Você está na página 1de 2

Exercícios de Provas de Lógica Básica

1. Brown, Jones e Smith são suspeitos de um crime. Eles testemunham do seguinte modo: Brown: “Jones é culpado e Smith
é inocente”. Jones: “Se Brown é culpado então também é Smith”. Smith: “Eu sou inocente, mas pelo menos um dos outros
é culpado”. Sejam B , J e S as declarações “Brown é culpado”, “Jones é culpado” e “"Smith é culpado”, respectivamente.

(a) Expresse o testemunho de cada suspeito como uma fórmula proposicional.


J ∧ ¬S, B → S, ¬S ∧ (B ∨ J )
(b) Use a tabela a verdade acima de responder às seguintes perguntas:
J S B J ∧ ¬S B → S ¬S ∧ (B ∨ J )
1. 0 0 0 0 1 0
2. 0 0 1 0 0 1
3. 0 1 0 0 1 0
4. 0 1 1 0 1 0
5. 1 0 0 1 1 1
6. 1 0 1 1 0 1
7. 1 1 0 0 1 0
8. 1 1 1 0 1 0
i. Existe uma valoração que satisfaz, concomitantemente, os três testemunhos?
linha 5 da tabela
ii. Supondo que o inocente disse a verdade e os culpados disseram mentiras, quem é inocente e quem é culpado?
linha 3 da tabela, Smith é inocente

2. Use o Princípio de Indução para fórmulas e defina a seguinte função para toda fórmula α da linguagem L da lógica pro-
posicional:
t (α) descreve o conjunto das variáveis proposicionais que ocorrem em α. Por exemplo t (p 1 ) = {p 1 }, t ((p 1 ∨ p 2 )) =
{p 1 , p 2 }, t ((p 1 ∧ (p 1 → p 2 ) ∨ (¬p 2 ))) = {p 1 , p 2 }.

se α é atômica

{α}

t (α) = t (β) se α é ¬β

t (β) ∪ t (γ) se α é β → γ

3. Sejam α e β fórmulas de uma linguagem L e M uma estrutura para a mesma linguagem. Suponha que x não ocorre livre
em α. Demonstre que M Í (∀x(α → β)) → (α → ∀xβ)
Temos que demonstrar que M Í ¬(∀x(α → β)) ou M Í (α → ∀xβ)
Em dois casos: (1) M 6Í ∀x(α → β) ou (2) M Í ∀x(α → β)
Se M 6Í ∀x(α → β) então M Í ¬∀x(α → ∀xβ) portanto M Í ¬(∀x(α → β)) ou M Í (α → ∀xβ).
Se M Í ∀x(α → β) então
para todo a ∈ M , (M , [v]x a ) Í ¬α ou (M , [v]x a ) Í β, qualquer que seja v
M Í ¬α (pois x não é livre em α) ou para todo a ∈ M , (M , [v]x a ) Í β, qualquer que seja v
M Í ¬α (pois x não é livre em α) ou M Í ∀xβ
M Í α → β.

4. Considere α a fórmula da linguagem da aritmética: ∀x (x + y = z) → ∀y∃z (x + z = S0 + y) ∨ ¬(x · z ≤ 0 + S0)


¡ ¡ ¢¢

(a) Marque todas as ocorrências livres das variáveis em α;


em azul
(b) Destaque quais são as subfórmulas atômicas de α;
x + y = z, x + z = S0 + y, x · z ≤ 0 + S0

5. Demonstre usando indução para fórmula que se x é livre para t em α então

(M , v) Í [α]tx sse (M , [v]x v̄(t ) ) Í α.

1
6. Use a lógica proposicional para verificar se o seguinte argumento é ou não é logicamente correto.
Se Carlos ganhou a competição, então Mario ficou em segundo lugar ou Sérgio ficou em terceiro lugar. Mario não ficou em
segundo lugar. Logo, se Carlos ganhou a competição então Sérgio não ficou em terceiro lugar.

7. Responda sim ou não e justifique a seguinte questão dentro da lógica proposicional

Se Γ Í φ → τ então Γ Í (γ → φ) → (γ → τ)?

Os exercícios abaixo assumem o seguinte:

Sejam LG a linguagem dos grupos (com constante e e símbolo funcional binário ◦),
. . . .
(G1) ∀x (x ◦ e = x); (G2) ∀x∃y (x ◦ y = e ∧ y ◦ x = e); (G3) ∀x∀y∀z (x◦(y ◦z) = (x◦y)◦z).
. .
os axiomas não-lógicos para LG e sejam α a sentença ∀x (x ◦ x = e) e β a sentença ∀x∀y (x ◦ y = y ◦ x).

8. Mostre que a sentença β é independente dos axiomas de grupo mostrando um modelo para {G1,G2,G3, β} e outro para
{G1,G2,G3, ¬β}. Basta exibir o modelo que as satisfazem, não é necessário demonstrar que ele satisfaz as fórmulas G1, G2,
G3, β e ¬β.
Para Z = (Z, 0Z , +Z ) os inteiros como o 0 e a soma usuais, Z Í {G1,G2,G3, β}.
Para M = (M2×2 (R), IM , ·M ) as matrizes reais 2 por 2 com a matriz identidade e o produto usual de matrizes, Z Í {G1,G2,G3, ¬β}.

9. Tome G = D, eG , ◦G a seguinte estrutura para LG : D é {1, 2}; eG é o elemento 1 ∈ D e a operação ◦G é definida pela tabela
¡ ¢

◦G 1 2
1 1 2 . Verifique se α e β são verdadeiros nesse modelo.
2 2 1
para qualquer atribuição v
.
(G , v) Í ∀x (x ◦ x = e) sse
.
para todo a ∈ D, (G , [v]x a ) Í x ◦ x = e sse
para todo a ∈ D, [v]x a (x) ◦G [v]x a (x) = e G sse
para todo a ∈ D, a ◦G a = 1, que é verdadeiro em G .
.
Portanto, G Í ∀x (x ◦ x = e).

para qualquer atribuição v


.
(G , v) Í ∀x∀y (x ◦ y = y ◦ x) sse
.
para todo a ∈ D, para todo b ∈ D, (G , [v]x a) Í x ◦ y = y ◦ x sse
y b
para todo a ∈ D, para todo b ∈ D, a ◦G b = b ◦ aG

Conferindo todos os casos: 1 ◦G 1 = 1 ◦G 1, 1 ◦G 2 = 2 ◦G 1 e 2 ◦G 2 = 2 ◦G 2,


logo a sentença é válida em G .