Você está na página 1de 20

Professora Ilda Gonçalves

2008/09
Professora Ilda Gonçalves
2008/09
Mas o que é o regime alimentar?

O regime alimentar de um animal é o conjunto de


alimentos que ele habitualmente consome. Como existem
animais muito diferentes, que consomem alimentos
igualmente muito diferentes, existem vários regimes
alimentares.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Que regimes alimentares existem?

Os animais podem ter três tipos de regime alimentar: podem ser


CARNÍVOROS, HERBÍVOROS ou OMNÍVOROS.
Os animais que comem, principalmente, produtos de origem vegetal,
são os herbívoros. É o caso do coelho, que se alimenta de ervas,
folhas, raízes e frutos e das lagartas que adoram folhas tenrinhas.

Carnívoro Omnívoro herbívoro

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Existem herbívoros que preferem apenas um tipo de produto
vegetal. Lembra-te do pombo e da galinha, que adoram grãos,
como o milho, e que por isso são chamados de GRANÍVOROS.
Já o esquilo e aves da floresta, como o gaio, apreciam sobretudo
frutos (nozes, por exemplo), sendo chamados de FRUGÍVOROS.

Granívoros Gaio - frugívoro

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Os animais que se alimentam, especialmente, de produtos de
origem animal, ou seja, de outros animais, são os carnívoros.
voros É
frequente vermos os grandes felinos, como o leão, o tigre ou a
chita, a perseguirem as suas presas (gazelas, antílopes, zebras e
muitos outros). Lembra-te, por exemplo, das cobras que capturam
pequenos animais, dos tubarões que adoram focas e outros
peixes, e das corujas, águias e muitas outras aves de rapina que
capturam pequenos roedores.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Regimes alimentares de alguns animais e a sua dentição

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Tal como no caso dos herbívoros, também muitos carnívoros preferem
capturar apenas determinados tipos de alimento. A toupeira, o
morcego e muitas aves, como as andorinhas, procuram insectos e
pequenas larvas para se alimentarem. São por isso chamados de
VOROS A lontra, as aves marinhas, como as gaivotas, e
INSECTÍVOROS.
muitos peixes que se alimentam de outros peixes são designados de
VOROS Existem, ainda, certos animais que se alimentam de
PISCÍVOROS.
cadáveres, ou seja, de carne de animais mortos, como os abutres, as
hienas e os chacais e são chamados de NECRÓFAGOS. FAGOS

Insectívoro Piscívoro Necrófago

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Mas alguns animais tanto se alimentam de produtos de
origem animal, como de produtos de origem vegetal - são
os omnívoros,
voros como o porco, o urso, o corvo e o próprio
homem.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
O gafanhoto pode O tatu alimenta-se de A lontra prefere peixe O macaco alimenta-se
causar grandes insectos para a sua alimentação quer de animais quer
estragos nas de vegetais
plantações agrícolas

herbívoro insectivoro piscívoro omnívoro

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Regime alimentar dos animais e a sua dentição

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Alguns exemplos
Animal Dentição

Carnívoro

Roedor

Herbívoro

Omnívoro

Insectívoro

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Professora Ilda Gonçalves
2008/09
OS BICOS

Devido ao facto de os seus membros


anteriores estarem totalmente adaptados ao
voo - com a importante excepção das aves
de rapina e papagaios - a maior parte das
aves apanha e segura os seus alimentos
com o auxílio do bico. O bico das aves
diferenciou-se numa grande variedade de
formas especializadas que lhes permitem
apanhar diferentes tipos de alimentos, desde
animais grandes a minúsculos componentes
de plâncton.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Bicos que quebram sementes

O bico das aves exerce a maior força junto à base. Aves como os
tentilhões, que vivem de sementes duras, têm bicos curtos e
cónicos, conseguindo assim quebrar a casca das sementes de
que se alimentam. A seguir removem habilmente o que se
encontra no seu interior.

Uma ave aquática em terra

O bico excepcionalmente longo da galinhola é típico das aves


aquáticas - grupo de aves que inclui os borrelhos e o maçarico-
das-rochas. Mas em vez de utilizar o bico para se alimentar de
animais costeiros como fazem muitas aves aquáticas, a
galinhola utiliza-o também eficazmente em terra «seca». O seu
principal alimento é constituído por minhocas e larvas de
insectos e o bico comprido permite-lhe extraí-las do fundo do
lodo.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
A pinça do maçarico

O maçarico mergulha o comprido bico na vasa para


dela extrair vermes e moluscos que estão fora do
alcance de outras aves.

Uma peneira subaquática

O flamingo tem provavelmente o bico mais


extraordinariamente especializado de todas as aves.
Com a cabeça virada para baixo, o flamingo introduz o
bico na água servindo-se dele para «coar» os animais e
plantas aquáticas de que se alimenta. A parte inferior do
bico movimenta-se para cima e para baixo para bombear
a água contra a parte superior onde uma franja de
lemelas retém os alimentos.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Um bico de carnívoro

O bico do francelho termina num gancho, o que é uma característica


das aves de rapina. O gancho serve para estas aves dilacerarem
animais demasiado grandes para serem engolidos inteiros.

Bico em pinça

O melro-preto tem um formato de bico que é partilhado por milhares de


espécies de aves de tamanho médio. É afilado para que o animal possa
apanhar pequenos objectos, como sementes, mas o seu comprimento
permite à ave apanhar presas maiores, como minhocas. O bico amarelo-
alaranjado do melro-preto macho é também utilizado como sinal
destinado às fêmeas.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Um bico de frugívoro

Os papagaios selvagens vivem de frutos e sementes e possuem um bico


«misto» que lhes permite tirar o maior partido dos alimentos. O papagaio
utiliza o gancho da extremidade do bico para retirar a polpa do fruto e com
as axilas da base do bico parte a casca das sementes para comer o seu
interior. Os papagaios também são únicos no mundo das aves pela forma
como usam os pés, segurando e virando com eles os alimentos enquanto
os quebram.

Um pato com dentes

Ao contrário dos mamíferos e dos répteis, as aves não têm verdadeiros


dentes, que são elementos ósseos. Contudo, algumas aves
desenvolveram estruturas que são muito semelhantes a dentes. Os
mergansos, por exemplo, têm bicos serrilhados para segurar os peixes
tanto em água doce como no mar.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Um bico para «chapinhar»

Muitos patos alimentam-se apanhando alimentos à


superfície ou abrindo e fechando o bico enquanto
percorrem com ele a superfície das águas. A água
entra por entre as duas metades achatadas do bico e
tudo o que nela estiver em suspensão é «espremido» e
engolido. Este processo é semelhante ao da filtração
do flamingo, embora um bico de pato esteja muito
menos especializado e possa ser utilizado para outros
tipos de alimentação.

Um bico para todos os fins

Os bicos das gaivotas são compridos e terminam num


gancho que é mais pequeno mas em muitos aspectos
semelhante ao das aves carnívoras. Este formato de
bico não só lhes permite caçar e segurar presas como
peixes, ao longo do comprimento do bico, mas também
as ajuda a dilacerar os alimentos.

Professora Ilda Gonçalves


2008/09
Regime alimentar das aves e as suas patas

As suas patas são As suas patas têm dois As suas patas As patas estão
fortes e com garras dedos virados para a possuem uma adaptadas à marcha
bem desenvolvidas que frente e dois para trás, membrana interdigital para poder procurar as
ajudam a agarrar e a o que lhes permite uma ou natatória a unir os sementes no solo
rasgar a presa boa fixação a troncos dedos, o que lhes
quando se alimentam permite a procura de
alimentos na água

Professora Ilda Gonçalves


2008/09