Você está na página 1de 41

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

Autora:
Claudia Vasques - Arquiteta

www.construir.arq.br
Fevereiro de 2017
Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Sumário
Agradecimentos............................................................................................................................................. 1

Sobre a autora ............................................................................................................................................... 2

Introdução ..................................................................................................................................................... 3

1. O que é Projeto de Arquitetura ................................................................................................................. 4


1.1 Atividades técnicas principais e complementares de Projetos de Edificações ................................... 5
1.2 Etapas das atividades técnicas de Projetos de Edificações ................................................................ 6
1.3 Etapas do Projeto de Arquitetura ....................................................................................................... 7
1.4 Exemplo de fluxograma de um Projeto de Edificações ...................................................................... 8
1.5 Informações técnicas do Projeto de Arquitetura ................................................................................ 9
1.6 Elaboração do Projeto de Arquitetura ...............................................................................................10

2. Desenhos e informações que constituem um projeto ............................................................................17

3. Especificações normativas de representação gráfica técnica .................................................................23

4. Configuração e apresentação de pranchas de projeto ............................................................................34

Considerações finais ....................................................................................................................................39

Referências consultadas ..............................................................................................................................39

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VAQUES


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Agradecimentos

A Deus, por tudo que nos tem proporcionado!!


Aos nossos pais, pelo sacrifício que permitiu nossa formação profissional.
Aos nossos esposos e filhos, pelo amor e apoio incondicional.
À toda equipe Construir, funcionários, estagiários e parceiros.

Aos nossos queridos alunos, presenciais e virtuais!! Sem vocês, nosso trabalho não teria sentido!!
Obrigada, obrigada e obrigada!!

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 1


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Sobre a autora

A professora paulistana Claudia Vasques é arquiteta e urbanista formada pela UFRRJ. Atuou como docente de AutoCAD, Desenho
Arquitetônico, Desenho Geométrico, Instalações Prediais e Tecnologia de Materiais em cursos técnicos em Edificações no estado do Rio de
Janeiro. Lecionou também sobre Revit e Sketchup para alunos de graduação em Arquitetura e Urbanismo e Engenharia. Entusiasta da
utilização de tecnologias digitais no desenvolvimento de projetos do setor de construção civil, atualmente integra a equipe de professores
desenvolvedores de conteúdo EAD para o portal Cursos Construir.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 2


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Introdução
O Projeto Arquitetônico compreende o conjunto de desenhos técnicos e informações específicas que caracterizam as partes e permitem a compreensão e
entendimento sobre uma determinada edificação para que a mesma possa ser devidamente construída. Tanto os conceitos quanto os elementos que o
constituem são normatizados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, cujas especificações devem ser observadas e corretamente aplicadas pelo
profissional responsável pela elaboração deste tipo de projeto, de acordo com as seguintes normas:

- ABNT NBR 13531:1995 – Elaboração de projetos de edificações – Atividades técnicas


- ABNT NBR 13532:1995 – Elaboração de projetos de edificações – Arquitetura
- ABNT NBR 6492:1994 – Representação de projetos de arquitetura
- ABNT NBR 10068:1987 – Folha de desenho – Leiaute e dimensões
- ABNT NBR 10582:1988 – Apresentação da folha para desenho técnico
- ABNT NBR 10067:1995 – Princípios gerais de representação em desenho técnico
- ABNT NBR 8403:1984 – Aplicação de linhas em desenho – Tipos de linhas – Larguras de linhas
- ABNT NBR 10126:1998 – Cotagem em desenho técnico
- ABNT NBR 8402:1994 – Execução de caracter para escrita em desenho técnico

Este e-book tem como objetivo apresentar de forma clara e objetiva um resumo sobre os requisitos técnicos normativos mais relevantes para a confecção de
um projeto arquitetônico como um todo.

No Capítulo 1 são apresentados os conceitos que definem e caracterizam o projeto de edificação e o projeto arquitetônico de acordo com as normas ABNT
NBR 13531:1995 e ABNT NBR 13532:1995.

No Capítulo 2 são conceituados os tipos de desenho e informações que constituem um projeto arquitetônico.

No Capítulo 3 apresentam-se as especificações normativas para a representação gráfica técnica dos elementos que constituem estes desenhos.

Por fim, no Capítulo 4, demonstram-se as regras para a configuração e apresentação das pranchas do projeto.

Importante ressaltar que, até o momento da escrita deste material didático, as três primeiras normas listadas acima encontravam-se em fase de revisão.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 3


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Capítulo 1 – O que é Projeto de Arquitetura

Segundo a ABNT NBR 13531:1995 - Elaboração de projetos de edificações – Atividades técnicas, o Projeto, seja de Arquitetura ou de Engenharia, pode ser
definido como um conjunto de atividades técnicas exigíveis para a construção de uma edificação, sendo composto por diversos projetos específicos que se
complementam para caracterizar e dar sentido à uma determinada tipologia funcional (habitacional, cultural, educacional, etc.) e formal (construção isolada,
geminada, pavilhões, etc.), seja referente à uma nova edificação (montagem, construção, pré-fabricação, etc.) ou à serviços técnicos de obras em uma
edificação existente (ampliação, redução, modificação, preservação, reforma, etc.).

A referida norma classifica como objetos do projeto de edificação os seguintes produtos:

- Urbanização (cidades, bairros, vilas, loteamentos, etc.);


- Edificação (casas, hospitais, escolas, teatros, parques, etc.);
- Elemento (da edificação) (fundações, estruturas, coberturas, vedações, revestimentos e acabamentos);
- Instalação (predial) (hidráulica, elétrica e mecânica);
- Componente (construtivo) (portas, janelas, tijolos, blocos, tubos, ralos, etc.);
- Material (para construção) (pedra, cimento, areia, madeira, aço, tinta, etc.).

A elaboração de um projeto de edificação compreende a determinação e representação prévias destes objetos, de acordo com as técnicas próprias da
arquitetura e da engenharia.

Assim sendo, e mais especificamente segundo o item 3.2 da ABNT NBR 13532:1995 – Elaboração de projetos de edificações - Arquitetura, pode-se conceituar
o Projeto de Arquitetura como aquele cuja elaboração compreende a

“Determinação e representação prévias (desenhos e textos) da configuração


arquitetônica de edificação, concebida mediante a coordenação e a orientação geral
dos projetos dos elementos da edificação, das instalações prediais, dos componentes
construtivos e dos materiais de construção”.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 4


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

1.1 Atividades técnicas principais e complementares de Projetos de Edificações


A ABNT NBR 13531 estabelece ainda quais são as atividades técnicas para a elaboração do projeto de uma edificação como um todo, cujas siglas são
usualmente utilizadas para a definição das layers (em softwares como o AutoCAD) e dos estilos de linhas (no software Revit). Tais definições permitem um
melhor entendimento sobre quais objetos e elementos estão sendo representados em um desenho. As principais são listadas no subitem 2.3.1 da referida
norma:

a) Topografia (TOP);
b) Sondagens de reconhecimento do solo (SDG);
c) Arquitetura (ARQ);
d) Fundações e estruturas (EST);
e) Instalações elétricas (ELE);
f) Instalações mecânicas (MEC);
g) Instalações hidráulicas e sanitárias (HID);
h) Luminotécnica (LUM);
i) Comunicação visual (CMV);
j) Paisagismo (PSG);
k) Arquitetura de interiores/decoração (INT);
l) Impermeabilização (IMP);
m) Outros.

As complementares são listadas no subitem 2.3.2:

a) Conforto térmico; e) Segurança contra intrusão e vandalismo;


b) Conforto acústico; f) Ergonomia;
c) Higiene; g) Informática e automação predial;
d) Segurança contra incêndios; h) Outras.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 5


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

1.2 Etapas das atividades técnicas de Projetos de Edificações


No item 2.4 da ABNT NBR 13531 as atividades técnicas são divididas em etapas sucessivas de desenvolvimento visando a melhor organização do processo
de concepção do projeto, a saber:

a) Levantamento (LV); e) Anteprojeto (AP) e/ou pré-executivo (PR);


b) Programa de necessidades (PN); f) Projeto legal (PL);
c) Estudo de viabilidade (EV); g) Projeto básico (PB)(opcional);
d) Estudo preliminar (EP); h) Projeto executivo (PE).

A etapa de Levantamento (LV) destina-se à coleta de informações referenciais que representem as condições preexistentes e de interesse para a
conceituação do projeto, o que pode incluir dados:

a) Físicos;
a. Planialtimétricos;
b. Cadastrais;
c. Geológicos, hídricos;
d. Ambientais, climáticos, ecológicos;
e. Outros.
b) Técnicos, legais e jurídicos;
c) Sociais, econômicos, financeiros;
d) Outros.

O Programa de necessidades (PN) compreende a definição das necessidades específicas dos usuários quanto à edificação a ser construída, de forma a
atender às expectativas de uso, funcionalidade e desempenho. Por exemplo, no caso de uma residência, quantos pavimentos, dormitórios, banheiros,
adaptações para portadores de necessidades ou mobilidade reduzida, etc.

Na etapa de Estudo de viabilidade (EV) é onde se analisam e avaliam as alternativas referentes à concepção da edificação, de seus elementos, instalações
e componentes para fins de recomendações e seleção das soluções a serem adotadas para o projeto.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 6


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Com base nos dados obtidos através das etapas anteriores, inicia-se o desenvolvimento dos desenhos e informações técnicas iniciais e aproximadas que
permitam as primeiras configurações para a compreensão da edificação, cujo conjunto constitui o projeto de Estudo Preliminar (EP).

A seguir, no item 2.4.5 a ABNT NBR 13531 define a etapa de Anteprojeto (AP) e/ou Pré-executivo (PR) como sendo aquela “destinada à concepção e à
representação das informações técnicas provisórias de detalhamento da edificação e de seus elementos, instalações e componentes, necessárias ao inter-
relacionamento das atividades técnicas de projeto e suficientes à elaboração de estimativas aproximadas de custos e de prazos dos serviços de obra
implicados”.

Uma vez consolidado e aprovado o Anteprojeto (AP) por parte dos interessados, confecciona-se o conjunto do Projeto Legal (PL), o qual contém todos os
desenhos e informações técnicas necessárias à análise e aprovação junto às autoridades competentes, com base nas exigências legais (municipal, estadual
e federal), para emissão dos alvarás, licenças ou demais documentos exigidos para as atividades de construção. Trata-se do chamado Projeto de Prefeitura.

O Projeto básico (PB) é uma etapa opcional. Basicamente é como um anteprojeto dotado de informações mais específicas, porém ainda não completas ou
definitivas, mas suficientes para a licitação dos serviços de obra necessários.

Após a aprovação do Projeto Legal (PL), segue-se a etapa do Projeto Executivo (PE). Este sim é o que contém toda a concepção e representações finais e
completas necessárias para a efetiva contratação dos serviços de obras e execução da construção.

1.3 Etapas do Projeto de Arquitetura


Com base nas definições de atividades e etapas da ABNT NBR 13531, a ABNT NBR 13532 estabelece as que são específicas do Projeto de Arquitetura no
item 3.3:

a) Levantamento de dados para arquitetura (LV-ARQ); e) Anteprojeto de arquitetura (AP-ARQ) ou de pré-execução (PR-ARQ);
b) Programa de necessidades de arquitetura (PN-ARQ); f) Projeto legal de arquitetura (PL-ARQ);
c) Estudo de viabilidade de arquitetura (EV-ARQ); g) Projeto básico de arquitetura (PB-ARQ) (opcional);
d) Estudo preliminar de arquitetura (EP-ARQ); h) Projeto de execução ou executivo de arquitetura (PE-ARQ).

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 7


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

1.4 Exemplo de fluxograma de um Projeto de Edificações


A ABNT NBR 13531 contém dois anexos bastante úteis para a organização de um Projeto de Edificações. O Anexo A ilustra um exemplo de fluxograma
relacionando todas as atividades e etapas de desenvolvimento. O Anexo B ilustra um modelo de cronograma físico-financeiro. A Figura 1 abaixo exibe o
fluxograma do Anexo A enfatizando as etapas referentes ao Projeto Arquitetônico. Observe com atenção a correlação existente entre cada uma delas e a
sequência que se estabelece. Para maiores informações sobre o Anexo B, consulte a referida norma.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 8


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

LEGENDAS

Simbologias Atividades técnicas Etapas do projeto


TOP Topografia EQP Equip. incorp. à constr. LV Levantamento
Início ou término do projeto
SDG Sondagem PSG Paisagismo PN Programa de necessidades
ARQ Arquitetura CMV Comunicação visual EV Estudo de viabilidade
Atividade técnica
EST Estrutura INT Arq. de interiores EP Estudo preliminar
ELE Inst. Elétricas AUT Automação predial AP Anteprojeto
Avaliação do contratante
LMT Luminotécnica ORÇ Orçamento de obra PL Projeto Legal
MEC Inst. Mecânicas CRO Cronograma de obra PB Projeto básico
Avaliação do poder público
HID Inst. Hidr. e Sanit. PE Projeto executivo

Fig.1 – Fluxograma exemplo de Projeto de Edificação. Fonte: Edição da autora com base no Anexo A da ABNT NBR 13531.

1.5 Informações técnicas do Projeto de Arquitetura


O item 4.1 da ABNT NBR 13532 estabelece que para a caracterização de cada produto ou objeto (edificação, elemento da edificação, instalação predial,
componente construtivo e material de construção) de um Projeto de Arquitetura, quando couber, as seguintes exigências prescritivas e de desempenho:

a) Identificação e descrição;
b) Condições climáticas, de localização e de utilização;
c) Exigências e características relativas ao desempenho no uso;
d) Aplicações;
e) Canteiro de obras;
f) Usos de operação e manutenção;
g) Condições de venda ou de aquisição;
h) Suprimento e serviços técnicos;
i) Referências.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 9


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

1.6 Elaboração do Projeto de Arquitetura


De acordo com o item 4 da ABNT NBR 13532, um Projeto de Arquitetura deve ser elaborado orientando cada uma de suas etapas em relação a:

a) Informações de referência a utilizar;


b) Informações técnicas a produzir, e
c) Documentos técnicos a apresentar.

Os documentos técnicos de cada etapa devem ser produzidos de acordo com as normas pertinentes e podem ser dos seguintes tipos (item 4.4.1.2):

a) Desenhos;
b) Textos (memoriais, relatórios, relações e listagens);
c) Planilhas e tabelas;
d) Fluxogramas e cronogramas;
e) Imagens, fotografias;
f) Maquetes;
g) Outros meios de representação.

As tabelas abaixo reúnem os elementos informativos e documentais a serem analisados e produzidos em cada etapa do processo de elaboração de um
Projeto de Arquitetura de acordo com os itens 4.4.2 a 4.4.9 da ABNT NBR 13532.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 10


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Levantamento de dados para arquitetura (LV-ARQ)


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
a) registros de vistorias no local da futura edificação e de arquivos cadastrais a) desenhos (cadastrais da vizinhança, do terreno
municipais, estaduais ou federais), incluindo os seguintes dados mínimos: e das edificações existentes); plantas, cortes e
elevações (escalas existentes ou convenientes);
- vizinhança da edificação (acidentes);
b) relatórios;
- leis municipais de parcelamento de solo e de zoneamento (registro de uso,
recuos e afastamentos, coeficiente de construção, taxa de ocupação e gabaritos); c) fotografias, preferencialmente coloridas, com
indicação esquemática dos pontos de vista e com
- serviços públicos, companhias concessionárias (transporte coletivo), água textos explicativos;
potável, esgotos sanitários, escoamento de águas pluviais, energia elétrica em
alta ou baixa tensão, iluminação pública, gás combustível, coleta de lixo e d) outros meios de representação.
pavimentação;

Levantamento topográfico - terreno destinado à edificação;


e cadastral (LV-TOP)
- orientação Norte-Sul, direção e sentido dos ventos predominantes;

- diferença ou alterações ocorridas após o levantamento topográfico e cadastral


(LV-TOP) (movimentos de terra, construções clandestinas, rios, córregos, vias
públicas, perfis, pavimentações, calçadas, guias, sarjetas, torres de transmissão
de alta-tensão e postes);

- edificações existentes no terreno destinado à edificação (a demolir ou não);

- área de construção, número de pavimentos, uso atual, características


arquitetônicas e construtivas;

b) Outras informações relevantes.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 11


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Programa de necessidades de arquitetura (PN-ARQ)


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
a) as necessárias à concepção arquitetônica da edificação (ambiente construído a) desenhos: organograma funcional e esquemas
ou artificial) e aos serviços de obra, como nome, número e dimensões (gabaritos, básicos em escalas convenientes;
áreas úteis e construídas) dos ambientes, com distinção entre os ambientes a
construir, a ampliar, a reduzir e a recuperar, características, exigências, número, b) texto memorial de recomendações gerais;
idade e permanência dos usuários, em cada ambiente;
Levantamento de dados
c) planilha de relação ambientes / usuários /
para a arquitetura
b) características funcionais ou das atividades em cada ambiente (ocupação, atividades / equipamentos / mobiliário, incluindo
(LV-ARQ) capacidade, movimentos, fluxos e períodos); características, exigências, dimensões e
quantidades.
c) características, dimensões e serviços dos equipamentos e mobiliário;
exigências ambientais, níveis de desempenho; instalações especiais (elétricas,
mecânicas, hidráulicas e sanitárias).

ETAPA: Estudo de viabilidade de arquitetura (EV-ARQ)


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
Levantamento de dados a) metodologia empregada; a) desenhos: esquemas gráficos, diagramas e
para a arquitetura histogramas em escalas convenientes;
(LV-ARQ) b) soluções alternativas (físicas e jurídico-legais);
b) relatório;
c) conclusões e recomendações.
Programa de necessidades
c) outros meios de representação.
de arquitetura (PN-ARQ)

Levantamento de dados
obtidos das demais
atividades técnicas.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 12


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Estudo preliminar de arquitetura (EP-ARQ)


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
Programa de necessidades a) sucintas e suficientes para a caracterização geral da concepção adotada, a) desenhos: plantas geral de implantação; plantas
de arquitetura (PN-ARQ) incluindo indicações das funções, dos usos, das formas, das dimensões, das dos pavimentos; planta de cobertura; cortes
localizações dos ambientes da edificação, bem como de quaisquer outras (longitudinais e transversais); elevações
Programas de exigências prescritas ou de desempenho; (fachadas); detalhes construtivos (quando
necessário);
necessidades obtidos das
b) sucintas e suficientes para a caraterização específica dos elementos
demais atividades técnicas construtivos e dos seus componentes principais, incluindo indicações das b) memorial justificativo (opcional);
(se necessário); tecnologias recomendadas;
c) perspectivas (opcionais) (interiores ou
Levantamento topográfico c) relativas a soluções alternativas gerais e essenciais, suas vantagens e exteriores, parciais ou gerais);
e cadastral (LV-TOP); desvantagens, de modo a facilitar a seleção subsequente.
d) maquetes (opcionais) (interior, exterior);
Levantamento de dados
para arquitetura (LV-ARQ); e) fotografias, diapositivos, microfilmes e
montagens (opcionais);
Estudo de viabilidade de
f) recursos audiovisuais (opcionais) (filmes).
arquitetura (EV-ARQ);

Outras informações.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 13


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Anteprojeto (AP-ARQ) ou Pré-executivo (PR-ARQ) de arquitetura


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
Estudo preliminar de arquitetura (EP-ARQ); a) Desenhos: planta geral de implantação; planta
e cortes de terraplanagem; plantas dos
Estudos preliminares produzidos por outras atividades técnicas pavimentos e coberturas; cortes (longitudinais e
(se necessário); Informações técnicas relativas à transversais); elevações (fachadas); detalhes (de
edificação (ambientes interiores e elementos de edificação e de seus componentes
exteriores), a todos os elementos da construtivos);
Levantamento topográfico e cadastral (LV-TOP); edificação e a seus componentes
construtivos considerados relevantes. b) textos: memorial descritivo da edificação;
Soldagens de simples reconhecimento do solo (LV-SDG); memorial descritivo dos elementos da edificação,
dos componentes construtivos e dos materiais de
Outras informações. construção;

ETAPA: Projeto legal de arquitetura (PL-ARQ)


Informações de referência Informações a produzir Documentos a apresentar
Informações técnicas necessárias e Desenhos e textos exigidos em leis, decretos,
suficientes ao atendimento das portarias ou normas e relativos aos diversos
Anteprojeto de arquitetura (AP-ARQ);
exigências legais para os órgãos públicos ou companhias concessionárias
procedimentos de análise e de de serviços nos quais o projeto legal deva ser
Anteprojetos produzidos por outras atividades técnicas (se aprovação do projeto legal e da submetido para análise e aprovação.
necessário); construção, incluindo os órgãos
públicos e as companhias
Levantamento topográfico e cadastral (LV-TOP); concessionárias de serviços públicos,
como departamento de obras e de
Legislação municipal, estadual e federal pertinentes (leis, urbanismo municipais, conselho dos
decretos, portarias e normas); patrimônios artísticos e históricos
municipais e estaduais, autoridades
estaduais e federais para a proteção
Normas técnicas (INMETRO e ABNT).
dos mananciais e do meio ambiente,
Departamento de Aeronáutica Civil.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 14


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Projeto básico de arquitetura (PB-ARQ) (opcional)


Informações de Informações a produzir Documentos a apresentar
referência
a) desenhos: planta geral de implantação; planta e cortes de terraplanagem; plantas dos
pavimentos e coberturas; cortes (longitudinais e transversais); elevações (frontais,
posteriores e laterais); plantas, cortes e elevações de ambientes especiais (banheiros,
cozinhas, lavatórios, oficinas e lavanderias); detalhes (plantas, cortes, elevações e
perspectivas) de elementos da edificação e de seus componentes construtivos (portas,
Anteprojeto de janelas, bancadas, grades, forros, beirais, parapeitos, revestimentos e seus encontros,
arquitetura (AP-ARQ); a) as relativas à edificação (ambientes impermeabilizações e proteções);
externos e internos) e a todos os elementos
da edificação, seus componentes b) textos: memorial descritivo da edificação; memorial descritivo dos elementos da
Anteprojetos
construtivos e materiais de construção; edificação, das instalações prediais (aspectos arquitetônicos), dos componentes
produzidos por outras
construtivos e dos materiais de construção; memorial quantitativo dos componentes
atividades técnicas (se b) as exigências de detalhamento devem construtivos e dos materiais de construção;
necessário); depender da complexidade funcional ou
formal da edificação. c) perspectivas (opcionais) (interiores ou exteriores, parciais ou gerais);
Outras informações.
d) maquetes (opcionais) (interior e exterior);

e) fotografias, diapositivos, microfilmes e montagens (opcional);

f) recursos audiovisuais (opcionais).

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 15


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Projeto executivo de arquitetura (PE-ARQ)


Informações de Informações a produzir Documentos a apresentar
referência
a) desenhos: planta geral de implantação; planta e cortes de terraplanagem; plantas das
coberturas; cortes (longitudinais e transversais); elevações (frontais, posteriores e laterais);
plantas, cortes e elevações de ambientes especiais (banheiros, cozinhas, lavatórios, oficinas
e lavanderias); detalhes (plantas, cortes, elevações e perspectivas) de elementos da
Anteprojeto ou projeto
edificação e de seus componentes construtivos (portas, janelas, bancadas, grades, forros,
básico de arquitetura beirais, parapeitos, revestimentos e seus encontros, impermeabilizações e proteções);
(AP-ARQ ou PB-ARQ);
b) textos: memorial descritivo da edificação; memorial descritivo dos elementos da
Anteprojetos ou edificação, das instalações prediais (aspectos arquitetônicos), dos componentes
projetos básicos --- construtivos e dos materiais de construção; memorial quantitativo dos componentes
produzidos por outras construtivos e dos materiais de construção;
atividades técnicas (se
necessário); c) perspectivas (opcionais) (interiores ou exteriores, parciais ou gerais);

d) maquetes (opcionais) (interior e exterior);


Outras informações.
e) fotografias, diapositivos, microfilmes e montagens (opcional);

f) recursos audiovisuais (opcionais).

Consulte a ABNT NBR 13532 para maiores informações quanto aos contratos de prestação de serviços técnicos especializados do projeto de arquitetura,
condições específicas e de avaliações técnicas.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 16


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Capítulo 2 – Desenhos e informações que constituem um Projeto de Arquitetura


Conforme visto no item anterior, um Projeto de Arquitetura é elaborado através de uma sequência de etapas onde cada qual define um conjunto de
informações e documentos técnicos que servem de referência para as etapas subsequentes, as quais no final, constituem um todo coeso que caracteriza uma
determinada edificação.

A ABNT NBR 6492:1994 – Representação de projetos de arquitetura, apresenta em detalhes quais são e o que contém os documentos técnicos produzidos
nestas etapas, os quais passam a ser chamados de elementos básicos do projeto.

No geral, os mesmos constituem-se em peças gráficas (plantas, cortes, fachadas, elevações, detalhes e ampliações) e escritas (programa de necessidades,
memoriais, discriminação técnica, especificações, lista de materiais, orçamento).

Para cada etapa do projeto, a referida norma estabelece o que cada uma dessas peças deve conter, conforme apresentado nas tabelas a seguir:

ETAPA: Estudo Preliminar


Planta de situação Plantas, cortes e fachadas
a) simbologias de representação gráfica (conforme ABNT NBR 6492); a) simbologias de representação gráfica (conforme ABNT NBR 6492);

b) curvas de nível existentes e projetadas, além de eventual sistema de b) indicação do norte;


coordenadas referenciais;
c) caracterização dos elementos do projeto: fechamentos externos e internos,
c) indicação do norte; acessos, circulações verticais e horizontais, áreas de serviço e demais elementos
significativos;
d) vias de acesso ao conjunto, arruamento e logradouros adjacentes com d) indicação dos nomes dos compartimentos;
os respectivos equipamentos urbanos;
e) cotas gerais;
e) indicação das áreas a serem edificadas, com o contorno esquemático da
cobertura das edificações; f) cotas de níveis principais;

f) denominação dos diversos edifícios ou blocos; g) escalas;

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 17


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

h) notas gerais, desenhos de referência e carimbo.


g) construções existentes, demolições ou remoções futuras, áreas non
aedificandi e restrições governamentais; De acordo com as características do programa, podem ser apresentados os itens
a seguir:
h) escalas;
a) sistema estrutural;

i) notas gerais, desenhos de referência e carimbo. b) eixos do projeto;

c) cotas complementares.

ETAPA: Anteprojeto
Planta de Situação Planta de Locação Plantas Cortes Fachadas
a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de
representação gráfica representação gráfica representação gráfica representação gráfica representação gráfica
(ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492);

b) curvas de nível b) sistema de coordenadas b) indicação do norte; b) eixos do projeto; b) eixos do projeto;
existentes e projetadas, referenciais do terreno,
além de eventual sistema curvas de nível existentes e c) eixos do projeto; c) sistema estrutural; c) indicação de cotas de
de coordenadas projetadas; nível acabado;
referenciais; d) sistema estrutural; d) indicação das cotas
c) indicação do norte; verticais; d) escalas;
c) indicação do norte; e) indicação das cotas
d) indicação das vias de entre os eixos, cotas e) indicação de cotas de e) notas gerais, desenhos
d) vias de acesso ao acesso, vias internas, parciais e totais; nível em osso e acabado de referência e carimbo;
conjunto, arruamento e estacionamentos, áreas dos diversos pisos;
logradouros adjacentes cobertas, platôs e taludes; f) caracterização dos f) marcação dos cortes
com os respectivos elementos do projeto: f) caracterização dos longitudinais ou
equipamentos urbanos; e) perímetro do terreno, fechamentos externos e elementos do projeto: transversais.
marcos topográficos, cotas internos, circulações fechamentos externos e

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 18


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

e) indicação das áreas a gerais e níveis principais; verticais e horizontais, internos, circulações
serem edificadas; cobertura/telhado e verticais e horizontais,
f) indicação dos limites captação de águas pluviais, áreas de instalações
f) denominação dos externos das edificações: acessos e demais técnicas e de serviços,
diversos edifícios ou recuos e afastamentos; elementos significativos; cobertura/telhado e
blocos; captação de águas pluviais,
g) eixos do projeto; g) marcação de projeção forros e demais elementos
g) construções existentes, de elementos significativos significativos;
demolições ou remoções h) amarração dos eixos do acima ou abaixo do plano
futuras, áreas non projeto a um ponto de de corte; g) denominação dos
aedificandi; referência; diversos compartimentos
h) indicação dos níveis de seccionados;
h) escalas; i) denominação das piso acabado;
edificações; h) escalas;
i) notas gerais, desenhos i) denominação dos
de referência e carimbo. j) escalas; diversos compartimentos e i) notas gerais, desenhos
respectivas áreas úteis; de referência e carimbo;
k) notas gerais, desenhos
de referência e carimbo. j) marcação de cortes e j) marcação dos cortes
fachadas; transversais nos cortes
longitudinais e vice-versa,
k) escalas; podendo ainda ser
indicadas as alturas das
l) notas gerais, desenhos seções horizontais (planta
de referência e carimbo. da edificação).

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 19


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Projeto Executivo – Parte 1


Planta de Locação Plantas Planta de teto refletivo Cortes Fachadas
a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de a) simbologias de
representação gráfica representação gráfica (ABNT representação gráfica representação gráfica representação gráfica
(ABNT NBR 6492); NBR 6492); (ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492); (ABNT NBR 6492);

b) curvas de nível b) indicação do norte; b) indicação do norte; b) eixos do projeto; b) eixos do projeto;
existentes e projetadas,
além de eventual sistema c) eixos do projeto; c) eixos do projeto; c) sistema estrutural; c) indicação de cotas de
de coordenadas nível acabado;
referenciais; d) sistema estrutural; d) sistema estrutural; d) indicação das cotas
verticais; d) indicação de convenção
c) indicação do norte; e) indicação das cotas e) caracterização dos gráfica dos materiais;
necessárias para a execução fechamentos internos e e) indicação de cotas de
d) indicação das vias de da obra, exceto onde houver externos em acabado; nível em osso e acabado e) marcação e detalhes;
acesso, vias internas, ampliação; dos diversos pisos;
estacionamentos, áreas f) desenhos f) escalas;
cobertas, platôs e taludes; f) caracterização dos esquemáticos do forro f) caracterização dos
elementos do projeto: e rebaixos, indicação da elementos do projeto: g) notas gerais, desenhos
e) perímetro do terreno, fechamentos externos e modulação de fechamentos externos e de referência e carimbo;
marcos topográficos, cotas internos, circulações verticais luminárias, aerofusos, internos, circulações
gerais e níveis principais; e horizontais, áreas de sprinklers e outros verticais e horizontais, f) marcação dos cortes
instalações técnicas e de elementos necessários; áreas de instalações longitudinais ou
f) indicação dos limites serviços, cobertura/telhado e técnicas e de serviços, transversais.
externos das edificações: captação de águas pluviais, g) indicação de cotas; cobertura/telhado e
recuos e afastamentos; acessos e demais elementos captação de águas pluviais,
significativos; h) indicação das cotas forros e demais elementos
g) eixos do projeto; de níveis do forro; significativos;
g) denominação e numeração
h) amarração dos eixos do dos compartimentos com suas i) marcação dos cortes; g) denominação dos

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 20


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

projeto a um ponto de respectivas áreas úteis para diversos compartimentos


referência; referência dos acabamentos j) marcação dos seccionados;
constantes no quadro geral de detalhes e ampliações;
i) denominação das acabamentos (ver Anexo h) escalas;
edificações; ABNT NBR 6492); k) escalas;
i) notas gerais, desenhos
j) escalas; h) codificação dos elementos l) notas gerais, de referência e carimbo;
a serem detalhados: portas, desenhos de referência
k) notas gerais, desenhos janelas, escadas, etc. e carimbo. j) marcação dos cortes
de referência e carimbo. transversais nos cortes
i) marcação de cortes e longitudinais e vice-versa,
fachadas; podendo ainda ser
indicadas as alturas das
j) marcação de detalhes e seções horizontais (planta
ampliações; da edificação);

k) marcação de projeção de k) marcação dos detalhes.


elementos significativos acima
ou abaixo do plano de corte;

l) indicação dos níveis de piso


acabado e em osso;

m) escalas;

n) notas gerais, desenhos de


referência e carimbo.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 21


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

ETAPA: Projeto Executivo – Parte 2


Ampliações e Quadro geral de
Detalhes construtivos gerais Detalhes de esquadrias
Reduções acabamento
As Ampliações a) simbologias de representação gráfica (ABNT Devem atender à nomenclatura de porta e janela, a) simbologias de
devem seguir os NBR 6492); respectivamente, P e J (ver item A-16.1 do Anexo representação
padrões da ABNT NBR 6492). gráfica (ABNT NBR
apresentados nos b) eixos do projeto; 6492);
itens de plantas, a) simbologias de representação gráfica (ABNT
cortes e fachadas. c) sistema estrutural; NBR 6492); b) notas gerais,
desenhos de
As Elevações devem d) indicação de cotas em osso e acabadas, e cotas b) elevações com indicação de funcionamento e referência e
seguir os padrões totais das partes detalhadas; locação de detalhes, plantas e cortes carimbo.
especificados para esquemáticos, quando necessário;
as fachadas. e) indicação de cotas pormenorizadas na fixação Ver modelo do
de todas as peças e acessórios existentes; c) detalhes construtivos ou esquemáticos de Anexo da ABNT
lateral, verga, soleira e peitoril; NBR 6492.
f) indicação de cotas de nível em osso e acabado;
d) cotas totais e parciais necessárias para uma
g) indicação dos materiais de acabamento perfeita compreensão de cada elemento
utilizados; representado;

h) marcação de cortes, elevações; e) a designação de todos os materiais,


acabamentos e acessórios;
i) escalas;
f) quadro geral (ver modelo do Anexo da ABNT
j) notas gerais, desenhos de referência e carimbo. NBR 6492);

g) escalas;

h) notas gerais, desenhos de referência e carimbo.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 22


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Capítulo 3 – Especificações normativas de representação gráfica técnica


O anexo da ABNT NBR 6492 especifica os elementos gráficos a serem utilizados no desenho arquitetônico, a saber:

3.1. Linhas de representação

* Contorno: contínuas, espessura de +/- 6 mm variando com a escala e a natureza do desenho.

* Internas: contínuas, espessura de +/- 4 mm

* Situadas além do plano de desenho, ou seja, abaixo: tracejadas, espessura de +/- 2 mm

* Projeção: traço - dois pontos, espessura de +/- 2 mm. Quando se tratar de projeções importantes, devem ter a mesma espessura das linhas de
contorno. São utilizadas para representar projeções de pavimentos superiores, marquises, balanços, telhados, etc.

* Eixos de coordenadas e indicações de cortes: traço largo - ponto, espessura de +/- 2 mm.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 23


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

* Cotas, indicações, chamadas, silhuetas, interrupção: contínuas, espessura de +/- 2 mm

Linha de cota

Fig.2 - Linha de chamada de detalhe. Fig.3 - Linha de interrupção.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.11. Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.11.

* Auxiliares: contínuas, espessura de +/- 1 mm. Utilizadas para a construção de desenhos, guias de letras e números, construídas com traço mais fino
possível.

3.2. Letras e números

Sempre maiúsculas, não inclinadas, com as alturas indicadas.

Fig.4 – Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.12.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 24


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Para desenhos plotados ou à tinta:

ABCDEFGH....abcdefgh....0123456 2,0 mm - Régua 80 CL - Pena 0,2 mm


ABCDEFGH...abcdefgh...0123456 2,5 mm - Régua 100 CL - Pena 0,3 mm
ABCDEFGH...abcdefgh...0123456 3,5 mm - Régua 140 CL - Pena 0,4 mm
ABCDEFGH...abcdefgh...0123456 4,5 mm - Régua 175 CL - Pena 0,8 mm

3.3. Indicação do Norte 3.4. Indicação de chamadas

Fig.6 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.14.
Fig.5 - Desenhos à grafite.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.14.

3.5. Indicação de acessos

Fig.7 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.15.
Fig.8 - Desenhos plotados ou à tinta.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.15.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 25


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.6. Indicação do sentido ascendente de escadas e rampas

Fig.10 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fig.9 - Desenhos à grafite. Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.15.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.15.

3.7. Indicação de inclinação de telhados, caimentos, pisos, etc.

Fig.11 - Desenhos à grafite ou plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.16.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 26


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.8. Cotas

As cotas devem sempre ser indicadas em metros, atendendo às seguintes prescrições:

* as linhas de cota devem sempre estar fora do desenho, salvo em casos de impossibilidade;

* as linhas de chamada devem parar de 2 a 3 mm do ponto dimensionado;

* as cifras devem ter 3 mm de altura, e o espaço entre elas e a linha de cota deve ser de 1,5 mm;

* quando a dimensão a cotar não permitir que a cota seja informada em sua extensão, colocar a cota ao lado, indicando seu local exato com uma linha
de chamada;

* nos cortes, somente marcar cotas verticais;

* evitar a duplicação de cotas.

Fig.12 - Desenhos à grafite. Fig.13 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.16. Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.16.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 27


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.9. Cotas de nível

São sempre indicadas em metro, e devem ser inseridas tanto em plantas quanto em cortes.

Utiliza-se a sigla NA para indicar cotas de nível de piso acabado, e NO para cotas de nível de piso em osso.

Fig.14 - Desenhos à grafite. Fig.15 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.17. Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.17.

3.10. Dimensão dos vãos de portas e janelas

Deve ser indicada no vão acabado, ou seja, pronto para receber as esquadrias.

Fig.16 - Indicação de cota de nível.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.16.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 28


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.11 Eixos de coordenadas

Indicam eixos estruturais ou de modulação especial.

Os eixos verticais são indicados por números, e os horizontas por letras maiúsculas.

Fig.17 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.18.

Fig.18 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.18.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 29


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.12. Indicação de cortes

A marcação da linha de corte deve ser suficientemente forte e clara para evitar dúvidas e mostrar imediatamente onde ele se encontra.

Quando o desenho indicado estiver na mesma folha, deixar em branco o local designado para o número da folha.

Fig.19 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.19.

Fig.20 - Desenhos plotados ou à tinta.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.19.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 30


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.13. Marcação e indicação de detalhes

Fig.21 - Marcação e indicação de detalhes.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.21.

3.14. Numeração e títulos dos desenhos

Em todas as folhas, os desenhos devem ser numerados a partir do no. 1 até "n".

Fig.22 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.22.
Fig.23 - Desenhos plotados ou à tinta.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.22.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 31


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.15. Indicação de fachadas e elevações

Devem ser indicadas nas plantas, em escalas convenientes.

Fig.24 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.22. Fig.25 - Desenhos plotados ou à tinta.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.22.

3.16. Indicação de portas e janelas

Utilizar para portas P1, P2, P3, Pn, e para janelas, J1, J2, J3, Jn.

Fig.26 - Desenhos à grafite.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.23.
Fig.27 - Desenhos plotados ou à tinta.
Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.23.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 32


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

3.17. Representação dos materiais mais utilizados

Fig.28 - Hachuras de representação de materiais.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.25.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 33


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Para o desenho de arquitetura, a ABNT NBR 6492 recomenda a utilização das 1:2, 1:5, 1:10, 1:25, 1:50, 1:75, 1:100, 1:200, 1:250 e 1:500. A escolha de uma
determinada escala deve levar em consideração o tamanho do objeto a ser representado, as dimensões do papel e a clareza do desenho.

Quanto à natureza do desenho, geralmente empregam-se as escalas de 1:100, 1:75 e 1:50 para a representação de plantas baixas, plantas de cobertura,
cortes, vistas e fachadas. Para plantas de situação, utilizam-se as de 1:200, 1:250 e 1:500. Já para os desenhos de detalhes e seções que se fizerem necessários,
1:2, 1:5, 1:10, 1:20 e 1:25.

Capítulo 4 – Configuração e apresentação das pranchas do projeto


Como Condições Gerais, a ABNT NBR 6492 (pág. 2, item 4) especifica que os desenhos arquitetônicos devem ser executados em papéis transparentes ou
opacos nos formatos da série A (ABNT NBR 10068), de A4 (mínimo) à A0 (máximo), contendo margens e legenda (carimbo) nas dimensões específicas
conforme o tamanho da folha (tab.1). Convenciona ainda a forma de dobradura das folhas, quando necessário (ABNT NBR 13142 - Figs. 29 a 33).

Tabela 1 - Formatos da série A, margens e carimbos - medidas em milímetros (mm)

MARGENS ESPESSURAS
LARGURA DA
FORMATO DIMENSÕES DAS LINHAS
ESQUERDA DEMAIS LEGENDA
DE MARGENS
A0 1189 X 841 1,4
10 175
A1 841 X 594 1,0
A2 594 X 420 25 0,7
A3 420 X 297 7 178 0,5
A4 297 X 210 0,5

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 34


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Y/4 Y/4 Y/2


X/4

A4
A3
X/4

A4
A1
X/2

A2

A0
X

Fig. 29 - Derivação do formato A0. Fig. 30 - Dobra do formato A0 em A4.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.3.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 35


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Fig.32 - Dobra do formato A2 em A4.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.4.

Fig.31 - Dobra do formato A1 em A4.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.3.

Fig.33 - Dobra do formato A2 em A4.


Fonte: NBR 6492, ABNT, pág.4.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 36


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Quanto à apresentação das pranchas, a ABNT NBR 10582:1988 – Apresentação da folha para desenho técnico, estabelece que estas devem ser divididas
em três espaços distintos: para desenho, para texto e para legenda (Fig.34).

Fig.34 – Espaços da prancha de desenho.


Fonte: NBR 10582, ABNT, pág.1.

No espaço para desenho, os mesmos podem ser dispostos na horizontal e vertical, sendo que o principal, se houver, é colocado acima e à esquerda. Se
possível, deve-se levar em consideração o dobramento das pranchas no formato A4.

No espaço para texto é onde colocam-se as informações necessárias para o entendimento do conteúdo da prancha. Estas informações devem ser escritas
conforme a ABNT NBR 8402:1994 – Execução de caracter para escrita em desenho técnico. É colocado à direita ou na margem inferior, sendo que neste
último caso, a altura do mesmo dependerá da natureza do serviço. Sua largura deve ser igual à da legenda ou no mínimo 100 mm. O espaço para texto deve
ser separado em colunas, com larguras apropriadas, considerando-se o dobramento da prancha no formato A4. Deve conter as seguintes informações:

a) explanação;
b) instrução;
c) referência;
d) localização da planta de situação, e
e) tábua de revisão.

A Figura 35 ilustra os modelos na norma.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 37


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Fig.35 – Campos do espaço de texto.


Fonte: NBR 10582, ABNT, pág.2.

O conteúdo das áreas de informação irá depender da natureza dos desenhos apresentados e devem atender às exigências daqueles que os analisarão, como
por exemplo, a prefeitura municipal.

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 38


Representação Gráfica e Apresentação de Projetos Arquitetônicos

Considerações Finais
Com base nas informações apresentadas neste material, você estará apto a desenvolver adequadamente seus projetos de arquitetura, tanto à mão quanto
digitalmente, bastando para isso configurar seus templates nos softwares de preferência.

Bom trabalho!

Referências consultadas
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 13531 Elaboração de projetos de edificações – Atividades técnicas. Rio de Janeiro: ABNT, 1995
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 13532 Elaboração de projetos de edificações – Arquitetura. Rio de Janeiro: ABNT, 1995
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 6492 Representação de Projetos de Arquitetura. Rio de Janeiro: ABNT, 1994
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10068 Folha de desenho – Leiaute e dimensões. Rio de Janeiro: ABNT, 1987
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10582 Apresentação da folha para desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1988
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10067 Princípios gerais de representação em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1995
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 8403 Aplicação de linhas em desenho – Tipos de linhas – Larguras de linhas. Rio de Janeiro:
ABNT, 1984
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10126 Cotagem em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1998
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 8402 Execução de caracter para escrita em desenho técnico. Rio de Janeiro: ABNT, 1994

Cursos Construir – www.construir.arq.br PROFA. CLAUDIA VASQUES 39