Você está na página 1de 10

Cura tibetana do alho: uma receita

milenar para fortalecer o sistema


imunológico e tratar as viroses e
gripes!

muca10ben
20 de abril de 2018 09:28
Seguir

A receita que apresentamos foi criada por monges tibetanos e, aqui no Ocidente, é mais
conhecida como a “cura tibetana do alho”.

O alho já é um elemento conhecido de quem está acostumado a usar os remédios


naturais para ter uma vida mais saudável e combater doenças.
A cura tibetana do alho é uma receita especial porque concentra os nutrientes do
alimento de uma forma muito mais efetiva.

A função principal da cura tibetana é desintoxicar o organismo de forma generalizada.

Para você ter uma ideia do poder dessa receita, observe alguns de seus impactos:

– Atua na redução do colesterol LDL que é responsável pelo entupimento de artérias e


doenças cardíacas;

– Incentiva a produção do colesterol HDL que traz efeitos importantes para a saúde do
coração;

– Controla a produção dos triglicerídeos que são altamente perigosos para a saúde,
quando estão em grande quantidade no corpo;

– Regula a pressão arterial, imprescindível para termos um coração saudável;

– Atua na diminuição da retenção de líquidos, muito comum especialmente durante o


período menstrual das mulheres;

– Promove o melhor funcionamento das atividades do fígado;

– Permite uma melhor circulação do sangue;

– Melhora a atividade renal;

– Estimula o melhor funcionamento do sistema imunológico, e;

– Acelera o metabolismo do corpo o que é grande auxílio para as pessoas que precisam
perder peso.

Cura tibetana da imunidade com alho

Como podemos ver, os efeitos da cura tibetana do alho são bem abrangentes e altamente
importantes para melhorar a nossa qualidade de vida e prevenir doenças.

Por conta disso, é importante que você consulte seu médico antes de iniciar esse
tratamento, uma vez que para potencializar o poder do alho, a receita leva cachaça.
Além disso, como alguns dos efeitos são bem poderosos e lidam diretamente com
doenças que requerem tratamentos que utilizam remédios controlados, consultar um
médico antes da receita é importante para que os efeitos não criem outros problemas no
seu organismo.

Também é importante ter em mente que o tratamento com a cura tibetana do alho é feito
de forma homeopática, portanto, as doses são pequenas.

Nesse sentido, você terá que conseguir um frasco com uma tampo de conta-gotas.

Os ingredientes da cura tibetana são bem simples: 350 ml de alho (que pode ser picado,
triturado ou esmagado) e 250 ml de cachaça.

A receita também pode ser adaptada para o uso de álcool 70%. Entretanto, certifique-se
de que é o tipo de álcool para uso interno, ou seja, não é o álcool gel que vende na
farmácia.

Devido a dificuldade em encontrar esse tipo de álcool, optamos pelo uso da cachaça que
pode substituí-lo sem alteração no efeito da curta tibetana.

Preste atenção na preparação:

Coloque a cachaça num copo e/ou frasco com tampa e mergulhe o alho e deixe a
mistura tampada por dez dias.

Para conseguir o benefício total da receita, certifique-se de que a mistura está muito
bem tampada.

Após os dez dias, coe a solução com uma peneira de tela bem fina e leve à geladeira por
mais três dias em frasco bem fechado.

A receita é fácil de fazer, não é? Agora preste atenção em como usar a receita, pois a
ordem dos passos é importante.

Modo de usar:

Primeiro dia: Tome 1 gota antes de tomar o seu café da manhã, 2 gotas antes de almoçar
e 3 gotas no seu jantar;
Segundo dia: Tome 4 gotas na hora do café da manhã, 5 gotas na hora do almoço e 3
gotas na hora do jantar;

Terceiro dia: 7 gotas no café da manhã, 8 gotas no almoço, 9 gotas no jantar;

Quarto dia: 10 gotas no café da manhã, 11 gotas no almoço, 12 gotas no jantar;

Quinto dia: 13 gotas no café da manhã, 14 gotas no almoço, 15 gotas no jantar;

Sexto dia: 15 gotas no café da manhã, 14 gotas no almoço, 13 gotas no jantar;

Sétimo dia: 12 gotas no café da manhã, 11 gotas no almoço, 10 gotas no jantar;

Oitavo dia: 9 gotas no café da manhã, 8 gotas no almoço, 7 gotas no jantar;

Nono dia: 6 gotas no café da manhã, 5 gotas no almoço, 4 gotas no jantar;

Décimo dia: 3 gotas no café da manhã, 2 gotas no almoço, 1 gota no jantar;

Do décimo primeiro dia em diante basta tomar 25 gotas, três vezes ao dia, até o
consumo final da solução.

A cura tibetana do alho tem efeitos fortes, por isso, esse tratamento deve ser
administrado somente a cada CINCO ANOS.

O tratamento é contraindicado para casos de problemas digestivos e gástricos, como


úlcera, além de pessoas que precisem tomar anticoagulantes, portanto, reforçamos a
importância de consultar seu médico antes de usar a solução.

Cura tibetana do alho: para que serve, preparação e contra-indicações


A cura do alho tibetano é um remédio natural usado por centenas de anos por monges
budistas no Tibete. Esta receita da medicina tibetana tradicional serve para diminuir os níveis
de gordura corporal ou fortalecer o sistema imunológico.

Também é muito útil no tratamento de várias doenças. Nesse sentido, um artigo de Bauer e
Cekovska (2010) sobre as propriedades médicas do alho, afirma que os tibetanos fizeram
receitas com esta planta para curar dores de estômago.

Como os tibetanos, existem muitas culturas que usaram o alho na medicina tradicional; por
exemplo, cultura chinesa, egípcia ou grega. Essa popularidade se deve aos seus importantes
benefícios à saúde. A única razão pela qual o alho foi odiado é por causa de seu cheiro forte,
embora tenha sido usado para espantar os maus espíritos.

Quais propriedades o alho tem?

As propriedades saudáveis do alho são mais do que cientificamente comprovadas. Sua


capacidade de prevenir tantos tipos de doenças se deve ao seu alto teor de vitaminas
(vitamina B6, vitamina C, vitamina B1), nutrientes e substâncias antioxidantes.

Além disso, os dentes de alho, quando cortados ou triturados, liberam uma substância
chamada alicina que possui propriedades antifúngicas ou antifúngicas e antibacterianas.

Medicina tradicional tibetana

Para entender o significado da cura do alho tibetano, é necessário fazer algumas anotações
sobre a tradição de cura do Tibete.
A medicina tibetana tradicional também é conhecida como medicina Sowa-Rigpa. É baseado
na religião e literatura budistas e tem séculos de idade. Essa tradição medicinal ainda é
praticada em alguns países asiáticos, como China ou Índia, mesmo em algumas partes da
Europa e América do Norte.

Este medicamento natural distingue três sistemas ou modos do corpo: vento, bile e fleuma. O
primeiro está relacionado à circulação sanguínea e ao sistema nervoso; o segundo com o
metabolismo, o fígado e tudo relacionado ao sistema digestivo; E finalmente, catarro se refere
à estrutura do próprio corpo.

Em resumo, essa tradição, formada quase como uma ciência por seu sistema bem
estabelecido, tem um único objetivo: equilibrar os três modos para impedir o desenvolvimento
de doenças.

Para evitar o aparecimento de doenças e manter o corpo equilibrado e saudável, esta tradição
medicinal asiática faz uso de remédios naturais à base de plantas e plantas, como a cura do
alho tibetano.

Como é preparada a cura tibetana do alho?

Como Emily Thacker escreve em seu livro Garlic: Natural’s Companion , no Tibete, o alho é
picado e fermentado com manteiga e cereais para fazer um remédio usado para tratar muitas
doenças diferentes.

Relacionado:  Como a obesidade se relaciona com o tipo de alimento que ingerimos?

-Receita de óleo de alho

Venha Rechung Rinpoche e Jampal Kunzang (1973) coletam em seu livro Medicina Tibetana:
Ilustrado em Textos Originais uma receita médica caseira, um tipo de óleo de alho (chamado
em seu nome original de sGog-skya bo’i sman-mar ). Este medicamento, de acordo com os
autores, serve para tratar todas as doenças do vento.

Em outras palavras, a circulação do sangue e do sistema nervoso, seguindo a classificação


tibetana dos humores que compõem o corpo. Também é eficaz no tratamento de doenças
relacionadas à palpitações cardíacas ou problemas mentais, além de proporcionar boa saúde e
uma vida longa. A receita é como detalhado abaixo:

Ingredientes

 31 onças (311 gramas) de raízes de plantas de alho.

 595 gramas de manteiga de iaque, um boi que vive nas regiões montanhosas da Ásia e
comum na área do Tibete.

 Agua
 Cereais (não especifica quais).

Preparação

1. As raízes do alho são moídas em pó.

2. Eles são cozidos em água até evaporar.

3. Misture o alho cozido com os mais de 500 gramas de manteiga de iaque.

4. Coloque a mistura em uma tigela e deixe fermentar por 21 dias cobertos de grãos de
cereal.

-Outra receita

Outra receita medicinal para o alho alternativo, que é chamada a antiga cura tibetana do alho
nas diferentes fontes consultadas, é a que expus abaixo:

Ingredientes

 12 onças de alho, de preferência orgânico (350 gramas).

 1 xícara de álcool a 70% (livre de metanol e outras substâncias) para uso interno.

Preparação

1. Coloque o alho cru descascado e esmagado em uma garrafa ou jarra de vidro.

2. Feche bem e guarde na geladeira, onde deve descansar por dez dias.

3. Filtre o líquido com a ajuda de uma toalha de chá ou filtro. Quando removida da
geladeira e filtrada, a mistura deve ter adquirido uma cor esverdeada ou semelhante.

4. Guarde na geladeira novamente e deixe descansar por mais três dias.

Passado esse tempo, pode-se dizer que o potingue já está preparado para iniciar os
sacerdotes.

Tratamento e dosagem

Os mexilhões feitos com alho e álcool devem ser consumidos em pequenas doses ou gotas
misturadas com água 20 minutos antes das principais refeições do dia (café da manhã, almoço
ou almoço e jantar). Deve-se usar um conta-gotas, que também deve ser mantido frio na
geladeira. A cura deve ser administrada por pelo menos dez dias.

Relacionado:  10 grandes benefícios do repolho para a saúde


Também é importante saber que esta cura é recomendada apenas para tomá-la a cada cinco
anos. Apesar de não anexar nenhuma razão científica que explique a razão dessa frequência de
consumo.

Abaixo está uma tabela com as doses recomendadas por dia e por refeição.

A partir do dia 11, 25 gotas divididas em três vezes ao dia devem ser consumidas até que a
preparação esteja completamente esgotada.

A cura do alho tibetano só deve ser tomada quando houver sintomas que exijam tratamento.
Se estes persistirem após consumir a mistura, é aconselhável procurar a ajuda ou o conselho
de um especialista, médico ou homeopata, para fazer um estudo mais detalhado das doenças
sofridas e que podem oferecer outras alternativas eficazes.

Benefícios para a saúde

As propriedades sanitárias da cura do alho tibetano estão intimamente ligadas aos nutrientes e
substâncias benéficas presentes no alho.

Alguns dos benefícios que essa cura traz para o corpo são:

– Ajude a perder peso.

– Redução dos níveis de gordura no corpo e no sangue.

– Diminui os níveis de “colesterol ruim” (LDL) no sangue.

– Ajuda a limpar o fígado, melhorando o seu funcionamento.

– Melhora a circulação.

– Combate o acúmulo excessivo de fluidos no corpo.

– É bom para os rins


– Fortalece o sistema imunológico e as defesas

– Controle a hipertensão, eliminando-a.

– Tem efeitos antioxidantes

Esses benefícios têm sua explicação na ciência e em alguns dos componentes presentes no
próprio alho, como vitaminas que atuam como antioxidantes. Algumas das vantagens do alho,
como o fato de ajudá-lo a perder peso, estão relacionadas ao seu baixo nível calórico.

A alicina, um ingrediente ativo, que atua como um antibiótico natural também está presente
no bulbo do alho. Isso explica por que a cura tibetana desta planta é eficaz no tratamento de
algumas doenças.

Condições que podem melhorar

Entre as condições mais comuns que podem ser tratadas com esta antiga receita médica dos
monges budistas do Tibete, estão as seguintes:

Obesidade.

Isquemia.

– Sinusite

– Doenças do coração.

– Dores de cabeça.

Relacionado:  Muícula: para que serve, preparação, contra-indicações

– trombose cerebral.

– Artrite

– osteoartrite.

– Reumatismo.

Gastrite.

– Hemorróidas.

– problemas oculares.

– condições da orelha.

– aterosclerose
Algumas contra-indicações para a cura do alho tibetano

O consumo de alho como remédio natural é desaconselhável para quem sofre de outras
doenças, principalmente doenças cerebrovasculares ou cardíacas, e estas estão sendo tratadas
com medicamentos anticoagulantes. Isso é alertado por um estudo de Vicki Evans,
pertencente à Associação Americana de Enfermeiros de Neurociência, e publicado em 2000 no
Journal of Neuroscience Nursing.

Segundo esse especialista, devemos tomar cuidado com alguns remédios naturais, como alho
ou ginko, pois eles afetam o uso de varfarina. Este é um medicamento anticoagulante oral
usado para prevenir a formação de trombos no sangue.

Outras contra-indicações ao consumo deste potingue à base de alho e álcool são problemas
digestivos, como úlceras digestivas.

Obviamente, as pessoas que não podem comer alho cru não devem se submeter a essa cura
por recomendação médica.

Se você sofre de outra doença ou condição e está em tratamento médico, recomendamos que
você não inicie essa cura até concluir o tratamento ou consultar um profissional médico. Dessa
forma, você evitará interações entre as duas substâncias médicas que podem ser prejudiciais à
sua saúde.

De qualquer forma, se você iniciar as curas e observar algum problema ou efeito colateral,
interrompa o tratamento e procure um profissional.

Referências

1. Chevallier, A. (2000). Enciclopédia de saúde natural de fitoterapia.  Nova York: DK Pub.


Inc.

2. Evans, V. (2000). Ervas e o cérebro: amigo ou inimigo? Os efeitos do ginkgo e do alho


no uso de varfarina. Journal of Neuroscience Nursing , 32 (4), 229-232. doi: 10.1097 /
01376517-200008000-00007.

3. Petrovska, B., & Cekovska, S. (2010). Extratos da história e propriedades médicas do


alho. Pharmacognosy Reviews , 4 (7), 106. doi: 10.4103 / 0973-7847.65321.

4. Rechung, V. & Kunzang, J. (1973). Medicina tibetana: ilustrada em textos


originais.  Berkeley e Los Angeles: University California Press.

5. Thacker, E. (2009). Alho: Companheiro Natural da Natureza . Ohio, EUA: James Direct


Inc