Você está na página 1de 8

SOFTWARE PARA VERIFICAÇÃO DO DIMENSIONAMENTO DE

BARRAMENTOS QUANTO A ESFORÇOS TÉRMICOS E


MECÂNICOS DEVIDO A CORRENTE DE CURTO CIRCUITO

BACIUK, Fabiano Luiz, Graduando em Engenharia Elétrica, CEFET-PR


Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR
mail: baciuk@pop.com.br

CORRÊA, Diego Augusto, Graduando em Engenharia Elétrica, CEFET-PR


Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR
mail: diego.correa@copel.com

LEITE, Anderson Oliveira, Graduando em Engenharia Elétrica, CEFET-PR


Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR
mail: leiteanderson@hotmail.com

LORENÇON, Fábio, Graduando em Engenharia Elétrica, CEFET-PR


Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR
mail: fabio.lorencon@bol.com.br

WALENIA, Paulo Sérgio, Engenheiro Eletricista, CEFET-PR, 1993


Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – Av. Sete de Setembro, 3165, Curitiba/PR
Tel. (41) 310-4626 - mail: walenia@cefetpr.br

1 RESUMO

O presente trabalho tem por objetivo oferecer uma metodologia de cálculo para verificação do
dimensionamento dos barramentos condutores que compõe os conjuntos de manobra e controle, com relação aos
esforços térmicos e dinâmicos devido à corrente de curto-circuito. Tal método baseia-se nas informações da
norma IEC 865-1 (1993) e IEC 865-2 (1994). Devido à complexidade e ao elevado número de cálculos a serem
realizados, propomos uma solução rápida e confiável através da elaboração de um software, a ser denominado
“BusBarCalc”, que apresenta, através de algoritmos concisos e detalhados, uma interface amigável e atual para
as necessidades de vários usuários potenciais. Finalmente visando validar tal software foram feitas comparações
com ensaios realizados e cálculos manuais executados conforme as normas técnicas.

2 INTRODUÇÃO

Os conjuntos de manobra e controle destinam-se a realizar a distribuição e medição de energia elétrica e


controlar uma série de equipamentos elétricos entre outras funções. Para tanto, o mesmo é provido de uma série
de dispositivos e acessórios os quais são alimentados e conectados por barramentos condutores de alumínio,
ligas especiais e, mais comumente, cobre.
Estes barramentos quando percorridos por elevadas correntes de curto-circuito são solicitados por forças
de origem eletromagnéticas capazes de, caso o barramento não esteja corretamente dimensionado, oferecer riscos
não só com relação à instalação física dos conjuntos de manobra bem como oferecer riscos aos operadores que
por ventura estejam próximos ao equipamento. Em virtude destas possibilidades indesejáveis é necessário
conhecer não somente as propriedades físicas e mecânicas dos materiais que são compostos os condutores, mas
também compreender os efeitos dinâmicos e térmicos provocados pelas correntes de curto-circuito.
Devido à importância de se conhecer estes efeitos, as normas estabelecem uma série de ensaios que
devem ser aplicados aos conjuntos de manobra e controle para se verificar se estes atendem as mais severas
condições de trabalho inclusive no que tange os fenômenos de curto-circuito. Estas normas estabelecem não
somente o valor e a duração da corrente de falta como também prevê a análise do comportamento dos
equipamentos durante os ensaios e a verificação se houve ou não degradação dos barramentos condutores, seus
apoios, isoladores e peças de conexão.
Além dos efeitos térmicos e dinâmicos já mencionados, existem outras características relacionadas ao
comportamento ondulatório das correntes de curto-circuito que podem determinar o valor de pico que as mesmas
podem atingir e que exigirão, conseqüentemente, condições adequadas de suportabilidade no momento do
dimensionamento das barras que serão responsáveis pela condução de corrente, pois interferem diretamente no
valor da força magnética entre os condutores principais e/ou subcondutores. Relacionados também com os tipos
de barramentos, se compostos por uma ou mais barras por fase, existem ainda considerações mecânicas que
devem ser levadas em conta para o dimensionamento, como, por exemplo, forma geométrica do perfil das barras,
tipo de vínculos de fixação dos condutores além do comprimento e número de vãos que compõem o arranjo.
Por tais motivos, os esforços previstos nos barramentos condutores e seus apoios, na eventualidade de
estarem sujeitos a um curto-circuito, devem ser calculados previamente.
Tendo em vista a falta no mercado de um aplicativo de interface amigável e ao mesmo tempo ágil com
relação a tais dimensionamentos, foi desenvolvido um software para verificação do dimensionamento de
barramentos rígidos e isoladores quanto a esforços térmicos e mecânicos devido a corrente de curto circuito em
cubículos e invólucros metálicos até 36,2kVac.
Para os fabricantes de cubículos, o software proposto pode servir como ferramenta para elaboração de
memorial de cálculo e também para o pré-dimensionamento de protótipos a serem ensaiados em simulações de
curto-circuito.
Dentro do segmento de fabricantes de componentes (isoladores, chapas isolantes, etc.) para painéis
elétricos, pode-se ainda desenvolver um trabalho de parceria junto aos mesmos para a utilização deste software,
já que este poderá informar os esforços a que estariam sujeitos não só os barramentos condutores bem como seus
suportes isoladores.

3 MÉTODO DE PESQUISA

Este trabalho possui um método de abordagem dedutivo visto que se inicia através de conceitos já
estabelecidos e baseados nas normas IEC 865-1(1993) e IEC 865-2(1994) além de bibliografias referentes aos
aspectos elétricos e mecânicos condizentes ao objeto de estudo, procurando criar um elemento facilitador
(software) para o processo de cálculos e posterior verificação de dimensionamentos previamente realizados.
Como métodos de procedimento, foram utilizados o monográfico e o comparativo. O método de
procedimento monográfico está presente no desenvolvimento teórico, pois se utilizando das técnicas de
documentação indireta, documental e bibliográfica, iniciou-se o levantamento de dados através de literaturas
técnicas, livros, internet, acervo técnico de empresas, normas técnicas brasileiras e internacionais, com o intuito
de adquirir informações para compreender o local de atuação dos fenômenos envolvidos e suas características,
além de definir os procedimentos e o seqüencial de cálculos necessários para a estruturação do objeto final do
presente trabalho.
Nesta etapa, foram verificadas as definições dos conjuntos de manobra e controle conforme as normas
NBR 6808 (1993) e NBR 6979 (1998), características elétricas e mecânicas dos barramentos condutores e os
ensaios aplicados aos mesmos. Para a melhor compreensão do trabalho, foram realizadas considerações sobre os
efeitos de origem elétrica, tratando-se especificamente do curto-circuito, além de considerações mecânicas
devido a forma de montagem dos barramentos nos conjuntos de manobra e controle. No término desta etapa,
demonstra-se todo o embasamento para o dimensionamento de instalações sujeitas a correntes elevadas,
estabelecendo-se, após o levantamento dos dados necessários para a verificação dos dimensionamentos, toda a
seqüência para se desenvolver os cálculos de força entre fases condutoras devido à corrente de curto-circuito,
tensão mecânica nas fases condutoras, força entre condutores de uma mesma fase devida à corrente de curto-
circuito, tensão mecânica em condutor de uma fase, tensões mecânicas máximas admissíveis e força nos suportes
isoladores. Esta seqüência foi baseada nos métodos conforme interpretação da norma IEC 865-1 (1993).
Na etapa de desenvolvimento e estruturação do software, o método de procedimento comparativo teve
melhor adaptação, visto que houve a necessidade de exemplificar cálculos conforme IEC 865-2 (1994), além de
analisar quais dados devem ser pré-definidos pelo usuário e tratar, para a forma computacional, os dados
característicos e empíricos citados nas normas utilizadas como fontes de pesquisa.
Uma vez determinada a forma e seqüência de desenvolvimento dos cálculos, determinou-se a estrutura
do programa através de algoritmos computacionais, representados em fluxogramas de blocos, para cada tipo de
cálculo previsto. Desta forma foi possível definir qual linguagem de programação melhor se adaptaria à
complexidade do algoritmo e a interface gráfica.
Como existe uma grande tendência em se utilizar linguagens de programação que possibilitem
desenvolvimentos orientados a objeto e proporcionem aplicações em ambiente WEB, optou-se utilizar neste
projeto o programa Visual Studio.NET da Microsoft. Em função disto chegou-se à linguagem de programação
C#. Concluindo-se os procedimentos supra citados foi possível então implementar o software e finalmente o
tutorial deste.
Para a verificação do cumprimento do trabalho proposto, procurou-se basear as considerações em
função dos resultados obtidos por cálculos manuais, os processados pelo software e os obtidos por ensaio.
4 RESULTADOS

Como em todo software, para se obter um resultado esperado, é necessário primeiramente alimentá-lo
com uma série de dados em função do objetivo a que se pretende chegar. Com relação ao software proposto
neste trabalho, é necessário dividir esta alimentação de dados com relação a três cálculos distintos, sendo que
dois deles calculam os esforços provenientes de origem dinâmica e o terceiro apresenta a verificação de origem
térmica quanto ao curto-circuito especificado.
Os resultados relacionados aos cálculos dinâmicos podem ser obtidos de duas maneiras, através do
cálculo dinâmico simplificado ou do cálculo dinâmico detalhado.
Para o cálculo dinâmico simplificado, o usuário deve inserir os seguintes parâmetros de entrada:
− existência ou não de religamentos;
− corrente inicial de curto-circuito simétrica trifásica (kA);
− fator de assimetria;
− número de barras por fase;
− direção de carregamento conforme disposição das barras;
− dimensões da barra (largura e espessura) (mm);
− distância entre suportes isoladores (mm);
− distância entre centros de condutores principais centrais (mm);
− distância entre centros de subcondutores adjacentes (mm);
− número de vãos;
− tipos de vínculos;
− tensão mecânica de ruptura mínima e máxima (estes dados podem ser inseridos
manualmente ou obtidos através da seleção do material do barramento conforme banco de
dados do próprio software) (N/mm2).

Para o cálculo dinâmico detalhado, o usuário deve inserir, além dos mesmos dados para o cálculo
simplificado, os seguintes parâmetros de entrada:
− número de distanciadores por vão;
− caracterizar a função dos distanciadores como elementos de apoio ou espaçadores;
− distância máxima entre os distanciadores (mm);
− comprimento do distanciador (mm);
− freqüência do sistema (Hz);
− módulo de Young (N/mm2) e densidade do material das barras (kg/m3) (estes dados podem
ser inseridos manualmente ou obtidos através da seleção do material do barramento
conforme banco de dados do próprio software);

Os resultados ou dados de saída para ambos os cálculos dinâmicos são os seguintes:


− força máxima nos condutores principais (N);
− força máxima nos subcondutores (N);
− força nos suportes isoladores extremos– reação em A (N);
− força nos suportes isoladores centrais– reação em B (N);
− tensão mecânica total nos condutores (N/mm2);
− tensão mecânica nos subcondutores (N/mm2);
− análise final da verificação.

Com relação às verificações de resistência térmica ao curto-circuito, o usuário deve inserir os seguintes
parâmetros de entrada:
− corrente inicial de curto-circuito simétrica trifásica(kA);
− corrente eficaz de curto-circuito:
− número de barra por fase;
− fator de assimetria;
− freqüência do sistema (Hz);
− duração da corrente de curto-circuito (s);
− tempo admissível do curto-circuito;
− dimensões da barra, largura e espessura (mm);
− temperatura do condutor no início do curto-circuito (ºC);
− temperatura do condutor no término do curto-circuito (ºC);
− tipo de material do condutor
Os resultados ou dados de saída para o cálculo térmico são os seguintes:
− corrente térmica de curta duração (kA);
− densidade de corrente térmica de curta duração (A/mm2);
− densidade de corrente térmica instantânea admissível (A/mm2);
− análise da verificação.

Na Figura 1 é apresentado como exemplo, conforme tela do programa “BusBarCalc”, os dados de


entrada necessários para o procedimento da verificação do dimensionamento de acordo com o método para o
cálculo dinâmico detalhado.
Alguns dos dados visualizados podem ser obtidos através de um banco de dados contido no próprio
software através da seleção do material que é composto o barramento, como os dados de Módulo de Elasticidade
(Young), tensão de ruptura mínima e máxima e densidade, por exemplo.
Após a inserção dos dados de entrada, realiza-se o cálculo da verificação com um simples toque no
botão “Calcular”, tendo como resultados os mesmos mostrados na tela do software conforme Figura 2.
Pode-se observar que o software também processa a análise de verificação comprovando se o
barramento suportará ou não os efeitos dinâmicos do curto-circuito especificado.

Figura 1 - Tela dos dados de entrada para o cálculo dinâmico detalhado.


Figura 2 – Resultados do cálculo dinâmico detalhado.

São apresentados na Figura 3 os dados de entrada necessários para o procedimento da verificação do


dimensionamento de acordo com o cálculo térmico.
Após a inserção dos dados de entrada, realiza-se o cálculo da verificação com um simples toque no
botão “Calcular”, obtendo-se a tela de resultados do software conforme Figura 4.
Pode-se observar que o software, para este caso, também processa a análise de verificação
comprovando se o barramento suportará ou não os efeitos térmicos para o curto-circuito especificado.
Figura 3 - Tela dos dados de entrada para o cálculo térmico

Figura 4 - Resultados do cálculo térmico


A seguir estão apresentados, em tabelas comparativas, os valores provenientes dos resultados das
verificações calculadas manualmente e através do software para os cálculos dinâmico simplificado na Tabela 1,
dinâmico detalhado na Tabela 2 e térmico na Tabela 3, sendo que estes podem ser comparados através das
condições finais do equipamento após o ensaio na Tabela 4.

Método Dinâmico Simplificado Cálculo Manual BusBarCalc


Força máxima nos condutores principais - (N) 1.575,57 1.592,85
Força máxima nos subcondutores - (N) 1.033,59 1.009,57
Força nos suportes isoladores - Reação em A - (N) 1.468,43 1.501,67
Força nos suportes isoladores - Reação em B - (N) 4.038,19 4.129,59
Tensão mecânica total nos condutores – (N/mm2) 122,78 122,19
Tensão mecânica nos subcondutores – (N/mm2) 58,02 56,79
Tabela 1 - Comparação entre resultados do cálculo dinâmico simplificado.

Método Dinâmico Detalhado Cálculo Manual BusBarCalc


Força máxima nos condutores principais - (N) 1.575,57 1.592,85
Força máxima nos subcondutores - (N) 1.033,59 1.009,57
Força nos suportes isoladores - Reação em A - (N) 630,23 637,14
Força nos suportes isoladores - Reação em B - (N) 1.733,13 1.752,13
Tensão mecânica total nos condutores – (N/mm2) 122,78 122,19
Tensão mecânica nos subcondutores – (N/mm2) 58,02 56,79
Tabela 2 - Comparação entre resultados do cálculo dinâmico detalhado.

Cálculo Térmico Cálculo Manual BusBarCalc


Corrente térmica de curta duração - kA 24,10 25,32
Densidade de corrente térmica de curta duração - (A/mm2) 60,25 63,29
Densidade de corrente térmica instantânea admissível - (A/mm2) 120,00 122,05
Tabela 3 - Comparação entre resultados do cálculo térmico.

Análise das Verificações


As barras suportarão as forças e possuem suficiente resistência térmica devido
Cálculo Manual
ao curto-circuito.
As barras suportarão aos efeitos dinâmico e térmico do curto-circuito
BusBarCalc
especificado.
Ensaio Condições do equipamento após o ensaio: equipamento sem anormalidades.
Tabela 4 - Comparação entre as análises de verificações.

Para este caso exemplificado de fase com barras múltiplas do barramento ensaiado, verifica-se que na
utilização do método simplificado existe uma variação para maior no valor das forças dinâmicas sobre os
suportes. Conseqüentemente, a utilização do método simplificado para este tipo de cálculo fornece uma margem
de segurança, sobredimensionamento, na verificação dos esforços.

5 CONCLUSÕES

Analisando os cálculos efetuados manualmente, seguindo os critérios estabelecidos pela IEC 865-1
(1993) e IEC 865-2 (1994), e fazendo uma comparação com os dados de saída obtidos através dos cálculos
efetuados pelo software verificou-se que os resultados fornecidos pelo programa foram satisfatórios.
A validação do software foi feita comparando-se os resultados obtidos pelos cálculos manuais,
conforme citado anteriormente e, visando uma maior eficácia no procedimento de validação e consistência dos
dados, com ensaio realizado pelo Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL) para a empresa INEPAR
S.A. – INDÚSTRIA E CONSTRUÇÕES, Relatório de Ensaio UNIAP 448/98-R, e cedidos gentilmente pela
empresa EDC EQUIPAMENTOS E SISTEMAS S/A.
Com isso, conclui-se que foi obtido uma ferramenta que torna possível efetuar de uma maneira rápida e
confiável a verificação do dimensionamento dos barramentos condutores que compõe os conjuntos de manobra e
controle, com relação aos esforços térmicos e dinâmicos devido à corrente de curto-circuito.
Como se trata de uma primeira versão de software, este trabalho é válido somente para os casos
previstos na IEC 865-1 (1993), destinando-se, portanto, para verificar dimensionamentos relacionados às
solicitações provocadas por curto-circuito trifásicos em barramentos coplanares de fases múltiplas (compostas de
mais de uma barra por fase) de perfis retangulares e de fases simples (compostas por uma única barra por fase).
Outra limitação a que está condicionada este trabalho é referente ao nível de tensão, sendo que o mesmo
é determinado segundo a NBR 6979 (1998), para conjuntos de manobra e controle de média tensão em invólucro
metálico, em tensões até 36,2kV. Convém ressaltar que o valor de tensão de trabalho limitará outra variável que
corresponde à distância mínima de isolação entre partes vivas.

6 REFERÊNCIAS

BEER, Ferdinand Pierre, JONHSTON, E. Russel, Mecânica Vetorial para Engenheiros. São Paulo: McGraw-
Hill, 1989,1982.

BEER, Ferdinand Pierre, JONHSTON, E. Russel, Resistência dos Materiais. São Paulo: McGraw-Hill,
1989,1982.

CREDER, Hélio, Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Editora LTC, 1995. 13ª Edição.

# - Como programar. São Paulo: Person Education, 2003.


DEITEL, Harvey, C#

DIB, Wanderley Mauro, Projetos de Quadros de Baixa e Média Tensão, Informativo Técnico vol. XXII -
Siemens.

GUTHMANN, Otto, Manual de instalações eléctricas. Portugal, Região Norte Porto: Editora Ordem dos
engenheiros, 1982. 6ª edição.

IEC 865-1: 1993, Short-circuit currents – Calculations of effects

IEC 865-2: 1994, Short-circuit currents – Calculations of effects

MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria, Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo:
Atlas, 2001.

NBR 6808: 1993, Conjunto de manobra e controle de baixa tensão;

NBR 6979: 1998, Conjunto de manobra e controle em invólucro metálico para tensão acima de 1kV até
36,2kV;

ROEPER, Richard, Correntes de Curto-Circuito em Redes Trifásicas. São Paulo: Prol Editora Gráfica, 1991.