Você está na página 1de 1

Custo direto Todo custo que pode ser associado a produtos ou serviços de uma forma quantificável.

Nesse casso, o custo para se produzir um produto ou realizar um serviço poderá ser estabelecido por uma medida de consumo. É aquele que pode ser identificado e diretamente apropriado a cada tipo de bem ouórgão ou objeto a ser custeado, no momento de sua ocorrência, isto é, está ligadodiretamente a cada tipo de bem ou função de custo. É aquele que pode ser atribuído (ouidentificado) direto a um produto, linha de produto, centro de custo ou departamento. Não necessita de rateios para ser atribuído ao objeto custeado. Ou ainda, são aqueles diretamente incluídos no cálculo dos produtos. São os materiaisdiretos usados na fabricação do produto e a mão-de-obra direta. Os custos diretos têm apropriedade de ser perfeitamente mensuráveis de maneira objetiva. Os custos são qualificados aos portadores finais (produtos), individualmente considerados. Porexemplo: a madeira para fabricar móveis, os salários de todos os operários quetrabalham diretamente no produto. Custo indireto Todo custo que não oferece uma condição de medida objetiva. As tentativas de associá-los aos produtos ou serviços devem ser feitas por estimativas ou arbitrariamente. Os custos indiretos, se analisados individualmente, revelam a dificuldadedeidentificação direta com o produto, em termos de mensuração efetiva. Entre esses,podem ser citados: depreciação, seguros, impostos e taxas fixas, aluguel de prédio, jurose despesas de financiamento, combustíveis e lubrificantes, materiais de manutenção, etc. Observa-se que os custos diretos são atribuídos diretamente aos produtos, e os custosindiretos devem antes ser alocados setorialmente, para, só então, posteriormente, seremtransf eridos aos produtos. Tal processo de transferência sucessiva dos custos indiretamente, primeiro sobre ossetores da empresa e, após, sobre os produtos, denomina-se de RATEIO de custosindiretos. Para a correta setorização (departamentalização) dos custos indiretos, o processo deprodução, (como também o de vendas, distribuição e administração) deve serseccionado de tal forma, a se obter diversas unidades operacionais autônomas,denominadas de "Centro de Custos", e que se constituem na menor unidade deacumulação de custos (indiretos) na empresa. Esses se caracterizam por exercerem atividades técnico-operacionais específicas,diferentes daquelas dos demais setores ou atividades. Os custos indiretos são, pois, setorizados, comumente através de um instrumento quedenominamos "Mapa de Localização de Custos", quadro demonstrativo que, estruturadocom base no princípio das coordenadas cartesianas, registra nas linhas as espécies decustos e nas colunas, os setores ou centros de custos (o MLC será posteriormenteestudado). O Mapa de Localização de Custos constitui-se, contudo, numa forma consagrada dealocação de custos indiretos aos setores. Custo integral Envolve o custo total ou contábil com as demais despesas diversas apresentadas pela empresa. No custeio integral (ou total), todos os custos diretos, ocorrentes em determinado período, são transferidos aos produtos fabricados no mesmo período. Os custos indiretos são distribuídos aos produtos através da aplicação de índices de rateio; tais índices são determinados pelo estudo de "causa/efeito", pelo qual se devem pesquisar os verdadeiros fatores que proporcionam determinado custo indireto. A valoração do índice de rateio para cada produto se dá em função da incidência destes fatores ao longo do processo de sua produção.

Custos fixos São aqueles que mantêm um dimensionamento constante, independentemente dovolume de produção, ou ainda, os custos de estrutura que permanecem período apósperíodo sem variações, não ocorrendo em conseqüência de variação no volume deatividade em períodos iguais. São os custos que permanecem constantes dentro de determinada capacidade instalada,independente do volume de produção, ou seja, uma alteração no volume de produçãopara mais ou para menos não altera o valor total do custo. Exemplo: salário dos chefes,aluguel, seguros etc. O exemplo característico é o aluguel de imóvel ocupado por indústria, cujo valor mensalé o mesmo em cada período, independentemente do volume produzido. Mesmo quandoo valor do aluguel é reajustado, o custo continua fixo porque houve apenas umaatualização do valor contratado, em função da desvalorização do poder aquisitivo damoeda. Outro exemplo é a depreciação calculada pelo método das cotas constantes, em que ovalor de cada período é sempre o mesmo independentemente do volume produzido peloequipamento que esta sofrendo depreciação. Segundo Iudícibus (1987), os custos fixos, por sua vez, são fixos, mas nas intenções dosque assim os classificam do que na realidade. Muitas vezes, embora fixos quanto àintensidade do esforço ou dos serviços envolvido, sofrem variações devidas apenas àinflação ou acréscimo de preços. Somente algumas despesas, tais como ordenados dopessoal administrativo, são fixas, ou pelo menos previsíveis para o períodoorçamentário, desde que os reajustes sejam previsíveis. Custos variáveis São custos que variam de acordo com o objeto de custeio ou ainda, em alguns casos quese modificam em função da variação do volume/atividades das operações, ou seja, davariação na quantidade produzida no período. Quanto maior o volume de produção, noperíodo, maior será o custo variável. Em uso geral, a palavra ³variável´ significa simplesmente ³mutável´, porém emcontabilidade, variável tem um significado mais restrito. Referem-se, não as mudançasque ocorrem no tempo, ou a estações, mas somente as mudanças associadas com o nívelde atividades, isto é, com o volume. Se o custo aumenta à medida que cresce o volume,é um custo variável. Segundo Anthony, ³os custo variáveis variam direta eproporcionalmente com o volume´. Na realidade são os custos que mantêm relação direta com o volume de produção ouserviço. Dessa maneira, o total dos custos variáveis cresce à medida que o volume deatividades da empresa aumenta. Características dos custos variáveis: a) seu valor total varia na proporção direta do volume de produção; b) o valor é constante por unidade, independentemente da quantidade produzida; c) a alocação aos produtos ou centros de custos é, normalmente, feita de forma direta,se a necessidade de utilização de critérios de rateios. Custos semivariáveis ou semifixos São custos que têm uma parcela variável e outra fixa; por exemplo a energia elétrica, em que a empresa negocia com a companhia de energia uma parcela fixa para determinado nível de produção e acima deste nível a cobrança será variável