P. 1
Apostila de Resistencia Dos Materiais

Apostila de Resistencia Dos Materiais

|Views: 1.257|Likes:
Publicado porandreinacio

More info:

Published by: andreinacio on Oct 27, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/04/2015

pdf

text

original

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais

http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com






APOSTILA DE

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

PARTE I












Profº Sérgio José Elias
Mail: engsergio@hotmail.com
Web: http://engsergio.webs.com













2 0 1 1
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

SUMÁRIO

1 Introdução a Resistência dos Materiais
1.1 Agradecimento
1.2 Apresentação
1.3 Introdução
1.4 Sistemas de Unidades

2 Estruturas
2.1 Tipos de Vínculos
2.2 Tipos de Estruturas
2.3 Classificação das vigas

3 Equilíbrio de Forças e Momentos
3.1 Tração e Compressão
3.2 Método das Projeções

4 Carregamento nas Estruturas
4.1 Tipos de Carregamento

5 Tensões e Deformações
5.1 Tração e Compressão
5.2 O Teste de Tração
5.3 Tensão Normal Φ
5.4 Lei de Hooke
5.5 Fator de Segurança e Tensão Admissível
5.6 Tipos de Cargas

6 Sistemas Estaticamente Indeterminados (Hiperestáticos)
6.1 Introdução
6.2 Tensão Térmica

7 Força Cortante Q e Momento Fletor M
9.1 Convenção de Sinais
9.2 Força Cortante Q
9.3 Momento Fletor M

8 Cisalhamento Puro
8.1 Definição
8.2 Força Cortante Q
8.3 Tensão de Cisalhamento ( τ )
8.4 Deformação do Cisalhamento
8.5 Tensão Normal ( σ ) e Tensão de Cisalhamento ( τ )
8.6 Pressão de Contato σd
8.7 Distribuição ABNT NB14
8.8 Tensão Admissível e Pressão Média de Contato ABNT NB14 - Material Aço

Referências Bibliográficas

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

1 INTRODUÇÃO RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS

1.1 Agradecimento

A passagem do tempo nos torna cada vez mais devedores. Assim, é preciso, apesar da preocupação
em minimizá-la, apresentar meus agradecimentos.
Há certas circunstâncias que surgem na vida que proporcionam oportunidades raras para meditação
e reflexão. E esta é uma oportunidade preciosa.
Ao agradecer a Deus pela oportunidade da vida e saúde que é me dado até hoje, pela sua infinita
misericórdia para com os homens e pelo seu filho, Jesus, que nos foi dado, digo: obrigado, Senhor!
Queria agradecer também pelos meus dois filhos Igor e Iuri, que me trazem tantas alegrias ao verem
crescendo e ocupando seu lugar nesta terra.
Pena que as palavras sejam tão áridas para retratar a dimensão de certos sentimentos.

1.2 Apresentação

Escrever sobre Resistência dos Materiais é sonho latente na imaginação de todo engenheiro
estrutural.
Sua transformação em realidade surgiu, neste caso, a partir da necessidade de um material
compacto que servisse de apoio ao acadêmico de engenharia que necessita de novos textos, ditada
pelas grandes mudanças introduzidas, à última década, no tratamento das estruturas.
O objetivo precípuo deste trabalho é, pois, o de formar engenheiros cujo horizonte seja bem mais
amplo do que aquele delimitado pelas páginas das normas brasileiras hoje em vigor, apesar de
serem elas apresentadas visando permitir sua imediata aplicação. Aqui pode se aplicar do ditado:
“Qualidade não se verifica, mas se constata”.

1.3 Introdução

Estuda o comportamento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregamento.
Os sólidos são barras carregadas axialmente, eixo, vigas e colunas, bem como as estruturas que
possam ser formadas por esses elementos.
O objetivo de análise será a determinação das tensões, deformações específicas e deformações
totais produzidas pelas cargas. Usaremos deduções lógicas para obter fórmulas e equações que
permitam prever o comportamento mecânico do material. Serão aceitos tão somente de experiências
feitas em laboratório.
Resistência dos materiais é uma mistura de teoria e experiência.
Teve início com Leonardo da Vinci, Galileu Galilei fazendo experiências sem que tivessem
desenvolvido teorias adequadas com resistência de fios, barras e vigas. Ao contrário de Euler, que
desenvolveu a teoria matemática das colunas que é usada até hoje.
Vamos iniciar com conceitos fundamentais, tais como vínculos, reações, tensões e deformações,
para, em seguida, investigar o comportamento de elementos estruturais simples sujeitos à tração,
compressão, torção, cisalhamento e flexão.
Apartir de conceitos desenvolvidos mediante teoria e prática podemos melhor garantir a segurança
de uma estrutura, escolher a tensão admissível que restrinja a carga aplicada, visando corrigir
imprecisões de cálculos ou oriundas do processo de fabricação, bem como a variabilidade nas
propriedades mecânicas dos materiais e a própria degradação que sofre o material empregado.
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

1.4 Sistemas de Unidades

Sistema MKS
Comprimento Massa Tempo
M K s
m (metro) Kg (quilograma) s (segundo)

Sistema CGS
Comprimento Massa Tempo
C G s
cm (centímetro) g (grama) s (segundo)

Sistema MK*S ou MKS Técnico
Comprimento Força Tempo
M K* S
m (metro) kgf (quilograma-força) s (segundo)



 Outras Unidades


Nome Símbolo Fator de Multiplicação
Tera T 10
12
= 1 000 000 000 000
Giga G 10
9
= 1 000 000 000
Mega M 10
6
= 1 000 000
Quilo k 10
3
= 1000
Hecto h 10
2
= 100
Deca da 10
Deci d 10
-1
= 0,1
Centi c 10
-2
= 0,01
Mili m 10
-3
= 0,001
Micro p. 10
-6
= 0,000 001
nano n 10
-9
= 0,000 000 001
pico p 10
-12
= 0,000 000 000 001


Nome da Unidade Símbolo Valor do SI
angstrom A 10
-10
m
atmosfera atm. 101325 Pa
bar bar 10
5
Pa
barn b 10
-28
m
2
*caloria cal 4,1868 J
*cavalo-vapor cv 735,5 W
curie ci 3,7 x 10
10
Bq
gal Gal 0,01 m/s
2

* gauss Gs 10
-4
T
hectare ha 10
4
m
2

* quilograma-força kgf 9,80665 N
* milímetro de Hg mmHg 133.322 Pa (aprox)
milha marítima 1852 m

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

2 ESTRUTURAS

2.1 Tipos de Vínculos

Denominamos vínculos ou apoios os elementos de construção que impedem os movimentos de uma
estrutura.

Nas estruturas planas, podemos classificá-los em 3 tipos:

 Vínculos de 1ª classe

Este tipo de vínculo impede o movimento de translação na direção normal ao plano de apoio,
fornecendo-nos desta forma, uma única reação (normal ao plano de apoio). Também conhecido
como rolete que resiste à uma força em apenas uma direção.




 Vínculos de 2ª Classe

Este tipo de vínculo impede apenas dois movimentos; o movimento no sentido vertical e horizontal,
podendo formar duas reações. (vertical e horizontal). Também conhecido como pino que resiste à
uma força que age em qualquer direção.






 Engatamento de 3ª Classe

Este tipo de vínculo impede a translação em qualquer direção, impedindo também a rotação do
mesmo através de um contramomento, que bloqueia a ação do momento de solicitação, ou seja,
resiste a uma força que age em qualquer direção e a um momento.

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

2.2 Tipos de Estrutura

Denomina-se estrutura o conjunto de elementos de construção, composto com a finalidade de
receber a transmitir esforços.


 Estruturas Hipoestáticas

Estes tipos de estruturas são instáveis quanto à elasticidade, sendo bem pouco utilizadas no
decorrer do nosso curso.
A sua classificação como hipoestáticas é devido ao fato de o número de equações da estática ser
superior ao número de incógnitas.

Exemplo:







número de equações > número de incógnitas




 Estruturas Isostáticas

A estrutura é classificada como isostática quando o número de reações a serem determinadas é
igual ao número de equações da estática.


Exemplo:

a)








b)










Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

 Estruturas Hiperestáticas

A estrutura é classificada como hiperestática, quando as equações da estática são insuficientes para
determinar as reações nos apoios.

Para tornar possível a solução destas estruturas, devemos suplementar as equações da estática com
as equações do deslocamento.


Exemplos:



















Número de equações < número de incógnitas






2.3 Classificação das vigas


 Simplesmente apoiadas






Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

 Bi-engastada (fixa)







 Engastada (apoiada)







 Em balanço





 Em balanço nas extremidades



Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

3 EQUILÍBRIO DE FORÇAS E MOMENTOS

Para que um determinado corpo esteja em equilíbrio, é necessário que sejam satisfeitas as
condições:
 Resultantes de Força
A resultante do sistema de forças atuante será nula.
 Resultantes dos Momentos
A resultante dos momentos atuantes em relação a um ponto qualquer do plano de forças será nula.
 Equações Fundamentals da Estática
Baseados, concluímos que para forças coplanares; ∑ Fx =0 , ∑ Fy =0 e ∑M =0 .
 Força Axial ou Normal F

É definida como força axial ou normal a carga que atua na direção do eixo longitudial da peça. A
denominação normal ocorre, em virtude de ser perpendicular, a secção transversal.















3.1 Tração e Compressão

A ação da força axial atuante, em uma peça,
originará nesta tração ou compressão.


 Tração na Peça

A peça estará tracionada quando a força axial
aplicada estiver atuando com o sentido dirigido para
o seu exterior.




 Compressão na Peça

A peça estará comprimida, quando a força axial
aplicada estiver atuando como sentido dirigido para o
interior.

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

3.2 Método das Projeções

O estudo do equilíbrio neste método, consiste em decompor as componentes das forças coplanares
atuante no sistema em x e y conforme item 3.

Exemplos: A construção representada na figura está em equilíbrio. Calcular as forças normais
atuantes nos cabos 1, 2 e 3:

a) b) c)













 Momento de uma Força

Define-se como momento de uma força em relação a um ponto qualquer de referência, como sendo
o produto entre a intensidade de carga aplicada e a respectiva distância em relação ao ponto.
É importante observar que a direção da força e a distância estará sempre defasada 90º.
Na figura dada, o momento da força F em relação ao ponto A será obtido através do produto F.d, da
mesma forma que o produto da carga P em relação a A será obtido através de P.b.
Para o nosso curso, convencionaremos positivo, o momento que obedecer ao sentido horário.
Exemplo 1 - O suporte vertical ABC desliza livremente sobre o eixo AB, porém é mantido na posição
da figura através de um colar preso no eixo. Desprezando o atrito, determinar as reações em A e B,
quando estiver sendo aplicada no ponto C do suporte, uma carga de 5kN.

∑ M
A
= 0

24 R
B
= 5 x 30 R
B
= 6,25 kN
∑ F
H
= 0

R
AH
- R
B
= 6,25 kN

∑ F
V
= 0

R
AV
= 5 kN


Reação em A:

² ²
A AV AH
R R R = + 5² 6, 25²
A
R = + 8
A
R kN =
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Exemplo 2 - A figura a seguir, representa uma junta rebitada, composta por rebites de diâmetros
iguais. Determinar as forças atuantes nos rebites.
















Como os diâmetros dos rebites são iguais, na vertical as cargas serão iguais:
AV B CV
3000
R = R = R = = 1000 N
3


O rebite B, por estar na posição intermediária, não possui reação na horizontal.
O rebite A está sendo "puxado" para a direta, portanto possuirá uma reação horizontal para a
esquerda.
O rebite C, ao contrário de A, esta sendo "empurrado" para a esquerda, portanto possuirá reação
horizontal para a direita.

R
CH
= 9000N - Esforços Horizontais
∑ M
A
= 0 ∑ F
H
= 0
200 R
CH
= 600 x 3000 R
AH
= R
CH
= 9000N

Força atuante nos rebites A e C:
² ²
A AV AV
R R R = + 1000² 9000²
A
R = + 9055
A
R N =

Como R
A
e R
C
são iguais, temos que R
A
e R
C
= 9055 N


Exemplo 3 - Um grifo a utilizado para rosquear um tubo de d = 20mm a uma luva como mostra a
figura. Determinar a intensidade da força F exercida pelo grifo no tubo, quando a força de aperto
aplicada for 40N.
O somatório de momentos em relação à
articulação A soluciona o exercício:

∑ M
A
= 0
30 F = 180 x 40
F = 240N

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Exemplo 4 - Determinar a força que atua no prego, quando uma carga de 80 N atua na extremidade
A do extrator (“pé de cabra"), no caso representado na figura dada.


Solução:

Força de extração do prego:

∑ M
B
= 0

50 F cos 34º = 80 x 200

F = 385 N









Exemplo 5 - Calcular as reações nos apoios da viga. Desprezar o peso da viga.


a)






b)



Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

4 CARREGAMENTO NAS ESTRUTURAS

4.1 Tipos de Carregamento

Estuda-se aqui os diversos tipos de carregamentos que a estrutura estará sujeita:
 As ações de cargas concentradas, isto é, cargas que atuam em um determinado ponto, ou
região com área desprezível;
 Ação das cargas distribuídas, ou seja, cargas que atuam ao longo de um trecho;
 Momento em um determinado trecho da estrutura.

 Forças concentradas



Exemplos - Determinar as reações nos apoios das vigas a e b, carregadas conforme mostram as
figuras a seguir.

a)
















b)











Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

 Carga uniforme distribuída

Exemplos de Cargas Distribuídas

a) O peso próprio de uma viga








b) O peso de uma caixa d'água atuando sobre uma viga












c) O peso de uma laje em uma viga















Podemos ainda citar como exemplos: barragens, comportas, tanques, hélices, etc.


Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Observação: Para o cálculo das reações de apoio, a carga uniforme distribuída é substituída por uma
força concentrada equivalente W igual a área da figura geométrica da carga e que passa pelo seu
centróide: W = p . L .

Exemplo - Determinar as reações nos apoios, nas vigas solicitadas pela ação das cargas
distribuídas, conforme as figuras dadas.













 Carga uniformemente variável



Observação: Para o cálculo das reações de apoio, a carga uniforme variável é substituída por uma
força concentrada equivalente W igual a área da figura geométrica da carga e que passa pelo seu
centróide:
2
pL
W = .



 Momento concentrado




Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
5 TENSÕES E DEFORMAÇÕES

No exemplo, supõe-se a barra carregada nas extremidades por forças axiais, F, que produzem
alongamento uniforme ou compressão na barra. Estas forças estão distribuídas uniformemente sobre
toda a secção transversal, de modo análogo à distribuição da pressão hidrostática sobre uma
superfície imersa.

5.1 Tração e Compressão

Podemos afirmar que uma peça está submetida a esforço de tração ou compressão, quando uma
carga normal F atuar sobre a área da secção transversal da peça, na direção do eixo longitudinal.
Quando a carga atuar com o sentido dirigido para o exterior da peça ("puxada"), a peça estará
tracionada.
Quando o sentido de carga estiver dirigido para o interior da peça, a barra estará comprimida
("empurrada").

Peça tracionada Peça comprimida











σ σ
σ σ
σ σ



Observações:

a) Quando a barra esta sendo alongada pela força F, a tensão resultante é uma tração de tração;
b) Se as forças tiverem o sentido oposto, comprimindo a barra, a tensão é de compressão;
c) Para validar a fórmula da tensão é necessário que σ seja uniforme em toda a seção transversal da
barra;
d) A força axial F tem que agir no centróide da seção transversal;
e) Se a carga F não atuar no centróide, aparece flexão na barra, o que exige análise mais
complicada.

O Alongamento total de uma barra que suporta uma força axial será designado por ( δ ) que é o
alongamento por unidade de comprimento ( L ) denominado deformação ( ξ ) sendo adimensional,
podendo ser de tração ou de compressão, e é calculado:
L
o
ç = .
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
5.2 O Teste de Tração

É encontrado na relação entre as tensões e as deformações de um determinado material.
Um corpo-de-prova, em geral é uma barreta de seção circular. A força atuante e as deformações
resultantes sapo medidas à proporção que a carga aumenta. Deste modo obtém-se o diagrama
tensão-deformação completo para o material em estudo.
Os materiais conforme as suas características são classificados como dúcteis ou frágeis.

 Material Dúctil

O material é classificado como dúctil, quando submetido a ensaio de tração, apresenta deformação
plástica, precedida por uma deformação elástica, para atingir o rompimento.

Exemplo: aço, alumínio, cobre, bronze, latão, níquel, etc.

Diafragma tensão-deformação do aço ABNT 1020

Ponto O – Início de ensaio carga nula;
Ponto O até A – É linear e tem comportamento elástico;
Ponto A – Limite de proporcionalidade;
Ponto A até B – Com o aumento da carga, as deformações crescem mais que as tensões;
Ponto C até D – 10 a 15 x o alongamento ocorrido até o limite de proporcionalidade;
Ponto D – Começa oferecer resistência adicional ao aumento de carga;
Ponto E – Limite máximo de resistência, tensão máxima;
Ponto E até F – A carga total que a barra suporta diminui depois da máx. Redução da área e
não perca da resistência do material;;
Ponto F – Ponto de ruptura do material



Barreta

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Durante o alongamento da barra, há uma contração lateral, que resulta na diminuição da área de
secção transversal. Ocorre estrangulamento (estricção) na barra.
A área sob a curva tensão-deformação representa a energia de deformação absorvida pelo material.
 Quando a tensão atinge o limite de proporcionalidade,
p
o , a energia de deformação é
denominada módulo de resiliência.
 Quando a tensão atingir a tensão de ruptura,
r
o , a energia de deformação é denominada
tenacidade.
Os materiais de alta tenacidade são os mais utilizados em projetos estruturais, pois materiais com
baixa tenacidade podem romper subitamente sem dar sinais de um rompimento iminente.


 Material Frágil

O material é classificado como frágil ou quebradiço, quando submetido a ensaio de tração e não
apresenta deformação plástica, passando da deformação elástica para o rompimento.

Ex.: concreto, vidro, porcelana, cerâmica,
gesso, cristal, acrílico, baquelite, etc.


Diagrama tensão deformação do material frágil

Ponto O – Início de ensaio carga nula
Ponto A – Limite máximo de resistência,
Ponto de ruptura do material.




 Elasticidade

Quando o material tende a retornar à forma original, ele pode ser classificado:
a) Perfeitamente Elástico – Quando a barra volta completamente à forma original;
b) Parcialmente Elástico – Quando o retorno não for total;
c) Deformação Permanente – Quando a deformação permanece depois de retirada a carga.

Obs.: Materiais semelhantes à borracha possuem uma propriedade (elasticidade) que podem
continuar muito além do limite de proporcionalidade.


5.3 Tensão Normal |

A carga normal F, que atua na peça, origina nesta, uma tensão normal que é determinada através da
relação entre a intensidade da carga aplicada, e a área da secção transversal da peça.


F
A
| = . Temos como unidades: Kgf/cm² ou N/m² ou Pascal
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Onde:
| - tensão normal [Pa; ............]
F - força normal ou axial [N; ............]
A - área da secção transversal da peça [m
2
; ............]

A unidade de tensão no SI é o pascal, que corresponde à carga de 1N atuando sobre uma superfície
de 1m
2
.
Como a unidade pascal é infinitesimal, utiliza-se com freqüência, os
seus múltiplos:

GP
a
(giga pascal) GP
a
= 10
9
P
a

MP
a
(mega pascal) MP
a
= 10
6
P
a

KP
a
(quilo pascal) KP
a
= 10
3
P
a


A unidade MPa (mega Pascal, corresponde à aplicação de 10
6
N (um milhão de newtons) na
superfície de um metro quadrado (m
2
). Como m
2
= 10
6
mm
2
, conclui-se que:

2
N
MPa
mm
= ,corresponde à carga de 1N atuando sobre a superfície de 1mm
2
.


5.4 Lei de Hooke

As tensões e as deformações específicas são proporcionais, enquanto não se ultrapassar o limite
elástico. Ao fenômeno da variação linear, Hooke denominou alongamento, constando que:

 Quanto maior a carga normal aplicada, e o comprimento inicial da peça, maior o
alongamento, e que, quanto maior a área da secção transversal e a rigidez do material,
medido através do seu módulo de elasticidade, menor o alongamento, resultando daí a
equação:

FL
l
AE
A = e como
F
A
| = podemos escrever a Lei de Hooke: E
¸
u
= ou l
E
u
A =

Onde:

l A - alongamento da peça [m; ...]
u - tensão normal [P; ...]
F - carga normal aplicada [N; ...]
A
0
- área da secção transversal [m²;...]
E - módulo de elasticidade do material [Pa;...]
L
0
- comprimento inicial da peça [m; ...]

O alongamento será positivo, quando a carga aplicada tracionar a peça, e será negativo quando a
carga aplicada comprimir a peça.

É importante observar que a carga distribui por toda área da secção transversal da peça.
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com


Tração no Nó Compressão no Nó

A B A B
Peça tracionada Peça comprimida


Os diagramas tensão-deformação na maioria dos materiais estruturais apresentam uma região inicial
de comportamento elástico e linear.

σ tg E
o
u
ç
= =
E
o
ç
= .
onde E é uma constante de proporcionalidade conhecida como módulo de
elasticidade do material ou módulo de Young.
ξ Para a maioria dos materiais, o módulo de elasticidade sob compressão é
igual ao sob tração.

Obs.: quando uma barra é carregada por tração simples, a tensão axial e a deformação específica
(alongamento relativo) é respectivamente igual a
F
A
o = e
L
o
ç = .

Combinando estes resultados com a lei de Hooke, temos a seguinte expressão para o
alongamento da barra: . E o ç = .
F
E
A L
o
=
.
.
F L
E A
o = .


 O produto E.A é conhecido como rigidez axial da barra;
 A flexibilidade da barra é definida como deformação decorrente de uma carga unitária
L
EA
;
 A rijeza da barra é definida como a força necessária para produzir uma deformação unitária
EA
L
.

A lei de Hooke, em toda a sua amplitude, abrange a deformação longitudinal ( ¸ ) e a deformação
transversal (
t
¸ ).


 Deformação Longitudinal (¸ )

Consiste na deformação que ocorre em uma unidade de comprimento (u.c) de uma peça submetida
à ação da carga axial.
Sendo definida através das relações:



l
l E
¸
A u
= = .




Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
 Deformação transversal ( γ
t
)

Determina-se através do produto entre a deformação unitária ( ¸ ) e o coeficiente de Poisson (v ).
.
t
¸ v ¸ = ÷ como
l
l E
¸
A u
= = , podemos escrever
.
t
E
v
¸
u
= ou .
t
l
l
¸ v
A
= ÷
onde:


t
¸ - deformação transversal adimensional
u - tensão normal atuante [Pa; ...]
E - módulo de elasticidade do material [Pe;...]
¸ - deformação longitudinal adimensional
v - coeficiente de Poisson adimensional
l A - alongamento [m; ...]
l l – comprimento inicial [m;...]



5.5 Fator de Segurança e Tensão Admissível

Ao projetar uma obra, é necessário assegurar-se que, nas condições de serviço, ela atingirá o
objetivo para o qual foi calculada. A tensão máxima na estrutura é, normalmente, mantida abaixo do
limite de proporcionalidade, porque somente aí não haverá deformação permanente, ou seja, o fator
de segurança ou tensões admissíveis é utilizado no dimensionamento dos elementos de construção,
visando garantir a segurança de uma estrutura com isso assegurar o equilíbrio entre a qualidade da
construção e seu custo.
O projetista poderá obter o fator em normas ou determiná-lo em função das circunstâncias
apresentadas.

É necessário escolher uma tensão admissível que restrinja a carga aplicada, a uma que seje menor
que aquela que a estrutura possa suportar. Há vários motivos para isso:
 Imprecisão de cálculo;
 Imperfeições oriundas do processo de fabricação;
 Variabilidade nas propriedades mecânicas dos materiais; e
 Degradação do material, etc

Emprega-se um coeficiente de segurança (
1
n ou
2
n ), escolhendo-se uma tensão admissível, ou
tensão de projeto, abaixo do limite de proporcionalidade.

1
e
adm
n
o
o = onde:
e
o - tensão no ponto de escoamento;

lim
2
adm
n
o
o =
li m
o - tensão máxima do material.


Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
Os esforços são classificados em 3 tipos:

 Carga Estática
A carga é aplicada na peça e permanece constante;
como exemplos, podemos citar:
Um parafuso prendendo uma luminária.
Uma corrente suportando um lustre.

 Carga Intermitente
Neste caso, a carga é aplicada gradativamente na peça,
fazendo com que o seu esforço atinja o máximo, utilizando
para isso um determinado intervalo de tempo. Ao atingir o
ponto máximo, a carga é retirada gradativamente no mesmo
inter-valo de tempo utilizado para se atingir o máximo,
fazendo com que a tensão atuante volte a zero. E assim
sucessivamente.
Exemplo: dente de uma engrenagem


 Carga Alternada

Neste tipo de solicitação, a carga aplicada na peça varia de
máximo positivo para o máximo negativo ou vice-versa,
constituindo-se na pior situação para o material.

Ex.: eixos, molas, amortecedores, etc.

Para determinar o coeficiente de segurança em função das
circunstâncias apresentadas, deverá ser utilizada a
expressão a seguir:

k =x . y . z . w

- Valores para x (fator do tipo de material)
x = 2,0 para materiais comuns e x = 1,5 para aços de qualidade e aço liga;

- Valores para y (fator do tipo de solicitação)
y = 1 para carga constante; y = 2 para carga intermitente; y = 3 para carga alternada;

- Valores para z (fator do tipo de carga)
z = 1 para carga gradual; z = 1,5 para choques leves; z = 2 para choques bruscos;

- Valores para w (fator que prevê possíveis falhas de fabricação)
w = 1 a 1,5 para aços; w = 1,5 a 2 para fofo.

Para carga estática, normalmente utiliza-se 2 ≤ k ≤ 3 aplicado a σe (tensão de escoa-mento do
material), para o material dúctil e ou aplicado a σr (tensão de ruptura do material) para o material
frágil).

Para o caso de cargas intermitentes ou alternadas, o valor de k cresce como nos mostra a equação
para sua obtenção.
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
6 SISTEMAS ESTATICAMENTE INDETERMINADOS (HIPERESTÁTICOS)

6.1 Introdução

Os sistemas hiperestáticos são aqueles cuja solução exige que as equações da estática sejam
complementadas pelas equações do deslocamento, originadas por ação mecânica ou por variação
térmica.
O deslocamento originado por ação mecânica será determinado através da lei de Hooke .
.
.
F L
l
E A
A = .
Como a aplicação de uma carga axial na peça gera uma tensão
F
A
o = normal, escrevemos a lei de
Hooke.
.l
l
E
o
A = .
Para estudar o deslocamento originado na peça pela variação de temperatura, vamos nos basear na
experiência a seguir:
Suponhamos inicialmente, que uma barra de comprimento l
0
esteja a uma temperatura inicial t
0
. A
barra, ao ser aquecida, passa para uma temperatura t, automaticamente acarretando o aumento da
sua medida linear, l
f
= l
0
+ ∆l.






Essa variação da medida linear, observada na experiência, é proporcional a variação de temperatura
(∆t), ao comprimento inicial da peça (l
0
), e ao coeficiente de dilatação linear do material (α ); desta
forma, podemos escrevê-la: l
f
- l
0 =
l
0 .
α.
(
t

- t
0 ).
∆l = l
0 .
α . ∆t .
onde:

∆l = variação da medida linear originada pela variação de temperatura (dilatação) [m; mm; ...]
l
0
= comprimento inicial da peça [m; mm; ...]
α = coeficiente de dilatação linear do material [ ºC ]
-1

∆t = variação de temperatura [ ºC ]

Para os casos de resfriamento da peça, ( t –t
0
) < 0, portanto: ∆l = - l
0
. α . ∆t .

 ESTRUTURAS ESTATICAMENTE INDETERMINADAS


Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
Observando a estrutura bi-engastada pela estática, temos: Ra + Rb = P em (B) temos:
.
.
P b
P
E A
o = ;
em (C) temos:
.
.
Ra L
R
E A
o = ; Deslocamento total t P R o o o = + , como o deslocamento real é nulo,
temos: P R o o = então
. . P b Ra L
EA EA
= , daí tiramos os valores das reações:
. P b
Ra
L
= e
. P a
Rb
L
=


6.2 Tensão Térmica

Suponhamos, agora, o caso de uma peça bi-engastada, de comprimento transversal A, conforme
mostra a figura.
Se retirarmos um dos engastamentos, a variação de temperatura ∆t > 0, provocará o alongamento
da peça (dilatação), uma vez que a peça estará livre.
Com a engastamento duplo, originar-se-á uma carga axial, que reterá o alongamento da peça.








Peça livre a uma temperatura inicial ( t
0
) Figura “a” ,Dilatação ∆l originada pela variação de
temperature ( ∆l > 0 ) Figura “b” e Dilatação contida pela reação dos engastamentos Figura “c”






Figura “a” Figura “b” Figura “c”


A variação linear devido a variação de temperatura ∆l (t) e a variação linear devido à carga axial de
reação ∆l (R), são iguais, pois a variação total é nula, desta forma, temos: ( ) ( ) l t l R A = A .
Força axial térmica atuante na peça . . . F A E t o = A .



A tensão térmica atuante será:
. . . F A E t
A A
o
o
A
= = . . E t o o = A .

Onde:
F - força axial térmica [N; kN; ...]
σ - tensão normal térmica [MPa; N/mm²;...]
α - coeficiente de dilatação linear do material [ ºC ]
-1

∆t - variação de temperatura [ ºC ]

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

7 FORÇA CORTANTE Q E MOMENTO FLETOR M


7.1 Convenção de Sinais

Força Cortante Q

A força cortante será positiva, quando provocar na peça momento fletor positivo.


- Vigas Horizontais

Convenciona-se a cortante como positiva, aquela que atua à esquerda da secção transversal
estudada de baixo para cima.

- Vigas Verticais

Convenciona-se cortante positiva aquela que atua a esquerda da secção estudada, com o sentido
dirigido da esquerda para direita.


Momento Fletor M

- Momento Positivo

O momento fletor é considerado positivo, quando as cargas cortantes atuantes na peça tracionam as
suas fibras inferiores.









- Momento Negativo

O momento fletor é considerado negativo quando as forças cortantes atuantes na peça comprimirem
as suas fibras inferiores.










O momento fletor é definido através da integral da cortante que atua na secção transversal estudada.
Portanto, tem-se que:
dM
M Qdx
dx
=
}
.

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

7.2 Força Cortante Q

Obtém- se a força cortante atuante em uma determinada secção transversal da peça, através da
resultante das forças cortantes atuantes a esquerda da secção transversal estudada.

Exemplos:



Secção AA Q = Ra
Secção BB Q = Ra – P1
Secção CC Q = Ra – P1 – P2




7.3 Momento Fletor M

O momento fletor atuante em uma determinada secção transversal da peça, obtém-se através da
resultante dos momentos atuantes a esquerda da secção estudada.

Secção AA M = RA . X

Secção BB M = RA . X – P1 (x – a)

Secção CC M = RA . X – P1 (x – a) – P2 [x – (a - b)]



7.4 Exercícios

Ex. 1 Determinar as expressões de força cortante ( Q ) e Momento fletor ( M ), e construir os
respectivos diagramas na viga em balanço solicitada pela carga concentrada P atuante na
extremidade livre, conforme mostra a figura 1 abaixo.


Ex. 2 Determinar as expressões de Q e M e construir os respectivos diagramas na viga biapoiada,
solicitada pela ação da carga concentrada P, conforme mostra a figura 2 abaixo.
















Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

8 CISALHAMENTO PURO

8.1 Definição

Um elemento de construção submete-se a esforço de cisalhamento, quando sofre a ação de uma
força cortante. Além de provocar cisalhamento, a força cortante da origem a um momento fletor,
considerado desprezível.







Cisalhamento em uma secção Cisalhamento em duas secções






8.2 Força Cortante Q

Denomina-se força cortante, a carga que atua
tangencialmente sobre a área de secção
transversal da peça.







8.3 Tensão de Cisalhamento ( τ )

A ação da carga cortante sobre a área da secção transversal da peça causa nesta uma tensão de
cisalhamento, que é definida através da relação entre a intensidade da carga aplicada e a área da
secção transversal da peça sujeita a cisalhamento.
cis
Q
A
t = .
Para o caso de mais de um elemento estar submetido a cisalhamento, utiliza-se o somatório das
áreas das secções transversais para o dimensionamento. Se os elementos possuirem a mesma área
de secção transversal, basta multiplicar a área de secção transversal pelo número de elementos (n).

Tem-se então:
.
cis
Q
N A
t = .
Onde:
τ – tensão de cisalhamento [Pa; ...]
Q – carga cortante [ n ]

A
cis
- área da secção transversal da peça [ m
2
]
n – número de elementos submetidos a cisalhamento [ adimensional ]

Se as áreas das secções transversais forem desiguais, o esforço atuante em cada elemento será
proporcional a sua área de secção transversal

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

8.4 Deformação do Cisalhamento

Supondo-se o caso da secção transversal retangular da figura, observa-se o seguinte:
Ao receber a ação da carga cortante, o ponto C desloca-se para a posição C’, e o ponto D para a
posição D’, gerando o ângulo denominado distorção.

A distorção é medida em radianos (portanto adimensional), através da relação entre a tensão de
cisalhamento atuante e o módulo de elasticidade transversal do material.


G
t
¸ = .

Onde:

¸ - distorção [ rad ]
t - tensão de cisalhamento atuante [ Pa ]
G - módulo de elasticidade transversal do material [ Pa ]



8.5 Tensão Normal ( σ ) e Tensão de Cisalhamento (t )

A tensão normal atua na direção do eixo longitudinal da peça, ou seja, perpendicular a secção
transversal, enquanto que a tensão de cisalhamento é tangencial à secção transversal da peça.













8.6 Pressão de Contato σ
d


No dimensionamento das juntas rebitadas, parafusadas, pinos, chavetas, etc., torna -se necessária a
verificação da pressão de contato entre o elemento e a parede do furo na chapa (nas juntas).










A carga Q atuando na junta, tende a cisalhar a secção AA (ver figura acima).
Ao mesmo tempo, cria um esforço de compressão entre o elemento (parafuso ou rebite) e a parede
do furo (região AB ou AC). A pressão de contato, que pode acarretar esmagamento do elemento e
da parede do furo, é definida através da relação entre a carga de compressão atuante e a área da
secção longitudinal do elemento, que é projetada na parede do furo.

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Tem-se então que:
Região de contato
AB e AC





8.6.1 Pressão de Contato (Esmagamento)



. .
d
proj
Q Q
n A d t
o = = .

Quando houver mais de um elemento (parafuso ou rebite) utiliza-se:


. .
d
proj
Q Q
n A n d
o = = .

Onde:
σ d - pressão de contato [ Pa ]
Q - carga cortante aplicada na junta [ N ]
n - número de elementos [ adimensional ]
d - diâmetro dos elementos [ m ]
t - espessura da chapa [ m ]


8.7 Distribuição ABNT NB14

As distâncias mínimas estabelecidas pela norma a que deverão ser observadas no projeto de
juntas são:














a) Na região intermediária, a distância mínima entre centros dos rebites deverá ser três vezes o
diâmetro do rebite.
b) Da lateral da chapa até o centro do primeiro furo, a distância deverá ter duas vezes o
diâmetro do rebite na direção da carga.
c) Da lateral da chapa até o centro do primeiro furo, no sentido transversal da carga, a distância
deverá ter 1,5 (uma vez e meia) o diâmetro do rebite.

Para o caso de bordas laminadas, permite-se reduzir as distâncias

d + 6 mm para rebites com d < 26 mm.
d + 10 mm para rebites com d > 26 mm.
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

8.8 Tensão Admissível e Pressão Média de Contato ABNT NB14- Material Aço
ABNT 1020

 Rebites

- Tração : σ = 140 MP
a

- Corte : τ = 105 MP
a


Pressão média de contato (cisalhamento duplo):
σ
d
= 280 MP
a


Pressão média de contato (cisalhamento simples):

σ
d
= 105 MP
a




 Parafusos
- Tração : σ = 140 MP
a

- Corte : parafusos não ajustados τ = 80 MP
a

parafusos ajustados τ = 105 MP
a


Pressão de contato média (cisalhamento simples):

σ
d
= 225 MP
a


Pressão de contato média (cisalhamento duplo):

σ
d
= 280 MP
a




 Pinos
- Flexão : σ = 210 MP
a

- Corte : τ = 105 MP
a


Pressão média de contato (cisalhamento simples): σ
d
= 225 MP
a



Pressão média de contato (cisalhamento duplo): σ
d
= 280 MP
a


Em geral, a tensão admissível de cisalhamento é recomendável em torno de 0,6 à 0,8 da tensão
admissível normal.


τ = 0,6 à 0,8 σ








Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
Exercícios Resolvidos

Ex. 1 Determinar a tensão de cisalhamento que atua no plano A da figura.

Solução:

A tensão de cisalhamento atuante no plano A;
é definida através da componente horizontal
da carga de 300 kN, e área da secção A.
Tem-se então que:

6
3 3
300000 cos 37 º 240000.10
10
200.10 .120.10 200.120
MPa t
÷ ÷
= = =





Ex. 2 O conjunto representado na figura é formado por:

1 - parafuso sextavado M12.
2 - garfo com haste de espessura 6mm.
3 - arruela de pressão.
4 - chapa de aço ABNT 1020 espessura 8mm.
5 - porca M12.


Supor que não haja rosca no parafuso, nas
regiões de cisalhamento e esmagamento. A
carga Q que atuará no conjunto é de 6 kN.
Determinar:

a) a tensão de cisalhamento atuante
b) a pressão de contato na chapa intermediária
c) a pressão de contato nas hastes do garfo.

Solução:
a) Tensão de cisalhamento atuante - O parafuso tende a ser cisalhado nas secções AA e BB,
portanto a tensão de cisalhamento será determinada por:
6
2 2 2
2. 2.6000.10
26, 5
2. 2. .12
4
cis
Q Q Q
MPa
d A d
t
t t t
= = = = =

b) Pressão de contato na chapa intermediária - A carga de compressão que causa a pressão de
contato entre a chapa intermediária e o parafuso é de 6kN, portanto a pressão de contato é
determinada por:

3 3
6000
62, 5
. (8.10 ).(12.10 )
di
ch
Q
MPa
T dp
o
÷ ÷
= = =


c) Pressão de contato nas hastes do garfo - A carga de compressão que causa a pressão de contato
entre o furo da haste do garfo e o parafuso é de 3 kN, pois a carga de 6kN divide-se na mesma
intensidade para cada haste, portanto a pressão de contato será:
3 3
6000
41, 7
2. . 2.(6.10 ).(12.10 )
dh
ch
Q
MPa
T dp
o
÷ ÷
= = =
Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Lista de Exercícios

1) Uma barra prismática, com seção retangular (25mm x 50mm) e comprimento L=3,60m, está
sujeita a uma força axial de tração de 10tf. O alongamento da barra é de 1,2mm. Calcular a tensão
de tração e a deformação unitária da barra.
R: 8kg/mm²; 0,00033



2) Um fio longo está pendurado verticalmente e sujeito à ação do seu próprio peso. Calcular o maior
comprimento que poderá ter sem causar rompimento se for de:
a) aço e sendo a tensão de ruptura igual a 240kgf/mm² e peso específico de 8gf/cm²;
b) alimínio, tendo tensão de ruptura de 40kgf/mm² e peso específico de 2,7gf/cm².
R: a) 3.10
7
mm b) 1,5.10
7





3) Um tubo de aço (δe=28kg/mm²) deve suportar uma carga de compressão de 125tf, com um
coeficiente de segurança contra o escoamento de 1,8. Sabendo que a espessura da parede do tubo
é um oitavo do diâmetro externo, calcular o diâmetro externo mínimo necessário.
R: 153mm




4) Uma barra de seção transversal circular (d=40mm) tem um furo radial, com diâmetro igual a d/4.
Supondo que a tensão admissível seja 7kg/mm², calcular a carga provável, P, que a barra pode
suportar sob tração.
R: 6000kgf







5) Um parafuso de aço (E=21.000kg/mm²) com 50 mm de diâmetro deve suportar uma carga de
tração de 30.000kgf. Sabendo que o comprimento inicial da parte carregada é 550mm. Calcular o
comprimento final.
R: 550,40mm




6) Uma barra redonda de aço (E=21.000 kg/mm²), com 6m de comprimento deve suportar uma carga
de tração de 1.000kgf. Sabendo que a tensão admissível é de 12 kgf/mm² e que a deformação
permitida no comprimento é de 2,5mm. Calcular o diâmetro mínimo da barra.
R: 12mm



7) Uma barra carregada como o da figura abaixo tem seção transversal uniforme A e o módulo de
elasticidade E. Obter uma fórmula para a deflexão δ da extremidade inferior. Bara alongará ou
encurtará?
R: PL/3EA along

Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
8) O pedestal visto na figura está sujeito às cargas P1=60tf e P2=70tf. O comprimento da parte
superior é igual a 500mm e a seção transversal é quadrada com 75mm de lado. A parte inferior tem
b=750mm e seção quadrada cujo lado é igual a 125mm. Sabendo que E=20.000kg/mm², achar a
relação entre as deformações axiais unitárias das partes superior e inferior.
R: 1,285



9) Uma barra de aço com 3m de comprimento tem seção transversal circular com d1=20mm, em
metade de seu comprimento, e d2=15mm na outra metade, sabendo que E=21.000 kg/mm².
a) Quanto se alongará sob uma carga de tração P=2.500kgf?
b) Se o mesmo volume de material dor usado numa barra de 3m de comprimento e diâmetro d
constante, qual será a deformação dessa barra sujeita à mesma carga anterior?
R: a) 1,579mm; b) 1,455mm




10) Estabelecer ma fórmula para o cálculo do alongamento total de uma barra prismática, de
comprimento L e seção transversal com área A, pendurada verticalmente por uma extremidade e
sujeita à ação de seu próprio peso. (supor P o peso total da barra).
R: PL/2EA




11) Uma barra de aço, uniforme, colocada sobre um plano horizontal, mede 5m. Calcular o seu
alongamento quando suspensa verticalmente por uma extremidade. Adote E= 21.000 kg/mm² e peso
específico 8 gf/cm³.
R: 0,004762mm




12) Uma barra longa está suspensa verticalmente por uma de suas extremidades e suporta uma
carga P, na outra, O diagrama tensão-deformação do material da barra esta dado na figura A. Achar
o alongamento da barra decorrente da ação combinada do próprio peso e da carga P, sabendo que
seu peso específico vale 6 gf/cm³, área 900mm², comprimento 350mm e P = 6tf.
R: 386mm

Figura A Figura B




13) Achar o diâmetro do parafuso na conexão representada na figura B, sabendo que:
a) P = 3.500kgf e tensão admissível ao cisalhamento de 9 kgf/mm²;
b) P = 5.000kgf e tensão admissível ao cisalhamento de 420 kgf/cm²;
c) P = 4.000kgf e tensão admissível ao cisalhamento de 560 kgf/cm².
R: a) 15,7mm; b) 2,75cm; c) 2,13cm


Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
14) Determinar a área de seção transversal de uma barra de aço prismática vertical, suportando na
sua extremidade inferior uma carga P = 32.000kgf, sendo o comprimento da barra de 220m, a tensão
admissível de 700 kgf/cm² e peso específico do aço de 0,00785kgf/cm³. Determinar o alongamento
total da barra.
R: 6,43cm



15) Um pilar de ponte, formado de duas partes prismáticas de igual comprimento é carregado por
uma força P = 270t. Determinar o volume da alvenaria, sabendo que a altura do pilar é de 36m, seu
peso específico 0,0017kgf/cm³ e a tensão de compressão máxima, em cada parte, de 11kgf/cm².
Comparar este volume como de um pilar prismático simples, projetado para as mesmas condições.
R:



16) Determinar o alongamento de uma barra prismática de comprimento l , secção transversal de
área S e módulo de elasticidade E, submetida à força de tração P.








17) Uma barra de aço tem secção transversal de área S = 10 cm
2
e está solicitada pelas forças axiais que
aí se indicam. Determinar o alongamento da barra, sabendo-se que E = 2.100 t/cm
2
.

Solução:

Estando a barra em equilíbrio, cada uma de suas
partes também estará em equilíbrio. O trecho AB
está submetido à tração de 10 t. O seu
alongamento é:
1 6
. 10000.200
0, 095
. ( 2, 1.10 ).10
P l
cm
E A
A = = =
A força que atua no trecho BC obtém-se determinando a resultante das forças que atuam à esquerda
de uma secção situada entre B e C. Nessas condições, esse trecho está submetido à força de tração
de 7 t. O mesmo resultado se obtém considerando as forças que atuam à direita da secção
considerada. O seu alongamento é:
2 6
. 7000.300
0, 1
. ( 2, 1.10 ).10
P l
cm
E A
A = = =



Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

Analogamente, a força que atua numa secção compreendida entre C e D deve ser de 9 t, para
equilibrar a força que atua em D. O seu alongamento e:
3 6
9000.400
0, 171
( 2, 1.10 ).10
cm A = =
O alongamento da barra é, então: ∆l = ∆
1
+ ∆
2
+ ∆
3
= 0,366 cm.


18) A figura dada representa uma viga I de aço com comprimento l = 4m e área de secção
transversal A= 2800 mm
2
engastadas nas paredes A e B, livre de tensões a uma temperatura de
17ºC. Determinar a força térmica e a tensão térmica, originada na viga, quando a temperatura subir
para 42ºC. bE
aço
= 2,1 x 10
5
MPa e α
aço
= 1,2 x 10
–5
ºC
-1











19) O conjunto representado na figura é constituído por uma secção transversal, A
1
=3600 mm
2
e
comprimento de 500 mm e uma secção transversal, A
2
= 7200 mm
2
e comprimento de 250 mm.
Determinar as tensões normais atuantes nas secções trans-versais das partes 1 e 2 da peça, quando
houver uma variação de temperatura de 20ºC. O material da peça é aço.

E
aço
= 2,1 x 10
5
MPa α
aço
= 1,2 x 10
–5
ºC
-1












20) Uma barra circular de alumínio possui comprimento l = 0,3m e temperatura de 17ºC. Determine a
dilatação e o comprimento final da barra quando a temperatura atingir 32ºC.
α ∆l
= 2,4 x 10
–5
ºC
-1












Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com
21) A figura dada representa uma viga I de aço com comprimento 5m e área de secção transversal
3600 mm
2
. A viga encontra-se engastada na parede A e apoiada junto à parede B, com uma folga de
1 mm desta, a uma temperatura de 12 ºC. Determinar a tensão atuante na viga quando a
temperatura subir para 40 ºC. E aço = 2,1 x 10
5
MP
a
e α
aço
= 1,2 x 10
–5
ºC
-1










22) A barra circular representada na figura, é de aço, possui d = 20 mm e comprimento l = 0,8 m.
Encontra-se submetida à ação de uma carga axial de 10 kN.
Pede -se que determine para a barra:
a) Tensão normal atuante ( Φ )
b) O alongamento ( ∆l )
c) A deformação longitudinal ( γ )
d) A deformação transversal ( γ
t
)
E
aço
= 210 GP
a
(módulo de elasticidade do aço)
V
aço
= 0,3 (coeficiente de Poisson)


23) A figura dada, representa duas barras de aço soldadas na secção BB.

A carga de tração que atua na peça é 4,5 kN. A secção 1 da
peça possui d
1
= 15 mm e comprimento l
1
= 0,6 m, sendo que a
secção 2 possui d
2
= 25 mm e l
2
= 0,9m.

Desprezando o efeito do peso próprio do material, pede-se que
determine para as secções 1 e 2.
a) o alongamento
b) a deformação longitudinal
c) a deformação transversal
d) o alongamento total da peça
Eaço= 210 GPa e v aço= 0,3




24) Uma barra circular possui d = 32 mm, e o seu comprimento l = 1,6 m. Ao ser tracionada por uma
carga axial de 4 kN, apresenta um alongamento ∆l = 114 . Qual o material da barra?









Professor Sérgio José Elias Resistência dos Materiais
http://engsergio.webs.com E-mail: engsergio@hotmail.com

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



ALMEIDA, L.D. Resistência dos Materiais, São Paulo: Editora Érica, 1999
AMARAL, H.M.C. Teoria das Estruturas de Comportamento Liner, Internet, Apostila, 2007
HIBBELER, R.C. Statics and Mechanics of Materials. New York: Macmillian Publishing Company,
1993
IFET - Instituto Federal de Educação e Tecnologia. Resistência dos Materiais, São Paulo: Apostila,
2008.
LEGGERINI, M.R.C.; KALILl, S.B. Estruturas Isostáticas, Rio Grande do Sul: DECivil/PUCRS,
2005
NASH, W.A. Resistência dos Materiais. Rio de Janeiro: Coleção Schaum, 1964
PEREIRA, J.C. Curso de Mecânica dos Sólidos, Santa Catarina: UFSC Departamento de
Engenharia Mecânica, Apostila, 2003
PORTELA, A; Silva,A. Mecânica dos Materiais, Brasília: Editora UnB, 2006
SENAI DR/SC. Resistência dos Materiais, Florianópolis, Apostila, 2004
SALES et al . Sistemas Estruturais - Teoria e Exemplos, São Carlos: EESC/USP, Apostila, 2005
TIMOSHENLO, S.P.; GERE, J.M. Mechanics of Materials. New York: Van Nostrand Company, 1972
VASCONCELOS, R.P. Teoria da Elasticidade, Manaus: UFAM, Apostila, 2006
VIERO, E.H. Isóstatica - Passo a Passo, Caxias do Sul: EDUCS, 2008.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->