Você está na página 1de 3

Você lerá uma carta ao editor sobre tecnologia.

Responda às perguntas com base no


que você leu.

Excepto o seu artigo na semana passada sobre smartphones, no qual as pessoas que não os
usam foram rotuladas como "Luddites". O escritor passou a menosprezar pessoas como
aposentados, intrometidos e intimidados por novas tecnologias que parecem complicadas.
Estava implícito que a falta de um smartphone significava apenas participação parcial na vida
moderna.

Desde quando a propriedade de um smartphone se tornou um requisito para ser um cidadão


moderno em pleno funcionamento? Não uso um, não porque o conceito de telefone conectado à
Internet seja avassalador, mas porque não quero me distrair continuamente. Também não desejo
tornar-me uma daquelas pessoas que não conseguem ficar paradas por 15 segundos sem olhar
para a tela, esperando uma mensagem. Pior ainda, são aqueles que não conseguem manter
uma conversa de cinco minutos sem verificar constantemente seus telefones.

Acredito que, em vez de abraçar cegamente cada novidade, nossa sociedade precisa ter uma
conversa informada sobre onde essa tecnologia está nos levando. Para esse fim, será útil
entender os termos Luddite e Neo-Luddite.

Os Luddites não eram uma seita fundamentalista louca que vivia em cavernas, mas um grupo
de artesãos têxteis ingleses do século XIX, que se opunham a algumas novas tecnologias da
Revolução Industrial, como estruturas giratórias e teares de poder, que estavam destruindo seus
meios de subsistência e produzindo trabalho inferior. o nome do lucro. Eles estavam ativos entre
1811 e 1817 e seus protestos tomaram a forma de sabotagem de máquinas e queima de fábricas.
Em 1812, o Frame Breaking Act tornou a destruição de máquinas de fábrica punível com a morte.
Não eram velhos e ansiosos e apreensivos fogies como o seu escritor sugere, mas um grupo
apaixonado e motivado de profissionais que treinavam e praticavam à noite para combater o
exército inglês, o que fizeram em duas ocasiões. Depois de um julgamento em massa de 60
Luddites em 1813, no qual a maioria foi condenada à morte ou transporte penal, a resistência
Luddita tornou-se esporádica.

Perguntas sérias sobre o valor da tecnologia foram levantadas desde então. O filósofo alemão
Martin Heidegger não considerou a tecnologia totalmente negativa, mas sugeriu que o "modo de
ser" tecnológico moderno era aquele que via o mundo natural - plantas, animais e até seres
humanos - como recursos a serem explorados. Para ele, a tecnologia não era apenas a coleção
de ferramentas, mas uma maneira de estar no mundo. Os processos tecnológicos, ele
acreditava, criam um abandono do mundo natural e a perda de qualquer sentimento de
admiração e admiração, além de uma indiferença a essa perda. O filósofo francês Jacques Ellul
disse que a racionalidade da tecnologia afoga as preocupações humanas, a fim de atender às
demandas de rendimento e produção.

Os neo-luditas contemporâneos são um grupo amplamente diversificado, que inclui escritores,


acadêmicos, famílias e jovens idealistas que buscam um ambiente livre de tecnologia. Embora
estejam apreensivos com a capacidade de qualquer nova tecnologia de resolver problemas
atuais sem criar mais problemas potencialmente perigosos e desejem ver o final lento e eventual
de novas tecnologias, eles são os mais críticos das conseqüências abrangentes e devastadoras
da nossa civilização tecnológica, como mudanças climáticas, degradação ambiental, distúrbios
psicológicos, alienação social, perda de comunidade, desemprego, desigualdade econômica e
política, guerra nuclear e armas biológicas. Eles acreditam que a tecnologia é a maior ameaça à
humanidade e ao mundo natural em geral.

Os neo-luditas não são contra toda a tecnologia, apenas contra certas tecnologias que são
destrutivas para as comunidades e a natureza. Em vez de observar como a tecnologia melhora
a vida de um indivíduo, eles gostariam que as pessoas observassem as implicações sociais,
econômicas e ecológicas mais amplas dos sistemas tecnológicos.
Eles também criticam o vínculo entre a tecnologia, com seus valores de eficiência a curto prazo,
facilidade de produção, marketing e lucro e as rígidas instituições sociais criadas em torno desses
valores. Eles sugerem que a principal mudança necessária não ocorrerá através da política
convencional, mas concentrando-se em tecnologia e economia. Eles favorecem o retorno às
comunidades agrárias simples.

A falta de um smartphone ou o desejo de qualquer outra tecnologia nova ou existente não deve
ser vista automaticamente como uma falha pessoal, mas como uma escolha. E, na maioria dos
casos, sensato.

Qual das seguintes alternativas descreve melhor o principal objetivo desta passagem?

a) Criticar os efeitos dos smartphones na interação pessoal tradicional


b) Defender o ativismo dos luditas
c) Argumentar que a tecnologia é responsável por grandes problemas no mundo moderno
d) Declarar que a propriedade de smartphones não é um requisito legal ou social
e) Diferenciar as crenças dos luditas e neo-luditas

O escritor desta carta ao editor diz que o escritor do jornal sugeriu que DUAS das
seguintes sobre Luddites?

a) velhice
b) Desejo de retornar às sociedades agrárias
c) Medo de novas tecnologias complexas
d) Crença em parar e desacelerar novas tecnologias
e) Uma sensação de estar isolado em suas comunidades
f) Oposição à tecnologia por razões éticas

O autor da carta deseja evitar quais DOIS dos seguintes itens não usam um smartphone?
a) Desenvolvimento de um tumor cerebral
b) Estar constantemente disponível para o trabalho
c) Interromper a conversa
d) Criando uma sociedade virtual
e) Estar distraído
f) Poluir o meio ambiente

Segundo o escritor, quais são as DUAS diferenças entre Luddites e Neo-Luddites?


a) Os luditas se opunham a um tipo de tecnologia em particular.
b) Os luditas propuseram um retorno à vida agrária pré-revolução industrial.
c) Os Luddites eram compostos por um grupo diversificado de trabalhadores.
d) Os neo-luditas são artesãos contemporâneos.
e) os neo-luditas acreditam que a tecnologia cria instituições sociais severas.
f) Os neo-luditas renunciam a todas as formas de violência.

Segundo o escritor, que DUAS crenças eram de Martin Heidegger?


a) Toda tecnologia leva a uma diminuição da humanidade.
b) A tecnologia leva à indiferença às realizações humanas.
c) A tecnologia é impulsionada por preocupações de rendimento e produção.
d) O uso da tecnologia pode aumentar os sentimentos de perda.
e) Um foco tecnológico reduz pessoas e natureza a recursos.
f) Os processos tecnológicos levam as pessoas a abandonar o mundo natural.

Segundo o escritor, os neo-luditas sustentam quais DUAS das seguintes crenças sobre
novas tecnologias?
a) Deve melhorar a vida do indivíduo.
b) É mais provável criar problemas do que resolvê-los.
c) É uma das principais causas de ameaças à civilização.
d) É improvável que tenha um efeito nas instituições sociais existentes.
e) Invariavelmente, colocará as pessoas fora do trabalho.
f) É desnecessariamente complicado.

Segundo o escritor, em que DUAS maneiras os neo-luditas acreditam que a tecnologia


molda a sociedade?
a) Permite às pessoas muito tempo livre.
b) Remove um senso de estabilidade geracional.
c) Promove foco nos valores de curto prazo.
d) Incentiva a comunicação de natureza trivial.
e) Leva à obesidade e a baixos padrões.
f) Divide comunidades e isola pessoas.

Segundo o escritor, qual dos DOIS a seguir seria provável em uma sociedade neo-ludita?
a) Pequenas comunidades
b) Veganismo
c) Arados de madeira
d) Inúmeros comitês
e) Um cenário rural
f) Coleta de caçadores