidade de as palavras apresentarem C) Reveses infortúnios
um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica a capa- D) Fealdade feiura
cidade de as palavras apresentarem um sentido figurado e sim- E) Opilados desnutridos
bólico.
0 2 . P ref . de Cruz eiro/ SP – I nstrutor de D esenho T é cnico e
Exemplos com sentido denotativo: Mec nico Instituto E cel ncia
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
A s horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). exemplos de parônimos:
A) Cavaleiro ( omem a cavalo) Cavalheiro ( omem gentil).
Exemplos com sentido conotativo: B) São (sadio) São (Forma reduzida de Santo).
Comprei uma correntinha de ouro. C) Acento (sinal gráfico) Assento (superfície onde se senta).
Fulano nadava em ouro. D) Nenhuma das alternativas.

H iperoní mia e hiponí mia 0 3 . T J / M T – A nalista J udiciá rio – Ciê ncias Contá beis – 2 0 1 7
- U F M T
iperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das palavras Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no
estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um hiperôni- modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo,
mo, palavra superior com um sentido mais abrangente, engloba assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen-
um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restrito. ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes,
denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em
Fruta é hiperônimo de banana. que todas as palavras se encontram nesse caso.
Banana é hipônimo de fruta. A) taxa, cesta, assento
B) conserto, pleito, ótico
Q U EST Õ ES C) cheque, descrição, manga
D) serrar, ratificar, emergir
ref de Ita uitinga E sic logo ID EC
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba- 0 4 . T J / M T – A nalista J udiciá rio – D ireito – 2 0 1 7 - U F M T
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele A f uga dos rinocerontes
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da ma-
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em neira mais radical possível – pelo céu.
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil

39
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados D) figurado, equivalendo a alimento.


da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de E) figurado, equivalendo a predador.
caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda res-
tam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma solu- 0 6 . P ref . de F lorianó polis/ SC – A ux iliar de Sala – 2 0 1 7 - F E-
ção extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A ação P ESE
utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes com O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado
1,4 toneladas cada um de seu habitat original, na província de em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transferi-los para a A) Estou morta de cansada.
província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 quilômetros de B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
distância, onde viverão longe dos caçadores. Como o trajeto tem bra.
áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes tiveram de voar por C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos.
24 quilômetros. Sedados e de olhos vendados (para evitar sustos D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
caso acordassem), os rinocerontes foram içados pelos tornozelos nalmente saiu de casa ontem.
e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece meio brutal? Os respon- E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba!
sáveis pela operação dizem que, além de mais eficiente para levar
os paquidermes a locais de difícil acesso, o procedimento é mais R ESP O ST A S
gentil. 0 1 A
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 229,
2011.) 0 2 A
0 3 A
A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
0 4 C
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionariza-
do que é mais adequado no contexto acima. 0 5 E
A) ue existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa. 0 6 D
B) Brusco; violento; difícil.
C) ue não é tradicional, comum ou usual.
D) ue exige destreza, perícia ou coragem. F U N Ç Õ ES D A L I N G U A G EM .

NE ssistente dministrativo I NE
F U N Ç Õ ES D A L I N G U A G EM
O gavião
Funções da linguagem são recursos da comunicação que, de
Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco acordo com o objetivo do emissor, dão ênfase à mensagem trans-
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. mitida, em função do contexto em que o ato comunicativo ocorre.
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e São seis as funções da linguagem, que se encontram direta-
comovente o gavião malvado, que mata pombas. mente relacionadas com os elementos da comunicação.
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contem-
plação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o
partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra unç es da inguagem Elementos da Comunicaç ão
é melhor que columbófilo ) querem matar o gavião. Os amigos Função referencial ou denotati- contexto
deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua va
pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu Função emotiva ou expressiva emissor
grão de milho.
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas Função apelativa ou conativa receptor
e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre Função poética mensagem
uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupér , a verda-
Função fática canal
de do gavião , mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode
também ser a verdade do caçador. Função metalingu istica código
ue o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o
gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode F unç ão R ef erencial
lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado) A função referencial tem como objetivo principal informar,
referenciar algo. Esse tipo de texto, que é voltado para o contexto
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no tex- da comunicação, é escrito na terceira pessoa do singular ou do
to pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro plural, o que enfatiza sua impessoalidade.
homem. , é empregado com sentido Para exemplificar a linguagem referencial, podemos citar os
A) próprio, equivalendo a inspiração. materiais didáticos, textos jornalísticos e científicos. Todos eles,
B) próprio, equivalendo a conquistador. por meio de uma linguagem denotativa, informam a respeito de
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. algo, sem envolver aspectos subjetivos ou emotivos à linguagem.

40
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Exemplo de uma notícia: A função poética não pertence somente aos textos literários.
O resultado do terceiro levantamento feito pela Aliança Glo- Podemos encontrar a função poética também na publicidade ou
bal para Atividade Física de Crianças — entidade internacional de- nas expressões cotidianas em que há o uso frequente de metáfo-
dicada ao estímulo da adoção de hábitos saudáveis pelos jovens ras (provérbios, anedotas, trocadilhos, músicas).
— foi decepcionante. Realizado em 49 países de seis continentes
com o objetivo de aferir o quanto crianças e adolescentes estão Exemplo:
fazendo exercícios físicos, o estudo mostrou que elas estão muito
sedentárias. Em 75% das nações participantes, o nível de ativi- “Basta-me um pequeno gesto,
dade física praticado por essa faixa etária está muito abaixo do feito de longe e de leve,
recomendado para garantir um crescimento saudável e um en- para que venhas comigo
velhecimento de qualidade — com bom condicionamento físico, e eu para sempre te leve...”
músculos e esqueletos fortes e funções cognitivas preservadas. De (Cecília Meireles)
“A” a “F”, a maioria dos países tirou nota “D”.
unção ática
unção Emotiva
A função fática tem como principal objetivo estabelecer um
Caracterizada pela subjetividade com o objetivo de emocio- canal de comunicação entre o emissor e o receptor, quer para ini-
nar. É centrada no emissor, ou seja, quem envia a mensagem. A ciar a transmissão da mensagem, quer para assegurar a sua conti-
mensagem não precisa ser clara ou de fácil entendimento. nuação. A ênfase dada ao canal comunicativo.
Por meio do tipo de linguagem que usamos, do tom de voz Esse tipo de função é muito utilizado nos diálogos, por exem-
que empregamos, etc., transmitimos uma imagem nossa, não plo, nas expressões de cumprimento, saudações, discursos ao te-
raro inconscientemente. lefone, etc.
Emprega-se a expressão função emotiva para designar a uti-
lização da linguagem para a manifestação do enunciador, isto é, Exemplo:
daquele que fala. -- Calor, não é!?
-- Sim! Li na previsão que iria chover.
Exemplo: Nós te amamos! -- Pois é...

unção Conativa unção Metalingu stica

A função conativa ou apelativa é caracterizada por uma lin- É caracterizada pelo uso da metalinguagem, ou seja, a lingua-
guagem persuasiva com a finalidade de convencer o leitor. Por gem que se refere a ela mesma. Dessa forma, o emissor explica
isso, o grande foco é no receptor da mensagem. um código utilizando o próprio código.
Trata-se de uma função muito utilizada nas propagandas, pu- Nessa categoria, os textos metalinguísticos que merecem
blicidades e discursos políticos, a fim de influenciar o receptor por destaque são as gramáticas e os dicionários.
meio da mensagem transmitida. Um texto que descreva sobre a linguagem textual ou um do-
Esse tipo de texto costuma se apresentar na segunda ou na tercei- cumentário cinematográfico que fala sobre a linguagem do cine-
ra pessoa com a presença de verbos no imperativo e o uso do vocativo. ma são alguns exemplos.
N ão se interfere no comportamento das pessoas apenas com
a ordem, o pedido, a súplica. á textos que nos influenciam de Exemplo:
maneira bastante sutil, com tentações e seduções, como os anún- Amizade s.f.: 1. sentimento de grande afeição, simpatia, apre-
cios publicitários que nos dizem como seremos bem-sucedidos, ço entre pessoas ou entidades. “sentia-se feliz com a amizade do
atraentes e charmosos se usarmos determinadas marcas, se con- seu mestre”
sumirmos certos produtos. 2. POR METON MIA: quem é amigo, companheiro, camarada.
Com essa função, a linguagem modela tanto bons cidadãos, “é uma de suas amizades fiéis”
que colocam o respeito ao outro acima de tudo, quanto esperta-
lhões, que só pensam em levar vantagem, e indivíduos atemoriza- Q U EST Õ ES
dos, que se deixam conduzir sem questionar.
0 1 . SA P - SP - A gente de Seguranç a P enitenciá ria – 2 0 1 8 – M S
Exemplos: Só amanhã, não perca! CO N CU R SO S
Vote em mim! uanto às funções da linguagem, assinale a alternativa incor-
reta:
unção oética
A) Semente do futuro . Essa construção, que lembra uma
Esta função é característica das obras literárias que possui pelota felpuda, na realidade tem 20 metros de altura e é intei-
como marca a utilização do sentido conotativo das palavras. rinha coberta por varas de acrílico, que balançam ao sabor do
Nela, o emissor preocupa-se de que maneira a mensagem vento. O curioso é que em cada uma delas estão guardadas al-
será transmitida por meio da escolha das palavras, das expres- gumas sementinhas e são mais de 60 mil, vindas de plantas va-
sões, das figuras de linguagem. Por isso, aqui o principal elemento riadas. O cubo faz parte do pavilhão do Reino Unido na Shangaí
comunicativo é a mensagem. orld Expo, a Feira Universal que acontece na China até outubro.

41
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A ideia do evento, que ocorre desde 1851, é que países de todo E) fática.
o planeta compartilhem seus aspectos culturais, tecnológicos e
econômicos. A edição de 2010 tem o tema Uma cidade melhor, 0 3 . P ref . de I guaraç ú/ P R – T é cnico em Enf ermagem – 2 0 1 4
uma vida melhor , e a construção, apelidada de Seed Cathedral – F A F IP A
(Catedral da Semente) representa a importância da diversidade
da Terra. Durante o dia, cada vara de mais de 7 metros atua como SO N ET O D E M A I O
fibra óptica, levando luz ao seu interior. noite as fibras se ilumi- (Vinícius de Moraes)
nam criando uma atmosfera de respeito e devoção aos recursos
do planeta. No fim da feira, os visitantes poderão plantar as se- Suavemente Maio se insinua
mentes ali guardadas e todo o material usado na construção do Por entre os véus de Abril, o mês cruel
cubo será reciclado e reutilizado. (Vida Simples 2010). (Funç ão E lava o ar de anil, alegra a rua
referencial ou denotativa. ) Alumbra os astros e aproxima o céu.
B) uando o passado é um pesadelo . Tomado pela costumei- Até a lua, a casta e branca lua
ra pressa de repórter, eu tinha que fazer, a toque de caixa, imagens Esquecido o pudor, baixa o dossel
do museu para compor a minha matéria. E em seu leito de plumas fica nua
uando chegamos ao primeiro corredor, o eixo da continui- A destilar seu luminoso mel.
dade, tentei pedir algo a Bárbara, funcionária do museu que nos Raia a aurora tão tímida e tão frágil
acompanhava. Não consegui falar. Tudo foi se desfazendo, todos os ue através do seu corpo transparente
sentimentos e emoções, e também as racionalizações, reflexões ou Dir-se-ia poder-se ver o rosto
desalentos mediados pelo intelecto. Tudo foi se desvanecendo den- Carregado de inveja e de presságio
tro de mim e um grande vazio, um vácuo que sugava a si próprio, se Dos irmãos Junho e Julho, friamente
formou qual redemoinho em meu peito, até explodir num jorro de Preparando as catástrofes de Agosto...
pranto, num colapso incontrolável. Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br
Não tive condições de prosseguir com o cinegrafista Fernando
Calixto. Procurei um lugar onde esgotar as lágrimas e tentava me
Em um poema, é possível afirmar que a função de linguagem
explicar, repetindo aos soluços: Pela metade, não. Não vou conse-
está centrada na:
guir fazer meia visita. Pela metade, não. Ou encaro todo o périplo
A) Função fática.
ou vou embora .
B) Função emotiva ou expressiva.
Não consegui nem uma coisa nem outra. Nem parei de chorar,
C) Função conativa ou apelativa.
nem me recompus; não me atrevi a percorrer todos os corredores,
D) Função denotativa ou referencial.
nem tampouco resisti a penetrar nos espaços desconcertantes do
Museu Judaico de Berlim. (Pedro Bial). (Função emotiva ou expres-
siva.) ref de Cantagalo Oficial dministrativo
C) São Paulo está embaixo de água. A culpa não é da chuva. É CEP ER J
de quem coloca lixo fora do lugar. Pense nisso. Faça a coisa certa. Sempre que há comunicação há uma intenção, o que deter-
Jogue o lixo no lixo. (Prefeitura de São Paulo). (Função conativa ou mina que a linguagem varie, assumindo funções. A função da lin-
apelativa.) guagem predominante no texto com a respectiva característica
D) Pronome, palavra que representa um nome, um termo usa- está expressa em:
do com a função de um nome, um adjetivo ou toda uma oração que A) referencial presença de termos científicos e técnicos
a segue ou antecede. ( ouaiss Dicionário). (Função poética.) B) expressiva predominância da 1 pessoa do singular
C) fática uso de cumprimentos e saudações
niversidade ederal de lagoas écnico de abo- D) apelativa emprego de verbos flexionados no imperativo
rató rio – 2 0 1 4 – CO P EVE adaptada
Alô, alô, Marciano 0 5 . P ref . de T rê s F ronteiras - SP - P rof essor de Educaç ão B á si-
Aqui quem fala é da Terra ca l Educação Infantil Instituto E cel ncia
Pra variar, estamos em guerra Sobre uma das funções da linguagem podemos afirmar que:
Você não imagina a loucura Tem o código como fator essencial. Por exemplo: definições, ver-
O ser humano tá na maior fissura porque betes dos dicionários e poesias. Esta definição está representa-
Tá cada vez mais down o high societ ... da na seguinte alternativa:
LEE, Rita. CARVALHO, Roberto de. Disponível em: http://www. A) Referencial conativa
vagalume.com.br/ Acesso em: 30 mar. 2014. B) Metalinguística
C) Fática
O s dois primeiros versos do texto fazem referência à função D) Nenhuma das alternativas.
da linguagem cujo objetivo dos emissores é apenas estabelecer
ou manter contato de comunicação com seus receptores. N esses
versos, a linguagem está empregada em função
A) expressiva.
B) apelativa.
C) referencial.
D) poética.

42
L Í N GU A PO RTU GU E SA

R ESP O ST A S uem te ligou?


0 1 D
M esó clise
0 2 E
0 3 B É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do
Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferência
0 4 D
ao uso da Próclise.
0 5 B Encontrar-me-ei com minhas raízes.
Encontrar-me-ia com minhas raízes.

CO L O CA Ç Ã O P R O N O M I N A L . nclise

Usa-se a nclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não fo-


CO L O CA Ç Ã O D O S P R O N O M I N A L rem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é atraída
pelas seguintes situações:
A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator impor-
tante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de posição que - Verbo no imperativo afirmativo.
os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes podem Depois de avaliar, chamem-nos.
ocupar na oração: Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas!

Próclise - o pronome é colocado antes do verbo. - Verbo no infinitivo impessoal.


Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo. Preciso apresentar-te a minha irmã.
nclise - o pronome é colocado depois do verbo. O seu pior pesadelo é casar-se.

P ró clise - Verbo inicia a oração.


Disse-lhe a verdade sobre nosso amor.
- Orações negativas, que contenham palavras como: não, Arrepiei-me com tal relato.
ninguém, nunca.
Não o vi ontem. - Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela
Nunca o tratei mal. preposição em usa-se a Próclise).
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso.
- Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do
Foi ele que o disse a verdade.
fingimento.
Alguns lhes custaram a vida.
Isso me lembra infância.
C om Loc uç ã o V erb al
- Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adverbiais,
Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atraindo
a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o advér-
o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas lo-
bio deixa de atrair o pronome.
cuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormente).
Ontem me fizeram uma proposta.
Agora, esqueça-se.
- nclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo principal
- Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que nas locuções verbais em que o verbo principal está no infinitivo
algo aconteça. ou no gerú ndio.
Deus nos ajude. Devo chamar-te pelo primeiro nome.
Espero que me dês uma boa notícia. Devo-lhe chamar pelo primeiro nome.

- Orações com conjunções subordinativas. - Caso não haja palavra que atraia a Próclise, nclise é usada
Exemplos: depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particípio.
Embora se sentisse melhor, saiu. Foi-lhe dito como deveria impedir isso.
Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo. Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido pos-
sível.
- Verbo no gerúndio regido da preposição em.
Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer. Q U EST Õ ES
Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
0 1 . P ref . de F lorianó polis/ SC – A ux iliar de Sala – 2 0 1 7 - F E-
- Orações interrogativas. P ESE
uando te disseram tal mentira?

43
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Analise a frase abaixo:


O professor discutiu............mesmos a respeito da desavença entre .........e ........ .

Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas do texto.


A) com nós eu ti
B) conosco eu tu
C) conosco mim ti
D) conosco mim tu
E) com nós mim ti

0 2 . P ref . de Caucaia/ CE – A gente de Suporte a F iscaliz aç ão – 2 0 1 6 - CET R ED E


Marque a opção em que ocorre ênclise.
A) Disseram-me a verdade.
B) Não nos comunicaram o fato.
C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
D) A moça se penteou.
E) Contar-me-ão a verdade?

M E gente dministrativo M E
Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas dos enunciados abaixo.
1. uanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria deverá que ainda não há disponibilidade de recursos.
2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste tipo de situação, a gravidade
da ocorrência , sem dúvida.
3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles não .

A) informar-lhe a justificaria revogam-na


B) informar-lhe justificá-la-ia a revogam
C) informá-lo justificar-lhe-ia a revogam
D) informá-lo a justificaria lhe revogam
E) informar-lhe justificá-la-ia revogam-na

0 4 . I P SM I – P rocurador – 2 0 1 6 - VU N ESP
Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão.
A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não prejudicarei-os nos negócios.
B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse calado.
C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que elas se contessem ao dirigir na estrada.
D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos sentíssemos à vontade.
E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de que se alardeiem seus méritos.

0 5 . I nalista de P rocessos O rganiz acionais - A dministraç ão e P sicologia – 2 0 1 6 - I ESES


Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos está INCORRETA:
A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se colocar bem
na vida.
B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo e na devida forma.
C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos servos tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâneos, onde os
campos sobrecarregados de homens são incapazes de alimentá-los.
D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem nessas doenças que ele transmite!
E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a teus pais.

egião écnico udiciário rea dministrativa CC

44
L NGUA PORTUGUESA

No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente a
frase O palestrante deu um conselho... É:
A) à alguns jovens que escutavam-no.
B) à estes jovens que o escutavam.
C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
E) à uma porção de jovens que o escutava.

R ESP O ST A S
0 1 E
0 2 A
0 3 B
0 4 B
0 5 A
0 6 C

L I N G U A G EM E SEN T I D O .

L I N G U A G EM VER B A L E N Ã O VER B A L

Chamamos de Linguagem a habilidade de expressar nossas ideias, sentimentos e opiniões. Trata-se de um fenômeno comunicativo.
Usamos vários tipos de linguagens para comunicação: sinais, símbolos, sons, gestos e regras com sinais convencionais. A linguagem pode
ser:

V erb al : usa as palavras para se comunicar.

o ver al usa outros meios de comunicação, que não sejam as palavras. Por exemplo: linguagem de sinais, placas e sinais de trân-
sito, linguagem corporal, figura, expressão facial, etc.

45
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Vejamos agora alguns exemplos de textos não verbais:

Existe também a in ua em mista, que é o uso simultâneo


dos dois tipos de linguagem para estabelecer a comunicação. Ela
ocorre quando por exemplo dizemos que sim e ao mesmo tem-
po balançamos a cabeça. Está também presente em histórias em in ua em intencional Toda vez que nos depararmos com
quadrinhos, em charges, em vídeo, etc. um texto despretensioso ou seja sem nenhum objetivo podemos
julgar que há algum tipo de pretensão. Para cada tipo de intenção
A ín ua é um instrumento de comunicação, que possui um existe uma forma distinta de linguagem. Por isso, uma declaração
caráter social: pertence a um conjunto de pessoas, que podem de amor é feita de jeito e uma entrevista de emprego de outra.
agir sobre ela. Cada pessoa pode optar por uma determinada for- Não é difícil distinguir os tipos de linguagens, pois falada ou
ma de expressão. Porém, não se pode criar uma língua específica escrita, só pode ser verbal. Sempre que a comunicação precisar
e querer que outros falantes entendam. de uma estrutura gramatical adequada para ser entendida, ela
L í ngua é diferente de escrita. A escrita é um estágio posterior será uma linguagem verbal.
de uma língua. A língua falada é mais espontânea, acompanhada
pelo tom de voz e algumas vezes por mímicas. A língua escrita é Q uestõ es
um sistema mais rígido, não conta com o jogo fisionômico, mími-
cas e o tom de voz. No Brasil, todos falam a língua portuguesa, 0 1 . Sobre as linguagens verbal e não verbal, estão corretas,
mas existem usos diferentes da língua por diversos fatores. Den- exceto:
tre eles: Fatores Regionais, Fatores Culturais, Fatores Contextuais, a) a linguagem não verbal é composta por signos sonoros ou
Fatores Profissionais e Fatores N aturais. visuais, como placas, imagens, vídeos etc.
b) a linguagem verbal diz respeito aos signos que são forma-
A F al a é o uso oral da língua. Trata-se de um ato individual, dos por palavras. Eles podem ser sinais visuais e sonoros.
onde cada um escolhe a forma que melhor se expressa. Assim, há c) a linguagem verbal, por dispor de elementos linguísticos
vários níveis da fala. Devido ao caráter individual da fala, pode-se concretos, pode ser considerada superior à linguagem não verbal.
observar dois níveis: d) linguagem verbal e não verbal são importantes, e o suces-
- Coloquial-Popular: nível da fala mais espontâneo, onde não so na comunicação depende delas, ou seja, quando um interlocu-
nos preocupamos em saber se falamos de acordo ou não com as tor recebe e compreende uma mensagem adequadamente.
regras formais.
- Formal-Culto: normalmente utilizado pelas pessoas em si- 0 2 . ual o tipo de linguagem utilizada abaixo:
tuações formais. É necessário um cuidado maior com o vocabulá-
rio e seguir as regras gramaticais da língua.

46
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A) dificuldade de conexão entre as pessoas


B) aceleração da vida na contemporaneidade
C) desconhecimento das possibilidades de diálogo
D) desencontro de pensamentos sobre um assunto

0 5 . Gráficos são exemplos de utilização simultânea das lin-


guagens verbal e não verbal. É preciso analisar as duas ocorrên-
cias para a compreensão do texto.

h ps://www.todamateria.com.br/linguagem-verbal-e-nao-
-verbal/

A) Linguagem verbal
B) Linguagem não verbal
C) Linguagem mista
D) Linguagem conotativa

0 3 . uando assistimos um jogo de futebol, as linguagens ver-


bal e não verbal estão envolvidas. ual delas abaixo representa a Nos gráficos, os elementos visuais e os elementos textuais
linguagem verbal usadas nas partidas de futebol: são fundamentais para o entendimento total da mensagem trans-
mitida. No gráfico em questão, a linguagem verbal e a linguagem
A) Bandeiras de impedimento não verbal têm como intenção mostrar ao leitor que:
B) Cartões vermelho e amarelo
C) Locutor do Futebol A) O número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos
D) O apito do juiz diminuiu em um período de cinco anos.
B) O número de pessoas acima de 60 anos que estão inseri-
0 4 . U ER J das no mercado de trabalho é proporcionalmente inverso à quan-
tidade de pessoas que se casam nessa faixa etária.
C) Apresenta dados para o leitor que comprovam o aumento
no número de casamentos entre pessoas acima de 60 anos, assim
como o aumento da inserção de pessoas acima de 60 anos no
mercado de trabalho.
D) Apresenta a preocupação com a diminuição no número de
casamentos entre pessoas de várias faixas etárias da população
brasileira, assim como a dificuldade dessas pessoas para conse-
guir emprego no mercado de trabalho.

R esp ostas

0 1 . ( C) 0 2 . ( C) 0 3 . ( C) 0 4 . ( A ) 0 5 . ( C)

A M B I G U I D A D E.
Mineiro de Araguari, o cartunista Caulos já publicou seus
trabalhos em diversos jornais, entre eles o Jornal do Brasil e o
The New or Times M I ID DE E E

No cartum apresentado, o significado da palavra escrita é A mbiguidade


reforçado pelos elementos visuais, próprios da linguagem não
verbal. A separação das letras da palavra em balões distintos con- Ambiguidade, é a duplicidade de sentidos numa mesma sen-
tribui para expressar principalmente a seguinte ideia: tença. Por reunir mais do que uma interpretação possível, as am-
biguidades podem gerar um desentendimento no discurso, mo-

47
L Í N GU A PO RTU GU E SA

tivo pelo qual devem ser evitadas nos discursos formais. Assim, Pode ser usado no mesmo contexto e situação, mas deve ser
quando surgem por descuido, as ambiguidades são consideradas evitado nos trabalhos académicos pois este tipo de paráfrase está
vícios de linguagem. próxima da cópia esclarecendo muito pouco as ideias e não mos-
No entanto, esse é um recurso muito utilizado nos textos trando com clareza que se compreendeu
poéticos, uma vez que oferece maior expressividade ao texto.
Além disso, também é usada nos textos publicitários para garantir aráfrase e plicativa ou metáfrase: reescrita, em termos
o humor. Neste caso, quando seu uso é intencional, a ambiguida- mais simples, esclarecendo sentidos obscuros ou não totalmen-
de é considerada uma figura de linguagem. te explícitos e ampliando ideias tornando o texto claro, incisivo
e evidente, com recurso ao desenvolvimento de conceitos e à ar-
Am i uidade le ical e estrutural uando a ambiguidade re- gumentação.
sulta dos significados das palavras, ela é lexical. Exemplo: Estava
perto do banco. (Banco da praça ou uma instituição?) aráfrase desenvolvimento ou amplificação: reescrita,
Por sua vez, quando a ambiguidade resulta da posição das acrescentando definição dos termos utilizados, exemplos, compa-
palavras na oração, ela é estrutural. rações, contrastes, exposição de relações de causa e efeitos, me-
táforas, diferentes formas de redundância entre outros (mesmo
Am i uidade na pu licidade U m texto pode pretender a assim, mantém valor estétitco-estilístico).
transmissão de mais do que uma mensagem, seja por meio da
linguagem escrita ou através de imagens. Q uestõ es
No caso da publicidade, isso é feito de forma proposital.
Como exemplo, podemos citar a publicidade a respeito de um 0 1 . M P E- B A - A nalista T é cnico - L etras Verná culas – 2 0 1 7 –
anúncio de bolachas: Encha seu filho de bolacha. F G V
Note que o objetivo da mensagem é a de incentivar o consu- A frase abaixo que N O mostra ambiguidade em sua estru-
mo de bolachas e não de incitar os pais a baterem nos filhos. Isso tura é:
ocorre porque o termo bolacha é ambíguo, uma vez que pode A) Bahia e Vitória jogam na próxima semana;
significar um tipo de biscoito ou uma bofetada. B) O turista viu o assaltante passeando pela praia;
C) A criação da empresa agradou a todos;
Am i uidade e polissemia Vale lembrar que a ambiguidade D) O aumento dos impostos já desagrada a população;
difere da polissemia. A polissemia está relacionada com os vários E) O ministro, em sua casa, recebeu o Presidente.
significados que uma mesma palavra pode ter.
Exemplos: manga (fruta ou parte da camisa), perna (parte do
E Especialista egislativo egistro de Debates
corpo, perna da mesa).
2 0 1 7 - F G V
A ambiguidade presente na frase Foi observado o acidente
P ará f rase
da ponte é decorrente do(da):
A) indefinição de complementos;
Paráfrase trata-se de uma reprodução explicativa sobre um
B) mau emprego de pronomes;
texto ou unidade de um texto, através de uma linguagem mais
longa. Nela sempre se mantém as ideias do texto original. Entre- C) caso de polissemia vocabular;
tanto, comentários e ideias são incluídos. D) indefinição entre tipos de adjuntos;
Parafrasear é transcrever as palavras do texto de um outro E) não distinção entre agente e paciente.
jeito, além de proporcionar um diálogo intertextual. Ou seja, o
texto parafraseado nasce de um leitor que se torna autor de um 0 3 . I F - T O - A dministrador – 2 0 1 7 – I F T O
novo conteúdo. Tal conteúdo pode ser confirmado as ideias con-
tidas no texto original. O gigol das palavras

Exemplos: uatro ou cinco grupos diferentes de alunos do Farroupilha


Minha terra tem palmeiras / onde canta o sabiá... (Canção estiveram lá em casa numa missão, designada por seu professor
do exílio, Gonçalves Dias) de Português: saber se eu considerava o estudo da Gramática
Do que a terra mais garrida / teus risonhos, lindos campos indispensável para aprender e usar a nossa ou qualquer outra
têm mais flores / nossos bosques têm mais vida... ( ino Nacional língua. Cada grupo portava seu gravador cassete, certamente o
Brasileiro, J.O.D. Estrada) instrumento vital da pedagogia moderna, e andava arrecadando
Moro num país tropical / abençoado por Deus / e bonito por opiniões. Suspeitei de saída que o tal professor lia esta coluna, se
natureza... (País Tropical, Jorge Ben Jor) descabelava diariamente com as suas afrontas às leis da língua, e
aproveitava aquela oportunidade para me desmascarar. Já estava
ormas parafrásticas: até preparando, às pressas, minha defesa ( Culpa da revisão! Cul-
pa a revisão! ). Mas os alunos desfizeram o equívoco antes que
aráfrase substitutiva ou reprodutiva reprodução : tradu- ele se criasse. Eles mesmos tinham escolhido os nomes a serem
ção livre ou quase literal de um outro texto, repetindo as ideias entrevistados. Vocês têm certeza que não pegaram o Veríssimo
originais, com palavras mais simples, mas próprias (substituição errado? Não. Então, vamos em frente. Respondi que a linguagem,
de palavras por outras de sentido equivalente, dizer por outras qualquer linguagem, é um meio de comunicação e que deve ser
palavras) julgada exclusivamente como tal. Respeitadas algumas regras bá-

48
L NGUA PORTUGUESA

sicas da Gramática, para evitar os vexames mais gritantes, as outras são indispensáveis. A sintaxe é uma questão de uso, não de princípios.
Escrever bem é escrever claro, não necessariamente certo. Certo? O importante é comunicar. (E quando possível, surpreender, iluminar,
divertir, comover... Mas aí entramos na área do talento, que também não tem nada a ver com Gramática). A Gramática é o esqueleto da
língua. Só predomina nas línguas mortas, e aí é de interesse restrito a necrólogos e professores de Latim, gente em geral pouco comunica-
tiva. Aquela sombria gravidade que a gente nota nas fotografias em grupo dos membros da Academia Brasileira de Letras é de reprovação
pelo Português ainda estar vivo. Eles só estão esperando, fardados, que o Português morra para poderem carregar o caixão e escrever
sua autópsia definitiva. É o esqueleto que nos traz de pé, certo, mas ele não informa nada, como a Gramática é a estrutura da língua, mas
sozinha não diz nada, não tem futuro. As múmias conversam entre si em Gramática pura.
Claro que não disse tudo isso para meus entrevistadores. E adverti que minha implicância com a Gramática na certa se devia à minha
pouca intimidade com ela. Sempre fui péssimo em português. Mas isto eu disse vejam vocês, a intimidade com a Gramática é tão dis-
pensável que eu ganho a vida escrevendo, apesar da minha total inocência na matéria. Sou um gigolô das palavras. Vivo às suas custas. E
tenho com elas a exemplar conduta de um cá en profissional. Abuso delas. Só uso as que eu conheço, as desconhecidas são perigosas e
potencialmente traiçoeiras. Exijo submissão. Não raro, peço delas flexões inomináveis para satisfazer um gosto passageiro. Maltrato-as,
sem dúvida. E jamais me deixo dominar por elas. Não me meto na sua vida particular. Não me interessa seu passado, suas origens, sua
família nem o que os outros já fizeram com elas. Se bem que não tenha também o mínimo de escrúpulo em roubá-las de outro, quando
acho que vou ganhar com isto. As palavras, afinal, vivem na boca do povo. São faladíssimas. Algumas são de baixíssimo calão. Não mere-
cem um mínimo de respeito.
Um escritor que passasse a respeitar a intimidade gramatical das suas palavras seria tão ineficiente quanto um gigolô que se apaixo-
nasse pelo seu plantel. Acabaria tratando-as com a deferência de um namorado ou com a tediosa formalidade de um marido. A palavra
seria sua patroa! Com que cuidados, com que temores e obséquios ele consentiria em sair com elas em público, alvo da impiedosa atenção
de lexicógrafos, etimologistas e colegas? Acabaria impotente, incapaz de uma conjunção. A Gramática precisa apanhar todos os dias para
saber quem é que manda.
VER SSIMO, Luís Fernando. O gigolô das palavras. In: LUFT, Celso Pedro. Língua e Liberdade. 4. ed. São Paulo: Ática, 1995. p. 14-15.

Em relação aos significados produzidos pela sentença Acabaria impotente, incapaz de uma conjunção , há um exemplo de:
A) paronímia
B) antonímia
C) redundância
D) metaplasmos
E) ambiguidade

0 5 . P ref . de T eresina - P I - P rof essor Educaç ão B á sica – 2 0 1 7 - N U CEP E

O recurso usado na tirinha é:


A) Ironia presente na linguagem não verbal.
B) Ambiguidade como problema de construção na linguagem verbal.
C) Ambiguidade intencional enquanto recurso de expressão.
D) Polissemia na sintaxe da frase nominal presente no cartaz.
E) Polissemia presente em um único termo.

0 6 . P ref eitura de R esende - R J – A dministrador – 2 0 1 6 – I B EG


Analise as proposições a seguir acerca do trecho: uando se tratar de paráfrase (citação indireta), pode-se omitir o número da página
citada.
I. A substituição de pode-se por se pode manteria a correção gramatical.
II. A substituição de pode-se por se pode prejudicaria a correção gramatical.

49
L Í N GU A PO RTU GU E SA

III. A substituição de pode-se por se pode consertaria gra- - efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Vivo do meu tra-
maticalmente o período. balho. (o trabalho é causa e está no lugar do efeito ou resultado).
A partir das assertivas acima, encontre a alternativa correta.
A) Apenas II é verdadeira. - continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma caix a
B) Apenas I é verdadeira. de bombons. (a palavra caixa, que designa o continente ou aquilo
C) Apenas III é verdadeira. que contém, está sendo usada no lugar da palavra bombons).
D) Apenas I e III são verdadeiras.
E) Apenas II e III são verdadeiras. - abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplos: A gravidez
deve ser tranquila. (o abstrato gravidez está no lugar do concreto,
R esp ostas ou seja, mulheres grávidas).

0 1 . ( E) 0 2 . ( D ) 0 3 . ( E) 0 4 . ( E) 0 5 . ( C) 0 6 . ( A ) - instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Os micro-


f ones foram atrás dos jogadores. (Os repórteres foram atrás dos
jogadores.)
F I G U R A S D E L I N G U A G EM . - lugar pelo produto. Exemplo: Fumei um saboroso havana.
(Fumei um saboroso charuto.).

F I G U R A S D E L I N G U A G EM - símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Não te


afastes da cruz . (Não te afastes da religião.).
As figuras de linguagem são recursos especiais usados por
quem fala ou escreve, para dar à expressão mais força, intensi- - a parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os desabriga-
dade e beleza. dos. (a parte teto está no lugar do todo, o lar ).
São três tipos:
Figuras de Palavras (tropos); - indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: O homem foi à
Figuras de Construção (de sintaxe); Lua. (Alguns astronautas foram à Lua.).
Figuras de Pensamento. - singular pelo plural. Exemplo: A mulher foi chamada para ir às
iguras de alavra ruas. (Todas as mulheres foram chamadas, não apenas uma)

É a substituição de uma palavra por outra, isto é, no emprego - gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Os mortais so-
figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima (conti- frem nesse mundo. (Os homens sofrem nesse mundo.)
guidade), seja por uma associação, uma comparação, uma simila-
ridade. São as seguintes as figuras de palavras: - matéria pelo objeto. Exemplo: Ela não tem um níquel. (a ma-
téria níquel é usada no lugar da coisa fabricada, que é moeda ).
Metá ora consiste em utilizar uma palavra ou uma expres-
são em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em Atenção: Os últimos 5 exemplos podem receber também o
virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e de- nome de Sin do ue.
preende entre elas certas semelhanças. Observe o exemplo:
erí rase substituição de um nome por uma expressão para
Meu pensamento é um rio subterrâneo. (Fernando Pessoa) facilitar a identificação. Exemplo: A Cidade Maravilhosa ( Rio de
Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.
Nesse caso, a metáfora é possível na medida em que o poeta
estabelece relações de semelhança entre um rio subterrâneo e Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome
seu pensamento. de antonom á si a.
Exemplos:
C om p araç ã o: é a comparação entre dois elementos comuns; O Divino Mestre ( Jesus Cristo) passou a vida praticando o
semelhantes. Normalmente se emprega uma conjunção compa- bem.
rativa: como, tal qual, assim como. O Poeta da Vila ( Noel Rosa) compôs lindas canções.

“Sejamos simples e calmos S i nestesi a: Consiste em mesclar, numa mesma expressão, as


Como os regatos e as árvores” sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. Exemplo:
Fernando Pessoa No silêncio negro do seu quarto, aguardava os acontecimentos. (si-
lêncio auditivo; negro visual)
Metonímia consiste em empregar um termo no lugar de ou-
tro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de senti- C atac rese: A catacrese costuma ocorrer quando, por falta de
do. Observe os exemplos abaixo: um termo específico para designar um conceito, toma-se outro
emprestado . Passamos a empregar algumas palavras fora de seu
- autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler M achado sentido original. Exemplos: asa da xícara , maçã do rosto , braço
de A ssis. (Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.) da cadeira .

50
L Í N GU A PO RTU GU E SA

F iguras de Construç ão Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem.


Miau, miau. (Som emitido pelo gato)
Ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar.
significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior expres-
sividade que se dá ao sentido. São as mais importantes figuras de As onomatopeias, como no exemplo abaixo, podem resultar
construção: da Alitera o (repetição de fonemas nas palavras de uma frase
ou de um verso).
E l i p se: consiste na omissão de um termo da frase, o qual, no
entanto, pode ser facilmente identificado. Exemplo: No fim da co- Vozes veladas, veludosas vozes,
memoração, sobre as mesas, copos e garrafas vazias. (Omissão do volúpias dos violões, vozes veladas,
verbo haver: No fim da festa comemoração, sobre as mesas, copos vagam nos velhos vórtices velozes
e garrafas vazias). dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.
(Cruz e Sousa)
Pl eonasm o: consiste no emprego de palavras redundantes
para reforçar uma ideia. Exemplo: Ele vive uma vida feliz. epeti o repetir palavras ou orações para enfatizar a afir-
Deve-se evitar os pleonasmos viciosos, que não têm valor de mação ou sugerir insistência, progressão:
reforço, sendo antes fruto do desconhecimento do sentido das pa- E o ronco das águas crescia, crescia, vinha pra dentro da
lavras, como por exemplo, as construções subir para cima , entrar casona. (Bernardo Élis)
para dentro , etc. O mar foi ficando escuro, escuro, até que a última lâmpada
se apagou. (Inácio de Loyola Brandão)
olissíndeto repetição enfática do conectivo, geralmente o
e . Exemplo: Felizes, eles riam, e cantavam, e pulavam, e dança- eu ma omissão de um ou mais termos anteriormente
vam. enunciados. Exemplo: Ele gosta de geografia; eu, de português.
nvers o ou ip r ato: alterar a ordem normal dos termos (na segunda oração, faltou o verbo gostar Ele gosta de geogra-
ou orações com o fim de lhes dar destaque: fia; eu gosto de português.).
Justo ela diz que é, mas eu não acho não. (Carlos Drum- Assíndeto quando certas orações ou palavras, que poderiam
mond de Andrade) se ligar por um conectivo, vêm apenas justapostas. Exemplo: Vim,
Por que brigavam no meu interior esses entes de sonho não vi, venci.
sei. (Graciliano Ramos)
Observação: o termo deseja realçar é colocado, em geral, no Aná ora repetição de uma palavra ou de um segmento do
início da frase. texto com o objetivo de enfatizar uma ideia. É uma figura de cons-
trução muito usada em poesia. Exemplo: Este amor que tudo nos
Anacoluto quebra da estrutura sintática da oração. O tipo toma, este amor que tudo nos dá, este amor que Deus nos inspira,
mais comum é aquele em que um termo parece que vai ser o e que um dia nos há de salvar
sujeito da oração, mas a construção se modifica e ele acaba sem
função sintática. Essa figura é usada geralmente para pôr em re- Paranom á si a: palavras com sons semelhantes, mas de signi-
levo a ideia que consideramos mais importante, destacando-a do ficados diferentes, vulgarmente chamada de trocadilho. Exemplo:
resto. Exemplo: Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa.
O A lex andre, as coisas não lhe estão indo muito bem.
A velha hipocrisia, recordo-me dela com vergonha. (Camilo eolo ismo criação de novas palavras. Exemplo: Estou a fim
Castelo Branco) do João. (estou interessado). Vou fazer um bico. (trabalho tem-
porário).
S i l ep se: concordância de gênero, número ou pessoa é feita
com ideias ou termos subentendidos na frase e não claramente F iguras de P ensamento
expressos. A silepse pode ser:
- de gênero. Exemplo: Vossa Majestade parece desanimado. Utilizadas para produzir maior expressividade à comunica-
(o adjetivo desanimado concorda não com o pronome de trata- ção, as figuras de pensamento trabalham com a combinação de
mento Vossa Majestade, de forma feminina, mas com a pessoa a ideias, pensamentos.
quem esse pronome se refere pessoa do sexo masculino).
An tese Corresponde à aproximação de palavras contrárias,
- de nú mero. Exemplo: O pessoal ficou apavorado e saíram
que têm sentidos opostos. Exemplo: O ódio e o amor andam de
correndo. (o verbo sair concordou com a ideia de plural que a
mãos dadas.
palavra pessoal sugere).
- de pessoa. Exemplo: Os brasileiros amamos futebol. (o su-
Ap stro e interrupção do texto para se chamar a atenção de
jeito os brasileiros levaria o verbo na 3 pessoa do plural, mas a
alguém ou de coisas personificadas. Sintaticamente, a apóstrofe
concordância foi feita com a 1 pessoa do plural, indicando que a
corresponde ao vocativo. Exemplo: Tende piedade, Senhor, de to-
pessoa que fala está incluída em os brasileiros). das as mulheres.
O nom atop ei a: Ocorre quando se tentam reproduzir na for-
ma de palavras os sons da realidade.

51
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Eu emismo Atenua o sentido das palavras, suavizando as ex- A) antítese.


pressões do discurso Exemplo: Ele foi para o céu. (Neste caso, a B) eufemismo.
expressão para a céu , ameniza o discurso real: ele morreu.) C) ironia
D) metáfora
G rad aç ã o: os termos da frase são fruto de hierarquia (ordem E) silepse.
crescente ou decrescente). Exemplo: As pessoas chegaram à fes-
ta, sentaram, comeram e danç aram. 0 3 . ref de Ita uitinga E écnico em Enfermagem
- I D H T EC
H i p é rb ol e: baseada no exagero intencional do locutor, isto é,
expressa uma ideia de forma exagerada. M A M Ã N EG R A ( Canto de esperanç a)
Exemplo: Liguei para ele milh es de vezes essa tarde. (Ligou
várias vezes, mas não literalmente 1 milhão de vezes ou mais). Tua presença, minha Mãe - drama vivo duma Raça, Drama
de carne e sangue ue a Vida escreveu com a pena dos séculos!
I roni a: é o emprego de palavras que, na frase, têm o sentido Pelo teu regaço, minha Mãe, Outras gentes embaladas à voz da
oposto ao que querem dizer. É usada geralmente com sentido sar- ternura ninadas do teu leite alimentadas de bondade e poesia de
cástico. Exemplo: uem foi o inteligente que usou o computador música ritmo e graça... santos poetas e sábios... Outras gentes...
e apagou o que estava gravado? não teus filhos, que estes nascendo alimárias semoventes, coisas
várias, mais são filhos da desgraça: a enxada é o seu brinquedo
Parad ox o: Diferente da antítese, que opõem palavras, o pa- trabalho escravo - folguedo... Pelos teus olhos, minha Mãe Vejo
radoxo corresponde ao uso de ideias contrárias, aparentemente oceanos de dor Claridades de sol-posto, paisagens Roxas paisa-
absurdas. Exemplo: Esse amor me mata e dá vida. (Neste caso, o gens Mas vejo (Oh! se vejo!...) mas vejo também que a luz rou-
mesmo amor traz alegrias (vida) e tristeza (mata) para a pessoa.) bada aos teus olhos, ora esplende demoniacamente tentadora
ersonifica o ou rosopop ia ou Animismo atribuição de - como a Certeza... cintilantemente firme - como a Esperança...
ações, sentimentos ou qualidades humanas a objetos, seres irra- em nós outros, teus filhos, gerando, formando, anunciando -o dia
cionais ou outras coisas inanimadas. Exemplo: O vento suspirou da humanidade.
essa manhã. (Nesta frase sabemos que o vento é algo inanimado (Viriato da Cruz. Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes
que não suspira, sendo esta uma qualidade humana .) do Império)
eticência suspender o pensamento, deixando-o meio vela- O poema, Mamã Negra:
do. Exemplo: A) É uma metáfora para a pátria sendo referência de um país
De todas, porém, a que me cativou logo foi uma... uma... africano que foi colonizado e teve sua população escravizada.
não sei se digo. (Machado de Assis) B) É um vocativo e clama pelos efeitos negativos da escraviza-
ção dos povos africanos.
etifica o consiste em retificar uma afirmação anterior. C) É a referência resumida a todo o povo que compõe um país
Exemplos: O médico, aliás, uma médica muito gentil não sabia libertado depois de séculos de escravidão.
qual seria o procedimento. D) É o sofrimento que acometeu todo o povo que ficou na
terra e teve seus filhos levados pelo colonizador.
Q U EST Õ ES E) É a figura do colonizador que mesmo exercendo o poder
por meio da opressão foi ninado pela Mamã Negra.
0 1 . I F / P A - A ssistente em A dministraç ão – 2 0 1 6 - F U N R I O
uero um poema ainda não pensado, / que inquiete as ma- 0 4 . P ref . de F lorianó polis/ C A ux iliar de Sala – 2 0 1 6 - F E-
rés de silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada, / P ESE
que vergue o ferruginoso canto do oceano / e reviva a ruína que Analise as frases abaixo:
são as poças d água. / uero um poema para vingar minha insô- 1. Calções negros corriam, pulavam durante o jogo.
nia. (Olga Savar , Insônia ) 2. A mulher conquistou o seu lugar!
3. Todo cais é uma saudade de pedra.
Nesses versos finais do poema, encontramos as seguintes fi- 4. Os microfones foram implacáveis com os novos artistas.
guras de linguagem:
A) silepse e zeugma Assinale a alternativa que corresponde correta e sequencial-
B) eufemismo e ironia. mente às figuras de linguagem apresentadas:
C) prosopopeia e metáfora. A) metáfora, metonímia, metáfora, metonímia
D) aliteração e polissíndeto. B) metonímia, metonímia, metáfora, metáfora
E) anástrofe e aposiopese. C) metonímia, metonímia, metáfora, metonímia
D) metonímia, metáfora, metonímia, metáfora
0 2 . I F / P A - A ux iliar em A dministraç ão – 2 0 1 6 - F U N R I O
E) metáfora, metáfora, metonímia, metáfora
Eu sou de lá / Onde o Brasil verdeja a alma e o rio é mar / Eu
sou de lá / Terra morena que eu amo tanto, meu Pará. (Pe. Fábio
0 5 . COM T é cnico de Seguranç a do T rabalho
de Melo, Eu Sou de Lá )
I C
Leia o poema abaixo e assinale a alternativa que indica a figu-
Nesse trecho da canção gravada por Fafá de Belém, encontra-
mos a seguinte figura de linguagem: ra de linguagem presente no texto:

52
L Í N GU A PO RTU GU E SA

Amor é fogo que arde sem se ver 0 7 . P ref . de Chapecó / SC - Engenheiro de T râ nsito – 2 0 1 6 -
Amor é fogo que arde sem se ver; IO B V
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente; O outro lado
É dor que desatina sem doer;
(Camões) só assim o poema se constrói:
quando o desejo tem forma de ilha
A) Onomatopeia e todos os planetas são luas, embriões da magia
B) Metáfora então podemos atravessar as chamas
C) Personificação sentir o chão respirar
D) Pleonasmo ver a dança da claridade
ouvir as vozes das cores
0 6 . P ref . de P aulí nia/ SP - A gente de F iscaliz aç ão – 2 0 1 6 - F G V fruir a liberdade animal
de estarmos soltos no espaço
D escaso com saneamento deix a rios em estado de alerta ter parte com pedra e vento
seguir os rastros do infinito
A crise hídrica transformou a paisagem urbana em muitas entender o que sussurra o vazio
cidades paulistas. Casas passaram a contar com cisternas e cai- e tudo isso é tão familiar
xas-d água azuis se multiplicaram por telhados, lajes e até em para quem conhece
garagens. Em regiões mais nobres, jardins e portarias de prédios a forma do sonho
ganharam placas que alertam sobre a utilização de água de reu- (WILLER, Claudio, Estranhas experiências, 2004, p. 46)
so. As pessoas mudaram seu comportamento, economizaram e No poema acima, do poeta paulista Claudio iller (1940), no
cobraram soluções. verso ouvir as vozes das cores , entre outros versos, é expressa
As discussões sobre a gestão da água, nos mais diversos as- uma figura de linguagem. Esta pode ser assim definida: Figura que
pectos, saíram dos setores tradicionais e técnicos e ganharam es- consiste na utilização simultânea de alguns dos cinco sentidos
(CAMPEDELLI, S. Y. e SOUZA, J. B. Literatura, produção de tex-
paço no cotidiano. Porém, vieram as chuvas, as enchentes e os
tos & gramática. São Paulo, Saraiva, 1998, p. 616).
rios urbanos voltaram a ficar tomados por lixo, mascarando, de
certa forma, o enorme volume de esgoto que muitos desses cor- Como é denominada esta figura de linguagem?
pos de água recebem diariamente. A) Eufemismo.
É como se não precisássemos de cada gota de água desses B) ipérbole.
rios urbanos e como se a água limpa que consumimos em nossas C) Sinestesia.
casas, em um passe de mágica, voltasse a existir em tamanha D) Antítese.
abundância, nos proporcionando o luxo de continuar a poluir cen-
tenas de córregos e milhares de riachos nas nossas cidades. Para R ESP O ST A S
completar, todo esse descaso decorrente da falta de saneamento 0 1 C
se reverte em contaminação e em graves doenças de veiculação
0 2 D
hídrica.
Dados do monitoramento da qualidade da água que reali- 0 3 A
zamos em rios, córregos e lagos de onze Estados brasileiros e do 0 4 C
Distrito Federal revelaram que 36,3 dos pontos de coleta ana-
lisados apresentam qualidade ruim ou péssima. Apenas 13 pon- 0 5 B
tos foram avaliados com qualidade de água boa (4,5 ) e os outros 0 6 D
59,2 estão em situação regular, o que significa um estado de
0 7 C
alerta. Nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.
Divulgamos esse grave retrato no Dia Mundial da Água (22
de março), com base nas análises realizadas entre março de 2015 CO ESÃ O . CO ER Ê N CI A .
e fevereiro de 2016, em 289 pontos de coleta distribuídos em 76
municípios.
(MANTOVANI, Mário; RIBEIRO, Malu. UOL Notícias,
abril/2016.) CO ESÃ O E CO ER Ê N CI A

Em termos de linguagem figurada, o fato de a divulgação do Coerência diz respeito à articulação do texto, compatibilidade
texto ter sido feita no Dia Mundial da Água funciona como das ideias e à lógica do raciocínio. Coesão referese à expressão
A) metáfora. linguística, nível gramatical, estruturas frasais e ao emprego do
B) pleonasmo. vocabulário.
C) eufemismo. Ambas relacionamse com o processo de produção e com-
D) ironia. preensão do texto, mas nem sempre um texto coerente apresenta
E) hipérbole. coesão e vice-versa. Sendo assim, um texto pode ser gramatical-
mente bem construído, com frases bem estruturadas, vocabulário

53
L Í N GU A PO RTU GU E SA

correto, mas apresentar ideias disparatadas, sem nexo, sem uma C oesã o Lex i c al
sequência lógica.
A coerência textual é responsável pela hierarquização dos É a utilização de palavras que possuem sentido aproximado
elementos textuais, ou seja, ela tem origem nas estruturas pro- ou que pertencem a um mesmo campo lexical. São elas: sinôni-
fundas, no conhecimento do mundo de cada pessoa, aliada à mos, hiperônimos, nomes genéricos, entre outros Exemplo: Aque-
competência linguística, que permitirá a expressão das ideias la casa está inabtável. Ela está literalmente caindo aos pedaços.
percebidas e organizadas, no processo de codificação referido na
página Coerê ncia

Coesão É a relação lógica das ideias de um texto que decorre da sua


argumentação. Um texto contraditório e redundante ou cujas
É o resultado da disposição e da correta utilização das pala- ideias iniciadas não são concluídas, é um texto incoerente, o que
vras que propiciam a ligação entre frases, períodos e parágrafos compromete a clareza do discurso e a eficácia da leitura. Exemplo:
de um texto. A coesão ajuda com sua organização e ocorre por Ela está de regime, mas adora comer brigadeiros. (quem está de
meio de palavras chamadas de conectivos. regime não deve comer doces)

M ec ani sm os d e C oesã o F atores d e C oerê nc i a

A coesão pode ser obtida através de alguns mecanismos: São inúmeros os fatores que contribuem para a coerência de
aná f ora e catá f ora. Ambas se referem à informação expressa no um texto. Vejamos alguns:
texto e, por esse motivo, são qualificadas como endofóricas.
Enquanto a anáfora retoma um componente, a catáfora o an- C onh ec i m ento d e M und o: conjunto de conhecimento que
tecipa, contribuindo com a ligação e a harmonia textual. adquirimos ao longo da vida e que são arquivados na nossa me-
mória.
Regras para a coesão textual:
n erências as informações podem ser simplificadas se par-
e erência timos do pressuposto que os interlocutores partilham do mesmo
conhecimento.
Pessoal: usa pronomes pessoais e possessivos. Exemplo: Eles
são irmãos de Elisabete. (Referência pessoal anafórica) F atores de contex tualiz aç ão
Demonstrativa: usa pronomes demonstrativos e advérbios.
Exemplo: Terminei todos os livros, exceto este. (Referência de- á fatores que inserem o interlocutor na mensagem provi-
monstrativa catafórica) denciando a sua clareza, como os títulos de uma notícia ou a data
Comparativa: usa comparações através de semelhanças. de uma mensagem. Exemplo:
Exemplo: Dorme igual ao irmão. (Referência comparativa endo- Começaremos às 8h.
O que começará às 8h? Não sei sobre o que está falando.
fórica)
Su stitui o
n ormatividade
Substitui um elemento (nominal, verbal, frasal) por outro é uanto mais informação não previsível um texto tiver, mais
uma forma de evitar as repetições. Exemplo: Vamos à praia ama- rico e interessante ele será. Assim, dizer o que é óbvio ou insistir
nhã, eles irão nas próximass férias. numa informação e não desenvolvê-la, com certeza desvaloriza
Observe que a substituição acrescenta uma informação nova o texto.
ao texto.
R esumidamente:
E l i p se
C oesã o: conjunto de elementos posicionados ao longo do
Pode ser omitido através da elipse um componente textual, texto, numa linha de sequência e com os quais se estabelece um
quer seja um nome, um verbo ou uma frase. Exemplo: Temos en- vínculo ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via
tradas a mais para o show. Você as quer? (A segunda oração é gramática, fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do
perceptível mediante o contexto. Assim, sabemos que o que está vocabulário, tem-se a coesão lexical.
sendo oferecido são as entradas para o show.) C oerê nc i a: é a rede de ligação entre as partes e o todo de
um texto. Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada
C onj unç ã o relação semântica, que se manifesta na compatibilidade entre as
ideias.
As conjunções ligam orações estabelecendo relação entre Q U EST Õ ES
elas. Exemplo: Nós não sabemos quanto custam as entradas, mas
ele sabe. (adversativa) E I O CNICO DICI IO ECNO O I D
I N F O R M A Ç Ã O – 2 0 1 5 - F CC

54
L Í N GU A PO RTU GU E SA

á falta de coesão e de coerência na frase: A) I e III.


A) Nem sempre os livros mais vendidos são, efetivamente, os B) II e IV.
mais lidos: há quem os compre para exibi-los na estante. C) I e IV.
B) Aquele romance, apesar de ter sido premiado pela acade- D) II e III.
mia e bem recebido pelo público, não chegou a impressionar os E) I e II.
críticos dos jornais.
C) Se o sucesso daquele romance deveu-se, sobretudo, à res- 0 5 . E DE O CO MO O I DE M NCI
posta do público, razão pela qual a maior parte dos críticos tam- – 2 0 1 6 - F G V
bém o teriam apreciado.
D) á livros que compramos não porque nos sejam imediata-
ificuldades no com ate den ue
mente úteis, mas porque imaginamos o quanto poderão nos valer
num futuro próximo.
E) A distribuição dos livros numa biblioteca frequentemente A epidemia da dengue tem feito estragos na cidade de São
indica aqueles pelos quais o dono tem predileção. Paulo. Só este ano, já foram registrados cerca de 15 mil casos da
doença, segundo dados da Prefeitura.
0 2 . T J - P A - M É D I CO P SI Q U I A T R A – 2 0 1 4 - VU N ESP As subprefeituras e a Vigilância Sanitária dizem que existe um
Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês protocolo para identificar os focos de reprodução do mosquito
meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos tro- transmissor, depois que uma pessoa é infectada. Mas quando
cado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias alguém fica doente e avisa as autoridades, não é bem isso que
comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. s acontece.
vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empina (Saúde Uol).
papagaio e corta o adversário no gasgo .
Os termos muito e bem, em destaque, atribuem aos termos Só este ano... O ano a que a reportagem se refere é o ano
aos quais se subordinam sentido de: A) em que apareceu a dengue pela primeira vez.
A) comparação. B) em que o texto foi produzido.
B) intensidade. C) em que o leitor vai ler a reportagem.
C) igualdade. D) em que a dengue foi extinta na cidade de São Paulo.
D) dúvida. E) em que começaram a ser registrados os casos da doença.
E) quantidade.
0 6 . CEF ET / R J - R EVI SO R D E T EX T O S – 2 0 1 5 - CESG R A N R I O
0 3 . T J / R J – A nalista J udiciá rio – 2 0 1 5 - F G V Em qual dos períodos abaixo, a troca de posição entre a pala-
A USP acaba de divulgar estudo advertindo que a poluição vra sublinhada e o substantivo a que se refere mantém o sentido?
em São Paulo mata o dobro do que o trânsito . A) Algum autor desejava a minha opinião sobre o seu trabalho.
B) O mesmo porteiro me entregou o pacote na recepção do hotel.
A oração em forma desenvolvida que substitui correta e ade- C) Meu pai procurou uma certa pessoa para me entregar o
quadamente o gerúndio advertindo é: embrulho.
A) com a advertência de; D) Contar histórias é uma prazerosa forma de aproximar os
B) quando adverte; indivíduos.
C) em que adverte; E) Grandes poemas épicos servem para perpetuar a cultura
D) no qual advertia; de um povo.
E) para advertir.
R ESP O ST A S
0 4 . E DE I E ECE CIONI U P E- 1 C
N ET
2 C
Observe o fragmento de texto abaixo:
Mas o que fazer quando o conteúdo não é lembrado justa- 3 B
mente na hora da prova? 4 D
Sobre ele, analise as afirmativas abaixo:
5 B
I. O termo Mas é classificado como conjunção subordinati- 6 D
va e, nesse contexto, pode ser substituído por desde que .
II. Classifica-se o termo quando como conjunção subordi-
R EF ER EN CI A Ç Ã O .
nativa que exprime circunstância temporal.
III. Acentua-se o u tônico do hiato existente na palavra
conteúdo .
IV. Os termos conteúdo , hora e prova são palavras inva- A R T I CU L A Ç Ã O D O T EX T O
riáveis, classificadas como substantivos.
As relações textuais são responsáveis pela execução do texto,
Está CORRETO apenas o que se afirma em: por sua realização no plano da palavra e das ideias. Nesse sentido e,

55
L Í N GU A PO RTU GU E SA

sobretudo, partindo do pressuposto de que independentemente Substituição: quando ocorre substituição de termos, como
de qualquer que seja a finalidade discursiva a que se presta um sinônimos que não são completamente idênticos para a troca.
determinado texto, esse deve estar claro, preciso e objetivo para
quem o lê isso é a verdadeira textualidade. Elisão: um exemplo claro é quando suprimos as palavras do
No processo de articulação do texto, deve estar presente a português.
preocupação com a integração de dois eixos: a estrutura sintática
e a estrutura semântica, que darão ao texto a configuração de Conjunção: estabelece vínculos semânticos, como a
um feixe de conexões . Nele, as partes se integram e formam um causalidade, temporalidade.
todo de significações que se esclarecem reciprocamente .
O texto emerge das relações fonológicas (as sonoridades), Coesão lexical: termos que são retomados por sinônimos ou
morfológicas (a exploração de determinadas categorias hiperônimos.
gramaticais, as aproximações entre diferentes categorias, os
tempos e formas verbais que vão tecendo os períodos), sintáticas Q uestõ es
(a construção dos períodos, as coordenações e subordinações, as
inversões), semânticas e pragmáticas (os significados e seus usos), 0 1 . U F R P E - A dministrador – 2 0 1 6 - SU G EP - U F R P E
para realizar-se nas duas faces que o caracterizam.
Cabe ressaltar que essa articulação, uma vez manifestada, Estamos na sociedade da informação. Somos autênticos
pode se dar tanto no nível das frases quanto no nível do próprio informívoros, necessitamos de informação para sobreviver, como
texto, por meio dos articuladores lógicos do texto e dos próprios necessitamos de alimento, calor ou contato social. Nas ciências
conectivos. da comunicação, considera-se que informação é tudo aquilo
uando no nível das frases, a articulação se dá mediante o que reduz a incerteza de um sistema. Nesse sentido, todos nós
uso de pronomes, os quais fazem referência a elementos antes nos alimentamos de informação, que nos permite não apenas
proferidos; bem como das conjunções, uma vez que essas prever, como também controlar os acontecimentos de nosso
estabelecem distintas relações entre as orações, podendo ser de meio. Previsão e controle são duas das funções fundamentais da
causalidade, temporalidade, oposição, consequência, condição, aprendizagem, inclusive nos organismos mais simples.
conclusão, entre outros aspectos. Na vida social, a informação é ainda mais essencial porque
Manifestando-se no nível do texto, a articulação se caracteriza os fenômenos que nos rodeiam são complexos e cambiantes e,
pela relação que se estabelece entre as partes maiores desse, portanto, ainda mais incertos do que os que afetam os outros
como é o caso da introdução, desenvolvimento e conclusão. seres vivos. A incerteza é ainda maior na sociedade atual,
Dessa forma, atuando como casos representativos desse aspecto, como consequência da descentração do conhecimento e dos
eis algumas expressões notadamente expressas por dessa vertiginosos ritmos de mudança em todos os setores da vida.
forma , por outro lado , por exemplo ; sequências numéricas, Um traço característico de nossa cultura da aprendizagem
tais como primeiro , segundo , primeiramente , em segundo é que, em vez de ter que buscar ativamente a informação com
plano , entre outras; conjunções de oposição, como, por exemplo, que alimentar nossa ânsia de previsão e controle, estamos sendo
não obstante , apesar de , ente outras. abarrotados, superalimentados de informação, na maioria das
vezes em formato fast food. Sofremos uma certa obesidade
Coesão e coerê ncia tex tual informativa, consequência de uma dieta pouco equilibrada.
Juan Ignácio Pozo. Aprendizes e mestres. Excerto adaptado.
Por essas ambas, compreendemos a relação de sentido que
se estabelece entre as partes do texto, criando uma unidade de O Texto aborda o seu tema de forma claramente articulada.
sentido (ou seja, criando um discurso que faça sentido para o Um dos recursos fundamentais que promovem essa articulação é:
receptor). A coesão auxilia a coerência, mas não é algo necessário A) o uso preferencial de palavras menos comuns, mais
para que esta se dê: mesmo não havendo coesão, pode haver distantes, portanto, do coloquial.
coerência. A coerência manifestada no nível microtextual refere- B) o fato de o autor usar sempre os verbos na primeira pessoa
se aos modos como os componentes do universo textual estão do plural.
ligados entre si dentro de uma sequência. C) a estrita correção gramatical que é respeitada em toda a
sua extensão.
C oesã o: quando manifestada no nível microtextual, refere- D) a afinidade de significado que existe entre as palavras nele
se aos modos como os componentes do universo textual estão empregadas.
ligados entre si dentro de uma sequência; E) o alto índice de metáforas, o que aproxima sua estrutura
á vários tipos de coesão. São eles: daquela dos textos literários.

Referência: exofórica e endofórica (que pode ser anáfora e 0 2 . P olí cia M ilitar/ Oficial dministrativo
catáfora); Exofórica é quando há uma relação extralinguística, VU N ESP
isto é, textos orais. Já a endofórica é uma relação interna. Será Se as pessoas insistem em ignorar as conclusões de tais
anáfora quando houver retomada, recuperação de termos, com estudiosos e não se importam de reduzir suas mentes à condição
o uso de pronomes, por exemplo. Já a catáfora indica um termo de apêndice de um aparelho, talvez se assustem ao saber que
subsequente, que será ainda falado. o smartphone também as atinge em algo que ainda devem
valorizar: o corpo.

56
L Í N GU A PO RTU GU E SA

O pronome as, em destaque no trecho, retoma a seguinte A) caso você queira ir mais longe.
expressão: B) na hipótese de você querer ir mais longe.
A) as pessoas. C) no caso de você querer ir mais longe.
B) as conclusões. D) desde que você queira ir mais longe.
C) tais estudiosos. E) conquanto você queira ir mais longe.
D) apêndice de um aparelho.
E) o smartphone. 0 5 . SA N EA G O - G O - A nalista de Sistemas – 2 0 1 8 - CS- U F G
Eu comecei a fazer festa de reggae em 1975, com a minha
0 3 . M etrô écnico Seguranç a do T rabalho CC radiola. Mas onde o reggae começou a se espalhar mesmo foi
O criador da mais conhecida e celebrada canção sertaneja, num sítio chamado Mato Grosso, por trás da Expoema. Ali foi
Tristeza do Jeca (1918), não era, como se poderia esperar, o primeiro sítio que eu foquei. Depois eu toquei num festejo
um sofredor habitante do campo, mas o dentista, escrivão de de Nossa Senhora do Bom Parto, que acontece todo ano, dia 2
polícia e dono de loja Angelino Oliveira. Gravada por caipiras e de fevereiro, num lugar chamado Andiroba; fica antes de Mato
sertanejos , nos bons tempos do cururu autêntico , assim como Grosso. Foi dali que começou. A í , eu fui trazendo para os bairros
nos tempos modernos da música americanizada dos rodeios , e comecei a fazer festa no Salgueiro (antiga Escola de Samba
Tristeza do Jeca é o grande exemplo da notável, embora pouco no Sacavém não existe mais), na favela (só Samba) fazia festa
conhecida, fluidez que marca a transição entre os meios rural e no Sacavém, também no festejo de Elzita (mãe-de-santo de um
urbano, pelo menos em termos de música brasileira. terreiro de mina no bairro Sacavém) e trazia aquela multidão do
Num tempo em que homem só cantava em tom maior e voz Retiro Natal, Monte Castelo, Liberdade, a turma que já participava
grave, o Jeca surge humilde e sem vergonha alguma da sua falta das festas que eu fazia...
de masculinidade , choroso, melancólico, lamentando não poder DA SILVA, Carlos Benedito Rodrigues. Da terra das
voltar ao passado e, assim, cada toada representa uma saudade . primaveras à ilha do amor reggae, lazer e identidade cultural.
O Jeca de Oliveira não se interessa pelo meio rural da miséria, das São Luís: Pitomba, 2016. p. 68.
catástrofes naturais, mas pelo íntimo e sentimental, e foi nesse
seu tom que a música, caipira ou sertaneja, ganhou forma. Concorrem para o estabelecimento da coesão do texto
A canção popular conserva profunda nostalgia da roça. o emprego dos articuladores Ali (linha 4), dali e Aí . O uso
Moderna, sofisticada e citadina, essa música foi e é igualmente desses articuladores
roceira, matuta, acanhada, rústica e sem trato com a área urbana, A) torna o estilo linguístico do texto informal e próximo da
de tal forma que, em todas essas composições, haja sempre a oralidade.
voz exemplar do migrante, a qual se faz ouvir para registrar uma B) denota desconhecimento dos recursos de articulação
situação de desenraizamento, de dependência e falta , analisa a gramatical.
cientista política eloísa Starling. C) revela o nível de escolaridade formal do autor do texto.
Acrescenta o antropólogo Allan de Paula Oliveira: foi entre D) evidencia um marcador de variação linguística diatópica.
1902 e 1960 que a música sertaneja surgiu como um campo
específico no interior da MPB. Mas, se num período inicial, até R ESP O ST A S
1930, sertanejo indicava indistintamente as músicas produzidas
no interior do país, tendo como referência o Nordeste, a partir 0 1 D
dos anos de 1930, sertanejo passou a significar o caipira do
Centro-Sul. E, pouco mais tarde, de São Paulo. Assim, se Jararaca 0 2 A
e Ratinho, ícones da passagem do sertanejo nordestino para 0 3 B
o caipira , trabalhavam no Rio, as duplas dos anos 1940, como
Tonico e Tinoco, trabalhariam em São Paulo . 0 4 E
(Adaptado de: AAG, Carlos. Saudades do Jeca no século 0 5 A
I . In: Revista Fapesp, outubro de 2009, p. 80-5.)

Os pronomes que (1º parágrafo), sua (2º parágrafo) e a


qual (3º parágrafo), referem-se, respectivamente, a:
A) exemplo Jeca composições
B) fluidez Jeca voz exemplar do migrante
C) Tristeza do Jeca homem canção popular
D) exemplo homem voz exemplar do migrante
E) fluidez homem canção popular

0 4 . ( D ef ensoria P ública do Estado do R io de J aneiro – T é cnico


Superior Especializ ado em B iblioteconomia

se você quiser ir mais longe ; a única forma dessa frase que


N O apresenta um equivalente semântico corretamente expresso
é:

57
L Í N GU A PO RTU GU E SA

A N O T A Ç Ã O —————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————

58
MA TE MÁ TICA

Números relativos inteiros e fracionários: operações e suas propriedades (adição, subtração, multiplicação, divisão e potenciação). . . . . . 01
Múltiplos e divisores: máximo divisor comum e mínimo múltiplo comum. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Frações ordinárias e decimais. Números decimais: propriedades e operações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Expressões numéricas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Equações do 1º e 2º graus. Problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Sistemas de medida de tempo. Sistema métrico decimal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Sistema monetário brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Problemas, números e grandezas proporcionais: razões e proporções. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Divisão em partes proporcionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Regra de três simples e composta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Porcentagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Juro simples: juros, capital, tempo, taxas e montantes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Fundamentos da Teoria dos Conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Conjuntos Numéricos: Números Naturais e Inteiros (divisibilidade, números primos, fatoração, máximo divisor comum, mínimo múltiplo
comum). Números Racionais e Irracionais (reta numérica, valor absoluto, representação decimal). Números Reais (relação de ordem e
intervalos). Operações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Funções: Estudo das Relações, definição da função, funções definidas por fórmulas: domínio, imagem e contradomínio, gráficos, função
injetora, sobrejetora e bijetora, funções par e ímpar, funções crescentes e decrescentes, função inversa, função composta, função polino-
mial do 1º Grau, quadrática, modular, exponencial e logarítmica, resoluções de equações, inequações e sistemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Sequência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Geometria Plana. Ângulos: definição, classificação, unidades e operações, feixes de paralelas cortadas por transversais, Teorema de Tales
e aplicações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Geometria Espacial: retas e planos no espaço (paralelismo e perpendicularismo), poliedros regulares, pirâmides, prismas, cilindro, cone e
esfera (elementos e equações).. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Polígonos: elementos e classificação, Diagonais, soma dos ângulos externos e internos, estudo dos quadriláteros e triângulos, congruências
e semelhanças, relações métricas dos triângulos. Área: polígonos e suas partes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Álgebra: análise combinatória. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
MATEMÁTICA

Exemplo 3
N Ú M ER O S R EL A T I VO S I N T EI R O S E F R A CI O N Á R I O S: 25-(50-30) 4x5
O E E E O IED DE DI O, 25-20 20 25
O, M I IC O, DI I O E O ENCI O
N úmeros I nteiros
Podemos dizer que este conjunto é composto pelos números
N úmeros N aturais naturais, o conjunto dos opostos dos números naturais e o zero.
Os números naturais são o modelo matemático necessário Este conjunto pode ser representado por:
para efetuar uma contagem. ...-3, -2, -1, 0, 1, 2,...
Começando por zero e acrescentando sempre uma unidade, Subconjuntos do conjunto :
obtemos o conjunto infinito dos números naturais 1)Conjunto dos números inteiros excluindo o zero
...-2, -1, 1, 2, ...

2) Conjuntos dos números inteiros não negativos


- Todo número natural dado tem um sucessor Z + 0, 1, 2, ...
a) O sucessor de 0 é 1.
b) O sucessor de 1000 é 1001. 3) Conjunto dos números inteiros não positivos
c) O sucessor de 19 é 20. Z - ...-3, -2, -1

Usamos o para indicar o conjunto sem o zero. N úmeros R acionais


Chama-se de número racional a todo número que pode ser
expresso na forma , onde a e b são inteiros quaisquer, com b 0
São exemplos de números racionais:
- Todo número natural dado N, exceto o zero, tem um ante- -12/51
cessor (número que vem antes do número dado). -3
Exemplos: Se m é um número natural finito diferente de zero. -(-3)
a) O antecessor do número m é m-1. -2,333...
b) O antecessor de 2 é 1.
c) O antecessor de 56 é 55. As dízimas periódicas podem ser representadas por fração,
d) O antecessor de 10 é 9. portanto são consideradas números racionais.
Como representar esses números?
Ex pressõ es N umé ricas
R epresentaç ão D ecimal das F raç õ es
Nas expressões numéricas aparecem adições, subtrações,
multiplicações e divisões. Todas as operações podem acontecer Temos 2 possíveis casos para transformar frações em deci-
em uma única expressão. Para resolver as expressões numéricas mais
utilizamos alguns procedimentos:
1º) Decimais exatos: quando dividirmos a fração, o número
Se em uma expressão numérica aparecer as quatro opera- decimal terá um número finito de algarismos após a vírgula.
ções, devemos resolver a multiplicação ou a divisão primeiramen-
te, na ordem em que elas aparecerem e somente depois a adição
e a subtração, também na ordem em que aparecerem e os parên-
teses são resolvidos primeiro.

Exemplo 1

10 12 6 7
22 6 7
16 + 7
23 2º) Terá um número infinito de algarismos após a vírgula, mas
lembrando que a dízima deve ser periódica para ser número ra-
Exemplo 2 cional
OBS: período da dízima são os números que se repetem, se
40 9 x 4 23 não repetir não é dízima periódica e assim números irracionais,
40 36 23 que trataremos mais a frente.
4 23
27

1
MATEMÁTICA

N úmeros I rracionais
Identificação de n meros irracionais

- Todas as dízimas periódicas são números racionais.


- Todos os números inteiros são racionais.
- Todas as frações ordinárias são números racionais.
- Todas as dízimas não periódicas são números irracionais.
R epresentaç ão F racioná ria dos N úmeros D ecimais - Todas as raízes inexatas são números irracionais.
- A soma de um número racional com um número irracional é
1ºcaso) Se for exato, conseguimos sempre transformar com o sempre um número irracional.
denominador seguido de zeros. - A diferença de dois números irracionais, pode ser um nú-
O número de zeros depende da casa decimal. Para uma casa, mero racional.
um zero (10) para duas casas, dois zeros(100) e assim por diante. -Os números irracionais não podem ser expressos na forma
, com a e b inteiros e b 0.

Ex emplo: - 0 e 0 é um número racional.

- O quociente de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Ex emplo: : 2 e 2 é um número racional.

- O produto de dois números irracionais, pode ser um núme-


ro racional.

Ex emplo: . 7 é um número racional.


2ºcaso) Se dízima periódica é um número racional, então
como podemos transformar em fração? Exemplo:radicais( a raiz quadrada de um número na-
tural, se não inteira, é irracional.
Ex emplo 1
N úmeros R eais
Transforme a dízima 0, 333... .em fração
Sempre que precisar transformar, vamos chamar a dízima
dada de x, ou seja
0,333...
Se o período da dízima é de um algarismo, multiplicamos por
10.

10x 3,333...

E então subtraímos:

10x-x 3,333...-0,333...
9x 3
3/9
1/3

Agora, vamos fazer um exemplo com 2 algarismos de perío- Fonte: www.estudo ids.com.br
do.
Ex emplo 2 Representação na reta

Seja a dízima 1,1212...

Façamos x 1,1212...
100x 112,1212... .
Subtraindo:
100x-x 112,1212...-1,1212...
99x 111
111/99

2
MA TE MÁ TICA

I N T ER VA L O S L I M I T A D O S
Intervalo fechado Números reais maiores do que a ou iguais
a e menores do que b ou iguais a b. Intervalo: a,
Conjunto: x∈R x a

Intervalo: a,b P otenciaç ão


Conjunto: x∈R a x b Multiplicação de fatores iguais

Intervalo aberto números reais maiores que a e menores 2 2.2.2 8


que b.
C asos
1) Todo número elevado ao expoente 0 resulta em 1.
Intervalo: a,b
Conjunto: x∈R a x b

Intervalo fechado à esquerda números reais maiores que a


ou iguais a a e menores do que b.

2) Todo número elevado ao expoente 1 é o próprio núme-


ro.
Intervalo: a,b
Conjunto x∈R a x b
Intervalo fechado à direita números reais maiores que a e
menores ou iguais a b.

3) Todo número negativo, elevado ao expoente par, resul-


ta em um número positivo.
Intervalo: a,b
Conjunto: x∈R a x b

I N T ER VA L O S I I M I T A D O S
4) Todo número negativo, elevado ao expoente ímpar, re-
Semirreta esquerda, fechada de origem b- números reais me- sulta em um número negativo.
nores ou iguais a b.

Intervalo: - ,b
Conjunto: x∈R x b 5) Se o sinal do expoente for negativo, devemos passar o
sinal para positivo e inverter o número que está na base.
Semirreta esquerda, aberta de origem b números reais me-
nores que b.

Intervalo: - ,b
Conjunto: x∈R x b
6) Toda vez que a base for igual a zero, não importa o valor
Semirreta direita, fechada de origem a números reais maio- do expoente, o resultado será igual a zero.
res ou iguais a a.

Intervalo: a, Propriedades
Conjunto: x∈R x a
1) (am . an am n) Em uma multiplicação de potências de mes-
Semirreta direita, aberta, de origem a números reais maio- ma base, repete-se a base e soma os expoentes.
res que a.

3
MA TE MÁ TICA

Exemplos:
24 . 23 24 3 27
(2.2.2.2) .( 2.2.2) 2.2.2. 2.2.2.2 27

2) (am: an am-n). Em uma divisão de potência de mesma base.


Conserva-se a base e subtraem os expoentes.

Exemplos:
96 : 92 96-2 94

64 2.2.2.2.2.2 26

3) (am)n Potência de potência. Repete-se a base e multiplica- Como é raiz quadrada a cada dois números iguais tira-se
-se os expoentes. um e multiplica.
Exemplos:
(52)3 52.3 56

Observe: 1 1
3.5 = (3.5) 2 = 3 2 .5 2 = 3. 5
1

4) E uma multiplicação de dois ou mais fatores elevados a De modo geral, se


um expoente, podemos elevar cada um a esse mesmo expoente.
(4.3) 4 .3
a ∈ R+ , b ∈ R+ , n ∈ N * ,
então:
5) Na divisão de dois fatores elevados a um expoente, pode-
mos elevar separados. n
a.b = n a .n b

O radical de índice inteiro e positivo de um produto indicado


é igual ao produto dos radicais de mesmo índice dos fatores do
R adiciaç ão radicando.
Radiciação é a operação inversa a potenciação
Raiz quadrada de frações ordinárias
1 1
2 2 2 2 2
2
=  = 1 =
3 3 3
Observe: 32

De modo geral,

a ∈ R+ , b ∈ R *+ , n ∈ N * ,
T é cnica de Cá lculo se
A determinação da raiz quadrada de um número torna-se
mais fácil quando o algarismo se encontra fatorado em números então:
primos. Veja:
a na
n =
b nb

O radical de índice inteiro e positivo de um quociente indica-


do é igual ao quociente dos radicais de mesmo índice dos termos
do radicando.

4
MA TE MÁ TICA

Raiz quadrada números decimais

Operações 2º Caso: Denominador composto por duas parcelas.

O peraç õ es Devemos multiplicar de forma que obtenha uma diferença de


quadrados no denominador:
Multiplicação

Exemplo Q U EST Õ ES

refeitura de alvador écnico de N vel uperior


II Direito Em um concurso, há 150 candidatos em
Divisão apenas duas categorias: nível superior e nível médio.
Sabe-se que:

dentre os candidatos, 82 são homens;


o número de candidatos homens de nível superior é igual
Exemplo ao de mulheres de nível médio;
dentre os candidatos de nível superior, 31 são mulheres.

O número de candidatos homens de nível médio é

Adição e subtração (A) 42.


(B) 45.
(C) 48.
(D) 50.
Para fazer esse cálculo, devemos fatorar o 8 e o 20. (E) 52.

gente de egurança enitenciária M CON


C O Raoni, Ingrid, Maria Eduarda, Isabella e José fo-
ram a uma prova de hipismo, na qual ganharia o competidor que
obtivesse o menor tempo final. A cada 1 falta seriam incrementa-
dos 6 segundos em seu tempo final. Ingrid fez 1 10 com 1 falta,
Maria Eduarda fez 1 12 sem faltas, Isabella fez 1 07 com 2 faltas,
Raoni fez 1 10 sem faltas e José fez 1 05 com 1 falta. Verificando
a colocação, é correto afirmar que o vencedor foi:
(A) José
Caso tenha: (B) Isabella
(C) Maria Eduarda
(D) Raoni

Não dá para somar, as raízes devem ficar desse modo. gente de egurança enitenciária M CON
C O O valor de 0,444... é:
R acionaliz aç ão de D enominadores (A) 0,2222...
(B) 0,6666...
Normalmente não se apresentam números irracionais com (C) 0,1616...
radicais no denominador. Ao processo que leva à eliminação dos (D) 0,8888...
radicais do denominador chama-se racionalização do denomina-
dor. C M DE M Escriturário NE
1º Caso:Denominador composto por uma só parcela Se, numa divisão, o divisor e o quociente são iguais, e o resto é 10,
sendo esse resto o maior possível, então o dividendo é

5
MA TE MÁ TICA

(A) 131. (A) 1.


(B) 121. (B) 2.
(C) 120. (C) 4.
(D) 110. (D) 8.
(E) 101. (E) 16.

écnico udiciário CC As expressões nu- NI O u iliar de aborat rio NI O


méricas abaixo apresentam resultados que seguem um padrão
específico: ual o resultado de ?

1 expressão: 1 x 9 2 (A) 3
(B) 3/2
2 expressão: 12 x 9 3 (C) 5
(D) 5/2
3 expressão: 123 x 9 4
I E gente Censitário Municipal e upervisor
... Suponha que a b signifique a - 2b .

7 expressão: █ x 9 ▲ Se 2 (1 N) 12 , então N é igual a:


(A) 1;
Seguindo esse padrão e colocando os números adequados no (B) 2;
lugar dos símbolos █ e ▲, o resultado da 7 expressão será (C) 3;
(D) 4;
(A) 1 111 111. (E) 6.
(B) 11 111.
(C) 1 111. I E gente Censitário Municipal e upervisor
(D) 111 111. Uma equipe de trabalhadores de determinada empre-
(E) 11 111 111. sa tem o mesmo número de mulheres e de homens. Certa manhã,
3/4 das mulheres e 2/3 dos homens dessa equipe saíram para um
écnico udiciário CC Durante um trei- atendimento externo.
namento, o chefe da brigada de incêndio de um prédio comercial
informou que, nos cinquenta anos de existência do prédio, nunca Desses que foram para o atendimento externo, a fração de
houve um incêndio, mas existiram muitas situações de risco, feliz- mulheres é
mente controladas a tempo. Segundo ele, 1/13 dessas situações (A) 3/4;
deveu-se a ações criminosas, enquanto as demais situações ha- (B) 8/9;
viam sido geradas por diferentes tipos de displicência. Dentre as (C) 5/7;
situações de risco geradas por displicência, (D) 8/13;
(E) 9/17.
1/5 deveu-se a pontas de cigarro descartadas inadequada-
mente; R ESP O ST A S
1/4 deveu-se a instalações elétricas inadequadas;
1/3 deveu-se a vazamentos de gás e esposta:
as demais foram geradas por descuidos ao cozinhar. 150-82 68 mulheres
Como 31 mulheres são candidatas de nível superior, 37 são
De acordo com esses dados, ao longo da existência desse pré- de nível médio.
dio comercial, a fração do total de situações de risco de incêndio Portanto, há 37 homens de nível superior.
geradas por descuidos ao cozinhar corresponde à 82-37 45 homens de nível médio.
(A) 3/20.
(B) 1/4. esposta: D
(C) 13/60. Como o tempo de Raoni foi 1 10 sem faltas, ele foi o ven-
(D) 1/5. cedor.
(E) 1/60.
esposta:
I I IN CION rofissional N vel écnico I éc Primeiramente, vamos transformar a dízima em fração
nico em Eletr nica NC Assinale a alternativa que 0,4444....
apresenta o valor da expressão 10x 4,444...
9x 4

6
MA TE MÁ TICA

Saíram no total

esposta:
Como o maior resto possível é 10, o divisor é o número 11
que é igua o quociente.
11x11 121 10 131

esposta: E
A 7 expressão será: 1234567x9 8 11111111

esposta: D
M Ú L T I P L O S E D I VI SO R ES: M Á X I M O D I VI SO R CO M U M E
M NIMO M I O COM M

Gerado por descuidos ao cozinhar:


M ltiplos

Um número é múltiplo de outro quando ao dividirmos o pri-


Mas, que foram gerados por displicência é 12/13(1-1/13) meiro pelo segundo, o resto é zero.
Exemplo

esposta: C
O conjunto de múltiplos de um número natural não-nulo é
infinito e podemos consegui-lo multiplicando-se o número dado
por todos os números naturais.
M(3) 0,3,6,9,12,...

Divisores

Os números 12 e 15 são múltiplos de 3, portanto 3 é divisor


esposta: D de 12 e 15.
D(12) 1,2,3,4,6,12
D(15) 1,3,5,15
Observações:

- Todo número natural é múltiplo de si mesmo.


esposta: C - Todo número natural é múltiplo de 1.
2-2(1-2N) 12 - Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos múl-
2-2 4N 12 tiplos.
4N 12 - O zero é múltiplo de qualquer número natural.
N 3
Má imo Divisor Comum
esposta: E O máximo divisor comum de dois ou mais números naturais
Como tem o mesmo número de homens e mulheres: não-nulos é o maior dos divisores comuns desses números.
Para calcular o m.d.c de dois ou mais números, devemos se-
guir as etapas:
• Decompor o número em fatores primos
• Tomar o fatores comuns com o menor expoente
Dos homens que saíram: • Multiplicar os fatores entre si.

7
MA TE MÁ TICA

Exemplo:

Devemos achar o mdc para achar a maior medida possível


E são os fatores que temos iguais:25 32

O fator comum é o 3 e o 1 é o menor expoente. E x em p l o2


m.d.c M E Oficial de romotora I NE N o aero-
porto de uma pequena cidade chegam aviões de três companhias
aéreas. Os aviões da companhia A chegam a cada 20 minutos, da
companhia B a cada 30 minutos e da companhia C a cada 44 mi-
M nimo M ltiplo Comum nutos. Em um domingo, às 7 horas, chegaram aviões das três com-
O mínimo múltiplo comum (m.m.c) de dois ou mais números panhias ao mesmo tempo, situação que voltará a se repetir, nesse
é o menor número, diferente de zero. mesmo dia, às
Para calcular devemos seguir as etapas: (A) 16h 30min.
• Decompor os números em fatores primos (B) 17h 30min.
• Multiplicar os fatores entre si (C) 18h 30min.
(D) 17 horas.
Exemplo: (E) 18 horas.

Resposta: E.

Para o mmc, fica mais fácil decompor os dois juntos.


Basta começar sempre pelo menor primo e verificar a divisão
com algum dos números, não é necessário que os dois sejam divi-
Mmc(20,30,44) 2 .3.5.11 660
síveis ao mesmo tempo.
Observe que enquanto o 15 não pode ser dividido, continua
1h---60minutos
aparecendo.
x-----660
x 660/60 11
Assim, o mmc
Então será depois de 11horas que se encontrarão
Exemplo
7 11 18h
O piso de uma sala retangular, medindo 3,52 m 4,16 m, será
revestido com ladrilhos quadrados, de mesma dimensão, inteiros,
Q U EST Õ ES
de forma que não fique espaço vazio entre ladrilhos vizinhos. Os
ladrilhos serão escolhidos de modo que tenham a maior dimen-
01. C M DE M Escriturário NE
são possível.
No depósito de uma loja de doces, há uma caixa contendo n
Na situação apresentada, o lado do ladrilho deverá medir
bombons. Para serem vendidos, devem ser repartidos em pa-
(A) mais de 30 cm.
cotes iguais, todos com a mesma quantidade de bombons.
(B) menos de 15 cm.
(C) mais de 15 cm e menos de 20 cm. Com os bombons dessa caixa, podem ser feitos pacotes com
(D) mais de 20 cm e menos de 25 cm. 5, ou com 6, ou com 7 unidades cada um, e, nesses casos, não
(E) mais de 25 cm e menos de 30 cm. faltará nem sobrará nenhum bombom. Nessas condições, o
menor valor que pode ser atribuído a n é
Resposta: A. (A) 280.
(B) 265.
(C) 245.
(D) 230.
(E) 210.

8
MA TE MÁ TICA

EM gente dministrativo I C Con- (A) 8


siderando A o MDC (maior divisor comum) entre os números (B) 6
24 e 60 e B o MMC (menor múltiplo comum) entre os núme- (C) 4
ros 12 e 20, então o valor de 2A 3B é igual a: (D) 2
(A) 72
(B) 156 CE E C ssistente dministrativo E E E E m
(C) 144 uma excursão participam 120 homens e 160 mulheres. Em de-
(D) 204 terminado momento é preciso dividir os participantes em grupos
formados somente por homens ou somente por mulheres, de
M E O Oficial de romotoria M E O maneira que os grupos tenham o mesmo número de integrantes.
Em um determinado zoológico, a girafa deve comer a cada 4 Neste caso, o número máximo de integrantes em um grupo é:
horas, o leão a cada 5 horas e o macaco a cada 3 horas. Con- (A) 10.
siderando que todos foram alimentados às 8 horas da manhã (B) 15.
de domingo, é correto afirmar que o funcionário encarregado (C) 20.
deverá servir a alimentação a todos concomitantemente às: (D) 30.
(A) 8 horas de segunda-feira. (E) 40.
(B) 14 horas de segunda-feira.
(C) 10 horas de terça-feira. E DE O ssistente de estão Es
(D) 20 horas de terça-feira. colar NE Para iniciar uma visita monitorada a um
(E) 9 horas de quarta-feira. museu, 96 alunos do 8º ano e 84 alunos do 9º ano de certa es-
cola foram divididos em grupos, todos com o mesmo número de
EM ssistente de aborat rio I C alunos, sendo esse número o maior possível, de modo que cada
Um marceneiro possui duas barras de ferro, uma com 1,40 grupo tivesse somente alunos de um único ano e que não restas-
metros de comprimento e outra com 2,45 metros de compri- se nenhum aluno fora de um grupo. Nessas condições, é correto
mento. Ele pretende cortá-las em barras de tamanhos iguais, afirmar que o número total de grupos formados foi
(A) 8.
de modo que cada pedaço tenha a maior medida possível.
(B) 12.
Nessas circunstâncias, o total de pedaços que o marceneiro
(C) 13.
irá cortar, utilizando as duas de ferro, é:
(D) 15.
(A) 9
(E) 18.
(B) 11
(C) 12
E DE M EI O gente dministrativo O
(D) 13
CON O I O MMC(120, 125, 130) é:
(A) 39000
M Escrevente écnico udiciário NE
(B) 38000
Em um pequeno mercado, o dono resolveu fazer uma promoção.
(C) 37000
Para tanto, cada uma das 3 caixas registradoras foi programada
(D) 36000
para acender uma luz, em intervalos de tempo regulares: na caixa
(E) 35000
1, a luz acendia a cada 15 minutos; na caixa 2, a cada 30 minutos;
e na caixa 3, a luz acendia a cada 45 minutos. Toda vez que a luz de
M E nalista écnico Cien fico NE
uma caixa acendia, o cliente que estava nela era premiado com um
Pretende-se dividir um grupo de 216 pessoas, sendo 126 com for-
desconto de 3 sobre o valor da compra e, quando as 3 luzes acen-
mação na área de exatas e 90 com formação na área de humanas,
diam, ao mesmo tempo, esse desconto era de 5 . Se, exatamente
em grupos menores contendo, obrigatoriamente, elementos de
às 9 horas de um determinado dia, as luzes das 3 caixas acenderam
cada uma dessas áreas, de modo que: (1) o número de grupos
ao mesmo tempo, então é verdade que o número máximo de pre-
seja o maior possível; (2) cada grupo tenha o mesmo número x de
miações de 5 de desconto que esse mercado poderia ter dado
pessoas com formação na área de exatas e o mesmo número de
aos seus clientes, das 9 horas às 21 horas e 30 minutos daquele dia,
pessoas com formação na área de humanas; e (3) cada uma das
seria igual a
216 pessoas participe de um único grupo. Nessas condições, e sa-
(A) 8.
bendo-se que no grupo não há pessoa com ambas as formações,
(B) 10.
é correto afirmar que, em cada novo grupo, a diferença entre os
(C) 21.
números de pessoas com formação em exatas e em humanas,
(D) 27.
nessa ordem, será igual a
(E) 33.
(A) 1
(B) 2
E DE I M gente dministrativo M
(C) 3
CONC O Sabendo que a sigla M.M.C. na matemática
(D) 4
significa Mínimo Múltiplo Comum e que M.D.C. significa Máximo
(E) 5
Divisor Comum, pergunta-se: qual o valor do M.M.C. de 6 e 8 divi-
dido pelo M.D.C. de 30, 36 e 72?

9
MA TE MÁ TICA

R ESP O ST A S esposta: D

esposta: E

Mmc(15, 30, 45) 90 minutos


Ou seja, a cada 1h30 minutos tem premiações.
Das 9 ate as 21h30min 12h30 minutos
Mmc(5,6,7) 2⋅3⋅5⋅7 210

esposta: E
9 vezes no total, pois as 9 horas acendeu.
Como são 3 premiações: 9x3 27

esposta: C

Para o cálculo do mdc, devemos multiplicar os comuns:


MDC(24,60) 2 ⋅3 12

Mmc(6,8) 24

Mmc(12,20) 2 ⋅3⋅5 60
2A 3B 24 180 204
Mdc(30, 36, 72) 2x3 6
esposta: D Portanto: 24/6 4
Mmc(3, 4, 5) 60
60/24 2 dias e 12horas esposta: E
Como foi no domingo às 8h d amanhã, a próxima alimentação
será na terça às 20h.

esposta:

MDC(120,160) 8x5 40

esposta: D
Mdc 5⋅7 35
140/35 4
245/35 7
Portanto, serão 11 pedaços.

10
MA TE MÁ TICA

MDC(84,96) 2 x3 12
84/12 7
96/12 8
E 7 8 15
3/8 2/8
esposta:
5/8

3 2 5
Observe que +
8 8 8
Portanto, Jorge e Miguel comeram juntos 5 do tablete de
chocolate. 8
Na adição e subtração de duas ou mais frações que têm de-
nominadores iguais, conservamos o denominador comum e so-
mamos ou subtraímos os numeradores.
Mmc(120, 125, 130) 2 .3.5 .13 39000
Outro Exemplo:
esposta: 3 5 7 3+5−7 1
O cálculo utilizado aqui será o MDC (Máximo Divisor Comum) + − = =
2 2 2 2 2

raç es com denominadores diferentes:


3 5
Calcular o valor de 8 + 6 . Inicialmente, devemos reduzir as
frações ao mesmo denominador comum:

Mdc(90, 125) 2.3 18 mmc (8,6) 24 3 5


+
9 20
+
Então teremos 8 6 24 24
126/18 7 grupos de exatas 24 : 8 . 3 9
90/18 5 grupos de humanas 24 : 6 . 5 20
A diferença é de 7-5 2 Devemos proceder, agora, como no primeiro caso, simplifi-
cando o resultado, quando possível:
- eles são múltiplos de 2, pois terminam com números pares.
E são múltiplos de 3, lembrando que para ser múltiplo de 3, 9 20 9 + 20 29
basta somar os números e ser múltiplo de 3. + =
24 24 24 24
36 3 6 9
90 9 0 9 3 5 9 20
+ 9 + 20 29
Portanto: + =
162 1 6 2 9 8 6 24 24 24 24
Na adição e subtração de duas ou mais frações que têm os
denominadores diferentes, reduzimos inicialmente as frações ao
menor denominador comum, após o que procedemos como no
E O DIN I E DECIM I N ME O primeiro caso.
DECIM I : O IED DE E O E E
Multiplicação
Ex emplo
N úmeros F racioná rios 4
dição e ubtração 2
De uma caixa de frutas, 5 são bananas. Do total de bananas,
raç es com denominadores iguais: estão estragadas. ual é a fração de frutas da caixa que estão
3
estragadas?
Ex emplo
3 2
Jorge comeu 8 de um tablete de chocolate e Miguel 8 desse Representa 4/5 do conteúdo da caixa
mesmo tablete. ual a fração do tablete de chocolate que Jorge e
Miguel comeram juntos?
A figura abaixo representa o tablete de chocolate. Nela tam-
bém estão representadas as frações do tablete que Jorge e Miguel
comeram: Representa 2/3 de 4/5 do conteúdo da caixa.

11
MA TE MÁ TICA

Repare que o problema proposto consiste em calcular o valor Para dividir uma fração por outra, multiplicamos a primeira
2
de 3 de 4 que, de acordo com a figura, equivale a 8 do total de pelo inverso da segunda.
5 15
frutas. De acordo com a tabela acima, 2 de 4 equivale a 2 . 4 . 4 4 3 4 1 4
Portanto :3 : .
3 5
Assim sendo: 3 5
5 5 1 5 3 15
2. 4 8 Ou seja, o namorado de Lúcia recebeu
4
do total de choco-
3 5 15 lates contidos na caixa. 15
Ou seja:
4 8 41 5 5
2 Outro exemplo: : = . =
2 4 8
de 4 . 2.4 3 5 3 82 6
3 5 3 5 3.5 15 Observação:
O produto de duas ou mais frações é uma fração cujo nu- 3
merador é o produto dos numeradores e cujo denominador é o 3 1
Note a expressão: 2 . Ela é equivalente à expressão : .
produto dos denominadores das frações dadas. 1 2 5
Outro exemplo: 2 . 4 . 7 2.4.7 56 3 5
= = Portanto 2 3 1
:
3 5 15
3 5 9 3.5.9 135 1 .
2 5 2 1 2
5
Observação: Sempre que possível, antes de efetuar a mul-
tiplicação, podemos simplificar as frações entre si, dividindo os N úmeros D ecimais
numeradores e os denominadores por um fator comum. Esse pro-
cesso de simplificação recebe o nome de cancelamento. dição e ubtração
3
21 . 4 . 9 12 Vamos calcular o valor da seguinte soma:
=
31 5 10 5 25
5,32 12,5 0, 034
Divisão Transformaremos, inicialmente, os números decimais em fra-
ções decimais:
Duas frações são inversas ou recíprocas quando o numerador
de uma é o denominador da outra e vice-versa. 352 125 34
5,32 12,5 0, 034 + + =
100 10 1000
Ex emplo
5320 12500 34 17854
2 3 = + + = 17, 854
é a fração inversa de 1000 1000 1000 1000
3 2
1
5 ou 5 é a fração inversa de
1 5 Portanto: 5,32 12,5 0, 034 17, 854
Considere a seguinte situação:
Na prática, a adição e a subtração de números decimais são
4
Lúcia recebeu de seu pai os dos chocolates contidos em obtidas de acordo com a seguinte regra:
5
uma caixa. Do total de chocolates recebidos, Lúcia deu a terça
parte para o seu namorado. ue fração dos chocolates contidos - Igualamos o número de casas decimais, acrescentando ze-
na caixa recebeu o namorado de Lúcia? ros.
- Colocamos os números um abaixo do outro, deixando vírgu-
A solução do problema consiste em dividir o total de chocola- la embaixo de vírgula.
tes que Lúcia recebeu de seu pai por 3, ou seja, 5 : 3.
4 - Somamos ou subtraímos os números decimais como se eles
1
Por outro lado, dividir algo por 3 significa calcular desse fossem números naturais.
algo.
3 - Na resposta colocamos a vírgula alinhada com a vírgula dos
4 1 4
Portanto: : 3 de números dados.
5 3 5 Ex emplo
1 4 1 4 4 1 4
Como de . . , resulta que 4 : 3 2,35 14,3 0, 0075 5
3 5 3 5 5 3 5 5
: 3 4. 1
1 5 3 Disposição prática:
2,3500
São frações inversas 14,3000
0,0075
Observando que as frações 3 e 1 são frações inversas, po- 5,0000
demos afirmar que: 1 3
21,6575

12
MA TE MÁ TICA

Multiplicação - Igualamos o número de casas decimais do dividendo e do


divisor.
Vamos calcular o valor do seguinte produto: 2,58 x 3,4. - Cortamos as vírgulas e efetuamos a divisão como se os nú-
Transformaremos, inicialmente, os números decimais em fra- meros fossem naturais.
ções decimais:
Ex emplo 1
258 34 8772
2,58 x 3,4 . = = 8,772
100 10 1000 24 : 0,5
Portanto 2,58 x 3,4 8,772
Disposição prática: 24,0 0,5
Na prática, a multiplicação de números decimais é obtida de 40 48
0
acordo com as seguintes regras:
Nesse caso, o resto da divisão é igual à zero. Assim sendo, a
- Multiplicamos os números decimais como se eles fossem divisão é chamada de divisão exata e o quociente é exato.
números naturais.
- No resultado, colocamos tantas casas decimais quantas fo- Ex emplo 2
rem as do primeiro fator somadas às do segundo fator.
9,775 : 4,25
Exemplo: 652,2 x 2,03
Disposição prática: 9,775 4,250
Disposição prática: 1 275 2
652,2 → 1 casa decimal
x 2,03 → 2 casas decimais Nesse caso, o resto da divisão é diferente de zero. Assim sen-
19 566 do, a divisão é chamada de divisão aproximada e o quociente é
1 304 4 aproximado.
1 323,966 → 1 + 2 = 3 casas decimais
Se quisermos continuar uma divisão aproximada, devemos
DI I O acrescentar zeros aos restos e prosseguir dividindo cada número
obtido pelo divisor. Ao mesmo tempo em que colocamos o pri-
meiro zero no primeiro resto, colocamos uma vírgula no quocien-
te.
Numa divisão em que:

D é o dividendo 9,775 4,250 9,775 4,250


1 2750 2, 1 2750 2,3
d é o divisor temos: D d D = q .d + r
0000
q é o quociente r q
r é o resto

Numa divisão, o resto é sempre menor que o divisor


Acrescentamos um zero Colocamos uma
ao primeiro resto. vírgula no quociente.
Vamos, por exemplo, efetuar a seguinte divisão: 24 : 0,5.
Ex emplo 3
Inicialmente, multiplicaremos o dividendo e o divisor da divi-
são dada por 10. 0,14 : 28
0,1400 28,00
24 : 0,5 (24 . 10) : (0,5 . 10) 240 : 5 0000 0,005
Ex emplo 4
A vantagem de tal procedimento foi a de transformarmos em
número natural o número decimal que aparecia na divisão. Com 2 : 16
isso, a divisão entre números decimais se transforma numa equi- 20 16
valente com números naturais. 40 0,125
80
0
Portanto: 24 : 0,5 240 : 5 48
Na prática, a divisão entre números decimais é obtida de
acordo com as seguintes regras:

13
MA TE MÁ TICA

Q uestõ es 6 - ( S E PLA G - PO LÍ C I A M I LI T A R / M G - A S S I S T E N T E A D M I N I S -
T R A T I V O - F C C / 2 0 1 2 ) Um atleta, participando de uma prova de
1 - ( PR E F . J U N D I A I / S P – A G E N T E D E S E R V I Ç O S O PE R A C I O - triatlo, percorreu 120 m da seguinte maneira: 1/10 em corrida,
N A I S – M A K I Y A M A / 2 0 1 3 ) De acordo com determinada receita de 7/10 de bicicleta e o restante a nado. Esse atleta, para completar
bolo, são necessários de xícara de açúcar para fazer meia recei- a prova, teve de nadar
ta. Se Joaquim deseja fazer uma quantidade equivalente a duas A) 18 m.
receitas, temos que serão necessárias: B) 20 m.
A) 2 xícaras de açúcar. C) 24 m.
B) 1,5 xícara de açúcar. D) 26 m.
C) 3 xícaras de açúcar.
D) 2,5 xícaras de açúcar. 7 - ( S E PLA G - PO LÍ C I A M I LI T A R / M G - A S S I S T E N T E A D M I N I S -
E) 3,5 xícaras de açúcar T R A T I V O - F C C / 2 0 1 2 ) Parte de uma estrada está dividida em cin-
co trechos iguais por postos de combustíveis. De acordo com a
2 - ( PE T R O B R A S - T É C N I C O D E A D M I N I S T R A Ç Ã O E C O N T R O - figura abaixo, o carro estacionado no posto A está localizado no
LE J Ú N I O R – C E S G R A N R I O / 2 0 1 3 ) Ao comprar seis balas e um quilômetro 250,4 e o B está no quilômetro 376. O carro C está
bombom, Júlio gastou R 1,70. Se o bombom custa R 0,80, qual localizado no quilômetro
é o preço de cada bala?
A) R 0,05
B) R 0,15
C) R 0,18 A) 350,88.
D) R 0,30 B) 325,76.
E) R 0,50 C) 300,64.
D) 275,52
3 - ( D PE / R S – A N A LI S T A A D M I N I S T R A Ç Ã O – F C C / 2 0 1 3 ) E m
uma empresa, 2/3 dos funcionários são homens e 3/5 falam in- 8 - ( PM / S P – C A B O – C E T R O / 2 0 1 2 ) Para certo crime, com
glês. Sabendo que 1/12 dos funcionários são mulheres que não
pena de reclusão de seis a vinte anos, poderá ocorrer a diminui-
falam inglês, pode-se concluir que os homens que falam inglês
ção da pena de um sexto a um terço. Supondo que ao infrator
representam, em relação ao total de funcionários, uma fração
tenha sido aplicada a diminuição mínima sobre a pena máxima, a
equivalente a
pena atribuída a ele é de
A) 3/10
A) 14 anos e 4 meses.
B) 7/20
B) 15 anos e 3 meses.
C) 2/5
C) 16 anos e 8 meses.
D) 9/20
D) 17 anos e 2 meses.
E) 1/2

4 - (B N D E S – T É C N IC O A D M IN IS T R A T IV O – C E S G R A N - 9 - ( S E A P – A G E N T E D E E S C O LT A E V I G I LÂ N C I A PE N I T E N C I Á -
R I O / 2 0 1 3 ) Parque Estadual Serra do Conduru, localizado no Sul R I A – V U N E S P/ 2 0 1 3 ) Ao conferir a nota fiscal de uma compra feita
da Bahia, ocupa uma área de aproximadamente 9.270 hectares. em um supermercado, no valor de R 63,50, José percebeu que,
Dessa área, 7 em cada 9 hectares são ocupados por florestas. por engano, o caixa havia registrado 2 litros iguais de óleo a mais
ual é, em hectares, a área desse Parque N O ocupada por do que ele havia comprado e que não havia registrado um litro de
florestas? leite, o que fez com que o valor da compra ficasse R 5,10 maior
A) 2.060 do que o valor correto. Se o valor do litro de leite era de R 2,50,
B) 2.640 então o valor de um litro de óleo era de
C) 3.210 A) R 3,40.
D) 5.100 B) R 3,80.
E) 7.210 C) R 3,20.
D) R 3,60.
5 - (B N D E S – T É C N IC O A D M IN IS T R A T IV O – C E S G R A N - E) R 3,00.
R I O / 2 0 1 3 ) Gilberto levava no bolso três moedas de R 0,50, cinco
de R 0,10 e quatro de R 0,25. Gilberto retirou do bolso oito 1 0 - ( B R D E - R S A soma dos termos da fração irredutível, que
dessas moedas, dando quatro para cada filho. representa o número
A diferença entre as quantias recebidas pelos dois filhos de 0,575 é:
Gilberto é de, no máximo, A) 50
A) R 0,45 B) 63
B) R 0,90 C) 80
C) R 1,10 D) 315
D) R 1,15 E) 1575
E) R 1,35

14
MA TE MÁ TICA

R espostas Um filho receberia : 1,50 0,25 R 1,75


E as outras quatro moedas sejam de menor valor: 4 de
E O : C R 0,10 R 0,40.
Meia receita ou 0,5 A maior diferença seria de 1,75-0,40 1,35
Como são duas receitas 0,5.4 2
Dica: sempre que fala a maior diferença tem que o maior va-
lor possível o menor valor.

E O : C

E O :
1,70-0,80 0,90

Ele gastou R 0,90 em balas.

E O :
Cada bala custa R 0,15. A diferença entre A e B é de 125,6

E O :
MMC(3,5,12) 60

E O : C
Pena máxima: 20 anos
Diminuição mínima: um sexto(1/6)

1 ano-----12 meses
0,67----x
8 meses

A pena atribuída é de 16 anos e 8 meses

E O :
63,50-5,10 58,40
E O : R 58,40 é o valor certo da compra com o leite.
58,40-2,50 55,90 valor sem o leite
63,50-55,90 7,60 valor dos dois óleos

E O : E
O valor de cada óleo é R 3,80
Supondo que as quatro primeiras moedas sejam as 3 de R
0,50 e 1 de R 0,25(maiores valores).

15
MA TE MÁ TICA

E O Na divisão de potências devemos conservar a base e subtrair


O número decimal 0,575 que é a fra- os expoentes
ção irredutível equivalente a fração dada, logo a soma é: 23 40
63 Exemplos:
1) 4x : 2 x 2 x
2) ( 6 x - 8 x ) : 2 x 3 x - 4
E E E N M IC 3) (x4 - 5x3 9x2 - 7x 2) :(x2 - 2x 1) x2 - 3x 2
Resolução:

x4 - 5x3 + 9x2 - 7x+2 x2 - 2x + 1


E press es lgébricas são aquelas que contêm números e -x4 + 2x3 - x2 x2 - 3x + 2
letras. -3x + 8x -7x
3 2

Ex: 2ax bx 3x3 - 6x2 -3x


2x2 - 4x + 2
ariáveis são as letras das expressões algébricas que repre- -2x2 + 4x - 2
sentam um número real e que de princípio não possuem um va- 0
lor definido.
Valor numé rico de uma expressão algébrica é o número que Para iniciarmos as operações devemos saber o que são ter-
mos semelhantes.
obtemos substituindo as variáveis por números e efetuamos suas
Dizemos que um termo é semelhante do outro quando suas
operações.
partes literais são idênticas.
Ex: Sendo x 1 e 2, calcule o valor numérico (VN) da ex-
pressão:
Veja:
x 1 2 3 Portando o valor numérico da expressão 5x2 e 42x são dois termos, as suas partes literais são x2 e x,
é 3. as letras são iguais, mas o expoente não, então esses termos não
são semelhantes.
M onô mio: os números e letras estão ligados apenas por pro- 7ab2 e 20ab2 são dois termos, suas partes literais são ab2 e
dutos. ab , observamos que elas são idênticas, então podemos dizer que
2

Ex : 4x são semelhantes.

P olinô mio: é a soma ou subtração de monômios. dição e subtração de mon mios


Ex: 4x 2 Só podemos efetuar a adição e subtração de monômios entre
termos semelhantes. E quando os termos envolvidos na operação
T ermos semelhantes: são aqueles que possuem partes lite- de adição ou subtração não forem semelhantes, deixamos apenas
rais iguais ( variáveis ) a operação indicada.
Ex: 2 x z e3x z são termos semelhantes pois pos- Veja:
suem a mesma parte literal. Dado os termos 5x 2, 20x 2, como os dois termos são seme-
lhantes eu posso efetuar a adição e a subtração deles.
dição e ubtração de e press es algébricas 5x 2 20x 2 devemos somar apenas os coeficientes e conser-
Para determinarmos a soma ou subtração de expressões al- var a parte literal.
gébricas, basta somar ou subtrair os termos semelhantes. 25 x 2
Assim: 2 x z 3x z 5x z ou 2 x z - 3x z 5x 2 - 20x 2 devemos subtrair apenas os coeficientes e con-
servar a parte literal.
-x z
- 15 x 2
Convém lembrar dos jogos de sinais Veja alguns exemplos:
Na expressão ( x 2 1) ( -2) x 2 1 2 - x2 - 2x2 x2 como os coeficientes são frações devemos tirar
x 3 o mmc de 6 e 9.

Multiplicação e Divisão de e press es algébricas 3x2 - 4 x2 + 18 x2


Na multiplicação e divisão de expressões algébricas, devemos 18
usar a propriedade distributiva. 17x2
Exemplos: 18
1) a ( x ) ax a
2) (a b)(x ) ax a bx b - 4x2 12 3 7 3 5x2 devemos primeiro unir os termos se-
3) x ( x ) x x melhantes. 12 3 7 3 4x2 5x2 agora efetuamos a soma e a
subtração.
Para multiplicarmos potências de mesma base, conservamos -5 3 x2 como os dois termos restantes não são semelhantes,
a base e somamos os expoentes. devemos deixar apenas indicado à operação dos monômios.

16
MA TE MÁ TICA

Reduza os termos semelhantes na expressão 4x2 5x -3x E erc cios


2x2. Depois calcule o seu valor numérico da expressão. 4x2 5x -
3x 2x2 reduzindo os termos semelhantes. 4x2 2x2 5x - 3x 1. Determine o 7º termo do binômio (2x 1)9, desenvolvido
6x2 - 8x os termos estão reduzidos, agora vamos achar o valor segundo as potências decrescentes de x.
numérico dessa expressão.
Para calcularmos o valor numérico de uma expressão deve- 2. ual o termo médio do desenvolvimento de (2x 3 )8?
mos ter o valor de sua incógnita, que no caso do exercício é a
letra x. 3. Desenvolvendo o binômio (2x - 3 )3n, obtemos um polinô-
Vamos supor que x - 2, então substituindo no lugar do x o mio de 16 termos. ual o valor de n?
-2 termos:
4. Determine o termo independente de x no desenvolvimen-
6x2 - 8x to de (x 1/x )6.
6 . (-2)2 8 . (-2)
6 . 4 16
5. Calcule: (3x 2x-1) (-2x 4x 2).
24 16
40
6. Efetue e simplifique o seguinte calculo algébrico: (2x 3).
Multiplicação de mon mios (4x 1).

Para multiplicarmos monômios não é necessário que eles 7. Efetue e simplifique os seguintes cálculos algébricos:
sejam semelhantes, basta multiplicarmos coeficiente com coefi- a) (x - ).(x - x )
ciente e parte literal com parte literal. Sendo que quando multipli- b) (3x - ).(3x ).(2x - )
camos as partes literais devemos usar a propriedade da potência
que diz: am . an am n (bases iguais na multiplicação repetimos a 8. Dada a expressão algébrica bc b2, determine o seu valor
base e somamos os expoentes). numérico quando b 2,2 e c 1,8.
(3a2b) . (- 5ab3) na multiplicação dos dois monômios, deve-
mos multiplicar os coeficientes 3 . (-5) e na parte literal multiplica- 9. Calcule o valor numérico da expressão 2x3 10 , quando
mos as que têm mesma base para que possamos usar a proprie- x -3 e -4.
dade am . an am n.
3 . ( - 5) . a2 . a . b . b3 10. Um caderno curta reais. Gláucia comprou 4 cadernos,
- 15 a2 1 b1 + 3 Cristina comprou 6 cadernos, e arina comprou 3. ual é o monô-
- 15 a3b4 mio que expressa a quantia que as três gastaram juntas?

Divisão de mon mios R espostas


Para dividirmos os monômios não é necessário que eles se- 1) Resposta 672x3 .
jam semelhantes, basta dividirmos coeficiente com coeficiente e Solução: Primeiro temos que aplicar a fórmula do termo geral
parte literal com parte literal. Sendo que quando dividirmos as de (a b)n, onde:
partes literais devemos usar a propriedade da potência que diz: a 2x
am : an am - n (bases iguais na divisão repetimos a base e diminuí- b 1
mos os expoentes), sendo que a 0.
n 9
(-20x2 3) : (- 4x 3) na divisão dos dois monômios, devemos
Como queremos o sétimo termo, fazemos p 6 na fórmula
dividir os coeficientes -20 e - 4 e na parte literal dividirmos as que
do termo geral e efetuamos os cálculos indicados.
têm mesma base para que possamos usar a propriedade am : an
am n . Temos então:
T6+ 1 T7 C9,6 . (2x)9- 6 (1)6 9! (2x)3 1
-20 : ( 4) . x2 : x . 3 : 3 [(9-6)! x6!]
5 x2 1 3 3 9.8.7.6!
5x1 0 8x 672x
3.2.1.6!
5x
Portanto o sétimo termo procurado é 672x3.
P otenciaç ão de monô mios
2) Resposta 90720x4 4 .
Na potenciação de monômios devemos novamente utilizar Solução: Temos:
uma propriedade da potenciação: a 2x
(I) (a . b)m am . bm b 3
(II) (am)n am . n n 8
Veja alguns exemplos:
(-5x2b6)2 aplicando a propriedade Sabemos que o desenvolvimento do binômio terá 9 termos,
porque n 8. Ora sendo T1 T2 T3 T4 T5 T6 T7 T8 T9 os termos do de-
(I). (-5)2 . (x2)2 . (b6)2 aplicando a propriedade senvolvimento do binômio, o termo do meio (termo médio) será
(II) 25 . x4 . b12 25x4b12 o T5 (quinto termo).

17
MA TE MÁ TICA

Logo, o nosso problema resume-se ao cálculo do T5. Para b - Solução:


isto, basta fazer p 4 na fórmula do termo geral e efetuar os cál- (3x - ).(3x ).(2x - )
culos decorrentes. Teremos: (3x - ).(6x - 3x 2x - )
T4 1 T5 C8,4 . (2x)8-4 . (3 )4 8! . (2x)4 . (3 )4 (3x - ).(6x - x - )
[(8-4)! .4!] 18x - 3x - 3x - 6x x
8.7.6.5.4! . 16x4 . 81 4 18x - 9x - 2x
(4!.4.3.2.1
Fazendo as contas vem: 8) Resposta -0,88 .
T5 70.16.81.x4 . 4 90720x4 4
, que é o termo médio pro- Solução:
curado. bc b2
2,2 . 1,8 2,22 (Substituímos as letras pelos valores passa-
3) Resposta 5 . dos no enunciado)
3,96 4,84
Solução: Ora, se o desenvolvimento do binômio possui 16
-0,88.
termos, então o expoente do binômio é igual a 15.
Portanto, o valor procurado é 0,88.
Logo,
3n 15 de onde se conclui que n 5.
9) Resposta -14 .
Solução:
4) Resposta 20 . 2x3 10
Solução: Sabemos que o termo independente de x é aquele que 2.(-3) - 10.(-4) (Substituímos as letras pelos valores do
não depende de x, ou seja, aquele que não possui x. enunciado da questão)
Temos no problema dado: 2.(27) 10.(-4)
a x (-54) (-40)
1 -54 40 -14.
b Portanto -14 é o valor procurado na questão.
x
n 6. 10) Resposta 13 reais .
Solução: Como Gláucia gastou 4 reais, Cristina 6 reais e arina
Pela fórmula do termo geral, podemos escrever: 3 reais, podemos expressar essas quantias juntas por:
4 6 3
Tp 1 C6,p . x6-p . ( 1 )p C6,p . x6-p . x-p C6,p . x6-2p. (4 6 3)
x 13
Ora, para que o termo seja independente de x, o expoente
desta variável deve ser zero, pois x0 1. Importante: Numa expressão algébrica, se todos os monô-
Logo, fazendo 6 - 2p 0, obtemos p 3. Substituindo então p mios ou termos são semelhantes, podemos tornar mais simples a
por 6, teremos o termo procurado. Temos então: expressão somando algebricamente os coeficientes numéricos e
mantendo a parte literal.
T3+ 1 T4 C6,3 . x0 C6,3 6! 6.5.4.3! 20
[(6-3)!.3!] 3!.2.1
E E DO E O EM
Logo, o termo independente de x é o T4 (quarto termo) que
é igual a 20.
E uação grau
Equação é toda sentença matemática aberta representada
5) Solução:
por uma igualdade, em que exista uma ou mais letras que repre-
(3x 2x-1) (-2x 4x 2)
sentam números desconhecidos.
3x 2x 1 2x 4x 2 Equação do 1º grau, na incógnita x, é toda equação redutível
x 6x 1 à forma ax b 0, em que a e b são números reais, chamados coe-
ficientes, com a 0.
6) Solução: Uma raiz da equação ax b 0(a 0) é um valor numérico de
(2x 3).(4x 1) x que, substituindo no 1º membro da equação, torna-se igual ao
8x 2x 12x 3 2º membro.
8x 14x 3
Nada mais é que pensarmos em uma balança.
7) a - Solução:
(x - ).(x - x )
x -x x -x x -
x - 2x 2x -

18
MA TE MÁ TICA

Pa 3 10 2Pa 3
Pa 10
Pi Pa 3
Pi 10 3 13
Pe 40 6 46
Soma das idades: 10 13 46 69
A balança deixa os dois lados iguais para equilibrar, a equa-
ção também. Resposta: B.
No exemplo temos: E uação grau
3x 300
Outro lado: x 1000 500 A equação do segundo grau é representada pela fórmula ge-
E o equilíbrio? ral:
3x 300 x 1500

uando passamos de um lado para o outro invertemos o sinal Onde a, b e c são números reais,
3x-x 1500-300
2x 1200 Discussão das a zes
600
1.
Exemplo 1.
E DE NI E I iscal de osturas A ida-
de de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma das idades de
seus dois filhos, Paulo e Pierre. Pierre é três anos mais velho do que
Paulo. Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a metade da idade
que Pedro tem hoje. Se for negativo, não há solução no conjunto dos números
reais.
A soma das idades que Pedro, Paulo e Pierre têm hoje é:
(A) 72; Se for positivo, a equação tem duas soluções:
(B) 69;
(C) 66;
(D) 63;
(E) 60.
Resolução Exemplo
A ideia de resolver as equações é literalmente colocar na lin-
guagem matemática o que está no texto.
Pierre é três anos mais velho do que Paulo
Pi Pa 3
Daqui a dez anos, a idade de Pierre será a metade da idade
, portanto não há solução real.
que Pedro tem hoje.

A idade de Pedro hoje, em anos, é igual ao dobro da soma das


idades de seus dois filhos,
Pe 2(Pi Pa)
Pe 2Pi 2Pa

Lembrando que:
Pi Pa 3

Substituindo em Pe
Pe 2(Pa 3) 2Pa
Pe 2Pa 6 2Pa
Pe 4Pa 6
Se não há solução, pois não existe raiz quadrada real de
um número negativo.

19
MA TE MÁ TICA

2J -88J 936 0
Se , há duas soluções iguais:
Dividindo por2:
J -44J 468 0
(-44) -4.1.468
1936-1872 64
Se , há soluções reais diferentes:

elaç es entre Coeficientes e a zes

Dada as duas raízes:

Substituindo em A
Soma das Raízes A 44-26 18
Ou A 44-18 26

Resposta: B.

Produto das Raízes I neq uaç ão


Uma inequação é uma sentença matemática expressa por
uma ou mais incógnitas, que ao contrário da equação que utiliza
um sinal de igualdade, apresenta sinais de desigualdade. Veja os
sinais de desigualdade:
Composição de uma e uação do grau, conhecidas as ra zes
> : m ai or
Podemos escrever a equação da seguinte maneira: < : m enor
maior ou i ual
x -Sx P 0 menor ou i ual

Exemplo O princípio resolutivo de uma inequação é o mesmo da


equação, onde temos que organizar os termos semelhantes em
Dada as raízes -2 e 7. Componha a equação do 2º grau. cada membro, realizando as operações indicadas. No caso das
inequações, ao realizarmos uma multiplicação de seus elemen-
Solução tos por 1 com o intuito de deixar a parte da incógnita positiva,
S x1 x2 -2 7 5 invertemos o sinal representativo da desigualdade.
P x1.x2 -2.7 -14
Então a equação é: x -5x-14 0 Exemplo 1
4x 12 2x 2
Exemplo 4x 2x 2 12
IM nalista dministrativo r DI A soma 2x 14
das idades de Ana e Júlia é igual a 44 anos, e, quando somamos os x 14/2
quadrados dessas idades, obtemos 1000. A mais velha das duas x 7
tem:
(A) 24 anos Inequação-Produto
(B) 26 anos
(C) 31 anos uando se trata de inequações-produto, teremos uma desi-
(D) 33 anos gualdade que envolve o produto de duas ou mais funções. Portan-
to, surge a necessidade de realizar o estudo da desigualdade em
Resolução cada função e obter a resposta final realizando a intersecção do
A J 44 conjunto resposta das funções.
A J 1000
A 44-J
(44-J) J 1000
1936-88J J J 1000

20
MA TE MÁ TICA

Exemplo 4x - 4
x -4:4

x -1

S1 x R x -1

Fazendo o cálculo da segunda inequação temos:


a)(-x 2)(2x-3) 0 x 1 0
x -1

A bolinha é fechada, pois o sinal da inequação é igual.


Inequação- uociente
Na inequação-quociente, tem-se uma desigualdade de fun- S2 x R x - 1
ções fracionárias, ou ainda, de duas funções na qual uma está di- Calculando agora o CONJUTO SOLU O da inequação
vidindo a outra. Diante disso, deveremos nos atentar ao domínio
da função que se encontra no denominador, pois não existe divi- temos:
são por zero. Com isso, a função que estiver no denominador da S S1 S2
inequação deverá ser diferente de zero.
O método de resolução se assemelha muito à resolução de
uma inequação-produto, de modo que devemos analisar o sinal
das funções e realizar a intersecção do sinal dessas funções.
Exemplo
Resolva a inequação a seguir:

x-2 0
Portanto:
S x R x - 1 ou S - ; -1

Ine uação grau


Chama-se inequação do 2º grau, toda inequação que pode
ser escrita numa das seguintes formas:
ax bx c 0
ax bx c 0
ax bx c 0
x 2 ax bx c 0
ax bx c 0
ax bx c 0

istema de Ine uação do rau E x em p l o


Um sistema de inequação do 1º grau é formado por duas ou Vamos resolver a inequação 3x² + 10x + 7 < 0.
mais inequações, cada uma delas tem apenas uma variável sen-
do que essa deve ser a mesma em todas as outras inequações esolvendo Ine uaç es
envolvidas. Resolver uma inequação significa determinar os valores reais
Veja alguns exemplos de sistema de inequação do 1º grau: de x que satisfazem a inequação dada.
Assim, no exemplo, devemos obter os valores reais de x que
tornem a expressão 3x² + 10x +7 negativa.

Vamos achar a solução de cada inequação.

4x 4 0

21
MA TE MÁ TICA

(D) R 150,00.
(E) R 125,00.

I I IN CION rofissional N vel écnico I éc


nico em Eletr nica NC Considere a equação dada
por 2x 12x 3 -7. Assinale a alternativa que apresenta a soma
das duas soluções dessa equação.
(A) 0.
(B) 1.
(C) -1.
(D) 6.
(E) -6.

NI O u iliar de aborat rio NI O


Num estacionamento encontram-se 18 motos, 15 triciclos e al-
guns carros. Se Pedrinho contou um total de 269 rodas, quantos
carros tem no estacionamento?
(A) 45
(B) 47
(C) 50
(D) 52
S x ∈ R / 7/3 x 1
NI O u iliar de aborat rio NI O
O valor de m para que a equação (2m -1) x - 6x 3 0 tenha duas
Q U EST Õ ES raízes reais iguais é
(A) 3
gente de egurança enitenciária M CON (B) 2
C O O dobro do quadrado de um número natural au- (C) 1
mentado de 3 unidades é igual a sete vezes esse número. ual é (D) 6
esse número?
(A) 2 I E gente revidenciário NE E m se-
(B) 3 tembro, o salário líquido de Juliano correspondeu a 4/5 do seu sa-
(C) 4 lário bruto. Sabe-se que ele destinou 2/5 do salário líquido rece-
(D) 5 bido nesse mês para pagamento do aluguel, e que poupou 2/5 do
que restou. Se Juliano ficou, ainda, com R 1.620,00 para outros
C M DE M Escriturário NE gastos, então o seu salário bruto do mês de setembro foi igual a
Um carro parte da cidade A em direção à cidade B pela rodovia (A) R 6.330,00.
que liga as duas cidades, percorre 1/3 do percurso total e para no (B) R 5.625,00.
ponto P. Outro carro parte da cidade B em direção à cidade A pela (C) R 5.550,00.
mesma rodovia, percorre 1/4 do percurso total e para no ponto . (D) R 5.125,00.
Se a soma das distâncias percorridas por ambos os carros até os (E) R 4.500,00.
pontos em que pararam é igual a 28 m, então a distância entre os
pontos P e , por essa rodovia, é, em quilômetros, igual a E O écnico em Informática N IO Da-
(A) 26. qui a 24 anos, Jovelino terá o triplo de sua idade atual. Daqui a
(B) 24. cinco anos, Jovelino terá a seguinte idade:
(C) 20. (A) 12.
(D) 18. (B) 14.
(E) 16. (C) 16.
(D) 17.
C M DE M Escriturário NE (E) 18.
Nelson e Oto foram juntos a uma loja de materiais para constru-
ção. Nelson comprou somente 10 unidades iguais do produto E DE END IO NDE rofessor
P, todas de mesmo preço. Já Oto comprou 7 unidades iguais do C A equação 8x 28x 12 0 possui raízes iguais a x1 e
mesmo produto P, e gastou mais R 600,00 na compra de outros x2. ual o valor do produto x1 . x2?
materiais. Se os valores totais das compras de ambos foram exa- (A) 1/2 .
tamente iguais, então o preço unitário do produto P foi igual a (B) 3.
(A) R 225,00. (C) 3/2 .
(B) R 200,00. (D) 12.
(C) R 175,00. (E) 28.

22
MA TE MÁ TICA

E DO IO DE NEI O gente de dministração Motos tem 2 rodas, triciclos 3 e carros 4


E DO IO DE NEI O Ao perguntar para João qual era 18⋅2 15⋅3 x⋅4 269
a sua idade atual, recebi a seguinte resposta: 4x 269-36-45
- O quíntuplo da minha idade daqui a oito anos, diminuída do 4x 188
quíntuplo da minha idade há três anos atrás representa a minha 47
idade atual.
A soma dos algarismos do número que representa, em anos, esposta:
a idade atual de João, corresponde a: -(-6) -4⋅(2m-1) ⋅3 0
(A) 6 36-24m 12 0
(B) 7 -24m -48
(C) 10 M 2
(D) 14
esposta:
R ESP O ST A S Salário liquido: x

01. Resposta: B.
2x 3 7x
2x -7x 3 0
49-24 25

10x 6x 40500 25x


9x 40500
4500

Salario fração
---------------1
Como tem que ser natural, apenas o número 3 convém. 4500---------4/5

esposta: C

Mmc(3,4) 12

4x 3x 336 esposta: D
7x 336
48 Idade atual: x
A distância entre A e B é 48 m 24 3x
Como já percorreu 28 m 2x 24
48-28 20 m entre P e . 12
Ele tem agora 12 anos, daqui a 5 anos: 17.
esposta:
Sendo x o valor do material P esposta: C
10x 7x 600 (-28) -4.8.12
3x 600 784-384
200 400

esposta: E
2x 12x 10 0
12 -4⋅2⋅10
144-80 64

esposta: C
Atual:x
5(x 8)-5(x-3) x
A soma das duas é -1-5 -6 5x 40-5x 15 x
55
esposta: Soma: 5 5 10
Vamos fazer a conta de rodas:

23
MA TE MÁ TICA

I EM DE MEDID DE EM O I EM M ICO
DECIM

U nidades de Comprimento
k m hm dam m dm cm mm
uilômetro ectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Os múltiplos do metro são utilizados para medir grandes distâncias, enquanto os submúltiplos, para pequenas distâncias. Para medi-
das milimétricas, em que se exige precisão, utilizamos:

mícron ( ) 10- 6 m angstr n ( ) 10- 10 m

Para distâncias astronômicas utilizamos o Ano-luz (distância percorrida pela luz em um ano):
Ano-luz 9,5 1012 m

Exemplos de Transformação

1m 10dm 100cm 1000mm 0,1dam 0,01hm 0,001 m


1 m 10hm 100dam 1000m

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando andamos para direita multiplica por 10 e para a esquerda divide por 10.

uper cie
A medida de superfície é sua área e a unidade fundamental é o metro quadrado(m ).

Para transformar de uma unidade para outra inferior, devemos observar que cada unidade é cem vezes maior que a unidade imedia-
tamente inferior. Assim, multiplicamos por cem para cada deslocamento de uma unidade até a desejada.

U nidades de Á rea
k m 2
hm 2
dam 2
m2 dm2 cm2 mm2
uilômetro ectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
uadrado uadrado uadrado uadrado uadrado uadrado uadrado
1000000m2 10000m2 100m2 1m2 0,01m2 0,0001m2 0,000001m2

Exemplos de Transformação

1m 100dm 10000cm 1000000mm


1 m 100hm 10000dam 1000000m

Ou seja, para trasnformar as unidades, quando andamos para direita multiplica por 100 e para a esquerda divide por 100.

Volume

Os sólidos geométricos são objetos tridimensionais que ocupam lugar no espaço. Por isso, eles possuem volume. Podemos encontrar
sólidos de inúmeras formas, retangulares, circulares, quadrangulares, entre outras, mas todos irão possuir volume e capacidade.

24
MA TE MÁ TICA

U nidades de Volume
k m3 hm3 dam3 m3 dm3 cm3 mm3
uilômetro ectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico Cúbico
1000000000m3 1000000m3 1000m3 1m3 0,001m3 0,000001m3 0,000000001m3

Capacidade
Para medirmos a quantidade de leite, sucos, água, óleo, gasolina, álcool entre outros utilizamos o litro e seus múltiplos e submúltiplos,
unidade de medidas de produtos líquidos.
Se um recipiente tem 1L de capacidade, então seu volume interno é de 1dm

1L 1dm

U nidades de Capacidade
k l hl dal l dl cl ml
uilolitro ectolitro Decalitro Litro Decilitro Centilitro Mililitro
1000l 100l 10l 1l 0,1l 0,01l 0,001l

M assa

Toda vez que andar 1 casa para direita, multiplica por 10 e quando anda para esquerda divide por 10.
E uma outra unidade de massa muito importante é a tonelada
1 tonelada 1000 g

T empo

A unidade fundamental do tempo é o segundo(s).


É usual a medição do tempo em várias unidades, por exemplo: dias, horas, minutos

ransformação de unidades

Deve-se saber:
1 dia 24horas
1hora 60minutos
1 minuto 60segundos
1hora 3600s

Adição de tempo

Exemplo: Estela chegou ao 15h 35minutos. Lá, bateu seu recorde de nado livre e fez 1 minuto e 25 segundos. Demorou 30 minutos
para chegar em casa. ue horas ela chegou?

25
MA TE MÁ TICA

máquina A quebra e o serviço restante passa a ser feito pela má-


quina B, que imprime 4500 folhetos em 48 minutos. O tempo que
a máquina B levará para imprimir o restante do lote de folhetos é
(A) 14 horas e 10 minutos.
(B) 14 horas e 05 minutos.
(C) 13 horas e 45 minutos.
Não podemos ter 66 minutos, então temos que transferir (D) 13 horas e 30 minutos.
para as horas, sempre que passamos de um para o outro tem que (E) 13 horas e 20 minutos.
ser na mesma unidade, temos que passar 1 hora 60 minutos
Então fica: 16h 6 minutos 25segundos C M DE M Escriturário NE Re-
nata foi realizar exames médicos em uma clínica. Ela saiu de sua casa
Vamos utilizar o mesmo exemplo para fazer a operação in- às 14h 45 min e voltou às 17h 15 min. Se ela ficou durante uma hora
versa. e meia na clínica, então o tempo gasto no trânsito, no trajeto de ida
e volta, foi igual a
Subtração (A) 1/2h.
Vamos dizer que sabemos que ela chegou em casa as 16h 6 (B) 3/4h.
minutos 25 segundos e saiu de casa às 15h 35 minutos. uanto (C) 1h.
tempo ficou fora? (D) 1h 15min.
(E) 1 1/2h.

C M DE M Escriturário NE
Uma indústria produz regularmente 4500 litros de suco por dia.
Sabe-se que a terça parte da produção diária é distribuída em cai-
Não podemos tirar 6 de 35, então emprestamos, da mesma xinhas P, que recebem 300 mililitros de suco cada uma. Nessas
condições, é correto afirmar que a cada cinco dias a indústria uti-
forma que conta de subtração.
liza uma quantidade de caixinhas P igual a
1hora 60 minutos
(A) 25000.
(B) 24500.
(C) 23000.
(D) 22000.
(E) 20500.

NI O u iliar de aborat rio NI O


Multiplicação Uma empresa farmacêutica distribuiu 14400 litros de uma subs-
tância líquida em recipientes de 72 cm3 cada um. Sabe-se que
Pedro pensou em estudar durante 2h 40 minutos, mas demo- cada recipiente, depois de cheio, tem 80 gramas. A quantidade de
rou o dobro disso. uanto tempo durou o estudo? toneladas que representa todos os recipientes cheios com essa
substância é de
(A) 16
(B) 160
(C) 1600
(D) 16000

M E O Oficial de romotoria M E O
João estuda à noite e sua aula começa às 18h40min. Cada aula
Divisão tem duração de 45 minutos, e o intervalo dura 15 minutos. Sa-
bendo-se que nessa escola há 5 aulas e 1 intervalo diariamente,
pode-se afirmar que o término das aulas de João se dá às:
(A) 22h30min
5h 20 minutos :2
(B) 22h40min
1h 20 minutos, transformamos para minutos :60 20 80mi- (C) 22h50min
nutos (D) 23h
(E) Nenhuma das anteriores
Q U EST Õ ES
I E gente Censitário dministrativo
I E nalista de rocessos revidenciários uando era jovem, Arquimedes corria 15 m em 1h45min. Ago-
NE Uma gráfica precisa imprimir um lote de 100000 fo- ra que é idoso, ele caminha 8 m em 1h20min.
lhetos e, para isso, utiliza a máquina A, que imprime 5000 folhetos
em 40 minutos. Após 3 horas e 20 minutos de funcionamento, a

26
MA TE MÁ TICA

Para percorrer 1 m agora que é idoso, comparado com a 5000-----40


época em que era jovem, Arquimedes precisa de mais: x----------200
(A) 10 minutos; x 1000000/40 25000
(B) 7 minutos;
(C) 5 minutos; Já foram impressos 25000, portanto faltam ainda 75000
(D) 3 minutos; 4500-------48
(E) 2 minutos. 75000------x
3600000/4500 800 minutos
I E gente Censitário dministrativo 800/60 13,33h
Lucas foi de carro para o trabalho em um horário de trânsito in- 13 horas e 1/3 hora
tenso e gastou 1h20min. Em um dia sem trânsito intenso, Lucas 13h e 20 minutos
foi de carro para o trabalho a uma velocidade média 20 m/h
maior do que no dia de trânsito intenso e gastou 48min.

A distância, em m, da casa de Lucas até o trabalho é:


(A) 36;
(B) 40; esposta: C
(C) 48; Como ela ficou 1hora e meia na clínica o trajeto de ida e volta
(D) 50; demorou 1 hora.
(E) 60.
esposta:
EMDEC ssistente dministrativo r I C 4500/3 1500 litros para as caixinhas
Carlos almoçou em certo dia no horário das 12:45 às 13:12. O 1500litros 1500000ml
total de segundos que representa o tempo que Carlos almoçou 1500000/300 5000 caixinhas por dia
nesse dia é: 5000.5 25000 caixinhas em 5 dias
(A) 1840
(B) 1620 04. Resposta:A.
(C) 1780 14400litros 14400000 ml
(D) 2120

N écnico dministrativo CE N IO U m
caminhão-tanque chega a um posto de abastecimento com 36.000 li-
tros de gasolina em seu reservatório. Parte dessa gasolina é transferida 200000⋅80 16000000 gramas 16 toneladas
para dois tanques de armazenamento, enchendo-os completamente.
Um desses tanques tem 12,5 m3, e o outro, 15,3 m3, e estavam, inicial- esposta:
mente, vazios. 5⋅45 225 minutos de aula
Após a transferência, quantos litros de gasolina restaram no 225/60 3 horas 45 minutos nas aulas mais 15 minutos de in-
caminhão-tanque? tervalo 4horas
(A) 35.722,00 18:40 4h 22h:40
(B) 8.200,00
(C) 3.577,20 esposta: D
(D) 357,72 1h45min 60 45 105 minutos
(E) 332,20
15 m-------105
D E u iliar dministrativo CC Raimun- 1--------------x
do tinha duas cordas, uma de 1,7 m e outra de 1,45 m. Ele preci- 7 minutos
sava de pedaços, dessas cordas, que medissem 40 cm de compri-
mento cada um. Ele cortou as duas cordas em pedaços de 40 cm 1h20min 60 20 80min
de comprimento e assim conseguiu obter
(A) 6 pedaços. 8 m----80
(B) 8 pedaços. 1-------x
(C) 9 pedaços.
10minutos
(D) 5 pedaços.
(E) 7 pedaços.
A diferença é de 3 minutos
R ESP O ST A S
esposta:
V------80min
01. Resposta: E.
V 20----48
3h 20 minutos-200 minutos

27
MA TE MÁ TICA

uanto maior a velocidade, menor o tempo(inversamente) A denominação cruzeiro origina-se das moedas de ouro
(pesadas em gramas ao título de 900 milésimos de metal e 100
milésimos de liga adequada), emitidas na forma do Decreto nº
5.108, de 18 de dezembro de 1926, no regime do ouro como pa-
drão monetário.
80v 48V 960 O Decreto-Lei nº 1, de 13 de novembro de 1965, transformou
32V 960 o cruzeiro Cr em cruzeiro novo NCr , na base de NCr 1,00
V 30 m/h por Cr 1.000. A partir de 15 de maio de 1970 e até 27 de feverei-
ro de 1986, a unidade monetária foi novamente o cruzeiro (Cr ).
30 m----60 min Em 27 de fevereiro de 1986, Dílson Funaro, ministro da Fa-
x-----------80 zenda, anunciou o Plano Cruzado (Decreto-Lei nº 2.283, de 27 de
fevereiro de 1986): o cruzeiro Cr se transformou em cruzado
Cz , na base de Cz 1,00 por Cr 1.000 (vigorou de 28 de fevereiro
de 1986 a 15 de janeiro de 1989). Em novembro do mesmo ano, o
Plano Cruzado II tentou novamente a estabilização da moeda. Em
60x 2400 junho de 1987, Luiz Carlos Brésser Pereira, ministro da Fazenda,
40 m anunciou o Plano Brésser: um Plano Cruzado requentado ava-
liou Mário enrique Simonsen.
esposta: Em 15 de janeiro de 1989, Maílson da Nóbrega, ministro da
12:45 até 13:12 são 27 minutos Fazenda, anunciou o Plano Verão (Medida Provisória nº 32, de 15
27x60 1620 segundos de janeiro de 1989): o cruzado Cz se transformou em cruzado
novo NCz , na base de NCz 1,00 por Cz 1.000,00 (vigorou de
esposta: 16 de janeiro de 1989 a 15 de março de 1990).
1m 1000litros Em 15 de março de 1990, élia Cardoso de Mello, ministra
da Fazenda, anunciou o Plano Collor (Medida Provisória nº 168,
36000/1000 36 m
de 15 de março de 1990): o cruzado novo NCz se transformou
36-12,5-15,3 8,2 m x1000 8200 litros
em cruzeiro Cr , na base de Cr 1,00 por NCz 1,00 (vigorou de
16 de março de 1990 a 28 de julho de 1993). Em janeiro de 1991,
esposta: E
a inflação já passava de 20 ao mês, e o Plano Collor II tentou
1,7m 170cm
novamente a estabilização da moeda.
1,45m 145 cm
A Medida Provisória nº 336, de 28 de julho de1993, transfor-
170/40 4 resta 10
mou o cruzeiro Cr em cruzeiro real CR , na base de CR 1,00
145/40 3 resta 25
por Cr 1.000,00 (vigorou de 29 de julho de 1993 a 29 de junho
4 3 7 de 1994).
Em 30 de junho de 1994, Fernando enrique Cardoso, minis-
tro da Fazenda, anunciou o Plano Real: o cruzeiro real CR se
I EM MONE IO I EI O transformou em real R , na base de R 1,00 por CR 2.750,00
(Medida Provisória nº 542, de 30 de junho de 1994, convertida na
Lei nº 9.069, de 29 de junho de 1995).
Sistema M onetá rio N acional O artigo 10, I, da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,
delegou ao Banco Central do Brasil competência para emitir pa-
O primeiro dinheiro do Brasil foi à moeda-mercadoria. Duran- pel-moeda e moeda metálica, competência exclusiva consagrada
te muito tempo, o comércio foi feito por meio da troca de merca- pelo artigo 164 da Constituição Federal de 1988.
dorias, mesmo após a introdução da moeda de metal. Antes da criação do BCB, a Superintendência da Moeda e do
As primeiras moedas metálicas (de ouro, prata e cobre) che- Crédito (SUMOC), o Banco do Brasil e o Tesouro Nacional desem-
garam com o início da colonização portuguesa. A unidade mone- penhavam o papel de autoridade monetária.
tária de Portugal, o Real, foi usada no Brasil durante todo o pe- A SUMOC, criada em 1945 e antecessora do BCB, tinha por
ríodo colonial. Assim, tudo se contava em réis (plural popular de finalidade exercer o controle monetário. A SUMOC fixava os per-
real) com moedas fabricadas em Portugal e no Brasil. O Real (R) centuais de reservas obrigatórias dos bancos comerciais, as taxas
vigorou até 07 de outubro de 1833. De acordo com a Lei nº 59, de do redesconto e da assistência financeira de liquidez, bem como
08 de outubro de 1833, entrou em vigor o Mil-Réis (Rs), múltiplo os juros. Além disso, supervisionava a atuação dos bancos comer-
do real, como unidade monetária, adotada até 31 de outubro de ciais, orientava a política cambial e representava o País junto a
1942. organismos internacionais.
No século , o Brasil adotou nove sistemas monetários ou O Banco do Brasil executava as funções de banco do governo,
nove moedas diferentes (mil-réis, cruzeiro, cruzeiro novo, cruzei- e o Tesouro Nacional era o órgão emissor de papel-moeda.
ro, cruzado, cruzado novo, cruzeiro, cruzeiro real, real).
Por meio do Decreto-Lei nº 4.791, de 05 de outubro de 1942,
uma nova unidade monetária, o cruzeiro Cr veio substituir o
mil-réis, na base de Cr 1,00 por mil-réis.

28
MA TE MÁ TICA

Cruz eiro Cruz ado

1000 réis Cr 1(com centavos) 01.11.1942 Cr 1000 Cz 1 (com centavos) 28.02.1986


O Decreto-Lei nº 4.791, de 05 de outubro de 1942 (D.O.U. de O Decreto-Lei nº 2.283, de 27 de fevereiro de 1986 (D.O.U.
06 de outubro de 1942), instituiu o Cruzeiro como unidade mone- de 28 de fevereiro de 1986), posteriormente substituído pelo
tária brasileira, com equivalência a um mil réis. Foi criado o centa- Decreto-Lei nº 2.284, de 10 de março de 1986 (D.O.U. de 11 de
vo, correspondente à centésima parte do cruzeiro. março de 1986), instituiu o Cruzado como nova unidade monetá-
ria, equivalente a um mil cruzeiros, restabelecendo o centavo. A
Ex emplo: 4:750 400 (quatro contos, setecentos e cinquenta mudança de padrão foi disciplinada pela Resolução nº 1.100, de
mil e quatrocentos réis) passou a expressar-se Cr 4.750,40 (qua- 28 de fevereiro de 1986, do Conselho Monetário Nacional.
tro mil setecentos e cinquenta cruzeiros e quarenta centavos)
Ex emplo: Cr 1.300.500 (um milhão, trezentos mil e quinhen-
Cruz eiro tos cruzeiros) passou a expressar-se Cz 1.300,50 (um mil e tre-
zentos cruzados e cinquenta centavos).
(sem centavos) 02.12.1964
A Lei nº 4.511, de 01de dezembro de1964 (D.O.U. de 02 de Cruzado Novo
dezembro de 1964), extinguiu a fração do cruzeiro denominada
centavo. Por esse motivo, o valor utilizado no exemplo acima pas- Cz 1000 NCz 1 (com centavos) 16.01.1989
sou a ser escrito sem centavos: Cr 4.750 (quatro mil setecentos A Medida Provisória nº 32, de 15 de janeiro de 1989 (D.O.U.
e cinquenta cruzeiros). de 16 de janeiro de 1989), convertida na Lei nº 7.730, de 31 de ja-
neiro de 1989 (D.O.U. de 01 de fevereiro de 1989), instituiu o Cru-
Cruzeiro Novo zado Novo como unidade do sistema monetário, correspondente
a um mil cruzados, mantendo o centavo. A Resolução nº 1.565, de
Cr 1000 NCr 1(com centavos) 13.02.1967 16 de janeiro de 1989, do Conselho Monetário Nacional, discipli-
O Decreto-Lei nº 1, de 13 de novembro de1965 (D.O.U. de 17 nou a implantação do novo padrão.
de novembro de 1965), regulamentado pelo Decreto nº 60.190,
de 08 de fevereiro de1967 (D.O.U. de 09 de fevereiro de 1967), Ex emplo: Cz 1.300,50 (um mil e trezentos cruzados e cin-
instituiu o Cruzeiro Novo como unidade monetária transitória, quenta centavos) passou a expressar-se NCz 1,30 (um cruzado
equivalente a um mil cruzeiros antigos, restabelecendo o centavo. novo e trinta centavos).
O Conselho Monetário Nacional, pela Resolução nº 47, de 08 de
fevereiro de 1967, estabeleceu a data de 13.02.67 para início de Cruz eiro
vigência do novo padrão.
De NCz para Cr (com centavos) 16.03.1990
Ex emplo: Cr 4.750 (quatro mil, setecentos e cinquenta cru- A Medida Provisória nº 168, de 15 de março de 1990 (D.O.U.
zeiros) passou a expressar-se NCr 4,75(quatro cruzeiros novos e de 16 de março de 1990), convertida na Lei nº 8.024, de 12 de
setenta e cinco centavos). abril de 1990 (D.O.U. de 13 de abril de 1990), restabeleceu a de-
Cruz eiro nominação Cruzeiro para a moeda, correspondendo um cruzeiro
a um cruzado novo. Ficou mantido o centavo. A mudança de pa-
De NCr para Cr (com centavos) 15.05.1970 drão foi regulamentada pela Resolução nº 1.689, de 18 de março
A Resolução nº 144, de 31 de março de 1970 (D.O.U. de 06 de de 1990, do Conselho Monetário Nacional.
abril de 1970), do Conselho Monetário Nacional, restabeleceu a Ex emplo: NCz 1.500,00 (um mil e quinhentos cruzados no-
denominação Cruzeiro, a partir de 15 de maio de 1970, mantendo vos) passou a expressar-se Cr 1.500,00 (um mil e quinhentos
o centavo. cruzeiros).

Ex emplo: NCr 4,75 (quatro cruzeiros novos e setenta e cinco Cruz eiro R eal
centavos) passou a expressar-se Cr 4,75(quatro cruzeiros e se-
tenta e cinco centavos). Cr 1000 CR 1 (com centavos) 01.08.1993
A Medida Provisória nº 336, de 28 de julho de 1993 (D.O.U.
Cruz eiros de 29 de julho de 1993), convertida na Lei nº 8.697, de 27 de
agosto de 1993 (D.O.U. de 28 agosto de 1993), instituiu o Cru-
(sem centavos) 16.08.1984 zeiro Real, a partir de 01 de agosto de 1993, em substituição ao
A Lei nº 7.214, de 15 de agosto de 1984 (D.O.U. de 16.08.84), Cruzeiro, equivalendo um cruzeiro real a um mil cruzeiros, com a
extinguiu a fração do Cruzeiro denominada centavo. Assim, a im- manutenção do centavo. A Resolução nº 2.010, de 28 de julho de
portância do exemplo, Cr 4,75 (quatro cruzeiros e setenta e cinco 1993, do Conselho Monetário Nacional, disciplinou a mudança na
centavos), passou a escrever-se Cr 4, eliminando-se a vírgula e os unidade do sistema monetário.
algarismos que a sucediam. Ex emplo: Cr 1.700.500,00 (um milhão, setecentos mil e qui-
nhentos cruzeiros) passou a expressar-se CR 1.700,50 (um mil e
setecentos cruzeiros reais e cinquenta centavos).

29
MA TE MÁ TICA

R eal

CR 2.750 R 1(com centavos) 01.07.1994 P roporç ão


A Medida Provisória nº 542, de 30 de junho de 1994 (D.O.U.
de 30 de junho de 1994), instituiu o Real como unidade do siste- Proporção é a igualdade entre duas razões. A proporção en-
ma monetário, a partir de 01 de julho de 1994, com a equivalência tre A/B e C/D é a igualdade:
de CR 2.750,00 (dois mil, setecentos e cinquenta cruzeiros reais),
igual à paridade entre a URV e o Cruzeiro Real fixada para o dia 30
de junho de 1994. Foi mantido o centavo.
Como medida preparatória à implantação do Real, foi criada
a URV - Unidade Real de Valor - prevista na Medida Provisória ropriedade fundamental das proporç es
nº 434, publicada no D.O.U. de 28 de fevereiro de 1994, reedita- Numa proporção:
da com os números 457 (D.O.U. de 30 de março de 1994) e 482
(D.O.U. de 29 de abril de 1994) e convertida na Lei nº 8.880, de 27
de maio de 1994 (D.O.U. de 28 de maio de 1994).

Ex emplo: CR 11.000.000,00 (onze milhões de cruzeiros Os números A e D são denominados extremos enquanto os
reais) passou a expressar-se R 4.000,00 (quatro mil reais). números B e C são os meios e vale a propriedade: o produto dos
meios é igual ao produto dos extremos, isto é:
anco Central C ou acen Autoridade monetária do País AxD BxC
responsável pela execução da política financeira do governo. Cui-
da ainda da emissão de moedas, fiscaliza e controla a atividade de Exemplo: A fração 3/4 está em proporção com 6/8, pois:
todos os bancos no País.

anco Interamericano de Desenvolvimento ID rgão in-


ternacional que visa ajudar países subdesenvolvidos e em desen- Exercício: Determinar o valor de para que a razão /3 esteja
volvimento na América Latina. A organização foi criada em 1959 e em proporção com 4/6.
está sediada em ashington, nos Estados Unidos.
Solução: Deve-se montar a proporção da seguinte forma:
anco Mundial Nome pelo qual o Banco Internacional de
Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) é conhecido. rgão in-
ternacional ligado a ONU, a instituição foi criada para ajudar paí-
ses subdesenvolvidos e em desenvolvimento.
.
anco Nacional de Desenvolvimento Econ mico e ocial
NDE Empresa pública federal vinculada ao Ministério do egunda propriedade das proporç es
Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior que tem como ualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos
objetivo financiar empreendimentos para o desenvolvimento do dois primeiros termos está para o primeiro, ou para o segundo
Brasil. termo, assim como a soma ou a diferença dos dois últimos termos
está para o terceiro, ou para o quarto termo. Então temos:

O EM , N ME O E NDE O O CIO
N I : E E O O E DI I O EM E
O O CION I
ou

R az ão

Chama-se de razão entre dois números racionais a e b, com Ou


b 0, ao quociente entre eles. Indica-se a razão de a para b por
a/b ou a : b.

Exemplo:
Na sala do 1º ano de um colégio há 20 rapazes e 25 moças. ou
Encontre a razão entre o número de rapazes e o número de mo-
ças. (lembrando que razão é divisão)

30
MA TE MÁ TICA

T erceira propriedade das proporç õ es Exemplo


ualquer que seja a proporção, a soma ou a diferença dos velocidadextempo a tabela abaixo:
antecedentes está para a soma ou a diferença dos consequentes,
assim como cada antecedente está para o seu respectivo conse- elocidade m s empo s
quente. Temos então:
5 200
8 125
1 0 100
ou 1 6 62,5
2 0 50

uanto MAIOR a velocidade MENOS tempo??


Ou Inversamente proporcional
Se eu dobro a velocidade, eu faço o tempo pela metade.

Diretamente Proporcionais
Para decompor um número M em partes 1, 2, ..., n direta-
ou mente proporcionais a p1, p2, ..., pn, deve-se montar um sistema
com n equações e n incógnitas, sendo as somas 1+ X 2 ... n M e
p1 p2 ... pn P.

randezas Diretamente roporcionais

Duas grandezas variáveis dependentes são diretamente pro-


porcionais quando a razão entre os valores da 1 grandeza é igual
a razão entre os valores correspondentes da 2 , ou de uma manei- A solução segue das propriedades das proporções:
ra mais informal, se eu pergunto:
uanto mais.....mais....

Exemplo
Distância percorrida e combustível gasto Exemplo
Carlos e João resolveram realizar um bolão da loteria. Carlos
entrou com R 10,00 e João com R 15,00. Caso ganhem o prêmio
Dist ncia m Combus vel litros de R 525.000,00, qual será a parte de cada um, se o combinado
13 1 entre os dois foi de dividirem o prêmio de forma diretamente pro-
porcional?
26 2
39 3
52 4

uanto MAIS eu ando, MAIS combustível?


Diretamente proporcionais
Se eu dobro a distância, dobra o combustível

randezas Inversamente roporcionais Carlos ganhará R 210000,00 e Carlos R 315000,00.


Duas grandezas variáveis dependentes são inversamente pro- Inversamente roporcionais
porcionais quando a razão entre os valores da 1 grandeza é igual Para decompor um número M em n partes 1, 2, ..., n in-
ao inverso da razão entre os valores correspondentes da 2 . versamente proporcionais a p1, p2, ..., pn, basta decompor este
uanto mais....menos... número M em n partes 1, 2, ..., n diretamente proporcionais a
1/p1, 1/p2, ..., 1/pn.
A montagem do sistema com n equações e n incógnitas, assu-
me que 1+ X 2 ... n M e além disso

31
MA TE MÁ TICA

NI u iliar de aborat rio NI O


Em relação à prova de matemática de um concurso, Paula acertou
32 das 48 questões da prova. A razão entre o número de questões
que ela errou para o total de questões da prova é de
cuja solução segue das propriedades das proporções: (A) 2/3
(B) 1/2
(C) 1/3
(D) 3/2
Q U EST Õ ES
M E O Oficial de romotoria M E O José,
DE EN I écnico Escriturário IN I O pai de Alfredo, Bernardo e Caetano, de 2, 5 e 8 anos, respectiva-
OC João e Marcos resolveram iniciar uma sociedade mente, pretende dividir entre os filhos a quantia de R 240,00, em
para fabricação e venda de cachorro quente. João iniciou com um partes diretamente proporcionais às suas idades. Considerando o
capital de R 30,00 e Marcos colaborou com R 70,00. No primei- intento do genitor, é possível afirmar que cada filho vai receber,
ro final de semana de trabalho, a arrecadação foi de R 240,00 em ordem crescente de idades, os seguintes valores:
bruto e ambos reinvestiram R 100,00 do bruto na sociedade, (A) R 30,00, R 60,00 e R 150,00.
restando a eles R 140,00 de lucro. De acordo com o que cada (B) R 42,00, R 58,00 e R 140,00.
um investiu inicialmente, qual é o valor que João e Marcos devem (C) R 27,00, R 31,00 e R 190,00.
receber desse lucro, respectivamente? (D) R 28,00, R 84,00 e R 128,00.
(A) 30 e 110 reais. (E) R 32,00, R 80,00 e R 128,00.
(B) 40 e 100 reais.
(C) 42 e 98 reais. Escrevente écnico udiciário NE
(D) 50 e 90 reais. abe-se que 16 caixas , todas iguais, ou 40 caixas , todas tam-
(E) 70 e 70 reais. bém iguais, preenchem totalmente certo compartimento, ini-
cialmente vazio. Também é possível preencher totalmente esse
écnico udiciário CC Em uma empresa, mesmo compartimento completamente vazio utilizando 4 caixas
trabalham oito funcionários, na mesma função, mas com cargas mais certa quantidade de caixas . Nessas condições, é correto
horárias diferentes: um deles trabalha 32 horas semanais, um afirmar que o número de caixas utilizadas será igual a
trabalha 24 horas semanais, um trabalha 20 horas semanais, três (A) 10.
trabalham 16 horas semanais e, por fim, dois deles trabalham 12 (B) 28.
horas semanais. No final do ano, a empresa distribuirá um bônus (C) 18.
total de R 74.000,00 entre esses oito funcionários, de forma que (D) 22.
a parte de cada um seja diretamente proporcional à sua carga ho- (E) 30.
rária semanal.
Dessa forma, nessa equipe de funcionários, a diferença entre I E gente revidenciário NE A
o maior e o menor bônus individual será, em R , de tabela, onde alguns valores estão substituídos por letras, mostra
(A) 10.000,00. os valores, em milhares de reais, que eram devidos por uma em-
(B) 8.000,00. presa a cada um dos três fornecedores relacionados, e os respec-
(C) 20.000,00. tivos valores que foram pagos a cada um deles.
(D) 12.000,00.
(E) 6.000,00. Fornecedor A B C
Valor pago 22,5 X 37,5
C M DE M Escriturário NE
Para uma pesquisa, foram realizadas entrevistas nos estados da Valor devido Y 40 z
Região Sudeste do Brasil. A amostra foi composta da seguinte ma-
neira: Sabe-se que os valores pagos foram diretamente proporcionais
2500 entrevistas realizadas no estado de São Paulo; a cada valor devido, na razão de 3 para 4. Nessas condições, é correto
1500 entrevistas realizadas nos outros três estados da Re- afirmar que o valor total devido a esses três fornecedores era, antes
gião Sudeste. dos pagamentos efetuados, igual a
(A) R 90.000,00.
Desse modo, é correto afirmar que a razão entre o número de (B) R 96.500,00.
entrevistas realizadas em São Paulo e o número total de entrevis- (C) R 108.000,00.
tas realizadas nos quatro estados é de (D) R 112.500,00.
(A) 8 para 5. (E) R 120.000,00.
(B) 5 para 8.
(C) 5 para 7. 0 D E nalista CC A razão entre as alturas de
(D) 3 para 5. dois irmãos era 3/4 e, nessa ocasião, a altura do irmão mais alto era
(E) 3 para 8. 1,40 m. oje, esse irmão mais alto cresceu 10 cm. Para que a razão

32
MA TE MÁ TICA

entre a altura do irmão mais baixo e a altura do mais alto seja hoje, esposta: C
igual a 4/5 , é necessário que o irmão mais baixo tenha crescido, nesse Se Paula acertou 32, errou 16.
tempo, o equivalente a
(A) 13,5 cm.
(B) 10,0 cm.
(C) 12,5 cm.
(D) 14,8 cm. esposta: E
(E) 15,0 cm. 2 5 8 240
15 240
C IO u iliar dministrativo NE O trans- 16
porte de 1980 caixas iguais foi totalmente repartido entre dois veícu- Alfredo: 2⋅16 32
los, A e B, na razão direta das suas respectivas capacidades de carga, Bernardo: 5⋅16 80
em toneladas. Sabe-se que A tem capacidade para transportar 2,2 t, Caetano: 8⋅16 128
enquanto B tem capacidade para transportar somente 1,8 t. Nessas
condições, é correto afirmar que a diferença entre o número de caixas esposta: E
carregadas em A e o número de caixas carregadas em B foi igual a Se, com 16 caixas , fica cheio e já foram colocadas 4 caixa,
(A) 304. faltam 12 caixas , mas queremos colocar as caixas , então va-
(B) 286. mos ver o equivalente de 12 caixas
(C) 224.
(D) 216.
(E) 198.

EMDEC ssistente dministrativo I C aulo 30 caixas


vai dividir R 4.500,00 em partes diretamente proporcionais às ida-
des de seus três filhos com idades de 4, 6 e 8 anos respectivamente. esposta: E
Desse modo, o total distribuído aos dois filhos com maior idade é
igual a:
(A) R 2.500,00
(B) R 3.500,00
(C) R 1.000,00 90/3 30
(D) R 3.200,00

R ESP O ST A S
120/4 30
esposta: C
30 70 140
100 140
1,4
30⋅1,4 42
70⋅1,4 98 150/3 50

esposta: Portanto o total devido é de: 30 40 50 120000


Vamos dividir o prêmio pelas horas somadas
32 24 20 3⋅16 2⋅12 148 esposta: E
74000/148 500
O maior prêmio foi para quem fez 32 horas semanais
32⋅500 16000
12⋅500 6000
A diferença é: 16000-6000 10000 1,05
Se o irmão mais alto cresceu 10cm, está com 1,50
esposta:
2500 1500 4000 entrevistas

1,20

Ele cresceu: 1,20-1,05 0,15m 15cm

33
MA TE MÁ TICA

esposta: E Velocidade----------tempo
2,2 1,8 1980 400 -----------------
4 1980 480 ---------------- 3
495
2,2x495 1089 480x 1200
1980-1089 891 25
1089-891 198
egra de tr s composta
esposta: Regra de três composta é utilizada em problemas com mais
de duas grandezas, direta ou inversamente proporcionais.

Exemplos:

A B C 4500 1) Em 8 horas, 20 caminhões descarregam 160m de areia.


4p 6p 8p 4500 Em 5 horas, quantos caminhões serão necessários para descar-
18p 4500 regar 125m ?
P 250
B 6p 6x250 1500 Solução: montando a tabela, colocando em cada coluna as
C 8p 8x250 2000 grandezas de mesma espécie e, em cada linha, as grandezas de
1500 2000 3500 espécies diferentes que se correspondem:

oras --------caminhões-----------volume
E DE IM E E COM O 8 ----------------20 ----------------------160
5 ------------------x ----------------------125
egra de tr s simples A seguir, devemos comparar cada grandeza com aquela onde
está o x.
Regra de três simples é um processo prático para resolver Observe que:
problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos Aumentando o número de horas de trabalho, podemos dimi-
três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos nuir o número de caminhões. Portanto a relação é inversamente
três já conhecidos. proporcional (seta para cima na 1 coluna).
Aumentando o volume de areia, devemos aumentar o núme-
Passos utilizados numa regra de três simples:
ro de caminhões. Portanto a relação é diretamente proporcional
1º) Construir uma tabela, agrupando as grandezas da mesma
(seta para baixo na 3 coluna). Devemos igualar a razão que con-
espécie em colunas e mantendo na mesma linha as grandezas de
tém o termo x com o produto das outras razões de acordo com o
espécies diferentes em correspondência.
sentido das setas.
2º) Identificar se as grandezas são diretamente ou inversa-
Montando a proporção e resolvendo a equação temos:
mente proporcionais.
3º) Montar a proporção e resolver a equação.
Um trem, deslocando-se a uma velocidade média de oras --------caminhões-----------volume
400 m/h, faz um determinado percurso em 3 horas. Em quanto 8 ----------------20 ----------------------160
tempo faria esse mesmo percurso, se a velocidade utilizada fosse 5 ------------------x ----------------------125
de 480 m/h?
Obs.: Assim devemos inverter a primeira coluna ficando:
Solução: montando a tabela:

1) Velocidade ( m/h) Tempo (h) oras --------caminhões-----------volume


400-----------------3 5----------------20----------------------160
480---------------- x 8------------------x----------------------125

2) Identificação do tipo de relação:


Velocidade----------tempo
400 -----------------3
480 ---------------- x Logo, serão necessários 25 caminhões

Obs.: como as setas estão invertidas temos que inverter os Q U EST Õ ES


números mantendo a primeira coluna e invertendo a segunda co-
luna ou seja o que está em cima vai para baixo e o que está em I E nalista de rocessos revidenciários
baixo na segunda coluna vai para cima NE Para imprimir 300 apostilas destinadas a um curso,
uma máquina de fotocópias precisa trabalhar 5 horas por dia du-

34
MA TE MÁ TICA

rante 4 dias. Por motivos administrativos, será necessário impri- (A) 420.
mir 360 apostilas em apenas 3 dias. O número de horas diárias (B) 375.
que essa máquina terá que trabalhar para realizar a tarefa é (C) 370.
(A) 6. (D) 345.
(B) 7. (E) 320.
(C) 8.
(D) 9. NI O u iliar de aborat rio NI
(E) 10. O uarenta e oito funcionários de uma certa em-
presa, trabalhando 12 horas por dia, produzem 480 bolsas
E O nalista em ecnologia da Informação e Co por semana. uantos funcionários a mais, trabalhando 15
municação Uma máquina copiadora A faz 20 mais horas por dia, podem assegurar uma produção de 1200
cópias do que uma outra máquina B, no mesmo tempo. bolsas por semana?
A máquina B faz 100 cópias em uma hora. (A) 48
A máquina A faz 100 cópias em (B) 96
(A) 44 minutos. (C) 102
(B) 46 minutos. (D) 144
(C) 48 minutos.
(D) 50 minutos. M E O Oficial de romotoria M E O
(E) 52 minutos. Durante 90 dias, 12 operários constroem uma loja. ual o
número mínimo de operários necessários para fazer outra
03. gente de egurança enitenciária M CON loja igual em 60 dias?
C O Para a construção de uma rodovia, 12 operários (A) 8 operários.
trabalham 8 horas por dia durante 14 dias e completam exata- (B) 18 operários.
mente a metade da obra. Porém, a rodovia precisa ser terminada (C) 14 operários.
daqui a exatamente 8 dias, e então a empresa contrata mais 6 (D) 22 operários.
operários de mesma capacidade dos primeiros. Juntos, eles deve- (E) 25 operários
rão trabalhar quantas horas por dia para terminar o trabalho no
tempo correto? CE écnico rt stico M C A vazão
(A) 6h 8 min de uma torneira é de 50 litros a cada 3 minutos. O tempo
(B) 6h 50min necessário para essa torneira encher completamente um
(C) 9h 20 min reservatório retangular, cujas medidas internas são 1,5
(D) 9h 33min metros de comprimento, 1,2 metros de largura e 70 centí-
metros de profundidade é de:
C M DE M Escriturário NE (A) 1h 16min 00s
Um restaurante por quilo apresenta seus preços de acordo com (B) 1h 15min 36s
a tabela: (C) 1h 45min 16s
(D) 1h 50min 05s
(E) 1h55min 42s

C M C ssistente dministrativo IE
E Trabalhando durante 6 dias, 5 operários produ-
Rodolfo almoçou nesse restaurante na última sexta-feira. Se zem 600 peças. Determine quantas peças serão produzidas
a quantidade de alimentos que consumiu nesse almoço custou por sete operários trabalhando por 8 dias:
R 21,00, então está correto afirmar que essa quantidade é, em (A) 1120 peças
gramas, igual a (B) 952 peças
(C) 875 peças
(A) 375. (D) 1250 peças
(B) 380.
(C) 420. M E Oficial de romotoria I NE Para
(D) 425. organizar as cadeiras em um auditório, 6 funcionários, todos com
(E) 450. a mesma capacidade de produção, trabalharam por 3 horas. Para
fazer o mesmo trabalho, 20 funcionários, todos com o mesmo
C M DE M Escriturário rendimento dos iniciais, deveriam trabalhar um total de tempo,
NE Um carregamento de areia foi totalmente em- em minutos, igual a
balado em 240 sacos, com 40 g em cada saco. Se fossem (A) 48.
colocados apenas 30 g em cada saco, o número de sacos (B) 50.
necessários para embalar todo o carregamento seria igual (C) 46.
a (D) 54.
(E) 52.

35
MA TE MÁ TICA

R ESP O ST A S esposta:
Funcionários horas bolsas
esposta: C 48------------------------12-----------480
postilas horas dias x-----------------------------15----------1200
300------------------5--------------4 uanto mais funcionários, menos horas precisam
360-----------------x----------------3 uanto mais funcionários, mais bolsas feitas

postilas horas dias


300- - - - - - - - - - - - - - - - - - 5- - - - - - - - - - - - - - 3
360-----------------x----------------4
96 funcionários
Precisam de mais 48 funcionários

esposta:
900x 7200 Operários dias
8 12-----------90
x--------------60
esposta: D uanto mais operários, menos dias (inversamente proporcio-
Como a máquina A faz 20 a mais: nal)
Em 1 hora a máquina A faz 120 cópias.
120------60 minutos
10-------x
50 minutos
60x 1080
esposta: C 18
Operário horas dias
12--------------8------------14 esposta:
18----------------x------------8 V 1,5⋅1,2⋅0,7 1,26m 1260litros
uanto mais horas, menos operários 50litros-----3 min
uanto mais horas, menos dias 1260--------x
3780/50 75,6min
0,6min 36s
75min 60 15 1h15min

8⋅18x 14⋅12⋅8 esposta:


9,33h Dias operários peças
9 horas e 1/3 da hora 6- - - - - - - - - - - - - 5- - - - - - - - - - - - - - - 600
1/3 de hora é equivalente a 20 minutos 8--------------7---------------x
9horas e 20 minutos

esposta:C
12,50------250
21----------x 30x 33600
5250/12,5 420 gramas 1120

esposta: E esposta: D
Sacos g
240----40 Como o exercício pede em minutos, vamos transformar 3 ho-
x----30 ras em minutos

uanto mais sacos, menos areia foi colocada(inversamente) 3x60 180 minutos
Funcionários minutos
6- - - - - - - - - - - - 180
20-------------x

30x 9600 As Grandezas são inversamente proporcionais, pois quanto


320 mais funcionários, menos tempo será gasto.

36
MA TE MÁ TICA

Vamos inverter os minutos Chamamos de lucro em uma transação comercial de compra


Funcionários minutos e venda a diferença entre o preço de venda e o preço de custo.
6------------x Lucro preço de venda -preço de custo
20-------------180
20x 6.180 Podemos expressar o lucro na forma de porcentagem de
20x 1040 duas formas:
54 minutos

O CEN EM

Porcentagem é uma fração cujo denominador é 100, seu sím-


bolo é ( ). Sua utilização está tão disseminada que a encontra- D E nalista de istemas CC Em sala de aula
mos nos meios de comunicação, nas estatísticas, em máquinas com 25 alunos e 20 alunas, 60 desse total está com gripe. Se x
de calcular, etc. das meninas dessa sala estão com gripe, o menor valor possível
para x é igual a
Os acréscimos e os descontos é importante saber porque aju- (A) 8.
da muito na resolução do exercício. (B) 15.
(C) 10.
A cré scimo (D) 6.
Se, por exemplo, há um acréscimo de 10 a um determinado (E) 12.
valor, podemos calcular o novo valor apenas multiplicando esse
valor por 1,10, que é o fator de multiplicação. Se o acréscimo for Resolução
de 20 , multiplicamos por 1,20, e assim por diante. Veja a tabela
45------100
abaixo:
-------60
27
A cré scimo ou L ucro ator de Multiplicação O menor número de meninas possíveis para ter gripe é se
1 0 % 1,10 todos os meninos estiverem gripados, assim apenas 2 meninas
estão.
1 5 % 1,15
2 0 % 1,20
1,47 Resposta: C.
1,67
Q U EST Õ ES
Exemplo: Aumentando 10 no valor de R 10,00 temos:
gente de egurança enitenciária M CON
C O Um aparelho de televisão que custa R 1600,00
estava sendo vendido, numa liquidação, com um desconto de
D esconto 40 . Marta queria comprar essa televisão, porém não tinha con-
No caso de haver um decréscimo, o fator de multiplicação dições de pagar à vista, e o vendedor propôs que ela desse um
será: cheque para 15 dias, pagando 10 de juros sobre o valor da ven-
Fator de Multiplicação 1 - taxa de desconto (na forma da na liquidação. Ela aceitou e pagou pela televisão o valor de:
decimal) (A) R 1120,00
Veja a tabela abaixo: (B) R 1056,00
(C) R 960,00
D esconto ator de Multiplicação (D) R 864,00
1 0 % 0,90 écnico udiciário CC A equipe de segu-
2 5 % 0,75 rança de um Tribunal conseguia resolver mensalmente cerca de
35 das ocorrências de dano ao patrimônio nas cercanias desse
3 4 % 0,66
prédio, identificando os criminosos e os encaminhando às autori-
6 0 % 0,40 dades competentes. Após uma reestruturação dos procedimentos
9 0 % 0,10 de segurança, a mesma equipe conseguiu aumentar o percentual
de resolução mensal de ocorrências desse tipo de crime para cer-
Exemplo: Descontando 10 no valor de R 10,00 temos: ca de 63 . De acordo com esses dados, com tal reestruturação, a
equipe de segurança aumentou sua eficácia no combate ao dano
ao patrimônio em

37
MA TE MÁ TICA

(A) 35 . (A) R 4,20.


(B) 28 . (B) R 5,46.
(C) 63 . (C) R 10,70.
(D) 41 . (D) R 12,60.
(E) 80 . (E) R 18,00.

écnico udiciário CC Três irmãos, André, 0 M E O Oficial de romotoria M E O Joana


Beatriz e Clarice, receberam de uma tia herança constituída pelas foi fazer compras. Encontrou um vestido de R 150,00 reais. Des-
seguintes joias: um bracelete de ouro, um colar de pérolas e um cobriu que se pagasse à vista teria um desconto de 35 . Depois
par de brincos de diamante. A tia especificou em testamento que de muito pensar, Joana pagou à vista o tal vestido. uanto ela
as joias não deveriam ser vendidas antes da partilha e que cada pagou?
um deveria ficar com uma delas, mas não especificou qual deveria (A) R 120,00 reais
ser dada a quem. O justo, pensaram os irmãos, seria que cada (B) R 112,50 reais
um recebesse cerca de 33,3 da herança, mas eles achavam que (C) R 127,50 reais
as joias tinham valores diferentes entre si e, além disso, tinham (D) R 97,50 reais
diferentes opiniões sobre seus valores. Então, decidiram fazer a (E) R 90 reais
partilha do seguinte modo:
Inicialmente, sem que os demais vissem, cada um deveria Escrevente écnico udiciário NE
escrever em um papel três porcentagens, indicando sua avaliação A empresa Alfa Sigma elaborou uma previsão de receitas trimes-
sobre o valor de cada joia com relação ao valor total da herança. trais para 2018. A receita prevista para o primeiro trimestre é de
A seguir, todos deveriam mostrar aos demais suas avalia- 180 milhões de reais, valor que é 10 inferior ao da receita pre-
ções. vista para o trimestre seguinte. A receita prevista para o primeiro
Uma partilha seria considerada boa se cada um deles rece- semestre é 5 inferior à prevista para o segundo semestre. Nes-
besse uma joia que avaliou como valendo 33,3 da herança toda sas condições, é correto afirmar que a receita média trimestral
ou mais. prevista para 2018 é, em milhões de reais, igual a
As avaliações de cada um dos irmãos a respeito das joias foi (A) 200.
a seguinte: (B) 203.
(C) 195.
(D) 190.
(E) 198.

C M M écnico em Informática NDE


Veja, a seguir, a oferta da loja Magazine Bom Preço:
Assim, uma partilha boa seria se André, Beatriz e Clarice rece-
bessem, respectivamente,
Aproveite a Promoção!
(A) o bracelete, os brincos e o colar.
Forno Micro-ondas
(B) os brincos, o colar e o bracelete.
De R 720,00
(C) o colar, o bracelete e os brincos. Por apenas R 504,00
(D) o bracelete, o colar e os brincos.
(E) o colar, os brincos e o bracelete. Nessa oferta, o desconto é de:
(A) 70 .
écnico de ecnologia da Informação (B) 50 .
Um retângulo de medidas desconhecidas foi alterado. (C) 30 .
Seu comprimento foi reduzido e passou a ser 2/ 3 do comprimen- (D) 10 .
to original e sua largura foi reduzida e passou a ser 3/ 4 da largura
original. COD ecepcionista E Considere que
Pode-se afirmar que, em relação à área do retângulo original, uma caixa de bombom custava, em novembro, R 8,60 e passou a
a área do novo retângulo: custar, em dezembro, R 10,75. O aumento no preço dessa caixa
(A) foi aumentada em 50 . de bombom foi de:
(B) foi reduzida em 50 . (A) 30 .
(C) aumentou em 25 . (B) 25 .
(D) diminuiu 25 . (C) 20 .
(E) foi reduzida a 15 . (D) 15

M E O Oficial de romotoria M E O Paulo, N écnico em egulação de etr leo e Derivados


dono de uma livraria, adquiriu em uma editora um lote de apos- CE N IO Um grande tanque estava vazio e foi cheio
tilas para concursos, cujo valor unitário original é de R 60,00. de óleo após receber todo o conteúdo de 12 tanques menores,
Por ter cadastro no referido estabelecimento, ele recebeu 30 de idênticos e cheios.
desconto na compra. Para revender os materiais, Paulo decidiu Se a capacidade de cada tanque menor fosse 50 maior do que
acrescentar 30 sobre o valor que pagou por cada apostila. Nes- a sua capacidade original, o grande tanque seria cheio, sem exces-
tas condições, qual será o lucro obtido por unidade? sos, após receber todo o conteúdo de

38
MA TE MÁ TICA

(A) 4 tanques menores


(B) 6 tanques menores
(C) 7 tanques menores
(D) 8 tanques menores
(E) 10 tanques menores Ou seja, ele pagou 70 do produto, o desconto foi de 30 .
OBS: muito cuidado nesse tipo de questão, para não errar
R ESP O ST A S conforme a pergunta feita.
esposta:
esposta: 8,6(1 x) 10,75
Como teve um desconto de 40 , pagou 60 do produto. 8,6 8,6x 10,75
8,6x 10,75-8,6
1600⋅0,6 960 8,6x 2,15
Como vai pagar 10 a mais: 0,25 25
960⋅1,1 1056
esposta: D
esposta: E 50 maior quer dizer que ficou 1,5
63/35 1,80 uantidade de tanque: x
Portanto teve um aumento de 80 . A quantidade que aumentaria deve ficar igual a 12 tanques
1,5x 12
esposta: D 8
Clarice obviamente recebeu o brinco.
Beatriz recebeu o colar porque foi o único que ficou acima de
30 e André recebeu o bracelete.
O IM E : O ,C I , EM O,
esposta: E MON N E
A b⋅h

Matemática inanceira
A Matemática inanceira possui diversas aplicações no atual
Portanto foi reduzida em 50 sistema econômico. Algumas situações estão presentes no coti-
diano das pessoas, como financiamentos de casa e carros, rea-
esposta: D lizações de empréstimos, compras a crediário ou com cartão de
Como ele obteve um desconto de 30 , pagou 70 do valor: crédito, aplicações financeiras, investimentos em bolsas de valo-
60⋅0,7 42 res, entre outras situações. Todas as movimentações financeiras
Ele revendeu por: são baseadas na estipulação prévia de taxas de juros. Ao reali-
42⋅1,3 54,60 zarmos um empréstimo a forma de pagamento é feita através de
Teve um lucro de: 54,60-42 12,60 prestações mensais acrescidas de juros, isto é, o valor de quitação
do empréstimo é superior ao valor inicial do empréstimo. A essa
esposta: D diferença damos o nome de juros.
Como teve um desconto de 35 . Pagou 65 do vestido
150⋅0,65 97,50 Capital
O Capital é o valor aplicado através de alguma operação fi-
esposta: C nanceira. Também conhecido como: Principal, Valor Atual, Valor
Como a previsão para o primeiro trimestre é de 180 milhões Presente ou Valor Aplicado. Em inglês usa-se Present Value (indi-
e é 10 inferior, no segundo trimestre temos uma previsão de cado pela tecla PV nas calculadoras financeiras).
180-----90
x---------100 a a de juros e empo
x 200 A taxa de juros indica qual remuneração será paga ao dinhei-
ro emprestado, para um determinado período. Ela vem normal-
200 180 380 milhões para o primeiro semestre mente expressa da forma percentual, em seguida da especifica-
380- - - - 95 ção do período de tempo a que se refere:
x----100 8 a.a. - (a.a. significa ao ano).
x 400 milhões 10 a.t. - (a.t. significa ao trimestre).
Outra forma de apresentação da taxa de juros é a unitária,
Somando os dois semestres: 380 400 780 milhões que é igual a taxa percentual dividida por 100, sem o símbolo :
780/4trimestres 195 milhões 0,15 a.m. - (a.m. significa ao mês).
0,10 a.q. - (a.q. significa ao quadrimestre)
esposta: C

39
MA TE MÁ TICA

M ontante Aplicando a outra fórmula J C i n:


Também conhecido como valor acumulado é a soma do Ca- 5 40 i 1
pital Inicial com o juro produzido em determinado tempo. i 0,125 12,5
Essa fórmula também será amplamente utilizada para resol-
ver questões. Juros Compostos
M C J o juro de cada intervalo de tempo é calculado a partir do sal-
M montante do no início de correspondente intervalo. Ou seja: o juro de cada
C capital inicial intervalo de tempo é incorporado ao capital inicial e passa a ren-
J juros der juros também.
M C C.i.n
M C(1 i.n) uando usamos juros simples e juros compostos?
uros imples A maioria das operações envolvendo dinheiro utiliza juros
Chama-se juros simples a compensação em dinheiro pelo em- compostos. Estão incluídas: compras a médio e longo prazo, com-
préstimo de um capital financeiro, a uma taxa combinada, por um pras com cartão de crédito, empréstimos bancários, as aplicações
prazo determinado, produzida exclusivamente pelo capital inicial. financeiras usuais como Caderneta de Poupança e aplicações em
Em Juros Simples a remuneração pelo capital inicial aplicado fundos de renda fixa, etc. Raramente encontramos uso para o re-
é diretamente proporcional ao seu valor e ao tempo de aplicação. gime de juros simples: é o caso das operações de curtíssimo pra-
A expressão matemática utilizada para o cálculo das situa- zo, e do processo de desconto simples de duplicatas.
ções envolvendo juros simples é a seguinte: O cálculo do montante é dado por:
J C i n, onde:
J juros
C capital inicial Exemplo
i taxa de juros Calcule o juro composto que será obtido na aplicação de
n tempo de aplicação (mês, bimestre, trimestre, semestre, R 25000,00 a 25 ao ano, durante 72 meses
ano...) C 25000
Observação importante: a taxa de juros e o tempo de aplica- i 25 aa 0,25
ção devem ser referentes a um mesmo período. Ou seja, os dois i 72 meses 6 anos
devem estar em meses, bimestres, trimestres, semestres, anos...
O que não pode ocorrer é um estar em meses e outro em anos, ou
qualquer outra combinação de períodos.
Dica: Essa fórmula J C i n, lembra as letras das palavras JU-
ROS SIMPLES e facilita a sua memorização.
Outro ponto importante é saber que essa fórmula pode ser M C J
trabalhada de várias maneiras para se obter cada um de seus J 95367,50-25000 70367,50
valores, ou seja, se você souber três valores, poderá conseguir
o quarto, ou seja, como exemplo se você souber o Juros (J), o Ca- Q U EST Õ ES
pital Inicial (C) e a Taxa (i), poderá obter o Tempo de aplicação (n).
E isso vale para qualquer combinação. E nalista udiciário CC Uma geladeira
está sendo vendida nas seguintes condições:
Ex emplo Preço à vista R 1.900,00;
Maria quer comprar uma bolsa que custa R 85,00 à vista. Condições a prazo entrada de R 500,00 e pagamento de
Como não tinha essa quantia no momento e não queria perder a uma parcela de R 1.484,00 após 60 dias da data da compra.
oportunidade, aceitou a oferta da loja de pagar duas prestações A taxa de juros simples mensal cobrada na venda a prazo é de
de R 45,00, uma no ato da compra e outra um mês depois. A (A) 1,06 a.m.
taxa de juros mensal que a loja estava cobrando nessa operação (B) 2,96 a.m.
era de: (C) 0,53 a.m.
(A) 5,0 (D) 3,00 a.m.
(B) 5,9 (E) 6,00 a.m.
(C) 7,5
(D) 10,0 N E nalista em estão revidenciária
(E) 12,5 CC João emprestou a quantia de R 23.500,00 a seu filho
Resposta Letra e . Roberto. Trataram que Roberto pagaria juros simples de 4 ao
ano. Roberto pagou esse empréstimo para seu pai após 3 anos. O
O juros incidiu somente sobre a segunda parcela, pois a pri- valor total dos juros pagos por Roberto foi
meira foi à vista. Sendo assim, o valor devido seria R 40 (85-45) e (A) 3.410,00.
a parcela a ser paga de R 45. (B) R 2.820,00.
Aplicando a fórmula M C J: (C) R 2.640,00.
45 40 J (D) R 3.120,00.
J 5 (E) R 1.880,00.

40
MA TE MÁ TICA

I I NO écnico em Contabilidade CM O (B) R 546,00;


montante acumulado ao final de 6 meses e os juros recebidos a (C) R 548,00;
partir de um capital de 10 mil reais, com uma taxa de juros de 1 (D) R 552,00;
ao mês, pelo regime de capitalização simples, é de (E) R 554,00.
(A) R 9.400,00 e R 600,00.
(B) R 9.420,00 e R 615,20. C N ssistente dministrativo IN I O
(C) R 10.000,00 e R 600,00. OC Para pagamento um mês após a data da compra, certa
(D) R 10.600,00 e R 600,00. loja cobrava juros de 25 . Se certa mercadoria tem preço a prazo
(E) R 10.615,20 e R 615,20. igual a R 1500,00, o preço à vista era igual a
(A) R 1200,00.
CE ssistente écnico IE E O valor dos (B) R 1750,00.
juros simples em uma aplicação financeira de 3.000,00 feita por (C) R 1000,00.
dois trimestres a taxa de 2 ao mês é igual a: (D) R 1600,00.
(A) 360,00 (E) R 1250,00.
(B) 240,00
(C) 120,00 C N écnico de aborat rio IN I O
(D) 480,00 OC A fatura de um certo cartão de crédito cobra juros de
12 ao mês por atraso no pagamento. Se uma fatura de R 750,00
I E nalista de rocessos revidenciários foi paga com um mês de atraso, o valor pago foi de
NE Um capital foi aplicado a juros simples, com taxa de (A) R 970,00.
9 ao ano, durante 4 meses. Após esse período, o montante (capi- (B) R 777,00.
tal juros) resgatado foi de R 2.018,80. O capital aplicado era de (C) R 762,00.
(A) R 2.010,20. (D) R 800,00.
(B) R 2.000,00. (E) R 840,00.
(C) R 1.980,00.
D E Contador IN DO Em 15 de
(D) R 1.970,40.
junho de 20xx, Severino restituiu R 2.500,00 do seu imposto de
(E) R 1.960,00. renda. Como estava tranquilo financeiramente, resolveu realizar
uma aplicação financeira para retirada em 15/12/20xx, período
M E O Oficial de romotoria M E O E m que vai realizar as compras de natal. A uma taxa de juros de 3
um investimento no qual foi aplicado o valor de R 5.000,00, em a.m., qual é o montante do capital, sabendo-se que a capitaliza-
um ano foi resgatado o valor total de R 9.200,00. Considerando ção é mensal:
estes apontamentos e que o rendimento se deu a juros simples, é (A) R 2.985,13
verdadeiro afirmar que a taxa mensal foi de: (B) R 2.898,19
(A) 1,5 (C) R 3.074,68
(B) 2 (D) R 2.537,36
(C) 5,5 (E) R 2.575,00
(D) 6
(E) 7 E nalista udiciário CC A Cia. Escocesa,
não tendo recursos para pagar um empréstimo de R 150.000,00
E ssistente em dministração E N o na data do vencimento, fez um acordo com a instituição finan-
regime de juros simples, os juros em cada período de tempo são ceira credora para pagá-la 90 dias após a data do vencimento.
calculados sobre o capital inicial. Um capital inicial C0 foi aplicado Sabendo que a taxa de juros compostos cobrada pela instituição
a juros simples de 3 ao mês. Se Cn é o montante quando decor- financeira foi 3 ao mês, o valor pago pela empresa, desprezan-
ridos n meses, o menor valor inteiro para n, tal que Cn seja maior do-se os centavos, foi, em reais,
que o dobro de C0, é (A) 163.909,00.
(A) 30 (B) 163.500,00.
(B) 32 (C) 154.500,00.
(C) 34 (D) 159.135,00.
(D) 36
(E) 38 N E nalista em estão revidenciária
CC O montante de um empréstimo de 4 anos da quantia
de R 20.000,00, do qual se cobram juros compostos de 10 ao
E DE NI E I gente azendário
ano, será igual a
Para pagamento de boleto com atraso em período inferior a um
(A) R 26.000,00.
mês, certa instituição financeira cobra, sobre o valor do boleto, (B) R 28.645,00.
multa de 2 mais 0,4 de juros de mora por dia de atraso no re- (C) R 29.282,00.
gime de juros simples. Um boleto com valor de R 500,00 foi pago (D) R 30.168,00.
com 18 dias de atraso. (E) R 28.086,00.
O valor total do pagamento foi:
(A) R 542,00;

41
MA TE MÁ TICA

I I NO écnico em Contabilidade CM A 4200 60000i


empresa Good Finance aplicou em uma renda fixa um capital de I 0,07 7
100 mil reais, com taxa de juros compostos de 1,5 ao mês, para
resgate em 12 meses. O valor recebido de juros ao final do perío- esposta: C
do foi de M C(1 in)
(A) R 10.016,00. Cn Co(1 0,03n)
(B) R 15.254,24. 2Co Co(1 0,03n)
(C) R 16.361,26. 2 1 0,03n
(D) R 18.000,00. 1 0,03n
(E) R 19.561,82. N 33,33
Ou seja, maior que 34
O ICI CIEN I IC erito Criminal I C Assi- esposta: C
nale a alternativa correta. Uma empresa recebeu um empréstimo M C(1 in)
bancário de R 120.000,00 por 1 ano, pagando o montante de R C 500 500x0,02 500 10 510
180.000,00. A taxa anual de juros desse empréstimo foi de: M 510(1 0,004x18)
(A) 0,5 ao ano M 510(1 0,072) 546,72
(B) 5 ao ano
(C) 5,55 ao ano esposta:
(D) 150 ao ano M C(1 in)
(E) 50 ao ano 1500 C(1 0,25x1)
1500 C(1,25)
R ESP O ST A S C 1500/1,25
C 1200
esposta: D
J 500 1484-1900 84 esposta: E
C 1900-500 1400 M C(1 in)
J Cin M 750(1 0,12)
84 1400.i.2 M 750x1,12 840
I 0,03 3
esposta:
esposta: D junho a dezembro: 6 meses
J Cin M C(1 i)t
J 23500⋅0,04⋅3 M 2500(1 0,03)6
J 2820 M 2500⋅1,194 2985

esposta: D esposta:
J Cin 90 dias 3 meses
J 10000⋅0,01⋅6 600 M C(1 i)t
M C J M 150000(1 0,03)3
M 10000 600 10600 M 150000⋅1,092727 163909,05
Desprezando os centavos: 163909
esposta:
2 trimestres 6meses esposta: C
J Cin M C(1 i)t
J 3000⋅0,02⋅6 M 20000(1 0,1)4
J 360 M 20000⋅1,4641 29282

esposta: E esposta: E
4meses 1/3ano J Cin
M C(1 in) J 10000⋅0,015⋅12 18000
2018,80 C(1 0,09⋅1/3)
2018,80 C 0,03C Não, ninguém viu errado.
1,03C 2018,80 Como ficaria muito difícil de fazer sem calculadora, a tática
C 1960 é fazer o juro simples, e como sabemos que o composto vai dar
maior que esse valor, só nos resta a alternativa E. Você pode se
esposta: E perguntar, e se houver duas alternativas com números maiores?
M C(1 in) Olha pessoal, não creio que a banca fará isso, e sim que eles fize-
9200 5000(1 12i) ram mais para usar isso mesmo.
9200 5000 60000i

42
MA TE MÁ TICA

esposta: E R elaç õ es de I nclusão


M C(1 i)t Relacionam um conjunto com outro conjunto.
180000 120000(1 i) Simbologia: ⊂(está contido), ⊄(não está contido), ⊃(con-
180000 120000 120000i tém), (não contém)
60000 120000i
i 0,5 50 A Relação de inclusão possui 3 propriedades:
Exemplo:
1, 3,5 ⊂ 0, 1, 2, 3, 4, 5
ND MEN O D EO I DO CON N O
0, 1, 2, 3, 4, 5 ⊃ 1, 3,5

Aqui vale a famosa regrinha que o professor ensina, boca


R epresentaç ão aberta para o maior conjunto.
-Enumerando todos os elementos do conjunto: S 1, 2, 3, 4, 5
-Simbolicamente: B x∈ N 2 x 8 , enumerando esses ele- ubconjunto
mentos temos: O conjunto A é subconjunto de B se todo elemento de A é
B 3,4,5,6,7 também elemento de B.
- por meio de diagrama: Exemplo: 2,4 é subconjunto de x∈N x é par

O peraç õ es

U nião
Dados dois conjuntos A e B, existe sempre um terceiro forma-
do pelos elementos que pertencem pelo menos um dos conjuntos
a que chamamos conjunto união e representamos por: A∪B.
Formalmente temos: A∪B x x∈A ou x B
Exemplo:
A 1,2,3,4 e B 5,6
A ∪B 1,2,3,4,5,6

uando um conjunto não possuir elementos chama-se de


conjunto vazio: S ∅ ou S .
I nterseç ão
Igualdade A interseção dos conjuntos A e B é o conjunto formado pelos
elementos que são ao mesmo tempo de A e de B, e é represen-
Dois conjuntos são iguais se, e somente se, possuem exata- tada por : A B.
mente os mesmos elementos. Em símbolo: Simbolicamente: A B x x∈A e x∈B

Para saber se dois conjuntos A e B são iguais, precisamos sa-


ber apenas quais são os elementos.
Não importa ordem:
A 1,2,3 e B 2,1,3
Não importa se há repetição:
A 1,2,2,3 e B 1,2,3
elação de ertin ncia
Exemplo:
Relacionam um elemento com conjunto. E a indicação que o A a,b,c,d,e e B d,e,f,g
elemento pertence (∈) ou não pertence (∉) A B d,e
Exemplo: Dado o conjunto A -3, 0, 1, 5
0∈A Diferença
2∉A Uma outra operação entre conjuntos é a diferença, que a
cada par A, B de conjuntos faz corresponder o conjunto definido
por:

43
MA TE MÁ TICA

A B ou A B que se diz a diferença entre A e B ou o comple- e não são altos nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que
mentar de B em relação a A. são carecas e não são altos e nem barbados. Dentre todos esses
A este conjunto pertencem os elementos de A que não per- homens, o número de barbados que não são altos, mas são care-
tencem a B. cas é igual a
(A) 4.
AB x : x∈A e x∉B . (B) 7.
(C) 13.
(D) 5.
(E) 8.

Primeiro, quando temos 3 diagramas, sempre começamos


pela interseção dos 3, depois interseção a cada 2 e por fim, cada
um

B-A x : x∈B e x∉A .

Exemplo:
A 0, 1, 2, 3, 4, 5 e B 5, 6, 7
Então os elementos de A B serão os elementos do conjunto
A menos os elementos que pertencerem ao conjunto B.
Portanto A B 0, 1, 2, 3, 4 .

Complementar
O complementar do conjunto A( ) é o conjunto formado pe-
los elementos do conjunto universo que não pertencem a A.
Se todo homem careca é barbado, não teremos apenas ho-
mens carecas e altos.
omens altos e barbados são 6

rmulas da união
n(A ∪B) n(A) n(B)-n(A B)
n(A ∪B∪C) n(A) n(B) n(C) n(A B C)-n(A B)-n(A C)-n(B
C)

Essas fórmulas muitas vezes nos ajudam, pois ao invés de fa-


zer todo o diagrama, se colocarmos nessa fórmula, o resultado é
mais rápido, o que na prova de concurso é interessante devido
ao tempo.
Mas, faremos exercícios dos dois modos para você entender
melhor e perceber que, dependendo do exercício é melhor fazer
de uma forma ou outra.
M N E nalista revidenciário CC E m
um grupo de 32 homens, 18 são altos, 22 são barbados e 16 são Sabe-se que existem 5 homens que são barbados e não são
carecas. omens altos e barbados que não são carecas são seis. altos nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que são care-
Todos homens altos que são carecas, são também barbados. Sa- cas e não são altos e nem barbados
be-se que existem 5 homens que são altos e não são barbados
nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que são barbados

44
MA TE MÁ TICA

Então o número de barbados que não são altos, mas são ca-
recas são 4.
Nesse exercício ficará difícil se pensarmos na fórmula, ficou
grande devido as explicações, mas se você fizer tudo no mesmo
diagrama, mas seguindo os passos, o resultado sairá fácil.

E N O erito Criminal NI E Supo-


nha que, dos 250 candidatos selecionados ao cargo de perito cri-
minal:

1) 80 sejam formados em Física;


2) 90 sejam formados em Biologia;
3) 55 sejam formados em uímica;
4) 32 sejam formados em Biologia e Física;
5) 23 sejam formados em uímica e Física;
6) 16 sejam formados em Biologia e uímica;
7) 8 sejam formados em Física, em uímica e em Biologia.
Sabemos que 18 são altos
Considerando essa situação, assinale a alternativa correta.

(A) Mais de 80 dos candidatos selecionados não são físicos


nem biólogos nem químicos.
(B) Mais de 40 dos candidatos selecionados são formados
apenas em Física.
(C) Menos de 20 dos candidatos selecionados são formados
apenas em Física e em Biologia.
(D) Mais de 30 dos candidatos selecionados são formados
apenas em uímica.
(E) Escolhendo-se ao acaso um dos candidatos selecionados,
a probabilidade de ele ter apenas as duas formações, Física e uí-
mica, é inferior a 0,05.

R esoluç ão

uando somarmos 5 x 6 18 A nossa primeira conta, deve ser achar o número de candida-
18-11 7 tos que não são físicos, biólogos e nem químicos.
Carecas são 16 n(F ∪B∪ ) n(F) n(B) n( ) n(F B )-n(F B)-n(F )-
-n(B )
n(F ∪B∪ ) 80 90 55 8-32-23-16 162
Temos um total de 250 candidatos
250-162 88

Resposta: A.

Q U EST Õ ES

C M gente dministrativo D I
Num grupo de 150 jovens, 32 gostam de música, esporte e leitu-
ra; 48 gostam de música e esporte; 60 gostam de música e leitura;
44 gostam de esporte e leitura; 12 gostam somente de música; 18
gostam somente de esporte; e 10 gostam somente de leitura. Ao
escolher ao acaso um desses jovens, qual é a probabilidade de ele
não gostar de nenhuma dessas atividades?

(A) 1/75
(B) 39/75
7 5 16
(C) 11/75
16-12
(D) 40/75
4

45
MA TE MÁ TICA

(E) 76/75 (A) 80;


(B) 75;
C M C ecepcionista IE E Sabe-se que (C) 70;
17 dos moradores de um condomínio tem gatos, 22 tem ca- (D) 65;
chorros e 8 tem ambos (gatos e cachorros). ual é o percentual (E) 60.
de condôminos que não tem nem gatos e nem cachorros?
(A) 53 I I NO ssistente em dministração CM
Em meio a uma crescente evolução da taxa de obesidade infantil,
(B) 69
um estudioso fez uma pesquisa com um grupo de 1000 crianças
(C) 72 para entender o comportamento das mesmas em relação à prática
(D) 47 de atividades físicas e aos hábitos alimentares.
Ao final desse estudo, concluiu-se que apenas 200 crianças
M E O ecretário u iliar M E O Em uma praticavam alguma atividade física de forma regular, como na-
pesquisa sobre a preferência entre dois candidatos, 48 pessoas tação, futebol, entre outras, e apenas 400 crianças tinham uma
votariam no candidato A, 63 votariam no candidato B, 24 pessoas alimentação adequada. Além disso, apenas 100 delas praticavam
votariam nos dois; e, 30 pessoas não votariam nesses dois candi- atividade física e tinham uma alimentação adequada ao mesmo
datos. Se todas as pessoas responderam uma única vez, então o tempo.
total de pessoas entrevistadas foi: Considerando essas informações, a probabilidade de encon-
(A) 141. trar nesse grupo uma criança que não tenha alimentação adequa-
(B) 117. da nem pratique atividade física de forma regular é de:
(C) 87. (A) 30 .
(B) 40 .
(D) 105.
(C) 50 .
(E) 112. (D) 60 .
(E) 70 .
DE EN I écnico Escriturário IN I O
OC Para realização de uma pesquisa sobre a preferência E I O nalista udiciário CON
de algumas pessoas entre dois canais de TV, canal A e Canal B, os N Uma papelaria fez uma pesquisa de mercado entre
entrevistadores colheram as seguintes informações: 17 pessoas 500 de seus clientes. Nessa pesquisa encontrou os seguintes re-
preferem o canal A, 13 pessoas assistem o canal B e 10 pessoas sultados:
gostam dos canais A e B. Assinale a alternativa que apresenta o
total de pessoas entrevistadas. 160 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
(A) 20 sam o Ensino Médio;
(B) 23 180 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
(C) 27 sam o Ensino Fundamental II;
(D) 30 190 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
(E) 40 sam o Ensino Fundamental I;
20 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
gente de egurança enitenciária M CON sam o Ensino Médio e Fundamental I;
C O Numa sala de 45 alunos, foi feita uma votação para 40 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
escolher a cor da camiseta de formatura. Dentre eles, 30 votaram sam o Ensino Médio e Fundamental II;
na cor preta, 21 votaram na cor cinza e 8 não votaram em nenhu- 30 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
ma delas, uma vez que não farão as camisetas. uantos alunos sam o Ensino Fundamental I e II; e,
votaram nas duas cores? 10 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
(A) 6 sam o Ensino Médio, Fundamental I e II.
(B) 10 uantos clientes da papelaria compraram materiais, mas os
(C) 14 filhos N O cursam nem o Ensino Médio e nem o Ensino Funda-
(D) 18 mental I e II?

I E gente Censitário Municipal e upervisor (A) 50.


Na assembleia de um condomínio, duas questões inde- (B) 55.
pendentes foram colocadas em votação para aprovação. Dos 200 (C) 60.
condôminos presentes, 125 votaram a favor da primeira questão, (D) 65.
110 votaram a favor da segunda questão e 45 votaram contra as N écnico em egulação de a de uplementar
duas questões. NC Foram visitadas algumas residências de uma rua
e em todas foram encontrados pelo menos um criadouro com lar-
Não houve votos em branco ou anulados. vas do mosquito Aedes aeg pti. Os criadouros encontrados foram
listados na tabela a seguir:
O número de condôminos que votaram a favor das duas ques-
P. pratinhos com água embaixo de vasos de planta.
tões foi:
R. ralos entupidos com água acumulada.

46
MA TE MÁ TICA

. caixas de água destampadas esposta:

Número de criadouros
P 103
R 124
98
PeR 47
Pe 43
Re 60
P, R e 25

De acordo com a tabela, o número de residências visitadas 9 8 14 x 100


foi: 100-31
(A) 200. 69
(B) 150.
(C) 325. esposta:
(D) 500.
(E) 455.

D gente dministrativo CE E Na zona


rural de um município, 50 dos agricultores cultivam soja; 30 ,
arroz; 40 , milho; e 10 não cultivam nenhum desses grãos. Os
agricultores que produzem milho não cultivam arroz e 15 deles
cultivam milho e soja.
Considerando essa situação, julgue o item que se segue.
Em exatamente 30 das propriedades, cultiva-se apenas mi-
lho.
( )Certo ( )Errado
24 24 39 30 117
Respostas
esposta:
esposta: C N(A ∪B) n(A) n(B)-n(A B)
N(A∪B) 17 13-10 20

esposta: C
Como 8 não votaram, tiramos do total: 45-8 37
N(A ∪B) n(A) n(B)-n(A B)
37 30 21- n(A B)
n(A B) 14

esposta:
N(A ∪B) 200-45 155
N(A ∪B) n(A) n(B)-n(A B)
155 125 110- n(A B)
n(A B) 80

esposta: C
Sendo x o número de crianças que não praticam atividade
física e tem uma alimentação adequada
N(A ∪B) n(A) n(B)-n(A B)
32 10 12 18 16 28 12 x 150 1000-x 200 400-100
22 que não gostam de nenhuma dessas atividades 500
P 22/150 11/75 P 500/1000 0,5 50
esposta:
Sendo A ensino médio
B fundamental I
C fundamental II

47
MA TE MÁ TICA

quem comprou material e os filhos não cursam ensino mé-


dio e nem ensino fundamental CON N O N M ICO : N ME O N I E
n(A∪B∪C) n(A) n(B) n(C) n(A B C)-n(A B)-n(A C)- IN EI O DI I I I ID DE, N ME O IMO , O
-n(B C) O, M IMO DI I O COM M, M NIMO M I O
500-x 160 190 180 10-20-40-30 COM M N ME O CION I E I CION I E
50 N M IC , O O O, E E EN O DECI
M N ME O E I E O DE O DEM E IN E
esposta: O O E E

E DO C NDID O, O ICO OI I O NO DECO


E D M I

N E :E DO D E E , DE INI O D
N O, N E DE INID O M : DO
M NIO, IM EM E CON DOM NIO, ICO , N
O IN E O , O E E O E I E O , N E
E M , N E C E CEN E E DEC E CEN E ,
N O IN E , N O COM O , N O O I
NOMI DO , D IC , MOD ,E O
NENCI E O MIC , E O E DE E E ,
INE E E I EM

38 20 42 18 25 22 35 200 residências Diagrama de lechas


Ou fazer direto pela tabela:
P R (P R )-( P R)- (R )-(P )
103 124 98 25-60-43-47 200

esposta: errado

ráfico Cartesiano

O número de pacientes que apresentaram pelo menos dois


desses sintomas é:
Pois pode ter 2 sintomas ou três.
6 14 26 32 78
Muitas vezes nos deparamos com situações que envolvem
uma relação entre grandezas. Assim, o valor a ser pago na con-
ta de luz depende do consumo medido no período; o tempo de
uma viagem de automóvel depende da velocidade no trajeto.

48
MA TE MÁ TICA

Como, em geral, trabalhamos com funções numéricas, o do-


mínio e a imagem são conjuntos numéricos, e podemos definir
com mais rigor o que é uma função matemática utilizando a lin-
guagem da teoria dos conjuntos.

Definição: Sejam A e B dois conjuntos não vazios e f uma


relação de A em B.
Essa relação f é uma função de A em B quando a cada ele-
mento x do conjunto A está associado um e apenas um elemento
obrejetora: uando todos os elementos do contradomínio
do conjunto B.
forem imagens de pelo menos um elemento do domínio.
Notação: f:A B (lê-se função f de A em B)

Dom nio, contradom nio, imagem


O dom nio é constituído por todos os valores que podem
ser atribuídos à variável independente. Já a imagem da função
é formada por todos os valores correspondentes da variável de-
pendente.

O conjunto A é denominado domínio da função, indicada por


D. O domínio serve para definir em que conjunto estamos traba-
lhando, isto é, os valores possíveis para a variável x. ijetora: uando apresentar as características de função in-
O conjunto B é denominado contradom nio, CD. jetora e ao mesmo tempo, de sobrejetora, ou seja, elementos dis-
Cada elemento x do domínio tem um correspondente no tintos têm sempre imagens distintas e todos os elementos do con-
contradomínio. A esse valor de damos o nome de imagem de x tradomínio são imagens de pelo menos um elemento do domínio.
pela função f. O conjunto de todos os valores de que são ima-
gens de valores de x forma o conjunto imagem da função, que
indicaremos por Im.

Exemplo
Com os conjuntos A= { 1, 4, 7} e B= { 1, 4, 6, 7, 8, 9, 12} criamos
a função f: .definida por f(x) = x + 5 que também pode ser
representada por y = x + 5. A representação, utilizando conjuntos,
desta função, é:
unção grau
A função do 1 grau relacionará os valores numéricos obtidos
de expressões algébricas do tipo (ax b), constituindo, assim, a
função f(x) ax b.

Estudo dos Sinais


Definimos função como relação entre duas grandezas repre-
sentadas por x e . No caso de uma função do 1º grau, sua lei de
formação possui a seguinte característica: y = ax + b ou f ( x ) = ax
+ b , onde os coeficientes a e b pertencem aos reais e diferem de
zero. Esse modelo de função possui como representação gráfica a
No nosso exemplo, o domínio é D = { 1, 4, 7} , o contradomínio figura de uma reta, portanto, as relações entre os valores do do-
é { 1, 4, 6, 7, 8, 9, 12} e o conjunto imagem é Im = { 6, 9, 12} mínio e da imagem crescem ou decrescem de acordo com o valor
do coeficiente a. Se o coeficiente possui sinal positivo, a função é
Classificação das funç es crescente, e caso ele tenha sinal negativo, a função é decrescente.
Injetora: uando para ela elementos distintos do domínio Função Crescente: a 0
apresentam imagens também distintas no contradomínio. De uma maneira bem simples, podemos olhar no gráfico que
os valores de vão crescendo.

49
MA TE MÁ TICA

Podemos estabelecer uma formação geral para o cálculo da


raiz de uma função do 1º grau, basta criar uma generalização com
base na própria lei de formação da função, considerando 0e
isolando o valor de x (raiz da função).
-b/a

Dependendo do caso, teremos que fazer um sistema com


duas equações para acharmos o valor de a e b.

Exemplo:
Dado que f(x) ax b e f(1) 3 e f(3) 5, ache a função.

F(1) 1a b
3 a b

F(3) 3a b
Função Decrescente: a 0 5 3a b
Nesse caso, os valores de , caem.

Isolando a em I
a 3-b
Substituindo em II

3(3-b) b 5
9-3b b 5
-2b -4
b 2

aiz da função
Calcular o valor da raiz da função é determinar o valor em Portanto,
que a reta cruza o eixo x, para isso consideremos o valor de igual a 3-b
a zero, pois no momento em que a reta intersecta o eixo x, 0. a 3-2 1
Observe a representação gráfica a seguir:
Assim, f(x) x 2

unção uadrática ou unção do grau


Em geral, uma função quadrática ou polinomial do segundo
grau tem a seguinte forma:
f(x) ax bx c, onde a 0
f(x) a(x-x1)(x-x2)
É essencial que apareça ax para ser uma função quadrática e
deve ser o maior termo.

Consideraç õ es

Concavidade
A concavidade da parábola é para cima se a 0 e para baixo
se a< 0

50
MA TE MÁ TICA

Discriminante( ) Veja os gráficos:

b -4ac

0
A parábola ax bx c intercepta o eixo x em dois pontos dis-
tintos, (x1,0) e (x2,0), onde x1 e x2 são raízes da equação ax bx c 0

0
uando , a parábola ax bx c é tangente ao

eixo x, no ponto

Repare que, quando tivermos o discriminante , as duas


raízes da equação ax bx c 0 são iguais

A função não tem raízes reais

a zes

Eq uaç ão Ex ponencial
É toda equação cuja incógnita se apresenta no expoente de
uma ou mais potências de bases positivas e diferentes de 1.

Exemplo
Resolva a equação no universo dos números reais.

értices e Estudo do inal


uando a 0, a parábola tem concavidade voltada para cima e
um ponto de mínimo V; quando a 0, a parábola tem concavidade Solução
voltada para baixo e um ponto de máximo V.
Em qualquer caso, as coordenadas de V são

51
MA TE MÁ TICA

F unç ão ex ponencial P ropriedades dos ex poentes


Se a, x e são dois números reais quaisquer e é um número
A expressão matemática que define a função exponencial é racional, então:
uma potência. Nesta potência, a base é um número real positivo - a x a ax
e diferente de 1 e o expoente é uma variável. - a x / a ax -
- (ax) ax.
Função crescente - (a b)x ax bx
Se temos uma função exponencial crescente, qual- - (a / b)x ax / bx
quer que seja o valor real de x. - a-x 1 / ax
No gráfico da função ao lado podemos observar que à me-
dida que x aumenta, também aumenta f(x) ou . Graficamente ogaritmo
vemos que a curva da função é crescente. Considerando-se dois números N e a reais e positivos, com a
1, existe um número c tal que:

A esse expoente c damos o nome de logaritmo de N na base a

Ainda com base na definição podemos estabelecer condições


de existência:

Exemplo

Função decrescente
Se temos uma função exponencial decres-
cente em todo o domínio da função. Conse u ncias da Definição
Neste outro gráfico podemos observar que à medida que
x aumenta, diminui. Graficamente observamos que a curva da
função é decrescente.

P ropriedades

Mudança de ase
A Constante de Euler
É definida por :
e exp(1) Exemplo
O número e é um número irracional e positivo e em função Dados log 2 0,3010 e log 3 0,4771, calcule:
da definição da função exponencial, temos que: a)log 6
Ln(e) 1 b) log1,5
Este número é denotado por e em homenagem ao matemáti- c) log 16
co suíço Leonhard Euler (1707-1783), um dos primeiros a estudar Solução
as propriedades desse número. a) Log 6 log 2⋅3 log2 log3 0,3010 0,4771 0,7781
O valor deste número expresso com 10 dígitos decimais, é:
e ,
Se x é um número real, a função exponencial exp(.) pode ser
escrita como a potência de base e com expoente x, isto é:
ex exp(x)

52
MA TE MÁ TICA

unção ogar tmica


Uma função dada por , em que a
constante a é positiva e diferente de 1, denomina-se função lo-
garítmica.

Sabendo que a altura do reservatório mede 12 metros, o nú-


mero de dias necessários para que a fonte encha o reservatório
inicialmente vazio é
(A) 18
(B) 12
(C) 8
(D) 6

E I O écnico udiciário CC Carlos


presta serviço de assistência técnica de computadores em em-
Q U EST Õ ES presas. Ele cobra R 12,00 para ir até o local, mais R 25,00 por
hora de trabalho até resolver o problema (também são cobradas
écnico udiciário Uma locadora as frações de horas trabalhadas). Em um desses serviços, Carlos
de automóveis oferece dois planos de aluguel de carros a seus resolveu o problema e cobrou do cliente R 168,25, o que permite
clientes:
concluir que ele trabalhou nesse serviço
(A) 5 horas e 45 minutos.
Plano A: diária a R 120,00, com quilometragem livre.
(B) 6 horas e 15 minutos.
Plano B: diária a R 90,00, mais R 0,40 por quilômetro
(C) 6 horas e 25 minutos.
rodado.
(D) 5 horas e 25 minutos.
(E) 5 horas e 15 minutos.
Alugando um automóvel, nesta locadora, quantos quilôme-
tros precisam ser rodados para que o valor do aluguel pelo Plano
A seja igual ao valor do aluguel pelo Plano B? écnico udiciário No sistema
(A) 30. de coordenadas cartesianas da figura abaixo, encontram-se repre-
(B) 36. sentados o gráfico da função de segundo grau f, definida por f(x),
(C) 48. e o gráfico da função de primeiro grau g, definida por g(x).
(D) 75.
(E) 84.

écnico udiciário Um vende-


dor recebe um salário mensal composto de um valor fixo de R
1.300,00 e de uma parte variável. A parte variável corresponde a
uma comissão de 6 do valor total de vendas que ele fez durante
o mês. O salário mensal desse vendedor pode ser descrito por
uma expressão algébrica f(x), em função do valor total de vendas
mensal, representado por x.
A expressão algébrica f(x) que pode representar o salário
mensal desse vendedor é
(A) f(x) 0,06x 1.300.
(B) f(x) 0,6x 1.300.
(C) f(x) 0,78x 1.300.
(D) f(x) 6x 1.300.
(E) f(x) 7,8x 1.300.

CON N écnico Industrial DE U m re-


servatório em formato de cilindro é abastecido por uma fonte a
vazão constante e tem a altura de sua coluna d água (em metros), Os valores de x, soluções da equação f(x) g(x), são
em função do tempo (em dias), descrita pelo seguinte gráfico: (A) -0,5 e 2,5.
(B) -0,5 e 3.
(C) -1 e 2.

53
MA TE MÁ TICA

(D) -1 e 2,5. (D)


(E) -1 e 3.

EM gente dministrativo I C A soma


das coordenadas do vértice da parábola da função f(x) x
8x 12 é igual a:
(A) 4
(B) 6
(C) 8 (E)
(D) 10

EM ssistente de aborat rio

I C Substituindo o valor da raiz da função


, na função g(x) x2 - 4x 5, encontramos
como resultado:
(A) 12
(B) 15
(C) 16
(D) 17 E O écnico de Enfermagem do rabalho
nior CE N IO ual o maior valor de na equação lo-
E O écnico de Enfermagem do rabalho g( x) 2log(x 3) para que ela tenha exatamente uma raiz?
nior CE N IO uantos valores reais de x fazem com (A) 0
que a expressão assuma valor numérico (B) 3
igual a 1? (C) 6
(A) 2 (D) 9
(B) 3 (E) 12
(C) 4
(D) 5
(E) 6 I I IN CION rofissional N vel écnico I éc
nico em Eletr nica NC Considerando que log105
I E dministrador I E O gráfico que melhor 0,7, assinale a alternativa que apresenta o valor de log5100.
representa a função 2x , para o domínio em R é: (A) 0,35.
(B) 0,50.
(A) (C) 2,85.
(D) 7,00.
(E) 70,00.

R ESP O ST A S

esposta: D

(B) 90 0,4x 120


0,4x 30
75 m

02. Resposta: A.

6 0,06
Como valor total é x, então 0,06x
(C) E mais a parte fixa de 1300
0,06x 1300

esposta:

2x 36
18

54
MA TE MÁ TICA

esposta: -2x -12


F(x) 12 25x 6
hora de trabalho Substituindo em g(x)
G(6) 6 -4(6) 5 36-24 5 17
168,25 12 25x
25x 156,25 08. Resposta: D.
6,25 horas Para assumir valor 1, o expoente deve ser igual a zero.
1hora---60 minutos 4x-60 0
0,25-----x 4 -4.1.(-60)
15 minutos 16 240
256
Então ele trabalhou 6 horas e 15 minutos

esposta: E
Como a função do segundo grau, tem raízes -2 e 2:
(x-2)(x 2) x -4
A função do primeiro grau, tem o ponto (0, -1) e (2,3)
ax b
-1 b
3 2a-1
2a 4
A 2 A base pode ser igual a 1:
2x-1 -5x 5 1
-5x 4 0
Igualando a função do primeiro grau e a função do segundo 25-16 9
grau:
-4 2x-1
-2x-3 0
4 12 16

A base for -1 desde que o expoente seja par:


-5x 5 -1
-5x 6 0

25-24 1
esposta:C

Vamos substituir esses dois valores no expoente


A soma das coordenadas é igual a 8 2:
4x-60
esposta: D 2 8-60 48
3
3 12-60 -39
Portanto, serão 5 valores.

esposta:
Um gráfico de função exponencial não começa do zero, é
é uma curva.

esposta: E
x (x 3)
x x 6x 9
(6- )x 9 0

55
MA TE MÁ TICA

Para ter uma raiz, 0 ropriedades das rogress es ritméticas


b -4ac - ualquer termo de uma PA, a partir do segundo, é a média
, (6- ) -36 0 aritmética entre o anterior e o posterior.
36-12 -36 0
-12 0
0 ou 12
-A soma de dois termos equidistantes dos extremos é igual à
11. Resposta:C. soma dos extremos.

ermo eral da
Podemos escrever os elementos da PA(a1, a2, a3, ..., an,...) da
seguinte forma:

E NCI Observe que cada termo é obtido adicionando-se ao primeiro


número de razões r igual à posição do termo menos uma unidade.

e u ncias oma dos ermos de uma rogressão ritmética


Sempre que estabelecemos uma ordem para os elementos Considerando a PA finita (6,10, 14, 18, 22, 26, 30, 34).
de um conjunto, de tal forma que cada elemento seja associado a 6 e 34 são extremos, cuja soma é 40
uma posição, temos uma sequência.
O primeiro termo da sequência é indicado por a1,o segundo
por a2, e o n-ésimo por an.

ermo eral de uma e u ncia Numa PA finita, a soma de dois termos equidistantes dos ex-
Algumas sequências podem ser expressas mediante uma lei tremos é igual à soma dos extremos.
de formação. Isso significa que podemos obter um termo qual-
quer da sequência a partir de uma expressão, que relaciona o va- Soma dos T ermos
lor do termo com sua posição. Usando essa propriedade, obtemos a fórmula que permite
Para a posição n(n∈N ), podemos escrever an f(n) calcular a soma dos n primeiros termos de uma progressão arit-
mética.
rogressão ritmética
Denomina-se progressão aritmética(PA) a sequência em que
cada termo, a partir do segundo, é obtido adicionando-se uma
constante r ao termo anterior. Essa constante r chama-se razão
da PA.

Exemplo
A sequência (2,7,12) é uma PA finita de razão 5: Exemplo
Uma progressão aritmética finita possui 39 termos. O último
é igual a 176 e o central e igual a 81. ual é o primeiro termo?
Solução
Como esta sucessão possui 39 termos, sabemos que o termo
central é o a20, que possui 19 termos à sua esquerda e mais 19
Classificação à sua direita. Então temos os seguintes dados para solucionar a
As progressões aritméticas podem ser classificadas de acordo questão:
com o valor da razão r.
r 0, PA decrescente
r 0, PA crescente
r 0 PA constante

56
MA TE MÁ TICA

Sabemos também que a soma de dois termos equidistantes oma dos ermos de uma rogressão eométrica inita
dos extremos de uma P.A. finita é igual à soma dos seus extremos. Seja a PG finita de razão q e de soma dos
Como esta P.A. tem um número ímpar de termos, então o termo termos Sn:
central tem exatamente o valor de metade da soma dos extremos. 1º Caso: q 1
Em notação matemática temos:

2º Caso: q 1

Exemplo
Dada a progressão geométrica (1, 3, 9, 27,..) calcular:
a) A soma dos 6 primeiros termos
b) O valor de n para que a soma dos n primeiros termos
seja 29524
Assim sendo:
O primeiro termo desta sucessão é igual a -14. Solução

rogressão eométrica
Denomina-se progressão geométrica(PG) a sequência em
que se obtém cada termo, a partir do segundo, multiplicando o
anterior por uma constante q, chamada razão da PG.
Exemplo
Dada a sequência: (4, 8, 16)

q 2

Classificação
As classificações geométricas são classificadas assim:
oma dos ermos de uma rogressão eométrica Infinita
- Crescente: uando cada termo é maior que o anterior. Isto
ocorre quando a1 0 e q 1 ou quando a1 0 e 0 q 1. 1º Caso:-1 q 1
- Decrescente: uando cada termo é menor que o anterior.
Isto ocorre quando a1 0 e 0 q 1 ou quando a1 0 e q 1. uando a PG infinita possui soma finita, dizemos que a série
- Alternante: uando cada termo apresenta sinal contrário ao é convergente.
do anterior. Isto ocorre quando q 0. 2º Caso:
- Constante: uando todos os termos são iguais. Isto ocorre A PG infinita não possui soma finita, dizemos que a série é
quando q 1. Uma PG constante é também uma PA de razão r 0. divergente
A PG constante é também chamada de PG estacionaria.
- Singular: uando zero é um dos seus termos. Isto ocorre 3º Caso:
quando a1 0 ou q 0. Também não possui soma finita, portanto divergente

ermo eral da roduto dos termos de uma finita


Pelo exemplo anterior, podemos perceber que cada termo é
obtido multiplicando-se o primeiro por uma potência cuja base é
a razão. Note que o expoente da razão é igual à posição do termo
menos uma unidade. Q U EST Õ ES

E O écnico de Enfermagem do rabalho


nior CE N IO A soma dos n primeiros termos de uma
progressão geométrica é dada por
Portanto, o termo geral é:

57
MA TE MÁ TICA

uanto vale o quarto termo dessa progressão geométrica? O ICI CIEN I IC u iliar de Necropsia
I C Considere a seguinte progressão aritmética: (23, 29,
(A) 1 35, 41, 47, 53, ...)
(B) 3 Desse modo, o 83.º termo dessa sequência é:
(C) 27 (A) 137
(D) 39 (B) 455
(E) 40 (C) 500
(D) 515
écnico udiciário Para que a (E) 680
sequência (4x-1 , x -1, x - 4) forme uma progressão aritmética, x
pode assumir, dentre as possibilidades abaixo, o valor de CE ssistente écnico IE Determine o va-
(A) -0,5. lor do nono termo da seguinte progressão geométrica (1, 2, 4, 8,
(B) 1,5. ...):
(A) 438
(C) 2.
(B) 512
(D) 4.
(C) 256
(E) 6. (D) 128
I E gente Censitário Municipal e upervisor C M gente dministrativo D I Ma-
O valor da expressão ria criou uma conta no Instagram. No mesmo dia, quatro pessoas
começaram a segui-la. Após 1 dia, ela já tinha 21 seguidores e
2(1 - 2 3 - 4 5 - 6 7- ... 2015 - 2016 2017) é: após 2 dias, já eram 38 seguidores. Maria percebeu que, a cada
dia, ela ganhava 17 seguidores. Mantendo-se essa tendência, ela
(A)2014; ultrapassará a barreira de 1.000 seguidores após:
(B) 2016; (A) 57 dias.
(C) 2018; (B) 58 dias.
(D) 2020; (C) 59 dias.
(E) 2022. (D) 60 dias.
(E) 61 dias.
CE écnico r stico M C Considere a
equação do 1º grau: 2(x - 2) 3(x/3 4) . A raiz da equação é o E DE C O IN IN O rocurador Municipal
segundo termo de uma Progressão Aritmética (P.A.). O primeiro Com base na sequência numérica a seguir determine
termo da P.A. corresponde aos 3/4 da raiz da equação. O valor do o sexto termo da sequência:
décimo termo da P.A. é: 196 ;169 ;144 ;121 ; ...
(A) 48 (A) 115.
(B) 36 (B) 100.
(C) 32 (C) 81.
(D) 28 (D) 69.
(E) 24 (E) 49.

E gente de iscalização egulação de rans R ESP O ST A S


porte CC Em um experimento, uma planta recebe a cada
dia 5 gotas a mais de água do que havia recebido no dia anterior. esposta:
Se no 65 dia ela recebeu 374 gotas de água, no 1 dia do experi-
mento ela recebeu
(A) 64 gotas.
(B) 49 gotas.
(C) 59 gotas.
(D) 44 gotas. Como S3 é a soma dos 3 primeiros e S4 é a soma dos 4 primei-
(E) 54 gotas. ros termos, se subtrairmos um do outro, obteremos o 4º termo.

E gente de iscalização egulação de rans esposta:


porte CC Mantido o mesmo padrão na sequência infini- Para ser uma PA:
ta 5, 6, 7, 8, 9 , 7, 8, 9, 10, 1 1 , 9, 10, 11, 12, 1 3 , 11, 12, 13, 14, 15, . -1-(4x-1) x-4-(x -1)
. . , a soma do 19 e do 31 termos é igual a -1-4x 1 x-4-x 1
(A) 42. x -4x-x-3 0
(B) 31. 2x -5x-3 0
(C) 33. 25-24 1
(D) 39.
(E) 36.

58
MA TE MÁ TICA

25º termo é o 17
30º termo é 19
Como o número seguinte a esses, abaixa duas unidades
esposta: C O 31º termo é o 17.
Os termos ímpares formam uma PA de razão 2 e são os nú- 14 17 31
meros ímpares.
Os termos pares formam uma PA de razão -2 esposta: D
Vamos descobrir quantos termos há: Observe a razão: 29-23 6
A83 a1 82r
2017 1 (n-1)⋅2 A83 23 82⋅6
2017 1 2n-2 A83 23 492
2017 -1 2n A83 515
2n 2018
n 1009 esposta: C
2

Para a sequência par:


-2016 -2 (n-1)⋅(-2) esposta: C
-2016 -2-2n 2 1000 21 17(n-1)
2n 2016 1000 21 17n-17
N 1008 1004 17n
N 59

esposta: C
A sequência tem como base os quadrados perfeitos
1018081-1017072 1009 14, 13, 12, 11, 10, 9
2⋅1009 2018 Portanto o 6º termo é o 9 81

esposta:
Raiz da equação:
2x-4 x 12 EOME I N N O : DE INI O, C I I
16 é 0 segundo termo da PA C O, NID DE E O E E , EI E DE E
Primeiro termo: CO D O N E I , EO EM DE E E
IC E EOME I E CI : E E NO
NO E O E I MO E E ENDIC I MO ,
PA O IED O E E , I MIDE , I M , CI IN
(12,16,...) D O, CONE E E E E EMEN O E E E
R 16-12 4

48 ngulos

esposta: E Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas


semirretas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de
lados do ângulo e a origem delas, de vértice do ângulo.

A1 374-320
A1 54

esposta:
Observe os números em negrito:
9, 11, 13, 15,...
São os números ímpares, a partir do 9 e a cada 5 números.
Ou seja, o 9 está na posição 5
O 11 está na posição 10 e assim por diante.
O 19º termo, já temos na sequência que é o 14
Seguindo os termos:

59
MA TE MÁ TICA

ngulo gudo: É o ângulo, cuja medida é menor do que 90º.

A bissetriz de um ngulo interno de um triângulo intercepta


o lado oposto

issetriz interna de um triângulo é o segmento da bissetriz


de um ângulo do triângulo que liga um vértice a um ponto do lado
oposto.
ngulo Obtuso: É o ângulo cuja medida é maior do que Na figura, é uma bissetriz interna do .
90º. Um triângulo tem três bissetrizes internas.

ngulo aso:

- É o ângulo cuja medida é 180º; A ltura de um triângulo é o segmento que liga um vértice a
- É aquele, cujos lados são semi-retas opostas. um ponto da reta suporte do lado oposto e é perpendicular a esse
lado.

Na figura, é uma altura do .

Um triângulo tem três alturas.

ngulo eto:

- É o ângulo cuja medida é 90º;


- É aquele cujos lados se apoiam em retas perpendiculares.

Mediatriz de um segmento de reta é a reta perpendicular a


esse segmento pelo seu ponto médio.

Na figura, a reta m é a mediatriz de .

ri ngulo

Elementos

Mediana
M ediana de um triângulo é um segmento de reta que liga um
vértice ao ponto médio do lado oposto.
Na figura, é uma mediana do ABC.
Um triângulo tem três medianas.

60
MA TE MÁ TICA

M ediatriz de um triângulo é uma reta do plano do triângulo uanto aos ângulos


que é mediatriz de um dos lados desse triângulo.
Na figura, a reta m é a mediatriz do lado do . Triângulo acutângulo:tem os três ângulos agudos
Um triângulo tem três mediatrizes.

Triângulo retângulo:tem um ângulo reto


Classificação

uanto aos lados

Triângulo escaleno:três lados desiguais.

Triângulo obtusângulo: tem um ângulo obtuso

Triângulo isósceles: Pelo menos dois lados iguais.

Desigualdade entre ados e ngulos dos tri ngulos


Num triângulo o comprimento de qualquer lado é menor que
a soma dos outros dois. Em qualquer triângulo, ao maior ângulo
opõe-se o maior lado, e vice-versa.

Q U A D R I L Á T ER O S
uadrilátero é todo polígono com as seguintes propriedades:
Triângulo equilátero: três lados iguais.
- Tem 4 lados.
- Tem 2 diagonais.
- A soma dos ângulos internos Si 360º
- A soma dos ângulos externos Se 360º

T rapé z io: É todo quadrilátero tem dois paralelos.

- é paralelo a

61
MA TE MÁ TICA

- Losango: 4 lados congruentes


- Retângulo: 4 ângulos retos (90 graus)
- uadrado: 4 lados congruentes e 4 ângulos retos.

- Observações:

- No retângulo e no quadrado as diagonais são congruentes Número de Diagonais


(iguais)
- No losango e no quadrado as diagonais são perpendiculares
entre si (formam ângulo de 90 ) e são bissetrizes dos ângulos in-
ternos (dividem os ângulos ao meio).

Á reas

1- Trapézio: , onde é a medida da base maior,


b é a medida da base menor e h é medida da altura.
2- Paralelogramo: A b.h, onde b é a medida da base e h é
a medida da altura.
3- Retângulo: A b.h

4- Losango: , onde D é a medida da diagonal maior Ângulos Internos


e d é a medida da diagonal menor. A soma das medidas dos ângulos internos de um polígono
5- uadrado: A l2, onde l é a medida do lado. convexo de n lados é (n-2).180
Unindo um dos vértices aos outros n-3, convenientemente
ol gono escolhidos, obteremos n-2 triângulos. A soma das medidas dos
Chama-se polígono a união de segmentos que são chamados ângulos internos do polígono é igual à soma das medidas dos ân-
lados do polígono, enquanto os pontos são chamados vértices do gulos internos dos n-2 triângulos.
polígono.

Ângulos Externos

Diagonal de um polígono é um segmento cujas extremidades


são vértices não-consecutivos desse polígono.

A soma dos ângulos externos 360

62
MA TE MÁ TICA

T eorema de T ales
Se um feixe de retas paralelas tem duas transversais, então a ra-
zão de dois segmentos quaisquer de uma transversal é igual à razão
dos segmentos correspondentes da outra.
Dada a figura anterior, O Teorema de Tales afirma que são
válidas as seguintes proporções:

Exemplo
3º Caso: LLL(lado-lado-lado)
Se dois triângulos têm os três lado correspondentes proporcio-
nais, então esses dois triângulos são semelhantes.

emelhança de ri ngulos
Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, os seus
ângulos internos tiverem, respectivamente, as mesmas medidas, az es rigonométricas no ri ngulo et ngulo
e os lados correspondentes forem proporcionais.
Considerando o triângulo retângulo ABC.
Casos de Semelhanç a
1º Caso:AA(ângulo-ângulo)
Se dois triângulos têm dois ângulos congruentes de vértices cor-
respondentes, então esses triângulos são congruentes.

Temos:
2º Caso: LAL(lado-ângulo-lado)
Se dois triângulos têm dois lados correspondentes proporcio-
nais e os ângulos compreendidos entre eles congruentes, então
esses dois triângulos são semelhantes.

63
MA TE MÁ TICA

a: hipotenusa
b e c: catetos
h:altura relativa à hipotenusa
m e n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa

elaç es Métricas no ri ngulo et ngulo


Chamamos relações métricas as relações existentes entre os
diversos segmentos desse triângulo. Assim:

1. O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipote-


nusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa.

rmulas rigonométricas

R elaç ão F undamental 2. O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenusa


Existe uma outra importante relação entre seno e cosseno de pela altura relativa à hipotenusa.
um ângulo. Considere o triângulo retângulo ABC.

3. O quadrado da altura é igual ao produto das projeções


dos catetos sobre a hipotenusa.

4. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados


dos catetos (Teorema de Pitágoras).

Neste triângulo, temos que: c a b


Dividindo os membros por c osiç es elativas de Duas etas
Duas retas no espaço podem pertencer a um mesmo plano.
Nesse caso são chamadas retas coplanares. Podem também não
estar no mesmo plano. Nesse caso, são denominadas retas re-
versas.

R etas Coplanares
a) Concorrentes: r e s têm um único ponto comum
Como

Todo triângulo que tem um ângulo reto é denominado trian-


gulo retângulo.
O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são: -Duas retas concorrentes podem ser:

1. Perpendiculares: r e s formam ângulo reto.

2. Oblíquas:r e s não são perpendiculares.

64
MATEMÁTICA

écnico udiciário Considere


um triângulo retângulo de catetos medindo 3m e 5m. Um segun-
do triângulo retângulo, semelhante ao primeiro, cuja área é o
dobro da área do primeiro, terá como medidas dos catetos, em
metros:
(A) 3 e 10.
(B) 3 2 e 5 2 .
(C) 3 2 e 10 2 .
(D) 5 e 6.
b) Paralelas: r e s não têm ponto comum ou r e s são coin- (E) 6 e 10.
cidentes.
écnico udiciário Na figura
abaixo, encontra-se representada uma cinta esticada passando
em torno de três discos de mesmo diâmetro e tangentes entre si.

Considerando que o diâmetro de cada disco é 8, o compri-


mento da cinta acima representada é
(A) 8/3 8.
Q U EST Õ ES (B) 8/3 24.
(C) 8 8.
I E nalista de rocessos revidenciários (D) 8 24.
NE Um terreno retangular ABCD, com 40 m de largura (E) 16 24.
por 60 m de comprimento, foi dividido em três lotes, conforme
mostra a figura. 04. écnico udiciário Na figura
abaixo, ABCD é um quadrado de lado 10; E, F, G e são pontos
médios dos lados do quadrado ABCD e são os centros de quatro
círculos tangentes entre si.

Sabendo-se que EF 36 m e que a área do lote 1 é 864 m , o


perímetro do lote 2 é

(A) 100 m. A área da região sombreada, da figura acima apresentada, é


(B) 108 m. (A) 100 - 5 .
(C) 112 m. (B) 100 - 10 .
(D) 116 m. (C) 100 - 15 .
(E) 120 m. (D) 100 - 20 .
(E) 100 - 25 .

65
MATEMÁTICA

05. écnico udiciário No cubo de Sabendo-se que a razão entre as medidas dos lados corres-
aresta 10, da figura abaixo, encontra-se representado um plano pondentes do retângulo ABCD e da região R é igual a 5/2 , é cor-
passando pelos vértices B e C e pelos pontos P e , pontos mé- reto afirmar que as medidas, em centímetros, dos lados da região
dios, respectivamente, das arestas EF e G, gerando o quadrilá- R, indicadas por x e na figura, são, respectivamente,
tero BC P.
(A) 80 e 64.
(B) 80 e 62.
(C) 62 e 80.
(D) 60 e 80.
(E) 60 e 78.

08. C M DE M Escriturário NE O
piso de um salão retangular, de 6 m de comprimento, foi total-
mente coberto por 108 placas quadradas de porcelanato, todas
inteiras. Sabe-se que quatro placas desse porcelanato cobrem
exatamente 1 m2 de piso. Nessas condições, é correto afirmar
A área do quadrilátero BC P, da figura acima, é que o perímetro desse piso é, em metros, igual a
(A) 20.
(A) 25 5. (B) 21.
(B) 50 2. (C) 24.
(C) 50 5. (D) 27.
(D) 100 2 . (E) 30.
(E) 100 5.
I E gente Censitário Municipal e upervisor
gente de egurança enitenciária M CON O proprietário de um terreno retangular resolveu cer-
C O O triângulo retângulo em B, a seguir, de vértices A, cá-lo e, para isso, comprou 26 estacas de madeira. Colocou uma
B e C, representa uma praça de uma cidade. ual é a área dessa estaca em cada um dos quatro cantos do terreno e as demais
praça? igualmente espaçadas, de 3 em 3 metros, ao longo dos quatro
lados do terreno.
O número de estacas em cada um dos lados maiores do terre-
no, incluindo os dois dos cantos, é o dobro do número de estacas
em cada um dos lados menores, também incluindo os dois dos
cantos.
A área do terreno em metros quadrados é:
(A) 240;
(B) 256;
(A) 120 m (C) 324;
(B) 90 m (D) 330;
(C) 60 m (E) 372.
(D) 30 m
Escrevente écnico udiciário NE A
07. C M DE M Escriturário NE A fi- figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros, mos-
gura, com dimensões indicadas em centímetros, mostra um painel tra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos retângu-
informativo ABCD, de formato retangular, no qual se destaca a região los, situadas em uma praça e destinadas a atividades de recreação
retangular R, onde x . infantil para faixas etárias distintas.

Se a área de R1 é 54 m , então o perímetro de R2 é, em me-


tros, igual a

66
MATEMÁTICA

(A) 54.
(B) 48.
(C) 36.
(D) 40.
(E) 42.

11. gente de egurança enitenciária M CON 96h 1728


C O 18

Como I é um triângulo:
Seja a expressão definida em 0 x 60-36 24
/2 . Ao simplificá-la, obteremos: 24 18
576 324
(A) 1 900
(B) sen x 30
(C) cos x Como h 18 e AD é 40, EG 22
(D) 0
Perímetro lote 2: 40 22 24 30 116
12. gente de egurança enitenciária M CON
C O Fábio precisa comprar arame para cercar um esposta:
terreno no formato a seguir, retângulo em B e C. Consideran-
do que ele dará duas voltas com o arame no terreno e que não
terá perdas, quantos metros ele irá gastar? (considere 3 1,7;
sen30º 0,5; cos30º 0,85; tg30º 0,57).

(A) 64,2 m
(B) 46,2 m
(C) 92,4 m
(D) 128,4 m
Lado 3 2
R espostas Outro lado 5 2

esposta: D
01. Resposta: D.
Observe o triângulo do meio, cada lado é exatamente a mes-
ma medida da parte reta da cinta.
ue é igual a 2 raios, ou um diâmetro, portanto o lado esti-
cado tem 8x3 24 m
A parte do círculo é igual a 120 , pois é 1/3 do círculo, como
são três partes, é a mesma medida de um círculo.
O comprimento do círculo é dado por: 2 r 8
Portanto, a cinta tem 8 24

67
MA TE MÁ TICA

esposta: E 64

Como o quadrado tem lado 10,a área é 100.

5x 400
80

esposta:
108/4 27m
6x 27
27/6

O perímetro seria

O ladao AF e AE medem 5, cada um, pois F e E é o ponto esposta: C


Médio Número de estacas: x
5 5 x 2x 2x-4 26 obs: -4 é porque estamos contando duas
25 25 vezes o canto
50 6x 30
5 2 5
é o diâmetro do círculo, como temos 4 semi círculos, temos Temos 5 estacas no lado menor, como são espaçadas a cada
2 círculos inteiros. 3m
4 espaços de 3m 12m
A área de um círculo é Lado maior 10 estacas
9 espaços de 3 metros 27m
A 12⋅27 324 m

esposta:

A sombreada 100-25

esposta: C
C é hipotenusa do triângulo G C.
01. C 10 5 9x 108
C 100 25 12
C 125
C 5 5 Para encontrar o perímetro do triângulo R2:
A área do quadrilátero seria C ⋅BC
A 5 5⋅10 50 5

esposta: C
Para saber a área, primeiro precisamos descobrir o x.

17 x 8
289 x 64
225
15

esposta: 16 12
256 144 400
20

5 320 Perímetro: 16 12 20 48

68
MA TE MÁ TICA

esposta: C

1-cos x sen x

esposta: D
Á rea
Área da base: Sb r

Volume

6 Cones
Na figura, temos um plano , um círculo contido em , um
ponto V que não pertence ao plano.
A figura geométrica formada pela reunião de todos os seg-
mentos de reta que tem uma extremidade no ponto V e a outra
num ponto do círculo denomina-se cone circular.

10,2
2 voltas 2(12 18 10,2 6 18) 128,4m

Cilindros
Considere dois planos, e , paralelos, um círculo de centro
O contido num deles, e uma reta s concorrente com os dois.
Chamamos cilindro o sólido determinado pela reunião de to-
dos os segmentos paralelos a s, com extremidades no círculo e no
outro plano.
Classificação
-Reto:eixo VO perpendicular à base;
Pode ser obtido pela rotação de um triângulo retângulo em
torno de um de seus catetos. Por isso o cone reto é também cha-
mado de cone de revolução.
uando a geratriz de um cone reto é 2R, esse cone é denomi-
nado cone equilátero.

Classificação
Reto: Um cilindro se diz reto ou de revolução quando as gera-
trizes são perpendiculares às bases.
uando a altura é igual a 2R(raio da base) o cilindro é equi-
látero.
Oblíquo: faces laterais oblíquas ao plano da base.

69
MATEMÁTICA

Chamamos prisma o sólido determinado pela reunião de to-


dos os segmentos paralelos a r, com extremidades no polígono R
e no plano .
-Oblíquo: eixo não é perpendicular

Á rea
Área lateral:
Área da base:
Área total:

Volume

Assim, um prisma é um poliedro com duas faces congruentes


e paralelas cujas outras faces são paralelogramos obtidos ligando-
P irâ mides -se os vértices correspondentes das duas faces paralelas.
As pirâmides são também classificadas quanto ao número de
lados da base. Classificação

Reto: uando as arestas laterais são perpendiculares às bases


Oblíquo: quando as faces laterais são oblíquas à base.

Á rea e Volume
Área lateral:
Onde n quantidade de lados

P rismas Classificação pelo pol gono da base


Considere dois planos e paralelos, um polígono R contido
em e uma reta r concorrente aos dois.

-Triangular

70
MA TE MÁ TICA

- uadrangular Volume
Paralelepípedo:V a.b.c
Cubo:V a
Demais:

Q U EST Õ ES

01. écnico udiciário Um cilindro


reto de altura h tem volume V. Para que um cone reto com base
igual a desse cilindro tenha volume V, sua altura deve ser igual a
(A) 1/3h.
(B) 1/2h.
(C) 2/3h.
(D) 2h.
(E) 3h.
E assim por diante...
gente de egurança enitenciária M CON
aralelep pedos C O ual é o volume de uma lata de óleo perfeitamen-
Os prismas cujas bases são paralelogramos denominam-se te cilíndrica, cujo diâmetro é 8 cm e a altura é 20 cm? (use 3)
paralelepípedos. (A) 3,84 l
(B) 96 ml
(C) 384 ml
(D) 960 ml

03. C M DE M Escriturário NE
Inicialmente, um reservatório com formato de paralelepípedo
reto retângulo deveria ter as medidas indicadas na figura.

Cubo é todo paralelepípedo retângulo com seis faces quadra-


das.

Em uma revisão do projeto, foi necessário aumentar em 1 m


a medida da largura, indicada por x na figura, mantendo-se inal-
teradas as demais medidas. Desse modo, o volume inicialmente
previsto para esse reservatório foi aumentado em
risma egular (A) 1 m .
Se o prisma for reto e as bases forem polígonos regulares, o (B) 3 m .
prisma é dito regular. (C) 4 m .
As faces laterais são retângulos congruentes e as bases são (D) 5 m .
congruentes (triângulo equilátero, hexágono regular,...) (E) 6 m .

Á rea 04. C M DE M Escriturário NE


Área cubo: A figura mostra cubinhos de madeira, todos de mesmo volume,
Área paralelepípedo: posicionados em uma caixa com a forma de paralelepípedo reto
A área de um prisma: retângulo.
Onde: St área total
Sb área da base
Sl área lateral, soma-se todas as áreas das faces laterais.

71
MA TE MÁ TICA

M E O ecretário u iliar M E O U m re-


cipiente na forma de um prisma reto de base quadrada, com di-
mensões internas de 10 cm de aresta da base e 25 cm de altura,
está com 20 de seu volume total preenchido com água, confor-
me mostra a figura. (Figura fora de escala)

Se cada cubinho tem aresta igual a 5 cm, então o volume in-


terno dessa caixa é, em cm , igual a
(A) 3000.
(B) 4500.
(C) 6000. Para completar o volume total desse recipiente, serão despe-
(D) 7500. jados dentro dele vários copos de água, com 200 mL cada um. O
(E) 9000. número de copos totalmente cheios necessários para completar
o volume total do prisma será:
M E O Oficial de romotoria M E O Fre- (A) 8 copos
derico comprou um aquário em formato de paralelepípedo, con- (B) 9 copos
tendo as seguintes dimensões: (C) 10 copos
(D) 12 copos
(E) 15 copos

CE O nalista de estão C figura


a seguir representa um cubo de aresta a.

Estando o referido aquário completamente cheio, a sua capa-


cidade em litros é de:
(A) 0,06 litros.
(B) 0,6 litros.
(C) 6 litros.
(D) 0,08 litros.
(E) 0,8 litros. Considerando a pirâmide de base triangular cujos vértices
são os pontos B, C, D e G do cubo, o seu volume é dado por
Escrevente écnico udiciário NE (A) a /6
As figuras seguintes mostram os blocos de madeira A, B e C, sendo (B) a /3
A e B de formato cúbico e C com formato de paralelepípedo reto (C) a /3 3
retângulo, cujos respectivos volumes, em cm , são representados (D) a /6 6
por VA, VB e VC.
C IO u iliar dministrativo NE De um
reservatório com formato de paralelepípedo reto retângulo, to-
talmente cheio, foram retirados 3 m de água. Após a retirada, o
nível da água restante no reservatório ficou com altura igual a 1
m, conforme mostra a figura.

Se VA VB 1/2 VC , então a medida da altura do bloco C,


indicada por h na figura, é, em centímetros, igual a
(A) 15,5.
(B) 11.
(C) 12,5.
(D) 14.
(E) 16

72
MA TE MÁ TICA

Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura total


do reservatório, indicada por h na figura, é, em metros, igual a
(A) 1,8.
(B) 1,75. 180h 2250
(C) 1,7. 12,5
(D) 1,65.
(E) 1,6. esposta: C
V 10⋅10⋅25 2500 cm
E DE I EM C écnico Contábil M CONC 2500⋅0,2 500cm preenchidos.
O O volume de um cone circular reto, cuja altura é 39 Para terminar de completar o volume:
cm, é 30 maior do que o volume de um cilindro circular reto. 2500-500 2000 cm
Sabendo que o raio da base do cone é o triplo do raio da base do 2000/200 10 copos
cilindro, a altura do cilindro é:
(A) 9 cm esposta:
(B) 30 cm A base é um triângulo de base a e altura a
(C) 60 cm
(D) 90 cm

Respostas

01. Resposta:

Volume cilindro rh

esposta: E
V 2,5⋅2⋅1 5m
Para que seja igual a V, a altura tem que ser igual a 3h Como foi retirado 3m
5 3 2,5⋅2⋅h
8 5h
1,6m

esposta: D esposta: D
V rh Cone
V 3⋅4 ⋅20 960 cm 960 ml

esposta:E
V 2⋅3⋅x 6x
Aumentando 1 na largura
V 2⋅3⋅(x 1) 6x 6 Cilindro
Portanto, o volume aumentou em 6. V Ab⋅h
V rh
esposta:E Como o volume do cone é 30 maior:
São 6 cubos no comprimento: 6⋅5 30 117 r 1,3 r h
São 4 cubos na largura: 4⋅5 20 117/1,3 90
3 cubos na altura: 3⋅5 15
V 30⋅20⋅15 9000

esposta: C
V 20⋅15⋅20 6000cm 6000ml 6 litros

esposta:C
VA 125cm

VB 1000cm

73
MA TE MÁ TICA

O ONO : E EMEN O EC I IC O, DI O 8 Octógono


N I , OM DO N O E E NO E IN E NO , 9 Eneágono
E DO DO D I E O E I N O , CON
10 Decágono
NCI E EME N , E E M IC DO
I N O E : O ONO E E 11 Undecágono
12 Dodecágono
POL GONOS
15 Pentadecágono
Um polígono é uma figura geométrica fechada, simples, for- 20 Icoságono
mada por segmentos consecutivos e não colineares.
rmulas: na relação de fórmulas abaixo temos a letra n que
Elementos de um pol gono representa o números de lados ou de ângulos ou de vértices de
um polígonos, pois um polígono de 5 lados tem também e vérti-
ces e 5 ângulos.

1- Diagonais de um vértice: dv n .

2- Total de diagonais: .

3- Soma dos ângulos internos: Si n .

4- Soma dos ângulos externos: para qualquer polígono o


valor da soma dos ângulos externos é uma constante, isto é, Se
.

ol gonos egulares: um polígono é chamado de regular


quando tem todos os lados congruentes (iguais) e todos os ângu-
Um polígono possui os seguintes elementos: los congruentes. Exemplo: o quadrado tem os 4 lados iguais e os
4 ângulos de 90 , por isso é um polígono regular. E para polígonos
- Lados: cada um dos segmentos de reta que une vértices regulares temos as seguintes fórmulas, além das quatro acima:
consecutivos: .
1- ngulo interno: ou .
- Vértices: ponto de intersecção de dois lados consecutivos:
A, B, C, D e E.
2- ngulo e terno: .
- Diagonais: Segmentos que unem dois vértices não consecu-
tivos: e .

- Ângulos internos: ângulos formados por dois lados consecu- Q uestõ es


tivos (assinalados em azul na figura): , , , , .
1. A soma dos ângulos internos de um heptágono é:
- Ângulos externos: ângulos formados por um lado e pelo a) 360
prolongamento do lado a ele consecutivo (assinalados em verme- b) 540
lho na figura): , , , , . c) 1400
Classificação: os polígonos são classificados de acordo com o d) 900
número de lados, conforme a tabela abaixo. e) 180

2. ual é o número de diagonais de um icoságono?


N de lados N ome a) 20
3 Triângulo b) 70
c) 160
4 uadrilátero d) 170
5 Pentágono e) 200
6 exágono
7 eptágono

74
MATEMÁTICA

3. O valor de x na figura abaixo é:

d 170
a) 80 3) lternativa a
b) 90 Solução:
c) 100
d) 70 A soma dos ângulos internos do pentágono é:
e) 50

4. Um joalheiro recebe uma encomenda para uma joia poli-


gonal. O comprador exige que o número de diagonais seja igual
ao número de lados. Sendo assim, o joalheiro deve produzir uma
joia:
a) Triangular
b) uadrangular
c) Pentagonal
d) exagonal
e) Decagonal

5. Num polígono convexo, a soma dos ângulos internos é cin-


co vezes a soma dos ângulos externos. O número de lados e dia-
gonais desse polígono, respectivamente, são:
a) 54 e 12
b) 18 e 60
c) 12 e 54
d) 60 e 18
e) 15 e 30 4) lternativa c
Solução:
6. Cada um dos ângulos externos de um polígono regular Sendo d o números de diagonais e n o número de lados, de-
mede 15 . uantos lados tem esse polígono? vemos ter:
a) 20
b) 24 d n
c) 26
d) 30 (passando o 2 multiplicando)
e) 32

R esoluç õ es
(n 3).n 2n
1) lternativa d
n 3 2
Solução: n 2 3
n 5 ➜ pentagonal
eptágono (7 lados) ➜ n 7
Si (n 2).180 5) lternativa c
Si (7 2).180 Solução:
Si 5.180 900 Do enunciado, temos:
2) lternativa d Si 5.Se
Solução: (n 2).180º 5.360
(n 2).180 1800
Icoságono (20 lados) ➜ n 20
n 2

75
MA TE MÁ TICA

F atorial
n 2 10
n 10 2 12 lados É comum nos problemas de contagem, calcularmos o produ-
to de uma multiplicação cujos fatores são números naturais con-
secutivos. Para facilitar adotamos o fatorial.

rranjo imples
Denomina-se arranjo simples dos n elementos de E, p a p,
toda sequência de p elementos distintos de E.
d 9.6 54 diagonais
Ex emplo
6) lternativa b Usando somente algarismos 5, 6 e 7. uantos números de 2
Solução: temos que ae 15 algarismos distintos podemos formar?

15n 360
n 360 : 15
n 24 lados

E : N I E COM IN I

Observe que os números obtidos diferem entre si:


Pela ordem dos elementos: 56 e 65
nálise Combinat ria Pelos elementos componentes: 56 e 67
A Análise Combinatória é a área da Matemática que trata dos Cada número assim obtido é denominado arranjo simples
problemas de contagem. dos 3 elementos tomados 2 a 2.

rinc pio undamental da Contagem Indica-se


Estabelece o número de maneiras distintas de ocorrência de
um evento composto de duas ou mais etapas.
Se uma decisão E1 pode ser tomada de n1 modos e, a decisão
E 2 pode ser tomada de n2 modos, então o número de maneiras de
se tomarem as decisões E1 e E 2 é n1.n2.
Exemplo P ermutaç ão Simples
Chama-se permutação simples dos n elementos, qualquer
agrupamento(sequência) de n elementos distintos de E.
O número de permutações simples de n elementos é indica-
do por Pn.

Exemplo
uantos anagramas tem a palavra C UVEIRO?
Solução
O número de maneiras diferentes de se vestir é:2(calças). A palavra tem 8 letras, portanto:
3(blusas) 6 maneiras

76
MA TE MÁ TICA

ermutação com elementos repetidos ri ngulo de ascal


De modo geral, o número de permutações de n objetos, dos
quais n1 são iguais a A, n2 são iguais a B, n3 são iguais a C etc.

Exemplo
uantos anagramas tem a palavra PARALELEP PEDO?
Solução
Se todos as letras fossem distintas, teríamos 14! Permuta-
ções. Como temos uma letra repetida, esse número será menor.
Temos 3P, 2A, 2L e 3 E

Combinação imples
Dado o conjunto a1, a2, ..., an com n objetos distintos, po-
demos formar subconjuntos com p elementos. Cada subconjunto
com i elementos é chamado combinação simples.

Exemplo in mio de Ne ton


Calcule o número de comissões compostas de 3 alunos que Denomina-se binômio de Newton todo binômio da forma
podemos formar a partir de um grupo de 5 alunos. , com n∈N. Vamos desenvolver alguns binômios:
Solução

N meros inomiais
O número de combinações de n elementos, tomados p a p,
também é representado pelo número binomial .

Observe que os coeficientes dos termos formam o triângulo


de Pascal.

inomiais Complementares
Dois binomiais de mesmo numerador em que a soma dos de-
nominadores é igual ao numerador são iguais:

Q uestõ es
elação de tifel
E ssistente em dministração E U ma
determinada família é composta por pai, por mãe e por seis filhos.
Eles possuem um automóvel de oito lugares, sendo que dois luga-
res estão em dois bancos dianteiros, um do motorista e o outro do
carona, e os demais lugares em dois bancos traseiros. Eles viaja-
rão no automóvel, e o pai e a mãe necessariamente ocuparão um
dos dois bancos dianteiros. O número de maneiras de dispor os
membros da família nos lugares do automóvel é igual a:

(A) 1440
(B) 1480
(C) 1520
(D) 1560

77
MA TE MÁ TICA

(E) 1600 (B) 1200.


(C) 1600.
écnico udiciário Tomando os (D) 1500.
algarismos 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7, quantos números pares de 4 algaris- (E) 625.
mos distintos podem ser formados?
CE O nalista de estão C O
(A) 120. Uma empresa de limpeza conta com dez faxineiras em seu qua-
(B) 210. dro. Para atender três eventos em dias diferentes, a empresa deve
(C) 360. formar três equipes distintas, com seis faxineiras em cada uma
(D) 630. delas. De quantas maneiras a empresa pode montar essas equi-
(E) 840. pes?
I E dministrador I E Seis livros diferen- (A) 210
tes estão distribuídos em uma estante de vidro, conforme a figura (B) 630
abaixo: (C) 15.120
(D) 9.129.120

E écnico em dministração ENE I E


No carro de João, tem vaga apenas para 3 dos seus 8 cole-
gas. De quantas formas diferentes, João pode escolher os colegas
aos quais dá carona?
(A) 56
(B) 84
Considerando-se essa mesma forma de distribuição, de quan- (C) 126
tas maneiras distintas esses livros podem ser organizados na es- (D) 210
tante? (E) 120
(A) 30 maneiras
(B) 60 maneiras E écnico em dministração ENE I E
(C) 120 maneiras Num grupo de 15 homens e 9 mulheres, quantos são os
(D) 360 maneiras modos diferentes de formar uma comissão composta por 2 ho-
(E) 720 maneiras mens e 3 mulheres?
(A) 4725
écnico de ecnologia da Informação (B) 12600
Em um carro que possui 5 assentos, irão viajar 4 passa- (C) 3780
geiros e 1 motorista. Assinale a alternativa que indica de quantas (D) 13600
maneiras distintas os 4 passageiros podem ocupar os assentos do (E) 8820
carro.
(A) 13. E O Enfermeiro N IO Um torneio de
(B) 26. futebol de várzea reunirá 50 equipes e cada equipe jogará apenas
(C) 17. uma vez com cada uma das outras. Esse torneio terá a seguinte
(D) 20. quantidade de jogos:
(E) 24. (A) 320.
(B) 460.
écnico de ecnologia da Informação (C) 620.
A senha criada para acessar um site da internet é for- (D) 1.225.
mada por 5 dígitos. Trata-se de uma senha alfanumérica. André (E) 2.450.
tem algumas informações sobre os números e letras que a com-
põem conforme a figura. I Engenheiro de egurança do rabalho NI
E Considerando-se que uma sala de aula tenha trinta
alunos, incluindo Roberto e Tatiana, e que a comissão para orga-
nizar a festa de formatura deva ser composta por cinco desses
alunos, incluindo Roberto e Tatiana, a quantidade de maneiras
distintas de se formar essa comissão será igual a:
(A) 3.272.
(B) 3.274.
Sabendo que nesta senha as vogais não se repetem e tam- (C) 3.276.
bém não se repetem os números ímpares, assinale a alternativa (D) 3.278.
que indica o número máximo de possibilidades que existem para (E) 3.280.
a composição da senha.
(A) 3125.

78
MA TE MÁ TICA

R espostas

Resposta: A.
P2⋅P6 2!⋅6! 2⋅720 1440
E perimento leat rio
esposta: C
_ _ _ _ _ _ _ _ _ ualquer experiência ou ensaio cujo resultado é imprevisí-
6⋅ 5⋅ 4⋅ 3 360 vel, por depender exclusivamente do acaso, por exemplo, o lança-
mento de um dado.
esposta: E
P6 6! 6⋅5⋅4⋅3⋅2⋅1 720 Espaç o A mostral
esposta: E Num experimento aleatório, o conjunto de todos os resulta-
P4 4! 4⋅3⋅2⋅1 24 dos possíveis é chamado espaço amostral, que se indica por E.
No lançamento de um dado, observando a face voltada para
esposta: cima, tem-se:
Vogais: a, e, i, o, u E 1,2,3,4,5,6
Números ímpares: 1,3,5,7,9 No lançamento de uma moeda, observando a face voltada
para cima:
E Ca,Co

Evento
É qualquer subconjunto de um espaço amostral.
5⋅5⋅4⋅4⋅3 1200 No lançamento de um dado, vimos que
E 1,2,3,4,5,6
esposta: D Esperando ocorrer o número 5, tem-se o evento 5 : Ocorrer
um número par, tem-se 2,4,6 .

Exemplo
Como para os três dias têm que ser diferentes: Considere o seguinte experimento: registrar as faces voltadas
_ _ _ _ _ _ para cima em três lançamentos de uma moeda.
210⋅209⋅208 9129120
a) uantos elementos tem o espaço amostral?
esposta: b) Descreva o espaço amostral.

Solução
a) O espaço amostral tem 8 elementos, pois cada lançamen-
to, há duas possibilidades.
esposta: E
2x2x2 8
b) E (C,C,C), (C,C,R),(C,R,C),(R,C,C),(R,R,C),(R,C,R),(-
C,R,R),(R,R,R)

esposta: D

Resposta: D.

Roberto Tatiana

São 30 alunos, mas vamos tirar Roberto e Tatiana que terão


que fazer parte da comissão.
30-2 28

79
MA TE MÁ TICA

NO O _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

80
A TU A L IDA DE S E
CO N V IV Ê N CIA SO CIE TÁ RIA
Evolução histórica, geográfica, econômica, política e cultural do município de Juazeiro do Norte. Acontecimentos e fatos relevantes e atuais
do contexto internacional, nacional, estadual e do município de Juazeiro do Norte. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Diversidade cultural, conflitos e vida em sociedade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Formas de organização social, movimentos sociais, pensamento político e ação do Estado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
Os domínios naturais e a relação do ser humano com o ambiente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
A relação homem natureza, a apropriação dos recursos naturais pelas sociedades ao longo do tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Recursos minerais e energéticos: exploração e impactos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Recursos hídricos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Bacias hidrográficas e seus aproveitamentos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
As questões ambientais contemporâneas: mudança climática, ilhas de calor, efeito estufa, chuva ácida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
A destruição da camada de ozônio e impacto ambiental das atividades econômicas no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
Origem e evolução do conceito de sustentabilidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Ética profissional e social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Ética, moral e cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
A TU A L IDA DE S E
CO N V IV Ê N CIA SO CIE TÁ RIA
http://www.mme.gov.br/web/guest/secretarias/petroleo-
EVO L U Ç Ã O H I ST Ó R I CA , G EO G R Á F I CA , ECO N Ô M I CA , -gas-natural-e-combustiveis-renovaveis/programas/renovabio/
P O L Í T I CA E CU L T U R A L D O M U N I CÍ P I O D E J U A Z EI R O principal - Acesso: 22/01/2019 11: 17
D O N O R T E. A CO N T ECI M EN T O S E F A T O S R EL EVA N T ES
E A T U A I S D O CO N T EX T O I N T ER N A CI O N A L , N A CI O N A L , I nacional cresceu mais de
EST A D U A L E D O M U N I CÍ P I O D E J U A Z EI R O D O N O R T E. No ano de 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu apenas
1,1 . Segundo os especialistas, o índice revela que o crescimento
rasil e relaç es diplomáticas econômico brasileiro se apresenta lentamente.
Com maior aproximação nas relações com os Estados Unidos, O PIB de 2018 foi de R 6,8 trilhões. Porém, o PIB per capita
desde a era PT, a gestão de Jair Bolsonaro vai desenhando outras (relativo a cada habitante) aumentou em 0,3 . Embora houvesse
perspectivas nas relações internacionais e diplomacia do país diante expectativa quanto à melhora econômica, de certa forma, o mer-
da comunidade internacional. O discurso mais alinhado à Casa Bran- cado estava preparado para o resultado apresentado em 2018.
ca difere completamente da política adotada nos governos petistas Em todo o caso, o Banco Central admitiu ter previsto aumento
dos ex-presidentes, Lula e Dilma Rousse , mais inclinados à América de 1,21 , em termos de crescimento para o ano passado. O PIB é
Latina e outros mercados. a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país.
Em sua primeira participação em eventos internacionais de re-
nome, como o Fórum Mundial na Suíça, em janeiro de 2019, o pre- E nos resultados obtidos, o setor que teve grande destaque e
sidente Bolsonaro endurece o discurso contra a Venezuela, nação a impacto no PIB foi Serviços. ouve alta de 1,3 . O setor responde
qual se refere como ditadura . por mais de 75 do PIB.
Diante de outras nações, o governante tenta reafirmar que o h ps://g1.globo.com/economia/noticia/2019/02/28/pib-do-
Brasil está mais aberto a investimentos estrangeiros e bem focado no -brasil-cresce-11-em-2018.ghtml - Acesso: 01/03/2019 11: 51
neoliberalismo. O recado é claro, o país buscará trazer investimentos
sem viés ideológico , como pontua Bolsonaro. ateria de celular ue dura uma semana
Além disso, a comunidade internacional recebeu com certa frie- Uma das sensações do momento no mundo da tecnologia é
za a primeira participação do presidente como chefe de Estado em o celular europeu da Energizer e a Evenir Telecom, denominado
eventos desse gênero. Seu discurso de menos de 10 minutos não de- Power Max P18 Pop, que promete funcionamento de bateria em
talhou a política liberal a ser adotada e, sequer, citou ações práticas até uma semana. Isso significa que a próxima recarga poderá ser
na política econômica que poderiam interessar a plateia de econo- feita apenas em sete dias.
mistas e investidores. Para o mercado, se trata da maior capacidade já alcançada até
https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noti- hoje. O aparelho custa em torno de 599 euros.
cias/2019/01/22/em-menos-de-10-minutos-bolsonaro-abordara- Mas a questão estética pode não agradar, pois o P18 Pop
-venezuela-e-liberalismo-em-davos.htm - Acesso: 22/01/2019 - 10: tem grande espessura, contrapondo à geração de aparelhos finís-
55
simos, como informa reportagem do UOL .
https://noticias.uol.com.br/tecnologia/noticias/reda-
2 - Etanol no B rasil
cao/2019/02/28/este-celular-gorducho-tem-uma-bateria-
O Brasil se tenta reafirmar como maior produtor de etanol no
-que-nao-acaba-quase-nunca.htm?utm campaign resumo-
mundo, mas a disputa com os Estados Unidos é acirrada, deixando
-do-dia-Edi C3 A7 C3 A3o da noite utm
a nação em segundo lugar. Os estadunidenses ainda são os maiores
content destaques utm medium email utm
produtores, pelo fato de terem investido mais na fonte renovável que
source newsle er Acesso: 01/03/2019 12: 06
busca substituir os combustíveis de origem fóssil, como gasolina e
diesel, que são esgotáveis e poluentes. sunami na Indonésia
O etanol nos Estados Unidos utiliza muito o milho como fonte de Em dezembro de 2018, a Indonésia foi atingida por um tsnu-
obtenção da matriz energética. Enquanto no Brasil, o recurso provém mani que deixou mais de 437 mortos. Boa parte das vítimas incluía
da cana-de-açúcar em usinas espalhadas pelo território nacional. turistas que estavam no país e foram pegos de surpresa pela tragé-
Uma das ações adotadas para fomentar esse mercado no Brasil dia. A costa de Java foi uma das áreas mais atingidas.
foi a criação do programa RenovaBio, estabelecido no governo de Mi- uanto às causas, há indícios de que o desastre natural tenha
chel Temer, em 2016. A ideia da ação é focar em políticas de incentivo sido provocado pela erupção do vulcão Ana ra atau. Do ponto
à produção no mercado interno, em atenção às metas de redução na