Você está na página 1de 3

EXPLICAÇÃO CIENTIFICA PARA O EFEITO DOS FEITIÇOS OU SIMPATIAS.

Muitas pessoas não acreditam ou até ridicularizam a prática de feitiços, pois acham que isso não
passa de mera crendice popular ou não entendem como um "pequeno" ato pode acarretar o
acontecimento de outra coisa.

Em Física, matéria ensinada nas escolas, há uma lei que prevê o seguinte: "Para toda ação,
existe uma reação."

Percebe-se que esta lei não prevê exceções, nem mesmo na prática de feitiços ou simpatias, ou
seja, todo feitiço, comprovadamente pode gerar um acontecimento decorrente. Outra maneira
mais simples de entender por que os feitiços dão certo, é a observação de como funciona a vida,
o ecossistema, as comunicações, etc.
Quando falamos com alguém, a pessoa pode ouvir nossa voz, mesmo sem estar grudada a nós,
pois o som da nossa voz gera vibrações no ar, que chegam até os ouvidos das pessoas. Da
mesma maneira, ao ser praticado um feitiço, utilizando objetos, velas e as vezes obedecendo
alguma lua ou um certo período de tempo, isso vai gerar vibrações no ar, que vai forçar o
acontecimento de determinado objetivo.
As pessoas têm uma tendência a só acreditarem na força física, ou automotiva, ou poder do
dinheiro, etc. Pois são forças ou poderes que elas podem ver a olho nu, no entanto, é importante
lembrarmos da força exercida por um imã em um pedaço de ferro por exemplo, é uma força
invisível, que no entanto atrai magneticamente determinado objeto de ferro a ficar grudado no
imã.
Não é à toa, que os feiticeiros também podem ser chamados de magnetizadores, uma vez que ao
praticarem algum feitiço, geram um campo magnético com a função de atrair alguma pessoa, ou
dinheiro, ou emprego, etc.

O que é magia?

Uma das melhores definições que conheço é uma que diz assim: “Magia é a Arte e a Ciência de
mudar a si mesmo e a realidade que o cerca.”

Magia é uma ciência, sim, porque é regida por leis universais, tão certas e harmônicas quanto as
leis da física e da natureza. Por exemplo, a Lei de Lavousier, que todos estudamos na química
básica diz que: “Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Essa é uma lei tão
válida para a magia quanto para as reações químicas. E o que isso significa em termos mágicos?

- Que você não pode criar algo que já não exista em alguma outra forma.
- Que transformar alguma coisa será sempre mais fácil do que tentar destruí-la.
- Que se você retira alguma coisa de sua vida, você precisa colocar outra coisa no lugar. A
Natureza não tolera um vazio e vai preencher aquele espaço com a primeira coisa que puder, e
nem sempre será aquilo que você quer.

A magia é uma ciência porque você precisa conhecer o caminho mágico com o qual escolheu
trabalhar, seus processos, correspondências, limites e definições. E suas regras. Mas como bem
foi dito no filme Matrix: “Some rules can be bent, some can be broken.” – Algumas regras
podem ser contornadas, algumas podem ser quebradas.
Só que para saber quais regras podem ser contornadas ou quebradas, você precisa conhecer as
regras em primeiro lugar. Não se engane, praticar magia exige estudo, disciplina e dedicação,
como o estudo de qualquer ciência.
Mas a magia também é uma arte e como tal, existem pessoas que nascem com mais habilidade
para ela do que outras. Existem pessoas que conseguem, de forma natural, fluir com a magia de
forma a fazê-la funcionar praticamente sem esforço. Da mesma forma que existem pessoas que
nascem com o dom para a música ou para a pintura. Todos podem aprender a praticar magia,
mas para alguns será mais fácil.

E a magia também é uma arte no sentido de que você deve desenvolver sua própria forma de
praticar, sua assinatura mágica, digamos assim.
Mas, voltando à frase inicial deste texto: “Magia é a Arte e a Ciência de mudar a si mesmo e a
realidade que o cerca.”
Mudar a si mesmo, esta é a chave. Por mais que você consiga alterar os fatos de sua vida,
nenhuma mudança terá um verdadeiro significado ou será permanente a menos que venha de
dentro de você. E quando você começa a mudança à partir de dentro, todo o universo conspira
para que você seja capaz de conseguir aquilo que quer.

Mas é realmente possível mudar a realidade? Sim, claro que é. Se não fosse não haveria tantos
caminhos mágicos e tantos praticantes de magia. Mas você precisa saber que isso pode ser feito.
Saber, não acreditar. Pois a crença pressupõe a existência de uma dúvida.

Eu não acredito em cadeiras, eu sei que elas existem, são fatos. Eu não acredito que a magia
funciona, eu sei que ela funciona isso é um fato.

As falhas de um feitiço
Freqüentemente me perguntam o que deu errado quando um feitiço falha. A primeira coisa que
pergunto é se realmente falhou. É simples: basta analisar com cuidado o que você pediu e
comparar com o que se manifestou. Por exemplo: se você tentou fazer se manifestar um carro
novo e recebeu um modelo de brinquedo, você obteve o que pediu, independente do que
esperava.
Como qualquer outra, a energia mágica flui através do caminho que ofereça a menor resistência.
Se você der o roteiro mais fácil para alcançar seu fim, então é esse o caminho que ele tomará.
Por isso, é importante não pegar qualquer feitiço que encontrar em um livro ou receber de
alguém, como se fosse uma peça de porcelana a ser protegida e mantida em seu estado original.
Os feitiços são energias dispersas que são agrupadas e direcionadas para o seu objetivo pela
nossa força de vontade e nossa necessidade exata. Eles funcionam melhor quando
transformados para satisfazer suas necessidades e situações específicas.
No exemplo do feitiço do carro novo, deveriam ter sido incluídas palavras sobre a necessidade
de um meio de transporte seguro para ir e voltar do trabalho, ou viajar para ajudar no cuidado de
um parente enfermo, nos fins de semana. Fazendo desta forma, teria conseguido o carro para o
transporte de seres humanos, em vez de um carro de brinquedo.
Um feitiço não dá certo por duas razões apenas:
1) Em primeiro lugar devido à energia e o empenho colocado no feitiço terem sido insuficientes
(incluindo não ter objetivos claros);
2) Devido à existência de uma força oposta mais forte que seu feitiço.
As forças opostas não precisam ser de natureza mágica. Pode não ser mais que a vontade de um
indivíduo em preservar seu direito de livre escolha. Você pode refazer um feitiço para superar o
primeiro obstáculo; o segundo, geralmente, não pode ser superado. Às vezes o livre arbítrio de
uma pessoa não pode ser quebrado, não importando o quanto você esteja disposto à sucumbir à
tentação de realizar uma magia negativa. É o direito de uma pessoa resistir à sua magia e não
sucumbir à ela e continuar a interferir nessa vontade alheia só resultará em aborrecimentos
posteriores.
Você também deve ter expectativas realistas sobre o que a magia pode e o que não pode fazer, e
deve ter bom senso suficiente para saber quando a magia não é necessária. Certa vez recebi uma
carta de uma jovem mulher que me pedia um feitiço para mudar a cor de seus olhos. Ela insistia
que esse desejo não era um capricho, mas era algo que já havia pensado por um longo tempo. O
primeiro problema é que nenhum feitiço, sozinho, pode alterar permanentemente uma aparência
física. Existem feitiços, conhecidos como glamour, que podem criar uma ilusão temporária, mas
de forma realista isso não inclui a cor dos olhos.
O outro problema é que a magia para fazer isso já existe no mundo físico, na “magia” das lentes
de contato coloridas. A única maneira lógica de tornar esse objetivo uma realidade seria gastar
dinheiro e esforço para se adaptar a essas lentes.
De acordo com as leis naturais do universo, a magia não fará você voar, mas pode ajudar a
encontrar o dinheiro necessário para fazer uma viagem de avião, ou a aprender projeção astral,
ou jornada da alma. A magia não força alguém famoso, que você nunca encontrou antes, a se
apaixonar por você, embora possa chamar a atenção para você de maneira positiva e criar um
jardim fértil no qual o amor possa florescer.
A magia não pode fazer você ficar com uma aparência melhor, mais alto, mais gracioso, mais
popular, etc., mas pode, temporariamente, projetar essas imagens a outras pessoas. Pode
também realçar os dons que você já possui e lhe dar autoconfiança para superar as barreiras
físicas e emocionais para esses objetivos.

Autoria: Edan McCoy - Trecho retirado do livro “Trabalho Mágico Para Covens”.