Você está na página 1de 11

DṚG-DṚŚYA-VIVEKA

A SABEDORIA DO VIDENTE (Sujeito) E DAQUILO


QUE É VISTO (Objeto)
Uma investigação sobre a Natureza do Vidente e daquilo que é Visto, o Caminho da Autoinvestigação e da
Natureza da Realidade

Atribuído a Bâratī Tīrtha (1350 D.C.)

O Dŗg-Dŗśya-Viveka contém 46 slokas realizando uma investigação sobre a


distinção entre o "vidente" (sujeito) (Dŗg [Drig]) e aquilo que é "visto" (objeto)
(Dŗśya [Drishya]), uma visão geral acerca do samadhi, centrada no savikalpa
samadhi e no nirvikalpa samadhi, e acerca da identidade entre Atman e
Brahman. Embora também seja atribuído a Shankara, o texto é mais
comumente atribuído a Bāaratī Tīrtha (cerca de 1350 d.C.).

1. Todos os objetos são percebidos pelos sentidos. Os sentidos são, por sua
vez, percebidos pela mente. A mente, por sua vez, é um movimento que se
desdobra na Consciência. A Consciência não é percebida por nenhuma outra
estrutura. É a sua própria percepção.

2. Os objetos percebidos pelos sentidos parecem estar constantemente


mudando, enquanto os sentidos, que os percebem, parecem estar estáveis e
imutáveis.

3. Numa investigação mais cuidadosa, contudo, percebe-se que os sentidos


estão constantemente mudando, enquanto a mente, que percebe essas
mudanças, parece estar estável e imutável.

4. Após uma investigação ainda mais cuidadosa, contudo, a mente é percebida


como estando constantemente em mudança. A mente em constante mudança
pode ser percebida devido à natureza imutável da Consciência.

5. A consciência é imutável e sempre presente, enquanto todos os fenômenos


mutáveis surgem dentro da consciência imutável.

6. O sentido de "eu", que surge dentro da mente, percebe-se a si próprio como
sendo consciente.

7. O sentido de "eu" parece ser consciente porque se identificou com a


Consciência, dentro da qual ele surge.

8. O sentido de "eu" identifica-se com a Consciência, como sendo o resultado


de três fatores: 1) o movimento da mente dentro da Consciência; 2) o
movimento do pensamento dentro da mente; e 3) A ignorância da Consciência
como sendo a essência subjacente (o substrato).
9. A percepção equivocada do sentido do "eu" como sendo consciente deixa de
existir com a realização da existência da Consciência.

10. Durante o estado de vigília e durante o estado de sonho, o


pensamento-"eu" acredita na noção de ser um "eu" separado. Mas durante o
estado de sono profundo, essa crença em ser um "eu" separado desaparece.

11. O pensamento-"eu" é apenas uma modificação que surge dentro da mente.


A mente, identificada com o seu próprio movimento de identidade (de seidade
= Deus em si mesmo, o "eu"), imagina um mundo externado devido à sua
associação com os órgãos sensoriais, que, tal como a mente, são apenas
modificações que surgem dentro da Consciência.

12. "Quem sou eu?", "O que sou eu?", "Onde estou eu?", "Quando é que eu
sou?", "Como eu sou?", "Como este mundo foi criado?", e "Quem é o seu
criador?" Este o caminho correto da autoinvestigação sobre o que é a verdade
última, a realidade.

13. "Eu tenho um corpo, mas eu sou muito mais do que este corpo", "O corpo é
composto dos cinco elementos, mas eu sou muito mais do que esses cinco
elementos", "Eu tenho estes cinco sentidos e a mente, mas eu sou muito mais
do que estes cinco sentidos e a mente”. Este é o modo correto de investigar
sobre qual é a verdade última, a realidade.

14. A percepção errônea da separação (dualidade) se dissolve quando, por


meio da investigação, se descobre que a separação é apenas o produto da
identificação da mente com os seus próprios pensamentos, nomeadamente o
pensamento "eu".

15. A identificação com a crença na separação dá origem a uma compreensão,


muito limitada. A compreensão limitada cria um véu em que a mente divide a
Consciência una (indivisa) em duas: um percebedor interno que se acredita ser
separado e um mundo externo percebido, que assim, se acredita estar
separado.

16. A mente divide a Consciência una em percebedor e aquilo que é percebido.


O percebedor, que é somente um pensamento, identifica-se então com a
crença de que é um "eu" empírico, e separado de um mundo externo
percebido, que uma vez mais, é apenas uma projeção da mente.

17. A percepção errada (falsa) surge quando a mente se identifica com o seu
próprio movimento de pensamento e projeta a crença de que ela é um "eu"
separado. A mente acredita ser um percebedor que é separado daquilo que é
percebido. Quando a mente desperta para essa percepção equivocada, a
crença em ser um "eu" separado desaparece. O que foi durante todo o tempo
inexistente é reconhecido (agora pela mente) como sendo inexistente.

18. A Consciência é conceitualmente dividida pela mente em percebedor e


aquilo que é percebido, sujeito e objeto. Esta divisão de sujeito e objeto é
erradamente percebida pela mente como sendo real.
19. Quando a nossa natureza essencial, a Consciência, é realizada, toda a
divisão é entendida como sendo apenas o produto da mente, isto é,
pensamento.

20. Cada objeto é composto pelos cinco elementos. Esses elementos parecem


existir como fenômenos separados, mas na realidade, jamais estão separados
do seu substrato, que é a Consciência. Os três primeiros - espaço, ar e fogo -
assemelham-se à Consciência (Sat-chit-ananda), enquanto os dois últimos -
água e terra - parecem-nos ser mais sólidos (nomes e formas).

21. Os cinco elementos fazem as coisas parecerem separadas e diferentes. No


entanto, todos eles - a terra, a água, o fogo, o ar e o espaço - juntam-se para
formarem tudo aquilo que é animado e inanimado - a natureza, os animais, os
seres humanos e até mesmo os Deuses - mas surgem na Consciência e jamais
estão separados da mesma Consciência.

22. Nomes e formas são meros conceitos e pensamentos. Mas eles podem


servir como apontadores para o (nosso) regresso à Consciência na qual eles
surgem. Quando a Consciência é reconhecida e desperta para Si mesma, a
(permanência na) Consciência torna-se ininterrupta, mesmo enquanto o nome
e a forma continuarem a surgir.

23. Existem dois tipos de concentração, que podem ser praticados a fim de


realizar a verdade última, a realidade da Consciência não dual: 1)
Concentração centrada no objeto; e 2) Concentração sem objeto. O primeiro
pode ser dividido em dois tipos: a) Concentração que é associada ao
pensamento, e b) Concentração associada ao som.

24. Todos os movimentos que surgem na mente devem ser tratados como


objetos.

25. "Eu sou Ser-Consciência-Bem-aventurança (Sat-Chit-Ananda),


desapegado, autoluminoso e livre de separação.". Este entendimento é
conhecido como a autoinvestigação em que as ideias (ainda) estão presentes
(savikalpa samadhi).

26. A investigação em que a mente está livre das distrações e livre do apego
aos objetos dos sentidos e da (própria) mente é conhecida como a liberdade
dos pensamentos (nirvikalpa samadhi). Uma mente que seja livre de
pensamentos é firme como a chama acesa de uma lâmpada que resida num
lugar livre de vento. Neste caso, existe a indiferença para com todos os objetos
mutáveis devido à completa absorção da (mente) no Ser-Consciência-Bem-
aventurança (Sat-Chit-Ananda), e que acompanha o despertar da Consciência
para Si mesma.

27. Todos objetos, quer sejam percebidos como sendo externos ou como


sendo internos, surgem na Consciência incondicionada. Todos os objetos são
apontadores para a Consciência, que é revelada quando o fascínio da mente
pelos objetos é abandonado.
28. A (nossa) verdadeira natureza é incondicionada, imutável e ilimitada pelo
espaço, tempo, nome ou forma. A investigação ininterrupta sobre a
Consciência, na qual cada objeto surge, revela a natureza incondicionada,
imutável e ilimitada da Consciência.

29. A mente permanece não distraída pelos objetos que surgem, quando a
natureza incondicionada, imutável e ilimitada da Consciência é reconhecida.
Então, a pessoa desperta para o ser puro, para a felicidade e para a
equanimidade da Consciência. Quando a absorção na Consciência é constante
e ininterrupta por um longo tempo (nirvikalpa samadhi), o estabelecimento
(eterno) na Consciência não separada (não dual) está próximo. Investigue
através dos seis estágios de absorção (samadhi), que dão origem ao despertar
para a verdade da Consciência não separada (una, não dual).

30. Todos os objetos externos e internos são mutáveis: mundo, corpo, sentidos


e mente. Todos os objetos mutáveis aparecem e desaparecem na
Consciência imutável. Quando a compreensão da (nossa) natureza essencial
como imutável Consciência surge, a (nossa) identificação com os objetos
mutáveis cessa. Através da investigação meditativa, todos os objetos são
percebidos como sendo meramente manifestações e, portanto, não separados
da Consciência imutável. Permanecer constantemente nessa compreensão da
verdade, da Unicidade, revela que tudo é apenas uma manifestação da
Consciência imutável.

31. A permanência constante na Consciência dissolve todas as percepções


errôneas. Então, o coração abre-se, e todas as dúvidas são dissolvidas, o
sofrimento cessa e há a libertação da (falsa) noção de sermos um "eu"
separado.

32. "Qual é a natureza do eu separado?" Quando se realiza que a Consciência,


é tudo o que existe - que a Consciência é a Realidade última (a Verdade) - o
"eu" separado é (finalmente) percebido como sendo apenas um conceito
mental. O sentido individual do "eu" só parece ser separado e limitado devido à
forma como a mente categoriza e conceitua as percepções. Essa percepção
equivocada do "eu" como sendo um indivíduo separado e limitado, ocorre tanto
no estado de vigília quanto no estado de sonho.

33. A crença na separação, que engendra as noções de confusão, de


imperfeição, e de limitação, baseia-se no equívoco mental da própria mente
que se considera ser um "eu" separado. Mas a Consciência está sempre livre
de toda a divisão. É sempre total e indivisa, sendo desprovida de partes ou de
qualquer separação. A realidade suprema é onipresente, ilimitada, completa,
atemporal e toda pervasiva (penetrante) em todas as circunstâncias e em todos
os momentos.

As noções de separação e de limitação são meramente pensamentos


produzidos pela mente que surgem na Consciência. A noção de se ser um "eu"
separado, limitado e finito, surge como uma percepção mental e emocional
devido à projeção da mente e da identificação com a sensação sentida de
limitação. Quando as projeções da mente são rastreadas até à sua origem, a
noção de separação é curada, a percepção equivocada cessa e a separação
se dissolve como sendo uma noção irreal, que ela é.

34. A Consciência é inteira e sem partes. Afirmações como "Tu és Aquilo",


"Aquilo és Tu", "Eu sou Consciência pura", "Este Eu é pura Consciência", "A
Consciência pura é tudo aquilo que existe", "A Consciência pura é
incognoscível", e "Eu sou Aquilo que é Incognoscível", refletem a verdade da
Consciência não dual. A noção de ser ("eu") separado, finito e limitado, jamais
é encontrada na descrição ou na realização da nossa natureza essencial.

35. A ilusão da separação (dualidade, multiplicidade), que é causada pelos dois


aspectos (de maya) - projeção e ocultação - surge dentro da Consciência e
jamais está separada da Consciência. A experiência da separação parece
dividir e limitar a natureza indivisível e ilimitada da Consciência, e fazer com
que apareça como o mundo de objetos separados e de múltiplos e separados
"eus" encarnados.

36. A mente falaciosamente parece realizar várias ações, assim como desfrutar
dos seus resultados na falsa forma de um indivíduo separado. A mente parece
dividir aquilo que é não dual num (aparente) universo de objetos separados de
prazer (e de sofrimento), que consiste (somente) nas várias combinações dos
cinco elementos.

37. A sensação de sermos um "eu" separado, que por sua vez experiencia um
universo separado, existiu desde o início dos tempos. O tempo é uma criação
da mente divisora que divide ou separa aquilo que é atemporal nas noções de
passado, de presente e de futuro. A noção de sermos um "eu" separado que
está ciente de um universo separado tem apenas uma existência empírica, é
apenas conceitual e permanece "verdadeira" apenas até ao nosso despertar
como Consciência. Tanto o "eu" como o mundo não estão separados da
Consciência e são conhecidos como sendo reais somente enquanto a mente
projeta, se identifica e acredita na noção de separação (dualidade).

38. Enquanto existir a crença na separação, a noção de causalidade existe. A


mente projeta a existência do indivíduo no estado de vigília e então o imagina
novamente nos estados de sono e de sonho.

39. O indivíduo e o mundo que são conhecidos no estado de sonho são


ilusórios. Quando o sonho termina, o "eu" onírico e todos os objetos do sonho
são realizados apenas como sendo meramente produtos da mente sonhadora.

40. Enquanto o "eu" dos sonhos acredita que o mundo dos sonhos é real,
o "eu" no estado de vigília acredita que o mundo dos sonhos é irreal e que o
mundo do estado de vigília é real. Mas esses dois "eus" são apenas projeções
passageiras da mente, meros conceitos efêmeros que vêm e vão na
Consciência, que é a realidade subjacente (o substrato onipresente nos três
estados: vigília, sonho e sono profundo), e totalmente desprovida de "eus"
separados.

41. O "eu" acredita que o mundo é real. Mas este mundo empírico é irreal, pois
desaparece durante o sono profundo. Os três mundos, do despertar, do sonhar
e do sono sem sonhos são meras aparências efêmeras. O verdadeiro Eu, a
Consciência, está sempre subjacente e é o substrato, portanto, transcende os
três estados (mundos) de vigília, de sonho e de sono profundo.

42. Quando a Consciência é realizada como sendo a Realidade subjacente por


trás de todos os estados, o mundo dos objetos é então percebido como sendo
meramente um reflexo da Consciência.

43-44. As qualidades da água, tais como a umidade, a fluidez, a frieza, a


doçura, a onda e a espuma, são inerentes à água e não são separadas da
água, exceto como nomes e formas conceituais. Assim também, Ser-
Consciência-Paz e Bem-aventurança, que são as características naturais da
Consciência, parecem ser inerentes aos chamados "eus" separados que
residem nos estados de vigília e de sonho.

Do ponto de vista relativo, a umidade, a espuma, as ondas, a fluidez, a frieza e


a doçura parecem ser qualidades separadas da água; assim também, o "eu" e
os objetos parecem ser qualidades separadas da Consciência. Do ponto de
vista da Consciência, não há despertar nem seres de sonho que são separados
da Consciência. As características de um "eu" separado e de um mundo
separado são meramente superposições sobre a Consciência indiferenciada.

45. Todas as diferenças como a umidade, a espuma, a onda, o frio, a fluidez e


a doçura são características não separadas da essência subjacente, a água (o
substrato). As características da água não têm existência separada da água da
qual elas surgem. Todas essas características aparecem e desaparecem na
água. Todas as características da água são apenas aspectos da sua natureza
essencial, a água.

46. Ao acordarmos do estado de sonho, todas as características do sonhador,


como existência e consciência, se dissolvem e são percebidas como sendo
apenas projeções da mente sonhadora. Assim, no Despertar (iluminação),
todas as características separadas do "eu" se dissolvem e são percebidas
como tendo sido apenas projeções da Consciência não dual. Tal como a
espuma e a onda não têm existência separada da água, também todo o
universo que consiste no "eu" separado e no mundo objetivo não têm
existência separada da Consciência não dual. Na verdade, tudo o que existe é
a Consciência não dual.

Partilho o original em Inglês:

DṚG-DṚŚYA-VIVEKA – Wisdom of the Seer and the Seen

An Inquiry Into The Nature of the Seer and the Seen, the Way of Inquiry and the
Nature of Truth Attributed to Bâratī Tīrtha (ca. 1350 ce)
The Dŗg-Dŗśya-Viveka contains 46 slokas performing an inquiry into the
distinction between the “seer” (Dŗg) and the “seen” (Dŗśya),an overview of
samadhi, centering on savikalpa and nirvikalpa, and the identity of Atman and
Brahman. Although also attributed to Shankara, the text is most commonly
attributed to Bĥaratī Tīrtha (ca. 1350 ce.)

1. All objects are perceived by the senses. The senses are, in turn, perceived
by the mind. The mind, in turn, is a movement that unfolds in Awareness.
Awareness is not perceived by any other structure. It is its own perceiving.

2. The objects perceived by the senses appear to be constantly changing, while


the senses, which perceive them, appear to be stable and unchanging.

3. On close inspection, however, the senses are realized to be constantly


changing, while the mind, which perceives these changes, appears to be stable
and unchanging.

4. Upon close inspection, however, the mind is seen to be constantly changing.


The constantly changing mind can be seen due to the unchanging nature of
Awareness.

5. Awareness is unchanging and ever-present, while all changing phenomena


arise within unchanging awareness.

6. The sense of ‘I’, which arises within the mind, takes itself to be conscious.

7. The sense of ‘I’ appears to be conscious because it has identified itself with
Awareness, within which it arises.

8. The sense of ‘I’ identifies itself with Awareness, as a result of three factors: 1)
the movement of the mind within Awareness; 2) the movement of thought within
the mind; and 3) ignorance of Awareness as the underlying essence.

9. The misperception of the sense of ‘I’ as conscious ceases upon the


realization of the existence of Awareness.

10. During waking and sleeping, the I-thought believes in the notion of being a
separate self. But during deep sleep, the belief in being a separate self
disappears.

11. The I-thought is but a modification that arises within the mind. The mind,
identified with its own movement of I-ness, imagines an externalized world
because of its association with the sensory organs, which, like the mind, are but
modifications that arise within Awareness.

12. “Who am I”, “What am I”, “Where am I”, “When am I”, “How am I”, “How is
this world created”, and “Who is its creator?” This is the way of inquiry as to
what is the ultimate truth.
13. “I have a body but I am more than this body”, “The body is comprised of the
five elements but I am more than these five elements”, “I have these five senses
and mind, but I am more than these five senses and mind.” This is the way of
inquiry as to what is the ultimate truth.

14. The misperception of separation dissolves when, through inquiry, separation


is discovered to be only the product of the mind’s identification with its own
thoughts, especially the thought ‘I’.

15. Identification with the belief of separation gives rise to limited understanding.
Limited understanding creates a veil wherein the mind splits unitive Awareness
into two: an internal perceiver that believes itself to be separate, and a
perceived separate external world.

16. The mind splits unitive Awareness into perceiver and perceived. The
perceiver, which is only a thought, then identifies with the belief that it is an
empirical self, separate from a perceived external world, which again, is only a
projection of the mind.

17. Misperception arises when the mind identifies with its own movement of
thought and projects the belief that it is a separate self. The mind believes itself
to be a perceiver who is separate from what it perceives. When the mind
awakens to this misperception, the belief in being a separate self disappears.
What was all along non-existent is re-cognized to be non-existent.

18. Awareness is conceptually divided by the mind into perceiver and


perceived, subject and object. The division of subject and object is
misperceived by the mind to be real.

19. When essential nature, Awareness, is realized, all division is understood to


be only the product of the mind as thought.

20. Every object is composed of five elements. These elements appear to exist
as separate phenomenal aspects, but in reality are not separate from their
homeground, which is Awareness. The first three – space, air and fire –
resemble Awareness, while the latter two – water and earth – appear more
solid.

21. The five elements make things appear as separate and different. Yet
everything – earth, water, fire, air and space – which come together to form
everything animate and inanimate – nature, animals, humans and even the
Gods – arise in and are not separate from Awareness.

22. Name and form are merely concepts, thoughts. But, they can serve as
pointers back to Awareness in which they arise. When Awareness re-cognized
and awakens to Itself, there is uninterrupted abiding as Awareness even as
name and form continue to arise.

23. There are two types of concentration, which may be practiced in order to
realize the ultimate truth of non-dual Awareness: 1) object-centered
concentration; and 2) objectless concentration. The former may be divided into
two types: 1) concentration that is associated with thought, and 2) concentration
associated with sound.

24. All movements that arise in the mind are to be treated as objects.

25. “I am Being-Awareness-Bliss, unattached, self-luminous and free of


separation.” This understanding is known as inquiry in which ideas are present
(sâvikalpa samâdhi).

26. Inquiry in which the mind is free of distractions and attachment to objects of
the senses and mind is known as freedom from thoughts (nirvikalapa samâdhi).
A mind that is free of thoughts is steady like the unflickering flame of a lamp that
resides in a place free from the wind. Here, there is indifference to all changing
objects on account of the complete absorption in the Being-Awareness-Bliss
that accompanies Awareness awakening to Itself.

27. All objects, whether perceived as external or internal, arise in unconditioned


Awareness. All objects are pointers to Awareness, which is revealed when the
mind’s fascination with objects is relinquished.

28. True nature is unconditioned, unchanging and unlimited by space, time,


name or form. Uninterrupted inquiry upon Awareness, in which every object
arises, reveals the unconditioned, unchanging and unlimited nature of
Awareness.

29. The mind remains undistracted by arising objects when the unconditioned,
unchanging, and unlimited nature of Awareness is recognized. Then one
awakens to the pure being, bliss, and equanimity of Awareness. When
absorption in Awareness is steady and uninterrupted for a long time (nirvikalpa
samâdhi), establishment in non-separate Awareness is close at hand. Inquire
through the six stages of absorption (samâdhi), which give rise to awakening to
the truth of non-separate Awareness.

30. All external and internal objects are changing: world, body, senses and
mind. All changing objects appear and disappear in unchanging Awareness.
When the understanding of essential nature as unchanging Awareness arises,
identification with changing objects ceases. Through meditative inquiry all
objects are realized to be expressions of, and therefore not separate from,
unchanging Awareness. Constant abiding in this realization of the truth of
Oneness reveals that everything is only an expression of unchanging
Awareness.

31. Constant abiding as Awareness dissolves all misperceptions. Then, the


heart opens, all doubts are resolved, suffering ceases and there is liberation
from the notion of being a separate self.

32. “What is the nature of the separate self?” When Awareness is realized to be
all that there is – that Awareness is ultimate Reality – the separate self is
realized to be only a mental concept. The individual sense of self only appears
to be separate and limited because of the way the mind categorizes and
conceptualizes perceptions. This misperception of the I-self as a separate and
limited individual occurs both in the waking and dream state.

33. The belief of separation, which engenders the notions of confusion,


imperfection and limitation, is based on the mental misperception of the mind,
which takes itself to be a separate self. But Awareness is ever free of division. It
is always whole and undivided, being devoid of parts or separation. Ultimate
reality is omnipresent, unlimited, complete, timeless and all pervasive under all
circumstances and at all times.
The notion of separation and limitation are merely thoughts produced by the
mind that arise in Awareness. The notion of being a separate, limited and finite
self arises as a mental-emotional perception because of the mind’s projection
of, and identification with the felt-sense of limitation. When the projections of the
mind are traced back to their origin, the notion of separation is healed,
misperception ceases, and separation dissolves as the unreal notion that it is.

34. Awareness is whole and without parts. Statements such as “Thou are That”,
“That thou art”, “I am pure Awareness”, “This Self is pure Awareness”, “Pure
Awareness is what everything is”, Pure Awareness is unknowable”, and “I am
That unknowable”, reflect the truth of non dual Awareness. The notion of being
separate, finite and limited is not found in either the descriptions or realization of
essential nature.

35. The illusion of separation, which is brought about by the two aspects of
projection and concealment, arise within and are not separate from Awareness.
The experience of separation appears to divide and limit the indivisible and
unlimited nature of Awareness and makes it appear as the world of separate
objects and embodied separate I-selves.

36. The mind fallaciously appears to perform various actions as well as enjoys
their results in the erroneous form of a separate individual. The mind divides
what is not-two into a universe of separate objects of enjoyment, which consist
of various combinations of the five elements.

37. The sense of being a separate I-self who experiences a separate universe
has existed since the beginning of time. Time is a creation of the dividing mind
that splits what is timeless into the notion of past, present and future. The notion
of being a separate self who is aware of a separate universe has only empirical
existence, is only conceptual and remains true only until awakening as
Awareness. Both self and world are not separate from Awareness and are
cognized to be real only as long as the mind projects, identifies with, and
believes in the notion of separation.

38. As long as the belief in separation exists, the notion of causality exists. The
mind projects the existence of the individual in the waking state and then
imagines it afresh in the sleep and dream states.
39. The individual and world that are cognized in the dream state are illusory.
When dreaming ends the dream self and all dream objects are realized to be
merely products of the dreaming mind.

40. While the dream self believes that the dream world is real, the waking self
believes that the dream world is unreal and the waking world is real. But both
these selves are only passing projections of the mind, ephemeral concepts that
come and go in Awareness, which is the underlying reality, devoid of separate
selves.

41. The self believes that the world is real. But this empirical world is unreal, as
it disappears during deep sleep. The three worlds of waking, dreaming and
dreamless sleep are ephemeral appearances. The real Self, Awareness,
underlies, and therefore transcends the three states of waking, dreaming and
deep sleep.

42. When Awareness is realized to be the underling Reality behind all states,
the world of objects are realized to be merely reflections of Awareness.

43-44. The qualities of water such as wetness, fluidity, coldness, sweetness,


wave and foam are inherent in water and are not separate from water except as
conceptual names and forms. So also Being, Consciousness, Peace and Bliss,
which are the natural characteristics of Awareness, appear to be inherent in the
so-called separate selves that reside in the waking and dream states.
From the relative standpoint wetness, foam, waves, fluidity, coldness and
sweetness appear as separate qualities of water; so, too, do I-selves and
objects appear to be separate qualities of Awareness. From the standpoint of
Awareness there are no waking or dream selves that are separate from
Awareness. The characteristics of a separate self and a separate world are
merely superimpositions upon undifferentiated Awareness.

45. All differences like, wetness, foam, wave, coldness, fluidity and sweetness
are non-separate characteristics of the underlying essence of water. The
characteristics of water have no existence separate from the water from which
they arise. All these characteristics appear and disappear in water. All
characteristics of water are only aspects of their essential nature, water.

46. Upon waking up from the dream state, all characteristics of the dreamer,
such as existence and consciousness, dissolve and are realized to be only
projections of the dreaming mind. Just so, upon awakening, all separate
characteristics of the self dissolve, and are realized to be only projections of
non-dual Awareness. As foam and wave have no existence separate from
water, so also the entire universe consisting of the separate self and the
objective world have no existence separate from non-dual Awareness. In truth,
all that exists is non-dual Awareness.
Tradução livre de:
DṚG-DṚŚYA-VIVEKA – Wisdom of the Seer and the Seen

https://www.scienceandnonduality.com/d%E1%B9%9Bg-d%E1%B9%9Bsya-viveka-wisdom-of-the-seer-and-the-seen/

http://misticismonaturalmn.blogspot.com/2018/03/drg-drsya-viveka-sabedoria-do-vidente-e.html