Você está na página 1de 4

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL


Instituto de Psicologia - UFRGS

PSI00158 - Mídia e processo de subjetivação no contemporâneo (03 créditos)


Prof.ª Dr.ª Inês Hennigen (ineshennigen@gmail.com)

EMENTA
A disciplina propõe a discussão do processo de subjetivação no contemporâneo, um tempo marcado por produtos
e processos midiáticos, cujos efeitos são inegáveis nos modos de ser e se relacionar.

OBJETIVOS
A partir de contribuições de diversos campos e perspectivas teóricas, objetiva-se compreender os modos de
subjetivação e as sociabilidades engendradas no encontro com a mídia e refletir acerca de novas possibilidades
existenciais. Na disciplina se buscará discutir e articular concepções sobre o contemporâneo e acerca dos processos
midiáticos – focando a produção de discursos e de imaginários sociais, a fim de problematizar os (novos) modos
de subjetivação e sociabilidade.

METODOLOGIA
Encontros semanais, modalidade seminário – com indicação prévia de leitura, sendo que, em alguns encontros, se
lançará mão de produções midiáticas como mote para iniciar as discussões; cada aluno, ao longo do semestre,
coordenará a discussão em um encontro.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
• Modernos, pós-modernos, líquidos – afinal, o que (de)marcam categorias?
• Cultura e discurso: produzindo saberes e sujeitos.
• Sociedade disciplinar, sociedade de controle: que poderes, que sujeitos?
• Subjetividade, subjetivação no contemporâneo.
• Ainda – ou cada vez mais – uma sociedade do espetáculo?
• A produção do desejo na era da mídia.
• Sociabilidade e/ou socialidade: o que e como se faz laço social?
• A intimidade em praça pública – o eu que se mostra.
• Interatividade, Web 2.0: a vez e a voz de todos?
• Geração x, y, z: de que jovens se fala – e como se fala?
• Sociedade de consumo: compram-se posições no mundo, experiências, emoções.
• Redes sociais na Internet: ver, saber, divulgar, curtir, conversar...
• Mídia alternativa, mídias sociais: a serviço de quem?

AVALIAÇÃO
Engajamento nas discussões, coordenação de um seminário, elaboração de um ensaio (entre 6 e 10 páginas, Times
12, espaço 1,5) acerca da temática da disciplina, articulando-a ao tema do projeto/dissertação – ou de interesse
(utilizando, pelos menos, 4 textos discutidos)
PSI00158 - Mídia e processo de subjetivação no contemporâneo (03 créditos)

BIBLIOGRAFIA

Costa, R. (2011). Redes sociais e capital social: a nova fronteira do neocapitalismo. In J. Freire Filho, M. G. P.
Coelho (Orgs.), A promoção do capital humano: mídia, subjetividade e o novo espírito do capitalismo (pp.85-106).
Porto Alegre: Sulina.
Debert, G. G. (2010). A dissolução da vida adulta e a juventude como valor. Horizontes antropológicos, 34, p. 49-
70.
Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In H. Dreyfus & P. Rabinow (Orgs.), Michel Foucault, uma trajetória
fislosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 231-249). Rio de Janeiro: Forense Universitária.
França, V. (2010). “A felicidade ao seu alcance”: que felicidade, e ao alcance de quem, afinal? In J. Freire Filho
(Org.), Ser feliz hoje (pp.213-226). Rio de Janeiro: Editora FGV.
Franco Ferraz, M. C. (2005). Tecnologias, memória e esquecimento: da modernidade à contemporaneidade.
Revista Famecos, 27, p. 49-57.
Freire Filho, J. (2007). Sociedade do espetáculo à sociedade da interatividade? In C. F. Gutfreind & J. M. Silva
(Orgs.), Guy Debord: antes e depois do espetáculo (pp. 61-87). Porto Alegre: EDIPUCRS.
Freire Filho, J. & Lemos, J. F. (2008). Imperativos de conduto juvenil no século XXI: A “geração digital” na mídia
impressa brasileira. Comunicação, Mídia e Consumo, 13(5),11-25.
Freire Filho, J. & Marques, C. (2008). Sob o domínio do medo: a construção de sujeitos temíveis e de sujeitos
temerosos na mídia. In E. G. Coutinho; J. Freire Filho & R. Paiva (Orgs.), Mídia e poder: ideologia, discurso e
subjetividade (pp. 81-113). Rio de Janeiro: Mauad X.
Freire-Medeiros, B. (2010). Felicidade é... uma favela violenta com vista para o mar. In J. Freire Filho (Org.), Ser
feliz hoje (pp.257-273). Rio de Janeiro: Editora FGV.
Furtado, L. E., Goncalves, S. D., Miranda, L. L. & Pascual, J. G. (2011). Subjetivação, discursos científicos e
midiáticos: revisitando estudos foucaultianos sobre corpos. Fractal, 23 (1), p. 155-170.
Gutfreind, C. F. & J. M. Silva, J. M. (2007). (Orgs.) Guy Debord: antes e depois do espetáculo. Porto Alegre:
EDIPUCRS.
Mansano, S. R. V. (2009). Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de
Psicologia da UNESP, 8, p. 110-117.
Marques, A. (2009). A participação do corpo nas experiências artísticas digitais. Rumores - Revista de
Comunicação, Linguagem e Mídias, 3 (1), s.p.
Ortega, F. (2009). Neurociências, neurocultura e autoajuda. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 31, 247-
260.
Pelbart, P. P. (2011). Império e biopotência. In P. P. Pelbart (Org.), Vida capital: ensaios de biopolítica (pp. 81-89).
São Paulo: Iluminuras.
Pelbart, P. P. (2011). Mais perguntas sobre resistência e criação In P. P. Pelbart (Org.), Vida capital: ensaios de
biopolítica (pp. 137-142). São Paulo: Iluminuras.
Peixoto Junior, C. A. (2008). Sobre a produção de subjetividade na atual sociedade do espetáculo. In C. A. Peixoto
Junior, Singularidade e subjetivação (pp. 187-202). Rio de Janeiro: 7 Letras.
Peixoto Junior, C. A. (2012). Capitalismo e esquizofrenia: cartografias políticas. Ecos, 2 (1), p. 88-93.
Pereira, P. & Morigi, V. (2011). Informação e cidadania: apropriação das tecnologias digitais na inclusão social
brasileira. In V. J. Morigi, I. M. T. Girardi & C. D. Almeida (Orgs.), Comunicação, informação e cidadania (pp.
253-269), Porto Alegre: Sulina.
PSI00158 - Mídia e processo de subjetivação no contemporâneo (03 créditos)

Pereira, V. A. (2008) G.A.M.E.S. 2.0. Gêneros e gramáticas de arranjos e ambientes midiáticos moduladores de
experiências de entretenimento, sociabilidades e sensorialidades. In H. Antoun (Org.), Web 2.0: participação e
vigilância na era da comunicação distribuída (p. 65-82). Rio de Janeiro: Mauad X.
Prado Filho, K. (2009). Considerações acerca do cuidado de si mesmo contemporâneo. In S. Tedesco & M. L. do
Nascimento (Org.), Ética e subjetividade (pp. 231-245), Porto Alegre: Sulina.
Santaella, L. (2008). Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura (3. ed.). São Paulo:
Paulus.
Santaella, L. (2010). Subjetividade nas redes sociais. In L. Santaella, A ecologia pluralista da comunicação (pp. 281-
296). São Paulo: Paulus.
Saraiva, K. & Veiga-Neto, A. (2009). Modernidade Líquida, Capitalismo Cognitivo e Educação Contemporânea.
Educação & Realidade, 34 (2), p. 187-201.
Sibilia, P. (2008). Eu atual e a subjetividade instantânea. In P. Sibilia, O show do eu (pp. 115-147). Rio de Janeiro:
Nova Fronteira.
Sibilia, P. (2011). A técnica contra o acaso: os corpos inter-hiperativos da contemporaneidade. Revista Famecos,18
(3), p. 638-656.
Silveira, S. A. (2010). Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo. Revista USP, 86, p. 28-39.
Taschner, G. (1999). A pós-modernidade e a sociologia. Revista USP, 42, p. 6-19.

Bibliografia complementar
Araújo, E. L.; Leite, J.; Aragon, L. E. (Org.). (2010). Subjetividade contemporânea: desafios teóricos e
metodológicos. Curitiba: CRV.
Azambuja, M. A. & Guareschi, N. M. F. (2007). Devir vírus. Revista do Depertamento de Psicologia - UFF, 19(2),
439-454.
Bauman, Z. (2007). Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Beleli, I. (2007). Corpo e identidade na propaganda. Estudos Feministas, 15(1), 193-215.
Bucci, E &. Kehl, M. R (2004). Videologias: ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo.
Caiafa, J. & ElHajji, M. (2007). (Orgs.). Comunicação e sociabilidade: cenários contemporâneos. Rio de Janeiro:
Mauad X.
Canclini, N. G. (2009). Consumo, acesso e sociabilidade. Comunicação, mídia e consumo, 16, 111-127.
Cogo, D. & Maia, J. (2006). (Orgs.), Comunicação para a cidadania. Rio de Janeiro: EDUERJ.
Coutinho, E. G., Freire Filho, J. & Paiva, R. (2008). Mídia e poder: ideologia, discurso e subjetividade. Rio de
Janeiro: Mauad X.
Deleuze, G. (2008). Conversações. São Paulo: Ed. 34.
Escosteguy, A. C. (2006). (Org.) Comunicação, cultura e mediações tecnológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Ferreira, J. & Vizer, E. (2007). (Orgs.). Mídia e movimentos sociais: linguagens e coletivos em ação. São Paulo:
Paulus.
Foucault, M. (1999). A história da sexualidade: a vontade de saber (13. ed). Rio de Janeiro: Graal.
Freire Filho, J. & Herschmann, M. (Orgs.) (2007). Novos rumos da cultura da mídia: indústrias, produtos,
audiências. Rio de Janeiro: Mauad X.
Guareschi, N. M. F. & Bruschi, M. (2003). (Orgs.) Psicologia social nos estudos culturais: perspectivas e desafios
para uma nova psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes.
Guareschi, N. M. F. & Hüning, S. M. (Orgs.) (2009). Foucault e a Psicologia. Porto Alegre: EDIPUCRS.
PSI00158 - Mídia e processo de subjetivação no contemporâneo (03 créditos)

Kellner, D. (2001). A cultura da mídia: estudos culturais, identidade e política entre o moderno e o pós-moderno.
Bauru, SP: EDUSC.
Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34.
Legros, P.; Monneyron, F.; Renard, J-B. & Tacussel, P. (2007). Sociología do imaginário. Porto Alegre: Sulina.
Lemos, F. C. S. (2009). Educação a distância na sociedade de controle. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 9 (3),
664-678.
Lypovetsky, G. & Serroy, J. (2009). A tela global: mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre:
Sulina.
Maffesoli, M. (2007). O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro: Record.
Maia, R. & Castro, M. C. P. S. (Orgs.). (2006). Mídia, esfera pública e identidades coletivas. Belo Horizonte:
UFMG.
Martins, F. M. & Silva, J. M. da (2008). A genealogia do virtual: comunicação, cultura e tecnologias do imaginário
(2 ed.). Porto Alegre: Sulina.
Parente, A. (Org.). (2004). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto
Alegre: Sulina.
Peruzzo, C. M. K. (2009). Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no
Brasil na era do ciberespaço. Revista Galáxia, 17, 131-146.
Recuero, R. (2009). Diga-me com quem falas e dir-te-ei quem és: a conversação mediada pelo computador e as
redes sociais na Internet. Revista FAMECOS, 38, 118-128.
Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina.
Rolnik, S. (2006). Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora
da UFRGS.
Rolnik, S. (2001). Despachos no museu: sabe-se lá o que vai acontecer... São Paulo em perspectiva, 15(3), 3-9.
Sibilia, P. (2006). A desmaterialização do corpo: da alma (analógica) à informação (digital). Comunicação, Mídia e
Consumo, 6(3), 105-119.
Silva, J. M. (2006). As tecnologias do imaginário (2. ed.). Porto Alegre: Sulina.
Silverstone, R. (2005). Por que estudar a mídia (2. ed.)? São Paulo: Loyola.
Sodré, M. (2006). As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis, RJ: Vozes.
Sodré, M. (2009). Um imaginário ativo na cultura nacional. Revista Famecos, 40, 23-27.
Spink, M. J. & Spink, P. (2006). Práticas cotidianas e a naturalização da desigualdade: uma semana de notícias nos
jornais. São Paulo: Cortez.
Veiga-Neto, A. (2000). Michel Foucault e os estudos culturais. In M. V. Costa (Org.), Estudos culturais em
educação (pp. 37-69). Porto Alegre: UFRGS.
Wortmann, M. L C.; Santos, L. H. S.; Ripoll, D.; Souza, N. G. S. & Kindel, E. A. I. (Orgs.). (2007). Ensaios em
estudos culturais, educação e ciência. Porto Alegre: UFRGS.