Você está na página 1de 28

“A IMPORTÃNCIA DE TRABALHAR COM MUSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL”.

Alves ,Maria Beatriz Abreu - RU

Nome do professor orientador2

RESUMO:
Este artigo enfoca a importância de trabalhar com musica na Educação infantil,
sendo ela uma importante ferramenta pedagógica na educação das crianças nessa
fase inicial do aprendizado. Entendo os aspectos favoráveis que o ensino de música
pode proporcionar às crianças da Educação Infantil, perceber as formas de interação
da música com os demais eixos de trabalho, ou seja, como a música pode
auxiliarem diversas atividades pedagógicas na educação infantil. O objetivo geral da
pesquisa foi analisar as contribuições que o ensino de música pode proporcionar no
Desenvolvimento das crianças na educação infantil e a forma como é usada pelos
educadores que atuam nesta faixa etária e como objetivos específicos: verificar
importância do aprendizado de música na socialização e aprendizagem. Para tal foi
realizada um pesquisa de cunho bibliográfico. Este trabalho é consequência de
vivências na educação infantil e representa uma concepção e exemplos práticos
para as professoras da educação infantil.

Palavras-chave: Ensino de música; educação infantil; Processo ensino


aprendizagem.
1. INTRODUÇÃO

A presença da música na vida das pessoas é incontestável. Em muitas


culturas vem acompanhando a história da humanidade e se fazendo presente em
diferentes continentes. A linguagem musical faz-se presente especificamente no
Brasil, em suas diversas classes sociais e também nas diferentes manifestações
religiosas que se espalham por todo território nacional. Embora sua linguagem seja
diversificada, dependendo de onde venha essa expressão cultural, a música
acompanha o desenvolvimento e as relações interpessoais em suas comunidades,
bairros e cidades. Existem muitas possibilidades de buscar as contribuições da
música no desenvolvimento da criança, uma vez que ela se faz presente em suas
vidas antes de sua alfabetização. A relação com a música, às vezes, já se inicia no
ventre materno e segue no decorrer da sua infância. Nas brincadeiras infantis, as
crianças usam a música como forma de expressão e também para estabelecer
regras, relações sociais, diversão, alegria e aprendizagem. Esses exemplos dão um
breve panorama da importância da música na educação infantil, seja ela escolar ou
na família. Entender mais sobre a importância da música e seus benefícios na
educação infantil é o objetivando este estudo. Na hora do lanche ou almoço, por
exemplo, as crianças e professores fazem uso de canções repetitivas apenas para
dizer que estavam cantando, tornando esse momento mecânico e eliminando
qualquer possibilidade de usar a música em uma proposta de socialização,
desenvolvimento e aprendizagem. É importante perceber que o ensino de música
não está somente ligado ao aprendizado de instrumentos ou de repetição de
canções e cantigas decoradas e descontextualizadas, práticas muito frequentes no
ambiente educacional. Loureiro (2008) explica que o aprendizado de música deve
ser um ato de desprendimento prazeroso, que comungue com as experiências da
criança sem ser uma imposição ou que busque a qualquer custo que a criança
domine um instrumento, o qual pode minar sua sensibilidade e criatividade. Diante
do exposto, entende-se que o grande desafio é que a música na educação infantil
venha a colaborar com o desenvolvimento da criança, almejando que essa não seja
apenas uma prática descontextualizada, mas um complemento, um meio para o
melhor entendimento e trabalho das muitas atividades realizadas na educação
infantil, que além de desenvolver a sensibilidade musical pode ainda ajudar no
desenvolvimento de outras potencialidades da criança. As dificuldades percebidas
em relação ao ensino de música instigaram à proposição de um problema norteador
deste estudo: como a educação musical poderá ajudar no desenvolvimento da
criança da Educação Infantil? A busca por respostas a estas questões suscitam a
necessidade do delineamento de objetivos que possam orientar essa pesquisa.
Assim, o objetivo principal deste trabalho é analisar as contribuições que o ensino de
música pode proporcionar no desenvolvimento das crianças na educação infantil e a
forma como é usada pelos educadores que atuam nesta faixa etária.
Destacando todo esse contexto social de expressão humana, a música é
essencial no meio social, uma linguagem muito forte que se justifica por si só na
educação em um contexto geral e é fundamental ter início na educação infantil,
quando se está no inicio de descobertas e aprendizagens, para focar e ter um
melhor resultado em um ser humano, que crie, aprecie e reflita em todos os
aspectos.
A integração entre os aspectos sensíveis, afetivos, estéticos e cognitivos,
assim como a promoção de interação e comunicação social, conferem caráter
significativo à linguagem musical. É uma das formas importantes de expressão
humana, o que por si só justifica sua presença no contexto da educação de um
modo geral, e na educação infantil, particularmente. (BRASIL, 1998, p.45)
No mundo atual há uma grande variedade de sons existentes e, a cada dia
que passa, piora a sonoridade do meio ambiente, dificultando a capacidade de ouvir
claramente e filtrar o que é bom para ser ouvido, pois surgem poluições sonoras,
muitos ruídos e diversos sons ao mesmo tempo, atrapalhando a análise auditiva do
homem. Então, é importante cada vez mais exercitar a capacidade de ouvir das
crianças para estarem preparadas para enfrentar a sonoridade atual e futura do
mundo. O fazer musical requer atitudes de concentração e envolvimento com as
atividades propostas, posturas que devem estar presentes durante todo o processo
educativo, em suas diferentes fases. Neste contexto, integrar a música à educação
infantil implica que o professor deva assumir uma postura de disponibilidade em
relação a essa linguagem.
2 COMO TRABALHAR A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL DE MANEIRA
PRÁTICA

Quando se fala em maneira pratica e a forma mais acessível de


compreensão da criança, pois ainda quando muito pequenas não sabe distinguir um
som do outro. Pode-se dizer que o processo de musicalização dos bebês e crianças
também começa espontaneamente, de forma intuitiva, por meio do contato com toda
a variedade de sons do cotidiano, incluindo aí a presença da música. A criança
interage o tempo todo com o meio e a música, seja em casa, na rua ou no ambiente
escolar, a música por sua vez tem este caráter de provocar esta interação, pois, ela
traz em si ideologias, emoções, histórias que muitas vezes se identificam com as de
quem as ouvem. Contudo, hoje se percebe que em todo o ensino há necessidade de
uma mudança com relação à utilização da musica na Educação Infantil. Em algumas
situações ela é utilizada em fins de higiene, hora do lanche, comemorações cíclicas,
em outras situações a música nem aparece no planejamento como ela deveria ser
explorada. Um dos motivos alegados, pelo educador que não utiliza a música é não
possui a formação em musica. No ambiente escolar, a música vem sendo tratada
como algo pronto, que tem que ser copiado e mantido, tanto em ensaios de
comemorações festivas, para cantar corretamente, como nas expressões e na
dança, com movimentos criados pelos professores e as crianças tendo que imitar do
mesmo jeito, isso se torna algo chato e irritante para elas, que ficam desanimadas,
sem interação e participação. Ao longo da história a música vem cumprindo vários
papéis relacionados ao contexto da educação infantil. Ela vem atendendo a vários
objetivos e propósitos, dando apoio na formação de hábitos que vão desde escovar
os dentes até lavar as mãos, assim como muitos outros. Também servem como
meios comemorativos para vários eventos.
Nesse contexto da educação infantil, a música é fortemente usada nas
questões de formação de hábitos, atitudes e comportamentos. Isso percorre uma
longa história, nos dias atuais vem sendo realizadas pesquisas e propostas para
mudanças, mas ainda tem a permanência de cantar as mesmas músicas para a
hora do lanche, de escovar os dentes e de vários momentos e comemorações de
eventos. O foco é a mudança de um trabalho de reprodução, para um trabalho que
se constrói, de uma maneira agradável, despertando o interesse das crianças, na
participação, construção, reflexão e apreciação, propondo que elas criem novas
músicas, danças, movimentos, ritmos e que cada um tenha sua contribuição,
expondo ideias, sentindo-se livres e tendo prazer de apresentar algo que foi criado
por eles mesmos. A maneira mais pratica de se trabalhar com musica principalmente
na educação infantil e a busca pelo novo uma forma de prender a atenção na
criança voltando o sucesso pra a suas aulas. A música é uma importante ferramenta
pedagógica para auxiliar as crianças em seu desenvolvimento, se planejada e
contextualizada. A prática da educação musical na educação infantil está
relacionada à cultura e aos saberes que os educadores trazem de suas experiências
pessoais, às vezes até do senso comum, pois, como vimos, a formação musical
específica dos professores da educação infantil é muito rara.
A música é tratada como se na educação infantil existem inúmeras
possibilidades de se trabalhar a música e os benefícios que ela pode oferecer. Os
materiais podem ser diversos, não necessariamente é preciso dispor de materiais
caros. Isso evidencia que um trabalho criativo e competente colaborará com a
criança para desenvolver sua criatividade, socialização, expressão e também serve
como estímulo para o aluno da educação infantil aprender mais e de forma
contextualizada. Para entender como a música se manifesta na educação infantil é
necessário compreender o seu contexto histórico e analisar seus antecedentes no
Brasil. É difícil pensar a educação musical aplicada nos moldes que esse trabalho a
propõe, pois nos primórdios da educação infantil no Brasil, já que essa tinha cunho
estritamente assistencialista. Na esfera pública, o atendimento as crianças de 0 a 6
anos, começa, em 1899, com a criação neste mesmo ano do Instituto de Proteção e
Assistência a Infância no Brasil (KRAMER 2003). Na história da Educação no Brasil,
cuidar das crianças surge como ideia pouco relevante na sociedade, e ainda
permaneceria assim por muitos anos, com algumas mudanças acontecendo
gradualmente, mas a ênfase era manter a ordem em sala de aula como diz Loureiro
(2003) que para a escola, o que importava era utilizar o canto como forma de
controle e integração dos alunos, desse modo, pouca ênfase era dada aos aspectos
musicais na perspectiva pedagógica. Leis e normas que regulariam a educação
infantil apresentam de forma clara como a criança foi tratada em nossa educação.
Apenas com a nova LDBEN (Brasil, 1996) instituída como lei nº 9.394, se
contemplaria o ensino de artes no seu Art. 26, da seguinte forma: “componente
curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma que
promova desenvolvimento cultural dos alunos”. A partir daí a música passa a ser
uma linguagem possível na educação infantil já que faz parte da educação básica. A
construção de uma metodologia para trabalhar a música na educação infantil está
legalmente aberta. Em 1998, foi publicado, pelo Ministério da Educação (MEC) o
Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil – RCNEI (Brasil, 1998). Esse
documento torna-se orientação metodológica para a educação infantil, nele, o ensino
de música está centrado em visões novas como a experimentação, que tem como
fins musicais a interpretação, improvisação e a composição, ainda abrange a
percepção tanto do silêncio quanto dos sons, e estruturas da organização musical.
Essa cultura adquirida com a vivência possibilita a utilização da música em
sua ação pedagógica. A música pode ser usada de forma constante nas salas de
aula, como por exemplo, para cantar canções e quem as crianças digam seus
nomes e os nomes de seus colegas, possibilitando uma interação muito interessante
entre os alunos. Assim, além de promover a socialização, a música oferece grande
apoio em todo processo de aprendizagem por favorecer a ludicidade, a memória e a
criatividade. Quando falamos no processo de usar a música na educação infantil,
temos de lembrar que as crianças usam sons de forma espontânea, cantam e criam
músicas. Outra maneira pratica de se trabalhar a música são os jogos musicais, que
podem ser realizados na educação infantil para trabalhar os sons. A música também
possibilita a interação com o mundo adulto dos pais, avós e outras fontes como:
televisão e rádio, que rodeiam o dia a dia das crianças, que vem formar um
repertório inicial no seu universo sonoro. Brincando fazem demonstrações
espontâneas, quando em família ou por intervenção do professor na escola,
possibilitando a familiarização da criança com a música. Em muitas situações do seu
convívio social, elas vivem ou entram em contato com a música. Em relação a isso o
RCNEI explica que:

“O ambiente sonoro, assim como presença da música em diferentes e


variadas situações do cotidiano fazem com que os bebês, e crianças iniciem
seu processo de musicalização de forma intuitiva. Adultos cantam melodias
curtas, cantigas de ninar, fazem brincadeiras cantadas, com rimas
parlendas, reconhecendo o fascínio que tais jogos exercem”. (Brasil, 1998.
p.51)
E uma forma lúdica de ensinar a criança, através da musica e um ambiente
bem preparado, bem organizado para assim o fazer de maneira pratica e
espontânea.
Para Nogueira (2003, p.01) a música é entendida como experiência que:
“[...] acompanha os seres humanos em praticamente todos os momentos de
sua trajetória neste planeta. E, particularmente nos tempos atuais, deve ser vista
como umas das mais importantes formas 18 de comunicação [...]. A experiência
musical não pode ser ignorada, mas sim compreendida, analisada e transformadas
criticamente”.
Ao trabalhar a música na escola, não podemos deixar de considerar os
conhecimentos prévios da criança sobre a música e o professor deve tomar isso
como ponto de partida, incentivando a criança a mostrar o que ela já entende ou
conhece sobre esse assunto, deve ter uma postura de aceitação em relação à
cultura que a criança traz.
A música pode ser usada de forma constante nas salas de aula, como por
exemplo, para cantar canções e quem as crianças digam seus nomes e os nomes
de seus colegas, possibilitando uma interação muito interessante entre os alunos.
Assim, além de promover a socialização, a música oferece grande apoio em todo
processo de aprendizagem por favorecer a ludicidade, a memória e a criatividade
Quando falamos no processo de usar a música na educação infantil, temos de
lembrar que as crianças usam sons de forma espontânea, cantam e criam músicas.
A Música é um fenômeno de definição e sintomas multifatoriais e, por
conseguinte, seu diagnóstico requer a observância de diversos aspectos
relacionados do desenvolvimento da linguagem nas crianças. Toda a educação é
um processo teleológico, ou seja, têm objetivos a serem alcançados, vemos nos
projetos pedagógicos, diversas habilidades e competências as quais as crianças
devem adquirir em determinado período de tempo. Entretanto, para alcançarmos tais
metas, precisamos compreender que necessitamos de algumas estratégias que nos
auxiliaram nessa caminhada, entre tantas citaremos aqui a organização do ambiente
de sala de aula, a dinâmica de trabalho e atitudes entre professores e alunos e ainda
o planejamento e a avaliação. A música tem a função de ampliar o conhecimento
sobre aspectos da linguagem musical, e a realização das propostas do conteúdo
citado no trabalho que é preciso desenvolver uma inteligência sensível, encontra
caminhos para a alegria e afirmar a vida na interligação. Segundo Brito (2003) o som
é fala de tudo que se move dentro deste imenso universo que vivemos. Ele pode ser
outro na natureza desde um simples cair de folha até um estrondo provocado por um
relâmpago. A existência da vida é indicada pela presença do som. Ele é composto
de vários aspectos como: altura, duração, intensidade, timbre e densidade. Através
do som conseguimos fazer uma leitura de tudo que vivenciamos no nosso cotidiano.
Na primeira fase do ensino pré-escolar o contato com a música deve representar a
apreensão de certos movimentos corporais, acompanhamentos de sons, balanços,
sapateados, além de permitir o aguçamento da audição e emissão dos sons, cujas
habilidades são imprescindíveis para a apreciação musical. Entretanto, para que
seja possível atingir os propósitos acima citados, o educador deve, como em toda
atividade escolar, ser cuidadoso na escolha da música a ser trabalhada, levando em
consideração a intencionalidade da atividade que deve ser definida no planejamento
didático, procurando melodias e letras do interesse do grupo. Nesse contexto, deve-
se ter clareza nos objetivos a serem atingidos através do trabalho com a música.
Ele vai, de certa maneira, decodificando sobre o que seriam determinadas
vibrações, ditando a maneira de agirmos. Este aspecto é de muita valia para nossa
vida, pois é parte integrante da nossa cultura auxiliando a desvendar.
O musical é composto de vários elementos como: melodia, ritmo, harmonia, mas, a
estrutura inicial é criar vibrações com base no som e no silencio. Através do som
conseguimos fazer uma leitura de tudo que vivenciamos no nosso cotidiano. Ele vai,
de certa maneira, decodificando sobre o que seriam determinadas vibrações,
ditando a maneira de agirmos. Este aspecto é de muita valia para nossa vida, pois é
parte integrante da nossa cultura auxiliando a desvendar.
Segundo CARVALHO (1997) a musicalização infantil desenvolve na criança
os campos: físico, mental, cognitivo e emocional. A música como linguagem pode
expressar ideias e sentimentos. A infância se caracteriza pela ação e pelo ato
concreto. Ao pensar ou expressar verbalmente uma ideia, a criança se encontra num
processo de representação. A música pode proporcionar a vivência da linguagem
musical como um destes meios de representação, interagir com o meio ambiente,
incluindo os sons, as canções e outras manifestações, é também um excelente meio
no desenvolvimento da aptidão criativa e lúdica, que é parte integrante da infância.
A atividade musical e as demais artes unidas ao jogo recreativo formam o
alicerce sobre o qual se apoiam as escolas infantis. A prática e utilização da música
são oportuníssimas na passagem de um estágio para outro do desenvolvimento do
ser humano desde seu nascimento. A música tem o importante papel de promover o
ser humano acima de tudo, incluindo todas as crianças, sem ter a concepção de que
só participava das atividades os “talentos naturais”, ou seja, aquele que tinham
afinação e mais facilidade, a linguagem musical defende a ideia de que o
conhecimento se constrói com base na vivência de cada ser, desse modo todos tem
direito de cantar, mesmo que sejam desafinados, todos devem tocar um instrumento
mesmo que não tenham um senso rítmico, pois acreditamos que as competências
musicais se dão com a prática regular e encaminhada por um educador,
respeitando, valorizando e estimulando sempre esse aluno á criação musical. A
Música é uma linguagem tão rica em todos os aspectos, que desperta libertação na
vida do ser humano, na liberdade de expressão, comunicação e socialização.
Na Educação Infantil a música tem o forte papel de favorecer descobertas e
possibilitar vivências na aprendizagem, proporcionando facilidade no
desenvolvimento e no processo de educação. A postura do professor é muito
importante para incluir a música na educação infantil, apesar da maioria dos
professores não terem uma formação específica em música, se o professor buscar
conhecimentos e alternativas, tendo a postura de criar um ambiente agradável, ter a
compreensão de que a música é importante para a formação da criança, bem como
a linguagem musical deve ser trabalhada livremente para as crianças se
expressarem conforme cada fase, fornecendo objetos e materiais diversos para as
criações e desenvolvimento, estará fazendo um belo trabalho buscando o novo e o
melhor, tanto para os alunos, como para ele, professor.
Integrar a música à educação infantil implica que o professor deva assumir
uma postura de disponibilidade em relação a essa linguagem. Considerando-se que
a maioria dos professores de educação infantil não tem uma formação específica em
música, sugere-se que cada profissional faça um continuo trabalho pessoal consigo
mesmo. (BRASIL, 1998, p.67).
Os primeiros contatos que a criança tem com a música são
importantíssimos para a sua aprendizagem em todos os aspectos e, conforme seu
desenvolvimento, sempre mantendo esse vínculo, pois futuramente, quando se inicia
na educação infantil o espaço disposto para a criança, fundamente-se no que ela já
conheça e se familiarize, sentindo-se em um ambiente agradável. O professor deve
estar atento a esse ponto dos vínculos que a criança tem e procurar mantê-los em
seu planejamento de trabalho, pois A musicalização favorece sobremodo a
oralidade, uma vez que a música é primordialmente, oralidade. Na vivência com as
crianças percebemos que no início das atividades elas só observam as canções e
aos poucos acompanham o ritmo e cantam os finais das frases. Fazem registros
musicais na sua memória, a princípio apenas vocaliza, e, aos poucos, vão
aumentando seu repertório de palavras, desenvolvendo sua capacidade de
expressão, ao imitar gestos e ações.
A Educação Infantil é a etapa em que a criança encontra-se na fase de
conhecimentos e descobertas essenciais no processo de desenvolvimento, a área
cognitiva, afetiva/social, linguística e psicomotora, essas áreas são
importantíssimas, pois a música contribui no processo de desenvolvimento da
criança. Os estímulos que a música proporciona como: senso ritmo, a audição, o
despertar da sensibilidade, diferenciação de coisas e noções de ordenação no
tempo e espaço, são necessários serem explorados desde cedo, para uma melhor
aprendizagem e desenvolvimento. De acordo com o que vem sendo pesquisados os
professores realiza trabalho diversificado com seus alunos em todos os aspectos de
forma diversificada na grande maioria, utilizando variados recursos para se obtiver
os objetivos.
Pode-se notar a importância da música no desenvolvimento humano, tanto
que os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997) citam que sua inclusão no ensino
fundamental tem o objetivo oportunizar ao aluno o desenvolvimento de uma
inteligência musical. Mas, para que ela tenha sucesso na formação do cidadão, é
necessário que todos tenham oportunidades de estarem na posição de ouvintes,
intérpretes, compositores e improvisadores, dentro e fora da sala de aula. O
documento pontua ainda que a escola deva promover o envolvimento de pessoas
relacionadas à música, proporcionando assim meios para que os alunos possam
tornar-se desde ouvintes sensíveis até caso manifeste desejo músicos profissionais,
devendo assim, a escola valorizar, ajudar e incentivar a criação de eventos, para
que possam se apresentar e mostrar suas criações. Muitas instituições de educação
ainda trabalham a música, tendo como objetivo apenas formar hábitos, atitudes e
comportamentos, fazendo uso da música para trabalhar a fixação de conteúdos,
como datas comemorativas, letras ou números. Não podemos encarar a música
como algo pronto ou como proposta de reprodução, mas como uma linguagem cujo
conhecimento se constrói.
A inclusão de crianças portadoras de necessidades educacionais especiais
pode ser favorecida com atividades de musicalização, esse favorecimento se dá por
meio de seu caráter lúdico e de livre expressão, não exerce pressões e nem
cobranças de resultados é uma prática oferecedora do alívio e do relaxamento da
criança, favorece a desinibição, possibilita o envolvimento social e desperta a
apropriação de valores e de atitudes de respeito consigo e com o outro,
oportunizando novas aprendizagens.
De acordo com os Referencias Curriculares Nacionais, O trabalho com
música deve considerar, portanto, que ela é um meio de expressão e forma de
conhecimento acessível aos bebês e crianças, inclusive aquelas que apresentam
necessidades especiais. A linguagem musical é excelente meio para o
desenvolvimento da expressão, do equilíbrio, da autoestima e autoconhecimento,
além de poderoso meio de integração social. (BRASIL, 1998.p. 49).
O Desenvolvimento da criança é muito importante, por isso, a música e seu
estudo devem estar presentes na construção do indivíduo na primeira fase de seu
desenvolvimento. Ao inserir a música na prática pedagógica, o indivíduo se
desenvolve em vários aspectos, inclusive em sua interação com o meio social. 
Além de contribuir para deixar o ambiente escolar mais alegre, podendo ser
usada para proporcionar uma atmosfera mais receptiva à chegada dos alunos,
oferecendo um efeito calmante após períodos de atividade física e reduzindo a
tensão em momentos de avaliação, a música também pode ser usada como um
recurso no aprendizado de diversas disciplinas. Sobre os seres humanos, fazendo
mesmo que de forma inconsciente que nos relacionemos com ela, muitas vezes
quando a ouvimos começamos a nos familiarizar, movimentando o corpo ou
cantarolando pequenas partes da melodia. As crianças quando brincam ou
interagem com o universo sonoro, acabam descobrindo mesmo que de maneira
simples, formas diferentes de se fazer música. De acordo com Joly (2003): A
criança, por meio da brincadeira, relaciona-se com o mundo que descobre a cada
dia e é dessa forma que faz música: brincando. Sempre receptiva e curiosa, ela
pesquisa materiais sonoros, inventa melodias e ouve com prazer a música de
diferentes povos e lugares. (p. 116). Por meio das brincadeiras de explorar como:
brincar com os objetos sonoros que estão ao seu alcance, experimentar as
possibilidades da sua voz e imitar o que ouve, a criança começa a categorizar e a
dar significado aos sons que antes estavam isolados, agrupando-os de forma que
comecem a fazer sentido para ela. Desta forma ao analisar o ensino da música na
educação infantil nos remete ao cotidiano da vida escolar e em como é aplicada
essa música para os alunos, porém ainda é necessário analisar as possibilidades de
inovar com a música neste seguimento de ensino. Porque de acordo com a rotina
em algumas escolas a musicas se tornam repetitivas e não mais atraindo a criança
para a realização das atividades e no sucesso do processo de ensino e
aprendizagem da criança. O aprendizado da música envolve a constituição do
sujeito musical, a partir da constituição da linguagem da música. O uso dessa
linguagem irá transformar esse sujeito, tanto no que se referem a seus modos de
perceber, suas formas de ação e pensamento, quanto em seus aspectos subjetivos.
Em consequência, transformará também o mundo deste sujeito, que adquirirá novos
sentidos e significados, modificando também a própria linguagem musical. Na
educação em geral, e nela incluindo a música, não como música pela música, mas
como instrumento de educação, sua presença pode surgir de forma dinâmica e
produtiva.
Portanto, a educação musical transcende os limites dos muros da escola,
para se inserir no próprio contexto cultural onde está, já que, segundo Duarte Júnior,
numa perspectiva mais abrangente, “educar é o processo pelo qual se auxilia o
homem a desenvolver sentidos e significados que orientem a sua ação no mundo”.
(JÚNIOR, 1981, p.15).
A educação musical principalmente na educação infantil pode contribuir
significativamente para o desenvolvimento do indivíduo, além, de também estimular
o ressurgimento, o estudo e a valorização de culturas regionais, globais ou
planetárias. Por outro lado, numa concepção tradicional de ensino da música,
verifica-se que a ênfase recai sobre a reprodução de conteúdos, não sendo
valorizado a experimentação ou o trabalho de construção do conhecimento.  A
música tem sua contribuição para o desenvolvimento cognitivo e motor despertando
a criatividade. Cada criança ao escutar uma melodia, interpreta-a de forma única e
pessoal. Além da forma de internalização, inversamente, a música fornece, também
subsidio para externalizar sentimentos.
    As diferentes situações contidas nas brincadeiras que envolvam música
fazem a criança crescer através da procura de soluções e de alternativas. O
desempenho psicomotor da criança enquanto brinca alcança níveis que só mesmo
com a motivação ela consegue. Ao mesmo tempo favorece a concentração, a
atenção, o engajamento e a imaginação. Como consequência a criança fica mais
calma relaxada e aprende a pensar, estimulando sua inteligência. Deve-se lembrar
de que o gesto e o movimento corporal estão conectados à música, porque o som é
também gesto e movimento vibratório, e o corpo traduz os diferentes sons que
percebe através dos movimentos de balanço, flexão, andar, saltar, etc. Quando ouve
um impulso sonoro e realiza um movimento corporal intencional, a criança está
transpondo o som percebido para outra linguagem, muitas vezes a da dança. A
música é um fator indispensável na vida da humanidade, ele evoluiu junto com os
mesmos e faz parte de sua história, assim tendo várias funções de acordo com os
tipos de civilizações. Ela se faz presente em todas as regiões do mundo, até mesmo
as mais remotas e intocáveis, ou de povos nem mesmo descobertos. A música é o
método de conexão entre as nações. A música é imposta de várias maneiras num
meio social, ela muda de acordo com o contexto. Desta forma, a música sendo até
desenvolvida a partir de fatos ocorridos, ou fatos de moral construtivo passa a ser
relacionada diretamente ao desenvolvimento da criança.

3 . METODOLOGIA

A técnica utilizada neste artigo foi pesquisa bibliográfica, pois a música pode
ser aplicada em sala de aula através do cantar, tocar, apreciar, criar uma forma de
partitura escrita adaptada simples e movimentos através do corpo, para aplicar esse
processo de musicalização, é necessário ter um espaço adequado para a escuta
sonora musical. O barulho excessivo dentro da escola pode prejudicar o aprendizado
e o desenvolvimento das crianças, porque, a poluição sonora, traz consequências
para os seres humanos como a perda auditiva, influência no sono, causa stress, dor
de cabeça, esses efeitos são prejudiciais tanto no adulto quanto em crianças.
De acordo com Macedo (2005) a musicalização é uma importante
ferramenta para a construção do saber e do conhecimento musical. Esse processo
tem como objetivo despertar, aprimorar e desenvolver o gosto musical nas pessoas
e contribuir para motivar e estimular a formação emocional e física do aluno. Para
tanto a música deve estar associada á todos os outros tipos de arte, contribuindo
assim para o melhor desenvolvimento de todos e facilitando o processo ensino-
aprendizagem, de esta maneira adaptar esse conjunto á realidade dos alunos é
primordial. Necessário que o professor venha elaborar aulas recreativas de forma
que a criança venha ser dinâmica criativa nas atividades que através da música a
criança se desenvolve muito mais e contribuam para a inteligência e a criatividades. 
O objetivo da música deveria ser de despertar a sensibilidade musical no
educando, as relações sociais, o desenvolvimento afetivo e cognitivo, pensando que
seu caráter diversificado ajuda a manter as diferenças culturais, contribuindo para o
desenvolvimento da criança proporcionando a ela a oportunidade de valorização da
vida e por ser uma disciplina interdisciplinar é propício que seja inserida no currículo
escolar. O trabalho relatado nesse artigo resulta de pesquisas bibliográficas visto
que durante a pesquisas que os procedimentos utilizados pelos professores
durante as aulas são planejados e organizados com vistas a propiciar aprendizagem
e desenvolvimento, já que esse nível de educação não deve ser entendido como
uma pré-educação, mas como uma educação em si, com seus objetivos, conteúdos
e métodos próprios, de forma que as crianças possam se apropriar da herança
deixada pela humanidade, desenvolvendo funções cognitivas. Os dados obtidos
dentro da pesquisa são indicativos de que a música é um instrumento psicológico
excelente para o desenvolvimento de funções psíquicas de crianças desse nível de
ensino. Podemos perceber que além da aprendizagem de conceitos musicais houve
a ampliação do vocabulário das crianças, maior participação nas aulas trazendo
suas contribuições e também a alegria com a participação em jogos e brincadeiras
infantis do nosso conhecimento e que hoje são esquecidos por seus educadores.
Desde muito pequenas, as crianças já acompanham as músicas que ouvem
com palmas, sapateados, volteios de cabeça ou de quadris. Há necessidade de se
desenvolver nas crianças pequenas o senso de ritmo. O universo da pesquisa foi
divulgar a importância da música na vida das crianças e na Educação Infantil de
maneira pratica, contribuindo para a formação de seres humanos sensíveis, criativos
e reflexivos e proporcionar o conhecimento e a reflexão sobre a ligação entre a
fantasia e a realidade, que a música traz de forma alegre e prazerosa através das
letras, do ritmo e do som. A música é tratada como se na educação infantil existem
inúmeras possibilidades de se trabalhar a música e os benefícios que ela pode
oferecer. Os materiais podem ser diversos, não necessariamente é preciso dispor de
materiais caros. Isso evidencia que um trabalho criativo e competente colaborará
com a criança para desenvolver sua criatividade, socialização, expressão e também
serve como estímulo para o aluno da educação infantil aprender mais e de forma
contextualizada. Para entender como a música se manifesta na educação infantil é
necessário compreender o seu contexto histórico e analisar seus antecedentes no
Brasil. É difícil pensar a educação musical.
4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este trabalho buscou entender os aspectos favoráveis que o ensino de


música pode proporcionar às crianças da educação infantil, bem como verificar a
importância do seu aprendizado e sua contribuição na socialização das crianças e
perceber as formas de interação desta com os demais eixos de trabalho. Apontar a
maneira que a música pode ser trabalhada nas salas de aula da educação infantil e
entender o significado da música enquanto ferramenta pedagógica também foi
destacada neste estudo. Com esta pesquisa verificou se que a música deve ser
trabalhada com brincadeiras e canções, aqui compreendidas como atividade de
canto liderado pelo educador e acompanhadas pelas crianças de forma criativa.
Concluo este destacando que é preciso debater a formação do professor em
relação ao uso da música na educação infantil e o caminho deve ser uma formação
no período da graduação talvez seja importante, porém sem compartimentar essa
formação. É com base no dia a dia com a música na sala de aula, com as atividades
desenvolvidas pelos professores no cotidiano da educação infantil e das
experiências pessoais com a música, que nascerá uma prática pedagógica que
contemple a música como elemento importante que venha a colaborar com o
trabalho e o desenvolvimento da criança. A música aliada ao ensino é entendida por
muitos autores pesquisados como importante ferramenta pedagógica. O ensino de
música aqui discutido não é o de formação de instrumentistas, concertistas e nem
dominar instrumentos ou cantar almejando uma carreira profissional como músico. O
aluno pode sim no futuro almejar uma dessa carreira, mas o ato do professor cantar,
trabalhar a música ou tocar algum instrumento, deve ter como objetivo o
desenvolvimento da criança, aliando a música a elementos pertinentes do currículo
da educação infantil. Assim concluo que essa pesquisa pode contribuir para que seja
repensado o papel da música na educação infantil, não só criticando os professores,
mas revendo sua formação, os recursos que eles têm a sua disposição, e tentando
ressignificar a música na educação infantil, mostrando que é possível uma prática
consistente com a música na educação infantil. Acredito ser importante que as
professoras tenham essa consciência, mas ainda são necessárias politicas que
envolvam a formação dos professores para atuação com música e melhores
recursos para seu trabalho em sala. Essa pesquisa nos permite afirmar que a
musicalização é um elemento mediador importante para o desenvolvimento e
interação social de crianças da Educação Infantil.
5. REFERENCIAS

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da


Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, v. 3.
Conhecimento de Mundo. MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nº 9.394 de 20 de


Dezembro de 1996. Editora do Brasil.

Brito T.A. Musica na educação infantil. São Paulo: Petrópolis, 2003.

CARVALHO, Mônica Fontanari de. Pré-escola da música: musicalização infantil.


Curitiba: Martins Fontes, 1997.
KRAMER, Sônia. A Política do pré-escolar no Brasil: A arte do disfarce. 7. Ed. São
Paulo: Cortez. 2003. LOUREIRO, Alicia Maria Almeida. O ensino de música na
escola fundamental. Campinas, SP: Papirus, 2003.

JUNIOR, J. F. D. Fundamentos estéticos da educação. São Paulo: editora Cortez,


1981.

MACEDO, Lino de. PETTY, Ana Lúcia Sícoli. PASSOS, Novimar Christe. Os jogos e
o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed. 2005.

NOGUEIRA, M.A. A música e o desenvolvimento da criança. Revista da UFG, Vol. 5,


No. 2, dez 2003. Disponível em: Acesso em: 10 de junho 2019.

SNYDERS, Georges. A escola pode ensinar as alegrias da música?2. Ed. São


Paulo: Cortez, 1994.
ANEXO
CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER

MARIA BEATRIZ ALVES– RU

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA –


EAD segunda licenciatura do Centro Universitário Internacional UNINTER.

Tutora: Local:

GURUPI/TO.
2019
1. TEMA

“A Importância de trabalhar com música na educação infantil”


1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA

Musicalizando crianças um importante trabalho na Educação Infantil para a


formação das mesmas.
2. PROBLEMATIZAÇÃO

Qual o valor da música no desenvolvimento da criança na educação Infantil?


3. JUSTIFICATIVA

O projeto de intervenção “A Importância de trabalhar com música na educação


infantil” é uma excelente ferramenta para o desenvolvimento de habilidades verbais,
físicas, sociais, mentais e emocionais. A “liberdade” de criar e adaptar é uma das
características próprias da Educação Musical, através da qual as atividades tornam-
se atraentes para as crianças que buscam a cada instante novas descobertas que
lhes satisfaçam a curiosidade. O corpo da criança é o ponto de partida para a
Educação Musical, a voz da criança também é um precioso instrumento. A música
deve fazer parte do cotidiano escolar como um dos elementos formadores do
indivíduo. Portanto, o professor precisa saber observar quais são as necessidades
de seus alunos e conhecer o desenvolvimento cognitivo de cada idade e suas
potencialidades para que possa escolher atividades que venham de encontro com
seus objetivos e realizar um trabalho interdisciplinar.
A música na educação infantil, não deve ser usada apenas como experiência
estética, mas como instrumento facilitador do processo de aprendizagem, como
ferramenta para tornar a escola um lugar mais alegre e receptivo, possibilitando a
ampliação do conhecimento musical do aluno, afinal a música é um bem cultural e
seu conhecimento não deve ser privilégio de poucos.
A escola deve oportunizar a convivência com os diferentes gêneros, apresentando
novos estilos, proporcionando uma análise reflexiva do que lhe é apresentado,
permitindo que o aluno se torne mais crítico.
4.OBJETIVOS

4.1 OBJETIVO GERAL

Analisar as contribuições que o ensino de música pode proporcionar no


desenvolvimento das crianças na educação infantil e a forma como é usada pelos
educadores que atuam nesta faixa etária

4.2 OBJETIVOS ESPECIFICOS

· Identificar elementos da música como forma de expressão e interação com o


outro, expandindo seu conhecimento de mundo;
· Ampliar o conhecimento musical, compreendendo as características do som,
suas propriedades e possibilidades de atividades ligadas ás variadas formas de
expressão artística como a música;
· Utilizar a improvisação, interpretação e composição musical para identificar
e expressar sensações, sentimentos e pensamentos.
Verificar a importância do aprendizado de música na socialização e
aprendizagem,
5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Conforme o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, o canto


desempenha um papel de grande importância na educação musical infantil, pois
integra a melodia com o ritmo, sendo um excelente meio para desenvolver a
audição, já que as crianças, ao cantar, imitam o que ouvem o que influencia de
maneira extremamente positiva no desenvolvimento da audição. Ao imitar, as
crianças desenvolvem a elaboração do repertório de informações que se
transformará em uma linguagem que servirá para que se comuniquem
posteriormente. Pode-se notar a importância da música no desenvolvimento
humano, tanto que Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997) citam que sua
inclusão no ensino fundamental tem o objetivo oportunizar ao aluno o
desenvolvimento de uma inteligência musical. Mas, para que ela tenha sucesso na
formação do cidadão, é necessário que todos tenham oportunidades de estarem na
posição de ouvintes, intérpretes, compositores e improvisadores, dentro e fora da
sala de aula. O documento pontua ainda que a escola deva promover o
envolvimento de pessoas relacionadas à música, proporcionando assim meios para
que os alunos possam tornar-se desde ouvintes sensíveis até caso manifeste desejo
músicos profissionais, devendo assim, a escola valorizar, ajudar e incentivar a
criação de eventos, para que possam se apresentar e mostrar suas criações. Muitas
instituições de educação ainda trabalham a música, tendo como objetivo apenas
formar hábitos, atitudes e comportamentos, fazendo uso da música para trabalhar a
fixação de conteúdos, como datas comemorativas, letras ou números. Não podemos
encarar a música como algo pronto ou como proposta de reprodução, mas como
uma linguagem cujo conhecimento se constrói. A inclusão de crianças portadoras de
necessidades educacionais especiais pode ser favorecida com atividades de
musicalização, esse favorecimento se dá por meio de seu caráter lúdico e de livre
expressão, não exerce pressões e nem cobranças de resultados é uma prática
oferecedora do alívio e do relaxamento da criança, favorece a desinibição, possibilita
o envolvimento social e desperta a apropriação de valores e de atitudes de respeito
consigo e com o outro, oportunizando novas aprendizagens.
De acordo com os Referencias Curriculares Nacionais,
O trabalho com música deve considerar, portanto, que ela é um meio de
expressão e forma de conhecimento acessível aos bebês e crianças,
inclusive aquelas que apresentam necessidades especiais. A linguagem
musical é excelente meio para o desenvolvimento da expressão, do
equilíbrio, da autoestima e autoconhecimento, além de poderoso meio de
integração social. (BRASIL, 1998.p. 49).

O ambiente fornece estímulos sonoros à criança desde o nascimento, e ela reage a


esses estímulos por meio do balbucio ou gritos como forma de manifestar sons.
Com o passar do tempo, vai aumentando esse repertório sonoro que lhe permite se
comunicar com o outro e com o mundo em que vive.
A Educação infantil deve propiciar ás crianças apropriação do conhecimento para
praticar, reconhecer e descobrir o ritmo e o som de forma livre e organizada,
partindo dos movimentos corporais e em seguida extra corporal: sons da natureza,
sons do ambiente, sons dos instrumentos e eletrônicos e etc. Tornando-se um
trabalho de desenvolvimento global que possibilita à criança utilizar suas
capacidades para uma aprendizagem que respeite suas especificidades.
De acordo com Penna, (1990, p.22), “[...] musicalizar é desenvolver os instrumentos
de percepção necessários para que o indivíduo possa ser sensível a musica
apreendê-la, recebendo o material sonoro/musical, como significativo”.
A música se concebe como um mundo que conjuga expressão de
sentimentos, ideias, valores culturais e facilitadoras da comunicação do ser humano
com o outro e como mundo no qual está inserido. Ao atender diferentes aspectos do
desenvolvimento humano: físico, mental, social, emocional e espiritual, a música
pode ser entendida como uma ponte facilitadora do processo educacional. Nesse
sentido torna-se imprescindível que se faça necessária à sensibilização dos
educadores para que os mesmos busquem despertar a conscientização quanto às
possibilidades da música para favorecer o bem-estar e o crescimento das
potencialidades dos alunos, pois, a música fala de forma direta ao corpo, à mente e
às emoções. As escolas precisam ter o cuidado para que as atividades musicadas
realizadas pelas mesmas não tenham como meta formar músicos, mas de
proporcionar através da vivência e compreensão da linguagem musical
oportunidades de se abrir canais sensoriais, mediando à expressão de emoções,
alargando a cultura geral e contribuindo para a formação integral do ser.
Nesse sentido Jeandot escreve,
(...) uma aprendizagem, voltada apenas para os aspectos técnicos da musica é inútil
e até prejudicial, se ela não despertar o senso musical não desenvolver a
sensibilidade. Tem que formar na criança o musicista, que talvez não disponha de
uma bagagem técnica ampla, mas será capaz de sentir, viver e apreciar a música
(Jeandot, 1993, p.21).
A música deve fazer parte do cotidiano escolar como um dos elementos
formadores do indivíduo. Portanto o professor precisa saber observar quais são as
necessidades de seus alunos e conhecer o desenvolvimento cognitivo de cada idade
e suas potencialidades, para que possa escolher atividades que venham de
encontro com seus objetivos e realizar um trabalho interdisciplinar.
O trabalho com a música na Educação Infantil, deve ser uma proposta de
socialização em grupo e não apenas de formação de conteúdos acadêmicos,
centrada no desejo de proporcionar a criança a experimentação de situações com as
quais certamente no futuro irão se deparar no decorrer de suas vidas.
Portanto, ao trabalhar a música na escola é de fundamental importância que essa
seja entendida como um agente facilitador do processo de desenvolvimento do
ensino e da aprendizagem. Nessa perspectiva, é necessário imbuir nos professores
e em toda comunidade escolar a sensibilidade para despertar a consciência sobre
oportunidades que a música oferece no favorecimento para a ampliação das
potencialidades dos educandos, uma vez que ela fala diretamente, com o corpo,
com a mente e com o campo emocional, entendendo assim a influência que essa
provoca nos diferentes aspectos do desenvolvimento humano.
6. METODOLOGIA

Este estudo tem como base uma pesquisa bibliográfica, visando alcançar os
objetivos propostos. O pedagogo deverá reunir os professores na atividade
complementar da escola, e fazer a leitura do projeto, explicando seu processo de
criação e de execução. O mesmo deverá promover momentos de estudo à cerca da
temática, orientar os professores, quanto às atividades propostas, bem como sobre
a importância do mesmo, acompanhar diariamente o trabalho dos educadores, para
que assim possa orientá-los, fazendo intervenções quando necessário e dando
sugestões sempre que lhe for solicitado.
Após a execução do projeto deverá sintetizar a avaliação juntamente com os
professores e direção, que será realizada por meio da observação, da reflexão e do
diálogo, tendo como objeto as diferentes manifestações das crianças e educadores,
buscando focalizar aspectos positivos do trabalho, bem como assinalar novas
propostas de aprendizagem, a partir dos resultados obtidos.
7. REFERÊNCIAS

BRASIL / Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação


Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília:
MEC/SEF, 1998

JEANDOT, Nicole. Explorando o universo da Música. 2 edição, Scipione. São


Paulo, 1993.

Música, Movimento e Artes Visuais.-1.ed.-São Paulo : DCL, 2006.2006. –(Coleção


novos caminhos: formação continuada na sala de aula/ coordenação Aline Corrêa de
Souza, Lucila Soares P. Ferraz)

PENNA, Maura. Reavaliações e buscas em musicalização. São Paulo: Loyola,


1990