Cadernos de Saude do Trabalhador Nº1

VIGILÂNCIA PARA ELIMINAÇÃO/REDUÇÃO DOS ACIDENTES GRAVES E FATAIS

Os acidentes e as violências no Brasil são agravos que, pelo seu expressivo impacto na morbimortalidade da população, constituem-se em importante problema de saúde pública, sendo, portanto, objeto prioritário das ações do Sistema Único de Saúde, que, em conjunto com outros segmentos dos serviços públicos e da sociedade civil, deve continuar a buscar formas efetivas para o seu enfrentamento. Acidente de trabalho é o evento súbito ocorrido no exercício de atividade laboral, independentemente da situação empregatícia e previdenciária do trabalhador acidentado, e que acarreta dano à saúde, potencial ou imediato, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que causa, direta ou indiretamente (concausa) a morte, ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Inclui-se ainda o acidente ocorrido em qualquer situação em que o trabalhador esteja representando os interesses da empresa ou agindo em defesa de seu patrimônio; assim como aquele ocorrido no trajeto da residência para o trabalho ou vice-versa. Importante: “Ao contrário de constituir obra do acaso como sugere a palavra acidente, os acidentes do trabalho são fenomenos previsiveis, dado que os fatores capazes de desencadea-los encontram-se presentes na situação de trabalho (passíveis de identificação) muito tempo antes de serem desencadeados. A

para a definição dos casos de acidente de trabalho grave: 1) necessidade de tratamento em regime de internação hospitalar. considera-se a necessidade da existência de pelo menos um dos seguintes critérios objetivos. os acidentes do trabalho são preveniveis”. 7) deformidade permanente. 4) enfermidade incurável. e o que leva à lesão cuja natureza implique em comprometimento extremamente sério. 2) incapacidade para as ocupações habituais. Acidente de trabalho grave Acidente de trabalho grave é aquele que acarreta mutilação. sentido ou função. .eliminação/neutralização de tais fatores é capaz de evitar/limitar a ocorrência de novos episódios semelhantes. que pode ter conseqüências nefastas ou fatais. (Almeida&Binder. Para evitar interpretações subjetivas díspares. ou seja. sentido ou função. física ou funcional. 5) debilidade permanente de membro. a qualquer momento.2000). 3) incapacidade permanente para o trabalho. Identificação e Investigação dos Acidentes Graves e Fatais Acidente de trabalho fatal Acidente de trabalho fatal é aquele que leva a óbito imediatamente após sua ocorrência ou que venha a ocorrer posteriormente. desde que a causa básica. por mais de 30 dias. em ambiente hospitalar ou não. 6) perda ou inutilização do membro. preocupante. intermediária ou imediata da morte seja decorrente do acidente. além de previsiveis.

13) doenças agudas que requeiram tratamento médico em que exista razão para acreditar que resulte de exposição ao agente biológico. 10) fraturas. requerendo ressuscitação.SINAN. 3) Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). amputações de tecido ósseo. . luxações ou queimaduras graves.8) aceleração de parto. Vigilância Epidemiológica dos Acidentes Graves e Fatais Fontes de Informação: Como não existe um único sistema de informação para a detecção das ocorrências de acidentes graves e fatais é preciso coletar dados provienentes de diversas fontes. 1)Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) e relação dos beneficios de auxilio acidentário – utilizada para os trabalhadores vinculados a Previdencia Social. doença induzida pelo calor ou inconsciência. 12) qualquer outra lesão: levando à hipotermia. choque elétrico ou outra causa externa. 2)Sistema de Informação de Agravos de Notificação . 9) aborto. 11) desmaio (perda de consciência) provocado por asfixia. suas toxinas ou ao material infectado. ou requerendo hospitalização por mais de 24 horas.

5)Boletim de Registro de Acidentes de Trânsito do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). todos os acidentes de trabalho graves e fatais. obrigatoriamente. Investigação das ocorrências: Os serviços de vigilância em saúde do trabalhador. A investigação dos casos poderá ser feita em conjunto com outros órgãos públicos afins. 10) Ficha de Notificação em Hospitais e Pronto-Socorro: em alguns municipios as vigilâncias criaram uma ficha de notificação para acidentes graves e fatais a ser preenchido em hospitais e prontosocorro. 8) Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox). municipais ou regionais. Esse instrumento tem sido bastante eficaz como fonte de informação. 9) Noticia de jornal.4) Boletim de Ocorrência Policial (BO). deverão identificar e investigar. a Polícia Militar e Civil e o Ministério Público. 6) Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH-SUS). Após a investigação da ocorrência. 7)Sistema de Informação de Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM-SUS). como o Ministério do Trabalho. deverá ser preenchida a Ficha de Investigação e Notificação dos Acidentes Graves e Fatais(anexo) e encaminhada para os Centros Regionais de Referencia em Saúde do .

esta fonte de informação é de fundamental importância para melhor reconstituição dos fatos e maior nível de detalhamento.Trabalhador ou Regionais de Saúde. aplicação de procedimentos administrativos para a correção dos ambientes e processos de trabalho. Coleta dos Dados A coleta dos dados deve ser feita tendo como objetivo possibilitar a compreensão de como o acidente ocorreu. OBS. a inspeção sanitária no local da ocorrência. divulgação e apresentação para o Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações Relacionados ao Trabalho. . que encaminharão ao Centro Estadual de Saúde do Trabalhador para registro no banco de dados estadual.: Não sendo possível (num caso de óbito ou hospitalização em condições em que não seja permitido a visita) pode-se considerar que os familiares também tenham informações importantes quanto a ocorrência. Portanto. preenchimento da ficha de investigação dos acidentes graves e fatais. sistematização das informações. Da investigação dos casos nos ambientes de trabalho: A investigação dos casos compreende as ações de: levantamento e análise das informações. a identificação e avaliação das situações de risco. Sempre que possível conversar primeiramente com o acidentado antes mesmo de ingressar na empresa. afim de visualizá-lo passo a passo. análise. É importantíssimo ressaltar que o trabalhador é quem mais conhece o desenvolvimento da tarefa e tem conhecimento de quais eram as circunstâncias e as condições do ambiente de trabalho.

a tarefa é realizada de forma individual ou com auxiliares ou em equipe (nomes destas pessoas que estavam envolvidas com a tarefa). no caso de máquina. no momento do acidente ou em dias anteriores. nome(s) de testemunha(s) e/ou colega(s) de trabalho que estavam presentes no momento do acidente. faltaram provisões no posto de trabalho (materiais necessários e/ou ferramentas).1)Informações a serem levantadas: • • • • • • • • • • • • • descrição detalhada da tarefa. se estava em uso e se dificultava a tarefa). onde se localiza exatamente o posto de trabalho. função exercida X qualificação. função/posto de trabalho/tarefa era habitual ou ocasional. Foi informado ou registrado (quem e quando). do pessoal responsável pela segurança (Comissão Interna de Prevenção de . • 2) Na Empresa Na empresa as informações devem ser obtidas através dos colegas de trabalho. quais os riscos associados a tarefa/máquina. o acidentado recebeu treinamento específico da empresa e/ou orientações sobre os riscos associados a tarefa. nome(s) de colega(s) de trabalho que já estiveram na mesma função ou que estão atualmente na mesma atividade. descrição detalhada de como o acidente ocorreu. tem conhecimento de acidentes semelhantes nesta tarefa (nomes e respectivas datas). havia percebido alguma anormalidade durante a realização da tarefa. do supervisor e/ou encarregado. manutenção preventiva e/ou corretiva (quem é o responsável pela mesma e se existe livro com os registros das manutenções). saber se existe: dispositivo de segurança e/ou proteção (qual.

Acidentes. Buscar informações se ocorreu alguma modificação nas condições de trabalho posterior ao acidente. • forma de remuneração (pagamento de prêmios por produtividade). tanto do ambiente de trabalho como na forma como se organiza. calor. iluminação) e forma de organização do trabalho na empresa. Verificar quanto ao: • ritmo/agilidade de produção (intensificação de ritmo de trabalho). • Possuindo CIPA analisar a Ata de Reunião Extraordinária (obrigatória até 24 horas após a ocorrência de acidentes graves) avaliando a investigação. visto que. poeira.CIPA e Técnico de Segurança quando houver) e na observação detalhada do desenvolvimento da tarefa no ambiente de trabalho. • ocorre freqüentemente extensão de jornada de trabalho (horas extras). • monotonia e repetitividade. se atentando para as informações do acidentado. 3)Dispositivos de Proteção em Máquinas . • exigências mínimas de cota de produção. Recomendamos também que sejam levantadas informações relacionadas as condições do ambiente de trabalho (ruído. Identificar o Posto de Trabalho e observar detalhadamente como se desenvolve a tarefa. • trabalho de turno e noturno. existem fatores determinantes que interferem no desenvolvimento da tarefa. as condutas e as medidas corretivas que foram encaminhadas pela empresa para evitar a ocorrência de novos acidentes.

É bom lembrar que qualquer parte ou função ou processo da máquina que pode causar lesão deve estar protegido.: Utilizar o “check list para máquinas” para facilitar a coleta de dados referente a máquina. a máquina não poderá ser utilizada até a reposição completa da mesma. • Como as proteções funcionam e como devem ser utilizadas. ineficiência quanto a proteção entre outras). quando for o caso. danificada. • A quem recorrer e em quais circunstâncias é necessário a comunicação imediata na ocorrência de condições indesejáveis do(s) dispositivo(s) de segurança e de proteção (ajustes. Um eficaz sistema de proteção elimina ou neutraliza esta possibilidade. . se os trabalhadores envolvidos receberem um treinamento deficiente. Um bom treinamento deve abranger: • Como desenvolver a tarefa de forma segura. podem não oferecer uma proteção efetiva. • Identificação e descrição dos riscos associados com a máquina em questão. Sempre que algum dispositivo de proteção for removido para manutenção. • Como controlam e eliminam os riscos. OBS. Mesmo os dispositivos de proteção melhor elaborados. 4)Treinamento O treinamento é um quesito importante que deve estar associado a existência e ao uso das proteções. Um requisito importante para tornar a proteção eficaz é impedir o contato de qualquer parte do corpo do operador ou qualquer outro trabalhador com as partes móveis da máquina que são as mais perigosas.

limpeza. 5)Manutenção As manutenções para se tornarem seguras e cumprirem ao seu propósito devem ser estabelecidas de forma preditiva (considerando a vida útil de cada parte do equipamento). Deve permitir ao investigador “visualizar” da maneira mais completa possível. salvo se o movimento for indispensável à sua realização. . sem fazer emissão de juízo de valor e/ou interpretações subjetivas. Estas somente devem ser executadas por responsável credenciado e habilitado pela empresa. de forma preventiva ou ainda quando necessário de forma corretiva. • Os reparos. REQUISITOS MÍNIMOS Sempre que estiver sendo executada uma manutenção deve-se: • Identificar de forma visível quando a máquina está em manutenção. Análise e Conclusões Os dados coletados devem ser organizados de forma que a descrição do acidente seja baseada em fatos que foram observados/constatados. seguindo as instruções e as orientações do fabricante e de acordo com normas técnicas. ou se necessário pessoas que foram autorizadas para este fim. • Permanecer nas áreas de trabalho somente o operador e o responsável pela manutenção.• Exigência de somente iniciar o trabalho com as proteções em funcionamento e sob condições adequadas e completamente instaladas. resguardada a integridade física dos envolvidos. como o acidente ocorreu. ajustes e inspeções somente devem ser realizados com a máquina parada.

Somente depois de elaborar a descrição do acidente é que devemos analisar e interpretar as informações registradas e que nortearão a prevenção. . eliminação ou neutralização dos riscos.considerando uma descrição adequada aquela cuja leitura seja compreendida por profissionais que não participaram da investigação. Segundo Almeida & Binder. É importante salientar que considera-se seguro o sistema capaz de tolerar erros do operador sem a ocorrência de acidente. • não aumentar as exigências para o operador. permitindo desta forma visualizar. Este método permite ressaltar todas as causas objetivas e/ou circunstâncias. Um método que possibilita esta visualização é a construção da ÁRVORE DE CAUSAS. as medidas selecionadas devem ser capazes de: • eliminar ou neutralizar riscos. • ter estabilidade ao longo do tempo. • ter prazo de implantação compatível com o risco identificado. • não criar novos riscos. As medidas de prevenção devem ser exigidas através da instauração de Processo Administrativo Sanitário. onde devem ser implementadas as medidas corretivas de maneira que impeça a ocorrência de acidentes semelhantes. MEDIDAS DE PREVENÇÃO: O diagnóstico das falhas no processo de trabalho que foram identificados no sistema e que comprometem a Saúde e Segurança dos Trabalhadores deve permitir indicar as medidas de correção.

Universidade Federal do Paraná. foi criado em dezembro de 1997. apud PINHEIRO. centrais sindicais e sindicatos de trabalhadores.(RUTSTEIN. Ministério Público Federal do Trabalho. e tem se constituído em importante estratégia no enfrentamento dos acidentes graves e fatais.. no período da tarde. evitáveis. O Comitê se reune mensalmente no mesmo dia da reunião da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador (CIST-Estadual). em relação ao desvendamento da informação. Ministério Público Estadual. revelar o fracasso das medidas de prevenção e controle em saúde e trabalho. Ministério do Trabalho. ou morte precoce. introduzido por Rutstein et al como a “ocorrência de doença. facilitar o .Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações relacionados com o Trabalho do Paraná: O Comitê Estadual de Investigação de óbitos e amputações relacionados com o trabalho do Paraná. incapacidade. organização dos serviços e vigilância dos ambientes de trabalho. transformar o caso individual em caso coletivo. É constituído por representantes do SUS. 1996) e tem possibilitado determinar prioridades. Essa estratégia tem se pautado pelo conceito de evento sentinela.

intervenção na ocorrência de óbitos e amputações. 5)contribuir para a avaliação do impacto das intervenções sobre a ocorrência de óbitos e amputações. 2) propiciar a utilização do “evento sentinela” dos óbitos e amputações visando a detecção de falhas que tornaram o evento possível. permitindo sua correção de modo a garantir a melhoria do ambiente de trabalho e a prevenção da ocorrência de novos episódios. o conhecimento de suas causas e os fatores determinantes. 6)elaborar planos para eliminar as causas dos óbitos e amputações relacionados ao trabalho no estado do Paraná. incentivando a identificação. . 4)demandar e acompanhar os processos de investigação e quando necessária. organizando um sistema de investigação estadual e municipal dos óbitos e amputações. 3)garantir o monitoramento estatístico da ocorrência de óbitos e amputações relacionados com o trabalho no estado.reconhecimento de agravos e a utilização para morbidade e mortalidade (PINHEIRO. 1996) O Comitê tem as seguintes atribuições: 1)estabelecer uma rede estadual de vigilância de óbitos e amputações relacionados com o trabalho.

DENATRAN.Fluxo da Vigilância dos Acidentes Graves e Fatais no Estado do Paraná IDENTIFICAÇÃO DA OCORRÊNCIA (VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DO MUNICIPIO) CAT.SINAN. -IMPLANTAÇÃO DE MEDIDAS COLETIVAS PARA A ELIMINAÇÃO/REDUÇÃO DAS OCORRÊNCIAS . noticia de jornal INVESTIGAÇÃO DA OCORRÊNCIA E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE PREVENÇÃO PELA VISA MUNICIPAL ENCAMINHAMENTO DA FICHA DE INVESTIGAÇÃO E NOTIFICAÇÃO DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS PARA CEREST OU REGIONAL DE SAÚDE ANÁLISE DA FICHA ASSESSORIA ASS -REGISTRO DAS FICHAS NO BANCO DE DADOS DO CENTRO ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR. ANÁLISE.SIM.BO.SIH/SUS. SINITOX. SISTEMATIZAÇÃO E DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES dados COMITÊ ESTADUAL DE INVESTIGAÇÃO DE ÓBITOS E AMPUTAÇÕES RELACIONADOS COM O TRABALHO -AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS INTERVENÇÕES SOBRE A OCORRÊNCIA DE ÓBITOS E AMPUTAÇÕES.SAMU.

Tupia. Notifi cação de acidentes do trabalho fatais. – In Combate aos Acidentes Fatais Decorrentes do Trabalho – Fundacentro.Bibliografia Consultada: ALMEIDA.Fundação Oswaldo Cruz. Apostila – Informações sobre MÁQUINAS PERIGOSAS –Prensa. F Perfil dos óbitos e amputações a partir das fichas de investigação registradas pelo Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações Relacionados com o Trabalho do Estado do Paraná. MARIA CECILIA P.1998. Orientador: Hermano Albuquerque de Castro. 2000. Texto – Investigação de Acidente de Trabalho – versão preliminar Abr/99 – CEMAST/SESA Pinto. . Serra de Fita – CEMAST/SESA-PR. N. Serra Circular. 46 pg.N. 2006. Secretaria de Atenção à Saúde. graves e com crianças e adolescentes / Ministério da Saúde. J. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde. 2006. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. ILDEBERTO MUNIZ & BINDER.L. (Aperfeiçoamento/Especialização em Aperfeiçoamento Em Saúde do Trabalhador) . SP. PINTO. Monografia. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful