Você está na página 1de 194

  cura

  pelo   semelhante”   -­‐   E4icaz,   segura,   acessível   e   livre   de   efeitos   químicos   e


“A  
 
colaterais  –  os  bene4ícios  da  homeopatia  são  realmente  impressionantes!  Mais
 
de  duas  mil  substâncias  naturais  são  utilizadas,  atualmente,  para  tratamentos
 homeopáticos   que   incluem,   desde   uma   simples   gripe   até   artrites   e   câncer.
 
Uttilizando  remédios  naturais  destinados  a  aumentar  as  capacidades  curativas
 que   o   organismo   possui   a   homeopatia   trata   o   indivíduo   dentro   da   sua
 totalidade.   Todos   os   sintomas   são   considerados   para   a   indicação   de   um
 tratamento  rápido  e  e4icaz.  Com  este  objetivo,  o  tratamento  homeopático  utiliza
 remédios   especí4icos   e   diluídos   que,   se   fossem   absorvidos   de   forma
 concentrada,   produziriam   em   uma   pessoa   saudável   os   sintomas   de   uma
 determinada   doença.   É   a   conhecida   “cura   pelo   semelhante”.   Neste   livro   de
 
consulta  rápida  você  encontra  soluções  fáceis,  e4icientes  e  seguras  para  a  cura
 de   centenas   de   doenças   e   pequenas   enfermidades   como:   gripes,   resfriados,
 
asma,  alergias,  dores  musculares,  alívios  psicológicos,  entre  outras.  A  lista  das
 enfermidades,   além   do   nome   da   doença,   inclui   os   sintomas   do   paciente,   o
 
medicamento,  a  dosagem  e  a  potência  indicados  para  a  cura.  Você  aprenderá  a
 reconhecer   os   sintomas   e   a   indicar   o   melhor   medicamento   para   a   situação.   A
 
homeopatia  é  um  método  seguro  e  barato  para  a  cura  e  prevenção  de  doenças.
 
Aqui  você  encontrará  as  informações  necessárias  para  utilizar  este  tratamento
natural  e  e4iciente.
O QUE É HOMEOPATIA?

A homeopatia é uma ciência médica que utiliza substâncias naturais para


simular a doença e estimular a recuperação. Baseia-se na ideia de "cura por
semelhança". Qualquer substância que pode produzir sintomas numa
pessoa saudável pode curar esses mesmos sintomas em uma pessoa
doente. Aqui estão diversos exemplos desse princípio:

•A cebola é uma substância que faz os olhos lacrimejar e o nariz arder.


Portanto, se estiver tendo um ataque de febre do feno, com os olhos
lacrimejando e o nariz ardendo, algumas doses de cebola homeopática
podem aliviá-lo.

•A hera venenosa causa vermelhidão, pequenas bolhas, coceira intensa e


rigidez muscular. Em termos homeopáticos, tem sido usada para tudo,
desde herpes e queimaduras a eczema e artrite.
•O café pode superestimular a mente e desencadear a insônia. O café
homeopático pode ajudar a restabelecer o sono conturbado por uma
mente superativa.
•Quando você é picado por uma abelha, sente uma queimadura, um
ardor, e os tecidos ao redor da área incham. É obtido certo alívio
quando se resfria a área. Se você já teve amígdalas inchadas com
queimação e dor aliviadas com resfriamento, uma picada de abelha
homeopática poderia curá-lo.

Mais de 2 mil substâncias homeopáticas são usadas no momento como


medicamento para tratar tudo, desde gripe e tosse até artrite e câncer.

POR QUE RECORRER À HOMEOPATIA?

1. Quando os antibióticos falham, os medicamentos homeopáticos ainda


funcionam. Os germes nunca conseguem desenvolver resistência aos
medicamentos homeopáticos.
Os medicamentos não matam os germes diretamente, mas estimulam o
sistema imunológico a realizar a recuperação. Durante os últimos duzentos
anos, homeopatas curaram meningite, endocardite, pneumonia, nefrite,
tuberculose, peste e doenças venéreas usando apenas medicamentos
homeopáticos.

Os medicamentos homeopáticos são eficazes contra vírus, enquanto os


antibióticos não. Em 1918, a epidemia mundial de gripe matou mais de 20
milhões de pessoas, sendo mais de 500 mil nos Estados Unidos. Em uma
época em que as taxas de sobrevivência eram de 70% com a medicina
convencional, com a homeopatia elas representavam 98%.

Algumas outras doenças virais são ébola, hantavírus, pneumonia virai,


hepatite virai, febre amarela, poliomielite, meningite virai, encefalite viral,
dengue, caxumba, catapora, sarampo, herpes-vírus, herpes-zóster e
mononucleose.

2. A homeopatia é acessível - os medicamentos homeopáticos custam pouco


por dose.

Milhares de pessoas poderiam ser tratadas durante uma emergência por


apenas alguns reais. O antibiótico usado para tratar sepses custa 4 mil
dólares para um tratamento de um dia. Os medicamentos homeopáticos
equivalentes custam bem menos por dose.

3. Você pode começar a prescrever sem um diagnóstico.

Medicamentos homeopáticos são prescritos com base nos sintomas da


pessoa. Você não precisa saber o nome da doença. Isso é particularmente
importante quando surgem doenças novas ou exóticas.

4. Medicamentos homeopáticos são extremamente seguros e livres de


efeitos colaterais químicos.

Seguindo algumas orientações simples, qualquer pessoa, com o mínimo


de bom senso, pode usar os medicamentos sem perigo. Remédios
prescritos, contudo, não são seguros para amadores. De fato, são muito
perigosos, mesmo quando usados por médicos. Um estudo recente
publicado no journal oftheAmerican Medical Association em 15 de abril de
1998 concluiu que medicamentos prescritos, devidamente prescritos e
ingeridos, estão entre a quarta e a sexta causa de morte nos Estados Unidos
(depois de ataque cardíaco, derrame e câncer). O estudo descobriu que
medicamentos prescritos matam mais de 100 mil americanos por ano.

5. Medicamentos homeopáticos podem ser usados em profilaxia, assim


como as vacinas.

Milhares de pessoas poderiam ser inoculadas de maneira rápida e barata


no caso de uma ameaça de epidemia. Um medicamento feito à base de
grãode-bico (Lathyrus) foi usado com bastante sucesso durante a epidemia
de poliomielite.

6. Pessoas que são alérgicas a antibióticos e outros medicamentos podem


usar remédios homeopáticos.

Medicamentos homeopáticos podem substituir quase todos os remédios


convencionais.

7. A cura é mais rápida.

Medicamentos convencionais podem aliviar a dor ou diminuir a


inflamação, mas não aceleram a melhora. Todos os medicamentos
homeopáticos, quando escolhidos de maneira apropriada, antecipam o
processo de recuperação.

8. Às vezes, você pode evitar a cirurgia.

Pólipo, amigdalite, hemorroidas, úlceras, abscessos, problemas na


vesícula e outros, muitas vezes, são curados com tratamento homeopático.
A cirurgia é sempre uma opção, mas, se possível, por que não tentar um
método menos invasivo?

9. Medicamentos homeopáticos removem toxinas do corpo.

Medicamentos convencionais aumentam o nível tóxico do corpo.

0 QUE VOCÊ PODE OBTER COM A HOMEOPATIA

Se os tratamentos médicos convencionais não estivessem disponíveis, o


que uma pessoa comum poderia conseguir com a homeopatia? Você não
seria um especialista, mas, mesmo assim, poderia prevenir doenças, aliviar
dores e salvar vidas.

PRIMEIROS SOCORROS

Assim como uma pessoa pode aprender os primeiros socorros


convencionais, pode também aprender os primeiros socorros
homeopáticos. Isso inclui o tratamento de qualquer coisa, desde cortes e
torções até concussões e ossos quebrados. Para tratar lesões com primeiros
socorros, você deve apenas detectar o tipo de lesão. O livro lista o
medicamento apropriado. Por exemplo, contusões requerem Arnica e
queimaduras requerem Cantharis. É muito simples. Você encontra os
medicamentos para primeiros socorros no Capítulo 3, "Doenças de A a Z".

CUIDADOS INTENSIVOS

Os cuidados intensivos abrangem tudo, desde resfriado e tosse a gripe,


feridas infectadas e pneumonia. Se souber o nome da doença, pode dar uma
olhada neste livro. Envolvem mais decisões do que o tratamento com
primeiros socorros, porque você terá mais medicamentos para escolher.
Selecione o medicamento correspondente aos sintomas do paciente. Faça o
melhor que puder! Você não precisa acertar na primeira vez, ou mesmo na
segunda ou terceira; homeopatas treinados em geral experimentam
diversos medicamentos antes de chegar ao correto. Você também pode
consultar os medicamentos para problemas mais graves no Capítulo 3,
"Doenças de A a Z".

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

Medicamentos homeopáticos também podem ajudar a prevenir doenças.


Caso houvesse uma epidemia e não existissem vacinas disponíveis, você
poderia usar alguns medicamentos para ajudar a prevenir a doença ou a
reduzir sua gravidade. É algo similar à vacinação, mas sem os efeitos
colaterais.

COMO SÃO FEITOS OS MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS

O primeiro passo para produzir um medicamento homeopático é


dissolver uma substância em água ou álcool etílico. Depois, ela passa por
um processo de diluições sucessivas, seja uma parte em cem ou uma parte
em dez. Em cada fase de diluição, o recipiente do líquido é batido com
firmeza de cinquenta a cem vezes (chama-se agitação). O processo de
diluição e agitação deve ser realizado de 3 a 100 mil vezes. A operação
completa é chamada potencialização. Ela remove a substância original, mas
deixa o padrão de energia.

Quanto maior o número de diluições e agitações, mais forte e profundo


será o medicamento, e maior será o tempo de atuação. O efeito de cura de
um medicamento que foi diluído 50 mil vezes e agitado 5 milhões de vezes
pode com facilidade durar um ano.

Quanto mais diluído, mais forte fica? Parece um paradoxo. De fato,


durante anos ninguém sabia ao certo como os medicamentos funcionavam,
mas pesquisas recentes ajudaram a explicar. Quando algo é dissolvido em
água e depois potencializado, as moléculas de água formam agrupamentos.
As características dos agrupamentos são específicas para cada substância.
Além disso, os grupamentos podem transportar informações complexas e
comunicar a outras moléculas de água. O padrão de energia da substância
original afeta a água, e o efeito é transmitido por meio de cada diluição.

Os medicamentos homeopáticos curam oferecendo ao corpo um padrão


de energia que imita o padrão de energia da doença, o que aciona a cura.

O medicamento não adiciona nenhuma substância química ao corpo; ao


contrário, contém informações sobre como curar. É semelhante a um
disquete no computador. Pessoas que não possuem conhecimento sobre a
homeopatia, muitas vezes, tentam denegri-la, dizendo que não há nada no
medicamento. Bem, não existe nada químico, mas sim informação. Seria
insensato dizer que não há nada em um CD. O medicamento dá ao corpo
instruções para a cura, da mesma maneira que o CD dá instruções ao disco
rígido.

COMO FUNCIONA A HOMEOPATIA? POR QUE UM PADRÃO DE ENERGIA


CONSEGUE CURAR UMA DOENÇA?

A homeopatia tem alguns pressupostos básicos sobre a doença e a cura.

•Seres vivos estão vivos porque há uma energia que flui através deles.
Hahnemann chamou essa energia de "força vital". Na Índia, ela é
conhecida como grana, e, na China, como chi. Wilhelm Reich a chamou
de orgone. Não importa como é chamada, essa energia é a centelha
que nos anima. Sem ela, todos os animais e plantas seriam um monte
de química inerte.
•A doença é um distúrbio da energia do corpo. Coisas que em geral são
tratadas como doenças, tais como febres, inflamações, veias
obstruídas e tumores, são resultado de um distúrbio no fluxo de
energia. São os sintomas, os sinais e os resultados da doença, mas não
a doença em si. A doença é a energia desestabilizada.

•Para curar uma doença é preciso restabelecer o fluxo de energia do corpo.

•Já que a doença é uma desestabilização da energia, é preciso um


medicamento energético para corrigi-la.

Os medicamentos homeopáticos são essencialmente padrões de energia.

COMO UM MEDICAMENTO ESPECÍFICO AJUDA A CURAR DETERMINADA


DOENÇA?

O famoso médico Louis de Broglie demonstrou que toda matéria (viva ou


inerte) possui comprimento de onda e frequência, ou seja, tudo vibra. Isso
inclui pessoas, animais, rochas e medicamentos homeopáticos.

Quando estamos saudáveis, vibramos de uma maneira; mas esse ato


muda durante a doença. Um medicamento homeopático que corresponde à
vibração da doença imita a doença, o que estimula e guia o processo de
recuperação. Os sintomas desaparecem porque o medicamento corrigiu o
problema de energia subjacente.

Cada medicamento representa uma vibração diferente. Como não


podemos ver as vibrações, o que se correspondem na verdade são os
sintomas dos medicamentos e os do paciente.

A ideia de que a doença é provocada por um desequilíbrio na energia é


bastante diferente da visão convencional, a qual diz que a doença é causada
por um desequilíbrio químico e precisa ser corrigida com produtos
químicos. Em vez de um sinal de cura, os sintomas são vistos como a
própria doença e reprimidos com fortes produtos químicos, chamados
drogas. A supressão dos sintomas é fundamental para essa visão. Tratar as
doenças dessa maneira gera graves inconvenientes. Como ela não resolve o
problema subjacente, os sintomas com frequência retornam, o que exige
medicamentos cada vez mais fortes, muitas vezes com perigosos efeitos
colaterais. A ineficácia dessa abordagem é bastante evidente nas doenças
crônicas, a maioria das pessoas com doenças crônicas precisa tomar
medicamentos pelo resto da vida; tornando evidente que o problema não
foi corrigido.

Além disso, a supressão dos sintomas pode deixar a pessoa mais doente.
Quando o corpo precisa se livrar de toxinas, podemos sofrer com o nariz
entupido, olhos lacrimejantes, vômito, diarreia, transpiração ou febre.
Trata-se de sinais de que o próprio corpo está tentando se curar. Quando
um medicamento impede que isso ocorra, para onde vão as toxinas? A
expressão natural do corpo foi prejudicada.

De acordo com a homeopatia, suprimir os sintomas ao longo do tempo


pode criar uma doença mais profunda e grave. Por exemplo, homeopatas
observaram que simples doenças na pele, suprimidas com medicamentos,
evoluíram para asma. Além do mais, se a asma for suprimida, pode evoluir
para colite, artrite, doenças cardíacas etc. A prova disso é que o processo se
inverte sob tratamento homeopático. Quando a colite é curada, os sintomas
da asma regridem com rapidez, quando os sintomas da asma desaparecem,
surgem erupções cutâneas por um ou dois dias; dessa forma, o processo
está completo.

Ocasionalmente, os próprios sintomas podem oferecer riscos à vida,


como uma reação alérgica à picada de uma abelha. Nesses casos, faz sentido
reprimir. No entanto, na maioria das vezes, os sintomas representam um
processo de recuperação.

A DOSE MÍNIMA

Ao usar medicamentos potencializados, os homeopatas podem então


aderir a um segundo princípio: a dose mínima. Esse princípio estabelece
que o homeopata deve usar a menor quantidade de medicamento (ou
energia) necessária para acionar a cura. Assim, os medicamentos
estimulam o corpo a realizar mudanças em vez de obrigá-lo a isso. Por
serem tão diluídos, não produzem os efeitos colaterais dos produtos
químicos. Essa é uma abordagem muito diferente da medicina
convencional, a qual utiliza doses tóxicas de produtos químicos que matam
mais de 100 mil norte-americanos por ano.

O processo de potencialização permite que os homeopatas produzam


medicamentos perfeitamente seguros com base em substâncias que seriam
tóxicas na forma bruta. De fato, quanto mais tóxico é algo, melhor será o
medicamento produzido por ele. Isso acontece porque qualquer sintoma
que uma substância possa causar, ela também pode curar. O arsénico, por
exemplo, produz vários sintomas graves e, portanto, tem uma vasta gama
de propriedades curativas quando é usado homeopaticamente.

Existem, hoje em dia, em torno de 2 mil medicamentos homeopáticos. A


maioria é feita com base em plantas, minerais ou elementos químicos.
Vários remédios são feitos com substâncias animais, como a toxina da
picada de abelha e o veneno de cobra. Também há alguns medicamentos
elaborados com base em tecidos doentes, como tuberculose ou difteria.
Esses medicamentos são chamados de nosódio. Você não pode adquirir
nenhuma doença deles, porque não contêm nada além do padrão de
energia. Na verdade, nosódio são muitas vezes utilizados para prevenir
essas doenças durante epidemias.

EXEMPLOS DE SUBSTÂNCIAS UTILIZADAS PARA PRODUZIR


MEDICAMENTOS

•Plantas: margarida, drósera, feijão-de-santo-inácio, alecrim selvagem.

•Minerais: sulfato de cálcio, carbonato de potássio, cloreto de sódio, sulfato


de sódio.

•Elementos: fósforo, enxofre, ouro, prata, cobre.

•Substâncias animais: toxina da picada de abelha, veneno de cobra, tinta


produzida por moluscos.

•Substâncias de doenças: tuberculose, difteria, gripe.

Assim que são potencializadas, as substâncias se tornam bastante


seguras e são capazes de estimular a recuperação. Dessa forma, agem de
maneira bem diferente das substâncias brutas.
COMPROVAÇÕES

COMO OS HOMEOPATAS DESCOBRIRAM QUAIS SUBSTÂNCIAS


CURAM DETERMINADOS SINTOMAS

Ao longo dos últimos 200 anos, várias plantas, minerais, substâncias


animais e extratos de doenças foram testados em voluntários saudáveis
para ver quais sintomas produziriam. A iniciativa determinou quais
sintomas essas substâncias poderiam curar.

Esse processo de experimentação é denominado prova, do alemão


Pruefung, que significa "teste". Os voluntários são chamados de
provadores. Normalmente, recebiam cada vez mais doses homeopáticas de
algo, até que o corpo e a mente reagissem. Relatavam qualquer mudança
experimentada ao homeopata, que também registrava suas observaçóes.

Os provadores experimentaram sintomas e alterações físicas e mentais.


Até o momento, os sintomas registrados chegam a milhares de casos e
cobrem praticamente todos os sintomas conhecidos pelo homem. Alguns
exemplos de sintomas físicos são dor de cabeça, dor de garganta, ossos
doloridos, dor de estômago, dificuldade de respirar, menstruação irregular,
micção dolorosa e problemas na visão e na audição. Também foram
observados sintomas emocionais como ansiedade, raiva, medo, vergonha,
depressão e ciúme. Os provadores, às vezes, experimentavam mudanças
positivas na personalidade, como deixar de ser indiferente para ser
intensamente simpático.

Cada substância também produziu sentimentos específicos de "melhor


ou pior". Por exemplo, um provador pode ter tido uma dor de cabeça que
ficou melhor ou pior por causa do calor, sono, movimento, alimentação,
hora do dia, descanso, ar fresco, pressão, claridade ou companhia. Essas
condições de "melhor ou pior" são chamadas de modalidades.

Algumas modalidades de medicamentos comuns são:


•Arsenicum: pior da meia-noite às três horas da manhã.
Bryonia:• pior com qualquer movimento.
•Hepar sulphur: pior com gripe.
•Lachesis: pior depois do sono.
•Lycopodium: pior ao comer ostras.
•Natrum sulphuricum: pior com umidade.
Phosphorus:• melhor com companhia.
•Pulsatilla: pior em um local fechado e melhor ao ar livre.
•Rhus toxicodendron: melhor com movimento.

Muitas das substâncias produziram vários estados emocionais e mentais


característicos. Eles acabaram sendo um dos melhores guias para a escolha
do medicamento certo.

Aqui estão alguns dos estados mentais produzidos por substâncias


específicas:

Arsenicum (trióxido de arsênico): grande ansiedade, em especial quando


sozinho, medo de morrer, inquietação, tendência a ser crítico, consciência
sobre trivialidades, desespero pela recuperação. Medo de câncer, ladrões,
pobreza e fantasmas.

Aurum (ouro): sensação exagerada de obrigação e a ilusão de que é um


fracassado, acompanhada por forte sentimento de culpa, depressão grave,
ataques de raiva, vontade de morrer ou intenção ao suicídio.

Lachesis (veneno de cobra surucucu): a pessoa se torna extremamente


comunicativa, sarcástica, apaixonada, intensa, ciumenta e vingativa. Grande
clareza na mente ou confusão. Medo de cobras, do mal, de ir dormir.
Aversão a qualquer coisa apertada em volta do pescoço.

Lycopodium (licopódio): extrema falta de confiança, ansiedade


antecipada, medo de ficar sozinho, claustrofobia, sentimentos de
infelicidade, medo de estranhos, predisponibilidade a sentir-se ofendido, a
ser ditatorial; vontade de chorar quando agradece.

Sepia (tinta produzida por molusco): raiva quando contrariado,


irritabilidade, aversão à família, aversão à companhia e medo de ficar
sozinho, predisposição para ficar irritado ao ser consolado, medo da
loucura, histeria, apatia esmagadora.


ORIENTAÇÕES PARA O USO DE MEDICAMENTOS

Para usar medicamentos com segurança e eficácia, siga estas


orientações.

1. A regra mais importante é: à medida que o paciente melhora, deve-se dar


o medicamento com menos frequência.

Na homeopatia, menos é mais! O medicamento inicia a cura e o processo


continua por si só. Continuar tomando o medicamento depois que os
sintomas se foram pode ser contraproducente.

2. Coloque de três a cinco comprimidos (ou de oito a dez pequenas


bolinhas) do medicamento dentro da tampa do frasco e ponha-os
diretamente em cima ou embaixo da língua.

Deixe o medicamento se dissolver na boca. Os remédios não são


engolidos inteiros como as pílulas comuns. Evite tocar o medicamento, pois
sabonetes, perfumes ou óleos nas mãos podem interferir na ação dele.

Para crianças, dissolva o medicamento em duas colheres de chá de água


e coloque algumas gotas na língua. Para animais, comprima o medicamento
entre duas colheres e coloque o pó nas gengivas ou língua. Para um
paciente inconsciente, coloque o medicamento entre o lábio e os dentes,
para se evitar que seja inalado.

3. Não coma nem beba nada por dez minutos.

Os medicamentos são mais bem absorvidos dez minutos antes ou meia


hora depois de se comer ou beber, exceto no caso de ingestão de água. O
medicamento funciona melhor se não houver resíduos de comida na boca.
Entretanto, em caso de emergência, não se preocupe com essa regra;
apenas dê o medicamento!

4. Algumas substâncias podem neutralizar o efeito curativo do


medicamento.

Essas substâncias incluem menta (por exemplo, pasta de dente, balas de


menta), café, camphora e perfumes fortes ou óleos essenciais. Tente evitá-
los quando for tomar o medicamento.

Observação: se em algum momento quiser deter o efeito de um


medicamento, chupe uma bala de menta forte, inspire óleo essencial ou
beba café. Se o corpo alguma vez reagir de forma exagerada a um
medicamento, seja porque você o repetiu muitas vezes ou porque é um
daqueles raros indivíduos que são hipersensíveis a medicamentos, você
também pode, intencionalmente, neutralizar o efeito com menta, café etc.

DOSAGEM

Em uma situação em que há ameaça à vida, como um ataque cardíaco,


repita o medicamento a cada 15 minutos. Para problemas sérios, como dor
de garganta, repita a cada 3 ou 4 horas. Em ambos os casos, conforme o
paciente melhora, dê o remédio com menos frequência. Quando os
sintomas melhorarem, pare. O medicamento continua fazendo efeito. Se os
sintomas voltarem, repita o medicamento de novo. Se não fizer efeito após
três doses, provavelmente, é o medicamento errado. Tente outro.

POTÊNCIA

A força de um medicamento é chamada de potência. É uma função de


quantas vezes a substância foi diluída e agitada. Quanto mais diluições e
agitações, mais forte o medicamento. Com mais forte quero dizer ação mais
profunda e prolongada. Pode parecer um contrassenso, mas os efeitos vêm
sendo demonstrados há mais de duzentos anos.

Os medicamentos vêm em diferentes potências, que são indicadas pelo


número e letra no tubo ou frasco. O número representa o número de
diluições. Quanto mais alto o número, mais profunda e longa é a ação. 30
CH é mais forte do que 12 CH Medicamentos marcados com "CH" foram
diluídos em 1:100 e são cerca de duas vezes mais fortes do que os
marcados com a letra "x", que são diluídos em 1:10. 30 CH é cerca de duas
vezes mais forte do que 30x.

Como iniciante, é melhor usar 3 CH para problemas menores e 30 CH ou


200 CH para emergências. Em uma situação de ameaça à vida, como um
ataque cardíaco, use a potência mais alta que tiver e repita-a, se necessário.
É mais importante tomar o medicamento correto do que a potência correta,
portanto dê o que tiver. Existem potências disponíveis que são milhares de
vezes mais altas do que as que sugeri aqui. A menos que seja um
homeopata profissional, evite-as.

COMO SELECIONAR O MEDICAMENTO CORRETO?

Este livro lista doenças em ordem alfabética no capítulo 3, "Doenças de A


a Z". Procure pela doença e encontrará as opções de medicamentos. Escolha
o que melhor se encaixa nos sintomas físicos e no estado mental do
paciente. Não é necessário que o paciente tenha todos os sintomas listados
para aquele medicamento; se tiver os sintomas principais, o remédio
provavelmente o curará.

Caso depois de duas doses não houver efeito, tente o medicamento mais
próximo. Os medicamentos com asterisco (*) demonstram eficácia com
mais frequência, devem ser testados primeiro, a menos que haja uma
indicação mais clara para outro.

E SE VOCÊ TOMAR O MEDICAMENTO ERRADO?

Em geral, nada acontece. Se o medicamento não se identificar com os


sintomas, o corpo não vai absorvê-lo. Nosso corpo é como um rádio,
existem várias estações, mas o rádio recebe apenas aquela na qual está
sintonizado. Se o medicamento estiver perto de ser o correto, pode curar
alguns dos sintomas. Se os remédios forem armazenados longe da luz, do
calor e de radiação (computador, TV, forno de micro-ondas), poderão durar
décadas, não importa a data na etiqueta.

A informação no frasco normalmente atesta que o medicamento é bom


para apenas uma condição, como dor de garganta. Ignore a informação. A
maioria dos medicamentos tem muitos usos, mas o fabricante não pode
listar todas naquela pequena etiqueta.

ACEITANDO O CASO
Quando você busca uma indisposição típica, pode haver de 3 a 15
medicamentos para escolher. A escolha depende dos sintomas do paciente.
Para selecionar o medicamento correto, você precisa estar ciente dos
sintomas. É uma boa ideia tomar notas para que possa se lembrar do que o
paciente disse e de como ele estava.

Quando estiver com o paciente, as coisas mais importantes para olhar e


ouvir são:

1.O que faz a pessoa se sentir melhor ou pior?


2.Sintomas estranhos ou não usuais.
3.Possíveis causas para a indisposição.
4.Mudanças no estado mental.
5.Sensações.

1. 0 que faz a pessoa se sentir melhor ou pior?

A pessoa pode se sentir melhor ou pior por causa de certo número de


condições (modalidades), entre elas calor, frio, barulho, companhia, certas
horas do dia, deitar ou sentar, manter-se parado ou em movimento, deitar
do lado direito ou esquerdo, bebidas quentes ou frias, depois de comer,
após dormir etc.

Aqui estão exemplos de medicamentos e algumas de suas modalidades:

•Arsenicum: melhora com o calor, companhia e pequenos goles de


água. Piora com o frio, entre meia-noite e três da manhã, e quando o
paciente está sozinho.

•Belladonna: melhora com descanso, silêncio ou quando ficar em um


quarto escuro. Piora com barulho, luz, nervos abalados e vento muito
forte.

•Bryonia: melhora quando ficar parado ou deitado sobre o lado


dolorido. Piora com qualquer movimento, esforço ou calor.

•Lachesis: melhora depois de secreções, com ar fresco. Piora depois de


dormir, do lado esquerdo (sintomas do lado esquerdo) com calor,
roupa apertada, em contato com a luz.
•Lycopodium: melhora com movimento, ar frio e comida ou bebida
quentes. Piora entre as quatro e às oito horas da noite, comendo
ostras, doces, depois de dormir do lado direito (sintomas do lado
direito).

•Mercurius: melhora com temperatura ambiente. Piora depois de suar,


com o calor da cama, à noite.

•Nuxvomica: melhora com um cochilo, com o movimento dos


intestinos, descansando, com tempo úmido. Piora de manhã, com
esforço mental, temperos ou estimulantes.

•Phosphorus: melhora com companhia, cochilos curtos. Piora quando


deitar do lado esquerdo, durante tempestades com trovões, quando
ficar sozinho, com barulhos altos e luzes brilhantes.

•Pulsatilla: melhora com companhia, simpatia e ar fresco. Piora com


calor, quando estiver em um quarto quente, quando ficar sozinho,
comer gorduras.

•Rhus toxicodendron: melhora com movimento, estiramento, calor,


tempo seco. Piora depois de descansar, com umidade, frio e à noite.

2. Sintomas estranhos ou não usuais.

Outras coisas para procurar no paciente são os sintomas não usuais. Eles
podem ajudar a distinguir entre diversos medicamentos. Eis uma lista de
sintomas não usuais e uma amostra de medicamentos associados a eles:

•Aversão a qualquer coisa apertada em volta do pescoço: Lachesis.


•Aversão ao cheiro da comida: Arsenicum, Sepia, Ipecacuanha,
Colchicum.
•Cada excremento tem uma cor diferente: Pulsatilla.
•Coceira sem erupção: Alumina, Mezereum, Arsenicum.
•Diarreia dolorida: Cinchona.
•Dor com o mais suave toque, frio ou vento (Heparsulphur)
•Dor insuportável e raiva: Camomila.
•Dor piora depois de descansar e melhora com movimento contínuo:
Rhus toxicodendron.
•Dor profunda nos ossos: Eupatorium.
•Dor que o faz dobrar-se: Coloquíntida.
•Dores de queimadura que melhoram com calor: Arsenicum.
•Febre alta com pulsação baixa: Pyrogenium.
•Febre sem sede: Apis, Pulsatilla. 1 '
•Fome após diarreia: Lycopodium.
•Gravemente ferido, mas diz que está bem e se recusa a ser tocado:
Arnica.
•Língua mole com a marca dos dentes: Mercurius.
•Náusea não aliviada com o vômito: Ipecacuanha.
•Os sintomas continuam mudando em qualidade e localização: Pusatilla.
•Piora com o mais leve movimento: Bryonia.
•Piora depois de dormir: Lachesis.
•Piora depois de suar: Mercurius.
•Queixas do lado direito: Lycopodium.
•Quer de qualquer maneira bebidas geladas: Phosphorus.
•Quer de qualquer maneira pasta de amendoim: Pulsatilla.
•Rolar de um lado para o outro com dor: Tarentula.
•Salivação excessiva (até mesmo com baba), com muita sede: Mercurius.

•Sensibilidade a ruído com vibração do som sentida nos dentes: Theridon.

•Sintomas do lado esquerdo: Lachesis.

3. Causa da doença.

Se você souber a causa da doença, pode ajudar a escolher o medicamento


correto. Alguns medicamentos são associados a causas específicas. Por
exemplo, Coloquíntida é eficaz para espasmos internos causados por raiva.
Natrum sulphuricum é eficaz em sintomas causados por ferimentos na
cabeça. Ignatia funciona melhor com indisposições causadas por pesar.

O medicamento pode ser eficaz por dias, meses ou mesmo anos após a
"causa". Natrum sulphuricum curou sintomas de ferimentos na cabeça anos
depois do ferimento.

4. Mudanças no estado mental.

Quando uma pessoa fica doente, seu estado mental frequentemente


muda. A mudança pode ser dramática ou quase sutil, e pode ajudar a
encontrar o medicamento correto. Como essa pessoa mudou
emocionalmente desde que ficou doente? Ela mudou de animada para
depressiva, de relaxada para ansiosa, de extrovertida para arredia ou de
amigável para descortês? De repente deseja simpatia ou companhia, ou
quer ficar sozinha? Sente-se ansiosa ou temerosa? Há medos específicos,
como medo de escuro, de ficar sozinho ou de cachorros? Está incomumente
inquieta, falante, impaciente, chorona ou letárgica? Está inesperadamente
ciumenta ou com muita raiva?

5. Sensações.

Tente descobrir as sensações específicas que o paciente experimenta. Se


houver dor, ela é entorpecente, aguda, dolorosa ou ardente? Está sentindo
formigamento, coceira, dor, friagem ou pressão?

COMO ENCONTRAR O MEDICAMENTO SEM SABER O NOME DA DOENÇA

Há várias maneiras de resolver esse problema. Lembre-se: você está


lidando com uma situação em que não há ajuda médica profissional
disponível.

1. Busque a doença com a qual o sintoma se parece.

Parece varíola, artrite, intoxicação alimentar, gripe? Busque a doença e


escolha o medicamento que melhor se adapte ao paciente. Por que isso
deve funcionar? Medicamentos homeopáticos funcionam porque
correspondem aos sintomas do paciente, e não ao nome da doença dele.

Suponhamos que se pareça com gripe. Pode de fato ser o início de


malária, febre amarela, praga, antraz ou hantavírus. Entretanto, se o
medicamento se encaixar nos sintomas, ele vai funcionar. Alguns dos
medicamentos usados para gripe também são usados para essas doenças.
Nesse estágio da enfermidade, a pessoa tem sintomas de gripe e os
medicamentos para gripe frequentemente funcionarão.
Os medicamentos têm uma relação "chave-fechadura" com grupos de
sintomas, não com nomes de doenças. Cada medicamento tem certos
sintomas com os quais está associado. Se o paciente tiver esses sintomas, o
medicamento pode curar, não importa o nome da doença. Esse é um
axioma básico da homeopatia.

Exemplo 1: o medicamento Belladonna está associado a vermelhidão,


dor, calor, taquicardia, espasmos e delírios. O paciente piora com luzes
brilhantes, barulho ou nervos abalados. Belladonna pode curar qualquer
doença com esse grupo de sintomas. Já curou casos de dor de garganta, dor
de cabeça, insolação, febre escarlate, abscessos, infecções de ouvido,
hidrofobia, meningite, pneumonia e outros mais. No entanto, só curará
quando os sintomas da Belladonna estiverem presentes.

Exemplo 2: o álbum do medicamento Arsenicum está associado à


ansiedade, calafrios, inquietação, exaustão, sede extrema de pequenos
goles frequentes, diarreia e dores ardentes que melhoram com calor (por
exemplo, ardência na garganta que melhora com chá quente). O paciente
melhora com companhia e calor. Piora entre meia-noite e três da manhã. O
Arsenicum pode curar indisposições com tais sintomas. Já curou diarreia,
gripe, asma, intoxicação alimentar, gangrena, intoxicação sanguínea,
herpes, peritonite, cólera e outras. No entanto, só funciona quando os
sintomas do Arsenicum estiverem presentes.


Escolha o medicamento que melhor corresponda aos sintomas do
paciente. O paciente não precisa exibir todos os sintomas que estão
listados. Se não houver nenhum efeito após duas doses, tente o
medicamento mais parecido. Eles estão listados na ordem de proximidade
de correspondência aos sintomas mais comuns. Ocasionalmente, parte da
descrição de um medicamento será escrita em itálico como uma tônica -
isto é, usado para enfatizar os sintomas ou modalidades mais importantes a
observar. Os medicamentos mais aconselhados para o tratamento são
marcados com um asterisco (*) e listados primeiro. Experimente-os antes, a
não ser que outro medicamento seja claramente indicado.

Observação: às vezes, o medicamento escolhido corretamente produzirá


uma agravação temporária dos sintomas. Esse é um bom sinal e significa
que o processo de cura começou. O agravamento em geral dura de alguns
minutos a várias horas.

Um medicamento quase correto, às vezes, proporciona alívio parcial. Se


você não tiver o medicamento exato, dê o medicamento mais parecido que
tiver.

Potência: a não ser que haja outra indicação, use 30 CH. Se os sintomas
forem muito intensos, como em uma dor de dente, ou se apresentarem
riscos à vida, como em um ataque cardíaco, use 200 CH. Se você não tiver a
potência recomendada, utilize a que tiver.

ABSCESSO

Um abscesso é uma inflamação local com pus. Quando se forma na base


de um folículo capilar, é denominado furúnculo. Quando se espalha por
mais folículos capilares, é chamado de carbúculo. Espremer um abscesso
pode espalhar a infecção. Os medicamentos seguintes podem ajudar o
corpo a encontrar uma abertura para drenagem. A absorção de água
salgada quente ou apenas água quente também ajuda o processo.
*Belladonna: Vermelho, quente e pulsante -, apenas no começo. Sensível ao
toque. Aparece rapidamente.

*Hepar sulphuri (6 x a 6 CH): Ferida cheia de pus. Hepar o traz até a cabeça
para drenar. O abcesso é muito sensível ao toque, frio ou qualquer vento.
*Myristica seb (3 CH): Se Hepar falhar. Ajuda a trazer a inflamação para a
cabeça.
*Mercurius vivus (ou Mercurius solubilis): Desenvolve-se mais lentamente
que Belladonna. A área deve estar dura e há uma sensação de pressão vinda
de dentro. Se o abscesso estiver aberto, pode haver um pouco de pus com
listras de sangue. O Mercurius é útil, principalmente, para pacientes que
suam ou têm pele úmida.
*Silica: Se a recuperação estiver demorando muito e se continuar
drenando. A Silica ajudará a expelir o pus. Também é útil quando qualquer
pequeno ferimento cria pus.
Arsenicum: Dor ardente aliviada pelo calor. Pus sangrento com mau cheiro.
Inquieto, ansioso.
Tarentula cubensis: Inchaço com ardor, dor pungente e roxidão. Ansioso e
muito inquieto.
Arnica: Abscesso após uma lesão. Culturas de pequenos furúnculos.
Machuca-se facilmente. Inchaço quente, duro e brilhante. Piora com o toque
e o frio.
Ácido nítrico: Abscesso, especialmente nos orifícios do corpo, como a boca,
a garganta e o ânus. Dores que fincam como se fossem farpas, tendência a
hemorragias. Irritável.
Enxofre: Culturas de furúnculos. Todos os ferimentos têm pus. Coceira
seguida de ardor quando arranhada. Afeta, principalmente, pessoas que
gostam de um ambiente fresco e não conseguem suportar o calor.

ABSCESSOS QUE PODEM SE TORNAR TOXEMIA

Se a bactéria do abcesso entrar na corrente sanguínea, pode resultar no


envenenamento do sangue (toxemia). Os sintomas incluem febre e
calafrios, respiração e frequência cardíaca rápida e muita ansiedade. Isso
pode progredir para choque séptico, com rosto pálido, pele úmida e fria,
pulso fraco e rápido e respiração rápida e superficial.

Lachesis: A área inflamada tem uma cor arroxeada e pus com mau cheiro e
a pele é extremamente sensível ao toque. A pessoa sempre se sente pior
depois de dormir.

Anthracinum: Pode ter começado com uma sucessão de furúnculos ou


bolhas pretas ou azuis. Terrível dor ardente com grande fraqueza, febre
alta, agitação e secreções com mau cheiro.
Pyrogenium: Pus com um cheiro horrível. O paciente fica melhor com o
calor. Sente dores em todo o corpo. Febre alta com pulsação lenta, ou febre
baixa com pulsação acelerada.
Arsenicum: Dor ardente intensa aliviada pelo calor. Pus sangrento com
mau cheiro. Agitado, ansioso, fraco e sedento por goles pequenos e
frequentes. Piora após a meia-noite.

AMIGDALITE

As amígdalas são nódulos linfáticos que normalmente removem


bactérias do sangue. Durante períodos de infecção, elas ficam
sobrecarregadas e inflamadas. Os sintomas da amigdalite incluem dor de
garganta, dificuldade respiratória, febre e calafrios, dor de cabeça e
mudanças na voz.

*Aconitum: Use no primeiro sinal dos sintomas. Início súbito de calafrios,


febre, dor na garganta, amígdalas inchadas, garganta seca. Muita ansiedade
e agitação.

*Mercurius: Dor do lado direito ou inicia pelo lado direito. Excesso de


salivação, mas muita sede. Mau hálito. Melhora com bebidas geladas. Piora
à noite e com calor da cama. A língua fica bastante revestida e mostra a
marca dos dentes.
*Hepar sulphur: Forma-se pus nas amígdalas. Há dores penetrantes como
farpas. O paciente fica muito friorento e piora com qualquer vento. Melhora
com bebidas quentes. A dor estende-se até os ouvidos quando está
engolindo algo (Phytolacca também).
Lachesis: Dor do lado esquerdo ou começa no lado esquerdo e passa para o
direito. Piora com calor. Engolir líquidos é mais doloroso do que sólidos.
Não suporta que nada toque a garganta. A garganta fica escura ou azulada.
*Belladonna: O lado direito fica mais dolorido. A garganta fica bastante
vermelha e o rosto fica quente e vermelho. Piora ao engolir líquidos. É
quase impossível que o paciente coma, por causa da sensação de a garganta
estar se fechando.
Apis: Dores ardentes e agudas, que pioram com o calor e melhoram com o
frio. Toda a garganta fica inchada e a língua também, tornando difícil
respirar. Sem sede.
Lycopodium: Começa do lado direito e pode ir para o esquerdo. Melhora
com bebidas quentes. Piora das quatro da tarde às oito horas da noite.
Baryta carbonica: Amígdalas inflamadas, formação de pus, a deglutição fica
muito dolorida e é impossível comer. Só consegue ingerir líquidos. As
glândulas no pescoço incham. Sente como se houvesse um tampão na
garganta. Muito friorento.
Phytolacca: A dor na garganta estende-se para os ouvidos. Há bolhas muito
pequenas na garganta, que são vermelho-escuras. Só consegue engolir
bebidas geladas, porque coisas quentes provocam dor. A garganta fica
muito seca.
Silica: Muito friorento. Não consegue engolir. Ulceras na garganta. Sensação
de picadas na garganta.
Lac caninum: A garganta fica brilhante. A dor vai da esquerda para a direita
e volta novamente, ou vice-versa.

ANAFILAXIA: REAÇÃO ALÉRGICA

Essa é uma extrema reação alérgica a coisas como medicamentos,


alimentos e picadas de insetos. Pode ser fatal. Os primeiros sintomas
incluem rubor facial, coceira e palpitações. Depois progride para tosse
violenta, dificuldade de respirar, rosto azulado, queda súbita na pressão
sanguínea, micção involuntária, convulsões e choque. Um problema comum
é a asfixia por espasmos ou inchaço das vias aéreas. Deve-se agir
rapidamente.

Observação: se o paciente estiver inconsciente, coloque o medicamento


entre os lábios e os dentes para evitar que seja inalado.

*Apis (200 CH): Primeira opção. Dor ardente na garganta etc. Garganta
inchada, dificuldade de respirar, não consegue inspirar o ar. Sufocamento
iminente. O rosto pode ficar inchado. Piora com o calor.

Urtica urens: Com urticária. Específico para reação a frutos do mar.


Arsenicum album: Garganta inchada, contração das vias aéreas, ardência na
garganta, dificuldade para engolir, dificuldade respiratória. Muito ansioso e
não consegue deitar porque tem medo de sufocamento. Agitado, assustado,
friorento; melhora com companhia.
Rhus toxicodendron: Pele vermelha, inchada e com coceira. Sente o peito
pesado. Adapta-se às dores. Inquieto, ansioso. Muita sede antes dos
sintomas mais graves. Melhora com o calor (contrário de Apis). Dor nas
articulações.
Histaminum: Se outros medicamentos falharem.

ANESTESIA - EFEITOS COLATERAIS DOS GASES ANESTÉSICOS

Os efeitos colaterais dos gases anestésicos incluem náusea e vômito, dor


de cabeça, boca seca, perda temporária de memória e cansaço.

Atenção: Se o paciente não estiver completamente consciente, dissolva o


medicamento em uma colher de sopa de água e coloque apenas algumas
gotas em sua língua.

*Phosphorus: Primeira opção. Antídoto para os efeitos dos anestésicos


modernos, assim como clorofórmio e éter.

*Ácido acético: Antídoto para todos os gases anestésicos. Uma dose deve
ser suficiente.
Antimonium tartaricum: Antídoto para os efeitos do éter. Muco espesso no
peito que não pode ser expelido pela tosse.
Hepar sulphur: Fraqueza por causa do éter. Sensível ao mínimo vento ou
frio.
Chloroformum: Problemas no fígado após o clorofórmio.

ANGINA

Angina é um tipo de dor no peito causada pela insuficiência do fluxo


sanguíneo através dos vasos coronários. Os sintomas são semelhantes aos
de um ataque cardíaco, exceto que dura apenas de 1 a 15 minutos e não
produz dano permanente no coração. Se o ataque for angina, será
normalmente aliviado por comprimidos de nitroglicerina. Angina é mais
comum por causa da arterosclerose. Os sintomas incluem dor intensa ou
pressão próxima ao coração, ou dor irradiada para o ombro e braço
esquerdos (também para o pescoço ou costas). O rosto fica pálido ou azul e
há muito suor. Pode haver dificuldade respiratória e, muitas vezes, medo
da morte. O ataque pode ser desencadeado por esforço ou stress. Terapia
de quelação pode ser a solução em longo prazo se a causa for o bloqueio de
vasos.

*Aconitum: Para o primeiro ataque. Medo intenso da morte, agitação. Não


tem a fraqueza do Arsenicum.

*Cactus grand: Parece uma faixa de ferro sendo apertada ao redor do tórax.
Pulso rápido, mas fraco. Piora deitado sobre o lado esquerdo.
*Arsenicum: Aperto no peito com sensação de ardor. Muito frio e melhora
no calor e quando coberto. Medo da morte e de ser deixado sozinho.
Inquieto, fraco, sedento por pequenos goles. Rosto pálido.
*Latrodectus mactans: A dor se estende do braço esquerdo até os dedos,
com dormência. Gritos de dor. Respirar com dificuldade. Pele fria. Aperto
no peito.
Iodum: Sente como se houvesse uma faixa apertada em volta do próprio
coração, em vez de todo o peito. Rosto corado, piora com o calor. Agitado e
ansioso. O paciente é normalmente muito magro.
Spongia: O coração parece estar cada vez maior, muito grande para o tórax,
como se pudesse estourar. Piora quando deitado. Friorento e piora com
qualquer vento. Dormência no braço ou na mão.

ANTRAZ

Antraz é uma grave doença infecciosa bacteriana. Pode-se adquirir a


doença com um arranhão, comendo alimentos contaminados ou respirando
germes. Há três formas de antraz, dependendo de como foi contraída: pela
pele, pelo trato gastrointestinal ou pelos pulmões. Na eventualidade de um
ataque terrorista com antraz, a forma respiratória seria a mais provável.
Antibióticos podem prevenir a doença em pessoas que foram expostas. O
tratamento da variedade respiratória deve ser iniciado assim que houver
suspeitas, porque age muito rapidamente.

1.A variedade da pele se forma como uma elevação ou furúnculo


marromavermelhado. A pele fica dura, ulcerada e preta. Os linfonodos
aumentam. Exaustão, dor nos músculos, febre, náusea e vômito
também ocorrem.
2.A variedade gastrointestinal pode ser proveniente de carne
contaminada. Resulta em uma inflamação aguda do trato intestinal.
Náusea, perda de apetite, vômito e febre são seguidos por dor
abdominal, vômito de sangue e diarreia severa.
3.A forma respiratória, chamada de inalação de antraz, inicialmente
parece um resfriado ou gripe. Ocorre fadiga, dor nos músculos, tosse e
febre. Depois de alguns dias a pessoa pode se sentir melhor, mas esta
é a calmaria antes da tempestade. Depois há dificuldade respiratória,
dor torácica, muco espumoso sangrento e, finalmente, insuficiência
respiratória.

PREVENÇÃO

*Antracinum (nosódio 30 CH): Primeira opção.


*Lachesis.

MEDICAMENTOS PARA O ANTRAZ

*Arsenicum: Os furúnculos ardem como fogo, com manchas roxas que


escurecem. A pele fica fria e quente como pergaminho. A pele descasca. O
paciente fica ansioso, inquieto e sedento por pequenos goles. Quer
companhia. Sente dores ardentes, que melhoram com o calor.
*Antracinum: Dor ardente. Linhas vermelhas saem do furúnculo. Inchaço
do tecido, pus com mau cheiro. Endurecimento do tecido. Fezes pretas e
espessas. Quando o Arsenicum falhar. Também pode ser eficaz como uma
prevenção.
*Lachesis: Pus escuro e com sangue e dor ardente que melhora com
aplicação fria. Os sintomas são piores à noite, após o sono e do lado
esquerdo. O paciente fica muito falante.
Secale: A pele fica fria ao ser tocada, mas há uma dor ardente internamente.
O paciente não quer calor e quer ficar descoberto. Dores ardentes que são
aliviadas pelo frio. Piora com o calor.
Belladonna: Calor, vermelhidão, dor pulsante, delírio. Piora com
iluminação, barulho ou nervos abalados.
Rhus toxicodendron: Coceira e ardor no local. Vertigem, agitação, sede.
Diarreia com sangue e espuma. Melhora com o calor.
Garbo vegetabilis: Tosse com ardor no peito. Extremidades frias.
Respiração fria. Deseja ar fresco e quer estar ventilado. Hemorragia nos
pulmões. Arrotos constantes. Rosto azul.
Phosphorus: Dor ardente no peito. Sensação de aperto ou de um peso no
peito. Tosses de escarro com sangue. Deseja bebidas geladas. Medo de ficar
sozinho e vontade de ter companhia. Hipersensibilidade a odores, luzes e
sons. Tendência a hemorragias.
Pyrogenium: Mau hálito, fezes, suor ou vômito. O paciente sente-se exausto,
mas extremamente inquieto. Sente-se completamente machucado. Febre
alta com pulso lento ou vice-versa. Ciente das batidas do coração. Melhora
ao se movimentar, no calor. Piora se ficar frio.

APENDICITE

Essa inflamação repentina do apêndice normalmente começa com dores


perto do umbigo, náusea e vômito. Depois de três a quatro horas, a dor se
desloca para o canto inferior direito do abdômen. A dor pode ser
prolongada e estável ou muito grave. Normalmente piora ao se
movimentar, tossir ou espirrar. Muitas vezes o paciente estica a perna
direita, o que produz algum alívio.

Observação: por causa da natureza da infecção, o paciente pode parecer


melhor após um medicamento, mas depois ter uma recaída. Tente obter
ajuda profissional, pois isso pode rapidamente se tornar um problema que
necessite de cirurgia.

*Belladonna: Piora ao ser tocado, área muito sensível, o paciente não


suporta luz ou barulho. Sente-se melhor deitado de costas com os joelhos
esticados. Dor pulsante na cabeça. O rosto pode ficar vermelho, quente.
Pupilas dilatadas. Piora com roupas mais apertadas. Pode ficar irritável,
nervoso ou delirante.

*Bryonia: Piora com um mínimo movimento, melhora ao deitar do lado


direito, ainda com as pernas esticadas, sedento por bebidas bem geladas,
melhora compressão. Dores ardentes. Pode ficar irritável e delirante. Piora
em quarto aquecido.
Lachesis: Todo o abdômen fica sensível, a dor desce até as coxas, o paciente
fica quente e não quer se cobrir. Melhora deitado de costas com os joelhos
esticados. Piora após o sono e com o mínimo toque.
Rhus toxicodendron: inchaço sobre o lado direito do abdômen, extrema
agitação, piora após se deitar e ficar imóvel. Muita sede.
Ignatia: Histeria, junto aos sintomas físicos. Hiperalerta, teme uma
operação. O corpo fica quente e rígido. Joelhos esticados. Melhora ao mudar
de posição. Não pode suportar a fumaça de cigarro.
Mercurius: Muito suor, mau hálito. O abdômen fica duro, quente e dolorido.
Muita sede, apesar do excesso de salivação (o paciente pode até babar).
Piora deitado sobre o lado direito, em um lugar quente e depois de
transpirar. Fezes verdes ou com listras de sangue. Língua saburrosa2, às
vezes, com gosto metálico.
Dioscorea: Melhora quando curvado para trás, todo esticado. A dor é
constante e pode ser irradiada para as áreas circundantes. Piora deitado de
bruços ou curvado (o contrário de Coloquíntida).
Coloquíntida: Melhora quando curvado. Melhora com pressão e calor. Gosto
amargo na boca. Irritável ou zangado.
Iris tenax: Se disponível, inicie com esse medicamento. Piora com o toque,
área muito sensível. Sensação mortífera na boca do estômago. Vômito
verde. Exaustão. Deprimido, choroso.
Pyrogenium: Se o paciente continuar tendo recaídas.

APENDICITE COMPLICADA POR TOXEMIA

Um ou mais dos medicamentos seguintes podem ser necessários se a


infecção no apêndice se espalhar para a corrente sanguínea. Todo o
abdômen fica dolorido novamente e o vômito continua.

*Pyrogenium: Febre alta, mas pulso fraco ou vice-versa. A cama parece


muito dura. Fezes e hálito com mau cheiro. Agitado, ansioso. Suor quente.

*Arsenicum album: Exaustão repentina, diarreia, agitação, medo da morte,


vontade de tomar goles de água pequenos e frequentes, arrepios, dores
ardentes que melhoram no calor. Deseja companhia.
*Lachesis: Extremamente sensível ao mais leve toque, até mesmo à pressão
das roupas, mas estranhamente bem com um toque mais firme. Falante.
Não consegue colocar a língua para fora, porque ela treme. Piora com o
calor. Sensação de asfixia quando adormece.
*Echinacea: Friorento, enjoado, dores nos membros. Observação: só use
depois das rupturas do apêndice, nunca antes. Use em forma de essência
(não potencializado), 40 gotas repetidas. Pode ser usado sozinho ou com
outros medicamentos.
Belladonna: Piora com nervos abalados, barulho e luminosidade. Abdômen
inchado e duro. Pupilas dilatadas. 0 rosto pode ficar vermelho.
Bryonia: Muita vontade de tomar líquidos, corpo quente, piora com o
mínimo movimento. Dor a cada respiração. Respiração superficial e rápida.
Veratrum album: Extremo frio, suor frio, vômito, diarreia, pulso rápido e
fraco, respiração curta e rebuscada, agitação, ansiedade e sede.
Mercurius: Muito suor, excesso de saliva, mas com muita sede, mau hálito,
muito frio, sangue nas fezes, língua flácida e com a marca dos dentes. Frio
alterna com sensação de calor.

ARTRITE, DOR DE

A artrite envolve a inflamação de uma ou mais articulações. Existem mais


de cem diferentes tipos de artrite e múltiplas causas. Os sintomas variam,
mas geralmente incluem dor e inchaço nas articulações, rigidez pela
manhã, calor em torno das articulações, vermelhidão da pele nessa área,
mobilidade reduzida da articulação e fraqueza, que ocorre com a dor na
articulação. Um dos dois primeiros medicamentos - Bryonia ou Rhus tox -
traz alívio na maioria dos casos.

*Bryonia: Piora com o mínimo movimento, esforço ou calor. Quer se deitar


perfeitamente imóvel. Melhora com pressão e calor na parte dolorida.
Articulações quentes e inchadas. Irritável. Sedento por líquidos.

*Rhus toxicodendron: Melhora com movimentos contínuos, apesar de


sentir dores no primeiro movimento. Piora depois de descansar. Ataca ou
piora com o frio e clima úmido. Muito agitado. Piora após a meia-noite. Às
vezes, deseja beber leite.
Lycopodium: Melhora com movimento. Dormência e dor durante o sono.
Um pé quente, o outro frio. Piora do lado direito. Piora entre as quatro
horas da tarde e às oito horas da noite. Arrotos e flatulência. Deseja comer
doces. Falta de confiança e medo da responsabilidade.
Calcanea carbonicum: Melhora com movimento contínuo (como Rhus
toxicodendron). Os sintomas ocorrem em uma pessoa frioenta, suada e, às
vezes, corpulenta que se cansa facilmente. Piora com esforço físico, frio e ao
beber leite. Suor com o mínimo esforço. Medo de insetos, animais e
pobreza. Não suporta ver crueldade.
Silica: Muito friorento e com os pés congelando. Partes do corpo que estão
imóveis adormecem. Dor no joelho. Sensação de uma faixa apertada em
volta do joelho. Suor com mau cheiro no pé. Piora com frio, vento e
umidade. Doenças após vacinação. Avesso a carne. Falta de confiança.
Consciente sobre insignificâncias.
Apis: Dor ardente, que melhora com o frio. Articulações inchadas. Falta de
sede. Ciumento. Piora com o calor, toque, pressão e após o sono. Sonho de
voar.
Ledum: Friorento, mas a dor melhora com o frio. A dor começa no
tornozelo e panturrilhas e se move para cima. As articulações ficam
inchadas e podem dar uma sensação de frio ao serem tocadas. Dormência
nas articulações. Piora ao se movimentar. Solas dos pés doloridas. Aversão
à companhia e amigos.
Causticum: Melhora com clima quente, úmido ou chuvoso. Piora em clima
seco e frio. Muito frio. Tremores e fraqueza nos membros. Agitação das
pernas à noite. Desejo de alimentos defumados. Micção involuntária ao
tossir ou espirrar. Verrugas em torno da pálpebra, unhas ou ponta do nariz.
Chora em solidariedade aos demais. Doenças com dores duradouras.
Aconitum: Muito ansioso, agitado e sedento. Dores agudas, piora quando
está em pé e à noite. As palmas das mãos podem ficar vermelhas. Pés muito
frios com dormência e formigamento. Piora depois de exposição ao vento
frio ou depois de um susto.
Kali carbonicum: Dor ardente e como se algo fincasse, o que faz o paciente
gritar. Friorento e piora com frio e vento. Piora das duas às quatro horas da
manhã. Muita dor no dedão. Conversa sozinho. Sente medo de perder o
controle. Preocupado com a moralidade e o dever. Aversão a pão. Vontade
de comer alimentos azedos.
Pulsatilla: A dor altera e muda de lugar. Piora em lugar quente e anseia ar
fresco. Chora quando fala sobre a dor. Pouca ou nenhuma sede. Piora com
alimentos muito calóricos, carne de porco ou massas. Deseja apoio e sente-
se melhor assim. Afetivo, emocional ou tímido. Não consegue tomar
decisões.

ATAQUE ASMÁTICO

A asma envolve inflamação das vias aéreas, o que restringe o fluxo de ar


para dentro e para fora dos pulmões. É caracterizada por ataques
periódicos de respiração ruidosa, falta de ar, sensação de aperto no peito e
tosse. Os sintomas graves podem ocorrer por apenas alguns minutos ou
podem durar dias. Os ataques asmáticos possuem muitas causas, incluindo
alergias (poeira, pólen, alimentos, fumaça, fezes de barata, drogas etc.),
infecções respiratórias, estresse físico ou emocional e ar frio.

*Ipecacuanha: Náusea ou vômito é um sintoma-chave, junto à dificuldade


de respirar. Medo de asfixia. Sensação de peso no peito. Suor frio. Melhora
ao descansar e ao ar livre. Piora com o mínimo movimento e com ar quente
e úmido.
*Nux vomica: Começa após as refeições ou pela manhã. Muito sensível a
barulho, luz, odores, ou comentários. Irritável, friorento. Sensação de que o
estômago está cheio e as roupas ficam muito apertadas. Melhora com
tempo úmido, bebidas quentes e arrotos. Piora pela manhã, com frio, após
comer e se estiver descoberto.
*Antimonium tartaricum: Muito catarro espesso que não consegue expelir.
Ruído no peito. O paciente sente como se estivesse engasgado com o muco.
Desanimado. Receia ficar sozinho. Melhora ao sentar ou após vomitar.
Piora com tempo frio e úmido, à noite, deitado, em um lugar quente ou após
tomar vacinas.
*Pulsatilla: Gentil, chorão, pegajoso. Deseja companhia e apoio. Chiado,
tosse com catarro. Asma histérica. Melhora ao ar livre e fresco. Piora em
uma sala quente, à noite, deitado de costas.
*Arsenicum: Extremamente ansioso, inquieto, friorento. Piorada meia-noite
às três horas da manhã, queimação no peito. Não quer ficar sozinho. Chiado
que piora se estiver deitado. Melhora no calor e ao se movimentar, sentado
ou com companhia. Piora com tempo úmido, bebidas geladas, esforço, ao
ficar sozinho ou depois da raiva.
Kali carbonicum: Começa das três às cinco horas da manhã. O paciente deve
ficar sentado ou inclinado para frente com a cabeça em direção aos joelhos.
Medo de ficar sozinho, deprimido ou irritável. Dores como se algo o
fincasse. Piora das três às cinco horas da manhã.
Garbo vegetabilis: Flatulência com muito arroto. Pele azul e fria. Ansioso,
mas não inquieto. Esforça-se para respirar e quer ser ventilado. Melhora ao
arrotar. Piora ao sentar-se ou deitar-se.
Cuprum: Soluços antes do ataque. Vômitos espasmódicos depois do ataque.
O rosto fica azul com espasmos iniciando nas mãos e nos pés. O ataque
ocorre repentinamente e pode durar horas. Melhora ao beber água gelada.
Piora com emoções fortes, perda do sono, tempo quente e à noite.
Moschus: Ataque grave e repentino com muito medo de asfixia. O peito
parece apertado. O paciente não consegue expelir o catarro. Piora no frio.
Risco de morte.
Ignatia: Muitas vezes desencadeado por emoções fortes, como raiva e
tristeza. Tosse seca. Taciturno e silencioso. Piora com consolação e
companhia. Muito sensível à fumaça do tabaco.

ATAQUE EPILÉTICO

Um ataque epilético envolve convulsões durante as quais o paciente cai


no chão com contrações dos braços e das pernas. Outros sintomas incluem
gritos repentinos, músculos contorcidos, dormência ou formigamento,
alucinações de visão ou odor, incontinência e perda da consciência. As
convulsões normalmente ocorrem sem aviso, apesar de algumas pessoas
sentirem que elas estão prestes a ocorrer.

Observação: em qualquer situação na qual a pessoa esteja


convulsionando ou inconsciente, coloque o medicamento entre os lábios e
os dentes para evitar que ele seja inalado.

*Causticum: Por susto, tristeza, frio e bebidas geladas. Muitas vezes ocorre
durante a adolescência ou está associado à menstruação. Gritos, ranger de
dentes. Movimentos violentos dos braços e das pernas. Micção involuntária.
Vertigem. Principalmente em pessoas que são intensamente simpáticas,
idealistas ou rebeldes. Geralmente friorento.

*Bufo: Chora e depois sofre espasmos, com distorção da face e boca


espumando. Cabeça inclinada para um lado ou para trás. Rosto encharcado
de suor. Dor de cabeça após o ataque. Adormece e ronca após o ataque.
Piora à noite, durante o sono, depois de um susto ou após masturbação ou
relação sexual.
*Cuprum: Rosto pálido ou azul. Convulsão violenta, que pode começar com
o paciente gritando. Espasmos das mãos ou dospés com os dedos fechados
e lábios azuis. Os ataques podem ocorrer à noite ou em intervalos fixos.
Mãos e pés frios. Melhora com bebidas geladas. Afeta pessoas sérias,
introvertidas e autocríticas com intensas emoções não expressadas.
*Hyoscyamus: Pode ser causado por medo, tristeza ou álcool. Sente-se
tonto, vêfaíscas, ouve zumbidos. Movimentos agitados e repentinos. Grita,
espuma pela boca, range os dentes. Elimina urina ou fezes. Adormece
depois do ataque. Vertigem. Afeta pessoas ciumentas, desconfiadas e
falantes.
*Cicuta virosa: Depois de uma pancada na cabeça, por causa de vermes,
durante o parto, em razão de emoções fortes. Corpo rígido e costas
doloridas. Cabeça inclinada para um lado, rosto azul ou vermelho-escuro,
braços e pernas rígidos. Gritos. As convulsões propagam-se de cima para
baixo. Dificuldade de respirar.
Ipecacuanha: Convulsões desencadeadas por problemas digestivos. Náusea
persistente, excesso de saliva e sangramento nasal. Piora com calor úmido
e ao comer demais, principalmente alimentos gordurosos e carne de porco.
Belladonna: O paciente sente a chegada do ataque. As convulsões começam
no rosto e nas extremidades superiores. O paciente aperta a garganta por
causa dos espasmos. O rosto fica azul. Não consegue engolir. Passagem
involuntária da urina e das fezes. Vertigem. Piora com luz, frio, movimentos
e toque.
Nux vomica: Em virtude de problemas digestivos, abuso de álcool ou depois
de ficar com raiva. O paciente sente a chegada do ataque e pode sentir
como se formigas estivessem rastejando sobre seu rosto. Membros
contorcidos, o corpo pode se inclinar para trás. Passagem involuntária da
urina e das fezes. Piora com o mínimo toque, barulho, nervos abalados ou
com qualquer vento. Afeta pessoas ambiciosas, perfeccionistas ou irritáveis
que odeiam ser contrariadas.
Observação: a epilepsia causada por uma pancada na cabeça pode, às
vezes, ser aliviada por Natrum sulphuricum.

BOTULISMO
Botulismo é um caso especial de grave intoxicação alimentar na qual a
toxina de uma bactéria chamada botulino causa paralisia. É contraída por
meio da ingestão de alimento no qual a toxina se formou. Os sintomas
iniciais podem ocorrer em qualquer parte, entre poucas horas e oito dias.
Incluem visão dupla, incapacidade de foco, pálpebras caídas, dificuldade de
falar e engolir, intensas cólicas abdominais, ataques de vômito, diarreia,
falha na reação das pupilas à luz e fraqueza nos músculos, começando nos
membros superiores e depois nos inferiores. Subsequentemente,
dificuldade de respirar, terminando em paralisia respiratória.

A maioria dos casos resulta do consumo de vegetais em conserva feitos


em casa, presunto ou carne de porco em conserva, peixe defumado ou cru,
mel ou xarope de milho. Às vezes a bactéria entra por uma ferida aberta. A
toxina é tão potente que até mesmo provar a comida pode ser fatal. Há um
tipo incomum de botulismo ao qual crianças são particularmente
suscetíveis. Não dê xarope de milho ou mel a crianças. Alimentos em
conserva feitos em casa devem ser cozidos por trinta minutos a uma
temperatura de 120 graus.

A toxina do botulismo causa paralisia nos músculos respiratórios. Se o


paciente puder ser colacado em um ventilador para respirar por ele, o
efeito da toxina eventualmente desaparece. Quando os cuidados
convencionais são disponibilizados no início, o tratamento envolve a
administração da antitoxina. Entretando, isso só é eficaz no início, antes
que a toxina afete profundamente as terminações nervosas.

*Botulinum (nosódio 200 CH): Dificuldade de engolir, respirar e andar. O


paciente sente como se estivesse em choque. Fala grossa, visão borrada ou
dupla, cólicas estomacais e uma expressão como se usasse uma máscara no
rosto.

*Gelsemium: Dificuldade de engolir, fraqueza muscular, visão borrada,


visão dupla, pálpebras caídas, pupilas não respondem, fala confusa. Não
sente sede, dificuldade de respirar, pulsação fraca. Quer ser deixado
sozinho.
Belladonna (200 CH): Início intenso e repentino dos sintomas. Piora com
luz, barulho, nervos abalados, ficando ao sol, com vento na cabeça e objetos
brilhantes. O rosto fica vermelho e quente. Mãos e pés frios.
Arsenicum: Extremante ansioso, inquieto, fraco e frio. Teme sufocamento e
não consegue deitar-se. Sente sede de pequenos goles. Teme ficar sozinho.
Phosphorus: Sensível a luz, som e odores. Assusta-se facilmente. Teme ficar
sozinho. Sente sede de bebidas geladas.

BRONQUITE AGUDA

A bronquite é uma inflamação da árvore bronquial por causa de infecção


ou irritação (por exemplo, poeira, produtos químicos). Começa
frequentemente com frio, seguida de fraqueza, calafrios, febre baixa, dor de
garganta, nas costas e dores musculares. Uma tosse seca pode vir
acompanhada de congestão com muco em quantidade considerável.

Observação: Crianças na maioria das vezes precisam de Ipecac, Kali


carbonicum, Antimonium tartaricum, Dulcamara ou Phosphorus.
Entretanto, qualquer medicamento pode ser administrado.

*Aconitum: Começo repentino após exposição ao ar frio e seco. Medo e


inquietação. Pele seca e quente. Tosse dura, seca e dolorosa.

*Bryonia: O paciente deita-se perfeitamente imóvel e piora com qualquer


movimento. Tosse seca. Boca seca e sente sede de grandes quantidades de
bebidas geladas. Dor ao respirar ou tossir. Constipação. Irritável.
*Phosphorus: Saliva amarela, manchada de sangue. Muita sede de bebidas
geladas. Melhora deitando-se do lado direito. Sensações de queimação.
Melhora depois de dormir um pouco. Deseja companhia e piora ficando
sozinho. Rouquidão.
*Antimonium tartaricum: Tosse barulhenta. Muco espesso que o paciente
não consegue eliminar. Piora à noite, deitando-se ou ficando em um quarto
quente. Melhora sentando-se, deitando-se do lado direito, movendo-se ou
vomitando.
*Ipecac: Provoca vômito ao tossir. Náusea e vômitos acompanhados de
sintomas respiratórios. Tosse áspera e barulhenta. Os sintomas começam
rapidamente. Tendência a hemorragia.
*Hepar sulphur: O paciente fica friorento e melhora com calor. Piora com
qualquer vento forte. Excreções cheiram a queijo velho. Irritável. Melhora
com calor ou tempo úmido. Piora com frio, comida fria e toque.
*Pulsatilla: Implora por ar fresco, mesmo quando tem frio. Piora com calor
e espaços fechados. Implora por companhia e apoio. Sente medo quando
está sozinho. Completamente sem sede mesmo com a boca seca. Sintomas
mudam de característica e de um lugar a outro. Excreçôes amarelo-
esverdeadas. Melhora com ar frio e com comidas e bebida frias.
Dulcamara: Aparece com tempo úmido. Piora com mudanças climáticas (de
quente a frio ou de seco a úmido). O paciente fica gelado e gosta de ficar
próximo ao aquecedor. Grandes quantidades de muco espesso e amarelo.
Ferrum phosphoricum: Estágios iniciais quando os sintomas não estão
muito claros. Início lento dos sintomas com febre baixa. O rosto alterna
entre vermelho e pálido. Suado. Sangramentos nasais. Melhora deitando-se
e com aplicações frias. Piora entre quatro e seis horas da manhã, à noite,
com bebidas geladas, quando se fica irritado, com movimento e sobre o
lado direito.
Arsenicum: Ansioso, inquieto, gelado, sente sede por pequenos goles,
exausto, sente medo de ser deixado sozinho. Sensações ardentes aliviadas
pelo calor. Piora entre meia-noite e três horas da manhã e com frio.
Melhora com calor, comida quente e sentando-se.
Drosera: Tosse seca com ânsia de vômito, vômito ou suor frio. Piora depois
da meia-noite, com calor e deitando-se. Melhora com ar fresco e sentando-
se. Muito inquieto e ansioso quando está sozinho.
Rumex: Sensibilidade ao ar frio e mudanças de temperatura, coceira na
garganta e tosse ao respirar ar frio. O paciente cobre a boca. Muco fino
seguido por muco espesso, amarelo e fibroso. Diarreia asquerosa de manhã
cedo. A pele coça quando se despe.
Spongia: Tosse seca que lembra o barulho de serrar lenha. Piora depois de
dormir, muito gelado, piora deitando-se do lado direito, melhora deitando-
se de costas. Sensação de garganta e pulmões secos. Medo de sufocamento.
Piora depois da meia-noite e com frio.
Kali carbonicum: Ataque começa ou piora entre três e cinco horas da
manhã. Dores ardentes. Extremamente friorento ou piora com vento forte.
Melhora sentando-se ou com a cabeça inclinada para frente sobre os
joelhos. Inchaço das pálpebras superiores.

CÁLCULO BILIAR

Cálculos biliares podem obstruir o canal por onde escoa a bile da


vesícula biliar. A bile fica concentrada atrás dos cálculos, causando irritação
e pressão na vesícula biliar. Muitas vezes a dor ocorre após uma refeição,
principalmente gordurosa. É normalmente na parte superior direita do
abdômen, mas pode se estender até o ombro direito ou até as costas.
Geralmente, a dor é constante e pode ser acompanhada por febre, calafrios,
náusea, arrotos e coloração amarelada da pele. A dor que piora ao se
movimentar é normalmente por causa de cálculos biliares. Se houver muita
vontade de urinar, é mais provável que sejam pedras nos rins.

Observação: um método para eliminar os cálculos biliares, que


normalmente é recomendado, é beber meia xícara de azeite de oliva
misturado com um terço de xícara de suco de limão. A mistura é consumida
em uma colher de sopa a cada 15 minutos. Pode ser repetida diariamente
durante dois ou três dias, se necessário.

*Cholesterinum: Se você tem tendência a problemas de cálculos biliares,


peça esse medicamento e mantenha-o em mãos. Ele é específico para dores
de cálculos biliares. Se a figura do medicamento não estiver clara, ou se os
sintomas forem pouco específicos, essa deve ser a primeira opção.

*Chelidonium: Melhora com aplicações quentes ou ao beber água quente.


Calafrios durante o ataque. Dor abaixo do ombro direito. A dor se estende
para baixo, indo do umbigo até os intestinos. O rosto fica amarelo, às vezes.
Vômitos. Fezes com cor de barro. Chelidonium foi descrito para ajudar a
eliminar cálculos biliares e para prevenir sua formação. Uma potência 6 CH
duas ou três vezes por dia durante algumas semanas pode ser mais eficaz.
*Berberis vulgaris: A dor é irradiada em todas as direções a partir de um
ponto central pequeno. Normalmente no lado direito. Dor ardente e forte. A
urina tem um sedimento branco-acinzentado.
*Coloquíntida: O paciente se contorce de dor. Melhora compressão
constante. Impaciente, irritável ou nervoso. Língua revestida.
*Dioscorea: A dor melhora ao levantar-se e inclinar-se para trás (bastante
esticado). Piora ao se contorcer. Flatulência.
*Belladonna: Rosto quente e vermelho ou amarelo. Pulsação forte. Aparece
repentinamente. Sensação de plenitude na área do estômago. Piora ao
beber qualquer coisa. Piora com luz e barulho. Repita a cada meia hora.
*Ipecacuanha: Náusea acompanha a dor. A língua fica limpa (sem
revestimento). Excesso de saliva, até mesmo com baba. Sem sede. Piora
com calor.
*Cinchona: Rosto e olhos amarelos. Arrotos e constipação. Piora com toque
leve, mas melhora com pressão. Friorento e piora com frio e vento, mas
deseja bebidas geladas. Os ataques ocorrem periodicamente, às vezes todo
dia no mesmo horário. Cinchona pode ser receitada para prevenir a
formação de pedras.
*Nux vomica: Rosto amarelo. Friorento, constipado, irritável e
hipersensível a barulho, odores ou críticas. Não suporta nada apertado em
volta do abdômen. Aversão à comida. Piora pela manhã.
*Chionanthus: Ajuda a expelir pedras e prevenir sua formação. Fezes
barrentas, constipação, urina escura, pele amarela. A língua fica bastante
revestida com uma camada amarelo-esverdeada. Sensação de que há uma
corda amarrada em torno do intestino. Melhora deitado sobre o abdômen.
Piora ao se movimentar, com vento ou frio.
Lycopodium: Dor intensa com sensibilidade na área da vesícula biliar.
Flatulência, inchaço abdominal, constipação e azia. Piora das quatro às oito
horas da noite. Piora com a pressão das roupas. Melhora com bebidas e
comidas quentes. Friorento, mas deseja ar frio.
Calcanea carbonica: Gelado com suor frio, principalmente na cabeça, nas
mãos e nos pés. Curva-se, aperta as mãos e se contorce de dor. Piora com
frio e pressão das roupas.
Bryonia: Piora com o mínimo movimento, até mesmo com respiração
profunda. Deita-se completamente imóvel sobre o lado dolorido. Boca e
lábios secos, tem sede de grandes bebidas geladas. Piora com calor.
Irritável.
Veratrum album: Frio congelante com suor frio no rosto. Vômitos e
diarreia. O rosto fica pálido ou azul. Piora com o mínimo movimento e ao
beber, principalmente bebidas geladas. Sensação de frio no abdômen.
Aconitum: Aparece de repente com dor intensa. Medo da morte. Sente
muito frio, mas não suporta ficar em uma sala quente. Sente-se fraco em pé
ou sentado. Normalmente útil no primeiro ataque. Repita a cada 15
minutos.

CATAPORA

A catapora é uma doença virai contagiosa caracterizada por coceira na


pele com erupção de pequenas protuberâncias vermelhas que se
transformam em bolhas cheias de líquido. As bolhas crescem em pequenos
grupos, primeiro no tronco, e depois se espalham pelos braços, pernas,
rosto e couro cabeludo. As bolhas eventualmente estouram e formam
crostas, que ficam escuras com o tempo. O vírus se espalha pelo ar ou por
roupas contaminadas.

Os sintomas incluem dor de cabeça, febre baixa, fraqueza e bolhas que


crescem no couro cabeludo, tronco e, às vezes, na boca. Enquanto algumas
bolhas vão criando crosta, outras começam a aparecer. Evitar aspirina, que
foi associada à síndrome de Reye quando utilizada em doenças virais.

PREVENÇÃO

Varicella (nosódio 30 CH) ou Antimonium tartaricum, ou Aconitum e


Pulsatilla, uma dose de cada por dia.

MEDICAMENTOS PARA CATAPORA

Aconitum: No estágio inicial com frebre alta, inquietação e muita


ansiedade. Início repentino. Pele quente e seca. Rosto vermelho, que pode
ficar pálido ao levantar-se. Deseja bebidas geladas. Piora à noite e depois da
meia-noite.
Belladonna: Dor de cabeça latejante, rosto vermelho, pele quente, olhos
vermelhos, sonolento, mas não consegue dormir. Febre alta. Início
repentino. Deseja água gelada ou limonada. Lamenta durante o sono.
Delírios. Piora com vento, luz, barulho ou quando fica irritado. Piora às três
horas da tarde e durante a noite.
Antimonium tartaricum: Bronquite ou tosse barulhenta com muco
espresso. Piora deitando-se. Deve sentar-se para respirar. Erupções
atrasadas. Erupções cheias de pus ou azuis. Grande sonolência. Rosto
pálido com suor frio. Língua branca e pastosa com bordas vermelhas.
Implora por maçãs, frutas e pequenos goles de água. Piora com calor.
Antimonium crudum: Língua coberta com espessa camada branca,
secreções amarelo-douradas saem das bolhas e o paciente piora com calor.
Muito arroto. Tanto implora por comida como tem nojo dela. Extremante
irritável. Não suporta ser olhado ou tocado. Mau humor e recusa-se a falar.
Bravo ou triste com choro.
Pulsatilla: Piora em um quarto quente e implora por ar fresco. Quer uma
janela aberta mesmo quando tem frio. Deseja companhia e apoio. Chora ao
descrever seus sintomas. Boca seca, mas sem sede. Afável (não irritante),
excreções amarelo-esverdeadas. Sonolento de dia, mas desperto à noite.
Rhus toxicodendron: Intensa coceira e músculos rígidos. O paciente fica
inquieto e muda de posição frequentemente. Piora após descansar. Piora à
noite, com frio, umidade ou ao ar livre. Ansioso à noite. Sente sede por
bebidas geladas (especialmente leite). Sonolento após comer.
Bryonia: Tosse seca, febre, sede intensa por grandes quantidades de bebida
gelada, piora com qualquer movimento e quer ficar perfeitamente imóvel.
Muito irritável e quer ser deixado sozinho. Boca seca e com rachaduras.
Erupção cutânea que se desenvolve lentamente. Fezes grandes e secas.
Melhora com ar frio, pressão, silêncio e descanso.
Mercurius solubilis ou Mercurius vivus: Após a redução da febre. Também
quando as bolhas se enchem de pus. Secreções nasais que queimam e
cheiram a queijo velho. Muita coceira, que melhora se coçando e piora com
o calor da cama. Piora com vento. Transpira facilmente e sente-se pior
depois. Implora por bebidas geladas.

CAXUMBA
A caxumba é uma doença virai contagiosa caracterizada por inflamação
dolorosa das glândulas salivares, que ficam entre a orelha e o maxilar. Os
sintomas incluem inflamação dolorosa das glândulas salivares, febre, dor
de cabeça, perda de apetite, fadiga e dor ao mastigar ou engolir. Possíveis
complicações incluem inchaço dos testículos, pancreatite e encefalite.

PREVENÇÃO DA CAXUMBA

Parotidinum (nosódio 30 CH) ou Pilocarpus (Jaborandi).


Mercurius vivus pode também ser eficaz se os medicamentos citados antes
não estiverem disponíveis.

MEDICAMENTOS PARA CAXUMBA

*Aconitum: Início repentino, pele seca e vermelha, sede insuportável, muito


inquieto, extremamente ansioso.
*Belladonna: Início repentino, transpiração quente, febre alta, rosto
vermelho, sensações latejantes. Piora com luz, barulho, ar frio ou ao ser
sacudido.
*Mercurius solubilis: Hálito desagradável, saliva excessiva, língua mostra as
marcas dos dentes, transpira livremente, mas piora depois. Piora à noite e
com o calor da cama.
*Pulsatilla: Testículos ou seios inflamados. Não suporta estar em um quarto
quente e fechado. Implora por ar fresco. Pede para abrir a janela. Melhora
com companhia e apoio. Sem sede.
Jaborandi: Saliva profusa e espessa e muita transpiração com o rosto
corado.
Parotidinum: Esse nosódio pode ser usado um dia por semana como uma
prevenção ou para acelerar a recuperação.
Phytolacca: Pele pálida, glândulas endurecidas, não consegue engolir nada
quente. Dor que irradia para os ouvidos. O corpo fica rígido, piora com
bebidas quentes e melhora com bebidas frias.
Abrotanum: Testículos ou seios inflamados. Se Pulsatilla falhar.

CIÁTICA, DOR

Os sintomas da dor ciática incluem dor aguda que começa nas nádegas e
se estende para a parte de trás das coxas e pernas até os tornozelos. Às
vezes, ocorrem falta de sensibilidade e formigamento ou sensibilidade ao
toque. A dor e a falta de sensibilidade podem piorar quando o paciente
anda ou fica de pé.

*Coloquíntida: Piora com movimento e frio. Deve deitar-se totalmente


imóvel. Normalmente do lado esquerdo. Dor lampejante da parte inferior
das costas até o calcanhar. Piora com toque, frio ou raiva. Às vezes, há falta
de sensibilidade (também Gnaphalium, Rhus toxicodendron e Chamomilla).
*Magnesia phosphorica: Piora com movimento e frio. Piora quando está
descoberto. Lado direito. Melhora ficando em pé.
*Rhus toxicodendron: Melhora quando se movimenta ou quando anda.
Caminha com rigidez. Piora com frio e umidade. Melhora com calor. Muito
inquieto. Tem sede. Piora à noite. Piora quando começa a se movimentar,
mas depois melhora. Às vezes há falta de sensibilidade (também
Gnaphalium) e ardência.
*Bryonia: Piora com o mais leve movimento. Piora ao sentar. Sedento por
grandes bebidas geladas. Melhora ao deitar do lado dolorido e melhora com
pressão. Melhora com água fria. Irritável.
*Nux vomica: Friorento, irritável, sensível a barulho, odores e crítica.
Melhora com calor. Piora pela manhã. Não consegue deitar do lado
dolorido. Constipação com pressão, o que aumenta a dor.
*Kali iodatum: Melhora com movimento e ar fresco. Piora com calor e ao
deitar-se.
*Gnaphalium: Falta de sensibilidade a dor (também Rhus toxicodendron,
Coloquíntida e Chamomilla). Às vezes arde. Piora ao deitar-se ou mover-se.
Melhora ao sentar-se em uma cadeira.
Chamomilla: Dor insuportável, sobretudo, à noite na cama. Muito nervoso.
Piora com movimento. Lado esquerdo. Às vezes, há falta de sensibilidade
(também Gnaphalium, Rhus toxicodendron e Coloquíntida).
Arsenicum: Ansioso, friorento, inquieto e sedento por pequenos goles. Dor
ardente aliviada por calor. Alívio temporário com movimento. Melhora com
calor. Exausto com o menor esforço.
Plumbum: Acompanhada por extrema constipação. Piora com calor,
movimento, leve pressão e à noite. Melhora com massagem.

CIRURGIA

PREPARAÇÃO PARA A CIRURGIA


Arnica: Use no dia da operação, para ajudar o corpo a lidar com o trauma.
Algumas doses de Arnica 30 CH podem ser dadas no dia anterior à
operação.
Aconitum: Para terror.
Phosphorus: Se houver expectativa de muito sangramento.

APÓS A CIRURGIA

Arnica (30 CH ou 200 CH): Para ajudar o corpo a se recuperar. Ajuda a


diminuir a dor e o sangramento e acelera a recuperação.
Phosphorus: Para hemorragia excessiva de sangue vermelho-vivo. Pode ser
usado antes da operação caso o sangramento possa se tornar um problema.
Cinchona: Se o paciente sofrer de perda de sangue ou de outros fluidos
corporais.

DOR PÓS-CIRURGIA

Hypericum: Primeira opção para dor.


Bellis perennis: Para dor provocada por ferimento profundo nos seios ou
nos órgãos pélvicos.
Hamamelis: Dor e sensação de machucado. Sangue vermelho-escuro jorra
do ferimento.
Calendula (30 CH ou 200 CH): Para dor extrema e ferimentos que não
foram curados.
Aconitum: Dor insuportável com pele quente e ressecada e medo constante
da morte.
Staphysagria: Para ferimentos cirúrgicos que se recuperam bem pouco
depois de terem sido drenados. Também para operações que envolveram o
estiramento de esfíncteres.
Symphytum: Caso se mexeu nos ossos.

CHOQUE PÓS-OPERATÓRIO

*Veratrum album: Suor frio na testa, rosto pálido a azul e frio, pulsação
rápida e fraca. Precedido por muito vômito.
*Strontium carbonicum: Com eliminação constante de sangue escuro das
mucosas. O paciente vê cores brilhantes diante dos olhos. Treme com frio e
piora com vento.
Opium: O rosto fica inchado e escuro, as pupilas contraem-se. Pálpebras
caídas. A parte inferior da mandíbula inclina-se para baixo. Respiração
difícil com muito ronco. Coma.
Garbo vegetabilis: A cabeça fica quente, mas a respiração e o corpo ficam
frios. O abdômen fica distendido com arrotos. Deseja ar fresco e quer ser
ventilado.

EFEITOS RUINS OU PROLONGADOS DA ANESTESIA

*Phosphorus: Primeira opção. Serve como antídoto para os efeitos dos


anastésicos modernos, bem como clorofórmio e éter.
Ácido acético: Serve como antídoto para todos os gases anestésicos; use
uma dose.
Antimonium tartaricum: Efeitos do éter. Muco espesso no peito que não
pode ser expelido.
Hepar sulphur: Fraqueza provocada pelo éter. Sensível ao mínimo vento ou
frio.
Chloroformum: Problemas no fígado após clorofórmio.

Atenção: Se o paciente não estiver completamente consciente, dissolva o


medicamento em uma colher de sopa de água corrente e coloque apenas
algumas gotas em sua língua.

INFECÇÃO
Pyrogenium: Se houver ameaça de infecção após uma operação.

CISTITE

A cistite é uma inflamação da bexiga ou do trato urinário inferior. Pode


ser causada por uma infecção bacteriana ou por um agente irritante, como
um medicamento, temperos, banhos de espuma ou absorventes higiênicos.
É mais frequente em mulheres e idosos. Os sintomas incluem desejo
frequente e/ou urgente de urinar, dor ardente ou pungente, pressão na
parte inferior do abdômen e urina com forte odor. Além disso, dor durante
a relação sexual, fadiga, náusea ou vômitos. Idosos também podem
experimentar confusão como sintoma.

*Cantharis: Primeira opção. Dor exacerbada antes, durante e depois da


micção. Vontade constante de urinar. Urina em gotas. Algumas vezes com
sangue. Micção muito dolorosa. Sedento, mas piora ao beber. Febre às
vezes.

*Staphysagria: Dor ardente quando não está urinando. Parece que a bexiga
não esvazia. Piora após relação sexual, após cateterização e depois de ficar
com raiva.
Aconitum: Acompanhado de medo, febre alta, pele quente e seca, muita
sede e inquietação. Aparece repentinamente.
Apis: Dor ardente e cortante, que melhora ao aplicar algo frio. Pouca urina,
que é escura e às vezes com sangue. Sem sede. Piora com calor.
Equisetum: A bexiga parece estar sempre cheia, mesmo após a micção. Dor
no final da micção. Piora sentado ou deitado.
Berberis: Muco espesso na urina. Sedimento vermelho-vivo. Dor nas coxas
durante a micção. Piora ao se movimentar.
Lachesis: Pior após o sono, com algo apertado em volta da cintura, com
calor, antes da menstruação, ao deitar sobre o lado esquerdo.
Belladonna: A urina é escura e turva. Início súbito. Piora em torno das três
horas da tarde. Piora entre as menstruações. Sensações de palpitação.
Melhora com pressão.
Dulcamara: Após exposição à umidade ou tempo frio e úmido.
Argentum nitricum: Dor aguda e ardente e coceira. A urina é escura e às
vezes com sangue. Piora com calor. Deseja doces, o que provoca arrotos.
Melhora com frio e pressão. Ansioso.
Causticum: Urina passa quando tosse ou espirra. Friorento e piora com frio.
Deseja bacon e sal. Aversão a doces.

CLAMÍDIA

Clamídia é uma doença sexualmente transmissível causada por uma


bactéria. Pode ser adquirida e transmitida tanto por homens quanto por
mulheres. Se não for tratada, pode prejudicar os órgãos reprodutores
femininos. Nos homens, pode levar à infertilidade. A clamídia também pode
ser passada de mãe para filho du rante o parto. Bebês infectados podem
desenvolver inflamações nos olhos e nas vias respiratórias. A maioria das
pessoas portadoras de clamídia não apresenta sintomas. Mulheres podem
apresentar secreção vaginal, dor ao urinar, dor abdominal, dor na parte
baixa das costas, náusea, febre, dor durante o sexo e sangramento entre as
menstruações. Homens frequentemente apresentam secreção no pênis,
sensação de queimação ao urinar, coceira na abertura do pênis ou dor e
inchaço nos testículos.

Medorrhinum: Em mulheres: secreções ardentes e com odor estranho. Em


homens: secreções amarelas e dor na uretra. Em ambos: piora com
umidade e frio. O paciente implora por gordura ou doces, peixe e limão.

Enxofre: Em mulheres: queimação e coceira na vagina, piora quando senta,


transpiração desagradável nas coxas. Em homens: coceira na região genital,
queimação na uretra. Em ambos: piora com calor e temperatura elevada e
com banho. Implora por doces e alimentos apimentados.
Thuja: Em mulheres: secreções espessas e verdes, coceira e muita
sensibilidade na vagina. Em homens: testículos machucados, sêmen com
odor desagradável. Em ambos: piora com frio e umidade. Implora por
chocolate e bebidas geladas.

CÓLERA

A cólera é uma infecção bacteriana aguda do intestino grosso. Os


sintomas aparecem depois de um a seis dias e incluem diarreia abundante,
vômito, desidratação, sede intensa, cãibras musculares, pouca eliminação
de urina e colapso. O paciente pode apresentar olhos fundos e pele
enrugada. A cólera normalmente é adquirida ao beber água contaminada.
Desidratação por diarreia apresenta séria ameaça. É importante repor
fluidos, eletrólitos e açúcar.

PREVENÇÃO

Vibrio cholera (nosódio 30 CH) uma vez por semana ou Veratrum album
e Cuprum alternados a cada quatro horas. Camphora é outra opção (2 gotas
de uma essência de Camphora no açúcar uma ou duas vezes por dia).

Observação: armazene a Camphora bem longe de outros medicamentos


homeopáticos, pois os vapores podem destruí-los.

MEDICAMENTOS PARA A CÓLERA

*Camphora: Primeira escolha no início da doença, quando há diarreia.


Muito eficaz se administrada cedo e repetidas vezes. Pode ser usada na
forma de essência, 2 gotas (melhor com açúcar para evitar náuseas) e em
potências. Exaustão repentina, frio congelante, mas recusa ser coberto,
cãibras nas panturrilhas, dor ardente no estômago e na garganta, náusea,
dedos dormentes. 0 paciente pode sentir-se sufocado.
*Veratrum album: Diarreia, suor frio especialmente na testa, frio
congelante, muita sede, cãibras nas pernas e nos dedos, abdômen sensível
ao toque. Vômito, que piora com movimento ou bebida. Implora por água
gelada.
*Cuprum: Espasmos pelo corpo, começando nas mãos. Cãibras nas
extremidades, polegares apertam os punhos. Rosto azul. Cólicas e dores no
estômago, espasmos na garganta que dificultam a fala, vômito. Sente como
se estivesse sufocando e não deixa nada tocar seu rosto. Implora por
bebidas quentes.
*Arsenicum: Extremamente inquieto, muito ansioso, sedento por pequenos
goles, dores ardentes que são estranhamente aliviadas pelo calor, suor frio,
vômito escuro ou verde, língua seca e escura, quer companhia.
Extremamente fraco. Grande medo da morte.
Garbo vegetabilis: Abdômen inchado, muito arroto (o que traz alívio),
cabeça quente, mas mãos e pés gelados. Deseja tomar ar e quer ser
ventilado.
Podophyllum: Diarreia indolor e com odor desagradável, que esguicha
como um hidrante. Muito falante mesmo com calafrios ou febre. Durante o
sono, a cabeça rola de um lado para outro. Hálito desagradável com
salivação excessiva e língua recortada (também Mercurius).
Laurocerasus: Dificuldade de respirar e piora com qualquer esforço. Corpo
frio, lábios azuis, sente como se a garganta fechasse quando engole. Sem
vômito ou fezes. A condição se prolonga por dias e parece que o paciente
não vai se recuperar. O paciente frequentemente cai no sono depois de
tomar o medicamento.
Phosphorus: Muita sede por água gelada, mas vomita logo depois de beber.
Diarreia abundante, que esguicha. Deseja companhia e sente medo de ficar
sozinho. Sensível a luzes, sons, odores. Tendência a sangramento. Soluços
depois de comer.

CÓLICA

Dor abdominal aguda por causa de espamos dos órgãos internos. Podem
ser espasmos do estômago, intestino, duros biliares, uretras, útero etc.
Estes medicamentos são eficazes no tratamento de dor por pedras nos rins,
cálculo biliar, cólicas estomacais, cólicas menstruais e mais.
*Coloquíntida: A dor faz o paciente se dobrar. Melhora com toque e forte
pressão. Melhora com calor. Melhora deitando-se de bruços. Dor pode vir
após raiva, ou a pessoa pode ficar com raiva durante o ataque.

*Magnesia phosphorica: Dor aliviada na maioria das vezes por calor, mas
também ao se curvar. Tendência a queixas do lado direito. Calafrios que
pioram com frio. Piora com toque, mas melhora com forte pressão.
Dioscorea: Dor aliviada curvando-separa trás (o oposto de dobrar-se sobre
si mesmo). Piora dobrando-se sobre si mesmo. Melhora com movimento e
forte pressão. Dor irradia para todas as direções. Dores súbitas que se
movem de um lugar a outro.
Chamomilla: Dor com muita disposição a raiva, bochechas vermelhas,
transpiração quente. Não suporta que o toquem ou falem com ele. Muito
sedento. Piora à noite e ao beber café.
Nux vomica: Irritável, supersensível a barulho, odores e luzes. Calafrios e
piora quando está descoberto. Constipado e esforço ao defecar. Melhora
com bebidas quentes, calor ou afrouxando o cinto. Não suporta roupas
apertadas. Piora pela manhã. Implora por estimulantes.

CONCUSSÃO

Condição que resulta de um ferimento na cabeça. Os sintomas variam e


podem incluir vômito, rosto avermelhado, pulsação rápida, estado mental
confuso, inquietação, pupilas de tamanho inadequado, dor de cabeça,
temperatura baixa ou febre baixa, perda de consciência e coma.

Observação: se o paciente estiver inconsciente ou convulsivo, coloque o


medicamento entre os lábios e dentes para evitar que o medicamento seja
inalado.

*Arnica (30-200 CH): Primeira escolha. Três doses a cada meia hora, depois
a cada hora até que a consciência retorne.

*Hypericum: Caso surgirem convulsões. Usar conforme a necessidade.


Colocar o medicamento entre os lábios e os dentes.
Cicuta virosa: Se a convulsão for muito violenta. Usar conforme a
necessidade. Coloque o medicamento entre os lábios e os dentes.
Opium: Use Opium homeopático se o paciente estiver inconsciente por
períodos prolongados. Pupilas contraídas.
EFEITOS DURADOUROS DE UMA LESÃO NA CABEÇA

Natrum sulphuricum: Efeitos posteriores a lesão na cabeça, como mudança


de personalidade, confusão, depressão e epilepsia traumática, são aliviados
por esse medicamento. Funciona mesmo quando tomado anos após a lesão.
Helleborus: O paciente fica mentalmente vagaroso, responde devagar, tem
dificuldade de concentração, memória prejudicada, suspiros e movimentos
de mastigação involuntários.

CONJUNTIVITE

Inflamação da camada externa do olho e da pálpebra. Existem


numerosas causas para a conjuntivite, incluindo vírus, bactérias, fungos e
várias alergias. A "conjuntivite aguda" é uma conjuntivite virai muito
contagiosa. Recém-nascidos estão sujeitos à forma bacteriana que deve ser
tratada, já que pode ameaçar a visão. Os sintomas gerais da conjuntivite são
vermelhidão nos olhos, olhos aquosos, dor, coceira, sensibilidade a luz,
crostas nas pálpebras e visão embaçada.

*Argentum nitricum: Com muco espresso, amarelo e brando. Piora com


calor e implora por frio, ar fresco. Muito ansioso. Implora por doces, que o
fazem arrotar. Piora com luz clara.

*Pulsatilla: Secreção branda amarelo-esverdeada. Melhora com ar fresco.


Piora com calor. Deseja apoio e companhia. Chora muito enquanto fala
sobre seus sintomas. Boca seca, mas sem sede.
*Aconitum: Inflamação após uma lesão, após a remoção de um objeto
estranho ou após exposição ao ar frio. Olhos secos e ardentes. Muito
ansioso. Com sede.
*Euphrasia: Lágrimas quentes e ardentes e vontade de piscar. Aversão a
luz. Piora à noite, sob a luz solar e com calor.
Belladonna: Olhos muito vermelhos, doloridos e quentes. Início repentino.
Pupilas dilatadas. Piora com luzes, barulho ou nervos abalados. Deseja
tomar limonada e bebidas geladas.
Apis mellifica: Pálpebras inchadas com dor cortante. Melhora com ar frio e
aplicações frias. Sem sede. Piora com calor, toque, após o sono e das três às
quatro horas da tarde.
Hepar sulphur: Pus grosso e malcheiroso. Olhos sensíveis ao frio e ao
mínimo toque ou vento. Piora com frio e melhora com calor. Muito irritado.
Vontade de comer alimentos ácidos.
Enxofre: Olhos secos e ardentes. Pálpebras vermelhas e inchadas pela
manhã; piora em um lugar quente, com banho e no início da manhã. Deseja
gorduras, doces, temperos ou álcool.
Mercurius corrosivus: Dor ardente severa e secreção fina. Muito sensível a
luz. Lágrimas ardentes. Pálpebras inchadas. Muita sede por bebidas geladas
e comida fria. Sua facilmente. Usar se nenhum outro medicamento for
claramente indicado.

CONJUNTIVITE NEONATAL

Essa condição pode ser causada por irritação, canal lacrimal bloqueado
ou infecção. Quando se deve a infecção, pode causar sérios danos ao olho.
Os sintomas no bebê incluem olhos lacrimosos, drenagem sanguínea dos
olhos, drenagem de muco espesso e pálpebras inchadas e vermelhas. Isso
tipicamente ocorre no espaço de um ou dois dias após o nascimento.
Apesar de várias bactérias poderem causar esse problema, a bactéria
responsável pela gonorreia e aquelas que causam clamídia criam
problemas mais sérios. Elas são adquiridas da mãe durante o parto. Os
vírus de herpes genital ou oral são outras causas.

*Argentum nitricum: Muco espesso, amarelo e brando. Piora com calor.


Pálpebras inchadas.

*Pulsatilla: Excreções amarelo-esverdeadas e brandas. Melhora com ar


fresco. Piora com calor. Quer ser carregado.
*Aconitum: Muito ansioso. A condição chega abruptamente. Grande sede.
Olhos vermelhos, pálpebras inchadas, descargas de pus.
*Thuja: Corrimento amarelo-esverdeado nos olhos. Friorento e piora com
frio.
*Ácido nítrico: Gelado, sensível a barulho e pode ter urina com cheiro forte.
Olhos aquosos.
*Enxofre: Olhos secos e ardentes. Pálpebras vermelhas e inchadas de
manhã. Pode haver vermelhidão no ânus e na boca. Quente e piora com
calor. Não gosta de ser banhado.
*Mercurius corrosivus: Descargas ralas e ardentes nos olhos. Transpira
facilmente. Sensível a vento. Piora à noite.
*Euphrasia: Grande excesso de lágrimas quentes e ardentes, que irritam os
olhos e as bochechas. Deseja piscar.
Rhus toxicodendron: Muito inquieto e sedento. Lágrimas quentes e
escaldantes ou pus amarelo. Pálpebras inchadas.
Apis mellifica: Pálpebras muito inchadas, mas não há muita secreção.
Melhora com aplicação fria. Sem sede. Lágrimas quentes. Sensível a luz.
Heparsulphur: Pus espesso com odor desagradável. Olhos sensíveis ao frio,
toque e vento. Sangue escorre entre as pálpebras inchadas. Melhora com
calor. Muito sensível a luz.
Belladonna: Olhos injetados de sangue, muito vermelhos, doloridos e
quentes. Começo repentino. Pupilas dilatadas. Piora com luz.
Arsenicum: Friorento, ansioso, inquieto e sedento. Melhora com calor e
aplicações quentes. Piora depois da meia-noite.
Chamomilla: Muito nervoso e choroso. Quente e melhora com frio.
Pálpebras inchadas. O sangue escorre por entre as pálpebras.
Calcanea carbonica: Pálpebras inchadas, muito muco nos olhos. Friorento,
mas sua abundantemente, especialmente perto da cabeça. Transpiração
com cheiro desagradável. Afeta bebês grandes com cabeça grande.

CONSTIPAÇÃO

A constipação pode implicar falta de movimentos intestinais ou


dificuldade de eliminar as fezes. As causas incluem falta de fibra na dieta,
atividade física insuficiente, estresse físico ou emocional, desidratação,
doença intestinal, problemas neurológicos e vários medicamentos. Junto à
administração dos medicamentos a seguir, a causa precisa ser abordada.

Nux vomica: Vontade constante, mas muito poucas evacuações. Deve


esforçar-se para passar uma pequena quantidade de fezes. Nunca sente que
"terminou". Frio e irritado. Constipação após o uso de medicamentos
prescritos ou drogas narcóticas (Bryonia e Opium também), ou após
consumo excessivo de comida ou álcool. Acorda às três horas da manhã e
sente-se infeliz pela manhã.

Bryonia: Pouca ou nenhuma vontade. As fezes são grandes, duras e secas.


Reto seco. Dor de cabeça. Muito sedento (Nux vomica também). Após o uso
de medicamentos (Nux vomica e Opium também).
Alumina: Deve esforçar-se muito para passar até mesmo fezes moles. Sem
vontade de defecar. Secura do reto. As fezes são duras e, às vezes, cobertas
com muco. A constipação dura dias.
Opium: Sem vontade de defecar. As fezes começam a sair e depois recuam.
A constipação dura semanas. Perda de apetite. Depois de um susto ou do
uso de opiáceos. As fezes são duras, redondas e escuras. Após o uso de
medicamentos (Nux vomica e Bryonia também).
Enxofre: Vontade constante e ineficaz de defecar. As fezes são grandes e
dolorosas. Nunca sente que terminou. Em pessoas que sempre se sentem
quentes e anseiam doces e álcool. Os pés ficam quentes à noite e o paciente
tem de descobri-los. O ânus fica vermelho às vezes.
Natrum muriaticum: Deseja sal, evita companhia e fica irritável e piora com
companhia. Às vezes tem dor retal. As fezes começam a sair e depois
recuam (Silica e Opium também). Durante a menstruação, após tristeza.
Sílica: Muita vontade de defecar, mas precisa se esforçar para que as fezes
saiam. Elas começam a sair e depois recuam (Natrum muriaticum e Opium
também). Afeta pessoas que são friorentas e suam facilmente na cabeça e
nos pés.

CONVULSÕES

Uma convulsão envolve uma contração súbita e incontrolável dos


músculos. Pode ser suave ou grave e violenta. A maioria das convulsões
dura poucos minutos. As convulsões têm muitas causas, incluindo lesões na
cabeça, dentição em crianças, histeria, febre, epilepsia, doenças
neuromusculares, intoxicação (por produtos químicos ou alimentos),
tétano, infecções agudas, desnutrição, prostração pelo calor e níveis baixos
de cálcio.

Os sintomas variam de acordo com a causa e a intensidade, mas podem


incluir perda momentânea de consciência, confusão, baba, espuma na boca,
grunhidos, contração dos músculos, incontinência do intestino ou da
bexiga, suspensão temporária da respiração, repuxo nos membros, náusea
e ansiedade.

Convulsões em adultos são mais frequentes por causa de lesões na


cabeça, epilepsia, excesso de calor e intoxicação alimentar ou por produtos
químicos. Convulsões em crianças são normalmente causadas pela
dentição, ingestão de alimentos inadequados, infecções ou perturbação
emocional.
Durante algumas convulsões, os músculos se contraem e relaxam de
forma intermitente. Esses espasmos são denominados clônicos. Quando os
músculos ficam contraídos, como no tétano, as contrações são
denominadas tônicas. Convulsões epilépticas são aquelas que envolvem
perda de consciência.

Observação: coloque os medicamentos entre os lábios e os dentes para


evitar que sejam inalados. As convulsões após ferimentos requerem Arnica,
Cicuta, Hypericum ou Natrum sulphuricum.

*Hypericum: Primeira opção para convulsões após lesões. (ver também


Arnica, Cicuta, Helleborus).

*Arnica: Após lesões na cabeça. O paciente evita ser tocado e insiste que
está bem.
*Belladonna: Início súbito com o rosto vermelho e quente, olhos
esbugalhados, pupilas dilatadas, pulsação forte. O corpo fica rígido e, às
vezes, ocorrem convulsões violentas. Piora com iluminação, ao se
movimentar ou ser tocado. Principalmente em crianças.
*Calcanea carbonica: Útil principalmente em crianças, se Belladonna não
funcionar. Crianças com cabeça grande, que suam abundantemente.
*Cuprum: Pode começar com espasmos das mãos ou dos pés com os dedos
apertados, rosto e lábios azuis, muita náusea e vômito. Globos oculares
ficam fixos olhando para cima.
*Stramonium: O corpo se inclina para trás, convulsões violentas pelo corpo,
piora ao ver qualquer objeto brilhante, luz brilhante ou água. Terror.
Delírio. Sente medo da escuridão e da solidão. Provocado pelo medo, pela
raiva.
*Chamomilla: Por causa da raiva ou da dentição. Raivoso, grosseiro. Uma
bochecha vermelha e a outra pálida. Suor quente no rosto e na cabeça.
*Nux vomica: Por causa da exposição ao ar frio, abuso de álcool ou comida
ou depois de ficar com raiva. Todos os músculos do rosto se contraem, o
rosto fica roxo. Piora com o mínimo toque, barulho, nervos abalados ou
com qualquer vento. Irritável, hipersensível, friorento.
*Hyoscyamus: Pode ser desencadeado por um susto. Início súbito. O
paciente cai no chão gritando, delirante. Espuma pela boca. Músculos
contraídos. Pupilas dilatadas. Adormece após o ataque. Diferentes partes
do corpo se contraem. Vômito, que pode dar um alívio temporário.
*Agaricus: Os músculos contraem-se e estendem-se, principalmente os do
rosto. Espuma pela boca. Fraqueza dos membros inferiores.
*Cicuta virosa: Depois de uma pancada na cabeça. Cabeça, pescoço e coluna
curvados. Cabeça pende para um lado, rosto vermelho, braços e pernas
rígidos. Olhos arregalados. Convulsões propagam-se de cima para baixo.
Dificuldade de respirar.
Ignatia: Convulsões desencadeadas por medo, tristeza ou outras emoções
fortes. Pálpebras e boca contraídas. Friorento e pálido, com olhar fixo.
Causticum: Proveniente do medo, sofrimento ou estando resfriado. Micção
involuntária durante o ataque. Convulsões durante o sono, corpo muito
frio. Deseja bebidas geladas. Convulsões do lado direito. Triste,
desesperado, receptivo. Quer companhia.
Chumbo: As pernas ficam pesadas e dormentes após o ataque. Cãibras nas
panturrilhas. Língua inchada. Paralisia após o ataque. Linha azul ao longo
da margem da gengiva.
Cina: Em crianças com vermes. 0 rosto se contrai.
Gelsemium: Início mais lento do que Belladonna. O paciente pode ficar
sonolento antes do ataque. Pode ser causado por febre ou medo. As costas e
o pescoço ficam rígidos. O paciente fica quente e agitado.
Glonoine: Por causa da exposição ao calor do sol.
Helleborus: Movimento automático de um braço e uma perna. O paciente
faz movimentos de mastigação. Ocorre depois de lesões na cabeça.
Opium: Nas crianças, por causa do medo. Pupilas contraídas. Rosto
vermelhoescuro e inchado. A cabeça fica recuada.

CÓRNEA ARRANHADA

A córnea é a cobertura clara e curvada na frente do olho. Ferimentos


superficiais na córnea podem ser causados por poeira, areia ou outras
partículas. Os sintomas incluem dor ocular e vermelhidão.

*Calendula: Depois de colocar alguns comprimidos na língua, dissolva um


comprimido de Calendula 30 CH em 1 gota de água potável. Coloque 1 gota
da solução no olho três vezes por dia.

Arnica: Alguns comprimidos na língua. Não coloque Arnica no olho.


Hepar sulphur: Se a área ficar muito sensível ao toque, vento ou frio.
DELÍRIO

Estado de confusão mental e agitação. Pode incluir ilusões de tempo e


espaço, assim como alucinações. O delírio pode ser desencadeado por
vários transtornos, tanto físicos quanto emocionais. Febre, drogas e
infecções são alguns fatores que causam delírio.

*Belladonna: Início súbito. Rosto vermelho e quente, olhos vermelhos,


pupilas dilatadas. Febril. Range os dentes. Tenta fugir da cama. Piora com
barulho, luz ou nervos abalados. Fisicamente, dá golpes nas pessoas ou
morde. Melhora com escuridão e silêncio. Delírios durante o sono.

*Hyoscyamus: Por ciúme ou dor. Deseja ficar nu, ataca com uma faca,
falante (obsceno), desconfiado, ciumento, sem-vergonha, sorridente,
expõe-se, resmunga. Rosto pálido ou vermelho, músculos contraídos,
pupilas dilatadas. Pode ficar febril.
*Stramonium: Entra e sai do delírio. Tímido e se esconde, ou falante
(obsceno), xinga ou reza. Medroso ou violento. Riso histérico constante.
Brinca com os órgãos genitais. Piora com escuridão, solidão ou objetos
brilhantes. Melhora com iluminação e companhia.
Veratrum album: Agitado, muito friorento, suor frio na testa, diarreia.
Deseja frutas azedas, sal ou bebidas geladas. Fervor religioso. Delírios por
causa da dor.
Arsenicum: Durante a febre. Muito medo da morte e não quer ficar sozinho,
principalmente à noite. Muita sede, mas somente por goles pequenos e
frequentes. Friorento e inquieto. Muito fraco.
Baptisia: Delírios durante febre e infecções. Sente dores por todas as partes
do corpo. Secreções malcheirosas. Imagina que está quebrado e seu corpo
está espalhado pela cama. Debate-se ao redor da cama tentando juntar as
partes. Adormece enquanto estão falando com ele.
Bryonia: No delírio, fala sobre negócios e diz que quer irpara casa. Muito
irritável. Lábios e boca ficam muito secos e o paciente tem muita sede.
Piora com calor e com qualquer movimento.
Lycopodium: Arrogante ou ditatorial durante o delírio. Invejoso. Indomável
e delirante, ou resmungão. Reclamações do lado direito. Flatulência. Deseja
doces. Piora das quatro às oito horas da noite ou das três às quatro horas
da manhã.
Rhus toxicodendron: Por causa de medo ou infecções sépticas.
Extremamente agitado e muda deposição constantemente. Músculos
rígidos e se estica frequentemente. Ansiedade à noite. Imagina que está
sendo observado. Delírio de que está longe de casa. Medo de dormir. Deseja
leite ou cerveja. Coceira aliviada por água quente. Piora com frio ou
umidade.
Nux vomica: Delírio com insônia. Friorento, irritável, zangado. Piora com
barulho, odores e luzes. Muitas vezes, relacionado ao álcool.

DENGUE

Doença viral grave contraída de mosquitos infectados. O início é súbito,


com rosto corado, dor de cabeça, dor abaixo dos olhos, febre, calafrios,
muita fraqueza e músculos e articulações rígidos e doloridos. A dor pode
ser experimentada como sendo profunda nos ossos. A febre inicial pode ser
de 40 graus e dura de dois a cinco dias. Frequentemente, a febre
desaparece e o paciente sente-se melhor por aproximadamente 24 horas.
Depois, desenvolve uma segunda febre mais baixa, junto a uma
característica semelhante ao sarampo - erupções cutâneas em todos os
lugares, exceto no rosto. Pessoas que contraem a doença duas vezes em
dois anos podem sofrer de uma forma extrema da doença, que inclui
hemorragia e choque.

*Aconitum: Medroso, inquieto, sede insaciável, pele quente e seca.

*Belladonna: Rosto quente e corado, dor de cabeça palpitante. Piora com


luzes, barulho, vento ou nervos abalados. Melhora em um lugar silencioso e
escuro.
*Bryonia: Dor sentida no corpo inteiro, que piora com o mínimo
movimento. O paciente quer deitar-se perfeitamente imóvel. Muito
irritável. Boca e garganta secas. Sede de bebidas geladas em longos
intervalos. Articulações quentes e inchadas. Piora em um lugar quente.
*Eupatorium perfoliatum: Dor profunda sentida nos ossos, como se eles
estivessem quebrados. Globos oculares doloridos. Agitado. Piora com ar
frio, mas deseja bebidas geladas.
*Rhus toxicodendron: Músculos e articulações doloridos e rígidos. Piora
após descansar, mas melhora após movimentos contínuos. Muito agitado.
Piora com frio ou umidade. Melhora com calor e bebidas quentes. Muita
sede. Coceira, que melhora com calor.
Arsenicum album: Ansioso, agitado, friorento, sedento por pequenos goles.
Dor ardente, que melhora com calor. Diarreia malcheirosa. Exausto com o
mínimo esforço. Deseja companhia. Melhora com calor. Piora da meia-noite
às três horas da manhã.
Nux vomica: Frio extremo, que piora se estiver descoberto ou mesmo em
movimento. Irritável, mal-humorado, hipersensível a luzes, barulho, odores
e à pressão das roupas. Dor na parte inferior das costas, como se estivesse
quebrando. Náusea e vômito.
Crotalus horridus: Hemorragia em todos os orifícios. Sangue nas fezes,
urina e suor. O paciente fica irritável, triste ou só pensa na morte. Fraqueza
e tremores. Não consegue deitar sobre o lado direito. Reclamações do lado
direito. Aversão à luz.
Lachesis: Hemorragias de sangue fino e escuro. Reclamações do lado
esquerdo. Falante e intenso. Não suporta roupas apertadas, principalmente
em volta do pescoço. Piora com calor e toques leves. Melhora com bebidas
geladas e ar fresco.
Se houver choque (pele pálida, fria e úmida, pulsação fraca e rápida,
respiração rápida e superficial), ver "Choque".

DENTIÇÃO

A maioria das crianças começa a ter dentes entre os seis e oito meses de
idade, apesar de algumas demorarem mais. Os sintomas incluem insônia,
extrema irritabilidade, inflamação das gengivas, rejeição a comida, vontade
de morder coisas, diarreia e febres baixas.

*Chamomilla: Primeira opção. A criança fica irritada, nervosa, inquieta,


impossível de acalmar e quer ficar no colo. Uma bochecha fica vermelha e a
outra pálida. Quente e sedenta. Diarreia verde. Convulsões.

*Belladonna: Rosto vermelho e quente, olhos vermelhos. Gemidos. Piora


com luz, barulho e toque. Às vezes há convulsões.
*Coffea: Permanece acordada e não consegue dormir. Melhora com água
fria na boca.
*Kreosotum: A dor piora durante a noite. Gengivas inchadas e preenchidas
por fluido escuro. Os dentes caem logo depois de nascer. Inquieta.
Constipação ou diarreia com comida indigesta.
Magnesia phosphorica: Convulsões por causa da dentição. Diarreia.
Melhora com calor.
Aconitum: Muito medrosa, inquieta e sedenta. Cabeça e gengivas quentes,
morde os dedos. Febre.
Silica: Dentição lenta em crianças magras com cabeça grande. Friorentas.
Chulé. Constipação.
Calcanea carbonica: Transpiração abundante na cabeça, principalmente
durante o sono. Crianças gordas com cabeça grande. Dentição lenta.
Calcanea phosphorica: Dentição lenta em crianças magras e pálidas com
pescoço fino. Intolerância a leite. Diarreia. Piora com frio e vento.
Podophyllum: Diarreia malcheirosa, que jorra. Piora de manhã cedo.
Cypripedium: Insônia provocada pela dentição. Ri e brinca durante toda a
noite.
Apis: Sintomas no cérebro provocados pela dentição. A criança grita muito
durante o sono. A pele coça. Dores ardentes e agudas, que melhoram com
frio. Pouca ou nenhuma sede.
Rheum: A criança cheira azedo e também fica nervosa e inquieta.
Mercurius solubilis (ou vivus): Muita saliva e pode babar. Mau hálito.
Transpira livremente e depois fica pior. Piora à noite e com o calor da cama.

DEPRESSÃO

Pessoas que sofrem de depressão normalmente sentem-se humilhadas,


impotentes e sem esperança. Seu foco intelectual é estreito, o que torna
difícil "pensar em uma saída" para os problemas. A depressão crônica
requer tratamento por um homeopata profissional. A depressão aguda é
normalmente uma reação a alguma circunstância da vida, como a perda de
um ente querido, desilusão amorosa ou fracasso profissional. Também
pode resultar de mudanças hormonais relacionadas ao parto, menstruação
ou menopausa. Os medicamentos a seguir devem ser úteis para a
depressão aguda.

*Ignatia: Medicamento principalpara depressão por tristeza, em virtude da


morte de um amigo, desilusão amorosa, perda de emprego etc.
Preocupação silenciosa, muitos suspiros, às vezes histeria. Humor instável -
ri e depois chora. Chora quando está sozinho. Sensação de nó na garganta,
insônia ou perda de apetite. Piora com calor, café ou cheiro de tabaco.

*Aurum: Depressão suicida. Alivia-se ao pensar em suicídio. Por causa de


tristeza, fracassos no trabalho etc. Sentimentos de culpa e autocensura.
Imagina que negligenciou seu dever ou que perdeu o carinho dos amigos.
Acessos de raiva contra pessoas não presentes ou contra aqueles que o
ofenderam. Piora à noite.
*Natrum muriaticum: Tristeza que dura muito tempo depois da causa.
Deseja solidão. Piora com apoio e companhia. Tristeza silenciosa, chora
somente quando está sozinho. Piora com calor e sol. Deseja sal. Medo de
assaltantes.
*Ácido fosfórico: Parece e soa "desiludido". Apático. Dá respostas com uma
palavra quando é questionado. Deseja frutas e comidas suculentas.
Sepia: Não sente alegria com nada. Indiferente com as pessoas amadas, com
o trabalho etc. Sente que tudo, até mesmo o amor, é um fardo. Esgotamento
da energia física e mental. Piora com companhia, mas teme ficar sozinho.
Pode estar silencioso e emotivo ou mal-humorado e fica facilmente
ofendido. Vê o lado ruim de tudo. Invejoso e acredita que todos são
melhores do que ele. Piora ao ser consolado. Melhora ao dançar ou fazer
outro esforço físico. Deseja alimentos ácidos (limões) e chocolate. Friorento
e piora com ar frio.
Cimicifuga: Desilusão amorosa. Extrovertido, muito falante; suspira;
pessimista, às vezes histérico. Friorento, mas melhora ao ar livre. Sente
como se estivesse em uma "nuvem negra". Medo da insanidade. Depressão
pós-parto, depressão durante a menstruação ou na menopausa.
Pulsatilla: Gentil, dócil. Chora facilmente quando fala sobre seus problemas.
Deseja apoio, companhia e tranquilidade. Não suporta ficar em um lugar
quente e fechado. Deseja ar livre. Humor instável. Depressão antes da
menstruação ou durante a gravidez. Piora à noite. Sente medo de
abandono.
Calcanea carbonica: Medo de perder a cabeça. Dificuldade de concentração
e teme que as pessoas observem sua confusão. Também pode ter medo de
insetos, cachorros ou germes. Não suporta ver ou ouvir sobre violência ou
crueldade. Deseja se esconder.
Causticum: Idealista, profundamente afetado por injustiça, preocupa-se
com os outros, luta por causas. Ansioso no crepúsculo, teme a escuridão,
deseja alimentos defumados. Friorento e melhora com calor. Melhora em
tempo chuvoso.
Lycopodium: Entra em depressão quando algo abala sua confiança. Torna-
se tão inseguro que quer se esconder e evitar toda responsabilidade.
Preocupado com a forma como os outros o veem. Autoconsciente e
desconfortável em torno de pessoas, mas teme a solidão. Muita ansiedade e
medo do fracasso. Chora quando alguém o agradece. Deseja doces.
Lachesis: Extremamente falante, desconfiado, ciumento. Quente e piora
com o calor. Pior depois de dormir. Não suporta roupas apertadas em volta
do pescoço.
Arsenicum: Medo de si mesmo e do que acontecerá com ele. Medo de
perder a segurança. Ansioso, agitado, exigente e crítico. Medo de ficar
sozinho. Piora da meianoite às três horas da manhã. Falta de confiança nas
pessoas das quais depende. Preocupa-se com o futuro. Friorento e melhora
com calor.
Phosphorus: Normalmente extrovertido, simpático e melhora com
companhia. Muito impressionável, sente a dor das outras pessoas. Tensão
entre duas pessoas o deixa fisicamente doente. Gosta de ser abraçado.
Sensível a sons, odores e luzes. Facilmente assustado, medo de trovoadas.
Sempre se sente melhor depois de um curto cochilo. Sedento por bebidas
bastante geladas. Deseja sorvete, chocolate e comida picante.
Carcinosin: Muito receptivo, intensamente atencioso e apaixonado.
Excessivamente responsável e sente-se culpado por estar doente. Exige de
si mesmo e não dos outros. Sempre assume mais trabalhos. Ama animais,
dançar, viajar e trovoadas. Deseja chocolate. Sensível a críticas e facilmente
ferido por uma repreensão. Muita ansiedade. Movido por histórias tristes.
Normalmente tem uma história de medo prolongado ou abuso.

DERRAME

O derrame é caracterizado pela morte das células cerebrais, provocada


pela ruptura ou pelo bloqueio de uma veia sanguínea. Pode ser precedido
por tontu ra, náusea ou vômito. Os sintomas do derrame incluem dor de
cabeça, náusea, vômito, dormência ou formigamento, fraqueza ou paralisia
em um lado do corpo, problemas na fala, dificuldade de engolir, alterações
de humor, vertigem, convulsões ou coma.

Medicamentos homeopáticos administrados imediatamente podem


evitar danos maiores nos tecidos e aumentar a probabilidade de um
resultado positivo. Os medicamentos são eficazes mesmo depois de coma
prolongado.

*Arnica: Dado de imediato, pode alterar o resultado drasticamente.


Estimula a absorção de coágulos sanguíneos. Paralisia no lado esquerdo ou
direito, mas geralmente no esquerdo. A cabeça e o rosto ficam quentes, mas
o corpo fica frio. Medo de ser tocado. Pulsação forte. Se consciente, o
paciente diz que a cama é muito dura.

*Aconitum: Medo extremo. Pulsação forte, rosto vermelho, pele quente e


seca. Uma bochecha vermelha e a outra pálida. Dor de cabeça ardente.
*Lachesis: Paralisia da lado esquerdo. O rosto pode ficar pálido ou roxo e
inchado. Movimentos convulsivos. Sensação de asfixia. Não suporta ter algo
apertado em volta do pescoço. Piora após o sono e com calor.
*Opium: Coma com pupilas contraídas. Rosto inchado e escuro com suor
quente. Olhos vermelhos. Respiração difícil, ronco profundo, pulsação
plena, mas lenta, corpo rígido. Insensível a dor, luz e barulho. Se consciente,
o paciente diz que a cama está muito quente.
*Belladonna: Sintomas no lado direito, rosto bem vermelho e inchado,
pupilas dilatadas, olhos vermelhos e esbugalhados, boca torta para um
lado. Derrames causados por pressão arterial elevada ou excitação
emocional.
Phosphorus: Fica inconsciente repentinamente, pulsação e respiração
quase paradas. Rosto vermelho, mas frio para o toque. Boca torta para a
esquerda. Totalmente insensível. Paralisia unilateral (esquerda ou direita).
Se consciente, o paciente tem muita sede de bebidas geladas. Medo de ficar
sozinho e do escuro. Piora se estiver deitado sobre o lado esquerdo.
Gelsemium: Náusea, dor de cabeça, os membros ficam pesados, olhos
caídos, estupor, coma ou paralisia geral (e não unilateral).
Nux vomica: Paralisia do lado esquerdo (Lachesis, Arnica). Sensível a luz e
barulho. Piora de manhã. Quando ocorrem sintomas mentais ou deficiência
da fala depois de um derrame. Derrames causados por abuso de álcool,
café, drogas ou comida.
Cocculus: Com vertigem, náusea ou vômitos. Não suporta pensar em cheiro
de comida.
Nox moschata: Coma de longa duração. Totalmente insensível.
Extremidades frias, membranas mucosas secas. A língua fixa-se no céu da
boca.
Baryta carbonica: Em idosos com perda da fala, tremedeira nos membros,
pressão arterial alta e chulé.
Zincum: Quando não houver reflexos.

DESIDRATAÇÃO
A perda de líquidos pode ocorrer por falta de bebida, por causa de
diarreia, vômitos, sudorese, micção excessiva. Os sintomas e sinais incluem
olhos fundos, moleiras fundas em crianças, boca seca ou pegajosa, pele que
achata muito lentamente após ser comprimida, pouca ou nenhuma urina,
menos lágrimas e respiração rápida e profunda. Desidratação severa pode
causar insônia ou coma e é fatal. Se a pessoa puder beber, dê os líquidos
por via oral. Caso contrário, líquidos intravenosos ou enemas de retenção
podem ser apropriados.

*Cinchona: Visão fraca, vertigem, friorento e piora com frio ou vento.


Inchaço do abdômen. Melhora deitado ou ao curvar-se.

Ácido fosfórico: Apático, desatento, parece "desiludido", dá respostas com


apenas uma palavra. Deseja frutas e coisas suculentas. Friorento, fraco,
sofre desmaios, estômago embrulhado. Forte dor na parte superior da
cabeça. Piora com frio e vento.
Garbo vegetabilis: Deseja ar e quer ser ventilado (contrário de Chinchona e
Ácido fosfórico). Corpo frio, principalmente as mãos e os pés, e hálito frio.
Medo da escuridão. Abdômen distendido, com muitos arrotos. Não suporta
roupas apertadas na cintura.
Calcanea carbonica: Extremamente ansioso. Preocupa-se com sua saúde,
sua sanidade, em estar sendo observado. A desidratação pode ser
antecedida por vômito com cheiro azedo, diarreia ou suor. Principalmente
em pessoas corpulentas e friorentas com pele fria e úmida e que
transpiram facilmente.

DIARREIA

A menos que se deva a uma doença crônica subjacente, a diarreia é o


método de corpo se livrar de alguma toxina. No entanto, a diarreia pode ser
um risco quando ocorre em crianças e bebês - eles podem entrar em estado
de desidratação em poucas horas. Sinais críticos de desidratação são:
atividade diminuída, falta de saliva, choro sem lágrimas e diminuição do
número de micções.

Observação: para acelerar a recuperação após um surto de diarreia, use


Chinchona.

*Arsenicum album (6 x ou 6 CH): Desencadeada por comida estragada.


Agitado, ansioso, frio e sedento por goles de água pequenos e frequentes.
Piora depois de comer ou beber. Às vezes há dores ardentes aliviadas pelo
calor.

*Chinchona: Diarreia amarela e sem dor. O abdômen fica inchado, mas não
há alívio ao arrotar. Com sede e suado.
*Podophyllum: Diarreia jorra como um hidrante após cada refeição.
Fraqueza depois de cada surto. Sem sede.
*Nux vomica: Friorento, irritável e hipersensível. Acorda às três horas da
manhã. Diarreia por comer mal ou usar drogas.
Veratrum album: Diarreia dolorosa, forçosamente expelida, deixando o
paciente exausto. Sente muito frio, suor frio na testa. Sedento e piora com
bebidas geladas. Exausto. Deseja frutas azedas.
Coloquíntida: Dores agudas que o fazem curvar-se. Melhora com pressão.
Phosphorus: Deseja bebidas frias. Deseja companhia. Sensível a luz,
barulho e odores. Diarreia de longa duração.
Mercurius corrosivus: Fezes quentes, com sangue, finas e malcheirosas. Sua
antes e depois de defecar. Piora depois de defecar.
Baptisia: Fezes repentinas, malcheirosas e sem dor. O paciente parece
intoxicado; pálpebras pesadas, rosto vermelho-escuro.
Garbo vegetabilis: Deseja ar fresco e quer ser ventilado. Gases na parte
superior do abdômen, com muitos arrotos. As mãos e os pés ficam frios.
Ácido fosfórico: Exausto, mas sente-se melhor após a diarreia. Deseja frutas
e alimentos suculentos.

DIFTERIA

Uma doença contagiosa transmitida através de infecção por gotas.


Infectam a garganta, mas também criam toxinas que afetam o sistema
nervoso central e o coração. O período de incubação é de dois a sete dias.
Os sintomas incluem dor de garganta, dificuldade para engolir, febre baixa
e cansaço, seguido por uma membrana cinza característica na garganta. A
membrana e o inchaço dos tecidos podem causar dificuldade de engolir e
respirar. O pescoço pode ficar bastante inchado em virtude do aumento dos
gânglios linfáticos (aparência de "pescoço de touro").

Observação: não coloque o paciente em uma posição sentada se ele


estiver muito fraco.
PREVENÇÃO

Diphtherinum (nosódio 30 CH) ou Mercurius cyanatus.

MEDICAMENTOS PARA A DIFTERIA

*Diphtherinum (200 CH): Comece com esse medicamento, se ele estiver


disponível.
*Mercurius cyanatus (tipo específico de Mercurius): Muita salivação,
transpiração, sangramento nasal. A membrana é verde ou amarela. Os
sintomas aparecem repentinamente. Muita fraqueza.
*Apis: Dor cortante e ardente na garganta. A garganta fica inchada. Os olhos
podem inchar. Sem sede. Sonolência. Membrana mais proeminente no lado
direito (Lycopodium também).
*Lachesis: A membrana começa ou piora no lado esquerdo da garganta. A
garganta fica púrpura. Os sintomas são piores após o sono. Mais dor ao
ingerir líquidos. Pescoço inchado.
*Lac caninum: A dor e a inflamação deslocam-se de um lado da garganta a
outro e retornam novamente. A paralisia da garganta impede de beber. A
membrana é brilhante e tem cor de pérola branca.
Arsenicum: A membrana é enrugada e seca. Fraqueza extrema. O paciente
fica friorento, agitado e quer mudar de posição. Ansioso e com medo de
ficar sozinho.
Lycopodium: A inflamação começa no lado direito epode mover-separa o
esquerdo. As narinas tremem quando o paciente está ofegante. A
membrana estende-se até o nariz. Deseja bebidas quentes. Irritado ao
acordar. Mandíbula inclinada.
Phytolacca: A membrana é cinza, branca, vermelho-escura ou azul. A dor se
estende até as orelhas ao engolir. Dor também na cabeça, nas costas e nos
membros. Sente dor por toda parte. Ardor na garganta como se fosse uma
brasa. Piora com bebidas quentes. Continua tentando engolir.
Kali bichromicum: A membrana é verde e estende-se até o nariz e a
garganta. Há dor em pequenos pontos e muda de posição. Revestimento
grosso amarelo na língua.
Crotalus horridus: Sangramento de todas as mucosas, pele quente,
transpiração, muita sede e exaustão.

DISENTERIA
Inflamação da mucosa do intestino. Os sintomas incluem febre, diarreia,
sangue ou muco nas fezes, espasmos dolorosos no reto. Pode ser causada
por protozoário ou bactéria.

*Mercurius corrosivus: Primeira opção. Espasmos dolorosos, constante


esforço para defecar com sensação de que "nunca termina". Fezes com
sangue que ardem e irritam o reto. Dores no reto depois de defecar. Urina
quente. Excesso de saliva, língua flácida com a marca dos dentes.

*Coloquíntida: A dor faz o paciente se contorcer. Espasmos do reto antes de


defecar. Piora depois de comer ou beber.
*Arsenicum: Fezes malcheirosas, às vezes com sangue ou pus. Muita
exaustão. Rosto pálido e fundo. Ansioso, friorento, agitado. Dores ardentes
aliviadas pelo calor, sede excessiva, mas por pequenos goles. Normalmente
é desencadeada ao comer carne estragada.
*Carbo vegetabilis: Muitos arrotos, com abdômen inchado. O paciente sente
muito frio do lado de fora, mas sente dores ardentes internamente. Hálito
frio. Fica sem fôlego e melhora ao ser ventilado. Muco escuro e com sangue
nas fezes. As fezes têm cheiro de corpo morto.
*Cinchona: Abdômen inchado, mas os arrotos não aliviam. Piora com vento.
Diarreia sem dor, às vezes resultante de comida estragada.
*Nux vomica: Espasmos do reto, que cessam depois de defecar. Friorento e
deve ficar coberto. Muito irritado e nervoso. Muito sensível a odores, luzes
e barulho. Deseja conhaque. Acorda às três horas da madrugada e não
consegue dormir até de manhã.
Gelsemium: Parece intoxicado, pálpebras caídas, os membros parecem
pesados, calafrios nas costas. Pouca ou nenhuma sede. Quer ser deixado
sozinho. Treme.
Phosphorus: Sangue vermelho-vivo misturado com muco nas fezes. Piora
ao deitar sobre o lado esquerdo. Deseja companhia. Muita sede por bebidas
bastante geladas. Hipersensível a odores, luzes e sons. Fezes com sangue e
sem dor. Melhora depois de um cochilo.
Enxofre: Diarreia piora de manhã e depois da meia-noite. Ânus vermelho,
coça e arde, sofre espasmos, que cessam depois de defecar. Piora com
qualquer tipo de calor.
Ipecacuanha: Náusea e vômitos por causa do doloroso esforço para defecar.
Cólica terrível. Dor no umbigo. Salivação. Língua limpa. Melhora ao ar livre.
Aloe soc: Abdômen inchado e sensível a pressão, dores no umbigo. Elimina
urina e fezes ao mesmo tempo. Desmaios ao defecar. Elimina as fezes
inconscientemente. Espasmos e calor no reto. Suor frio. Dor de cabeça e
náusea. Muco sangrento e gelatinoso. Elimina muitos gases com fezes. Piora
depois de comer e pela manhã.
Ácido nítrico: Extremamente friorento, fezes irritam o ânus, dor depois de
defecar que dura horas. Dores tipo farpa no ânus. O reto parece rasgado.
Sede violenta, ansiedade, exaustão. Piora após toque e frio.

DOR

Ver também dentro de doenças individuais, como "Pedras nos rins, dores
por", "Problemas cardíacos", "Olhos", "Ouvido, dor de" e "Lesões". Muitos
dos medicamentos para vários sintomas de dor também aliviarão a dor
dessas doenças específicas.

DOR INSUPORTÁVEL

Observação: os medicamentos a seguir são eficazes para "dores


insuportáveis". O paciente pode expressá-la como "Eu não consigo suportar
mais" ou algum comentário similar. Há muitos medicamentos para dor,
mas essa atinge um nível que é insuportável.

Aconitum: Dor com um intenso medo da morte. O paciente profetiza o


momento de sua morte. Inquieto, tem grande sede por água gelada, pele
seca e quente. Dor em áreas delicadas, como olhos ou uretra. Dor causada
por ataque cardíaco.

Chamomilla: Dor com grande raiva. Indócil com qualquer um que se


aproxima. Não tem vontade de ser tocado ou de conversar. Piora com calor.
Melhora com aplicação fria na área afetada. Dor com dormência. Quente,
sedento, com suor quente. Uma bochecha vermelha, a outra pálida.
Crianças que precisam desse medicamento querem ser carregadas ou
balançadas. Diarreia verde.
Coffea: Abalado e angustiado. Piora com toque, barulho, ar livre, odores
fortes e frio. Melhora deitando-se, com calor ou ao colocar gelo na boca
durante dor de dente. Dores de cabeça como se um prego estivesse dentro
da cabeça. Desesperado e chora com facilidade.
Heparsulphur: Especialmente para dor com áreas infectadas. A parte
dolorida é extremamente sensível ao frio, vento ou ao mais leve toque. O
paciente fica extremamente friorento e não suporta calor. Dores como
farpas. Inflamações cheiram a queijo velho. Muito irritável e raivoso
quando sente a dor.
Arsenicum album: Dores ardentes paradoxalmente aliviadas pelo calor.
Grande ansiedade com medo da morte. Friorento, inquieto, sem esperança
e exausto. Sedento por pequenos goles. Desconfiado. Piora entre meia-noite
e três horas da manhã.
Hypericum: Danos aos nervospor lesões, operações etc. Dor irradia a partir
do ferimento. Frequentemente acompanhada por formigamento e
dormência. Piora com frio, umidade ou toque. Neurite com formigamento e
dor ardente.
Phytolacca: Dor irradia de um ponto e se espalha. Dores como choques
elétricos. Dor aparece e desaparece de repente. Dor por todo o corpo.
Inquieto, mas piora com movimento. Piora com umidade, tempo frio e à
noite. Melhora com calor. Dor nos ossos, dores reumáticas, dor de garganta,
mastite.

DOR QUE IRRADIA DE UM PONTO

Hypericum: Ferimentos em partes com muitos nervos, como os dedos das


mãos e dos pés e as unhas. Extrema dor após perfurações. Neurite.
Ferimentos na cabeça e na coluna. Dor irradia para a parte de cima do
membro a partir do ferimento. Piora com frio e toque.
Berberis: Dor nos rins e na vesícula biliar que irradia de um ponto.
Sintomas que mudam e alternam de local e natureza. Piora com
movimento. Sensação de água fervente. Dor ardente ao terminar de urinar,
que se estende para o quadril ou para as pernas.
Argentum nitricum: Dor em razão de úlceras no estômago. Piora em um
quarto quente ou deitando do lado direito. Melhora com ar frio ou pressão.
Abdômen distendido com gás. Muito ansioso.
Magnesia phosphorica: Cólicas dolorosas ou espasmos que melhoram com
calor e melhoram pendendo a cabeça para frente ou curvando-se.
Dioscorea: Espasmos dolorosos que melhoram pendendo a cabeça para
trás ou alongando-se. Piora dobrando-se (oposto a Magnesia phosphorica).
Phytolacca: A dor irradia de um ponto e se espalha. Dores como choques
elétricos. Inquieto, porém piora com movimento. Piora com movimento, ao
se levantar da cama e com bebidas quentes. Melhora com calor, bebidas
frias e deitar sobre o abdômen.
DOR QUE SE MOVE DE UM LUGAR A OUTRO - DOR AMBULANTE

Pulsatilla: Dor se move de um lugar a outro. O paciente piora com calor,


deseja ar fresco, deseja compaixão e chora com facilidade. Falta de sede.
Secreções amarelo-esverdeadas.
Lac caninum: A dor se move de um lado a outro e depois volta (por
exemplo, da esquerda para a direita e depois para a esquerda novamente).
Piora com toque, à noite e durante o descanso. Melhora com ar fresco,
bebidas frias e deitar sobre o lado direito.
Kali bichromicum: Sente dor em pequenos pontos que poderiam ser
cobertos com um dedo. A dor se move de um lugar a outro e ocorre todos
os dias no mesmo horário. Piora das duas às cinco horas da manhã e
quando acorda. Muito friorento. Excrementos espessos, fibrosos e
amarelos. Ulcerações.
Ledum: A área dolorida fica fria ao toque, mas piora com calor e melhora
com frio. Friorento, mas não suporta uma cama quente. Transpira à noite e
retira o cobertor. Piora à noite e com movimento. Feridas de punção,
hematomas, mancha escura em volta do olho (como um soco) etc.
Kali sulphuricum: Doenças com excrementos amarelos. Deseja bebidas
quentes. Piora em uma sala quente. Dor no pescoço, nas costas e nos
membros. Dores artríticas.

DOR - PANCADA

Aconitum: Inquietação e medo da morte. Início intenso e repentino


(também Belladonna). Rosto vermelho. Pele quente e seca. Muita sede.
Piora com frio e à noite.
Antimonium tartariaem: Com muco espesso se agitando nos pulmões. Piora
com calor. Ondas de enjoo. Língua branca. Muita sonolência.
Belladonna: Rosto quente e vermelho. Início intenso e repentino (também
Aconitum). Pupilas dilatadas. Piora com barulho, luz, vento, frio
(principalmente na cabeça) ou com nervos abalados. Mentalmente agitado
ou nervoso.
Heparsulphur: Dor com muita sensibilidade a vento, frio ou ao mais leve
toque. Irritável.
Ledum: A parte dolorida fica fria ao toque, mas melhora com a aplicação de
frio e piora com calor. Feridas de punção, hematomas, mancha escura em
volta do olho (como um soco).
Phosphorus: Dor com medo de ficar sozinho e desejo de companhia.
Sensibilidade a luz, barulho e odores. Muita sede por bebidas frias. Dores
ardentes. Tendência a sangramento escuro. Piora ao deitar do lado
esquerdo. Piora com comida quente. Melhora após dormir.

ALGUMAS CONDIÇÕES E CAUSAS DE DORES

Medicamentos representativos para algumas condições e causas de


dores.

Ansiedade por causa da dor: Aconitum, Arsenicum, Phosphorus, Natrum


carbonicum, Kali arsenicum.

Ao curvar-se melhora: Coloquíntida.


Ao curvar-se para frente melhora: Dioscorea.
Ataque repentino: Aconitum, Belladonna, Ácido nítrico, Arsenicum,
Coloquíntida, Pulsatilla, Nux vomica.
Comportamento violento por causa da dor: Chamomilla, Hepar sulphur,
Aurum.
Desespero por causa da dor: Aurum, Arsenicum, Chamomilla, Cinchona.
Dor ardente com medo da morte, inquietação, sede: Arsenicum.
Dor contundente; medo de ser abordado: Arnica.
Dor pulsante (ataque repentino, calor, vermelhidão, piora com toque ou
nervos abalados): Belladonna.
Dor que pressiona (útero, abdômen): Sepia.
Dor ulcerativa (internamente): Lachesis, Pulsatilla, Silica, Ranunculus
bulbosos, Argentum nitricum, Rhus toxicodendron, Bryonia, Nux vomica,
Causticum, Coloquíntida.
Espamos musculares (melhora com calor, pressão): Magnesia phosphorica,
Coloquíntida.
Faixa (sente como se tivesse uma faixa em volta de alguma parte do corpo):
Cactus.
Feridas por punção, dor por: Ledum, Hypericum.
Fraqueza por causa da dor: Arsenicum, Ácido fosfórico, Rhus
toxicodendron, Silica.
Frio e umidade, piora com; sede e inquietação: Rhus toxicodendron.
Lado direito (dor do lado direito, das quatro às oito horas da noite, piora
quando se cobre): Lycopodium.
Lado esquerdo (dor do lado esquerdo, que aparece depois de dormir):
Lachesis.
Movimento (dor que piora com o mínimo movimento): Bryonia.
Nervos (dor por causa de nervos lesionados): Hypericum.
Ossos, dor nos: Rural Eupatorium, Aurum.
Pontos (dor em pequenos pontos): Kali bichromicum, Lachesis.
Sensação de farpa: Ácido nítrico, Hepar sulphur, Argentum nitricum, Silica.

DOR DE DENTE E TRATAMENTO ODONTOLÓGICO

TRATAMENTO ODONTOLÓGICO
Arnica: 30 CH antes e 30-200 CH depois.
Hypericum: Para dor. Pode ser usado antes e depois se não for dada
anestesia local. Caso contrário, use Hypericum, apenas depois. Hypericum
protege os nervos tão bem que poderia impedir a ação da anestesia local.
Phosphorus: Se houver muito sangramento ou se a pessoa tem tendência a
sangrar muito em tratamentos odontológicos.
Hepar sulphur (6 x ou 6 CH): Para evitar infecção após o tratamento
odontológico.

EXTRAÇÃO DE DENTE

Arnica: 30 CH antes da extração. Depois 30-200 CH durante alguns dias.


Hypericum: Ingerido para dor, após a extração, a cada três ou quatro horas
junto com Arnica.
Hepar sulphur (6 x ou 6CH): Para prevenir infecção.
Pyrogenium: Se se desenvolver uma infecção e Hepar sulphur não for
suficiente.

TRATAMENTO DE CANAL

Um canal é uma infecção no nervo de um dente. Pode ocorrer por causa


da queda de um dente ou um ferimento. Geralmente há dor intensa com
palpitação, que piora se estiver deitado.

Belladonna: No início de um canal com palpitação e vermelhidão.


Hepar sulphur (6 CH): Cavidade ou canal da raiz cheio de pus. Dolorido
com o toque e piora com frio.
Mercurius: Mau hálito, gosto ruim na boca e excesso de saliva.
Myristica seb (6 CH): (Não confundir com Myrica.) Se Hepar sulphur e
Mercurius falharem.
Silica: Depois que o canal for um pouco drenado, ajuda a finalizar o
processo.
Observação: Hepar sulphur, Mercurius e Myristica ajudam a trazer o
canal para fora e a drená-lo. Com esses medicamentos pode não ser
necessário cortar o canal. Assim que ele for drenado, lave a boca com água
salgada de morna a quente, a cada duas horas.

DOR DE DENTE - CAVIDADE SECA

Inflamação do osso abaixo da extração. Uma parte do processo de


recuperação é a formação de um coágulo de sangue na cavidade onde o
dente estava. Se isso não ocorrer ou se o coágulo for desalojado, haverá dor
palpitante e prolongada que pode se estender para o ouvido e ser
acompanhada por um gosto ruim na boca. Ocorre tipicamente alguns dias
depois da extração.

*Ruta graveolens.

Coffea cruda: Se a dor for insuportável, mas melhorar com água fria.

DOR DE DENTE

Plantago (6 CH a cada 15 minutos): Se houver uma cavidade aberta, a


essência de Plantago colocada na cavidade ajuda.
Chamomilla: A dor é insuportável e o paciente fica nervoso e quente.
Coffea: Se a dor melhorar com água gelada. A mente não desliga e a pessoa
não consegue dormir.
Pulsatilla: Deseja apoio e chora de dor. Deseja ar fresco e sente-se pior em
um lugar quente e aglomerado. A dor melhora com água fria.
Hepar sulphur (6 x ou 6 CH): A dor piora com o mínimo toque, frio ou
vento. Inflamação da raiz. As gengivas podem inchar. Hepar sulphur é
excelente para problemas no canal da raiz.
Mercurius solubilis (ou Mercurius vivus): Excesso de saliva e mau hálito. A
língua mostra a marca dos dentes. A inflamação pode ser na raiz. Dor
pulsante, piora à noite, com calor ou frio e quando está comendo.
Kreosotum: Os dentes têm cáries. Gengivas esponjosas. Dor de dente
principalmente nos molares superiores. Melhora com calor. Irritável. As
crianças que precisam desse medicamento geralmente querem ficar no
colo.
Staphysagria: A dor se estende para os olhos. Piora com o frio, toque,
bebidas quentes e durante a menstruação. Sentimentos de raiva reprimida.
Hypericum: Dor após uma extração de dente.
Cheirianthus: Dentes do siso nascendo.

DOR NAS COSTAS POR CAUSA DE LESÃO

*Arnica: Dor causada por qualquer tipo de contusão grave, especialmente


para tecidos moles.
*Hypericum: Para lesões da coluna ou do cóccix. Dor extrema, tornando
impossível andar ou dobrar-se. A dor é irradiada até os membros. Músculos
contorcidos.
*Bryonia: A dor piora com o mínimo movimento. O paciente quer ficar
perfeitamente imóvel. Melhora deitando sobre o lado dolorido. Boca seca,
muita sede. Irritável.
*Rhus toxicodendron: As costas ficam rígidas e doloridas quando começa a
se movimentar, mas o movimento contínuo deixa o paciente melhor. Piora
com clima frio ou úmido. Melhora com calor. Inquieto.
Calcanea carbonica: Melhora ao deitar sobre o lado dolorido ou de costas.
Piora com frio, umidade, ao erguer-se, ao inclinar-se ou ao subir escadas.
Preocupa-se em cumprir as responsabilidades.
Natrum sulphuricum: Dores na parte inferior das costas, como se tivesse
recebido uma pancada. Sente toda a coluna ferida. A dor é irradiada para
cima. Piora com clima úmido, deitado sobre o lado esquerdo ou quando fica
deitado por muito tempo na mesma posição.
Magnesia phosphorica: Quando o espasmo for o principal sintoma. Melhora
com calor e piora com frio.
Ruta: Sensação de pancada ou imperfeição na coluna. Melhora com calor,
pressão e ao deitar de costas.
Lycopodyum: Melhora em lugar frio, com aplicações frias e comidas e
bebidas quentes. Piora das quatro às oito horas da noite, com a pressão das
roupas ou em lugar quente. Um pé quente e o outro frio.
Graphites: Dor na parte inferior das costas, como se estivessem quebradas.
Piora com frio e vento. Também piora com o calor da cama. Triste, indeciso.
Kali carbonicum: Piora das três às cinco horas da manhã. A dor se estende
das nádegas até as coxas. As costas ficam fracas. Piora com frio e melhora
com calor. Irritável e não quer ficar sozinho.
DORES DE CABEÇA
Esta lista inclui enxaqueca, que se distinguem por ataques recorrentes,
muitas vezes em um lado da cabeça, o que pode incluir distúrbios visuais e
náusea ou vômitos. A dor de cabeça pode durar horas ou dias.

Ver "Algumas características distintivas de dores de cabeça" no fim desta


lista de medicamentos.

*Bryonia: Piora com qualquer movimento e deita-se completamente


imóvel. Constipado. Sedento por grandes bebidas geladas. Dor de cabeça
muito forte (pressão de dentro para fora). Piora ao se movimentar, até
mesmo ao mover os globos oculares. Também piora ao inclinar-se, abrir os
olhos ou nervos abalados. Melhora em um lugar escuro.

*Nux vomica: Muitas vezes por ter comido demais ou por causa de
temperos, álcool, café ou drogas. Friorento e irritado. Piora pela manhã,
depois de comer, com sol ou frio. Às vezes tem vertigem. Constipado, mas
com vontade frequente. Pode sentir como se um prego estivesse cravado na
parte superior da cabeça. Piora em torno das três horas da madrugada.
Piora sob a luz do sol. Hipersensível a luzes, sons, cheiros e críticas.
*Belladonna: Dor de cabeça violenta e repentina com palpitações. Rosto
vermelho e quente. A dor é geralmente no lado direito ou nas têmporas.
Piora ao inclinar-se, com luz, barulho, nervos abalados ou com ventos na
cabeça. Melhora ao inclinar-se para trás e em um local escuro e tranquilo.
*Antimonium crudum: Revestimento branco e espesso na língua. O
paciente fica muito irritado. Por causa de distúrbios no estômago, banhos
em água fria, tristeza, exposição ao sol. Arrotos e flatulência. Náusea e
vômitos. Vertigem, sangramento nasal. Piora ao comer muito, com tempo
frio e úmido ou com sol de verão. Melhora ao ar livre, deitado e com tempo
quente e úmido.
*Gelsemium: Precedido por visão turva, visão dupla ou cegueira. Dor forte e
incômoda. Os membros ficam pesados e as pálpebras caídas. Parece
intoxicado. Começa no pescoço e termina nos olhos. Dor no pescoço e nos
ombros. A dor na têmpora se estende ao ouvido. Sem sede. Piora com calor.
Sonolento e quer deitar quieto. Melhora com a cabeça erguida, ao ar livre
ou ao se movimentar. Às vezes melhora ao urinar.
*Pulsatilla: Deseja ar fresco e deve ter uma janela aberta. Às vezes a dor é
provocada por excesso de comida gordurosa. Revestimento branco na
língua. A dor muda de lugar. Sem sede. Deseja companhia e apoio. Chora
facilmente.
Sanguinaria: Dor acima do olho direito. Melhora se estiver deitado em um
quarto escuro ou dormindo. Às vezes, com náusea ou vômitos. Dor às vezes
como um flash de luz ou uma corrente elétrica. Dor de cabeça a cada sete
dias. Veias e têmporas dilatadas. Melhora ao vomitar, dormir ou urinar.
Piora se comer doces.
Spigella: Acima do olho esquerdo. Melhora deitado sobre o lado direito com
a cabeça erguida. Melhora com envoltórios frios na cabeça. Piora com
tempestades, fumaça de tabaco, inclinando-se ou movimentando-se.
Cocculus indicus: Piora com enjoo de movimento de carro, barco, moto etc.,
perda de sono ou estresse por cuidar de pessoas amadas. Não suporta o
cheiro de comida. Dor na parte de trás da cabeça, piora ao deitar-se com a
barriga para cima. Dor nos olhos. Piora depois de comer, ao ar livre, após a
perda de sono ou com o toque, barulho ou nervos abalados.
Ignatia: Provocada por tristeza, preocupação ou raiva. Sente como se um
prego tivesse sido cravado em um lado da cabeça. Piora de manhã, ao se
inclinar, ao ar livre, com café, fumaça de cigarro e calor. Humor instável.
Ipecacuanha: Náusea constante não aliviada pelo vômito. Excesso de saliva,
língua clara. Os ossos ficam doloridos. Raiva reprimida. Raiva seguida de
calma. Piora com o mínimo movimento e ao estar deitado. Melhora ao ar
livre.
Iris versicolor: Precedido por visão turva, a dor pode se estender aos
dentes. Vômito malcheiroso. Às vezes sangramentos nasais. Vômitos de
bile, que dão algum alívio. Dor de cabeça na têmpora frontal ou direita. Às
vezes queimação na garganta ou no estômago. Aversão a companhia.
Tristeza durante a dor de cabeça. Piora ao comer doces, com ar frio, à noite
e ao descansar. Melhora com movimentos contínuos.
Natrum muriaticum: Começa de manhã. Náusea e vômitos de líquidos
claros. Piora ao tossir. Deseja sal. Melhora ao ar livre, com banho gelado e
deitado sobre o lado direito. Piora de manhã e com calor e sol. Piora com
companhia e apoio.
Natrum sulphuricum: Às vezes desencadeada por lesões na cabeça, até
mesmo meses ou anos antes. Diarreia e vômitos de bile. Sensação de calor
na parte superior da cabeça. Às vezes dor chata na têmpora direita,
precedida de queimação no estômago. Couro cabeludo sensível ao toque.
Piora durante a menstruação, com barulho, inclinado, com luz, ao comer ou
em tempo úmido.
Phosphorus: Dor de cabeça acima do olho esquerdo; o paciente enxerga
manchas pretas. Piora de manhã e à noite. Piora deitado sobre o lado
esquerdo. Piora em uma sala quente. Deseja bebidas geladas, sorvete ou sal.
Sensação de ardor nas palmas das mãos. Assusta-se facilmente.
Sepia: Geralmente do lado esquerdo, com dor de dentro para fora. A dor
surge de repente, junto com ondas de calor, pescoço rígido e náusea. Piora
dentro de casa e quando está deitado sobre o lado dolorido. Comumente
associada à menstruação. Irritado e emotivo. Aversão a companhia, mas
tem medo de ficar sozinho. Deseja chocolate ou limões. Piora com frio,
antes de menstruar e à noite. Melhora com esforço físico, pressão firme e
cochilos.
Silica: Muito friorento. O cabelo fica sensível, a cabeça sua. A dor começa na
parte de trás da cabeça e se estende para os olhos. A dor na cabeça repete-
se uma vez por semana. Sensível a cada impressão. Piora com o mínimo
vento, com frio, ao inclinar-se, com umidade, tomando banho, com vento,
toque ou consolação. Melhora deitado sobre o lado esquerdo. Melhora com
calor e agasalha a cabeça. Friorento, mas tem aversão à comida quente.
Agaricus: Dor de cabeça em um lado, como se houvesse um prego. Às vezes,
com sangramento no nariz. Contorção das pálpebras, da língua e dos
músculos. Falante. Piora de manhã, com frio ou toque. Melhora com
movimentos suaves.
Cinchona: O paciente sente como se sua cabeça fosse estourar, que o
cérebro está batendo no crânio. Dor latejante. Couro cabeludo sensível. Dor
de cabeça após a perda de líquidos sanguíneos. Abdômen inchado e arrotos
não ajudam. Hipersensível à luz. Piora com vento, luz, toque e depois de
comer. Melhora com o calor e pressão firme.
Coffea: Ao ficar muito entusiasmado. Sem sono por causa do entusiasmo.
Piora com barulho, odores, ar livre e café. Pode parecer que seu cérebro
está sendo despedaçado ou que um prego foi cravado nele. Desespera-se e
chora por causa da dor.
Eupatorium: Dor latejante, como se um boné pesado pressionasse o crânio.
Dor na parte de trás da cabeça quando está deitado. Dor nos ossos. Inquieto
por causa da dor. Muita sede de bebidas geladas. Piora com ar frio e ao se
movimentar. Dor de cabeça a cada três e sete dias.

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DISTINTIVAS DE DORES DE CABEÇA

Deve ficar deitado: Bryonia, Natrum muriaticum, Nux vomica, Sepia.


Melhora se estiver deitado com a cabeça erguida: Arsenicum, Gelsemium,
Phosphorus, Pulsatilla, Spigella.
Melhor com movimento: Arsenicum, Iris versicolor, Lycopodium, Rhus
toxicodendron, Pulsatilla.
Melhora em uma sala escura: Belladonna, Bryonia, Sanguinaria, Silica.
Piora em uma sala escura: Garbo vegetabilis, Silica.
Melhora ao ar livre: Pulsatilla, Carbo vegetabilis, Cimicifuga, Glonoine,
Natrum muriaticum, Phosphorus, Sepia, Arsenicum.
Latejante: Belladonna, Glonoine, Lachesis, Cinchona, Phosphorus,
Argentum nitricum.
Do lado esquerdo: Spigella, Sepia (também direito), Mercurius, Phosphorus,
Arsenicum.
Do lado direito: Chelidonium, Belladonna, Carbo vegetabilis, Iris versicolor,
Ignatia, Lycopodium, Bryonia, Sepia (também esquerdo).
Estando constipado: Bryonia, Nux vomica, Natrum muriaticum, Natrum
sulphuricum, Pulsatilla, Aloe.
Depois de comer muito: Nux vomica, Pulsatilla, Noz moscada.
Com exaustão: Arsenicum, Cinchona, Gelsemium, Ignatia.
Grita de dor: Bryonia, Sepia, Arsenicum.
Rosto corado e quente: Aconitum, Belladonna, Glonoine, Gelsemium,
Chamomilla.
Após uma lesão na cabeça: Arnica, Natrum sulphuricum, Helleborus,
Hypericum, Natrum muriaticum, Belladonna.
Pior ao ler: Natrum muriaticum, Ruta, Sepia.
Pior com odores: Ignatia, Sepia, Belladonna, Coffea, Phosphorus,
Lycopodium, Silica, Colchicum, Enxofre, Aurum.
Piora com barulho: Belladonna, Bryonia, Nux vomica, Spigella, Arsenicum,
Cocculus, Lachesis, Coffea, Silica.
A cada sete dias: Iris vers, Phosphorus, Sanguinaria, Silica, Enxofre.
A cada duas semanas: Arsenicum, Chelidonium, Enxofre, Ferro, Cinchona,
Ignatia, Pulsatilla, Sanguinaria.
Durante a transpiração: Arsenicum, Bryonia, Enxofre, Mercurius, Carbo
vegetabilis, Pulsatilla.
Quando está suando frio: Gelsemium, Veratrum album.
Depois do café da manhã: Iris versicolor, Nux vomica, Lycopodium.
Melhor ao enrolar algo apertado em volta da cabeça: Pulsatilla, Silica,
Argentum nit.
Começa às três horas da tarde: Belladonna.
Proveniente da raiva: Staphysagria, Ignatia, Bryonia, Nux vomica,
Chamomilla, Phosphorus, Natrum muriaticum, Lycopodium.
Piora com luz: Belladonna, Bryonia, Cocculus, Gelsemium, Ignatia, Natrum
muriaticum, Phosphorus, Sanguinaria, Sepia, Silica, Enxofre.

ENCEFALITE

Inflamação do cérebro. Muitos casos ocorrem por causa de uma infecção


virai, como caxumba, sarampo e herpes simplex. Outras causas incluem
infecção bacteriana, vacinação, reações a medicamentos e derrame.
Sintomas: rigidez no pescoço e nas costas, sonolência, estupor, rosto
inexpressivo, febre, dor de cabeça, vômito. Pode progredir para convulsões,
paralisia e coma.

*Belladonna: Início súbito. Rosto vermelho, quente e suado. Palpitação,


pupilas dilatadas. Mãos e pés frios. Sensível a luz, barulho ou nervos
abalados. Espasmos e dor nos músculos do pescoço. A cabeça tende a ficar
inclinada para trás. Tendência a morder ou golpear fisicamente. Piora com
qualquer coisa fria sobre a cabeça. Início súbito.

*Aconitum: Início súbito e violento, muito medo da morte, sede insaciável,


pele quente e seca, dores ardentes no cérebro. Rosto vermelho e inchado.
Muitas vezes seguido por Belladonna.
*Apis: Grita muito alto, principalmente durante o sono. Ardor e palpitação
na cabeça, sensação de asfixia, pupilas dilatadas, mãos e pés frios. Sem
sede, apático durante a febre. Piora com calor, depois do sono e com o
toque. Pescoço rígido e dor na parte de trás da cabeça. Melhora com
aplicações frias.
*Bryonia: Piora ao fazer qualquer movimento (aumenta a dor). Quer deitar-
se perfeitamente imóvel, tem muita sede, boca e lábios secos, dorme
repentinamente, suor frio na testa, faz movimentos de mastigação. Olhos
estrábicos, pescoço rígido, dor nas articulações e membros, língua branca,
estupor. Piora com calor e ao sentar-se. Segue Belladonna depois que a
febre reduzir.
*Gelsemium: Olhos baixos, braços e pernas ficam pesados. Rosto corado,
muita dor de cabeça, calafrios na parte de baixo das costas que pioram com
o calor, visão escurecida, músculos do pescoço doloridos.
Helleborus niger: Cabeça quente, testa franzida, dores fortes na cabeça,
movimentos automáticos de um braço ou perna. Forte dor de cabeça, revira
a cabeça e a enfia no travesseiro. Suspirando, escolhe a roupa sem pensar.
Gritos súbitos durante o sono.
Cuprum: Gritos e convulsões, rosto pálido a azul com lábios azuis, olhos
revirados. Suor frio, membros contorcidos, deseja bebidas geladas, morde o
vidro quando bebe. Dedos enroscados, parece assustado quando acorda.
Opium: Coma. Antes disso, dificuldade respiratória, pupilas contraídas,
olhos semicerrados; parece intoxicado; vômito. O paciente não reclama.
Hyoscyamus: Delira, conversa, canta, ri, fala coisas obscenas. Músculos
contorcidos. Diarreia involuntária. Piora à noite e quando está deitado.
Camphora: Cabeça inclinada para um lado, extremamente pálido, frio
congelante, mas se recusa a cobrir-se, suor frio, pulsação lenta e fraca,
pressiona os dentes.
Mercurius: Piora à noite e ao deitar-se sobre o lado direito. Muito suor e
depois fica ainda pior. Mau hálito com baba. Ranhura longitudinal na
língua. A língua mostra a marca dos dentes. Deseja bebidas geladas. Fezes
com sangue e esverdeadas. Calafrios arrepiantes.

ENGASGO

Se o engasgo for causado por algo preso na garganta, a manobra


Heimlich é indicada. Consiste em aplicar uma rápida pressão sob as
costelas. Quando a asfixia é causada por espasmo por algo engolido, os
seguintes medicamentos podem ajudar.

Cicuta virosa: Depois de engolir um pedaço afiado de osso que fere a


garganta, a garganta se fecha com perigo de sufocamento. O objeto pode ter
sido engolido, mas sua passagem causa espasmo. Incapacidade de engolir.
Espamo na garganta quando tenta engolir. Sente a garganta ferida
externamente.

Mephitis (1 a 3 x): Engasga enquanto bebe ou fala. Não consegue expirar.


Hyoscyamus: Engasga enquanto engole líquidos, que saem pelo nariz.

ENJOO (MAR, CARRO, AÉREO)

Todos estes medicamentos podem ser usados preventivamente.

Petroleum: Dor de estômago, que melhora ao comer, com ar quente e


mantendo a cabeça alta.

Tabacum: Náusea, vômito ao menor movimento, salivação, suor frio,


desmaio. Melhora com ar fresco.
Cocculus indicus: Piora com ar fresco e comendo. Irritável. Piora com
cheiro de comida.
Nux vomica: Nervoso, constipado, friorento, irritável, supersensível e
crítico. Piora com barulho, luz, odores e frio. Implora por gorduras e
temperos.
Ginger: a erva, também é muito eficaz.

ENVENENAMENTO

Se houver um "centro de informações sobre venenos" local, contate-o


imediatamente. Normalmente é necessário remover grandes quantidades
do veneno. Às vezes recomenda-se vomitar, mas para substâncias cáusticas
isso pode piorar a situação do paciente. Consulte o centro de informações
sobre venenos.

Para ajudar a neutralizar os venenos ácidos: leite de magnésia, leite ou


clara de ovo.

Para ajudar a neutralizar os venenos alcalinos: proporções iguais de


vinagre e água.

ENVENENAMENTO POR ARSÊNICO

O envenenamento por arsênico é caracterizado por sensação agonizante,


queimação na boca do estômago, gosto metálico, cólicas, vômito, diarreia
que parece água de arroz, fezes com sangue, boca e garganta seca, muita
sede, aperto na garganta e cãibras nos músculos. Pele, especialmente nas
mãos e nos pés, úmida e azul. Pulsação rápida e fraca. Hálito com cheiro de
alho. Suspiros durante a respiração. Convulsões e coma. O tratamento
padrão recomenda administrar um emético como Ipecacuanha, junto com
água morna, para induzir o vômito. Isso deve eliminar uma quantidade do
veneno.

*Arsenicum: Dor ardente, ansiedade extrema, bastante sedento por goles


pequenos e frequentes.

*Hepar sulphur: Friorento e não pode ficar quente. Não suporta o mínimo
vento e piora se estiver descoberto. Pele hipersensível ao toque. Desmaios
de dor. Queimação no estômago, vômito de todos os alimentos. Suor com
mau cheiro e em abundância.
Garbo vegetabilis: Queimação no esôfago e estômago, falta de ar e anseio
por ar, quer estar ventilado, sente um frio congelante. Muitos arrotos.
Ferrum metallicum: O rosto pode ficar vermelho-brilhante ou branco-
pálido e sem fôlego. Cospe os alimentos. Não suporta o mínimo barulho.
Friorento, mas com o rosto quente e vermelho. Sede. Dor, vômito, piora
após a meia-noite.
Ipecacuanha: Náusea intensa e contínua não aliviada pelo vômito. Vômitos
persistentes. Língua limpa, salivação profusa, tendência a hemorragia
vermelho in tenso. Melhora ao ar livre, com descanso, pressão e olhos
fechados. Piora com o mínimo movimento e com o calor, especialmente
calor úmido.
Mercurius: Sudorese profusa, especialmente durante o sono, após o qual o
paciente se sente pior. Mau hálito. Excesso de saliva com baba. Língua
flácida com marca dos dentes. Muito sedento por bebidas geladas.
Preferência pelo frio, mas piora com a quentura da cama. Sensação como se
vapores quentes estivessem subindo pela garganta. Tremor nas mãos e na
língua.
Phosphorus: Queimação no estômago. O paciente expele a comida pela
boca, vomita água depois que ela se aquece no estômago, deseja bebidas
geladas. Medo de ficar sozinho, desejo de companhia e apoio.
Hipersensibilidade a odores, sons e luzes. Assusta-se facilmente. Piora ao
deitar sobre o lado esquerdo. Tendência a hemorragias de sangue
vermelho intenso. Urina com sangue ou urina puro sangue.
Veratrum album: Frio congelante com suor frio no rosto e na testa etc. Pele
pálida ou azul. Extrema fraqueza. Manifestação violenta e repentina dos
sintomas. Quer ficar coberto. Deseja bebidas, mas as vomita
imediatamente. O vômito piora com o mínimo movimento. Copiosa diarreia
aquosa, que esgota. Delírio.

ENVENENAMENTO POR CHUMBO

Os sintomas são diferentes em crianças e adultos. Em crianças: dor


abdominal, vômito, sonolência, irritabilidade, fraqueza, convulsões ou
coma. Em adultos: perda de apetite, constipação, cãibras abdominais,
fraqueza, rosto pálido ou paralisia de músculos. Pode haver gosto metálico
na boca. Em casos crônicos, normalmente há uma linha azul ao longo das
margens das gengivas.

Observação: antes de dar medicamentos homeopáticos para


envenenamento por chumbo, faça com que o paciente beba sais de Epsom
dissolvidos em água. Isso se agrega ao chumbo e ajuda a removê-lo.

*Causticum: Friorento, piora com ventos. Desejo constante de limpar a


garganta. Deseja sal e carnes defumadas. Aversão a doces. Paralisia
progressiva.

*Alumina: Muita constipação, dor no abdômen, dor antes de defecar. Medo


de facas. Boca e garganta secas. Membros parecem pesados. Sente vertigem
quando fecha os olhos.
*Coloquíntida: Espasmos dolorosos, que fazem o paciente se curvar.
Melhora com pressão, calor ou ao se curvar para frente.
*Alurnen: Fraqueza nos braços e nas pernas. O abdômen parece retraído.
Dores espasmódicas pioram quando anda. Constipação extrema com
excrementos tipo mármore. Sensação de um faixa em volta dos membros.
Opium: Pupilas contraídas. Ronco profundo durante o sono. Transpiração
quente. O paciente sente como se houvesse uma pedra no abdômen.
Melhora com frio. Piora durante e após o sono.
Petroleum: Espasmos internos melhoram quando se curva. Rachaduras
profundas que sangram. Náusea com vômito verde azedo. Enjoo de
movimento quando anda em carros. Piora com umidade ou frio. Tem fome
depois de defecar. Sente que a morte está próxima.
Kali iodatum: Flatulência, deseja ar fresco, ruídos de cacarejo no abdômen.
Chora durante o sono, dor nas costas. Melhora com movimento e ar fresco.
Piora à noite, com comida fria ou em uma sala quente.
Kali bromatum: Aperta as mãos, tremor, confusão, dormência no corpo.
Belladonna: Pupilas dilatadas, delírio, sensível ao toque, luz e barulho.
Piora com sol e vento. Melhora em um ambiente escuro.

ENVENENAMENTO POR COGUMELO

Mesmo uma ou duas mordidas podem ser suficientes para causar


envenenamento. Os sintomas podem começar em poucos minutos ou até
15 horas após a ingestão e variam dependendo do tipo do cogumelo.
Incluem olhos aquosos, salivação, transpiração, cólicas, diarreia, náusea,
vômito, vertigem, convulsões e coma. Induzir vômito a menos que a pessoa
esteja inconsciente ou convulsiva.

Absinthium: Tremores seguidos por convulsões. Excitado, inquieto,


delirante. Alucinações, tontura, vertigem ao levantar, contração
espasmódica no rosto. Língua trêmula.

Arsenicum: Medo da morte, extrema inquietação, grande sede por


pequenos goles. Dores ardentes aliviadas pelo calor, calafrios, fraqueza e
medo de ficar sozinho.
Belladonna: Início repentino e intenso dos sintomas. Dor ardente, latejante,
espasmos, delírio (morde, cuspe ou chuta). Rosto vermelho e sente-se
quente. Mãos e pés frios. Pupilas dilatadas. Melhora em um quarto quieto e
escuro. Piora com luz, barulho, nervos abalados, sob o sol, com vento na
cabeça ou ao ver objetos brilhantes.
Agaricus: Contorções, repuxões, espasmos, movimentos involuntários e
exagerados, frio extremo, ardência e coceira da pele. Piora com frio,
pressão e toque.
Pyrogenium: Exausto, mas extremamente inquieto. Sente-se todo ferido.
Febre alta com pulsação baixa ou vice-versa. Consciente de seu batimento
cardíaco. Excreções com odor desagradável (hálito, fezes, suor e vômito).
Melhora com movimento, calor. Piora ficando com frio.
Camphora: Frio congelante e tremores, mas não quer ser coberto. Pulsação
extremamente fraca. Rosto frio e azul, hálito frio, expressão sorridente.

ENVENENAMENTO POR MERCÚRIO


O mercúrio é extremante venenoso e pode ser absorvido pelo trato
respiratório, trato gastrointestinal ou pela pele. Algumas fontes de
contaminação por mercúrio são usinas de carvão, incineradores,
amálgamas dentárias, termômetros, certos pesticidas, algumas vacinas e
certos peixes.

O envenenamento agudo por mercúrio se deve a exposição à altas doses


em um período curto de tempo. Sintomas de envenenamento agudo por
mercúrio incluem tosse, aperto no peito, dificuldade de respirar, náusea,
vômito e diarreia. Pneumonia e danos aos rins são sérias consequências
imediatas.

Tratamento do envenenamento agudo por mercúrio: Imediatamente após a


ingestão, dê um medicamento emético para induzir vômito. Depois
administre clara de ovo e água. Bata três claras de ovos em 650 a 700 ml de
água. Faça com que a pessoa beba a mistura. Procure ajuda profissional o
mais rápido possível.

TOXICIDADE CRÔNICA POR MERCÚRIO

Os sintomas de envenenamento crônico por mercúrio incluem tremores,


perda de memória, insônia, gengivas inflamadas, salivação excessiva, mau
hálito, gosto metálico na boca, bordas das gengivas azuis, úlceras na boca,
dentes frouxos, eczema, grande fadiga, diarreia, perda de apetite, perda de
peso, grande sensibilidade ao calor ou frio e transpiração abundante.
Mudanças de personalidade podem acorrer. Incluem perda da força de
vontade, timidez, indecisão, falta de confiança, apatia, pensamentos
suicidas e violentos impulsos. O envenenamento crônico por mercúrio
produz sintomas não específicos e pode parecer com muitas outras
doenças.

Em crianças, o envenenamento por mercúrio pode resultar em uma


condição chamada de acrodinia, que é caracterizada por dores nas pernas,
irritabilidade, dormência ou formigamento da pele, transpiração, coceira,
vermelhidão e descamação na palma das mãos e planta dos pés.

MEDICAMENTOS PARA TOXICIDADE CRÔNICA POR MERCÚRIO

*Hepar sulphur: O antídoto superior. Muito friorento e piora com calor, o


mais leve vento e ao ficar descoberto. Totalmente sensível ao toque.
Sensação de garganta grudando. Gengivas ulceradas, dor de cabeça, caroços
inchados na cabeça, olhos inflamados, glândulas inchadas no pescoço e nos
braços, espasmos no reto, paralisia (também Ácido nítrico e Enxofre).
*Mercurius vivus: Tomar Mercurius 30 CH uma vez por dia durante seis a
dez dias pode estimular o corpo a excretar o mercúrio estocado nos
tecidos. Durante esse procedimento, o mercúrio nos tecidos é liberado e
excretado nas fezes, urina e transpiração. Se o processo se tornar muito
desconfortável, interrompa-o. Antes de usar esse método, é sensato fazer
uma lavagem dos rins e fígado. Há numerosas combinações de ervas para
esse propósito, disponíveis em lojas de produtos naturais.
*Phytolacca: Dores reumáticas com constante desejo de se mover, mas
piora com movimento. Dores nevrálgicas, dores que parecem choques
elétricos, garganta vermelho-escura com úvula inchada, glândulas inchadas
sob a mandíbula. Caroços duros no seio, abscessos no seio, grande exaustão
e vertigem quando levanta. O paciente sente-se indiferente à vida e tem
certeza de que vai morrer. Piora com umidade, tempo frio e à noite.
*Belladonna: Abscessos que se desenvolvem rapidamente, com
vermelhidão, calor e palpitação. Dificuldade de engolir líquidos. Piora com
barulho, luz, calor do sol, vento na cabeça ou ao ser tocado ou irritado.
Medo de cachorros. Bate na cabeça. Sente impulso de provocar incêndios.
*Ácido nítrico: Friorento e piora com frio. Dores como farpas (também
Hepar). Excreções corporais irritam a abertura por onde passam (nariz,
boca e reto). Piora com toque e nervos abalados. Mal-humorado e
impassível com desculpas. Ansiedade sobre a saúde e medo da morte.
Transpiração cheira a urina. Paralisia (também Hepar sulphur e Enxofre).
*Aurum: Dor nos ossos, especialmente à noite. Tremores por raiva. Perda
de confiança e se vê como um fracasso. Cansado da vida e com depressão
suicida. Melhora com ar fresco e ouvindo música.
Garbo vegetabilis: Faminto por ar e quer ser ventilado. Abdômen inchado
com muito arroto. Pés gelados. Todos os alimentos desagradam.
Cinchona: Muito friorento e piora com frio. Inchaço do abdômen, não
aliviado por arroto ou flatulência. Diarreia dolorosa. Mentalmente apático
ou triste. Extremamente sensível em todos os sentidos. Sensível ao frio,
vento, barulho, toque leve e odores. Dor de cabeça latejante e rosto
vermelho. Piora com vento, frio, movimento, perda de fluidos e toque leve.
Enxofre: Sensações de ardência, pele com coceira e avermelhada (piora
com calor e banho). Excreções corporais com odores desagradáveis e
irritação da pele. Vermelhidão e itching do ânus, dos lábios, nariz e olhos.
Diarreia súbita pela manhã. Implora por doces e pimenta. Piora com banho,
em quarto quente, às 11 da manhã e ficando em pé. Paralisia (também
Hepar sulphur e Ácido nítrico).

ENVENENAMENTO SANGUÍNEO - SEPTICEMIA

Esta condição é decorrente da presença de bactérias na corrente


sanguínea. Pode resultar de uma infecção em qualquer lugar do corpo.
Feridas infectadas são uma causa comum. Pode ocorrer após o parto por
causa de placenta retida ou coágulos. Os sintomas incluem febre
intermitente, calafrios, dor de cabeça, pulsação fraca, porém rápida,
exaustão, às vezes vômito e diarreia. Gânglios linfáticos podem aumentar
de tamanho na virilha, nas axilas, debaixo do maxilar etc. A pele pode ficar
quente e seca, ou suada, fria e úmida. O paciente torna-se apático. Pode
haver delírio seguido de coma.

*Pyrogenium: Principalmente após o parto, mas útil em muitas


circunstâncias. O paciente sente-se todo machucado, com dores nos
ombros. A cama parece muito dura. Sente dor quando deita e tem de mudar
de posição constantemente para aliviar a dor. Fezes com mau cheiro.
Pulsação e febre fora de sincronia, por exemplo: pulsação rápida com febre
baixa ou pulsação lenta com febre alta. Língua brilhante e vermelha. Piora
com frio. O paciente diz que pode sentir o coração bater. Delira que possui
membros extras. Muito falante durante a febre.

*Arsenicum: Extrema ansiedade, medo de ficar sozinho, muita agitação,


muito sedento por pequenos goles de água gelada. Dores ardentes, que são
aliviadas pelo calor. Fezes com mau cheiro. Excreções ardentes. Muito
friorento. Durante a dor de cabeça, quer o corpo quente, mas a cabeça fria.
Delírio de que está sendo observado. Piora da meia-noite até as três horas
da manhã.
*Lachesis: Piora após o sono. Extremamente sensível ao toque, mesmo se
for de suas próprias roupas. Cor roxa nas feridas e em algumas áreas da
pele. Não consegue suportar nada em volta do pescoço. Sintomas do lado
esquerdo. Dificuldade para ingerir líquidos. Piora com bebidas quentes.
Melhora ao ar livre. Delírios com muita falação e ilusões. Tendência a
hemorragias.
*Carbo vegetabilis: Estado de colapso. Desesperado por ar fresco. Muitos
arrotos com abdômen inchado. Suor quente na cabeça e pés muito frios.
Boa respiração. Pele fria, úmida e manchada. Não suporta roupas apertadas
na cintura (Lachesis e Crotalus também). Pele azul ou púrpura (Lachesis
também). Sente medo em uma sala escura ou ao fechar os olhos. Medo de
fantasmas.
*Crotalus horridus: Rosto e/ou olhos amarelos. Emotivo, falante, com
delírios de que seu cérebro está se deteriorando. Dor no fígado. Sensível a
luz. Os sintomas tendem a ser no lado direito (contrário de Lachesis). Piora
ao ar livre (contrário de Lachesis). Tendência a hemorragia de sangue
escuro. Não consegue engolir sólidos (contrário de Lachesis). Não suporta
roupas apertadas na cintura. Vômito com sangue ou da cor de café. Piora
após o sono (como Lachesis). Tendência a hemorragias.
Anthracinum: Dores ardentes terríveis. Rápida perda de força, pulsação
fraca, delírios. Hemorragia com sangue preto, cor de alcatrão. Edema, pus
com odor desagradável, endurecimento dos tecidos, glândulas inchadas.
Quando o Arsenicum for indicado, mas falhar.
Belladonna: Rosto vermelho e quente com pupilas dilatadas. O paciente não
suporta luz, barulho ou nervos abalados. Sensação latejante na cabeça e em
outras áreas. Pode ficar irritável, com raiva, ou delirante.
Arnica: Intoxicação sanguínea depois de ferimentos. O paciente não quer
ser tocado e insiste que está bem. Reclama que a cama é muito dura
(também Baptisia) e fica inquieto. Evacuações têm cheiro de ovo podre.
Apis: Ardência, dor ardente aliviada pelo frio. Edema. Não sente sede. Piora
com o calor. Piora em um quarto quente, com toque, pressão, deitando-se
ou depois de dormir. Melhora com frio, movimento ou sentando-se.
Baptisia: Rosto sombrio, vermelho-escuro. Adormece enquanto fala. Sente
dor em todo o corpo. Febre baixa, delírio no qual o paciente acredita que
seus membros estão espalhados sobre a cama. Hálito, fezes e urina
malcheirosos. Só consegue engolir líquidos. Sólidos dão ânsia de vômito.
Echinacea: Utilizado na forma de extrato, não diluído, em doses de 30 gotas.
Pode ser utilizado em adição a outros remédios, mas não ao mesmo tempo.
Estimulará o sistema imunológico.
Rhus toxicodendron: Para prevenir sepse depois da cirurgia.

ESCORIAÇÕES

Ferida na qual a pele não é rompida. Dor, inchaço e descoloração.


*Arnica: Primeira opção.

Bellis perennis: Escoriações profundas, especialmente no peito.


Hypericum: Depois de uma pancada esmagadora, dor intensa ou ferimento
nas partes ricas em nervos, como os dedos dos pés e das mãos, e na coluna.
Ledum: Caso a Arnica não dê alívio completo. A descoloração persiste
muito tempo depois da lesão. O ferimento melhora com o frio.
Ruta graveolens: Lesões nos ossos.
Conium: Tumores ou úlceras que aparecem depois de uma pancada.

ESPASMO NAS COSTAS

*Magnesia phosphorica: Melhora com calor e piora com frio.


*Nux vomica: Deve sentar-se para virar na cama. Piora pela manhã, após
comer, com frio ou enquanto está sentado. Emocionalmente irritável e
muito sensível.
Cimicfuga racemosa: Rigidez no pescoço e nas costas. Dor na parte inferior
das costas. Piora durante a menstruação, com frio e pela manhã.
Coloquíntida: Melhora com calor e ao se curvar. Espasmo nas costas
desencadeado pela raiva.
Arsenicum: Ansioso, inquieto, friorento. Melhora com calor. Piora após a
meia-noite.

EXAUSTÃO

*Arnica: Depois de um esforço físico extremo. Os músculos ficam doloridos


e a cama parece muito dura.
*Cinchona: Após perda de fluidos corporais (sangue, suor, fezes etc.) e
doenças graves. Friorento e piora com frio. Muita fome à noite. Abdômen
cheio de gases, muitos arrotos, que não ajudam. A mente fica mais clara à
noite.
*Carbo vegetabilis: Deseja ar livre e quer ser ventilado. Muitos arrotos.
Mãos e pés muito frios. Digestão fraca e lenta. Aversão à escuridão. Por
causa da perda de fluidos, doenças exaustivas etc.
*Kali phosphoricum: Exaustão nervosa por causa do excesso de trabalho,
preocupação ou doenças exaustivas. Insônia em razão da exaustão nervosa.
Tem fome às cinco horas da manhã e melhora ao comer. Revestimento
amarelo na língua. Piora com frio.
*Ácido fosfórico: Após a perda de fluidos, excessos sexuais, tristeza etc. A
mente fica exausta, não consegue pensar em palavras. Confuso. Leva um
bom tempo para responder. Apático. Friorento e melhora com calor.
Elimina grandes quantidades de urina clara.

Ácido pícrico: Fatiga cerebral depois de esforço físico ou mental ou perda


de fluidos. Melhora com frio epiora com calor (contrário de Ácido
fosfórico).

Cocculus indicus: Depois de perder o sono ou fadiga decorrente de viagem


aérea.
Arsenicum: Extremamente fraco, friorento, muito ansioso e agitado. Depois
de uma doença. Movimenta-se constantemente, apesar da exaustão.
Sedento por pequenos goles. Piora à meia-noite. Medo da morte e melhora
com companhia. Gosta do calor.
Calcanea carbonica: Fraqueza após uma doença, esforço físico ou sexo
(Staphysagria também). Sente-se confuso e quer se esconder. Tem medo de
que as pessoas observem sua incapacidade. Não suporta ouvir sobre
crueldades. Aversão a café e carne. Muito friorento. Sua com o mínimo
esforço físico e durante o sono.
Alfalfa: A essência estimula o apetite e melhora a nutrição para ajudar a
recuperar a força depois de doenças agudas.

FARPAS

(E outros objetos perfurantes, como cacos de vidro.)

Uma agulha esterilizada (passada por uma chama) pode ser usada para
remover suavemente a pele sobre um fragmento. Assim pode ser possível
remover o fragmento com a agulha ou um par de pinças esterilizadas. No
entanto, apesar dos melhores esforços, alguns fragmentos podem dificultar
a remoção. A Silica homeopática estimula a tendência natural do corpo em
expulsar coisas que não pertencem a ele.

Silica (6 CH): Duas vezes por dia durante algumas semanas ou até que o
objeto seja expelido.

Observação: não utilize Silica se houver um implante médico, como um


marcapasso. O medicamento pode estimular o corpo a expulsá-lo.
FASCITE NECROSANTE

Uma rara, mas particularmente virulenta forma de estreptococo pode


produzir uma condição chamada fascite necrosante. O estreptococo produz
uma toxina que mata e digere tecidos em ritmo acelerado. Uma mínima
ferida produz um doloroso galo avermelhado, que começa a ficar marrom-
amarelado ou arroxeado. A área aumenta de tamanho e o centro fica preto.
Outros sintomas incluem febre, calafrios, náusea, vertigem, fraqueza e
choque.

Belladonna: No começo, onde há dor latejante com vermelhidão e


queimação sobre a pele. Início repentino dos sintomas. Em infecções
sistêmicas, o rosto fica vermelho e quente, as pupilas se dilatam e as mãos e
os pés ficam frios. Piora com luz, barulho, vento na cabeça, nervos abalados,
sob o sol, ao ver objetos brilhantes. Melhora com silêncio, em um quarto
escuro, levantando ou sentando e pendendo a cabeça para trás.

Tarentula cubensis: No começo, quando há inflamação ardente,


contundente, dolorosa e dura na pele. Febre, calafrios, transpiração,
redução na eliminação de urina.

Lachesis: Feridas de cor arroxeadas, que podem gotejar sangue escuro.


Extremidades frias, mas piora com calor. Sensação de frio na parte afetada,
com formigamento, coceira e às vezes queimação. O paciente não consegue
suportar nada ao redor do pescoço. Extremamente sensível ao toque
mesmo de suas próprias roupas. Sintomas do lado esquerdo. Dificuldade de
engolir líquidos. Piora depois de dormir, com calor e com bebidas quentes.
Melhora ao ar livre. Delírio com grande loquacidade e ilusões.
Crotalus horridus: Rosto, pele e olhos amarelos. O lado direito do corpo fica
muito sensível ao toque. Hemorragias de sangue escuro e fibroso. Choroso,
falante, tem a ilusão de que o cérebro está decadente. Sensível à luz.
Sintomas tendem ao lado direito (oposto a Lachesis). Piora ao ar livre
(oposto a Lachesis). Não consegue engolir nada sólido (oposto a Lachesis).
Não suporta roupas apertadas ao redor da cintura. Vômito cor de sangue
ou de grãos de café. Piora depois de dormir (assim como Lachesis).
Rhus toxicodendron: Muito inquieto e constantemente muda de posição.
Músculos rígidos que melhoram com alongamento. Piora durante o
repouso. Pele vermelha com intensa coceira. Muito frio e a pele fica
dolorida com ar frio. Muita sede por bebidas geladas. Piora com frio ou
umidade. Ansioso à noite. Melhora com calor. Sonha com grandes esforços.
Arsenicum: Muito temeroso e inquieto, friorento, sedento por frequentes e
pequenos goles e exausto com o menor movimento. Dores ardentes como
fogo, que melhoram com calor. Diarreia com odor desagradável. Medo de
ficar sozinho. Piora entre meia-noite e três horas da manhã, com frio,
bebidas geladas e quando está sozinho. Melhora com calor, bebidas
quentes, sentando-se e com companhia.

FEBRE

Como a febre é uma categoria pouco específica, há muitos medicamentos


listados aqui. No fim desta lista, ver "Algumas características distintivas de
febres", que podem ajudá-lo em sua escolha. Se a febre estiver associada ou
parecer com uma doença em particular, tente buscar a doença primeiro.

*Aconitum: Início súbito e violento com extrema ansiedade e agitação. Sede


insaciável por água gelada. Pele quente e seca, ou suor frio com o rosto
bastante frio. Ondas de frio passam por ele. Friorento se estiver descoberto.
Suor nas partes sobre as quais está deitado. Piora à noite. Para os primeiros
estágios da doença.

*Belladonna: Início súbito e repentino com rosto vermelho e quente, suor


quente. Calor ardente com mãos e pés frios. Sem sede durante o estágio
febril. Pupilas dilatadas. Dores pulsantes. Às vezes fica com a cabeça quente
e o corpo frio. Piora com luzes, barulho, ar frio ou nervos abalados.

*Ferrum phosphoricum: No início de uma doença sem sintomas claros. O


rosto fica corado ou pálido. Suor. Piora com o ar frio, à noite ou das quatro
às seis da manhã, com exaustão ou fortes emoções.
Arsenicum: Ansioso, inquieto, friorento, sedento por pequenos goles. Não
quer ficar sozinho. Diarreia malcheirosa. A febre começa ou piora da meia-
noite às três horas da madrugada. Dores ardentes aliviadas pelo calor. A
febre pode começar e terminar em intervalos regulares. Suor frio. Melhora
com bebidas quentes.
Bryonia: Piora com qualquer movimento. Quer ficar deitado imóvel e não
ser perturbardo. Sede por bebidas frias. Tosse seca, membranas mucosas
secas. Pulsação dura. Suor malcheiroso e em abundância.
Gelsemium: Parece estar sonolento e intoxicado, com pálpebras caídas. Os
membros ficam pesados. Quer ser segurado porque se mexe muito.
Calafrios para cima e para baixo nas costas. Sem sede.
Lachesis: Doenças que surgem ou pioram após o sono. Piora também com
bebidas quentes, roupas apertadas, toques leves e calor. Suor quente e pés
muito frios. Sintomas no lado esquerdo. Sensação de nó na garganta. As
lesões ficam roxas.
Lycopodium: Calafrios entre três e às quatro horas da tarde, seguidos de
suor. Sintomas no lado direito, ou vão do lado direito para o esquerdo.
Piora com calor, exceto a garganta e o estômago, que melhoram com
bebidas quentes. Piora das quatro às oito horas da noite, com roupas
apertadas e após o sono. Melhora ao se movimentar, depois da meia-noite,
ao ficar resfriado e se estiver descoberto.
Nux vomica: Nervoso, irritado e hipersensível a barulhos, luzes, odores ou
comentários. Corpo muito quente, mas fica frio se estiver descoberto.
Friorento ao se movimentar. Dor nas costas e nos membros. Acorda às três
ou às quatro horas da madrugada e não consegue dormir. Piora depois de
comer e às três horas da madrugada. Constipado e precisa se esforçar para
defecar.
Baptisia: Febre baixa. O corpo inteiro fica rígido e dolorido. Odor pútrido
das secreções corporais. O rosto ou a garganta é vermelho-escuro. Fala
arrastada; parece intoxicado. Cai de sono enquanto está conversando. Só
consegue engolir líquidos. Tem delírios de que está quebrado e se contorce
em volta da cama tentando juntar os pedaços. Tem medo de dormir porque
pode ser asfixiado. Fome e sede durante a febre. Baptisia é seguido por
Bryonia ou Arsenicum.
Apis: Pouca ou nenhuma sede durante os calafrios. Dor ardente ou aguda
que melhora com aplicações frias. Grita. Piora com qualquer tipo de calor.
Piora depois do sono, com toque, ao se movimentar ou em lugar quente.
Melhora ao ar livre e quando está descoberto.
Opium: Inconsiente ou sonolento com muitos roncos. Dificuldade
respiratória. Suor quente. Rosto vermelho-escuro e quente. Pupilas
contorcidas. Pulso lento. Sem dor, apesar da doença. Sedento. Piora com
calor.
Phosphorus: Deseja companhia e teme ficar sozinho. Não consegue deitar
sobre o lado esquerdo. Melhora depois de curtos cochilos. Friorento à noite,
com os joelhos frios. Normalmente sedento por bebidas geladas, mas pode
ficar sem sede. Sensível a luzes, odores e sons. Piora com comidas ou
bebidas quentes. Melhora com frio ou comidas frias. Deseja sal e bebidas
geladas. Assusta-se facilmente. Sangramento vermelho-claro em pequenas
feridas.
Pulsatilla: Deseja companhia, apoio e tranquilidade. Friorento em um lugar
quente e deseja ar fresco e frio. Quer que a janela fique aberta. Não suporta
calor externo. Usualmente sem sede, mas melhora ao beber e com comidas
frias. Muito quente à noite. Uma parte do corpo fica quente e a outra fria.
Chora facilmente. Piora às quatro horas da tarde.
Pyrogenium: Febre associada à intoxicação do sangue. Infecções
relacionadas ao parto. Secreções malcheirosas (hálito, fezes, suor ou
vômito). Febre alta com pulsação lenta ou vice-versa. A cama parece muito
dura. As partes deitadas ficam doloridas e o paciente tem de mudar de
posição constantemente para aliviar a dor. Língua brilhante e vermelha.
Calafrios com suor quente. Piora com frio. O paciente diz que pode sentir o
coração bater. Delírios de que possui membros extras. Muito falante
durante a febre.
Rhus tox: Inquieto e muda de posição constantemente. Músculos rígidos
que melhoram com alongamentos. Piora durante o sono. Pele vermelha
com coceira intensa. Pele dolorida com o ar frio. Muita sede. Piora com frio
ou umidade. Ansioso à noite. Melhora com calor. Sonha com muito esforço.
Cinchona: Abdômen inchado sem alívio ao arrotar. Febre e calafrios vêm e
vão em intervalos regulares. Muita exaustão. Suor e diarreia podem
acompanhar a febre. Gosto amargo na boca e círculos embaixo dos olhos.
Piora com vento, com o mínimo toque e barulho.
Agaricus: Movimentos agitados e repentinos, junto com vertigem e delírios.
Globos oculares contorcidos. Sensações de ardor e coceira como se
ulcerado pelo frio. Friorento. O delírio vai desde cantar e rimar até gritar e
falar coisas incoerentes.
Echinacea: Use como essência em doses de 30 gotas, principalmente para
febres provocadas por intoxicação sanguínea. Secreções malcheirosas,
fraqueza extrema, braços e pernas doloridos. Frieza com náuseas. Língua
seca e inchada.
Enxofre: Dores ardentes, principalmente no rosto, nas mãos e nos pés.
Secreções malcheirosas, coceira e sensação de ardência na pele,
vermelhidão dos orifícios (lábios, narinas, olhos, ânus etc). Diarreia pela
manhã. O paciente sente dificuldade para respirar e deseja ar fresco. Deseja
doces.
Stramonium: Rosto vermelho, inchado e quente, com uma expressão
horrível. Febre violenta com muito suor. Aversão a fluidos. Medo da
escuridão. Deseja luz e companhia. Devoto, fervoroso, suplicante e fala sem
parar. Piora ao ver objetos brilhantes.

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DISTINTIVAS DE FEBRES

Os medicamentos com asterisco (*) apresentam o sintoma mais


intensamente.

Febre sem sede: *Pulsatilla, *Gelsemium, Apis, Lycopodium (em peritonite),


Ignatia.

Febre com sede: *Arsenicum, *Bryonia, *Phosphorus, Cinchona,


Eupatorium per, Heparsulphur, Nux vomita, Enxofre, Chamomilia,
Veratrum album, Hyoscyamus, Stramonium.
Medo com febre: Aconitum, Arsenicum, Baptisia, Belladonna, Hyoscyamus,
Stramonium.
Frieza (externa) com febre: *Arsenicum, *Carbo vegetabilis, Belladonna,
Bryonia, Cinchona, Phosphorus, Pulsatilla, Rhus toxicodendron, Veratrum
album.
Febre provocada por infecções bacterianas: *Arsenicum, Baptisia,
Echinacea, Ácido nítrico, Pyrogenium, Silica, lhuja.

Suor frio e pegajoso com febre: *Arsenicum, *Camphora, *Carbo vegetabilis,


*Antimonium tart, *Veratrum album, Ignatia, Ipecacuanha, Lachesis,
Lycopodium, Mercurius cyan, Pyrogenium.
Suor quente com febre: *Chamomilla, *Lachesis, *Carbo vegetabilis,
*Opium.
Febre que melhora depois de suar: Aconitum, Arsenicum, Veratrum album.
Febre que piora depois de suar (ou se não houver alívio algum):
*Mercurius, *Hepar sulphur, Pyrogenium, Belladonna, Antimonium
tartaricum.
Vômito durante a febre: Natrum muriaticum, Arnica, Arsenicum, Crotalus
horridus, Cactus grand, Cina, Ipecacuanha.
Vômito de bile durante a febre: *Baptisia, *Camomila, *Mercurius,
*Mercurius cyan, *Eupatorium perfoliatum, Cinchona, Gelsemium,
Ipecacunha, Nux vomica.
Sintomas no estômago com febre: *Bryonia, Hydrastis, Nux vomita,
Mercurius, Garbo vegetabilis, Pulsatilla, Cantharis.
Dor de cabeça com febre: Belladonna, Bryonia, Gelsemium, Nux vomica,
Hyoscyamus, Rhus toxicodendron.
Febre em crianças: Aconitum, Belladonna, Chamomilla, Coffea, Ferrum
phosphoricum, Stramonium.
Convulsões com febre alta: Belladonna, Cicuta, Hyoscyamus, Stramonium,
Opium.
Delírio com febre alta: Apis, Arsenicum, Belladonna, Opium, Pulsatilia,
Stramonium.
Febre baixa: *Baptisia,*Arsenicum (também pode ser usado para febre
alta).
Fraqueza durante a febre: Arsenicum, Phosphorus, Baptisia, Bryonia,
Eupatorium per, Ignatia, Ácido muriático, Natrum mururiaticum, Acido
fosfórico, Pulsatilia, Rhus tox.

Piora com calor durante a febre: Apis, Pulsatilla.

Falante durante a febre: *Lachesis, *Gelsemium, Baptisia (às vezes).

FEBRE AMARELA

A febre amarela é uma doença viral transmitida por um mosquito. É


caracterizada por aparecimento repentino, febre, pulsação baixa, vômito de
sangue preto, icterícia e hemorragia no nariz e na gengiva. A pulsação
inicialmente aumenta, mas depois baixa mais do que o esperado, com febre.
Outros sintomas podem incluir rosto corado, língua vermelha, náusea,
vômito e extrema exaustão com inquietação. A icterícia ocorre após o
terceiro dia, quando a temperatura aumenta para 39 ou 40 graus. A
pulsação fica muito baixa, apesar da alta temperatura. À medida que a
condição progride, o paciente fica tolo, confuso e pode ter delírio,
convulsões e até coma. Não existe nenhum tratamento convencional
específico.

PREVENÇÃO

Febre amarela (nosódio 30 CH): uma vez por semana ou Crotalus horridus,
ou Arsenicum album: se os outros medicamentos não estiverem
disponíveis.

MEDICAMENTOS PARA A FEBRE AMARELA - ESTÁGIOS INICIAIS


Aconitum: Estágio inicial. Medo da morte, febre alta, inquietação e sede por
grandes quantidades de bebidas. Rosto quente e vermelho, pulsação forte.
Belladonna: Rosto quente e vermelho, pupilas dilatadas, pulsação forte,
corpo quente porém mãos e pés frios. Dor de cabeça frontal, delírio.
Bryonia: Piora com o mínimo movimento, dor de cabeça na parte de trás da
cabeça, dor no pescoço. Sede por grandes quantidades de bebidas, delírio.
Eupatorium perfoliatum: Dor profunda nos ossos. Inquieto por causa da
sensação de machucado. Sede por bebidas frias. Calafrio começando na
parte inferior das costas. Bem pouca transpiração.
Ipecacuanha: Náusea e vômito, náusea após beber água, náusea não
aliviada por vômito. Muita salivação com língua clara, sem sede, piora com
calor.
Lachesis: Piora após dormir, dificuldade para falar. Não suporta que nada
toque a garganta, piora ao deitar do lado esquerdo, sintomas do lado
esquerdo. Hemorragias escuras que não coagulam, pele amarela. Também
útil em estágios avançados.

MEDICAMENTOS PARA A FEBRE AMARELA - ESTÁGIOS AVANÇADOS

*Carbo vegetabilis: Dificuldade de respirar, colapsos com hálito frio, corpo


gelado, pulsação fraca. Dor ardente na garganta, estômago e abdômen.
Vomita com dor ardente após comer.
*Arsenicum album: Vômito preto, muita ansiedade e inquietação, medo de
ficar sozinho. Sede por pequenos goles, dores ardentes aliviadas pelo calor.
*Crotalus: Rosto vermelho e inchado, pele amarela, pulsação fraca,
hemorragias em cada orifício. Suor com sangue, vômito preto, sintomas do
lado direito.
*Cadmium sulphur: O paciente fica gelado. Vômito preto com náusea
terrível, que piora com movimento. Sente muita exaustão e quer ficar
quieto. Piora depois de dormir. Medo de ficar sozinho. Insônia grave, ou
dorme com os olhos abertos. Acorda sufocado.
*Lachesis: Piora após dormir e ao deitar do lado esquerdo. Dificuldade de
falar, não suporta que nada toque a garganta. Sintomas do lado esquerdo,
hemorragias escuras que não coagulam. Pele amarela. Também útil em
estágios avançados.
*Cantharis: Supressão da urina, dores ardentes, pulsação fraca e suor frio
nas mãos e nos pés. Sede ardente, mas não quer beber. Medo de espelhos,
do som de água e de objetos brilhantes.
Cuprum: Convulsões começam com espasmos nas mãos e nos pés. Rosto
frio e azul. Melhora após transpirar e ao beber água fria. Piora com toque.
Deseja bebidas frias.
Phosphorus: Hemorragia vermelho-clara, vontade de tomar grandes
quantidades de bebidas, muita sensibilidade a luz, som e odores. Não
suporta ficar sozinho. Piora ao deitar do lado esquerdo, com comida quente
e à noite. Melhora com comidas e bebidas frias e ao deitar do lado direito.
Use Phosphorus se houver ameaça de pneumonia.
Cinchona: Para recuperar as forças enquanto se recupera. Fraco, friorento,
abdômen inchado, transpira dia e noite.

FEBRE TIFOIDE

A febre tifoide é uma doença bacteriana contraída pelo consumo de


alimentos ou água contaminados. Os sintomas incluem febre alta de 40
graus, pulsação lenta apesar da febre alta, fraqueza, dores de estômago,
diarreia, fezes com sangue, vômitos, dor de cabeça severa, calafrios e
confusão. Às vezes, uma erupção característica e pequenas manchas cor-
de-rosa aparecem no abdômen ou no peito. O abdômen fica inchado e
sensível. O rosto fica corado e as pupilas dilatadas. A febre aumenta a cada
dia durante dez dias. Após algumas semanas, a febre começa a baixar
durante parte do dia.

PREVENÇÃO

Salmonella typhi (nosódio 30 CH): uma vez por semana.


Baptisia: Se o nosódio de Salmonella não estiver disponível. Evitar comida
ou água contaminadas. Água fervida ou alimentos completamente cozidos.

MEDICAMENTOS PARA A FEBRE TIFOIDE

*Baptisia: Estágios iniciais. Início súbito com alta tempereatura. Rosto


vermelhoescuro. Inquieto, confuso mentalmente, ou delirante e acha que
seus membros estão espalhados pela cama. Adormece enquanto estão
falando com ele. Frio e dores no corpo. Pulsação rápida e plena. Urina, suor
e fezes malcheirosas. Língua seca com uma listra marrom abaixo do centro.
Lábios e dentes cobertos com crostas marrons.
*Pyrogenium: A cama parece muito dura. Inquieto. Pulsação acelerada com
baixa temperatura ou o contrário. Diarreia malcheirosa. Melhora ao se
movimentar. Transpiração abundante, que não diminui a temperatura
corporal.
*Rhus toxicodendron: Febre baixa, ansioso, inquieto e muda
constantemente de posição (Arsenicum também), fraqueza, pescoço rígido,
rigidez dolorosa dos braços e das pernas. Fica tonto quando fecha os olhos,
tosse sangue. Língua bastante revestida, lábios cobertos com crostas
marrons, a língua fica vermelha ou com um triângulo na ponta. Recusa
qualquer alimento. Desespero. Tem medo que se apro ximem dele. Sonha
com muito esforço. Piora com frio, após a meia-noite, quando começa a se
movimentar e quando está molhado. Melhora com calor e ao mudar de
posição.
*Arsenicum album: Útil na segunda ou terceira semana. Ansioso, com medo
da morte, inquieto com mudança constante deposição, sedento por goles
pequenos e frequentes e extremamente exausto. Língua vermelha, diarreia
malcheirosa. A língua fica seca e escura. Friorento, com suor frio, mas
muitas sensações ardentes. Ardência dentro das veias, do estômago e do
abdômen, mesmo assim o paciente deseja bebidas quentes. As partes
externas e internas da boca ficam cobertas com crostas escuras e
malcheirosas. Úlceras que sangram na boca. Piora da meia-noite às três
horas da madrugada, quando está sozinho e com frio. Melhora com calor.

*Belladonna: Delírios com gritos e quer sair da cama. Rosto vermelho e


quente, pupilas dilatadas. Língua inchada e vermelha. Muitos roncos com
membros contorcidos. Piora com barulho, luzes e nervos abalados.
*Bryonia: Ocorre lentamente. Febre baixa. Piora com qualquer movimento.
Dores agudas no peito. Melhora quando está deitado sobre o lado dolorido.
O paciente deita-se todo imóvel, durante os delírios pede para ir para casa,
fala sobre negócios. Fica irritado se for perturbado e tem sede de grandes
quantidades de bebidas geladas. Língua branca com gosto amargo na boca.
Desmaia quando está sentado.
Ácido fosfórico: Fica muito exausto ao conversar. Dá respostas de uma
palavra. Muito friorento. Deseja frutas, coisas suculentas ou bebidas
geladas. Elimina grandes quantidades de urina clara à noite. Transpiração
abundante, incontinência do intestino e da bexiga. Dor muito forte na parte
de cima da cabeça.

Gelsemium: Fase inicial. Pálpebras caídas, membros pesados, sonolento,


parece intoxicado. Calafrios na coluna, quer deitar-se completamente
imóvel, tremedeira. Fraqueza e tremores. Sem sede.
Lachesis: Piora após o sono, tendência a hemorragias de sangue escuro,
piora com toque. Não suporta roupas apertadas em volta do pescoço ou da
cintura. Dor nos ossos da coluna. A língua treme. Pode ser muito falante.
Desconfiado e acha que está sendo envenenado.
Hyoscyamus: Murmúrios incoerentes. Aversão a bebidas. Descuido com o
rosto, as roupas ou os lençóis. Acha que está possuído por um demônio.
Stramonium: Parece assustado e deseja companhia e luz. Pupilas dilatadas,
olhos semi-abertos. Diarreia escura. Delírios com mordidas, arranhões ou
linguagem obscena. Convulsões.
Echinacea: Usar como uma essência, 40 gotas por dose. As gengivas
sangram facilmente, a língua e os lábios formigam. Secreções malcheirosas
pelo nariz, rachaduras nos cantos da boca e dores nos membros. A garganta
fica escura e a língua fica esfolada. Dor de cabeça e pescoço corado.
Phosphorus: Se a pneumonia se agravar. Abdômen inchado e sensível ao
toque. Piora ao deitar-se sobre o lado esquerdo. Fezes com sangue bastante
vermelho. Sede ardente de água bem gelada. Medroso quando está sozinho.
Melhora com companhia e tranquilidade. Sensível a odores, sons e luzes.
Enxofre: Quando medicamentos indicados corretamente não estiverem
funcionando. A febre aumenta e diminui. Os pés ficam quentes. A boca fica
seca e rachada. Piora com calor e às 11 horas da manhã.
Crotalus horridus: Hemorragias escuras que não coagulam, mas exalam de
qualquer orifício. A pele fica amarela, fria e seca. O paciente parece
intoxicado. A língua fica vermelha ardente. Os sintomas surgem
rapidamente.
Garbo vegetabilis: Nos últimos estágios com colapso. Deseja ar e quer ser
ventilado. A cabeça fica quente, mas a respiração é fria. Mãos e pés bastante
gelados. Rosto pálido ao azul. Suor frio. Hemorragias escuras.
Ipecacuanha: Com sangramentos no nariz e fezes com sangue vermelho-
vivo. Náusea e língua limpa.
Hamamelis: Com sangramentos no nariz e fezes com sangue escuro.
Ácido muriático: Sofre de extrema fraqueza física, mas está mentalmente
alerta. Desliza de fraqueza na cama. Elimina fezes enquanto está urinando.
A mandíbula inferior cai. Piora ao deitar-se sobre o lado direito.

Cinchona: Ingerir 30 CH a cada seis horas para debilidade, depois que os


sintomas melhorarem.
FERIDAS

Ver também "Feridas infectadas" nesta seção. Os medicamentos a seguir


são úteis para reduzir a dor, evitar danos aos tecidos, evitar infecção e
acelerar o processo de cura.

*Arnica: Feridas ásperas, cortes e rasgos com superfícies irregulares.


Também escoriações. Golpes por objetos ásperos. Após qualquer trauma ao
corpo.

*Staphysagria: Feridas causadas por objeto afiado, deixando um corte


limpo. Feridas com facas, navalhas, vidro etc.
*Ledum: Feridas por punção. Inclui feridas com agulhas, unhas e objetos
semelhantes, bem como picadas de insetos. Ledum pode ajudar a prevenir
tétano após feridas por punção. Siga com Hypericum se a ferida estiver
muito dolorida.
*Hypericum: Feridas muito doloridas ou nas quais a dor sobe pelo membro
a partir da lesão. Para lesão em partes com muitos nervos, como a ponta
dos dedos e os dentes. Importante para lesões na coluna. Pode ajudar a
prevenir tétano em feridas porpunção, que são muito dolorosas. Segue
Ledum nesses casos.

Belladonna: Feridas quentes, vermelhas e pulsantes. Antes que se forme


pus. (ver "Feridas infectadas".)
Ruta: Torções, rompimentos e outras lesões em tendões e ossos.

Symphytum: Lesões em ossos e tendões. Também lesões ao olho por objeto


áspero.

Bellis perennis: Lesões no peito e tecidos mais profundos.

Calendula: Usada em potência 30 para acelerar a cura e reduzir a dor.


Calendula: Para uso externo. A essência é diluída, uma medida para oito
medidas de água e a ferida é banhada nessa solução.
Observação: Não deve ser usado para feridas muito profundas que
precisem ser drenadas. Pode curar o tecido superficial antes das camadas
mais profundas.
Phosphorus: Pequenas feridas que sangram excessivamente.
Silica: Feridas que se curam lentamente, principalmente em pessoas
friorentas.

FERIDAS INFECTADAS

Observação: se houver uma linha vermelha estendendo-se pelo membro


a partir da ferida, ver "Linfangite". Se a pele ficar fria e preta ou azul e tiver
odor desagradável, ver "Gangrena".

*Hepar sulphur: Ferida extremamente sensível a toque, frio e vento. Cheia


de pus. Às vezes há dores como pontadas. Cheiro de queijo estragado. O
paciente melhora com calor.

*Lachesis: Feridas roxas epodem ter bordas pretas. O paciente piora com
calor, toque, pressão e após dormir. Não suporta roupas apertadas,
principalmente em volta da garganta. Tendência a sangramento vermelho-
escuro. Às vezes fica muito falante.

*Apis: Dor ardente e cortante que melhora com aplicação fria. Pele
avermelhada ou azulada e sensível ao toque. O paciente tem pouca ou
nenhuma sede e piora em ambiente quente e melhora com ar fresco.
*Arsenicum: Dor ardente, que melhora com calor. Pele seca e pode ter
manchas azuis ou pretas. O paciente fica muito ansioso, friorento, inquieto
e tem sede por pequenos e frequentes goles. Piora com frio, após a meia-
noite e quando está sozinho.
*Anthracinum: Dores ardentes terríveis e muita fraqueza. Secreções com
mau cheiro. Bolhas pretas ou azuis. Sangramento preto. Ansioso e com
medo da morte. Muita sede, mas tem dificuldade para engolir.
*Pyrogenium: Com febre. Odor desagradável na ferida e nas secreções
(hálito, fezes, suor ou vômito). Exausto, mas extremamente inquieto. Sente-
se machucado em todo o corpo. Febre alta com pulsação lenta ou febre alta
com pulsação rápida. O paciente melhora com movimento e calor. Piora
com o frio.
Crotalus horridus: Ferida pode ficar roxa (também Lachesis). Tendência a
sangramento escuro e fino. O paciente não suporta roupas apertadas em
volta da cintura. Muito sensível a luz, principalmente de lâmpada. Rosto
amarelo. Pele sensível do lado direito do corpo. Língua vermelha. Hálito
com cheiro de mofo. Piora após dormir e ao deitar do lado direito.
Desespero, choro.
Echinacea angustifolia (essência, doses de 30 a 40 gotas): Pode ser usada
em adição a outros medicamentos. Ajuda a ativar a função imune. Espere
meia hora para administrar outros medicamentos.
Silica: O pus continua drenando, mas a infecção não para. Paciente fica
friorento.
FOBIAS
Esta seção inclui ataques de pânico, medo de espaços abertos
(agorafobia), medo de lugares fechados (claustrofobia), medo de altura
(acrofobia), medo de pontes, medo de aviões, medo do escuro e medo de
doenças ou contaminação.

ATAQUE DE PÂNICO

*Aconitum (30 CH ou 200 CH): Medicamento universal para pânico. O


medo surge rapidamente e com grande intensidade. Inquieto, com medo da
morte, sedento. Pele quente e seca. Palpitação. Melhora ao ar livre.
Profetiza a hora de sua morte. Piora com frio ou vento frio e seco. Piora à
noite.
*Argentum nitricum (30 CH ou 200 CH): Medo de seus próprios impulsos
(medo de que possa se jogar de uma ponte, por exemplo). Fantasias "e se"
("E se o cabo da ponte quebrar enquanto nós estivermos dirigindo sobre
ela?"). Melhora ao ar fresco. Piora em espaços abertos ou entre multidões.
Deseja açúcar, o que provoca arrotos.
Phosphorus: Em uma pessoa sensível, cordial, extrovertida. Sempre se
sente melhor com companhia e tranquilidade. Assusta-se facilmente.
Ansioso durante tempestades. Sensível a sons, odores e luzes. Tem sede por
bebidas bastante geladas. Deseja sorvete, comida temperada ou chocolate.
Kali ars: Temores sobre a saúde, principalmente ataque cardíaco. Piora à
noite (entre uma e três horas da manhã). Dorme com uma mão sobre o
coração. Friorento e não consegue se esquentar. Pensamentos persistentes
à noite. Aversão a ir para cama.
Arsenicum: Principalmente à noite e quando está sozinho. Meticuloso,
perfeccionista, crítico. Teme doenças, assaltantes ou morte. Muito inquieto
e friorento.

AGORAFOBIA (MEDO DE ESPAÇOS ABERTOS

*Argentum nitricum (30-200 CH): Tem pressa e pode andar rápido. Medo
de seus próprios impulsos (medo de que possa se jogar de uma ponte, por
exemplo). Fantasias "e se". Melhora ao ar fresco. Piora em espaços abertos
ou entre multidões. Pode desejar açúcar, o que provoca arrotos.
Aconitum (30-200 CH): O medo surge repentinamente e com muita
intensidade. Muita agitação, medo da morte, palpitação. Melhora ao ar livre.
Piora com frio ou com vento frio e seco. Piora à noite. Piora em espaços
abertos, lugares estreitos ou em uma multidão.
Kali arsenicum: Tem certeza de que terá um ataque cardíaco.
Phosphorus: Em uma pessoa sensível, cordial, extrovertida. Sempre se
sente melhor com companhia e tranquilidade. Assusta-se facilmente.
Ansioso durante tem pestades. Sensível a sons, odores e luzes. Tem sede
por bebidas bastante geladas. Deseja sorvete, comida temperada ou
chocolate.

CLAUSTROFOBIA (MEDO DE ESPAÇOS FECHADOS

Medo de ficar preso ou trancado, como em elevadores, trens, cabines de


barco ou aviões.

Argentum nitricum: Piora se estiver em um lugar quente e confinado. Medo


de perder o controle. Ansiedade.

Pulsatilla: Melhora com apoio, companhia e ar fresco. Piora em uma sala


abafada, principalmente porões e cavernas. Emotivo, tímido. O humor
muda constantemente. Sem sede.
Aconitum: Ataque súbito. Medo da morte. Piora entre multidões. Ondas de
medo. Muita sede.

ACROFOBIA (MEDO DE ALTURA

*Argentum nitricum: Medo de seus próprios impulsos (medo de que possa


se jogar de uma ponte, por exemplo). Fantasias "e se". Melhora ao ar livre.
Piora em espaços abertos ou entre multidões. Pode desejar açúcar, o que
provoca arrotos.
Aconitum: Medicamento universal para o pânico. O medo surge de repente
e com grande intensidade. Agitação, medo da morte, sede. Pele quente e
seca. Palpitação. Melhora ao ar livre. Piora com frio ou vento frio e seco.
Piora à noite.
Aurum: Para pessoas sérias com forte sentido de dever que julgam a si
próprias severamente e que se irritam facilimente. Viciadas em trabalho. Às
vezes, depressão profunda.

Enxofre: Para pessoas descabeladas, não convencionais, independentes,


filosóficas, que amam pontificar. Para uma pessoa que tem resposta para
tudo, mas costuma falar mais do que fazer. Um colecionador que nunca joga
nada fora. Deseja doces. Gosta de ambiente fresco e não suporta calor.
Phosphorus: Extrovertido, precisa de outras pessoas, adora ser o centro
das atenções, muito sensível aos sentimentos dos demais. Muito
impressionável. Também sensível a odores, luzes e barulhos,
principalmente trovoadas. Deseja bebidas bastante geladas, sorvetes e
comida bem temperada.
Pulsatilla: Gentil, dependente emocionalmente, inseguro, chora facilmente,
procura alguém forte para se apoiar. Não suporta um lugar quente e
fechado.
Staphysagria: É tímido e deixa as pessoas pisarem nele. Tem muita raiva,
apesar de ser bom demais. Tem muito ressentimento.

MEDO DE PONTES

Argentum nitricum: Medo de perder o controle, com muitos "e se" ("E se o
pneu furar no meio da ponte?"). Esse medicamento pode ser usado antes
do evento para evitar ansiedade.
Aconitum: Pânico súbito, com medo da morte, boca seca e coração
disparado.

MEDO DE AVIÕES

*Argentum nitricum: Começa a ter medo muito antes do voo. Sente que
entrará em pânico ou perderá o controle durante o voo. Piora em um lugar
quente e fechado. Tem muitas fantasias de desastre com "e se".
*Aconitum: Medo repentino da morte com boca seca e coração acelerado.
Sede intensa. Pele quente e seca. Repita esse medicamento se for
necessário.
Calcanea carbonica: Também pode ter medo de insetos, cachorros ou da
loucura. A mente fica cansada, sente dificuldade de se concentrar e tem
medo de que as pessoas observem sua confusão. Não suporta ver ou ouvir
sobre atos de crueldade. Deseja se esconder. Friorento e piora com frio.
Arsenicum: Ansioso, inquieto, frio, meticuloso, crítico. Tem medo de ficar
sozinho e melhora com companhia. Imagina que as pessoas estão olhando
para ele. Friorento e piora com frio.

MEDO DO ESCURO

Stramonium: Essa pessoa nunca se recuperou de algum acontecimento


terrível. Piora no escuro, estando sozinho e ao ver um objeto brilhante.
Sedento. Teme a visão de água corrente.
Phosphorus: Em uma pessoa sensível, cordial, extrovertida. Melhora com
companhia e tranquilidade. Assusta-se facilmente.
Arsenicum: Lamenta sobre si mesmo e o que acontecerá. Teme a perda do
sistema de segurança e de suporte. Ansioso, inquieto, friorento,
perfeccionista, crítico. Não confia nas pessoas das quais depende.
Preocupa-se com o futuro.
Aconitum: Medo intenso, que surge de repente. Boca seca e coração
acelerado. Extremamente inquieto. Certeza de que está prestes a morrer.

MEDO DE DOENÇAS

Arsenicum album: A pessoa que precisa desse medicamento é geralmente


ansiosa, muito controladora, cautelosa, exigente e egoísta por causa da
insegurança. Teme a pobreza e ficar sozinho. Normalmente (nem sempre)
magra. Uma pessoa friorenta. Melhora com calor.
Argentum nitricum: Muita ansiedade, medo de perder o controle, imagina
resultados horríveis e situações com "e se". Medo de espaços fechados ou
abertos. Impulsivo e apressado. Deseja doces, que causam arrotos. Sempre
precisa de ar fresco e frio.
Phosphorus: Pessoa sensível, cordial, espontânea, extrovertida. Melhora
com companhia. Muito sugestionável e melhora com tranquilidade.
Hipersensível a luzes, odores e sons. Assusta-se facilmente.
Calcanea carbonica: Também pode ter medo de insetos, cachorros ou da
loucura. A mente fica cansada, sente dificuldade de se concentrar e tem
medo de que as pessoas observem sua confusão. Não suporta ver ou ouvir
sobre atos de crueldade. Deseja se esconder. Friorento, cansa-se facilmente
e sua com o mínimo esforço. Muitas vezes - mas não sempre - corpulento.
Kali carbonicum: Orgulha-se de ser lógico, mesmo quando deveria ser
emotivo. Gosta de regras e regulamentos e vive por eles. Preocupado com o
dever e o que é certo e errado. Teme a espontaneidade e a perda de
controle. Tem medo de ficar sozinho, mas trata as pessoas mal. Sente seu
medo no estômago. Acorda às três horas da madrugada e não consegue
dormir novamente. Muito friorento.
Nux vomica: Irritável e hipersensível a tudo. Uma pessoa com muita
energia, que prospera na responsabilidade e muitas vezes faz uso de
estimulantes. Quer ser responsável e não aceita receber críticas. Raiva é a
primeira resposta ao estresse. Busca falhas e pode ser abusivo,
mentalmente e fisicamente. Muito friorento. Acorda às três horas da
madrugada e não consegue dormir novamente até de manhã.

MEDO DE GERMES, CONTAMINAÇÃO OU DOENÇAS CONTAGIOSAS

Calcanea carbonica: Também pode ter medo de insetos, cachorros ou da


loucura. A mente fica cansada, sente dificuldade de se concentrar e tem
medo de que as pessoas observem sua confusão. Não suporta ver ou ouvir
sobre atos de crueldade. Deseja se esconder. Friorento, cansa-se facilmente
e sua com o mínimo esforço. Muitas vezes - mas não sempre - corpulento.
Arsenicum album: Ansioso, inseguro ou com medo de ficar sozinho. Muito
controlador, perfeccionista, cauteloso, exigente. Desconfiado e não fica
tranquilo facilmente. Egoísta por causa da insegurança. Também pode
temer a pobreza, assaltantes ou a morte. Piora à noite. Inquieto, friorento e
melhora com calor.
Enxofre: Pessoas descabeladas, não convencionais, independentes,
filosóficas, que amam pontificar. Tem resposta para tudo, mas costuma
falar mais do que fazer. Um colecionador que nunca joga nada fora. Deseja
doces. Gosta de ambiente fresco e não suporta calor.
Lachesis: Muito falante e muda de assunto constantemente. Não se entende
uma palavra do que diz e não pode dizer para onde a conversa está indo.
Não suporta calor ou ter algo apertado em volta do pescoço. Imaginação
vívida e tem ataques de desconfiança e ciúme. Medo de cobras, do mal, de
ser envenenado, de ir dormir.
Thuja: Imagina que seu corpo é muito delicado, magro ou quebradiço. Bem
educado, indireto e manipulador. Nunca diz exatamente o que pensa. Não
suporta tempo frio e úmido. Fica doente se comer cebolas.

FRIAGEM

Arsenicum: Muito ansioso, inquieto, exausto e sedento por pequenos goles.


Dores ardentes aliviadas pelo calor. Diarreia com odor desagradável. Piora
entre meianoite e às três horas da manhã. Medo de ser deixado sozinho.
Garbo vegetabilis: Primeiro medicamento para o colapso. Deseja ar e quer
ser ventilado. Abdômen inchado com muito arroto. Cabeça quente, mas
hálito e corpo gelado. Suor quente na testa. Pulsação fraca, ponta dos dedos
azuis. Frio nos pés até os joelhos. Melhora com arrotos e sendo ventilado.
Camphora: Estado de colapso ou choque. Súbita perda de força. Frio
congelante, mas recusa cobrir-se, transpiração fria, hálito frio. Cãibras nas
panturilhas, frio seguido de dor ardente no estômago, falta de sede, náusea,
dormência nos dedos. O paciente sente como se estivesse sufocando.
Secale: O paciente sente-se quente internamente, mas a pele é fria ao toque.
Mesmo quando tem frio, não suporta ser coberto. Piora com calor. Sente
como se formigas rastejassem sobre ele, especialmente nas mãos (por isso
separa os dedos).
Silica: Piora com vento (oposto a Carbo veg), facilmente exausto, sedento,
hipersensível a toque e barulho. Melhora com calor e cobrindo a cabeça.
Piora com frio, vento, umidade, luz, barulho ou excitação.
Cuprum: Espasmos começando nas mãos e nos pés. Rosto azul.
Bryonia: Deita-se perfeitamente imóvel. Sintomas pioram com qualquer
movimento. Sede por grandes quantidades de bebidas geladas. Irritável.
Veratrum album: Frio congelante com suor abundante no rosto e na testa.
A pele fica azul. Fraqueza extrema. Começo repentino e violento dos
sintomas. O paciente quer ser coberto. Fezes abundantes com diarreia
aquosa e dolorida.
Nux vomica: Calafrio com o mais leve movimento e ao ficar descoberto.
Irritável, com raiva, supersensível a barulho, luzes e odores e imagina
insultos. Constipação com urgência em defecar acompanhada de muitas
reclamações. Insônia entre três e cinco horas da manhã. Melhora com calor,
sendo coberto, tempo úmido e cochilo. Piora de madrugada, com frio,
ficando descoberto, vento, barulho, odores e pressão das roupas.

GARGANTA, DOR DE

A maioria das dores de garganta é simples, mas algumas doenças graves


podem ser contraídas dessa maneira. Se você puder curar uma doença
nesse estágio, ela não evoluirá. No final desta lista, ver "Algumas
características distintivas de inflamação na garganta" para ajudar a fazer a
seleção.
*Aconitum: Ocorre de repente, por causa da exposição ao frio. Febre alta,
ansiedade, agitação. Garganta vermelha, quente, seca e inflamada. Muita
sede de água gelada. Usado no primeiro sinal de garganta inflamada,
normalmente proporciona a cura.
*Belladonna: Início súbito. Rosto vermelho e quente. Garganta e língua
vermelhas, secas e ardentes. A garganta fica contraída, tornando difícil
engolir. Expele comida pelo nariz. A maioria das vezes acontece do lado
direito. O paciente sente-se pior com barulho, luzes ou nervos abalados.
*Lachesis: Dor de garganta no lado esquerdo, ou movendo-se da esquerda
para a direita. Surge após o sono, piora com calor, ao engolir líquidos (a
ingestão de alimentos sólidos não faz mal). A garganta fica vermelho-
azulada. A parte externa da garganta fica sensível ao toque. Sensação de
que há um caroço na garganta, fazendo-o engolir.
*Phytolacca: Garganta vermelho-escura, a dor é irradiada para os ouvidos
quando tenta engolir, glândulas inchadas. Dor ardente. Sensação de que há
um caroço na garganta (Lachesis, Hepar e Ácido nítrico também).

*Mercurius: Garganta ferida e ardente. Mau hálito, muita saliva, muita sede.
Sua abundantemente e depois fica pior. Língua revestida de amarelo. Piora
à noite e com o calor da cama.
*Hepar sulphur: Muito friorento e piora com frio ou vento. Basta colocar a
mão para fora das cobertas para piorar a dor ou a tosse. Pus na garganta,
dores tipo farpa, a dor se estende para o ouvido quando está engolindo
algo. A garganta fica sensível ao toque. Muito irritável.
*Lycopodium: Começa no lado direito e pode mover-se para o esquerdo.
Melhora com bebidas quentes. Piora das quatro da tarde às oito da noite.
Arsenicum: Ardência na garganta, que é aliviada por bebidas quentes. Sede
de goles pequenos e frequentes. Friorento e melhora com calor. Muito
ansioso, inquieto e exausto. Piora à meia-noite. Não quer ficar sozinho.
Apis: Dor ardente e aguda, como uma abelha. Piora com calor e melhora
com frio. Sem sede. A garganta fica inchada.
Pulsatilla: Opacientepiora em uma sala quente e deseja ar fresco. Sem sede
(Apis também). Deseja apoio e companhia. Chora facilmente. Piora quando
engole seco.
Gelsemium: Ocorre lentamente em um período de dias. Calafrios nas costas.
Quer ser deixado sozinho. Os membros ficam pesados e as pálpebras
inclinam-se. Corpo quente com mãos e pés frios.
Baptisia: Garganta vermelho-escura e inchada. Às vezes, sem dor. A
garganta fica contraída e o paciente só consegue engolir água. Sonolência,
pálpebras pesadas, cai de sono enquanto estão falando com ele.
Lac caninum: A dor vai de um lado para outro e volta novamente. Sensação
de asfixia, como se a garganta estivesse fechando. Incapaz de engolir. A
parte externa da garganta fica sensível ao toque. Piora quando engole seco.
Ácido nítrico: Parece que há lascas ou ossos afiados na garganta. A dor
estende-se para o ouvido ao engolir algo. A deglutição é muito difícil.
Ulceras na garganta. O paciente fica muito friorento.

Capsicum: A dor piora quando não está engolindo (Apis também). Dor
ardente como pimenta. Garganta inchada e vermelha ou roxa (Lachesis
também). Friorento depois de beber. O rosto fica vermelho, mas frio.

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DISTINTIVAS

DE INFLAMAÇÃO NA GARGANTA
Bebidas quentes, melhora com: Arsenicum, Hepar sulphur, Lycopodium
(melhora ou piora).
Piora com bebidas quentes: Lachesis, Apis, Phytolacca, Lycopodium
(melhora ou piora).
Inflamação da garganta no lado esquerdo (ou movendo-se do esquerdo
para o direito): Lachesis, Lac caninum.
Do lado direito: Lycopodium, Belladonna, Phytolacca, Mercurius, Lac
caninum.
Do lado direito e movendo-se para o esquerdo: Lycopodium.
Lados alternados (do esquerdo para o direito e volta para o esquerdo ou
viceversa): Lac caninum.
Piora ao acordar: Lachesis.

Piora com ar frio: Hepar sulphur, Belladonna.

Piora com vento: Hepar sulphur.

Dificuldade para engolir líquidos: Lachesis, Mercurius, Ácido nítrico.

Sensação de farpa ou osso na garganta: Hepar sulphur, Ácido nítrico.

Dor cortante: Apis, Gelsemium.


Piora quando engole seco: Lachesis, Arsenicum, Belladonna, Lac caninum,
Pulsatilla.
Sem engolir (dor mesmo quando não está engolindo): Apis, Capsicum.

Impossível engolir: Belladonna, Gelsemium, Lac caninum, Lachesis, Ácido


nítrico.

Sufocamento (sente como se estivesse sufocando): Lachesis, Apis.

Toque (piora quando a parte externa da garganta é tocada): Lachesis.

GENGIVAS, ABSCESSO DAS

*Mercurius (solubilis ouvivus): Mau cheiro na boca, gosto metálico, excesso


de saliva. Língua saburrosa.
*Hepar sulphur (6 x ou 6 CH): Extremamente sensível ao toque e ao frio.
Bolsas de pus. Hepar sulphur ajuda o pus a encontrar uma ventilação, para
que possa secar.
*Silica: Abscesso na gengiva ou na raiz de um dente. Sensível ao frio, mas
não tão sensível ao toque quanto Hepar. Usar depois de Hepar se o
abscesso não drenar completamente.
Belladonna: Use antes de o abscesso se formar, onde houver vermelhidão e
dor pulsante, mas ainda sem pus.
Hekla lava: O abscesso fica duro como uma pedra. Abscesso após a extração
de um dente.

GENGIVITE

Inflamação da gengiva.

*Mercurius (solubilis ou vivus): Mau cheiro na boca, gosto metálico,


excesso de saliva. Língua revestida. Em pessoas que são sensíveis ao calor e
ao frio, pioram à noite, depois de suarem e ao se deitarem sobre o lado
direito.

Kreosotum: Gengiva dolorida, inchada ou com sangramento. Mau cheiro na


boca. Junto com a gengivite, os dentes podem se deteriorar muito
rapidamente.
Hekla lava: A gengiva fica dura como pedra. Pior no lado direito.
Natrum muriaticum: Rachaduras nos cantos da boca e no meio do lábio
inferior. Deseja sal. Erupções no lábio inferior. Afeta pessoas que gostam de
solidão e evitam os holofotes.
Phosphorus: A gengiva sangra facilmente, com sangue vermelho-vivo. A
língua fica seca e lisa. O paciente tem sede de bebidas geladas. Deseja
sorvete. Afeta pessoas que adoram companhia, gostam de ser o centro das
atenções, são muito sensíveis a sentimentos e sangram facilmente com
pequenas feridas.
Silica: Sensível a água gelada. Normalmente em pessoas magras, friorentas,
que suam facilmente (principalmente nos pés), adquirem infecções em
feridas mínimas, são exigentes e têm dificuldade de serem assertivas.
Nux vomica: Gengiva inchada, branca e sangrando. Parte de trás da língua
com revestimento branco ou amarelo. Em pessoas que são perfeccionistas,
irritáveis, ambiciosas, muitas vezes constipadas e que podem desejar café,
cerveja, tabaco ou comidas temperadas.

GRIPE

A gripe (influenza) é uma doença virai contagiosa caracterizada por


início súbito de febre, calafrios, fraqueza, músculos ou articulações
doloridos, garganta inflamada, tosse, dor de cabeça e perda de apetite. Em
alguns tipos de gripe, há dor abdominal e diarreia. A temperatura corporal
pode ser de 37 a 40 graus e geralmente volta ao normal em quatro a cinco
dias. Se a febre ou tosse continuar depois disso, consulte a seção
"Pneumonia". Ver também "Medicamentos pósgripe" no final desta seção.

Observação: muitas doenças, incluindo algumas graves, começam com


sintomas parecidos com os da gripe. Por essa razão, às vezes, é possível
abortar a doença curando-a no estágio semelhante ao da gripe. Portanto,
trate a gripe agressivamente.
PREVENÇÃO DA GRIPE
A maioria dos pacientes em uma determinada epidemia manifesta
sintomas similares. O medicamento que coincide com os sintomas da
maioria das pessoas também será o melhor preventivo.

Aqui estão alguns exemplos de medicamentos que podem ser usados


para prevenção. No entanto, qualquer um dos seguintes medicamentos
para gripe pode corresponder à gripe desta temporada.

Influenzinum (200 CH): Uma vez por semana pode ajudar a prevenir a
gripe. Use 30 CH mais vezes se o 200 CH não estiver disponível.

Arsenicum album: Quando a maioria das pessoas gripadas sente-se fraca,


ansiosa, friorenta, sedenta por pequenos goles e piora à noite e quando está
sozinha. Essas pessoas podem ter dores ardentes aliviadas pelo calor.
Garganta ardente pode ser aliviada por bebidas quentes.
Gelsemium: Quando a maioria das pessoas gripadas fica sonolenta ou
intoxicada, com pálpebras caídas e rosto corado. Os membros ficam
pesados. Querem ser deixadas sozinhas. Os calafrios vão de cima para baixo
nas costas. Sem sede durante a febre. Dor nas pálpebras ou na parte de trás
da cabeça. Pulsação lenta.

MEDICAMENTOS PARA GRIPE

Os medicamentos a seguir são úteis para tudo, desde gripe comum até as
formas mais virais, incluindo a gripe aviária.

*Oscillococcinum: Sintomas comuns da gripe. Use-o nas primeiras 24 horas.

*Aconitum: Use no primeiro sinal de gripe, principalmente depois de se


expor ao ar frio. Muitas vezes esse medicamento cura a doença. Início
violento e repentino com rosto vermelho e seco, muita ansiedade, agitação,
sede insaciável, tosse seca e dolorosa, pulsação acelerada. Repita o
medicamento por, pelo menos, três vezes; recomenda-se a cada três horas.
*Bryonia: Deita-se completamente imóvel, piora com qualquer movimento,
muito irritável, quer ficar sozinho. Sedento por bebidas geladas. Tosse seca,
dor de cabeça (piora quando está tossindo) e dores nos músculos e nas
articulações. Pontadas ao se mover ou tossir. Segura o peito enquanto
tosse. Boca e lábios secos.
*Eupatorium perfoliatum: Dores intensas nos ossos ou nas costas. Inquieto,
mas mover-se não ajuda. Sede intensa por bebidas geladas. Tosse seca.
*Rhus toxicodendron: Agitado com músculos rígidos. Deve sempre mudar
de posição, o que dá algum alívio. Piora ao deitar-se imóvel. Piora quando
faz o primeiro movimento, mas melhora quando já está em movimento.
Ansioso, friorento e sedento. Tem um triângulo vermelho na ponta da
língua. Deseja leite. Deseja bebidas geladas, mas piora ao bebê-las.
*Arsenicum album: Ansioso, inquieto e sedento por pequenos goles.
Extrema fraqueza no começo. Friorento e deseja calor. Piora após a meia-
noite. Agitado com mudanças frequentes de posição (similar a Rhus),
exausto com o mínimo esforço. Dores ardentes na garganta, no peito e no
abdômen, que são aliviadas pelo calor. Diarreia.
*Gelsemium: Fica sonolento ou intoxicado com pálpebras caídas e rosto
corado. Os membros ficam pesados. Quer ficar sozinho. Calafrios de cima
para baixo nas costas. Sem sede durante a febre. Dor nos globos oculares ou
na parte de trás da cabeça. Pulsação lenta.
Belladonna: Início súbito com rosto quente e vermelho. Pupilas dilatadas,
garganta vermelha, febre alta e dor de cabeça latejante. Piora com barulho,
nervos abalados, ao se abaixar ou com luz. Às vezes, delirante.

Baptisia: Casos mais sérios. Rosto vermelho-escuro a roxo. Língua suja com
um risco mais escuro no centro. O paciente reclama que a cama é muito
dura e fica enroscado como um cão. Parece confuso ou intoxicado.
Adormece enquanto está conversando. Delirante e acha que seus braços e
pernas estão espalhados sobre a cama.
Mercurius (Vivus ou Solubilis): Sua muito e depois se sente pior. Hálito e
suor malcheirosos. Língua flácida, com a marca dos dentes. Excesso de
saliva (pode babar), mas muita sede por bebidas geladas. Secreções com
listras de sangue (muco, fezes, etc). Frio arrepiante. Melhora ao descansar,
com temperatura moderada. Piora à noite, depois de suar, deitado sobre o
lado direito, com o calor da cama, com vento e com calor ou frio.
Nux vomica: Extremamente friorento, tem calafrios quando está
descoberto ou em movimento. Durante a febre com o corpo quente, o
paciente não pode ficar descoberto. Irritável, nervoso, muito sensível a
barulho, luzes, odores ou insultos imaginados. Constipação com vontade de
defecar. Piora após comer, pela manhã, com frio ou vento. Insônia das três
às cinco horas da manhã. Melhora com calor, ao cobrir-se, cochilos e
quando passam as fezes.
Antimonium tartaricum: Secreções espessas nos pulmões que não podem
ser expelidas, mas podem ser escutadas facilmente ao tossir. Falta de ar,
muito sonolento, sua muito e tem náusea. Piora quando está deitado, à
noite ou em um lugar quente. Melhora ao sentar-se, deitado sobre o lado
direito, movimentando-se ou vomitando.
Phosphorus: Principalmente quando há risco de pneumonia. Muita sedepor
bebidas geladas. Sensações ardentes (em qualquer lugar). Piora se estiver
deitado sobre o lado esquerdo. Tem medo de ficar sozinho e deseja
companhia e tranquilidade. Assusta-se facilmente e tem medo de
tempestades. Hipersensível a odores, sons e luzes. Tosse com cócegas e
aperto no peito. Deseja sal, temperos ou sorvete. Pneumonia com ardência
no peito - piora ao deitar sobre o lado esquerdo. Expectoração com sangue.
Melhora com pequenos cochilos, ao comer, com comidas e bebidas frias,
com companhia, sentado e deitado sobre o lado direito. Piora se estiver
sozinho, com comidas ou bebidas quentes, à noite e deitado sobre o lado
esquerdo.
Pulsatilla: Emotivo e deseja companhia e apoio. Temeroso quando fica
sozinho. Grande desejo de ar frio, mesmo quando sente frio. Piora com
calor ou quando está em um lugar fechado. Sem sede, mesmo quando a
boca fica seca. Secreções brandas amarelo-esverdeadas. Tosse que piora
quando está deitado. Melhora com companhia, apoio, ar livre e fresco,
sentado e com comidas e bebidas frias. Piora com calor, em um lugar
fechado, se estiver sozinho e com comidas ou bebidas quentes.
Enxofre: Quando outros medicamentos falham. O paciente sente-se muito
quente e seus pés queimam. Piora com calor. Dores ardentes. Vermelhidão
dos lábios, orelhas, pálpebras e ânus. Piora às 11 horas da manhã. Diarreia
pela manhã.
Camphora: Estado de colapso. O corpo fica muito frio, mas o paciente se
recusa a cobrir-se.
Pyrogenium: Secreções com mau cheiro (hálito, fezes, suor ou vômito).
Fezes escuras. Febre alta com pulsação lenta ou febre baixa com pulsação
acelerada. O paciente fica exausto, agitado ou falante. Diz que a cama é
muito dura e que se sente todo dolorido. Imagina que seu corpo ocupa a
cama inteira.

MEDICAMENTOS PÓS-GRIPE

Para sintomas que permanecem após a gripe, você pode tentar qualquer
um dos medicamentos acima. Para fraqueza depois da gripe, Gelsemium ou
Ácido fosfórico podem ajudar.

Gelsemium: O corpo fica pesado e o paciente mal consegue manter os olhos


abertos. Pode sentir calafrios nas costas. Sem sede. Parece sonolento ou
intoxicado.

Ácido fosfórico: Parece destruído mental e fisicamente. Círculos azuis em


volta dos olhos. Dá respostas com apenas uma palavra. Deseja frutas e
alimentos suculentos. Dor que pressiona a parte de cima da cabeça.

HEMORRAGIA

A hemorragia arterial é indicada pelo sangue vermelho e brilhante que


começa a jorrar. Pressione acima da ferida, entre a ferida e o coração. O
sangramento das veias produz um fluxo contínuo de sangue escuro.
Pressione abaixo da ferida, com a ferida entre o coração e a mão.

*Arnica: Sangramento após uma lesão.

*Phosphorus: Sangue vermelho-vivo que não coagula, feridas pequenas que


sangram muito. Desejo de companhia, muito sedento por bebidas geladas.
O Phosphorus é excelente para hemorragia em trabalhos odontológicos.
*Ipecacuanha: Sangramento com vômitos e náusea. Sangramento no nariz.
*Lachesis: Hemorragia de sangue fino e escuro que não coagula. O paciente
fica fraco, falante, piora após o sono e com o calor. As feridas ficam roxas.
Chinchona: Para os efeitos da perda de sangue. Ajuda a proteger o corpo
até que ele possa se recuperar. Desmaio após a perda de sangue.
Hemorragia interna. Friorento, abdômen inchado, arrotos, piora com o
mínimo toque, sensível a barulho.
Aconitum: Sangue vermelho-vivo, medo da morte, sede insaciável. A pele
fica quente e seca.
Garbo vegetabilis: Sangue goteja lentamente das superfícies inflamadas. O
paciente fica friorento, mas deseja ar fresco. Quer ser ventilado.
Millefolium: Hemorragia ativa de sangue vermelho-vivo pelo nariz,
pulmões ou intestinos. Especialmente para hemorragias decorrentes de
lesões.
Crotalus horridus: Sangue preto que não coagula e flui de cada orifício,
incluindo os olhos, ouvidos, nariz e ânus.
Hamamelis: Gotejamento de sangue vermelho-escuro. Exaustão após
pequenos sangramentos. Sangramento do nariz após lesões. Feridas
doloridas.

HEPATITE AGUDA

Inflamação do fígado. Pode ser causada por infecção com vírus, bacterias
ou protozoários. Também pode resultar de químicos tóxicos, como
solventes, inseticidas, anestésicos, antibióticos e outros medicamentos.

A hepatite começa com sintomas semelhantes aos da gripe: fraqueza,


sonolência, calafrios, garganta inflamada, náusea, vômito, dor de cabeça,
estupor e às vezes coma. O fígado está localizado do lado direito do tronco,
alguns centímetros acima do quadril até alguns centímetros abaixo do
mamilo. Pode ficar maior e mais macio ao toque. Icterícia pode se
desenvolver, apesar de não aparecer na maioria dos casos, principalmente
em bebês e crianças. Esplenomegalia (lado inferior esquerdo do tronco),
inchaço das glândulas linfáticas sob a mandíbula. A recuperação pode levar
de oito semanas a 12 meses.

PREVENÇÃO

Dose pontual de Phosphorus homeopático pode evitar ou reduzir a


gravidade da hepatite infecciosa. O nosódio Hepatitis, disponível em
algumas farmácias homeopáticas, também pode ajudar. A erva Cardo-
leiteiro oferece alguma proteção ao fígado durante a exposição aos
químicos.

MEDICAMENTOS PARA HEPATITE

Aconitum: Muito medo da morte, dor insuportável, gemidos e agitação.


Febre alta repentina. 0 rosto do paciente fica vermelho, quente e seco.
Muita sede.
Belladonna: Dor no fígado piora com pressão, respiração, tosse ou ao deitar
do lado direito. Rosto vermelho com transpiração quente. Pupilas dilatadas.
Não suporta luz, barulho, nervos abalados ou ar frio.
Cardus marianus: Rosto amarelo, dor de cabeça, náusea e vômito, urina e
excrementos amarelo-dourados. Excrementos duros e difíceis alternando
com diarreia. Piora ao comer (oposto de Chelidonium). Piora quando se
move. Baixas potências são melhores, mas aplique o que você tiver.
Chelidonium: Dor do lado direito das costas, rosto amarelo, área do fígado
fica dolorida ao ser tocada. Muita náusea e às vezes vômito. Melhora
temporariamente ao comer. Melhora com bebidas quentes. Baixas
potências são melhores (6 CH-12 CH), mas aplique o que você tiver.
Cinchona: Abdômen inflado com muito arroto, que não alivia. Fígado
aumenta e endurece e fica sensível ao mínimo toque. Rosto amarelo, gosto
amargo na boca, constipação ou diarreia sem dor. Círculos em volta dos
olhos, zumbido nos ouvidos.
Lycopodium: Dor prolongada no fígado. Piora após comer. Muitos gases.
Sentese cheio após comer. Deseja doces. Piora das quatro às oito da noite.
Não suporta roupas apertadas. Um pé frio e o outro quente. Melhora com
bebidas quentes.
Natrum sulphuricum: Dores agudas no fígado. Piora ao deitar do lado
esquerdo, ao se mover e pela manhã. Vomita bile. Excrementos verde-
escuros. Diarreia quando se levanta. Depressivo e não gosta de conversar,
principalmente pela manhã. Pensamentos suicidas. Piora com umidade.
Nux vomica: Nervoso, irritável, muito sensível a barulho, odores e luz.
Muito friorento. Não gosta da pressão das roupas. Fígado maior e duro.
Acorda às três ou quatro horas da madrugada. Constipação com pressão.
Phosphorus: Sede insaciável por bebidas frias, tendência a hemorragia de
sangue vermelho intenso, transpiração durante o sono, medo de ficar
sozinho, piora ao deitar do lado esquerdo, sensações de queimação. Deseja
companhia. Assusta-se facilmente.

HÉRNIA

Uma hérnia é uma condição na qual alguma parte do corpo se projeta


para fora de sua cavidade natural. Em uma hérnia estrangulada, o órgão
projetado é fortemente espremido pelos tecidos em volta. É um assunto
sério que normalmente precisa de intervenção cirúrgica, pois pode causar
gangrena.

TIPOS DE HÉRNIAS

Hérnia de hiato: Às vezes chamada de diafragmática, na qual o estômago se


projeta pelo diafragma. Arroto ácido, azia, dor abaixo do esterno. Abdômen
inchado, sons de borbulha, dor de cãibras, constipação, náusea e vômito.
Inguinal: Quando os intestinos se projetam através da bolsa testicular.
Normalmente é um problema cirúrgico. Pode apresentar riscos à vida se for
estrangulado. Dor e endurecimento na parte inferior do abdômen.
Umbilical: Projeção através do umbigo. Os medicamentos que se aplicam
aqui normalmente são Nux vomica, Chumbo, Calcanea, Lachesis e Opium.

MEDICAMENTOS PARA HÉRNIAS

Calcanea carbonica: Bom medicamento para hérnias de hiato ou umbilicais.


Para hérnias em crianças (ver também Aurum). Abdômen inchado, sons de
borbulhas, dor de cãibra. Friorento, medroso. Piora com frio e vento.
Transpira na cabeça.
Lycopodium: Inguinal, estrangulada. Normalmente do lado direito.
Abdômen inchado com sons de borbulhas, flatulência e dores de cãibra. Pés
frios. Irritável. Piora com roupas apertadas e depois de dormir (também
Lachesis) e das quatro às oito horas da noite. Deseja doces.
Nux vomica: Hérnia inguinal projetada, estrangulada, normalmente do lado
esquerdo (mas pode ser do lado direito). Sente os intestinos machucados.
Constipação, náusea, vômito, muito friorento. Sente frio quando está
descoberto.
Cocculus: Se Lycopodium e Nux vomica falharem. Estrangulada. Pior do
lado direito. Abdômen inchado, náusea e vômito, sente o abdômen
machucado, constipação. Não consegue ficar em pé.
Aurum: Hérnia inguinal em crianças. Dores tipo cãibra.
Lachesis: Estrangulada. Hérnia ameaçando gangrena. A pele sobre a hérnia
é matizada e escura. Normalmente do lado esquerdo. Pode aparecer
durante ou após o sono. Não suporta roupas em volta do pescoço ou da
cintura. Bastante falante. Piora com o calor.
Belladonna: Estrangulada. Dor de pancada, rosto vermelho e quente,
pupilas dilatadas. Sensação de pressão em volta do umbigo. Sente como se
uma bola dura pressionasse para fora. Piora com luz, barulho, nervos
abalados e ar frio.
Opium: Estrangulada. Rosto vermelho-escuro, inchado e quente. Pupilas
contraídas. Vômito com mau cheiro, intestinos parecem lacerados. Piora
com o calor e melhora com o frio.
Chumbo: Estrangulada. Dores fortes de cãibra que irradiam, vômito.
Abdômen parece pressionado por uma corda, retraído, dor em volta do
umbigo.
HERPES LABIAL

Essa é uma infecção causada pelo vírus do herpes simplex, tipo um.
Bolhas pequenas e normalmente doloridas se formam nos lábios e às vezes
dentro da boca. O vírus pode se espalhar para outras partes do corpo por
contato. As bolhas normalmente duram de uma semana a dez dias.

Natrum muriaticum: Piora com o calor, principalmente do sol. Deseja sal.


Normalmente aparece depois de estresse emocional.

Rhus toxicodendron: Melhora com calor e movimento. Inquieto e com sede.


Piora à noite.

HERPES SIMPLEX (GENITAL)

Essa é uma infecção viral transmitida sexualmente, caracterizada por


erupções recorrentes de pequenas e doloridas bolhas na genitália, em volta
do reto ou em áreas adjacentes. É causada pelo vírus da herpes simplex,
tipo dois. É contagiosa e pode se espalhar mesmo na ausência dos sintomas.
O vírus pode ser passado a um bebê durante o parto, com resultados
graves. Preservativos de látex são uma barreira eficaz. A primeira aparição
dos sintomas pode incluir febre, fraqueza, dores musculares e diminuição
do apetite. Ardor e coceira precedem as bolhas. As bolhas se transformam
em úlceras, que curam em uma ou duas semanas.

Natrum muriaticum: Piora com o calor, principalmente do sol. Deseja sal.


Normalmente provocada por transtorno emocional. Quer ficar sozinho,
pode se sentir depressivo.

Sepia: Piora antes da menstruação, antes ou depois da gravidez. Piora com


pípulas anticoncepcionais. Melhora com exercício. Normalmente
depressivo ou irritável. Deseja limão e alimentos azedos.
Rhus toxicodendron: Muito inquieto. Piora com frio e clima úmido. Piora
quando descansa. Piora no inverno. Sede. Melhora com calor e movimento.
Dulcamara: Provocada por exposição a clima úmido ou quando fica frio.
Muito sensível ao frio. Piora quando descansa. Piora no verão e no outono.
Preocupa-se com os demais.
Petroleum: Afeta pessoas compele muito seca, com rachaduras. Piora no
inverno. Aversão a comida gordurosa. Excitável. Não consegue tomar
decisões.

HERPES-ZÓSTER

Herpes-zóster é uma infecção aguda que provoca uma erupção dolorosa.


É causada pelo mesmo vírus que causa a catapora. Depois de contrair
catapora, o vírus fica adormecido e emerge anos depois. Os ataques
normalmente são provocados por estresse ou qualquer coisa que
comprometa o sistema imunológico. Nesse momento, o vírus percorre as
vias nervosas, causando dor e sensações de queimação. Bolhas tipo
catapora se formam em três a cinco dias, ulceram e depois formam cascas
secas. As cascas caem depois de duas ou três semanas. Calafrios, febre e
fraqueza podem ocorrer por três ou quatro dias antes da erupção. Às vezes
a dor continua depois que a erupção desaparece. Essa condição é chamada
de neuralgia pós-herpética.

*Arsenicum album: Quando a erupção aparece pela primeira vez. Dor


ardente, que melhora com calor. Pele muito seca. Piora da meia-noite às
três horas da manhã. Grandes cascas que sangram quando são retiradas.
Ansioso, friorento e inquieto. A dor persiste depois da erupção. Sede por
goles frequentes e pequenos de água.

*Rhus toxicodendron: Normalmente encontrada do lado de direito. Coceira


e queimação contínua. Piora durante descanso, frio, clima chuvoso e à
noite. Friorento, inquieto. Melhora quando se move. A dor persiste depois
da erupção. Sedento por bebidas em grande quantidade.
*Mezereum: Dores lampejantes agudas. Friorento, porém piora com calor
(oposto ao Arsenicum). Piora com toque. Queimação e coceira. Casca
marrom. A dor persiste depois da erupção. Ansioso.
*Ranunculus bulbosus: Dores agudas similares ao Mezereum. Bolhas que
ardem e coçam cheias de líquido que irritam. As bolhas aparecem em
grupos. Piora com frio, umidade e toque. A dor persiste depois da erupção.
Piora com movimento (oposto ao Rhus tox).
Natrum muriaticum: Após tristeza ou transtorno emocional. Piora com o
calor, principalmente do sol. Melhora ao ar livre. Deseja sal.
Mercurius: Bolhas com escalas secas, que queimam ou sangram quando
coçadas. Piora à noite. Transpira facilmente. Saliva excessiva, porém tem
sede.
HIPOTERMIA

Condição resultante de exposição ao frio, na qual a temperatura do corpo


cai para abaixo de 35 graus. Os sintomas podem aparecer gradualmente
sem a pessoa ter consciência do problema. Os sintomas incluem sonolência,
confusão, falta de coordenação, tremor incontrolável, fala incompreensível,
delírio e coma. Cubra o paciente e aplique compressas mornas no pescoço,
peito e virilha. Uso excessivo de calor pode causar insuficiência cardíaca ou
choque. Se a pessoa não estiver respirando, aplique respiração boca a boca.
Se não houver batimento cardíaco, comece a ressuscitação cardiopulmonar.

PREVENÇÃO

Se você souber que será exposto ao frio por períodos longos de tempo,
tome Aconitum a cada quatro horas.

MEDICAMENTOS PARA A HIPOTERMIA

*Aconitum: A cada 15 minutos. Se estiver inconsciente, alterne Aconitum e


Carbo vegetabilis. Coloque os medicamentos entre os lábios e os dentes. O
paciente está amedrontado e com sede.
*Calcanea carbonica: Por exposição ao frio e umidade. Piora com qualquer
vento.
Rhus toxicodendron: Por exposição ao frio e umidade. Músculos doloridos,
inquietação. Piora à noite e tem sede.
Arsenicum: Ansioso, não quer ficar sozinho, sede por pequenos goles de
água, inquieto, apesar de grande fraqueza.
Hepar sulphur: Piora com o mínimo toque ou qualquer vento. Irritável.
Bryonia: Piora com qualquer movimento.
Garbo vegetabilis: Deseja ar e quer ser ventilado. Arrotos.

IMPACTAÇÃO FECAL

Impactação é uma sobrecarga das fezes nos intestinos, de forma que não
conseguem passar. Pode vir acompanhada de dor e espasmo do reto. Pode
ser necessária remoção manual das fezes. Enemas quentes de óleo mineral
às vezes ajudam. Os sintomas incluem pressão frequente com passagem de
fezes líquidas, cãibras abdominais ou diarreia repentina em uma pessoa
com constipação crônica.
*Belladonna: Pele seca e quente, sensações de pancada, dor cortante no
reto. Piora com luz, barulho ou nervos abalados. Deseja limonada.

*Opium: Sem vontade de defecar. Após operações no abdômen, após uso de


drogas, por falta de exercício, durante a gravidez ou depois de um susto.
Fezes saem como bolas pretas. Quente e piora com calor.
*Plumbum: Vontade constante e inútil de defecar. Fezes são bolas pretas e
duras, similar ao sintoma do Opium. Friorento. Melhora quando se curva.
Lachesis: Piora após dormir, com o mais leve toque e com calor. Não
suporta roupas apertadas, principalmente em volta do pescoço.
Normalmente muito falante.
Causticum: Azia com arrotos azedos e vômito. Deseja alimentos defumados
(carne, peixe). Doenças causadas por preocupação, tristeza ou medo antigo.
Efeitos adversos de queimaduras. Ansioso ao anoitecer. A impactação às
vezes se deve a grandes hemorroidas. O paciente acha mais fácil defecar
quando está em pé.

INFECÇÃO POR ESTAFILOCOCO

Essas infecções são agora resistentes a muitos antibióticos. Podem se


apresentar de diversas maneiras, incluindo abscessos locais, amigdalite,
mastite, celulite, cistite, osteomielite, pneumonia, endocardite e meningite.
Infecções locais podem entrar na corrente sanguínea e tornarem-se mais
graves.

Quem corre mais riscos são recém-nascidos, mães em período de


amamentação, pessoas com problemas pulmonares, diabéticos, pacientes
queimados, qualquer pessoa com uma ferida aberta (ferimento cirúrgico,
por exemplo), ou pessoas com catéteres internos.

Antimonium crudum: A língua fica com um revestimento grosso e branco.


Irritável e não suporta ser tocado ou observado. Piora com calor, mas
também piora com banho frio. Narinas rachadas e cobertas com crostas.
Rachaduras nos cantos da boca. Olhos opacos, fundos e vermelhos. Arrotos
constantes e flatulência depois de comer.

Arsenicum: Muito ansioso e inquieto, friorento, sedento por goles pequenos


e frequentes, exausto com o mínimo esforço. Dores ardentes, que
melhoram com calor. Diarreia malcheirosa. Sente medo de ficar sozinho.
Piora da meia-noite às três horas da madrugada. Melhora com calor e
sentado.
Dulcamara: A doença surge após exposição ao tempo frio e úmido.
Friorento e piora com frio ou umidade. Secreções excessivas de muco
amarelo e grosso. Calor ardente e seco durante a febre. Sede ardente de
bebidas frias. Tosse depois de esforço físico. Calafrios provocam vontade de
urinar. Fezes verdes, finas, com sangue ou cheias de muco. Melhora ao
movimentar-se. Piora à noite.
Hepar sulphur: Extremamente friorento. Tosse quando está descoberto.
Tosse sufocante. Ferimentos doloridos cheios de pus. A parte infectada fica
extremamente sensível ao toque, frio e vento. Sensação de farpas nas
partes inflamadas (a garganta, por exemplo). Ulceras pútridas cercadas por
pequenas espinhas. O paciente sente como se o vento estivesse soprando
sobre ele. Muito irritável, principalmente à noite. Melhora com calor e
agasalhando a cabeça. Piora com frio, vento e toque.
Iris versicolor: Olhar angustiado no rosto. Terrível sensação de ardência na
língua, na garganta, no esôfago e no estômago. Saliva abundante. Vômito
ardente e malcheiroso. Fezes aquosas, que ardem como fogo. O suor cheira
como vinagre. Dor de cabeça intensa no lado direito. Zumbidos nos
ouvidos. Piora à noite e depois de descansar.
Kali bichromicum: Muco resistente, espesso, amarelo e pegajoso. A dor
ocorre em pequenas manchas e vai de um lugar para outro. Sensação de
que há um cabelo na parte posterior da língua ou na narina. Ulceras
perfurantes com bordas salientes ou crostas. Ulceras com pontos pretos.
Dores cortantes nas coxas. Sensação de que uma gota permanece após a
micção. A língua fica brilhante, rachada, seca e vermelha (ou amarela).
Melhora com calor, movimentos ou pressão. Piora com frio, umidade, das
duas às três horas da madrugada e após o sono.
Ácido nítrico: Dores como farpas em qualquer lugar do corpo. Muito
friorento. As secreções são finas, marrons, com mau cheiro e desgastam a
pele. A dor começa e para de repente. A urina tem cheiro forte, como urina
de cavalo. Rachaduras profundas e com sangramentos na pele. Suor
malcheiroso no pé. Saliva com sangue e língua com camada verde. Dor
intensa no ânus depois de defecar. Suor abundante nas mãos e nos pés.
Medo de doenças e da morte. Melhora com calor e aplicações quentes. Piora
com frio, toque leve, nervos abalados, movimentando-se e á noite.

Ácido fosfórico: Muito fraco, apático e desinteressado. Parece "acabado", dá


respostas de uma palavra. Olheiras azuladas ao redor dos olhos. Sensação
de fraqueza no peito ao falar. Sente como se os globos oculares estivessem
sendo pressionados na cabeça. Dor muito forte na parte superior da cabeça.
Dores noturnas como se os "ossos tivessem sido raspados". Parece que
claras de ovos secaram em seu rosto. Diarreia indolor contendo comida
indigesta. Suor abundante durante a noite e pela manhã. Sensível a odores,
que "roubam sua respiração". Melhora após um rápido cochilo, com calor e
depois de defecar. Piora com frio ou vento e com perda de líquidos.

Rhus toxicodendron: Os sintomas pioram após descansar e melhoram com


movimento contínuo. Extremamente inquieto e deve continuar se
movimentando. Rigidez e dor nas articulações e nos músculos. Piora com
frio e à noite. Tosse quando coloca as mãos para fora do cobertor.
Articulações quentes, inchadas e doloridas. Pele vermelha, arde e coça e
melhora com água quente. Sede insaciável. Dorme com muito esforço.
Melhora com calor, bebidas quentes, ao mudar de posição e ao alongar-se.
Piora ao deitar-se imóvel, em ambiente frio e úmido, com vento e após a
meia-noite.
Silica: Muito friorento, piora com vento. Facilmente exausto, sedento e
hipersensível a toque e a barulhos. Transpira facilmente, principalmente na
cabeça e nos pés, suor com mau cheiro. As partes doloridas ficam frias. Pus
preenche as áreas inflamadas. Formam-se crostas duras no nariz, que
sangram quando são retiradas. Sensação de que há um cabelo na língua.
Dor penetrante nas amígdalas. Melhora com calor e com a cabeça coberta.
Piora com frio, vento, umidade, luz, barulho, entusiasmo ou depois de
vacinação.
Pyrogenium: Secreções malcheirosas (hálito, fezes, suor ou vômito).
Exausto, mas extremamente inquieto. Sente-se todo dolorido. Febre alta
com pulsação lenta ou febre baixa com pulsação acelerada. Consciente das
batidas de seu coração. Febres que começam com dor nas pernas. Melhora
ao movimentar-se e com calor. Piora ao ficar com frio.

INFECÇÃO POR ESTREPTOCOCO

Infecções por estreptococo podem ocorrer em qualquer lugar do corpo.


Os sintomas, que incluem dor, febre, dor de cabeça, fraqueza, náusea e
vômitos, não podem ser diferenciados dos outros tipos de infecções por
bactérias ou vírus. (ver também "Fascite necrosante".)
Arsenicum: Muito ansioso e inquieto, friorento, sedento por goles pequenos
e frequentes, exausto com o mínimo esforço, dores ardentes que melhoram
com calor. Diarreia malcheirosa. Medo de ficar sozinho. Piora da meia-noite
às três horas da madrugada, com frio e quando está sozinho. Melhora com
calor e se estiver sentado.

Belladonna: Início repentino e intenso dos sintomas. Ardência, calor, dor


latejante e vermelhidão. Em infecções sistêmicas, o rosto fica vermelho e
quente, as pupilas dilatadas e as mãos e os pés ficam frios. Delírios com
mordidas, cospe ou chuta. Piora com luzes, barulho, nervos abalados, sob o
sol, com vento na cabeça ou ao ver objetos brilhantes. Melhora estando
quieto, em um lugar escuro, em pé ou sentado ou inclinando a cabeça para
trás.
Arnica: Para infecções que ocorrem depois de lesões. Muito machucado. A
cabeça fica quente e o corpo frio. Secreções corporais malcheirosas. Gosto
de ovo podre na boca. Diz que não há nada de errado com ele. Não deixa
que alguém se aproxime ou o toque. Seu corpo fica machucado e a cama
parece muito dura. Diarreia com sangue e malcheirosa. Parece que seu
estômago está sendo pressionado contra a coluna. Piora com toque, à noite
ou quando fica quente.
Streptococcinum: Sensível a barulho, luz e vento, mas melhora ao ar livre.
Não suporta pressão no abdômen enquanto está deitado. Sensação de que
sua coluna está vibrando. Amígdalas infectadas e cheias de pus. Inchaço dos
gânglios do pescoço. Revestimento branco na língua com uma ponta
vermelha. Enxaqueca com vômito de bile.
Ácido sulfúrico: Friorento, muita fraqueza (mental e física), tremedeira,
muita transpiração e dor. Secreções corporais cheiram mal. Azia. Arroto
malchei roso. A água fica fria no estômago. Ondas de calor seguidas por
transpiração e tremedeira. A dor surge gradualmente, mas termina de
repente. Parece que o cérebro está solto dentro da cabeça. Sente-se
apressado. Fadiga mental. Piora com ar fresco, frio e à noite. Melhora com
bebidas quentes, calor e deitado sobre o lado afetado.

INFECÇÕES

Os medicamentos homeopáticos vêm sendo usados para tratar infecções


há duzentos anos. Infecções resistentes a antibióticos podem ser tratadas
com medicamentos homeopáticos. Infecções locais estão listadas
alfabeticamente neste livro de acordo com o tipo, como "Abscesso",
"Feridas infectadas", "Linfangite", ou com a parte do corpo, como "Garganta
inflamada", "Ouvido, dor de" e "Olhos". Infecções em todo o corpo
(sistêmicas) estarão listadas sob o nome da doença, como "Pneumonia",
"Cólera", "Antraz" ou "Sarampo". Há uma lista para "Envenenamento
sanguíneo", também chamado de septicemia. Ver também "Gangrena".

INFESTAÇÕES POR VERMES

PARASITA
Um parasita é um verme parasítico adquirido ao comer carne bovina,
carne de porco ou peixe mal passado infectado. No começo da infestação, os
sintomas podem incluir diarreia, desconforto abdominal, gases, vômito e
fraqueza. Infestações crônicas produzem sintomas mais vagos, como
inchaço, retenção de água, perda de peso e constante fome. Segmentos do
verme ou seus ovos podem ser encontrados nas fezes.

Calcanea carbônica (200 CH, uma dose): Se 200 CH não estiver disponível,
use Calcanea carbônica 30 CH a cada sete dias durante três ou quatro
semanas.

Natrum muriaticum (200 CH, uma dose): Se Calcanea carbônica falhar.


Outro método para liberar parasitas: escalde duas pitadas de sementes de
abóbora em água fervente para remover a pele da semente. Esmague as
sementes verdes até formar uma pasta e dê ao paciente. Isso funciona
melhor depois de um dia de jejum. Siga esse procedimento algumas horas
depois com dose padrão de óleo de mamona.

PARASITA DE CARNE DE PORCO

Uma infestação mais grave que causa triquinose. A forma larval do


verme forma cistos.

Silica (6 CH): Três vezes por dia. Pode evitar a formação de cistos.
Bryonia: Se o cisto se formar nos músculos, esse medicamento pode aliviar
a dor.

TÊNIA

Um tipo de verme redondo que entra no corpo através da pele, migra


para os pulmões (provocando tosse) e depois para os intestinos.
Normalmente não há sintomas, mas os que ocorrem podem incluir
erupções vermelhas que coçam, febre, tosse e dores abdominais. Pode-se
desenvolver anemia, que em crianças pode resultar em crescimento mais
lento, inchaço nos tecidos e insuficiência cardíaca. Os ovos do verme
aparecem nas fezes. A condição normalmente é contraída ao andar
descalço em solo infectado por larvas.

Cardus marianus (3 x): Três vezes por dia durante um mês.

Calcanea carbônica (200 CH, uma dose): Se Cardus marianus falhar. Se 200
CH não estiver disponível, use Calcanea carbônica 30 CH a cada sete dias
durante três a quatro semanas.

ÁSCARIS (VERMES LONGOS)

Verme parasítico que cresce até 35 centímetros. É adquirido ao comer


alimentos infectados.

Abrotanum (3 CH ou 6 CH): Três vezes por dia durante um mês. Seguir com
algumas doses de Calcanea carbônica.

Calcanea carbônica: Se Abrotanum falhar.

Natrum muriaticum: Se Abrotanum e Calcanea carbônica falharem.

Sabadilla: Sem sede. Deseja doces e comidas quentes.

NEMATÓDEOS (LOMBRIGAS)

Cina: Duas vezes por dia durante cinco dias.

Spigella: Se Cina falhar.

INSANIDADE: PSICOSES AGUDAS

A psicose é uma perda de contato com a realidade. Os sintomas podem


incluir delírios, alucinações, pensamento desorganizado, confusão,
depressão e medos infundados. Enquanto algumas pessoas sofrem esses
sintomas de forma crônica, uma pessoa saudável pode temporariamente
desenvolver esse estado por causa de muito estresse (tristeza, medo,
ciúme, raiva, dor), febre alta ou toxicidade (drogas ou outros químicos). Os
medicamentos a seguir serão bastante úteis nos estados temporários. Há
psiquiatras homeopáticos que tratam doenças crônicas com a homeopatia.

Observação: todos esses medicamentos possuem múltiplos usos e


normalmente são utilizados em problemas físicos com pouco ou nenhum
aspecto mental. Por exemplo, uma pessoa que precisa de Belladonna para
um abscesso não exibirá nenhum dos sintomas de Belladonna descritos
abaixo.

*Belladonna: Início violento repentino. Rosto vermelho e quente. Golpe,


mordida, chute. Veias do pescoço salientes. Extrema sensibilidade a luz e
barulho. Força diminuída. Alucinações que amedrontam o paciente.
Delírios de animais, medo de animais, principalmente cachorros. Gosta de
fazer animais sofrerem, quer incendiar, pula da cama, puxa o cabelo de
assistentes. Piora quando vê objetos brilhantes.
*Stramonium: Medo intenso da escuridão e da noite. Vê animais, fantasmas,
anjos e os mortos. Raiva violenta alternando com convulsões. Risadas,
mordidas, fantasias sexuais violentas. Insônia. Excitação provocada ao ver
objetos brilhantes. Impulso de matar com uma faca.
*Hyoscyamus: Ciúme e desconfiança extremos. O indivíduo acha que as
pessoas estão tentando enganá-lo. Ataques violentos, quer matar todas as
pessoas que vê, se expõe, brinca com a genitália. Pensa que está possuído
pelo demônio. Brinca com os dedos e lábios. Gesticula como se estivesse
pedindo algo. Muito falante ou silencioso por horas, com convulsões,
recusa-se a comer.
*Anacardium: O paciente se sente preso em uma batalha entre seu lado
"bom" e seu lado "mau". Pode ver isso como Deus e o diabo. Vê demônios
ou escuta as vozes de pessoas mortas. Ódio, maldição violenta, risadas,
raiva. Raiva quando é contrariado. Delírio de que é duas pessoas. Triste,
mas não consegue chorar. Piora pela manhã. Quer matar por raiva.

*Veratrum album: Acredita que é Cristo, que foi apontado por Deus para
converter os demais. Cospe no rosto das pessoas. Crítico, sempre encontra
uma falha, amaldiçoa toda a noite. Delírios de que está falando com Deus no
paraíso ou que é um príncipe ou uma pessoa de nível. Desespero por sua
posição social. Abraça objetos inanimados. Finge surdez. Persegue a família
fora da casa. Muito friorento.
*Nux vomica: Delírio de que as pessoas o questionam e que ele deve
responder. Irritável quando questionado. Delírio de que as pessoas estão
fazendo brincadeiras pelas costas. Medo de sonhos terríveis, brigas,
impulso repentino de matar por causa da mínima ofensa. Friorento, piora
pela manhã, muito sensível a incentivo e crítica. Acorda às três horas da
manhã.
Mercurius: O paciente se sente apressado por dentro (como a sensação de
pressa para cumprir um prazo). Sempre descontente. Desejo de matar os
entes queridos ou de matar qualquer pessoa que o contradiga. Comete atos
criminosos sem remorso. Delírios de que está rodeado por inimigos ou de
que arruinou a saúde de entes queridos. Piora à noite. Transpira sem alívio,
excesso de saliva e baba, língua mole com a marca dos dentes. Confuso e se
perde em ruas conhecidas.
Lachesis: Tagarelice extrema e muda de assunto constantemente. Delírio de
que está sob controle sobre-humano. Faz profecias. Ciúme doentio, vê
imagens assustadoras e arranca o cabelo. Ataca fisicamente por causa de
ciúme. Deseja matar com veneno. Delírio de que está enfeitiçado e que não
consegue quebrar o feitiço. Quente e piora com calor. Não suporta que nada
toque seu pescoço. Piora depois de dormir. Língua trêmula.
Arsenicum: Ansiedade conduz o paciente para fora da cama. Inquieto,
friorento. Preocupa-se com sua salvação. Medo da morte, sente-se culpado
de um crime, aversão à solidão e deseja companhia. Piora depois da meia-
noite. Delírios de que ofendeu as pessoas, que um amigo se acidentou, que
contamina tudo o que toca, que sua cama está cheia de ratos, que está
sendo vigiado ou que um amigo falecido está no sofá. Adora fazer animais
sofrerem. Possui impulsos repentinos de matar.
Tarentula hispanica: Estado de extrema excitação com desejo de dançar e
movimentar-se constantemente. Deseja música alta e sente melhor com ela.
Destrutivo, impaciente, raiva violenta quando tocado. Ameaças de
destruição e morte. Risadas e desdenho. Aversão ou desejo por certas
cores. Desejo de deitar no escuro e não falar com ninguém.

INSOLAÇÃO

Quando alguém que se expôs ao sol ou a alta temperatura desenvolve


febre alta e os sintomas a seguir, insolação deve ser considerada - rosto
corado; pele vermelha, quente, seca ou ardente; febre alta; vômitos;
fraqueza; dor no peito; cãibras e espasmos dos músculos; convulsões;
vômitos; delírios; ou coma. Batimentos cardíacos e respiração acelerados. A
temperatura pode subir rapidamente para 41 ou 42 graus. Essa é uma
condição grave, que pode ser fatal se não for tratada.

Caso a temperatura seja de 42 graus ou mais, uma banheira de água


gelada deve ser usada. Se não for possível, cubra a vítima com um cobertor
encharcado de água e massageie a pele. Faça a medição da temperatura
retal a cada dez minutos. Abaixe a temperatura para menos de 38 graus.
NÃO deixe a temperatura cair abaixo de 37 graus, pois pode ocorrer
hipotermia.

*Belladonna: Primeira opção. Use assim que houver suspeita de insolação.


Rosto bastante vermelho, olhos avermelhados, febre, palpitação na cabeça.
Piora com luz, barulho, nervos abalados ou deitado. Assusta-se facilmente.
Repita a cada 15 minutos para as várias doses iniciais.

*Glonoine: Olhar fixo, maxilares cerrados. Palpitação no corpo inteiro.


Enxerga manchas pretas diante dos olhos e tem uma sensação de morte na
boca do estômago.
*Aconitum: Medo da morte, pele quente, seca e ardente, agitação e muita
sede.
*Lachesis: Delirante e falante, não suporta nada em volta do seu pescoço, o
nariz sangra e a língua treme quando ele a estica. Problemas crônicos após
insolação (Natrum carbonicum também).
Garbo veg: Alternar com Belladonna se houver colapso. Cabeça quente, mas
respiração e extremidades frias. Deseja ar e quer ser ventilado. Arrotos.
Camphora: Estado de colapso com pele gelada. Dor de cabeça severa,
delírios e convulsões.
Gelsemium: Confuso, parece intoxicado, pálpebras caídas, sem sede,
pupilas dilatadas.
Opium: Coma, rosto pálido, olhos semiabertos, pupilas contraídas,
eliminação involuntária de urina e fezes, músculos rígidos.
Cactus grandiflora: O paciente sente como se houvesse uma faixa de ferro
em volta do peito e não consegue respirar. Piora deitado sobre o lado
esquerdo.
Natrum carbonicum: Para efeitos crônicos após a insolação. Fraqueza
provocada por calor, esforço físico e vento.
INSÔNIA

É melhor tomar medicamentos homeopáticos para insônia duas vezes ao


dia e novamente na hora de dormir. Eles corrigem a raiz do problema. Os
seguintes medicamentos servem para os tipos mais comuns de insônia
aguda. A insônia crônica pode precisar do cuidado de um homeopata
profissional.

*Kali phosphoricum: Exaustão nervosa por esforço mental ou preocupação.


Friorento, nervoso, assusta-se facilmente. Acorda com fome às cinco horas
da manhã. Melhora com comida e movimento suave.

*Nux vomica: Tende a ficar mais desperto e mentalmente ativo à noite. O


paciente pode exagerar em comida, bebida ou estimulantes. Friorento,
irritável, nervoso, muito sensível ou constipado. Pode acordar às três horas
da manhã e não consegue mais dormir. Insônia por causa de muito café
(também Coffea e Chamomilla) ou depois de tomar comprimidos ou drogas
para dormir.
*Coffea: Desperto e excitado por causa de boas notícias, surpresas ou
apenas emoção. A mente não desliga, como se tivesse bebido muito café.
Insônia por beber muito café (também Nux vomica e Chamomilla).
*Cocculus indicus: Insônia por perda de sono prolongada. Para pessoas que
ficam acordadas toda a noite cuidando de alguém. Também para insônia
por fadiga de viagem (Malatonina pode funcionar melhor). Piora com ar
fresco.
*Chamomilla: Para pessoas muito sensíveis a dor e com humor cortante
(por exemplo, crianças com dentes nascendo). Para pessoas que não
conseguem dormir porque se acostumaram a tomar comprimidos para
dormir. Quando se bebe muito café (também Coffea e Nux vomica).
*Arnica: Insônia após esforço físico. Fisicamente exausto demais para
dormir. Reclama que os músculos estão doloridos e que a cama é muito
dura.
Aconitum: Insônia após experiências terríveis. Inquieto e com sede. Pele
quente e seca.
Ambra grisea: Perda do amor pela vida. Cansado, mas não consegue dormir
por causa de preocupação. Sente-se envergonhado em companhia,
principalmente com estranhos. Muito nervoso e transpira durante a
conversa. Tem sono até deitar e depois fica totalmente desperto.
Belladonna: Dor de pancada, rosto vermelho e quente, pupilas dilatadas.
Pode ver rostos na escuridão ou imagens assustadoras quando fecha os
olhos.
Arsenicum: Muito ansiosa e extremamente inquieta. Muito cansaço, às
vezes tem medo da morte. Não consegue ficar na cama e se movimenta
mesmo quando está exausto. Friorento, melhora com companhia e tem
sede por goles pequenos frequentes. Piora da meia-noite às três horas da
manhã.
Capsicum: Por saudade de casa, principalmente em crianças.
Gelsemium: Por antecipação. Também insônia por exaustão ou por pensar
demais.
Lachesis: A respiração do paciente para assim que ele adormece. Medo de
morrer ao dormir. Piora depois de dormir. Não suporta nada em volta do
pescoço.
Enxofre: Sonolento durante o dia, mas desperto à noite. Abundância de
pensamentos. Desperto das duas às cinco horas da manhã, depois
adormece pela manhã. Os pés ardem à noite e o paciente os coloca fora do
cobertor.

INTOXICAÇÃO ALIMENTAR

Náusea, vômitos, cólicas abdominais, inchaço, diarreia (às vezes com


sangue), fraqueza, febre e calafrios são os sintomas comuns. Induzir o
vômito, a menos que a pessoa esteja inconsciente ou sofrendo convulsões.

*Nux vomica: Vômitos, náusea ou dor no estômago. Muito frio, fica gelado
ao se mover, muito irritável e sensível a luz, som e odores. Cãibras.

*Carbo vegetabilis: Muitos arrotos, abdômen inchado, queimação violenta


do abdômen ao peito e cãibras. Mãos e pés gelados, mas a cabeça fica
quente. Desesperado por ar e quer ser ventilado. Principalmente depois de
comer peixe ou carne estragada.
*Arsenicum: Náusea e vômitos. Assustado e não quer ficar sozinho.
Inquieto, exausto e friorento. Dores ardentes que melhoram com calor.
Fezes malcheirosas, principalmente depois de beber água não potável ou
carne estragada. Piora da meia-noite às três horas da madrugada.
Pulsatilla: Melhora ao ar livre e fresco, apesar de o paciente sentir frio. Não
suporta um lugar abafado. Melhora com apoio, companhia e tranquilidade.
Boca seca, mas sem sede. Azia. Língua revestida com uma camada branca,
principalmente após a ingestão de carne ou alimentos gordurosos.
Chinchona: Todo o abdômen fica inchado, mas ao arrotar não sente
nenhum alívio. Diarreia amarela sem dor, vomita comida indigesta, piora
com qualquer vento ou com o mínimo toque. Melhora com calor.
Coloquíntida: Cãibras, que fazem o paciente se contorcer. Melhora com
calor.
Ipecacuanha: Náusea não aliviada pelo vômito. Língua limpa. Excesso de
saliva.
Pyrogenium: Sente-se todo dolorido e a cama parece muito dura. Febre alta
com pulsação lenta ou vice-versa. Delirante. Os sintomas ocorrem após a
ingestão de carne estragada.
Lycopodium: Muita flatulência. Friorento. Piora com a pressão das roupas.
Principalmente após a ingestão de mariscos.
Urtica urens: Precedido por ardência, dor aguda. Principalmente após a
ingestão de mariscos.
Argentum nitricum: Vômito escuro, convulsões, fezes verdes, perda da
consciência.

LARINGITE

Condição que ocorre, sobretudo, em crianças pequenas, marcada por


tosse barulhenta ou metálica, rouquidão, dificuldade respiratória e febre.
Possui diversas causas, incluindo espasmos nas vias respiratórias,
infecções virais, inchaço da garganta e difteria. Se houver uma membrana
na garganta, ver "Difteria".

*Aconitum: Usar logo nos primeiros sinais da doença. Age rapidamente


(também Belladonna). Assustado, inquieto, queimação na garganta, anseia
por água gelada.

*Belladonna: Rosto vermelho e quente, principalmente depois de tossir.


Sensação de palpitação. Age rapidamente (Aconitum também). Piora com
barulho, luz intensa e nervos abalados. Garganta vermelha. Tosse
barulhenta.
*Hepar sulphur: Muito friorento. Tosse solta e barulhenta. A tosse piora
com frio e se estiver descoberto. Deve sentar-se para respirar. Piora com o
vento. Melhora com calor. Irritável.
*Lachesis: A dor na garganta piora ao beber líquidos ou quando engole
seco. Comer sólidos não é tão ruim. Garganta dolorida ao toque. Ulceração
na garganta. Piora após o sono, com calor, com algo em torno do pescoço.
Melhora com bebidas geladas. Falante. Garganta vermelha ou púrpura.
*Spongia: Tosse barulhenta muito seca, ou tosse com o som de serrar um
tronco. Tosse com cócegas. Melhora com bebidas quentes. Não suporta
nada apertado em volta da cintura. Piora em um lugar quente ou quando
está deitado.
*Antimonium tartaricum: Catarro muito espesso se agita no peito e não
pode ser expelido. O paciente se esforça para respirar. Rosto frio, azul ou
pálido, com suor frio. Piora com calor. Melhora ao sentar-se.
*Kali bichromicum: A tosse tem um som grave, como o ar soprando em um
tubo de metal. Uma membrana pode cobrir a garganta. Catarro viscoso,
pegajoso e amarelo. Fraqueza extrema.
Phosphorus: Muito rouco, peito apertado, piora ao deitar sobre o lado
esquerdo, catarro com sangue ou da cor de ferrugem, melhora com
companhia. Deseja bebidas geladas.
Bromine: Queimação no peito. Tosse sempre que respira. A membrana
pode arranhar a garganta. Piora à noite, com calor e ao deitar sobre o lado
esquerdo. Glândulas inchadas.

LESÕES NA COLUNA

Os sintomas dependem da gravidade da lesão e de qual parte da coluna


foi lesionada. Os sintomas podem incluir perda de controle dos músculos,
perda de controle da bexiga ou do intestino, dormência, dificuldade
respiratória e paralisia.

*Arnica: Após qualquer lesão. O paciente pode dizer que está bem e se
recusa a deixar que alguém o toque.

*Hypericum: Medicamento principal para lesões na coluna. Depois de


Arnica. O paciente sente uma dor intensa e não consegue andar. Engatinha
sobre as mãos e os joelhos. Piora ao ser tocado ou colidido.
*Natrum sulphuricum: Depois de Arnica e Hypericum. Dor na parte inferior
das costas como se tivesse recebido uma pancada. Dor horrível no pescoço,
na base do cérebro. Piora com tempo úmido, deitado sobre o lado esquerdo
e deitado por muito tempo em uma única posição. Muito frio, mas sua
demais durante a noite.
Bryonia: A dor piora com o mínimo movimento. Quer deitar-se
completamente imóvel. Melhora ao deitar-se sobre o lado dolorido.
Irritável. Piora com calor.
Rhus toxicodendron: As costas ficam rígidas e doloridas quando começa a
se movimentar, mas o movimento contínuo faz ele se sintir melhor. Piora
com tempo frio e úmido. Melhora com calor. Inquieto.
Kali carbonicum: Piora das três às cinco horas da manhã. A dor estende-se
das nádegas até as coxas. As costas ficam fracas. Piora com frio e melhora
com calor. Irritável, mas não quer ficar sozinho.

Disco SALIENTE OU ROMPIDO

Os discos cartilaginosos que separam as vértebras e amortecem a coluna


podem sair do lugar ou romper por causa de uma lesão ou distensão,
podendo pressionar os nervos. Quando isso ocorre na parte inferior das
costas, a pessoa pode sentir uma dor forte que se estende até as nádegas,
pernas ou pés. A dor pode ser agravada com o mínimo movimento. Outros
sintomas incluem formigamento ou dormência, espasmos e fraqueza dos
membros. Quando a lesão ocorre na região do pescoço, os sintomas
incluem dor no pescoço, no ombro, no braço ou até mesmo na mão. A dor
geralmente piora ao mover a cabeça. Espasmos no pescoço também podem
ocorrer.

Bryonia: A dorpiora com o mínimo movimento. Quer ficar completamente


imóvel. Melhora ao deitar sobre o lado dolorido. Muito sedento. Irritável.

Hypericum: Medicamento principal para lesões na coluna. Dor intensa e


incapacidade de andar. Engatinha sobre as mãos e os joelhos. Piora ao ser
tocado ou colidido.
Agaricus: Coluna sensível ao toque. Piora com ar frio, pressão e toque.
Contorção dos músculos. Suspira de dor constantemente.
Aesculus: Piora ao andar ou inclinar-se. As costas ficam fracas. Dores
penetrantes, dores quentes ou dores que mudam de lugar. As mãos e os pés
incham após serem lavados. Principalmente na parte inferior das costas.

MALÁRIA

A malária é causada por um parasita transmitido pelo mosquito


Anopheles. Também pode ser adquirida por transfusões ou agulhas
infectadas. Os sintomas incluem repentinos e recorrentes ataques de
calafrios, tremores, febre alta, suor, dor de cabeça, diarreia, fezes com
sangue, vômito, fraqueza, tosse, dor muscular, icterícia e coma. Os calafrios,
febre e suor ocorrem em estágios distintos.

PREVENÇÃO DA MALÁRIA

Malaria officinalis: Use 30 CH, duas doses por semana. Continue durante
quatro a oito semanas após a exposição.
Cinchona: Se Malaria officinalis não estiver disponível.

Arsenicum album: Se nem Malaria officinalis nem Cinchona estiverem


disponíveis.

MEDICAMENTOS PARA A MALÁRIA

*Cinchona: Ataques são precedidos por náusea, dor de cabeça e fome. Não
há sede durante a fase de ataque de calafrio. Abdômen inchado não aliviado
pelo arroto. Hipersensibilidade dos sentidos. Piora com toque leve e
também com pressão. Piora com frio e vento. Suor excessivo durante o
sono. Sintomas pioram a cada três dias.
*Arsenicum: Muito medo, receio de ser deixado sozinho, inquieto, sendento
por pequenos e frequentes goles de água (exceto durante a febre, quando
não tem sede). Alternadamente sente como se tivesse água gelada ou
fervente nas veias. Dores ardentes, que são paradoxalmente aliviadas por
calor. Piora entre meia-noite e duas horas da manhã. Diarreia com odor
desagradável.
*Pulsatilla: Predominantemente sem sede. Implora por ar livre e não
suporta quarto quente e fechado. Deseja companhia e apoio. Vômito azedo.
Piora comendo comida gordurosa ou rica.
*Nux vomica: Cãibras no abdômen e nas pernas. Irritável e hipersensível.
Acorda às três da manhã e não consegue dormir. Piora de madrugada. Piora
com frio, vento, barulho, odores, sendo tocado ou com roupas apertadas ao
redor da cintura.
*Eupatorium: Dor nos ossos como se estivessem quebrados. Ataques
precedidos por extrema sede. Calafrios começam na parte baixa das costas
e são seguidos por náusea e vômito. O calafrio piora ao beber, mover-se ou
descobrir-se. Muito inquieto e constantemente em movimento, o que não
traz alívio. Implora por bebidas geladas. Piora com ar frio e com cheiro de
comida.
Natrum muriaticum: Ataque frequentemente começa entre 9 e 11 horas da
manhã. É precedido por dor de cabeça como se houvesse marteladas
dentro da cabe ça. Vômito verde. Calafrios começam nos dedos das mãos e
dos pés. O paciente pode experimentar cegueira ou inconsciência durante a
fase de calafrio. Aversão geral à companhia e consolação. Bolhas nos lábios.
Implora por sal, mas tem aversão a pão. Sensação de frio no coração.

Gelsemium: Aparência sonolenta. Pálpebras caídas. Membros pesados.


Predominantemente sem sede. Calafrios nas costas. Músculos doloridos.
Pulsação fraca.
Rhus toxicodendron: Sedento, inquieto e constantemente muda de posição.
Músculos rígidos e dores nas articulações. Intensa coceira e erupção
cutânea durante a febre. Piora à noite, depois de descansar, durante tempo
úmido e com frio.
Apis: Vômito antes do calafrio. Ardência, erupção cutânea parcialmente
aliviada pelo frio. Inchaço nas pálpebras, lábios ou rosto.
Predominantemente sem sede.

PARA PREVENIR REINCIDÊNCIAS DE MALÁRIA

Cinchona.

MAMOGRAFIA, EFEITOS DE

Os seios ficam um tanto duros durante a mamografia. Uma única dose de


um ou outro destes medicamentos pode ajudar o corpo a lidar com o
trauma. Melhor usar antes da mamografia ou imediatamente depois.

Bellis perennis ou Conium maculatum

Arnica: Se os medicamentos acima não estiverem disponíveis.

MEDICAMENTOS EMOCIONAIS

Esses medicamentos são úteis para pessoas que ficam "presas" em certos
estados emocionais ou que desenvolvem doenças físicas depois de passar
por esses estados.
Ignatia: Medicamento de primeira qualidade para tristeza e os efeitos da
tristeza, perda ou desilusão amorosa. Para os efeitos colaterais de qualquer
emoção forte. Meditação em silêncio, muitos suspiros, às vezes histeria.
Humor mutável - ri e depois chora. Chora quando está sozinho. Sensação de
nó na garganta, insônia ou perda de apetite. Paralisia histérica. Piora com
calor, café ou cheiro de tabaco. Para doenças físicas que começam depois de
tristeza ou outras emoções fortes.

Aconitum: Pânico, ataques de ansiedade e terror acompanhado por


pulsação acelerada, rosto corado e sede extrema. Profetiza a hora de sua
própria morte. Hipersensível a dores, sons, luzes e cheiros. Piora com calor.
Doenças depois de terror.
Aurum: Depressão suicida. Deseja a morte por causa da falta de esperança
ou dor física. Tem um excessivo senso de dever e sente-se esmagado pela
consciência. Considera-se um fracasso e que perdeu o carinho de seus
amigos. Ataques súbitos de raiva, principalmente se for contrariado.
Arsenicum: Ansioso, inseguro e sente medo de ficar sozinho. Medo de
doenças, da pobreza e da morte. Agitado, exausto, perfeccionista,
desconfiado e controlador. Piora depois da meia-noite. Frio e sedento por
pequenos goles. Esse medicamento também pode ajudar a suavizar o medo
nos últimos momentos de vida.

Stramonium: Assustado e fisicamente dá golpes violentos. Tem medo da


escuridão e deseja luz. Medo de ficar sozinho e piora quando está sozinho.
Piora ao ver objetos brilhantes. Chutes e mordidas, delírios sobre cães
(Belladonna também). O paciente fica com muita sede, mas tem dificuldade
de engolir. Melhora com calor, luz e companhia. Muitas vezes provocado
por uma experiência assustadora.
Belladonna: Pancadas, mordidas ou chutes. Rosto vermelho, quente,
pupilas dilatadas. Piora com toque, barulho, luz ou nervos abalados. Dor de
cabeça palpitante. Delírios sobre animais e insetos. Belladonna é o principal
medicamento para delírios.
Ácido fosfórico: Desatento, apático, desiludido e muito friorento. Leva um
bom tempo para responder perguntas e dá respostas com apenas uma
palavra. Deseja frutas. Por causa da tristeza, choques emocionais, doenças
exaustivas ou perda de líquidos (Cinchona também). Suores noturnos.
Elimina grandes quantidades de urina clara.
Staphysagria: Raiva reprimida e estados emocionais ou doenças resultantes
de raiva reprimida. Depois de um insulto ou humilhação. Para vítimas de
estupro ou outros crimes em que a pessoa sofreu um abuso.
Nux vomica: Nervoso, irritável, impaciente, malicioso, piora de manhã, fica
acordado das três às cinco horas da manhã. Deseja estimulantes e álcool.
Sente os malefícios das drogas e do álcool (como náusea, vômitos e
vertigem). Ambicioso, ciumento. Fica irritado quando é obrigado a
responder ou quando é interrompido.
Pulsatilla: Para sentimentos de abandono ou desamparo. Chora facilmente
e quer tranquilidade. Melhora com apoio e companhia. Deseja ar livre e não
suporta um lugar quente e abafado. Doenças que ocorrem depois de ser
deixado sozinho ou por se sentir abandonado.
Cimicifuga: Tristeza. Similar a Ignatia com suspiros, tristeza, agitação dos
músculos, histeria e doenças causadas por desilusão amorosa. Extrovertido
e falante, pula de um assunto para outro (ver também Lachesis). Mais
amedrontado que Ignatia. Medo da loucura. Friorento, mas melhora com ar
frio. Pescoço duro, que piora com vento.
Chamomilla: Nervoso e grosseiro. Empurra as pessoas para longe. Extrema
sensibilidade a dor, que o paciente descreve como insuportável. Irrita-se
com cada insignificância que é dita. Bochechas vermelhas e quentes.
Argentum nitricum: Ansiedade, fobias (claustrofobia e agorafobia, por
exemplo). Sente pressa. Teme seus impulsos e perder o controle. Piora com
calor ou em salas fechadas. Deseja companhia, mas fica ansioso em uma
sala lotada. Diarreia por causa da ansiedade.
Gelsemium: Ansiedade leva a um medo quase paralisante. Sente-se
sonolento, fraco ou melancólico. Rosto corado, pálpebras caídas. Deseja
ficar sozinho. Sem sede. Melhora com bebidas alcoólicas.
Lachesis: Para ciúme extremo e doenças resultantes depois de períodos de
ciúme. Muito falante e pula de um assunto para outro. Piora após o sono,
com calor e com qualquer coisa que toque seu pescoço. Sintomas no lado
esquerdo.
Coffee: Doenças causadas por excitação, alegria excessiva e surpresas.
Mentalmente hiperativo e não consegue desligar. Memória ativa. Faz vários
planos. Insônia. Hipersensível a dores, podendo chegar a se desesperar.
Muito sensível a sons, luzes, odores, toque e sabores. Aversão ao ar livre.

MENINGITE
A meningite é uma inflamação das membranas em volta do cérebro e da
medula espinhal. Pode ser causada por bactéria, vírus, fungo, produtos
químicos, alergias a drogas, tumores ou pancada na cabeça. A meningite
pode ser cerebral, espinhal ou cerebroespinhal.

Os sintomas diferem um pouco entre adultos e crianças. Em adultos:


Pescoço rígido, febre, dor de cabeça, vômito, confusão, rigidez muscular,
arqueamento das costas, sonolência ou coma. Em crianças (três meses a
dois anos de idade): febre, vômito, convulsões, grita extremamente alto.
Pode ser causada por infecção ou pancada na cabeça.

*Arnica: Se for causada por uma pancada na cabeça. Rosto vermelho e


quente e corpo frio. Sono pesado, pupilas contraídas, músculos agitados,
recusa-se a ser tocado. Defeca e urina involuntariamente.

*Belladonna: Rosto vermelho e quente, olhos injetados de sangue, pupilas


dilatadas, extremidades frias, dor de cabeça, sensação de palpitação. Rosto
contorcido, ranger de dentes. Delírio violento alternado com coma,
mordidas, pulsação plena e rápida. Não suporta barulho, toque, vento ou
deitar-se. Melhora semiereto.
*Apis: Rosto quente, vermelho, inchado, pálpebras inchadas. Dor latejante
ou aguda na cabeça. Solta um grito estridente durante o sono. Piora com o
mais leve toque, com calor e depois do sono. Sonolento, mas a inquietação
impede o sono. Sem sede, mas pode desejar leite.
*Helleborus: Paciente está muito entorpecido, grogue e tem uma expressão
vaga. O pescoço está rígido e voltado para trás, os membros movem-se
inconscientemente e há muita dor na parte de trás da cabeça e no pescoço
as pupilas estão dilatadas, mas ele não se incomoda com a luz (oposto
Belladonna). Grita durante o sono.
*Gelsemium: Mentalmente entorpecido, cambaleante, sensação de
membros pesados, pálpebras caídas. Sem sede e sente tremores, quer ser
carregado, urina abundante. Dificuldade de respirar, náusea e severo
calafrio. Totalmente exausto. Dormência.
*Stramonium: Muito temeroso e piora com escuridão, ficando sozinho,
vendo objetos brilhantes e depois do sono. Melhora com luz e companhia.
Acorda gritando.
Bryonia: Piora com qualquer movimento e a dor aumenta. Pescoço rígido,
dor nas articulações e nos membros, náusea, língua branca, estupor. Piora
com calor e ao sentar-se. Lábios secos e muita sede. Segue Belladonna
depois que a febre baixar.
Aconitum: Muito medo, profetiza a hora da morte. Inquieto, sedento. Pele
quente e seca. Início repentino.
Hypericum: Para concussão ou ferimento na coluna. Medo de mover-se,
dormência nos membros, deseja bebidas quentes.
Veratrum album: Vomita quando a cabeça é levantada, choques
convulsivos, palidez e frio congelante, colapso.
Plumbum: Membros dolorosamente contraídos, dores provocadas por
gases no estômago, retração do abdômen.
Opium: Coma, pupilas contraídas. Estupefação. Excentricidade.
Rhus toxicodendron: Vertigem, sangramento do ouvido e no nariz, tosse
seca, músculos rígidos. Inquieto e não consegue se sentir confortável. Piora
depois do descanso. Sedento.
Hyoscyamus: Ranger de dentes. Mãos e pés agitados. Delírio. Inconsciente
após convulsões.

MORDIDA DE ANIMAL

Se o sangramento não for grave, lave a ferida com sabão e água corrente
durante vários minutos. Se o sangramento for um problema, faça pressão
direta com um pano limpo e seco até diminuí-lo.

*Ledum: Medicamento excelente para qualquer ferida com pus. Ledum e


Hypericum são normalmente usados por homeopatas para prevenir o
tétano.

*Hypericum: Se houver muita dor e especialmente se a dor atingir um


membro do corpo.
Hydrophobinum: Se mordido por um animal raivoso ou se houver grande
probabilidade de raiva. Uma dose de Hydrophobinum 30 CH deve ser
repetida três vezes ao dia durante uma semana e depois Belladonna 3 CH
duas vezes ao dia durante seis meses (ver "Raiva").
Observação: se o animal agressor não desenvolver os sintomas dentro de
dez dias, provavelmente não tem raiva.

Se houver pus ou outros sinais de infecção


Pyrogenium: 6 CH a cada seis horas ou Hepar sulphur: 6 x ou 6 CH, três ou
quatro vezes por dia se o Pyrogenium não estiver disponível.

MORDIDAS E PICADAS

Observação: algumas pessoas desenvolvem uma séria reação alérgica


conhecida como anafilaxia. Elas podem desenvolver dificuldades
respiratórias, cólicas, vômitos, diarreia ou coceira. Se isso ocorrer, ver
"Anafilaxia".

*Ledum (30-200 CH): Excelente medicamento para qualquer ferida com


pus. Pode-se sentir a ferida fria ao tocá-la.

Apis (30-200 CH): Picadas de abelha - externamente, aplicar uma essência


de Urtiga urens diluída.
Cantharis (30-200 CH): Para picadas de vespa.

Lachesis: Para picada de tarântula - a pele fica quente e azul ou roxa.

PICADA DE ARANHA VIÚVA-NEGRA

A maioria das picadas ocorre em dependências externas. A marca da


picada mostra dois pequenos pontos vermelhos. Ocorre dor severa e
insuportável dentro de uma hora. Além disso, náusea, suor e dificuldade
respiratória. Enfaixe todo o membro com um pano largo (não um
torniquete).

Latrodectus mactans (nosódio 30 CH): Se você estiver em uma área de alto


risco, é bom fazer um pedido e deixá-lo à disposição. Só funciona para
picadas de viúva negra.

Aconitum: Quando o medo predomina. Sede insaciável.

Hepar sulphur (6 CH): Se a infecção apresentar riscos. A cada quatro horas.

MORDIDAS DE PEIXE

Peixe-pedra, peixe-escorpião, arraia, peixe-aranha etc. Dor agonizante.


Coloque o membro em água, o mais quente possível, para desativar o
veneno. Retire e coloque várias vezes até que a dor cesse. Ledum (200 CH).
QUEIMADURA DE ÁGUA-VIVA

Sintomas: formigamento, inchaço. Despeje vinagre nos tentáculos que


ainda estiverem ligados à vítima. Isso previne a eliminação de mais veneno.
Não use álcool!

Aconitum: Use inicialmente, quando a vítima estiver com medo.

Ledum: Segue o Aconitum.

NÁUSEA

*Ipecacuanha: Náusea não aliviada pelo vômito. Língua clara (não coberta).
Excesso de saliva e o paciente pode babar. Tosse com náusea. Piora com
movimento. Às vezes com diarreia. Vomita alimento, muco, bile, ou sangue.

*Antimonium crudum: Cobertura branca pesada sobre a língua. Náusea


logo após comer ou beber. Piora ao comer gorduras, pastéis. Piora ao ser
tocado ou observado. Melhora deitando-se ou com calor.
*Antimonium tartaricum: Náusea, indução ao vômito, vômito, desmaio
mortal. Cobertura branca e espessa sobre a língua. Implora por frequentes
goles de água. Medo de náusea. Deve deitar-se do lado direito para evitar
vômito. Muco espesso chacoalhando no peito. Suor frio, sonolência.
*Nux vomica: Língua coberta na parte de trás. Sente como se uma pedra
estivesse dentro do estômago. Constipado e tensão ao defecar. Muito frio e
melhora com calor. Hipersensível a barulhos, odores, luzes ou crítica.
Ansioso, irritável ou nervoso. Piora comendo demais, com temperos, café,
álcool ou drogas. Piora de manhã na cama. Às vezes não consegue vomitar.

*Iris versicolor: Vomita material muito azedo que queima na garganta.


Sensação de calor interno. Vomita bile. Náusea com dor de cabeça ou
alternando com dor de cabeça. Piora com esforço. Muita saliva viscosa e
espessa. Piora com doces e leite.
*Tabacum: Náusea constante, que melhora com movimento e ao abrir os
olhos. Quer descobrir o abdômen, o que diminui os sintomas. Melhora com
ar fresco. Diarreia aquosa, fraqueza e suor frio acompanhado de náusea e
vômito. Piora com odor de tabaco.
Phosphorus: Implora por bebidas geladas, que são vomitadas quando ficam
quentes no estômago. Vomita alimentos em pequenas quantidades. Piora
com comida quente. Piora deitando do lado esquerdo. Sensível a luz, odores
e sons. Deseja companhia. Queimação no estômago estendendo para a
garganta e os intestinos. Melhora com um cochilo.
Cadmium sulphuricum: Intensa náusea e indução ao vômito com vômito
preto. Tudo que come é vomitado. Se alguma coisa toca os lábios, provoca
vômito. Dor ardente no estômago. Deseja goles de água, o que também
estimula o vômito. Inclui náusea por câncer, quimioterapia e
envenenamento por radiação.
Argentum nitricum: Vomita muco espesso. Muito arroto com inchaço do
estômago. Dor ardente. Dor que irradia de um ponto do estômago. Diarreia
verde como espinafre cortado em pedaços. Piora com calor, doces, à noite e
do lado esquerdo. Melhora com frio. Muito ansioso.
Colchicum: Náusea ao olhar, cheirar ou mesmo pensar em comida. Piora
com movimento, frio, odores fortes, luz brilhante e toque. Quer ficar
deitado perfeitamente imóvel. Frio. Desencorajado.
Pulsatilla: Piora ao comer alimentos gordurosos. Piora em um quarto
quente e implora por ar fresco. Deseja apoio e pode chorar ao descrever a
dor. Sem sede. Vomita o alimento muito tempo depois de ingeri-lo.
Sensação de pedra no estômago.
Bryonia: Piora com o menor movimento e deita-se perfeitamente imóvel.
Boca seca com lábios secos e rachados. Sede por grandes quantidades de
bebida gelada. Piora com bebidas quentes. Náusea e desmaio ao levantar.
Estômago sensível ao toque. Sensação de pedra no estômago.
Crotalus horridus: Abdômen quente e frágil. Não suporta roupas ao redor
do estômago. Vomita alimento, bile e sangue. Vômito preto ou similar a
grãos de café. Não pode deitar-se do lado direito. Sangramento escuro em
qualquer orifício. Suor com sangue. Piora depois de dormir. Hipersensível a
luz. Olhos amarelos.
Arsenicum album: Dores ardentes, às vezes como brasa de carvão, que são
estranhamente aliviadas pelo calor. O paciente sente-se frio, terrivelmente
ansioso e exausto. Quer frequentes goles de água. Medo da morte ou de
doenças sérias. Vômito e diarreia com odor desagradável. Vomita sangue,
bile e muco esverdeado. Exausto com o menor movimento. Piora depois da
meia-noite.
Veratrum album: Violenta indução ao vômito e vômito violento. Frio
congelante com suor frio na testa. Sente sede por água gelada, que é
vomitada imediatamente após ser bebida. Diarreia copiosa, dolorosa e
aquosa. Piora ao beber ou mover-se.
Cocculus: Náusea ao andar de carro ou barco. Náusea ao olhar objetos se
moverem. O paciente tem aversão à comida ou bebida, mas pode implorar
por bebidas geladas. Salivação abundante. Piora quando tem frio, com
perda de sono ou com odor de comida. Aversão a ar fresco (oposto de
Tabacum).
Cinchona: Fraqueza pós-vômito, diarreia e outras perdas de fluidos.
Diarreia amarelada e sem dor. Vomita alimentos indigestos. Piora com o
mais leve toque e depois de comer. Abdômen inchado. Sensação fria no
abdômen após beber. Transpiração abundante à noite. Friorento e piora
com frio.

NEVRALGIA

Nevralgia, dor aguda ou dores como relâmpagos ao longo do curso do


nervo, frequentemente afetam o rosto, o pescoço ou o peito. Certas áreas do
rosto podem ficar sensíveis e disparar um ataque quando tocadas. Tem
muitas causas, incluindo inflamação dos nervos, toxinas, pressão em um
nervo e deficiências nutricionais. Essência de Plantago major pode ser
aplicada externamente, não diluída, para alívio temporário.

*Aconitum: Para exposição ao vento frio, acompanhado por sensação de


formigamento ou dormência. Frequente do lado esquerdo.

*Belladonna: Do lado direito do rosto, frequentemente causado pelo frio.


Dor latejante. Rosto vermelho e quente.
*Coloquíntida: Depois de exposição ao frio, tempo úmido. Melhora com
calor e pressão. Dor dilacerante estendendo para o olho. Frequente do lado
esquerdo.
*Magnesia phosphorica: Melhora com calor e normalmente do lado direito.
Dor aguda, piora movimentando o rosto ou com qualquer vento.
Sensibilidade sobre a área afetada.
*Spigella: Frequente do lado esquerdo. Dor como uma agulhada quente que
irradia para baixo do nervo. Às vezes sente frio depois de ser tocado. Piora
com qualquer movimento e durante o dia. Melhora com pressão.

*Arsenicum: Dor terrível e ardente, inquietação e grande ansiedade.


Sedento, mas por pequenos e frequentes goles. Friorento e piora com frio.
Melhora com calor. Piora com descanso e melhora depois de exercício.
Exaustão.
*Chamomilla: Dor insuportável com grande irritação. Piora com calor e à
noite. Rosto quente, suado e corado. Muita sede.
*Hypericum: Quando a condição é por causa de uma lesão.
Cinchona: Dor extrema que começa e piora com o menor movimento.
Melhora com pressão firme. Em pessoas enfraquecidas por indisposições e
perdas de fluidos.
Lycopodium: Dores repentinas, normalmente do lado direito. Piora com
movimento, ao falar, comer ou com toque. Piora entre quatro e oito horas
da noite. Implora por doces. Flatulência após comer.
Pulsatilla: Choroso. Piora em um quarto quente. Implora por ar frio e fresco
e sente-se melhor com isso. Dor como se o nervo fosse um elástico que se
estica e solta de repente. Deseja companhia e apoio. Normalmente do lado
direito.
Staphysagria: Frequente na perda da dentição, com dor se estendendo para
os olhos. Melhora com calor e de manhã. Piora à noite e após irritação. Dor
disparada ao tocar os lábios com uma colher.
Phosphorus: Hipersensível a luz, odores e sons. Medo de ficar sozinho.
Sendento por grandes bebidas geladas. Piora ao ar livre (oposto a
Pulsatilla). Frequente do lado esquerdo. Dor no rosto e na mandíbula
associada a problemas dentários. Sangramento vermelho-claro com o mais
leve corte.
Verbascum thapsus: Frequente do lado esquerdo. Piora com movimento,
cerrando os dentes ou mesmo tocando-os com a língua.

OLHOS

Esta seção inclui lesões, córnea arranhada, conjuntivite, terçol e uveíte.

LESÕES OCULARES

*Arnica (30 CH ou 200 CH): Primeira opção.

*Hypericum: Segue Arnica se houver muita dor.

Symphytum: Lesão com um objeto áspero, com dor no globo ocular. Sangue
no olho.
Aconitum: Inflamação do olho por causa de uma lesão, depois de remover
um objeto estranho ou decorrente de exposição ao ar frio. Piora com ar frio.
Muita ansiedade.
Ledum: Olho preto por causa de uma pancada.

CÓRNEA ARRANHADA

A córnea é a cobertura clara e curvada na frente do olho. Lesões


superficiais da córnea podem ser causadas por poeira, areia ou outras
partículas. Os sintomas incluem dor ocular e vermelhidão.

*Calendula: Além dos comprimidos usuais na língua, esse medicamento


também pode ser usado correntemente. Dissolva um comprimido de
Calendula 30 em 1 gota de água potável. Coloque 1 gota dessa solução, duas
vezes por dia.

Arnica: Alguns comprimidos na língua. Não coloque Arnica no olho.


Hepar sulphur: Se a área ficar muito sensível ao toque, vento ou frio.
CONJUNTIVITE (INFLAMAÇÃO NO GLÓBULO OCULAR)
Inflamação da camada externa do olho e da pálpebra. Há uma forma
contagiosa denominada conjuntivite aguda, que é causada por bactéria. A
inflamação também pode ser causada por causa de uma irritação
provocada por vento, poeira, fumaça ou luz forte. Ver também "Conjuntivite
neonatal".

*Argentum nitricum: Com pus espesso, brando e amarelo. Piora com calor.

*Pulsatilla: Secreção verde-amarelada e branda. Melhora com ar fresco.


Deseja apoio.
*Belladonna: Olhos ensanguentados, muito vermelhos, doloridos, quentes.
Início súbito. Pupilas dilatadas. Piora com luzes.
*Euphrasia: Lágrimas muito quentes, desejo de piscar.
*Aconitum: Inflamação após uma lesão, após a remoção de um objeto
estranho ou após exposição ao ar frio. Não há muitas lágrimas e os olhos
ficam secos e ardentes. Ansioso.
Apis melliphica: Pálpebras inchadas com dor aguda. Melhora com
aplicações frias. Sem sede.
Hepar: Pus espesso e malcheiroso. Olhos sensíveis ao frio, toque e vento.
Mercurius corrosivus: Dor ardente severa, lágrimas ardentes, pálpebras
vermelhas, inchadas e irritadas.
Enxofre: Olhos secos e ardentes. Pálpebras vermelhas e inchadas pela
manhã.

TERÇOL

Também chamado de "hordéolo", um terçol é uma infecção das glândulas


sebáceas nas pálpebras. Elas normalmente secam e se curam e é melhor
não comprimi-las.

Uma compressa quente várias vezes por dia auxilia o processo de


drenagem. Os sintomas incluem inchaço das pálpebras, dor ocular, lágrimas
e uma sensação de que há algo no olho.

Pulsatilla: Para o estágio inicial.

Staphysagria: Se Pulsatilla falhar ou se o terçol deixar um nódulo duro


depois da recuperação.

UVEÍTE

Inflamação muito dolorosa da camada intermediária do olho, entre a


esclera e a retina. Foi associada a numerosos problemas crônicos de saúde,
mas a causa em muitos casos continua obscura. Os sintomas incluem dor
intensa, que pode surgir rapidamente, vermelhidão do olho, visão
embaçada e sensibilidade a luz.

*Aconitum: Início rápido e intenso. Temeroso, inquieto, piora com ar frio,


sedento por água gelada.

Bryonia: Olhos secos, piora com qualquer movimento e quer deitar-se


imóvel. Sedento.
Gelsemium: Contorção dos músculos do olho. As pálpebras podem cair. Dor
na parte de trás do olho. Piora com calor e clima quente.
Rhus toxicodendron: Lágrimas quentes, as pálpebras podem inchar, piora
depois de se expor a tempo frio ou úmido ou à noite. Inquieto.
Arnica: Sente-se machucado. Medo de ser tocado. Não suporta dores. Piora
com calor, movimentos, após o sono.
Hepar sulphur: Extremamente sensível o toque, frio ou qualquer vento.
Pode haver pus.
Mercurius (solubilis ou vivus): Piora à noite, em lugar quente, com calor ou
luz. Sua facilmente e depois se sente pior. Dor ardente.
Silica: Muita sensibilidade a luz. Magro, friorento, melhora com a cabeça
coberta. Sua muito na cabeça e nos pés. Piora com tempo frio, ventos,
umidade.

OUVIDO, DOR DE

INFLAMAÇÃO DA CAVIDADE TIMPÂNICA (TIMPANITE)


Inflamação da cavidade timpânica pode ser causada por vírus ou
bactérias. Normalmente ocorre depois do sarampo, caxumba, febre
escarlate, pneumonia ou gripe. Os sintomas são dor de ouvido, ouvido
entupido, distúrbios na audição e às vezes ruídos auditivos, como
zumbidos, chiados, assobios ou som de rugido. Algumas causas incluem
sensibilidade da área, secreção do ouvido, febre e calafrios.

*Aconitum: Início repentino após exposição ao ar frio e seco. O paciente fica


agitado e assustado. O ouvido é sensível ao toque. Às vezes há dores
ardentes. Piora à noite e da meia-noite às duas horas da manhã. Repita a
cada meia hora para diversas doses.

*Chamomilla: Dor insuportável com raiva. Nada que você faça para tentar
agradar os pacientes nesse estado irá satisfazê-los. Uma bochecha quente, a
outra pálida. Crianças que precisam desse medicamento gostam de ser
carregadas rapidamente. Piora com calor e à noite.
*Pulsatilla: Busca apoio, companhia e tranquilidade. Chora facilmente.
Ouvido inchado e vermelho. Secreções grossas, verde-amareladas e
brandas. Sente-se abafado em uma sala quente e precisa de ar fresco. Piora
com calor e aplicações quentes. Sem sede.
*Belladonna: Normalmente no ouvido direito. O rosto fica quente e
vermelho. A dor surge rapidamente. Dor quente e intensa a cada batimento
cardíaco. Delírios com dor. Chora durante o sono. Melhora ao descansar no
escuro. Piora com luz, barulho, ao ser chocado e com ar frio.
*Hepar sulphur: O ouvido fica extremamente sensível ao toque e o paciente
não deixa que você se aproxime dele. Sensível ao frio ou ao mínimo vento.
Secreção com cheiro de queijo velho. Irritável. Melhora com calor. Muitas
vezes termina a cura iniciada pelo Mercurius.
*Mercurius: Secreção espessa e amarela, às vezes com listras de sangue.
Piora com o calor da cama. Muita transpiração e salivação. Mau hálido.
Sede. A língua mostra a marca dos dentes. A dor piora à noite.
Capsicum: A orelha fica quente e saliente. Dores de pontadas. Busca apoio
(como com Pulsatilla). Melhora com aplicações quentes (contrário de
Pulsatilla). Piora ao ar livre (contrário de Pulsatilla). Piora à noite.
Kali bichromicum: Secreção de pus espesso, amarelo e malcheiroso. Dor
cortante e coceira no ouvido.
Silica: Secreção de pus e sangue. As crianças enfiam os dedos nos ouvidos.
Também no caso de o ouvido continuar com secreção após todos os
sintomas melhorarem.
Apis: Dores cortantes. A orelha fica vermelha, inflamada e dolorida.
Normalmente do lado direito. O paciente piora com calor e ao ser tocado.
Inquieto.

PEDRAS NOS RINS, DORES POR

Pedras nos rins são substâncias insolúveis que se cristalizam na urina.


Essas pedras podem não produzir sintomas até começarem a se mover pela
uretra. Os sintomas incluem dor intermitente e excruciante na área dos rins
ou na parte inferior das costas. A dor pode irradiar para o abdômen, área
genital ou coxas. Náusea, vômito, inchaços, calafrios, febre e micção
frequente também ocorrem.

Observação: dor que piora com movimento normalmente se deve a um


cálculo biliar. Com vontade de urinar, é mais provável que seja pedra nos
rins. A maioria dos medicamentos que se aplicam a dor por pedra nos rins
também funcionam para cálculo biliar.

*Berberis vulgaris: A dor irradia em todas as direções a partir de um ponto


central. Vontade de urinar com dor na micção. A urina possui depósito
branco-acinzentado. Área dos rins sensível ao toque. Sensação de borbulha
na região dos rins. Piora quando se move. Rosto cinza.

*Dioscorea: A dor diminui quando o paciente se estica e se curva para trás.


O paciente se contorce e se agita com a dor. A dor também pode ser sentida
no umbigo e é aliviada por pressão. Piora ao se curvar.
*Aconitum: O paciente se sente amedrontado, experimenta dor extrema,
tem muito frio, mas não suporta uma sala quente e se sente fraco quando se
senta ou fica em pé. Ataque repentino. O Aconitum normalmente é útil no
primeiro ataque. Repetir a cada 15 minutos.
*Belladonna: Rosto vermelho, pupilas dilatadas, pulsação forte. Aparece
repentinamente. Sensação de plenitude no estômago. Piora quando bebe
qualquer coisa. Sensível a luz, barulho ou nervos abalados. Repetir a cada
meia hora.
*Magnesia phosphorica: O paciente se curva de dor (também Coloquíntida).
Melhora com calor e fricção. Sensível ao frio ou qualquer vento.
*Coloquíntida: O paciente se curva de dor. Melhora com pressão estável, ao
se curvar e com calor. Impaciente, irritável e nervoso. Língua branca.
Elimina muita urina.
Nux vomica: Normalmente o rim direito com dor se estende à área genital e
às pernas (também Causticum). Vontade dolorida de urinar e a urina é
eliminada em gotas. Friorento, irritável. Piora pela manhã, quando está
descoberto e com a pressão das roupas.
Calcanea carbonica: Dor insistente nos rins e na parte inferior das costas.
Friorento e piora com o frio. Transpira facilmente. Mãos e pés frios e
úmidos. Piora com a pressão das roupas.
Acido benzoico: A dor se estende ao peio quando respira profundamente.
Dor ardente no rim esquerdo. A urina é escura e tem forte odor de amônia.
Parte inferior das costas dolorida e rígida.
Ipecacuanha: Náusea acompanha a dor. Língua limpa (não recoberta). A
dor vai dos rins até as coxas e os joelhos.
Sarsaparilla: Dor no fim da micção, do rim direito se estendendo para
baixo. O paciente grita quando a urina passa. Melhora com calor. Urina
turva.
Ocimum canum: Dores do lado direito. Vomita a cada 15 minutos. Se
contorce de dor, grita. Inquieto. Urina turva ou vermelha. Melhora com
calor.
Causticum: Dor vai dos rins até a área genital. Pode começar durante o
sono. Melhora com bebidas frias.
Calcanea renalis: Pode ajudar a aliviar a dor e a passagem das pedras.
Hydrangea arbores: Dor nos rins e urina com sangue. Dor aguda na parte
inferior das costas. Hydrangea pode ajudar a quebrar as pedras.
Pareira brava (Essência: 5 gotas em água quente): Se os demais falharem.

PERFURAÇÃO DO TÍMPANO
O tímpano ou membrana timpânica fica entre o ouvido externo e médio.
É o órgão que vibra quando exposto ao som. Também protege o ouvido
médio de infecção.

A perfuração pode ser causada por sons muito altos, objetos estranhos
inseridos no ouvido ou infecções. Os sintomas incluem dor de ouvido,
secreção do ouvido, perda auditiva e ruídos auditivos. Tímpanos
perfurados normalmente cicatrizam dentro de dois meses. Os seguintes
medicamentos ajudam a diminuir a dor e a acelerar o processo de
cicatrização.

*Calendula: Uma vez por dia durante uma semana. Repita se necessário.

*Hepar sulphur (6 x ou 6 CH). Se for por causa de uma infecção. Duas vezes
por dia durante três semanas.
*Silica: 30 CH uma vez por semana.
PERITONITE
A peritonite é uma inflamação aguda da membrana que demarca a
cavidade abdominal. Pode ser provocada por uma perfuração do trato
gastrointestinal ou aparelho reprodutor feminino, permitindo que
bactérias penetrem a área. Também pode ser causada por feridas que
penetram o abdômen (incluindo cirurgia). Os sintomas incluem dor
abdominal grave e constante e sensibilidade. A dor piora com o mais leve
movimento, mesmo quando se respira profundamente. Os sintomas
incluem febre, calafrios, pulsação rápida, dilatação abdominal, náusea,
vômito e diarreia. O paciente pode deitar de costas com os joelhos
levantados. Às vezes, é necessário realizar uma cirurgia.

*Aconitum: Quando aparece pela primeira vez. Ataque repentino com


febre, calafrio, dor abdominal, inquietação e medo da morte. Pele quente e
seca. Muita sede. Piora com qualquer movimento, pressão ou quando deita
do lado direito.

*Bryonia: O paciente piora com o mais leve movimento e deita-se


perfeitamente imóvel. Respiração profunda causa dor, por isso o paciente
respira rapidamente. Sedento por bebidas geladas. Febre alta e violenta e
dor aguda. Irritável.
*Mercurius corrosivus: Mau hálito, excesso de saliva e baba. Transpiração
intensa e sente-se pior depois. Fezes com sangue. Abdômen inchado e
sensível. Dores cortantes.
*Coloquíntida: Espamos internos dolorosos, que fazem o paciente se
curvar. Melhora com calor. Dores cortantes agudas.
*Belladonna: Ataque repentino e intenso. Abdômen inchado, quente e
extremamente sensível. Piora com o mais leve ou toque. Rosto vermelho e
quente, porém mãos e pés frios. Pupilas dilatadas. Pode ficar sonolento ou
delirante. Piora com barulho e luz. Diarreia com sangue. Sensação como se
alguém agarrasse o abdômen com as unhas.
*Carbo vegetabilis: Cabeça quente, porém respiração e corpo frios. Deseja
ar e quer ser ventilado. Abdômen inchado e arrotos. Fezes com mau cheiro.
*Arsenicum: Dores ardentes, que melhoram com calor. Temeroso, inquieto,
muita sede por goles pequenos e frequentes. O abdômen fica tão inchado
que parece que vai explodir. Muito fraco. Piora quando está sozinho e após
a meianoite.
Lachesis: Muito falante e muda de assunto frequentemente. Deita de costas
com os joelhos levantados. Abdômen muito sensível. Não consegue respirar
quando adormece. Piora após o sono, com calor, pressão das roupas e com
o mais leve toque. A língua treme tanto que o paciente não consegue
colocá-la para fora. Feridas parecem roxas.
Rhus toxicodendron: Inquieto, muda de posição constantemente, apesar da
dor. Delírio com murmúrios. Piora com frio e umidade. Muita sede. Sonha
com grande esforço.
Baptisia: Fala gaguejando e parece intoxicado. Adormece quando alguém
fala com ele. O corpo parece rígido e dolorido. Excreções com odor pútrido.
Rosto vermelho-escuro. Delírio de que está quebrado e passeia pela cama
tentando juntar as partes. Tem medo de dormir porque pode se sufocar.
Apis: Sem sede, ou bebe apenas pequenos goles. Urina escura e reduzida.
Rosto inchado. Dor cortante repentina no abdômen. Dor ardente e cortante
que melhora com frio. Piora em ambiente quente e com toque ou pressão.
Melhora com ar frio e quando está descoberto.
Arnica: Principalmente quando há lesões. Piora com toque e não quer ser
abordado. Cabeça quente e corpo frio. Excreções com mau cheiro.
Veratrum album: Suor frio, principalmente na testa. Muito friorento.
Diarreia líquida, vômito. Ansioso, inquieto, com sede. Deseja bebidas frias.

PICADA DE COBRA

Enrole o membro com uma faixa larga (não um torniquete) para retardar
a propagação do veneno. Não corte ou chupe a ferida. Mordidas de cobras
venenosas são mais propensas a apresentar inchaço e descoloração do
tecido. Obtenha ajuda profissional o mais rápido possível. A menos que
você tenha o medicamento para a cobra específica, use:

Aconitum: A cada 15 minutos.

Ledum: Uma dose de Ledum após a primeira dose de Aconitum deve ajudar
a restringir a dispersão do veneno.

Observação: medicamentos específicos estão disponíveis para cada tipo


de picada de cobra. Se você tiver apenas Lachesis, experimente-o. Se
ocorrer colapso (pele pálida, fria e pegajosa; pulsação rápida e fraca;
respiração superficial), dê Carbo vegetabilis a cada dez minutos, entre os
lábios e os dentes.

3 (N.T.) Espécide de cobra venenosa típica dos EUA.

Os medicamentos citados anteriormente estão disponíveis em algumas


das farmácias homeopáticas.

ERVAS RECOMENDADAS COMO ANTÍDOTO PARA PICADAS DE COBRAS


Golondrina (Euphorbia polycarpa) é uma erva que pode ser usada
profilaticamente e para o tratamento da picada de cobra. Seu objetivo é
tornar o organismo imune a picadas de cobras. É usada em doses de gotas
da essência.

Euphorbia prostata também é recomendada com eficácia contra a picada


de cobra, principalmente da cascavel.

PNEUMONIA
A pneumonia é uma inflamação dos pulmões. Pode ser causada por uma
infecção de bactéria, vírus ou fungo, ou resultar da inalação de vapores
químicos ou aspiração de determinados líquidos. Os sintomas incluem
dificuldade de respirar com dor no peito ou febre, tosse com dor, calafrios,
dor de cabeça, rosto pálido ou azul, pulso rápido (100 a 130 batidas por
minuto) e líquido nos pulmões. Nos estágios iniciais, o paciente tosse uma
saliva rosa, que depois fica com cor de ferrugem e finalmente amarela.

*Aconitum: Ataque repentino por calafrio e durante tempo frio e seco. No


começo com febre alta, tosse seca e com dor e muco ralo e com sangue.
Muita ansiedade e inquietação, medo da morte. Pele quente e seca. Muita
sede.

*Ferrum phosphoricum: Os estágios iniciais apresentam poucos sintomas


claros. O paciente tem dificuldade de respirar e tosse sangue. Rosto
alternadamente vermelho e pálido. Ataque lento com febre baixa. Suor.
Melhora quando se deita e com aplicações frias. Piora das quatro às seis
horas da manhã, à noite e com bebidas geladas, nervos abalados ou
movimento.
*Phosphorus: Tosse saliva de cor ferrugem ou sangue vermelho intenso,
sensação de queimação no peito, sensação de peso no peito ou o peito
parece pressionado. Não consegue deitar do lado esquerdo e melhora ao
deitar do lado direito. Tosse seca que o faz tremer. Medo de ficar sozinho,
vontade de tomar bebidas geladas, assusta-se com facilidade, sensível a luz,
barulho e odores. Melhora depois de dormir um pouco.
*Arsenicum: Ansiedade e inquietação extremas, quer companhia, piora da
meianoite às três horas da manhã. Sedento por pequenos goles, exausto,
sensações de queimação que melhoram com calor.
*Antimonium tartaricum: Muco muito espesso no peito que é muito
espesso para tossir. Sente como se estivesse sufocando e tem de sentar-se.
Queimação no peito e na garganta. Pulsação rápida e fraca. Melhora ao
deitar-se do lado direito. Suor frio no rosto. Piora ao deitar e com o calor.
*Bryonia: Dores agudas a cada respiração ou com o mais leve movimento.
Melhora ao deitar-se imóvel do lado dolorido. Tosse seca, muco cor de
ferrugem, sede por grandes bebidas frias. Muita vontade de respirar
profundamente, o que é doloroso. Piora com calor e movimento. Irritável.
*Lycopodium: Piora entre as quatro e às oito horas da manhã e, às vezes,
entre as quatro e às oito horas da noite. Narinas dilatadas quando tenta
respirar. Rosto pálido com sobrancelhas franzidas. Tosse curta e seca.
Muco salgado ou amargo. Flatulência. Satisfaz-se com pequena quantidade
de comida. Acorda irritável ou nervoso.
Hepar sulphur: Se a pneumonia não for controlada e continuar produzindo
saliva amarela. Muito friorento, piora com qualquer vento. Irritável.
Excreções com cheiro de queijo velho. Melhora com tempo quente e úmido.
Piora com frio, comidas frias, vento e toque.
Enxofre: Peito parece pesado. Sensações de queimação em qualquer lugar
do corpo. O paciente quer as janelas abertas e piora com o calor da cama e
ao deitar de costas. Irritável. Excreções com mau cheiro e irritam a pele.
Vermelhidão, coceira no ânus, lábios, nariz e olhos. Diarreia repentina pela
manhã. Quando outros medicamentos não funcionarem, esse desperta a
"força vital". Melhora com ar fresco, movimento e ao deitar sobre o lado
direito. Piora com banho, sala ou cama quente, às 11 horas da manhã, ao
ficar de pé ou beber leite.
Mercurius: Mau cheiro na respiração e transpiração, saliva excessiva, muita
sede, língua mole com a marca dos dentes, transpiração abundante, depois
da qual o paciente se sente pior, muco verde espesso com sangue, dor
aguda na parte inferior do pulmão direito. Piora à noite e com o calor da
cama.
Pulsatilla: Não suporta ambiente fechado e deseja ar fresco mesmo quando
tem frio. Gentil, obediente, melhora com apoio e companhia. Tosse toda vez
que respira. A tosse piora quando se deita e à noite. Muco amarelo-
esverdeado espesso e insípido. Boca seca, porém não tem sede.
Ipecacuanha: Náusea e vômito acompanham outros sintomas. Tosse toda
vez que respira. Tosse sangue. Tendência a sangramento. Língua limpa com
saliva excessiva. Melhora ao ar livre. Piora com o mais leve movimento e
com calor, principalmente calor úmido.

PROBLEMAS CARDÍACOS

Estão incluídos aqui ataque cardíaco, insuficiência cardíaca progressiva e


angina.

ATAQUE CARDÍACO

O paciente pode experimentar náusea, seguida de dor ou pressão no


peito, dor debaixo de um ou dos dois braços, dificuldade respiratória,
vômitos, suor frio e rosto azul. (ver também "Angina"). Repita o
medicamento a cada 10 ou 15 minutos. Se a vítima não estiver respirando e
não houver batimentos cardíacos, inicie a ressuscitação cardiopulmonar.

*Arnica (200 CH): A cada 15 minutos.

*Aconitum (200 CH): Se o medo for predominante. Profetiza o momento de


sua morte.
*Latrodectus mactans: Dor extrema no peito que se estende do braço
esquerdo até a mão. Dificuldade de respirar. Dormência nas extremidades.
Pulsação fraca, mas rápida. Pele fria.
Arsenicum album: Extremamente ansioso, friorento, inquieto, sedento por
pequenos goles de água gelada. Não quer ficar sozinho. Sensação de peso
ou pressão no peito. Dores ardentes. Rosto cinza a azul. Se não houver
melhora após algumas doses, tente outro medicamento. Observação: o
Arsenicum só funciona de três a cinco horas para ataque cardíaco. Depois
disso, deve ser utilizado outro medicamento (comumente Enxofre, se o
paciente sentir ondas de calor, ou Phosphorus, se desejar bebidas geladas,
se não conseguir se deitar sobre o lado esquerdo e desejar companhia).

*Antimonium tartaricum: Menos ansioso do que Arsenicum, rosto e unhas


azuis, pouca sede, mais esperançoso do que amedrontado. Os tornozelos
podem inchar, a língua fica com um revestimento branco e grosso. Os
pulmões podem ter fluidos cujo barulho pode ser escutado. Difere do
Arsenicum porque não há sede e o paciente piora com calor e vento.
Sensação de que o peito está cheio.

*Carbo vegetabilis: Deseja ar, quer ser ventilado, abdômen inchado com
muitos arrotos, sem sede. Rosto pálido, mãos e pés gelados. Mentalmente
lento ou nebuloso.

Observação: Carbo vegetabilis não pode demorar e deve ser seguido por
outro medicamento. Às vezes, é seguido por Enxofre, se o paciente
experimentar ondas de calor. Pode ser seguido por Kali carbonicum se
estiver gripado, piorar com vento, se inclinar para respirar, ou caso não se
possa deitar sobre o lado direito.

Ácido oxálico: Pele fria e com aparência mosqueada, extrema exaustão,


falta de sensação nas mãos e nos pés, unhas azuis, dores agudas no peito.
Deseja deitar perfeitamente imóvel.
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA GRADUAL

Insuficiência cardíaca é uma condição na qual o coração perde a


capacidade de bombear sangue efetivamente. Isso resulta em falta de
oxigênio e nutrientes para os tecidos. A condição normalmente é crônica e
se desenvolve com o tempo. Quando o lado esquerdo do coração falha,
fluido pode chegar aos pulmões, o que se chama de edema pulmonar.
Quando o lado direito falha, o fluido pode ser coletado nas mãos, nos pés ou
no abdômen.

Os sintomas incluem inchaço nas mãos, nos pés ou no abdômen, veias do


pescoço salientes, dificuldade para respirar, palpitações, pulsação rápida
ou irregular, fraqueza, tosse e menos produção de urina.

Naja: Dor de coceira no peito, irradiando para a nuca e o ombro esquerdo,


com falta de sensação no braço esquerdo e na mão esquerda. A dor passa
pela coluna. Medo da morte. Sensação de peso no coração. O rosto parece
arroxeado, não suporta roupas em volta do pescoço, piora ao deitar do lado
esquerdo.

Lachesis: Sensação depressão no peito. Não suporta roupas em volta do


pescoço. O rosto parece arroxeado. Piora ao deitar do lado esquerdo. Sente
como se sufocasse ao dormir. Piora depois de dormir.
Lycopus: Terrível sensação de esmagamento no coração com sensação de
pancada na cabeça e no pescoço. Piora ao deitar do lado direito (contrário
de Naja e Lachesis). Não suporta o cheiro de comida.
Laurocerasus: O rosto parece arroxeado, lábios azuis, dificuldade para
respirar. Piora se estiver totalmente sentado ou deitado. Melhora quando
fica apenas reclinado. Sente muito frio. Piora com movimento.
Latrodectus mactans: Extremamente irritável com dormência na mão e no
braço esquerdos. Dificuldade para respirar. Pulsação fraca, porém rápida.
Crataegus: Usar em baixa potência (3 x) a cada três ou quatro horas
durante várias semanas. Quando o coração falha constantemente, com
pulsação rápida, dificuldade para respirar (que piora com esforço), matiz
azul no rosto e inchaço nos tornozelos.

ANGINA

Dor forte perto do coração irradiando para o ombro e braço esquerdos.


Rosto pálido ou azul, muita transpiração. Medo da morte. Às vezes há
dificuldade para respirar. Os sintomas lembram ataque cardíaco, exceto
que o episódio dura apenas alguns segundos ou minutos e não produz dano
permanente ao coração. Normalmente deve-se a aterosclerose e é causada
por fluxo inadequado de sangue através dos vasos coronários. O ataque
pode ser provocado por esforço físico ou estresse emocional. Terapia de
quelação pode ser uma solução em longo prazo.

*Aconitum: Para o primeiro ataque. Medo intenso da morte, inquietação,


muita sede, pele quente e seca. O Aconitum não possui a fraqueza ou
exaustão do estado do Arsenicum.

*Cactus grand: Sente uma faixa de ferro em volta do peito sendo apertada.
Pulsação rápida, porém fraca. Piora ao deitar do lado esquerdo.
*Arsenicum: Aperto no peito com sensação de ardor. Muito friorento e
melhora com calor e coberturas. Medo da morte e de ficar sozinho.
Inquieto, sedendo por pequenos goles, rosto pálido. Profunda fraqueza e
exaustão com o mínimo esforço.
*Latrodectus mactans: A dor se estende do braço esquerdo para os dedos
com dormência falta de sensibilidade. O paciente grita de dor. Dificuldade
para respirar. Pele fria. Pressão no peito.
Iodum: Sente uma faixa apertada em volta do próprio coração (em vez de
todo o peito). Rosto corado, piora com o calor. O paciente é normalmente
muito magro. Inquieto e ansioso.
Spongia: Parece que o coração está ficando maior, grande demais para o
peito, como se fosse arrebentar. Piora ao deitar. Friorento e piora com
qualquer vento. Dormência no braço ou na mão.

QUEIMADURAS

Queimaduras podem ser causadas pelos efeitos diretos do calor


(queimaduras térmicas) e por produtos químicos, eletricidade (incluindo
luz) e radiação. Queimaduras de radiação podem vir da luz do sol
(ultravioleta), raios X e outras formas de radiação penetrante. Com exceção
da dor, outros fatores a considerar são choque, paradas cardíacas ou
respitórias (por choques elétricos) e infecção, incluindo tétano.
Medicamentos homeopáticos trabalham para reestabelecer o equilíbrio.
Ajudam a aliviar a dor, prevenir futuros danos aos tecidos, promover a cura
e estimular o corpo a combater a infecção.
CLASSIFICAÇÃO DAS QUEIMADURAS

Primeiro grau: Limita-se ao avermelhamento da pele. Há sensibilidade, dor


e às vezes inchaço. Essas queimaduras afetam a camada externa da pele. O
tecido normalmente se reconstrói sozinho em menos de duas semanas.
Segundo grau: Avermelhamento e bolhas. A camada externa e algumas das
camadas internas da pele são afetadas. O tecido ainda é capaz de se
regenerar.
Terceiro grau: Queimadura profunda que lesiona toda a espessura da pele.
Em muitos casos não há bolhas. Depois do ferimento inicial, dor intensa
pode não estar presente porque as terminações nervosas foram destruídas.
A pele pode parecer chamuscada e pode ficar insensível a picadas de
agulha.

MEDICAMENTOS PARA QUEIMADURAS

*Cantharis (30-200 CH): Primeira opção. Alivia a dor e ajuda a prevenir a


formação de bolhas. Útil também para choques iniciados por queimaduras
e para quando os rins são afetados, com urina dolorida e urina com sangue.
A essência diluída pode ser usada externamente (ver "Tratamentos
externos para queimaduras" nesta seção).

Causticum (6-30 CH): Para queimaduras profundas. Também para doenças


resultantes de queimaduras ou para quando o corpo não consegue curar
queimaduras rapidamente. Queimaduras na língua (também Arsenicum).
Calendula (30-200 CH): Excelente para queimaduras muito dolorosas.

Urtica urens: Queimaduras intensas, ardentes e com coceira.

Rhus toxicodendron: Muitas bolhas, coceira, piora com frio, friorento e com
sede.

Kali bichromicum: Para queimaduras com destruição da pele.

Hypericum (30-200 CH): Para dor extrema e dor que melhora com
aplicação fria ou ar frio. Confusão mental, irritabilidade (uma essência
diluída pode ser usada externamente. Ver adiante.).
Echinacea tincture: Dez gotas internamente a cada hora ajudam a prevenir
infecção.
Garbo vegetabilis: Pulmões feridos por respirar ar quente.
Hepar sulphur (6 CH): Com formação de pus. Administrar a cada quatro
horas para infecções pós-queimaduras. Pode também ser administrado
para prevenir infecção.
Arsenicum album: Para prevenir gangrena. Dores ardentes alividas pelo
calor, bolhas que escurecem, exaustão, ansiedade, inquietação, calafrios e
sede. Também para queimaduras na língua (também Causticum).

QUEIMADURA DE SOL

*Belladonna: Ingerir a cada duas horas, se necessário. Rosto e cabeça


vermelhos, quentes e latejantes. Piora com luz, barulho, nervos abalados,
deitado ou com vento na cabeça. Se estiver com sede, a pessoa deseja
limonada.
*Cantharis: Queimadura grave com dor aguda aliviada pelo frio. Muitas
bolhas na pele. Inquieto, sedento. Pupilas dilatadas. Os objetos parecem
amarelos. Dor ardente ao urinar.
Urtica urens: Dor ardente, aguda e coceira. Piora após o sono, com toque ou
aplicação de água. Melhora se estiver deitado.
Pulsatilla: Muita coceira, que piora com o calor. Melhora com aplicações
frias. Sem sede. Deseja ar fresco. Emotivo e chora facilmente.
Apis: Edema (inchaço dos tecidos) com dor aguda. Micção difícil,
eliminação de urina reduzida. Melhora com aplicações frias. Sem sede.
Inquieto ou sonolento. Piora com calor, bebidas quentes e com toque.

Externamente: aplique a essência diluída de Urtica urens ou Hypericum,


4 gotas em 5 gotas de água. Outra opção é aplicar chá gelado ou iogurte
natural.

QUEIMADURAS POR RADIAÇÃO

TRATAMENTOS EXTERNOS PARA QUEIMADURAS


Essência de Cantharis: Diluir uma medida para dez medidas de água. Um
curativo de algodão molhado é levemente aplicado sobre a queimadura.
Mantenha os curativos molhados com a solução.
Essência de Urtica urens: Diluir uma medida para dez medidas de água. Um
curativo de algodão molhado é levemente aplicado sobre a queimadura.
Mantenha os curativos molhados com a solução.
Essência de Hypericum: Diluir uma medida para dez medidas de água.
Quando há muita dor. Oleo de Hypericum é outro excelente tratamento.
Essência de Hamamelis: Para queimaduras de primeiro grau. Um curativo
de algodão com a essência de Hamamelis diluída deve ser aplicado e
mantido úmido.
Essência de calendula (diluída): Banhe a área queimada para promover
cura e prevenir cicatrizes.
Óleo de vitamina E ou óleo de gérmen de trigo: Excelente para aliviar a dor.

QUEIMADURAS QUÍMICAS

Cantharis e Causticum são úteis para queimaduras químicas.

Com exceção dos medicamentos, algumas medidas de primeiros


socorros podem ajudar a vítima.

1.Primeiro, banhe a área imediamente com grande quantidade de água


fria. Remova qualquer roupa que tenha produto químico. Ver se a
embalagem do produto químico tem instruções específicas para
primeiros socorros.
2.Se você sabe que foi uma queimadura com ácido, então aplique uma
pasta de bicarbonato de sódio ou solução de sabão ou amônia
bastante diluída. Se a queimadura for de ácido carbólico, banhe a área
com álcool diluído.

Se um alcalino - como lixívia, amônia, ou cal - causou a queimadura,


podem ser aplicados vinagre ou suco de fruta diluído.

PARADAS CARDÍACAS OU RESPIRATÓRIAS ASSOCIADAS A QUEIMADURAS


POR CHOQUES ELÉTRICOS

Administrar Arnica ou Phosphorus junto com os seguintes


procedimentos.

Parada respiratória: Pode haver parada respiratória depois de


queimaduras por choque elétrico. Inicie imediatamente respiração boca a
boca.

Parada cardíaca: Depois de um choque elétrico, o coração pode parar de


bater. Inicie imediatamente a reanimação cardiorrespiratória (RCP). Esse
processo envolve respiração boca a boca alternada com massagem sobre a
terceira parte do esterno para fazer o coração bater artificialmente. Oito
massagens no esterno para cada respiração boca a boca é uma relação
sugerida.

CHOQUES POR QUEIMADURAS

O início do estado de choque é indicado por inquietação, sede, ritmo de


pulsação alto e desmaio ao sentar-se. Se o estado de choque acontecer, o
paciente vai apresentar rosto pálido, suor frio, mãos e pés frios, pulsação
fraca, ansiedade, respiração rápida, inquietação, confusão e reduzida
eliminação de urina.

Aconitum: Estado de choque com grande medo da morte.

Garbo vegetabilis: Quando há muita perda de sangue.

Arnica: O paciente insiste que está bem, mas recusa-se a ser tocado.

Cantharis: Estado de choque após queimadura.

QUEIMADURAS - PREVENÇÃO DE TÉTANO


Hypericum: Tem sido utilizado tanto para dor quanto para a prevenção
do tétano.

QUEIMADURAS, INFECÇÕES POR

Como as bactérias se desenvolvem em tecido morto ou lugares quentes,


queimaduras são campos férteis para infecções.

Hepar sulphur (6 CH): Três vezes ao dia para prevenir infecção.

Pyrogenium: Caso a infecção se desenvolva.

QUIMIOTERAPIA, EFEITOS COLATERAIS DA

Os efeitos colaterais da quimioterapia incluem queda de cabelo, náusea,


vômito, alterações de apetite, problemas de coagulação, fadiga e infecções.
Também danos ao coração, rins ou pulmões.
Os medicamentos a seguir podem ajudar o corpo a ser recuperar de sua
toxicidade.

*Cadmium sulphur: Principal medicamento para efeitos colaterais da


quimioterapia - exaustão, náusea violenta e fraqueza. Implora por
pequenas bebidas geladas, que são imediatamente vomitadas.

*Ipecacuanha: Náusea constante não aliviada pelo vômito. Salivação


excessiva, língua clara (não revestida).
Nux vomica: Náusea e vômito com estado mental irritado e muito sensível.
Friorento e constipado.
Cinchona: Estômago cheio de gases. Vomita alimentos indigestos. Piora
com vento e depois de comer.
Arsenicum: Náusea e vômito com dores ardentes. Dores ardentes aliviadas
pelo calor. Extremante ansioso e muito inquieto. Exausto até com o menor
esforço. Não quer ficar sozinho. Sente sede por pequenos goles.

RADIAÇÃO, DOENÇAS POR

As doenças por radiação são caracterizadas por náusea, vômito, diarreia


com sangue, exaustão, empolamento da pele, ulceração das membranas
mucosas, sangramento do nariz, boca e reto, contusões, escamação da pele,
feridas abertas na pele e perda de cabelo.

*Cadmium sulphur: Náusea terrível. Vômito preto. Também vomita muco


verde, sangue ou uma substância que parece café. Sente muito frio e não
consegue se aquecer. Círculos azuis em volta dos olhos. Fezes pretas com
sangue e desagradáveis. Extrema exaustão.

*Ipecacuanha: Náusea constante não aliviada por vômito. Fezes pegajosas


com sangue. Sangramento dos pulmões com náusea. Língua clara. Olheiras
azuladas em volta dos olhos. Muita salivação. Sem sede. Melhora ao ar livre,
com descanso, pressão e fechando os olhos. Piora com o mais leve
movimento e com calor.
*Phosphorus: Sangramento vermelho intenso em qualquer orifício. Deseja
bebidas geladas, mas as vomita depois que elas se aquecem no estômago.
Alta sensibilidade a barulho, odores e luzes. Assusta-se facilmente. Medo de
ficar sozinho. Diarreia exaustiva. Sente que vai morrer. Piora ao deitar do
lado esquerdo.
Arsenicum: Ansioso, friorento, inquieto, exausto e sedento por pequenos
goles. Dores ardentes aliviadas por calor. Medo de ficar sozinho. Piora
depois da meia-noite.

RADIAÇÃO, EXPOSIÇÃO A

Exposição a radiação: Cadmium sulphuricum ou raios X homeopático.


Queimaduras de radiação: Raios X homeopáticos, Phosphorus, Ácido
fluorídrico ou Radium bromide.

RAIVA

A raiva é um vírus, normalmente transmitido pela saliva durante a


mordida de um animal. Também pode ser contraída pelo contato com
membranas mucosas ou uma ferida aberta. Após a infecção, os sintomas
ocorrem em qualquer lugar, de dez dias a mais de um ano. Os sintomas
começam com depressão mental, fraqueza, inquietação e febre. Excitação
extrema, salivação e espasmo de dor na laringe seguem. Os espasmos
dificultam beber e o paciente recusa líquidos, apesar de ter muita sede. O
paciente pode morrer em três a cinco dias por causa da asfixia, paralisia ou
exaustão.

Observação: se possível, observe o animal que mordeu o paciente. Se ele


não desenvolver sintomas dentro de dez dias, provavelmente não tem
raiva.

PREVENÇÃO DA RAIVA

Só deve ser usado se a mordida for de um animal raivoso ou se houver


possibilidade disso: Hydrophobinum (30 CH) três vezes por dia durante
uma semana seguido de Belladonna (3 CH) duas vezes por dia durante seis
meses.

Observação: quando usar um medicamento por períodos extensos, é


melhor dissolvê-lo em uma garrafa com água e usar doses em metade de
uma colher de chá. Bata a garrafa dez vezes contra um livro ou uma mesa
antes de cada uso. Se você desenvolver uma reação ao medicamento,
interrompa por uma semana e tente novamente.

MEDICAMENTOS PARA A RAIVA


*Hydrophobinum: O tratamento pode iniciar com este nosódio de
hidrofobia. Seguir com os medicamentos apropriados.
*Belladonna: Rosto vermelho, quente e suado. Veias do pescoço salientes.
Tem sede, mas não consegue engolir a água. Delírio, convulsões, dá golpes,
mordidas e cospe. Piora com luz, barulho ou nervos abalados.
*Stramonium: Não suporta ver água ou qualquer objeto brilhante. Não
consegue beber. Delírio, convulsões. Medo da escuridão e de ficar sozinho.
Melhora com luz. Acorda gritando.
*Hyoscyamus: Músculos contorcidos. Insônia. Muita sede, mas não
consegue engolir. Muita transpiração. Falante (ou muito quieto), ciumento
e desconfiado. Mexe as mãos e pega coisas. Piora com toque.
Cantharis: Sensações de coceira e ardência. Raiva e convulsões. Piora ao ver
água ou objetos brilhantes.
Lachesis: Rosto vermelho, delirante, muito falante, piora com calor e depois
de dormir, difuldade de engolir, principalmente líquidos, sensível ao mais
leve toque, não suporta nada apertado em volta do pescoço ou da cintura. A
língua treme tanto que o paciente não consegue colocá-la para fora.

RESFRIADO COMUM (CORIZA)

Aconitum: Se o resfriado começar depois de exposição ao ar frio ou vento.


Os sintomas aparecem rapidamente e incluem febre, pele seca e quente,
muita sede por água gelada, rosto vermelho (às vezes, pálido ao acordar),
inquietação e ansiedade. Esse medicamento normalmente funciona nas
primeiras 24 horas.
Belladonna: Os sintomas aparecem rapidamente e de forma intensa, como
com Aconitum. O rosto fica quente e vermelho, os olhos injetados de
sangue e opacos, há febre alta e garganta vermelha e dolorida. O paciente
pode implorar por limonada. Piora com luz, barulho e nervos abalados.
Pode sentir sede ou não. Quando a febre está muito alta, pode haver
delírios. Belladonna normalmente acompanha Aconitum.
Ferrum phosphoricum: Os sintomas começam devagar e são um tanto
vagos ou gerais. O paciente sente-se doente, mas não há sintomas claros
ainda. O rosto alterna entre vermelho e pálido. Melhora deitando-se ou com
aplicações frias. Piora entre quatro e seis horas da manhã, à noite e com
bebidas geladas.
Allium cepa: O nariz escorre facilmente com uma secreção nasal fina, clara
e ardente. Os olhos lacrimejam muito. Muitos espirros. Melhora com frio, ar
fresco e movendo-se. Piora em um quarto quente e depois de descansar.
Coceira na laringe. Resfriados que começam depois de exposição à
umidade, tempo frio.
Kali bichromicum: Secreção nasal amarelo-esverdeada, espessa, pegajosa.
Desconforto nos sinus e crônica secreção de muco. Muco tampa o nariz.
Espirros violentos que pioram de manhã. Tosse com muco espesso (piora
de manhã). Sensação de ter cabelo na parte de trás da língua ou das
narinas. Cansado e quer ficar deitado. Melhora com calor, movimento e
pressão.
Nux vomica: Irritável, friorento, supersensível a barulho, luzes, odores ou
crítica. O nariz escorre durante o dia, mas fica entupido à noite. Calafrios
quando fica descoberto ou quando se move. Mesmo durante a febre com
corpo quente, o paciente não pode ser descoberto. Tendência a constipação
com pressão ao defecar. Não consegue dormir entre três e cinco horas da
manhã. Melhora com calor, cobertor e cochilo. Piora com frio, de
madrugada, descobrindo-se, ventos, barulho, odores e pressão das roupas.
Pulsatilla: Muco espesso, amarelo-esverdeado e brando (não irritante).
Praticamente sem sede. Implora por ar fresco. Não suporta um quarto
abafado e quer uma janela aberta mesmo quando sente frio. Deseja
companhia e apoio. Tosse úmida de manhã e tosse seca à noite.
Arsenicum album: Secreção aquosa no nariz, que irrita as narinas. O
paciente fica muito friorento, inquieto, ansioso e deseja companhia com
frequência. Sente sede com frequência por pequenos goles de água.
Mercurius: Hálito desagradável, língua flácida (às vezes, com marcas dos
dentes), excesso de saliva (pode babar), muita sede, secreção nasal verde-
amarelada que irrita as narinas. Às vezes há muco manchado de sangue. O
paciente transpira muito e depois disso sente-se pior. Tosse seca. Piora à
noite.

RETENÇÃO URINÁRIA

Há diversas causas para incapacidade de urinar, incluindo próstata


inflamada, espasmos, paralisia da bexiga, infecções e tumores.

*Arnica: Após lesões ou esforço físico excessivo. Também associado à


disenteria. Retenção dolorosa.

*Apis: Associado a edema, total perda de sede, sonolência ou coma e dores


ardentes e agudas aliviadas pelo frio. Urina brilhante. Problemas renais,
próstata dilatada. Piora com calor, toque ou após o sono.
*Arsenicum: Ansioso, inquieto, friorento, exausto e sedento por pequenos
goles. Dores ardentes paradoxalmente aliviadas pelo calor. Pode ocorrer
sem vontade alguma de urinar. Melhora com calor.
*Cantharis: A urina (às vezes com sangue) é eliminada em gotas com
sensação ardente dolorosa. Vontade dolorosa de urinar com espasmos. Dor
escaldante durante a micção. Piora com toque e ao beber água gelada ou
café. Sede ardente, mas aversão a líquidos.
*Terebinthina: Urina brilhante ou com sangue é eliminada em gotas, com
dor aguda. Por causa de um espasmo da uretra ou da bexiga. Melhora ao
movimentarse. A urina tem cheiro de violetas.
*Belladonna: Início súbito e intenso. Dores pulsantes ou cortantes e
sensação de calor. Urina escura, turva ou com sangue. Provocada por
paralisia da bexiga ou infecções agudas. Agitado mentalmente. Piora com
luz, barulho, nervos abalados, vento, frio ou companhia.
*Aconitum: Após exposição ao frio ou por causa de febres, principalmente
em crianças. Início súbito e violento.
*Nux vomica: Vontade ardente sem efeito. Friorento, irritado, nervoso,
hipersensível a barulho, luzes e odores. Constipado com vontade de
defecar. Deseja comida apimentada, estimulantes ou gorduras. Piora pela
manhã, com frio, descoberto ou com a pressão das roupas.
Opium: Depois de um susto. Também é útil para crianças em amamentação
e após operações. Sonolento, suor quente, sede ardente, mas sem apetite.
Causticum: Retenção de urina após o parto ou operações cirúrgicas.
Também depois de queimaduras na pele ou no tecido. É mais fácil urinar
quando está sentado. Dor ardente durante a micção.

Conium: Urina quente, que para e começa. Deve ficar em pé para urinar.
Sua durante o sono. Após lesões na coluna. Próstata inflamada. Deseja sal,
comidas amargas ou café. Aversão a companhia.
Gelsemium: Após um susto. Início lento. Pouca ou nenhuma sede. Rosto
corado. Os membros ficam pesados. Sonolento, pálpebras caídas.
Tremedeira.
Lycopodium: Dores do lado direito. Sedimentos na urina que parecem areia
vermelha. Deve fazer força e gritar antes de urinar. Piora das quatro às oito
horas da noite. Melhora ao movimentar-se, com comidas ou bebidas
quentes, se ficar descoberto ou com aplicações frias. Piora em um quarto
quente ou com a pressão das roupas.
Pareira brav: Vontade constante e esforço com dor descendo pelas coxas.
Deve apoiar-se nas mãos e nos joelhos e pressionar a cabeça no chão para
urinar. Micção dolorosa. A urina tem cheiro de amônia.
Rhus toxicodendron: Após esforço ou exposição a tempo úmido e frio.
Inquieto e sedento.
Plumbum: Sensação de que uma corda atravessa a coluna até o abdômen.
Abdômen contraído. Constipação com fezes duras e escuras. Melhora com
muita pressão e atrito. Arrotos malcheirosos. Vômitos marrons líquidos ou
matéria fecal. Muito friorento e melhora com calor.
Hyoscyamus: Muito falante ou silencioso, desastrado com as mãos e belisca
o rosto e as roupas. Músculos contorcidos. Piora com toque, frio ou deitado.
Veratrum album: Durante cólera. Exaustão, muito frio, diarreia, suor frio na
testa.

SARAMPO

O sarampo é uma doença virai muito contagiosa que é disseminada por


gotículas do nariz, da boca ou da garganta. Os sintomas incluem febre,
tosse, inflamação da garganta, inflamação dos olhos com sensibilidade a luz
e erupção cutânea. Um sinal característico é o aparecimento de bolinhas
brancas, como grãos de sal, dentro da boca (pontos de Koplik). Isso é
seguido três ou cinco dias depois por erupção cutânea característica
começando em frente e abaixo das orelhas e no pescoço, logo espalhando-
se para o tronco e extremidades. A febre pode atingir 40 graus.

PREVENÇÃO DO SARAMPO
Morbillinum nosódio (30 CH uma vez por semana) ou Malandrinum (30
CH uma vez por semana) ou Pulsatilla (12 CH uma vez por dia).

MEDICAMENTOS PARA O SARAMPO

*Aconitum: Use quando os sintomas começarem a aparecer. Febre alta


repentina, pele seca quente e ardente, tosse seca, sede extrema,
inquietação, grande ansiedade e aversão a luz. Pulsação plena e rápida.
Melhora depois de suar.
*Belladonna: No início, com começo repentino. Pele vermelha, quente,
olhos injetados de sangue, transpiração quente. Sonolento, mas não
consegue dormir. Tosse seca. Às vezes, tem espasmos musculares ou
convulsões.

*Ferro phosphoricum: Inicia lentamente, com febre baixa. Rosto alternando


entre vermelho e pálido. Inquieto. Cansado, mas falante. Sedento, suado.
Piora à noite e entre quatro e seis horas horas da manhã. Quando nenhum
outro medicamento é claramente indicado.
*Pulsatilla: Febre baixa, piora em um quarto quente, implora por ar fresco.
Sem sede. Deseja companhia e apoio. Chora facilmente. Olhos aquosos.
Excreções brandas amarelo-esverdeadas no nariz.
Bryonia: Erupções pálidas ou não completamente desenvolvidas. O
paciente piora com qualquer movimento e quer ficar perfeitamente imóvel.
Sintomas respiratórios com tosse seca e dolorosa. Sedento por grandes
quantidades de bebida gelada. Irritável.
Gelsemium: Sonolento, sensação de membros pesados, pálpebras caídas,
rosto enrubescido, sem sede. Melhora após transpiração.
Enxofre: Erupções aparecem por último. Coceira e piora com calor. Melhora
ao ar livre. Diarreia por volta das 11 horas da manhã. Vermelhidão ao redor
dos olhos, da boca e do nariz. Língua branca com ponta e bordas vermelhas.
Euphrasia: Lágrimas quentes e ardentes com secreções brandas no nariz.
Rhus toxicodendron: Grande inquietação, muita sede, sente dor por todo o
corpo. Friorento e melhora com calor. Sente-se temporariamente melhor
ao se mover.
Arsenicum: Exausto, friorento, inquieto e muito ansioso. Sede frequente
por pequenos goles. Piora entre meia-noite e três horas da manhã.
Sensações de ardência aliviadas pelo calor.
Kali bichromicum: Dor de garganta se estende para o ouvido. Piora entre
duas e cinco horas da manhã. Muito friorento. Muco amarelo, espesso e
fibroso.
Silica: Tosse persistente após o sarampo.
Apis: Se ocorrer meningite como uma complicação. Piora com calor. Grita
estridentemente.

SEIOS, ABSCESSOS NOS

Infecções como essas ocorrem quando uma bactéria entra nos seios
através de uma abertura na pele, normalmente no mamilo. Os sintomas
incluem dor e inchaço nos seios, secreções no mamilo (às vezes pus),
aumento das glândulas linfáticas sob o braço, próximo aos seios, e febre.
Esses abscessos normalmente são encontrados em mulheres em fase de
amamentação. Dor e inchaço nos seios fora da fase de amamentação podem
indicar outros problemas e um médico deve ser consultado.

*Bryonia: Quente, duro, dolorido, mas não muito vermelho. Dor que piora
com o mais suave movimento.

*Belladonna: Seios pesados, listras vermelhas irrandiando a partir de um


ponto, dores latejantes. Piora deitando-se ou sendo sacolejado.
*Phytolacca: Seios duros e sensíveis. Dor irradia do mamilo para o resto do
corpo quando amamenta. Manchas roxas (também Lachesis). Úlceras com
pus. Piora com frio.

Hepar sulphur (6 x ou 6 CH): Quando pus começa a ser formar. Piora com o
mais leve movimento e com frio ou vento.
Silica: Ulceração com secreção de pus. O paciente fica magro, friorento,
exausto.
Mercurius solubilis: Pus manchado de sangue. Transpiração, calafrios e
saliva em excesso. Piora em um quarto quente, à noite e depois de suar.
Lachesis: Seios inflamados, cor púrpura. Piora depois de dormir. Frio à
noite, mas tem acessos de calor durante o dia.

SEIOS, FERIMENTOS NOS

Estes medicamentos podem ser utilizados depois de qualquer ferimento


ou ferida por perfuração nos seios. Podem ajudar a prevenir complicações
e também são eficazes após biópsias ou mamografias.

Bellis perennis: Uma boa escolha para qualquer ferimento nos seios.
Também se o ferimento deixar uma área endurecida sob a pele que seja
sensível ao toque.

Conium maculatum: O ferimento deixa a área endurecida, que melhora com


forte pressão.
Arnica: Se Bellis e Conium não estiverem disponíveis.
Ledum: Após feridas por perfuração e biópsias. Acompanhado por Bellis ou
Conium se os sintomas indicarem.
SINUSITE

Inflamação da mucosa de sinus (espaços ocos) na cabeça. Os sintomas


podem incluir dor de cabeça (normalmente quando acorda), pálpebras
inchadas, dor entre os olhos, congestão nasal ou rinorreia, dor na
mandíbula, nos dentes ou nas bochechas, inchaço em volta dos olhos,
gotejamento pós-nasal (que causa dor de garganta), dor de ouvido, febre ou
fraqueza. As causas incluem bactéria, vírus, fungos e alergias (para
substâncias transportadas pelo ar, medicamentos, químicos etc.).

A sinusite aguda normalmente é provocada por um resfriado e dura


cerca de três semanas. A sinusite crônica pode durar meses ou anos e
requer tratamento por um homeopata profissional. Os medicamentos a
seguir podem oferecer alivio para a sinusite aguda.

*Kali bichromicum: Muco verde-amarelado espesso, pegajoso e fibroso.


Gotejamento pós-nasal. Inabilidade de respirar pelo nariz e perda do olfato.
Dor aguda da raiz do nariz até o olho. Enxaqueca, principalmente sobre os
olhos. Piora com frio, umidade, após dormir, após comer e das duas às
cinco horas da manhã.

*Hydrastis: Sinusite normalmente após um resfriado. Muco amarelo


espesso e pegajoso (às vezes branco). O ar parece frio no nariz. Sensação de
cabelo na narina direita. Constipação. Piora ao inalar ar frio e seco e ao
comer pão. Piora à noite.
*Mercurius vivus: Muco verde-amarelado, às vezes com sangue. Narinas
ficam esfoladas. O paciente transpira muito e fica pior depois. Dor de
cabeça com sensação de uma faixa apertada em volta da cabeça. Dor na raiz
do nariz. Deseja bebidas frias. Piora à noite, com calor ou frio (melhora com
temperatura moderada), ao deitar do lado direito e com ventos.
*Pulsatilla: Muco verde-amarelado sem irritação, principalmente pela
manhã. Dor de cabeça, que melhora quando caminha ao ar livre. Sem sede.
Choraminga. Deseja pasta de amendoim. Piora com calor, alimentos ou
bebidas quentes, ao deitar-se e quando come comida gordurosa. Melhora
com frio, alimentos e bebidas frias, ar fresco, ao sentar-se, com companhia
e compaixão.
Thuja: Muco verde-amarelado espesso com sangue ou pus. Piora após o
café da manhã. Normalmente em pacientes com asma ou verrugas. Sem
apetite. Não gosta de cebola ou alho e fica enjoado com cebola. Piora com
frio e clima úmido. Piora à noite, às três horas da manhã e às três horas da
tarde. Piora com café, chá, comidas gordurosas e doces.
Silica: Friorento, sempre se encolhe, piora com vento. Constipado com fezes
que recuam após esforço. Sua à noite na parte superior do corpo. Sua nas
mãos e nos pés. Cascas secas e duras no nariz que sangram quando são
arrancadas. Tímido, porém teimoso. Falta de confiança e teme o fracasso.
Melhora com calor e ao cobrir a cabeça. Piora com ar frio, ventos, estresse
mental e ao deitar do lado esquerdo.
Arsenicum: Secreções ralas, aquosas e ardentes que irritam as narinas.
Muito ansioso quanto à saúde, inquieto, friorento, fatiga-se com o mínimo
esforço, sede por pequenos goles de água. Afeta pacientes com asma. Piora
da meia-noite às três horas da manhã. Dores ardentes aliviadas pelo calor.
Piora com frio, bebidas ou comidas frias, umidade, esforço ou ao ficar
sozinho. Melhora com calor, ar fresco, companhia, ao caminhar ou sentar-
se.
Kali iodatum: Piora com calor e sente-se melhor ao caminhar ao ar livre.
Olhos inchados com ardência nos olhos e sinus. Piora com calor, umidade, à
noite, com comida fria e trocas de temperatura. Piora no período da noite e
de manhã cedo. O muco normalmente é aquoso e ardente, mas pode ser
espesso e verde com mau odor. Pressão na raiz do nariz.
Hepar sulphur: Friorento e piora com frio e vento. Quer ficar coberto.
Qualquer parte dolorida também piora com frio, vento e com o mais leve
toque. Sinusite após resfriados. Muco goteja na garganta. Muco amarelo
espesso com cheiro de queijo velho. Tosse ou espirra quando o ar está frio.
Nux vomica: Friorento, tem frio quando se move, irritável, nervoso,
impaciente e constipado (tem de fazer pressão para defecar). Muito
sensível a luz, odores, sons ou críticas. Piora pela manhã, quando o ar está
frio, quando está descoberto, com pressão mental ou com a pressão das
roupas. Piora com café, estimulantes e superaquecimento. Nariz
congestionado com cheiro de queijo velho (também Hepar sulphur) ou
enxofre. Muco do nariz irrita as narinas.

TERÇOL

Um terçol é uma inflamação de uma glândula sebácea na borda da


pálpebra, com formação de pus e inchaço da pálpebra, com dor.
Compressas quentes são geralmente úteis.
Pulsatilla: Para o estágio inicial.

Staphysagria: Se Pulsatilla falhar ou se o terçol deixar um nódulo duro após


a cura.

Hepar sulphur: Com extrema sensibilidade ao frio, toque ou vento.

TÉTANO

O tétano é causado por uma neurotoxina que evita o relaxamento dos


músculos. Os músculos entram em forte espasmo. A fonte da toxina é uma
bactéria (Clostridium tetani), que entra no corpo através de um ferimento.
Os músculos próximos ao ferimento podem entrar em espasmo.
Posteriormente, há rigidez da mandíbula e do pescoço. A mandíbula fica
rígida e há dificuldade para engolir. Ocorrem espasmos dos músculos
doloridos das costas, braços, pernas e rosto. Há febre alta, sede e uma
expressão selvagem e entusiasmada com sorriso fixo e sobrancelhas
elevadas. Os pacientes podem ser sensíveis ao mínimo vento ou barulho, o
que provoca convulsões dolorosas com muita transpiração.

PREVENÇÃO

Ledum: Use 30 CH a cada 12 horas ou Ledum 200 CH uma vez por dia
durante dois dias, seguido por Hypericum.
Hypericum: Use 30-200 CH, conforme necessário.

Magnesia phosphorica é outra opção.

MEDICAMENTOS PARA TÉTANO

Hypericum: Dor extrema no local do ferimento.

Aconitum (30-200 CH): Muito medo com dormência e formigamento.


Belladonna: Rosto corado, delirante com olhar selvagem. Início rápido dos
sintomas. Piora com barulho, vento ou nervos abalados.
Essência de passiflora: Usar diluída, 10 gotas duas ou três vezes por dia.
Pescoço e ombros rígidos, dificuldade respiratória, rosto deformado em um
sorriso.
Nux vomica: O paciente fica consciente, com o rosto distorcido e o corpo
inclinado para trás. Espasmos provocados por luz, barulho ou toque. Muito
friorento.
Stramonium: Convulsões desencadeadas ao ver um objeto brilhante.
Ranger de dentes, mãos trêmulas, terror.
Ácido cianídrico: Dificuldade respiratória, aperto no peito, sensação de
asfixia. Lábios e pele azuis. Espuma pela boca, mandíbulas contraídas,
corpo inclinado para trás e rosto distorcido.

Camphora (essência para 6 x): Frio congelante por todo o corpo, mas se
recusa a cobrir-se. Cantos da boca repuxados, mostrando os dentes.
Observação: manter a essência de Camphora bem distante de outros
medicamentos, pois seu vapor pode servir como antídoto se ficarem
expostos a ela.
Cuprum metallicum: Mãos contraídas, polegares contraídos, espuma na
boca. Membros contraídos, muita náusea. Rosto e lábios azuis, mandíbulas
contraídas, perda de consciência.
Lachesis: Os sintomas surgem após o sono. Parece que a garganta está se
fechando. O paciente não suporta nada que toque a garganta.
Extremamente falante nos estágios iniciais. Rosto azul. O ferimento fica
roxo.
Veratrum album: Estado de quase colapso. Suor frio na testa, mão e pés
encolhidos, o paciente não consegue respirar.

TIFO

Tifo é uma doença contagiosa aguda transmitida por piolhos e


carrapatos. Os sintomas incluem início súbito de forte dor de cabeça, dor
nas costas e nos membros e extrema fraqueza. A febre aumenta para 41
graus em alguns dias e continua assim. A pulsação é rápida e fraca. A língua
fica revestida e enrolada na parte de trás da boca. O paciente apresenta
manchas azuladas no abdômen que não desaparecem compressão. As
pupilas ficam contraídas. Depois há estupor e delírios.

PREVENÇÃO

Baptisia ou Rhus toxicodendron.

MEDICAMENTOS PARA TIFO

*Rhus toxicodendron: Inquieto, extremamente friorento, sedento por


bebidas frias. Dor nos músculos ou nas articulações, que pioram com
descanso, frio e à noite. Ansioso à noite. Bochechas vermelhas. Língua
vermelha e seca com um triângulo vermelho na ponta. Durante os delírios,
o paciente responde a perguntas lentamente. Dorme com muito esforço.
*Baptisia: Parece intoxicado. Muita fraqueza. Rosto quente e corado. Cai de
sono enquanto estão falando com ele. Pálpebras caídas (Gelsemium
também). Confuso como se estivesse bêbado. O corpo fica dolorido,
principalmente as partes sobre as quais está deitado. Fezes malcheirosas.
Sensação de que o corpo está espalhado sobre a cama. Enxaquecas e
pesadelos. A língua fica marrom no centro, com bordas vermelhas. Úlceras
na boca. Sede por grandes quantidades de bebida.

*Arsenicum: Extrema ansiedade, medo da morte. Agitação, sede por


pequenos goles, muita exaustão. Rosto pálido, olhos fundos, diarreia, dores
ardentes que melhoram com o calor, lábios secos. Língua preta a marrom, o
peito fica pesado e é difícil respirar. Pele ardente com pequenas marcas
vermelhas. Medo de ficar sozinho.
*Phosphorus: Quando o ataque vai para o coração ou para os pulmões.
Dificuldade respiratória, dor nos pulmões, tosse muco com cor de ferrugem
ou com listras vermelhas brilhantes. Pneumonia. Piora deitado sobre o lado
esquerdo. Deve deitar-se sobre o lado direito. Dor nos braços e nas pernas.
Suor noturno abundante. Dores ardentes. Ondas de calor no rosto. Deseja
bebidas geladas, que podem ser vomitadas pouco depois de ingeridas.
Medo de ficar sozinho ou no escuro. Não repetir o medicamento muitas
vezes.
*Mercurius: Glândulas linfáticas inchadas, excesso de saliva, língua flácida
com a marca dos dentes, mau hálito. Transpiração abundante (que não
alivia), sede intensa, fezes com listras de sangue, friorento. Piora com o
calor da cama e à noite.
Lachesis: Piora após o sono, tendência a hemorragias de sangue escuro.
Piora com toques leves, não suporta a pressão das roupas em volta do
pescoço ou da cintura, a língua treme. Pode ficar muito falante. Desconfiado
e acha que está sendo envenenado. Semicomatoso.
Bryonia: Piora com qualquer movimento, deita-se imóvel, durante os
delírios pede para ir para casa, conversa sobre negócios. Fica irritado se for
perturbado e tem sede por grandes bebidas geladas. Língua branca com
gosto amargo na boca. Tosse seca com dores no peito. Desmaia quando
senta.
Belladonna: Delírios com mordidas, pancadas ou cuspe. Rosto vermelho e
quente, pupilas dilatadas, tosse seca durante a noite, cabeça latejante.
Incontinência do intestino e da bexiga.

TORÇÕES

Uma torção é uma lesão do ligamento ao redor de uma articulação. Os


sintomas incluem dor, inchaço e, às vezes, hematomas.

*Arnica: Imediatamente após a lesão.

*Rhus toxicodendron: Rigidez e dor, que piora após descansar e melhora


com movimento contínuo. Deve mudar de posição constantemente.
Bryonia: Piora com qualquer movimento, melhora com pressão e ao deitar
sobre a parte afetada.
Ruta: Tendões, principalmente no tornozelo, no calcanhar e no pulso.
Síndrome de movimentos repetitivos. Piora depois de descansar.
Hypericum: Quando os nervos estiverem danificados e houver muita dor.

TRISTEZA

Para tristeza e doenças provocadas por ela. A aflição é um meio natural


de descarregar traumas emocionais. No entanto, às vezes uma pessoa
prende-se à tristeza sem qualquer resolução. Os medicamentos a seguir são
úteis. Escutar com empatia e sem fazer julgamento é outra ferramenta
eficaz.

*Ignatia: Medicamento de primeira qualidade para os efeitos da tristeza,


perda e desilução amorosa. Pensa em silêncio, muitos suspiros, às vezes
histeria. Humor instável - ri e depois começa a chorar. Chora quando está
sozinho. Sensação de nó na garganta. Insônia, perda de apetite. Piora com
calor, café e cheiro de tabaco. Para doenças físicas que começam depois da
tristeza.

*Natrum muriaticum: Quando a tristeza fica crônica. O paciente é solitário,


introvertido. Vive dentro de sua cabeça, em vez de se relacionar com as
pessoas. Piora com apoio (fica com raiva ou chora). Piora com companhia.
É autossuficiente e raramente pede ajuda. Autocondenação e sentimentos
de culpa generalizada. Tem muita raiva por pequenas coisas. Guarda rancor
para sempre. Sensível à luz solar. Deseja sal.
*Aurum: Quando a tristeza se transforma em pensamentos de suicídio.
Grande sensação de dever que ele pensa que não cumpriu. Sentimentos de
culpa, autocondenação. Fala sobre suicídio. Desgosto pela vida. Apressado e
não consegue fazer as coisas de forma rápida o suficiente. Inexpressivo,
nervoso e piora com contradição. Soluça durante o sono. Melhora ao ouvir
música e ao pensar na morte.
*Ácido fosfórico: Apático, dá apenas respostas monossilábicas; destruído
emocional e mentalmente. Memória pobre e aversão a pensar. Olheiras
azuis em torno dos olhos. Deseja frutas, comidas suculentas ou bebidas
geladas. Dor no topo da cabeça. Melhora com calor. Piora com esforço físico
ou quando alguém fala com ele.

*Ambra grisea: Perda do amor à vida. Não suporta a presença de estranhos.


Muito tímido e acha que as pessoas estão rindo dele. Piora com presença de
estranhos, ao conversar e ouvir música. Melhora com comidas e bebidas
frias.
Cocculus: Esse estado, muitas vezes, resulta de períodos prolongados de
cuidados dispensados a pessoas amadas. Físico e emocionalmente
esgotado. Sofre muito com a perda de sono. Quando falam com ele, demora
bastante tempo para responder. Vertigem e enjoo. Friorento.
Causticum: Idealista, profundamente afetado pela injustiça, preocupa-se
com os outros, luta por causas. Ansioso no crepúsculo, medo do escuro,
deseja alimentos defumados. Friorento e melhora com calor. Melhora com
tempo chuvoso.

TUBERCULOSE

A tuberculose é uma doença contagiosa causada pela Mycobacterium


tuberculosas. É transmitida pela respiração de partículas infectadas ou ao
comer comida infectada. Geralmente afeta os pulmões, mas também pode
envolver outras partes do corpo.

Muitos pacientes no estágio incial (agudo) da tuberculose pulmonar não


apresentam sintomas, exceto febre e perda de peso. Outros,
particularmente crianças, experimentam sintomas como febre, sonolência,
fadiga e perda de apetite e de peso.

Pacientes com a fase crônica apresentam febre, fadiga, perda de peso,


suor noturno, tosse matinal com muco verde-amarelado, tosse de sangue,
dor no peito e dificuldade respiratória.

O tratamento da tuberculose crônica vai além do escopo deste livro. A


seguir estão alguns medicamentos para a fase aguda.

PREVENÇÃO

Drosera: Primeira opção.


Bacillinum: Melhor se receitado com acompanhamento profissional em
potência 1 M. Uma dose apenas!

ALGUNS MEDICAMENTOS PARA TUBERCULOSE AGUDA

Arsenicum: Exaustão com o mínimo esforço, extrema ansiedade, agitação e


mudança constante de posição. Sede de bebidas pequenas e frequentes,
calafrios, dores ardentes aliviadas pelo calor, diarreia. Piora da meia-noite
às três horas da madrugada.
Bryonia: Piora ao se movimentar, não consegue respirar profundamente
sem desconforto, língua branca e vômito depois da tosse, sedento por
bebidas geladas, irritável. Melhora ao deitar-se imóvel.
Cinchona: Transpiração exaustiva, principalmente, enquanto dorme. Sua
assim que fecha seus olhos. Piora com toque, frio, vento, fruta ou à noite.
Tosse quando respira profundamente, piora ao deitar-se sobre o lado
esquerdo, melhora ao se movimentar. Faminto à noite. Abdômen inchado
sem alívio ao arrotar. A mente fica ativa à noite.
Silica: Extremamente friorento e com muita sede. Transpira facilmente,
chulé. Tosse com cócegas. Tosse depois de ingerir bebidas geladas. Pus
malcheiroso. Piora com ar frio, vento, luz, barulho e se estiver descoberto.
Melhora se estiver coberto, principalmente a cabeça. Observação: não
utilize Silica para tuberculose inativa ou em remissão.
Bacillinum: Febre e fraqueza. Estimula as defesas do corpo contra a
tuberculose.
Baptisia: Febre, sonolência, pálpebras pesadas, cai de sono enquanto estão
falando com ele.
Belladonna: Rosto vermelho e quente, palpitações, delírios, enfia a cabeça
no travesseiro. Piora com barulho, luz ou nervos abalados.
Dulcamara: Os sintomas pioram em tempo frio e úmido. Muito friorento.
Melhora ao mover-se.
Ferrum phosphoricum: O rosto alterna entre corado e pálido. Os sintomas
surgem gradualmente. Tosse sangue.
Pulsatilla: Sem sede, sente-se sufocado em um lugar quente e anseia por ar
fresco. Deseja apoio e companhia, chora facilmente. Tosse aliviada quando
está sentado, piora ao deitar-se sobre o lado esquerdo e com o calor.
Enxofre: Sensações de calor e ardência. Sensação ardente nas mãos e nos
pés. Tosse seca. O paciente precisa sentar para recuperar o fôlego. Suor
noturno. Coceira na pele, que piora com calor. Melhora se for tomado em
uma única dose 200 CH e não for repetido.
Sanguinaria: Muito sensível a odores. Bochechas vermelhas e quentes.
Sensações ardentes. Garganta seca com muco espesso. Arrotos
malcheirosos provocados pela tosse. Tosse desencadeada por cócegas nas
costas ou no peito. O paciente sente-se desconfortável quando está deitado
e deve se sentar. Piora deitado sobre o lado direito, ao se movimentar, com
toque e entre duas e quatro horas da tarde.
Cimicifuga: Friorento, mas deseja ar fresco. Músculos doloridos,
principalmente no pescoço. Sensível ao vento e melhora quando está
coberto. Falante, triste. Tosse seca, suor noturno. Insônia.

ULCERAÇÃO

Congelamento de tecidos. Os sintomas são dores ardentes, sensibilidade,


dormência, vermelhidão e inchaço. Existem três graus de congelamento,
assim como há três graus de queimaduras. No primeiro grau, a pele fica
branca, fria e enrugada, com perda de sensibilidade. No segundo grau,
formam-se bolhas, que podem ser preenchidas com soro sanguíneo. No
terceiro grau de ulceração, o tecido começa a morrer. Para o terceiro grau
de congelamento, ver "Gangrena". Para o congelamento mais simples,
massageie suavemente com água fria (nunca quente!). Aplique pomada de
Calendula.

*Agaricus muscarius: Ardor e coceira, vermelhidão e inchaço. Sente algo


parecido com agulhadas frias. Piora com ar frio e toque.

*Secale: Aversão ao calor ou ao toque. Não quer que a parte dolorida fique
coberta. Sensação de ardor, que melhora com frio. Sente como se houvesse
formigas sob a pele. Hemorragias muito pequenas na superfície da pele.
Mais ansioso do que o estado de Agaricus.
Hepar sulphur: Se formar pus. Pele sensível ao frio, vento ou toque.
Crotalus horridus: Se houver risco de gangrena.

ÚLCERAS DA PELE

As úlceras têm diversas causas, entre elas, ferimentos, irritações por


produtos químicos, exposição ao frio ou ao calor, problemas circulatórios e
infecções por fungos ou bactérias. A seguir estão alguns medicamentos
importantes para ulceração da pele.

Arsenicum: O paciente fica ansioso, friorento, inquieto e com sede de goles


de água. A úlcera tem dor intensa e ardente (como fogo), que melhora com
calor. Há secreções verde-amareladas, finas e malcheirosas. A úlcera possui
margens elevadas, cresce e às vezes parece fria.
Garbo vegetabilis: O paciente fica friorento, mas mesmo assim deseja ar
fresco e quer ser ventilado. Pode haver inchaço do abdômen com arrotos. A
úlcera pode ser indolor ou ter dor ardente. Pode sangrar e ter um mau
cheiro. Úlceras em dobras da pele.

Hepar sulphur: O paciente fica irritado, muito friorento e não consegue se


esquentar. A dor da úlcera piora com o frio, vento, ou com o mínimo toque.
As dores geralmente parecem farpas (Ácido nítrico também). A úlcera fica
rodeada por espinhas cheias de pus. Sangra facilmente ao ser tocada e
libera pus, que cheira como queijo velho.

Lachesis: O paciente piora com calor e após o sono. Não suporta a pressão
de roupas apertadas, principalmente em volta do pescoço. A úlcera tem
coloração roxa. É dolorida, com uma margem escura e sensível ao toque.

Mercurius corrosivus: Ulceras muito vermelhas e profundas, secreções de


pus aquoso corrosivo. Cresce enquanto penetra e desintegra tecidos. O
paciente sua muito durante a noite. Pele fria e úmida, mas piora com calor.
Ácido nítrico: Secreção marrom e malcheirosa, dor como farpas (Hepar
sulphur também), sangra quando é tocada. Dor ardente e aguda, que piora
à noite. Úlceras planas com bordas elevadas e com reentrâncias. Secreção
fina e com sangue. O paciente fica friorento e piora com frio e toque. Fica
ansioso, reclama e fica irritado pela manhã.

Silica: Sensação de frio na úlcera ou dor ardente e aguda. Secreção


amarronzada. Melhora com calor. A úlcera demora a se recuperar. O
paciente fica pálido e magro, com pés e mãos úmidos. Chulé. Sensível a
barulhos, vento e frio. Melhora com calor. Muita sede.
Anthracinum: Dores ardentes muito fortes e secreção amarronzada e fina.
A lesão é azul ou preta. O paciente fica inquieto, exausto e pode sentir sua
própria morte.
Ácido fluorídrico: Dolorido, piora com calor e melhora ao tomar banho de
água fria. Piora à noite e melhora durante o dia. O paciente não suporta um
lugar quente, melhora com um pequeno cochilo e deseja comida
apimentada.

Mezerum: Crostas espessas e branco-amareladas com pus amarelo denso


por baixo. A úlcera coça e é brilhante e lustrosa. Espinhas em volta da
úlcera pioram com calor. O paciente fica ansioso quando está sozinho e
deseja companhia. Sente ansiedade no estômago. Deseja gordura.
Pulsatilla: Ardência como brasas quentes na úlcera. Coceira e dor fina. As
úlceras têm bordas duras e vermelhas. Secreção de pus amarelo-
esverdeado. Melhora com ar frio e banhos frios. O paciente deseja ar fresco.
Chora e deseja apoio. Pouca ou nenhuma sede.
Causticum: Úlceras que sangram e secretam fluido verde ou cinza, que
corrói os tecidos próximos. Espalha-se rapidamente. Dor ardente. O
paciente melhora com goles de água gelada e deseja alimentos defumados.

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DISTINTIVAS DAS ÚLCERAS DE PELE

Úlceras pretas: Arsenicum, Lachesis, Carbo vegetabilis, Anthracinum, Silica.

Rodeada por espinhas: Arsenicum, Carbo vegetabilis, Hepar sulphur,


Lachesis, Mezereum.
Ulceração de veias com varizes: Pulsatilla, Causticum, Arsenicum, Carbo
vegetabilis, Lachesis, Silica.

ÚLCERAS DO ESTÔMAGO

Os sintomas de uma úlcera estomacal incluem dor abdominal, náusea,


vômitos (de sangue, às vezes), fezes escuras ou com sangue, fadiga e perda
de peso.

Argentum nitricum: Vomita sangue. Dor logo depois de comer. Para


pessoas que desejam um ambiente fresco e que pioram com o calor. Deseja
doces, que provocam arroto. Ansioso, apressado e impulsivo. Fobias.

Lachesis: O paciente piora após o sono e com calor. Não suporta nada
apertado em volta do pescoço. Intenso e muito falante. Melhora logo depois
de comer ou discorda de tudo. Deseja café, álcool, vinho ou ostras.
Rhus toxicodendron: Ansioso, friorento, inquieto e sedento. Deseja leite.
Piora com bebidas frias e à noite. Melhora com calor e ao se movimentar.
Dor aliviada ao deitar sobre o abdômen (Ácido acético também). Estômago
distendido depois de comer.

Natrum muriaticum: Deseja comida salgada. Sua enquanto come. Pele


oleosa. Melhora com ar fresco, roupa apertada (contrário de Lachesis),
deitado sobre o lado direito. Boca e lábios secos com rachadura profunda
no meio do lábio inferior. Piora com companhia e consolação.
Ácido acético: Dor corrosiva, inchaço do estômago, vômito de comida e
sangue. Dor ardente que melhora ao deitar-se sobre o estômago. O paciente
pode ficar magro, fraco e cansado. Diarreia de sangue. Excesso de saliva.
Suor frio na testa. Os alimentos fermentam no estômago.

Magnésia carbonica: Vômito amargo. Fezes verdes e finas. Não digere leite
e o vomita. Melhora ao andar. Piora com descanso, leite, vento, à noite ou
com a mudança do tempo. Não suporta brigar.
Magnesium muriatica: Piora deitado sobre o lado direito, em um quarto
quente ou com leite (Magnésia carbonica também). Friorento, mas deseja
ar fresco. Ansiedade na hora de dormir. Piora com gordura e sal. Não
suporta brigar (Magnésia carbônica também).

URTICÁRIA - ALERGIA

A urticária aparece com marcas vermelhas, que normalmente coçam. Há


numerosas causas, incluindo medicamentos, alimentos, pólen, picadas de
insetos, exposição a produtos químicos e luz do sol.

*Apis: Dor ardente e cortante, piora com calor e melhora quando se coloca
algo frio em cima. Tecidos inchados. Sem sede. Piora com toque, pressão,
depois de dormir ou quando se deita.
*Urtica urens: Queimação, picada e coceira. Melhora com fricção. Piora
depois de banho e exercício.
*Rhus toxicodendron: Pele vermelha, ardência e coceira. Melhora com água
quente. O paciente fica extremamente inquieto e muda de posição
constantemente. Rigidez e dor nas articulações e nos músculos. Piora com
frio, umidade e quando se molha. Sede insaciável. Frio. Piora à noite.
Melhora com calor e bebidas quentes. Deseja leite.
Arsenicum: Ansioso, friorento e inquieto. Dor ardente, que estranhamente
melhora com calor. Sede por goles pequenos. Exausto. Piora após a meia-
noite.
Natrum mur: Coceira e ardência. Piora após esforço. Deseja sal. Muito
sensível à luz do sol. Piora com consolo e companhia. Rachadura profunda
no meio do lábio inferior.
Enxofre: O paciente se sente quente. Piora com calor, deseja ar fresco.
Sensações de ardência, pele vermelha com coceira, que piora com calor e
banho. Excreções corporais têm mau cheiro e irritam a pele. Diarreia
repentina pela manhã. Deseja doces.
Mezereum: Coceira intensa. Muito friorento, porém piora com calor.
Calafrios depois da erupção. Frio ou falta de sensibilidade depois de coçar.
Ansiedade no estômago ou quando fica sozinho. Deseja bacon, presunto e
gordura.
Antimonium crudum: Língua com cobertura branca. Aversão ao ser
observado ou tocado. Deseja picles e alimentos ácidos. Arrotos e inchaços
constantes depois de comer.
*Histaminum: Se outros medicamentos falharem ou se os sintomas não
forem claros.

VACINAÇÃO, TRATANDO OS EFEITOS DA

Milhares de pessoas relataram reações adversas à vacinação, incluindo


danos ao fígado, encefalite, supressão imunológica, retardamento mental,
paralisia, epilepsia, asma, ataques, autismo, síndrome da morte súbita
infantil, incapacidades de aprendizado, danos ao cérebro e morte.

O Programa Nacional de Compensação a Problemas de Vacinação do


governo dos Estados Unidos pagou mais de 724,4 milhões de dólares para
pessoas feridas ou mortas por vacinas. No entanto, o problema é muito
maior do que o número sugere. A Food and Drug Administration (FDA)
estima que apenas 10% das reações adversas a vacinas são informadas.
Além disso, esses relatos representam os efeitos imediatos. Efeitos
retardados e de longo prazo não são sequer considerados. Companhias de
seguro sabem em qual lado da controvérsia apostar - elas se recusam a
cobrir reações adversas por vacinas.

Um médico amigo meu vacinou seu próprio filho saudável alguns anos
atrás. A criança ficou gravemente retardada pouco tempo depois. Para ele e
para milhares de outras pessoas, o debate sobre a segurança das vacinas foi
acomodado.

No meio de tudo isso, ainda não há estudos de longo prazo sobre a


segurança das vacinas. Há evidências, no entanto, que mostram que as
vacinas têm eficácia limitada. Populações inteiras vieram abaixo com a
mesma doença para a qual foram vacinadas.

Nos Estados Unidos, a vacina de hepatite B está sendo dada a crianças


um ou dois dias depois do nascimento. Considerando que a doença é
transmitida pelo uso de drogas injetáveis e sexo promíscuo, é curioso esse
fervor para vacinar crianças.

Na França, 15 mil pessoas processaram o governo por causa dos efeitos


adversos da vacina contra hepatite B, incluindo óbitos neonatais, danos
neurológicos e doenças autoimunes. A vacinação contra a hepatite B para
crianças em idade escolar foi interrompida.

Vacinar ou não é uma decisão pessoal. Para tomar essa decisão, a pessoa
deve perceber que a vacinação possui riscos e não oferece proteção
absoluta. Há, entretanto, alternativas.

0 PAPEL DA HOMEOPATIA NA IMUNIZAÇÃO

A homeopatia tem dois papéis aqui. Primeiramente, os medicamentos


dados logo antes da vacinação podem reduzir os riscos de efeitos
colaterais. Medicamentos ingeridos após a vacinação podem ajudar a
prevenir e, às vezes, curar doenças resultantes da vacinação.

Em segundo lugar, medicamentos homeopáticos podem ser usados no


lugar das vacinas como uma alternativa segura e eficaz. Durante os últimos
duzentos anos, a homeopatia tem provado sua eficácia em prevenir
doenças durante epidemias.

ANTES DA VACINAÇÃO
Ledum: Uma dose ou duas seguidas de uma dose de Hypericum pode evitar
efeitos colaterais.
Thuja: Uma dose é outra opção.

EFEITOS COLATERAIS IMEDIATOS, RETARDADOS

E EM LONGO PRAZO DA VACINAÇÃO


*Thuja: Medicamento principal para os efeitos da vacinação e injeções de
alergia. Geralmente, uma ou duas doses são suficientes. Thuja não deve ser
repetido frequentemente. Dor no estômago, inflamação dos olhos, paralisia
dos membros inferiores, asma, alterações mentais, verrugas e insônia. lhuja
pode ajudar praticamente qualquer doença desenvolvida após a vacinação.
*Silica: Convulsões, dor nas costas, diarreia, náusea, fraqueza, apatia, frieza,
abscessos, asma, inchaço no local da injeção.
Antimonium tartaricum: Ataque de asma com muco espesso e ruído no
peito.
Kali muriaticum: Camada cinza na parte de trás da língua, gânglios
linfáticos inchados, secreção branca e grossa das mucosas, eczema ou
bolhas na pele preenchidas com líquido branco e grosso. Silica acompanha
bem.

O homeopata dr. Tinus Smits recomenda o uso de doses homeopáticas da


vacina ofensiva. Ele afirma que isso tem ajudado pacientes, mesmo anos
depois da vacinação, e recomenda o uso de uma potência 200 CH antes da
vacinação. Para efeitos após a vacinação, ele sugere que 30 CH seja tentado
primeiro. Uma sucessão de potências mais altas também é usada.

Por exemplo, se a vacina em falta for a de hepatite B, então um


medicamento homeopático "vacina 30 CH de hepatite B" seria usado. Por
ser feito a partir da vacina, o medicamento será homeopático para a parte
da vacina contra a doença, bem como os aditivos (por exemplo,
formaldeído, alumínio). Medicamentos feitos a partir de vacinas estão
disponíveis em algumas farmácias homeopáticas.

CÃES E GATOS - EFEITOS DA VACINAÇÃO

Cães e gatos também estão sujeitos aos efeitos colaterais da vacinação.


Os medicamentos são igualmente eficazes para eles.
Silica: Se houver apatia e perda de apetite imediatamente após a vacinação.

Thuja: Para qualquer outro sintoma e para prevenir todos os efeitos


adversos em longo prazo da vacinação. Somente uma ou duas doses.

VARÍOLA

A varíola é uma doença altamente contagiosa causada pelo virus da


varíola. Os sintomas normalmente começam 7 a 14 dias depois do contágio.
Primeiramente há febre alta, calafrios, fraqueza e dores na cabeça e nas
costas. Vômitos e convulsões podem ocorrer em crianças pequenas. Por
volta do terceiro dia, a febre diminui e surgem erupções cutâneas no rosto,
nos braços e nas pernas. Elas começam como manchas vermelhas
circulares e planas, que eventualmente se enchem de pus e depois surge
uma crosta. Isso é seguido pelo desenvolvimento de crostas. Às vezes, as
"varíolas" fundem-se umas as outras, em vez de continuarem separadas.

A varíola é transmitida pelo contato com a saliva de pessoas doentes. A


doença é infecciosa até que todas as crostas tenham caído. No entanto, ela é
mais infecciosa durante a primeira semana.

Observação: Catapora versus varíola - na catapora, a erupção se


desenvolve a partir do primeiro dia. As lesões podem ser ovais, em vez de
circulares. As manchas surgem em estágios sucessivos, em vez de todas
juntas, como na varíola.

PREVENÇÃO
Variolinum (nosódio 200 CH) uma vez por semana ou Malandrinum (30
CH) uma vez por dia.
Kali muriaticum (6 CH) três vezes por dia ou Sarracenia (3 CH) três vezes
por dia.

Se os medicamentos acima não estiverem disponíveis, Aconitum,


Belladonna ou Antimonium tartaricum podem ser experimentados.

MEDICAMENTOS PARA A VARÍOLA

*Variolinum (200 CH): Além da prevenção, pode ser dado no início e depois
uma vez por semana, sozinho, para reduzir a gravidade da doença.
*Aconitum: Primeira fase da doença com medo da morte, febre alta, sede e
agitação. Pele quente e seca.
*Bryonia: Fase inicial com febre alta e sede extrema por bebidas geladas.
Deita-se completamente imóvel e sempre piora com qualquer movimento.
Secura das mucosas. Piora com calor. Irritável.
*Belladonna: Primeira fase com febre alta, inflamação intensa da pele e das
mucosas. Muito calor e vermelhidão, principalmente sobre a cabeça.
Sensações de palpitação. Espasmos da bexiga, insônia, delírios, convulsões,
extrema sensibilidade a luz, som e ventilação. Piora com frio e com vento.
Deseja limonada.
*Antimonium tartaricum: Medicamento principal para varíola. Depois de as
lesões ficarem cheias de pus. Dificuldade respiratória, dor nas costas e
náusea. Muco espesso nas vias respiratórias causa asfixia com ruído nos
pulmões. Piora em uma sala quente. Melhora ao ar livre. Não suporta ser
observado. Quer ficar sozinho.
Arsenicum: Agitação, apesar da imensa fraqueza, extrema ansiedade, medo
de ficar sozinho, dores ardentes aliviadas pelo calor, sede de pequenos
goles. As lesões podem se formar na boca e na garganta.
Mercurius: Glândulas inchadas, principalmente sob a mandíbula, excesso
de saliva com baba, fezes esverdeadas cheias de muco. Piora à noite, com o
calor da cama e após a transpiração. Muita sede.
Kali muriaticum: Revestimento cinza na parte posterior da língua, gânglios
linfáticos inchados, secreções brancas e espessas das membranas mucosas,
eczema, furúnculos na pele preenchidos por um líquido grosso e branco.
Thuja: Nos estágios intermediários ou posteriores, forma-se um contorno
vermelho-escuro ao redor das pústulas doloridas. Dor nos braços e nas
mãos. Piora com frio e umidade e, às vezes, com o calor da cama. Piora às
três horas da madrugada. Secreções verdes. O paciente acha que seu corpo
é quebradiço e frágil, como se fosse feito de vidro.
Rhus toxicodendron: Extremamente inquieto, apesar da exaustão
(Arsenicum também), língua seca e muita sede, sangue nas pústulas e nas
fezes. Crostas marrons mal-cheirosas surgem nos lábios e dentes (a partir
de secreções estomacais). As pústulas ficam escuras. Piora à noite e depois
de ficar imóvel. Piora com frio ou umidade. Melhora com calor e ao mudar
de posição. Tem medo de dormir.
Phosphorus: Quando houver pneumonia ou hemorragia. Sangue vermelho-
vivo expelido pelos pulmões. As costas parecem estar quebradas. Tosse
seca e severa. Aparece sangue nas pústulas. Deseja bebidas bastante
geladas. Tem medo de ficar sozinho. Piora deitado sobre o lado esquerdo.
Piora à noite, quando está sozinho e com bebidas ou comidas quentes.
Apis: Dor ardente e aguda na pele e na garganta. Sem sede. Urina muito
pouco. Melhora com ar frio ou aplicações frias. Piora com calor, toque ou
pressão. Sonolento. Quer ficar sozinho.
Ácido muriático: Estágio final da doença com o paciente em estado de
colapso. Há uma grande quantidade de suor. Incontinência da bexiga e do
intestino. Diarreia, febre e fraqueza. Desliza para baixo na cama. Piora com
toque, bebidas geladas ou conversando. Melhora deitado sobre o lado
esquerdo.

Lachesis: O paciente piora após o sono e tem medo de ir dormir. Extrema


sensibilidade a toque leve e intolerância a roupas apertadas,
principalmente em volta do pescoço. Sintomas no lado esquerdo. Piora ao
engolir líquidos (sólidos são melhores), com calor ou bebidas quentes.
Pode ser muito falante. Hemorragias de sangue escuro. A pele fica roxa.

VÔMITO

Observação: para fraqueza por causa da perda de líquidos, use


Chinchona.

*Ipecacuanha: Náusea não aliviada pelo vômito. Língua limpa (sem


revestimento). O paciente tem excesso de saliva e pode babar. Tosse com
náusea. Piora com movimentos. Às vezes tem diarreia. Vomita comida,
muco, bile ou sangue. Muito ansioso.

*Antimonium crudum: Revestimento grosso e branco na língua. Náusea


logo depois de comer ou beber. Piora ao comer gorduras, doces. Piora ao
ser tocado ou observado. Melhora ao deitar-se e com calor.
*Antimonium tartaricum: Náusea, vômito e desmaios mortais.
Revestimento branco e espesso na língua. Deseja goles pequenos e
frequentes de água gelada. Medo de náusea. Medo de ficar sozinho. Deve
deitar-se sobre o lado direito para avitar vômitos. Muco espesso se agita no
peito.
*Nux vomica: Parte de trás da língua revestida. Sente como se uma pedra
estivesse dentro do estômago. Constipado e esforça-se para defecar. Muito
friorento e melhora com calor. Hipersensível a barulhos, odores, luzes ou
críticas. Ansioso, irritado, nervoso. Piora com excesso de comida, temperos,
café, álcool ou drogas. Piora de manhã na cama. Às vezes não consegue
vomitar.

*Iris versicolor: Vômito de material muito malcheiroso que queima a


garganta. Sensação de calor interno. Vomita bile. Náusea com dor de cabeça
ou alternando com dor de cabeça. Piora após esforço físico. Muita saliva
espessa e viscosa. Piora com doces e leite.
*Tabacum: Náusea constante, que piora ao se movimentar e abrir os olhos.
Quer descobrir o abdômen, o que diminui os sintomas. Melhora com ar
fresco. Diarreia aquosa, fraqueza e suor frio, junto com náusea e vômitos.
Piora com o cheiro de tabaco.
Phosphorus: Deseja bebidas geladas, que são vomitadas quando ficam
quentes no estômago. Vomita alimentos com a boca cheia. Piora com
alimentos quentes e ao deitar-se sobre o lado esquerdo. Sensível a luz,
odores e sons. Deseja companhia. Queimação no estômago, que se estende
até a garganta e o intestino. Melhora após um curto cochilo.
Cadmium sulphuricum: Náusea intensa e vômito preto. Vomita tudo o que
come. Se alguma coisa tocar os lábios, provoca vômito. Dor ardente no
estômago. Deseja goles de água gelada, o que também estimula o vômito.
Inclui vômitos após câncer, quimioterapia e intoxicação por radiação.
Argentum nitricum: Vomita muco pegajoso. Arrotos e estômago inchado.
Dor ardente. Dor que irradia de um ponto no estômago. Diarreia verde
como espinafre cortado. Piora com calor, doces e à noite. Melhora com frio.
Muito ansioso.
Colchicum: Náusea quando vê, cheira ou até pensa em comida. Piora com
movimento, frio, odores fortes, luz clara e toque. Deseja deitar-se
perfeitamente imóvel. Friorento. Desencorajado.
Pulsatilla: Piora quando come comidas gordurosas. Piora em ambiente
quente e deseja ar fresco. Deseja apoio e pode chorar quando descreve a
dor. Sem sede. Vomita o alimento muito depois de comer. Sensação de
pedra no estômago.
Bryonia: Piora com o mínimo movimento e deita-se perfeitamente imóvel.
Boca seca com lábios secos e rachados. Sedento por bebidas geladas. Piora
com bebidas quentes. Náusea e vontade de desmaiar quando se levanta.
Estômago sensível ao toque. Sensação de pedra no estômago.
Crotalus horridus: Abdômen quente e sensível. Não suporta roupas em
volta do estômago. Vomita alimentos, bile e sangue. Vômito preto ou da cor
de café. Não consegue deitar do lado direito. Sangramento escuro de
qualquer orifício. Suor com sangue. Piora depois de dormir. Muito sensível
a luz. Olhos amarelos.
Arsenicum album: Dores ardentes, às vezes como carvão quente, que são
curiosamente aliviadas por calor. Friorento, terrivelmente ansioso e
exausto. Deseja goles frequentes de água. Teme a morte ou doenças graves.
Vômito e diarreia com mau cheiro. Não suporta ver ou cheirar comida.
Vomita sangue, bile ou muco verde. Exausto com o menor esforço. Piora
depois da meia-noite.
Veratrum album: Ânsia de vômito violenta e vômito forçado. Muito frio com
suor frio na testa. Sede por água gelada, que é vomitada imediatamente
após beber. Diarreia abundante, dolorosa e aquosa. Piora quando bebe ou
se movimenta.
Cocculus: Náusea quando passeia em carros ou barcos ou quando vê
objetos em movimento. A maioria dos pacientes tem aversão à comida ou
bebida, mas alguns podem desejar bebidas frias. Piora com o frio. Salivação
abundante. Piora com perda de sono e com o odor de comida. Aversão à ar
fresco (oposto Tabacum).
Cinchona: Fraqueza após vomitar, diarreia e outras perdas de líquidos.
Diarreia amarela e dolorosa. Vomita comida indigesta. Piora com o mínimo
toque ou depois de comer. Abdômen inchado. Sensação fria no abdômen
após beber. Transpira muito à noite. Friorento e piora com frio.

Abscesso ...........................................................................................................21
Amigdalite .......................................................................................................23
Anafilaxia: reação alérgica ................................................................................24
Anestesia - efeitos colaterais dos gases anestésicos ............................................24
Angina .............................................................................................................25
Antraz ..............................................................................................................25
Apendicite ........................................................................................................27
Artrite, dor de ..................................................................................................28
Ataque asmático ...............................................................................................29
Ataque epilético ...............................................................................................30
Botulismo ........................................................................................................32
Bronquite aguda ...............................................................................................32
Cálculo biliar ...................................................................................................34
Catapora ..........................................................................................................35
Caxumba .........................................................................................................37
Ciática, dor ......................................................................................................37
Cirurgia ...........................................................................................................38
Cistite ..............................................................................................................40
Clamídia ..........................................................................................................40
Cólera ..............................................................................................................41
Cólica ..............................................................................................................42
Concussão ........................................................................................................43
Conjuntivite ....................................................................................................43
Conjuntivite neonatal ......................................................................................44
Constipação .....................................................................................................45
Convulsões ......................................................................................................46
Córneaarranhada ............................................................................................48
Delírio .............................................................................................................48
Dengue ............................................................................................................49
Dentição ..........................................................................................................50
Depressão ......................................................................................................... 51
Derrame ........................................................................................................... 53
Desidratação ....................................................................................................54
Diarreia ............................................................................................................ 54
Difteria ............................................................................................................ 55
Disenteria .........................................................................................................56
Dor ..................................................................................................................57
Dor de dente e tratamento odontológico ..........................................................60
Dor nas costas por causa de lesão ....................................................................62
Dores de cabeça ...............................................................................................63
Encefalite .........................................................................................................66
Engasgo ...........................................................................................................67
Enjoo (mar, carro, aéreo) ..................................................................................68
Envenenamento ...............................................................................................68
Envenenamento por arsênico ...........................................................................68
Envenenamento por chumbo ...........................................................................69
Envenenamento por cogumelo .........................................................................70
Envenenamento por mercúrio ..........................................................................71
Envenenamento sanguíneo - septicemia ..........................................................72
Escoriações .......................................................................................................74
Espasmo nas costas ..........................................................................................74
Exaustão ..........................................................................................................74
Farpas ..............................................................................................................75
Fascite necrosante .............................................................................................75
Febre ................................................................................................................76
Febre amarela ...................................................................................................80
Febre tifoide .....................................................................................................81
Feridas .............................................................................................................83
Fobias ..............................................................................................................85
Friagem ............................................................................................................ 89
Garganta, dor de ..............................................................................................89
Gengivas, abscesso das .....................................................................................91
Gengivite .........................................................................................................92
Gripe ................................................................................................................ 92
Hemorragia ......................................................................................................95
Hepatite aguda .................................................................................................96
Hérnia ..............................................................................................................97
Herpes labial ....................................................................................................98
Herpes simplex (genital) ..................................................................................99
Herpes-zóster ...................................................................................................99
Hipotermia ................................................................................................... 100
Impactação fecal ........................................................................................... 101
Infecção por estafilococo ............................................................................... 101
Infecção por estreptococo ............................................................................. 103
Infecções ....................................................................................................... 104
Infestações por vermes .................................................................................. 104
Insanidade: psicoses agudas .......................................................................... 105
Insolação ....................................................................................................... 107
Insônia .......................................................................................................... 108
Intoxicação alimentar .................................................................................... 109
Laringite ....................................................................................................... 110
Lesões na coluna ........................................................................................... 111
Malária ......................................................................................................... 112
Mamografia, efeitos de .................................................................................. 113

Medicamentos emocionais ............................................................................ 113

Meningite ..................................................................................................... 115

Mordida de animal ....................................................................................... 116

Mordidas e picadas ....................................................................................... 117

Náusea .......................................................................................................... 118

Nevralgia ...................................................................................................... 119

Olhos ............................................................................................................ 120

Ouvido, dor de .............................................................................................. 122

Pedras nos rins, dores por .............................................................................. 123

Perfuração do tímpano .................................................................................. 124

Peritonite ....................................................................................................... 125

Picada de cobra .............................................................................................. 126

Pneumonia ..................................................................................................... 127

Problemas cardíacos ....................................................................................... 128

Queimaduras ................................................................................................. 131

Queimadura de sol ......................................................................................... 132

Queimaduras por radiação ............................................................................. 133


Queimaduras químicas .................................................................................. 133
Quimioterapia, efeitos colaterais da ................................................................ 134
Radiação, doenças por ................................................................................... 135
Radiação, exposição a ..................................................................................... 135
Raiva .............................................................................................................. 135
Resfriado comum (coriza) .............................................................................. 136
Retenção urinária ........................................................................................... 137
Sarampo ......................................................................................................... 139
Seios, abscessos nos ........................................................................................ 140
Seios, ferimentos nos ...................................................................................... 140
Sinusite .......................................................................................................... 141
Terçol ............................................................................................................. 142
Tétano ........................................................................................................... 142
Tifo ................................................................................................................ 144
Torções .......................................................................................................... 145
Tristeza .......................................................................................................... 145
Tuberculose .................................................................................................... 146
Ulceração ...................................................................................................... 148
Ulceras da pele ............................................................................................... 148
Úlceras do estômago ...................................................................................... 149

Urticária - alergia .......................................................................................... 150


Vacinação, tratando os efeitos da ................................................................... 151
Varíola ........................................................................................................... 153
Vômito ........................................................................................................... 155
1 (N. T.) Substância preparada com o interior branco das conchas de ostras
e as "flores" puras de enxofre.
2 (N. T.) Língua coberta por uma camada branco-amarelada.