Você está na página 1de 41

ATENÇÃO PROFESSOR

Esta apostila está editada em arquivo PDF de BAIXA RESOLUÇÃO, isto é, as


figuras, imagens, fotos e grafismos foram transformados para 72 pixel por polegada e
isto significa que o impresso decorrente dele não terá qualidade mínima de
leitura, além da consequente deterioração da imagem do SENAI aos nossos alunos,
professores e clientela em geral.
O arquivo está protegido para que não possa ser impresso, copiadas partes dele,
modificado parcial ou por completo. Porém, sabemos que há programas que podem
destravar essa segurança. Não o destrave, há neste site, em CONTEÚDO, arquivo da
apostila completa com alta resolução para uma boa impressão, também dos capítulos
individualmente em PDF e em DOC para novas edições ou organização de novos
materiais didáticos.
Se isto não lhe convier, contate-nos para avaliarmos suas necessidades.

MEIOS EDUCACIONAIS
da GERÊNCIA DE EDUCAÇÃO, da DIRETORIA TÉCNICA, do SENAI-SP.
Alameda Barão de Limeira, 539
Fone (11)3273-5072
meiosedu@sp.senai.br
Célio Torrecilha
Gilvan Lima Da Silva
SISTEMA IMOBILIZADOR

CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

SISTEMA IMOBILIZADOR

2003

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 1


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

¤2003. SENAI-SP
Sistema Imobilizador
Publicação organizada e editorada pela Escola SENAI “Conde José Vicente de Azevedo”

Coordenação geral Luis Carlos Emanuelli

Coordenador do projeto José Antonio Messas

Organização de conteúdo Alexandre Santos Muller


Sérgio Machado dos Santos

Editoração Teresa Cristina Maíno de Azevedo

Revisão técnica Charles Ciccone


Melsi Maran
Francisco Joaquim Pacheco Hévia

SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial


Escola SENAI “Conde José Vicente de Azevedo”
Rua Moreira de Godói, 226 - Ipiranga - São Paulo-SP - CEP. 04266-060

Telefone (0xx11) 6163-1988


Telefax (0xx11) 6160-0219

E-mail senaiautomobilistica@sp.senai.br

Home page http://www.sp.senai.br/automobilistica

2 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 5

REPRODUÇÃO DAS CHAVES COM TRANSPONDER 8

SINTOMAS DAS PRINCIPAIS FALHAS DO SISTEMA IMOBILIZADOR 11


• Identificação da lâmpada do sistema imobilizador 11

SISTEMA FIAT CODE 12


• Funcionamento do sistema FIAT CODE 13
• Como evitar codificações indesejadas nas unidades de controle da injeção 15
• Tabela geral de diagnósticos do sistema FIAT CODE 16

PROCEDIMENTO PARA CODIFICAÇÃO DAS CHAVES 17

PROCEDIMENTO DE PARTIDA DE EMERGÊNCIA PARA A LINHA FIAT 19

SISTEMA IMMOBILIZER 21
• Localização dos componentes 21
• Principais componentes do sistema 22
• Identificação de defeito no imobilizador de partida 23

SISTEMA PATS - PASSIVE ANTI-THIEFT SYSTEM 26


• Localização dos componentes 28
• Tabela dos códigos de falhas 29
• Como memorizar as chaves de veículos com PATS 29

SISTEMA IMOBILIZADOR VW 31
• Funcionamento do sistema imobilizador VW 32
• Sistema imobilizador VW nacionais 33
• Procedimento de partida de emergência do GOLF 35

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 3


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

PERDA OU EXTRAVIO DAS CHAVES 37

EVIDÊNCIAS DE DEFEITO NO SISTEMA IMOBILIZADOR 39

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 40

4 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

INTRODUÇÃO

Estima-se que entre os veículos fabricados no Brasil em 2002, mais de oitenta por cento,
tenham como item de série o sistema imobilizador de partida. Em 1999, tal índice não
atingia 20%. Em um futuro próximo, todos os veículos zero quilômetro serão equipados
com esse dispositivo. Conhecer os sistemas imobilizadores de partida e suas particularidades
é mais um desafio importante a ser vencido pelos reparadores automotivos brasileiros.

Na era dos imobilizadores de partida, tarefas como fazer uma cópia da chave do veículo ou
substituir a unidade de controle do sistema de injeção eletrônica, deixaram de ser simples e
diretas. Agora o profissional deve dominar os conceitos e as particularidades que envolvem
o sistema. Só assim conseguirá realizar os procedimentos com coerência e sucesso.

O imobilizador de partida é um sistema eletrônico, integrado à injeção eletrônica, que tem o


objetivo de aumentar a proteção contra tentativas de roubo. Popularizou-se no Brasil a
partir de 1996 com os veículos da família FIAT Pálio. Nos veículos com sistema imobilizador,
a chave de ignição possui um dispositivo denominado transponder que transmite um código
à unidade de comando eletrônico da injeção. A partida só é permitida se o código for
reconhecido pela unidade de controle eletrônico.

O sistema é composto basicamente por:


• chaves eletrônicas com código secreto (transponder);
• um módulo do imobilizador;
• uma antena;
• uma unidade de comando da injeção - UCE com linha de comunicação com o módulo do
imobilizador.

Para que possamos explicar o princípio básico de funcionamento dos imobilizadores de


partida, utilizaremos como exemplo o sistema da FIAT. Os outros sistemas têm lógica de
funcionamento similar.

No FIAT CODE 1, quando a chave de ignição é rotacionada para a posição MAR (marcha)
a unidade de comando da injeção e a central CODE são alimentadas com tensão de bateria
(1). A unidade de comando da injeção então solicita à central CODE (2) o código secreto
para permissão da partida no motor.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 5


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

A central CODE energiza a antena com um sinal eletromagnético que alimenta o circuito
existente na chave (3) - transponder. Este emite o código secreto (armazenado no
transponder) que é captado pela antena e enviado à central CODE.

Ao receber o código, a central CODE analisa se ele está correto ou não. Se o código estiver
correto, a central CODE apaga a lâmpada de manutenção CODE (4) (0,7 segundos após a
chave de ignição ter sido ligada) e informa a UCE que a partida pode ser dada (5). Se o
código estiver errado ou se a central CODE não conseguir fazer sua leitura, a lâmpada de
manutenção CODE é mantida acesa permanentemente (6) e a unidade de controle da
injeção entrará no modo de controle do motor proibido (7).

Nesse caso a unidade de controle da injeção inibe o funcionamento dos sistemas de ignição
e injeção de combustível. Dessa forma, o motor não pode entrar em funcionamento.

6 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

Cada fabricante tem um ou mais modelos (gerações) de sistemas imobilizadores de partida.


Embora tenham componentes e princípios de funcionamento similares, cada sistema
imobilizador de partida tem suas particularidades. São essas particularidades que no dia-a-
dia podem confundir o reparador mal informado.

O sistema imobilizador da FIAT, por exemplo, é conhecido como sistema FIAT CODE que
possui duas gerações (CODE 1 e CODE 2). O FIAT CODE 1 é aplicado na maioria dos
veículos da montadora. O CODE 2 começou a ser utilizado em 2001 na família Pálio Fire
com sistema Ve.N.I.C.E.

A FORD e a GM também possuem duas gerações de imobilizadores. Na FORD o sistema


é denominado FORD PATS (I e II); na GM, IMMOBILIZER (1 e 2). Entre as gerações há
diferenças na execução dos procedimentos de codificação das chaves novas, substituição
da UCE etc.

A VOLKSWAGEN também apresenta distinções entre os imobilizadores que utiliza. Uma


particularidade interessante, por exemplo, é que em alguns veículos Golf, o módulo
imobilizador faz parte do painel de instrumentos - mais conhecido como Instrumento
Combinado. Assim como no sistema utilizado pelos veículos da FIAT, caso ocorra falha em
algum componente do sistema imobilizador (transponder da chave, antena, etc) é possível
efetuar uma partida de emergência.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 7


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

REPRODUÇÃO DAS CHAVES COM TRANSPONDER

As chaves dos veículos com imobilizador de partida possuem duas identidades:


• O código mecânico (dentes da chave).
• O código eletrônico (gravado eletronicamente no transponder).

A nova chave deve possuir esses dois códigos.

Os dentes podem ser copiados por um chaveiro. O código eletrônico do transponder pode
ser copiado a partir de uma outra chave, já codificada, que está sendo utilizada no veículo.
Outra opção é gravar o código eletrônico no transponder da nova chave via scanner ou
chave mestra.

Atualmente, utilizando equipamentos adequados, é possível reproduzir o código do


transponder das chaves. Alguns chaveiros já realizam esse procedimento. O equipamento
possui um coletor onde deve inicialmente ser inserida a chave que será reproduzida (matriz)
e posteriormente a chave (virgem) que receberá as características do transponder da matriz.
Embora facilite o processo de realização de cópias do código eletrônico das chaves, a
reprodução não pode ser realizada em todos os modelos de chaves existentes.

8 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

Algumas chaves possuem transponder criptografado. Essas não são passíveis de reprodução
(ver tabela de chaves abaixo).

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 9


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

A adaptação do código eletrônico da chave no veículo pode ser efetuada com qualquer
chave virgem, criptografada ou não, desde que seja compatível com o sistema imobilizador
instalado. Nas linhas GM, VOLKSWAGEN e FIAT (fase 2) essa adaptação (codificação) é
feita via scanner.

Para executar essa tarefa, basta ligar o equipamento ao conector de diagnóstico do veículo,
selecionar o veículo, o sistema imobilizador e o item adaptação/codificação de chaves.
Para que o equipamento finalize a adaptação será necessário o conhecimento de uma
senha. Na VOLKSWAGEN e GM, a senha possui 4 dígitos e na FIAT cinco.

Caso o proprietário não possua a senha de acesso ao sistema, a mesma pode ser obtida
com o número do chassi do veículo, a identificação do imobilizador e a autorização do
proprietário do veículo via concessionária.

10 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

SINTOMAS DAS PRINCIPAIS FALHAS DO


SISTEMA IMOBILIZADOR

Na tabela a seguir serão descritos os principais sintomas das falhas dos principais sistemas
imobilizadores.

LINHA SINTOMAS DE FALHA NO SISTEMA IMOBILIZADOR

• Quando é ligada a ignição, a lâmpada da injeção começa a piscar continuamente (ver figura a
seguir).
GM
• Se a chave de ignição for rotacionada da posição “desligado” diretamente para a posição
“partida”, o motor pega, mas morre em seguida. Se a partida for dada após a lâmpada da
injeção ter começado piscar, o motor não pega.

• Quando é ligada a ignição, o LED do sistema imobilizador começa a piscar continuamente (ver
VOLKSWAGEN figura a seguir).
• O motor pega bem, mas morre em seguida.

• Quando é ligada a ignição, as lâmpadas do sistema FIAT CODE e da injeção ficam acesas
FIAT continuamente (ver figura a seguir).
• O motor vira, mas não pega.

• Quando é ligada a ignição, o PATS LED começa a piscar continuamente (ver figura a seguir).
FORD
• O motor nem dá sinal de partida.

IDENTIFICAÇÃO DA LÂMPADA DO SISTEMA IMOBILIZADOR

A figura a seguir mostra os principais símbolos utilizados para identificar a lâmpada de


advertência dos sistemas imobilizadores:

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 11


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

SISTEMA FIAT CODE

Como já foi discutido anteriormente, em todos os sistemas imobilizadores, a chave de ignição


possui um dispositivo denominado transponder que transmite um código secreto à Unidade
de Controle Eletrônico. A partida do motor só é permitida se esse código for reconhecido
pela UCE.

O sistema FIAT CODE é constituído por:


• Unidade de comando eletrônico que avalia o código secreto do transponder e controla o
motor.
• Central CODE, responsável pela leitura do código secreto para a UCE.

• Antena no comutador de ignição que possibilita a alimentação do circuito da chave e


recebe o sinal para a leitura do código secreto.

• Três chaves que alojam o transponder e dão partida no motor. As chaves azuis são
denominadas principais e devem ser utilizadas no veículo. A chave vermelha chamada
de mestra não deve ser utilizada, pois ela serve para codificar as chaves azuis e as
centrais CODE quando novas.

• Cartão CODE com código secreto para partida de emergência. É através desse código
eletrônico que é possível ligar o motor quando a UCE não conseguir ler o código existente
no transponder da chave.

ATENÇÃO!
O PROCEDIMENTO DE PARTIDA DE EMERGÊNCIA ESTÁ DESCRITO NO MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO VEÍCULO.

12 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

LOCALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS COMPONENTES DO IMOBILIZADOR

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA FIAT CODE

Quando a chave de ignição é rotacionada para a posição MAR (marcha) a unidade de


comando da injeção e a central CODE são alimentadas com tensão de bateria (1). A unidade
de comando da injeção solicita à central CODE (2) o código secreto para permissão da
partida no motor.

A central CODE, energiza a antena enviando um sinal eletromagnético e identifica o código


secreto existente no transponder da chave (3).

A partir de então, a central CODE analisa se o código recebido está correto. Se ele estiver
correto, a central CODE apaga a lâmpada de manutenção CODE (4) e informa a unidade
de controle da injeção que a partida pode ser acionada (5). Se o código estiver errado ou se
a central CODE não conseguir fazer sua leitura, a lâmpada de manutenção CODE é mantida
acesa permanentemente (6) e a unidade de controle da injeção entrará no modo de controle
do motor proibido (7).

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 13


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

Nesse caso a unidade de controle da injeção inibe o funcionamento dos sistemas de ignição
e injeção de combustível. Dessa forma, o motor não pode entrar em funcionamento.

IMPORTANTE!

TODA UNIDADE DE CONTROLE DA INJEÇÃO DA LINHA FIAT (FAMÍLIA PÁLIO, SIENA, MAREA E COUPÉ)
POSSUI O SISTEMA FIAT CODE INCORPORADO AO SEU CIRCUITO ELETRÔNICO.
PORÉM, QUANDO A UCE É NOVA OU PERTENCE A UM VEÍCULO QUE NÃO POSSUI O SISTEMA FIAT CODE
COMO OPCIONAL, ESTA FUNÇÃO SE MANTÉM INATIVA.

A função do sistema CODE só entrará em atividade se a UCE for conectada e alimentada


por um veículo que possua o sistema imobilizador instalado (central CODE, antena, chave
com transponder codificado).

Por isso, em caso de falhas no funcionamento de um motor de um veículo equipado com


imobilizador, em que se suspeite de defeito na unidade de controle da injeção e seja
necessário testá-la, nunca faça sua substituição por outra unidade nova ou de um veículo
que não tenha imobilizador. Quando a unidade nova for alimentada, ela irá memorizar o
código do sistema CODE do veículo em teste e não será possível usá-la em outro sistema.

14 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

C OMO EVITAR CODIFICAÇÕES INDESEJADAS NAS UNIDADES DE


CONTROLE DA INJEÇÃO

Como já foi comentado anteriormente, o simples fato de instalar e alimentar uma unidade
de controle da injeção nova em um veículo que já possui o sistema CODE, esta armazena
o código do sistema e a partir de então, não funcionará em outro veículo.

Portanto, em situações em que se necessita trocar as unidades de controle da injeção afim


de testá-la, proceda da seguinte forma:
• Desconecte os conectores de 8 e 3 terminais da central CODE;
• Conectar a UCE (que será utilizada para teste) ao sistema do veículo;
• Dar partida ao motor. Se a falha sumir, o defeito é na UCE;
• Caso deseje codificar esta UCE para o veículo, desligue o motor e reconecte os conectores
da central CODE;
• Ligue a ignição e a UCE já está codificada para o veículo testado.

OBSERVAÇÃO
Quando a UCE é codificada com o código (master code) das chaves do veículo não é
possível decodificá-la ou recodificá-la para outro veículo.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 15


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

TABELA GERAL DE DIAGNÓSTICOS DO SISTEMA FIAT CODE


DEFEITO APRESENTADO VERIFICAÇÕES SUGERIDAS

Problemas no transponder da chave


• Para testar, troque a chave suspeita de defeito por outra do conjunto de chaves do veículo.
Folgas no comutador de ignição
• Com o uso contínuo, o comutador pode criar folgas radiais e ou axiais que provocam
mudança na posição relativa do transponder. Para testar, force a chave (para dentro) no
comutador de ignição. Se o defeito sumir, o defeito é o comutador.

Motor não pega Teste de alimentação da central CODE


(lâmpada do CODE Teste de antena do sistema CODE
acesa continuamente) • Verifique se a antena está bem encaixada no comutador de ignição. Sua resistência elétrica
deve ser menor que 100 Ohms.
Teste do fio de comunicação entre a UCE e a central CODE
Rememorização das chaves incorreta
Central CODE
UCE
• Tentar efetuar o procedimento de partida de emergência. Se o motor pegar, provavelmente
o defeito não é a UCE, pois ela está aceitando o código de partida de emergência.

Motor não pega Teste da lâmpada de manutenção do sistema FIAT CODE


(lâmpada do CODE Teste de alimentação da central CODE
apagada continuamente*) Central CODE

Motor não pega


(lâmpada do CODE O sistema CODE está OK.
acende** brevemente e O defeito está sendo ocasionado por outro componente.
logo se apaga)

* Cuidado! Verificar se o veículo possui sistema CODE incorporado.


** Se a lâmpada do CODE estiver lampejante, deve ser efetuado o procedimento de memorização das chaves.

16 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

PROCEDIMENTO PARA CODIFICAÇÃO DAS CHAVES

A maioria dos veículos da FIAT (famílias Palio, Marea, Brava, etc.), exceto os veículos
equipados com sistema Ve.N.I.C.E são equipados com sistema FIAT code 1. Os veículos
com Ve.N.I.C.E. utilizam FIAT code 2. Quando o sistema ainda é virgem, devem ser
programadas, no mínimo, 3 chaves (1 chave mestra - vermelha + 2 chaves principais -
azuis). O procedimento de programação das chaves para o sistema virgem está descrito a
seguir.

1º PASSO - Inserir a chave mestra no comutador de ignição.

2º PASSO - Girar a chave para a posição MAR (a lâmpada de manutenção CODE, irá acender
brevemente) e repô-la em STOP assim que a lâmpada de manutenção CODE apagar.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 17


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

3º PASSO - Dentro de dez segundos, retirar a chave mestra do comutador de ignição e


inserir no comutador a primeira chave principal a ser memorizada. Rotacionar a chave para
a posição MAR e repô-la em STOP assim que a lâmpada de manutenção CODE apagar.

4º PASSO - Dentro de dez segundos, retirar a primeira chave principal do comutador de


ignição e inserir no comutador a segunda chave principal a ser memorizada. Rotacionar a
chave para a posição MAR e repô-la em STOP assim que a lâmpada de manutenção CODE
apagar.

5º PASSO - Dentro de dez segundos, retirar a segunda chave principal do comutador de


ignição e inserir no comutador novamente a chave mestra. Rotacionar a chave para a posição
MAR e assim que a lâmpada de manutenção CODE apagar repô-la em STOP.

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES
• No FIAT code 1, as chaves não podem ser apagadas da memória da UCE via scanner.
Porém, hoje em dia, já existem softwares (equipamentos) capazes de “resetar” UCEs
codificadas.
• Entende-se por sistema virgem o conjunto central CODE e UCE ou central CODE, UCE
e chaves novas.
• Com um scanner é possível visualizar quantas chaves estão gravadas na memória da
UCE.

18 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

PROCEDIMENTO DE PARTIDA DE EMERGÊNCIA PARA


A LINHA FIAT

O procedimento de partida de emergência permite ligar o motor quando a unidade de controle


da injeção não conseguir ler o código secreto existente no transponder da chave.

A partida de emergência só pode ser ativada se a unidade de controle da injeção estiver no


estado de “controle do motor proibido”, ou seja, se houver problemas no sistema CODE.
Este procedimento pode ser efetuado através do pedal do acelerador em todos os veículos
da linha FIAT com acelerador mecânico ou eletrônico, que possuem sistema CODE.

O código secreto é transferido à unidade de controle da injeção pelo Sensor de Posição da


Borboleta - TPS. Esta operação é útil para ligar o motor e levar o veículo até a oficina.

1º PASSO - Identificar o código de 5 dígitos registrado no cartão CODE.

2º PASSO - Com a chave de ignição desligada (posição STOP), apertar e manter apertado o
pedal do acelerador. Colocar a chave na posição MAR, a lâmpada de manutenção da injeção
deve acender por 4 segundos depois apaga.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 19


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

3º PASSO - Quando a lâmpada da injeção se apagar, soltar o pedal do acelerador.

4º PASSO - Ao soltar o pedal, a lâmpada da injeção começa a piscar.

5º PASSO - Depois de um número de piscadas igual ao primeiro dígito do código lido no


cartão CODE.

6º PASSO - A lâmpada da injeção acende novamente por 4 segundos, depois apaga indicando
que o primeiro dígito foi registrado.

7º PASSO - Quando a lâmpada da injeção apagar, soltar o pedal do acelerador.

8º PASSO - Ao soltar o pedal, a lâmpada da injeção recomeça piscar como descrito


anteriormente.

9º PASSO - Depois de um número de piscadas igual ao segundo dígito do código lido no


cartão, apertar até o fim e manter nesta posição o pedal do acelerador.

10º PASSO - A lâmpada da injeção acende novamente por 4 segundos, depois apaga
indicando que o segundo dígito foi registrado.

11º PASSO - Repetir as instruções dos passos 3, 4, 5 e 6 para os outros 3 dígitos do cartão
CODE.

12º PASSO - Ao soltar o pedal depois que o último dígito foi introduzido, a lâmpada da
injeção pisca (com uma freqüência de 1,6 Hz) indicando que todos os dígitos foram aceitos.
Se ao contrário a lâmpada da injeção ficar acesa continuamente, isto indica que o código foi
recusado. Se o código foi aceito, ligar o motor; caso contrário, recolocar a chave na posição
STOP e repetir o procedimento.

20 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

SISTEMA IMMOBILIZER

LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES

Na GM, os principais componentes desse sistema são:

Chave com transponder - possui o código mecânico (dentes) e o código eletrônico para a
permissão de partida no veículo.

Módulo do imobilizador e antena integrados - durante o procedimento de partida, lê o


código do transponder da chave e o envia a Central da Injeção - UCE. Com o veículo em
funcionamento serve como condutor do sinal do sensor de velocidade do veículo para a
UCE.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 21


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

Cartão Info Card - possui o código de reprodução mecânica das chaves, o código de
acesso à memória do módulo imobilizador, além dos códigos do rádio e do sistema de
alarme. É entregue ao proprietário do veículo juntamente com uma chave codificada reserva.

UCE - analisa o código informado pelo módulo imobilizador. Quando o código não está
correto ou não é lido de maneira satisfatória, bloqueia o funcionamento do motor “cortando”
os sistemas de ignição e injeção.

Com o lançamento do novo Astra a GM introduziu ao mercado os imobilizadores de segunda


geração. A principal inovação foi a adição de um código secreto aleatório ao transponder da
chave. Isto dificulta a possibilidade de cópia do mesmo, aumentando a confiabilidade do
sistema. No novo Omega também foram introduzidas mudanças.

Na General Motors são equipados com sistemas imobilizadores de partida os seguintes


veículos:
• Corsa (opcional) e Omega, ambos somente após 1996.
• Vectra B, Astra SW, Tigra e Novo Astra.

PRINCIPAIS COMPONENTES DO SISTEMA

IDENTIFICAÇÃO DA PINAGEM (LADO DO CHICOTE)

2 - vem da lâmpada de manutenção da injeção


4 - aterramento do módulo imobilizador
5 - alimentação positiva do módulo imobilizador (linha 15 - vem da chave)
6 - sinal de velocidade (vem do sensor de velocidade)
7 - sinal de velocidade/código da chave (vai à UCE)
8 - vai ao conector de diagnóstico
9 - alimentação positiva do módulo imobilizador (linha 30 - direto da bateria)

22 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

CONECTOR JUMP
Nos veículos Corsa MPFI que não possuem sistema imobilizador como opcional, existe no
lugar do módulo do imobilizador um JUMP entre os terminais 6 e 7 do chicote do mesmo.
Sem esta “ponte” a UCE fica sem sinal de velocidade e o veículo “morre” em desacelerações.

MÓDULO IMOBILIZADOR/ANTENA CONJUGADOS

IDENTIFICAÇÃO DE DEFEITO NO IMOBILIZADOR DE PARTIDA

• Quando o defeito está no sistema imobilizador, geralmente o motor “pega” e “morre” em


seguida. Portanto, se o motor entrar em funcionamento, o sistema imobilizador pode ser
considerado OK.

• Quando a UCE não recebe o código correto da chave, a lâmpada do sistema de injeção
passa a piscar rapidamente (aproximadamente 2 vezes por segundo), enquanto a chave
de ignição estiver ligada.

• Quando o imobilizador não está funcionando corretamente, a UCE evita que o motor
entre em funcionamento desabilitando (aproximadamente 2 segundos após ter sido ligada
a ignição) o acionamento das válvulas injetoras, a bomba elétrica de combustível e o
controle do primário da bobina de ignição. Por isso, é verificado que esses componentes
começam a funcionar e logo em seguida são desativados.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 23


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

NOTA
O defeito mais comum no sistema imobilizador da GM é a perda do transponder da chave.
Normalmente ocorre quando o motorista a deixa cair. Para minimizar esse problema o
transponder passou a vir colado.

COMO PROCEDER EM CASO DE PERDA OU EXTRAVIO DA CHAVE


Solicite ao cliente o cartão Info Card. Nele são encontrados o código da chave, utilizado
para cópias mecânicas e o código do imobilizador. Com esse código é possível programar
as chaves novas e reprogramar as antigas. É importante ressaltar que antes da programação
das chaves, deverão ser apagados os códigos já gravados na memória do módulo
imobilizador. Com isso, evita-se um possível furto do veículo, com a utilização de uma chave
extraviada.

O procedimento de codificação das chaves só pode ser efetuado com os equipamentos de


diagnóstico como TECH-1 e TECH-2 usados pelas concessionárias.

A cópia mecânica (dentes) pode ser efetuada normalmente por um “chaveiro” ou solicitada
à concessionária. Para isso deve ser informado o código da chave.

CURIOSIDADE
Como funcionar o novo Omega CD mesmo com o imobilizador danificado.
• Ligar a ignição sem dar partida.

• Desligar todos os acessórios (para evitar que a bateria descarregue rapidamente),


mantendo a chave de ignição ligada.

• A lâmpada de alerta do sistema de alarme (localizada no interruptor do computador de


bordo; do lado direito do painel de instrumentos) ficará piscando. Manter a chave de
ignição ligada por duas horas (até que a lâmpada pare de piscar).

24 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

• Quando a lâmpada deixar de piscar, a partida pode ser efetuada e o veículo entrará em
funcionamento (caso não haja problema em outro sistema).

Este procedimento não soluciona a causa do problema. Para isso deve ser efetuada uma
revisão no sistema imobilizador.

Para obter mais informações sobre os sistemas imobilizadores GM, consulte os manuais do
fabricante ou manuais específicos do sistema.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 25


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

SISTEMA PATS - PASSIVE ANTI-THIEFT SYSTEM

O sistema PATS, lançado pela Ford em 1996, é um sistema imobilizador de partida. Seu
princípio básico de funcionamento é similar ao dos demais sistemas imobilizadores.

Nos veículos equipados com PATS a partida só é permitida se o código secreto existente no
transponder da chave for reconhecido pela UCE (central que controla o sistema de injeção
eletrônica).

Se o código eletrônico não for reconhecido ou se sua leitura não for efetuada com sucesso,
a UCE não permitirá o funcionamento do motor “cortando” o controle dos sistemas de injeção,
ignição e partida.

Atualmente o sistema PATS apresenta duas versões. O PATS I e o PATS II. A principal
diferença entre eles está no processo de codificação das chaves.

No PATS I, o veículo é adquirido com três chaves, uma mestra (vermelha) e duas escravas
(pretas). A chave mestra é utilizada para codificar o transponder de chaves escravas novas.
As chaves escravas são utilizadas para funcionar o veículo.

No PATS II, a chave mestra (codificadora) foi eliminada. Nesse caso, a codificação do
transponder das chaves novas pode ser efetuada somente com equipamentos específicos.

O sistema PATS pode equipar os veículos FORD KA, Fiesta, Escort, Mondeo e Taurus.

26 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

Os principais componentes do sistema são:

LED INDICADOR DE ANOMALIAS - PATS LED


Tem a função de sinalizar o comportamento do sistema. Quando a chave de ignição é
ligada (rotacionada para a posição “II”) o PATS LED deve:
• Acender por aproximadamente 3 segundos, indicando que o código da chave foi aceito
pela UCE.
• Ficar aceso continuamente por 1 minuto e em seguida piscar em ritmo irregular* ou piscar
em uma freqüência de aproximadamente 4 Hertz por 1 minuto e em seguida piscar em
ritmo irregular*, indicando que há problemas no sistema PATS.
* Quando o LED passa a piscar em ritmo irregular, ele está na realidade indicando o
código do defeito encontrado.

RELÊ INIBIDOR DE PARTIDA


Alimenta o solenóide (“automático”) do motor de partida. É controlado pela UCE que não
chaveia seu circuito de controle se o código do transponder não for reconhecido.

CHAVES COM TRANSPONDER


Possuem o código mecânico (dentes) e o código eletrônico para permissão de partida do
motor. O código eletrônico está gravado no transponder (micro circuito eletrônico com a
forma de uma pequena cápsula de vidro) existente na empunhadura da chave.

MÓDULO DO PATS E ANTENA INTEGRADA


É a interface localizada entre a UCE e a chave do veículo. Quando é ligada a ignição o
módulo do PATS energiza a antena que, por ondas de rádio, lê o código eletrônico do
transponder.

UCE
Monitora e controla o funcionamento de todo o sistema. Se o código da chave não for
detectado, a UCE “toma as seguintes providências”:
• Não aciona o relê inibidor de partida. Por isso, o motor não “vira” durante a solicitação de
partida.
• Não acionam as válvulas injetoras, bobinas de ignição e bomba elétrica de combustível.
Portanto, nem dando “trancos”, o motor “pega”.
• Controla o PATS LED, indicando o código do defeito detectado.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 27


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES

PROCEDIMENTO DE VISUALIZAÇÃO
• Quando o código do transponder da chave não é detectado, a UCE passa a controlar o
PATS LED, sinalizando um código de defeito.

• Ligar a ignição sem acionar a partida. O PATS LED irá piscará com freqüência de
aproximadamente 4 Hertz por um minuto e em seguida sinalizará o código de defeito
detectado conforme o exemplo a seguir.

OBSERVAÇÃO
A UCE irá iniciar a emissão dos códigos de defeitos somente se houver problemas no
sistema. O código é repetido 10 vezes.

28 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

TABELA DOS CÓDIGOS DE FALHAS


CÓDIGO DESCRIÇÃO

13 Não foi reconhecido o código do transponder

14 Código do transponder recebido parcialmente

15 Código do transponder incompatível

16 Falha de comunicação entre a UCE e o módulo do PATS

Erro no procedimento de programação das chaves


21
(programado menos de duas chaves escravas)

31
32 Disponíveis somente em veículos à DIESEL
33

COMO MEMORIZAR AS CHAVES DE VEÍCULOS COM PATS

• No sistema PATS II:


Não existe chave mestra (codificadora). Por isso a programação das chaves só pode ser
feita com equipamentos adequados (como o NGS da FORD). No procedimento devem
ser codificadas no mínimo 2 chaves.

• No sistema PATS I:
1º PASSO
- Inserir a chave mestra no comutador de ignição.
- Rotacionar a chave para a posição II (O PATS LED irá acender por 3 segundos) e repô-
la em 0 assim que o LED apagar.
- Após desligar a ignição, o LED irá acender por aproximadamente 2 segundos.

2º PASSO
- Dentro de dez segundos, retirar a chave mestra do comutador de ignição e enfiar no
comutador a primeira chave escrava a ser memorizada. Rotacionar a chave para a
posição II (o PATS LED irá acender) e repô-la em 0 assim que o LED apagar.

3º PASSO
- Dentro de dez segundos, retirar a primeira chave escrava do comutador de ignição e
enfiar no comutador a segunda chave escrava a ser memorizada. Rotacionar a chave
para a posição II (o PATS LED irá acender) e repô-la em 0 assim que o LED apagar.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 29


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

4º PASSO
- Dentro de dez segundos, retirar a segunda chave escrava do comutador de ignição e
enfiar no comutador novamente a chave mestra. Rotacionar a chave para a posição II
e repô-la em 0 assim que o LED apagar.

Feito isso as chaves estão memorizadas.

ATENÇÃO!

A MEMORIZAÇÃO DEVE SER EFETUADA COM NO MÍNIMO 3 CHAVES (MESTRA + 2 ESCRAVAS). NO MÁXIMO
PODEM SER PROGRAMADAS 16 CHAVES (MESTRA + 15 ESCRAVAS) NO MESMO PROCEDIMENTO.
A DESCODIFICAÇÃO DAS CHAVES SÓ PODE SER FEITA COM EQUIPAMENTOS ADEQUADOS.

30 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

SISTEMA IMOBILIZADOR VW

No sistema imobilizador de partida da VOLKSWAGEN estão presentes todas as principais


características dos demais sistemas já apresentados. Seus principais componentes são:

CHAVES COM TRANSPONDER


Alojam em sua empunhadura o transponder. Nele está gravado o código secreto para
autorização de partida. Na compra do veículo são entregues duas chaves ao proprietário. A
codificação de novas chaves só é possível com equipamentos específicos.

ANTENA E MÓDULO IMOBILIZADOR


Fazem a leitura do código do transponder da chave.

LED DO SISTEMA IMOBILIZADOR


Sinaliza o comportamento do sistema. Apaga aproximadamente 2 segundos após ter sido
ligada a ignição, indicando que o código da chave foi aceito pela UCE. Não está presente no
sistema imobilizador VOLKSWAGEN-IMPORTADOS (Golf, Passat e Variant).

UCE
Solicita ao módulo imobilizador a leitura do código da chave para autorização de partida.
Quando o código não é aceito, inibe o funcionamento dos sistemas de ignição e injeção
eletrônica.

PLAQUETA DE IDENTIFICAÇÃO DAS CHAVES (PIN CODE)


É o cartão senha que permite acessar o imobilizador para codificar o sistema (UCE, Chaves).
É entregue ao proprietário do veículo juntamente com a chave reserva.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 31


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA IMOBILIZADOR VW

Quando a chave de ignição é ligada (sem dar partida), a unidade de comando do sistema
de injeção - UCE e o módulo imobilizador são alimentados com tensão de bateria (1). A
UCE então envia ao módulo imobilizador o código do sistema e solicita a autorização de
partida (2). O módulo imobilizador alimenta a antena encaixada (concêntrica) no cilindro de
ignição (3). A antena envia sinal eletromagnético (ondas de rádio) que excita o micro-circuito
eletrônico (transponder) existente na empunhadura da chave e lê o código secreto (4).

De posse do código da chave o módulo imobilizador analisa se ele está correto ou não. Se
o código estiver correto, o módulo imobilizador apaga o LED do sistema (2 segundos após
a chave de ignição ter sido ligada) e informa a UCE que a partida pode ser dada (5). Se o
código estiver errado ou se o módulo imobilizador não conseguir efetuar a leitura, o LED do
sistema permanecerá aceso ou ficará piscando e a UCE entrará no modo de controle do

32 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

motor proibido (6). Nesse caso a UCE “corta” (aproximadamente 2 segundos após ter sido
ligada a ignição) o controle dos sistemas de ignição e injeção de combustível, dessa forma
o motor “pega”, mas “morre” em seguida.

É importante ressaltar que o sistema imobilizador só atua no ato da partida. Nos outros
estágios de funcionamento do motor não exerce qualquer influência.

SISTEMA IMOBILIZADOR VW NACIONAIS


(GOL, PARATI E SANTANA/QUANTUM - 98 EM DIANTE)

Sistema imobilizador VOLKSWAGEN Nacionais Sistema imobilizador VOLKSWAGEN Importados


(Gol, Parati e Santana/Quantum - 98 em diante) (Golf, Passat e Variant)

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 33


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

CONECTORES ELÉTRICOS DO MÓDULO IMOBILIZADOR

TERMINAL DESCRIÇÃO

A1 Vazio

A2 Alimentação do imobilizador (linha 15)

A3 Vazio

A4 Aterramento do módulo imobilizador

A5 Vazio

A6 Controle do LED do imobilizador

A7 Comunicação UCE/módulo imobilizador

A8 Comunicação módulo imobilizador/scanner

B1 Comunicação módulo imobilizador/antena

B2 Comunicação módulo imobilizador/antena

TERMINAL DESCRIÇÃO

A1 Alimentação do imobilizador (linha 15)

A2 Comunicação UCE/módulo imobilizador

A3 Comunicação módulo imobilizador/scanner

A4 Aterramento do módulo imobilizador

A5 Vazio

A6 Aterramento do módulo imobilizador

B1 Comunicação módulo imobilizador/antena

B2 Comunicação módulo imobilizador/antena

OBSERVAÇÕES
• Note que no sistema imobilizador VOLKSWAGEM - importados, não há LED do sistema
imobilizador;
• As avaliações de polaridade positiva e negativa podem ser feitas com um analisador de
polaridade;
• Para testar a integridade da antena, deve-se medir a resistência elétrica entre os terminais
B1 e B2. O valor deve estar entre:
- 6 e 8 Ohms (imobilizidor VOLKSWAGEM - importados);
- 25 e 35 Ohms (imobilizador VOLKSWAGEM - nacionais).

34 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

PROCEDIMENTO DE PARTIDA DE EMERGÊNCIA DO GOLF

Na linha Volkswagen, o procedimento de partida de emergência só é possível sem scanner,


nos veículos Golf, cujo instrumento combinado (”painel de instrumentos”) possui as seguintes
características:
• Fundo de escala do velocímetro de até 260km/h;
• LED do sistema imobilizador localizado na parte interna do indicador de rotação do motor
(tacômetro).

Outro detalhe relevante é que nesses veículos, o módulo do sistema imobilizador faz parte
do painel de instrumentos.

PROCEDIMENTO
1º PASSO - Ligue a ignição.

2º PASSO - Gire o botão de ajuste do relógio para a direita e, ao mesmo tempo, pressione o
botão de ajuste do hodômetro parcial. Feito isso, o hodômetro parcial ficará zerado (”0000”)
e com o primeiro dígito piscando.

3º PASSO - Pressione (dê toques) o botão de ajuste do hodômetro parcial até que apareça
o primeiro dígito da senha do imobilizador do veículo.

4º PASSO - Gire o botão de ajuste do relógio para a direita. O segundo dígito piscará.

5º PASSO - Repita o procedimento utilizado para o primeiro dígito até que sejam introduzidos
todos os números do código secreto (senha de 4 dígitos).

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 35


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

6º PASSO - Após a introdução do último número, gire novamente o botão de ajuste do


relógio para a direita e ao mesmo tempo pressione o botão de ajuste do hodômetro parcial.
Se a senha foi introduzida corretamente, o display do hodômetro parcial retornará a contagem
de quilometragem e o LED do imobilizador ficará aceso.

7º PASSO - Dê partida no motor.

OBSERVAÇÕES
• Se após a partida do motor a ignição for desligada e a chave removida, o reparador terá
5 minutos para efetuar nova partida. Se a chave for mantida no comutador, o limite máximo
para nova partida será de 45 minutos (sem a necessidade de realizar novamente o
procedimento);
• Se forem realizadas 3 tentativas incorretas de introdução da senha, aparecerá a mensagem
de falha (“fail”) no display do hodômetro e o sistema ficará bloqueado;
• Para desbloquear o sistema, deixe a ignição ligada (sem dar partida) por pelo menos 10
minutos.

36 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

PERDA OU EXTRAVIO DAS CHAVES

Em caso de perda ou extravio de todas as chaves de um veículo que possua sistema


imobilizador adote os procedimentos, conforme as marcas indicadas a seguir:

VOLKSWAGEN
Na VOLKSWAGEN caso se tenha perdido todas as chaves do veículo, podem ser codificadas
novas chaves sem a necessidade de substituição de todo o sistema (UCE, módulo
imobilizador). Para isso, deve-se ter a senha de acesso ao sistema imobilizador - Pin Code
(gravado na plaqueta de identificação das chaves, entregue ao proprietário no ato da compra
do veículo) e deve ser utilizado um equipamento específico (como o VAG da VOLKSWAGEN).
Porém, se juntamente com as chaves, tiver sido perdida a senha de acesso ao sistema
imobilizador, é possível, com o uso do equipamento adequado, ler o código de identificação
do módulo imobilizador. De posse desse código, pode ser solicitado ao fabricante do veículo
a senha de acesso ao sistema. Com ela podem ser codificadas novas chaves.

FIAT
Nesse caso a perda de todas as chaves (vermelha codificadora - mestra e azuis - principais)
implica na substituição de todo o sistema (central code, UCE, chaves). Isso acontece porque
os códigos das chaves perdidas não podem ser apagados da memória da UCE nem da
central code. Depois da substituição dos componentes, deve ser realizada a codificação
utilizando-se a nova chave mestra.

GM
Na GM, para codificar novas chaves, existe a necessidade de ser conhecida a senha de
acesso ao módulo imobilizador (gravada no cartão INFO-CARD). Caso o info card também
tenha sido perdido, pode ser solicitado ao fabricante o número do mesmo. Para isso basta
informar o número do chassis do veículo. Com a senha de acesso em mãos, a codificação
pode ser realizada. Porém, tal procedimento só é possível com a utilização de equipamentos
específicos (como o TECH1 e TECH2).

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 37


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

FORD
Na FORD, caso sejam perdidas todas as chaves (vermelha codificadora - mestra e pretas -
escravas) é possível descodificá-las da memória do módulo PATS e da UCE e codificar
novas chaves (mestra e escravas) ao sistema. Para isso deve-se possuir equipamentos
específicos (como o NGS da FORD).

38 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”


SISTEMA IMOBILIZADOR

EVIDÊNCIAS DE DEFEITO NO SISTEMA IMOBILIZADOR

FABRICANTE PRINCIPAIS EVIDÊNCIAS DE DEFEITO DETALHES


NO IMOBILIZADOR

• Motor não “pega” ou “pega”, mas morre em seguida.


A UCE desativa os sistemas de ignição e
• Lâmpada do sistema de injeção piscando rapidamente
GM injeção (aproximadamente 1,5 segundos)
(aproximadamente 2 vezes por segundo) enquanto a
após ter sido ligada a ignição.
chave estiver ligada.

• Motor não “pega” ou “pega”, mas morre em seguida.


• LED do sistema imobilizador aceso continuamente ou A UCE desativa os sistemas de ignição e
VW piscando rapidamente. injeção (aproximadamente 2,0 segundos)
• Nos veículos importados (Golf, Passat e Variant) não após ter sido ligada a ignição.
há LED do sistema imobilizador.

• Motor não “vira” ao ser solicitada a partida. A UCE desativa os sistemas de ignição,
FORD • ATS LED sinalizando um código de defeito (conforme injeção e partida em menos de 1,0 segundo
DICA-IE de agosto/99). após ter sido ligada a ignição.

• Motor não “vira” mas não pega. A UCE desativa os sistemas de ignição e
FIAT • Lâmpada do sistema FIAT CODE acesa injeção 0,7 segundos após ter sido ligada a
continuamente. ignição.

ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO” 39


CURSO TÉCNICO DE AUTOMOBILÍSTICA

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FIAT AUTOMÓVEIS S.A. Sistemas Elétricos II - Módulo I - FIAT CODE - Treinamento Assistencial /
Assistência Técnica, 1997.

FORD MOTOR COMPANY LTDA. Sistema PATS. Treinamento de serviço. s.d.

GENERAL MOTORS DO BRASIL LTDA. Sistemas Eletroeletrônicos da Carroceria 8A0324.


Treinamento da rede, 2003.

VOLKSWAGEN DO BRASIL LTDA. Sistema Imobilizador. Treinamento do pessoal da rede. s.d.

VON GLEHN, Fábio Ribeiro. Conceitos Teóriocs e Aspectos Práticos - Imobilizador. Goiania, 2001.

40 ESCOLA SENAI “CONDE JOSÉ VICENTE DE AZEVEDO”