Você está na página 1de 2

Causas da crise

Obstaculos da espanção capitalista: o raciocinio era que, para o


capitalismo triunfar a estrutura da sociedade feudal ou agraria tinha que
sofrer uma revolução, a produtividade e a força social do trabalho tinha que
ser redistribuida radicalmente.

Setor Rural predominante: Dificuldade fundamental pois mantinha a


massa da população fora do seu ambito de tal forma que não são
vendedores de força de trabalho nem compradores de mercadoria.

Acumulação primitiva: A criação de um mercado amplo e em expansão


para os bens e de uma força de trabalho livre, ampla e disponivel,
acontecem sempre juntas, são dois aspectos diferentes de um mesmo
processo.

A Especialização dos capitalistas feudais: Italia (mapa)

O resultado mais dramatico da crise foi o declinio da Italia. Havia um


controle das massas mais importantes de capital, mais investiam
desastrosamente. Imobilizaram o capital em construções e o esbanjaram
em emprestimo ao estrangeiro durante a revolução de preços ou foram
desviados das atividades manufatureiras para serem orientados em direção
a formas de investimentos imobiliarios. Quando a crise aconteceu trazendo
a decadencia para o comercio e a manufatura, deixou as finanças italianas
ainda em pé, embora já não preponderantes. Eles perderam terreno por ter
pago custos de produçao mais altos pra produtos de mesma qualidade.

As contradiçoes da expansão: Europa Oriental (mapa)

A relativa especialização das cidades da europa ocidental no comercio e na


manufatura foi conseguida com uma enorme quantidade de generos
alimenticios exportaveis na europa oriental e tambem com a pesca
oceanica devido a agricultura servil em grande escala e a prolongação do
feudalismo, isto teve 3 consequencias: transformou o campones em um
consumidor em menor proporção do que já tinha sido, diminuiu o numero e
a riqueza da nobreza menor em favor de um punhado de magnatas. E
finalmente, sacrificou o mercado mais ativo das cidades em prol dos
interesses do comercio livre dos latifundiarios exportadores. Com isso a
expansão teve dois resultados: criou condições para a expansão das
manufaturas na europa oriental, reduzia por outro lado pelo menos por
algum tempo a saida das manufaturas pelo baltico que era o mercado mais
importante. O baltico começava então a abastecer não apenas o norte da
europa mais tambem o mediterraneo.
As contradições da Expansão: Mercados coloniais e
ultramarinos

Uma grande parte do comercio entre europa e o resto do mundo tinha sido
passivo durante anos, porque os orientais não precisavam dos produtos
europeus na mesma medida do que a europa precisava dos seus. A
situação tinha se equilibrado mediante pagamentos em moeda, exportações
de escravos, peles e outros produtos de luxo. A conquista europeia da
america e das principais rotas comerciais não mudou fundamentalmente
sua estrutura, porque mesmo as americas, exportavam mais do que
importavam. Tanto no oriente como no ocidente podemos distinguir tres
etapas: a dos beneficios faceis, da crise e a prosperidade mais moderna e
estavel. Estima-se que por estas razões que o comercio portugues de
especiarias apenas conseguiu não endividar-se.

Portanto é compreensível o fato de que o antigo sistema colonial


atravessasse um profunda crise e que os efeitos desta sobre a economia
europeia em geral fosse de longo alcance.