Você está na página 1de 463

MOTOR B

SEÇÃO EC EC

SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR C


D

ÍNDICE
ÍNDICE PARA DTC ...................................................... 7 PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO ................ 56 E
Nº. de índice DTC .................................................... 7 Inspeção básica ........................................................... 56
Índice alfabético ....................................................... 1 0 Verificação em Marcha Lenta e Ponto de Ignição .... 61
PRECAUÇÕES ............................................................ 1 3 Procedimento após a substituição do ECM .............. 62
F
Precauções com o Sistema Complementar de Aprendizado da Posição do Pedal
Segurança (SRS) “AIR BAG” e “PRÉ- do Acelerador Liberado .............................................. 62
TENSIONADOR DO CINTO DE SEGURANÇA” ... 1 3 Aprendizado da Posição Fechada da
Precauções relativas aos procedimentos sem a Válvula do Acelerador ............................................. 63 G
cobertura de superior .............................................. 1 3 Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta 63
Sistema de diagnóstico de bordo (OBD) do motor e Verificação de Pressão de Combustível ............... 66
CVT ........................................................................... 1 3 DIAGNÓSTICO DE FALHAS ...................................... 68
PRECAUÇÃO ........................................................... 1 4 Introdução ao diagnóstico de falhas ..................... 68 H
PREPARAÇÃO ............................................................ 1 7 Tabela de Prioridade de Inspeção de um DTC .... 74
Ferramentas Especiais de Serviço ........................ 1 7 Tabela “Fail - Safe” .................................................. 75
Ferramentas Comerciais de Serviço ..................... 1 8 Tabela de matriz de sintomas ................................ 76
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR .................... 19 Localização de peças componentes I
Diagrama do Sistema ............................................. 19 do controle do motor ............................................... 80
Sistema de injeção de combustível de portas Desenho da mangueira de vácuo ......................... 86
multiplas (MFI) .......................................................... 20 Diagrama elétrico .................................................... 87 J
Sistema de ignição eletrônica (EI) ......................... 22 Distribuição do terminal do conector do chicote
Controle de corte de combustível (sem carga e do ECM ..................................................................... 89
motor em alta rotação) ............................................ 23 Terminais e valores de referência do ECM .......... 89
CONTROLE DE CORTE DO AR CONDICIONADO . 2 4 Função CONSULT-III (MOTOR) .............................. 97 K
Tabela de sinal de entrada/saída .......................... 24 Função da ferramenta genérica de varredura
Descrição do sistema .............................................. 24 (GST) ......................................................................... 106
DISPOSITIVO DE CONTROLE AUTOMÁTICO Valor de Referência CONSULT-III no
DE VELOCIDADE (ASCD) ......................................... 25 Monitor de Dados .................................................... 108 L
Descrição do sistema .............................................. 25 DIAGNÓSTICO DE FALHAS – VALOR DE
Descrição de Componentes ................................... 26 ESPECIFICAÇÃO ........................................................ 111
COMUNICAÇÃO VIA CAN ......................................... 27 Descrição ................................................................. 111
M
Descrição do sistema .............................................. 27 Condição de Teste ................................................... 111
SISTEMA DE EMISSÕES POR EVAPORAÇÃO ...... 28 Procedimento de Inspeção ..................................... 111
Descrição ................................................................. 28 Procedimento de Diagnóstico ................................ 112
Inspeção de Componentes .................................... 31 DIAGNÓSTICO DE FALHAS REFERENTE A
VENTILAÇÃO POSITIVA DO CÁRTER ..................... 32 INCIDENTES INTERMITENTES ................................. 120
Descrição ................................................................. 32 Descrição ................................................................. 120
Inspeção de Componentes .................................... 32 Procedimento de Diagnóstico ................................ 120
NATS (SISTEMA ANTIFURTO NISSAN) .................. 34 FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE
Descrição ................................................................. 34 ATERRAMENTO .......................................................... 121
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD) ... 35 Diagrama Elétrico .................................................... 121
Introdução ................................................................. 35 Procedimento de Diagnóstico ................................ 122
Lógica de detecção de duas viagens .................... 35 Inspeção do Aterramento ........................................ 127
Informações de diagnóstico relacionadas às DTC U1000, U1001 – LINHA DE COMUNICAÇÃO
emissões .................................................................. 36 VIA CAN ....................................................................... 128
Luz Indicadora de Funcionamento Incorreto Descrição ................................................................. 128
(MIL) .......................................................................... 47 Lógica de Diagnóstico de Bordo ........................... 128
Tabela de operações do sistema OBD .................. 51 Procedimento de Confirmação de um DTC .......... 128

EC - 1
Diagrama Elétrico ...................................................... 129 Descrição de Componentes ...................................... 162
Procedimento de Diagnóstico ................................... 130 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
DTC U1010 - COMMUNICAÇÃO VIA CAN ............. 131 Data Monitor ................................................................ 162
Descrição .................................................................... 131 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 162
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 131 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 163
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 131 Diagrama Elétrico ...................................................... 164
Procedimento de Diagnóstico ................................... 131 Procedimento de Diagnóstico ................................... 165
CONTROLE DTC P011 IVT ....................................... 132 Inspeção de Componentes ....................................... 168
Descrição .................................................................... 132 Remoção e Instalação ............................................... 169
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo DTC P0112, P0113 IAT SENSOR ............................... 170
Data Monitor ................................................................ 132 Descrição de Componentes ...................................... 170
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 133 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 170
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 133 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 170
Procedimento de Diagnóstico ................................... 134 Diagrama Elétrico ...................................................... 171
Inspeção de Componentes..........................................135 Procedimento de Diagnóstico ................................... 172
Remoção e Instalação ............................................... 135 Inspeção de Componentes ....................................... 173
AQUECEDOR DO SENSOR 1, DTC P0031, Remoção e Instalação ............................................... 173
P0032 A/F ................................................................... 137 DTC P0117, P0118 ECT SENSOR ............................. 174
Descrição .................................................................... 137 Descrição de Componentes ...................................... 174
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 174
Data Monitor ................................................................ 137 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 175
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 137 Diagrama Elétrico ...................................................... 176
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 137 Procedimento de Diagnóstico ................................... 177
Diagrama Elétrico......................................................... 138 Inspeção de Componentes ....................................... 178
Procedimento de Diagnóstico ................................... 139 Remoção e Instalação ............................................... 178
Inspeção de Componentes..........................................141 DTC P0122, P0123 TP SENSOR ................................ 179
Remoção e Instalação ............................................... 141 Descrição de Componentes ...................................... 179
AQUECEDOR DTC P0037, P0038, HO2S2 ............ 142 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Descrição .................................................................... 142 Data Monitor ................................................................ 179
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 179
Data Monitor ................................................................ 142 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 180
Lógica de Diagnóstico de Bordo. ............................. 142 Diagrama Elétrico ...................................................... 181
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 143 Procedimento de Diagnóstico ................................... 182
Diagrama Elétrico .........................................................144 Inspeção de Componentes ....................................... 184
Procedimento de Diagnóstico ................................... 145 Remoção e Instalação ............................................... 184
Inspeção de Componentes ....................................... 147 DTC P0125 ECT SENSOR .......................................... 185
Remoção e Instalação ............................................... 147 Descrição .................................................................... 185
VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DTC Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 185
P0075 IVT .................................................................... 148 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 186
Descrição de Componentes........................................148 Procedimento de Diagnóstico ................................... 186
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Inspeção de Componentes ....................................... 187
Data Monitor ................................................................ 148 Remoção e Instalação ............................................... 187
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 148 DTC P0127 IAT SENSOR ............................................ 188
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 148 Descrição de Componentes ...................................... 188
Diagrama Elétrico ...................................................... 149 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 188
Procedimento de Diagnóstico ................................... 151 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 189
Inspeção de Componentes..........................................152 Procedimento de Diagnóstico ................................... 189
Remoção e Instalação ............................................... 152 Inspeção de Componentes ....................................... 190
DTCP0101 MAF SENSOR ........................................ 153 Remoção e Instalação ............................................... 190
Descrição de Componentes........................................153 DTC P0128 FUNÇÃO DE TERMOSTATO .................. 191
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 191
Data Monitor ................................................................ 153 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 191
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 153 Procedimento de Diagnóstico ................................... 191
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 153 Inspeção de Componentes ....................................... 192
Verificação Geral das Funções ................................. 154 Remoção e Instalação ............................................... 192
Diagrama Elétrico ...................................................... 156 DTC P0130 A/F SENSOR 1 ......................................... 193
Procedimento de Diagnóstico ................................... 157 Descrição de Componentes ...................................... 193
Inspeção de Componentes ....................................... 160 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Remoção e Instalação ............................................... 161 Data Monitor ................................................................ 193
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR .......................... 162 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 193

EC - 2
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 193 Diagrama Elétrico ...................................................... 238 A
Verificação Geral de Função ..................................... 194 Procedimento de Diagnóstico ................................... 239
Diagrama Elétrico ...................................................... 195 Inspeção de Componentes ....................................... 241
Procedimento de Diagnóstico ................................... 196 Remoção e Instalação ............................................... 242 EC
Remoção e Instalação ............................................... 198 DTC P0 171 FUNÇÃO DO SISTEMA DE INJEÇÃO DE
DTC P0131 A/F SENSOR 1 ......................................... 199 COMBUSTÍVEL .......................................................... 243
Descrição dos Componentes .................................... 199 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 243
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 243 C
Data Monitor ................................................................ 199 Diagrama Elétrico ...................................................... 245
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 199 Procedimento de Diagnóstico ................................... 247
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 200 DTC P0 172 FUNÇÃO DO SISTEMA DE INJEÇÃO DE
Diagrama Elétrico ...................................................... 201 COMBUSTÍVEL .......................................................... 250
D
Procedimento de Diagnóstico ................................... 202 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 250
Remoção e Instalação ............................................... 204 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 250
DTC P0132 A/F SENSOR 1 ......................................... 205 Diagrama Elétrico ...................................................... 252 E
Descrição dos Componentes .................................... 205 Procedimento de Diagnóstico ................................... 254
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo DTC P0222, P0223 TP SENSOR ................................ 257
Data Monitor ................................................................ 205 Descrição de Componentes ...................................... 257
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 205 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo F
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 206 Data Monitor ................................................................ 257
Diagrama Elétrico ...................................................... 207 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 257
Procedimento de Diagnóstico ................................... 208 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 257
G
Remoção e Instalação ............................................... 210 Diagrama Elétrico ...................................................... 258
DTC P0133 A/F SENSOR 1 ......................................... 211 Procedimento de Diagnóstico ................................... 259
Descrição de Componentes ...................................... 211 Inspeção de Componentes ....................................... 261
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Remoção e Instalação ............................................... 261 H
Data Monitor ................................................................ 211 DTC P0300 - P0304 FALHA NA IGNIÇÃO EM CILINDROS
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 211 MÚLTIPLOS, N°. 1 – 4 FALHA NA IGNIÇÃO DOS
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 212 CILINDROS ................................................................. 262
Diagrama Elétrico ...................................................... 214 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 262 I
Procedimento de Diagnóstico ................................... 215 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 263
Remoção e Instalação ............................................... 218 Procedimento de Diagnóstico ................................... 263
DTC P0137 H02S2 ....................................................... 219 DTC P0327, P0328 KS ................................................ 269 J
Descrição de Componentes ...................................... 219 Descrição de Componentes ...................................... 269
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 269
Data Monitor ................................................................ 219 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 269
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 219 Diagrama Elétrico ...................................................... 270 K
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 220 Procedimento de Diagnóstico ................................... 271
Verificação Geral de Função ..................................... 220 Inspeção de Componentes ....................................... 272
Diagrama Elétrico ...................................................... 221 Remoção e Instalação ............................................... 272
Procedimento de Diagnóstico ................................... 222 DTC P0335 CKP SENSOR (POS) .............................. 273 L
Inspeção de Componentes ....................................... 224 Descrição de Componentes ...................................... 273
Remoção e Instalação ............................................... 225 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
DTC P0138 H02S2 ..................................................... 226 Data Monitor ................................................................ 273 M
Descrição de Componentes ...................................... 226 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 273
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 274
Data Monitor ................................................................ 226 Diagrama Elétrico ...................................................... 275
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 226 Procedimento de Diagnóstico ................................... 276
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 227 Inspeção de Componentes ....................................... 279
Verificação Geral de Função ..................................... 228 Remoção e Instalação ............................................... 279
Diagrama Elétrico ...................................................... 229 DTC P0340 CMP SENSOR (FASE) ............................ 280
Procedimento de Diagnóstico ................................... 230 Descrição de Componentes ...................................... 280
Inspeção de Componentes ....................................... 234 Valor de Referência doCONSULT-III no Modo
Remoção e Instalação ............................................... 235 Data Monitor ................................................................ 280
DTC P0139 H02S2 ..................................................... 236 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 280
Descrição de Componentes ...................................... 236 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 281
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Diagrama Elétrico ...................................................... 282
Data Monitor ................................................................ 236 Procedimento de Diagnóstico ................................... 283
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 236 Inspeção de Componentes ....................................... 285
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 237 Remoção e Instalação ............................................... 285
Verificação Geral de Função ..................................... 237

EC - 3
DTC P 0420 FUNÇÃO DE CATALISADOR DE Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 319
TRÊS VIAS .................................................................... 286 Verificação Geral de Função ..................................... 320
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 286 Diagrama Elétrico ...................................................... 322
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 286 Procedimento de Diagnóstico ................................... 325
Verificação Geral de Função ..................................... 287 13 Principais Causas de Sobreaquecimento ......... 329
Procedimento de Diagnóstico ................................... 288 Inspeção de Componentes ....................................... 330
DTC P0444, P0445 VÁLVULA SOLENÓIDE DE DTC P1225 TO SENSOR ............................................. 331
CONTROLE DE VOLUME DE SANGRIA DO Descrição de Componentes ...................................... 331
RECIPIENTE EVAP .................................................... 292 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 331
Descrição .................................................................... 292 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 331
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Procedimento de Diagnóstico ................................... 331
Data Monitor ................................................................ 292 Remoção e Instalação ............................................... 332
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 293 DTC P1226 TP SENSOR ............................................. 333
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 293 Descrição de Componentes ...................................... 333
Diagrama Elétrico ...................................................... 294 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 333
Procedimento de Diagnóstico ................................... 296 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 333
Inspeção de Componentes ....................................... 297 Procedimento de Diagnóstico ................................... 333
Remoção e Instalação ............................................... 297 Remoção e Instalação ............................................... 334
DTC P0500 VSS ............................................................ 298 DTC P1421 CONTROLE DE PARTIDA A FRIO ........ 335
Descrição .................................................................... 298 Descrição .................................................................... 335
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 298 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 335
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 298 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 335
Verificação Geral de Função ..................................... 299 Procedimento de Diagnóstico ................................... 335
Procedimento de Diagnóstico ................................... 299 DTC P1564 ASCD INTERRUPTOR DA
DTC P0506 ISC SISTEMA ........................................... 300 DIREÇÂO .................................................................... 337
Descrição .................................................................... 300 Descrição de Componentes ...................................... 337
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 300 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 300 Data Monitor ................................................................ 337
Procedimento de Diagnóstico ................................... 300 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 337
DTC P0507 ISC SISTEMA ........................................... 302 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 338
Descrição .................................................................... 302 Diagrama Elétrico ...................................................... 339
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 302 Procedimento de Diagnóstico ................................... 340
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 302 Inspeção deComponentes ........................................ 343
Procedimento de Diagnóstico ................................... 302 DTC P1572 ASCD INTERRUPTOR DO FREIO ........ 344
DTC P0605 ECM .......................................................... 304 Descrição de Componentes ...................................... 344
Descrição de Componentes ...................................... 304 Valor de Referência doCONSULT-III no Modo
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 304 Data Monitor ................................................................ 344
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 304 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 344
Procedimento de Diagnóstico ................................... 305 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 345
DTC P 0643 FONTE DE ALIMENTAÇÃO DO Diagrama Elétrico ...................................................... 346
SENSOR ...................................................................... 306 Procedimento de Diagnóstico ................................... 347
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 306 Inspeção de Componentes ....................................... 352
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 306 DTC P1574 ASDC SENSOR DE VELOCIDADE
Diagrama Elétrico ...................................................... 307 DO VEÍCULO ............................................................... 354
Procedimento de Diagnóstico ................................... 308 Descrição de Componentes ...................................... 354
DTC P0850 PNP INTERRUPTOR ............................... 311 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 354
Descrição de Componentes ...................................... 311 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 354
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Procedimento de Diagnóstico ................................... 355
Data Monitor ................................................................ 311 DTC P1715 SENSOR DE VELOCIDADE DE ENTRADA
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 311 (SENSOR DE VELOCIDADE PRIMÁRIA) ............... 356
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 311 Descrição .................................................................... 356
Verificação Geral de Função ..................................... 312 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Diagrama Elétrico ...................................................... 313 Data Monitor ................................................................ 356
Procedimento de Diagnóstico ................................... 314 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 356
DTC P1148 CONTROLE DE LOOP Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 356
FECHADO ................................................................... 317 Procedimento de Diagnóstico ................................... 357
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 317 DTC P1805 INTERRUPTOR DO FREIO .................... 358
DTC P1217 SOBREAQUECIMENTO DO MOTOR .. 318 Descrição .................................................................... 358
Descrição do Sistema ................................................ 318 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Valor de Referência doCONSULT-III no Modo Data Monitor ................................................................ 358
Data Monitor ................................................................ 319 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 358

EC - 4
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 358 Data Monitor ................................................................ 395 A
Diagrama Elétrico ...................................................... 359 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 395
Procedimento de Diagnóstico ................................... 360 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 397
Inspeção de Componentes ....................................... 362 Diagrama Elétrico ...................................................... 398 EC
DTC P2100, P2103RELÊ DO MOTOR DE Procedimento de Diagnóstico ................................... 398
CONTROLE DA BORBOLETA ................................. 363 Inspeção de Componentes ....................................... 403
Descrição de Componentes ...................................... 363 Remoção e Instalação ............................................... 403
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo DTC P2138 APP SENSOR .......................................... 404 C
Data Monitor ................................................................ 363 Descrição de Componentes ...................................... 404
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 363 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 363 Data Monitor ................................................................ 404
Diagrama Elétrico ...................................................... 364 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 404
D
Procedimento de Diagnóstico ................................... 365 Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 406
DTC P2101 FUNÇÃO ELÉTRICA DE CONTROLE Diagrama Elétrico ...................................................... 407
DA BORBOLETA ....................................................... 368 Procedimento de Diagnóstico ................................... 408 E
Descrição .................................................................... 368 Inspeção de Componentes ....................................... 411
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 368 Remoção e Instalação ............................................... 411
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 368 DTC P2A00, 1 A/F SENSOR 1 .................................... 412
Diagrama Elétrico ...................................................... 369 Descrição de Componentes ...................................... 412 F
Procedimento de Diagnóstico ................................... 370 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Inspeção de Componentes ....................................... 374 Data Monitor ................................................................ 412
Remoção e Instalação ............................................... 374 Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 412
G
DTC P2118 MOTOR DE CONTROLE DA Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 413
BORBOLETA .............................................................. 375 Diagrama Elétrico ...................................................... 414
Descrição de Componentes ...................................... 375 Procedimento de Diagnóstico ................................... 415
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 375 Remoção e Instalação ............................................... 419 H
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 375 INTERRUPTOR DO FREIO ASCD .............................. 420
Diagrama Elétrico ...................................................... 376 Descrição de Componentes ...................................... 420
Procedimento de Diagnóstico ................................... 377 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Inspeção de Componentes ....................................... 378 Data Monitor ................................................................ 420 I
Remoção e Instalação ............................................... 379 Diagrama Elétrico ...................................................... 421
DTC P2119 ATUADOR ELÉTRICO DE CONTROLE Procedimento de Diagnóstico ................................... 422
DA BORBOLETA ....................................................... 380 Inspeção de Componentes ....................................... 427 J
Descrição dos Componentes .................................... 380 INDICADOR ASCD ...................................................... 429
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 380 Descrição de Componentes ...................................... 429
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 380 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Procedimento de Diagnóstico ................................... 381 Data Monitor ................................................................ 429 K
DTC P2122, P2123 APP SENSOR ............................. 382 Diagrama Elétrico ...................................................... 430
Descrição dos Componentes .................................... 382 Procedimento de Diagnóstico ................................... 431
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo SINAL DE CARGA ELÉTRICA ................................... 432
Data Monitor ................................................................ 382 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo L
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 382 Data Monitor ................................................................ 432
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 383 Procedimento de Diagnóstico ................................... 432
Diagrama Elétrico ...................................................... 384 INJETOR DE COMBUSTÍVEL ..................................... 434 M
Procedimento de Diagnóstico ................................... 385 Descrição de Componentes ...................................... 434
Inspeção de Componentes ....................................... 387 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Remoção e Instalação ............................................... 387 Data Monitor ................................................................ 434
DTC P2127, P2128 APP SENSOR ............................. 388 Diagrama Elétrico ...................................................... 435
Descrição de Componentes ...................................... 388 Procedimento de Diagnóstico ................................... 436
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Inspeção de Componentes ....................................... 438
Data Monitor ................................................................ 388 Remoção e Instalação ............................................... 438
Lógica de Diagnóstico de Bordo .............................. 388 BOMBA DE COMBUSTÍVEL ....................................... 439
Procedimento de Confirmação de um DTC ............. 389 Descrição .................................................................... 439
Diagrama Elétrico ...................................................... 390 Valor de Referência do CONSULT-III no Modo
Procedimento de Diagnóstico ................................... 391 Data Monitor ................................................................ 439
Inspeção de Componentes ....................................... 394 Diagrama Elétrico ...................................................... 440
Remoção e Instalação ............................................... 394 Procedimento de Diagnóstico ................................... 441
DTC P2135 TP SENSOR ............................................. 395 Inspeção de Componentes ....................................... 444
Descrição de Componentes ...................................... 395 Remoção e Instalação ............................................... 444
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo SINAL DE IGNIÇÃO ..................................................... 445
Descrição de Componentes ...................................... 445

EC - 5
Diagrama Elétrico ...................................................... 446 Rotação de Marcha Lenta e Ponto de Ignição ........ 462
Procedimento de Diagnóstico ................................... 449 Valor de Carga Calculado ......................................... 462
Inspeção de Componentes ....................................... 453 Sensor de Fluxo de Massa de Ar ............................. 462
Remoção e Instalação ............................................... 454 Sensor de Temperatura do Ar de Admissão ............ 462
SENSOR DE PRESSÃO DO GÁS DE Sensor de Temperatura da Ventoinha do Motor ...... 462
REFRIGERAÇÃO ...................................................... 455 Aquecedor do Sensor da Relação Ar -
Descrição de Componentes ..................................... 455 Combustível (A/F)1 ..................................................... 462
Diagrama Elétrico ...................................................... 456 Aquecedor de Oxigênio Aquecido 2 ........................ 462
Procedimento de Diagnóstico .................................. 457 Sensor de Posição da Árvore de Manivelas (POS). 462
Remoção e Instalação ............................................... 459 Sensor de Posição da Árvore do Comando de
CONECTOR DE LINK DE DADOS E MIL .................. 460 Válvula (PHASE) ........................................................ 462
Diagrama Elétrico ......................................................... 460 Motor de Controle do Acelerador ............................. 463
DADOS E ESPECIFICAÇÕES DE SERVIÇOS Injetor de Combustível ............................................... 463
(SDS) ........................................................................... 462 Bomba de Combustível ............................................. 463
Pressão do Combustível ............................................ 462

EC - 6
ÍNDICE DE DTC

A
ÍNDICE DE DTC PFP:00024

No de Índice DTC UBS00TZK

NOTA: EC
• Se o DTC U1000 ou U1001 for exibido com outro DTC, faça primeiro o diagnóstico de falha para o DTC
U1000, U1001. Consulte: EC-128, “ DTC U1000, U1001 - LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN”.
• Se o DTC U1010 for exibido com outro DTC, faça primeiro o diagnóstico de falha para o DTC U1010.
Consulte: EC-131, “DTC U1010 - COMUNICAÇÃO VIA CAN”. C

DTC*1 Itens
(indicações da tela do CONSULT-III) Página de referência
GST*2 ECM*3 D
CONSULT-III

U1000 1000*4 CAN COMM CIRCUIT EC-128


E
U1001 1001*4 CAN COMM CIRCUIT EC-128
U1010 1010 CONTROL UNIT(CAN) EC-131

P0000 0000 NO DTC IS DETECTED. — F


.... FURTHER TESTING
.... MAY BE REQUIRED.
G
P0011 0011 INT/V TIM CONT-B1 EC-132
P0031 0031 A/F SEN1 HTR (B1) EC-137
P0032 0032 A/F SEN1 HTR (B1) EC-137 H
P0037 0037 HO2S2 HTR (B1) EC-142
P0038 0038 HO2S2 HTR (B1) EC-142
P0075 0075 INT/V TIM V/CIR-B1 EC-148 I
P0101 0101 MAF SEN/CIRCUIT-B1 EC-153
P0102 0102 MAF SEN/CIRCUIT-B1 EC-162
P0103 0103 MAF SEN/CIRCUIT-B1 EC-162 J
P0112 0112 IATSEN/CIRCUIT-B1 EC-170
P0113 0113 IATSEN/CIRCUIT-B1 EC-170
P0117 0117 ECT SEN/CIRC . EC-174 K
P0118 0118 ECT SEN/CIRC . EC-174
P0122 0122 TP SEN 2/CIRC-B1 EC-179
P0123 0123 TP SEN 2/CIRC-B1 EC-179
L
P0125 0125 ECT SENSOR EC-185
P0127 0127 IAT SENSOR-B1 EC-188
M
P0128 0128 THERMSTAT FNCTN EC-191
P0130 0130 A/F SENSOR1 (B1) EC-193
P0131 0131 A/F SENSOR1 (B1) EC-199
P0132 0132 A/F SENSOR1 (B1) EC-205
P0133 0133 A/F SENSOR1 (B1) EC-211
P0137 0137 HO2S2 (B1) EC-219
P0138 0138 HO2S2 (B1) EC-226
P0139 0139 HO2S2 (B1) EC-236
P0171 0171 FUEL SYS-LEAN-B1 EC-243
P0172 0172 FUEL SYS-RICH-B1 EC-250
P0222 0222 TP SEN 1/CIRC-B1 EC-257
P0223 0223 TP SEN 1/CIRC-B1 EC-257
P0300 0300 MULTI CYL MISFIRE EC-262

EC - 7
ÍNDICE DE DTC

DTC*1
CONSULT-III ECM*3 Itens Página de referência
GST*2 (indicações da tela do CONSULT-III)

P0301 0301 CYL 1 MISFIRE EC-262


P0302 0302 CYL 2 MISFIRE EC-262
P0303 0303 CYL 3 MISFIRE EC-262
P0304 0304 CYL 4 MISFIRE EC-262
P0327 0327 KNOCK SEN/CIRC-B1 EC-269
P0328 0328 KNOCK SEN/CIRC-B1 EC-269
P0335 0335 CKP SEN/CIRCUIT EC-273
P0340 0340 CMP SEN/CIRC-B1 EC-280
P0420 0420 TW CATALYST SYS-B1 EC-286
P0444 0444 PURG VOLUME CONT/V EC-292
P0445 0445 PURG VOLUME CONT/V EC-292
5
P0500 0500 VEH SPEED SEN/CIRC EC-298
P0506 0506 ISC SYSTEM EC-300
P0507 0507 ISC SYSTEM EC-302
P0605 0605 ECM EC-304
P0643 0643 SENSOR POWER/CIRC EC-306
P0705 0705 PNP SW/CIRC CVT-65
P0710 0710 ATF TEMP SEN/CIRC CVT-71
P0715 0715 INPUT SPD SEN/CIRC CVT-76
5
P0720 0720 VEH SPD SEN/CIR AT* CVT-82
P0744 0744 A/T TCC S/V FNCTN CVT-96
P0746 0746 PRS CNT SOL/A FCTN CVT-104
P0776 0776 PRS CNT SOL/B FCTN CVT-107
P0778 0778 PRS CNT SOL/A FCTN CVT-109
P0840 0840 TR PRS SENS/A CIRC CVT-114
P0845 0845 TR PRS SENS/B CIRC CVT-122
P0850 0850 P-N POS SW/CIRCUIT EC-311
P1148 1148 CLOSED LOOP-B1 EC-317
P1217 1217 ENG OVER TEMP EC-318
P1225 1225 CTP LEARNING-B1 EC-331
P1226 1226 CTP LEARNING-B1 EC-333
P1421 1421 COLD START CONTROL EC-335
P1564 1564 ASCD SW EC-337
P1572 1572 ASCD BRAKE SW EC-344
P1574 1574 ASCD VHL SPD SEN EC-354
P1610 1610 LOCK MODE
P1611 1611 ID DISCORD, IMM-ECM
P1612 1612 CHAIN OF ECM-IMMU BL-111
P1614 1614 CHAIN OF IMMU-KEY
P1615 1615 DIFFERENCE OF KEY
P1715 1715 IN PULY SPEED EC-356
P1740 1740 LU-SLCT SOL/CIRC CVT-142

EC - 8
ÍNDICE DE DTC

A
DTC*1
CONSULT-III ECM*3 Itens Página de referência
EC
GST*2 (indicações da tela do CONSULT-III)

P1777 1777 STEP MOTR CIRC CVT-148 C


P1778 1778 STEP MOTR FNC CVT-152

P1805 1805 BRAKE SW/CIRCUIT EC-358


D
P2100 2100 ETC MOT PWR-B1 EC-363

P2101 2101 ETC FUNCTION/CIRC-B1 EC-368


E
P2103 2103 ETC MOT PWR EC-363

P2118 2118 ETC MOT-B1 EC-375


F
P2119 2119 ETC ACTR-B1 EC-380

P2122 2122 APP SEN 1/CIRC EC-382


G
P2123 2123 APP SEN 1/CIRC EC-382

P2127 2127 APP SEN 2/CIRC EC-388


H
P2128 2128 APP SEN 2/CIRC EC-388

P2135 2135 TP SENSOR-B1 EC-395


I
P2138 2138 APP SENSOR EC-404

P2A00 2A00 A/F SENSOR1 (B1) EC-412


J
*1: O Nº. do DTC da 1a viagem é o mesmo que o nº. do DTC
*2: Este número é prescrito pela ISO 15031-5.
*3: No Modo “Test Diagnostic” II (“Self-Diagnostic Results”), este número é controlado pela NISSAN.
*4: A solução de problema deste DTC necessita do CONSULT-III. K
*5: Quando ocorrerem operações à prova de falha para ambos os auto-diagnósticos, a MIL acende.

EC - 9
ÍNDICE DO DTC

Índice alfabético UBS00TZL

NOTA:
• Se o DTC U1000 ou U1001 for exibido com outro DTC, faça primeiro o diagnóstico de falha para o
DTC U1000, U1001. Consulte: EC-128, “DTC U1000, U1001 - LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA
CAN”.
• Se o DTC U1010 for exibido com outro DTC, faça primeiro o diagnóstico de falha para o DTC
U1010. Consulte: EC-131, “DTC U1010 - LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN”.

Itens DTC*1
(termos da tela CONSULT-III) CONSULT-III ECM*3 Página de referência
GST*2
A/F SEN1 HTR (B1) P0031 0031 EC-137
A/F SEN1 HTR (B1) P0032 0032 EC-137
A/F SENSOR1 (B1) P0130 0130 EC-193
A/F SENSOR1 (B1) P0131 0131 EC-199
A/F SENSOR1 (B1) P0132 0132 EC-205
A/F SENSOR1 (B1) P0133 0133 EC-211
A/F SENSOR1 (B1) P2A00 2A00 EC-412
A/T TCC S/V FNCTN P0744 0744 CVT-96
APP SEN 1/CIRC P2122 2122 EC-382
APP SEN 1/CIRC P2123 2123 EC-382
APP SEN 2/CIRC P2127 2127 EC-388
APP SEN 2/CIRC P2128 2128 EC-388
APP SENSOR P2138 2138 EC-404
ASCD BRAKE SW P1572 1572 EC-344
ASCD SW P1564 1564 EC-337
ASCD VHL SPD SEN P1574 1574 EC-354
ATF TEMP SEN/CIRC P0710 0710 CVT-71
BRAKE SW/CIRCUIT P1805 1805 EC-358
CAN COMM CIRCUIT 1000 1000*4 EC-128
CAN COMM CIRCUIT U1001 1001*4 EC-128
CHAIN OF ECM-IMMU P1612 1612 BL-111
CHAIN OF IMMU-KEY P1614 1614 BL-111
CKP SEN/CIRCUIT P0335 0335 EC-273
CLOSED LOOP-B1 P1148 1148 EC-317
CMP SEN/CIRC-B1 P0340 0340 EC-280
COLD START CONTROL P1421 1421 EC-335
CONTROL UNIT(CAN) U1010 1010 EC-131
CTP LEARNING-B1 P1225 1225 EC-331
CTP LEARNING-B1 P1226 1226 EC-333
CYL 1 MISFIRE P0301 0301 EC-262
CYL 2 MISFIRE P0302 0302 EC-262
CYL 3 MISFIRE P0303 0303 EC-262
CYL 4 MISFIRE P0304 0304 EC-262
DIFFERENCE OF KEY P1615 1615 BL-111
ECM P0605 0605 EC-304
ECT SEN/CIRC P0117 0117 EC-174
ECT SEN/CIRC P0118 0118 EC-174

EC - 10
ÍNDICE DE DTC

A
Itens DTC*1
(indicações da tela do CONSULT-III) CONSULT-III ECM*3 Página de referência
GST*2 EC
ECT SENSOR P0125 0125 EC-185
ENG OVER TEMP P1217 1217 EC-318
ETC ACTR-B1 P2119 2119 EC-380
C
ETC FUNCTION/CIRC-B1 P2101 2101 EC-368
ETC MOT-B1 P2118 2118 EC-375
D
ETC MOT PWR P2103 2103 EC-363
ETC MOT PWR-B1 P2100 2100 EC-363
FUEL SYS-LEAN-B1 P0171 0171 EC-243
E
FUEL SYS-RICH-B1 P0172 0172 EC-250
HO2S2 (B1) P0137 0137 EC-219
HO2S2 (B1) P0138 0138 EC-226 F
HO2S2 (B1) P0139 0139 EC-236
HO2S2 HTR (B1) P0037 0037 EC-142
HO2S2 HTR (B1) P0038 0038 EC-142 G
IAT SEN/CIRCUIT-B1 P0112 0112 EC-170
IAT SEN/CIRCUIT-B1 P0113 0113 EC-170
IAT SENSOR-B1 P0127 0127 EC-188 H
ID DISCORD, IMM-ECM P1611 1611 BL-111
INPUT SPD SEN/CIRC P0715 0715 EC-356
IN PULY SPEED P1715 1715 EC-356 I
INT/V TIM CONT-B1 P0011 0011 EC-132
INT/V TIM V/CIR-B1 P0075 0075 EC-148
ISC SYSTEM P0506 0506 EC-300
J
ISC SYSTEM P0507 0507 EC-302
KNOCK SEN/CIRC-B1 P0327 0327 EC-269
K
KNOCK SEN/CIRC-B1 P0328 0328 EC-269
LOCK MODE P1610 1610 BL-111
LU-SLCT SOL/CIRC P1740 1740 CVT-142
L
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0101 0101 EC-153
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0102 0102 EC-162
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0103 0103 EC-162 M
MULTI CYL MISFIRE P0300 0300 EC-262
NO DTC IS DETECTED.
FURTHER TESTING P0000 0000 —
MAY BE REQUIRED.
P-N POS SW/CIRCUIT P0850 0850 EC-311
PNP SW/CIRC P0705 0705 CVT-65
PRS CNT SOL/A FCTN P0746 0746 CVT-104
PRS CNT SOL/B CIRC P0778 0778 CVT-109
PRS CNT SOL/B FCTN P0776 0776 CVT-107
PURG VOLUME CONT/V P0444 0444 EC-292
PURG VOLUME CONT/V P0445 0445 EC-292
SENSOR POWER/CIRC P0643 0643 EC-306

EC - 11
ÍNDICE DE DTC

Itens DTC*1
(indicações da tela do CONSULT-III) Página de referência
CONSULT-III ECM*3
GST*2

STEP MOTR CIRC P1777 1777 CVT-148


STEP MOTR FNC P1778 1778 CVT-152
THERMSTAT FNCTN P0128 0128 EC-191
TP SEN 1/CIRC -B1 P0222 0222 EC-257
TP SEN 1/CIRC -B1 P0223 0223 EC-257
TP SEN 2/CIRC -B1 P0122 0122 EC-179
TP SEN 2/CIRC-B1 P0123 0123 EC-179
TP SENSOR-B1 P2135 2135 EC-395
TR PRS SENS/A CIRC P0840 0840 CVT-114
TR PRS SENS/B CIRC P0845 0845 CVT-122
TW CATALYST SYS-B1 P0420 0420 EC-286
VEH SPD SEN/CIR AT*5 P0720 0720 CVT-82
5
VEH SPEED SEN/CIRC* P0500 0500 EC-298

*1: O nº. do DTC da 1a viagem é o mesmo nº. do DTC


*2: Este número é prescrito pela ISO 15031-5.
*3: No Modo “Diagnostic Test.” II (“Self-diagnostic results”), este número é controlado pela NISSAN
*4: A solução de problema para este DTC necessita do CONSULT-III.
*5: Quando ocorrerem operações à prova de falha para ambos os auto-diagnósticos, a MIL acende.

EC - 12
PRECAUÇÕES

PRECAUÇÕES A
Cuidados com o Sistema de Segurança Complementar (SRS) “AIR BAG” e “PRÉ-
TENSIONADOR DO CINTO DE SEGURANÇA” UBS00TZM
EC
O Sistema Complementar de Segurança (“AIR BAG” e o “PRÉ-TENSIONADOR DO CINTO DE
SEGURANÇA”), usado em conjunto com os cintos de segurança dos bancos dianteiros, ajuda a
reduzir o risco ou a gravidade de lesões ao motorista e ao passageiro dianteiro em certos tipos
C
de colisão. As informações necessárias para reparar o sistema com segurança estão incluídas
na seção SRS e SB deste Manual de Serviços.
ATENÇÃO:
• Toda manutenção no sistema SRS deve ser feita por uma Concessionária NISSAN para evitar que o D
sistema se torne inoperante, e aumente o risco de lesõesgraves ou fatais no caso de uma colisão na
qual pudesse ocorrer um disparo do “airbag”.
• Manutenção inadequada, incluindo a remoção e instalação incorreta do SRS, pode levar a lesões E
pessoais causadas pela ativação não intencional do sistema. Para a remoção do Cabo Espiral e do
Módulo do Air Bag, consulte a seção SRS.
• Não use equipamentos elétricos para teste em nenhum circuito relacionado ao SRS, a menos que haja F
instrução específica para isso neste Manual de Serviços. Os chicotes do SRS podem ser identificados
pelos chicotes ou conectores de cor amarelo e/ou laranja.
G
Precauções relativas aos Procedimentos sem a Cobertura Superior UBS00TZN

Quando estiver executando o procedimento após ter removido


a cobertura superior, cubra a parte inferior do pára-brisa com
H
uretano, etc.

Sistema de Diagnóstico de Bordo (OBD) do Motor e CVT


UBS00TZO J
O ECM possui um sistema de diagnóstico de bordo. Ele
acenderá a luz indicadora de mau funcionamento (MIL) para
informar o condutor que há um defeito que causa a deterioração da emissão. K

ATENÇÃO:
• Não deixe de colocar o interruptor de ignição na posição OFF e desconectar o cabo massa da L
bateria antes de executar qualquer trabalho de reparo ou inspeção. O curto-circuito ou o circuito
interrompido nos respectivos interruptores, sensores, válvulas solenóides, etc., fará com que a
MIL acenda.
M
• Não deixe de conectar e travar os conectores corretamente após executar o trabalho. Um
conector frouxo (não travado) fará com que a MIL acenda em razão de curto-circuito. (Certifique-
se de que o conector está isento de água, graxa, sujeira, terminais amassados, etc.)
• Certos sistemas e componentes, especialmente aqueles associados ao OBD, podem usar um
novo conector de chicote, do tipo que trava por deslizamento. Para obter acesso a uma descrição
e às instruções para desconectá-lo, consulte: PG-62 “CONECTOR DO CHICOTE”.
• Não deixe de conduzir e fixar os chicotes adequadamente após ter executado o trabalho. A
interferência do chicote com uma braçadeira, etc., fará com que a MIL acenda em razão de curto-
circuito.
• Não deixe de conectar os tubos de borracha adequadamente após executar o trabalho. Um tubo
de borracha mal conectado ou desconectado pode fazer com que a MIL acenda em razão do mau
funcionamento do sistema de injeção de combustível, etc.
• Não deixe de apagar as informações desnecessárias, relativas do mau funcionamento (reparos
concluídos) do ECM e TCM (Módulo de Controle de Transmissão) antes de entregar o veículo ao
cliente.

EC - 13
PRECAUÇÕES

Precaução UBS00TZP

• Sempre use uma bateria de 12 volts como fonte de energia.


• Não tente desconectar os cabos da bateria enquanto o motor
estiver funcionando.
• Antes de conectar ou desconectar o conector do chicote do
ECM, coloque o interruptor de ignição na posição OFF e
desconecte o cabo negativo da bateria. Se isso não for feito, o
ECM poderá ser danificado, pois a corrente da bateria é
aplicada ao ECM mesmo se o interruptor de ignição estiver na
posição OFF.
• Antes de remover peças, coloque o interruptor de ignição na
posição OFF e, em seguida, desconecte o cabo massa da bateria.

• Não desmonte o ECM.


• Se o cabo da bateria estiver desconectado, a memória voltará
aos valores iniciais do ECM.
Agora o ECM iniciará o auto-controle nos seus valores iniciais.
O funcionamento do motor poderá sofrer uma ligeira variação
quando o cabo for desconectado. No entanto, não se trata de
uma indicação de mau funcionamento. Não substitua peças
em função de uma ligeira variação.
• Se a bateria for desconectada, as seguintes informações de
diagnóstico, relacionadas às emissões, serão perdidas dentro
de 24 horas.
– Códigos de diagnóstico de falhas;
– Códigos de falha de diagnóstico de 1a viagem;
– Dados de imagem congelada;
– Dados de imagem congelada de 1a viagem;
– Códigos de prontidão do sistema para testes (SRT);
– Valores de teste.

• Ao conectar o conector do chicote do ECM, aperte-o (B)


corretamente com uma alavanca (1) até onde for possível,
como se pode ver na ilustração.
– ECM (2)
– Sentido de destravamento (A)

• Ao conectar ou desconectar os conectores de pinos no ou do


ECM, atentar para não danificar (dobrar ou quebrar) os
terminais dos pinos.
Certifique-se de que não haja dobras ou quebras no terminal
de pinos do ECM, ao conectar conectores de pinos.
• Conecte com firmeza os conectores do chicote do ECM. Uma
conexão de má qualidade pode causar a ocorrência de uma
corrente de alta intensidade (pico de corrente) na bobina e no
condensador,
o que pode causar danos aos IC’s.
• Mantenha o chicote do sistema de controle do motor a uma
distância de pelo menos 10 cm (4 pol.) do chicote adjacente,
para evitar falha do sistema de controle do motor em razão
de o mesmo estar recebendo ruído externo, operação
prejudicada dos IC’s, etc.
• Mantenha as peças do sistema de controle do motor e o chicote secos.
EC - 14
PRECAUÇÕES

• Antes de substituir o ECM, execute a inspeção “Terminais do A


ECM e Valor de Referência” e certifique-se de que o ECM
esteja funcionando adequadamente. Consulte EC-89,
“Terminais e Valor de Referência do ECM”. EC
• Manuseie cuidadosamente o sensor de fluxo de massa de ar
para evitar danos.
• Não desmonte o sensor de fluxo de massa de ar. C
• Não limpe o sensor de fluxo de massa de ar com nenhum
tipo de detergente.
• Não desmonte o atuador elétrico de controle do acelerador. D
• Até mesmo um pequeno vazamento do sistema de entrada de
ar pode causar incidentes sérios.
• Não submeta o sensor de posição da árvore de manivelas E
(FASE) nem o sensor de posição do árvore de manivelas
(POS) a choques ou agitação.
• Após executar cada DIAGNÓSTICO DE FALHA, execute o
F
Procedimento de Confirmação do DTC ou Verificação Geral
de Função. O DTC não deve ser exibido no Procedimento de
Confirmação do DTC se o reparo estiver concluído. A
Verificação Geral de Função deve indicar um bom resultado G
se o reparo estiver concluído.

• Ao medir os sinais do ECM com um teste de circuito, nunca H


permita que as duas sondas do teste entrem em contato uma
com a outra. O contato acidental das sondas causará um
curto-circuito e danificará o transistor de potência do ECM. I
• Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a
voltagem de entrada/saída. Essa prática poderá causar
dados ao transistor do ECM. Use um terra ao invés dos J
terminais de aterramento, como, por exemplo, o solo.

EC - 15
PRECAUÇÕES

• Não opere a bomba de combustível quando não houver


combustível nas linhas
– Unidade do sensor de nível de combustível e bomba de
combustível (1)
– Regulador de pressão de combustível (2)
– Sensor de nível de combustível (3)
• Aperte as braçadeiras da mangueira de combustível com o
torque especificado.

• Não pise no acelerador ao dar a partida no motor.


• Imediatamente após dar a partida, não eleve as rotações do
motor desnecessariamente
• Não eleve as rotações motor imediatamente antes de
desligá-lo.

• Ao instalar rádio faixa do cidadão ou um telefone celular,


não deixe de observar o seguinte, pois isso poderá afetar os
sistemas eletrônicos de controle, dependendo do local da
instalação.
– Mantenha a antena o mais longe possível das unidades
eletrônicas de controle.
– Mantenha a linha de alimentação da antena a uma distância
superior a 20 cm (8 pol.) do chicote dos controles
eletrônicos.
Não permita que tenham uma trajetória em paralelo por uma
longa distância.
– Ajuste a antena e a linha de alimentação de forma que a
onda estacionária de rádio possa ser mantida menor.
– Não deixe de aterrar o rádio à carroçaria do veículo.

EC - 16
PREPARAÇÃO

PREPARAÇÃO PFP:00002
A
Ferramentas Especiais de Serviço
As formas reais das ferramentas Kent-Moore podem ser diferentes das ferramentas para serviços especiais
ilustradas neste manual. UBS00TZQ
EC

Número da Ferramenta Descrição


(Kent-Moore no)
Nome da Ferramenta C

KV10117100
(J-36471-A) Afrouxando ou apertando o sensor
Sensor de oxigênio aquecido de oxigênio aquecido com uma D
porca sextavada de 22 mm (0,87
pol.)

KV10114400 Afrouxando ou apertando o sensor


(J-38365) de oxigênio aquecido
Sensor de oxigênio aquecido a: 22 mm (0,87 pol.) F

G
Verificação da Pressão de
(J-44321) Combustível
Indicador de pressão de
combustível H

I
(J-44321-6) Conectando o indicador de pressão
Adaptador de pressão de combustível às linhas de
de combustível combustível do tipo de conector
engate rápido J

K
Medição dos sinais do ECM com
EG17550000 um teste de circuito
Caixa de desconexão
L

Medição dos sinais do ECM com M


EG17680000 um teste de circuito
Adaptador de cabo em Y

KV10118400 Medição da pressão de


Adaptador do tubo combustível
de combustível

EC - 17
PREPARAÇÃO

Ferramentas Comerciais de Serviço UBS00TZR

Número da Ferramenta Descrição


(Kent-Moore no)
Nome da Ferramenta

Desaperto rápido de conector Remoção dos engates rápidos do tubo de


combustível no compartimento do motor
(Disponível na SEC 164 do CATÁLOGO DE
PEÇAS: Nº. de Peça 16441 6N210)

Adaptador da tampa do tanque de Verificação da pressão de abertura da válvula


combustível de alívio de vácuo do tanque de combustível

Remoção e instalação do sensor de temperatura


Chave de soquete do líquido de arrefecimento do motor

Recondicionamento das roscas do sistema de


Limpador de rosca do exaustão antes de instalar um novo sensor de
sensor de oxigênio, oxigênio. Use com o lubrificante anti-engripane
isto é: (J-43897-18) que se pode ver abaixo.
(J-43897-12) a: 18 mm de diâmetro com passo de 1,5 mm
para o Sensor de Oxigênio Zirconia
b: 12 mm de diâmetro com passo de 1,25
mm para o Sensor de Oxigênio Titania

Lubrificação da ferramenta de limpeza da rosca


Lubrificante anti-engripante,
do sensor de oxigênio durante o
isto é: (Permatex TM 133AR
recondicionamento das roscas do sistema de
ou equivalente, em conformidade
escapamento.
com a especificação MIL -A-907)

EC - 18
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR

SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR PFP:23710


A
Diagrama do Sistema UBS00TZS

EC

EC - 19
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR

Sistema de Injeção de Combustível de Portas Múltiplas (MFI) UBS00TZT

TABELA DE SINAL DE ENTRADA/SAÍDA


Sensor Sinal de Entrada para o ECM Função ECM Atuador

Sensor de Posição da Árvore de Manivelas(POS) Rotações do motor *3

Sensor de posição árvore comando de válvulas(PHASE) Posição do pistão

Sensor do fluxo da massa de ar Quantidade de ar de entrada

Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Temperatura do líquido de


do motor arrefecimento do motor

Densidade de oxigênio
Sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F) do gás de escapamento

Sensor de posição do acelerador Posição do acelerador

Sensor de posição do pedal do acelerador Sensor de posição do pedal


do acelerador
Injeção de
Posição da alavanca combustível Injetor de
Interruptor posição estacionamento/ neutra (PNP)
e controle da combustível
Bateria Tensão da bateria*3 razão da
mistura
Sensor de detonação Condição de detonação
do motor

Unidade de controle de EPS Operação da direção


hidráulica*2

Sensor de oxigênio aquecido 2* Densidade de oxigênio


do gás de escapamento

Interruptor do ar condicionado Operação do ar


condicionado*2

Sensor da roda Velocidade do veículo *2


*1: Este sensor não é usado para controlar o sistema do motor em circunstâncias normais.
*2: Este sinal é enviado ao ECM por meio da linha de comunicação via CAN.
*3: O ECM determina o status do sinal de partida pelos sinais de rotação do motor e voltagem da bateria.
DESCRIÇÃO DO SISTEMA
A quantidade de combustível injetado pelo injetor de combustível é determinada pelo ECM. O ECM controla
o período de tempo na qual a válvula permanece aberta (duração do pulso de injeção). A quantidade de
combustível injetado é um valor de programa na memória do ECM. O valor do programa é pré-determinado
pelas condições de operação do motor. Essas condições são determinadas por sinais de entrada (no que
se refere às rotações do motor e ar de entrada) do sensor de posição da árvore de manivelas (POS), do
sensor de posição da árvore de comando de válvulas (FASE) e do sensor de fluxo de massa de ar.
VARIAÇÕES DAS COMPENSAÇÕES (DIMINUIÇÃO/AUMENTO) NO FLUXO DE INJEÇÃO DE
COMBUSTÍVEL
Além disso, a quantidade de combustível injetado é compensada para melhorar o desempenho do motor
em várias condições de operação conforme a relação a seguir.
<Aumento na quantidade de combustível>
•Durante o aquecimento
•Por ocasião da partida do motor.
•Durante a aceleração.
•Operação com motor quente
•Quando a posição da alavanca seletora muda de N para D (modelos CVT)
•Operação com grande carga e alta velocidade
<Diminuição na quantidade de combustível>
•Durante a desaceleração
•Durante a operação com o motor em alta rotação

EC - 20
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR

CONTROLE DE RETROALIMENTAÇÃO DA RAZÃO DA MISTURA (CONTROLE DE CIRCUITO FECHADO) A

EC

O sistema de retroalimentação da razão de mistura proporciona a melhor taxa da mistura ar/combustível E


para a dirigibilidade e controle de emissões. O catalisador de três vias (coletor) pode, então, reduzir melhor
as emissões de CO, HC e Nox. O sistema usa o sensor 1 de razão ar/combustível (A/F) no coletor de
escapamento para monitorar se a operação do motor está rica ou pobre. O ECM ajusta a largura do pulso de
F
injeção de acordo com o sinal da voltagem do sensor. Para maiores informações a respeito do sensor 1 de
razão ar/combustível (A/F), consulte: EC-199, “DTC P0131 A/F SENSOR 1” . Isso mantém a taxa
dentro da faixa de mistura estequiométrica (mistura ar/combustível ideal). Este estágio é conhecido
como a condição de controle de circuito fechado. G
O sensor 2 de oxigênio aquecido se localiza após a jusante do catalisador de três vias (coletor). Mesmo se
as características de comutação do sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F) mudarem, a taxa ar/combustível
é controlada de modo a ficar na condição estequiométrica pelo sinal do sensor 2 de oxigênio aquecido. H

Controle de Circuito Interrompido


A condição de sistema de circuito interrompido se refere à situação em que o ECM detecta qualquer uma das I
seguintes condições. O controle de retroalimentação pára, com o objetivo de manter a queima de
combustível estabilizada.
• Desaceleração e aceleração; J
• Operação com alta carga e alta velocidade;
• Mau funcionamento do sensor 1 da taxa ar/combustível (AF) ou do seu circuito;
• Ativação Insuficiente do sensor 1 da taxa ar/combustível (AF) a uma baixa temperatura do líquido de K
arrefecimento do motor;
• Alta temperatura do líquido de arrefecimento do motor;
• Durante o aquecimento; L
• Após mudar de N para D (modelos CVT);
• Quando estiver dando a partida no motor.
M
CONTROLE DE AUTO-APRENDIZADO DA RAZÃO DE MISTURA
O sistema de controle de retroalimentação da razão da mistura monitora o sinal da taxa de mistura
transmitido do sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F). Este sinal de retroalimentação é enviado, em seguida,
ao ECM. O ECM controla a taxa básica da mistura tão próxima à taxa da mistura teórica quanto possível. No
entanto, a taxa de mistura básica não é necessariamente controlada conforme originalmente programada.
Tanto as diferenças de manufatura (isto é, fio quente do sensor de fluxo de massa de ar) como as mudanças
nas características durante a operação (isto é, entupimento do injetor de combustível) afetam diretamente a
razão da mistura.
Dessa forma, a diferença entre as razões da mistura básica e teórica é monitorada nesse sistema. Essa
informação é, em seguida, computada em termos de “duração do pulso de injeção” para compensar
automaticamente a diferença entre as duas razões.
“Compensação de Combustível” se refere ao valor de compensação de retroalimentação quando comparado
com a duração da injeção básica. A compensação de combustível inclui compensação a curto e a longo
prazo.

EC - 21
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR

“Compensação de combustível a curto prazo” é a compensação de combustível a curto prazo usada para
manter a taxa de mistura no seu valor teórico. O sinal do sensor 1 de razão ar/combustível (A/F) indica se a
taxa de mistura está RICA ou POBRE em comparação com o valor teórico. Em seguida o sinal desencadeia
uma redução no volume de combustível se a razão da mistura estiver rica, e um aumento no volume de
combustível se ela estiver pobre.
“Compensação de combustível a longo prazo” é a compensação geral de combustível realizada a longo
prazo para compensar o desvio contínuo da compensação a curto prazo do valor central. Tal desvio ocorrerá
devido às diferenças entre um motor e outro, ao desgaste ao longo do tempo e às mudanças no ambiente de
utilização.
PONTO DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL
• Sistema de injeção seqüencial de combustível de portas múltiplas • Sistema de injeção seqüencial de combustível de portas múltiplas
Pulso de injeção

Cilindro Nº. 1 Cilindro Nº. 1

Cilindro Nº. 2 Cilindro Nº. 2

Cilindro Nº. 3 Cilindro Nº. 3

Cilindro Nº. 4 Cilindro Nº. 4


1 ciclo do motor 1 ciclo do motor
SEF337W

Dois tipos de sistemas são usados


Sistema de Injeção Seqüencial de Combustível de Portas Múltiplas
O combustível é injetado em cada cilindro durante cada ciclo do motor de acordo com a ordem de disparo.
Este sistema é usado quando o motor está funcionando.
Sistema de Injeção Simultânea de Combustível de Portas Múltiplas
O combustível é injetado simultaneamente em todos os quatro cilindros duas vezes a cada ciclo do motor.
Em outras palavras, os sinais de pulso da mesma largura são transmitidos simultaneamente do ECM.
Em seguida, os quatro injetores de combustível recebem os sinais duas vezes para cada ciclo de motor.
Este sistema é usado quando se está dando a partida no motor e/ou quando o sistema à prova de falha
(CPU) está funcionando.
CORTE DE COMBUSTÍVEL
O fornecimento de combustível para cada cilindro é cortado durante a desaceleração, operação do motor a
rotações excessivamente altas ou operação do veículo em excessos de velocidade.
Sistema de Ignição Eletrônica (EI) UBS00TZU

TABELA DE SINAIS DE ENTRADA/SAÍDA


Sensor Sinal de Entrada para o ECM Função ECM Atuador

Sensor de posição do virabrequim (POS) Rotações do motor*2


Sensor de posição do eixo comando de válvulas (FASE) Posição do pistão
Sensor de fluxo de massa de ar Quantidade de ar de entrada
Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Temperatura do líquido de
do motor arrefecimento do motor Controle do Transistor
ponto de de
Sensor de posição do acelerador Posição do acelerador ignição potência
Sensor de posição do pedal do acelerador Posição do pedal do acelerador
Bateria Voltagem da bateria *2
Sensor de detonação Detonação do motor
Interruptor de posição de estacionamento/neutra (PNP) Posição do câmbio
Sensor de roda Velocidade do veículo*1

* 1: Este sinal é enviado ao ECM pela linha de comunicação via CAN.


* 2: O ECM determina o status do sinal de partida pelos sinais de rotações do motor e voltagem da bateria.

EC - 22
SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR

A
DESCRIÇÃO DO SISTEMA
Ordem de disparo: 1 - 3 - 4 - 2
O ponto de ignição é controlado pelo ECM para manter a melhor taxa ar/combustível para todas as condi-
EC
ções de funcionamento do motor. Os dados do ponto de ignição são armazenados no ECM.
O ECM recebe informações como a largura do pulso de injeção e sinal do sensor de posição do eixo co-
mando de válvulas (FASE). Computando essas informações, são transmitidos sinais de ignição ao transis-
tor de potência. Durante as seguintes condições, o ponto de ignição é revisado pelo ECM de acordo com os C
outros dados armazenados no ECM.
• Por ocasião da partida.
• Durante o aquecimento. D
• Em marcha lenta
• Quando a tensão da bateria estiver baixa
• Durante a aceleração E
O sistema de retardo do sensor de detonação é projetado somente para emergências. O ponto básico de
ignição é programado dentro da zona anti-detonação, se for usado o combustível recomendado em
condições secas. O sistema de retardo não opera sob condições normais de condução. Se ocorrer F
detonação do motor, o sensor de detonação monitorará a condição. O sinal é transmitido para o ECM. O
ECM retarda o ponto de ignição para eliminar a condição de detonação.
G
Controle de Corte de Combustível (sem carga e motor em alta rotação) UBS00TZV

TABELA DE SINAIS DE ENTRADA/SAÍDA


Sensor Sinal de Entrada para o ECM Função ECM Atuador H
Interruptor de posição de estacionamento/neutra Posição neutra
(PNP)

Sensor de posição do pedal do acelerador Posição do pedal do acelerador


I
Controle de Injetor de
Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Temperatura do líquido de corte de combustível
do motor arrefecimento do motor combustível J
Sensor de posição da árvore de manivelas (POS) Rotações do motor
Sensor de posição da árvore do comando de válvulas
(FASE)
K
Sensor de roda Velocidade do veículo*

L
*: Este sinal é enviado ao ECM pela linha de comunicação via CAN.

DESCRIÇÃO DO SISTEMA M
Se o motor estiver a mais de 2.000 rpm sem carga (por exemplo, se a alavanca seletora estiver na
posição P ou N (CVT), Neutra (M/T) e o motor estiver a mais de 2.000 rpm) ocorrerá o corte de
combustível depois de algum tempo. O momento exato do corte de combustível depende da
rotação do motor. O corte de motor se estenderá até que o motor chegue a 1.500 rpm. Em
seguida, o corte de combustível será cancelado.
NOTA:
Esta função é diferente do controle de desaceleração relacionado no item: EC-20 “Sistema de
Injeção de Combustível de Portas Múltiplas (MFI)”.

EC - 23
CONTROLE DE CORTE DO AR CONDICIONADO

CONTROLE DE CORTE DO AR CONDICIONADO PFP:23710


Tabela de Sinais de Entrada/Saída UBS00TZW

Sensor Sinal de Entrada para o ECM Função ECM Atuador

Interruptor do ar condicionado Sinal*1 de ar condicionado na


posição ON

Sensor de posição do pedal do acelerador Posição do pedal do acelerador

Sensor de posição da árvore de manivelas (POS) Rotações do motor*2


Sensor de posição da árvore comando de válvulas (FASE)
Controle de Relê do ar
Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor Temperatura do líquido de corte do ar
arrefecimento do motor condicionado
condicionado

Bateria Tensão da bateria*2

Sensor de pressão do líquido de arrefecimento Pressão do líquido de


arrefecimento

Unidade de controle do EPS Operação da direção hidráulica*1

Sensor da roda Velocidade do veículo*1

*1: Este sinal é enviado para o ECM pela linha de comunicação via CAN
*2: O ECM determina o status do sinal de partida pelos sinais de rotações do motor e tensão da bateria.

Descrição do Sistema UBS00TZX

Este sistema melhora a operação do motor quando o ar condicionado é usado. Nas condições
a seguir, o ar condicionado é desligado:
• Quando se pisa no pedal do acelerador totalmente.
• Quando se está dando a partida no motor
• Quando o motor está em altas rotações.
• Quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor se torna excessivamente alta.
• Quando se opera a direção hidráulica com baixas rotações do motor ou quando o veículo se
encontra em baixa velocidade.
• Quando o motor está em rotações excessivamente baixas.
• Quando a pressão do líquido de arrefecimento do motor for excessivamente baixa ou alta.

EC - 24
DISPOSITIVO AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE VELOCIDADE (ASCD)

DISPOSITIVO AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE VELOCIDADE (ASCD) PFP:18930


A
Descrição do Sistema UBS00TZY

TABELA DE SINAIS DE ENTRADA/SAÍDA


EC
Sensor Sinal de Entrada para o ECM Função ECM Atuador

Interruptor do freio ASCD Operação do pedal do freio


C
Interruptor da luz de parada Operação do pedal do freio
Interruptor da embreagem ASCD (modelos M/T) Operação do pedal da embreagem Controle da Atuador
velocidade elétrico de
Interruptor de direção ASCD Operação do interruptor de direção - ASCD controle do
D
do veículo
Posição da alavanca ASCD acelerador
Interruptor da posição de estacionamento/neutra (PNP) Velocidade do veículo*
E
Medidor combinado Rotação do agregado motriz*
TCM (modelos CVT)

*: Este sinal é enviado para o ECM pela linha de comunicação via CAN F

SISTEMA ASCD BÁSICO


Consulte o Manual do Proprietário para instruções de operação ASCD.
G
O Dispositivo Automático de Controle de Velocidade (ASCD) permite que o condutor mantenha o veículo a
uma velocidade constante pré-estabelecida sem pressionar o pedal do acelerador. O condutor pode
programar a velocidade do veículo antecipadamente entre aproximadamente 40 km/h (25 mph) e 144 km/h
(89 mph). H
O ECM controla o ângulo do acelerador do atuador elétrico de controle do acelerador para regular a
velocidade do motor. O status de operação do ASCD é indicado pelo indicador CRUZEIRO e pelo indicador
SET no medidor combinado. Se ocorrer um mau funcionamento no sistema ASCD, ele desativará o controle I
automaticamente.
NOTA:
Sempre conduza o veículo com segurança, de acordo com as condições de trânsito e obedeça todas as leis de J
trânsito.

OPERAÇÃO PROGRAMADA K
Pressione o interruptor MAIN (O indicador CRUISE no medidor conjunto acende.)
Quando o veículo atingir uma velocidade desejada entre aproximadamente 40 km/h (25 mph) e 144 km/h
(89 mph), pressione o interruptor SET/COAST (Nesse momento, o indicador SET no medidor combinado L
acende.)

OPERAÇÃO ACELERAR M
Se o interruptor RESUME/ACCELERATE for pressionado durante o período em que o veículo estiver em
velocidade controlada de cruzeiro, aumente a velocidade do veículo até que o interruptor seja liberado ou
até o veículo atingir a velocidade máxima controlada pelo sistema. Em seguida, o ASCD manterá a nova
velocidade estabelecida.

CANCELAR A OPERAÇÃO
Na ocorrência de qualquer uma das condições a seguir, a operação de cruzeiro será cancelada.
• O interruptor CANCEL é pressionado.
• Mais de dois interruptores no interruptor do volante ASCD são pressionados ao mesmo tempo (A
velocidade estabelecida será apagada)
• O pedal do freio for pressionado.
• O pedal da embreagem for pressionado ou a posição da alavanca for modificada para a posição neutra
(modelos M/T)
• A alavanca seletora for colocada na posição N, P, R (modelos CVT)

EC - 25
DISPOSITIVO AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE VELOCIDADE (ASCD)

• A velocidade do veículo diminui para 13 km/h (8 mph) abaixo da velocidade pré-estabelecida.


Quando o ECM detecta qualquer uma das condições a seguir, o ECM cancelará a operação de
cruzeiro e informará o motorista por meio do acendimento intermitente da lâmpada indicadora.
• Quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor for ligeiramente superior à
temperatura normal de operação, a luz CRUISE poderá acender com intermitência lenta.
Quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor diminui até a temperatura normal de
operação, a lâmpada CRUISE pára de piscar e a operação de cruzeiro poderá funcionar
bastando pressionar o interruptor SET/COAST ou o interruptor RESUME/ACCELERATE.
• Quando houver mau funcionamento no que se refere a alguns auto-diagnósticos associados ao
controle ASCD: A lâmpada SET acenderá com intermitência rápida.
Se o interruptor MAIN for colocado na posição OFF quando o ASCD estiver ativado, todas as
operações do ASCD serão canceladas e a memória de velocidade do veículo será apagada.

OPERAÇÃO COAST
Quando o interruptor SET/COAST for pressionado durante condução do veículo em controle de
cruzeiro, diminua a velocidade programada do veículo até que o interruptor seja liberado. Em
seguida, o ASCD manterá a nova velocidade estabelecida.

RETOMAR A OPERAÇÃO
Quando o interruptor RESUME/ACCELERATE for pressionado após uma operação de cancelamento
diferente do pressionamento do interruptor MAIN, o veículo voltará à última velocidade programada. Para
retomar a velocidade programada do veículo, é preciso que o veículo esteja em conformidade com as
seguintes condições:
• O pedal de freio deve estar liberado.
• O pedal da embreagem deve estar liberado (modelos M/T)
• A alavanca seletora deve estar em uma posição que não seja P nem N (modelos CVT)
• A velocidade do veículo deve ser superior a 40 km/h (25 mph) e inferior a 144 km/h (89 mph)

Descrição dos Componentes UBS00TZZ

INTERRUPTOR DE DIREÇÃO - ASCD


Consulte: EC-337

INTERRUPTOR DE FREIO - ASCD


Consulte: EC-344 e EC-420

INTERRUPTOR DA EMBREAGEM – ASCD


Consulte: EC-344 e EC-420

INTERRUPTOR DA LUZ DE FREIO


Consulte: EC-344, EC-358 e EC-420.

ATUADOR ELÉTRICO DE CONTROLE DO ACELERADOR


Consulte: EC-363, EC-368, EC-375 e EC-380.

INDICADOR DO ASCD
Consulte: EC-429.

EC - 26
COMUNICAÇÃO VIA CAN

COMUNICAÇÃO VIA CAN PFP:23710


A
Descrição do Sistema UBS00U00

CAN (Rede de Área de Controlador) é uma linha de comunicação serial para aplicativos em tempo
EC
real. Trata-se de uma linha multiplexada de comunicação embarcada, com alta velocidade de
comunicação de dados e excelente capacidade de detecção de erros.
Muitas unidades eletrônicas de controle estão instaladas em um veículo e cada unidade de controle
compartilha informações e dados comuns com outras unidades de controle durante a operação (não são C
independentes). Na comunicação via CAN, as unidades de controle são conectadas com duas linhas de
comunicação (a linha CAN H e a linha CAN L), o que permite uma alta taxa de transmissão de informações
com menos chicote. Cada unidade de controle transmite/recebe dados, mas lê, seletivamente, somente os D
dados necessários.

EC - 27
SISTEMA DE EMISSÕES POR EVAPORAÇÃO

SISTEMA DE EMISSÕES POR EVAPORAÇÃO PFP:14950


Descrição UBS00U01

DESCRIÇÃO DO SISTEMA

O sistema evaporativo de emissão é usado para reduzir os hidrocarbonetos emitidos para a


atmosfera pelo sistema de combustível. Esta redução de hidrocarbonetos é conseguida por carvão
ativado no recipiente EVAP.
O vapor de combustível no tanque de combustível selado é encaminhado para o recipiente EVAP que
contém carvão ativado, e o vapor é armazenado nesse local quando o motor não está funcionando ou
quando o tanque de combustível está sendo abastecido.
O vapor no recipiente EVAP é removido pelo ar através da linha do tubo de respiro, para o coletor de
admissão quando o motor está funcionando. A válvula solenóide de controle de volume de sangria do
recipiente EVAP é controlada pelo ECM. Quando o motor funciona, a taxa de vazão de vapor
controlada pela válvula solenóide de controle de volume de sangria do recipiente EVAP é
proporcionalmente regulada à medida que o fluxo de ar aumenta.
A válvula solenóide de controle de volume de sangria do recipiente EVAP também fecha a linha de
sangria de vapor durante a desaceleração e quando o motor estiver em marcha lenta.

EC - 28
SISTEMA EVAPORATIVO DE EMISSÃO

A
REPRESENTAÇÃO DA LINHA EVAPORATIVA DE EMISSÃO

EC

Õ : Frente do veículo “: Da próxima pagina


1. Coletor de admissão 2. Válvula solenóide de controle 3. Ressonador de sangria EVAP
4. Porta de manutenção EVAP de volume de sangria do recipiente
EVAP

NOTA: Não use água com sabão ou qualquer tipo de solvente enquanto estiver instalando a
mangueira de vácuo ou as mangueiras de sangria.

EC - 29
SISTEMA EVAPORATIVO DE EMISSÃO

“
1.
Para a página anterior
Recipiente EVAP

OBSERVAÇÃO: Não use água com sabão ou qualquer tipo de solvente enquanto estiver
instalando a mangueira de vácuo ou as mangueiras de sangria.

EC - 30
SISTEMA EVAPORATIVO DE EMISSÃO

Inspeção de componentes UBS00U02


A
RECIPIENTE EVAP
Verifique o recipiente EVAP como segue:
EC
1. Bloqueie a porta “B”.
2. Aplique ar à porta A e verifique se o mesmo flui livremente
pela porta “C”.
3. Desbloqueie a porta “B”. C
4. Aplique pressão de vácuo à porta B e verifique se há pressão
de vácuo nas portas “A” e “C”.
5. Bloqueie as portas “A” e “B”. D
6. Aplique pressão à porta C e verifique se não há vazamento.

E
VÁLVULA DE ALÍVIO DE VÁCUO DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL (EMBUTIDA NA TAMPA DO
TANQUE DE COMBUSTÍVEL)
1. Limpe o alojamento da válvula. F

2. Verifique a pressão de abertura e vácuo da válvula


Pressão: 15.3 - 20,00 kPa (0,153-0,200 bar,
J
0.156 - 0,204 kg/cm2, 2,22 – 2,90 psi)
Vácuo: -6.0 a -3,4 kPa (-0,060 a 0,034 bar,
-0.061 a -0,035kg/cm2, -0,87 a -0,48 psi)
K
3. Se estiver fora de especificação, substitua a tampa do
tanque completa.
L
CUIDADO:
Adaptador da tampa do tanque de combustível.
Use somente uma tampa de tanque de combustível genuína M
para reposição. Se for usada uma tampa de tanque incorreta, a MIL pode se acender.

VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DE VOLUME DE SANGRIA DO RECIPIENTE EVAP


Consulte: EC-297, “Inspeção de Componentes”.

EC - 31
VENTILAÇÃO POSITIVA DO CÁRTER

VENTILAÇÃO POSITIVA DO CÁRTER PFP:11810


Descrição UBS00U05

DESCRIÇÃO DO SISTEMA

Este sistema devolve o gás de pressão para o coletor de admissão.


A válvula de ventilação positiva do cárter (PCV) é fornecida para conduzir o gás de pressão do cárter para
o coletor de admissão. Durante a operação do motor com aceleração parcial, o coletor de admissão aspira o
gás de pressão pela válvula PCV. Normalmente, a capacidade da válvula é suficiente para lidar com
qualquer quantidade de pressão e uma pequena quantidade de ar de ventilação. Em seguida, o ar de
ventilação é sugado dos tubos de entrada de ar para o cárter. Neste processo, o ar passa pela mangueira
que liga os tubos de entrada de ar à tampa das válvulas.
Em condições de operação com aceleração máxima, o vácuo de
admissão é insuficiente para aspirar o fluxo que é pressionado a
passar pela válvula. O fluxo passa pela conexão da mangueira na
direção inversa.
Nos veículos com uma passagem de gases excessivamente alta, a
válvula não atende os requisitos. Isto ocorre porque parte do fluxo
passa pela conexão da mangueira para os tubos de entrada de ar em
todas as situações.

Inspeção de Componentes UBS00U06

VÁLVULA PCV (VENTILAÇÃO POSITIVA DO CÁRTER)


Com o motor funcionando em marcha lenta, remova a válvula
PCV da tampa das válvulas. Uma válvula que estiver funcionando
adequadamente faz um ruído de chiado quando o ar passa por
ela. Um forte vácuo deve ser sentido imediatamente quando um
dedo é colocado sobre a entrada da válvula.

EC - 32
VENTILAÇÃO POSITIVA DO CÁRTER

MANGUEIRA DE VENTILAÇÃO DA VÁLVULA PCV A


1. Verifique as mangueiras e as conexões das mesmas
quanto a vazamentos.
2. Desconecte todas as mangueiras e limpe as mesmas com ar EC
comprimido. Caso alguma das mangueiras não possa ser liberada de
obstruções, substitua-a.
C

EC - 33
(NATS) SISTEMA ANTIFURTO NISSAN

(NATS) SISTEMA ANTIFURTO NISSAN PFP:25386


Descrição UBS00U07

• Se as luzes indicadoras de segurança acenderem com o interruptor de ignição na posição


ON ou se a mensagem “NATS MALFUNCTION” aparecer na tela “SELF-DIAG RESULTS”,
acione o modo de resultados de auto-diagnóstico com o CONSULT-III, usando o cartão de
programação NATS. Consulte: BL-111, “NATS (Sistema Nissan de Proteção Contra Furto)” .

• Certifique-se de que nenhum resultado do auto-diagnóstico do NATS seja exibido antes de tocar
“ERASE” no modo “SELF-DIAG RESULTS) com o CONSULT-III.

• Ao substituir o ECM, execute a inicialização do sistema NATS e o registro de todas as


identificações de chave de ignição NATS com o CONSULT-III usando o cartão de programação
NATS.
Portanto, certifique-se de receber todas as chaves do proprietário do veículo. No que se refere
aos procedimentos de inicialização do NATS e registro de todas as identificações de chave de
ignição NATS, consulte o Manual de Operação o CONSULT-III, NATS.

EC - 34
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD) PFP:00028 A


Introdução UBS00U08

O ECM possui um sistema de diagnóstico de bordo que detecta os funcionamentos incorretos, relacionados
aos sensores ou atuadores do motor. O ECM também registra várias informações de diagnóstico referentes EC
às emissões, incluindo:
Informações de diagnóstico relacionadas às emissões Serviço de diagnóstico
C
Códigos de Diagnósticos de Falhas (DTC) Serviço $03 da ISO 15031-5

Dados de Imagem Congelada Serviço $02 da ISO 15031-5

Código de Teste de Prontidão de Sistema (SRT) Serviço $01 da ISO 15031-5 D


Código de falha em Diagnóstico de 1a viagem (DTC de 1ª viagem) Serviço $07 da ISO 15031-5

Dados de Imagem Congelada de 1a viagem


E
Valores de Teste e Limites de Teste Serviço $06 da ISO 15031-5

ID de Calibração Serviço $09 da ISO 15031-5

As informações acima podem ser verificadas usando-se os procedimentos relacionados na tabela abaixo. F
x:Aplicável –: Não aplicável
DTC DTC de 1º viagem Dados de Imagem Dados de Imagem Código de SRT Valor de teste
Congelada Congelada de 1ª viagem G
CONSULT-III x x x x x –
GST x x x – x x
x x* – – – – H
ECM
*: Quando o DTC e DTC de 1º viagem aparecem simultaneamente no indicador, não há uma distinção clara entre eles.
A lâmpada indicadora de funcionamento incorreto (MIL) no painel de instrumentos acende quando este é
I
detectado em duas viagens consecutivas (Lógica de detecção de duas viagens) ou quando o ECM entra no
modo à prova de falha. (Consulte: EC-75 “Tabela de Diagnóstico à Prova de Falha”)
Lógica de Detecção de Duas Viagens UBS00U09
J
Quando um mau funcionamento é detectado pela primeira vez, o DTC de 1ª viagem e os dados de Imagem
Congelada de 1ª viagem são armazenados na memória do ECM. A MIL não acende neste ponto. <1a
viagem> Se o mesmo mau funcionamento é detectado novamente durante a próxima condução, os dados
de DTC e Imagem Congelada são armazenados na memória do ECM e a MIL acende. A MIL acende na K
mesma hora em que o DTC é armazenado. <2ª viagem> A “viagem” na “Lógica de Detecção de Duas
viagens” significa um modo de condução em que o auto-diagnóstico é realizado durante a operação do
veículo. Itens específicos de diagnóstico de bordo farão com que o ECM acenda a MIL de maneira contínua L
ou intermitente, e armazene os dados de DTC e Imagem Congelada, mesmo na 1a viagem, como mostrado
a seguir. x:Aplicável –: Não aplicável
MIL DTC DTC de 1º viagem M
1a viagem 2a viagem Exibição da Exibição da Exibição da Exibição da
Itens
Acendimento Acendimento Acendimento Acendimento 1a viagem 2a viagem 1 a viagem 2a viagem
intermitente intermitente

Falha na ignição (Possíveis danos no


catalisador de três vias) – DTC: Está x – – – – – x –
sendo detectado P0300-P0304

Falha na ignição (Possíveis danos no


catalisador de três vias) – DTC: Está
sendo detectado P0300-P0304 – – x – – x – –
Diagnóstico de detecção de uma
viagem (Consulte: EC-36 “INFORMA-
ÇÕES DE DIAGNÓSTICO
– x – – x – – –
RELACIONADOS ÀS EMISSÕES)

Com exceção dos itens acima – – – x – x x –

EC - 35
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Quando há um circuito interrompido no circuito MIL, o ECM não pode alertar o condutor mediante o
acendimento da MIL quando houver um mau funcionamento do sistema de controle do motor.
Portanto, quando os diagnósticos do acelerador controlado eletricamente e parte do ECM forem
continuamente detectados como NG para 5 viagens, o ECM alerta o condutor que há um mau
funcionamento no sistema de controle do motor e que o circuito da MIL está interrompido por meio da
operação da função à prova de falha.
A função à prova de falha também opera quando os diagnósticos acima, exceto o circuito MIL, forem
detectados e instrui o condutor para que este repare a falha.
Condição de operação do motor em As rotações do motor não se elevarão acima de 2.500 rpm em razão
modo à prova de falha do corte de combustível

Informações de Diagnóstico Relacionadas às Emissões UBS00U0A

INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS EMISSÕES


x:Aplicável –: Não aplicável
DTC*1 Valores de
Itens Código
Teste/Limites Viagem Acendimento Página de
(indicação de tela do CONSULT-III ECM*3 de SRT
de Teste da MIL referência
GST*2
CONSULT-III) (Somente GST)

1 (cvt) 1 (cvt)
CAN COMM CIRCUIT U1000 1000*4 – – 2 (m/t) 2 (m/t) EC-128
CAN COMM CIRCUIT U1001 1001*4 – – 2 – EC-128
1 (cvt) 1 (cvt)
CONTROL UNIT (CAN) U1010 1010 – – EC-131
2 (m/t) 2 (m/t)
NO DTC IS DETECTED.
FURTHER TESTING P0000 0000 – – – – –
MAY BE REQUIRED.

INT/V TIM CONT-B1 P0011 0011 2 x EC-132


– –

A/F SEN1 HTR (B1) P0031 0031 – x 2 x EC-137

A/F SEN1 HTR (B1) P0032 0032 – x 2 x EC-137


HO2S HTR (B1) P0037 0037 – x 2 x EC-142
HO2S HTR (B1) P0038 0038 – x 2 x EC-142
INT/V TIM V/CIR-B1 P0075 0075 – – 2 x EC-148
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0101 0101 – – 2 x EC-153
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0102 0102 – – 1 x EC-162
MAF SEN/CIRCUIT-B1 P0103 0103 – – 1 x EC-162
IAT SEN/CIRCUIT-B1 P0112 0112 – – 2 x EC-170
IAT SEN/CIRCUIT-B1 P0113 0113 – – 2 x EC-170
ECT SEN CIRC P0117 0117 – – 1 x EC-174
ECT SEN CIRC P0118 0118 – – 1 x EC-174
TP SEN 2/CIRC-B1 P0122 0122 – – 1 x EC-179
TP SEN 2/CIRC-B1 P0123 0123 – – 1 x EC-179
ECT SENSOR P0125 0125 – – 2 x EC-185
IAT SENSOR-B1 P0127 0127 – – 2 x EC-188
THERMSTAT FNCTN P0128 0128 – – 2 x EC-191
A/F SENSOR1 (B1) P0130 0130 – x 2 x EC-193
A/F SENSOR1 (B1) P0131 0131 – x 2 x EC-199
A/F SENSOR1 (B1) P0132 0132 – x 2 x EC-205
A/F SENSOR1 (B1) P0133 0133 x x 2 x EC-211
HO2S2 (B1) P0137 0137 x x 2 x EC-219
HO2S2 (B1) P0138 0138 x x 2 x EC-226
HO2S2 (B1) P0139 0139 x x 2 x EC-236
FUEL SYS-LEAN-B1 P0171 0171 – – 2 x EC-243
FUEL SYS-LEAN-B1 P0172 0172 – – 2 x EC-250

EC - 36
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

A
DTC*1 Valores de
Itens Código
Teste/Limites Viagem Acendimento Página de
(indicação de tela do CONSULT- CONSULT-III ECM*3 de SRT
de Teste da MIL referência
GST*2
III) (Somente GST)
EC
TP SEN 1/CIRC P0222 0222 — — 1 x EC-257
TP SEN 1/CIRC P0223 0223 — — 1 x EC-257
MULTI CYL MISFIRE P0300 0300 — — 2 x EC-262 C
CYL 1 MISFIRE P0301 0301 — — 2 x EC-262
CYL 2 MISFIRE P0302 0302 — — 2 x EC-262
CYL 3 MISFIRE P0303 0303 — — 2 x EC-262 D
CYL 4 MISFIRE P0304 0304 — — 2 x EC-262
KNOCK SEN/CIRC-B1 P0327 0327 — — 2 — EC-269
KNOCK SEN/CIRC-B1 P0328 0328 — — 2 — EC-269 E
CKP SEN/CIRCUIT P0335 0335 — — 2 x EC-273
CMP SEN/CIRC-B1 P0340 0340 — — 2 x EC-280
F
TW CATALYST SYS-B1 P0420 0420 x x 2 x EC-286
PURG VOLUME CONT/V P0444 0444 — — 2 x EC-292
PURG VOLUME CONT/V P0445 0445 — — 2 x EC-292
G
VEH SPEED SEN/CIRC*5 P0500 0500 — — 2 x EC-298
ISC SYSTEM P0506 0506 — — 2 x EC-300
ISC SYSTEM P0507 0507 — — 2 x EC-302 H
ECM P0605 0605 — — 1 ou 2 — or x EC-304
SENSOR POWER/CIRC P0643 0643 — — 1 x EC-306
PNP SW/CIRC P0705 0705 — — 2 x CVT-65 I
ATF TEMP SEN/CIRC P0710 0710 — — 1 x CVT-71
INPUT SPD SEN/CIRC P0715 0715 — — 2 x CVT-76
VEH SPD SEN/CIR AT*5 P0720 0720 — — 2 x CVT-82 J
A/T TCC S/V FNCTN P0744 0744 — — 2 x CVT-96
PRS CNT SOL/A FCTN P0746 0746 — — 1 x CVT-104
PRS CNT SOL/B FCTN P0776 0776 — — 2 x CVT-107 K
PRS CNT SOL/B CIRC P0778 0778 — — 2 x CVT-109
TR PRS SENS/A CIRC P0840 0840 — — 2 x CVT-114
TR PRS SENS/B CIRC P0845 0845 — — 2 x CVT-122 L
P-N POS SW/CIRCUIT P0850 0850 — — 2 x EC-311
CLOSED LOOP-B1 P1148 1148 — — 1 x EC-317
M
ENG OVER TEMP P1217 1217 — — 1 x EC-318
CTP LEARNING-B1 P1225 1225 — — 2 — EC-331
CTP LEARNING-B1 P1226 1226 — — 2 — EC-333
COLD START CONTROL P1421 1421 — — 2 x EC-335
ASCD SW P1564 1564 — — 1 — EC-337
ASCD BRAKE SW P1572 1572 — — 1 — EC-344
ASCD VHL SPD SEN P1574 1574 — — 1 — EC-354

EC - 37
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

DTC*1 Valores de
Itens Código
Teste/Limites Viagem Acendimento Página de
(indicação de tela do CONSULT-III ECM*3 de SRT
de Teste da MIL referência
GST*2
CONSULT-III) (Somente GST)

LOCK MODE P1610 1610 — — 2 —


ID DISCORD, IMM-ECM P1611 1611 — — 2 —
CHAIN OF ECM-IMMU P1612 1612 — — 2 — BL-111
CHAIN OF IMMU-KEY P1614 1614 — — 2 —
DIFFERENCE OF KEY P1615 1615 — — 2 —
IN PULY SPEED P1715 1715 — — 2 — EC-356
LU-SLCT SOL/CIRC P1740 1740 — — 2 x CVT-142
STEP MOTR CIRC P1777 1777 — — 1 x CVT-148
STEP MOTR FNC P1778 1778 — — 2 x CVT-152
BRAKE SW/CIRCUIT P1805 1805 — — 2 — EC-358
ETC MOT PWR-B1 P2100 2100 — — 1 x EC-363
ETC FUNCTION/CIRC-B1 P2101 2101 — — 1 x EC-368
ETC MOT PWR P2103 2103 — — 1 x EC-363
ETC MOT-B1 P2118 2118 — — 1 x EC-375
ETC ACTR-B1 P2119 2119 — — 1 x EC-380
APP SEN 1/CIRC P2122 2122 — — 1 x EC-382
APP SEN 1/CIRC P2123 2123 — — 1 x EC-382
APP SEN 2/CIRC P2127 2127 — — 1 x EC-388
APP SEN 2/CIRC P2128 2128 — — 1 x EC-388
TP SENSOR-B1 P2135 2135 — — 1 x EC-395
APP SENSOR P2138 2138 — — 1 x EC-404
A/F SENSOR1 (B1) P2A00 2A00 — x 2 x EC-412

*1: O Nº. de DTC da 1ª viagem é o mesmo número do DTC.


*2: Este número é prescrito pela ISO 15031-5.
*3: No Modo de “Diagnostic Test” II (“Self-diagnostic results”), este número é controlado pela NISSAN.
*4: É necessário o CONSULT-III para a solução do problema deste DTC.
*5: Quando ocorrem as operações à prova de falha de ambos os auto-diagnósticos, a MIL acende.
DTC E DTC DE 1ª VIAGEM
O DTC de 1a viagem (cujo número é o mesmo do DTC) aparece referente ao último resultado de auto-
diagnóstico obtido. Se a memória do ECM tiver sido apagada anteriormente e o DTC da 1a viagem não tiver
ocorrido novamente, o DTC de 1a viagem não será exibido.
Se é detectado um mau funcionamento durante a 1a viagem, o DTC da 1ª viagem é armazenado na memória do
ECM. A MIL não acenderá (lógica de detecção de duas viagens). Se o mesmo mau funcionamento não for
detectado na 2a viagem (que se encaixe no padrão exigido de condução), o DTC da 1a viagem é apagado da
memória do ECM. Se o mesmo mau funcionamento for detectado na 2ª viagem, tanto o DTC da 1a viagem
quanto o DTC são armazenados na memória do ECM e a MIL acende. Em outras palavras, o DTC é
armazenado na memória do ECM e a MIL acende quando o mesmo mau funcionamento ocorre em duas
viagens consecutivas. Se um DTC da 1a viagem for armazenado e uma operação não-diagnóstica for realizada
entre a 1a e a 2a viagem, somente o DTC da 1a viagem continuará a ser armazenado. No caso dos mau
funcionamentos que causam o acendimento intermitente ou contínuo da MIL durante a 1a viagem, o DTC e o
DTC da 1a viagem são armazenados na memória do ECM.
Os procedimentos para se apagar o DTC e o DTC da 1a viagem da memória do ECM são descritos em: EC-47,
“COMO APAGAR AS INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS EMISSÕES”.
Para os mau funcionamentos nos quais são exibidos os DTCs da 1a viagem, consulte: EC-36,
“INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS EMISSÕES” Esses itens são necessários pela
legislação para se monitorar continuamente o sistema/componente. Além disso, os itens monitorados de forma
não-contínua também são exibidos no CONSULT-III. O DTC da 1a viagem é especificado no Serviço $07 da ISO
15031-5. A detecção do DTC da 1a viagem ocorre sem o acendimento da MIL, e, portanto, o condutor não é
informado do mau funcionamento. No entanto, a detecção do DTC da 1a viagem não impede que o veículo seja
testado, por exemplo, durante testes de Inspeção/Manutenção (I/M).

EC - 38
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Quando um DTC de 1a. viagem for detectado, verifique, imprima e apague o DTC (da 1a. viagem) e os dados A
de Imagem Congelada, conforme especificado no procedimento de Fluxo de Trabalho Etapa 2; consulte: EC-
69, “FLUXO DE TRABALHO”. Em seguida execute o Procedimento de Confirmação de DTC ou a Verificação
Geral de Função para tentar reproduzir o mau funcionamento. Se o mau funcionamento for reproduzido, é EC
necessário reparar o item.
Como Ler o DTC e o DTC da 1a Viagem.
O DTC e o DTC da 1a viagem podem ser lidos pelos métodos a seguir.
COM CONSULT-III C
COM GST
CONSULT-III ou GST (Ferramenta Genérica de Varredura) Exemplos: P0340, P0850, P1148, etc.
Estes DTCs são prescritos pela ISO 15031-5. D
(O CONSULT-III também exibe o componente ou sistema defeituoso.)
SEM FERRAMENTAS
O número de acendimentos intermitentes da MIL no Modo de Teste Diagnóstico II (Resultados de
Autodiagnóstico) indica o DTC. Exemplo: 0340, 0850, 1148, etc. Estes DTCs são controlados pela NISSAN. E
• O nº. de DTC da 1a viagem é o mesmo número do DTC.
• A saída de um DTC indica um mau funcionamento. No entanto, o GST ou o Modo
Diagnóstico de Teste II não indica se o mau funcionamento ainda está ocorrendo ou se
ocorreu no passado e já voltou ao normal. O CONSULT-III pode identificar o status de um F
mau funcionamento como mostrado a seguir. Portanto, é recomendável o uso do CONSULT-
III (se este estiver disponível).
O DTC ou o DTC de 1a viagem de um mau funcionamento é exibido no modo RESULTADOS DE AUTO- G
DIAGNÓSTICO do CONSULT-III. Os dados de vezes indicam quantas vezes o veículo foi conduzido depois da
última detecção de um DTC. Se o DTC estiver sendo detectado no momento, os dados de vezes serão [0]. Se
estiver armazenado um DTC de 1a viagem no ECM, os dados de tempo serão [1t].
DADOS DE IMAGEM CONGELADA E DADOS DE IMAGEM CONGELADA DE 1ª VIAGEM H
O ECM registra as condições de direção, tal como o status do sistema de combustível, o valor calculado de
carga, a temperatura do líquido de arrefecimento do motor, o equilíbrio de combustível a curto prazo, o
equilíbrio de combustível a longo prazo, as rotações do motor, a velocidade do veículo, a posição absoluta do I
acelerador, a programação básica de combustível e a temperatura de ar de entrada no momento em que é
detectado um mau funcionamento.
Os dados que estão armazenados na memória do ECM, em conjunto com o DTC de 1a viagem, são chamados
dados de imagem congelada de 1a viagem. Os dados, armazenados em conjunto com os dados do DTC, são J
chamados dados de imagem congelada e são exibidos no CONSULT-III ou GST. Os dados de imagem congelada
de 1a viagem somente podem ser exibidos na tela CONSULT-III e não no GST. Para maiores detalhes, consulte:
EC-99, “Dados de Imagem Congelada e Dados de Imagem Congelada de 1a Viagem”. Somente um conjunto de
dados de imagem (dados de imagem congelada de 1a viagem ou dados de imagem congelada) podem ser K
armazenados na ECM. Os dados de imagem congelada da 1a viagem são armazenados na memória do ECM, em
conjunto com o DTC de 1a viagem. Não há prioridade para os dados de imagem congelada de 1a viagem e eles
são atualizados a cada vez que é detectado DTC diferente de 1a viagem. No entanto, uma vez que os dados de L
imagem congelada (detecção da 2a viagem/MIL acesa) sejam armazenados na memória do ECM, os dados de
imagem congelada da 1a viagem não são mais armazenados. Lembre-se, somente um conjunto de dados de
imagem congelada pode ser armazenado no ECM. O ECM tem as seguintes prioridades para atualizar os dados:
Prioridade Itens M
Dados de Imagem Congelada Falha na Ignição - DTC P0300 - P0306
1
Função do Sistema de Injeção de Combustível – DTC: P0171, P0172
2 Com exceção dos itens acima relacionados (inclui os itens relacionados à CVT)
3 Dados de Imagem Congelada de 1a Viagem
Por exemplo, o mau funcionamento do EGR (Prioridade: 2) foi detectada e os dados de imagem congelada foram
armazenadas na 2a viagem. Depois disso, quando a falha na ignição (Prioridade: 1) for detectada em outra viagem,
os dados de imagem congelada serão atualizados a partir da falha do EGR para a falha na ignição. Os dados de
imagem congelada da 1a viagem são atualizados cada vez que é detectado um mau funcionamento diferente. Não
há prioridade para os dados de imagem congelada da 1a viagem. No entanto, uma vez que os dados de imagem
congelada são armazenados na memória do ECM, os dados congelados da 1a viagem não são mais armazenados
(porque somente um conjunto de dados de imagem congelada ou de dados de imagem congelada de 1a viagem
pode ser armazenado na ECM). Se os dados de imagem congelada forem armazenados na memória do ECM e
dados de imagem congelada com a mesma prioridade ocorrem mais tarde, os primeiros dados de imagem
congelada (os originais) permanecem inalterados na memória do DTC.
Tanto os dados de imagem congelada de 1a viagem quanto os dados de imagem congelada (em conjunto com os
DTCs) são apagados quando a memória do ECM é apagada. Os procedimentos para apagar a memória do ECM são
descritos em EC-36 “INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS EMISSÕES”.
EC - 39
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

CÓDIGO DO TESTE DE PRONTIDÃO DO SISTEMA (SRT)


O código do Teste de Prontidão do Sistema (SRT) é especificado no Serviço $01 da ISO 15031-5.
Como parte de um teste aperfeiçoado de emissões para Inspeção & Manutenção (I/M), certos estados determinam que o
status do SRT seja usado para indicar se o ECM concluiu o auto-diagnóstico dos principais sistemas e componentes de
emissões. A conclusão deve ser verificada para que a inspeção das emissões prossiga. Se um veículo não passar em uma
inspeção estadual de emissões porque um ou mais itens do SRT indicam “INCMP”, use as informações deste Manual de
Serviços para colocar o SRT na condição de “CMPLT”.
Na maioria dos casos, o ECM completa o seu ciclo de auto-diagnose automaticamente durante o uso normal, e o status de
SRT indicará “CMPLT” para cada sistema de aplicativos. Uma vez estabelecido como “CMPLT”, o SRT permanece na
condição “CMPLT” até que a memória de auto-diagnóstico seja apagada.
Ocasionalmente, certas partes do teste de auto-diagnóstico podem não ser concluídas em razão do padrão normal de
condução do cliente; o SRT apresentará a indicação de “INCMP” para esses itens.
NOTA:
O SRT também indicará “INCMP” se a memória de auto-diagnóstico for apagada por qualquer motivo ou se a fonte de
energia da memória ECM for interrompida durante várias horas.
Se o SRT indicar “CMPLT” durante a inspeção estadual de emissões para todos os itens de teste, o inspetor continuará com
o teste de emissões. No entanto, se o SRT indicar “INCMP” para um ou mais itens de SRT, o veículo será devolvido ao
cliente sem ser testado.
NOTA:
Se a MIL estiver ON durante a inspeção estadual de emissões, o veículo também será devolvido ao cliente sem ser testado,
mesmo se o SRT indicar “CMPLT” para todos os itens de teste. Portanto, é importante verificar o SRT (“CMPLT”) e o DTC
(Sem DTC’s) antes da inspeção.

Item SRT
A tabela abaixo mostra os itens de auto-diagnóstico necessários para colocar o SRT na condição “CMPLT”.

Item SRT Prioridade de Itens de auto-diagnóstico obrigatórios para Número correspondente


(indicação do Desempenho* colocar o SRT na condição “CMPLT” de DTC
CONSULT-III)

CATALISADOR 1 F unção de catalisador de três vias P0420

HO2S 2 Sensor 1 de taxa ar/combustível (A/F) P0133


Sensor 2 de oxigênio aquecido P0137
Sensor 2 de oxigênio aquecido P0138
Sensor 2 de oxigênio aquecido P0139

*: Se for necessário completar vários SRTs, elabore perfis de condução (procedimento de confirmação de DCT), um por um,
com base na prioridade para os modelos com o CONSULT-III.

Ajuste do ponto SRT


O SRT é colocado na condição “CMPLT” depois que o auto-diagnóstico tiver sido efetuado uma ou mais
vezes. O SRT é concluído, seja o resultado OK ou Negativo. O ajuste de ponto é diferente entre os
resultados OK e Negativo e aparece na tabela a seguir.

EXEMPLO
Ciclo de Ignição
Resultados do Diagnóstico <-- ON --> OFF <-- ON --> OFF <-- ON --> OFF <-- ON -->
autodiagnóstico

Tudo OK Caso 1 P0400 OK (1) — (1) OK (2) — (2)


P0402 OK (1) — (1) — (1) OK (2)
P1402 OK (1) OK (2) — (2) — (2)
SRT of EGR “CMPLT” “CMPLT” “CMPLT” “CMPLT”
Caso 2 P0400 OK (1) — (1) — (1) — (1)
P0402 — (0) — (0) OK (1) — (1)
P1402 OK (1) OK (2) — (2) — (2)
SRT of EGR “INCMP” “INCMP” “CMPLT” “CMPLT”

EC - 40
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

A
Existe NC Caso 3 P0400 OK OK — —

P0402 — — — —
EC
Negativo
P1402 Negativo — Negativo (Negativo
consecutivo) C

DTC 1ª viagem DTC 1ª viagem — DTC 1ª viagem DTC(= MIL “ON”)

SRT de EGR “INCMP” “INCMP” “INCMP” “CMPLT” D

OK: O auto-diagnóstico é executado e o resultado é OK.


Negativo: O auto-diagnóstico é executado e o resultado é Negativo.
—: O auto-diagnóstico não é executado. E

Quando todos os auto-diagnósticos relacionados ao SRT apresentarem resultados OK em um único ciclo


(ignição OFF-ON-OFF), o SRT indicará “CMPLT”. -» Caso 1 acima F
Quando todos os auto-diagnósticos relacionados ao SRT apresentarem resultados OK no decorrer de vários
ciclos diferentes, o SRT indicará “CMPLT” quando os respectivos auto-diagnósticos tiverem pelo menos um
resultado OK. -» Caso 2 acima – Se um ou mais auto-diagnósticos relacionados ao SRT apresentarem
G
resultados Negativo em dois ciclos consecutivos, o SRT também indicará “CMPLT”. -» Caso 3 acima.
A tabela acima indica que o número mínimo de ciclos para colocar o SRT na condição “INCMP” é um (1)
para cada auto-diagnóstico (Casos 1 e 2) ou dois (2) para um dos auto-diagnósticos (Caso 3), pelos
seguintes motivos: H
• O SRT indicará “CMPLT” no momento em que o respectivo auto-diagnóstico tiver um (1) resultado OK.
• A inspeção de emissões exigir uma condição “CMPLT” do SRT somente com resultados de auto-
diagnóstico OK. I
• Quando, durante o padrão de condução SRT, o DTC de 1a viagem (Negativo) for detectado antes
da condição “CMPLT” do SRT, a memória de auto-diagnóstico deverá ser apagada do ECM após o
reparo. J
• Se o DTC de 1a viagem for apagado, todo o SRT indicará “INCMP”.
NOTA:
O SRT pode ser colocado na condição “CMPLT” em conjunto com o(s) DTC(‘s). Portanto, a verificação K
de DTC deve sempre ser feita antes da inspeção estadual de emissões mesmo se o SRT indicar
“CMPLT”.
L

EC - 41
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Procedimento de Serviço SRT


Se um veículo não tiver passado na inspeção estadual de emissões porque um ou mais itens SRT
apresentam indicação de ‘INCMP”, reavalie a seqüência de diagnóstico em forma de fluxograma na próxima
página.

Veículo rejeitado por IM

Início

DTC
Verifique se há DTC’s
Repare o(s) mau funcio-
Consulte “Como ler DTC e DTC de 1a viagem.” *1 namento(s) e apague o DTC
Não há DTC

Verifique o status do SRT


Consulte “Como exibir o código de SRT”. *2

Todos “CMPLT” Qualquer “INCMP”

Faça teste de rodagem


Consulte “Como estabelecer
código SRT”. *3

Verifique novamente se há DTC’s


Repare o(s) mau funcio-
Consulte “Como ler DTC e DTC de 1a namento(s) e apague o DTC
viagem.” *1
Não há DTC

Qualquer
“INCMP”
Certifique-se de que todo o SRT esteja
na condição “CMPLT”. Consulte Tome as medidas apropriadas
“Como estabelecer código SRT”. *2
Todos “CMPLT”

Fim

*1 EC-39, “Como Ler o DTC e o DTC de 1ª Viagem”


*2 EC-43, “Como exibir Código de SRT”
*3 EC-43, “Como exibir Código de SRT”

EC - 42
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Como Exibir Código de SRT A

COM CONSULT-III
EC
Selecionando “SRT STATUS” no modo “DTC CONFIRMATION” com o CONSULT-III.
Para itens cujos códigos de SRT estão estabelecidos, é exibido um “CMPLT” na tela do CONSULT-III; para
os itens cujos códigos de SRT não estiverem estabelecidos, é exibido “INCMP”. C

NOTA:
Embora apareça na tela do CONSULT-III, “HO2S HTR”, não é um item SRT.
D

COM GST
Selecionando Serviço $01 com GST (Ferramenta Genérica de Varredura)
E
Como Estabelecer Código de SRT
Para estabelecer todos os códigos SRT, o auto-diagnóstico para os itens indicados acima deve ser
executado uma ou mais vezes. Cada diagnóstico poderá requerer um longo período de condução real sob F
diversas condições.

COM CONSULT-III G
Execute o Procedimento de Configuração do DTC, um por um, com base na Prioridade de
Desempenho da tabela no EC-40, “Item SRT”.
H
SEM CONSULT-III
O padrão de condução mais eficiente no qual os códigos SRT podem ser adequadamente estabelecidos é
explicado na próxima página. O padrão de condução deve ser executado uma ou mais vezes para I
estabelecer todos os códigos SRT.

EC - 43
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Padrão de Condução

PBIB3129E

EC - 44
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

• O tempo necessário para cada diagnóstico varia em função das condições da superfície da A
rodovia, condições meteorológicas, altitude, hábitos individuais de condução, etc.
Zona A se refere à faixa na qual o tempo necessário para o diagnóstico em condições normais* é
o mais curto.
EC
Zona B se refere à faixa na qual o diagnóstico ainda pode ser feito se o mesmo não tiver sido
concluído na zona A
*: As condições normais se referem ao:
• Nível do mar C
• Rodovia plana
• Temperatura do ar ambiente 20 - 30°C (68 - 86°F)
• O diagnóstico é feito o mais rapidamente possível sob condições normais.
Sob condições diferentes [Por exemplo: temperatura do ar ambiente diferente de 20 - 30°C (68 - D
86°F)], o diagnóstico também pode ser executado.
Padrão 1:
• É dada a partida no motor com a temperatura do líquido de arrefecimento do motor de –10 E
a 35°C (14 a 95°F) (condições em que a voltagem entre o terminal 38 do ECM e a massa é
3,0 – 4,3V.
• O motor deve ser operado em marcha lenta até que a temperatura do líquido de arrefecimento do motor
seja superior a 70°C (158°F) (condições em que a voltagem entre o terminal 38 do ECM e a massa é F
inferior a 1,4V).
• É dada a partida n motor com a temperatura do tanque de combustível sendo superior a
0°C (32°F) (condições em que a voltagem entre o terminal 43 do ECM e a massa é inferior a
4,1V). G
Padrão 2:
• Quando a condução é realizada novamente em condição estável
mesmo após a sua interrupção, cada diagnóstico poderá ser H
conduzido. Neste caso, o tempo necessário para o diagnóstico
pode ser estendido.
Padrão 3:
• Opere o veículo de acordo com o padrão de condução que se vê I
na figura.
• Libere o pedal do acelerador ao desacelerar o veículo de 90 km/h
(56 MPH) para 0 km/h (0 MPH).
Padrão 4: J
• O pedal do acelerador deve ser pressionado de maneira muito
estável durante a direção em estado estável.
• Se o pedal do acelerador for movimentado, o teste deve ser conduzido novamente na sua K
totalidade.
*1: Pressione o pedal do acelerador até que a velocidade do veículo atinja a 90 km/h (56 MPH); em
seguida solte o pedal do acelerador e mantenha-o solto por mais de 10 segundos. Pise no pedal do
acelerador até que a velocidade do veículo atinja novamente 90 km/h (56 MPH). L
*2: É aconselhável verificar a velocidade do veículo com GST.
Posição Sugerida do Câmbio para os Modelos CVT.
Coloque a alavanca seletora na posição D. M
Velocidades sugeridas para mudança de marcha nos modelos M/T.
A seguir se pode ver as velocidades sugeridas do veículo para se mudar para uma marcha mais alta.
Essas sugestões se referem à economia de combustível e ao desempenho do veículo. As
velocidades reais de mudança de marcha variarão de acordo com as condições das rodovias, com as
condições meteorológicas e com os hábitos individuais de condução.
Para aceleração normal em Para aceleração rápida em Para áreas de grande altitude
áreas de baixa altitude [menos áreas de baixa altitude [acima de 1.219 m (4.000 pés)]:
de 1.219 m (4.000 pés)]:
Mudança de Ponto de mudança de
km/h (MPH) km/h (MPH)
Marcha marcha ACCEL km/h (MPH)
De 1ª para 2ª 13 (8) 24 (15) 24 (15)
De 2ª para 3ª 27 (17) 40 (25) 40 (25)
De 3ª para 4ª 40 (25) 53 (33) 65 (40)
De 4ª para 5ª 58 (36) 71 (44) 72 (45)
De 5ª para 6ª 82 (51) 82 (51) 82 (51)

EC - 45
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Velocidade Máxima Sugerida em Cada Marcha


Passe para uma marcha mais baixa se o motor não estiver funcionando suavemente, ou se for necessário
acelerar. Não exceda a velocidade máxima sugerida (apresentada abaixo) em nenhuma marcha. Para
direção em rodovia plana, use a marcha mais alta sugerida para a velocidade em questão. Observe sempre
os limites de velocidade estabelecidos nas estradas e conduza de acordo com as condições da rodovia
para assegurar uma operação segura. Não aumente demasiadamente as rotações do motor ao mudar para
uma marcha mais baixa, pois isso poderá causar danos ao motor ou perda do controle do veículo.
Marcha KM/H (MPH)
1ª 50 (30)
2ª 90 (55)
3ª –
4ª –
5ª –
6ª –

VALOR DE TESTE E LIMITE DE TESTE (SOMENTE GST – NÃO SE APLICA AO CONSULT-III)


Apresentamos a seguir as informações especificadas no Serviço $06 da ISO 15031-5.
O valor de teste é um parâmetro usado para determinar se um teste de diagnóstico de sistema/circuito está
OK ou Negativo enquanto está sendo monitorado pelo ECM durante a auto-diagnóstico. O limite de teste é
um valor de referência que é especificado como sendo o valor máximo ou mínimo e é comparado com o
valor de teste que está sendo monitorado.
Esses dados (valor de teste e limite de teste) são especificados pelo Test ID (TID) e pelo ID do
Componente (CID) e podem ser exibidos na tela GST.

Valor de teste Limite


Item Item de teste de auto-diagnóstico DTC de Conversão
TID CID teste

CATALISADOR P0420 01H 01H Max. 1/128


Função de catalisador de três vias
P0420 02H 81H Min. 1
P0131 41H 8EH Min. 5 mV
P0132 42H 0EH Max. 5 mV
P2A00 43H 0EH Max. 0.002
P2A00 44H 8EH Min. 0.002
Sensor 1 de taxa ar/combustível (A/F)
P0133 45H 8EH Min. 0.004
HO2S P0130 46H 0EH Max. 5 mV
P0130 47H 8EH Min. 5 mV
P0133 48H 8EH Min. 0.004
P0139 19H 86H Min. 10mV/500 ms
P0137 1AH 86H Min. 10 mV
Sensor 2 de oxigênio aquecido
P0138 1BH 06H Max. 10 mV
P0138 1CH 06H Max. 10 mV

Aquecedor do sensor 1 de razão ar/combustível P0032 57H 10H Max. 5 mV


(A/F) P0031 58H 90H Min. 5 mV
HO2S HTR
P0038 2DH 0AH Max. 20 mV
Aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
P0037 2EH 8AH Min. 20 mV

EC - 46
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

COMO APAGAR AS INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS EMISSÕES A


Como Apagar o DTC
Com o CONSULT-III EC
As informações de diagnóstico relacionadas à emissão no ECM podem ser apagadas selecionando-
se “All Erase” em “Description” do modo “Final Check” com CONSULT-III.
Com GST – As informações de diagnóstico relacionadas a emissões no ECM podem ser C
apagadas selecionando-se Serviço $04 com GST.
NOTA:
Se o DTC não for para itens relacionados ao CVT (consulte: EC-7, “ÍNDICE DE DTC”), passe para a D
etapa 2.
1. Se o interruptor de ignição permanecer na posição ON após o trabalho de reparo, certifique-se de
colocar o interruptor de ignição na posição OFF uma vez. Aguarde pelo menos 10 segundos e, em seguida,
E
coloque-o novamente na posição ON (motor parado).
2. Execute CVT-27, “COMO APAGAR DTC (COM GST)” (O DTC no TCM será apagado).
3. Selecione Serviço $04 com GST (Ferramenta Genérica de Varredura)
Sem Ferramentas F
NOTA:
Se o DTC não for para itens relacionados ao CVT (consulte: EC-7, “ÍNDICE DE DTC”), passe
para a etapa 2. G
1. Se o interruptor de ignição permanecer na posição ON após o trabalho de reparo, certifique-se
de colocar o interruptor de ignição na posição OFF uma vez. Aguarde pelo menos 10 segundos e
em seguida coloque-o novamente na posição ON (motor parado). H
2. Execute CVT-27, “COMO APAGAR DTC”. (O DTC no TCM será apagado).
3. Mude o modo de teste diagnóstico de Modo II para Modo I pressionando o pedal do acelerador.
Consulte: EC-48, “COMO MUDAR O MODO DE TESTE DE DIAGNÓSTICO”. I
• Se a bateria estiver desconectada, as informações de diagnóstico relacionadas a emissão serão
perdidas dentro de 24 horas.
• Os dados a seguir são limpos quando a memória do ECM é apagada.
J
– Códigos de diagnósticos de falhas.
– Códigos de diagnósticos de pane de 1a viagem.
– Dados de imagem congelada
– Dados de imagem congelada de 1a viagem K
– Códigos do teste de prontidão do sistema (SRT)
– Valores de teste
Os procedimentos reais de trabalho são explicados usando um DTC como exemplo. Atente para que não L
apenas o DTC como também todos os dados acima relacionados sejam limpos da memória do ECM durante
os procedimentos de trabalho.
M
Lâmpada Indicadora de Funcionamento Incorreto (MIL) UBS00U0B

DESCRIÇÃO
A MIL está localizada no painel de instrumentos.
1. A MIL acende quando o interruptor de ignição é colocado
na posição ON sem que o motor esteja funcionando. Esta é
uma verificação de lâmpada. Se a MIL não acender, consulte:
DI-25,“LUZES DE ADVERTÊNCIA” ou consulte: EC-460
“CONECTOR DE LINK DE DADOS E MIL”.
2. Quando ocorre a partida do motor, a MIL deve apagar. Se a MIL
permanecer acesa, o sistema de diagnóstico a bordo detectou um
mau funcionamento do sistema do motor.

EC - 47
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

FUNÇÃO DO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)


O sistema de diagnóstico de bordo possui as três funções abaixo relacionadas.
Modo de Teste CHAVE E MOTOR Função Explicação da Função
Diagnóstico Status

Modo I Interruptor de ignição BULB CHECK Esta função verifica a lâmpada MIL quanto a danos (lâmpada
na posição ON queimada, circuito aberto, etc.).
Se MIL não acender, verifique o circuito da MIL.

Motor parado

MALFUNCTION Esta é uma condição normal de direção. Quando um mau


Motor em
WARNING funcionamento é detectado duas vezes em dois ciclos
funcionamento
consecutivos de condução (lógica de detecção de duas
viagens), a MIL acende para informar o motorista que um mau
funcionamento foi detectado. Os defeitos a seguir causarão o
acendimento contínuo ou intermitente da MIL na 1a viagem
• Falha na ignição
(possíveis danos no catalisador de três vias)
• Diagnóstico de detecção de uma viagem

Interruptor de ignição SELF-DIAGNOSTIC Esta função permite a leitura dos DTC’s e dos DTC’s
na posição ON RESULTS de 1 a viagem.

Modo II Motor parado

Quando houver um circuito interrompido no circuito da MIL, o ECM não pode avisar o condutor mediante o
acendimento da MIL quando houver um mau funcionamento no sistema de controle do motor.
Portanto, quando o acelerador controlado eletricamente e parte dos diagnósticos relacionados ao ECM forem
continuamente detectados como Negativo por 5 viagens, o ECM avisará o condutor que há defeitos no sistema
de controle do motor e que o circuito da MIL está interrompido mediante a operação da função à prova de falha.
Esta função à prova de falha também opera quando os diagnósticos acima são detectados, exceto do
circuito da MIL, e determina que o condutor repare a falha.
Condição de operação do motor no modo à prova de falha As rotações do motor não excederão a marca das 2.500 rpm em razão do corte
de combustível

COMO MUDAR O MODO DE TESTE DE DIAGNÓSTICO


NOTA:
• É melhor marcar o tempo de maneira precisa com um cronômetro.
• É impossível mudar o modo de diagnóstico quando um circuito sensor de posição do pedal do
acelerador apresentar uma falha.
• O ECM sempre retorna ao Modo de Teste Diagnóstico I depois que o interruptor de ignição é
colocado na posição OFF.
Como Estabelecer o Modo de Teste Diagnóstico II (Resultados de Auto-Diagnóstico)
1. Confirme se o pedal do acelerador está completamente liberado, coloque o interruptor de ignição na
posição ON e aguarde 3 segundos.
2. Repita rapidamente o procedimento a seguir, cinco vezes dentro de um período de 5 segundos.
a. Pressione o pedal do acelerador totalmente.
b. Libere inteiramente o pedal do acelerador.
3. Aguarde 7 segundos, pressione o pedal do acelerador totalmente e mantenha-o nesta posição por,
aproximadamente, 10 segundos até a MIL começar a acender de forma intermitente.
4. Libere inteiramente o pedal do acelerador.
EC - 48
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

O ECM entrou no Modo de Teste Diagnóstico II (Resultados de Auto-Diagnóstico) A

EC

Como Apagar o Modo de Teste Diagnóstico II (“Self-diagnostic Results”) E


1. Estabelecer o ECM no Modo de Diagnostic Test II (“Self-diagnostic Results”)
Consulte: EC-48, “Como Estabelecer o Modo de Teste Diagnóstico II (Resultados de Auto-
Diagnóstico)”. F
2. Pise no pedal do acelerador totalmente e mantenha-o nesta posição por mais de 10 segundos.
As informações de diagnóstico relacionadas à emissão foram apagadas da memória de reserva no ECM.
3. Solte inteiramente o pedal do acelerador, e confirme se está sendo exibido o DTC 0000. G

MODO DE TESTE DE DIAGNÓSTICO I – VERIFICAÇÃO DA LÂMPADA


Neste modo, a MIL no painel de instrumentos deverá permanecer LIGADA. Se ela permanecer APAGADA, H
verifique a lâmpada. Consulte: DI-25, “LUZES DE ADVERTÊNCIA” ou EC-460 “CONECTOR DE LINK
DE DADOS E MIL”.
MODO DE TESTE DE DIAGNÓSTICO I – AVISO DE MAU FUNCIONAMENTO
I
MIL Condição

ON Quando o mau funcionamento é detectado


J
OFF Não há mau funcionamento
Estes números de DTC são esclarecidos no Modo Diagnostic Test II (“Self-diagnostic results”)
K

EC - 49
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

MODO DIAGNOSTIC TEST II (SELF-DIAGNOSTIC RESULTS)


Neste modo, o DTC e o DTC da 1a viagem são indicados pelo número de piscadas intermitentes da MIL
como se pode ver a seguir. O DTC e o DTC da 1a viagem são exibidos ao mesmo tempo. Se a MIL não
acender no modo Diagnostic Test I (Malfunction Alarm), todos os itens exibidos são DTCs de 1a viagem. Se
somente um código for exibido quando a MIL acender no modo Diagnostic Test II (SELF-DIAGNOSTIC
RESULTS), trata-se de um DTC; se dois ou mais códigos forem exibidos, eles podem ser DTC’s ou DTC’s
de 1a viagem. O nº. do DTC é o mesmo número do DTC da 1a viagem. Estes códigos não identificados
podem ser identificados usando-se o CONSULT-III ou GST. Um DTC será usado como um exemplo de como
ler um código.

O código de uma falha específica pode ser identificado pelo número de acendimentos numéricos de quatro
dígitos. O “zero” é indicado pelo número de dez acendimentos. O “A” é indicado pelo número de onze
acendimentos. O período de tempo que os numerais de milésimos de dígitos ficam acesos e apagados é de
1,2 segundos, consistindo de um ciclo ACESO (0,6 segundo) – APAGADO (0,6 segundo). O numeral de
centésimo de dígito e numerais de dígitos inferiores consistem de um ciclo de 0,3 segundo ACESO e 0,3
segundo APAGADO. Uma mudança de um numeral de um dígito para outro ocorre a um intervalo de 1,0
segundo APAGADO. Em outras palavras, o último numeral aparece na apresentação 1,3 segundo depois
que o primeiro numeral tiver desaparecido. Uma mudança de um código de falha para outro ocorre a um
intervalo de 1,8 segundo APAGADO.
Desta forma, todos os defeitos detectados são classificados pelos seus números de DTC. O DTC 0000 se
refere à ausência de mau funcionamento. (Consulte: EC-7, “ÍNDICE DE DTC”)

Como Apagar o Modo Diagnostic Test II (“Self-diagnostic Results”)


O DTC pode ser apagado da memória de reserva no ECM pressionando-se o pedal do acelerador.

EC - 50
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

Consulte: EC-49, “Como Apagar o Modo de Teste Diagnóstico II (Resultados de Auto-Diagnóstico)”. A


• Se a bateria estiver desconectada, o DTC será perdido da memória de reserva dentro de 24 horas.
• Atente para não apagar a memória armazenada antes de iniciar o diagnóstico de falhas.
EC
Gráfico de Operação do Sistema OBD UBS00U0C

a
RELAÇÃO ENTRE MIL, DTC DE 1 VIAGEM, DTC E ITENS DETECTÁVEIS
• Quando é detectado um mau funcionamento pela primeira vez, o DTC da 1a viagem e os dados de C
imagem congelada da 1a viagem são armazenados na memória do ECM.
• Quando o mesmo mau funcionamento é detectado em duas viagens consecutivas, o DTC e os dados de
imagem congelada são armazenados na memória do ECM e a MIL acende. Para mais detalhes, D
consulte: EC-35, “Lógica de Detecção de Duas Viagens”.
• O MIL apagará depois que o veículo for conduzido por 3 vezes (padrão de condução B) sem nenhum
mau funcionamento. A viagem somente é contada se o padrão gravado de condução for observado E
(conforme armazenado no ECM). Se outro mau funcionamento ocorrer durante a contagem, o contador
se reprogramará.
• O DTC e os dados de imagem congelada serão armazenados até que o veículo seja conduzido 40 vezes F
(padrão de condução A), sem que o mesmo mau funcionamento ocorra novamente (com exceção de
Falha na Ignição e Sistema de Injeção de Combustível). Para Falha na Ignição e Sistema de Injeção de
Combustível, o DTC e os dados de imagem congelada serão armazenados até que o veículo seja G
conduzido 80 vezes (padrão de condução C), sem que o mesmo mau funcionamento ocorra novamente.
O “TIME” no modo “SELF-DIAGNOSTIC RESULTS” de CONSULT-III contará o número de vezes que o
veículo é conduzido.
H
• O DTC da 1a viagem não é exibido quando o auto-diagnóstico resulta em OK para a 2a viagem.

TABELA-RESUMO
I
Itens Sistema de Injeção de Combustível Falha na Ignição Outros
MIL (apaga) 3 (padrão B) 3 (padrão B) 3 (padrão B)
DTC, Dados de Imagem 80 (padrão C) 80 (padrão C) 40 (padrão A) J
Congelada (não aparecem)
DTC de 1a Viagem (apagado) 1 (padrão C),*1 1 (padrão C),*1 1 (padrão B)
Dados de Imagem K
Congelada de 1a Viagem *1, *2 *1, *2 1 (padrão B)
(apagados)

Para mais detalhes a respeito dos padrões B e C sob o título “Sistema de Injeção de Combustível” e “Falha na Ignição”, consulte: L
EC-53 “EXPLICAÇÃO SOBRE PADRÕES DE CONDUÇÃO COM EXCEÇÃO DE ‘FALHA NA IGNIÇÃO <DETERIORAÇÃO NA
QUALIDADE DO ESCAPAMENTO>’, ‘SISTEMA DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL’”.
Para mais detalhes sobre os padrões A e B sob o título “Outros”, consulte: EC-55 “EXPLICAÇÃO SOBRE PADRÕES DE
CONDUÇÃO COM EXCEÇÃO DE ‘FALHA NA IGNIÇÃO <DETERIORAÇÃO NA QUALIDADE DO ESCAPAMENTO>’, ‘SISTEMA M
DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL’”.
*1: Período de liberação ocorre no momento em que é detectado OK.
*2: Período de liberação ocorre quando o mesmo mau funcionamento é detectado na 2a viagem.

EC - 51
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

RELAÇÃO ENTRE MIL, DTC, DTC DA 1A VIAGEM E PADRÕES DE CONDUÇÃO PARA “FALHA NA
IGNIÇÃO”, “ <DETERIORAÇÃO NA QUALIDADE DO ESCAPAMENTO>”, “SISTEMA DE INJEÇÃO DE
COMBUSTÍVEL”

*1: Quando o mesmo mau *2: A MIL apagará depois que o veículo for *3: Quando o mesmo mau funcionamento
funcionamento é detectado em duas conduzido 3 vezes (padrão de for detectado em duas viagens
viagens consecutivas, a MIL acende. condução B) sem nenhum mau consecutivas, o DTC e os dados de
funcionamento. imagem congelada serão armazenados
no ECM.
*4: O DTC e os dados de imagem
congelada não serão mais exibidos *5: Quando um mau funcionamento é *6: O DTC de 1a viagem e os dados de
depois que o veículo for conduzido por detectado pela primeira vez, o DTC da imagem congelada da 1a viagem serão
80 vezes (padrão de condução C) 1ª viagem e os dados de imagem apagados no momento em que for
sem o mesmo mau funcionamento. congelada da 1ª viagem são detectado OK.
(O DTC e os dados de imagem armazenados no ECM.
congelada ainda permanecem no ECM.)

*7: Quando o mesmo mau funcionamento *8: O DTC da 1a viagem será apagado
é detectado na 2a viagem, os dados de quando o veículo for conduzido uma vez
imagem congelada da 1ª viagem são (padrão de condução C) sem o mesmo
apagados. mau funcionamento, depois que o DTC
for armazenado no ECM.

EC - 52
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

A
EXPLICAÇÃO A RESPEITO DOS PADRÕES DE CONDUÇÃO REFERENTES A “FALHA NA
IGNIÇÃO”, “<DETERIORAÇÃO NA QUALIDADE DO ESCAPAMENTO>”, “SISTEMA DE
INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL”
EC
<Padrão de condução B>
O padrão de condução B significa a operação do veículo como se segue:
Todos os componentes e sistemas devem ser monitorados pelo menos uma vez pelo sistema OBD. C
• O contador B será limpo quando o mau funcionamento for detectado uma vez, qualquer que seja
o padrão de condução.
• O contador B fará a contagem quando os requisitos do padrão de condução B forem atendidos D
sem nenhum mau funcionamento.
• A MIL apagará quando o contador B indicar 3. (*2 na “TABELA DE OPERAÇÃO DO SISTEMA
OBD”) E

<Padrão de condução C>


O padrão de condução C significa a operação do veículo como se segue: F
As condições que se seguem deverão ser satisfeitas ao mesmo tempo:
Rotações do motor: (Rotações do motor nos dados de imagem congelada) ±375 rpm
Valor calculado de carga: (Valor calculado de carga nos dados de imagem congelada) x (1±0.1) [%] G
Condição (T) de temperatura do líquido de arrefecimento do motor:
• Quando os dados de imagem congelada apresentam uma indicação de menos de 70°C (158°F),
“T” deve ser inferior a 70°C (158°F).
H
• Quando os dados de imagem congelada apresentam uma indicação igual ou superior a 70°C
(158°F), “T” deve ser igual ou superior a 70°C (158°F).

Exemplo: I
Se os dados de imagem congelada forem os seguintes:
Rotações do motor: 850 rpm, Valor calculado de carga: 30%, Temperatura do líquido de arrefecimento do
motor: 80°C (176°F) J
Para ficar em conformidade com o padrão de condução C, o veículo deve funcionar nas seguintes
condições:
Rotações do motor: 475 - 1.224 rpm, Valor calculado de carga: 27 – 33%, Temperatura do líquido de K
arrefecimento do motor: superior a 70°C (158°F°)
• O contador C será limpo quando o mau funcionamento for detectado, quaisquer que sejam as
condições do veículo acima. L
• O contador C fará a contagem quando as condições do veículo acima forem atendidas sem o
mesmo mau funcionamento.
• O DTC não será exibido depois que o contador C apresentar a indicação 80.
M
• O DTC da 1ª viagem será apagado quando o contador C for contar uma vez sem o mesmo mau
funcionamento, depois que o DTC for armazenado no ECM.

EC - 53
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

RELAÇÃO ENTRE MIL, DTC, DTC DA 1ª VIAGEM E PADRÕES DE DIREÇÃO PARA “FALHA NA IGNIÇÃO”,
“<DETERIORAÇÃO NA QUALIDADE DO ESCAPAMENTO>”, “SISTEMA DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL”

*1: Quando o mesmo mau funcionamento é *2: A MIL apagará depois que o veículo *3: Quando o mesmo mau
detectado em duas viagens consecutivas, for conduzido 3 vezes (padrão de funcionamento for detectado
a MIL acende. condução B) sem nenhum mau em duas viagens consecu-
funcionamento. tivas, o DTC e os dados
de imagem congelada serão
armazenados no ECM.

*4: O DTC e os dados de imagem congelada *5: Quando um mau funcionamento é *6: O DTC da 1 a viagem será
não serão mais exibidos depois que o detectado pela primeira vez, o DTC apagado depois que o veículo
veículo for conduzido 40 vezes (padrão da 1ª viagem e os dados de imagem for conduzido uma vez
de condução A) sem o mesmo mau congelada da 1ª viagem são (padrão B) sem o mesmo
funcionamento. (O DTC e os dados de armazenados no ECM. mau funcionamento.
imagem congelada ainda permanecem no
ECM.)

*7: Quando o mesmo mau funcionamento é


detectado na 2ª viagem, os dados de
imagem congelada da 1ª viagem são
apagados.

EC - 54
SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE BORDO (OBD)

EXPLICAÇÃO A RESPEITO DOS PADRÕES DE CONDUÇÃO COM EXCEÇÃO DAQUELES A


REFERENTES A “FALHA NA IGNIÇÃO”,<DETERIORAÇÃO NA QUALIDADE DO
ESCAPAMENTO>”, “SISTEMA DE INJEÇÃO DE COMBUSTÍVEL”
<Padrão de condução A> EC

• O contador A será limpo quando o mau funcionamento for detectado, apesar de (1) – (4).
• O contador A fará a contagem quando as condições (1) – (4) forem atendidas sem o mesmo mau I
funcionamento.
• O DTC não será exibido depois que o contador A apresentar a indicação de 40.
J
<Padrão de condução B>
O padrão de condução B significa a operação do veículo como segue:
Todos os componentes e sistemas devem ser monitorados pelo menos uma vez pelo sistema OBD.
K
• O contador B será limpo quando o mau funcionamento for detectado uma vez, qualquer que seja o
padrão de condução.
• O contador B fará a contagem quando os requisitos do padrão de condução B forem atendidos sem
nenhum mau funcionamento. L
• A MIL apagará quando o contador B indicar 3. (*2 no “GRÁFICO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA OBD”)

EC - 55
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO PFP:00018


Inspeção Básica UBS00U0D

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO
1. Verifique os registros de serviço quanto a quaisquer reparos recentes que possam indicar um mau
funcionamento relacionado, ou uma necessidade atual de manutenção programada.
2. Abra o capô do motor e verifique o seguinte:
– Conectores do chicote quanto a conexões inadequadas
– Chicotes quanto a conexões inadequadas, dobras e cortes
– Mangueiras de vácuo quanto a quebras, dobras e conexões
inadequadas
– Mangueiras e dutos quanto a vazamentos
– Obstrução do filtro de ar
– Retentores
3. Confirme que não estejam aplicadas cargas elétricas ou
mecânicas.
– O interruptor do farol está na posição OFF.
– O interruptor do ar condicionado está na posição OFF.
– Interruptor do desembaçador do vidro traseiro na posição OFF.
– Volante está na posição reta, etc.
4. Dê a partida no motor e aqueça-o até que o indicador de
temperatura do líquido de arrefecimento do motor aponte para o
meio da escala. Assegure-se de que o motor fique abaixo das
1.000 rpm.

5. Faça o motor funcionar a aproximadamente 2.000 rpm durante


aproximadamente 2 minutos, sem carga.
6. Certifique-se de que nenhum DTC seja exibido com o CONSULT-
III ou GST.

OK ou Negativo
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 2.

2. REPARE OU SUBSTITUA
Repare ou substitua os componentes conforme a necessidade de acordo com o respectivo Procedimento
de Diagnóstico.
>> VÁ PARA O ITEM 3

EC - 56
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

A
3. VERIFIQUE A ROTAÇÃO DE MARCHA LENTA DESEJADA.
Com CONSULT-III
EC
1. Faça o motor funcionar a aproximadamente 2.000 rpm
durante aproximadamente 2 minutos, sem carga.
2. Eleve as rpm do motor (de 2.000 a 3.000 rpm) duas ou três
vezes, sem carga, e em seguida, faça o motor funcionar em C
marcha lenta por aproximadamente 1 minuto.

3. Leia as rotações de marcha lenta no modo “DATA MONITOR” com o CONSULT-III. Consulte: F
EC-61, “NÚMERO DE ROTAÇÕES EM MARCHA LENTA”.
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
G

Sem o CONSULT-III
1. Faça o motor funcionar a aproximadamente 2.000 rpm por aproximadamente 2 minutos sem carga. H
2. Eleve as rotações do motor (de 2.000 para 3.000 rpm) duas ou três vezes sem carga, em seguida faça o
motor funcionar em marcha lenta por, aproximadamente, 1 minuto.
3. Verifique o número de rotações da marcha lenta. Consulte: EC-61, “NÚMERO DE ROTAÇÕES EM
I
MARCHA LENTA”.
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
OK ou Negativo J
OK >> VÁ PARA O ITEM 10.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 4.
K
4. EXECUTE APRENDIZADO DA POSIÇÃO DO PEDAL DO ACELERADOR LIBERADO
1. Desligue o motor
L
2. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”.

>> VÁ PARA O ITEM 5.


M
5. EXECUTE APRENDIZADO DA POSIÇÃO FECHADA DA VÁLVULA DO ACELERADOR
Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.

>> VÁ PARA O ITEM 6.

6. EXECUTE O APRENDIZADO DO VOLUME DE AR EM MARCHA LENTA


Consulte: EC-63, “Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta”.
O Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta foi bem sucedido?
Sim ou Não
Sim >> VÁ PARA O ITEM 7.
Não >> 1. Siga as instruções do Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta.
2. VÁ PARA O ITEM 4.

EC - 57
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

7. VERIFIQUE NOVAMENTE O NÚMERO DESEJADO DE ROTAÇÕES EM MARCHA LENTA.


Com CONSULT-III
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até que ele chegue à temperatura de operação normal.
2. Leia as rotações de marcha lenta no modo “DATA MONITOR ” com CONSULT-III. Consulte: EC-61,
“ROTAÇÕES DE MARCHA LENTA”.
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)

Sem CONSULT-III
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até que ele chegue à temperatura de operação normal.
2. Verifique o número de rotações da marcha lenta. Consulte: EC-61, “ROTAÇÕES DE MARCHA
LENTA”.
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
OK ou Negativo
OK >> VÁ PARA O ITEM 10.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 8.

8. DETECTE A PEÇA QUE APRESENTA MAU FUNCIONAMENTO


Verifique o seguinte
• Verifique o sensor de posição da árvore de manivelas (POS) e circuito. Consulte: EC-273 “DTC
P0335 CKPSENSOR (POS)”
• Verifique o sensor de posição da árvore de comando de válvulas (FASE) e circuito. Consulte:
EC-280, “DTC P0340 CMP SENSOR (FASE)” .
OK ou Negativo
OK >> VÁ PARA O ITEM 9.
Negativo >> 1. Repare ou substitua.
2. VÁ PARA O ITEM 4.

9. VERIFIQUE A FUNÇÃO ECM


1. Instale outro ECM reconhecidamente bom para verificar a função do ECM. (O ECM pode ser a causa de
um incidente, mas esses casos são raros.)
2. Faça a inicialização do sistema NATS e o registro das identificações NATS de todas as chaves de
ignição. Consulte: BL-113, “Função de Re-comunicação do ECM”.

>> VÁ PARA O ITEM 4.

10. VERIFIQUE O PONTO DE IGNIÇÃO


1. Faça o motor funcionar em marcha lenta.
2. Verifique o ponto de ignição com uma luz de ponto.
Consulte: EC-61 “PONTO DE IGNIÇÃO”.
- Indicador de ponto (1)
M/T: 6 ± 5° BTDC (na posição Neutra)
CVT: 6 ± 5° BTDC (na posição P ou N)
OK ou Negativo
OK >> FIM DA INSPEÇÃO.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 11.

EC - 58
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

11 . EXECUTE APRENDIZADO DA POSIÇÃO DO PEDAL DO ACELERADOR LIBERADO A

1. Desligue o motor
2. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”. EC

>> VÁ PARA O ITEM 12.


C
12. EXECUTE APRENDIZADO DA POSIÇÃO FECHADA DA VÁLVULA DO ACELERADOR
Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.
D
>> VÁ PARA O ITEM 13.

13. EXECUTE O APRENDIZADO DO VOLUME DE AR EM MARCHA LENTA E


Consulte: EC-63, “Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta”.
O Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta foi bem sucedido?
Sim ou Não F
Sim >> VÁ PARA O ITEM 14.
Não >> 1. Siga as instruções do Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta.
2. VÁ PARA O ITEM 4. G

14. VERIFIQUE NOVAMENTE O NÚMERO DESEJADO DE ROTAÇÕES EM MARCHA LENTA.


Com CONSULT-III H
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até que ele chegue à temperatura de operação normal.
2. Leia as rotações de marcha lenta no modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III. Consulte: EC-61,
“NÚMERO DE ROTAÇÕES EM MARCHA LENTA”. I
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
J
Sem CONSULT-III
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até que ele chegue à temperatura de operação normal.
2. Verifique o número de rotações de marcha lenta. Consulte: EC-61, “NÚMERO DE ROTAÇÕES EM
K
MARCHA LENTA”.
M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
OK ou Negativo L
OK >> VÁ PARA O ITEM 15.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 17.
M
15. VERIFIQUE NOVAMENTE O PONTO DE IGNIÇÃO
1. Faça o motor funcionar em marcha lenta.
2. Verifique o ponto de ignição com uma luz de ponto. Consulte:
EC-61, “PONTO DE IGNIÇÃO”.
Indicador de ponto (1)
M/T: 6 ± 5° BTDC (na posição Neutra) CVT:
6 ± 5° BTDC (na posição P ou N)
OK ou Negativo
OK >> FIM DA INSPEÇÃO.
Negativo >> VÁ PARA O ITEM 16.

EC - 59
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

16. VERIFIQUE A INSTALAÇÃO DA CORRENTE DE DISTRIBUIÇÃO


Verifique a instalação da corrente de distribuição. Consulte: EM-36, “CORRENTE DE
SINCRONIZAÇÃO”.
OK ou Negativo
OK >> VÁ PARA O ITEM 17.
Negativo > > 1. Repare a instalação da corrente de distribuição.
2. VÁ PARA O ITEM 4.

17. DETECTE A PEÇA QUE APRESENTA MAU FUNCIONAMENTO


Verifique o seguinte
• Verifique o sensor de posição da árvore de manivelas (POS) e circuito.
Consulte: EC-273 “DTC P0335 CKP SENSOR (POS)”
• Verifique o sensor de posição da árvore do comando de válvulas (FASE) e circuito.
Consulte: EC-280, “DTC P0340 CMP SENSOR (FASE)” .
OK ou Negativo
OK > > VÁ PARA O ITEM 18.
Negativo > > 1. Repare ou substitua.
2. VÁ PARA O ITEM 4.

18. VERIFIQUE A FUNÇÃO ECM


1. Instale outro ECM reconhecidamente bom para verificar a função ECM. (O ECM pode ser a causa de
um incidente, mas esses casos são raros.)
2. Faça a inicialização do sistema NATS e o registro das identificações NATS de todas as chaves de
ignição. Consulte: BL-113, “Função de Re-comunicação do ECM”.

>> VÁ PARA O ITEM 4.

EC - 60
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

A
Verificação de Marcha Lenta e Ponto de Ignição UBS00U0E

NÚMERO DE ROTAÇÕES EM MARCHA LENTA.


EC
Com o CONSULT-III
Leia as rotações de marcha lenta no modo “MONITOR DE DADOS” com CONSULT-III.

Com o GST C
Verifique o número de rotações em marcha lenta no Serviço $01 com GST.

PONTO DE IGNIÇÃO D
Qualquer um dos dois métodos a seguir pode ser usado.

Método A E
1. Conecte a luz de ponto ao fio do circuito (1) como mostrado.
• Õ: Frente do veículo
F

I
2. Verifique o ponto de ignição
• Indicador de ponto (1)

Método B
1. Remova a bobina de ignição nº. 4 (1). M
• Õ: Frente do veículo

2. Conecte a bobina de ignição nº. 4 (1) e a vela de ignição nº. 4 com um fio apropriado de alta
tensão (A) como se pode ver, e conecte a braçadeira da luz de ponto (B) a esse fio.

EC - 61
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

Õ Frente do veículo

3. Verifique o ponto de ignição


• Indicador de ponto (1)

Procedimento Após a Substituição do ECM UBS00U0F

Ao substituir o ECM, deve ser executado o procedimento a seguir.


1. Faça a inicialização do sistema NATS e o registro das identificações NATS de todas as chaves de
ignição. Consulte: BL-113, “Função de Re-comunicação do ECM”.
2. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”.
3. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.
4. Execute: EC-63, “Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta”.

Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado UBS00U0H

DESCRIÇÃO
O Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado é uma operação para se aprender a
posição totalmente liberada do pedal do acelerador monitorando o sinal de saída do sensor de
posição do pedal do acelerador. Ela deve ser executada a cada vez que o conector do chicote do
sensor de posição do pedal do acelerador ou o ECM for desconectado.

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO
1. Certifique-se de que o pedal do acelerador esteja totalmente liberado.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e aguarde pelo menos 2 segundos.
3. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e aguarde pelo menos 10 segundos.
4. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e aguarde pelo menos 2 segundos.
5. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e aguarde pelo menos 10 segundos.

EC - 62
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador UBS00U0I


A
DESCRIÇÃO
O Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador é uma operação para se aprender a
EC
posição totalmente fechada da válvula do acelerador, monitorando o sinal de saída do sensor de
posição do acelerador. Ela deve ser executada a cada vez que o conector do chicote do atuador
elétrico de controle do acelerador ou o ECM for desconectado.
C
PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO
1. Certifique-se de que o pedal do acelerador esteja totalmente liberado.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON D
3. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e aguarde pelo menos 10 segundos.
Certifique-se de que a válvula do acelerador se mova durante os 10 segundos acima, confirmando
o som de operação. E

Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta UBS00U0J

DESCRIÇÃO F
O Aprendizado do Volume de Ar em Marcha Lenta é uma operação para se aprender o volume de ar
de marcha lenta que mantém cada motor dentro da faixa especificada. Ele deve ser executado sob
qualquer uma das seguintes condições: G
• Cada vez que o atuador elétrico de controle do acelerador ou ECM for substituído.
• As rotações em marcha lenta ou o ponto de ignição estiverem fora da especificação.
H
PREPARAÇÃO
Antes de executar o Aprendizado de Volume de Ar em Marcha Lenta, certifique-se de que os seguintes
requisitos sejam cumpridos: O aprendizado será cancelado se qualquer uma das seguintes condições não I
for cumprida, ainda que apenas por um momento.
• Tensão da bateria: Acima de 12,9 V (em marcha lenta)
• Temperatura do líquido de arrefecimento do motor: 70 - 95°C (158 - 203°F)
J
• Interruptor de posição da alavanca estacionamento/neutra (PNP): ON
• Interruptor de carga elétrica: OFF
[Ar condicionado, farol, desembaçador da janela traseira]
• Volante: Neutro (posição reta) K
• Velocidade do veículo: Parado
• Transmissão: Aquecida
- Para os modelos CVT L
· Com o CONSULT-III Dirija o veículo até que ‘FLUID TEMP SE” no modo “MONITOR DE DADOS” do
sistema “CVT” indique menos de 0,9 V
· Sem o CONSULT-III Conduza o veículo por 10 minutos. M
- Para os modelos M/T
· Conduza o veículo por 10 minutos.

EC - 63
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO
Com CONSULT-III
1. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”.
2. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.
3. Dê a partida no motor e aqueça-o até que chegue à temperatura de operação normal.
4. Certifique-se de que todos os itens relacionados sob o tópico PREPARAÇÃO (mencionado
anteriormente) estejam corretos.
5. Selecione “IDLE AIR VOL LEARN” no modo “WORK SUPPORT”
6. Toque “START” e espere 20 segundos.
7. Certifique-se de que “CMPLT” seja exibido na tela CONSULT-III . Se “CMPLT” não for exibido, o IDLE
AIR VOL LEARN não será executado com sucesso. Neste caso, encontre a causa do incidente,
consultando o Procedimento de Diagnóstico abaixo:
8. Eleve as rotações do motor duas ou três vezes e certifique-se de que as rotações em marcha lenta e o
ponto de ignição estejam dentro das especificações.
Consulte: EC-56, “Inspeção Básica”.
ITEM ESPECIFICAÇÕES
Número de rotações de marcha lenta M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
Ponto de ignição M/T: 6 ± 5° BTDC (na posição Neutra)
CVT: 6 ± 5° BTDC (na posição P ou N)

Sem CONSULT-III
NOTA.:
• É melhor marcar o tempo de maneira precisa com um cronômetro.
• É impossível mudar o modo de diagnóstico quando um circuito de sensor de posição do pedal do
acelerador está defeituoso.
1. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”.
2. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.
3. Dê a partida no motor e aqueça-o até que ele chegue à temperatura de operação normal.
4. Certifique-se de que todos os itens relacionados sob o tópico PREPARAÇÃO (mencionado
anteriormente) estejam corretos.
5. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e aguarde pelo menos 10 segundos.
6. Certifique-se de que o pedal do acelerador esteja totalmente liberado, coloque o interruptor de ignição na
posição ON e aguarde 3 segundos.
7. Repita rapidamente o procedimento a seguir, cinco vezes em 5 segundos.
a. Aperte o pedal do acelerador até o fundo.
b. Libere totalmente o pedal do acelerador.
8. Aguarde 7 segundos, aperte o pedal do acelerador até o fundo e mantenha-o assim por,
aproximadamente, 20 segundos até que a MIL páre de piscar intermitentemente e fique ACESA.
9. Solte inteiramente o pedal do acelerador em até 3 segundos depois que a MIL ACENDER.
10. Dê a partida no motor e deixe-o funcionando em marcha lenta.
11. Aguarde 20 segundos.

EC - 64
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

A
12. Eleve as rotações do motor duas ou três vezes e certifique-se de que as rotações em marcha lenta e o
ponto de ignição estejam dentro das especificações. Consulte: EC-56, “Inspeção Básica”.

IITEM ESPECIFICAÇÃO EC
Número de rotações de marcha lenta M/T: 675 ± 50 rpm (na posição Neutra)
CVT: 700 ± 50 rpm (na posição P ou N)
C
Ponto de ignição M/T: 6 ± 5o BTDC (na posição Neutra)
CVT: 6 ± 5o BTDC (na posição P ou N)

13. Se o número de rotações em marcha lenta e o ponto de ignição não estiverem dentro da especificação, D
o Aprendizado do Volume de Ar em Marcha lenta não será bem sucedido. Neste caso, encontre a causa
do incidente, consultando o PROCEDIMENTO DIAGNÓSTICO abaixo:
E
PROCEDIMENTO DE DIAGNÓSTICO
Se o aprendizado do volume de ar não puder ser executado de maneira bem sucedida, proceda como
segue: certifique-se que a válvula do acelerador esteja inteiramente fechada. F
1. Verifique a operação da válvula de PCV.
2. Certifique-se de que o trecho a jusante da válvula do acelerador esteja livre de vazamentos de ar.
3. Quando os três itens acima estiverem comprovadamente OK, as peças no compartimento do G
motor e a instalação das mesmas são questionáveis. Verifique e elimine a causa do incidente.
E executar: EC-111 “DIAGNÓSTICO DE FALHAS – VALOR DE ESPECIFICAÇÃO”.
5. Se qualquer uma das condições a seguir ocorrer depois da partida do motor, elimine a causa do H
incidente e execute novamente o aprendizado do volume de ar em marcha lenta:
– O motor morre.
– Marcha lenta inadequada.
I

EC - 65
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

Verificação de Pressão de Combustível UBS00U0K

LIBERAÇÃO DA PRESSÃO DE COMBUSTÍVEL

Com o CONSULT-III
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON
2. Execute “FUEL PRESSURE RELEASE” no modo “WORK SUPPORT” com CONSULT-III.
3. Dê a partida no motor.
4. Depois que o motor morrer, gire-o duas ou três vezes com o motor de partida para liberar toda a pressão
de combustível.
5. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.

Sem o CONSULT-III
1. Remova o fusível da bomba de combustível (1) localizado no
IPDM E/R (2).
• : Frente do veículo
2. Dê a partida no motor.
3. Depois que o motor morrer, gire-o duas ou três vezes com o
motor de partida para liberar toda a pressão de combustível.
4. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
5. Reinstale o fusível da bomba de combustível após fazer a
manutenção no sistema de combustível.
VERIFICAÇÃO DE PRESSÃO DE COMBUSTÍVEL
CUIDADO:
Antes de desconectar a linha de combustível, libere a pressão de combustível da linha de combustível
para eliminar o perigo.
NOTA:
• Prepare bandejas ou recipientes similares sob a linha de combustível desconectada, pois pode
haver derramamento de combustível. A pressão de combustível não pode ser completamente
liberada porque os modelos B16 não possuem sistema de retorno de combustível.
• O método de conexão de mangueira de combustível usado ao se verificar a pressão de
combustível não deve ser usado para outras finalidades.
• Atente para não arranhar ou colocar detritos ao redor da área de conexão durante a manutenção,
para que o conector de engate rápido mantenha a sua capacidade de vedação com os O-rings em
seu interior.
• Não execute a verificação de pressão de combustível com os sistemas elétricos operando (isto é,
luzes, desembaçador traseiro, ar condicionado, etc. O indicador de pressão de combustível pode
apresentar leituras falsas devido às cargas variadas de motor e às mudanças no vácuo da tubulação.
1. Liberação da pressão de combustível para zero. Consulte: EC-66, “LIBERAÇÃO DA PRESSÃO DE
COMBUSTÍVEL”.
2. Prepare uma mangueira de combustível para a verificação de
pressão de combustível B e um adaptador de tubo de combustível
(KV10118400) D. Em seguida, conecte o indicador de pressão de
combustível A.
• : Para o engate rápido.
• : Para o tubo de combustível (lado do motor)
• C: Braçadeira
• Use uma mangueira de combustível adequada para a
verificação de pressão de combustível (mangueira
de combustível NISSAN genuína sem engate rápido)
• Para evitar força desnecessária ou tensão na mangueira,
use uma mangueira de combustível razoavelmente
comprida para a verificação da pressão de combustível.
• Não use a mangueira de combustível para verificar a pressão
de combustível se a mesma apresentar danos ou rachaduras.
• Use o indicador de pressão para verificar a pressão de combustível.
EC - 66
PROCEDIMENTO BÁSICO DE SERVIÇO

3. Remova a mangueira de combustível. Consulte: EM-17, “COLETOR DE ADMISSÃO”. A


• Não torça ou dobre a mangueira de combustível, pois é uma mangueira plástica.
4. Conecte a mangueira de combustível para uma verificação de
pressão de combustível (1) ao tubo de combustível (lado do motor) EC
com uma braçadeira (2) como se vê na figura.
• Carretel Nº. 2 (5)
• Remova o óleo ou a sujeira da parte de inserção da mangueira C
usando um pano umedecido com gasolina.
• Aplique a quantidade adequada de gasolina entre o topo do tubo de
combustível (3) e o carretel Nº. 1 (4).
• Introduza a mangueira de combustível para a verificação de D
pressão de combustível até que ela toque o carretel Nº. 1 no tubo
de combustível.
• Use uma braçadeira de mangueira NISSAN genuína (número de peça: 16439 N4710 ou 16439 40U00). E
• Ao ricochetar a linha de combustível, use sempre braçadeiras novas.
• Use uma chave de torque para apertar as braçadeiras.
• Instale a braçadeira de mangueira na posição com uma tolerância de 1 – 2 mm (0,04 – 0,08 pol.). F
Torque de aperto: 1 – 1,5 N·m (0,1 – 0,15 kg-m, 9 - 13 lb-pol)
• Certifique-se de que o parafuso da braçadeira não entre em
contato com as peças adjacentes. G
5. Conecte o adaptador do tubo de combustível com o conector de
engate rápido.
• A : Indicador de pressão de combustível
• B: Mangueira de combustível para a verificação da pressão H
de combustível.
6. Após conectar a mangueira de combustível para a verificação de
pressão de combustível, puxe a mangueira com uma força de I
aproximadamente 90 N (10 kg, 22 lb) para confirmar que o tubo de
combustível não se solta.
7. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e verifique se há vazamento de combustível. J
8. Dê a partida no motor e verifique se há vazamento de combustível.
9. Leia a indicação do indicador de pressão de combustível.
• Não faça uma verificação de pressão de combustível com o sistema operando. O indicador de pressão
de combustível poderá indicar leituras falsas. K
• Durante a verificação da pressão de combustível, verifique se há vazamento de combustível na
conexão de combustível a cada 3 minutos.
L
Em marcha lenta: Aproximadamente 350 kPa (3,5 bar, 3,57 kg/cm2, 51 psi)
10. Se o resultado não for satisfatório, vá para o item a próxima etapa.
11. Verifique o seguinte
M
• Mangueiras e tubos de combustível quanto a obstruções
• Filtro de combustível quanto a obstruções.
• Bomba de combustível
• Regulador de pressão de combustível quanto a obstruções
Se estiver OK, reinstale o regulador de pressão de combustível.
Se Negativo, repare ou substitua.
12. Verifique o seguinte
• Mangueiras e tubos de combustível quanto a obstruções
• Filtro de combustível quanto a obstruções
• Bomba de combustível
• Regulador de pressão de combustível quanto a obstruções
Se estiver OK, reinstale o regulador de pressão de combustível.
Se Negativo, repare ou substitua.
13. Antes de desconectar o indicador de pressão de combustível e o adaptador de pressão de combustível
J-44321-6, libere a pressão de combustível para zero. Consulte: EC-66, “LIBERAÇÃO DE PRESSÃO
DE COMBUSTÍVEL”.
EC - 67
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

DIAGNÓSTICO DE FALHAS PFP:00004


Introdução ao Diagnóstico de falhas UBS00U0L

INTRODUÇÃO
O motor possui um ECM para controlar os principais sistemas como o
controle de combustível, o controle de ignição, o sistema de controle
de ar de marcha lenta, etc. O ECM aceita sinais de entrada de
sensores e aciona atuadores instantaneamente. É essencial que tanto
os sinais de entrada quanto os de saída sejam adequados e instáveis.
Ao mesmo tempo, é importante que não haja defeitos como
vazamentos de vácuo, velas de ignição sujas, ou outros defeitos
no motor.

É muito mais difícil diagnosticar um incidente que ocorre


intermitentemente do que um que ocorre continuamente. A maioria
dos incidentes intermitentes são causados por mau contato elétrico
ou fiação inadequada. Nesse caso, uma verificação cuidadosa dos
circuitos suspeitos pode ajudar a evitar a substituição de peças em
bom estado.

Poderá não ser possível encontrar a causa dos incidentes somente


com uma verificação visual. Deverá ser realizado um teste de
rodagem com o CONSULT-III (ou GST) ou ser conectado um testador
de circuito. Siga o Fluxo de Trabalho em EC-69, “FLUXO DE
TRABALHO”. Antes de executar as verificações propriamente ditas,
dedique alguns minutos para conversar com o cliente, caso este
apresente uma reclamação a respeito da dirigibilidade do veículo. O
cliente pode fornecer boas informações a respeito de tais incidentes,
especialmente os intermitentes Descubra quais são os sintomas e em
que condições eles ocorrem. Deverá ser usada uma Planilha de
Diagnóstico, como o exemplo em EC-73 “Amostra de Planilha”. Inicie
o seu diagnóstico procurando primeiramente os defeitos
convencionais. Isso o auxiliará na pesquisa de defeitos de
dirigibilidade em um veículo com motor eletronicamente controlado.

EC - 68
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

FLUXO DE TRABALHO A
Seqüência Geral
EC
Início da Inspeção

C
1. Obtenha informações referentes ao sintoma
Obtenha informações detalhadas a respeito do sintoma
junto ao cliente.
D

2. Verifique DTC*1
Verifique DTC*1.
Imprima DTC*1 e os dados de imagem E
congelada *2 (ou escreva, manualmente).
Verifique os boletins de serviço relacionados a
essa questão.
O sintoma é descrito. O sintoma não é descrito. O sintoma é descrito. F
DTC*1 é detectado. DTC*1 é detectado. DTC*1 não é detectado.

3. Confirme o sintoma 4. Confirme o sintoma


Tente confirmar o sintoma descrito pelo Tente confirmar o sintoma descrito pelo G
cliente. cliente.

H
5. Execute o Procedimento de Confirmação de DTC. 6. Execute a Inspeção Básica
Com CONSULT-III
Sem o CONSULT-III
I

9. Detecte o sistema defei- 7. Execute “SPEC” no modo “MONITOR


tuoso utilizando o Gráfico de DE DADOS”
Matriz de Sintomas Dentro do J
valor SP Fora do valor SP

8. Detecte a peça defeituosa utilizando o


DIAGNÓSTICO DE FALHAS – VALOR K
A peça DE ESPECIFICAÇÃO
defeituosa não
10. Detecte a peça defeituosa utilizando o é detectada. A peça defeituosa é
detectada. L
Procedimento de Diagnóstico.

M
11. Repare ou substitua a peça defeituosa.

NC 12. Verificação final NC


(DTC*1 é detectado.) Certifique-se de que o sintoma não seja detectado. Execute (O sintoma permanece.)
o Procedimento de Confirmação de DTC novamente, e em
seguida certifique-se de que o defeito possa ser reparado
com segurança.

OK
FIM DA INSPEÇÃO

*1: Inclua o DTC de 1 a viagem.


*2: Inclua os dados de imagem congelada de 1a viagem. PBIB3456E

EC - 69
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Fluxo Detalhado

1. OBTENHA INFORMAÇÕES REFERENTES AO SINTOMA


Obtenha as informações detalhadas, junto ao cliente, a respeito do sintoma (a condição e o ambiente em
que o incidente/defeito ocorreu) usando EC-72, “PLANILHA DE DIAGNÓSTICO”.

>> VÁ PARA O ITEM 2.

2. VERIFIQUE DTC*1
1. Verifique DTC*1
2. Execute o seguinte procedimento se DTC*1 for exibido.
- Registre DTC*1 e dados de imagem congelada *2. (Imprima-os com CONSULT-III ou GST.)
- Apague DTC*1 (Consulte: EC-47, “COMO APAGAR AS INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO
RELACIONADAS À EMISSÃO”.)
- Estude a relação entre a causa detectada por DTC*1 e o sintoma descrito pelo cliente. (O Gráfico de Matriz
de Sintoma é útil. Consulte: EC-76, “Gráfico de Matriz de Sintomas”).
3. Verifique os boletins de serviço relacionados a essa questão.
Algum sintoma é descrito e algum DTC é detectado?
Sintoma é descrito, DTC*1 é exibido >> VÁ PARA O ITEM 3.
Sintoma é descrito, DTC*1 não é exibido >> VÁ PARA O ITEM 4.
Sintoma não é descrito, DTC*1 é exibido >> VÁ PARA O ITEM 5.

3. CONFIRME O SINTOMA
Tente confirmar o sintoma descrito pelo cliente (com exceção da MIL ACESA)..
A PLANILHA DE DIAGNÓSTICO é útil para verificar o incidente.
Conecte o CONSULT-III ao veículo e verifique os resultados do diagnóstico.
Verifique a relação entre o sintoma e a condição em que o sintoma é detectado.

>> VÁ PARA O ITEM 5.

4. CONFIRME O SINTOMA
Tente confirmar o sintoma descrito pelo cliente.
A PLANILHA DE DIAGNÓSTICO é útil para verificar o incidente.
Conecte o CONSULT-III ao veículo e verifique os resultados do diagnóstico.
Verifique a relação entre o sintoma e a condição em que o mesmo é detectado.

>> VÁ PARA O ITEM 6.

EC - 70
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

5. EXECUTE O PROCEDIMENTO DE CONFIRMAÇÃO DE DTC. A

Execute o Procedimento de Confirmação de DTC referente ao DTC*1 exibido e, em seguida, certifique-se de


que o DTC*1 é detectado novamente.
EC
Se dois ou mais DTCs* forem detectados, consulte: EC-74, “Gráfico de Prioridade de Inspeção de DTC” e
determine a ordem de diagnóstico de falhas.

NOTA: C
• Os dados*2 de imagem congelada são úteis se o DTC*1 não for detectado. C
• Execute a Verificação Geral de Função se o Procedimento de Confirmação de DTC não estiver incluído
no Manual de Serviços. Este procedimento simplificado de verificação é uma alternativa eficaz, embora o D
DTC*1 não possa ser detectado durante esta verificação.
Se o resultado da Verificação Geral de Função for NC, ele é o mesmo da detecção do DTC*1 pelo
Procedimento de Confirmação de DTC.
E
DTC*1 é detectado?
Sim >> VÁ PARA O ITEM 10.
Não >> Verifique de acordo com EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTES
INTERMITENTES”. F

6. EXECUTE A INSPEÇÃO BÁSICA


Execute EC-56, “Inspeção Básica” G

Com o CONSULT-III >> VÁ PARA O ITEM 7.


Sem o CONSULT-III >> VÁ PARA O ITEM 9. H

7. EXECUTE “SPEC” NO MODO “DATA MONITOR”


Com o CONSULT-III I
Certifique-se de que “MAS A/F SE-B1”, “B/FUEL SCHDL” e “A/F ALPHA-B1“ estejam dentro do valor SP
usando o CONSULT-III “SPEC” no modo “DATA MONITOR”. Consulte: EC-111, “Procedimento de Inspeção”.
Eles estão dentro do valor SP? J
Sim >> VÁ PARA O ITEM 9.
Não >> VÁ PARA O ITEM 8.
K
8. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA UTILIZANDO O DIAGNÓSTICO DE FALHAS – VALOR DE
ESPECIFICAÇÃO
Detecte a peça defeituosa de acordo com EC-112, “Procedimento de Diagnóstico”.
L
A peça defeituosa é detectada?
Sim >> VÁ PARA O ITEM 11.
Não >> VÁ PARA O ITEM 9.
M
9. DETECTE O SISTEMA DEFEITUOSO UTILIZANDO O GRÁFICO DE MATRIZ DE SINTOMAS
Detecte o sistema defeituoso de acordo com EC-76, “Gráfico de Matriz de Sintomas”, baseado no sintoma
confirmado na etapa 4, e determine a ordem de diagnóstico de falha com base nas causas possíveis e
sintoma.

>> VÁ PARA O ITEM 10.

EC - 71
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

10. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA UTILIZANDO O PROCEDIMENTO DE DIAGNÓSTICO.


Inspecione de acordo com o Procedimento de Diagnóstico do sistema.
NOTA:
O Procedimento de Diagnóstico na seção EC descrito baseado na inspeção de circuito aberto. Também é
necessária uma inspeção de curto circuito para a verificação do circuito no Procedimento de Diagnóstico.
Para mais detalhes, consulte a Inspeção de Circuito em GI-28, “Como Realizar um Diagnóstico Eficaz de um
Problema Elétrico”.
A peça defeituosa é detectada?
Sim >> VÁ PARA O ITEM 11.
Não >> Monitore os dados de entrada dos sensores relacionados ou verifique a voltagem dos
terminais ECM relacionados usando o CONSULT-III. Consulte: EC-89, “Terminais e
Valor de Referência do ECM”, EC-108, “Valor de Referência CONSULT-III no Monitor
de Dados”.
11 . REPARE OU SUBSTITUA A PEÇA DEFEITUOSA.
1. Repare ou substitua a peça defeituosa.
2. Reconecte peças ou conectores desconectados durante o Procedimento de Diagnóstico, novamente,
após o reparo ou a substituição.
3. Verifique DTC. Se o DTC for exibido, apague-o, consulte: EC-47, “COMO APAGAR AS INFORMAÇÕES DE
DIAGNÓSTICO RELACIONADAS À EMISSÃO”.
>> VÁ PARA O ITEM 12.
12. VERIFICAÇÃO FINAL
Quando o DTC tiver sido detectado na etapa 2, execute o Procedimento de Confirmação de DTC ou a
Verificação de Função Geral novamente e, em seguida, certifique-se de que o defeito tenha sido reparado
com segurança.
Quando os sintomas tiverem sido descritos pelo cliente, consulte o sintoma confirmado na etapa 3 ou 4, e
certifique-se de que o sintoma não seja detectado.
OK ou NC
NC (DTC*1 é detectado) >> VÁ PARA O ITEM 10.
NC (O sintoma permanece) >> VÁ PARA O ITEM 6.
OK >> 1. Antes de devolver o veículo ao cliente, não deixe de apagar o DTC*1 desnecessário
no ECM e TCM (Módulo de Controle da Transmissão). (Consulte: EC-47, “COMO APAGAR AS
INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS À EMISSÃO”).
2. Se é necessária a conclusão do SRT, conduza o veículo conforme o padrão específico de
condução. Consulte: EC-44, “Padrão de condução”.
3. FIM DA INSPEÇÃO.
*1: Inclua o DTC de 1ª viagem.
*2: Inclua os dados de imagem congelada de 1ª viagem.

PLANILHA DE DIAGNÓSTICO
Descrição
Há muitas condições de operação que resultam no mau funcionamento
PONTOS-CHAVE
de componentes do motor. Uma boa compreensão de tais condições pode
simplificar e tornar mais precisa a pesquisa de falhas. O QUE… Modelo de veículo & motor
Em geral, cada cliente tem uma impressão diferente a respeito de um QUANDO… Data, Freqüências
incidente. É importante compreender completamente os sintomas ou
condições a partir de uma reclamação de um cliente. ONDE... Condições da rodovia
Utilize uma planilha de diagnóstico como a que se vê na próxima página COMO... Condições de operação,
para organizar todas as informações para a pesquisa de panes. Algumas Condições meteorológicas,
condições podem fazer com que a MIL acenda de maneira intermitente ou Sintomas
SEF907L
contínua, e fazer com que o DTC seja detectado. Exemplos:
• O veículo ficou sem gasolina, o que fez com que a ignição do motor falhasse.
• A tampa do tanque de combustível não foi colocada ou foi colocada incorretamente, permitindo que o
combustível evaporasse para a atmosfera.
EC - 72
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Amostra de Planilha A

Nome do cliente SR./SRA. Modelo & Ano Número do chassis


EC
Nº. do motor Trans. Quilometragem
Data do Incidente Data de Fabricação Data de Entrada na Oficina

Combustível e tampa do O veículo ficou sem gasolina e isso causou falha na ignição. C
tanque de combustível A tampa do tanque não foi colocada ou foi colocada de maneira incorreta.

Facilidade de Impossível dar a partida. Não há combustão. Combustão parcial D


partida Combustão parcial afetada pela posição do acelerador.
Combustão parcial NÃO afetada pela posição do acelerador.
É possível dar a partida, mas é difícil Outros
E

Marcha lenta Não fica em marcha lenta alta Instável Marcha lenta alta Marcha lenta baixa
Sintomas Outros
F
Dirigibilidade Falha Dá trancos Detonação Falta potência
Retorno de centelha na admissão Retorno de centelha no escapamento
Outros G

O motor “morre” Por ocasião da partida Durante a aceleração


Imediatamente após a parada Durante o funcionamento em marcha lenta
Durante a desaceleração Durante o carregamento H

Ocorrência do incidente Imediatamente após a entrega Recentemente


Pela manhã À noite Durante o dia I

Freqüência O tempo todo Sob certas condições Às vezes

J
Condições meteorológicas Não afetado
Tempo Tudo bem Quando chove Quando neva Outros
Temperatura Muito quente Quente Fresco Frio Úmido
K
Condições do motor Frio Durante o aquecimento Após o aquecimento
Velocidade do veículo
0 2.000 4000 6000 8000 rpm L

Condições da rodovia Na cidade Nos subúrbios Na rodovia Fora da rodovia (subindo/descendo)


M
Condições de condução Não afetado Durante a partida Durante o funcionamento em marcha lenta
Durante uma corrida Durante a aceleração
Durante a condução à velocidade de cruzeiro Durante a desaceleração
Durante uma curva (para a direita/para a esquerda)

Lâmpada de alerta de Ligado Não ligado


defeitos

MTBL0017

EC - 73
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Gráfico de Prioridade de Inspeção de DTC UBS00U0M

Se alguns DTC’s forem exibidos ao mesmo tempo, execute inspeções uma por uma com base no seguinte
gráfico de prioridade:
NOTA:
• Se DTC U1000 ou U1001 for exibido com outros DTC’s, primeiro faça o diagnóstico de falhas para DTC
U1000, U1001. Consulte: EC-128, “DTC U1000, U1001 - LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN” .
• Se DTC U1010 for exibido com outros DTC’s, primeiro faça o diagnóstico de falhas para DTC U1010.
Consulte: EC-131, “DTC U1010 - LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN” .

Prioridade Itens detectados (DTC)


• DTC U1000, U1001 – Linha de comunicação via CAN
• U1010 – Comunicação via CAN
• P0101 P0102 P0103 - Sensor de massa de fluxo de ar
• P0112 P0113 P0127 - Sensor de temperatura do ar de entrada
• P0117 P0118 P0125 - Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor
• P0122 P0123 P0222 P0223 P1225 P1226 P2135 – Sensor de posição do acelerador
• P0128 Função do termostato
• P0327 P0328 – Sensor de detonação
1
• P0335 Sensor de posição do virabrequim (POS)
• P0340 Sensor de posição do eixo comando de válvulas (FASE)
• P0500 Sensor de velocidade do veículo
• P0605 ECM
• P0643 Fonte de alimentação do sensor
• P0705 P0850 Interruptor de posição de estacionamento/neutra (PNP)
• P1610 - P1615 NATS
• P0122 P0123 P0222 P0223 P1225 P1226 P2135 – Sensor de posição do pedal do acelerador
• P0031 P0032 Aquecedor do sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F)
• P0037 P00382 Aquecedor do sensor 2 do oxigênio aquecido
• P0075 Válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.
• P0130 P0131 P0132 P0133 P2A00 Sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F)
• P0137 P0138 P0139 Sensor 2 do oxigênio aquecido
2
• P0444 P0445 Válvula solenóide de controle de volume de sangria do recipiente EVAP
• P1217 Sobre-temperatura do motor (SUPERAQUECIMENTO)
• P1805 Interruptor de freio
• P2100 P2103 Relé do motor de controle do acelerador
• P2101 Função de controle elétrico do acelerador
• P2118 Motor de controle do acelerador
• P0011 Controle do ponto da válvula de admissão
• P0171 P0172 Função do sistema de injeção de combustível
• P0300 - P0304 Falha na ignição
• P0420 Função do catalisador de três vias
• P0506 P0507 Sistema de controle do número de rotações de marcha lenta
• P0710 P0715 P0720 P0744 P0746 P0776 P0778 P0840 P0845 P1740 P1777 P1778
3 Sensores, válvulas solenóides e interruptores relacionados ao CVT
• P1148 Controle de circuito fechado
• P1421 Controle de partida a frio
• P1564 – interruptor da direção ASCD
• P1572 ASCD Interruptor de freio
• P1574 ASCD Sensor de velocidade do veículo
• P1715 Sensor de velocidade primária
• P2119 Atuador elétrico de controle do acelerador

EC - 74
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Tabela de DIAGNÓSTICO Fail - Safe UBS00U0N A


Quando o DTC abaixo relacionado é detectado, o ECM entra no modo à prova de falha e a MIL acende.
Nº DTC Itens detectados Condição de operação do motor no modo fail - safe
EC
P0102 Circuito do sensor de As rotações do motor não se elevarão acima de 2.400 rpm em razão do corte de combustível
P0103 fluxo de massa de ar

C
Circuito do sensor de A temperatura do líquido de arrefecimento do motor será determinada pelo ECM tendo como base o
P0117
temperatura do líquido tempo depois de se colocar o interruptor de ignição na posição ON ou START.
P0118 de arrefecimento do
o CONSULT-III exibe a temperatura do líquido de arrefecimento do motor determinada pelo ECM.
motor D
Condição Temperatura do líquido de arrefecimento do
motor determinada (exibida no CONSULT-III).
No momento em que o interruptor de ignição é colocado na
40°C (104°F) E
posição ON ou START:
Mais que aproximadamente 4 minutos depois que o
80°C (176°F)
interruptor for colocado na posição ON ou START
F
Com exceção da situação mostrada acima 40 - 80°C (104 - 176°F) (Depende do tempo)

Quando o sistema fail - safe do sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor é


ativado, o ventilador opera enquanto o motor está funcionando. G
P0122 O ECM controla o atuador elétrico de controle do acelerador ao regular a abertura do acelerador para
P0123
P0222 Sensor de posição do que a posição de marcha lenta fique dentro de uma tolerância de +10 graus.
P0223 acelerador O ECM regula a velocidade de abertura da válvula do acelerador para que ela fique mais lenta do que
P2135 a condição normal. Portanto, a aceleração não será boa. H
P0643 Fonte de alimentação do O ECM interrompe o funcionamento do controle do atuador elétrico de controle do acelerador; a
sensor válvula do acelerador é mantida a uma abertura fixa (aproximadamente 5 graus) pela mola de retorno.

P2100 Relê de controle do O ECM interrompe o funcionamento do controle do atuador elétrico de controle do acelerador; a
acelerador
I
P2103 válvula do acelerador é mantida a uma abertura fixa (aproximadamente 5 graus) pela mola de retorno.

P2101 Função de controle O ECM interrompe o funcionamento do controle do atuador elétrico de controle do acelerador; a válvula do
elétrico do acelerador acelerador é mantida a uma abertura fixa (aproximadamente 5 graus) pela mola de retorno.
J
Motor de controle do O ECM interrompe o funcionamento do controle do atuador elétrico de controle do acelerador; a válvula do
P2118 acelerador acelerador é mantida a uma abertura fixa (aproximadamente 5 graus) pela mola de retorno.
(Quando o atuador elétrico de controle do acelerador não funciona adequadamente em razão de um
mau funcionamento da mola de retorno:) K
O ECM controla o atuador do acelerador regulando a abertura do acelerador no entorno da posição de
marcha lenta. O número de rotações do motor não se elevará acima de 2.000 rpm.
(Quando o ângulo de abertura da válvula do acelerador no modo fail - safe não está na faixa
especificada:)
L
Atuador de controle O ECM controla o atuador elétrico de controle do acelerador, regulando a abertura do acelerador a 20
P2119 elétrico do acelerador graus ou menos.
(Quando o ECM detecta que a válvula está travada na posição aberta:) M
Enquanto o veículo está sendo conduzido, a sua velocidade diminui gradualmente em razão do corte
de combustível. Depois que o veículo pára, o motor pára de funcionar.
O motor pode voltar a funcionar na posição N ou P (CVT), Neutra (M/T), e o número de rotações do
motor não excederá 1.000 rpm ou mais.
P2122 O ECM controla o atuador elétrico de controle do acelerador, regulando a abertura do acelerador para
P2123 Sensor de posição do
P2127 pedal do acelerador que a posição de marcha lenta fique dentro de +10 graus.
P2128 O ECM regula a velocidade de abertura da válvula do acelerador para que a mesma seja mais lenta
P2138 do que a condição normal.
Portanto, a aceleração não será boa.

• Quando há um circuito interrompido no circuito da MIL, o ECM não pode informar o condutor por meio
do acendimento da MIL, quando há um mau funcionamento no sistema de controle do motor.
Portanto, quando o acelerador controlado eletricamente e parte dos diagnósticos relacionados ao ECM
são continuamente detectados como Negativo por 5 viagens, o ECM avisa o condutor que o sistema de
controle do motor está com um mau funcionamento e que o circuito da MIL está interrompido por meio
da operação da função fail - safe.
A função fail - safe também opera quando os diagnósticos acima, com exceção do circuito da MIL,
são detectados e determina que o condutor repare o mau funcionamento.

EC - 75
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Tabela de Matriz de Sintomas UBS00U0O

SISTEMA - SISTEMA BÁSICO DE CONTROLE DO MOTOR


SINTOMA

MARCHA LENTA ÁSPERA/VARIAÇÕES NAS RPM


HESITAÇÃO/ARRANCOS/ PONTO SEM REAÇÃO

BATERIA DESCARREGADA (COM POUCA CARGA)


MARCHA LENTA ALTA /MARCHA LENTA BAIXA

RETORNO À MARCHA LENTA NÃO OCORRE

SUPERAQUECE/A TEMPERATURA DA ÁGUA


FALTA DE POTÊNCIA / ACELERAÇÃO FRACA

CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL


É DIFÍCIL DAR PARTIDA/NÃO DÁ PARTIDA/
NÃO DÁ NOVA PARTIDA (EXCETO HA)

O MOTOR PÁRA DE FUNCIONAR

CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO


CENTELHAMENTO/DETONAÇÃO

VIBRAÇÃO NA MARCHA LENTA


Página de
referência

OU É LEN]TO

É ALTA
Código de sintoma em garantia AA AB AC AD AE AF AG AH AJ AK AL AM HA

Circuito da bomba de combustível 1 1 2 3 2 2 2 3 2 EC-434


Combustível
Sistema do regulador de pressão 3 3 4 4 4 4 4 4 4 4 EC-66
de combustível

Circuito do injetor de combustível 1 1 2 3 2 2 2 2 EC-429

Sistema de emissão evaporativa 3 3 4 4 4 4 4 4 4 4 EC-28

Sistema de ventilação positiva 4 4 4 4 4 4 4 4 1 EC-32


Ar do cárter
3 3
Ajuste incorreto da marcha lenta 1 1 1 1 1 EC-56

Atuador elétrico de controle do 1 1 2 3 3 2 2 2 2 2 2 EC-367, EC-379


acelerador

Ajuste incorreto ponto de ignição 3 3 1 1 1 1 1 1 EC-56


Ignição
Circuito de ignição 1 1 2 2 2 2 2 EC-440

Fonte principal de energia e circuito de 2 2 3 3 3 3 3 2 3 EC-121


aterramento
EC-152
Circuito do sensor de fluxo de massa de ar 2
EC-161
1
Circuito do sensor de temperatura do líquido 3 3 EC-173,
de arrefecimento do motor EC-184

Circuito do sensor 1 da taxa ar/combustível EC-192,


3 EC-198 ,
(A/F) 1 2 2 2 2 2 EC-204 ,
EC-210 ,
EC-407
EC-178,
EC-256 ,
Circuito do sensor da posição da borboleta EC-330 ,
EC-332 ,
2 2 EC-394
EC-305,
Circuito do sensor de posição do acelerador EC-381,
3 2 1
EC-387,
EC-400

Circuito do sensor de detonação 2 3 EC-268

Circuito do sensor de posição da árvore de


2 2 EC-272
manivelas (PQS)
Circuito do sensor de posição da árvore de
comando de válvula (FASE) 3 2 EC-279

Circuito do sinal de velocidade do veículo 2 3 3 3 EC-297

ECM 2 2 3 3 3 3 3 3 3 3 3 EC-303

EC - 76
Combustível
de controle)
arrefecimento do motor

octanagem)
Código de sintoma em garantia
Circuito do ar condicionado

(continua na próxima página)


estacionamento/neutra (PNP)
Código de sintoma em garantia

Retenção de vapor
Depósito na válvula
Circuito do sinal de carga elétrica
do ponto da válvula de admissão
Circuito do interruptor de posição

Tanque de combustível

(gasolina pesada, baixa


Tubulação de combustível

Combustível de má qualidade
Circuito da válvula solenóide de controle

Circuito do sensor de pressão do líquido de

Atuador de ABS e unidade elétrica (unidade


É DIFÍCIL DAR PARTIDA/NÃO DÁ PARTIDA/ É DIFÍCIL DAR PARTIDA/NÃO DÁ PARTIDA/

5
5
2
AA

AA
NÃO DÁ NOVA PARTIDA (EXCETO HA) NÃO DÁ NOVA PARTIDA (EXCETO HA)

1 – 6: Os números se referem à ordem de inspeção.


2

5
2
3

O MOTOR PÁRA DE FUNCIONAR O MOTOR PÁRA DE FUNCIONAR


AB

AB
HESITAÇÃO/ARRANCOS/ PONTO SEM REAÇÃO

5
5
HESITAÇÃO/ARRANCOS/ PONTO SEM REAÇÃO

4
3
2

AC

5
5
3
CENTELHAMENTO/DETONAÇÃO CENTELHAMENTO/DETONAÇÃO
AC AD

5
5
3
1

FALTA DE POTÊNCIA / ACELERAÇÃO FRACA 3 FALTA DE POTÊNCIA / ACELERAÇÃO FRACA

EC - 77
MARCHA LENTA ALTA /MARCHA LENTA BAIXA MARCHA LENTA ALTA /MARCHA LENTA BAIXA
3

SISTEMA – SISTEMA MECÂNICO DO MOTOR & OUTROS


3

MARCHA LENTA ÁSPERA/VARIAÇÕES NAS RPM


2

5
5
MARCHA LENTA ÁSPERA/VARIAÇÕES NAS RPM
3

3
SINTOMA

SINTOMA

5
5
3

VIBRAÇÃO NA MARCHA LENTA VIBRAÇÃO NA MARCHA LENTA


AE AF AG AH

AD AE AF AG AH
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

RETORNO À MARCHA LENTA NÃO OCORRE RETORNO À MARCHA LENTA NÃO OCORRE
3
3

3
AJ

OU É LEN]TO OU É LEN]TO
SUPERAQUECE/A TEMPERATURA DA ÁGUA SUPERAQUECE/A TEMPERATURA DA ÁGUA

AJ AK
AK

É ALTA É ALTA
3
3

5
5
3

CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL

AL
CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL
AL

CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO


2

BATERIA DESCARREGADA (COM POUCA CARGA) BATERIA DESCARREGADA (COM POUCA CARGA)

AM HA
AM HA




FL-9
EM-31
BRC-8
referência

referência
Página de

Página de
EC-427
EC-450
EC-310
EC-147

MTC-28

L
F

K
E
A

H
D
C

M
EC
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

SINTOMA

MARCHA LENTA ÁSPERA/VARIAÇÕES NAS RPM


HESITAÇÃO/ARRANCOS/ PONTO SEM REAÇÃO
É DIFÍCIL DAR PARTIDA/NÃO DÁ PARTIDA/ NÃO

SUPERAQUECE/A TEMPERATURA DA ÁGUA É


MARCHA LENTA ALTA /MARCHA LENTA BAIXA

RETORNO À MARCHA LENTA NÃO OCORRE


FALTA DE POTÊNCIA / ACELERAÇÃO FRACA

CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL

BATERIA DESCARREGADA (COM POUCA


O MOTOR PÁRA DE FUNCIONAR

CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO


CENTELHAMENTO/DETONAÇÃO
DÁ NOVA PARTIDA (EXCETO HA)
Página de

VIBRAÇÃO NA MARCHA LENTA


referência

OU É LENTO

CARGA)
ALTA
Código de sintoma em garantia AA AB AC AD AE AF AG AH AJ AK AL AM HA

Duto de ar EM-14
Ar
Filtro de Ar EM-14
Vazamento de ar do duto de ar
(Sensor de fluxo de massa de ar – EM-14
atuador elétrico de controle do 5 5 5 5 5 5
acelerador)
5 5 5 5
Atuador elétrico de controle do EM-16
acelerador
Vazamento de ar do coletor de
admissão / Coletor/Retentor EM-16

Usando o Bateria SC-4


motor de 1 1 1 1 1 1 1
partida para Circuito do gerador SC-18
girar o motor
Circuito do motor de partida 3 SC-8
1
Placa de sinal 6 EM-59
Interruptor de posição 4 MT-11 ou
estacionamento/neutra (PNP) CVT-65
Motor Cabeça do cilindro
5 5 5 5 5 5 5 5 EM-59
Junta do cabeçote 4 3
Bloco dos cilindros
Pistão 4

Anel de pistão EM-74


6 6 6 6 6 6 6 6
Biela
Mancal (8)
Árvore de manivelas
Mecanismo Corrente de distribuição EM-35
das válvulas
Árvore de comando de válvula EM-44
Controle do ponto da válvula de
admissão 5 5 5 5 5 5 5 5 EM-35
Válvula de admissão
3 EM-59
Válvula de escape

Escapamento Coletor do escapamento/Tubo/


Silencioso/Junta EM-19,
5 5 5 5 5 5 5 5
EX-3
Catalisador de três vias

Lubrificação Bandeja/Tela do filtro de óleo/Bomba


de óleo/Filtro de óleo/Galeria de óleo EM-22, LU-8
5 5 5 5 5 5 5 5

Nível de óleo (Baixo)/Óleo sujo LU-5

EC - 78
NATS
Arrefecimento Radiador

Ventilador
Termostato
Código de sintoma em garantia

contaminado
Galeria de água
Bomba de água
Radiador/Mangueira/Tampa do

(Baixo)/Líquido de arrefecimento
Nível do líquido de arrefecimento
É DIFÍCIL DAR PARTIDA/NÃO DÁ PARTIDA/ NÃO

1
AA

DÁ NOVA PARTIDA (EXCETO HA)

1 – 6: Os números se referem à ordem de inspeção.


1
5
5 O MOTOR PÁRA DE FUNCIONAR
AB AC

HESITAÇÃO/ARRANCOS/ PONTO SEM REAÇÃO


5

CENTELHAMENTO/DETONAÇÃO
5

FALTA DE POTÊNCIA / ACELERAÇÃO FRACA


AD AE

EC - 79
AF

MARCHA LENTA ALTA /MARCHA LENTA BAIXA


5

MARCHA LENTA ÁSPERA/VARIAÇÕES NAS RPM


AG
SINTOMA

VIBRAÇÃO NA MARCHA LENTA


AH
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

RETORNO À MARCHA LENTA NÃO OCORRE


5
5
AJ

OU É LENTO
SUPERAQUECE/A TEMPERATURA DA ÁGUA É
4
AK

ALTA
5

CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL


AL

CONSUMO EXCESSIVO DE ÓLEO

BATERIA DESCARREGADA (COM POUCA


AM HA

CARGA)
CO-9
CO-7

CO-15
CO-16
CO-17
CO-12

BL-111
referência
Página de

L
F

K
E
A

H
D
C

M
EC
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

LOCALIZAÇÃO DE PEÇAS COMPONENTES DO CONTROLE DE MOTOR UBS00U0P

BBIA0922E

1. Bobina de ignição (com transistor 2. Válvula solenóide de controle do 3. Injetor de combustível


de potência) e vela de ignição ponto da válvula de solenóide
4. Motor do ventilador-2 5. Sensor de detonação 6. Sensor de posição da árvore de
comando de válvulas (FASE)
7. Sensor de temperatura do líquido 8. Motor do ventilador-1 9. Sensor de pressão do líquido de
de arrefecimento do motor arrefecimento do motor
10. IPDM E/R 11. ECM 12. Sensor de fluxo de massa de ar
(com sensor de temperatura do ar
13. Atuador elétrico de controle do 14. Válvula solenóide de controle de
de entrada)
acelerador (com sensor embutido volume de sangria do recipiente
de posição do acelerador, motor EVAP
de controle do acelerador)

EC - 80
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

EC

BBIA0784E

: Frente do veículo
1. Sensor de fluxo de massa de ar 2. Sensor de temperatura do líquido de 3. Atuador elétrico de controle do acelerador
(c/ sensor de temperatura do ar de entrada) arrefecimento do motor (com sensor embutido de posição do
acelerador, motor de controle do
acelerador)
4. Válvula PCV 5. Conector do chicote do motor 1 do
ventilador 6. Conector do chicote do motor 2 do
ventilador
7. Radiador 8. Sensor de pressão do líquido de
arrefecimento do motor

EC - 81
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

BBIA0893E
: Frente do veículo
1. Válvula solenóide de controle 2. Sensor de detonação 3. IPDM E/R
do ponto da válvula de admissão

4. Conector do chicote da unidade 5. Unidade do sensor de nível de 6. Regulador de pressão de combustível


sensora de nível de combustível combustível e bomba de
e bomba de combustível combustível
(examine com a tampa do
orifício de inspeção removida)

7.Sensor de nível de combustível 8. Sensor de pressão do líquido de 9. Injetor de combustível


arrefecimento do motor.

EC - 82
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

EC

BBIA0763E

: Frente do veículo
1. Sensor de posição da árvore 2. Sensor de posição da árvore de 3. Válvula solenóide de controle de
de manivelas (POS) comando de válvulas (FASE) volume de sangria do recipiente EVAP
4. ECM 5. Conector do chicote do interruptor 6. Conector do chicote do interruptorx
da luz de freio da luz de freio
7. Pedal do freio 8. Sensor de posição do pedal do acelerador

EC - 83
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

HO2S2

Silencioso
Catalisador de 3 vias
(Tubulação)

Sensor 1 da taxa ar/combustível (AF)

Nº de sensor
Localização de um sensor em relação ao fluxo de ar do motor, começando da entrada
de ar fresco até o cano de escapamento do veículo, em ordem numérica 1, 2, 3, etc.

PBIB3462E

EC - 84
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

EC

: Frente do veículo
1. Conector do chicote do sensor 2. Sensor 1 da razão ar/combustível (A/F) 3. Sensor 2 de oxigênio aquecido
1 da razão ar/combustível (A/F)

4. Interruptor da direção - ASCD 5. Interruptor MAIN 6. Interruptor CANCEL

7. Interruptor SET/COAST 8. Interruptor RESUME/ACCELERATOR 9. Recipiente EVAP

10. Pedal da embreagem 11. Interruptor da embreagem - ASCD

EC - 85
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Sucção da Mangueira de Vácuo UBS00U0Q

: Frente do veículo : Do recipiente EVAP


1. Coletor de entrada 2. Válvula solenóide de controle de 3. Ressonador de sangria EVAP
volume de sangria do recipiente EVAP
4. Orifício de manutenção EVAP

NOTA:
Não use água com sabão nem qualquer tipo de solvente ao instalar mangueiras de vácuo ou
mangueiras de sangria

Consulte: EC-19, “Diagrama do Sistema” referente ao Sistema de Controle de Vácuo.

EC - 86
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Diagrama do Circuito UBS00U0R A

EC

EC - 87
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

BBWA2949E

EC - 88
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Distribuição do Terminal do Conector do chicote do ECM UBS00U0S


A

EC

D
PBIA9221J

Terminais e Valor de Referência do ECM UBS00U0T

PREPARAÇÃO E
1. O ECM (1) está localizado no compartimento do motor, do lado
esquerdo, próximo à bateria.
F

H
2. Desconecte o conector do chicote do ECM
• Ao desconectar o conector do chicote do ECM, afrouxe-o (A)
com alavancas (1) o máximo que puder, como indicado na I
figura.
– ECM (2)
– Aperte (B)
3. Conecte uma caixa de desconexão (SST) e um adaptador de cabo J
bifurcado (SST) entre o ECM e o conector do chicote do ECM.
• Tome muito cuidado para não tocar 2 pinos ao mesmo tempo.
• Os dados são para fins de comparação e podem não ser K
exatos.

TABELA DE INSPEÇÃO DE ECM L


Os dados de especificação são valores de referência e medidos entre cada terminal e o aterramento.
O sinal de pulso é medido pelo CONSULT-III.
CUIDADO: M
Não use os terminais de aterramento do ECM quando estiver medindo a voltagem de entrada/saída. Se
fizer isso, poderá danificar o transistor do ECM. Use um aterramento que não seja os terminais do
ECM, como a massa.

TERMINAL Nº COR DO FIO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)

1 VIOLETA Motor de controle do Interruptor de ignição ON Aproximadamente 3,2V


acelerador (Aberto) • Motor parado
• Alavanca de câmbio: D
(CVT), 1a (M/T)
• Pedal do acelerador:
Pressionado até o fundo

2 AMARELO/ Fonte de alimentação [Interruptor de ignição: ON] TENSÃO DA BATERIA


PRETO do motor de controle (11 – 14V)
do acelerador

EC - 89
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

TERMI- COR DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)


NAL Nº FIO

3 MARROM/ Aquecedor do sensor 1 de A/F [O motor está funcionando] Aproximadamente 2,9 – 8,8 V
BRANCO • Condição de aquecimento
• Marcha lenta
(Mais de 140 segundos após a partida do motor)

Aproximadamente 1,8V
4 AZUL/ Motor de controle do [Interruptor de ignição: ON]
VERME- acelerador (Fechado) • Motor parado
LHO • Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
• Pedal do acelerador Totalmente liberado

[O motor está funcionando] Aproximadamente 10V


5 PRETO/ Aquecedor do sensor 2 de • Número de rotações do motor: Abaixo de 3.600 rpm depois
BRANCO oxigênio aquecido que as seguintes condições forem atendidas:
– Motor: Após o aquecimento
– Mantenha as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm
por um minuto e em marcha lenta por 1 minuto sem carga.

[Interruptor de ignição: ON]


• Motor parado TENSÃO DA BATERIA
[O motor está funcionando] (11 – 14V)
• Número de rotações do motor: Acima de 3.600 rpm.

TENSÃO DA BATERIA
9 BRANCO/ Válvula solenóide de controle [O motor está funcionando] (11 – 14V)
PRETO de volume de sangria do • Marcha lenta
recipiente EVAP • Pedal do acelerador: Sem pressão, nem de leve,
depois da partida do motor.

Aproximadamente 10V

[O motor está funcionando]


• Número de rotações do motor: Aproximadamente 2.000 rpm
(Mais de 100 segundos após a partida do motor)

10 PRETO Aterramento do ECM [O motor está funcionando]


• Marcha lenta Aterramento na carroçaria
11 PRETO

TENSÃO DA BATERIA
[Interruptor de ignição: OFF] (11 – 14V)
15 VERDE/ Relê do motor de controle do
AMARELO acelerador
[Interruptor de ignição: ON] 0 - 1.0V

EC - 90
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

A
TERMI- COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)
NAL Nº DO FIO
[O motor está funcionando] 0 - 0.3V
• Condição de aquecimento EC
• Marcha lenta
NOTA:
O ciclo de pulso muda dependendo da rotação em
marcha lenta. C
17 VIOLETA Sinal de ignição nº. 1
18 MARROM/ Sinal de ignição nº. 2
AMARELO
21 VERDE Sinal de ignição nº. 4 0.2 - 0.5V 
22 AMARELO Sinal de ignição nº. 3 D
[O motor está funcionando]
• Condição de aquecimento
• Número de rotações do motor: 2.500 rpm
E

Interruptor de ignição: ON] 0 - 1.0V F


• Por 1 segundo após o interruptor de ignição ter sido
colocado na posição ON.
PRETO/ Motor de controle do [O motor está funcionando]
23 LARAN- acelerador (Fechado)
JA TENSÃO DA
G
Interruptor de ignição: ON]
• Mais de 1 segundo após o interruptor de ignição ter BATERIA (11 – 4V)*
sido colocado na posição ON.
H
TENSÃO DA
[O motor está funcionando] BATERIA (11 – 14V)*
• Condição de aquecimento
• Marcha lenta I
NOTA:
O ciclo de pulso muda dependendo da rotação em
marcha lenta.
J
VERME- Injetor de Comb. Nº 4
LHO
25 LARANJA Injetor de Comb. Nº 3
CINZA Injetor de Comb. Nº 2 TENSÃO DA
AZUL Injetor de Comb. Nº 1 K
BATERIA (11 – 14V)*
[O motor está funcionando]
• Condição de aquecimento
• Número de rotações do motor: 2.000 rpm,
L

M
[O motor está funcionando]
0 - 1.0V
[Interruptor de ignição: OFF]
• Por alguns segundos após o interruptor de ignição
32 VERME- ter sido colocado na posição OFF.
LHO/ Relé ECM
AMARELO (Auto-desligável)
[Interruptor de ignição: OFF]
TENSÃO DA
• Mais do que alguns segundos após o interruptor de
BATERIA (11 – 14V)*
ignição ter sido colocado na posição OFF

EC - 91
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Nº COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)


TERMI- DO FIO
NAL

33 AMA- Sensor 1 de posição do [Interruptor de ignição: ON] Acima de 0,36V


RELO/ acelerador • Motor parado
PRE- • Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
TO • Pedal do acelerador totalmente liberado

[Interruptor de ignição: ON] Abaixo de 4,75V


• Motor parado
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
• Pedal do acelerador pressionado totalmente

34 VER- Sensor 2 de posição do [Interruptor de ignição: ON] Abaixo de 4,75V


ME- acelerador • Motor parado
LHO/ • Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
BRAN- • Pedal do acelerador totalmente liberado
CO
[Interruptor de ignição: ON] Acima de 0,36V
• Motor parado
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
• Pedal do acelerador pressionado totalmente

36 MAR- Aterramento do sensor (sensor de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


ROM/ posição do acelerador) • Condição de aquecimento
BRAN- • Marcha lenta
CO

37 BRAN- Sensor de detonação [O motor está funcionando] Aproximadamente 2,5 V


CO • Marcha lenta

38 COR- Sensor de temperatura do líquido [O motor está funcionando] Aproximadamente 0-4,8V


DE- de arrefecimento do motor A voltagem de saída varia de
ROSA acordo com a temperatura
do ar de entrada do motor

[O motor está funcionando]


40 – Aterramento do sensor ´ Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
(Sensor de detonação) ´ Marcha lenta

[O motor está funcionando]


41 AZUL Sensor de pressão do líquido de ´ Condição de aquecimento 1,0 - 4,0V
arrefecimento ´ Interruptores do A/C e do ventilador: ON
(O compressor funciona).

Aterramento do sensor [O motor está funcionando]


44 CINZA (Sensor de temperatura do líquido ´ Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
de arrefecimento do motor) ´ Marcha lenta

[Interruptor da ignição: ON] Aproximadamente 0,4V


´ Motor parado

[O motor está funcionando] 0,9 - 1,2V


´ Condição de aquecimento
VIO- ´ Marcha lenta
45 LETA Sensor da massa do fluxo de ar
[O motor está funcionando] 0,9 - 1,2 até aprox. 2,4V
´ Condição de aquecimento (Verifique o aumento da
´ As rotações do motor estão se elevando de voltagem linear já que as
marcha lenta até aproximadamente 4.000 rpm rotações do motor estão
sendo elevadas para aprox.
4.000 rpm)

46 MAR- Sensor da temperatura do ar de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0 - 4,8V


ROM/ entrada A voltagem de saída varia
AMA- de acordo com a tempera-
RELO tura do ar de entrada do
motor.

EC - 92
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Nº COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC) A


TERMI- DO FIO
NAL

48 VER- Aterramento do sensor (Sensor de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


EC
ME- pressão do líquido de arrefecimento • Condição de aquecimento
LHO/ do motor) • Marcha lenta
VERDE

AZUL/ Sensor 1 de A/F [O motor está funcionando] Aproximadamente 1,8V C


49 VER- • Condição de aquecimento A tensão de saída varia
MELHO • Número de rotações do motor: 2.000 rpm em função da razão ar/
combustível.
D
[O motor está funcionando] 0 - Aproximadamente
• As rotações do motor da marcha lentão irão 1,0V
aumentar rapidamente até 3.000 rpm depois que
as seguintes condições forem atendidas: E
50 CINZA Sensor 2 de oxigênio aquecido – Motor: Após o aquecimento
– Mantenha as rotações do motor entre 3.500 e
4.000 rpm por 1 minuto e em marcha lenta por
1 minuto sem carga. F

52 PRE- Aterramento do sensor (Sensor de [O motor está funcionando]


TO/ fluxo de massa de ar) • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
BRAN- • Marcha lenta G
CO

53 AZUL/ Sensor 1 de A/F [Interruptor de ignição ON] Aproximadamente 2.2V


VERDE H

55 LARAN- Aterramento do sensor (Sensor de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


JA temperatura de entrada) • Condição de aquecimento
• Marcha lenta I
59 PRETO/ Aterramento do sensor (Sensor 2 de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V
AMARE- oxigênio aquecido) • Condição de aquecimento
LO • Marcha lenta J
Aproximadamente 4.0V
[O motor está funcionando]
Condição de aquecimento K
• Marcha lenta
NOTA:
– O ciclo de pulso muda dependendo do número
de rpm em marcha lenta. L
61 AMARE- Sensor de posição da árvore de
LO manivelas (POS)
Aproximadamente 4.0V
M
[O motor está funcionando]
• Número de rotações do motor: 2.000 rpm

62 PRETO/ Aterramento do sensor [sensor de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


COR-DE- posição da árvore de manivelas (POS)] • Condição de aquecimento
ROSA • Marcha lenta

63 PRETO/ Aterramento do sensor [Sensor de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


VERME- posição da árvore de comando de • Condição de aquecimento
LHO válvulas (FASE)] • Marcha lenta

EC - 93
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Nº COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)


TERMI- DO FIO
NAL

[O motor está funcionando] 1,0 - 2,0V


• Condição de aquecimento
• Marcha lenta
NOTA:
O ciclo de pulso muda dependendo do número de
rpm em marcha lenta.

65 VERME- Sensor de posição da árvore de


LHO comando de válvulas (FASE)
[O motor está funcionando] 1,0 - 2,0V
Número de rotações do motor: 2.000 rpm

Interruptor de ignição: ON] Tensão da bateria


MAR- • Alavanca de câmbio: P ou N (CVT), Neutra (M/T) (11-14V)
69 ROM/ Interruptor de posição de
VERME- estacionamento/neutra (PNP) [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 0V
LHO • Exceto na situação acima descrita

72 MAR- Fonte de alimentação do sensor [Interruptor de ignição ON] Aproximadamente 5V


ROM (sensor de posição do acelerador)

[O motor está funcionando] TENSÃO DA


• Condição de aquecimento BATERIA (11-14V)
• Marcha lenta
AMA-
73 RELO/ Válvula solenóide de controle do 7 - 10V
VER- ponto da válvula de admissão [O motor está funcionando]
MELHO • Condição de aquecimento
Quando estiver aumentando as rotações do motor
até 2.000 rpm rapidamente

VERDE/ Fonte de alimentação do sensor


74 BRAN- (sensor de pressão do líquido de [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
CO arrefecimento do motor)

VERDE/ Fonte de alimentação do sensor


75 VERME- [sensor de posição da árvore de [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
LHO manivelas (POS)]

VERDE/ Fonte de alimentação do sensor


78 AMA- [sensor de posição da árvore de [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
RELO comando de válvulas (FASE)]

83 ROSA Linha de comunicação via CAN - -

84 AZUL Linha de comunicação via CAN - -

88 ROSA/ Conector comum de dados [Interruptor de ignição: ON] Aprox. 10,5V


AZUL • CONSULT-III ou GST: Desconectado.

PRETO/ [Interruptor de ignição: OFF] 0V


93 VER- Interruptor de ignição
MELHO [Interruptor de ignição: ON] TENSÃO DA
BATERIA (11-14V)

EC - 94
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Nº COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC) A


TERMI- DO FIO
NAL

[Interruptor de ignição ON] Aproximadamente 4V


EC
• Interruptor da direção ASCD: OFF

[Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 0V


• Interruptor MAIN: Pressionado
C
AZUL/ [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 1V
94 AMA- Interruptor da direção - ASCD • Interruptor CANCEL): Pressionado
RELO
D
[Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 3V
• Interruptor RESUME/ACCELERATE: Pressionado

[Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 2V


E
• Interruptor SET/COAST: Pressionado

95 PRE- Aterramento do sensor [O motor está funcionando]


TO/ (Interruptor da direção – ASCD) • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
F
AMA- • Marcha lenta
RELO
[Interruptor de ignição: OFF] Aproximadamente 0V
VER- • Pedal do freio: Totalmente liberado
G
99 ME- Interruptor da luz de freio
LHO/ [Interruptor de ignição: OFF] TENSÃO DA
VER- • Pedal do freio: Ligeiramente pressionado BATERIA (11-14V)
DE
H
[Interruptor de ignição: ON]
• Pedal do freio: Ligeiramente pressionado (CVT) Aproximadamente 0V
• Pedal do freio e/ou pedal da embreagem:
VER- Ligeiramente pressionado (M/T)
I
100 DE/ Interruptor do freio - ASCD
PRE- [Interruptor de ignição: ON]
TO • Pedal do freio: Totalmente liberado (CVT) TENSÃO DA
• Pedal do freio e/ou pedal da embreagem: BATERIA (11-14V)
J
Totalmente liberado (M/T)

MAR- Fonte de alimentação do sensor


102 ROM/ (Sensor 2 de posição do pedal do [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
K
AMA- acelerador)
RELO

[Interruptor de ignição: ON]


L
• Motor parado 0,3 - 0,6V
AMA- • Pedal do acelerador: Totalmente liberado
103 RELO/ Sensor 2 de posição do pedal do
VER- acelerador [Interruptor de ignição: ON]
M
DE • Motor parado 1,95 - 2,4V
• Pedal do acelerador: Pressionado totalmente

104 PRE- Aterramento do sensor (Sensor 2 de [O motor está funcionando]


TO/ posição do pedal do acelerador) • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
ROSA • Marcha lenta

105 VER- Fonte de alimentação para o ECM [Interruptor de ignição: ON] TENSÃO DA
DE BATERIA (11-14V)

Fonte de alimentação do sensor


106 LARAN- (Sensor 1 de posição do pedal do [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
JA acelerador)

108 PRE- Aterramento do ECM [O motor está funcionando] Aterramento na


TO • Marcha lenta carroçaria

EC - 95
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Nº COR ITEM CONDIÇÃO DADOS (Voltagem DC)


TERMI- DO FIO
NAL

110 BRAN- Sensor 1 de posição do acelerador [Interruptor de ignição: ON] 0,6 - 0,9V
CO • Motor parado
• Pedal do acelerador: Totalmente liberado

[Interruptor de ignição: ON] 3,9 - 4,7V


• Motor parado
• Pedal do acelerador Pressionado totalmente

111 PRE- Aterramento do sensor (sensor 1 de [O motor está funcionando] Aproximadamente 0V


TO/ posição do pedal do acelerador) • Condição de aquecimento
BRAN- • Marcha lenta
CO

* : Voltagem média de sinal de pulso (o sinal de pulso real pode ser confirmado utilizando-se um osciloscópio.)

EC - 96
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Função CONSULT-III (MOTOR) UBS00U0U A


FUNÇÃO
Modo de Teste Diagnóstico Função EC
Suporte para o trabalho Este modo permite que um técnico ajuste alguns dispositivos mais rapidamente e com maior
precisão seguindo as indicações na unidade CONSULT-III.

Resultados do auto-diagnóstico Resultados do auto-diagnóstico como DTC de 1a viagem, DTC’s e dados de imagem congelada de C
1a viagem ou dados de imagem congelada podem ser lidos e apagados rapidamente*

Monitor de dados Os dados de Entrada/Saída no ECM podem ser lidos.


D

Teste ativo Modo de Teste Diagnóstico no qual o CONSULT-III separa alguns atuadores dos ECM’s e também
modifica alguns parâmetros em uma faixa especificada.
E
Teste de função Este modo é usado para informar os clientes quando a condição do seu veículo requer
manutenção periódica.

Confirmação de DTC & SRT O status dos testes de monitoração de sistema e o status/resultado de auto-diagnóstico podem F
ser confirmados.

Número de peça do ECU O número de peça do ECM pode ser lido.


G

*: As informações de diagnóstico a seguir, relacionadas à emissão, são apagadas quando a memória do ECM é apagada.

• Códigos de diagnóstico de falha


H
• Códigos diagnóstico de falha de 1a viagem.
• Dados de imagem congelada
• Dados de imagem congelada de 1a viagem
• Códigos de testes de prontidão de sistemas (SRT)
I
• Valores de teste

EC - 97
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

PARTES COMPONENTES DO SISTEMA DE CONTROLE DO MOTOR/APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE CONTROLE


MODO DE TESTE DIAGNÓSTICO
RESULTADOS DO CONFIRMAÇÃO
SUPORTE MONITOR TESTE
Item PARA O
DADOS DE STATUS SUPORTE
DTC*1 IMAGEM P/ TRABALHO

Sensor de posição do virabrequim (POS) X X X

Sensor de posição do eixo comando de válvulas X X X


(FASE)
Sensor de fluxo de massa de ar X X
Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento X
X X X
do motor
X X X
Sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F) X
X X X
Sensor 2 de oxigênio aquecido X
Sensor da roda X X X
Partes componentes de controle do motor

Sensor de posição do pedal do acelerador X X


Sensor de posição do acelerador X X X
Sensor de temperatura do ar de entrada X X X
Sensor de detonação X
Sensor de pressão do líquido de arrefecimento do
motor X

Interruptor de posição de acelerador fechado X


(sinal do sensor de posição do pedal do acelerador)
Interruptor do ar condicionado X
Interruptor de posição de estacionamento/neutra X
(PNP) X

Interruptor da luz de parada X X

Voltagem da bateria X

Sinal de carga X

Sensor de nível de combustível X X

Interruptor da direção - ASCD X X

Interruptor do freio - ASCD X X

Interruptor da embreagem - ASCD X X

Unidade de controle EPS X


Injetor de combustível X X

Transistor de potência (ponto de ignição) X X


Partes componentes de controle do motor

Relê do motor de controle do acelerador X X

Motor de controle do acelerador X

Válvula solenóide de controle de volume de sangria X X X X


do recipiente EVAP
Relê de ar condicionado X

Relê da bomba de combustível X X X

Relê do ventilador X X X

Sensor 1 da taxa ar/combustível (A/F) X X X3

Aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido X X X3

Válvula solenóide de controle do ponto da válvula X X X


de admissão
Valor calculado de carga X X

X: Aplicável
*1: Este item inclui os DTC’s de 1a viagem

EC - 98
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

A
*2: Este modo inclui dados de imagem congelada da 1 a viagem ou dados de imagem congelada. Os itens aparecem na tela
CONSULT-III no modo de dados de imagem congelada somente se for detectado um DTC de 1 a viagem ou DTC. Para mais
detalhes, consulte: EC-39, “DADOS DE IMAGEM CONGELADA E DADOS DE IMAGEM CONGELADA DE 1ª VIAGEM”.
*3: “COMPLT” sempre é exibido.
EC
SUPORTE PARA O TRABALHO
Item de Trabalho
C
ITEM DE TRABALHO CONDIÇÃO UTILIZAÇÃO

LIBERAÇÃO TOTAL DE PRESSÃO • A BOMBA DE COMBUSTÍVEL PÁRA QUANDO SE TOCA “START” Ao liberar a pressão de combustível da
EM MARCHA LENTA. GIRE O MOTOR ALGUMAS VEZES COM O linha de combustível
MOTOR DE PARTIDA DEPOIS QUE O MOTOR PARAR. D

APRENDIZADO DO VOLUME DE AR • O VOLUME DE AR EM MARCHA LENTA QUE MANTÉM O MOTOR Ao aprender o volume de ar em marcha
EM MARCHA LENTA DENTRO DA FAIXA ESPECIFICADA É MEMORIZADO NO ECM. lenta
E
CONT AUTO-APRENDIZADO • O COEFICIENTE DA TAXA DE MISTURA DE CONTROLE DE Ao liberar o coeficiente do valor de
AUTO-APRENDIZADO RETORNA AO COEFICIENTE ORIGINAL. controle de auto-aprendizado

MARCHA LENTA ALVO RMO ADJ* • CONDIÇÃO DE MARCHA LENTA Ao estabelecer a marcha lenta desejada F

ALVO IGN TIM ADJ* • CONDIÇÃO DE MARCHA LENTA Ao ajustar o ponto de ignição desejado

(*) Esta função não é necessária no procedimento comum de serviços. G


MODO DE RESULTADO DO AUTO-DIAGNÓSTICO
Item de Auto-Diagnóstico
Com relação aos itens de DTC e DTC de 1a viagem, consulte: EC-36, “ITENS DE INFORMAÇÃO DE DIAGNÓSTICO RELACIONADOS À EMISSÃO”. H
Dados de Imagem Congelada e Dados de Imagem Congelada de 1ª Viagem
Item de dados Descrição
de imagem congelada* I
CÓDIGO DE DIAGNÓSTICO A parte componente de controle de motor/sistema de controle possui um código de falha; ele é exibido como
DE FALHAS [PXXXX] PXXXX. (Consulte: EC-7, “INDICE DE DTC”)

• Status do sistema de injeção de combustível” no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.
• Um modo é exibido como a seguir.. J
COMBUSTÍVEL SYS-B1 Modo 2: Circuito aberto em razão de um mau funcionamento detectado no sistema
Modo 3: Circuito aberto em razão das condições de condução (enriquecimento de potência, empobrecimento de desaceleração)
Modo 4: Circuito fechado – usando o(s) sensor(es) de oxigênio como retroalimentação para o controle de
combustível
Modo 5: Circuito aberto – ainda não satisfez a condição para ir para o circuito fechado. K

VALOR CAL/LD [%] O valor calculado de carga no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.

TEMP DO LÍQUIDO DE A temperatura do líquido de arrefecimento de combustível no momento em que é exibido um mau funcionamento L
ARREFECIMENTO [°C] ou [°F] detectado.

“Balanceamento de combustível de longo prazo” no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.
COMBUSTÍVEL L TRM-B1 • O balanceamento de combustível de longo prazo indica muito mais compensação de retroalimentação gradual M
[%] para a programação básica de combustível do que o balanceamento de combustível de curto prazo.

• “Balanceamento de combustível de curto prazo” no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.
COMBUSTÍVEL S TRM-B1 [%] • O balanceamento de combustível de curto prazo indica compensação de retroalimentação dinâmica ou
instantânea para a programação básica de combustível.

NÚMERO DE ROTAÇÕES • O número de rotações do motor no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.
DO MOTOR:

VELOCIDADE DO VEÍCULO • A velocidade do veículo no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.

ABSOL TH-P/S [%] • O ângulo de abertura da válvula do acelerador no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.

B/PROGR COMBUSTÍVEL • A programação básica de combustível no momento em que é exibido um mau funcionamento detectado.

EC - 99
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Item de dados Descrição


de imagem congelada*
INT/A TEMP SE [°C] ou [°F] • A temperatura do ar de entrada no momento em que é exibido um
mau funcionamento detectado.

COMBUSTÍVEL SYS-B2
COMBUSTÍVEL L TRM-B2 [%]
• Sempre é exibido um certo valor.
COMBUSTÍVEL S TRM-B2 [%]
• Estes itens não são eficientes para os modelos B16.
PRESS COLETOR INT [kPa]
FTFMCH1

*: Os itens são os mesmos dos dados de imagem congelada de 1 a viagem.

MODO DATA MONITOR


Item Monitorado X: Aplicável

Item Monitorado SINAIS DE SINAIS Descrição Observações


[Unidade] ENTRADA DO PRINCIPAIS
ECM

ENG SPEED[rpm] X X Indica as rpm do motor computadas a partir A precisão fica ruim se as rpm do motor caírem
dos sinais do sensor de posição do abaixo das rpm de marcha lenta.
virabrequim (POS) e do sensor de posição Se o sinal for interrompido enquanto o motor
do eixo comando de válvulas (PHASE). estiver funcionando, um valor anormal pode ser
indicado

MAS A/F SE-B1 [V] X X A voltagem do sinal do sensor de massa Quando o motor está parado, um certo valor é
de fluxo de ar é exibido. indicado.
Quando o motor está funcionando a faixa de
especificação é indicada em “SPEC”.

B/FUELSCHDL X “Programação básica de combustível” Quando o motor está funcionando a faixa de


[msec] indica a largura do pulso de injeção de especificação é indicada em “SPEC”.
combustível programada no ECM, antes
de qualquer correção , aprendida a bordo

A/F ALPHA-B1 [%] X O valor médio do fator de correção de Quando o motor está funcionando a faixa de
retroalimentação da razão ar/combustível especificação é indicada em “SPEC”.
por ciclo é indicado. Estes dados também incluem os dados para o
controle do aprendizado da razão de ar/
combustível.

COOLAN TEMP/S X X A temperatura do líquido de arrefecimento Quando o motor está parado, um certo valor é
[°C]or[°F] do motor (determinado pela voltagem do indicado.
sinal do sensor de temperatura do líquido
de arrefecimento do motor) é exibida.

A/FSEN1 (B1)[V] X X O sinal de A/F computado a partir do sinal


de entrada do sensor 1 de A/F é exibido.

HO2S2(B1)[V] X A voltagem de sinal do sensor 2 de


oxigênio aquecido é exibida.

HO2S2MNTR(B1) Exibição do sinal do sensor 2 de oxigênio Quando o sensor de temperature do líquido de


[RICH/LEAN] X aquecido: RICH: significa que a quantidade arrefecimento do motor estiver com um circuito
de oxigênio após o catalisador de três vias aberto ou um curto-circuito, o ECM entra no
é relativamente pequena. LEAN: significa modo à prova de falha. A temperatura do líquido
que a quantidade de oxigênio após o de arrefecimento do motor, determinada pelo
catalisador de três vias é relativamente ECM é exibida.
grande.

VHCLSPEEDSE X X A velocidade do veículo, computada a Quando o motor está parado, um certo valor é
[km/h] or [mph] partir do sinal de velocidade do veículo é indicado.
exibida.

EC - 100
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

SINAIS
A
SINAIS
Item monitorado DE PRINCI- Descrição Observações
[Unidade] ENTRADA PAIS
DO ECM
EC
TENSÃO DA • A tensão da fonte de alimentação do ECM é
X X exibida
BATERIA [V]
ACEL SEN 1 [V] X X • A tensão do sinal do sensor de posição do
pedal do acelerador é exibida.
• O sinal ACEL SEN 2 é convertido C
ACEL SEN 2 [V] X internamente pelo ECM. Portanto,
• A tensão do sinal do sensor de posição do ele difere do sinal de tensão do
THRTL SEN 1 [V] X X acelerador é exibida. terminal do ECM.

THRTL SEN 2 [V] X


• A temperatura do ar de entrada (determinada • O sinal THRTL SEN 2 é convertido D
pela tensão do sinal do sensor de temperatura internamente pelo ECM. Portanto,
INT/A TEMP SE [°C] ele difere do sinal de tensão do
X X de ar de entrada) é indicada.
ou [°F] terminal do ECM.
• Indica o status do sinal de partida [ON/OFF] E
SINAL DE PARTIDA X X computado pelo ECM de acordo com os sinais
[ON/OFF] do número de rotações do motor e a tensão da
bateria.
F
CLSD THL POS [ON/ X X • Indica a posição [ON/OFF] computada pelo • Depois que é dada a partida do
ECM de acordo com o sinal do sensor de motor, [OFF] é exibido, qualquer que
OFF]
posição do pedal do acelerador. seja o sinal do motor de partida.

• Indica a condição [ON/OFF] do interruptor do ar G


AR COND SIG [ON/ X X condicionado, conforme determinado pelo sinal
OFF] do ar condicionado.

P/N POSI SW • Indica a condição [ON/OFF] do sinal PNP do H


X X interruptor de posição de estacionamento/
[ON/OFF]
neutra.

SINAL PW/ST • A condição [ON/OFF] do sistema de direção I


X X hidráulica (determinada pelo sinal enviado da
[ON/OFF]
unidade de controle EPS) é indicada.

• Indica a condição [ON/OFF] do sinal de carga


elétrica.ON: O interruptor do desembaçador do J
SINAL DE CARGA vidro traseiro está ON e/ou o interruptor de luz
[ON/OFF] X X está na 2a. posição. OFF: O interruptor do
desembaçador do vidro traseiro e o interruptor
de luz estão ambos na posição OFF. K
INTERRUPTOR DE X • Indica a condição [ON/OFF] do interruptor de
IGNIÇÃO [ON/OFF] ignição.
INTERRUPTOR VEN-
X • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do L
TILADOR DO AQUE- interruptor do ventilador do aquecedor.
CEDOR [ON/OFF]
INTERRUPTOR DO X X • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do
FREIO [ON/OFF]] interruptor da luz de freio. M

INJ PULSE-B1-B1 ["c"


• Indica a largura real do pulso de injeção de
combustível compensada pelo ECM de acordo
por "g"] com os sinais de entrada.
[BTDC] PONTO DE • Indica o ponto de ignição computado pelo ECM • Quando o motor está parado, um
IGNIÇÃO de acordo com os sinais de entrada. certo valor computado é indicado.

• “Valor calculado de carga” indica o valor do • Quando o motor está parado, um


VALOR CAL/LD [%] fluxo de ar atual dividido pelo fluxo de ar de
certo valor computado é indicado.
pico.

FLUXO DE MASSA • Indica o fluxo de massa de ar computado pelo


DE AR [g·m/s] ECM de acordo com a tensão do sinal do
sensor de fluxo de massa de ar.

• Indica o valor de controle da válvula solenóide


de controle do volume de sangria do recipiente
PURG VOL C/V [%] EVAP computado pelo ECM de acordo com os
sinais de entrada.• A abertura se torna maior à
medida que o valor aumenta.

EC - 101
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

SINAIS SINAIS
Item monitorado DE PRINCI- Descrição Observações
[Unidade] ENTRADA PAIS
DO ECM

INT/V TIM (B1) [°CA]


• Indica [°CA] o ângulo de avanço da árvore de
comando das válvulas de admissão.

• O valor de controle da válvula solenóide de


controle de ponto da válvula de admissão
INT/V SOL (B1) [%] (determinado pelo ECM de acordo com o sinal
de entrada) é indicado.
• O ângulo de avanço se torna maior à medida
que o valor aumenta.

AR COND RLY • A condição de controle do relé do ar


X condicionado (determinada pelo ECM de
[ON/OFF]
acordo com os sinais de entrada) é indicada.
BOMBA DE • Indica a condição de controle do relé da bomba
COMBUSTÍVEL RLY X de combustível determinada pelo ECM de
[ON/OFF] acordo com os sinais de entrada.

RELÉ THRTL • Indica a condição de controle do relé do


X acelerador determinada pelo ECM de acordo
[ON/OFF]
com os sinais de entrada.

• Indica a condição do ventilador (determinada pelo


[HI/LOW/OFF] ECM de acordo com os sinais de entrada).ALTA
VENTILADOR X Operação em alta velocidade.OFF Operação em
baixa velocidade.OFF Parar

HO2S2 HTR (B1)


• Indica a condição [ON/OFF] do aquecedor do
sensor 2 de oxigênio aquecido determinada
[ON/OFF]
pelo ECM de acordo com os sinais de entrada.

• Indica o número de rotações do motor


I/P PULLY SPD X computado a partir do sensor de rotações da
turbina.
VELOCIDADE DO • A velocidade do veículo, computada a partir do
VEÍCULO [km/h] ou X sinal de velocidade enviado pelo TCM, é
[mph] exibida.

• Exibe a condição de aprendizado do volume de


ar de marcha lentaYET: O Aprendizado do
IDL A/V LEARN Volume de Ar de Marcha Lenta ainda não
[YET/CMPLT] ocorreu.CMPLT: O Aprendizado do Volume de
Ar de Marcha Lenta ocorreu e foi bem
sucedido.
TRVL AFTER MIL
[km] ou [mile]
• Distância percorrida com a MIL ativada.
• Indica o valor de controle do aquecedor do
sensor 1 de A/F computado pelo ECM de
A/F S1 HTR (B1) [%] acordo com os sinais de entrada.
• O atual fluxo para o aquecedor se torna maior à
medida que o valor aumenta.

AC PRESS SEN [V] • A tensão de sinal do sensor de pressão do


X líquido de arrefecimento é exibida.

VHCL SPEED SE • A velocidade do veículo, computada a partir do


sinal de velocidade enviado pelo TCM, é
[km/h] ou [mph]
exibida.
SET VHCL SPD • A velocidade pré-estabelecida do veículo é
[km/h] ou [mph] exibida.
SW PRINCIPAL • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do
[ON/OFF] interruptor [PRINCIPAL].

CANCEL SW • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do


[ON/OFF] interruptor CANCELAR.

EC - 102
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

SINAIS A
SINAIS
Item monitorado DE PRINCI- Descrição Observações
[Unidade] ENTRADA PAIS
DO ECM
EC
RETOMAR/AC SW • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do
[ON/OFF] interruptor RETOMAR/ACELERAR.

SET SW [ON/OFF] • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do


interruptor SET/COAST. C

SW1 FREIO [ON/OFF] • Indica a condição [ON/OFF] do sinal do


interruptor do freio ASCD.

• Indica a condição [ON/OFF] do sinal do D


SW2 FREIO [ON/OFF]
interruptor da luz de freio.

• Indica a condição de velocidade de cruzeiro do


veículo. NON: O veículo se mantém na E
VHCL SPD CUT velocidade ASCD pré-estabelecida.CUT: A
[NON/CUT] velocidade do veículo aumentou em demasia
em comparação com a velocidade ASCD pré-
estabelecida, e a operação ASCD é F
interrompida.

• Indica a condição de velocidade de cruzeiro do


veículo. NON: O veículo se mantém na
LO SPEED CUT velocidade ASCD pré-estabelecida.CUT: A G
[NON/CUT velocidade do veículo diminuiu em demasia em
comparação com a velocidade ASCD pré-
estabelecida, e a operação ASCD é
interrompida. H
AT OD MONITOR • Indica a condição [ON/OFF] do CVT de acordo • No caso dos modelos M/T, “OFF” é
[ON/OFF] com o sinal de entrada do TCM. sempre exibido.

AT OD CANCEL • Indica a condição [ON/OFF] do CVT de acordo • No caso dos modelos M/T, “OFF” é I
[ON/OFF] com o sinal de entrada do TCM. sempre exibido.
LÂMPADA DE • Indica a condição [ON/OFF] da lâmpada de
VELOCIDADE DE VELOCIDADE DE CRUZEIRO determinada J
CRUZEIRO [ON/OFF] pelo ECM de acordo com os sinais de entrada.

LÂMPADA SET • Indica a condição [ON/OFF] da lâmpada SET


[ON/OFF] determinada pelo ECM de acordo com os sinais
de entrada.
K

• Indica o fator de correção armazenado no ECM.


O fator é calculado a partir da diferença entre a
A/F ADJ-B1 razão ar/combustível desejada, armazenada no L
ECM e a razão ar/combustível calculada a partir
do sinal do sensor 1 de razão ar/combustível.
Tensão (V)
M
Freqüência [mseg], • Somente o símbolo “#” é exibido
[Hz] ou [%] se não for possível medir o item.
• Tensão, freqüência, ciclo de trabalho ou • Os números com o símbolo “#”
DUTY-HI largura de pulso medidos pela sonda. são temporários. Eles são os
mesmos números de um bloco de
DUTY-LOW dados real que acabou de ser
medido.
PLS WIDTH-HI
PLS WIDTH-LOW
NOTA:
Qualquer item monitorado, que não combinar com o veículo que está sendo diagnosticado, é automaticamente apagado do indicador.

EC - 103
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

MODO DE TESTE ATIVO


Item de Teste
ITEM DE TESTE CONDIÇÃO JULGAMENTO VERIFICAR ITEM(SOLUÇÃO)
• Motor: Retornar à condição da • Chicote e conectores
INJEÇÃO DE falha original Se o sintoma da falha desaparecer, • Injetor de combustível
COMBUSTÍVEL • Mudar a quantidade de injeção de consulte: VERIFICAR ITEM • Sensor 1 de razão ar/combustível
combustível usando o CONSULT-III. (A/F)

• Motor: Retornar à condição da


falha original
TEMPO DE Se o sintoma da falha desaparecer, • Execute Aprendizado de Volume de
IGNIÇÃO • Luz de ponto: Ajustar consulte: VERIFICAR ITEM Ar de Marcha Lenta.
• Atrasar o ponto de ignição usando
CONSULT-III.
• Motor: Após o aquecimento, deixe
o motor em marcha lenta. • Chicote e conectores
• Interruptor do A/C em OFF • Compressão
EQUILÍBRIO DE • Alavanca de câmbio: P ou N O motor funciona de maneira • Injetor de combustível
POTÊNCIA (CVT), Neutra(M/T) áspera ou morre. • Transistor de potência
• Corte os sinais do injetor de • Vela de ignição
combustível, um de cada vez, • Bobina de ignição
usando CONSULT-III

VENTILADOR
• Interruptor de ignição: ON • Chicote e conectores
DE • Coloque o ventilador nas posições O ventilador funciona e pára. • Relé do ventilador
“LOW”,“MID”, “HI” e “OFF” com
REFIRGERAÇÃO* CON-SULT-III. • Motor do ventilador
• Motor: Retornar à condição da • Chicote e conectores
TEMP. DO falha original
MOTOR DE Se o sintoma da falha desaparecer, • Sensor de temperatura do líquido
• Altere a temperatura do líquido de consulte: VERIFICAR ITEM de arrefecimento do motor
RESFRIAMENTO arrefecimento do motor usando
CONSULT-III. • Injetor de combustível
• Interruptor de ignição: ON (Motor
RELÉ DA BOMBA parado)
DE • Coloque o relé da bomba de O relé da bomba de combustível
• Chicote e conectores
COMBUSTÍVEL combustível nas posições “ON“ e faz o ruído de funcionamento. • Relé da bomba de combustível
“OFF” usando CONSULT-III e
ouça o ruído do funcionamento.
• Motor: Após o aquecimento deixe
o motor funcionando a 1.500 rpm.
• Chicote e conectores
APAGAR VOL. • Mude a porcentagem de abertura O número de rotações do motor muda
da válvula solenóide de controle de acordo com a porcentagem de • Válvula solenóide de controle de
CONT/V volume de sangria do recipiente
de volume de sangria do abertura.
recipiente EVAP usando EVAP
CONSULT-III.
• Motor: Retornar à condição da
ÂNGULO falha original Se o sintoma da pane desaparecer, • Chicote e conectores
ATRIBUÍDO V/T • Altere o ponto da válvula de consulte: VERIFICAR ITEM • Válvula solenóide de controle do
ponto da válvula de admissão.
admissão usando CONSULT-III.

*: Se você deixar o ventilador em OFF com CONSULT-III enquanto o motor estiver funcionando, isto
poderá resultar no superaquecimento do motor.
MODO DE CONFIRMAÇÃO DTC & SRT
Modo STATUS SRT
Para mais detalhes, consulte: EC-40, “CÓDIGO DE TESTE DE PRONTIDÃO DO SISTEMA (SRT)” .
Modo SRT WORK SUPPORT
Este modo permite que um técnico dirija um veículo para ajustar o SRT enquanto monitora o status SRT.

EC - 104
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Modo DTC WORK SUPPORT A

Modo de teste Item de teste Nº. correspondente de DTC. Página de referência

A/F SEN1 (B1) P1276 P0130 EC-193 EC


A/F SEN1
A/F SEN1 (B1) P1278/P1279 P0133 EC-211

HO2S2 (B1) P0139 P0139 EC-236


C
HO2S2 HO2S2 (B1) P1146 P0138 EC-226

HO2S2 (B1) P1147 P0137 EC-219

*: DTC P1442 e P1456 não se aplicam a modelos B16, mas aparecem nas telas Modo DTC Work D
Support.

EC - 105
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Função da Ferramenta Genérica de Varredura (GST) UBS00U0V

DESCRIÇÃO
A Ferramenta genérica de Varredura (ferramenta de varredura
OBDII) em conformidade com ISO 15031-4
possui 8 funções diferentes, explicadas abaixo.
A ISO9141 é usada como protocolo.
O nome GST ou Ferramenta Genérica de Varredura é usado
neste manual de serviços.

FUNÇÃO
Modo de teste de diagnóstico Função
Este serviço de diagnóstico obtém acesso aos atuais valores dos dados de relacionados à
Serviço $01 TESTES DE PRONTIDÃO emissão, incluindo entradas e saídas analógicas, entradas e saídas digitais e informações
do status do sistema.
Este serviço de diagnóstico obtém acesso ao valor dos dados relacionados à emissão,
que foram armazenados pelo ECM durante o congelamento da imagem. Para mais
Serviço $02 (CONGELAR DADOS)
detalhes, consulte: EC-99, “Dados de Imagem Congelada e Dados de Imagem Congelada
de 1ª. Viagem” .
Este serviço de diagnóstico obtém acesso aos códigos de falhas do agregado motriz
Serviço $03 DTC’s
relacionados à emissão, que foram armazenados pelo ECM.
Este serviço de diagnóstico pode limpar todas as informações relacionadas à emissão.
Isto inclui:
• Limpar o número de códigos de diagnósticos de falhas (Serviço $01)
• Limpar os códigos de diagnósticos de falhas (Serviço $03)
Serviço $04 LIMPAR DIAG INFO
• Limpar o código de falhas referentes aos dados de imagem congelada (Serviço $01)
• Limpar os dados de imagem congelada (Serviço $02)
• Reajustar o status do teste de monitoramento do sistema (Serviço $01)
• Limpar os resultados do teste de monitoramento a bordo (Serviço $06 e $07)
Este serviço de diagnóstico obtém acesso aos resultados dos testes de diagnósticos de
Serviço $06 (TESTES A BORDO) monitoramento a bordo de componentes/sistemas específicos que não são continuamente
monitorados.
Este serviço de diagnóstico permite que o teste de direção externo obtenha resultados
Serviço $07 (TESTES A BORDO) dos testes dos componentes/sistemas do agregado motriz referentes à emissão, que são
continuamente monitorados em condições normais de direção.
Serviço $08 — Este serviço de diagnóstico não é aplicável a este veículo.
Este serviço de diagnóstico permite que o aparelho de teste a bordo solicite informações
Serviço $09 (IDENTIFICAÇÃO DE
específicas do veículo tais como o número de identificação do veículo (VIN) e as
CALIBRAÇÃO)
Identificações de Calibração.

EC - 106
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO A

1. Coloque o Interruptor de ignição na posição OFF.


2. Conecte a GST ao conector de dados (1).
EC
• Pedal do acelerador (2)

3. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.


4. Inicie o programa de acordo com a instrução na tela ou no VTX GENERIC OBD II F
manual de operação. PROGRAM CARD
(*: No que se refere às telas de GST nesta seção, são mostradas
telas de exemplos.) G

Press [ENTER]
H
*sample screen SEF3985

5. Execute cada serviço de diagnóstico de acordo com cada OBD II FUNCTIONS I


procedimento de serviço.
F0: DATA LIST
Para mais informações, consulte o Manual de Operação da F1: FREEZE DATA
GST, fornecido pelo fabricante da ferramenta. F2: DTCs J
F3: SNAPSHOT
F4: CLEAR DIAG INFO
F5: O2 TEST RESULTS
F6: READINESS TESTS
F7: OND BOARD TESTS K
F8: EXPAND DIAG PROT
F9: UNIT CONVERSION

*sample screen SEF4165 L

EC - 107
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

Valor de Referência CONSULT-III no Monitor de Dados UBS00U0W

Observações:
• Os dados de especificação são valores de referência.
• Os dados de especificação são valores de saída/entrada que são detectados ou fornecidos pelo ECM no
conector.
* Os dados de especificação podem não ser diretamente relacionados aos sinais/valores/operações dos seus
componentes.
Ou seja, Ajuste o ponto da ignição com uma luz de ponto antes de monitorar IGN TIMING, porque o monitor poderá
mostrar os dados de especificação apesar de o ponto de ignição não estar ajustado de acordo com os dados de
especificação. Este IGN TIMING monitora os dados calculados pelo ECM de acordo com a entrada de sinais do sensor
de posição da árvore de comando de válvulas e outros sensores relacionados ao ponto de ignição.
ITEM A MONITORAR CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
Almost the same
ENG SPEED
• Faça o motor funcionar e compare o valor CONSULT-III com a indicação do conta-giros. speed as the
tachometer indication.

MAS A/F SE-B1 Consulte: EC-111, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO”.

B/FUEL SCHDL Consulte: EC-111, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO”.

A/F ALPHA-B1 Consulte: EC-111, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO”.

COOLAN TEMP/S • Motor: Após o aquecimento More than 70°C


(158°F)

A/F SEN1 (B1) • Motor: Após o aquecimento Mantendo as rotações do motor a 2.000 rpm. Fluctuates around 2,2V

HO2S2 (B1)
• Elevando as rotações do motor da marcha lenta a 3.000 rpm rapidamente depois que 00,3V.3V Approx.
as seguintes condições forem atendidas: 0,6 1,0V
- Motor: Após o aquecimento
HO2S2 MNTR (B1) - Mantendo as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm por 1 minuto e em marcha LEAN RICH
lenta por 1 minuto sem carga
Almost the same
VHCL. SPEED SE
• Gire as rodas motrizes e compare o valor do CONSULT-III com a indicação speed as the
do velocímetro.
speedometer indication
BATTERY VOLT • Interruptor de ignição ON (Motor parado) 11 – 14V

ACEL SEN 1 Pedal do acelerador Totalmente liberado 0,6 – 0,9V


• Interruptor de ignição:
ACEL SEN 2* ON (Motor parado) 4,0 – 4,8V
Pedal do acelerador: Pressionado até o fundo
More than 0,36V
THRTL SEN 1 [V]
• Interruptor de ignição: Pedal do acelerador Totalmente liberado
ON (Motor parado) Less than 4,75V
THRTL SEN 2* [V]
• Alavanca de câmbio:
D (CVT), 1a. (M/T) Pedal do acelerador: Pressionado até o fundo OFF ON OFF

START SIGNAL • Interruptor de ignição: ON START ON ON


Pedal do acelerador Totalmente liberado OFF
CLSD THL POS • Interruptor de ignição ON
Pedal do acelerador Ligeiramente pressionado OFF
Interruptor do ar condicionado: ON (O compressor
• Motor: Após o aquecimento, ON
AIR COND SIG funciona.)
deixe o motor funcionando
em marcha lenta. Interruptor do ar condicionado: OFF ON

Alavanca de câmbio: P ou N (CVT), Neutra (M/T) OFF


P/N POSI SW • Interruptor de ignição: ON
Alavanca de câmbio: Com exceção do acima OFF

• Motor: Após o aquecimento, Volante: Não está sendo virado ON


PW/ST SIGNAL
deixe o motor em marcha lenta. ON
Volante: Sendo virado
Interruptor do desembaçador do vidro traseiro: ON e/
ON
ou interruptor de Iluminação: 2º
LOAD SIGNAL • Interruptor de ignição ON
Interruptor do desembaçador do vidro traseiro e
OFF
interruptor de luz: OFF

EC - 108
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

ESPECIFICAÇÃO
A
ITEM A MONITORAR CONDIÇÃO
IGNITION SW
• Interruptor de ignição: ON OFF ON ON OFF ON

Ventilador do aquecedor: Em operação ON EC


HEATER FAN SW • Interruptor de ignição: ON
Ventilador do aquecedor: Não está funcionando OFF

BRAKE SW Pedal do freio: Totalmente liberado OFF


• Interruptor de ignição: ON C
Pedal do freio: Ligeiramente pressionado ON

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 2.0 - 3,0 msec :

INJ PULSE-B1 • Interruptor do ar condicionado:


OFF D
• Alavanca de câmbio: P ou N 2.000 rpm 1,9 - 2,9 msec :
(CVT), Neutra (M/T)
• Sem carga
1° - 11° BTDC
E
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta
IGN TIMING • Interruptor do ar condicionado:
OFF
• Alavanca de câmbio: 2.000 rpm 25° - 45° BTDC F
P ou N (CVT), Neutra (M/T)
• Sem carga
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 10% - 35%
• Interruptor do ar condicionado: G
CAL/LD VALUE OFF
• Alavanca de câmbio: P ou N 2.500 rpm 10% - 35%
(CVT), Neutra (M/T)
• Sem carga H

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 1,0 - 4,0 g·m/s


MASS AIRFLOW • Interruptor do ar condicionado:
OFF I
• Alavanca de câmbio: P ou N 2.500 rpm 2,0 - 10,0 g·m/s
(CVT), Neutra (M/T)
• Sem carga
J
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta(O pedal do acelerador não está
PURG VOL C/V [%] • Interruptor do ar condicionado: pressionado nem ligeiramente,após a partida 0%
OFF do motor)
• Alavanca de câmbio: P ou N K
(CVT), Neutra (M/T) 2.000 rpm 0 - 50%
• Sem carga
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta - 5° - 5°CA
INT/V TIM (B1) • Interruptor do ar condicionado: L
OFF
Quando estiver elevando as rotações do motor até Approx.
• Alavanca de câmbio: P ou N 0° - 40°CA
(CVT), Neutra (M/T) 2.000 rpm rapidamente
• Sem carga M

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 0% - 2%


INT/V SOL (B1) • Interruptor do ar condicionado:
OFF
Quando estiver elevando as rotações do motor até Approx.
• Alavanca de câmbio: P ou N
(CVT), Neutra (M/T) 2.000 rpm rapidamente 0% - 90%
• Sem carga
Interruptor do ar condicionado: OFF OFF
AIR COND RLY • Motor: Após o aquecimento,
deixe o motor em marcha lenta. Interruptor do ar condicionado: ON (O compressor
[ON/OFF] ON
funciona.)

• Por 1 segundo após colocar o interruptor de ignição na posição ON:


FUEL PUMP RLY ON
• Motor funcionando ou sendo girado pelo motor de partida
• Com exceção das condições acima OFF
THRTL RELAY
[ON/OFF] • Interruptor de ignição ON ON

EC - 109
DIAGNÓSTICO DE FALHAS

ITEM A MONITORAR CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO


Temperatura do líquido de arrefecimento do motor:
94°C (201°F) ou inferior OFF
• Motor: Após o aquecimento,
deixe o motor em marcha lenta. Temperatura do líquido de arrefecimento do motor:
• Interruptor do ar condicionado:
Entre 98°C (208°F) e 99°C (210°F) LOW
COOLING FAN
OFF Temperatura do líquido de
Temperatura do líquido de arrefecimento do motor:
arrefecimento do motor: MIDDLE
Entre 100°C (212°F) e 104°C (219°F)
94°C (201°F) ou inferior
Temperatura do líquido de arrefecimento do motor:
105°C (221°F) ou superior HIGH
• Abaixo de 3.600 rpm depois que as condições a seguir forem atendidas.
- Motor: Após o aquecimento ON
HO2S2 HTR (B1) - Mantendo as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm por 1 minuto e em marcha
lenta por 1 minuto sem carga
• Rotações do motor: Acima de 3.600 rpm. OFF
Almost the same
I/P PULLY SPD • Velocidade do veículo: Superior a 20 km/h (12 MPH) speed as the
tachometer indication.
Almost the same speed
VHCL SPEED SE • Gire as rodas motrizes e compare o valor do CONSULT-III com a indicação do as the speedometer
velocímetro.
indication.
0 – 65,535 km
TRVL AFTER MIL • Interruptor de ignição ON O veículo se deslocou depois que a MIL acendeu
(0 – 40,723 miles)

A/F S1 HTR (B1)


• Motor: Após o aquecimento, mantenha o motor em marcha lenta (Mais de 140 4 - 100%
segundos após dar a partida no motor)

AC PRESS SEN • Motor: Marcha lenta 1.0 – 4.0V


• Interruptor do ar condicionado: ON (O compressor funciona.)
Almost the same speed
VHCL SPEED SE • Gire as rodas motrizes e compare o valor do CONSULT-III com a indicação do as the speedometer
velocímetro. indication.
The preset vehicle
SET VHCL SPD • Motor: Funcionando ASCD: Operando apeed is displayed.

Interruptor PRINCIPAL Pressionado ON


MAIN SW • Interruptor de ignição ON
Interruptor PRINCIPAL Liberado OFF
Interruptor CANCELAR: Pressionado ON
CANCEL SW • Interruptor de ignição ON
Interruptor CANCELAR: Liberado OFF
Interruptor RETOMAR/ACELERAR: Pressionado ON
RESUME /ACC SW • Interruptor de ignição ON
Interruptor RETOMAR/ACELERAR: Liberado OFF

SET SW Interruptor SET/COAST Pressionado ON


• Interruptor de ignição ON
Interruptor SET/COAST Liberado OFF
• Pedal do freio: Totalmente liberado (CVT)
• Pedal do freio e pedal da embreagem: Totalmente ON
BRAKE SW1 liberados (M/T)
• Interruptor de ignição ON
• Pedal do freio: Totalmente liberado (CVT)
• Pedal do freio e pedal da OFF
embreagem: Totalmente liberados (M/T)
• Pedal do freio: Ligeiramente pressionado (CVT) OFF
BRAKE SW2 • Interruptor de ignição ON • Pedal do freio e/ou pedal da embreagem:
Ligeiramente pressionado(s) (M/T) ON
Interruptor PRINCIPAL Pressionado pela
CRUISE LAMP • Interruptor de ignição ON 1a. vez pela 2a. vez ON OFF

• Interruptor PRINCIPAL ON ACSD Funcionando ON


SET LAMP
• Velocidade do veículo:
Entre 40 km/h (25 MPH) e ASCD: Não está funcionando OFF
144 km/h(89 MPH)

*: O sinal do sensor 2 de posição do pedal do acelerador e o sinal do sensor 2 de posição do acelerador são
convertidos internamente pelo ECM. Portanto, eles diferem do sinal de tensão dos terminais do ECM.
EC - 110
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO PFP:00031 A

Descrição: UBS00U0X

O valor de especificação (SP) indica a tolerância do valor que é exibido em “SPEC” do modo “DATA EC
MONITOR” com CONSULT-III durante a operação normal do Sistema de Controle do Motor. Quando o
valor em “SPEC” do modo “DATA MONITOR” estiver dentro do valor SP, o Sistema de Controle de Motor
é confirmado na condição de CORRETA. Quando o valor em “SPEC” do modo “DATA MONITOR” NÃO C
estiver dentro do valor SP, o Sistema de Controle de Motor poderá ter um ou mais defeitos.
O valor SP é usado para detectar defeitos que possam afetar o Sistema de Controle do Motor, mas que
não causam o acendimento da MIL. O valor SP será exibido para os três itens a seguir: D
• B/FUEL SCHDL (A largura do pulso de injeção de combustível programada no ECM antes de qualquer
correção a bordo aprendida)
• A/F ALPHA-B1 (O valor médio do fator de correção de retroalimentação da razão ar/combustível por ciclo) E
• MAS A/F SE-B1 (A tensão de sinal do sensor de fluxo de massa de ar)
Condição de Teste UBS00U0Y
F
• Distância percorrida pelo veículo: Mais de 5.000 km (3.107 milhas)
• Pressão barométrica: 98,3 - 104,3 kPa (0,983 – 1,043 bar, 1,003 – 1,064 kg/cm2 , 14,25 – 15,12 psi)
• Temperatura atmosférica: 20 - 30°C (68 - 86°F) G
• Temperatura do líquido de arrefecimento do motor: 75 - 95°C (167 - 203°F)
• Transmissão: Aquecida
- Modelos CVT: Depois que o motor tiver sido aquecido até atingir a temperatura normal de operação, dirija o H
veículo até que o sinal “FLUID TEMP SE” (sinal do sensor de temperatura do fluido) indique mais de 60°C
(140°F).
- Modelos M/T: Depois que o motor tiver atingido a temperatura normal de operação, dirija o veículo por 5 I
minutos.
• Carga elétrica: Não aplicada
- Interruptor do desembaçador do vidro traseiro, interruptor do ar condicionado, interruptor de luz estão OFF: J
O volante está centralizado.
• Rotações do motor: Marcha lenta
K
Procedimento de Inspeção UBS00U0Z

NOTA:
Execute “SPEC” no modo “DATA MONITOR” com apresentação de escala máxima. L
1. Execute: EC-56, “Inspeção Básica “.
2. Certifique-se de que as condições de teste acima indicadas sejam atendidas.
M
3. Selecione “B/FUEL SCHDL”, “A/F ALPHA-B1” e “MAS A/F SE-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR” com
CONSULT-III.
4. Certifique-se de que os itens monitorados estejam dentro do valor SP.
Se NEGATIVO, vá para: EC-112, “Procedimento de Diagnóstico”.

EC - 111
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

Procedimento de Diagnóstico UBS00U10

SEQÜÊNCIA GERAL

PBIB2318E

EC - 112
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

EC

PBIB3213E

EC - 113
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

PROCEDIMENTO DETALHADO
1. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”
1. Dê a partida no motor.
2. Certifique-se de que as condições de teste estejam atendidas. Consulte: E C - 111 , “ Condição de Teste”
3. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
NOTA:
Verifique “A/F ALPHA-B1” por aproximadamente 1 minuto, pois pode haver variações. É NEGATIVO se a
indicação estiver fora do valor SP, ainda que a diferença seja pequena.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 17.
NEGATIVO (Inferior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO (Superior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 3.
2. VERIFIQUE “B/FUEL SCHDL”
Selecione ““B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO (Superior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 19.
3. VERIFIQUE “B/FUEL SCHDL”
Selecione ““B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO (Superior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO (Inferior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 25.
4. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”
1. Pare o motor.
2. Desconecte a mangueira PCV, em seguida tape-a .
3. Dê a partida no motor.
4. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 6.
5. TROCA DO ÓLEO DO MOTOR
1. Pare o motor.
2. Troque o óleo do motor. Consulte: MA-16, “Troca do Óleo do Motor”
NOTA:
Este sintoma poderá ocorrer quando uma grande quantidade de gasolina for misturada com o óleo do
motor em razão das condições de direção (por exemplo, quando a temperatura do óleo não se eleva o
suficiente em razão do fato de uma viagem ser curta demais durante o inverno). O sintoma não será
detectado após a troca de óleo ou quando as condições de direção se modificarem.
>> FIM DA INSPEÇÃO
EC - 114
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

6. VERIFIQUE A PRESSÃO DE COMBUSTÍVEL A

Verifique a pressão de combustível (Consulte: EC-66, “Verificação da Pressão de Combustível” .)


OK ou NEGATIVO EC
OK >> VÁ PARA O ITEM 9.
NEGATIVO (A pressão de combustível é excessiva)>> Substitua o regulador de pressão de
combustível, consulte: EC-66, “Verificação da Pressão de Combustível”. C
>> VÁ PARA O ITEM 8.
NEGATIVO (A pressão de combustível é insuficiente) >> VÁ PARA O ITEM 7.
D
7. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA
1. Verifique o seguinte.
– Mangueira e tubo de combustível obstruída ou dobrada. E
– Filtro de combustível obstruído.
– Bomba de combustível e respectivo circuito (Consulte: EC-439, “BOMBA DE COMBUSTÍVEL” .)
2. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça defeituosa. (Consulte: EC-66, “Verificação da Pressão de Com- F
bustível” .)
Se OK, substitua o regulador de pressão de combustível.
G
>> VÁ PARA O ITEM 8.
8. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”
1. Dê a partida no motor. H
2. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO I
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 9.
J
9. EXECUTE O TESTE DE EQUILÍBRIO DE POTÊNCIA
1. Execute o “POWER BALANCE” no modo “ACTIVE TEST”.
2. Certifique-se de que cada cilindro produza uma queda momentânea de rotações do motor. K
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 12.
L
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 10.
10. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA
1. Verifique o seguinte. M
- Bobina de ignição e respectivo circuito (Consulte: EC-445, “SINAL DE IGNIÇÃO” .)
- Injetor de combustível e respectivo circuito (Consulte: EC-434, “INJETOR DE COMBUSTÍVEL” .)
- Vazamento do ar de entrada
- Baixa pressão de compressão (Consulte: EM-60, “VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO DE COMPRESSÃO” .)
2. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça defeituosa.
Se OK, substitua o injetor de combustível. (O problema pode ter sido causado por vazamento ou obstrução
do injetor de combustível.)
>> VÁ PARA O ITEM 11.

EC - 115
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

11 . VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”


1. Dê a partida no motor.
2. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 12.
12. VERIFIQUE A FUNÇÃO DO SENSOR 1 DE A/F.
Execute todo o Procedimento de Confirmação de DTC relacionado ao sensor 1 de A/F.
• No que se refere ao DTC P0130, consulte: EC-193, “Procedimento de Confirmação de um DTC” .
• No que se refere ao DTC P0131, consulte: “DTC-199, “Procedimento de Confirmação de um DTC” .
• No que se refere ao P0132, consulte: EC-206, “Procedimento de Confirmação de um DTC”
• No que se refere ao P0133, consulte: EC-212, “Procedimento de Confirmação de um DTC”
• No que se refere ao DTC P2A00, consulte: EC-408, “Procedimento de Confirmação de um DTC” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 15.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 13.
13. VERIFIQUE A FUNÇÃO DO SENSOR 1 DE A/F.
Execute o Procedimento de Diagnóstico de acordo com o DTC correspondente.
>> VÁ PARA O ITEM 14.
14. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”
1. Dê a partida no motor.
2. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 15.
15. DESCONECTE E RECONECTE O CONECTOR DO CHICOTE DO ECM.
1. Pare o motor.
2. Desconecte o conector do chicote do ECM. Verifique o terminal de pinos e o conector quanto a danos, em
seguida reconecte o mesmo.
>> VÁ PARA O ITEM 16.
16. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”
1. Dê a partida no motor.
2. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> Detecte a peça defeituosa, de acordo com EC-76, “Gráfico de Matriz de Sintomas” .

EC - 116
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

17. VERIFIQUE “B/FUEL SCHDL” A

Selecione ““B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
EC
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO (Superior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 18. C
NEGATIVO (Inferior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 25.
18. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA
D
1. Verifique o motivo de haver muito atrito no motor. Verifique o seguinte.
– O nível de óleo do motor está alto demais.
– Viscosidade do óleo do motor E
– Tensão da correia do alternador, do compressor do A/C, etc., é excessiva.
– Ruído do motor
– Ruído da transmissão, etc. F
2. Verifique o motivo de não estar ocorrendo combustão suficiente. Verifique o seguinte.
– Mau funcionamento associado a folga das válvulas
G
– Mau funcionamento da função de controle do ponto da válvula de admissão.
– Mau funcionamento na instalação da roda dentada da árvore de comando de válvula, etc.
>> Repare ou substitua a peça defeituosa, em seguida VÁ PARA O ITEM 30. H
19. VERIFIQUE O SISTEMA DE ENTRADA
Verifique o motivo de haver um fluxo de ar irregular passando pelo sensor de fluxo de massa de ar.
Verifique o seguinte. I

• Dutos de ar esmagados
• Elemento do filtro de ar com vedação defeituosa. J
• Elemento do filtro de ar com sujeira irregular.
• Especificação inadequada do sistema de ar de entrada
OK ou NEGATIVO K
OK >> VÁ PARA O ITEM 21.
NEGATIVO >> Repare ou substitua a peça defeituosa, em seguida VÁ PARA O ITEM 20.
L
20. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1” E “B/FUEL SCHDL”
Selecione “A/F ALPHA-B1 e “B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de
que a indicação esteja dentro do valor SP. M
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO (“B/FUEL SCHDL” é superior, “A/F ALPHA-B1” é inferior ao valor de SP) >> VÁ PARA O
ITEM 21
21. DESCONECTE E RECONECTE O CONECTOR DO CHICOTE DO SENSOR DE
FLUXO DE MASSA DE AR.
1. Pare o motor.
2. Desconecte e reconecte o conector do chicote do sensor de fluxo de massa de ar. Verifique o terminal de
pinos e o conector quanto a danos, em seguida reconecte o mesmo.
>> VÁ PARA O ITEM 22.

EC - 117
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

22. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1”


1. Dê a partida no motor.
2. Selecione “A/F ALPHA-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação esteja
dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> 1. Detecte a peça defeituosa do circuito do sensor de fluxo de massa de ar e repare a
mesma. Consulte: EC-153, “DTC P0101 MAF SENSOR” .
2. VÁ PARA O ITEM 29.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 23.
23. VERIFIQUE “MAS A/F SE-B1”
Selecione “MAS A/F SE-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 24.
NEGATIVO (Superior ao valor de SP) >> Substitua o sensor de fluxo de massa de ar, em seguida VÁ
PARA O ITEM 29.
24. SUBSTITUA O ECM.
1. Substitua o ECM.
2. Execute a inicialização do sistema NATS e o registro de todas as identificações das chaves de ignição do
NATS. Consulte: BL-113, “Função de Re-comunicação do ECM” .
3. Consulte: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado”
4. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador” .
5. Execute: EC-63, “Aprendizado de Volume de Ar de Marcha em Lenta” .
>> VÁ PARA O ITEM 29.
25. VERIFIQUE O SISTEMA DE ENTRADA
Verifique o motivo de haver um fluxo de ar irregular passando pelo sensor de fluxo de massa de ar.
Verifique o seguinte.
• Dutos de ar esmagados
• Elemento do filtro de ar com vedação defeituosa.
• Elemento do filtro de ar com sujeira irregular.
• Especificação inadequada do sistema de ar de entrada
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 27.
NEGATIVO >> Repare ou substitua a peça defeituosa, em seguida VÁ PARA O ITEM 26.
26. VERIFIQUE “B/FUEL SCHDL”
Selecione ““B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO (Inferior ao valor SP) >> VÁ PARA O ITEM 27.
27. VERIFIQUE “MAS A/F SE-B1”
Selecione “MAS A/F SE-B1” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 28.
NEGATIVO (Inferior ao valor de SP) >> Substitua o sensor de fluxo de massa de ar, em seguida VÁ
PARA O ITEM 30.

EC - 118
DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO

28. VERIFIQUE O SISTEMA DE ENTRADA A

Verifique o motivo de haver um vazamento de ar depois do sensor de fluxo de massa de ar. Verifique o
seguinte.
EC
• Desconexão, frouxidão e rachaduras no duto de ar
• Frouxidão na tampa do bocal de abastecimento de óleo.
• Desconexão do indicador de nível de óleo. C
• Válvula PCV presa na posição aberta, ou apresentando quebra, desconexão da mangueira ou rachaduras.
• Desconexão ou rachaduras na mangueira de sangria de EVAP, válvula solenóide de controle de volume de
sangria do recipiente de EVAP presa na posição aberta. D
• Mau funcionamento na junta da tampa dos balancins.
• Desconexão, frouxidão ou rachaduras nas mangueiras como, por exemplo, a mangueira de vácuo que se E
conecta às partes do sistema de ar de entrada
• Mau funcionamento na junta do sistema de ar de entrada, etc.
>> VÁ PARA O ITEM 30.
F
29. VERIFIQUE “A/F ALPHA-B1” E “B/FUEL SCHDL”
Selecione “A/F ALPHA-B1 e “B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de
que a indicação esteja dentro do valor SP. G
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> Detecte a peça defeituosa, de acordo com EC-76, “Gráfico de Matriz de Sintomas” . H

30. VERIFIQUE “B/FUEL SCHDL”


Selecione “B/FUEL SCHDL” em “SPEC” do modo “DATA MONITOR”, e certifique-se de que a indicação I
esteja dentro do valor SP.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO J
NEGATIVO >> Detecte a peça defeituosa, de acordo com EC-76, “Gráfico de Matriz de Sintomas” .

EC - 119
DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTES INTERMITENTES

DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTES INTERMITENTES PFP:00006

Descrição UBS00U11

Podem ocorrer incidentes intermitentes. Em muitos casos, o mau funcionamento desaparece por si
mesmo (a parte da função ou circuito volta ao normal sem intervenção). É importante perceber que os
sintomas descritos nas reclamações do cliente freqüentemente não ocorrem novamente nas visitas de
DTC (de 1a. viagem). Entenda, também, que a causa mais freqüente das ocorrências de incidentes
intermitentes é mau contato elétrico. Por este motivo, as condições nas quais o incidente ocorrer podem
não ser claras. Portanto, as verificações dos circuitos feitas como parte do procedimento padrão de
diagnóstico podem não indicar a área específica que apresenta mau funcionamento.
Situações Comuns de Informações a Respeito de Incidentes Intermitentes
ETAPA no Fluxo de Trabalho Situação

2 O CONSULT-III é usado. A tela SELF-DIAG RESULTS apresenta dados de tempo diferentes de


0 ou [1t].

3 ou 4 O sintoma descrito pelo cliente não ocorre novamente.

5 O DTC (de 1a. viagem) não aparece durante o Procedimento de Confirmação de DTC.

10 O Procedimento de Diagnóstico de PXXXX não indica a área com mau funcionamento.

Procedimento de Diagnóstico UBS00U12

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO
Apague DTC’s (de 1a. viagem).
Consulte: EC-47, “COMO APAGAR AS INFORMAÇÕES DE DIAGNÓSTICO RELACIONADAS ÀS
EMISSÕES”.
>> VÁ PARA O ITEM 2.
2. VERIFIQUE OS TERMINAIS DE ATERRAMENTO
Verifique os terminais de aterramento quanto a conexões corroídas ou soltas. Consulte: EC-127,
“Inspeção do Aterramento”
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Repare ou substitua.
3. PROCURANDO UM INCIDENTE ELÉTRICO
Execute: GI-28, “COMO REALIZAR UM DIAGNÓSTICO EFICAZ DE UM PROBLEMA ELÉTRICO” .
“INCIDENT SIMULATION TESTS”.
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> Repare ou substitua.

EC - 120
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO PFP:24110 A

Diagrama Elétrico UBS00U13

EC

BBWA2950E

EC - 121
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática pode
resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do ECM, como, por
exemplo, o cabo terra.
TERMI- COR
NAL Nº. ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
DO FIO

10 Preto [O motor está funcionando]


Aterramento do ECM Aterramento da carroçaria
11 Preto • Marcha lenta
[O motor está funcionando]
[Interruptor de ignição: OFF]
0 – 1,0V
• Por alguns segundos após colocar o interruptor de
32 Vermelho/ ignição na posição OFF:
Relé de ECM
Verde (Auto-desligamento)
[Interruptor de ignição: OFF]
TENSÃO DE BATERIA
• Mais do que alguns segundos após colocar o
interruptor de ignição na posição OFF: (11 – 14V)

[Interruptor de ignição: OFF] 0V


93 Marrom Interruptor de ignição TENSÃO DA BATERIA
[Interruptor de ignição: ON]
(11 – 14V)
Fornecimento de TENSÃO DA BATERIA
105 Verde [Interruptor de ignição: ON]
energia para o ECM (11 – 14V)

[O motor está funcionando]


108 Preto Aterramento do ECM Aterramento da carroçaria
• Marcha lenta

Procedimento de Diagnóstico UBS00U14

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO
Dê a partida no motor.
O motor está funcionando?
Sim ou Não
Sim >> VÁ PARA O ITEM 8.
Não >> VÁ PARA O ITEM 2.
2. VERIFIQUE O CIRCUITO-I DA FONTE DE ENERGIA DO ECM
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF, em seguida, na
posição ON.
2. Verifique a tensão entre o terminal 93 do ECM com o CONSULT-III
ou aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 3.

3. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA


Verifique o seguinte.
• Conectores de chicote M6, E19
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o ECM e o interruptor de ignição.
>> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote ou conectores.

EC - 122
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

4. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA A

1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.


2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroceria.
EC
Consulte: EC-127, “Inspeção do Aterramento” .
: Frente do veículo
- Aterramento na carroçaria (1) C
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de D
aterramento.

5. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO ECM QUANTO A CIRCUITOS F


ABERTOS E EM CURTO - I
1. Desconecte o conector do chicote do ECM.
G
2. Verifique a continuidade do chicote entre os terminais do ECM 10, 11, 108, e o aterramento. Consulte o
Diagrama de Fiação.
Deverá haver continuidade. H
3. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para a alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 7. I
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 6.
6. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA J
Verifique o seguinte.
• Conectores de chicote F10, E17
K
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o ECM e o aterramento.
>> Repare o circuito aberto ou o curto para alimentação no chicote ou nos conectores.
7. VERIFIQUE O CIRCUITO-II DA FONTE DE ENERGIA DO ECM L
1. Desconecte o conector do chicote do ECM.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
3. Verifique a tensão entre o terminal 3 do IPDM E/R e o terra com M
CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> Vá para: EC-445, “SINAL DE IGNIÇÃO” .
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 8.

EC - 123
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

8. VERIFIQUE O CIRCUITO-III DA FONTE DE ENERGIA DO ECM


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON, em seguida, na
posição OFF.
3. Verifique a tensão entre o terminal 105 do ECM e o terra com o
CONSULT-III ou aparelho de teste.
Tensão: Após colocar o interruptor de ignição
na posição OFF, haverá tensão na
bateria por alguns segundos, em
seguida ela cairá para
aproximadamente 0V.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 14.
NEGATIVO (Não há tensão na bateria). >> VÁ PARA O ITEM 9. NEGATIVO (Há tensão na bateria
por mais do que alguns segundos.)
>> VÁ PARA O ITEM 11.

9. VERIFIQUE O CIRCUITO-IV DA FONTE DE ENERGIA DO ECM


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos.
2. Verifique a tensão entre o terminal 32 do ECM e o terra com o
CONSULT-III ou aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 10.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 11.

10. VERIFIQUE O CIRCUITO-V DA FONTE DE


ENERGIA DO ECM
1. Desconecte o conector do chicote do ECM.
2. Desconecte o conector E43 do chicote do IPDM E/R.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 105 do ECM e o terminal 4 do IPDM E/R. Consulte o
Diagrama de Fiação.
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 17.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.

EC - 124
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

11 . VERIFIQUE O CIRCUITO-VI DA FONTE DE ENERGIA DO ECM A


1. Desconecte o conector do chicote do ECM.
2. Desconecte o conector E43 do chicote do IPDM E/R.
EC
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 32 do ECM e o terminal 7 do IPDM E/R. Consulte o
Diagrama de Fiação.
Deverá haver continuidade. C
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 13. D
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 12.
12. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA E
Verifique o seguinte.
• Conectores E3 e F2 do chicote
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto circuito entre o ECM e o IPDM E/R. F
>> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote ou
conectores.
G
13. VERIFIQUE O FUSÍVEL 20A
1. Desconecte o fusível 20 A do IPDM E/R.
2. Verifique o fusível 20 A . H
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 17.
NEGATIVO >> Substitua o fusível de 20 A . I
14. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA
Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na J
carroçaria. Consulte: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
• : Frente do veículo
• Aterramento da carroçaria (1) K
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 15.
L
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

15. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO ECM QUANTO A CIRCUITOS


ABERTOS E EM CURTO - II
1. Desconecte o conector do chicote do ECM.
2. Verifique a continuidade do chicote entre os terminais 10, 11, 108 do ECM e o aterramento. Consulte o
Diagrama de Fiação.
Deverá haver continuidade.
3. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para a alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 17.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 16.

EC - 125
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

16. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA


Verifique o seguinte.
• Conectores F10 e E17 do chicote
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o ECM e o aterramento.
>> Repare o circuito aberto ou o curto para alimentação no chicote ou nos conectores.
17. VERIFIQUE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS QUANTO A INCIDENTE INTERMITENTE” .
OK ou NEGATIVO
OK >> Substitua o IPDM E/R. Consulte: PG-18, “IPDM E/R (MÓDULO DE DISTRIBUIÇÃO
INTELIGENTE DE ENERGIA NO COMPARTIMENTO DO MOTOR)” .
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para alimentação no chicote ou nos conectores.

EC - 126
FONTE DE ENERGIA E CIRCUITO DE ATERRAMENTO

Inspeção do Aterramento UBS00U15 A

As conexões com o aterramento são muito importantes para a operação adequada dos circuitos elétricos
e eletrônicos. Conectores de aterramento freqüentemente são expostos à umidade, sujeira, e outros
EC
elementos corrosivos. A corrosão (ferrugem) pode se tornar uma resistência indesejada. Essa resistência
indesejada pode mudar a maneira pela qual um circuito funciona. Circuitos eletronicamente controlados
são muito sensíveis a um aterramento precário. Um aterramento frouxo ou corroído pode afetar
drasticamente um circuito eletronicamente controlado. Um aterramento inadequado ou corroído pode C
facilmente afetar o circuito. Mesmo quando uma conexão de aterramento parece limpa, pode haver uma
fina camada de ferrugem na superfície. Ao inspecionar uma conexão de aterramento, siga as seguintes
regras: D
• Remova o pino ou parafuso de aterramento.
• Inspecione todas as superfícies de contato quanto a turvamento, sujeira, ferrugem, etc. E
• Limpe conforme necessário para assegurar um bom contato.
• Reinstale o pino ou parafuso com firmeza.
• Inspecione quanto a acessórios “adicionais” que possam estar interferindo no circuito de aterramento. F
• Se vários fios estiverem prensados em um único terminal de aterramento em forma de ilhós, verifique
quanto à prensagem correta. Certifique-se de que todos os fios estejam limpos, firmemente fixados e
proporcionando uma boa passagem para o aterramento. Se houver fios múltiplos inseridos em um G
ilhós, certifique-se de que nenhum fio terra possua excesso de isolamento.
Para mais detalhes a respeito da distribuição do aterramento, consulte: PG-31, “Distribuição de
Massa” . H

EC - 127
DTC U1000, U1001 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN

DTC U1000, U1001 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN PFP:23710

Descrição UBS00U16

CAN (Rede de Área Controladora) é uma linha de comunicação em série para aplicação em tempo real.
Trata-se de uma linha de comunicação no veículo, multiplexada, com alta velocidade de comunicação e
excelente capacidade de detecção de erros. Muitas unidades de controle eletrônico estão instaladas em
um veículo, e cada unidade de controle compartilha informações e comunica-se com outras unidades
de controle durante a operação (não são independentes). Na comunicação CAN, as unidades de
controle são conectadas com 2 linhas de comunicação (Linha CAN H, linha CAN L), permitindo uma alta
razão de transmissão de informações com menos fiação. Cada unidade de controle transmite/recebe
dados, mas lê seletivamente somente os dados necessários.
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U17

Nome do DIAGNÓS-
DTC Nº. Condição de detecção do DTC Causa possível
TICO DE FALHAS
Quando o ECM não está transmitindo nem
U1000*1 recebendo o sinal de comunicação CAN do OBD
1000*1 Linha de (diagnóstico relacionado à emissão) por 2
segundos ou mais. • Chicote ou conectores (a linha de
comunicação comunicação CAN está aberta ou em
CAN Quando o ECM não está transmitindo nem curto).
U1001*2 recebendo o sinal de comunicação CAN do OBD
1001*2 (diagnóstico relacionado à emissão) por 2
segundos ou mais.

*1: Este auto-diagnóstico possui a lógica de detecção de uma viagem (CVT).


A MIL não acende em função deste auto-diagnóstico (M/T).
*2: A MIL não acende em função deste auto-diagnóstico.
Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U18

1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e espere pelo menos 3 segundos.


2. Verifique o DTC da 1a viagem.
Se o DTC de 1a viagem for detectado, vá para: EC-130, “ Procedimento de Diagnóstico” .

EC - 128
DTC U1000, U1001 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN

Diagrama de Elétrico UBS00U19


A

EC

EC - 129
DTC U1000, U1001 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN

Procedimento de Diagnóstico UBS00U1A

Vá para: LAN-23, “Tabela de Especificações do Sistema CAN” .

EC - 130
DTC U1010 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN

DTC U1010 – LINHA DE COMUNICAÇÃO VIA CAN PFP:23710


A

Descrição UBS00U1B

CAN (Rede de Área de Controlador) é uma linha de comunicação em série para aplicação em tempo EC
real. Trata-se de uma linha de comunicação no veículo, multiplexada, com alta velocidade de
comunicação de dados e excelente capacidade de detecção de erros. Há muitas unidades eletrônicas
de controle instaladas em um veículo, e cada unidade de controle compartilha informações e enlaces
C
com outras unidades de controle durante a operação (elas não são independentes). Na comunicação
via CAN, as unidades de controle são conectadas com duas linhas de comunicação (linha CAN H, linha
CAN L) permitindo uma alta razão de transmissão de informações com menos fiação. Cada unidade de
controle transmite/recebe dados, mas lê seletivamente somente os dados necessários. D

Lógica de Diagnóstico de Bordo


Este auto-diagnóstico possui a lógica de detecção de uma viagem (CVT). E
A MIL não acende em função deste auto-diagnóstico (M/T).
Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção de DTC Causa possível
F
Ao detectar erro durante o diagnóstico inicial
U1010 Barra de comunicação CAN • ECM
do controlador CAN do ECM.

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U1C G


1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
2. Verifique o DTC da 1ª viagem.
3. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-131, “ Procedimento de Diagnóstico” . H
Procedimento de Diagnóstico UBS00U1E

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO I
Com o CONSULT-III
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
J
2. Selecione o modo “SELF-DIAG RESULTS” com CONSULT-III.
3. Toque em “APAGAR”.
4. Execute o Procedimento de Confirmação de DTC
K
Consulte: EC-131, “Procedimento de Confirmação de DTC”.
5. O DTC U1010 de 1ª viagem está sendo exibido novamente?
Com o GST L
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
2. Selecione Serviço $04 com GST.
3. Procedimento de Confirmação de DTC M
Consulte: EC-131, “Procedimento de Confirmação de DTC”.
4. O DTC U1010 de 1ª viagem está sendo exibido novamente?
Sim ou Não;
Sim >> VÁ PARA O ITEM 2.
Não >> FIM DA INSPEÇÃO
2. SUBSTITUA O ECM
1. Substitua o ECM.
2. Realize a inicialização do sistema NATS e o registro de todas as identificações de chaves de ignição do NATS.
Consulte: BL-113, “Função de Re-comunicação do ECM” .
3. Execute: EC-62, “Aprendizado da Posição do Pedal do Acelerador Liberado” .
4. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador” .
5. Execute: EC-63, “Aprendizado de Volume de Ar em Marcha Lenta”.
>> FIM DA INSPEÇÃO

EC - 131
DTC P0011 IVT CONTROLE

DTC P0011 IVT CONTROLE PFP:23796


Descrição UBS00U1F
DESCRIÇÃO DO SISTEMA
Sensor Sinal de entrada para o ECM Função do ECM Atuador
Sensor de posição da árvore de manivelas (POS)
Rotações do motor e posição do
Sensor de posição da árvore de comando de Controle do
pistão Controle do ponto da
válvulas (FASE) ponto da
válvula de admissão
Sensor de temperatura do líquido de Temperatura do líquido de válvula de
Válvula solenóide
arrefecimento do motor. arrefecimento do motor: admissão
Sensor da roda Velocidade do veículo*
*: Este sinal é enviado para o ECM pela linha de comunicação CAN.

Este mecanismo controla hidraulicamente as fases do came continuamente com o ângulo fixo de
operação da válvula de admissão. O ECM recebe sinais tais como a posição da árvore de manivelas,
posição da árvore de comando de válvulas, rotações do motor, e temperatura do líquido de
arrefecimento do motor. Em seguida, o ECM envia sinais de serviço de pulso ON/OFF para a válvula
solenóide de controle do ponto da válvula de admissão, dependendo da condição de condução. Isto
torna possível controlar o ponto de fechamento/abertura da válvula de admissão para aumentar o
torque do motor na faixa de baixas/médias rotações e a potência na faixa de alta rotação.
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo DATA MONITOR UBS00U1G

Os dados de especificação são valores de referência.


ITEM A SER
CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
MONITORADO
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta -5° - 5°CA
• Interruptor do ar condicionado:
OFF
INT/V TIM (B1) Quando estiver elevando as rotações
• Alavanca de câmbio: P ou N Approx. 0° - 40°CA
do motor até 2.000 rpm rapidamente
(CVT), Neutra(M/T)
• Sem carga

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 0% - 2%


• Interruptor do ar condicionado:
OFF
INT/V SOL (B1) • Alavanca de câmbio: P ou N Quando estiver elevando as rotações Approx. 0% - 90%
(CVT), Neutra (M/T) do motor até 2.000 rpm rapidamente
• Sem carga

EC - 132
DTC P0011 IVT CONTROLE

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U1H


A

Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção Causa possível


• Sensor de posição da árvore de manivelas (POS) EC
• Sensor de posição da árvore de comando de
válvulas (FASE)
• Válvula solenóide de controle do ponto da
P0011 Desempenho do controle do Há uma folga entre o ângulo desejado e válvula de admissão.
0011 ponto da válvula de admissão o grau do ângulo de controle de fase. • Acúmulo de detritos na parte de captação de
C
sinal da árvore de comando de válvulas
• Instalação da corrente de distribuição
• Material estranho preso na ranhura de óleo para
o controle de ponto da válvula de admissão D

MODO FAIL-SAFE UBS00U1I

E
O ECM entra no modo fail-safe quando o mau funcionamento é detectado.
Itens detectados Condição de operação do motor em modo “fail-safe”
Controle de sincronização da válvula O sinal não é energizado para a válvula solenóide e o controle da válvula não funciona. F
de admissão

Procedimento de Confirmação de um DTC


G
CUIDADO:
Dirija sempre a uma velocidade segura.
NOTA: H
• Se o DTC P0011 for exibido com o DTC P0075, execute primeiramente o diagnóstico de falhas para o DTC
P0075. Consulte: EC-148, “VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DE DTC P0075 IVT”.
I
• Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o interruptor
de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo teste.
CONDIÇÃO DE TESTE: J
Antes de executar o procedimento a seguir, certifique-se de que a tensão da bateria esteja entre 10V e
16V em marcha lenta.
COM O CONSULT-III K

1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação. L
3. Mantenha as seguintes condições por pelo menos 6 segundos consecutivos. Pressione o pedal do acelera-
dor da forma mais constante possível.
ROTAÇÕES DO MOTOR 2.000 rpm (Uma rotação constante é mantida)
M

TEMP/S DO LIQ. ARR. MOT Mais de 60°C (140°F)

B/FUEL SCHDL Mais de 4,25 mseg

Alavanca de câmbio: P ou N (CVT), Neutra (M/T) Posição neutra (M/T)

4. Deixe o motor funcionar em marcha lenta durante 10 segundos.


5. Verifique o DTC da 1ª viagem.
6. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-134, “ Procedimento de Diagnóstico” .
Se o DTC de 1a viagem não for detectado, vá para a próxima etapa.

EC - 133
DTC P0011 IVT CONTROLE

7. Mantenha as seguintes condições por pelo menos 20 segundos consecutivos.


ROTAÇÕES DO MOTOR 1.200 - 3.175 rpm (Uma rotação constante é mantida)

TEMP/S DO LIQ. ARR. MOT Mais de 70°C (158°F)

Alavanca de câmbio: 1a ou 2a posição

Dirigindo o veículo aclive acima (Maior carga sobre o motor ajudará a manter as
Dirigindo aclive acima
condições de direção necessárias à realização deste teste.)

8. Verifique o DTC da 1ª viagem.


9. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-134, “ Procedimento de Diagnóstico”.
COM GST
Siga o procedimento “COM CONSULT-III” acima.
Procedimento de Diagnóstico UBS00U1J

1. VERIFIQUE A LUZ DE AVISO DA PRESSÃO DE ÓLEO


1. Dê a partida no motor.
2. Verifique a luz de advertência de pressão de óleo e certifique-se de
que a mesma não esteja acesa.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Vá para: LU-5, “VERIFICAÇÃO DA PRESSÃO
DE ÓLEO” .

2. VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO


PONTO DA VÁLVULA DE ADMISSÃO.
Consulte: EC-135, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Substitua a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.
3. VERIFIQUE O SENSOR DE POSIÇÃO DA ÁRVORE DE MANIVELAS (POS)
Consulte: EC-279, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Reinstale o sensor de posição da árvore de manivelas(POS)
4. VERIFIQUE O SENSOR DE POSIÇÃO DA ÁRVORE DE COMANDO DEVÁLVULAS (FASE)
Consulte: EC-285, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Reinstale o sensor de posição da árvore de comando de válvulas (FASE)

EC - 134
DTC P0011 IVT CONTROLE

5. VERIFIQUE A ÁRVORE DE COMANDO DE VÁLVULAS (ADMISSÃO) A

Verifique o seguinte.
• Acúmulo de detritos na placa de sinal da extremidade traseira da
EC
árvore de comando de válvulas (1)
• Escamação na placa de sinal da extremidade traseira da árvore de
comando de válvulas.
C
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO >> Remova os detritos e limpe a placa de sinal da D
extremidade traseira da árvore de comando de válvulas ou
substitua a árvore de comando de válvulas.
6. VERIFIQUE A INSTALAÇÃO DA CORRENTE DE DISTRIBUIÇÃO E

Verifique os registros de manutenção quanto a quaisquer reparos recentes que possam ter causado o
desalinhamento da corrente de distribuição.
F
Há registros de algum trabalho de manutenção que possa ter causado o desalinhamento da
corrente de distribuição?
Sim ou Não G
Sim >> Verifique a instalação da corrente de distribuição. Consulte: EM-36, “CORRENTE DE
SINCRONIZAÇÃO” .
OK >> VÁ PARA O ITEM 7. H
7. VERIFIQUE O CIRCUITO DE LUBRIFICAÇÃO
Consulte: EM-47, “INSPEÇÃO APÓS A REMOÇÃO” .
I
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 8.
NEGATIVO >> Limpe a linha de lubrificação J
8. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS QUANTO A INCIDENTES INTERMITENTES” .
K
Para mais informações a respeito do Diagrama de Fiação, consulte: EC-274, “Diagrama de Fiação”
referente ao sensor CKP (POS) e EC-282, “Diagrama Elétrico”.
>> FIM DA INSPEÇÃO L
Inspeção de Componentes UBS00U1K

VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO M


DA VÁLVULA DE ADMISSÃO
1. Desconecte o conector do chicote da válvula solenóide de controle
do ponto da válvula de admissão.
2. Verifique a resistência entre a válvula solenóide de controle do
ponto da válvula de admissão como segue.
Terminal Resistência

1e2 6,7 - 7,7Ω [a 20°C (68°F)]

1 e 2 e terra “ Ω (Não deverá haver continuidade.)

Se NEGATIVO, substitua a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.


Se OK, prossiga para a próxima etapa.
3. Remova a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.

EC - 135
DTC P0011 IVT CONTROLE

4. Aplique 12V DC entre os terminais da válvula solenóide de controle


do ponto da válvula de admissão, em seguida interrompa o forneci-
mento. Certifique-se de que o êmbolo se mova como se vê na
figura.
CUIDADO:
Não aplique 12V DC continuamente por 5 segundos ou mais.
Essa prática poderá resultar em danos à bobina na válvula
solenóide de controle de ponto da válvula de admissão.
Se NEGATIVO, substitua a válvula solenóide de controle do
ponto da válvula de admissão.
NOTA:
Sempre substitua o O-ring quando a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de
admissão for removida.

Remoção e Instalação UBS00U1L

VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO DA VÁLVULA DE ADMISSÃO


Consulte: EM-44, “ÁRVORE DE COMANDO DAS VÁLVULAS” .

EC - 136
DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1

DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1 PFP:22693


A

Descrição UBS00U1M

DESCRIÇÃO DO SISTEMA EC

Sensor Sinal de entrada para o ECM Função do ECM Atuador

Sensor de posição da árvore de C


comando de válvulas (FASE) Sensor de Rotações do motor: Controle do aquecedor do Aquecedor do sensor 1 da
posição da árvore de manivelas (POS) sensor 1 da razão ar/ razão ar/combustível (A/F)
combustível (A/F)
Sensor de fluxo de massa de ar Quantidade de ar de entrada D
O ECM executa o controle de serviço ON/OFF do aquecedor do sensor 1 de A/F correspondente à
condição de operação do motor para manter a temperatura do elemento do sensor 1 de A/F na faixa
especificada. E
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U1N

Os dados de especificação são valores de referência. F


ITEM A SER MONITORADO CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO

• Motor: Após o aquecimento, mantenha o motor em marcha lenta


A/F S1 HTR (B1) 4 - 100%
(Mais de 140 segundos após dar a partida no motor) G

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U1O

Nº. do DTC
Nome do diagnóstico
Condição de detecção de DTC Causa possível
H
de falhas
Controle do A corrente atual no circuito do aquecedor do • Chicote ou conectores.[O circuito do
aquecedor do sensor 1 da relação ar/combustível está fora da aquecedor do sensor 1 da relação ar/
P0031 sensor 1 da relação faixa normal. [Um sinal de tensão excessivamente combustível (A/F) está aberto ou em curto.] I
0031 ar/combustível (A/F) baixa é enviado ao ECM pelo aquecedor do • Aquecedor do sensor 1 da relação ar/
– circuito baixo sensor 1 da relação ar/combustível (A/F).] combustível (A/F)
Controle do A corrente atual no circuito do aquecedor do sensor • Chicote ou conectores.[O circuito do J
aquecedor do 1 da relação ar/combustível (A/F) está fora da faixa aquecedor do sensor 1 da relação ar/
P0032
sensor 1 da relação normal. [Um sinal de tensão excessivamente alta é combustível (A/F) está em curto.]
0032
ar/combustível (A/F) enviado ao ECM pelo aquecedor do sensor 1 da • Aquecedor do sensor 1 da relação ar/
– circuito alto relação ar/combustível (A/F).] combustível (A/F) K
Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U1P

NOTA: L
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste. M
CONDIÇÃO DE TESTE:
Antes de executar o procedimento a seguir, certifique-se de que a tensão da bateria seja de 11V em
marcha lenta.
1. Dê a partida no motor e deixe-o funcionar por pelo menos 10 segundos em marcha lenta.
2. Verifique o DTC da 1ª viagem.
3. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-139, “ Procedimento de Diagnóstico” .

EC - 137
DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1

Diagrama Elétrico UBS00U1Q

BBWA2956E

EC - 138
DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. O sinal A
de pulso é medido por CONSULT-III.
CUIDADO: EC
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento. C
COR
TERMI- ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
DO
NAL Nº.
FIO
D
Aproximadamente 2,9 – 8,8V

[O motor está funcionando] E


3 Marrom/ Aquecedor do sensor 1 de A/F • Condição de aquecimento
Branco • Marcha lenta(Mais de 140 segundos
após ter sido dada a partida no motor)
F

Azul/ [O motor está funcionando] Aproximadamente 1,8V


49 Vermelho Sensor 1 de A/F • Condição de aquecimento A tensão de saída varia com a G
• Rotações do motor: 2.000 rpm razão ar/combustível.

53 Azul/Verde Sensor 1 de A/F [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 2,2V


H
*: Tensão média para sinal de pulso (O sinal real de pulso pode ser confirmado pelo osciloscópio.)
Procedimento de Diagnóstico UBS00U1R

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA I

1. Interruptor de ignição em OFF


2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria. J
Consulte: EC-127, “Inspeção do Aterramento” .
- Frente do veículo
- Aterramento da carroçaria (1) K
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de L
aterramento.

EC - 139
DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1

2. VERIFIQUE O CIRCUITO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA DO SENSOR 1 DA


RELAÇÃO AR/COMBUSTÍVEL (A/F)
1. Desconecte o conector do chicote do sensor 1 da relação ar/
combustível (A/F)
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
- Sensor 1 da relação ar/combustível (A/F) (2)

3. Verifique a tensão entre o terminal 4 do sensor 1 de A/F e o


aterramento com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 3.

3. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA


Verifique o seguinte.
• Conectores E3 e F2 do chicote.
• Fusível de 10A
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o sensor 1 de A/F e o fusível
>> Repare ou substitua o chicote ou os conectores.
4. VERIFIQUE O CIRCUITO DO SINAL DE SAÍDA DO AQUECEDOR DO SENSOR 1
DE A/F
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 3 do ECM e o terminal 3 do sensor 1 de A/F. Consulte o
Diagrama Elétrico.
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.
5. VERIFIQUE O AQUECEDOR DO SENSOR 1 DE A/F
Consulte: EC-141, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO >> Substitua o sensor 1 da relação ar/combustível (A/F).

EC - 140
DTC P0031, P0032 A/F AQUECEDOR DO SENSOR 1

6. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE A

Execute EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .


>> FIM DA INSPEÇÃO EC
Inspeção de Componentes UBS00U1S

AQUECEDOR DO SENSOR 1 DA RAZÃO AR/COMBUSTÍVEL (A/F)


C
1. Verifique a resistência entre os terminais do sensor 1 de A/F como
segue.
Terminal Nº. Resistência D
3e4 1,8 - 2,44 Ω [a 25°C (77°F)]
3 e 1, 2 Ω
4 e 1, 2 (Não deverá haver continuidade) E

2. Se NEGATIVO, substitua o sensor 1 da razão ar/combustível


(A/F). F
CUIDADO:
• Descarte qualquer sensor de A/F que tenha caído de uma
G
altura maior do que 0,5 m (19,7 pol.) sobre uma superfície
dura tal como um piso de concreto; utilize um novo.
• Antes de instalar um novo sensor de A/F, limpe as roscas
do sistema de escapamento usando a ferramenta de Limpe- H
za de Roscas de Sensor de Oxigênio Aquecido e Lubrifican-
te Anti-engripamento aprovado.
I

J
Remoção e Instalação UBS00U1T

AQUECEDOR DO SENSOR DA RELAÇÃO AR/COMBUSTÍVEL


K
Consulte: EM-20, “COLETOR DE ESCAPAMENTO”.

EC - 141
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR PFP:226A0

Descrição UBS00U1U

DESCRIÇÃO DO SISTEMA
Sensor Sinal de entrada para o ECM Função do ECM Atuador
Sensor de posição da árvore de comando
de válvulas (FASE) Rotações do motor:
Sensor de posição da árvore de manivelas (POS) Controle do aquecedor
do sensor 2 de oxigênio Controle do aquecedor do
Sensor de temperatura do líquido de Temperatura do líquido de sensor 2 de oxigênio aquecido
arrefecimento do motor. arrefecimento do motor: aquecido

Sensor de fluxo de massa de ar Quantidade de ar de entrada

O ECM executa o controle ON/OFF do aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido correspondente às


rotações do motor, quantidade de ar de entrada e temperatura do líquido de arrefecimento do motor.
OPERAÇÃO
• Rotações do motor: Controle do aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
Acima de 3.600 OFF

• Abaixo de 3.600 rpm depois que as condições a seguir forem atendidas.


- Motor: Após o aquecimento ON
- Mantendo as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm por 1 minuto e em
marcha lenta por 1 minuto sem carga

Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U1V

Os dados de especificação são valores de referência.


ITEM A SER
CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
MONITORADO
• Rotações do motor: Abaixo de 3.600 rpm depois que as condições a
seguir forem atendidas.
- Motor: Após o aquecimento ON
HO2S2 HTR (B1) - Mantendo as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm por 1 minuto e
em marcha lenta por 1 minuto sem carga

• Rotações do motor: Acima de 3.600 rpm. OFF

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U1W

Nº. do Nome do diagnóstico


DTC de falhas Condição de detecção de DTC Causa possível

Circuito de controle A corrente atual no circuito do aquecedor do sensor 2 • Chicote ou conectores.[O circuito do
P0037 do aquecedor do de oxigênio aquecido (A/F) está fora da faixa normal. aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
0037 sensor 2 de oxigê- ([Um sinal de tensão excessivamente baixa é enviado
está aberto ou em curto.]
ao ECM pelo aquecedor do sensor 2 de oxigênio
nio aquecido - baixo • Aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
aquecido.)
Circuito de controle A corrente atual no circuito do aquecedor do sensor 2 • Chicote ou conectores.[O circuito do
do aquecedor do de oxigênio aquecido está fora da faixa normal. ([Um
P0038 aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
sensor 2 de sinal de tensão excessivamente alta é enviado ao
0038 ECM pelo aquecedor do sensor 2 de oxigênio está aberto ou em curto.]
oxigênio aquecido -
aquecido.) • Aquecedor do sensor 2 de oxigênio aquecido
alto

EC - 142
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U1X


A

NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o EC
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste.
CONDIÇÃO DE TESTE: C
Antes de executar o procedimento a seguir, certifique-se de que a tensão da bateria seja de 11V
em marcha lenta.
D
COM O CONSULT-III
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação. E
3. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos.
4. Dê a partida no motor e mantenha as rotações do motor entre 3.500 e 4.000 rpm durante pelo menos 1
F
minuto sem carga.
5. Deixe o motor funcionar em marcha lenta durante 1 minuto.
6. Verifique o DTC da 1ª viagem. G
7. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-144, “ Procedimento de Diagnóstico” .
COM O GST
Siga o procedimento “COM CONSULT-III” acima. H

EC - 143
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

Diagrama Elétrico UBS00U1Y

EC - 144
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. O sinal A
de pulso é medido por CONSULT-III.
CUIDADO:
EC
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento.
C
COR
TERMI- ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)*
DO
NAL Nº.
FIO
D
Aproximadamente 10V
[O motor está funcionando]
• Rotações do motor: Abaixo de 3.600 rpm
depois que as condições a seguir forem
E
atendidas.
- Motor: Após o aquecimento
- Mantendo as rotações do motor entre 3.500
5 Preto/ Aquecedor do sensor 2 e 4.000 rpm por 1 minuto e em marcha lenta
Branco de oxigênio aquecido por 1 minuto sem carga F

[Interruptor de ignição: ON]


• Motor parado TENSÃO DA BATERIA (11 – 14V)
G
[O motor está funcionando]
• Rotações do motor: Acima de 3.600 rpm.

H
[O motor está funcionando]
• Elevando as rotações do motor da marcha
lenta a 3.000 rpm rapidamente, depois que
50 Verde Sensor 2 de oxigênio as seguintes condições forem atendidas: 0 - Aproximadamente 1,0V I
aquecido - Motor: Após o aquecimento
- Mantendo as rotações do motor entre 3.500
e 4.000 rpm por 1 minuto e em marcha lenta
por 1 minuto sem carga J

Aterramento do [O motor está funcionando]


59 Preto/ • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
sensor(Sensor 2 de K
Amarelo • Marcha lenta
oxigênio aquecido)

*: Tensão média para sinal de pulso (O sinal real de pulso pode ser confirmado pelo osciloscópio.)
L
Procedimento de Diagnóstico UBS00U1Z

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. M
2. Afrouxe e reaperte o parafuso do aterramento na carroçaria. Consul-
te: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento na carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

EC - 145
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

2. VERIFIQUE O CIRCUITO DA FONTE DE ENERGIA DE HOSS2


1. Conector do chicote do aquecedor do sensor 2 de oxigênio aque-
cido (2).
- : Frente do veículo
- Sensor 2 de oxigênio aquecido (1)
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.

3. Verifique a tensão entre o terminal 2 do HO2S2 e o aterramento


com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 3.

3. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA


Verifique o seguinte.
• Fusível de 10A
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o sensor 2 de oxigênio aquecido e o fusível
>> Repare o circuito aberto ou o curto para o terra no chicote ou nos conectores.
4. VERIFIQUE O CIRCUITO DO SINAL DE SAÍDA DE HO2S2 QUANTO A
ABERTURA OU CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 5 do ECM e o terminal 3 do HO2S2. Consulte o Diagra-
ma Elétrico.
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no
chicote ou conectores.
5. VERIFIQUE O AQUECEDOR DO SENSOR 2 DE OXIGÊNIO AQUECIDO
Consulte: EC-147, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO >> Substitua o sensor 2 de oxigênio aquecido.

EC - 146
DTC P0037, P0038, HO2S2 AQUECEDOR

6. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE A

Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTES INTERMITENTES” .


>> FIM DA INSPEÇÃO EC
Inspeção de Componentes UBS00U20

AQUECEDOR DO SENSOR 2 DE OXIGÊNIO AQUECIDO


C
1. Verifique a resistência entre os terminais do HO2S2 como
segue.
Terminal Nº. Resistência D
2e3 3,4 - 4,4 Ω [a 25°C (77°F)]
1 e 2, 3, 4 Ω
4 e 1, 2, 3 (Não deverá haver continuidade) E

2. NEGATIVO >> substitua o sensor 2 de oxigênio aquecido.


CUIDADO: F

• Descarte qualquer sensor de oxigênio aquecido que tenha caído


de uma altura de mais de 0,5 m (19,7 pol.) em uma superfície
dura, como por exemplo, um piso de concreto; utilize um sensor G
novo.
• Antes de instalar um novo sensor de oxigênio, limpe as roscas
do sistema de escape usando a ferramenta de Limpeza de H
Roscas de Sensor de Oxigênio e lubrificante anti-engripamento
aprovado.
I

J
Remoção e Instalação UBS00U21

SENSOR 2 DE OXIGÊNIO AQUECIDO K


Consulte: EM-20, “COLETOR DE ESCAPAMENTO”.

EC - 147
DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE

DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE PFP:23796

Descrição de Componentes UBS00U22

A válvula solenóide de controle de ponto da válvula de admissão


é ativada pelos sinais ON/OFF de pulso de serviço (razão) do
ECM.
A válvula solenóide de controle de ponto da válvula de
admissão muda a quantidade de óleo e a direção do fluxo por
meio da unidade de controle de ponto da válvula de admissão
ou interrompe o fluxo de óleo.
A maior largura do pulso avança o ângulo da válvula.
A menor largura do pulso atrasa o ângulo da válvula.
Quando as larguras dos pulsos ON e OFF se equivalem, a
válvula solenóide interrompe o fluxo da pressão de óleo para
fixar o ângulo da válvula de admissão na posição de controle.
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U23

Os dados de especificação são valores de referência.


ITEM A SER MONI-
CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
TORADO (UNIDADE)
Marcha lenta 0% - 2%
• Motor: Após o aquecimento
• Interruptor do ar condicionado: OFF
INT/V SOL (B1) • Alavanca de câmbio: P ou N (CVT), Quando estiver elevando as rotações Aproximadamente 0% - 90%
Neutra (M/T) do motor até 2.000 rpm rapidamente
• Sem carga

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U24

Nº. do Nome do diagnóstico


Condição de detecção de DTC Causa possível
DTC de falhas
• Chicote ou conectores (O circuito da válvula
Válvula solenóide de Uma tensão inadequada é enviada ao ECM solenóide de controle do ponto da válvula
P0075 controle do ponto da através da válvula solenóide de controle de de admissão está aberto ou em curto.).
0075 válvula de admissão. ponto da válvula de admissão. • Válvula solenóide de controle do ponto da
válvula de admissão.

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U25

NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o
próximo teste.
1. Deixe o motor funcionar em marcha lenta durante 5 segundos.
2. Verifique o DTC da 1ª viagem.
3. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-151, “ Procedimento de Diagnóstico” .

EC - 148
DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE

Diagrama Elétrico UBS00U26 A

EC

EC - 149
DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. O
sinal de pulso é medido por CONSULT-III.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM como, por exemplo, cabo de aterramento.
COR
TERMI-
DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
NAL Nº.
FIO

[O motor está funcionando]


[Interruptor de ignição: OFF] 0 – 1,0V
• Por alguns segundos após colocar o interruptor
32 Vermelho/ Relé de ECM de ignição da posição OFF:
Verde (Auto-desligamento)
[Interruptor de ignição: OFF]
TENSÃO DA BATERIA
• Mais do que alguns segundos após colocar o
(11 – 14V)
interruptor de ignição na posição OFF:

[O motor está funcionando] TENSÃO DA BATERIA


• Condição de aquecimento (11 – 14V)
• Marcha lenta

7 - 10V*
73 Amarelo/ Válvula solenóide de
Vermelho controle do ponto da [O motor está funcionando]
válvula de admissão.
• Condição de aquecimento
• Quando estiver elevando as rotações do motor
até 2.000 rpm rapidamente

Fornecimento de energia TENSÃO DA BATERIA


105 Verde [Interruptor de ignição: ON]
para o ECM (11 – 14V)

★: Tensão média para sinal de pulso (O sinal real de pulso pode ser confirmado pelo osciloscópio.)

EC - 150
DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE

Procedimento de Diagnóstico UBS00U27


A

1. VERIFIQUE O CIRCUITO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA DA VÁLVULA


SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO DA VÁLVULA DE ADMISSÃO. EC
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Desconecte o conector do chicote da válvula solenóide (1) de
controle do ponto da válvula de admissão. C
3. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.

4. Verifique a tensão entre o terminal 1 da válvula solenóide de F


controle de ponto da válvula de admissão e o aterramento com o
CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria G
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
H
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 2.

2. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA I


Verifique o seguinte.
• Conectores E17 e F10 do chicote.
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre a válvula solenóide de controle de ponto da válvula J
de admissão e IPDM E/R
>> Repare ou substitua o chicote ou os conectores.
K
3. VERIFIQUE O CIRCUITO DE SAÍDA DA VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO
PONTO DA VÁLVULA DE ADMISSÃO QUANTO A ABERTURA OU CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. L
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 73 do ECM e o terminal 2 da válvula solenóide de controle
do ponto da válvula de admissão. Consulte o Diagrama Elétrico. M
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.
4. VERIFIQUE A VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO DA VÁLVULA DE
ADMISSÃO.
Consulte: EC-152, “INSPEÇÃO DE COMPONENTES” .
OK ou NEGATIVO
OK > >VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO > >Substitua a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.

EC - 151
DTC P0075 IVT VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE
5. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTES INTERMITENTES” .
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U28

VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO DA VÁLVULA DE ADMISSÃO.


1. Desconecte o conector do chicote da válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão.
2. Verifique a resistência entre a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de admissão como segue.
Terminal Resistência
1e2 6,7 - 7,7Ω [a 20°C (68°F)]

Ω (Não deverá haver


1 ou 2 e terra
continuidade.)

Se NEGATIVO >> Substitua a válvula solenóide de controle do


ponto da válvula de admissão.
Se OK, prossiga para a próxima etapa.
3. Remova a válvula solenóide de controle do ponto da válvula de
admissão.
4. Aplique 12V DC entre os terminais da válvula solenóide de controle
do ponto da válvula de admissão, em seguida interrompa o
fornecimento. Certifique-se de que o êmbolo se mova conforme
se vê na figura.
CUIDADO:
Não aplique 12V DC continuamente por 5 segundos ou
mais. Essa prática poderá resultar em danos à bobina na
válvula solenóide de controle da válvula de admissão.
Se NEGATIVO >> substitua a válvula solenóide de controle do
ponto da válvula de admissão.
NOTA:
Sempre substitua o anel-O quando a válvula solenóide de
controle do ponto da válvula de admissão for removida.
Remoção e Instalação UBS00U29

VÁLVULA SOLENÓIDE DE CONTROLE DO PONTO


DA VÁLVULA DE ADMISSÃO.
Consulte: EM-36, “CORRENTE DE SINCRONIZAÇÃO” .

EC - 152
DTC P0101 MAF SENSOR

DTC P0101 MAF SENSOR PFP:22680


A

Descrição de Componentes UBS00U2A

O sensor de fluxo de massa de ar (1) é colocado no curso do ar de EC


entrada. Ele mede a taxa de ar de entrada, medindo uma parte de todo
o fluxo de entrada. O sensor de fluxo de massa de ar controla a
temperatura do fio quente até certo ponto. O calor gerado pelo fio
C
quente é reduzido devido à medida que o ar de entrada flui ao seu
redor. Quanto mais ar, maior será a perda de calor.
Portanto, a corrente elétrica fornecida ao fio quente é modificada para
D
manter a temperatura do fio quente à medida que o fluxo de ar aumen-
ta. O ECM detecta o fluxo de ar por meio desta mudança de corrente.
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U2B
E
Os dados de especificação são valores de referência.
ITEM A SER
CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
MONITORADO
MAS A/F SE-B1 • Consulte: EC-111 “DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO” . F
• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 10% - 35%
• Alavanca de câmbio: P ou N (CVT),
CAL/LD VALUE Neutra (M/T) G
• Interruptor do ar condicionado: OFF 2.500 rpm 10% - 35%
• Sem carga

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 1,0 -4,0 g·m/s


• Alavanca de câmbio: P ou N (CVT),
H
MASS AIRFLOW Neutra (M/T)
• Interruptor do ar condicionado: OFF 2.500 rpm 4,0 - 10,0 g·m/s
• Sem carga
I
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U2C

Nº. do DTC Nome do diagnóstico Condição de detecção de DTC Causa possível


• Chicote ou conectores (O circuito J
do sensor de fluxo de massa de ar
Uma alta tensão do sensor é enviada ao ECM está aberto ou em curto.)
A) em condição de direção de carga leve • Sensor de fluxo de massa de ar
• Sensor de temperatura de ar de K
entrada
Faixa/desempenho do
P0101 circuito do sensor de • Chicote ou conectores (O circuito
0101 fluxo de massa de ar do sensor de fluxo de massa de ar
está aberto ou em curto.) L
B) Uma baixa tensão do sensor é enviada ao ECM • Vazamentos de ar de entrada
em condição de direção de carga pesada • Sensor de fluxo de massa de ar
• Sensor de temperatura de ar de
entrada M
Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U2D

Execute primeiramente o PROCEDIMENTO REFERENTE AO MAU FUNCIONAMENTO A.


Se o DTC não puder ser confirmado, execute o PROCEDIMENTO REFERENTE AO MAU
FUNCIONAMENTO B.
NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o
próximo teste.
PROCEDIMENTO REFERENTE AO MAU FUNCIONAMENTO A
NOTA:
Se o motor não der partida ou parar de funcionar logo, espere pelo menos 10 segundos com o motor parado
(Interruptor de ignição ON) ao invés de deixar o motor funcionando em marcha lenta.
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação.
Deixe-o funcionar por pelo menos 10 segundos em marcha lenta.
EC - 153
DTC P0101 MAF SENSOR

3. Verifique o DTC da 1ª viagem.


4. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-157, “ Procedimento de Diagnóstico” .
PROCEDIMENTO REFERENTE AO MAU FUNCIONAMENTO B
CUIDADO:
Dirija sempre a uma velocidade segura.
Com o CONSULT-III
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal
de operação.
Se não for possível dar a partida no motor, vá para: EC-157,
Procedimento de Diagnóstico” .
3. Selecione o modo “DATA MONITOR” com o CONSULT-III.
4. Verifique a tensão de “MAS A/F SE-B1” com “DATA MONITOR”.
5. Eleve as rotações do motor para aproximadamente 4.000 rpm.
6. Monitore o crescimento linear da tensão em resposta aos aumentos
das rotações do motor.
Se NEGATIVO >> vá para: EC-157, “Procedimento de
Diagnóstico” .
SE OK, vá para a próxima etapa.

7. Mantenha as seguintes condições por pelo menos 10 segundos


consecutivos.
ROTAÇÕES DO MOTOR Mais de 2.000 rpm

THRTL SEN 1 Mais de 3V


THRTL SEN 2 Mais de 3V
Alavanca de câmbio: Posição adequada
A direção do veículo aclive acima (carga do motor
Local de condução aumentada) ajudará a manter as condições de
condução necessárias para este teste.

8. Verifique o DTC da 1ª viagem.


9. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-157, “ Procedimento de Diagnóstico” .
Verificação Geral das Funções UBS00U2E

PROCEDIMENTO REFERENTE AO MAU FUNCIONAMENTO B


Use este procedimento para verificar a função geral do circuito do sensor de fluxo de massa de ar.
Durante esta verificação, poderá não ser necessário confirmar um 1o DTC.
Com o GST
Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação.

EC - 154
DTC P0101 MAF SENSOR

2. Selecione Serviço $01 com GST. A


3. Verifique o sinal do sensor de fluxo de massa de ar com Serviço
$01.
4. Verifique o crescimento linear do valor do sinal do sensor de fluxo EC
de massa de ar em resposta às elevações de rotações do motor
até aproximadamente 4.000 rpm.
5. Se NEGATIVO >> vá para: EC-157, “Procedimento de Diagnóstico” . C

EC - 155
DTC P0101 MAF SENSOR

Diagrama Elétrico UBS00U2F

EC - 156
DTC P0101 MAF SENSOR

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. A
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática EC
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM como, por exemplo, o cabo de aterramento.
TERMI- COR C
NAL DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
Nº. FIO

[O motor está funcionando]


[Interruptor de ignição: OFF]
D
0 – 1,0V
• Por alguns segundos após colocar o interruptor de
Relé de ECM ignição na posição OFF:
32 Vermelho/ (Auto-desligamento)
Verde E
[Interruptor de ignição: OFF] TENSÃO DA BATERIA
• Mais do que alguns segundos após colocar o (11 – 14V)
interruptor de ignição na posição OFF:

[Interruptor de ignição: ON] F


Aproximadamente 0,4V
• Motor parado

[O motor está funcionando]


0,9 – 1,2V
G
• Condição de aquecimento
• Marcha lenta
Sensor de fluxo de
45 Violeta massa de ar 0,9 - 1,2 a aproximadamente
[O motor está funcionando] 2,4 V (Verifique quanto ao H
• Condição de aquecimento crescimento linear de tensão
• As rotações do motor estão sendo elevadas da em resposta ao aumento das
marcha lenta a aproximadamente 4.000 rpm. rotações do motor para
aproximadamente 4.000 rpm. I

Aterramento do sensor [O motor está funcionando]


52 Preto/Branco (Sensor de fluxo de • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
massa de ar) • Marcha lenta J

105 Fornecimento de [Interruptor de ignição ON] TENSÃO DA BATERIA


Verde
energia para o ECM (11 – 14V)
K
Procedimento de Diagnóstico UBS00U2G

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO L
Qual é o mau funcionamento reproduzido (A ou B)?
A ou B;
A >> VÁ PARA O ITEM 3. M
B >> VÁ PARA O ITEM 2.
2. VERIFIQUE QUANTO A VAZAMENTOS DE AR DE ENTRADA
Verifique os seguintes itens quanto às conexões.
• Duto de ar
• Mangueiras de vácuo
• Passagem de ar de entrada entre o duto de ar e a tubulação de admissão
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Reconecte as peças

EC - 157
DTC P0101 MAF SENSOR

3. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento na carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

4. VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO DA FONTE DE ENERGIA DO SENSOR MAF


1. Desconecte o conector do chicote do sensor(1) de fluxo de massa de ar (MAF).
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
3. Verifique a tensão entre o terminal 2 do sensor MAF e o aterramento
com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 5.

5. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA

Verifique o seguinte.
• Conectores E17 e F10 do chicote.
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o sensor de fluxo de massa de ar e
IPDM E/R.
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o sensor de fluxo de massa de ar e ECM.
>> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote ou
conectores.

EC - 158
DTC P0101 MAF SENSOR

6. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO SENSOR MAF QUANTO A A


CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. EC
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 3 do sensor MAF e o terminal 52 do ECM. Consulte o
Diagrama Elétrico. C
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
D
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 7.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote E
ou conectores.
7. VERIFIQUE O CIRCUITO DO SINAL DE ENTRADA DO SENSOR MAF QUANTO
A CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO F
1. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 4 do sensor MAF e o terminal 45 do ECM.
Consulte o Diagrama Elétrico.
G
Deverá haver continuidade.
2. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO H
OK >> VÁ PARA O ITEM 8.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
I
ou conectores.
8. VERIFIQUE O SENSOR D
NEGATIVO >> Substitua o sensor de fluxo de massa de ar (com o sensor de temperatura de ar de J
entrada).
9. VERIFIQUE O SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR
K
Consulte: EC-160, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 10. L
NEGATIVO >> Substitua o sensor de fluxo de massa de ar.
10. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
M
Execute EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .
>> FIM DA INSPEÇÃO

EC - 159
DTC P0101 MAF SENSOR

Inspeção de Componentes UBS00U2H

SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR


Com o CONSULT-III
1. Reconecte todos os conectores do chicote que estiverem desconectados.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação.
3. Conecte CONSULT-III e selecione o modo “DATA MONITOR”.
4. Selecione “MAS A/F SE-B1” e verifique a indicação nas seguintes condições.
Condição MAS A/F SE-B1 (V)
Interruptor de ignição ON (Motor parado.) Aproximadamente 0,4

Marcha lenta (O motor é aquecido até atingir a


0,9 - 1,2
temperatura normal de operação.)
De marcha lenta até aproximadamente 4.000 rpm. 0,9 - 1,2 a 2,4*

*: Verifique quanto ao crescimento linear de tensão em resposta ao aumento das rotações do motor para
aproximadamente 4.000 rpm.
5. Se a tensão estiver fora da especificação, tome as medidas a seguir.
a. Verifique a causa de um fluxo de ar irregular através do sensor de fluxo de massa de ar Verifique o seguinte.
• Dutos de ar esmagados
• Mau funcionamento da vedação do elemento do filtro de ar
• Sujeira irregular no elemento do filtro de ar
• Especificação inadequada das peças do sistema de ar de entrada
b. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça que apresenta mau funcionamento e execute as etapas 2 a 4
novamente.
Se OK, prossiga para a próxima etapa.
6. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
7. Desconecte o conector do chicote do sensor de fluxo de massa de ar e reconecte o mesmo.
8. Execute as etapas 2 a 4 novamente.
9. Se NEGATIVO, limpe ou substitua o sensor de fluxo de massa de ar.
Sem o CONSULT-III
1. Reconecte todos os conectores do chicote que estiverem desconectados.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação.
3. Verifique a tensão entre o terminal 45 do ECM (sinal do sensor de fluxo de massa de ar) e o terra.
Condição Tensão V

Interruptor de ignição ON (Motor parado.) Aproximadamente 0,4.


Marcha lenta (O motor é aquecido até atingir a
temperatura normal de operação.) 0,9 - 1,2

De marcha lenta até aproximadamente 4.000 rpm. 0,9 - 1,2 a 2,4*

*: Verifique quanto ao crescimento linear de tensão em resposta ao


aumento das rotações do motor para aproximadamente 4.000 rpm.

EC - 160
DTC P0101 MAF SENSOR

4. Se a tensão estiver fora da especificação, tome as medidas a seguir. A


a. Verifique a causa de um fluxo de ar irregular através do sensor de fluxo de massa de ar. Verifique o seguinte.
• Dutos de ar esmagados
EC
• Mau funcionamento da vedação do elemento do filtro de ar
• Sujeira irregular no elemento do filtro de ar
• Especificação inadequada das peças do sistema de ar de entrada C
b. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça que apresenta mau funcionamento e execute as etapas 2 e 3
novamente.
Se OK, prossiga para a próxima etapa. D
5. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
6. Desconecte o conector do chicote do sensor de fluxo de massa de ar e reconecte o mesmo.
7. Execute as etapas 2 e 3 novamente. E
8. Se NEGATIVO, limpe ou substitua o sensor de fluxo de massa de ar.
Remoção e Instalação UBS00U2I
F
SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR
Consulte: EM-15, FILTRO DE AR E DUTO DE AR” .
G

EC - 161
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

DTC P0102, P0103 MAF SENSOR PFP:22680

Descrição de Componentes UBS00U2J

O sensor de fluxo de massa de ar (1) é colocado no curso do ar


de entrada. Ele mede a taxa de ar de entrada, medindo uma parte
de todo o fluxo de entrada. O sensor de fluxo de massa de ar
controla a temperatura do fio quente até certo ponto. O calor
gerado pelo fio quente é reduzido em razão do fluxo do ar de
entrada ao seu redor. Quanto mais ar, maior será a perda de
calor.
Portanto, a corrente elétrica fornecida ao fio quente é modificada
para manter a temperatura do fio quente à medida que o fluxo de
ar aumenta. O ECM detecta o fluxo de ar por meio desta
mudança de corrente.
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U2K

Os dados de especificação são valores de referência.


ITEM A SER
CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
MONITORADO
MAS A/F SE-B1 • Consulte: EC-111 “DIAGNÓSTICO DE FALHAS - VALOR DE ESPECIFICAÇÃO” .

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 10% - 35%


• Alavanca de câmbio: P ou N (CVT),
CAL/LD VALUE Neutra (M/T)
• Interruptor do ar condicionado: OFF 2.500 rpm 10% - 35%
• Sem carga

• Motor: Após o aquecimento Marcha lenta 1,0 -4,0 g·m/s


• Alavanca de câmbio: P ou N (CVT),
MASS AIRFLOW Neutra (M/T)
• Interruptor do ar condicionado: OFF 2.500 rpm 4,0 - 10,0 g·m/s
• Sem carga

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U2L

Estes auto-diagnósticos possuem a lógica de detecção de uma viagem.


Nº. do Nome do diagnóstico
Condição de detecção de DTC Causa possível
DTC de falhas

• Chicote ou conectores.(O circuito do sensor


Baixa entrada no de fluxo de massa de ar está aberto ou em
P0102
sensor de fluxo de Uma tensão excessivamente baixa do sensor é curto.)
0102
massa de ar enviada ao ECM. • Vazamentos de ar de entrada
• Sensor de fluxo de massa de ar

• Chicote ou conectores.(O circuito do sensor


P0103 Alta entrada no
Uma tensão excessivamente alta do sensor é de fluxo de massa de ar está aberto ou em
0103 sensor de fluxo de
enviada ao ECM. curto.)
massa de ar
• Sensor de fluxo de massa de ar

MODO FAIL-SAFE
Quando o mau funcionamento é detectado, o ECM entra no modo fail-safe e a MIL acende.

Itens detectados Condição de operação do motor em modo “fail-safe”


O número de rotações do motor não se elevará acima de 2,400 rpm devido
Circuito do sensor de fluxo de massa de ar
ao corte de combustível

EC - 162
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U2M


A

NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de um DTC tiver sido realizado anteriormente, sempre coloque o EC
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 minutos antes de realizar o próximo teste.
PROCEDIMENTO PARA DTC P0102
C
1. Dê a partida no motor e espere pelo menos 5 segundos.
2. Verifique o DTC.
3. Se DTC for detectado, vá para: EC-165, “Procedimento de Diagnóstico” .
D
PROCEDIMENTO PARA DTC P0103
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e espere pelo menos 5 segundos.
2. Verifique o DTC. E
3. Se DTC for detectado, vá para: EC-165, “Procedimento de Diagnóstico” . Se DTC não for detectado, vá para a
próxima etapa.
4. Dê a partida no motor e espere pelo menos 5 segundos. F
5. Verifique o DTC.
6. Se DTC for detectado, vá para: EC-165, “Procedimento de Diagnóstico” .
G

EC - 163
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

Diagrama Elétrico UBS00U2N

EC - 164
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. A
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática EC
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento.

TERMI- COR C
NAL DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
Nº. FIO

[O motor está funcionando] D


[Interruptor de ignição: OFF]
0 – 1,0V
• Por alguns segundos após colocar o interruptor de
Relé de ECM ignição na posição OFF:
32 Vermelho/ (Auto-desligamento) E
Verde [Interruptor de ignição: OFF] TENSÃO DA BATERIA
• Mais do que alguns segundos após colocar o (11 – 14V)
interruptor de ignição na posição OFF:
F
[Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 0,4V
• Motor parado

[O motor está funcionando] G


• Condição de aquecimento 0,9 – 1,2V
• Marcha lenta
Sensor de fluxo de
45 Violeta massa de ar 0,9 - 1,2 a aproximadamente H
[O motor está funcionando] 2,4 V (Verifique quanto ao
• Condição de aquecimento crescimento linear de tensão
• As rotações do motor estão sendo elevadas da em resposta ao aumento das
marcha lenta a aproximadamente 4.000 rpm. rotações do motor para I
aproximadamente 4.000 rpm.

Aterramento do sensor [O motor está funcionando]


52 Preto/Branco (Sensor de fluxo de • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
J
massa de ar) • Marcha lenta

105 Fornecimento de [Interruptor de ignição ON] TENSÃO DA BATERIA


Verde
energia para o ECM (11 – 14V) K

Procedimento de Diagnóstico UBS00U2O

1. INÍCIO DA INSPEÇÃO L
Qual mau funcionamento (P0102 ou P0103) é reproduzido?
P0102 ou P0103
M
P0102 >> VÁ PARA O ITEM P0102.
P0103 >> VÁ PARA O ITEM 3.
2. VERIFIQUE O SISTEMA DE ADMISSÃO
Verifique os seguintes itens quanto às conexões.
• Duto de ar
• Mangueiras de vácuo
• Passagem de ar de entrada entre o duto de ar e a tubulação de admissão
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Reconecte as peças

EC - 165
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

3. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento na carroceria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

4. VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO DA FONTE DE ENERGIA DO SENSOR MAF


1. Desconecte o conector do chicote do sensor (1) de fluxo de massa de ar (MAF).
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.

3. Verifique a tensão entre o terminal 2 do sensor MAF e o aterramento


com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 6.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 5.

5. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA


Verifique o seguinte.
• Conectores E17 e F10 do chicote.
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-circuito entre o sensor de fluxo de massa de ar e ECM.
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto circuito entre o sensor de fluxo de massa de ar e IPDM E/R.
>> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.

EC - 166
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

6. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO SENSOR MAF QUANTO A A


CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. EC
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 3 do sensor MAF e o terminal 52 do ECM. Consulte o
Diagrama de Fiação. C
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
D
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 7.
NEGATIVO > >Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote E
ou conectores.
7. VERIFIQUE O CIRCUITO DO SINAL DE ENTRADA DO SENSOR MAF QUANTO A
CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO F
1. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 4 do sensor MAF e o terminal 45 do ECM.
Consulte o Diagrama de Fiação.
G
Deverá haver continuidade.
2. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO H
OK >> VÁ PARA O ITEM 8.
NEGATIVO > >Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
I
ou conectores.
8. VERIFIQUE O SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR
Consulte: EC-168, “Inspeção de Componentes”. J
OK ou NEGATIVO
OK > >VÁ PARA O ITEM 9.
K
NEGATIVO > >Substitua o sensor de fluxo de massa de ar.
9. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” . L
>> FIM DA INSPEÇÃO

EC - 167
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

Inspeção de Componentes UBS00U2P

SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR


Com o CONSULT-III
1. Reconecte todos os conectores do chicote que estiverem desconectados.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal de operação.
3. Conecte CONSULT-III e selecione o modo “DATA MONITOR”.
4. Selecione “MAS A/F SE-B1” e verifique a indicação nas seguintes condições.
Condição MAS A/F SE-B1 (V)
Interruptor de ignição ON) (Motor parado.) Aproximadamente 0,4

Marcha lenta (O motor é aquecido até atingir a


0,9 - 1,2
temperatura normal de operação.)
De marcha lenta até aproximadamente 4.000 rpm. 0,9 - 1,2 a 2,4*

*: Verifique quanto ao crescimento linear de tensão em resposta ao aumento das rotações do motor
para aproximadamente 4.000 rpm.
5. Se a tensão estiver fora da especificação, tome as medidas a seguir.
a. Verifique a causa de um fluxo de ar irregular através do sensor de fluxo de massa de ar. Verifique o seguinte.
• Dutos de ar esmagados
• Mau funcionamento da vedação do elemento do filtro de ar
• Sujeira irregular no elemento do filtro de ar
• Especificação inadequada das peças do sistema de ar de entrada
b. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça que apresenta mau funcionamento e execute as etapas 2 a 4
novamente.
Se OK, prossiga para a próxima etapa.
6. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
7. Desconecte o conector do chicote do sensor de fluxo de massa de ar e reconecte o mesmo.
8. Execute as etapas 2 a 4 novamente.
9. Se NEGATIVO, limpe ou substitua o sensor de fluxo de massa de
ar.

Sem o CONSULT-III
1. Reconecte todos os conectores do chicote que estiverem
desconectados.
2. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura normal
de operação.
3. Verifique a tensão entre o terminal 45 do ECM (sinal do sensor de
fluxo de massa de ar) e o terra.
Condição Tensão V

Interruptor de ignição ON (Motor parado.) Aproximadamente 0,4.


Marcha lenta (O motor é aquecido até atingir a
temperatura normal de operação.) 0,9 - 1,2

De marcha lenta até aproximadamente 4.000 rpm. 0,9 - 1,2 a 2,4*

*: Verifique quanto ao crescimento linear de tensão em resposta ao aumento das rotações do motor
para aproximadamente 4.000 rpm.

EC - 168
DTC P0102, P0103 MAF SENSOR

4. Se a tensão estiver fora da especificação, tome as medidas a seguir. A


a. Verifique a causa de um fluxo de ar irregular através do sensor de fluxo de massa de ar Verifique o seguinte.
• Dutos de ar esmagados
EC
• Mau funcionamento da vedação do elemento do filtro de ar
• Sujeira irregular no elemento do filtro de ar
• Especificação inadequada das peças do sistema de ar de entrada C
b. Se NEGATIVO, repare ou substitua a peça que apresenta mau funcionamento e execute as etapas 2 e 3
novamente.
Se OK, prossiga para a próxima etapa. D
5. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
6. Desconecte o conector do chicote do sensor de fluxo de massa de ar e reconecte o mesmo.
7. Execute as etapas 2 e 3 novamente. E
8. Se NEGATIVO, limpe ou substitua o sensor de fluxo de massa de ar.
Remoção e Instalação UBS00U2Q
F
SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR
Consulte: EM-15, FILTRO DE AR E DUTO DE AR” .
G

EC - 169
DTC P0112, P0113 MAF SENSOR

DTC P0112, P0113 IAT SENSOR PFP:22630

Descrição de Componentes UBS00U2R

O sensor de temperatura de ar é incorporado ao sensor de fluxo


de massa de ar (1). O sensor detecta a temperatura do ar de
entrada e transmite um sinal para o ECM.
A unidade sensora de temperatura usa um termistor que é
sensível às mudanças de temperatura. A resistência elétrica do
termistor diminui em resposta à elevação da temperatura.

<Dados de referência>
Temperatura de ar de entrada °C (°F) Tensão* V Resistência k Ω

25 (77) 3,3 1,800 - 2,200

80 (176) 1,2 0,283 - 0,359

*: Esta informação é um valor de referência e é medida entre o


terminal 46 do ECM (sensor de temperatura do ar de entrada) e o
terra.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento.
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U2S

Nº. Nome do diagnóstico


do DTC de falhas Condição de detecção de DTC Causa possível

Baixa entrada no cir-


P0112 cuito do sensor de Uma tensão excessivamente baixa do sensor é
0112 temperatura de ar de enviada ao ECM. • Chicote ou conectores (O circuito do sensor de
entrada fluxo de massa de ar está aberto ou em curto.)
Alta entrada no • Sensor de temperatura de ar de entrada
P0113 circuito do sensor de Uma tensão excessivamente alta do sensor é
0113 temperatura de ar de enviada ao ECM.
entrada

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U2T

NOTA
Se o Procedimento de Confirmação de um DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre
o interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste.
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e espere pelo menos 5 segundos.
2. Verifique o DTC da 1ª viagem.
3. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-172, “Procedimento de Diagnóstico”.

EC - 170
DTC P0112, P0113 MAF SENSOR

Diagrama Elétrico A
UBS00U2U

EC

EC - 171
DTC P0112, P0113 MAF SENSOR

Procedimento de Diagnóstico UBS00U2V

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na
carroçaria. Consulte: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

2. VERIFIQUE O CIRCUITO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA DO SENSOR DE


TEMPERATURA DE AR DE ENTRADA
1. Desconecte o conector do chicote do sensor (1) de fluxo de massa
de ar (com o sensor de temperatura de ar de entrada).
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.

3. Verifique a tensão entre o terminal 5 do sensor do fluxo de massa de


ar e o aterramento com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
Tensão: Aproximadamente 5V
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra
ou o curto para alimentação no chicote ou
conectores.
3. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO
SENSOR DE TEMPERATURA DE AR DE ENTRADA QUANTO A CIRCUITOS
ABERTOS E EM CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 6 do sensor de fluxo de massa de ar e o terminal 55 do
ECM. Consulte o Diagrama Elétrico.
Deverá haver continuidade.
4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.

EC - 172
DTC P0112, P0113 IAT SENSOR

4. VERIFIQUE O SENSOR DE TEMPERATURA DE AR DE ENTRADA A

Consulte: EC-173, “Inspeção de Componentes” .


OK ou NEGATIVO EC
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Substitua o sensor de fluxo de massa de ar (com o sensor de temperatura de ar de
entrada). C
5. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .
D
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U2W

SENSOR DE TEMPERATURA DE AR DE ENTRADA E

1. Verifique a resistência entre os terminais 5 e 6 do sensor de


fluxo de massa de ar (1) nas seguintes condições.
F
Temperatura de ar de entrada °C (°F) Resistência k Ω

25 (77) 1,800 - 2,200


G

M
Remoção e Instalação UBS00U2X

SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR


Consulte: EM-15, “FILTRO DE AR E DUTO DE AR” .

EC - 173
DTC P0117, P0118 ECT SENSOR

DTC P0117, P0118 ECT SENSOR PFP:22630

Descrição dos Componentes UBS00U2Y

O sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor é


usado para detectar a temperatura do líquido de arrefecimento do
motor. O sensor modifica um sinal de tensão do ECM. O sinal
modificado retorna ao ECM sob a forma de entrada de temperatura
do líquido de arrefecimento do motor. A unidade sensora de
temperatura usa um termistor sensível às mudanças de
temperatura. A resistência elétrica do termistor diminui em resposta
à elevação da temperatura.

<Dados de referência>
Temperatura do líquido de
arrefecimento do motor °C (°F) Tensão V Resistência k Ω

–10 (14) 4,4 7,0 - 11,4

20 (68) 3,5 2,1 - 2,9

50 (122) 2,2 0,68 - 1,00

90 (194) 0,9 0,236 - 0,260

*: Esta informação é um valor de referência e é medida entre o terminal 38 do ECM (sensor de


temperatura do líquido de arrefecimento do motor) e o terra.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM como, por exemplo, o cabo de aterramento.
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U2Z

Estes auto-diagnósticos possuem a lógica de detecção de uma viagem.


Nº. do Nome do diagnóstico
Condição de detecção de DTC Causa possível
DTC de falhas

P0117 Baixa entrada no sensor de


Uma tensão excessivamente baixa do
0117 temperatura do líquido de • Chicote ou conectores (O circuito do sensor de
sensor é enviada ao ECM.
arrefecimento do motor. fluxo de massa de ar está aberto ou em curto.)
Alta entrada no sensor de • Sensor de temperatura do líquido de
P0118 Uma tensão excessivamente alta do arrefecimento do motor.
temperatura do líquido de
0118 sensor é enviada ao ECM.
arrefecimento do motor.

EC - 174
DTC P0117, P0118 ECT SENSOR DTC

MODO FAIL-SAFE A

Quando o mau funcionamento é detectado, o ECM entra no modo fail-safe e a MIL acende.
Itens detectados Condição de operação no motor no modo fail-safe EC
A temperatura do líquido de arrefecimento do motor será determinada pelo ECM com base no tempo
decorrido após se colocar o interruptor de ignição na posição ON ou START. CONSULT-III exibe a
temperatura do líquido de arrefecimento do motor decidida pelo ECM.
Temperatura do líquido de arrefecimento do C
Condição
motor decidida (exibida pelo CONSULT-III).
Circuito do sensor de
temperatura do líquido No momento em que o interruptor de ignição é colocado na
posição ON ou START: 40°C (104°F)
de arrefecimento do D
motor. Mais do que aproximadamente 4 minutos após se colocar o
interruptor de ignição na posição ON ou START 80°C (176°F)

Com exceção da situação acima descrita. 40 - 80°C (104 - 176°F) (Depende do tempo)
E
Quando o sistema à prova de falha do sensor de temperatura do líquido
de arrefecimento do motor é ativado, o ventilador opera enquanto o motor está funcionando.

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U30 F


NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido realizado anteriormente, coloque sempre o
G
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste.
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON e espere pelo menos 5 segundos.
H
2. Verifique o DTC.
3. Se DTC for detectado, vá para: EC-177, “Procedimento de Diagnóstico” .
I

EC - 175
DTC P0117, P0118 ECT SENSOR DTC

Diagrama Elétrico UBS00U31

EC - 176
DTC P0117, P0118 ECT SENSOR

Procedimento de Diagnóstico A
UBS00U32

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. EC
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção do Aterramento” .
- : Frente do veículo C
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
D
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento. E

2. VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO DA FONTE DE ENERGIA DO SENSOR ECT F


1. Desconecte o conector do chicote do sensor de temperatura (1) do
líquido de arrefecimento do motor (ECT).
G
- : Frente do veículo
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
H

I
3. Verifique a tensão entre o terminal 1 do sensor ECT e o aterramento
com o CONSULT-III ou um aparelho de teste.
J
Tensão: Aproximadamente 5V

OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3. K
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra
ou o curto para alimentação no chicote ou
conectores. L

M
3. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO SENSOR ECT QUANTO A
CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade do chicote entre o terminal 44 do ECM e o terminal 2 do sensor do ECT. Consulte o
Diagrama de Fiação.
Deverá haver continuidade.

4. Verifique também o chicote quanto a curto para o aterramento e curto para a alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.

EC - 177
DTC P0117, P0118 ECT SENSOR

4. VERIFIQUE O SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO


MOTOR.
Consulte: EC-178, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Substitua o sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor.
5. VERIFICAÇÃO DE INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120 “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U33

SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE


ARREFECIMENTO DO MOTOR.
1. Verifique a resistência entre os terminais 1 e 2 do sensor de tempe-
ratura do líquido de arrefecimento do motor como se vê na figura.

<Dados de referência>
Temperatura °C (°F) Resistência k Ω

20 (68) 2,1 - 2,9

50 (122) 0,68 - 1,00

90 (194) 0,236 - 0,260

2. Se NEGATIVO, substitua o sensor de temperatura do líquido de


arrefecimento do motor.

Remoção e Instalação UBS00U34

SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO MOTOR.


Consulte: EM-60, “CABEÇOTE DOS CILINDROS” .

EC - 178
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

DTC P0122, P0123 TP SENSOR PFP:16119


A

Descrição de Componentes UBS00U35

O atuador elétrico de controle do acelerador consiste do motor de EC


controle de acelerador, sensor de posição do acelerador, etc. O
sensor de posição de acelerador reage ao movimento da válvula do
acelerador. C
O sensor de posição do acelerador possui dois sensores. Estes
sensores são uma espécie de potenciômetros que transformam a
posição da válvula do acelerador em tensão de saída, e emitem o D
sinal de tensão para o ECM. Além disso, estes sensores detectam a
velocidade de abertura e fechamento da válvula do acelerador e
fornecem os sinais de tensão para o ECM. O ECM julga o ângulo E
de abertura da corrente da válvula do acelerador a partir desses
sinais e o ECM controla o motor de controle do acelerador para colocar a abertura da válvula do
acelerador no ângulo adequado, em resposta à condição de condução. F
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor UBS00U36

Os dados de especificação são valores de referência.


G
ITEM A SER MONITORADO CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO
• Interruptor de ignição: ON (Motor Pedal do acelerador Totalmente liberado Mais de 0,36V
THRTL SEN 1 parado)
THRTL SEN 2* • Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª Pedal do acelerador Pressionado até o Menos de 4,75V H
(M/T) fundo

*: O sinal do sensor 2 de posição do acelerador é convertido internamente pelo ECM. Portanto, ele difere
do sinal de tensão do terminal do ECM. I
Lógica de Diagnóstico a Bordo UBS00U37

Estes auto-diagnósticos possuem a lógica de detecção de uma viagem.


J
NOTA:
Se o DTC P0122 ou P0123 for exibido com DTC P0646, execute primeiramente o diagnóstico de
falhas para o DTC p0643. K
Consulte: EC-305, “ALIMENTAÇÃO DO SENSOR DTC P0643” .
Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção de DTC Causa possível
Baixa entrada do sensor 2 de Uma tensão excessivamente baixa do
L
P0122 • Chicote ou conectores (O circuito do
0122 posição do acelerador sensor 2 de TP é enviada ao ECM.
sensor 2 de TP está aberto ou em curto.)
• Atuador elétrico de controle do acelerador
P0123 Alta entrada do sensor 2 de Uma tensão excessivamente alta do sensor
(sensor 2 de TP). M
0123 posição do acelerador 2 de TP é enviada ao ECM.

MODO FAIL-SAFE
Quando o mau funcionamento é detectado, o ECM entra no modo fail-safe e a MIL acende.
Condição de operação do motor no modo fail-safe
O ECM controla o atuador elétrico de controle do acelerador, regulando a abertura do acelerador para
que a posição de marcha lenta fique na faixa dos + 10 graus.
O ECM regula a velocidade de abertura da válvula do acelerador para que a mesma seja mais lenta do
que a condição normal.
Portanto, a aceleração não será boa.

EC - 179
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U38

NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de um DTC tiver sido executado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste.
CONDIÇÃO DE TESTE:
Antes de executar o procedimento a seguir, certifique-se de que a tensão da bateria seja
superior a 8V em marcha lenta.
1. Dê a partida no motor e deixe-o funcionar em marcha lenta por 1 segundo.
2. Verifique o DTC.
3. Se o DTC for detectado, vá para: EC-182, “Procedimento de Diagnóstico” .

EC - 180
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

A
Diagrama Elétrico UBS00U39

EC

EC - 181
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Essa prática
pode resultar em danos ao transistor do ECM. Use um aterramento diferente dos terminais do
ECM como, por exemplo, o solo.
TERMI- COR
NAL DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
Nº. FIO

[Interruptor de ignição: ON]


• Motor parado
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T) Mais de 0,36V
33 Amarelo/ Sensor 1 de posição • Pedal do acelerador Totalmente liberado
Preto do acelerador
[Interruptor de ignição: ON]
• Motor parado Menos de 4,75V
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
• Pedal do acelerador Pressionado até o fundo
[Interruptor de ignição: ON]
• Motor parado Menos de 4,75V
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
34 Vermelho/ Sensor 2 de posição • Pedal do acelerador: Totalmente liberado
Branco do acelerador [Interruptor de ignição: ON]
• Motor parado
Mais de 0,36V
• Alavanca de câmbio: D (CVT), 1ª (M/T)
• Pedal do acelerador Pressionado até o fundo
Aterramento do sensor [O motor está funcionando]
36 Preto/Branco (Sensor de posição do • Condição de aquecimento Aproximadamente 0V
acelerador) • Marcha lenta
Aterramento do sensor [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 5V
72 Marrom (Sensor de posição do
acelerador)

Procedimento de Diagnóstico UBS00U3A

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES COM O TERRA


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria. Consulte: EC-127 “Inspeção
do Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

EC - 182
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

2. VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO DA FONTE DE ENERGIA DO SENSOR 2 DE A

POSIÇÃO DO ACELERADOR
1. Desconecte o conector do chicote do atuador (1) elétrico de controle EC
do acelerador.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
C

E
3. Verifique a tensão entre o terminal 2 do atuador elétrico de controle
do acelerador e o terra com o CONSULT-III ou um aparelho de
teste.
F
Tensão: Aproximadamente 5V
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3. G
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra
ou o curto para alimentação no chicote ou
conectores. H

I
3. VERIFIQUE O CIRCUITO DE ATERRAMENTO DO SENSOR 2 QUANTO A
CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO
1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. J
2. Desconecte o conector do chicote do ECM.
3. Verifique a continuidade no chicote entre o terminal 4 do atuador elétrico de controle do acelerador e o terminal
36 do terminal do ECM. Consulte o Diagrama Elétrico. K

Deverá haver continuidade.


4. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação. L
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote M
ou conectores.
4. VERIFIQUE O CIRCUITO DE SINAL DE ENTRADA DO SENSOR 2 DE POSIÇÃO
DO ACELERADOR QUANTO A CIRCUITOS ABERTOS E EM CURTO
1. Verifique a continuidade no chicote entre o terminal 34 do ECM e o terminal 3 do atuador elétrico de controle do
acelerador.
Consulte o Diagrama Elétrico.
Deverá haver continuidade.
2. Além disso, verifique o chicote quanto a curto para terra e curto para alimentação.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 5.
NEGATIVO >> Repare o circuito aberto ou o curto para terra ou o curto para alimentação no chicote
ou conectores.

EC - 183
DTC P0122, P0123 TP SENSOR

5. VERIFIQUE O SENSOR DE POSIÇÃO DO ACELERADOR


Consulte: EC-184, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 7.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 6.
6. SUBSTITUA O ATUADOR ELÉTRICO DE CONTROLE DO ACELERADOR
1. Substitua o atuador elétrico de controle do acelerador
2. Execute: EC-63 “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador” .
3. Execute: EC-63, “Aprendizado de Volume de Ar em Marcha Lenta” .
>> FIM DA INSPEÇÃO
7. VERIFIQUE QUANTO A INCIDENTE INTERMITENTE
Consulte: EC-120, DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U3B

SENSOR DE POSIÇÃO DO ACELERADOR


1. Reconecte todos os conectores do chicote que tiverem sido desconectados.
2. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador” .
3. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
4. Coloque a alavanca do câmbio na posição D (CVT) ou na 1a posição (M/T).
5. Verifique a tensão entre os terminais 33 (sinal do sensor 1 de TP), 34 (sinal do sensor 2 de TP) do ECM e terra,
sob as seguintes condições.

Terminal Pedal do acelerador Tensão


33 Totalmente liberado Mais de 0,36V
(Sensor 1 da posição do
acelerador) Pressionado até o fundo Menos de 4,75V
34 Totalmente liberado Menos de 4,75V
(Sensor 2 da posição do
acelerador) Pressionado até o fundo Mais de 0,36V

6. Se NEGATIVO, substitua o atuador elétrico de controle do acelerador


e vá para a próxima etapa.
7. Execute: EC-63, “Aprendizado da Posição Fechada da Válvula do Acelerador”.
8. Execute: EC-63, “Aprendizado de Volume de Ar em Marcha Lenta” .
Remoção e Instalação UBS00U3C

ATUADOR ELÉTRICO DE CONTROLE DO ACELERADOR


Consulte: EM-17, “COLETOR DE ADMISSÃO” .

EC - 184
DTC P0125 ECT SENSOR

DTC P0125 ECT SENSOR PFP:22630


A

Descrição UBS00U3D

NOTA: EC
Se o DTC P0125 for exibido com P0117 ou P0118, execute primeiramente o diagnóstico de falhas para
o DTC P0117 ou PO118. Consulte: EC-174, “DTC P0117, P0118 ECT SENSOR” .
DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES C
O sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor é
usado para detectar a temperatura do líquido de arrefecimento do
motor. O sensor modifica um sinal de tensão do ECM. O sinal D
modificado retorna ao ECM como entrada de temperatura do
líquido de arrefecimento do motor. O sensor usa um termistor
sensível à mudança de temperatura. A resistência elétrica do E
termistor diminui com o aumento da temperatura.

<Dados de referência> G

Temperatura do líquido de
arrefecimento do motor °C (°F) Tensão* V Resistência k Ω
H
-10 (14) 4,4 7,0 - 11,4

20 (68) 3,5 2,1 - 2,9

50 (122) 2,2 0,68 - 1,00 I

90 (194) 0,9 0,236 - 0,260

*: Estes dados são valores de referência e são medidos entre o J


terminal 38 do ECM (Sensor de temperatura do líquido de
arrefecimento do motor) e o terra.
CUIDADO: K
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Esta prática
pode causar danos ao transistor do ECM Use outros meios de aterramento, que não sejam os
terminais do ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento. L
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U3E

Nome do diagnóstico
Nº. do DTC
de falhas
Condição de detecção do DTC Causa possível M
Temperatura insuficiente • A tensão enviada ao ECM, do sensor, não é
• Chicote ou conectores (Alta resistência no
do líquido de arrefeci- prática, mesmo após decorrido algum tempo
P0125 circuito)
mento do motor para após a partida do motor.
0125 • Sensor de temperatura do líquido de
controle de combustível • A temperatura do líquido de arrefecimento do
arrefecimento do motor.
em circuito fechado motor é insuficiente para o controle de
• Termostato
combustível em circuito fechado.

EC - 185
DTC P0125 ECT SENSOR

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U3F

CUIDADO:
Atente para não superaquecer o motor.
NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido executado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
teste.
COM O CONSULT-III
1. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
2. Selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
3. Verifique se “COOLAN TEMP/S” é superior a 10°C (50°F).
Se for superior a 10°C (50°F), o resultado do teste será OK.
Se for inferior a 10°C (50°F), vá para a próxima etapa.
4. Dê a partida no motor e deixe-o funcionar em marcha lenta por 65 minutos.
Se “COOLAN TEMP/S” ultrapassar 10°C (50°F) dentro de 65 minutos, pare o motor porque o resultado
do teste será OK.
5. Verifique o DTC de 1a viagem.
6. Se o DTC de 1a viagem for detectado, vá para: EC-186, “Procedimento de Diagnóstico” .
COM O GST
Siga o procedimento “COM CONSULT-III” acima.
Procedimento de Diagnóstico UBS00U3G

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES DE ATERRAMENTO


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção de Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.
2. VERIFIQUE O SENSOR DE TEMPERATURA DO
LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO MOTOR.
Consulte: EC-187, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO >> Substitua o sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor.
3. VERIFIQUE A OPERAÇÃO DO TERMOSTATO
Quando o motor estiver frio [abaixo de 70°C (158°F)], segure a mangueira inferior do radiador e certifique-
se de que o líquido de arrefecimento do motor não flua.
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> Repare ou substitua o termostato. Consulte: CO-21, “TERMOSTATO”

EC - 186
DTC P0125 ECT SENSOR

4. VERIFIQUE QUANTO A INCIDENTE INTERMITENTE A

Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .


Consulte: EC-176, “Diagrama de Elétrico” . EC
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U3H

C
SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO MOTOR.
1. Verifique a resistência entre os terminais 1 e 2 do sensor de
temperatura do líquido de arrefecimento do motor como se vê na D
figura.

<Dados de referência> G
Temperatura do líquido de arrefecimento do motor °C (°F) Resistência k Ω

20 (68) 2,1 - 2,9


H
50 (122) 0,68 - 1,00

90 (194) 0,236 - 0,260

2. Se NEGATIVO, substitua o sensor de temperatura do líquido de I


arrefecimento do motor.

K
Remoção e Instalação UBS00U3I

SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO MOTOR.


Consulte: CO-21, “TERMOSTATO” L

EC - 187
DTC P0127 ECT SENSOR

DTC P0127 IAT SENSOR PFP:22630


Descrição de Componentes UBS00U3J

O sensor de temperatura de ar de entrada está embutido no


sensor de fluxo de massa de ar (1). O sensor detecta a
temperatura de ar de entrada e transmite um sinal para o ECM.
A unidade sensora de temperatura usa um termistor sensível à
mudança de temperatura. A resistência elétrica do termistor
diminui com o aumento da temperatura.

<Dados de referência>
Temperatura de ar de entrada °C (°F) Tensão* V Resistência k Ω

25 (77) 3,3 1,800 - 2,200

80 (176) 1,2 0,283 - 0,359

*: Estes dados são valores de referência e são medidos entre o


terminal 46 do ECM (sensor de temperatura do ar de entrada) e o
terra.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Esta prática
pode causar danos ao transistor do ECM. Use outros meios de aterramento que não sejam os
terminais do ECM, como, por exemplo, o cabo de aterramento.
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U3K

Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção do DTC Causa possível

Tensão racionalmente incorreta do sensor • Chicote ou conectores (O circuito do


P0127 Temperatura de ar de entrada é enviada ao ECM, comparada ao sinal de sensor de temperatura de entrada está
0127 excessiva tensão do sensor de temperatura do líquido aberto ou em curto.)
de arrefecimento do motor. • Sensor de temperatura de ar de entrada

EC - 188
DTC P0127 ECT SENSOR

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U3L


A

CUIDADO:
Sempre dirija o veículo a uma velocidade segura. EC
NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de um DTC tiver sido executado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo C
teste.
CONDIÇÃO DE TESTE:
D
Este teste pode ser conduzido com as rodas motrizes levantadas na oficina ou dirigindo o veículo.
Caso se espere que um teste de estrada seja mais fácil, não é necessário levantar o veículo.
COM O CONSULT-III E
1. Espere até que a temperatura do líquido de arrefecimento do motor seja inferior a 90°C (194°F).
a. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
F
b. Selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
c. Verifique a temperatura do líquido de arrefecimento do motor.
d. Se a temperatura do líquido de arrefecimento do motor não for inferior a 90°C (194°F), coloque o interruptor de
ignição na posição OFF e espere o motor esfriar. G
• Execute as seguintes etapas antes de a temperatura do líquido de arrefecimento do motor superar os 90°C
(194°F).
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON. H
3. Selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
4. Dê a partida no motor.
5. Mantenha a velocidade do veículo a, no máximo, 70 km/h (43 MPH) por 100 segundos consecutivos. I
6. Verifique o DTC de 1ª viagem.
7. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-189, “Procedimento de Diagnóstico” .
J
COM O GST
Siga o procedimento “COM CONSULT-III” acima.
Procedimento de Diagnóstico UBS00U3M K

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES DE ATERRAMENTO


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF. L
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção do Aterramento” .
- :Frente do veículo M
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO > >Repare ou substitua as conexões de
aterramento.
2. SENSOR DE TEMPERATURA DE AR DE
ADMISSÃO
Consulte: EC-190, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 3.
NEGATIVO > >Substitua o sensor de fluxo de massa de ar (com o sensor de temperatura do ar de
entrada).
EC - 189
DTC P0127 ECT SENSOR

3. VERIFIQUE QUANTO A INCIDENTE INTERMITENTE


Consulte: EC-120, “DIAGNÓSTICO DE FALHAS PARA INCIDENTE INTERMITENTE” .
Consulte: EC-171, “Diagrama Elétrico”.
>> FIM DA INSPEÇÃO
Inspeção de Componentes UBS00U3N

SENSOR DE TEMPERATURA DE AR DE ENTRADA


1. Verifique a resistência entre os terminais 5 e 6 do sensor de
temperatura de ar de entrada (1) nas seguintes condições.

Temperatura de ar de entrada °C (°F) Resistência k Ω

25 (77) 1,800 - 2,200

1. Se NEGATIVO, substitua o sensor de fluxo de massa de ar (com o


sensor de temperatura do ar de entrada).

Remoção e Instalação UBS00U3O

SENSOR DE FLUXO DE MASSA DE AR


Consulte: EM-15, “FILTRO DE AR E DUTO DE AR” .

EC - 190
DTC P0128 FUNÇÃO DE TERMOSTATO

DTC P0128 FUNÇÃO DE TERMOSTATO PFP:21200 A

Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U3P

A temperatura do líquido de arrefecimento do motor não se elevou o suficiente para abrir o termostato, EC
embora o motor tenha funcionado o tempo suficiente. Isso se deve a um vazamento na vedação ou ao
fato do termostato estar travado na posição aberta.
Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção do DTC Causa possível C
• Termostato
A temperatura do líquido de arrefecimento • Vazamento da parte de vedação do
P0128 do motor não chega ao nível suficiente
Função do termostato termostato
0128 embora o motor tenha funcionado o tempo D
• Sensor de temperatura do líquido de
suficiente. arrefecimento do motor.

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U3Q


E
CUIDADO:
Sempre dirija o veículo a uma velocidade segura.
F
NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de um DTC tiver sido executado anteriormente, coloque sempre o
interruptor de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo
G
teste.
CONDIÇÃO DE TESTE:
• Para obter os melhores resultados, execute o teste a uma temperatura ambiente de -10°C (14°F) ou H
superior.
• Para obter os melhores resultados, execute o teste a uma temperatura de líquido de arrefecimento do
motor de -10°C (14°F) a 72°C. (162°F). I
COM O CONSULT-III
1. Substitua o termostato por um novo. Consulte: CO-21, “TERMOSTATO” . Use somente um termostato NISSAN
J
genuíno como peça de reposição. Se um termostato negativo for usado, a MIL poderá acender.
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
3. Selecione “TEMP/S LÍQ. ARREF” no modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
K
4. Verifique a indicação de “TEMP/S LÍQ. ARREF”.
Se for inferior a 72°C (162°F), vá para a próxima etapa.
Se for superior a 72°C(162°F), deixe o motor esfriar até atingir uma temperatura inferior a 72°C (162°F), em
L
seguida vá para a próxima etapa.
5. Dirija o veículo por 10 minutos consecutivos nas seguintes condições.
VELOC VEÍC SE 80 – 120 km/h (50 - 75 MPH) M
6. Verifique o DTC de 1ª viagem.
7. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-191, “Procedimento de Diagnóstico” .
COM O GST
Siga o procedimento “COM CONSULT-III” acima. UBS00U3R

Procedimento de Diagnóstico
1. VERIFIQUE O SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO
DO MOTOR.
Consulte: EC-192, “Inspeção de Componentes” .
OK ou NEGATIVO
OK >> FIM DA INSPEÇÃO
NEGATIVO >> Substitua o sensor de temperatura do líquido de arrefecimento do motor.

EC - 191
DTC P0128 FUNÇÃO DE TERMOSTATO

Inspeção de Componentes UBS00U3S

SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE


ARREFECIMENTO DO MOTOR
1. Verifique a resistência entre os terminais 1 e 2 do sensor de tempe-
ratura do líquido de arrefecimento do motor como se vê na figura.

<Dados de referência>
Temperatura do líquido de arrefecimento do motor °C (°F) Resistência k Ω

20 (68) 2,1 - 2,9

50 (122) 0,68 - 1,00

90 (194) 0,236 - 0,260

2. Se NEGATIVO, substitua o sensor de temperatura do líquido de


arrefecimento do motor.

Remoção e Instalação UBS00U3T

SENSOR DE TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO DO MOTOR


Consulte: CO-21, “TERMOSTATO” .

EC - 192
DTC P0130 A/F, SENSOR 1

DTC P0130 A/F, SENSOR 1 PFP:22693 A

Descrição dos Componentes UBS00U3U

O sensor 1 da relação ar/combustível (A/F) é um sensor de EC


corrente planar unicelular de limite. O elemento sensor do sensor
1 de A/F consiste de uma camada de eletrodos, que transporta
íons. Há um aquecedor no elemento. O sensor é capaz de fazer
C
medições precisas = 1, mas também na faixa “pobre” e “rica”.
Em conjunto com os seus dispositivos eletrônicos de controle, o
sensor gera uma saída que é um sinal claro e contínuo que cobre
uma ampla faixa de . Os componentes de gás de escapamento D
são difundidos através da camada de difusão na célula do sensor.
É aplicada tensão a uma camada de eletrodos e a densidade
relativa atual do oxigênio desta corrente é pobre. Além disso, a E
densidade relativa de hidrocarboneto desta corrente é rica.
Portanto, o sensor 1 de A/F é capaz de indicar a relação ar
combustível por meio dessa camada de eletrodos de corrente. Além F
disso, um aquecedor é incorporado ao sensor para assegurar a
temperatura necessária de operação de aproximadamente 800°C
(1,472°F). G
Valor de Referência do CONSULT-III no Modo Data Monitor
UBS00U3V
Os dados de especificação são valores de referência.
H
ITEM A SER MONITORADO CONDIÇÃO ESPECIFICAÇÃO

A/F SEN1 (B1): • Motor: Após o aquecimento Mantendo as rotações do motor Varia em torno de 2,2V
a 2.000 rpm I
Lógica de Diagnóstico de Bordo UBS00U3W

Para julgar o mau funcionamento, o diagnóstico verifica se o sinal de A/F computado pelo ECM a partir do
sinal de razão ar/combustível (A/F) do sensor 1 varia de acordo com o controle de retroalimentação de J
combustível.
Nº. do DTC Nome do diagnóstico de falhas Condição de detecção do DTC Causa Possível
O sinal de A/F computado pelo ECM a partir do • Chicote ou conectores [O circuito
K
A) sinal do sensor 1 de A/F está constantemente do sensor 1 de relação ar/
P0130 Sensor 1 de relação ar/ na faixa, em vez de aproximadamente 2,2V combustível (A/F) está aberto ou
0130 combustível (A/F) em curto.]
O sinal de A/F computado pelo ECM a partir L
B) do sinal do sensor 1 de A/F é constante e • Sensor de relação ar/combustível
aproximadamente 2,2V. (A/F)

Procedimento de Confirmação de um DTC UBS00U3X


M
Execute, primeiramente o PROCEDIMENTO PARA MAU FUNCIONAMENTO A.
Se o DTC não puder ser confirmado, execute o PROCEDIMENTO PARA O MAU FUNCIONAMENTO B.
NOTA:
Se o Procedimento de Confirmação de DTC tiver sido executado anteriormente, coloque sempre o interruptor
de ignição na posição OFF e espere pelo menos 10 segundos antes de realizar o próximo teste.
CONDIÇÃO DE TESTE:
Antes de executar o procedimento a seguir, certifique-se de que a tensão da bateria seja
superior a 11V em marcha lenta.
PROCEDIMENTO PARA O MAU FUNCIONAMENTO A
Com o CONSULT-III
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura de operação.
2. Selecione o modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
3. Deixe o motor funcionar em marcha lenta por 2 minutos.
4. Verifique o DTC de 1ª viagem.

EC - 193
DTC P0130, A/F SENSOR 1

5. Se o DTC de 1ª viagem for detectado, vá para: EC-196, “Procedimento de Diagnóstico”.


Com o GST
Siga o procedimento “Com CONSULT-III” acima.
PROCEDIMENTO PARA O MAU FUNCIONAMENTO B
CUIDADO:
Sempre dirija o veículo a uma velocidade segura.
Com o CONSULT-III
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura de operação.
2. Selecione “A/F SEN1 (B1) no modo “DATA MONITOR” com CONSULT-III.
3. Verifique a indicação “A/F SEN1 (B1)”.
Se a indicação for constante e aproximadamente 2,2V e não variar, vá para: EC-196, “Procedimento de
Diagnóstico” . Se a indicação variar em torno de 2,2V, vá para a próxima etapa.
4. Selecione “A/F SEN1 (B1) P1276” (para P0130) de “A/F SEN1” no modo “DTC WORK SUPPORT” com
CONSULT-III.
5. Toque em “START”.
6. Quando as seguintes condições forem atendidas, a tela CONSULT-III apresentará a mensagem “TESTING”.
ROTAÇÕES DO MOTOR: 1.750 – 3.200 rpm (M/T)
1.600 – 3.000 rpm (CVT)
VELOC VEÍC SE Superior a 64 km/h (40 MPH)
B/FUEL SCHDL 1,0 - 8,0 mseg :
Posição D (CVT)
Alavanca de câmbio
5a posição (M/T)

Se “TESTING” não for exibido após 20 segundos, tente novamente a partir da etapa 2.
7. Libere inteiramente o pedal do acelerador.
NOTA:
Nunca aplique o freio enquanto estiver liberando o pedal do acelerador.
8. Certifique-se de que “TESTING” mude para “COMPLETED”.
Se “TESTING” tiver mudado para “OUT OF CONDITION”, tente novamente a partir da etapa 6.
9. Certifique-se de que “OK” é apresentado após tocar “ON-BOARD DIAGNOSIS”.
Se “NG” for exibido, vá para: EC-196, “Procedimento de Diagnóstico”.
Verificação Geral de Função UBS00U3Y

PROCEDIMENTO PARA O MAU FUNCIONAMENTO B


Use este procedimento para verificar a função geral do circuito do sensor 1 de A/F. Durante esta
verificação, um DTC de 1a viagem poderá não ser confirmado.
Com o GST
1. Dê a partida no motor e aqueça-o até atingir a temperatura de operação.
2. Dirija o veículo a uma velocidade de 80 km/h (50 MPH) por alguns minutos, com o câmbio na posição adequa-
da.
3. Coloque a alavanca de câmbio na posição D (CVT) ou na 5a posição (M/T), em seguida libere totalmente o
pedal do acelerador até que a velocidade do veículo caia para 50 km/h (30 MPH).
NOTA:
Nunca aplique o freio enquanto estiver liberando o pedal do acelerador.
4. Repita as etapas 2 e 3 cinco vezes.
5. Pare o veículo em seguida coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
6. Espere pelo menos 10 segundos e dê a partida no motor novamente.
7. Repita as etapas 2 e 3 cinco vezes.
8. Pare o veículo e conecte o GST ao mesmo.
9. Certifique-se de que nenhum DTC de 1a viagem seja exibido.
Se DTC de 1a viagem for exibido, vá para: EC-196, “Procedimento de Diagnóstico” .

EC - 194
DTC P0130, A/F SENSOR 1

Diagrama Elétrico UBS00U3Z


A

EC

EC - 195
DTC P0130, A/F SENSOR 1

Os dados de especificação são valores de referência e são medidos entre cada terminal e o terra. O
sinal de pulso é medido pelo CONSULT-III.
CUIDADO:
Não use os terminais de aterramento do ECM ao medir a tensão de entrada/saída. Esta prática
pode causar danos ao transistor do ECM Use outros meios de aterramento, que não sejam os
terminais do ECM como, por exemplo, o cabo de aterramento.
COR
TERMI-
DO ITEM CONDIÇÃO DADOS (Tensão DC)
NAL Nº.
FIO

Aproximadamente 2,9 - 8,8V*

[O motor está funcionando]


Aquecedor do sensor 1 • Condição de aquecimento
3 Marrom/
de A/F • Marcha lenta(Mais de 140 segundos após ter
Branco
sido dada a partida no motor)

[O motor está funcionando] Aproximadamente 1,8V


Azul/
49 • Condição de aquecimento A tensão de saída varia em fun-
Vermelho Sensor 1 de A/F
• Rotações do motor: 2.000 rpm ção da razão ar/combustível.
53 Azul/Verde Sensor 1 de A/F [Interruptor de ignição: ON] Aproximadamente 2,2V

*: Tensão média para o sinal de pulso (O sinal de pulso real pode ser confirmado mediante o uso de um
osciloscópio.)
Procedimento de Diagnóstico UBS00U40

1. VERIFIQUE AS CONEXÕES DE ATERRAMENTO


1. Coloque o interruptor de ignição na posição OFF.
2. Afrouxe e reaperte os parafusos que fazem o terra na carroçaria.
Consulte: EC-127, “Inspeção do Aterramento” .
- : Frente do veículo
- Aterramento da carroçaria (1)
OK ou NEGATIVO
OK >> VÁ PARA O ITEM 2.
NEGATIVO >> Repare ou substitua as conexões de
aterramento.

EC - 196
DTC P0130, A/F SENSOR 1

2. VERIFIQUE O CIRCUITO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA DO SENSOR 1 DE A


RAZÃO AR/COMBUSTÍVEL (A/F)
1. Desconecte o conector (1) do chicote do sensor 1 de A/F. EC
2. Coloque o interruptor de ignição na posição ON.
3. Verifique a tensão entre o terminal 4 do sensor 1 de A/F e o terra
com CONSULT-III ou um aparelho de teste. C
Tensão: Tensão da bateria
OK ou NEGATIVO
D
OK >> VÁ PARA O ITEM 4.
NEGATIVO >> VÁ PARA O ITEM 3.
E

3. DETECTE A PEÇA DEFEITUOSA I


Verifique o seguinte.
• Conectores E3 e F2 de chicote.
• Fusível de 10A
• Chicote quanto a circuito aberto ou curto-c