Você está na página 1de 50

Curso: Engenharia Civil

Disciplina: Estruturas Especiais de Concreto


Reservatórios elevados

• CARGA HORÁRIA: 54 h/a


• 9º período
• Prof. Me. Leandro Dias Küster
1
Aula 02 – Reservatórios elevados

Tipos de reservatórios

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 2


Aula 02 – Reservatórios elevados

Tipos de reservatório
• Classificação quanto à posição:
– Reservatório enterrado (com sobrecarga de terra na tampa);
– Reservatório enterrado (sem sobrecarga de terra na tampa);
– Reservatório parcialmente enterrado;
– Reservatório apoiado no terreno;
– Reservatório elevado.

• Classificação quanto à geometria:


– Cilíndrico;
– Paralelepipédicos;
– Com paredes divisórias.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 3


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(com sobrecarga de terra na tampa)
NÍVEL
TERRENO

PAREDE TAMPA

PAREDE
FUNDO

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 4


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(com sobrecarga de terra na tampa) - Vazio
SOBRECARGA EMPUXO DA TERRA

LAJE DE TAMPA PAREDE


PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 5


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(com sobrecarga de terra na tampa) - Cheio
SOBRECARGA EMPUXO DA TERRA

LAJE DE TAMPA
PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 6


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(sem sobrecarga de terra na tampa)
NÍVEL
TAMPA TERRENO

PAREDE

PAREDE
FUNDO

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 7


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(sem sobrecarga de terra na tampa) - Vazio
EMPUXO DA TERRA
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 8


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório enterrado
(sem sobrecarga de terra na tampa) - Cheio
EMPUXO DA TERRA
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 9


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório parcialmente enterrado

TAMPA

NÍVEL
PAREDE

PAREDE
TERRENO

FUNDO

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 10


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório parcialmente enterrado


Vazio
EMPUXO DA TERRA
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 11


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório parcialmente enterrado


Cheio
EMPUXO DA TERRA
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 12


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório apoiados no terreno

TAMPA

PAREDE

PAREDE
NÍVEL
FUNDO
TERRENO

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 13


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório apoiados no terreno


Vazio
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO
(PASSIVA)
CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 14


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório apoiados no terreno


Cheio
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
PAREDE

REAÇÃO DO TERRENO
(PASSIVA)
CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 15


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório elevados

Fonte: Ferreira (2015)

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 16


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório elevados
TAMPA

PAREDE

PAREDE
FUNDO

NÍVEL
TERRENO

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 17


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório elevados
Vazio
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
FUNDO PAREDE

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 18


Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatório elevados
Cheio
LAJE DE TAMPA

PAREDE
PAREDE

PAREDE

PAREDE

PAREDE
FUNDO
PAREDE

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 19


Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 20


Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

• Laje de tampa:

Peso próprio do concreto da laje 𝑔1 = ℎ𝑡𝑎𝑚𝑝𝑎 . 𝛾𝑐𝑜𝑛𝑐𝑟𝑒𝑡𝑜 (kN/m²)


Peso adotado da impermeabilização 𝑔2 ± 1 (kN/m²)
Peso do solo, se existir 𝑔3 = ℎ𝑠𝑜𝑙𝑜 . 𝛾𝑠𝑜𝑙𝑜 (kN/m²)
Sobrecarga sobre a tampa 𝑞 ≥ 0,5 (kN/m²)

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 21


Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

• Laje de fundo:
Peso próprio do concreto da laje 𝑔1 = ℎ𝑡𝑎𝑚𝑝𝑎 . 𝛾𝑐𝑜𝑛𝑐𝑟𝑒𝑡𝑜 (kN/m²)
Peso adotado da impermeabilização 𝑔2 ± 1 (kN/m²)
Subpressão, se existir q s = ℎsub . 𝛾sub (kN/m²)
Sobrecarga devido a água 𝑞𝑎 = ℎá𝑔𝑢𝑎 . 𝛾á𝑔𝑢𝑎 (kN/m²)

– Obs. 1 - Se a caixa d’água for elevada, consideraremos


somente o efeito da carga vertical máxima;
– Obs. 2 - Se a caixa d’água for enterrada ou semi-
enterrada, apoiada em estaca ou pilares,
consideraremos dois casos de cargas:
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 22
Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

• Parede – Ações Verticais:

Reação máxima da laje de tampa r1 (kN/m)


Reação máxima da laje de fundo r2 (kN/m)
Peso próprio da parede 𝑔 = 𝑏. ℎ𝑡 . 𝛾conc (kN/m)

NA

b
ht

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 23


Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

• Parede – Ações horizontais (reservatório elevado):


NA 𝑝 = 𝛾á𝑔𝑢𝑎 . 𝑎

h 𝑎
𝑝𝑎 = p.
pa p ℎ

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 24


Aula 02 – Reservatórios elevados

Cargas a considerar

• Parede – Ações horizontais (reservatório enterrado):

– Neste caso devemos considerar dois casos:


• Caixa d’água cheia + empuxo ativo da terra nulo + nível
d’água do lençol freático abaixo do nível da laje de
fundo.

• Caixa d’água vazia + empuxo ativo da terra + nível


freático máximo.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 25


Aula 02 – Reservatórios elevados

Dimensões usuais recomendadas

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 26


Aula 02 – Reservatórios elevados

Dimensões usuais recomendadas


• Uma forma que se pode determinar as dimensões do fundo e
paredes de um reservatório é forçar o dimensionamento para o
Estádio I.

100. ℎ3
𝛼. 𝑓𝑐𝑡 . 𝐼 1,5. 𝑓𝑐𝑡 . 12
𝑀𝑎 ≤ 𝑀𝑟 = =
𝑦 ℎ
2
• Sendo:
– 𝑀𝑎 = Momento devido à combinação rara de serviço (pode-se
considerar um momento apenas com as cargas características.
Geralmente os valores serão muito próximos);
– 𝑀𝑟 = Momento de fissuração
– 𝑓𝑐𝑡 = 𝑓𝑐𝑚 no estado-limite de deformação excessiva. Seu valor
depende do fck utilizado.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 27


Aula 02 – Reservatórios elevados

Dimensões usuais recomendadas


• Caso seja determinado dimensões em que o elemento
estrutural fique no Estádio I, pode-se desprezar a
verificação do estado-limite de deformação excessiva (ELS-
DEF).

• Caso contrário, deve-se verificar a ELS-DEF, e também


DEVE-SE indicar impermeabilização para o elemento
estrutural.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 28


Aula 02 – Reservatórios elevados

Dimensões usuais recomendadas

h1
h3
LAJE DE TAMPA

PAREDE

h1 h1 h1 PAREDE
h1
PAREDE
PAREDE PAREDE
PAREDE

h1
h2

LAJE DE FUNDO PAREDE

CORTE VERTICAL CORTE HORIZONTAL

ℎ1 ≥ 15𝑐𝑚 (𝑀𝑢𝑖𝑡𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑢𝑚 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑒 15 𝑒 20𝑐𝑚)

ℎ2 ≥ 15𝑐𝑚 (𝑀𝑢𝑖𝑡𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑢𝑚 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑒 15 𝑒 20𝑐𝑚)

ℎ3 ≥ 7𝑐𝑚 (𝑀𝑢𝑖𝑡𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑢𝑚 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑒 10 𝑒 12𝑐𝑚)


Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 29
Aula 02 – Reservatórios elevados

Dimensões usuais recomendadas

Mísulas Abertura da laje de tampa


h1
ℎ1
𝑒≥ቊ
ℎ2

e
70 cm
h2

e
Costuma-se adotar mísulas, com ângulo Geralmente as aberturas
de 45o e com dimensões, iguais a maior na tampa são quadradas:
espessura (e) dos elementos estruturais - 60 x 60;
da ligação - 70 x 70.
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 30
Aula 02 – Reservatórios elevados

Modelo de dimensionamento de
reservatórios paralelepipédicos
elevados

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 31


Aula 02 – Reservatórios elevados

Modelo de dimensionamento

• Os reservatórios podem ser calculados separando-se os


seus elementos da seguinte forma:

– Laje de tampa
• Dimensionada como laje apoiada nos quatro bordos;
– Laje de fundo
• Dimensionada como laje engastada nos quatro bordos;
– Paredes
• Dimensionadas como lajes (para as ações devido a água)
engastadas nas outras paredes e na laje de fundo;
• Dimensionadas como vigas-parede (para as ações verticais).

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 32


Aula 02 – Reservatórios elevados

Modelo de dimensionamento

LAJE DE TAMPA

PAREDE 1

PAREDE 2 PAREDE 4
LAJE DE FUNDO

PAREDE 3

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 33


Aula 02 – Reservatórios elevados

Laje de tampa

• Momentos:
𝑝. 𝑙𝑥2
𝑀𝑥 = 𝜇𝑥 .
100
𝑝. 𝑙𝑥2 lx P
𝑀𝑦 = 𝜇𝑦 . LAJE DE TAMPA
100
• Reações de apoio ly

𝑝. 𝑙𝑥
𝑉𝑥 = 𝜈𝑥 .
10
𝑝. 𝑙𝑥
𝑉𝑦 = 𝜈𝑦 .
10
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 34
Aula 02 – Reservatórios elevados

Laje de fundo

• Momentos:
𝑝. 𝑙𝑥2 𝑝. 𝑙 2
𝑥
𝑀𝑥 = 𝜇𝑥 . 𝑀𝑥′ = 𝜇𝑥′ .
100 100
𝑝. 𝑙𝑥2 𝑝. 𝑙 2
𝑥 lx
𝑀𝑦 = 𝜇𝑦 . 𝑀𝑦′ = 𝜇𝑦′ . LAJE DE FUNDO P
100 100
• Reações de apoio ly

𝑝. 𝑙𝑥
𝑉𝑥′ = 𝜈𝑥′ .
10
′ ′
𝑝. 𝑙𝑥
𝑉𝑦 = 𝜈𝑦 .
10
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 35
Aula 02 – Reservatórios elevados

Parede – Ações devido a água

• Momentos:
𝑝. 𝑙 2
𝑀𝑥 = 𝜇𝑥 .
100
2
𝑝. 𝑙
𝑀𝑥′ = 𝜇𝑥′ . PAREDE la
100
P
𝑝. 𝑙 2 lb
𝑀𝑦 = 𝜇𝑦 .
100
𝑝. 𝑙 2
𝑀𝑦′ = 𝜇𝑦′ .
100
𝑙 = 𝑚𝑒𝑛𝑜𝑟 𝑣𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑒 𝑙𝑎 𝑒 𝑙𝑏
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 36
Aula 02 – Reservatórios elevados

Compatibilização de momentos
• Na junção de todas as lajes engastadas deve-se realizar a compatibilização
entre os momentos negativos e a compensação dos momentos positivos.

• A regra para essa compatibilização segue as mesmas características que


em lajes contínuas, utilizando o maior entre a média dos momentos e 80%
do maior.
𝑀1′ + 𝑀2′
2

𝑀 ≥ 𝑠𝑒 𝑀1′ > 𝑀2′ ֜ 0,8. 𝑀1′
𝑠𝑒 𝑀2′ > 𝑀1′ ֜ 0,8. 𝑀2′

• Deve-se realizar uma verificação nos momentos positivos depois da


compatibilização dos momentos negativos. Se o momento positivo
diminuir, mantem o original. Se aumentar, utiliza-se a nova configuração.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 37


Aula 02 – Reservatórios elevados

Compatibilização de momentos

LAJE 1 LAJE 2

𝑀2′
𝑀1′ 𝑀′ = 𝑀1′ = 𝑀2′

Momento fletor sem compatibilização Momento fletor compatibilizado


𝑀1′ + 𝑀2′
2

𝑀 ≥ 𝑠𝑒 𝑀1′ > 𝑀2′ ֜ 0,8. 𝑀1′
𝑠𝑒 𝑀2′ > 𝑀1′ ֜ 0,8. 𝑀2′
Momento fletor compatibilizado e diagrama adotado
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 38
Aula 02 – Reservatórios elevados

Compatibilização de momentos Vão da extremidade

LAJE 1 LAJE 2

𝑀′ 𝑀2′

𝑀1′
Δ𝑀′

Δ𝑀′
𝑀 = 𝑀2 +
2

Δ𝑀′ 𝑀2
2
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 39
Aula 02 – Reservatórios elevados

Compatibilização de momentos Vãos intermediários

LAJE 1 LAJE 2 LAJE 3

𝑀′ 𝑀𝑒′ 𝑀𝑑′ 𝑀′
Δ𝑀𝑒′ + Δ𝑀𝑑′
𝑀 = 𝑀2 + 𝑀1′ 𝑀3′
2 Δ𝑀𝑒′ Δ𝑀𝑑′

Δ𝑀𝑒′ + Δ𝑀𝑑′ 𝑀2
2
Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 40
Aula 02 – Reservatórios elevados

Reservatórios armados horizontalmente


• Se a relação entre a altura e a largura da caixa for maior do que 2 teremos
o caso da caixa d’água armada horizontalmente, ou seja, h/b>2 ou 2h/b>2
(se a borda superior da parede for livre). Neste caso, calcula-se as paredes
como pórtico de largura unitária e sujeito a uma pressão unitária. Uma vez
obtidos os esforços para a carga unitária multiplica-se pela pressão p1,
p2,..., pn correspondente às faixas de cálculo.

EPUSP (2001)

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 41


Aula 02 – Reservatórios elevados

Parede – Ações Verticais


• As paredes deverão ser dimensionadas como sendo vigas-parede
para essas ações verticais.
• As armaduras longitudinais da viga-parede deverão ser somadas às
armaduras da mesma direção encontradas no dimensionamento
devido às ações horizontais;
• As armaduras de suspensão da viga-parede deverão ser somadas às
armaduras da mesma direção encontradas no dimensionamento
devido às ações horizontais;
• As armaduras encontradas devido ao dimensionamento das ações
horizontais não poderão ser inferiores às armaduras de pele
horizontais e verticais do dimensionamento das vigas-parede.
• Os pilares que sustentam as vigas deverão ser considerados como
apoios simples, impedindo os mesmos de reter momento negativo
devido à grande inércia das vigas.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 42


Aula 02 – Reservatórios elevados

Detalhamento

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 43


Aula 02 – Reservatórios elevados

Nó de pórtico
• Leonhardt e Mönnig (1978) Comentam que “qualquer mudança de
direção do eixo de uma estrutura provoca uma mudança na direção dos
esforços internos”. Isso faz com que haja uma mudança na distribuição de
tenções.

Fonte: Leonhardt e Mönnig (1978)

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 44


Aula 02 – Reservatórios elevados

Ligações

PAREDE PAREDE

PAREDE FUNDO

• Ligações engastadas entre os elementos estruturais

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 45


Aula 02 – Reservatórios elevados

Ligações
Armadura de controle de fissuração

TAMPA

– Para evitar a fissuração nas


bordas da tampa,
PAREDE recomenda-se colocar uma
armadura mínima na face
superior, como um controle
de fissuração.

• Ligações apoiadas entre os elementos estruturais

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 46


Aula 02 – Reservatórios elevados

Roteiro de cálculo

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 47


Aula 02 – Reservatórios elevados

• 1º Passo – Determinação da geometria (pré-dimensionamento);


• 2º Passo – Determinação dos engastamentos;
• 3º Passo – Levantamento das ações das lajes;
• 4º Passo – Dimensionamento das lajes (Incluindo as paredes para as
ações horizontais;
– ELU;
• Verificar a possibilidade de compatibilização com o engastamento da laje de
fundo com as paredes
– ELS.
• ELS-F;
• ELS-W;
• ELS-DEF.
• 5º Passo – Levantamento das ações verticais das paredes;
• 6º Passo – Dimensionamento das paredes (Ação Vertical);
– Todas as verificações e considerações
• 7º Passo – Detalhamento.

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 48


Aula 02 – Reservatórios elevados

Bibliografia

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 49


Aula 02 – Reservatórios elevados

Bibliografia
• ABNT, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de
estruturas de concreto – Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2014;
• EPUSP. Exemplo de um projeto completo de edifício de concreto armado –
Caixa d’água. 2001.
• LEONHARDT, F.; MÖNNIG, E. Construções de concreto: Princípios básicos sobre
a armação de estruturas de concreto armado. Vol. 3. Rio de Janeiro: Editora
INTERCIÊNCIA. 1978;
• PINHEIRO, L.M.; MUZARDO, C. D.; SANTOS, S. P.; SARTORTI, A. L. Lajes maciças.
São Carlos, São Carlos: EESC-USP, 2016

Prof. Me. Leandro Dias Küster Estruturas Especiais de Concreto 50