Você está na página 1de 5

REPÚBLICA DE ANGOLA

MINISTERIO DO ENSINO SUPERIOR, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Comissão Técnica encarregue de desencadear acções para a criação


da ACADEMIA ANGOLANA DE CIÊNCIAS

Relatório de actividades

I - Introdução

Em cumprimento ao despacho nº 5174/18 de 16 de Outubro, de S. E.


Ministra do Ensino Superior Ciência, Tecnologia e Inovação, que cria a
Comissão Técnica encarregue de desencadear acções para a criação da
Academia Angolana de Ciências somos a remeter o relatório de trabalhos.

A Comissão Técnica (CT) criada teve como missão estabelecer todas as


peças necessárias à criação, organização e funcionamento da AAC e o
relatório de trabalhos.

A CT realizou a sua primeira reunião no dia 25 de Outubro de 2018, na sala


de reunião do MESCTI. Estiveram presentes 5 dos 7 membros nomeados
mais dois membros que se associaram à causa. Nesta reunião foram
estabelecidos os termos de referência de funcionamento da Comissão
Técnica, o plano e grupos de trabalho e o calendário de actividades (ver
acta em anexo 1).

Os grupos de trabalho criados apresentaram os resultados de suas tarefas


em tempo oportuno (anexo 2).

II – Contacto com entidades congéneres

Dentro das actividades da Comissão Técnica foram feitos contactos com


entidades congéneres como:

1. Academia Angolana de Letras

Foi feito um contacto telefónico com o Secretário-geral da Academia


Angolana de Letras, o Dr. António da Fonseca, que informou sobre o
funcionamento da AAL, nomeadamente quanto a.

Natureza – Uma associação de direito privado por escritura pública, assim


o estabelece o nosso ordenamento jurídico que é diferente do de outros

1
países. A natureza de utilidade pública se desencadeia depois que se
constitui a associação. O processo começa ao nível do governo provincial
até a Presidência da República. Leva seu tempo.

Função – Emissão de pareceres que são entregues a entidades públicas e


privadas sobre assuntos do interesse nacional.

Tipos de membros – Fundadores, efectivos e convidados. O ingresso de


novos membros é condicionado aos seguintes critérios, ter uma ou mais
obra(s) literária(s) publicada(s), ter obras estudadas em universidades
nacionais e estrangeiras, ser proposto por 4 membros efectivos, que são
avaliados por uma comissão ad hoc e em assembleia geral admitidos.

2. Academia Mundial de Ciências

Esteve em Angola entre os dias 14 e 16 de Novembro o Director Executivo


da Academia Mundial de Ciências, o Professor Doutor Romain Murenzi,
que estimulou a criação da Academia Angolana de Ciências, e referiu que
para uma funcionamento de uma academia é necessário apenas que haja
vontade politica e apoio institucional para ter uma Secretária num
determinado lugar e meios de comunicação. A produção de evidência pode
ser feita por membros ou por centros de investigação científica
especializados. Ser membro de uma academia deve ser baseado no mérito,
na realização em prol da ciência, tecnologia e inovação.

3. Academia Sul-africana de Ciências

Tivemos em Angola a visita da Sra. Ms Phyllis Kalele, funcionária sénior


da Academia Sul-africana de Ciências (ASSAF) que fez uma apresentação
do funcionamento da ASSAF, sua dependência funcional do Ministério da
Ciência e Tecnologia da Africa do Sul e a sua criação foi por lei da
Assembleia Nacional Sul-africana.

4. Rede Africana de Academias de Ciências

Foi feito o contacto com a Directora Executiva da Rede Africana de


Academias de Ciências, Sra. Jackie Olang-Kado que nos ofereceu uma
visão ampla sobre a constituição de uma Academia de Ciências e
disponibilizou a Guidelines to Establishing and Strengthening Academies,
que serviu de base para a construção da proposta de estatutos da Academia
Angolana de Ciências.

III - Resultados

Como resultado do trabalho desta Comissão Técnica, apresenta-se como


apêndice deste relatório as seguintes peças:

2
1. Proposta de Estatutos da Academia Angolana de Ciências;
2. Nota sobre as peças necessárias à criação, organização e
funcionamento da Academia Angolana de Ciências;

A Comissão Técnica realizou várias reuniões, a maioria para a redacção da


proposta de estatutos da AAC.

A Comissão Técnica se penitencia pelo extenso tempo que levou até


apresentar o presente relatório, que se deveu entre outros aspectos, ao
desencontro de ideias sob a forma como devia ser criada AAC.

Termina a sua missão, agradecendo a iniciativa e estímulo da Sra. Ministra


do Ensino Superior, Ciências, Tecnologia e Inovação e do apoio do Governo
de Angola.

Luanda, aos 08 de Julho de 2019

O Coordenador do Grupo Técnico

Emanuel Catumbela

Director Nacional para a Formação Pós-graduada

3
REPÚBLICA DE ANGOLA
MINISTERIO DO ENSINO SUPERIOR, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Comissão Técnica encarregue de desencadear acções para a criação


da ACADEMIA ANGOLANA DE CIÊNCIAS

Peças necessárias à criação, organização e funcionamento da


Academia Angolana de Ciências.

A Academia Angolana de Ciências (AAC) é uma entidade de natureza


associativa privada, cuja constituição baseia-se na lei das Associações
Privadas (Lei nº6/12 de 18 de Janeiro). Este diploma estabelece que para a
constituição de uma associação, os requerentes devem apresentar:

a) Acto de constituição e estatutos;


b) Certidão de admissibilidade a requisitar nos serviços notárias da
província sede;
c) Pedido de registo para a aquisição de personalidade jurídica junto dos
serviços notárias da província sede.

Acto de constituição.

O acto de constituição da AAC deverá ser feito por uma comissão


instaladora autónoma e independente do Poder Executivo, devido sua
natureza, de associação privada.

A Comissão Técnica, findo o seu trabalho, propõe-se a ser a Comissão


Instaladora, coordenada pelo Professor Doutor Emanuel Catumbela. Serão
convidados outros cientistas angolanos eminentes para comporem a
Comissão Instaladora num total de até 15 indivíduos. Quando se constituir a
AAC estes indivíduos ganham o estatuto de Membros Fundadores da
Academia Angolana de Ciências.

Estatutos

Para se efectivar a constituição da AAC a Comissão Técnica apresenta a


Proposta de Estatutos, composta por três capítulos e 35 artigos, que se
assemelha do ponto de vista estrutural a Academia Angolana de Letras e

1
em termos de conteúdo a Guideline proposta pela Rede Africana de
Academias de Ciências. A proposta de estatutos será submetida a
apreciação dos membros constituintes para sua aprovação.

Certidão de admissibilidade

É da competência dos membros da Comissão Instaladoras requerer junto


dos serviços notariais a competente certidão de admissibilidade para obter a
natureza jurídica. Dentro dos próximos dias será requeira a certidão de
admissibilidade.

Funcionamento da AAC

Por ser uma entidade ligada à área de Ciência, Tecnologia e Inovação, o


MESCTI poderá, se haver disponibilidade, colocar ao dispor da AAC um
espaço físico e as condições técnicas mínimas para o seu funcionamento
(Secretária, mobiliário de escritório e meios de comunicação).

Pedido de registo para a aquisição de personalidade jurídica

Será feita pela Comissão Instaladora após a constituição formal. Pretende-


se realizar uma assembleia constitutiva dentro de 60 dias.

Pela Comissão Técnica