Você está na página 1de 9

Exemplo – Esforços combinados

PROF. ALEXANDRE A. CURY


DEPARTAMENTO DE MECÂNICA APLICADA E COMPUTACIONAL
Exemplo
Verificar a estabilidade dos pontos A, B e C na seção do engaste da estrutura
mostrada ao lado, considerando os critérios de Tresca e de von Mises. Considere:

P0 = 45 kN L=1m S = 200 cm²


P1 = 8 kN h = 25 cm Iz = 10.416,67 cm4
P2 = 4 kN b = 8 cm Iy = 1066,67 cm4
P3 = 3 kN

Máxima tensão admissível: e = 1,5 kN/cm²

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 2


Exemplo P0 = 45 kN
P2 = 4 kN
P1 = 8 kN
P3 = 3 kN
L = 1m, h = 25cm, b = 8cm

1) Cálculo dos esforços internos (N, Qy, Qz, My, Mz e T) na seção do engaste:

1.1) Esforço Normal: 1.4) Momento Fletor em y (My):

N = P0 + P1 = 45 + 8 = 53 [kN] My = P1(b/2) + P3(L/2) = 182 [kN cm]

1.2) Cortante em y (Qy): 1.5) Momento Fletor em z (Mz):

Qy = -P2 = -4 [kN] Mz = P1(h/2) + P2(L) = 500 [kN cm]

1.3) Cortante em z (Qz): 1.6) Momento Torsor (T):

Qz = P3 = 3 [kN] T = P3(h/2) = 37,5 [kN cm]

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 3


Exemplo
1) Cálculo dos esforços internos (N, Qy, Qz, My, Mz e T) na seção do engaste:

Resumo dos esforços


atuantes na seção:

Qy
N = 53 kN
Qy = -4 kN
Mz Qz T Qz = 3 kN
z B
My = 182 kN cm
My Mz = 500 kN cm
T = 37,5 kN cm
N

C A
y
RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 4
Exemplo
N Mz y M yz
2) Cálculo das tensões normais nos pontos A, B e C: x   
S Iz Iy

2.1) Ponto A: (y=12,5 cm; z = -4 cm)

53 500  (12,5) 182  (4)


x     1,547 kN/cm2 Mz
200 10416,67 1066,67 z B
2.2) Ponto B: (y=0 cm; z = -4 cm)
My
53 500  (0) 182  (4)
x     0,947 kN/cm2 N
200 10416,67 1066,67

2.3) Ponto C: (y=12,5 cm; z = 0 cm)


C A
53 500  (12,5) 182  (0) y
x     0,865 kN/cm2
200 10416,67 1066,67

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 5


Exemplo
3) Cálculo das tensões tangenciais nos pontos A, B e C:

3.1) Devidas ao Esforço Cortante em y (Qy):


Qy
Qy M s  4  (6,25  8 12,5)
B = = = - 0,030 kN/cm² A = C = 0 T
tI z 8 10416,67 Qz
z B

3.2) Devidas ao Esforço Cortante em z (Qz):


Qz M s 3  (2  4  25)
C = = = 0,023 kN/cm² A = B = 0
tI y 25 1066,67

3.3) Devidas ao Momento Torsor (T):


C A
Como calcular em uma seção retangular? y

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 6


Exemplo
Cálculo de tensões tangenciais em seções retangulares:

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 7


Exemplo
3) Cálculo das tensões tangenciais nos pontos A, B e C:

3.3) Devidas ao Momento Torsor (T):


Qy
Da tabela, para h/b = 25/8 = 3,125, temos:  = 0,269 e  = 0,752
T Qz T
B   0,087 [kN/cm 2
] C = *B = 0,065 [kN/cm²] A = 0 B
hb 2 z

Quadro-resumo da tensões tangenciais nos pontos A, B e C:

Qy Qz T 
A 0 0 0 0
C A
B -0,030 0 0,087 0,057
y
C 0 0,023 0,065 0,088

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 8


Exemplo
4) Verificação dos critérios de falha nos pontos A, B e C:

4.1) Tresca:  2  4 2   e Qy
- Ponto A: [(1,547)² + 4*0²]1/2 = 1,547 > 1,5  FALHA!
Mz Qz T
- Ponto B: [(0,947)² + 4*(0,057)²]1/2 = 0,954 < 1,5  NÃO FALHA! z B

- Ponto C: [(0,865)² + 4*(0,088)²]1/2 = 0,883 < 1,5  NÃO FALHA! My


N
4.2) von Mises:   3   e
2 2

- Ponto A: [(1,547)² + 3*0²]1/2 = 1,547 > 1,5  FALHA!


C A
- Ponto B: [(0,947)² + 3*(0,057)²]1/2 = 0,952 < 1,5  NÃO FALHA! y

- Ponto C: [(0,865)² + 3*(0,088)²]1/2 = 0,878 < 1,5  NÃO FALHA!

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 - PROF. ALEXANDRE CURY - MAC/UFJF 9