Você está na página 1de 7

Relatório Final

Protótipo de um Experimento para a Transferência de Temperatura


Celsius para Tensão Elétrica
Alessandro Lunardi, Fábio Soares, Fernando Palavro, Jean Fontanive
Universidade de Caxias do Sul – UCS
Rua Uruguai, 458 – CEP 88302-202 – Caxias do Sul
lunardialessandro@yahoo.com.br, fabioas@superig.com.br,
fernandopalavro@bol.com.br, jeanfontanive@gmail.com.br

Resumo: A finalidade do experimento foi (utilizado para medir a temperatura


a de transformar a temperatura (Celsius) corporal) até os sensores que utilizam
em tensão. A idéia se deu com o uso de um semicondutores como o LM 35. O circuito
sensor de temperatura LM 35, um proposto por este trabalho deverá ser capaz
amplificador operacional LM 324, um de medir as alterações de temperatura de
semicondutor LM 3914, o qual tem 4ºC até 40ºC.
controle dos Led’s inseridos, com a O circuito foi montado baseando-se
finalidade de serem ligados para fornecer a em uma placa protoboard (as placas para
leitura da temperatura inserida sabendo que protótipos protoboards são usadas para as
o primeiro Led será ligado em 4°C e o montagens de circuitos temporários, sem o
último, em 40°C, totalizando dez medidas. uso de soldas, é um circuito impresso
O esquema proposto demonstra a provisório). A corrente elétrica é um fluxo
linearidade das medidas e sua construção ordenado de partículas carregadas e sua
sobre uma placa protoboard. intensidade poderá ser expressa por 4
ampéres (A), em miliampéres (mA) ou por
Palavras-chave: sensor de temperatura, submúltiplos como os microampéres (mA).
amplificador operacional, semicondutor. Um ampére (1 A) é uma intensidade de
corrente elétrica que indica um fluxo de
1. INTRODUÇÃO 6,2 x 10 18 elétrons por segundo em
O tema proposto foi transformar a qualquer seção do fio.
temperatura (Celsius) em tensão. Os Ainda de acordo com a
componentes usados foram: um sensor, Enciclopédia Virtual (2007), um sensor é
uma placa protoboard, um amplificador geralmente definido como um dispositivo
operacional, um semicondutor, quatro que recebe e responde a um estimulo ou
resistores, dez Led’s, um potenciômetro, um sinal. Porém, os sensores artificiais são
um termopar. aqueles que respondem com um sinal
O sensor é um dispositivo que elétricos um estimulo ou um sinal. Um
muda seu comportamento sob a ação de transdutor por sua vez é um dispositivo que
um componente em forma de C.I. É converte um tipo de energia em outra não
empregado em inúmeras aplicações necesseriamente em um sinal elétrico.
lineares ou não lineares na eletrônica em Muitas vezes um sensor é composto de um
geral, mas principalmente, em sistemas de transdutor e uma parte que converte a
controle e regulação, instrumentação, energia resultante em um sinal elétrico.
processamento e geração de sinais uma Podem ser de indicação direta (como um
grandeza física, podendo fornecer termômetro de mercúrio ou um medidor
diretamente ou indiretamente um sinal que elétrico) ou em par com um indicador
indica esta grandeza. O sensor de (algumas vezes indiretamente com um
temperatura é um sistema simples tanto conversor de analógico para digital, um
quanto um termômetro de mercúrio computador e um display) de modo que o
valor detectado se torne legível pelo Sua representação gráfica é dada pela
homem. Além de outras aplicações, os figura abaixo:
sensores são largamente usados na
medicina, indústria e robótica.
Como o sinal é uma forma de
energia, os sensores podem ser
classificados de acordo com o tipo de
energia que detectam. V+ – Entrada não Inversora
Para o experimento utilizou-se um V- – Entrada Inversora
sensor do tipo LM 35DZ, um amplificador VO – Tensão de Saída
operacional LM 324 e um semicondutor O amplificador operacional é
LM 3914, os quais forneceram linearidade provavelmente o dispositivo único mais
de boa interpretação. No sensor conhecido bem sucedido na área de circuitos
como LM 35 o nível de tensão em relação eletrónicos analógicos. Com apenas alguns
à temperatura é calibrada em °C e, a cada poucos componentes externos, ele pode ser
aumento de 10 mV, é equivalente a 1°C. ajustado de modo a fazer uma grande
De acordo com a Enciclopédia variedade de funções em processamento de
Virtual (2007) um amplificador sinal. Também possui um preço
operacional ou amp op é um amplificador relativamente baixo.
com um ganho muito alto que possui duas Foram usados resistores,
entradas, uma inversora (-) e uma não componentes eletrônicos que têm a
inversora (+). A tensão de saída é a propriedade da resistência elétrica e com a
diferença entre as entradas + e - , função de atenuar a corrente elétrica.
multiplicado pelo ganho em malha aberta: Sendo talvez, um dos componentes mais
comuns, as resistências possuem um
formato cilíndrico e faixas coloridas que
definem o seu valor em Ohms. Servem
A saída do amplificador pode ser para opor-se a passagem de corrente,
única ou diferencial, o que é menos ficando assim, certa tensão retida no
comum. Os circuitos que utilizam amp ops mesmo.
frequentemente utilizam a realimentação LED é a sigla em inglês para Light
negativa (negative feedback). Porque Emitting Diode, ou Diodo Emissor de Luz.
devido ao seu ganho elevado, o O LED é um diodo semicondutor (junção
comportamento destes amplificadores é P-N) que quando energizado emite luz
quase totalmente determinado pelos visível. A luz é monocromática e é
elementos de realimentação (feedback). produzida pelas interações energéticas do
O amplificador operacional é um elétron. No silício e no germânio, que são
componente eletrônico compacto os elementos básicos dos diodos e
construído da junção de resistores, transistores, entre outros componentes
capacitores e transistores. Este componente eletrônicos.
em tempos passados era largamente
utilizado para computar as operações 2. METODOLOGIA:
matemáticas como soma, integrações. Por Para o circuito proposto em questão
isso recebe o nome de Amplificador utilizou-se:
Operacional. De acordo com o avanço • Placa protoboard: usada para o
tecnológico o Operacional foi anexado ao circuito temporário sem o uso de
nome devido a sua versatilidade em solda;
implementações antes complexas e nos • Fios: tipo 0,4m de duas cores a fim
mais variados projetos (CFETG, 2007). de destacar uma melhor
interpretação entre corrente e terra autonomia para ligar o primeiro Led’s.
(neutro); Dessa forma continuará, nas próximas
• Sensor LM 35: descrito como IC1 é medidas propostas de forma linear, até
um sensor de temperatura que tem chegar a 40°C, medida máxima estipulada
unicamente três terminais, um que nesse trabalho. Os dados em valores de
corresponde a alimentação de saída estão disponibilizados na “Tabela 1”.
tensão positiva, outro conectado ao O circuito proposto neste trabalho
terra e o terceiro que, de acordo está disposto na Figura 1.
com a temperatura, varia a tensão. Os símbolos inseridos na Figura 1,
Esse sensor tem a capacidade de correspondem a:
medir temperaturas dentro da faixa • GND – entrada de neutro (terra);
de O°C a +150 °C, que em tensão • V+ - corrente inserida no circuito;
corresponde a 0mV a +1500 mV; • IC1 – sensor LM 35;
• Amplificador operacional LM 324: • R1, R3 e R4 – resistores;
descrito como IC2; • R2 – potenciômetro;
• Semicondutor LM 3914: descrito • IC2 – amplificador operacional LM
como IC3; 324;
• Resistor 10KΩ ( R3 ) e 22KΩ (R1 • IC3 – semicondutor LM 3914;
e R4 ); • Chave seletora – liga/desliga;
• Led’s; • D1 a D10 – Led’s.
• Fonte de tensão;
• Potenciômetro 10K (R2);
• Copo de Becker;
• Chave seletora;
• Termopar;
• Aquecedor de água;
• Gelo;
A tarefa proposta foi a de extrair
dez medidas de temperatura, a qual teve
seu início em um estudo do esboço de
circuito “Figura 1” fazendo que o circuito
montado de Celsius para tensão elétrica
funcione. O sensor LM 35 é um fotodiodo
que trabalha a seco, diante deste fato teve-
se a idéia de isolar com uma borracha
térmica para que fosse submergido na
água. Partiu-se da água e do gelo
colocados no copo de Becker para se obter
os 4°C, a qual foi a medida escolhida para
dar início ao trabalho proposto. Seguido
das seguintes etapas: essa medida será
reconhecida pelo sensor LM 35 que por
sua vez imitirá uma saída de 40mV; é
encaminhada até o amplificador
operacional LM 324 que reconhecerá e
multiplicará por 3.2 vezes e que terá na sua
saída 128 mV; sendo encaminhado até o
semicondutor LM 3914 (controle da barra
de Led’s) o qual reconhecerá e já terá a
Figura 1- Esquema Elétrico do Circuito integrado.

2.1 Fórmulas utilizadas: Figura 2 – Projeto montado


Para o sensor LM 35, cada 1ºC
equivale a 10 mV, então:

Temperatura x 10 mV = valor de saída


(1)
Para o amplificador operacional
LM 324:
Valor de saída do LM 35 x 3.2mV =
valor de saída amplificador LM 324
(2)
Para o semicondutor LM 3914, é
planejado o trabalho entre 0 Volts a
1,28 Volts. A cada aumento de 128 mV
é ligado um Led’s de acordo com Tabela 1 – comparação da saída no LM
Tabela 02. (3) 35 com o ganho no LM 324 e entrada
no LM 3914 em mV
3. RESULTADOS E DISCUSSÕES
ºC Saída LM Ganho Entrada
A figura 2 representa o projeto
35 em mV LM LM 3914
montado e em plenas condições de ser
em mV
operado, conforme foi proposto neste
0 0 3.2 0
trabalho.
4 40 3.2 128
8 80 3.2 256
12 120 3.2 384
16 160 3.2 512
20 200 3.2 640 Temperatura Tensão LED’S ligados
24 240 3.2 768 indicada mV
28 280 3.2 896 0ºC 0 -
32 320 3.2 1024 4ºC 128 D1
36 360 3.2 1152 8ºC 256 D1, D2
40 400 3.2 1280 12ºC 384 D1, D2, D3
16ºC 512 D1, D2, D3, D4
Na Tabela 1, a coluna da 20ºC 640 D1, D2, D3,
temperatura em ºC demonstra os valores D4, D5
aplicado no sensor LM 35. A saída do 24ºC 768 D1, D2, D3,
LM 35 indica que ocorreu uma entrada D4, D5, D6
em temperatura e gerou uma saída em 28ºC 896 D1, D2, D3,
mV, enfatizando que a cada 1ºC D4, D5, D6, D7
equivale a 10 mV. A cada tensão 32ºC 1024 D1, D2, D3,
recebida pelo sensor LM 35 ocorre a D4, D5, D6,
ampliação de 3.2 vezes. O LM 3914 D7, D8
tem a capacidade de ligar um Led a 36ºC 1152 D1, D2, D3,
cada 128 mV recebido. D4, D5, D6,
Observa-se que a faixa de D7, D8, D9
operação do integrado LM 3914 que é
40ºC 1,28 V D1, D2, D3,
de 0 V a 1,28V, então o valor máximo
em D4, D5, D6,
para ativar o IC3 (1,28V), que significa
diante D7, D8, D9,
que deve-se amplificar o valor da tensão
D10
do sensor por um fator de 3.2 vezes.
A configuração que adquirirá o
A cada 4ºC resultará em 128
amplificador IC2 é um amplificador não
mV, proporcionando a ligação de um
inversor, sendo que os resistores R3 e
Led’s. A Tabela 2 expressa esses
R4 são encarregados de reparar o fator
valores.
de amplificação antes mencionado (3,2
O circuito integrado LM 3914 é
vezes).
um dispositivo que reconhece a
Referente à alimentação do
variação de tensão de entrada, ligando
circuito, dada pelas características dos
ou desligando a série dos Led’s, os
circuitos integrados, é possível fazer uso
quais são conectados em seus terminais
de uma fonte de alimentação cujo valor
de saída. Este circuito integrado é
pode variar de 3V a 21V, que a forma
composto por uma série de
de operação do projeto não será afetada.
amplificadores operacionais (Total =
O circuito descrito acima, terá
10) interligados entre si, sendo que os
um ganho de 3,2 mV no LM 324,
mesmos são configurados com
conforme Tabela 1.
comparadores de níveis, que contam
com uma tensão de 1,28 V. Através
Tabela 2 – Comparação da tensão de
desta tensão ocorre as comparações de
entrada dos Led’s com a temperatura de
tensão e a ignição correspondente a
leitura
cada Led’s.
Tabela 3 – Comparação da tensão de reconhecidas em tensão pelo LM 324 e
entrada com a saída em ºC no circuito LM 3914. Depois de inserida a primeira
do LM 35 medida, as outras vêm de forma
crescente e de forma linear até seu nível
Temperatura Tensão de máximo estipulado.
saída O led’ é ligado a cada 125 mV
porem esta chegando 128 mV uma
pequena diferença de defasagem que
0ºC 0V não implicará no funcionamento do
5ºC 50 mV experimento.
15ºC 150 mV
20ºC 200 mV 4. CONCLUSÃO
25ºC 250 mV Foi feita uma montagem em uma
30ºC 300 mV placa protoboard de um sensor LM 35
(responsável para medir temperatura em
A faixa de O°C a + 150ºC indica graus Celsius), a fim de capturar a
a operação da capacidade do sensor LM temperatura ambiente ou qualquer
35. A cada 1ºC inserido equivale a 10 alteração dela , o LM 35 envia este sinal
mV, portanto a Tabela 3 expressa ao LM 324 o qual ajusta para o ganho
alguns dos resultados obtidos durante a necessário de tensão, passando pelo LM
utilização desse sensor. 3914 antes de ligar cada Led
O circuito integrado de matrícula correspondente.
LM 35DZ identificado como IC1 é um Variando a temperatura tivemos
sensor de temperatura que tem a oportunidade de observar uma
unicamente três terminais, um que resposta rápida e linear, onde o sensor
corresponde a alimentação de tensão transmitia de forma proporcional o
positiva, um outro conectado ao terra processamento através da leitura dos
(neutro) e o terceiro é o que de acordo Led’s. Esta leitura se dava até a
com a temperatura varia a tensão. A saturação que ficava acima de 40ºC,
vantagem de usar esse integrado, é o deixando impossível uma outra leitura.
fato que o nível de tensão em relação a Após as modificações
temperatura é calibrada em ºC. necessárias, o resultado é um circuito
final utilizando amp ops ideais. O
Gráfico 1 – Comparação da linearidade objetivo do projeto é que qualquer erro
de graus em tensão na entrada LM 324 e ou discrepância restante seja
LM 3914 insignificante na prática.
O amplificador linear tem tensão
de saída proporcional à diferença entre
as tensões aplicadas nas entradas. Se a
45

40

35 entrada + (não-inversora) é maior que –


30
(inversora), o amplificador satura para a
Temperatura

25

20
Graus X Tensão entrada LM
alimentação +V.
15 324
Graus X Tensão entrada LM
10
3914
5

0
0 200 400 600 800 1000 1200 1400
Tensão REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Amplifidor Operacional. Capítulo 7.


O Gráfico 1 mostra a linearidade USP. Disponível em
das medidas de temperatura <http://www.lsi.usp.br/~roseli/www/psi
2307_2004-Teoria-7-AmpOp.pdf>
Acesso em 18 jun. 2007.

CFETG. Centro Federal de Educação


Tecnológica de Goias. Amplificador
Operacional. Disponível em
<http://orbita.starmedia.com/~ampop/pa
ginas/index.html> Acesso em 20 jun.
2007.

Enciclopédia Virtual. Disponível em


<http://pt.wikipedia.org/wiki/Amplifica
dor_operacional > Acesso em: 21 jun.
2007.

GRUTTER, Arthur François de.


Amplificadores Operacionais. São
Paulo: McGraw-Hill.