Você está na página 1de 11

FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1

t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência


CAPÍTULO 11

LO
P ÍTU
CA

11 TRABALHO E POTÊNCIA
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho
No dia a dia, frequentemente usamos a palavra trabalho. Entretanto, em Física, essa
palavra tem um significado bastante específico, relacionado ao que ocorre quando
uma força desloca um corpo por certa distância.

Vamos considerar um corpo que, submetido à ação de uma força F constante, apli-
cada por uma pessoa, sofre um deslocamento d .

F F
u u

ADILSON SECCO
Ft Ft

Parte da energia utilizada pela pessoa ao realizar essa tarefa é transferida para o
bloco. Dizemos, então, que a força F realizou um trabalho sobre o bloco.
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho
Por definição, o trabalho de uma força constante, representado aqui pela letra grega
t (tau), é uma grandeza física escalar calculada efetuando-se o produto do módulo
da componente da força paralela ao deslocamento (componente tangencial Ft) pelo
módulo do deslocamento d.

tF 5 Ft ? d

ou

tF 5 F ? d ? cos u

No SI, a unidade de trabalho é o joule (J), derivada das unidades newton e metro,
que corresponde a N ? m. Essa unidade recebe o nome joule em homenagem ao
físico inglês James Prescott Joule (1818-1889).
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho
Para uma força F variável, devemos calcular o trabalho a partir do gráfico Ft 3 d.

Ft Ft

ILUSTRAÇÕES: LUIZ RUBIO


N
utu = A

0 d 0 d

No gráfico Ft 3 d, em dado deslocamento, temos:

N
t 5 área sob Ft 3 d
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho das forças peso e elástica


Trabalho da força peso
Considere um corpo de peso P, que se desloca entre dois pontos, seguindo uma tra-
jetória na qual sofre um deslocamento vertical h.

LUIZ RUBIO
P

O trabalho da força peso não depende da trajetória seguida pelo corpo, mas apenas
do desnível h, medido na vertical, entre o ponto de partida e o ponto de chegada.
E é calculado usando:
positivo , quando o corpo desce
tP 5 6 P ? h ] t P 5 6 m ? g ? h *
negativo , quando o corpo sobe
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho das forças peso e elástica


Trabalho da força elástica
Sabendo que a força elástica é variável, devemos calcular seu trabalho pelo grá-
fico Felást. 3 x. Pela lei de Hooke, temos Felást. 5 k ? x, logo:

Felást.
t 5 área sob Ft 3 d
kx
x ? (k ? x)
Então: tFelást. 5 ]
LUIZ RUBIO

2
utFelást.u k ? x2
] tFelást. 5 2
x1 5 0 x2 5 x x

O trabalho da força elástica é resistente (negativo) quando a mola é comprimida


ou distendida e motor (positivo) quando a mola é restituída ao seu comprimento
original (posição de equilíbrio).
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Trabalho das forças peso e elástica


Observação

O trabalho da força peso e o trabalho da força elástica não dependem da trajetória


descrita pelo ponto de aplicação da força. Por esse motivo, a força peso e a força
elástica são chamadas de forças conservativas.

x2
O

ILUSTRAÇÕES: LUIZ RUBIO


P P P F2
Felást.

x1
P P P F1

O trabalho da força peso nos deslocamentos Nos trechos em arco, o trabalho da força F é nulo,
horizontais é nulo, pois essa força é perpendicular pois a força é perpendicular ao deslocamento.
ao deslocamento. Portanto, a força peso só Mas, nos trechos retilíneos, o trabalho é não nulo
realiza trabalho nos deslocamentos verticais. e deve ser calculado a partir do gráfico Felást. 3 x.
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Teorema trabalho-energia
Considere um corpo de massa m submetido a um sistema de forças cuja resultante
FR é constante e sofre um deslocamento d . As velocidades nas posições 1 e 2 são
respectivamente iguais a v1 e v2 .

a
Posição 1 Posição 2

LUIZ RUBIO
FR v1 FR v2
m m

Da equação de Torricelli, vista durante o estudo do MUV, temos:

v 2
2 2 v 2
1
v22 5 v21 1 2 ? a ? d ] a 5
2d
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Teorema trabalho-energia
Substituindo a aceleração a na segunda lei de Newton, obtemos:

v22 2 v21 m ? v22 m ? v21


FR 5 m ? a ] FR 5 m ? ] FRd 5 2 2 2
2?d

Trabalho da Energia cinética Energia cinética


força resultante final inicial

Portanto:

tF 5 Ec 2 Ec
R 2 1

O trabalho da força resultante de um sistema de forças, em um dado desloca-


mento, é igual à variação da energia cinética nesse deslocamento.
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Potência
Representada pela letra P, a potência é a grandeza física escalar que indica a rapidez
com que determinado trabalho é realizado, ou a rapidez com que determinada quan-
tidade de energia é transferida ou transformada. Por definição, potência média é:

t
Pm 5
Dt

No SI, a unidade de medida de potência, J/s, recebe o nome de watt (W). Assim:

1 W 5 1 J/s

Mas, para uma força constante: t 5 F ? Ds


F ? Ds
Pm 5 ] Pm 5 F ? vm e P5F?v
Dt
Potência Velocidade
vm W N m/s instantânea instantânea
FÍSICA – NICOLAU t PARTE 1
t TORRES t PENTEADO Trabalho e potência
CAPÍTULO 11

Rendimento
Sempre que um sistema físico recebe energia, inevitavelmente parte dessa energia
é perdida, quase sempre na forma de energia térmica.

Energia dissipada A potência associada à energia dissipada


Energia total recebida
é chamada de potência dissipada (Pd).
A potência associada à energia efetiva-
ADILSON SECCO

mente utilizada é chamada de potência


útil (Pu). Assim, sendo Pt a potência to-
Energia útil
Sistema físico tal recebida pelo sistema, temos:

Pt 5 Pu 1 Pd

Denomina-se rendimento, representado pela letra grega h (eta), a grandeza adi-


mensional dada por:
Pu Pu
h5 P ou h(%) 5 ? 100
t Pt