Você está na página 1de 2

Resolução de Caso – Materiais e Recursos Tecnológicos

Apesar de não ser um assunto recente, a sustentabilidade aplicada à


construção civil é um assunto em constante renovação. É de responsabilidade dos
profissionais da área incorporar no dia a dia a consciência ambiental, de modo que os
novos projetos sejam concebidos prevendo técnicas construtivas que viabilizem a
aplicação de materiais ecologicamente corretos, reciclados ou reaproveitados.
Dadas as exigências do cliente Alberto para a construção do Museu de
Preservação do Meio Ambiente, foram determinados materiais construtivos que
substituam os materiais convencionais e estejam alinhados à temática do
empreendimento. Para isso, foram estabelecidos pré requisitos para escolha, entre
eles: tecnologia, impacto socioambiental e custo financeiro. Tais materiais foram
divididos em três grupos: estruturais, materiais para fechamentos e materiais para
acabamentos.
Para as peças estruturais da edificação (fundações, pilares, vigas e lajes),
considerando que o edifício possuirá de dois a três pavimentos, foi escolhido o
concreto polimérico. Ele é composto por agregados minerais unidos à resina de
poliéster e fibra de vidro, oferecendo resistência muito alta e podendo ser utilizado no
lugar do concreto convencional, descartando a necessidade de ferro e aço, conferindo
menor tempo de cura, baixo custo de manutenção e longo ciclo de vida, absorção de
água nula, entre outros benefícios.
Para os materiais de fechamento, que serão aplicados em substituição da
alvenaria tradicional, foi escolhido o tijolo de solo cimento misturado à fibra de coco,
resíduo gerado pela agroindústria. O solo cimento, por si só, já possui muitas
vantagens pois sua fabricação é simples, possuem faces lisas que excluem a
necessidade de emboço e reboco, são bons isolantes térmicos, a matéria-prima é
encontrada no próprio local da obra ou locais próximos, pode ser fabricado in loco,
entre outras. De acordo com pesquisas do professor José Ubiragi de Lima Mendes
da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), quando aliado à fibra de
coco verde, os tijolos resultantes da mistura obtêm aumento de 25% de resistência
em relação aos tijolos sem fibras, requerem uma menor quantidade de terra e
contribuem com a destinação de resíduos que seriam tratados como lixo.
Para aplicação no Museu que está sendo tratado, por conta de ser previsto um
local de alto tráfego dada sua tipologia, o revestimento principal escolhido foi o piso
de pneus reciclados. Tal técnica é utilizada com recorrência e seu processo de
fabricação não onera a obra, além das vantagens como fácil e acessível manutenção,
capacidade acústica, absorção de impactos diretos, entre outros. Para a fabricação é
utilizado o compósito dos grânulos de pneus usados triturados juntamente à uma
matriz polimérica, agentes compatibilizadores e diversas opções de pigmentos
disponíveis no mercado para caracterização do piso conforme design escolhido.
Por fim, podemos elencar inúmeros materiais que satisfaçam as exigências do
cliente e que assumam a responsabilidade ambiental emergente. Porém, os
escolhidos anteriormente atendem os pré requisitos estabelecidos em ordem
financeira, estética, estrutural, ambiental e social para a construção do Museu, em
substituição de materiais convencionais que demandam extração de matéria prima
virgem, gasto energético para fabricação e geram resíduos com longo prazo de
decomposição ou renovação na natureza.
Referências bibliográficas:
Como o Brasil está Incorporando a Sustentabilidade na Engenharia Civil. Aje.
Disponível em <https://www.aje.com/br/arc/como-o-brasil-esta-incorporando-a-
sustentabilidade-na-engenharia-civil/>. Acesso em 14 ago. 2021
Materiais de construção ecologicamente corretos. Aje. Disponível em
<https://www.aje.com/br/arc/materiais-de-construcao-ecologicamente-corretos/>.
Acesso em 14 ago. 2021
Propriedades de Compósitos com Fibras Vegetais. Aje. Disponível em
<https://www.aje.com/br/arc/propriedades-de-compositos-com-fibras-vegetais/>.
Acesso em 14 ago. 2021
Construção sustentável e o contributo dos materiais compósitos. Revista Novo
Perfil. Disponível em < https://novoperfil.pt/Artigos/305591-Construcao-sustentavel-e-
o-contributo-dos-materiais-compositos.html>. Acesso em 14 ago. 2021
Materiais compósitos agora substituem o ferro, aço e concreto convencional.
Andercol. Disponível em <https://www.andercol.com.co/index.php/newsletter-
portugues/1384-materiais-compositos-agora-substituem-o-ferro-aco-e-concreto-
convencional>. Acesso em 14 ago. 2021
Valéria Ribeiro, Simone. Reutilização de resíduo de cinza de madeira na produção
de tijolos de solo cimento: formulação, propriedades e microestrutura. 2017.
Tese (Doutorado em Engenharia e Ciências dos Materiais) – Universidade Estadual
do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2017.
Silva Garcia, Rodrigo. Avaliação da viabilidade de utilização do concreto
polimérico em substituição do concreto convencional. 2013. Tese (Doutorado em
Engenharia e Tecnologia dos Materiais) – União das Faculdades dos Grandes Lagos,
2013.