Você está na página 1de 50

REVISÃO PROVA

Unidade 3 – FADIGA
FALHA POR FADIGA

As falhas por fadiga têm aparência típica e não


apresentam estricção mesmo quando a falha é em
material dútil.

Estágios da falha por fadiga.


- Nucleação de trincas (em alguns casos este
estágio não ocorre pois a trinca já existe)
- Crescimento estável da trinca
- Ruptura súbita.
ALGUNS EXEMPLOS DE FRATURA
POR FADIGA
FADIGA DE BAIXO CICLO E FADIGA DE
ALTO CICLO
LIMITE DE RESISTÊNCIA Á FADIGA

Determinado a partir de ensaios de


fadiga ou através de relações com o
limite de resistência à tração.
DIAGRAMA SXN – Corpo de Prova

S@103

S@103
Relação entre limite de fadiga e Sut
Relação entre limite de fadiga e Sut
FATORES DE MODIFICAÇÃO
DIAGRAMA SxN – Peça

C=0,9 Sut

S@103 =0,75 Sut

S@103 S@103
DIAGRAMA SxN – Peça
Estudos mais recentes estabelecem que S@103 depende do
material
S@103 = f Sut
DIAGRAMA SxN – Peça
Como a curva SxN em escala Log-Log é uma reta, a equação é
dada por:
S f = aN b
Onde Sf é o limite de fadiga para um número de ciclos N (qualquer)

São conhecidos dois pontos para determinar a e b:


- Ferrosos e Ti (Com limite de vida infinita):
N1=103 e Sf1=S@103
N2 =106 e Sf2 =Se
- Naõ Ferrosos
N1=103 e Sf1=S@103
N2 =5x108 e Sf2 =Sf@5x108
CONCENTRAÇÃO DE TENSÃO
DIMENSIONAMENTO

Para tensões alternadas e


simples (σm ou τm =0) :

Sf
σa =
η
a a

a a Sf
τa =
η
DIMENSIONAMENTO
Tensões flutuantes :
Concentração de Tensão para Tensão
Média
Kfm :

m,0
No caso de tensões
m fm
combinadas substituir σmax
por σ´max

m fm m,0
DIMENSIONAMENTO
Critérios para Tensão flutuante simples :

- Se σm<0 (τ m<0) ignorar tensão média e fazer como


no caso de tensão alternada simples.

- Se σm>0 (τ m>0) usar um dos critérios de fadiga.


. Soderberg
. Goodman
. Gerber
. Elíptico
DIMENSIONAMENTO

Critério de Soderberg :
Linha de Soderberg Com Fator de Segurança
DIMENSIONAMENTO

Critério de Goodman :
Linha de Goodman Com Fator de Segurança
DIMENSIONAMENTO

Critério de Gerber :
Linha de Gerber Com Fator de Segurança
DIMENSIONAMENTO

Critério de ASME Elíptico :


Linha do Elíptico Com Fator de Segurança
Carregamento Flutuante - Torção
Neste caso deve-se usar o mesmos critérios,
substituindo os limites de resistência estáticos
pelos limites de cisalhamento:

Limite de resistência ao cisalhamento


S su = 0,67 Sut
Limite de escoamento ao cisalhamento
0,577 Sut Usando von Mises
S sY =
0,5Sut Usando Max. Tensão Cisalhante
Carregamento Combinado (multiaxial)
Passos principais:
1- Usar limite de resistência completamente corrigido
para flexão.
2- Calcule as tensões cisalhantes, axiais e de flexão,
separe as tensões alternadas e médias e as corrija
para o fator de concentração de tensão apropriado.
3- Divida as tensões alternadas axiais por kc ,axial
(0,85).
4- Encontre as tensões principais alternadas e médias.
5- Determine as tensões equivalentes alternadas e
médias. (método de von Mises ou método de Sines).
6- Use um critério de fadiga.
7- Verifique as hipóteses adotadas (se houver).
Caso Comum

Em um caso bem comum onde se tem uma tensão


axial, uma tensão de flexão que provoca tensão
normal na mesma direção e uma tensão devido ao
torque:

Von Mises:

m m m
FADIGA ACUMULADA

No caso de se ter tensões que


variam sua amplitude e tensão
média no tempo podemos ter:

. Uma tensão completamente


reversa σ1 durante n1 ciclos, σ2
durante n2 ciclos, ...
. Uma linha de tensão no tempo
com diferentes picos e vales.
FADIGA ACUMULADA

Para estes casos podemos usar duas teorias

. Regra de Miner (teoria de Palmgren-Miner): baseada


na soma da razão de ciclos.
- não leva em conta a ordem de aplicação dos
esforços e prevê uma diminuição no S@103
. Regra de Manson: prevê a construção de um
diagrama SxN para cada tensão alternada aplicada
(maior que Se) e todos os diagramas partem do
mesmo ponto (não altera S@103).
FADIGA ACUMULADA

Miner Manson

Geralmente C =1 LogS

LogS
Sm

103 106 LogN 103 106 LogN


FADIGA SUPERFICIAL
• Ocorre quando se tem tensões de contato dinâmico.
• Nenhum material apresenta vida infinita.
• Como prolongar a vida:
- não usar óleo lubrificante
- usar lubrificante sólido ou de alta viscosidade
- polir a superfície
- aumentar a dureza superficial
• Critério de Buckingham:

K1 F  1 1 
=  +  π (S c )2
n L  r1 r2  K1 = *
K1 =fator tensão-carga
E
EXERCÍCIO
Um eixo rotativo vazado de 42x4mm é usinado em aço 1018 EF
com um furo de 6mm transversal. Estime o fator de segurança
à fadiga (usando Gerber) para a seguinte condição de
carregamento: Um torque flutuante entre 20 e 160 Nxm e um
momento fletor de 150 Nxm.

Dados: Sut =440 MPa D=42mm d=34mm (t=4mm)


Sy =370 MPa a=6mm
FORMULÁRIO
Limite de fadiga para corpo de prova de AÇO:
0.504 S u t p / S u t < 1460MPa
S′e = 
740 MPa p / S u t ≥ 1460MPa

Equações do diagrama SxN do AÇO:


p/ N=103 ⇒ Sf= S@103 = f Sut N=106 ⇒ Sf = Se
(S )2
@ 103
S =a N b a=
f Se
1 S 
 σ a b 1  @ 103 
N =   b =− Log  
 a  3  Se 
 
 
FORMULÁRIO
Fatores de Modificação:
Se= ka kb kc kd ke kf S’e
Sf @5x108 = ka kb kc kd ke kf S’f @5x108
Acabamento:
ka= a(Sut)b se ka > 1 Utilizar ka = 1

Acabamento Superficial a (MPa) b


Retificado 1.58 -0.085
Usinado ou Trabalhado a Frio 4.51 -0.265
FORMULÁRIO
Tamanho : Kb Para flexão rotativa e torção de peças
cilíndricas:

Para d > 254 mm kb= 0.60

Para esforços axiais (peças de qualquer formato): kb = 1


FORMULÁRIO
Carregamento: kc
Flexão não rotativa: kc = 1
Esforço axial (força normal): kc = 0.85
Torção pura: kc = 0.59
Esforços combinados (multiaxiais): kc = 1

Temperatura: kd
(neste exercício kd=1 – Temperatura ambiente)
FORMULÁRIO
Confiabilidade:
Confiabilidade em % ke Confiabilidade em % ke
50 1.000 99.9 0.753
90 0.897 99.99 0.702
95 0.868 99.999 0.659
99 0.814 99.9999 0.620

Fatores diversos:
kf (kf=1 para este problema)
EXERCÍCIO
Estimativa do limite de fadiga:
Se= ka kb kc kd ke kf S’e
S e = 0,504 x 440 = 222 Mpa
´

k a ⇒ Acabamento estirado a frio ( = usinado)


k a = 4,51(440) −0, 265 k a = 0,899
kb → Tamanho (eixo rotativo)
Como d int < 0,95D (d int = 34mm e 0,95D = 39,9) ⇒ d ef = D
− 0 ,107
 42 
kb =   = 0,833
 7,62 
EXERCÍCIO
Estimativa do limite de fadiga:

k c = 1 (tensões combinadas)
k d = 1 (temp. ambiente)
k e = 1 (confiabilidade 50%)
k f = 1 (não tem fator diverso)

Se = 0,899 x0,833 x1x1x1x1x 222 = 166 MPa


FORMULÁRIO
Fórmulas de Tensão Nominal: eixo vazado com furo

M I πA flexão
Flexão: σ 0 = Z net = = (D4 − d 4 )
Z net C 32 D

TD πAtorção
Torção: τ0 = J net = (D 4 − d 4 )
2 J net 32
Aflexão e Atorção são dados na tabela A 16
pág 924 anexoA
Tabelas
Concentração de tensão teórico e Aflexão
Tabelas
Concentração de tensão teórico e Atorção
EXERCÍCIO
Cálculo das tensões máximas e mínimas nominais:
Flexão:

M=150000nxmm (eixo rotativo) σ 0 max = −σ 0 min


Aflexão =0,798 (por interpolação linear da tabela)

I π (0,798)
Z net = = ( 42 4 − 34 4 ) = 3311,62 mm 3
C 32( 42)

150000
σ 0 max = −σ 0 min = = 45,3MPa
3311,62
EXERCÍCIO
Cálculo das tensões máximas e mínimas nominais:
torção:
Tmin =20000 Nxmm e Tmax =160000 Nxmm

Atorção =0,89 (por interpolação linear da tabela)

π (0,89)
J net = (42 4 − 34 4 ) = 155123,05 mm 4
32

Tmax D 160000 x 42
τ 0 max = = = 21,66 MPa
2 J net 2 x(155123,05)

Tmin D 20000 x 42
τ 0 min = = = 2,71 MPa
2 J net 2 x(155123,05)
FORMULÁRIO
Tensões Flutuantes:
σ Max + σ Min τ Max + τ Min σ Max − σ Min τ Max −τ Min
σm = τm = σa = τa =
2 2 2 2
2 2
 nσ ' 
Critérios de Fadiga: Gerber S a  S m  '
nσ a  m 
+ =1 ouM +  =1
Se  S  Se  S 
 ut   ut 
Para vida finita Substituir Se por Sf.

Critério Estático: Sy
σ max
′ =
n 1
 (σ 1 − σ 2 )2 + (σ 2 − σ 3 )2 +(σ 1 − σ 3 )2  2
Tensão equivalente - von Mises σ ′=  
 2 

ou (para o caso de tensões no plano)- σ ′= (σ x ) 2 + 3 (τ xy ) 2


EXERCÍCIO
Cálculo das tensões alternadas e médias nominais:
Flexão: ( σ 0 max = −σ 0 min )
σ − σ 0 min
σ 0 a = 0 max = 45,3MPa
2
σ + σ 0 min
σ 0m = 0 max =0
2
Torção:
τ 0 max − τ 0 min 21,66 − 2,71
τ 0a = = = 9,48MPa
2 2
τ 0 max + τ 0 min 21,66 + 2,71
τ 0m = = = 12,19 MPa
2 2
FORMULÁRIO
Concentração de Tensões para fadiga
(não confundir com fatores diversos)
Esforço alternado (Kf): Kf = 1 + q ( Kt - 1)
q - fator de sensibilidade ao entalhe
Kt - fator de concentração de tensão teórico
Esforço médio (Kfm):
Se Kfσmax nominal< Sy ⇒ Kfm = Kf
S y − K f σ a no min al
Se Kfσmax nominal> Sy ⇒ K fm =
σ m no min al

Se Kfσmax nominal -σmin nominal > 2Sy ⇒ Kfm = 0


Gráficos
Sensibilidade ao entalhe: q (Fig. 7-20 e 7-21)

Esforço Normal Esforço cisalhante


EXERCÍCIO
Fatores de Concentração de tensão à Fadiga:
(tensões alternadas)
Flexão: Kt =2,36 (intepolação da tabela)
q=0,78 (gráfico)
K f = 1 + q ( K t − 1)
K f = 1 + 0,78(2,366 − 1) = 2,07

Torção: Kts =1,75 (intepolação da tabela)


q=0,96 (gráfico)
K fs = 1 + q ( K ts − 1)
K fs = 1 + 0,96(1,75 − 1) = 1,72
EXERCÍCIO
Fatores de Concentração de tensão à Fadiga:
(tensões médias)
Verificando Kfm com relação a Kf

σ max
,
= (K σ
f 0 max )2
+ 3(K τ
fs 0 max )2

σ max
,
= (2,07 x 45,3σ 0 max )2 + 3(1,7221,66)2

σ max
,
= 113,8 MPa < S y = 370 MPa

Kfm = Kf
EXERCÍCIO
Tensções corrigidas:

Flexão: σ a = K f σ 0 a = 2,07 x 45,3 = 93,8 MPa


σ m = K fmσ 0 m = 2,07 x0 = 0

Torção:
τ a = K fsτ 0 a = 1,72 x9,48 = 16,31 MPa
τ m = K fsmτ 0 m = 1,72 x12,19 = 20,97 MPa
EXERCÍCIO
Tensções equivalentes usando o método de
von Mises
Tensão alternada:

σ = (σ a ) + 3(τ a ) = (93,8) + 3(16,31) = 97,96 MPa


´
a
2 2 2 2

Tensão média:

σ m = (σ m ) 2 + 3(τ m ) 2 = (0) 2 + 3(20,96) 2 = 36,30MPa


EXERCÍCIO
Critério de fadiga de Gerber:

nσ a´  nσ m´ 
+   = 1
S e  Sut 
2
nx97,96  nx36,30 
+  =1
166  440 
−3
(6,8063x10 )n + (0,59)n − 1 = 0
2

n = 1,66